Você está na página 1de 53

Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A

C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN


Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

03.014
TkNlCAS DE ENSAIOS ELCTRICOS DE ALTA TENSAO
GUIA DE APLICACAO PARA DISPOSITIVOS DE MEDIC60
NBR 6936

Procedimanto NOV 1981

SUMARIO
1 Objetivo
2 Normas wmplementaref
3 Dafiniqh5
4 Medi$io de tens&s continual
5 Medieo de tens&s alternadas
6 Medigo de tenties de impulro
7 Madi@o de impulsor de mrrente
8 Ermr de medie - Avalia@o eStatktiCa
ANEXO A - Divisor resistive
ANEXO B - Bases matemdticas de temp~de reSpoSta T
ANEXO C - Procedimento para verificar a presen@ de orcilag6es no objeto sob enoBi0
ANEXO D - Figuras

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma fornece informa&s sobre dispositivos e sistemas de medig&, ex-
ceto o centelhador de esferas, util izados para medig& de tensoes em ensaios
dielktricos corn altas ten&es ou para medisao de corrente em ensaios corn impul
SOS de corrente, conforme NBR 6937.

1.2 Geralmente, o use dos dispositivos e dos procedimentos de calibraGao e med - i


~50 prescritos nesta Norma, satisfazem 5s condic6es especificadas de precisgo, mas
sua utilizagao nao i obrigatoria, podendo set’ utilizados outros, se ficar demons
trade terem a mesma precisao especificada.

1.3 As medi&&es de tensso corn centelhador de esferas sao tratadas na NBR 5412.

2 NORMAS COMPLEMENTARES

Na aplicagao desta Norma i necesssrio consultar:


NBR 5389 - Ticnicas de ensaios el6tricos de alta tensao - Metodo de ensaio

Origem: ABNT - NB62311979

CBa3 - Comit8 Brasileiro de Eletricidade

CE.O3:042.01 - Comissgo de Estudo de Ensaios Elhtricoa de Alta Tans&

ABNT - AssoclA@iDB~lLEl~
.slslEMANAcNJNALM

METRoLlxlq NolwALlz4Cxl DE NDFihWS l-kCNl~


Q
E QUALIDADE I MXlSTRIAL

p.l*“nschve: alta tensk NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CD,,: 621.3.027.3.621.3.089 Todos OS dirsitca rauvrdos 53 phginas


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6piaimpressa
Cópia impressa pelo Target
pelo Sistema Sk&maCENWeb CENWIN
2 NBR 6939/1981

NBR 5412 - ConstruGao e ~150 de centelhador de esfera - (Uma esfera ligada 5


terra) - Procedimento;

NBR 6820 - Transformador de potential - Metodo de ensaio;

NBR 6821 - Transformador de corrente - Metodo de ensaio;

NBR 6855 - Transformador de potential - Especificaqao;

NBR 6856 - Transformador de corrente - Especificagk;

NBR 6936 - Ticnicas de ensaios eletricos de alta tens& - Procedimento;

NBR 6937 - Tknicas de ensaios eletricos de alta tens& - Dispositivos de me-


-
di$o - Procedimento

3 DEFlNl@ES

Para 05 efeitos desta Norma sao adotadas as defini@es das NBR 6936, NBR 6937 e
NBR 5389.

4 MEDICHO DE TENSdES CONTfNUAS

OS sistemas de medi$ao de ten&s continuas geralmente consistem de um instrumen -


to de mediqao e de uma impedsncia elevada, em cujos terminais aparece quase 0 va
lor total de tens& de ensaio. 0 valor elevado da impedancia tern a finalidade de
minimizar as perdas no sistema de mediqao. Em 4.1 e 4.2 s& descritos 05 sistemas
mais utilizados para medig% do valor permanente e das amplitudes das ondula@es.

4.1 Sisters de medigZ0 do vator penanente de tens&s continuae

4.1.1 Instrument0 usado corn resistor s&ie

Urn instrument0 de medigao de corrente continua i ligado em sirie corn urn resistor.

4.1.2 Instrwnento usado corn divisor de tensiio

Urn voltimetro 6 ligado ao terminal de baixa tensao de urn divisor de ten&o resis -
tivo. A resistencia do voltimetro deve ser considerada na determinaqao da rela -
$50 do divisor.

Noti: Dependendo do tipo de instrument0 utilizado, es tes metodos i rao determi nar
- .
o valor medlo, 0 valor eficaz ou o valor de crista da tensso.

4.1.3 I'oZAwtro etetYOStEtiCG

Urn voltimetro eletrostitico possui dois eletrodos que sao ligados aos pontos en-
tre 05 quais a alta tens& deve ser medida.

0 campo e.letrostitico er?tre OS eletrodos gera uma forga de atragao proportional 1


ao valor eficaz da tensao. 0 valor eficaz i determinado em fun$ao dessa forGa.Es
C6pia
Licença impressa pelopara
de uso exclusivo Sk&ma
PetrobrásCENWIN
S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR W3WlSBl 3

te principio de medisso pode ser usado numa faixa de frequ&cias desde zero ati
varies megahertz. Se o sistema de mediG% 60 6 blindado, deve-se ter particu -
lar atengao para os erros causados pelos campos eletrostaticos parasitase pelas
cargas elitricas espaciais.

4.1.4 VoLtimetro de armadum m&Z


Urn voltimetro de armadura move1 6 urn dispositivo capacitive cujos terminais de
entrada ~$0 ligados aos pontos entre os quais se deve medir a tensso. E essen -
cialmente urn capacitor variivel,cujo valor de capacitancia oscila ciclicamente’
entre dois valores fixos. Urn instrumento de mediG associado a urn comutador a-
propriado ou retificador mede a variagao da carga que, em geral, 6 proportional
ao valor tidio da tensao chntinua. Nediante uma escolha adequada da frequ@ncia’
de varia$o da capacitsncia, e de sua defasagem corn relagao 5 tensso a ser medi
da, pode-se determinar o valor de crista ou qualquer outro valor intermediirio.

4.2 Sistemas de medipio da tensiio de onduZa&io

4.2.1 OsciloscOpio utilizadc corn m divisor de ten&o


Urn oscilosc6pio 6 ligado aos terminais de baixa tensso do divisor, tendo uma ’
resposta err frequkcia apropriada. Deve-se observar que a capacitancia do cabo
entre o divisor e o osciloscOpio pode modificar a resposta em frequ@ncia.

4.2.2 Instmmento utiZizado corn fiZtr0


Tal dispositivo consiste em geral de urn instrument0 ligado ao circuito, de for-
ma que a componente continua 6 eliminada pela filtragem. Urn arranjo tipico con-
siste de urn capacitor de alta ten&o em s6rie corn urn resistor, ao qual se liga
o instrumento de mediG;o.

4.2.3 Instmmento de medip& da corrente mtificada atrav& de LLVIcapacitor

Urn capacitor em s6rie corn urn retificador de onda completa, i ligado aos pontos’
entre OS quais se mede a tensao. A amplitude da ondulagao U 6 relacionada ao
r
“alor media da corrente que circula no capacitor, peia expressao:

Onde :
lr = valor media da corrente;
C = capacitancia do capacitor;
f = freqUe^ncia fundamental da ondula$ao.

Se o amperimetro que mede a corrente atraves do capacitor i I igado de forma a


medir somente meio ciclo da corrente alternada, o fator 4 na expressso acima 6
substituido POT 2.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa
Cópia impressa pelo Sistemapelo
TargetSk&ma
CENWeb CENWIN
4 NBR 6938/1981

0 mitodo G de aplica$% limitada. Se a ondulaqso tiver mais de uma crista em ca-


da meio ciclo, a precisao da mediGS dependeri do retificador utilizado.

4.3 Determina&o dz FeZa& de tenSi? e fatO?%S de escaZa

4.3.1 Instmento utiZizado corn resistor &tie

A resist:ncia do resistor sirie 6 geralmente determinada por medi.$o corn ponte ’

em baixa tensso, utilizando-se tensso continua. A partir deste valor e das tarac -

tdristicas do instrument0 se deduz o fator de escala. 0 fator de escala pode ’

tambh ser determinado por compara$o numa operagao em paralelo corn urn circuito’
aprovado de medi$ao de tensso continua. A estabilidade do resistor serie, em fun
gao da tensso e da temperatura, pode ser verificada submetendo-se individualmen-
te cada componente do resistor a ensaios apropriados, na faixa de valores de ten-
sao e de temperatura em que irao funcionar.

4.3.2 Instmmento utiZizado corn divisor de tens&o

OS procedimentos para determinagao da relasao dos divisores de tensso sao trata-


dos em 6.2.

4.3.3 Voottimetro eletrost&ico e vottimetro de armadxra m&e1

OS sistemas de medi$ao corn estes tipos de instrumentos podem ser calibrados por
comparaGao numa ligagso em paralelo corn urn dispositivo de medisao aprovado.

Nota: Durante rea@es entre feixes de protons ou deuterons corn diferentes n;-
cleos leve?, existe urna energia ressonante precisamente determinada para a
qua1 a seGao eficaz da reaqao nuclear 6 maxima. Este efeito pode ser usado
para calibra@es precisas de sistemas de medisao de altastensoes continuas.

4.4 Deteninapio da resposta de ampZitude em freque&cia de um sistema de medi -

Para a determinagao da resposta de amplitude em frequgncia de urn sistema de medi

Go, uma ten&o senoidal 6 aplicada entre seus terminais de entrada. A relasao 1
entre a amplitude de saida e a de entrada 6 determinada em fungao da frequencia.
A faixa de frequencias deve se estender desde urn valor baixo at& urn valor sufi -
cientemente elevado para satisfazer OS requisites da NBR 6937.

As medi@es sao usualmente realizadas corn valores baixos de tensao de entrada.

4.5 Font&s possiveis de erros, precaupoes

Quando se utiliza urn sistema de medigao para tensoes continuas corn resistencia ’
de valor elevado, deve-se ter cuidado para evitar erros devidos a corren~te Par
efeito corona ou a corrente de fuga pelas superficies isolantes que podem estar
poluidas ou Cmidas por condensasao. Eletrodos de alta tensso apropriadamente di-
Licença de usoimpressa
C6pia exclusivo para Petrobrás
pelo Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 8938/1981 5

mensionados, circuitos de guarda e tratamento das superficies minimizam tais er-


ros e permitem reduzir 05 requisites relatives ao nivel da corrente de medigao.

OS err05 podem tambkn ser causados por resistores que tenham coeficiente de ten-
sao ou de temperatura significantes e por instrumentos sujeitos a variaF6es gra
duais de indicask.

Voltimetros eletrostiticos e de armadura move1 podem introduzir erros devido 5


distor$o do campo provocada pelas cargas eletrostiticas na superficie dos mate
-
riais isolantes ou no espago.

Uma solicita& excessiva dos componentes do equipamento de mediG% devida a


uma descarga disruptiva no objeto sob ensaio ou err05 de medigao devidos a des-
cargas parciais podem ocorrer em sistemas de mediG. onde a resposta 5s frequ-
cias elevadas excede apreciavelmente sua resposta na faixa das frequencias bai-
xas. Estes fenomenos sao usualmente associados corn a presenga de indutencias pa
rasitas.

5 MEDICAD DE TENS6ES ALTERNADAS

OS sistemas de medi$o de tensoes alternadas consistem, geralmente, de urn ins -


trumento de mediG ligado a urn transformador de potential, a urn divisor de ten-
sao ou a uma impedsncia elevada, em cujos terminais aparece quase 0 valor total
da tensso de ensaio. OS dispositivos s& geralmente de impedsncia elevada para
manter a carga do circuit0 de ensaio dentro de limites aceitaveis. A seguir Go
descritos alguns dos sistemas mais utilizados para medigao de alta tens& alter -
nada e da amplitude dos harm6nicos.

5.1 Sistemas d.62me&p% de tens&s altemada

OS sistemas seguintes, na maioria dos cases, medem o valor de crista, o valor I


eficaz ou o vaior m6dio retificado de uma tensso alternada, de acordo corn o ti-
po do instrument0 e do arranjo utilizado. A medi$ao da corrente capacitiva reti
ficada determina a amplitude de crista a crista (ver 5.1.3) e o voltimetro ele-
trostatico (ver 5.1.4) mede o valor eficaz.

5.1.1 Instrwnento corn trarsfomador de potenciaL

Urn voltimetro c ligado aos terminais do enrolamento de baixa tensao de urn trans -
formador de potential, do tipo indutivo ou capacitive. Em geral, a escolha do
instrument0 n& 6 restrita corn relagao 2 impedsncia de entrada.

5.1.2 Instrmento corn divisor de tenGo

Urn voltimetro ou urn oscilosc6pio i ligado aos terminais de baixa tensso do divi
sor de tensso, por meio de urn cabo de medisk. Em geral, a impedsncia de entra-
da do circuit0 de medi$ao de baixa tansao, incluindo o cabo de medigao, afeta a
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
CópiaCopia impressa
impressa pelo
pelo Sistema Sk&ma
Target CENWebCENWIN
6 NBR 6939/1981

rela.+o do divisor. Na maioria dos cases, e utilizado urn divisor capacitive jun-
tamente corn urn circuit0 de medigao de baixa ten&o que mede o valor de crista da

al ta tensso.

5.1.3 Capacitor corn dispositivo retificador


Urn capacitor em serie corn urn retificador de onda completa 6 liqado aos pontos e”
tre os quais a tens50 deve ser medida. 0 valor de crista da tensao U esta rela-
P
cionado corn a corrente midia do retificador, que circula pelo capacitor por:

Onde :
Ir = valor media da corrente;
C = capacitsncia do capacitor;
f = freqU&cia da tensao alternada.
Se o amperimetro que mede a corrente no capacitor for liqado de forma a medir so-
mente meio cicio da corrente alternada, o fator 4 da expressso de U r 6 substitui
do por 2.

0 metodo 6 de aplicasao limitada. Se a forma da onda tiver mais de uma crista em


cada meio ciclo, a precisao da medigao depender;i do tipo de retificador utiliza-

do.

5.1.4 voltimetro eletrost&ico

Este instrument0 6 descrito em 4.1.3 para utilizagao corn tensso continua. Pode ’
ser usado, tambern, para medi@o do valor eficaz de ten&es alternadas, em ampla
faixa de frequkkcias, ate varies megahertz.

5.1.5 voltimetro de amadura m&s2

0 voltimetro de armadura m&e1 6 descrito em 4.1.4, para use corn tensao continua.
Este voltimetro pode ser tambern utilizado para medigao de tensso alternada. Me-
diante uma escolha apropriada da frequencia de variagao da capacitzncia e de sua
defasaqem em relacao a tensao a ser medida pode-se determinar o valor de crista’
ou qualquer outro valor intermediario.

5.1.6 Instrwnentc corn resistor s&ie

urn instrument0 de medigao de corrente alternada e ligado em serie corn urn resis -
tar de valor elevado e constante.

5 .Z &stems de medi&io da amplitude d0.s ham&icos

5.2.1 o~~il~sc~ppio corn divisor de ten&o

Um osciloscopio 6 ligado aos terminais de baixa tensao de urn divisor de tensao ’


Licença
C6pia de impressa
uso exclusivopelo
para Petrobrás
Sk&ma S/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR B93B/1981 7

capacitive. Este mGtodo sera adequado apenas se a precisao tanto do sistema de I


registro coma da anslise subseq’tknte for suficiente para assegurar o cumprimento
dos requisites. 0 mGtodo tern precisao limitada, especialmente no case de harmoni
cos de baixa amplitude.

5.2.2 Instrument0 corn fiZtr0

Urn filtro 5 usado para supressao da componente fundamental da tensao sendo o va-
lor eficaz.dos harm&icos residuais medido corn instrumento apropriado. Alternati
-
vamente,mas corn menor precisao, pode ser medido o valor de crista da combin.sGao’

dos harmonicas.

5.2.3 AnaZisador de ham&icos corn divisor de tens&

Este sistema permite medigao em separado dos valores eficazes da componente fun-
dame !” tal e de cada urn dos harm&icos individualmente.

5.3 Deteninqiio da rela&io de tens;io e dos fatores de escala

5.3. 1 Instrument0 corn transfomador de potenciaZ

OS procedinentos para a determina@o da relay% de transformadores de potential 1


Go tratados na NBR 6820 e na NBR 6855.

5.3.2 hstmento utilizado cm divisor de tens&

OS procedimentos para a determinasao da rela$so de divisores de tensso Go trat:a -


dos em 6.2.

5.3.3 Voltimetro eletrost&icc e voZ&etro de anadura m&e1

OS sistemas de medisao corn estes tipos de instrumentos podem ser calibrados por
compara~ao, numa ligasao em paralelo corn cutro dispositivo de medigao aprovado.

5.3.4 Instrmento utiZizad0 corn resistor s&ie

0s procedimentos de calibraqao de sistemas corn este tipo de dispositivo sao tra-


tados em 4.3.1. Entretanto a impedsncia deste resistor e o fator de escala devem
ser determinados para a faixa de frequencias das tensoes a medir.

5.4 Deteminapio da resposta de am@itude em freqw&cia

para determinaqk da resposta de amplitude em frequEncia de urn sistema de medi -

Go, G aplicada uma tensso senoidal em seus terminais de entrada. A relagao en-
tre a amplitude de saida e de entrada 6 determinada em fun@o da frequkcia. A
faixa de frequsncias deve se estender desde urn valor baixo ati urn valor sufici-
entemente elevado para satisfazer os requisites da NBR 6937. As medi@es sao fei -
tas, geralmente, corn urn valor baixo de tensso de entrada.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
CópiaC6pia itIIpresSa
impressa pelo
pelo Sistema Sistema
Target CENWebCENWIN
8 NBR 6938/1981

5.5 Fontes possiveis de erros, precau@?s

Devido as altas impedancias de alguns divisores de tens% e impedores scrie, o


efeito corona e as capacithcias parasitas podem causar sgrios erros de medigao.
Esses erros. podem, muitas vezes, ser minimizados atrav;s do “50 de eletrodos de
alta tensso e circuitos de guarda adequadamente dimensionados. Para evitar tais
efeitos em divisores capacitivos, 5 recomendado que, quando o capacitor nao ; 0
efetivamente blindado, a capacithcia total em picofarads seja pelo menos 30 a
40 vezes o comprimento total do divisor,em metros.

0s erros podem tambim ser causados por resistores que tern coeficientes de tensso
ou temperaturassignificantes, e por instrumentos sujeitos a varia@es graduais I
da indicaG:o.

Vol timetros eletroststicos,.e vol timetros de armadura m&e1 podem introduzi rer,ros
devidos a distorgao do campo, provocada pelas cargas eletrostaticas na superfi -
tie dos materiais isolantes ou no espaqo.

Quando i usado urn capacitor sGrie de alta tensso para mediGs da ten&o, torna -
se necessaria prote$& especial dos instrumentos de mediGs durante ensaios corn
descargas disruptivas. Descargas disruptivas num objet0 sob ensaio, ligado em pa-
ralelo corn esses tipos de sistema de medigao, resultam na aplicagao de surtos de
corrente de rapid0 crescimento nos retificadores e instrumentos, que devem entao
z.er apropriadamente protegidos.

Uma solicitaqk excessiva dos componentes dos equipamentos de medi$ao, devida a


uma descarga disruptiva no objeto sob ensaio, ou erros de mediG:o, devidos a des
cargas parciais, podem ocorrer em sistema de medi$o onde a resposta as frequik-
cias elevadas excede, apreciavelmente, sua resposta na faixa das freq&ncias bai
xas. Esses fenomenos 520 geralmente associados corn a presenga de indutincias p?
rasi tas.

6 MEDICA DE TENSBES DE IMPULSO

OS sistemas de medisao de te&es de impulse atmosfirico e de manobra devem ser


capazes de registrar tenshes corn taxas de variaG;o muito mais elevadas que OS ’
usados para mediG: de outros tipos de alta tensgo. Consequentemente, OS compo -
nentes do circuit0 devem ser especificamente projetados para apresentar uma boa
resposta transitoria. Por este motive, uma grande parte deste capitulo trata do5
metodos para determinasao das caracteristicas de resposta de sistemas de medigao
e dos erros introduzidos por inadeqtiada capacidade de resposta. Urn circuit0 usa
do para verificar as caracteristicas de resposta de urn sistema de medigao 6 MS-
trade na Figura 1 (ver Anexo D). Outros circuitos sao tambGm apl ic;iveis.

E tambim importante que o sistema de medi.$o nao sobrecarregue o sisterna de geJ5


C6piade impressa
Licença uso exclusivopelo Sk&ma S/A
para Petrobrás CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 9

q& de tal modo que o impeqa de produzir as elevadas taxas de varia$% de tensso
requeridas nos terminais do objeto sob ensaio.

Na estimativa dos erros de medig% nao sao levadas em conta as tens&s induzidas
par correntes ou tens&s externas ao sistema de mediG&. Set-i necessirio cuidado
especial na presenga de valores elevados de tais correntes ou tensoes. Deve-se
observar que a ten& nos terminais do objeto sob ensaio dificilmente 6 idsntica
em todos os aspectos aquela nos terminais do divisor de tens&.

6.1 Componentes dos siatemas de medic$~


A maioria dos sistemas de medick de altas tensEes de impulse, exceto os cente -
lhadores de esferas, consiste de:

a) urn divisor de ten&o;


b) urn oscilosc6pio ou instrument0 indicador, ou an&s simultaneamente;
c) condutores de alta tensso;
d) cabos de medig& em baixa tens&;
e) circuito de retorno 5 terra.

Urn resistor de amortecimento na al ta ten&o pode tambern ser considerado coma urn
componente. As caracteristicas importantes desses componentes s& analisadas de
6.1.1 i 6.1.7.

6.1.1 Divisor de ten&o

A maioria dos divisores de tens& tern capacitsncias parasitas distribuidas em re


lasso a terra eaos objetos vizinhos aterrados ou sob tensso. Nos divisores resis -
tivos, estas capacitancias afetam as caracteristicas de resposta, pois elas de-
vem ser carregadas e descarregadas atravis da resistgncia do divisor; nos diviso -
res capacitivos, as capacitancias parasitas afetam o fator de escala do circuito.

0 efeito das capacitsncias parasitas nos divisores resistivos pode ser reduzido’
mantendo-se a resistsncia num valor tao baixo quanta possivel sem carregar exces
sivamente o circuit0 gerador e utilirando-se eletrodos de blindagem na extremida -
de de alta tens.& do divisor. Estes eletrodos fornecem urn caminho capacitive pa-
ra carregar as capaciGr\cias parasitas em relagk a terra.

Nos divisores capacitivos, a capacitsncia do divisor deve ser suficiente para ’


tornar desprezivel o efeito das capacit%cias parasitas. OS divisores capaciti-
“OS, em impulses de varia@ rapida, podem apresentar, sobrelevqces ou oscila -
@es de valor elevado na sua saida, devido a indutancias parasitas no lado de
baixa tensao.

Divisores mistos consistem de elementos capacitivos e resistivos. Em tais diviso -


res, o efeito da capacitsncia parasita depende da maneira de ligar as partes corn
Donentes.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia
Cópia impressa
impressa peloTarget
pelo Sistema Sk&ma
CENWeb CENWIN
10 NBR 9938/1981

6.1.2 Condutor de aZtn tens&

0 comprimento, a posisao e o diametro do condutor, que liga o terminal de alta


tens& do divisor ao terminal de alta tensao do objet0 sob ensaio, podem influen -
ciar o funcionamento do sistema de medigao. Para qualquer medi@o, o comprimento
deste condutor deve ser determinado corn precisao, e estar dentro dos I imi tes pa-
ra OS quais o sistema de mediGs foi calibrado. Sua posigao, se for importante,’
dew ser aproximadamente a mesma durante o ensaio e durante a calibraqao. 0 efei -
to corona no condutor pode afetar o funcionamento do sistema de medi$o. 0 ideal
seria utilizar urn condutor de dismetro suficientemente grande para evitar esse ’
efeito. Se o efeito corona 60 puder ser evitado i preferivel utilizar urn condu-
tar de pequeno dismetro. Descargas intensas nas proximidades do divisor devem I
ser evi tadas.

Normalmente o condutor de alta tensso deve ser ligado diretamente ao terminal de


alta tensao do objet0 sob ensaio e nao ao gerador de impulse ou a urn ponto qual-
quer do condutor que liga o objet0 sob ensaio ao gerador de impulse. lsto evita’
a introdusao na medigao, da queda de tensso indutiva neste condutor. Entretanto,
quando se medem impulses atmosfericos plenos ou impulses cortados na cauda, pode-
se em geral admitir que o erro devido 2 liga$o do divisor a urn ponto intermedia -
rio do condutor, entre o gerador e o objet0 sob ensaio, 6 desprezivel, se a con-
diGso m,<0,05j1s for preenchida. Nesta relasao, L i a indutancia em microhenrys
do trecho do condutor situado entre o divisor e o objeto sob ensaio (grosseira -
mente 1 p/m) e C e a capacitsncia efetiva do objet0 sob ensaio em microfarads. 0
comprimento total do condutor entre o divisor de tensso e o objet0 sob ensaio 6
entao considerado corn0 sendo o condutor de alta tensao do sistema de medigao.

6.1.3 Resistor de amortecimento

Urn resistor de indutsncia muito baixa pode ser intercalado no condutor de alta ’
tens:0 para amortecer osci l+es. Este resistor pode ser colocado prkimo do di-
visor ou na entrada do condutor de alta tensso. No primeiro case o resistor i
considerado coma parte do divisor e o circuit0 6 entao descrito coma urn circuit0
a dois componentes. No Segundo case i descrito coma urn circuit0 a trgs componen-
tes.

Qualquer que seja a posisao do resistor, seu valor deve ser levado em considera-
~20 quando se determina a relasao do circuito.

0 resistor pode ter uma influencia apreciivel na resposta do circuit0 de medigao.


Sao considerados nesta Norma somente circuitos a dois componentes.

6.1.4 os&Zosc&io
0 osciloscOpio para registro de ten&es de impulse 6 essencialmente urn instrumen -
C6pia
Licença impressa
de uso peloPetrobrás
exclusivo para Sk&ma S/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 693611961 11

to blindado corn uma grande velocidade de registro, e corn uma base de tempo de
varredura Gnica que pode ser disparada em sincronismo corn o impulse. A alimenta
-
$0 de alta tensao do instrument0 deve ser estabilizada e praticamnte sem ondu
lagao. Ele deve dispor de meios para calibrar a velocidade de varredura e a sen
sibilidade da deflexk 2 ten&o. Deve dispor ainda de acessorios para o regis -
tro fotografico de oscilogramas.

E importante qua as placas de deflexao do osciloscOpio permanegam sob as mesmas


condiqoes de aterramento e de polarizagao durante a calibragao e durante o re-
gistro das tens&s de impulse. 0 osciloscopio de impulse nao 6 normalmente equi -
pado corn amplificadores e os terminais de conexao 5s placas de deflexk sao Go
curtos quanta possivel de modo a obter urn born desempenho em altas flequkcias.
0s osciloscopios corn amplificadores 520 aceitiveis se tiverem uma resposta sufi -
cientemyte ripida e uma precisao de mediG& de tensso suficientemente elevada.
Entretanto, tais instrumentos szo especialmente sensiveis a perturba$es.

0 osciloscOpio 6 normalmente provide de umconectorpara o cabo coaxial do divi-


sor de tens%. A impedkcia de entrada medida neste conectordeve ser adaptada 5
impedsncia caracteristica do cabo coaxial ou ser tao alta quanta possivel, de-
pendendo do tipo de divisor (ver 6.1.6). Algumas vezes se dispoem de ambas, as
condi$es. Nos dois cases a capacitlncia de entrada do osciloscopio deve ser mi-
nima. 0 instrument0 pode tamb&m incluir urn atenuador interno para reduGao em de-
graus da tens& entre o conector de entrada e as placas de deflexao.

6.1.5 vo'ottimetro de crista


E urn instrument0 no qual, geralmente urn capacitor 6 carregado por meio de reti-
ficadores, ati uma tensao proporcionai ao valor de crista do impulse a medir. A

carga Z mantida no capacitor e e lida por meio de urn amplificador de alta impE
dsncia e de urn instrument0 registrador ou indicador incorporado ao mesmo. Este
instrumento tern urn erro que depende da forma do impulse a ser medido, devendo ’
ser determinado experimentalmente. A impedkcia de entrada do instrument0 6 su-
jeita a limita@es idcnticas as mencionadas para o osciloscopio. Deve-se notar’
que a major parte dos instrumentos deste tipo tern sido reconhecidos coma sensi-
veis a interfersncias, sobretudo para mediGoes de impulses cortados abruptamen-

te.

nota: para osciloscOpios de impulse e voltimetros de crista 6 importante verifi


car o fator de escala total, a estabilidade, as caracteristicas de respos -
ta e a sensibilidade a perturba$es.

6.1.6 cab0 cm.ricl e adaptador de zhpe&cia

0 cabo de medigao do lado de baixa tensso de urn sistema de medigao deve ser co2
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sk&ma
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
CENWIN
12 NBR 6939/1991

xial e do tipo para alta frequkcia. As perdas dieietricas da isolask e a resil


tkcia do condutor interno do cabo e da blindagem podem introduzir erros. E es-
sencial que a adapta& da impedancia caracteristica dos cabos seja realizada em
uma ou em ambas as extremidades, a fim de evitar as reflexoes mliltiplas que PO-
dem resultar em erros de medigao.

Se 0 cabo i ligado a dois ou mais instrumentos e se o comprimento dos cabos adi-


cionais de IigaGao 60 for desprezivel em rela+ a0 comprimento do cabo princi-
pal, deve ser inserido urn dispositivo que permita a adapta$k das impedancias ’
dos cabos. Quando o comprimento dos cabos i desprezivel, nenhum dispositivo adi-
cional de adapta& de impedsncias deve ser previsto e somente urn cabo 6 adapta-
do.

Corn divisores resistivos a impedsncia do cabo 6 normalmente adaptada na extremi-


dade do lado do instrument0 e algumas vezes, em ambas as extremidades, (ver Figu -
ra 2a - Anexo D). Qualquer atenuador ou dispositivo de conexk inserido no cabo
deve ter sua impedsncia adaptada 5 impeda^ncia do cabo. Quando sao usados diviso-
res capacitivos, a adaptagao da impedancia do cabo 6 geralmente realizada na ex-
tremidade do lado do divisor, ligando-se o impedor de adapta$ao em ssrie corn 0
cabo, (ver Figura 2b - Anexo D). Qualquer atenuador ou dispositivo de conex50 in
serido no cabo deve ter uma impedancia de entrada tao elevada quanta possivel.

Outros metodos de adapta@ de impedsncia podem ser usados desde que a resposta’
do sistema atenda aos requisites especificados em 6.8.

6.1.7 Retomo a termi

Norma I men te I vsrios pontos dos circuitos de gera@o e medic20 sao interligados e
ligados ao terminal aterrado do objet0 sob ensaio. E importante que a impedancia
entre todos esses pontos seja a mais baixa possivel. Sao necessirias precau@es’
especiais em 5reas de elevadas correntes para terra, coma no terminal aterrado ’
do objeto sob ensaio, do gerador de impulso e de qualquer capacitor de frente.Es
ta reduF:o de impedancia pode ser obtida usando-se condutores de retorno a terra
constituidos de grandes tiras meti icas nao magneticas, ou fazendo-se curtas Ii-
ga@es de aterramento a uma grande chapa ou malha metslica, sobre ou sob 0 solo
do local de ensaio.

6.2 Detenina~;io das reZa@es de tens6es e dos fatores de escala

O fator de escala de urn sistema de medig% 6 geralmente obtido multiplicando-se’


a rela@k de tensoes do divisor pelo fator de escala do instrumento, 0 qua1 i de
terminado pelos m6todos convencionais. OS metodus para determinar a rela@ de

ten&es Go:

a) por cZlcul0, a partir da mdiF:o das impedancias dos componentes indivi-


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR B939/1981 13

duais;

b) por medi@es simul tsneas das tensoes de entrada e saida do divisor;

c) pelo “so de urn circuit0 tipo ponte no qua1 a saida do divisor 6 equili-
brada corn a saida de urn divisor ajustavel de grande precisao. (Este &-
todo 6 normalmente mais precise que OS dois metodos anteriores).

A relagao de tens&s de urn divisor 5 geralmente determinada em baixa tensso. Pa-


ra divisores resistivos, as medi@es podem ser realizadas de acordo tom OS mGto-
dos indicados em b) ou c) utilizando-se tens& alternada ou continua. Para divi -
sores capacitivos deve ser utilizada tensso alternada. E recomendado, para veri -
ficar se a rela$o de tensoes obtidas 6 aplic&el a uma certa faixa de freqLlGn-
cia, qua a relaGao seja determinada usando-se varias freq&cias; por exemplo,
freqllgncia industrial de 1 kHz.

Em complemento 5 determina& da relaqao de tensoes, e- normalmente necessario ’


verificar se esta relagao nao varia mais de 1% na faixa de tempos de frente pre
vista para utilizagao do divisor, e mais de 5% para o maior tempo at6 o meio va
lor a ser considerado. Esta verificasao deve ser feita utilizando-se a respos-
ta ao degrau ou por compara$ao corn urn sistema de medisao aprovado na aplicagao’
de formas de impulse adequadas.

Corn divisores capacitivos ou mistos em que a relaqao de ten&es tenha sido de -


terminada independentemente, geralmente sera necessario verificar o fator de es-
cala do circuit0 na nwntagem a ser utilizada, se a relagao de tensoes tiver si-
do determinada independentemente. Esta provid;ncia 6 necessaria devido a preset
qa de capacitsncias parasitas na montagem que podem afetar a relagao de ten-
&es e, alGm disso, 5 diferenga que pode existir entre a relaG& de tensoes me-
dida corn tensso alternada a ba~ixa frequ;ncia e a aplicavel durante a correspon-
dente medi$o de tensoes -de impulso.

IJm mctodo apropriado para verificar o fator de escala 6 o de fazer medi@es si-
multsneas utilizando-se dois sistemas: o sistema a ser verificado e urn outro, ’
compreendendo urn divisor resistivo apropriado ou outro sistema de medi@ a-
provado. Nesta verifica@ deve-se utilizar uma tensso de impulse do tipo a me-
dir. 0 ensaio pode ser feito a urn nivel de tensgo bastante inferior 5 tensso no-
minal do sistema a verificar. Assim pode-se empregar urn divisor resistive ou urn
sistema de mediG& aprovado de tens:0 nominal relativamente baixa. Entretanto,a
rela@o de tensoes determinada em baixa ten&o pode diferir da correspondente ’
em alta tensso, se existirem no sistema de medigao efeitos dependentes da ten -
Go com3, por exemplo, 0 efeito corona.

6.3 Resposta de m sistema de medipio

o melhor modo para avaliar a precisao de uma mediG& de urn impulse i utilizar ’
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia
Cópia impressa
impressa pelo Target
pelo Sistema Sistema CENWIN
CENWeb
14 NBR W39/1981

uma certa forma de resposta generalizada do sistema de mediG%. 0 tipo de respos


-
ta que tern side adotado para 05 sistemas de medigao de impulse & o da resposta ’
ao degrau unitario.

Em principio, a resposta ao degrau de urn sistema de medigao de tens& de impulse


6 oscilograma obtido quando se aplica urn degrau de tens.50 entre osdois terminais
de entrada. Na przitica, o sistema 6 modificado e obtem-se uma aproximada respos-
ta ao degrau denominada “resposta experimental ao degrau”.

Esta resposta pode ser usada para obter certos parsmetros da resposta real ve
sao ljteis na determinaC:o da precisao de uma medig&. A determina+ dos parsme-
tros atravcs dos oscilogramas da resposta experimental ao degrau ests descri ta
em 6.5. Eles podem tambcm podem ser obtidos corn o use de urn centelhador de esfe
-
ras conforme descrito em 6.6. Estes para^metros de resposta estao relacionados a
seguir, juntamente corn a indica& da sua aplica@.

Pa rame t ros Apl ica.$o

Tempo de resposta: T (ver 6.5.2) Determina@ de erros na medisk de


valores de crista e de parsmetros ’
de tempo de impulses

Tempo de resposta partial: Tcr e Td, Corregao da medig& de oscila@es ’


(ver 6.5.6) sobrepostas

Tempo de resposta do condutor hori Determinagao de T quando o compri -


zontal de alta tensso: T1 mento do condutor de alta tenGo ;
(ver 6.5.4) modificado. (TeG umcomponente de T)

Tempo de resposta experimental: Tn Determinasao de T


(ver 6.5.2)

Tempo de distorsao ,inicial: To MediG% dos parsmetros de tempo e


(ver 6.5.3) amplitude de impulses cortados na ’
frente

Tempo de resposta do sistema sem Fator de qualidade do divisor


condutor de al ta ten&: Tt
(ver 6.5.4)

Faixa de frequencia de ressonancia: MediGao de oscila@es sobrepostas


fr (ver 6.6.5)

Zero virtual: 0’ (ver 6.5) Ponto considerado come inicio do de-


grau, da resposta e tar&m do sinal
a ser medido
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 15

6.4 Procedimento ezperimenteZ pma medi&io da respostn ao d&grau

A partir do terminal de entrada de alta tens& do sistema de mediGao, urn condu-


tar corn o mesmo diketro que o condutor de alta tensso do sistema de medi.$o 6
disposto verticalmente na dire+ de urn pequeno gerador de degrau colocado so-
bre o solo, come ilustra a Figura 1 (ver Anexo D). Este gerador deve ter uma im
-
pedkcia praticamente nula durante a geragao do degrau e subsequente resposta,’
sendo essencialmente uma chave de grande velocidade que cur-to-circuita OS dois
terminais de entrada. 0 degrau de ten&o i produzido aplicando-se uma tensso 2
chave, fechando-a em seguida. As chaves apropriadas para este fim sao relcs de
merciirio ou urn centelhador tendo urn campo essencialmente uniforme (corn cerca de
1 mm de afastamento) que 6 levado a centelhar. OS grandes centelhadores nao sao
satisfat6rios para uma determinaG8o precisa, por n& permi t i rem uma varia~ao de
tens& suficientemente rspida e nao terem uma impedsncia suficientemente baixa’
ap& o centelhamento.

Se for utilizado urn rele de mercirio pode-se empregar uma fonte continua de bai
xa tens&, ligada atravis de urn resistor limitador de corrente. A tensao de sai
da do divisor seri geralmente muito baixa para ser registrada corn o osci1osc.j -
pio normal de impulse. Neste case, deve ser util izado urn osciloscOpio corn maior
sensibilidade. Este oscilosc6pio deve ter caracteristicas de respostas simila -
res as do osciloscOpio normal de impulse, do contrario serao obtidas informa -
@es erroneas sobre o comportamento do sistema de medig% quando estiverem sen-
do medidas varia&jes rapidas de tensso. E igualmente importante quea impedancia
normal para terra da saida do divisor e a disposi@o normal das liga@es sejam
mantidas durante o use deste oscilosc6pio. sobretudo, nos cases de divisores ca
pacitivos. Se urn centelhador cam campo essencialmente uniforme for utilizado CO

mo chave, pode ser aplicado urn impulse corn tempo de frente de 10 a 15 ps, sendo
a amplitude ajustada para produzir urn centelhamento na crista da tensao ou na
sua vizinhanGa. Para OS divisores capacitivos podem ser utilizadas tensoes con-
tinuas ou alternadas. A tenszo disruptiva do centelhador pode ser aumentada,ele
vando-se a pressso; este procedimento pode eliminar a necessidade de amplifica-
Tao e assim permitir o use do oscilosc6pio normal de impulse.

Recomenda-se executar OS ensaios experimentais corn virios comprimentos do condu-


tar de alta ten&o de msdo a cobrir toda a faixa utilizada na pratica.

Recomenda-se tambern tomar oscilogramas de resposta utilizando virias velocida -


des de varredura (6.5.1).

6.5 Deternina& dos p&metros de resposta a pmtir dos oscilogramas de res -


posta ao &grim ur.it&o

Oscilogramas tipicos de resposta obtidos pelo metodo do degrau sao indicados na


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia pelo
Cópia impressa impressa pelo Sk&ma
Sistema Target CENWeb CENWIN
16 NBR 693W1981

Figura 3 (ver Anexo 0). Na maioria, a parte initial ou i arredondada coma na Fi-
gura 3c (ver Anexo D) ou mostra distor@es corn0 nas Figuras 3f, 3q e 3h(ver Ane-
xo 0). A forma desta regiao initial 6 importante na an;ilise de oscilogramas de
impulses cortados na frente.

A fim de se obter OS parketros de resposta, urn zero virtual 0’ tern de ser deter -
minado; urn procedimento para essa determinaF;o 5 descrito em 6.5.1. 0 zero vir -
tual 0’ 6 considerado coma ponto initial do degrau, da resposta e tambGm do si-
nal a medir durante o ensaio. 0 degrau aplicado 6 designado corn0 amplitude unita
ria e a resposta 6 referida 5 mesma amplitude coma indicado em 6.5.1 e Figura 3.
A resposta apresentada desta forma 6 designada corn0 resposta ao degrau unitario.

6.5.1 Detemina& do zero uirtuaZ 0' e da anpZitu& unit&a


0 zero virtual 0’ do oscilograma de resposta ao degrau 6 definido tome a inter -
sec@o do eixo dos tempos corn uma reta tangente 2 parte frontal mais inclinada ’
da resposta.

Se a resposta tiver oscila@es na frente, deveri ser trasada uma curva media das
oscila@es que sera usada para a determinagk da tangente. No case de uma distor -
$20 iniiial significativa, coma mostram as Figuras 3f, 3g e 3h (ver Anexo D), a
parte distorcida 6 desprezada ao se tragar a tangente, e o zero virtual 0’ 6 de
terminado COmO indicado. E evidente que a determina$;iode 0’ 6, de certa for

ma, subjetiva, particularmente no case de respostas tendo uma grande distor$ao ’


initial.

E necesssrio determinar o nivel da amplitude unitaria. Deve-se observar que uma


imprecisao na determinasao deste nivel do degrau unitario pode ser a principal’
fonte de erros na obtenGZo dos diversos tempos de resposta. Na NBR-6937, esta am
plitude 6 definida corn o auxilio do fator de escala do circuit0 (ver 6.10.1). Urn
&todo simples, MS suficientemente precise, para determinar esta amplitude, i
tomar corn0 amplitude unitaria, o nivel alcangado pela resposta ou aquele em tar
no do qua1 ela oscila. Este mGtodo pode exigir o use de diferentes velocidades ’
de varredura. Para determinar corn clareza esta linha de refe&ncia, g convenien-
te eliminar as oscila$es da resposta ao degrau. lsto pode ser feito, para divi-
sores capacitivos inserindo-se urn resistor na junGso do condutor do circuit0 de
mediqao corn a chave uti I izada para produzi r o degrau.

6.5.2 Determin?a&o do tempo de resposta T


Para determinar o tempo de resposta T, determinam-se as Sreas Tn, Tg, etc COilI-

preendidas entre o degrau e a resposta ao degrau unitsrio, admitindo-se que am-


bos se iniciem em 0’. No case em que exista urn desvio initial entre o oscilogra-
ma de resposta e a reta usada para determinar 0’, tome mostram as Figuras 3c a
3h (ver Anexo 0) , este desvio initial 6 desprezado e a reta 6 considerada coma a
Licença
C6pia de uso exclusivo
impressa pelopara PetrobrásCENWIN
Sk&ma S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 69X3/1981 17

resposta para esta parte. No sistema experimental para determinar os parsmetros


de resposta, urn condutor vertical deve ser empregado para ligar o condutor hori
-
zontal do divisor ao gerador de degrau. Obtem-se assim uma resposta aproximada’
Tn ao degrau, denominada resposta experimental ao degrau unitario, que i dada
por:

Tn = Ta -T@+T - . ..ps
Y

0 tempo de resposta T 6 determinado corrigindo-se em T o efeito do condutor 1


n
vertical. 0 tempo de resposta T 6 dado por:

T=T”+Tv(’ - *) us

Onde:
= tempo de propagagao ao longo do condutor vertical em microssegundos;
TY
E igual a h/c, sendo h o comprimento do condutor vertical em metros e
t a velocidade de propagagao de uma onda eletromagnetica (300 m/us);

2 = impedancia caracteristica do condutor vertical em ohms. Na pratica, ’


usa-se corn suficiente precisao a impedancia do condutor horizontal a
uma altura acima do solo igual ao comprimento do condutor vertical, ’
dada por:

Onde:

d = diametro do condutor em metros;


u. = 4ll x 10 -7 H/m = constante magnetica;
-12
E = 8,85 x lo F/m = constante elitrica;
0
R = resistkcia em ohms entre o topo do divisor e a terra; R 6 infinita
para divisores capacitivos e para divisores mistos corn resistor em SG
-
rie.

6.5.3 Detemina&io do teq~o initial de distor&o To


0 tempo initial de distorgao To i definido coma a irea entre a resposta ao de-
grau unitzrio e a reta usada para determinar O’, e 6 tornado a partir do instan-
te em que a resposta comega a se desviar do zero at; o moment0 em que encontra’
a reta (ver Figuras 3f, 3g e 3h).

6.5.4 Detemina&o do tempo de resposta, Tt, do sistema sem condutor de alta '
tens&

0 tempo de resposta, Tt, do sistema sem o condutor de alta tensso 6 determinado

por:
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia pelo
Cópia impressa impressa pelo CENWeb
Sistema Target Sk&ma CENWIN
18 NBR 6938/7981

T~=T+T~(~ - +) =T+Tk

Onde :

= tempo de propagagk ao iongo do condutor horizontal em microssegundos;


‘L
L = comprimento do condutor horizontal em metros (ver 6.5.2 para o signifi -
cado dos outros simbolos);
TL = tempo de resposta do condutor em microssegundos.

Nota: No Anexo A 6 dado urn m6todo para estimar o valor de Tt para urn divisor re-
sistivo comum.

6.5.5 Detemnina@io da faixa ds freqwkias de resso&cia


A faixa de frequEncias de ressonsncia i considerada coma a faixa que se estende’
da frequcncia de ressonancia visivel na resposta ao degrau, tomada corn o condu -
tar de maior comprimento que se utilizari na pratica, at6 cerca de 1 ,5 vezes a
frequincia visivel, quando se utiliza o condutor de menor comprimento. Nos osci-
I ogramas de respos ta , as oscila@es na frente, coma mostradas na Figura 3e ( ver
Anexo 0) sao desprezadas nesta determinasao.

Nota: Pat-a determinar a faixa de frequcncias de ressonancia, 6 conveniente regis


trar uma resposta adicional ao degrau depois de curto-circuitados todos 0:
resistores de amortecimento, sirie e externo do divisor, de modo a aumen -
tar a amp1 itude e a duraG:o das osci la@es.

6.5.6 Deteninagiio do tempo de resposta pareid, Tcr


0 tempo de resposta partial T < dado pela srea compreendida entre o degrau uni-
ct
t5rio deslocado para o ponto 0’ e a curva da resposta ao degrau unitzrio at6 o
instante em que a resposta atinja, pela primeira vez, a amplitude unitiria ( ver
Figura 3 do Anexo D) .

Esta grandeza esti ligada 5 taxa de crescimento efetiva da resposta ao degrau e


indica a capacidade do sistema de medisao de reproduzir oscila@es sobrepostas 2
tensao de impulse. Em cases particulares 6 usado urn outro parsmetro Tla (ver ’
6.8.~ e Figura 8 do Anexo D).

6.6 Determina&io ah p&metros de resposta pelo metdo do centelhadm de esfe-

ZQ.5

0 centelhador de esferas utilizado neste m6todo 6 urn centelhador vertical corn es-
feras de 250 mm de diktro, o qua1 deve estar de acordo corn a NBR 5412, devendo
Licença
C6pia deimpressa
uso exclusivo paraSistema
pelo Petrobrás S/A
CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 8938/1981 19

ser irradiado corretamente. 0 centelhador de esferas 6 utilizado de dois modes ’


diferentes para a determina$ao dos parzmetros de resposta ao degrau. Para a de -
terminatao de T e Tt a caracteristica tens&/tempo do centelhador i util izada,en
quanta que para determinagao de Ta, o centelhador 6 usado come gerador de degrau.
Deve-se notar, entretanto, que a utiliza+ do centelhador corn0 urn gerador de de
grau na determinagao de T e Tt, nao 6 satisfatoria, pois a descarga do centelha-
dor i lenta demais.

6.6.1 Detemina&io do teTo de resposta T


0 centelhador de esferas (ver 6.6) quando regulado para urn espaGamento de 6@mm,
tern uma caracteristica ten&/tempo conhecida corn precisao para tens&s de pola -
ridade negativa corn taxa de crescimento constante. A caracteristica ests repro-
duzida na Figura 4 (ver Anexo D) sob uma forma que permite utilizs-la para de
termina$o do tempo de resposta T de urn sistema de medig&. Para a determinaG:o
do tempo de resposta, o sistema de medi@o g utilizado para medir tensEes dis
ruptivas correspondentes a algumas taxas de crescimento. A diferenqa entre o va-
lor dado pela curva da Figura 4 e o valor medido da tens% disruptiva, corrigi-
do para as condi@es atmosfericas normalizadas, (ver NBR 6936), &! introduzida
na formula para obter o tempo de resposta do sistema:

Onde:
AU = diferenqa em kV entre a tensso disruptiva U, dada na Figura 4 (ver Ane
x0 D), e o valor medido e corrigido para as condi@es atmosfgricas nor
mal izadas;

S = taxa de crescimento da ten&o, em kV/ns.

Se a tensso disruptiva medida for menor que a indicada na Figura 4 (ver Anexo D),
o tempo de resposta seri positive; se for maior, o tempo de resposta se& negati
vo. Para se obter a maior exatidao corn este mgtodo, sera recomendavel proceder ’
do seguinte modo:

a) o centelhador de esferas deve ser inicialmente ajustado para urn espaga -


mento de 70 a 75 mm e o gerador de impulse ajustado para produzir atra -
vss deste espagamento, impulses negatives corn taxa de crescimento Go
constante quanta poss;vel. A parte critica da eleva@z de tens% regis
trada 6 representada pelos Gltimss 40% antes da descarga disruptiva do
centelhador (ver Figura 5a do Anexo D) exceto quando esta parte esti
totalmente acima de 160 kV (ver Figura 5b do Anexo D). Neste case, a
parte critica estende-se at& 160 kV ( valor aproximado da tens& disrue
tiva a 50% quando o centelhador esta ajustado para urn espagamento de
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
Cópia impressa
C6pia pelo Sistema Target
impressa pelo CENWeb
Sistema CENWIN
20 NBR 693W1991

60 m-d;

b) pelo menos tres impulses devem ser registrados corn o centelhador ajusta
-
do para o seu maior espagamento, sem nenhuma nadifica$% nos ajustes do
gerador. A taxa de crescimento & determinada para cada urn dos oscilogra -
mas e a media dessas determina@es 6 o valor de S usado na formula de T
desta se$. A taxa de crescimento 6 a inclina@io da reta que melhor se
adapte 5 parte critica da eleva$%o da tensao descrita na alinea a);

c) ajusta-se, entao, o espaGamento do centelhador para 60 mm. Pelo menos


outros t&s oscilogramas devem ser registrados sem nenhuma altera& ’
nos ajustes do gerador. 0 valor media das ten&es disruptivas registra-
das 6 corrigido para as condi@es atmosfericas normalizadas e determina
se AU corn o auxilio da Figura 4 (ver Anexo D) e do valor S determinado’
anteriormente. 0 tempo de resposta 6 entao calculado usando-se a formu
la de T desta seGao.

d) repete-se a operagao corn pelo menos duas outras taxas de crescimento da


tensao, nitidamente diferentes, de modo a se obter, pelo menos, tres de-
termina@es de T;

e) o valor m<dio destes tempos de resposta ~5 o tempo de resposta do circui


to e a dispers.% dos valor-es indica a precisao da determinagao.

iota: para o use deste &todo, i importante que 0s seguintes requisites sejam a
tendidos:
O ajuste e a irradiasao do centelhador, bem coma a correc& para as condi -
goes atmosfiricas devem ser fei tos convenientemente.
o fator de escala aplicavel ao sistema de mediGs deve ser conhecido corn ’
exatidao. A magnitude do erro em nanosegundos, na determina@o do tempo de
resposta ser5 igual ao erro relative do fator de escala multiplicado pelo
tempo em nanosegundos at; a descarga.
Deve ser possivel determinar, a partir da tensso de saida do sistema de me-
disao, a taxa de crescimento da tensso aplicada, ou seja a tensso aplicada’
deve tar urn crescimento linear durante urn tempo suficientemente longo para
que a tens% de saida acompanhe as variasoes da ten&o de entrada. Para es-
te case, na pratica, o &todo do centelhador de esferas n& i geralmente ’
aplicavel a circuitos de medi& de grandes dimensoes, vista nso atender a
este ljltimc requisite.

6.6.2 Detemina&o dc tempo de res&msta parvial, T, ou Tfa

Para determinar o tempo de resposta partial, Ttiou T’ a o mesmo centelhador prescri -

to em 6.6 6 utilizado, mas o seu ajuste n% 6 tao importante. Para se obter a mais
abrupta queda de tens% e para reduzir a influencia do gerador de impulse, reco -
menda-se que urn resistor da ordem de 10 kR seja inserido no condutor que liga o
gerador de impulse ao centelhador de esferas, na extremidade do lado do centelha-
dor. Tambern 6 desejavel que a tensso atrav:s do centelhador tenha essencialmente’
Licença de uso
C6pia exclusivo para
impressa peloPetrobrás
Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 21

uma taxa de crescimento nula no momenta em que ocorre a descarga disruptiva do


centelhador. lsto pode ser obtido, cortando-se urn impulse na crista ou na sua vi-
zinhanqa. Para a determinagao de Tu ou T’,, o registro resultante da queda de
ten&o pode ser considerado coma uma resposta ao degrau. 0 valor assim obtido se-
ri urn pouco maior do que o obtido pelo metodo do degrau unitsrio mas sera sufici -
entemente exato para a maioria das aplica@es.

6.6.3 Deter&nag?& do tempo de resposta, Tt, do circuit0 sem 0 condutor de alta


tensiY0

0 tempo de resposta Tt < calculado a partir do valor de T, (ver 6.6.1), do modo-

descrito err 6.5.4.

6.6.4 Detemina~& da faixa de freq&cia de resson&cia

A faixa de freqkcias de ressonancia 6 determinada do modo descrito em 6.5.5, '


usando-se o centelhador coma urn gerador de degrau tome em 6.6.2.

6.7 Rela&o entre OS parhetros de resposta e OS erros de medi&io


Existem trk parsmetros de resposta, o tempo de resposta T, o tempo de resposta
partial Tcr e o tempo de distorG:o initial To, que podem causar erros de mediG&
da amplitude e dos par&netros de tempo de tensoes de impulse.

6.7.1 Erros causados pelo tempo de resposta T

0 tempo de resposta T afeta a medigao dos valores de crista e dos parsmetros dos
impulses. Distinguem-se dois cases:

a) impulses cortados na frente (ver 6.7.1.1);


b) outros tipos de impulses (ver 6.7.1.2).

6.7.1.1 De acordo corn o Anexo B a resposta de urn circuit0 a uma rampa pode,ap&
urn certo tempo, ser considerada coma seguindo a rampa corn urn atraso T, igual ao
tempo de resposta.

NO instante do torte, a diferenga 6,, entre a tens& aplicada e a medida torna-se


entao:
6” = ST

Onde:
S = taxa de crescimento da rampa.

A express20 6 = ST 6 aproximadamente valida nas seguintes condi@es:

a) a forma da tens& de saida 6 linear e paralela 5 forma da tensso de


entrada dividida pelo fator de escala;
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressapelo pelo
Cópia impressa Sk&ma
Sistema CENWIN
Target CENWeb
22 NBR B938/1981

b) o zero virtual da resposta 6 definido de acordo corn 6.5.1, sendo es-

te ponto tamb@m considerado coma o ponto de inicio para qualquer ten

sao a ser medida;

c) a medigao do tempo de resposta 6 utilizada coma definido em 6.5.2;

d) o tempo de distorgk initial To, coma definido em 6.5.3, ~5 suficien-

temente pequeno.

As rela@es nos cases mais gerais sao ilustradas na Figura 6a (ver Anexo D), pa-

ra um impulse de crescimento linear cortado na frente, e na Figura 6b (ver Ane-

xo D), para urn impulse de crescimento nao linear cortado na frente. A Figura 6c

(ver Anexo D), ilustra urn case em que uma distorgao otorre antes que o valor de

crista seja atingido, provavelmente urn efeito da distor$o initial da resposta.'


Ela tambim mostra que o instante de medi$o do valor de crista nao coincide corn

0 instante em que 0 torte ocorre, o que pode resultar num erro diferente daquele

determinado pela express& 6u = ST. Entretanto, este evento pode geralmente ser

desprezado e, para impulses cortados na frente, o erro de medisk 6, definido co-

mo a diferenga entre os valores de crista da tensso aplicada e da tens& medida,

torna-se aproximadamente:

Onde:
SL = taxa de crescimento da tensao aplicada antes do torte.

De mode similar, o erro 6, no tempo medido ate o torte para uma tens& aplicada'

de crescimento linear, torna-se (ver 6.7.1.3):

6.7.1.2 0 erro de medigao do valor de crista de impulses plenos, impulses corta

dos na crista ou impulses cortados na cauda nao pode ser determinado do mesrrto mo

do que impulses cortados na frente, pois a taxa de crescimento na crista 6 zero.

De fato, urn erro otorre na medi$io da amplitude, mas ele 6 bem inferior ao clue
otorre quando o impulse 6 cortado na frente.

urn retardo, corn0 ilustrado na Figura 6d (ver Anexo D), ocasiona tambern urn err0

na medi@o dos parsmetros de tempo de urn impulse pleno. 0 maior erro geralmente'

ocorre na medi@io do tempo de frente e na mediG dos parsmetros relatives ao '

torte (ver tambGm 6.7.1.3).

6.7.1.3 OS erros no valor de crista e nos parsmetros de tempo, para qualquer ti

po de impulse, podem ser avaliados aplicando-se o teorema de Duhamel ao oscilo -

grama de resposta e a forma suposta da tensao aplicada.


C6pia
Licença de usoimpressa peloPetrobrás
exclusivo para Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6936/1981 23

6.7.2 Erros cau.~sados pelo tempo de resposta &i&a', Ta

0 impulse a ser medido pode ter oscila@es sobrepostas. A exatidao corn que estas
Go registradas depende da declividade da resposta ao degrau do sistema de medi-
..$o. A rela@o a entre a amplitude real e a amplitude medida dessas oscilaGoes 6
dada por:

Onde :
f = frequencia de oscilaG:o.

6.7.3 Erros causados pelo tempo de distorp& initial T0

0 tempo de distorgao initial To pode causar erros adicionais na medigao de imp”1


SOS cortados na frente. Nao sao dados mitodos para corrigir estes erros mas eles
podem ser tornados despreziveis pela limitagao de To (ver 6.8.1). Se To nao aten
der ao especificado em 6.8.1'0 sistema de medigao deverzi ser modificado.

6.8 critbios relatives 6s corre~&s .


As medi$es da forma b5sica do impulse e do valor de crista podem ser suficiente
mente exatas, desde que atendam as condi@es estabelecidas em 6.8.1.

Para certos cases, as correG;es podem ser feitas coma descrito em 6.8.2.

0s procedimentos aplicaveis, quando as oscila@es excedem o nivel permitido, es-


t,$o mencionados em 6.8.3, descritos no Anexo C.

6.8.1 Condi&es para medi&es suficientemente exatas sem corre&es

a) o tempo de resposta T deve estar dentro dos limites especificados na

NBR 6937;

b) o tempo de resposta partial Ta e a mhima frequsncia registrada f, de-


vem atender as seguintes condi@es:

Tas 2
7f -
max
para:

onde:
fmax = freqkcia mhima que pode ocorrer normalmente num circui-
to (ver NBR 5389),

Estas condi@es sao explicadas corn0 se segue:


Na NBR 5389, a amplitude das oscila@es na crista da tensso de impulse
d limitada a 5%. Para que as oscila$oes sejam perceptivas no oscilogra
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa
Cópia impressa pelo Sistemapelo
TargetSk&ma
CENWeb CENWIN
24 NBR 6938/1991

ma, a sua amplitude nao deve ser inferior a aproximadamente 1%. lsto se
aplica tambern 5 maxima frequencia possivel, fmax; consequentemente, 0 “a_
lor de a deve ser tal que a s 5, onde CY i definido pela equaG% de ’
6.7.2. lsto conduz as seguintes condi@es, expressas pela primeira equa-
5% dada na alinea b) de 6.8.1.

0 valor de a, na frequ&cia medida, nao deve ser aproximadamente igual’


a unidade, no taso de nk serem necessarias corre@es na alinea b) de
6.8.1. Deve-se notar que em ambas as equa.$es da al inea b) de 6.8.1 de-
ve-se levar em conta apenas o valor de Tcr e nao Tla ;

c) no case dos impulses cortados na frente, o tempo de dura$ao initial T fl


0
dew atender a condiF:o:

Co 6 0,005 Tc

onde:
Tc = tempo at6 o torte, coma definido na NBR 5389.

Se To < 0,005, o sistema de mediqk deve, preferencialmente, ser modifi


cado pelas raz&s expostas a reguir.

Para a determinagao do tempo de resposta do circuit0 de medi$o, a par-


te initial da resposta ao degrau 6 desprezada e a resposta ao degrau 6
admi tida como iniciando-se no ponto 0’ na Figura 7a (ver Anexo D). Ez
ta suposisk que o interval0 de tempo O-O’ 6 consi derado corn0 urn retar-
do sem distor$es, 6 perfeitamente razoavel quando se trata de impulses
plenos.

A situasao 6 diferente para impulses cortados, onde a parte initial da


resposta ao degrau i de consideravel importkcia. Quando urn impulse de
tensso i! abruptamente cortado, o torte pode ser considerado COM uma
adigao a urn impulse nk cortado de urn degrau negative e de uma rampa ne
gativa tendo a mesma forma que o impulse original no instante do torte.
A rampa elimina a taxa de crescimento original e o degrau produz a que-
da abrupta na tensso. 0 comportamento do circuit0 de medig.& no instan-
te do torte e ap&, 6 portanto, determinado pela parte initial da res -
posta a estes dois impulses adicionais e, principalmente. pela sua res-
posta initial ao degrau negative.

Se a resposta ao degrau tern a forma rostrada na Figura 7a (ver Anexo D),


uma distor$ao consideravel pode ocorrer na vizinhanga da crista da ten-
sao de impulse, coma mostrada na Figura 7b (ver Anexo D). 0 tipo de dil
tort% depende da taxa original da queda de tens& e da forma da respos -
ta ao degrau no interval0 O-O’. A interpret@0 de tais oscilogramas de
ve ser feita corn bastante cuidado. Se uma correGao tiver que ser aplica
LicençaC6pia
de uso impressa pelo
exclusivo para Sk&maS/A CENWIN
Petrobrás
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6936/1981 25

da usando o tempo de resposta come definido nesta Norma, o mais alto

valor de crista deve ser considerado coma o valor medido.

a) a corre$a”o do valor de crista de urn impulse cortado “a frente se faz


corn base no tempo de resposta T. No case de impulses cortados na fren-

te apck urn tempo relativamente curto, o sistema de medi.$o pode nao ’


preencher 05 requisites da NBR 6937. Para tais cases, mediante acordo’

entre as partes envolvidas, urna corregao aproximada do valor de crista

medido pode ser feita conforme:

u u +S
t0rr med L . T

Onde:

II = valor de crista corrigido;


corr
u = valor de crista medido;
ned
= taxir de crescimento do impulse antes do torte.
sL

Quando tiverem de ser aplicadas corre@es para o tempo de resposta, de


-
ve-se efetuar medigao preliminar, usando doi s condutores de al ta ten -
sao de comprimento diferentes. 0 mais curto deve ter o comprimento a

ser usado na medigao e o mais longo dew ter, de preferencia, urn corn -

primento que leve o tempo de resposta aos limites especificados, ou,ao

menos, assegure tempos de resposta substancialmente diferentes para as

duas disposi@es do sistema de medisao. Cada uma das medi$oes dew, en-

tao ) ser corrigida para o tempo de resposta apropriado e podendo-se,ge -


ralmente admitir que a corre@o 6 valida se os valores corrigidos dife -

rirem de menos de 2% ou 3% e se a corre~iio nao exceder a 20%.

As irnicas medi$oes de parketros de tempo que podem normalmente ser ’

corrigidas sso aquelas em que 05 dois pontos que definem o par.Smetro i

estao localizados em uma parte do impulse que tenha uma inclina$Gocons


-
tante. lsto geralmente significa que somente medi@es de Tr podem ser

corrigidas corn segura”Ga (Tr 6 o tempo de eleva$So para urn impulse car

tado “a frente corn crescimento linear, ver NBR 5389). A corre$ao 6 fei
-
ta somando-se algebricamente o tempo de resposta do circuit0 ao Valor
medido do parsmetro de tempo. Quando tais corre@es sao feitas, deve -

se verificar sua validade do mesrx modo que para as corre@es das medi

@es de amplitude.

Todas as precau@es devem ser tomadas nos tacos em que valores medidos

sao corrigidos, de modo a assegurar que a corre$ao seja precisa e jus-

tificada. Mesmo “este case, os valores “so corrigidos devem ser mencio -

“ados juntamente corn OS corrigidos;


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
26 NBR 6939/1981

b) se os criterios dados nas equa@es citadas na alinea b) de 6.8.1, r&


sao respei tados, a amplitude real das oscila@es 6 entao obtida multi -
plicando-se a amplitude registrada das oscila@es por CL, onde CI 5 da-
do pela equagao seguinte:

CY= 41 + (2nfTa)*
Onde:
f = frequencia das oscila@es.
Salvo no5 cases a seguir:

- quando a resposta tiver uma parte initial inclinada que somente al-
caya urn nivel k < 1, e a partir deste nivel o seu crescimento se
tornar acentuadamente mais lento, sera determinado urn tempo de res-
posta partial Tla (ver Figura 8 do Anexo D). Tlol 6 a area compreen -
dida entre o degrau unitario e a parte inclinada da resposta ao de-
grau, prolongada ate a amplitude unitaria.

Se k > 0.4 a=r Jl + (2nfT’a)2


k

Se k 4 0,4 a equa+o a = 41 + (ZnfTa)* 5 utilizada corn Ta

- no case de sistema de medigao corn resson%cia significativa, o < to


mado tome unidade para frequgncias abaixo e dentro da faixa de fre-
qGncias de ressonancia. Para frequSncias acima desta faixa, dew
ser usada a equagao CY = J 1 + (2?‘fTa)2. A aplicagao desta regra da-
r5 valores conservatives, considerando-se que a ressonSncia aumenta
a amplitude das oscila$es.

As amplitudes corrigidas sao comparadas corn OS limites estabeleci -


dos na NBR 5389, onde oscila@es corn frequencias acima de fmax s&
desprezadas.

OS procedimentos relatives as oscila$oes descritos em 6.8.1 b) e ’


6.8.2 b) estao ilustrados no fluxograma da Figura 9 (ver Anexo D)pz
ra respostas sem oscila@es e respostas corn uma sobreleva@o,enquan
to que a Figura 10 (ver Anexo D) aplica-se a respostas corn uma fai-
xa de freq&ncias de ressonancia.

c) nao existe correG;o recomendada para o tempo de distorgao initial To.

permitida

Dscila@es acima do nivel permitido normalmente desaconselham a aceita$Boda fo’


ma da tensso de ensaio, salvo quando existirem determinadas condifoes. Tal 6 o
case de circuitos de mediG&, corn uma faixa de frequ&cias de ressonlncia, den-

tro da qual podem ser amplificadas drasticamente as oscila@es presentes na ten


Licença
C6piade uso exclusivo para
impressa pelo Petrobrás
Sk&ma S/ACENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 27

5% de ensaio, especialmente as que aparecem na parte initial da frente. Se fi-


car comprovado por ensaios adequados que a amplitude das oscila@es no objeto ’
sob ensaio 6 desprezivel, o oscilograma pode ser considerado coma aceitavel,des -
de que a presenGa das oscila@es n& prejudique uma avalia@z precisa da forma’
e amplitude do impulse.

Um procedimento para determinar at6 que ponto as oscila@es registradas no


oscilograma da ten&o de ensaio estao presentes na tens& atrav<s do objet0 sob
ensaio, 5 descrito no Anexo -C.

6.9 Avalia&io de m sistema de medi&io peZo m.&%dc de compara@o

Em lugar de determinar o desempenho de urn sistema de medigao analisando as suas


caracteristicas de resposta, pode-se determinar sua adequagao para a mediGs de
urn tipo particular de impulse, comparando OS resul tados obtidos corn OS consegui
dos corn urn sistema de mediGs aprovado independente. Se a comparaG:o for feita
corn impulses de diferentes formas, poderao ser extraidas conclusoes sobre o co”
junta de formas para as quais o circuit0 6 adequado, mas err geral, 6 desejavel’
que a comparaG:o seja feita corn a forma particular do impulse a ser medido. Ao
executar este ensaio, os dois cirtuitos devem ser ligados simultaneamente pa ra
assegurar que o mesmo impulse esta sendo medido por ambos. Este ensaio pode ser
realizado a urn nivel de tensso relativamente baixo, de modo que possa ser em -
pregado urn sistema de mediGs aprovado de nivel de tens& bem inferior ao siste -
ma que esta sendo ensaiado.

Neste mgtodo, ha acoplamento entre OS circuitos dos dois sistemas. Este acopla-
mento, que pode ser de varies tipos, deve ser levado em conta, vista poder inva
I idar OS resul tados.

6.10 Fmtes possiveis de emos, precau@es

6.10.1 Rela&o de ten&es do divisor para impuZsos de longn durqxio

E particularmente importante, no case de divisores capacitivos, que se determi-


“e a duraG:o de urn impulse de tensso at6 a qua1 a rela+ de tensoes do siste-
ma de mediG& 6 valida. Nestes divisor-es, uma resistencia em paralelo corn 0 ca-
pacitor de baixa tensso do divisor pode provocar, conforme a dura& da tensao
apl icada, uma alteragao na rela@o de tensoes do divisor. Por esta raz%, deve
ser assegurado que a constante de tempo do lado de baixa tens& do divisor seja
suficientemente grande comparada corn a duragk de impulse mais longa a ser medi

da.

A varia$o aparente da relagk de tensEes do divisor pode tambim produzir urn


erro na determina$ao do tempo de resposta do circuito, pois a linha de refer&v
cia nao pode ser determinada corn precisk.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia
Cópia impressa
impressa pelo Target
pelo Sistema Sistema CENWIN
CENWeb
28 NBR 893911981

Para divisores resistivos, i necessario assegurar que a elevath de temperatura


do resistor seja suficientemente baixa para impedir qualquer al tera@ aprecis-
vel no valor da resistsncia, durante o impulse.

6.10.2 Efeitos de proximidude

A rela$detensaoeo tempode respostadeum divisordetensao podemserafetados


poi altera+s na capaci ta^ncia para terra. E importante queas determina@es dos
tempos de resposta e das rela@es de tensaododivisor sejam feitas coma equipa
mentona sua posigao real defuncionamentoemrela@ aos outros objetos.

0 espasamento minima que deve ser mantido entre urn sistema de medi& e outros’
objetos aterrados ou sob al ta tensk deve ser determinado (ver NBR 6937). Urn m<
todo de se fazer esta determinagio no case de objetos aterrados, consiste em in
vestigar os efeitos sobre a resposta ao degrau quando, por exemplo, urn piano I
vertical aterrado i posicionado a diferentes distsncias do divisor de tens&. ’
No case de divisores resistivos, quando o piano aterrado esta proximo, a forma
da resposta ao degrau se6 afetada, pois as capacitlncias parasitas para terra
aumentam. A alteragao na forma pode nao ser evidente e urn exame visual da res -
pos ta, assim sendo, o efeito sobre Ta e it deve ser utilizado para indicar quan
do o espasamento minima foi alcanGado.

Para divisores capacitivos, as capacitancias parasitas para terra, entre o divi -


sor e o plano, podem tambern afetar a rela$%o de tensao sem afetar apreciavelmen
te as caracteristicas de resposta. Para tais divisores, a relagao de tens& do
divisor deve ser medida ou comparada corn o de algum outro sistema, enquanto na
falta do efeito de proximidade. lsto pode ser feito, realizando-se medisoes si-
multaneas corn ambos os circuitos, quando 0 plano aterrado estiver sendo desloca -
do na dire@0 do divisor do circuit0 sob investiga&.

Corn uma ligeira modificagao, o mstodo prescrita pode tamb6m ser usado para veri
ficar o efeito de proximidade de objetos sob alta tens%. Neste case, o Plan0 mc
vel esta sob tensso ao inv6s de aterrado. Urn rrktodo para realizar esta verifica
$0 esta ilustrado na Figura 11 (ver Anexo D). Uma ten& transitoria 6 aplica-
da ao piano tivel, durante o registro da resposta ao degrau do sistema de medi-
$0, e o tempo de aplicaqao desta tensao pode ser ajustado, modificando-se o
comprimento do condutor que liga o piano m&e1 ao gerador de degrau. Variando -
se o comprimento deste condutor, pode-se, algumas vezes, aumentar a sensibilida -
de da detec$o dos efeitos de proximidade.

Uma outra variante desta tecnica pode ser usada para verificar o efeito de dife -
rentes sngulos entre o eixo do divisor e 0 condutor de alta tens&. Neste case,
o piano m&e1 6 removido do circuit0 e a resposta ao degrau 6 medida para OS di-
ferentes %gulos.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia pelo
Cópia impressa impressa
Sistema pelo
TargetSk&ma
CENWeb CENWIN NBR 693911981 29

6.10.3 Efeito corwna

0 efeito corona sobre 0 condutor de alta tens& pode modificar a resposta enquan -
to que o efeito corona em partes metslicas intermediarias num divisor de tensao,
podem tamb;m afetar a rela$o de tens&s do divisor. Na maioria dos cases, 0 em-
prego de condutores de grande dia^metro e de aneis de blindagem apropriados, isen -
tos de corona, reduzirso estes efeitos.

6.10.4 verificag;io e redqiio do duel de pertmba&io


Podem ocorrer indica@es err&eas em instrumentos ou osciloscopios ocasionadas ’
por correntes elevadas no circuit0 terra (especialmente na blindagem de cabos de
medigao), ou por influ&cia de campos parasitas sobre o sistema de medig: ou so-
bre OS prGprios instrumentos.

Urn ktodo de investigar o nivel de perturbagao causada por correntes na blinda -


gem de urn cabo de mediGs i curto-circuitar o terminal de entrada do cabo, dei -
xando a blindagem ligada ao terminal de terra do divisor de tensso, sem modifi -
car qualquer outra ligagao no circuito. Se urn impulse de aproximadamente 60% a
100% do valor normal de ensaio for gerado no circuit0 de ensaio, a deflexao no

instrument0 deve ser desprezivel, par exemplo 1% a 2%, para que 0 circuit0 seja
considerado livre de perturbasoes. Se uma deflexzo apreciavel e obtida, o ensaio
pode ser repetido corn o cabo tendo sua impedancia casada no seu terminal de en-
trada em lugar de ser curto-circuitado. Se este procedimento eliminar a deflexao,
entao o circuit0 pode ser em geral considerado satisfatorio. Deve ser ressaltado
que nenhuma dessas verifica@es fornece uma indicasao real do nivel de perturba-
@io e que a perturbagao registrada pode ser exagerada. Entretanto, se por meio ’
destas verifica@es for constatada perturbasao significante, deve-se procurar re-
duzi-la.

Para reduzir o nivel de perturbagao, devem ser tomadas as precau@es indicadas I


em 6.1.7. E tambern possivel em alguns cases conseguir uma melhoria usando uma du-
pla blindagem no cabo de mediG& e aperfeiqoando a blindagem e a isolagao do ins-
trumento de mediF:o.

Para reduzir OS acoplamentos magniticos, OS cabos de medi@o, devem ser, sempre’


que possivel, local izados distantes de condutores transportando correntes eleva-
das.

OS fenomenos de descarga podem provocar erros de mediqao ou oscila@es.

Num sistema de mediGs cuja relasao de tensEes a frequgncias elevadase nitidamen -


te superior 5 relasao em freq&cias baixas, as descargas podem causar dois efei
tos :
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia peloimpressa
Cópia impressa pelo CENWeb
Sistema Target Sk&ma CENWIN
30 NBR 693811981

a) ums descarga disruptiva do objeto sob ensaio pode resultar numa soli-
cit&o excessiva do equipamento de medi@;

b) descargas parciais apreciaveis podem produzir erros de mediG&.

Estes fenomenos sao geralmente associados 5 presen$a de indutancias parasitas no


lado de baixa tens& de divisores capacitivos subamortecidos. Uma sobreleva$So a
centuada na resposta experimental ao degrau 6 muitas vezes uma indicagk desta I
condi$o.

Quedas de tens.& excessivas podem ocorrer mesmo em pequenos comprimentos do con-


dutor terra. lsto pode aumentar OS erros de medi$o ou causar oscilaq6es anormais
devido ao centelhamento.

7 MEDiCA DE IMPULSOS DE CORRENTE

OS sistemas de mediGs de impulses de corrente devem ser capazes de suportar cog


rentes muito elevadas, da ordem de dezenas ou mesmc centenas de milhares de amp,
res.

Devido as taxas muito elevadas de varia@o das correntes envolvidas, a indutsn _


cia do circuit0 de impulse de corrente deve ter valor baixo, para tanto, deve-se
dar especial aten$o ao projeto dos componentes. E tambim importante que a inseL
@o do sistema de medigao no circuit0 de ensaio n& introduza impedancias desne-
cessSrias.

7.1 Sistemas de medig% normalmente utilizados

0s sistemas normalmente utilizados para a medig& de impulses de corrente Go os


segu i n tes :

a) derivador corn oscilosc6pio ou corn instrument0 indicador de valor de cris


ta ;

b) transformador de corrente corn oscilosc6pio ou corn instrument0 de indica-


dor de valor de crista.

7.1.1 ~omponentas & sistema & medipio

Muitos dos componentes de urn sistema de medig% de impulses de corrente sao OS


mesmos utilizados nos sistemas de mediG& de tensoes e eles tamb6m devem satisfa
zer 5s exigGncias descritas em 6.1. OS seguintes componentes Go especificos pa-
ra sistemas de medi$o de corrente:

a) derivador - a forma mais comum de derivador e a tubular. A Figura 12 ’


(ver Anexo D) mostra as particularidades de constru@o de alguns exem-
plos deste tipo de derivador. 0 material do resistor tubular deve ser

160 magnGtic0;
Copia
Licença de usoimpressa pelo
exclusivo para Sk&maS/A CENWIN
Petrobrás
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR B93Bl1981 31

b) transformadores de corrente,
- devem ser transformadores de correntes especiais, adequados para me
di$o de impulses de corrente;

- esta Norma nao fornece orientasso sobre particularidades de projeto


de tais transformadores;

- a vantagem em relagao aos derivadores i que eles permitem a isola -


$0 para terrae, portanto, podem ser colocados arbitrariamente no
ci rcui to de corrente.

7.1.2 Resposta ao dqmu de sistema de medi&o de corrente

0 tempo de resposta ao degrau de urn sistema de mediqso de corrente deve ser de-
terminado experimentalmente; contudo o metodo descrito a seguir para o c5lculo’
do tempo de resposta de derivadores tubulares pode se mostrar ljtil para fins de

projeto:

a) tempo de resposta de derivadores tubulares,


- derivadores resistivos tubulares tern uma resposta ao degrau do tipo
aperiddico. Se for usado o zero real, o tempo de resposta sera dado
aproximadamente por:

u d*
T=L.-
6 P

Onde:
T = tempo de resposta (5);
uop 4n. IO -7 H/m = constante magnetica;
d = espessura da parede dos tubos resistores (m);

P = resistividade do material do tubo (Cm).

Contudo, utilizando-se o zero virtual 0’. o tempo de resposta 6 ob-


tido corn precisao melhor por:
!J d2
T=O.-
a P

Nota: A resposta de derivadores tubulares pode ser melhorada pela ’


inclusao de uma rede de compensa$ao na parte do derivador que
fornece o sinal de saida. Esta rede de compensas8o pode ser
magneticamente acoplada a parte do derivador percorrida pela
corrente.

b) determinagao experimental do tempo de resposta ao degrau,


- para determinar o tempo de resposta de urn sistema de medigao de co’
rente, urn degrau de corrente 6 aplicado ao sistema e a resposta ob-
tida 6 tratada de maneira idsntica a descrita em 6.4 para sistemas’
de impulse de tensao. Contudo, o tempo de resposta obtido pela inte -
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6piaimpressa
Cópia impressa pelo Target
pelo Sistema Sk&maCENWeb CENWIN
32 NBR 6938/1981

gra$ao da resposta experimental ao degrau 6 o tempo de resposta real


do sistema, nio necessi tando correG:o, uma vez que nao existem condu -
tares longos associados corn a sua determinasao.

A diferen$a fundamental entre os mitodos de obtensao da resposta ao


degrau para sistemas de medi$ao de corrente e para sistemas de medi-
Tao de tensso, 6 que nestes iltimos se utiliza em principio uma fon-
te de impedzncia zero, enquanto que em sistemas de medigao de corren
te se utiliza uma fonte de impedsncia infinita. Na pratica uma impe-
dancia infinita 6 realizavel, mas 6 geralmente satisfatorio se a im-
pedancia do gerador do degrau for mui to major em comparasao corn a im
pedancia do sistema de medigao de corrente. Uma forma pratica de se
realizar urn gerador de degrau para mediG: de resposta de derivado -
res, consiste em descarregar sobre o sistema de medisao uma linha de
transmissao ou cabo carregados, tom3 ilustrado na Figura 13 (ver Ane-
x0 D).

Quando a chave 6 fechada, urn degrau de corrente corn amp1 itude igual ’
ao quociente da ten&o de carga pela impedancia caracteristica do ca-
bo seri aplicado ao sistema de medisao. 0 cabo deve ser suficiente -
mente longo para assegurar que a resposta do sistema de medisao atin
ja o seu valor permanente antes que uma reflexso do terminal oposto’
chegue at6 a chave. Este metodo 6 semelhante ao de obtenqao da res -
posta ao degrau de urn sistema de mediGs de tensso (ver 6.4)) corn a
diferenga de que neste case a chave liga a fonte de tensao ao circui
to, enquanto que no outro a chave, curto-circuita a entrada do cir -
cuito carregado, gerando~o degrau. Devido a semelhansa dos dois me-
todos, os mesmos tipos de chave sao empregados e se aplicam as mes-
mas condi@es de amplifica$ao.

Quando for utilizado o mitodo de descarregar urn cabo ou linhade trans -


missso na medigao da resposta de transformadores de corrente, as li-
mitaSOes necessarias no comprimento do cabo ou da linha geralmente ’
impede” a determina& das caracteristicas da resposta apliciveis 2
mediG: de impulses de corrente de longa duraG:o.

7.2 Fontes possiveis de erros, ~recau&s

Em sistemas onde ocorrem altas correntes de impulse, as quedas de tensso, mesmo’


em pequenos comprimentos de condutores, podem ser consideraveis. Sao necessarias
precausoes para assegurar que estas quedas nao resul tern em erros de mediqao e
que o aterramento dos circuitos de ensaio seja tal que nao ocorram danos 5 isola -
$0 dos instrumentos de medigao.
C6pia deimpressa
Licença uso exclusivopelo Sk&ma S/A
para Petrobrás CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6936/1981 33

0s campos magneticos parasitas podem tar&% tausar erros de mediG que podem
ser detectados pela altera do arranjo dos condutores.

Al6m disso, algumas precau@es especificas devem ser tomadas, dependendo de

se utilizar derivadores ou transformadores de corrente:

a) derivadores - deve-se tomar cuidado para assegurar que a resist@ncia’


do derivador nao varie apreciavelmente corn o aquecimento provocado pi
10s impulses a serem medidos. OS derivadores devem ser projetados de
modo a evitar danos permanentes no case de ocorrincia de falha em im-
pedsncias em s<rie, tais corn0 o objet0 sob ensaio ou uma resistGncia’
de amortecimento;

b) transformadores de corrente,

- sao geralmente de banda passante mais estreita que a dos derivado -


res e nao sao capazes de transferir componentes continuas;

- a resposta ao degrau de urn transformador de corrente diminui corn o


tempo, e a taxa de decriscimo i determinada pela relagao entre a in-
dutsncia mtitua e a resistgncia da carga;

- a faixa de utilizagao de transformadores de corrente corn nucleo maq


n&tic0 6 1 imitada pela satura$o do nljcleo, caracterizada pelo va-
lor nominal volts x segundos.

8 ERROS DE MEDICA . AVALIACAO ESTAT6TlCA

Em toda mediqao, o valor reai obtido difere do valor verdadeiro de uma certa’
quantidade.

Esta diferensa pode resultar de duas tausas principais:

a) o sistema de medigao nao i perfeito; o valor registrado 6 diferente do


valor a ser medido dividido pelo fator de escala. lsto pode ser devido,
por exemplo, ao efeito do tempo de resposta, e se necessario, deve ser
calculado urn valor corrigido;

b) as caracteristicas do sistema de medi$ao nao sao perfeitamente conheci-


das. Podem ocorrer aleatoriamente erros de observa$ao e erros devidos ’
ao ambiente. Designando-se esses erros por e,, e2, e?, . ..e., e admitin -
do-se independentes, 6 provavel serem tanto positives tom0 negatives. 0
err0 estatistico total 6 entao igual a:

2
Es = ef + e; + ei + . ..+ e
n

Consequen temen te , OS erros podem ser considerados coma seguindo uma dis

tribui$o gaussiana definida por urn desvio padrao u e corn valor da m6-
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia
Cópia impressa
impressa pelo Target
pelo Sistema Sk&maCENWeb CENWIN
34 NBR 6936/1981

dia igual a zero. De acordo corn esta hipotese, a probabilidade do err-0


E = i 2 o ser excedido e inferior a 5% e dessa maneira i designado CO~O
“err0 maxim+‘.
C6piade uso
Licença impressa pelo Petrobrás
exclusivo para Sk&ma S/ACENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 36

ANEXO A - DIVISOR RESISTIVO

Corn0 uma primeira estimativa, desprezando-se certos fatores, tais coma: a indu-
tsncia do divisor e o efeito do lado de baixa tensao, admitindo-se o zero real
coma origem da resposta, o tempo de resposta de urn divisor vertical resistive,’
sem o eletrodo de blindagem de alta tensso e corn a base ao n;vel do solo, 6 da-

do aproximadamente por:

Onde :

T, = tempo de fesposta do divisor (5);

R = resistencia total db divisor (a);

C = capacitancia total do divisor para terra (F).

Entretanto, devido ao use do zero virtual 0’, o tempo de resposta 6 determinado


corn melhor precisao a partir de:

A capacitkcia C do divisor vertical poderi ser determinada coma sendo a capaci

tancia de urn condutor vertical, se a base do divisor estiver aproximadamente ao


nivel do solo.

II
c = 2 IrE (F)
0
P,n a.
rJ7

Onde:
-12
= 8,85 x 10 F/m = constante elitrica;
EO
R = comprimento do divisor cm);

r = raio do divisor (m);

A capacitkcia pode ser medida por uma fonte conventional.

/ANEXO B
LicençaC6pia
de uso impressa
exclusivo para Petrobrás
pelo Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
36 NBR 6938/1981
C6pia
Licença impressa
de uso peloPetrobrás
exclusivo para Sk&ma S/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR S938/1981 37

ANEXO B - BASES MATEMiTlCAS DE TEMPO DE RESPOSTA T

0 tempo de resposta idealizado de urn sistema de mediqk i igual 5 soma alg6brica


das ireas compreendidas entre a resposta ao degrau unitirio e a amplitude units-
ria (ver Figura 3)..

T = TU -TV+T -...
Y

No que se segue, aplica-se este sistema para medir uma tenGo linearmente cres -
cente corn a forma U = S.t, sendo S a inclina$o. Essa tensso pode ser considera-

da coma a integral do degrau de amplitude S. Assim:

U = S.t = /; Sdt = S j: dt

Se o sistema de medicso tiver uma resposta normalizada g(t) ao degrau, sua res -
posta normal izada U. para a tensso acima sers entao:

u. = J; S.g(t)dt= S j; g(t) dt

e a diferenqa entre a tens& de entrada e a tensso registrada em qualquer instan -


te TX seri:
T T
Tx
6=S I dt - S I ox g(t) dt = S I ox {(I - g(t))jdt
0

Quando for atingido o tempo TX, para o qua1 s% iguais as taxas de variaG;o das
ten&es de entrada e saida, esta diferenqa do erro permanecera constante, sendo’
entao:
T
ox I 1 - g(t)] dt + ,I 11 - g(t)) dt = T
I

lsto equivale a urn retard0 igual a T do sinal de saida em relasao ao sinal de


entrada.
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
Cópia C6pia
impressaimpressa
pelo Sistemapelo Sistema
Target CENWeb CENWIN
38 NBR 6938/1981
Licença de usoimpressa
C6pia exclusivo para Petrobrás
pelo Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 693811981 39

ANEXO C - PROCEDIMENTO PARA VERIFICAR A PRESENCA DE OSClLACdES


NO OBJET0 SOB ENSAIO

0s seguintes procedimentos podem ajudar a determinar at& que ponto es& presen-

tes oscila+s no objeto sob ensaio:

a) se o sistema de mediGs 60 tiver frequgncia de ressonancia, por exemplo,

quando a resposta ao degrau 6 exponential, ele 60 podera dar origem a

oscila@es. Por isto, oscilagoes no oscilograma de ensaio devem tambim es-

tar presentes no objeto sob ensaio e sao geradas pelo circuit0 do geredor

de impulse, incluindo o capacitor de frente e o objeto sob ensaio. Se a


amplitude das oscila@es registradas nos oscilogramas de ensaio, conveni-

entemente corrigida, exceder OS I imi tes da NBR 5389, seri necessario modi-

ficar o circuito do gerador de impulses;

b) se o sistema de medigao tiver faixa de frequkcias de ressonsncia, as os-

cila$es nos oscilogramas corn frequencias superiores ou inferiores is da

faixa nao poderao ser originadas pelo sistema de medisao. Por isso, essas

oscila@es devem estar presentes tamb6m no objet0 sob ensaio e ser gera -

das pelo circuit0 do gerador de impulse. Se a amplitude das oscila@es I-E

gistradas nos oscilogramas de ensaio, convenientemente corrigida, exceder

0s limites acima, sera necessario modificar o circuit0 do gerador de im -

pulse;

c) se o sistema de medi$o possuir uma faixa de frequkcias de ressonsncia,’

oscila$es corn uma freq&cia dentro da faixa poderao ou 60 estar presen

tes tambern no objet0 sob ensaio.

Para verificar a origem das oscila@es, insere-se urn resistor, de 300 fi a

500 $l, entre o objet0 sob ensaio e a entrada do condutor de altatensao do

divisor.

Podem-se distinguir dois cases:

- as oscilagoes Go desaparecem por complete. Consequentemente, elas de-


vem estar presentes no circuit0 do gerador. Se as amplitudes das oscila
@es registradas no oscilograma do ensaio original, convenientemente ’

corrigidas, excederem OS limites prescritos, o ci rcui to do gerador deve


-
ra ser modificado;

- as oscila$es desaparecem por complete. Consequentemente sua origem es-


ta no sistema de medigao. istas oscila@es provocam oscila@es no cir -

cuito formado pelo objeto sob ensaio, o capacitor de frente e o condu -

tar de aita tensso.

us amplitudes das oscila@es do objeto sob ensaio (U ) sao aproximadamente ’


obj
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
Cópia C6pia
impressaimpressa
pelo Sistemapelo Sk&ma
Target CENWeb CENWIN
40 NBR 693B/lSBl

iguais 5 amp1 itude medida (U,,,), multiplicada pela relasao entre a capacitancia
do divisor (Cdi,) e a sorna das capacitsnicas do capacitor de frente e do obje
-
to sob ensaio, (Cfr + Cobj) ou coma segue:

‘div
u .nUm
ObJ C + c
fr obj

Portanto:
a) se a capacitancia do divisor for pequena em comparagao corn a do objet0 ’
sob ensaio e a do capacitor de frente somadas, podera ser admitido que ’
as oscila@es no objeto sob ensaio 520, na realidade, bem inferiores 5s
que foram medidas; neste case o oscilograma 6 aceitsvel, desde que as ca
racteristicas da ten&o de ensaio possam set- determinadas por meio de
uma turva suave tragada atrav<s das oscila$&s. Caso contrsrio, 0 circui -
to deve ser modificado, inserindo-se, por exemplo, urn resistor no termi-
nal de alta tensso do divisor;

b) se a capacitancia do divisor for da mesma ordem ou superior a do objeto’


sob ensaio e do capacitor de frente somadas, podera ser admitido que as
oscila@es no objet0 sob ensaio sao pelo menos da mesma ordem que as do
divisor; por isto, se as amplitudes das oscilasoes excederem os limites’
especificados na NBR 5389 devera ser modificado o circuit0 do gerador ou
divisor.
LicençaC6pia
de uso impressa
exclusivo para Petrobrás
pelo Sk&maS/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 41

ANEXO D - FIGURAS

(I
,,,,,,,,,,,
c
g;,,,,,,
/ 9

a) fonte de corrente continua ou gerador de impulse:


b) resist&k?;
cl gerador de degrau;
d) condutor vertical adicional, comprimento h;
e) condutor de alta tens%, comprimento I, altura h acima do solo;
f) divisor de tens%;
g) para 0 oscloscbpio.

FIGURA 1 - MCtodo do degrau


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
Cdpia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
42 NBR 6938/1981

20)

2 b)

FIGURA 2 - M&odor de adapta& dor cabos coaxiais


C6pia de
Licença impressa peloparaSk&ma
uso exclusivo Petrobrás CENWIN
S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 43

1 I-- T

-r
O=O’
301
E 0=0’
3b)

0’
3c) 3d)

3h)

FIGURA 3 - Oscilogramas tipicns obtidos pelo mCtodo do dqrau


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
44 NBR 693811981

U kV

40 -

3c - lf j4,6 + 60,i s kV
L
201 -
/
P
6mstro da esfsrat 250m1
Eupatamento 60m
smperatura do ar 20’(
)
w&o barondtriur 1013 t 3r

101 7
I

7 45 270 10
S kV/nr

FIGURA 4 - Tens% disruptiva do centelhador de esferas em funq% da taxa de crescimento


Mida para tens&s negatives)
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia pelo
Cópia impressa impressa pelo CENWeb
Sistema Target Sk&ma CENWIN
NBR 6938/1961 45

Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A


Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

FIGURA 5 - Determinaqk da taxa de crercimento da tens% pelo mhodo do centelhador de &eras


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia pelo
Cópia impressa impressa pelo Sk&ma
Sistema Target CENWeb CENWIN
46 NBR 69380981

U( t 1 U(t)
6L _h

23
T
.’
/’
.-

I
T

0' t

601 6 b)

6 cl

6d)

FIGURA 6 -Tempo de rerposta e erros de mediqk nas medities reais


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 47

g(t)

7b)

FIGURA 7 - Efeito da distorqk initial sobre urn impulro cortado na frente


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia impressa pelo Sk&ma
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
CENWIN
48 NBR 6938/1981

FIGURA 8 - Determina~o de T’a para uma rerposta corn a parte initial inclinada
C6pia
Licença de usoimpressa pelo
exclusivo para Sk&ma
Petrobrás S/A CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981

No’o I no’0 oceitdvel i


L------d

I
I
MediCio aceitdvel
I
1

Sim Ndo

[ Medi& aceitdvel 1
Medir freqiihcia e
amplitude de osciloqijo
Notas: a) Para qualquer medis$o, o requisite de tempo de resposta dew ser
cumprido.
b) Uma medic& aceit6vel C urn prkequisito para determinar a acei-
tabilidade da tens% de ensaio.
c) A aceita@o da medi@o n&a implica necessariamente na aceita@o
da tens% de ensaio. piltuae 1
d) Uma mediCZo aceitavel somente 6 @lida at6 o instante de torte
nos oscilogramas. se aplic8vel. acordo corn 6.6.2
I

1 Medi$;iigida 1

FIGURA 9 - Fluxograma para avaliar 03 orcilogramar de impulse


Resposta ao degrau I& oscilatbrio
Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6piaimpressa
Cópia impressa pelo Target
pelo Sistema Sk&maCENWebCENWIN
50 NBR 6938/1981

f fr 0 frequ!
oscila$L- --...
*
1 \/ fr
7fz fr , Sim

I Tragar
a curva mhdia I
i Medipz
1 acehveis
L------A
i

a) para qualquer medi&, o requisifo de tempo de ES-


posta dew rer cumprido.
* f, = representa t0das as frequencias
b) urna medic% aceithel C urn prkrequisito para de-
na faixa da frequincia de res-
terminar a aceitabilidade da tens& de ensai0.
c) A aceita@o da medick nZo implica neceSSariamen- sonhcia. Ver 6.5.5
te na aceita@o da tens& de ensaio.
** “er Anexo C.
LicençaC6pia
de uso impressa pelo
exclusivo para Sk&maS/A CENWIN
Petrobrás
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb NBR 6938/1981 51

b Ih

b
.

Onde:
a) fonte de ten%% continua ou gerador de impulse;
b) resist8ncia;
c) gerador de degrau;
d) condutor vertical adicional;
el condutor de alta tens.%;
f) divisor de tens%;
g) para 0 oscilosc6pio;
h) piano mtrvel.

FIGURA 11 - Verificaqk dor efeitor de proximidade


Licença
C6pia deimpressa
uso exclusivopelo
para Petrobrás
Sk&ma S/A
CENWIN
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb
52 NBR 6939/1981

Resistor tubular

Resistor tubular

Resistor tubular

Onde:
a) tuba mirltiplo e retorno coaxial:
b) retorno coaxial;
c) retorno nib coaxial.
Nota: A corrente de impulro flue de A para B

FtGUFtA, 12 - Derivadorer tubulares para madi&% de correntes de impulse


Licença de uso exclusivo para Petrobrás S/A
C6pia
Cópia impressa
impressa peloTarget
pelo Sistema Sk&ma
CENWeb CENWIN
NBR 6938/1981 53

Onde:
a) tome de corrente continua;
b) resistor de desacoplamento;
C) cabo coaxial ou linha de transmissh;
dl gerador de degrau;
e) derivador ou transtormador de corrente;
f) para 0 oscilosc6pio.

FIGIJRA 13 - Determina@o da resposta ao degrau de sistema de medi+ de impulsor de corrente

Você também pode gostar