Você está na página 1de 9
História da Matemática: o que pensam alunos graduandos do curso de Matemática UFT/Araguaína? GONÇALVES, Girlane Aires

História da Matemática: o que pensam alunos graduandos do curso de Matemática UFT/Araguaína?

GONÇALVES, Girlane Aires 1 UFT / Araguaína-TO MAFRA, José Ricardo e Souza UFT / Araguaína-TO

Resumo

Este trabalho aborda o desenvolvimento de uma pesquisa sobre a História da Matemática em que o foco central de discussão está relacionado com estudos sobre o pensamento de futuros professores sobre a História da Matemática e suas relações com o Ensino de Matemática e sua importância em termos de fundamentação teórica e conceitos, importantes para o exercício profissional da profissão. O desenvolvimento metodológico desta pesquisa foi baseado em leituras e discussão de um referencial teórico pautado na história da matemática e a aplicação de um questionário, com alunos graduandos do curso de Matemática UFT/Araguaína. Os resultados apresentados neste trabalho mostram que a História da Matemática ajuda no aprendizado e na formação de futuros professores e que ela ajuda na capacidade de aquisição de uma maior argumentação em suas respostas no momento em que surgem dúvidas por parte de discentes, relacionadas à História da Matemática. Palavras-chave: Ensino. História da matemática. Concepções

Introdução

Nas últimas décadas pouco ou quase nada, relacionado à História da Matemática foi discutida em cursos de formação de professores de Matemática. Quando conceitos matemáticos relacionados à História eram vistos, apareciam de uma forma bastante desconexa, onde a maioria desses cursos limitava-se a exposição técnica de conceitos,

argumentos e teorias, complementando-se com uma carga horária mínima dedicada aos estudos históricos. Com o passar dos anos percebeu-se que os estudos relacionados à História e Filosofia da Matemática se revestiam de um componente fundamental na formação de um professor de matemática, tendo em vista a possibilidade de uma compreensão de, como teorias e atitudes matemáticas foram sendo desenvolvidas ao longo da história da humanidade. Essa compreensão, de certa forma, ajuda a entender a formulação de conceitos matemáticos, a partir de contextos específicos, identificados historicamente, ao longo do tempo até os dias atuais. D'Ambrosio (1996, p. 28) afirma que “conhecer, historicamente, pontos altos da

matemática de ontem poderá, na melhor das hipóteses, [

...

]

orientar no aprendizado e no

desenvolvimento da matemática de hoje”. Portanto, é na tentativa de discutir essa perspectiva

  • 1 Participa do Programa Institucional de Voluntários de Iniciação Cientifica - PIVIC

de conhecimento que este trabalho (ou pesquisa) está sendo realizado. O objetivo principal desta investigação é

de conhecimento que este trabalho (ou pesquisa) está sendo realizado.

O objetivo principal desta investigação é a análise e discussão de percepções, atitudes e crenças em futuros professores de matemática envolvendo abordagens históricas. Além disso, propomos a elaboração de um quadro informativo sobre questões pertinentes a História da matemática e suas relações com o ensino da mesma, conforme seus pressupostos apontam elementos convergentes para a utilização da História da Matemática em sala de aula, bem como apontar os obstáculos e dificuldades na sua operacionalização em ambientes de aprendizagem.

A partir do ponto de vista de futuros professores, é nosso objetivo verificar como os mesmos assumem posições, atitudes e crenças relacionadas à atuação docente em matemática. Além desses aspectos, é importante apontar estudos a serem desenvolvidos em turmas de graduação em matemática, no que se refere à bagagem teórica e conceitual que um professor de matemática necessita adquirir para estabelecer um acréscimo em sua formação profissional relacionadas aos estudos históricos.

A História como suporte no ensino de conceitos matemáticos

Utilizar a História da matemática em sala de aula não pressupõe que o professor precise reconstruir ou refazer os principais passos de um conceito matemático que surgiu em séculos passados, pois de acordo com Fossa, Mendes e Valdés (2006) esse é um modo estático de trazer a história para sala de aula o que pode gerar um problema maior, ao invés de solucionar os que já existem. Porém, o professor deve utilizar a história de um modo mais aliado às condições reais em que os estudantes se encontram, ou seja, a partir da incorporação dos aspectos socioculturais pelos quais os mesmos compreendem e explicam a sua realidade. Segundo os autores, o conteúdo histórico surge como um elemento motivador e gerador da matemática escolar, pois se apresenta como um fator bastante esclarecedor pelos estudantes de todos os níveis de ensino.

D’Ambrosio (1999) aponta que o tratamento que está sendo dado à matemática em sala de aula hoje, é o grande equívoco da educação de um modo geral, mas especialmente da

educação matemática, no que se refere à forma decomposta dos conteúdos, desarticulada das demais áreas do

educação matemática, no que se refere à forma decomposta dos conteúdos, desarticulada das demais áreas do conhecimento, o que destoa do movimento histórico da matemática, que tem seus primórdios e evoluiu simultaneamente com a própria humanidade.

Para Fossa, Mendes e Valdés (2006, p. 15) “Certo conhecimento da História Matemática deveria se constituir em uma parte indispensável da bagagem de conhecimento do matemático em geral e do professor de qualquer nível de ensino”, inclusive o graduando. Para os autores, o professor deve saber como os eventos históricos realmente aconteceram no passado, em relação à criação ou descoberta da matemática, para compreender melhor as dificuldades do homem comum na elaboração das idéias matemáticas e através delas, de seus próprios alunos. Além disso, para Mendes (1993, p. 80) “o conhecimento da história proporciona uma visão dinâmica da evolução da matemática”.

Segundo Miguel (1993) é no desenvolvimento histórico da matemática que podemos perceber as diferentes formalizações de um mesmo conceito, e como numa aprendizagem significativa é desejável que o estudante tenha uma visão das diferentes formalidades, então, a história passaria a ser um recurso indispensável. Portanto, a participação da história dos conteúdos matemáticos como recurso didático não só serve como elemento de motivação, mas também como fator de melhor esclarecimento do sentido dos conceitos e das teorias estudadas.

Um dos argumentos desse ponto de vista proposto por Miguel (1993) é, no entanto, a

possibilidade de resgatar na história da matemática o apoio para se atingir com os graduandos objetivos pedagógicos que os levem a uma percepção da matemática com a curiosidade estritamente intelectual que pode levar à generalização e expansão de idéias e teorias. Além disso, outros fatores importantes do ponto de vista do desenvolvimento histórico de conceitos envolvem a conexão da matemática com outras áreas de conhecimentos da própria matemática, filosofia, matemática e religião, matemática e lógica, etc. indicando assim elementos estruturais que indicam a matemática como criação humana. No entanto, o uso da

história como recurso pedagógico tem como “principal finalidade [

]

promover um ensino-

... aprendizagem da matemática que permita uma ressignificação do conhecimento matemático

produzido pela sociedade ao longo dos tempos” (FOSSA, MENDES e VALDÉS, 2006, p. 84). O caminho

produzido pela sociedade ao longo dos tempos” (FOSSA, MENDES e VALDÉS, 2006, p. 84).

O caminho descritivo e analítico desta pesquisa

O desenvolvimento desta pesquisa deu-se, em primeiro plano, na leitura e pesquisa em livros, artigos científicos, assim como discussões entre o grupo de alunos integrantes da pesquisa. A organização, leitura e discussão de referências bibliográficas como Fossa, Mendes e Valdés (2006), D’Ambrosio (1999), Barthélemy (1999), Eves (1995), Miguel (1993, 1997), Mendes (2001) dentre outros, permitiram a identificação de características relacionadas ao desenvolvimento de simbologias e conceitos relacionados à matemática, os quais levaram muito tempo a serem assimilados, aperfeiçoados em vários aspectos inclusive em termos de suas conseqüências e desdobramentos de estudos posteriores.

Foram realizados estudos procurando entender o desenvolvimento da matemática ao longo da linha do tempo, tendo em vista a história da matemática como uma formulação e (re) construção de situações históricas para a sala de aula em que construções conceituais, pressupostos, vantagens, limitações e obstáculos foram discutidos mostrando assim, a visualização de um cenário importante para o entendimento da matemática a partir da fundamentação histórica.

Em outro instante esta pesquisa foi realizada em dois momentos distintos: no primeiro momento realizou-se inicialmente a elaboração de um levantamento de informações, no ano de 2008, a partir de um questionário aplicado a um grupo de acadêmicos do curso de Matemática (alunos que ingressaram na Universidade entre os anos de 2001 e o primeiro semestre de 2008) da Universidade Federal do Tocantins Campos de Araguaína. Este questionário teve como finalidade principal extrair informações dos inquiridos sobre suas atitudes, concepções, crenças e idéias relacionadas à História da Matemática e era composto por 7 (sete) perguntas sobre o perfil dos alunos entrevistados e 10 (dez) questões abertas relacionadas as informações e concepções dos mesmos sobre a História da Matemática e suas relações com o ensino da matemática.

Esta pesquisa gerou um primeiro trabalho, em forma de monografia de conclusão de

curso, produzida por Sousa (2009), onde houve um levantamento de dados realizados através de um questionário

curso, produzida por Sousa (2009), onde houve um levantamento de dados realizados através de um questionário aberto, conforme Gil (2002), aplicado ao referido grupo e contendo uma série de perguntas relacionadas à História da matemática na formação de professores de matemática. O levantamento destas informações junto aos acadêmicos teve como objetivo registrar pensamentos e opiniões sobre o tema: História da matemática na formação de professores.

No segundo momento de nossa pesquisa utilizamos as informações iniciais contidas no mesmo questionário aplicado por Sousa (2009), desta vez, aplicando a um grupo composto por 51 acadêmicos que ingressaram na Universidade entre os anos 2008 a 2009 e, a partir das informações fornecidas, foram feitas tabulações das respostas, onde procuramos criar categorias para melhor agrupar e apresentar as informações.

Descrevendo as informações contidas nos questionários

Para alguns dos alunos entrevistados (3,92%) a concepção de matemática é a de ser um método complicado. Outros 19,60% declararam que a matemática surgiu pela necessidade de evolução, mas principalmente pela finalidade de melhorar a vida humana. Para outros 19,60% a matemática surgiu apenas por caráter utilitário, já outros 19,60% apenas definiram a matemática como uma ciência exata e como um tipo de conhecimento, enquanto outros 9,80% não responderam.

Quanto ao conhecimento dos acadêmicos em relação à matemática e a sua aplicação em diversos campos, a maioria dos entrevistados, por volta de 33,33%, responderam ser um pouco conhecedor da mesma e das aplicações de seus campos. Outra grande maioria 25,49% revelou abertamente não ser conhecedor da matemática nem da sua utilidade em seus diversos campos. Outros dizem ser conhecedor da Matemática, mas não sabem a utilização nos seus diversos campos, e 1,96% dos alunos não responderam.

Com relação à compreensão dos campos da matemática sem levar em conta o motivo ou necessidade do seu surgimento, 31,37% dos entrevistados responderam que não é possível compreender os campos da matemática sem considerar seu surgimento, outros 25,49%

disseram não ser possível, pois se deve conhecer a sua aplicação. Cerca de 16% dos alunos

disseram não ser possível, pois se deve conhecer a sua aplicação. Cerca de 16% dos alunos ficaram indecisos entre o sim e não (mas não explicaram) e aproximadamente 21,57% não responderam alegando não saber sobre o assunto. Enquanto ao contato dos acadêmicos com a História da Matemática observamos que mais da metade dos entrevistados (64,70%) nunca tiveram contato com uma disciplina relacionada à História da Matemática enquanto que 17,65% responderam que já teve alguma disciplina relacionada à história da matemática. Outro grupo de respondentes afirmou ter contato com a História da matemática na disciplina História da Educação (5,88%) enquanto que 11,76% não responderam a esta questão.

Sobre a pretensão dos acadêmicos de atuar como professor de matemática descobriu-se que apenas 7,84% das informações adquiridas junto aos alunos atuam como professor, ou pelo menos mantém alguma relação com a docência. A maioria (66,66%) não atua como professor, mas pretendem atuar futuramente, no entanto 3,92% não atuam e nem pretendem atuar como professor de matemática enquanto que 9,80% não responderam.

Quanto à pergunta se a História da matemática pode ajudar na compreensão e aplicação de alguns conteúdos, 41,18% disseram que sim, pois daria mais confiança na aplicação dos conteúdos. Outros 17,65% responderam que sim, pois a história da matemática permite conhecer as origens dos problemas, 17,65% responderam que sim, mas não justificaram enquanto que 1,96% responderam que não, por não conhecer a história da matemática. Dos entrevistados verificamos que 21,57% não responderam a esta questão.

No que diz respeito às contribuições que a história da matemática forneceria para a formação de professores de matemática, 21,57% responderam que a história da matemática daria mais embasamento teórico aos futuros professores, 19,60% afirmaram que a mesma ajudaria na compreensão dos conteúdos matemáticos. Dos alunos questionados, verificamos que 23,53% acreditam que a História da Matemática traria mais conhecimento da disciplina ou da própria área de conhecimento. Outros 3,92% não souberam responder enquanto que 31,37% não responderam.

Considerações Finais Ao analisarmos as informações contidas nos questionários respondidos pelos acadêmicos do curso de matemática,

Considerações Finais

Ao analisarmos as informações contidas nos questionários respondidos pelos acadêmicos do curso de matemática, verificamos que foi possível obtermos alguns resultados preliminares em relação às interfaces entre a matemática, história e educação. Podemos perceber, a partir das informações obtidas pelos acadêmicos que a História da Matemática ainda é algo bastante desconhecida pela maioria dos alunos em processo de formação primeira. Todavia, os mesmos reconhecem que esta disciplina – por mais que admitam que não sejam conhecedores da mesma - os ajudaria em seu processo de formação primeira como futuros professores de matemática, tal como aponta Miguel (1997) e D’Ambrosio (1999). Esta característica importante, de conhecedores de elementos históricos relacionados a história da matemática, daria uma maior confiança na aplicação dos conteúdos em sala de aula, bem como ajudaria a responder os “porquês” dos alunos, e até mesmo para o próprio entendimento da disciplina, como embasamento teórico, de acordo com Fossa, Mendes e Valdés (2006).

Ao analisarmos as informações contidas nos questionários verificamos que as oportunidades para a percepção da aproximação dos elementos pertinentes aos estudos históricos fazem parte dos anseios e desejos da maioria dos alunos. As informações mostram que para os futuros educadores a importância da história da matemática na formação de professores de matemática se reveste de uma necessidade imperativa e quase que obrigatória em cursos de formação de professores de matemática. Aponta um elemento importante no processo de ensino e aprendizagem relacionada à matemática no que diz respeito a sua utilização como elemento metodológico importante em sala de aula com o objetivo central de ação problematizadora, utilizando em especial o diálogo.

Através do questionário aplicado, podemos perceber que a maioria dos acadêmicos entrevistados acredita sim que a História da matemática ajudaria no aprendizado e na formação de futuros professores, pois isso daria um maior embasamento teórico, além de fazer com que os mesmos tenham mais confiança no momento da aplicação dos conteúdos matemáticos em sala de aula. Além disso, os estudos proporcionados por esta disciplina contribuiriam para uma maior argumentação em suas respostas no momento em que vão

surgindo dúvidas por parte dos alunos (o porquê disso? e porque daquilo? por exemplo). Enfim, através

surgindo dúvidas por parte dos alunos (o porquê disso? e porque daquilo? por exemplo).

Enfim, através da realização deste trabalho, podemos perceber que será de grande importância a realização de palestras ou até mesmo seminários a respeito da História da matemática com os futuros professores de matemática, onde os mesmos poderiam está esclarecendo suas duvidas em relação a esta disciplina e sua articulação com as outras, presentes no curso de matemática. Tal iniciativa viria como acréscimo em termos de ações de pesquisa e extensão propostas pelos professores e acadêmicos do curso, pois mesmo sendo a disciplina História da matemática obrigatória no curso sente-se a necessidade de expandir os conhecimentos necessários aos graduandos sobre os elementos pertinentes aos conhecimentos históricos.

Referências Bibliográficas

BARTHÉLEMY G. 2500 Anos de Matemática: a evolução das idéias. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

BOYER C. História da matemática. 2. Ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2003. D’AMBROSIO U. Educação matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus,

  • 1996. (Coleção Perspectivas em educação matemática).

D’AMBROSIO U. Educação para uma Sociedade em Transição. Campinas, SP: Papirus,

  • 1999. (Coleção Perspectivas em educação matemática)

EVES, H. Introdução à História da Matemática. Campinas-SP: UNICAMP, 1995. (Tradução: Hygino H. Domingues)

FOSSA J. (Org.) Uma proposta metodológica para a pesquisa em educação matemática. In: Encontro de Pesquisa Educacional do Nordeste, 1998. Natal/RN: EDUFURN, 1998.

FOSSA, J. A. MENDES, I. A. VALDÉS, J. E. N. A História como um agente de cognição na Educação Matemática. Porto alegre. Ed. Sulina, 2006.

GIL A. Como elaborar projetos de pesquisa. 4º ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MENDES I.

O

uso

da

história

no

ensino

da

matemática

reflexões

teóricas e

experiências. Belém: EDUEPA, 2001. (Série Educação n. 1)

 

MENDES, I.

Antropologia dos números: significado social, histórico e cultural. Rio

Claro: SBHMat - Sociedade Brasileira de História da Matemática, 2003. v. único. 67 p

MIGUEL, A. As potencialidades Pedagógicas da História da Matemática em questão:

Argumentos reforçadores e questionadores. In: I Seminário Nacional da História da Matemática. Recife/PE: ZETETIKE, 1997.

MIGUEL, A. Três estudos sobre História e Educação Matemática . Tese de Doutorado. Campinas, SP: Universidade

MIGUEL, A. Três estudos sobre História e Educação Matemática. Tese de Doutorado. Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 1993.

SOUSA, M. N. A história da matemática na formação de professores da matemática. Monografia de conclusão de curso. Araguaína, TO: Universidade Federal do Tocantins,

2009.