Você está na página 1de 27

Osteopatia em

Mobilização Neural

Formação em Osteopatia Estrutural

Escola Brasileira de Fisioterapia Manipulativa


www.ebrafim.com
Introdução e Coluna Lombar
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

MOBILIZAÇÃO NEURAL

Generalidades
Os sistemas nervoso central e periférico são considerados como um só, uma vez que eles formam um
trato tecidual contínuo. Não existe outra estrutura no corpo com tamanha interligação. Estresses impostos
sobre o SNP durante o movimento são transmitidos para o SNC, e também uma tensão sobre o SNC pode ser
transmitida para o SNP.
Se considerarmos o SN como único e contínuo, isto levaria a um melhor entendimento das disfunções
ocorridas em qualquer parte do sistema, repercutindo assim em todo o sistema.
O SN não somente tem que conduzir impulsos através de amplitudes de movimento e variedades de
movimento, mas também tem que se adaptar mecanicamente a eles.
Devido o SN ser contínuo, qualquer movimento de um membro deve ter conseqüências mecânicas nos
troncos nervosos.

O sistema nervoso é contínuo de 3 maneiras:


· Eletricamente: transmissão de impulsos (sinapses)
· Quimicamente: os neurotransmissores da periferia são os mesmos do SNC
· Mecanicamente: capacidade do sistema nervoso em se adaptar aos movimentos.

Mecanismos da dor: processos relacionados a informações aferentes (fonte de dor)


· Mecanismos Nociceptivos: são aqueles que os sintomas precedem dos tecidos inervados pelo sistema
nervoso.
· Mecanismos Neurogênicos Periféricos: são aqueles cujos sintomas se originam no tecido nervoso
“fora” do corno posterior da medula.

Neuroanatomia: Sistema Nervoso Central (SNC)

O SNC é formado pelo encéfalo e medula espinhal, sendo estes protegidos por estruturas ósseas como
cavidade craniana e canal vertebral, respectivamente.
O SN consome 20% do oxigênio disponível na circulação sanguínea. O neurônio é a célula mais sensível a
alteração do fluxo sanguíneo, pois se ocorrer alguma alteração, implicará modificações maléficas em seu
metabolismo gerando uma função neuronal anormal.
Dentro do SNC há um sistema intrínseco bem desenvolvido, pois ele consegue suprir qualquer alteração
nos vasos secundários ou ramificações sem causar danos ao sistema.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 1
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Existem vasos que correm no sentido longitudinal e transversal a medula, então podemos concluir que
quando a medula é alongada os vasos longitudinais também se alongam e os transversais se afrouxam, e quando
ela é encurtada ocorre o efeito oposto.
Uma zona vascular crítica existe no nível T4 a T9, porque o canal vertebral apresenta o seu menor
diâmetro e o suprimento sanguíneo é pobre
Além da proteção óssea, o SNC está envolvido por membranas de tecido conjuntivo conhecidas
como meninges.

As meninges são: aracnóide, pia-máter e dura-máter.

· A pia-máter é a camada mais profunda e está intimamente ligada ao


encéfalo e medula. Além de dar proteção permite movimentos aos
elementos neurais. Sua inervação ainda é sabida.
· A aracnóide é a camada intermédia. Encontra-se separada da pia-
máter pelo espaço subaracnóideo que contém o LCR- líquido céfalo-
raquidiano. Sua inervação ainda é sabida.

· A dura-máter que é a camada mais externa, resistente com boa vascularização e inervação (n.
Sinusvertebral de Luschka). Encontra-se separada da aracnóide pelo espaço subdural. O espaço subdural
contém pouco fluido que funciona somente como deslizamento entre a dura-máter e aracnóide.

O LCR tem função de nutrição

dos tecidos neurais, proteção - da

medula e das raízes nervosas durante o

movimento corporal e também auxilia

na biomecânica da medula espinhal.

A estabilidade para uma maior proteção da medula e também das raízes nervosas é feita pelas seguintes
estruturas:
· Ligamento dural- entre as raízes nervosas e o canal vertebral.

· Ligamento denticulado- previne alongamento excessivo da medula durante a flexão.

· Trabéculas subaracnóideas- amortecem ondas de pressão no LCR.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 2
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

· Septo dorsomediano- entre o canal vertebral e a dura-máter posterior, estabilidade


ântero-posterior.
SD

TSA
DM
SAT
D LDE
A DA
LDU SAS DeL

VR
DuL
SN

Inervação:

TS
GRD

VS
NS

RCC

LLP

Neuroanatomia: Sistema Nervoso Periférico (SNP)

É formado por 12 pares de nervos cranianos que se originam do cérebro e tronco encefálico- saem dos
forames cranianos e 31 pares de nervos espinhais, que saem do canal vertebral pelos forames intervertebrais.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 3
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Três tipos de fibras nervosas são encontradas nos nervos periféricos- motoras, sensoriais e autônomas.

Assim como o SNC recebe a proteção do tecido conjuntivo, existem quatro membranas que envolvem
o SNP que garantem proteção e movimento:

· Endoneuro: importante na manutenção do espaço endoneural e proteção dos axônios contra


forças tensionais. Tem característica de distensibilidade. Não apresenta canais linfáticos, então
se ocorrer um edema, a pressão pode aumentar e interferir na condução e movimento do fluxo
axoplásmatico. Está mais presente nos nervos cutâneos por necessitarem de uma proteção
extra por estarem próximo da superfície.

· Perineuro: é importante na proteção dos conteúdos dos tubos endoneurais contra forças
externas e também funciona como barreira de difusão. É formada por colágeno e uma pequena
porcentagem de elastina sendo mais resistente a forças tensionais. Envolvem os fascículos-
conjunto de fibras.

· Epineuro: forma um revestimento de tecido conjuntivo mais externo e circunda e protege os


fascículos. Apresenta um epineuro interno- facilitador do deslizamento entre os fascículos para
permitir uma adaptação ao movimento do membro; epineuro externo- forma uma bainha ao
redor dos fascículos.

· Mesoneuro: é um tecido frouxo ao redor dos troncos nervosos periféricos, de modo que o
nervo possa apresentar deslizamento.

Endoneuro
Perineuro

Fasciculo

Vasos Epineuro
sanguineos

Espaço
linfático
Artéria
e veia

Endoneuro Gordura

Axônio
Fascículo
Perineuro
Células de Schann

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 4
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Vascularização do SNP

O SNP apresenta um suprimento

vascular tão bom ou melhor que o do SNC.

Esse sistema vascular está desenvolvido

para que não haja nenhuma interrupção

independentemente da posição do nervo.

Durante o movimento esse sistema se


adapta para manutenção do suprimento sanguíneo, seja ele extrínseco ou intrínseco. O suprimento extrínseco
dos nn. Periféricos é frouxo permitindo então que os vasos deslizem durante os movimentos sem causar
alterações em seu fluxo. O suprimento intrínseco é extenso e liga o endoneuro, perineuro e epineuro. Os
capilares são as únicas estruturas que conseguem passar pelo epineuro e atingir o endoneuro, permitindo um
mecanismo de válvula, comprimindo os vasos fechados se a pressão intrafascicular aumentar.

Comportamento vascular dinâmico:

Nervo Mediano
F

VS
Nervo Ulnar

*8%: alteração vascular


*15%: interrupção vascular

Sua inervação ocorre pela sua própria raiz, conhecida como nervi nervorum. Ainda é uma área da
neurologia pouco estudada.

Sistemas de transporte
Dentro do axônio, o fluxo de substâncias é constante e controlado. Esse fluxo, conhecido como
fluxo axoplasmático ocorre especificamente no axoplasma de um neurônio- com função nutricional,
que ocorrem através dos transportes descritos a seguir.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 5
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Transporte anterógrado

Vai do corpo celular aos tecidos alvo. De acordo com a velocidade, pode se dividir em:

· Transporte rápido- desloca-se 400mm por dia e carrega substâncias como NT e vesículas

transmissoras utilizadas na transmissão de impulsos na sinapse;

· Transporte lento- desloca-se de 1-6 mm por dia e existe para manutenção da estrutura do

axônio.

Transporte retrógrado

Vai dos tecidos alvo para o corpo celular. Desloca-se rapidamente (200 mm por dia). Esse sistema

carrega substâncias importantes no desenvolvimento do nervo terminal ou de segmentos danificados do nervo.

Vascularização: Gradiente de pressão

PA> PC> PF> PV> PT

Fascículo
Capilar
Artéria
Túnel
Veia

Para um suprimento vascular ininterrupto a pressão da artéria (PA) deve ser maior que a
pressão do capilar (PC) a pressão do capilar maior que a pressão do fascículo (PF) e a pressão do
fascículo maior que a pressão da vênula (PV) e a pressão da vênula maior que a pressão do túnel (PV).
Qualquer alteração no gradiente de pressão se torna fonte dos sintomas neurais.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 6
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Plexo Braquial

O membro superior é inervado pelo plexo braquial constituído pelos ramos anteriores dos nervos

espinhais C5, C6, C7, C8 e T1 (eventualmente C4 e T2).

As suas relações são com o canal da apófise transversa, com os músculos escalenos anterior e médio,

com a primeira costela e o gânglio estrelado. O plexo, propriamente dito, está encapsulado entre lojas das

aponeuroses cervicais profunda, média e superficial.

Para chegar ao vértice do oco axilar passa por debaixo da clavícula.

Devido ao seu trajeto em direção ao membro superior, se relaciona com a artéria subclávia.

É dividido em:

Raiz nervosa

Tronco (superior, médio e inferior).

Fascículos (posterior, medial e lateral).

Nervos terminais (periféricos)

Raízes

São os ramos anteriores de C5 a C8 e T1, estes emergem no pescoço entre os músculos escalenos

anterior e médio.

Apresenta ramos colaterais:

Ramos: raiz de C5 emite o n. escapular dorsal, as raízes de C5, C6 e C7 emitem o n. torácico longo e a raiz

de T1 emite o n. intercostal.

Troncos

A união dos ramos anteriores formam os troncos:

Superior: união das raízes C5 e C6

Médio: formado pela raiz de C7

Inferior: união das raízes C8 e T1

Ramos: emitem raízes para os mm. subclávio (C5) e supraespinhal (C5 e C6).

Fascículos

Cada tronco divide-se em anterior e posterior, e irão formar os fascículos, cuja denominação é devido à

relação anatômica com a artéria axilar (posição dos fascículos quanto à artéria axilar).

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 7
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

São eles:
Posterior: formado pela parte posterior dos três troncos (C5 - T1).
Ramos: nn. subescapulares superior e inferior (C5 - C6), n. toracodorsal (C6 - C8) e terminais n. radial (C5
- T1) e ulnar (C5 - C6).
Lateral: formado pela parte anterior dos troncos superior (C5 - C6) e médio (C7).
Ramos: n. peitoral lateral (C5 - C7), raiz lateral do mediano (C5 -T1) e terminal n. musculocutâneo (C5 -
C7).
Medial: formado pela parte anterior do tronco inferior (C8 - T1).
Ramos: n. peitoral medial (C8 - T1), raiz medial do n. mediano (C5 - T1) e terminais: cutâneo medial do
braço e antebraço (C8 - T1) e n. ulnar (C7 - T1).

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 8
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Nervo Radial

Formação: é o nervo terminal do fascículo

posterior do plexo braquial e possui fibras das raízes de C5,

C6, C7, C8 e T1. Principalmente C5-C6.

Tr a j e t o : n o b r a ç o c o n t o r n a o ú m e r o

posteriormente passando pelo seu sulco espiral e fornece

ramos para o m. tríceps braquial e ancôneo. Ao nível do

cotovelo, passando pelo epicôndilo lateral emite ramos

para os mm.

braquiorradial, extensores longo e curto do carpo. Somente depois desses ramos o nervo radial divide-

se em dois ramos: superficial- sensitivo (que acompanha o m. braquiorradial e depois atinge o dorso da mão,

onde inerva a metade lateral- polegar e falanges proximais dos dedos, indicador e médio) e profundo- motor. O

ramo profundo é chamado de n. interósseo posterior.

Nervo Mediano

Formação: é formado pela união da raiz

medial do fascículo medial e pela raiz lateral do

fascículo lateral. Possui fibras de todas as raízes que

formam o plexo braquial que são C5, C6, C7, C8 e T1.

Principalmente pela raiz C7.

Trajeto: não inerva nenhum músculo no

braço e seu trajeto pela articulação cotovelo ocorre

medialmente à artéria braquial e abaixo do ligamento

de Struthers.

Face ântero-medial do cotovelo entre a cabeça superficial e profunda do m. pronador redondo onde

fornece ramos, vai para face anterior do antebraço até atingir o túnel do carpo. Em uma posição mediana

próximo ao cotovelo emite um ramo chamado de nervo interósseo anterior, é um ramo profundo que

acompanha o trajeto da membrana interóssea e da a. interóssea anterior.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 9
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Trajeto: no braço coloca-se medialmente à artéria braquial na face medial no ligamento de Struthers e

chegando na articulação do cotovelo passa posteriormente ao epicôndilo medial (fornece um ramo para a

articulação do cotovelo para o m. flexor ulnar do carpo), túnel cubital, vaia para a ântero-medial do antebraço,

no punho passa pelo Canal de Guyon (no punho emite dois ramos, um dorsal e outro palmar responsáveis pela

parte sensitiva da metade ulnar da mão e chega no 4° e 5° dedos -5° dedo, metade ulnar do 4° dedo e região

hipotenar.

No antebraço proximalmente, se torna profundo e distalmente se torna superficial.

N. Subescapular

Formação: é formado das divisões posteriores dos troncos superior, médio e inferior que darão origem

ao fascículo posterior.Possui fibras principalmente de C5 e C6.

Trajeto: posterior em direção ao músculo subescapular.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 10
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

N. Supraescapular

Formação: se dá pelo tronco superior. Possui

fibras principalmente de C5 e C6.

Trajeto: é oblíquo para baixo e para fora, passa

posteriormente à espinha da escápula.

N. Musculocutâneo

Formação: é o nervo terminal do fascículo

lateral do plexo braquial e possui fibras das raízes

de C5, C6 e C7.

Trajeto: no braço (terço médio) inerva os

m ú s c u l o s d a fa c e a nte r i o r d o b ra ço :

coracobraquial, bíceps braquial e braquial.

Quando chega no cotovelo, encontra-se

lateralmente ao tendão do bíceps.

N. Axilar

Formação: se dá pelo fascículo posterior.

Possui fibras principalmente de C5 e C6.

Trajeto: se encontra na axila e no ombro.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 11
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Plexo Lombossacral

Na origem do plexo lombossacral encontra-se o espessamento lombar prolongado pelo cone terminal
na altura de L1. Desse espessamento emergem cinco nervos espinhais lombares, cinco nervos sacrais e um
nervo coccígeo; sua disposição ao redor do filamento terminal constitui a chamada cauda eqüina.
As raízes perfuram a dura-máter e depois do gânglio espinhal anastomosam-se para formar o nervo
espinhal, ao sair do forame de conjugação, o nervo espinhal divide-se em:
· Ramo anterior – inerva os músculos parietais e os músculos dos membros inferiores.
· Ramo posterior – inerva os músculos espinhais.

As raízes L2-L3-L4 dividem-se em dois ramos formando:


· Nervo crural (femoral);
· Nervo obturador.

As raízes de L5-S1-S2-S3 do plexo sacral formam o nervo ciático.


Do plexo sacro nascem cinco raízes colaterais posteriores:
· Nervo glúteo superior – inerva o tensor da fáscia lata, glúteo médio e glúteo mínimo. L4-S1
· Nervo piramidal;
· Nervo do gêmeo superior;
· Nervo do gêmeo inferior e do quadrado femoral;
· Nervo glúteo inferior (ramos cutâneos, glúteos, perineais e femorais). L5-S2

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 12
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Nervo femoral

Formação: pelas Raízes L2-L3-L4.

Trajeto: passa entre o músculo ilíopsoas, atrás ao ligamento inguinal e se ramifica formando o nervo

safeno (face ântero-medial inferior do joelho, perna e pé) e em ramos anteriores.

Nervo obturatório

Formação: pelas raízes L2-L3-L3.

Trajeto: passa pelo forame isquiático menor e vai para a face medial da coxa.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 13
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Nervo isquiático

Formação: se dá pela união das raízes de L4, L5, S1, S2 e S3.

Trajeto: passa pelo forame isquiático maior por baixo do m. piriforme e desce na face posterior da coxa,

na fossa poplítea se divide: n. tibial (ciático popliteo interno) e n. fibular comum (ciático popliteo externo).

O n. tibial deixa a fossa poplítea entre as cabeças dos gastrocnêmios e fornece ramos para os músculos

posteriores da perna- mm. gastrocnêmios, m. sóleo, m. tibial posterior, m.plantar, m. flexor profundo dos dedos

e m. poplíteo. Desce medialmente à fíbula (profundo ao músculo sóleo), no tornozelo passa posteriormente ao

maléolo medial e depois se divide em nn. plantares medial e lateral. Esse nervo é responsável pela inervação

motora ao compartimento posterior da perna (flexores plantares), e pela inervação sensitiva à face plantar do

pé e do calcanhar.

O n. fibular comum que passa posteriormente à cabeça da fíbula, medialmente ao tendão do m. bíceps

femoral. Ele se divide em n. fibular superficial e profundo. O nervo fibular superficial nasce entre o colo da fíbula

e o músculo fibular longo e desce lateralmente na perna e torna-se subcutâneo na face distal. O nervo fibular

superficial é responsável pela inervação motora do compartimento lateral da perna (eversores)- fibular longo e

curto, e pela inervação sensitiva do dorso do pé.

O nervo fibular profundo nasce entre o colo da fíbula e o músculo fibular longo e desce percorrendo a

membrana interóssea até entrar na face dorsal do pé.O nervo fibular profundo é responsável pela inervação

motora do compartimento anterior da perna (dorsiflexores)- tibial anterior, extensor longo dos dedos, extensor

longo do hálux e fibular terceiro, e pela inervação sensitiva a uma pequena área do pé.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 14
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Neurobiomecânica
Uma das características mais notáveis da biomecânica do SN, relevante em terapia manual, é a
mobilidade do SN.

Função Mecânica do Tecido Neural:


Para que o tecido neural se mantenha saudável precisa executar com sucesso três funções mecânicas
primárias: deslizamento, tensão e compressão.
Tensão: função relacionada à capacidade do tecido neural em alterar seu comprimento.

Posição relaxada

Tensão ‘‘Alongamento’’

Deslizamento: é caracterizado pelo movimento das estruturas neurais em relação aos tecidos
adjacentes.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 15
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

(a)
(a)

(b)
(b)

Deslizamento Longitudinal Deslizamento Transversal

Compressão: capacidade do tecido neural em alterar sua forma.

Músculo
Músculo

Nervo Nervo

Interface Mecânica
Uma interface mecânica pode ser definida como “aquele tecido ou material adjacente ao SN que pode
se mover independente do sistema”. Como por exemplo, o túnel do carpo é uma interface para o nervo
mediano, o músculo supinador é uma interface para o nervo interósseo posterior do nervo radial, o músculo
piriforme pode ser uma interface para o nervo ciático.
Também existem interfaces patológicas como osteófitos, fibrose fascial, aumento de volume de um
ligamento, uma bandagem muito apertada, edema ao redor do SN.

Relação entre movimento e tensão


Certos movimentos do corpo e dos membros parecem mais prováveis de moverem o SN ao invés de
tensionarem e vice–versa.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 16
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

De maneira geral se uma parte do corpo for movida e as outras ficarem em posição neutra, haverá

menos tensão e mais movimento do sistema nervoso em relação às interfaces. Ao contrário, se o mesmo

movimento fosse realizado com partes do corpo em tensão, haverá aumentos grandes da tensão neural com

pouco movimento do sistema nervoso.

Conceito de pontos de tensão

São locais do sistema nervoso que não se movem ou se movem pouco durante os movimentos

corporais. Temos como exemplo: C6, T6 e L4, região posterior do joelho e anterior do cotovelo.

Os pontos de tensão são locais de um maior depósito de tecido conjuntivo e uma diminuição do aporte

sanguíneo, alterando a neurobiomecânica.

Tensão Neural Adversa - TNA

“Respostas mecânicas e fisiológicas anormais das estruturas do sistema nervoso quando suas

amplitudes normais de movimento e capacidade de alongamento são testadas”.

Processos Patológicos

Com trauma, nenhuma parte do sistema nervoso pode ser excluída da possibilidade de lesão. As lesões

se baseiam em locais anatômicos (túnel do carpo, túnel do tarso...), em locais de ramificações- onde o SN tem

pouco ou nenhum movimento (n. plantar medial e lateral- n. digital plantar gerando neuroma de Morton), em

locais imóveis (T6, L4 e C6- locais onde a dura-máter está fixa, n. fibular na cabeça da fíbula).

Outras considerações importantes:

· Locais onde o SN já apresentou lesão, fica mais suscetível a recidiva.

· Locais onde não houve envolvimento imediato do SN podem causar uma lesão

posterior. Ex: uma fratura antiga.

Fundamentos dos sintomas neurais:

O conhecimento de 3 processos são importantes para compreensão dos sintomas neurais:

• Alterações no suprimento sanguíneo;

• Alterações no sistema de transporte axonal;

• Sensibilidade dos tecidos conjuntivos do sistema nervoso.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 17
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Alteração do gradiente de pressão: * Fase Hipóxica;


* Fase Edemadosa;
* Fase Fibrosa.

P P
P P P

Hipóxia: estase venosa Lesão do epitélio: edema Fibrose: ciclo de irritação

NERVO INFLAMADO

As patologias intraneural (acomete tecidos condutores e tecidos conjuntivos) e extraneural (acomete a


base do nervo e interface mecânica), fatores vasculares (interrupção do fluxo sanguíneo intraneural) e fatores
mecânicos (compressão, atrito) são processos patológicos que podem levar a TNA e teste provocativos
positivos.

Alterações no sistema de transporte axoplasmático (anterógrado ou retrógrado) alterarão o fluxo

axoplasmático levando a modificações tróficas no tecido alvo- músculo e pele. Isso pode ser causado por

lentidão no suprimento sanguíneo para o neurônio.

Obs: Quando falamos em trauma pensamos erradamente em um trauma grave, mas nós fisioterapeutas

sabemos que movimentos não fisiológicos, posturas e contrações repetitivas podem ser fatores contribuintes

para uma lesão nervosa.

O exame e tratamento do local raramente serão suficientes para eliminar os sinais e sintomas e prevenir

recidivas. Como o SN é contínuo, locais de lesões antigas ou inativas podem se exacerbar com o surgimento de

uma nova lesão.

Conseqüências tardias de uma lesão nervosa

· Fibrose: é o estágio final da maioria dos mecanismos de lesão. Causará alteração

mecânica, vascular, no fluxo axoplasmático e em todo o SN consequentemente.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 18
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

· Double Crush: é a síndrome do duplo esmagamento. A síndrome do túnel do carpo -


lesão da coluna cervical é a mais comum. Essa lesão baseia-se alteração do fluxo
axoplasmático em um local tornando o outro local suscetível ao estrangulamento,
apresentando como contribuinte uma alteração mecânica.
· Anomalias: 10% da população. O prognóstico pode não ser tão bom. Ex: síndrome do
pronador redondo- o nervo mediano ao invés de passar entre as cabeças proximais do
m. pronador redondo, perfurou-o predispondo a disfunção.

Avaliação
Exame postural
· Postura antálgica= postura alterada por espasmo muscular

Palpação neural:
· MMSS: n. mediano- medial à inserção do bíceps no cotovelo, n. ulnar- palpável na região
medial do terço médio do braço e região posterior do epicôndilo medial e no punho no túnel de
Guyon, n. radial- no sulco radial do úmero no terço médio posterior e no punho entre o abdutor
e o extensor do polegar.

· MMII: n. safeno- na face medial do joelho inferiormente à patela, n. ciático- entre o tubérculo
isquiático e o trocânter maior, n. tibial- região medial da fossa poplítea e na região posterior ao
maléolo medial, n. fibular- próximo à cabeça da fíbula e região anterior ao maléolo
lateral.Testes:

· Reflexos:
ü Bíceps: C6
ü Tríceps C7
ü Quadríceps L2, L3
ü Panturrinha S1, S2

· Força muscular de acordo com os níveis segmentares:


· MMSS:
ü Elevador da escápula C4
ü Deltóide C5
ü Bíceps C6
ü Tríceps C7
ü Flexor longo dos dedos C8
ü Interósseos e lumbricais T1

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 19
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

· MMII:
ü Flexores do quadril L2
ü Extensores do joelho L3
ü Dorsiflexores do tornozelo L4
ü Extensores distais do hálux L5
ü Flexão plantar do tornozelo S1
ü Flexão dos artelhos S2

Teste do movimento ativo cervical + membro superior


§ Movimentos cervicais: flexão, extensão, inclinação lateral e rotação.
§ Movimento do membro superior: abdução
§ Movimentos cervicais + Membro superior: inclinação lateral + abdução, inclinação
lateral + extensão de punho + abdução.

Teste do movimento ativo lombar


Em pé: Provocativo para o n. ciático (L4, L5, S1, S2 e S3)
o Para testar a sensibilização:
· Flexão lombar
· Flexão lombar + extensão de joelho, dorsiflexão, flexão
cervical
· Flexão lombar contralateral
o Para testar a compressão:
· Extensão da coluna lombar
· Lateroflexão lombar homolateral.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 20
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

C6
T6

L4

§ Provocativo para o nervo femoral (L2, L3 e L4)

o Para testar a sensibilização:


· Extensão de quadril
· Lateroflexão lombar contralateral + flexão de joelho
o Para testar a compressão:
· Extensão
· Lateroflexão lombar homolateral
OBS: Se os testes forem positivos: a ADM ativa será diminuída ou dolorida.

Testes provocativos do tecido neural:

São testes passivos que são aplicados de forma a estressar seletivamente os tecidos neurais, para avaliar
sua sensibilidade à provocação mecânica.
A utilização dos testes será de acordo com a apresentação clínica de sinais e sintomas de cada paciente.
Tais procedimentos podem ser utilizados diretamente nos troncos nervosos- de proximal para distal ou de distal
para proximal.
Nesses testes esperamos obter três respostas importantes:
· Resistência ao movimento
· Reprodução da dor
· Amplitude de movimento

Testes de sensibilização:

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 21
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Membros Superiores
Proximal para distal
· Parâmetro de movimento: lateroflexão contralateral cervical.

Nervo mediano
§ Abdução + Rotação externa
§ Extensão de cotovelo
§ Extensão de punho e dedos
§ Depressão da cintura escapular

Nervo radial
§ Abdução + Rotação interna
§ Extensão do cotovelo
§ Flexão do punho e dedos
§ Depressão de punho e dedos

Nervo ulnar
§ Abdução do ombro e Rotação externa
§ Flexão de cotovelo
§ Extensão de punho e dedos
§ Depressão da cintura escapular

Distal para proximal


· Parâmetro de movimento é a extensão de cotovelo.

Nervo mediano
§ Abdução ombro com Rotação externa
§ Extensão de punho e dedos
§ Inclinação lateral contralateral cervical
§ Depressão da cintura escapular

Nervo radial
§ Abdução com Rotação interna
§ Flexão de punho e dedos
§ Inclinação lateral contralateral cervical
§ Depressão da cintura escapular

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 22
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

· Parâmetro de movimento é a flexão de cotovelo

Nervo ulnar
§ Abdução ombro com Rotação externa
§ Extensão de punho e dedos
§ Inclinação contralateral cervical
§ Depressão da cintura escapular

Membros Inferiores
Teste de Lasegue ( SLR) – n. ciático
Em decúbito dorsal:
§ Flexão de quadril
§ Dorsiflexão de tornozelo
§ Rotação interna e adução de quadril
§ Pode se associar flexão cervical

Teste de Slump:
Sentado com as mãos atrás das costas:
§ Flexão dorsal e lombar
§ Flexão cervical
§ Dorsiflexão de tornozelo + extensão de joelho

Teste do n. Femoral
Em pé com joelho flexionado apoiado sobre o banco:
§ Lateroflexão contralateral

Obs: também pode ser feito em prono: realizando flexão de joelho.

Técnicas de Mobilização Neural


MMSS:
Mediano:
ü Abdução + R.E
ü Extensão de cotovelo + punho

Radial:
ü Abdução + R.I
ü Extensão de cotovelo + flexão de punho

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 23
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Ulnar:
ü Abdução + R.E

ü Flexão de cotovelo + Extensão de punho

MMII:
Ciático:
ü Flexão de quadril

ü Extensão de joelho

ü Dorsiflexão

Sural:
ü Inversão + Dorsiflexão

Tibial:
ü Eversão + Dorsiflexão

Fibular:
ü Inversão + Flexão Plantar

Obs.: Todas as técnicas de mobilização neural apresentam variáveis em dependência dos sinais e
sintomas (agudos, subagudos e crônicos) e tensão periférica ou central, inclusive o teste de tensão
adversa pode servir como mobilização neural e todas as técnicas podem evoluir para maior tensão.

Contra - Indicações:
· Doenças Degenerativas: Inflamatórias e Malígnas do S.N;
· Estenoses Extremas (ex: cauda equina, mielopatias);
· Sinais neurológicos com início abrupto ou com progressão;
· Problemas cognitivos e incapacidade de comunicação;
· Diganóstico incerto;
· Crença pessoal.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 24
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

Síndromes que podem envolver os nervos periféricos:

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Butler D. Mobilização do Sistema Nervoso. São Paulo: Manole, 2003.


Shacklock M. Neurodinâmica Clínica. Elsevier, 2006.
Todo o conteúdo existente nesta apostila é de propriedade da EBRAFIM e está protegido pelas Leis de
Direitos Autorais. A reprodução, cópia ou comercialização deste material, por qualquer meio, está sujeita às
penas previstas em Lei.

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 25
OSTEOPATIA ESTRUTURAL www.ebrafim.com

REDES SOCIAIS

Ebrafim – Escola Brasileira de Fisioterapia Manipulativa

@ebrafim

Ebrafim

Todo o conteúdo existente nesta apostila é de propriedade da EBRAFIM e está protegido pelas Leis de Direitos
Autorais. A reprodução, cópia ou comercialização deste material, por qualquer meio, está sujeita às penas
previstas em Lei.

Autoria:
Professor Bruno Gonçalves Dias Moreno
Professora Érica Mastelini
Professor Paulo Umeno Koeke
Professor Thiago Lopes Barbosa de Morais

Revisão:
Professor Assistente Augusto César de Moraes
Professor Bruno Gonçalves Dias Moreno

ESCOLA BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA MANIPULATIVA


www.fisioterapiamanipulativa.com / www.ebrafim.com
secretaria@ebrafim.com

Copyright by Osteopatia Estrutural


Todos os direitos reservados 19
26

Você também pode gostar