Você está na página 1de 5

CURANDO O CORAÇÃO

Duração: 1 hora

Objetivo:
Levar as pessoas a identificar as feridas do seu coração e a receber a cura, através da Cruz.

Fundamento bíblico:
“O espírito do homem o sustenta na doença, mas o espírito deprimido, quem o levantará?”
(Provérbios 18:14).

INTRODUÇÃO
As feridas mais profundas que o ser humano pode sofrer são as da alma; pois quase sempre são
produzidas pelas pessoas mais próximas (família, amigos, cônjuge, etc.) e tocam fibras muito sensíveis.
Deus criou o homem para que amasse e fosse amado, não para que experimentasse o sofrimento, a
traição ou a rejeição.

As feridas que tocam o coração são tão fortes que nem o tempo pode apaga-las; estão tão enraizadas
no íntimo do ser, que em muitas ocasiões a memória não percebe. São mais fortes do que as feridas
físicas. É provável que você já tenha escutado a expressão: “O que você me disse doeu-me mais do que
um golpe”.

DESENVOLVIMENTO DO TEMA
Entendendo nossa natureza

Sabemos que a essência do homem é espírito, alma e corpo, ou seja, um ser tripartido. Na alma
encontramos a mente, as emoções e a vontade.

- A mente nos faz conscientes do mundo que nos rodeia, recebendo e processando toda informação
percebida por nossos sentidos

. - As emoções são nossas reações pessoais para tudo que nos rodeia. São as que dão cor à nossa vida.
Se elas são afetadas, se transformam-se no maior martírio da pessoa.

- A vontade é a que determina nossos atos; tem a última palavra. Por exemplo: quando alguém ouve a
Palavra de Deus a mensagem chega à mente, onde a informação é processada. Depois passa para os
sentimentos, onde encontra diferentes tipos de reação. Mas a decisão final, seja correta ou incorreta,
quem toma é a vontade.

É importante dizer que Deus respeita tanto a vontade do homem, que jamais irá interferir nas decisões
que ele tomar. Deus não quer encher Seu Reino com fantoches ou pessoas obrigadas, mas pessoas
livres, que O amem e O sirvam com todas as suas forças, com todo o seu querer e com todo seu
coração.

QUANDO AS FERIDAS NO CORAÇÃO SÃO GERADAS?


Muitas feridas talvez foram produzidas antes do nosso nascimento. Quando uma pessoa é gerada,
passa a ser como a extensão dos pais, tanto no caráter quanto em princípios. Tudo o que os pais
tenham experimentado no momento da concepção, de uma forma ou outra, condicionará as emoções
do filho. Por outro lado, os pais transmitem a seus descendentes as maldições ou as bênçãos que
tenham herdado dos seus antepassados.

Outras feridas podem ser produzidas na infância, por falta de afeto familiar, carência de amor,
estímulo e reconhecimento. Estas feridas deixam um grande vazio no coração e ficam mais profundas
com o passar dos anos. Por isso muitos tentam encher os vazios com coisas secundárias ou mesmo
incorrendo em graves pecados. Outros chegam ao casamento acreditando que viver com outra pessoa
os fará esquecer de tudo o que sofreram quando eram crianças; sem dúvida, a única coisa que
conseguem é aprofundar a dor.

Cada experiência vivida é armazenada no cérebro. Quando pensamos, ou atuamos, pequenos impulsos
de eletricidade passam entre as células do cérebro e formam caminhos que funcionam como se
fossem fios, pelos quais correm estes impulsos. Cada acontecimento em nossa vida produz novos
caminhos. Por isto, quando uma pessoa é menosprezada, rejeitada, abusada e maltratada na infância,
ao se tornar adulta, traduz o que sofreu em pensamentos de condenação e derrota, convencendo-se
de que vem de Deus. Sem dúvida, Deus sempre chega a nós com pensamentos que nos conduzem,
sem nos condenar, a um sincero e voluntário arrependimento.

Qualquer abuso, seja ele verbal, físico, sexual ou social, que o ser humano sofra, desde o ventre
materno, marcará sua vida para sempre. As feridas são portas abertas pelas quais Satanás entra para
subjugar as pessoas.

O inimigo coloca nas pessoas seus espíritos impuros e imundos: medo, insegurança, sentimento de
inferioridade, dúvida, ressentimento, vícios, depressão, etc. Através da amargura e a dor de
experiências passadas. A estratégia do diabo é que o ignorem; sua astúcia é passar despercebido.
Enquanto permanece oculto, sem ser detectado, poderá controlar facilmente as vidas. Sem dúvida,
quando é desmascarado perde o poder.

O QUE É A REJEIÇÃO?
A rejeição é a falta de aceitação. Significa não ser reconhecido; ser contraditado no que expressa,
propõe ou oferece; é não achar espaço ou não encontrar lugar em grupos.

A causa mais comum de um coração ferido é, precisamente, a rejeição, que tem sua origem na falta de
amor. Quando uma criança nasce, deve ter seus pais próximos para que o encham de afeto.

A estratégia de certos grupos, envolvidos na prática de ocultismo, para destruir emocionalmente a


alguém, é isolá-lo, logo após o nascimento. Separam-no da mãe, levam-no a quartos escuros e negam
todo afeto de que necessita. Ao não receber amor, tampouco pode dá-lo e, com o tempo, se
transforma em uma pessoa agressiva, violenta, rebelde, depressiva, triste, amargurada e isolada.

Agradou a Deus que a família seja estabelecida tendo o amor como base. A rejeição é produzida
quando um dos pais, ou ambos, não dão ao bebê o afeto que ele necessita.

MUDANÇAS NECESSÁRIAS PARA A RESTAURAÇÃO


Somos conscientes de que na sociedade atual, a relação entre pais e filhos é cada vez mais distante e
isso só produz dor, ressentimento e rebeldia no coração dos filhos. Muitos pais pensam que sua única
obrigação é prover o econômico, e privam seus filhos daquilo que mais precisam, o carinho que dá
segurança para enfrentar qualquer dificuldade que encontre na vida.

Ao mesmo tempo, muitas mulheres que precisam enfrentar as pressões de um casamento com
tormentas, vivem irritadas continuamente com elas mesmas e descontam em seus filhos, tornando
seus dias demasiado difíceis.

É necessário que os pais busquem criar pontes de comunicação com seus filhos e também fortalecer
os laços de amizade com eles.

Para que o Senhor possa trazer restauração total para cada coração ferido, é necessário aprender os
seguintes aspectos:
• Identificar as possíveis causas da rejeição:
É necessário que o Espirito Santo traga revelação daquelas coisas que somos conscientes, ou que não
sabemos, para poder chegar à raiz da rejeição.

• Enfrentar o passado: Com a ajuda de Jesus, podemos enfrentar qualquer coisa que nos tenha
marcado no passado. Sabemos que Seu amor é a cura para toda ferida.

• Aceitar o amor de Deus: A rejeição produz múltiplos vazios. Devemos entender que o único capaz de
encher tais vazios é Jesus. Receber Seu amor nos faz sentir aceitos e parte da família de Deus.

JESUS VIVEU A REJEIÇÃO POR VOCÊ .


Por amor a nós, Jesus sofreu vários tipos de rejeição, ao longo da Sua vida:

• Foi rejeitado mesmo antes de nascer José quis abandonar Jesus e Maria, durante a gravidez, porque
sabia que não era pai de Jesus. Deus interveio milagrosamente para que isto não acontecesse (Mateus
1:19-20)..

• Foi rejeitado pouco depois do Seu nascimento Um rei se assustou ao saber que Jesus vinha da
realeza e quis matá-lO, por isso sua família teve que fugir para o Egito (Mateus 2:16). • Foi rejeitado
pelos judeus Líderes religiosos, políticos e todo o povo rejeitaram a Jesus, durante sua vida pública
(João 1:11).

• Foi rejeitado pelos Seus discípulos Os amigos mais próximos de Jesus se encheram de medo ao ver
que Ele fora apanhado e levado a julgamento. Um O traiu, outro O negou e os demais fugiram.
Aconteceu isto para que se cumprisse a profecia: “Fira o pastor, e as ovelhas se dispersarão,” (Zacarias
13:7).

• Foi rejeitado por um dos ladroes crucificados junto a Ele Até mesmo um dos ladrões, que estava
quase morrendo, falou de modo cínico com Jesus, menosprezando-O e rejeitando-O, ainda que no
momento da sua morte (Mateus 23:39).

• Foi rejeitado por Seu Pai Celestial A maior dor de Jesus foi quando experimentou o abandono do Pai
Celestial.

A sensação de que o Pai lhe dera as costas, produziu nEle uma terrível sensação de angústia. Suas
palavras naqueles momentos foram: “Meu Deus! Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Salmos
22:1).

A santidade é um conceito muito importante para a cura interior. Devemos compreender que ainda
que todo mundo nos dê as costas, Deus tem a resposta justa para nós.

Jesus viveu o abandono do Pai, porque estava tomando nosso lugar, levando sobre os ombros a
maldade do mundo inteiro. Se há algo que Deus não suporta, é o pecado, justamente porque Ele é
santo. Jesus se fez pecado por nós, para que você e eu fôssemos feitos justiça nEle.

“Em ti os nossos antepassados puseram a sua confiança; confiaram, e os livraste.” (Salmos 22:4). O
Antigo Testamento está cheio de testemunhos de servos de Deus que tiveram a vitória, porque
esperaram em Deus com paciência.

NASCEMOS COM UM PROPÓSITO “Contudo, tu mesmo me tiraste do ventre; deste me segurança


junto ao seio de minha mãe” (Salmos 22:9).

Nosso nascimento não foi um equívoco; tudo foi planejado por Deus. Ele é paternal e maternal e pode
suprir qualquer vazio emocional causado pelo abandono de um pai: “Desde que nasci fui entregue a Ti;
desde o ventre materno és o meu Deus.” (Salmos 22:10). Ele não é nosso Deus somente neste
momento; agora é quando O conhecemos.

Porém Ele tem sido sempre o nosso Deus. Desde o ventre de nossa mãe o Senhor nos colocou Seu
selo, e hoje nos diz: “Você é Meu filho e Eu sou seu Deus”. Então sabemos que Ele é nosso Deus e
nosso verdadeiro Pai.

Deus quer nos dar consolo, da mesma maneira que uma mãe consola seus filhos: “Estenderei para ela
a paz como um rio e a riqueza das nações como uma corrente avassaladora; vocês serão
amamentados nos braços dela e acalentados em seus joelhos” (Isaías 66:12b).

O verdadeiro processo da cura interior começa com o quebrantamento. Deus quer tomar o lugar da
nossa mãe e pai, para nos levar aos vazios que há na nossa vida:

“A ninguém na terra chamem ‘pai’, porque vocês só têm um Pai, aquele que está nos céus” (Mateus
23:9).

“Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá” (Salmos 27:10). 26 I ENSINOS Quando o
processo de cura começa, a pessoa pode ver imediatamente o fruto: “Quando vocês virem isso, o seu
coração se regozijará, e vocês florescerão como a relva; a mão do Senhor estará com os seus servos,
mas a sua ira será contra os seus adversários” (Isaías 66:14)..

PASSOS PARA A RESTAURAÇÃO


• Perdoar de todo o coração a quem nos tem ofendido: O perdão não é uma emoção, mas uma
decisão pessoal de passar por cima das ofensas que foram cometidas contra nós. O perdão deve incluir
aqueles que deixaram feridas profundas em nosso coração e esse é o princípio da restauração.

O Senhor disse: “E quando estiverem orando, se tiverem alguma coisa contra alguém, perdoem no,
para que também o Pai celestial lhes perdoe os seus pecados” (Marcos 11:25).

• Renunciar tudo o que produziu amargura, ressentimento, ódio, rebeldia, etc. Nosso coração é nosso
maior tesouro. Não podemos guardar nele sentimentos ou lembranças incorretas que nos desviem dos
caminhos de Deus. Jesus ensinou: “Todo mestre da lei instruído quanto ao Reino dos céus é como o
dono de uma casa que tira do seu tesouro coisas novas e coisas velhas” (Mateus 13:52). Faça uma
limpeza de seu coração e tire tudo o que é velho; guarde somente aquelas coisas novas e que
edificam, especialmente a Palavra de Deus.

• Perdoar-nos e aceitar-nos a nós mesmos: Não deixe que seus pensamentos o acusem, nem que os
erros que você cometeu no passado o condenem. Paulo disse: “Portanto, se alguém está em Cristo, é
nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5:17).
“Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8:1).

• Restaurar a relação pessoal com Deus: Voltar à Cristo de todo o coração é um passo fundamental.
Jesus disse: “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei
descanso. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração,
e vocês encontrarão descanso para as suas almas”. (Mateus 11:28-29).

CONCLUSÃO PERGUNTAS PARA REFLEXÃO


Identifique quais têm sido as possíveis causas das feridas em sua vida (Por exemplo, quando você foi
abandonado por alguém).

Escreva os nomes das pessoas que o feriram.

Lembre-se dos passos para a restauração:


1. Perdoar de todo o coração aqueles que o têm ferido.

2. Renunciar a tudo o que produziu amargura, ressentimento, ódio e rebeldia

3. Perdoar-se a si mesmo 4. Voltar-se para Deus de todo o coração.

MINISTRAÇÃO
Durante a ministração cada participante deve:

a. Perdoar a quem o feriu (lembre-se de que o perdão é uma decisão pessoal).


b. Renunciar a tudo que produziu amargura em seu coração.
c. Aplicar o que o Sangue de Jesus fez por eles.
d. Receber o amor incondicional do Pai celestial.

Você também pode gostar