Filamentos Intermediários ( FI

)

Os filamentos intermediários compõem um sistema de estruturas filamentosas que são constituintes do citoesqueleto de muitas células, exceto nas células de plantas e fungos (Robertis & Robertis, 1993). São assim chamados devido ao seu diâmetro de 8 10 nm, que é intermediário ao dos microtúbulos e ao dos microfilamentos. (Carneiro & Junqueira, 2005). Uma vez formados, os filamentos intermediários permanecem por longo tempo no citoplasma. São extremamente insolúveis, quando a célula é rompida experimentalmente, os microtúbulos e microfilamentos se solubilizam, mas 99% dos filamentos intermediários permanecem intactos. (Carneiro & Junqueira, 2005). Apesar de serem insolúveis em soluções fisiológicas, os filamentos intermediários se dissolvem em pH baixo e alto, no entanto, podem voltar a se reconstituir ( Robertis & Robertis, 1993). Enquanto os filamentos de actina e os microtúbulos estão presentes em todas as células eucarióticas, a ocorrência dos filamentos intermediários citoplasmático é s exclusiva de organismos multicelulares (Carvalho & Pimentel, 2007) Nas células da epiderme e nos neurônios dos axônios, os filamentos intermediários são pelo menos 10 vezes mais abundantes do que os microfilamentos e os microtúbulos ( Lodish et al., 2005). 

Constituição Todos os filamentos intermediários têm a mesma estrutura, sendo constituídos pela agregação de moléculas alongadas, cada uma formada por três cadeias polipeptídicas enroladas em hélice (Carneiro & Junqueira, 2005). Ao contrário dos microtúbulos e microfilamentos que, em todas as células, são constituídos pelas proteínas globulares tubulina e actina, respectivamente, os filamentos intermediários são formados por diversas proteínas fibrosas: queratina, vimentina, proteína ácida fibrilar da glia, desmina, lamina e proteínas dos neurofilamentos. Essas proteínas se agregam espontaneamente para formar os respectivos filamentos intermediários (Carneiro & Junqueira, 2005). 

Distribuição Celular

Os filamentos intermediários são predominantemente citoplasmáticos. Porém no núcleo celular, há um arcabouço protéico que constitui a lâmina nuclear, composta

as células tumorais retêm várias das propriedades diferenciadas das células das quais elas derivam. frequentemente. 2005).principalmente pelas proteínas laminas. E os neurofilamentos são os principais elementos estruturais dos neurônios.. denominado hemidesmossomos (Alberts et al. Em um tumor. Os filamentos de queratina conferem resistência mecânica a tecidos epiteliais. as proteínas FI são úteis para diagnóstico e o tratamento de certos tumores. a função depende da composição e localização dos filamentos ( Lodish et al.  Funções A principal função dos filamentos intermediários é dar rigidez as células.. Os filamentos intermediários são abundantes em células que sofrem atritos ( estresse mecânico). em parte pelo ancoramento dos filamentos intermediários a regiões de contato célula ± célula. Também são freqüentes nos axônios dos neurônios e em todos os tipos de células musculares (Alberts et al.. os médicos podem. à ancoragem da cromatina e à desintegração/ reestruturação do núcleo na divisão celular (Carvalho & Pimentel. as células perdem sua aparência normal e. Os Neurofilamentos são um dos principais componentes do citoesqueleto dos axônios. No entanto. 2005). 2011) Pela sua distribuição característica. mesenquimal ou neuronal ( Lodish et al.. A vimentina está . 2005). assim. 2010) A proteína ácida fibrilar glial forma os filamentos gliais que estão presentes no citosol dos astrócitos e de algumas células de Schwann.. Entretanto. chifres. Os filamentos formados pela proteína vimentina são os mais freqüentes. unhas. Os filamentos constituídos por queratina são encontrados exclusivamente nas células epiteliais e estão presentes na formação de anexos como pêlos. como as da epiderme.matriz. 1982). ou de contato célula. regula a velocidade de transporte do impulso nervoso através dos axônios e determina calibre axonal ótimo necessário para a propagação do sinal (Hares et al. (Carneiro & Junqueira. sendo encontrados na formação de fibroblastos. Elas formam uma trama bidimensional que recobre internamente o envoltório nuclear e se prestam à estruturação do núcleo. o alto grau de insolubilidade da vimentina sugere a sua função estrutural no citoplasma. sua origem não pode ser identificada por sua morfologia. Com o uso de anticorpos marcados com fluorescência específicos para aquelas proteínas FI. 2007). determinar se um tumor teve origem no tecido epitelial. 2010). como forma de suporte e ancoragem da posição das organelas no citosol (Lazarides. denominadas desmossomos. incluindo a expressão de proteínas FI particulares.

v. ROBERTIS. Japão Biol Cell. RJ. Disponível em: <http://www. 2007 4.nih. PIMENTEL. Califórnia. Biologia Molecular da Célula. 2 ed. Artmed. Ciências Clínicas. "The role of the vimentin intermediate filaments in rat 3Y1 cells elucidated by immunoelectron microscopy and computer-graphic reconstruction". Acesso em 28 de abril de 2011 8. Referências bibliográficas 1.ncbi. lateralmente ou terminalmente (Katsumoto et al. RS: Artmed. KATSUMOTO T. 2 ed. RS: 5. Hernandes F. Annu Rev Biochem. Rio de Janeiro. Bruce et al. 5.nlm.. Elias. Reino Unido. Shirley Maria Recco. julho de 1982. 8 ed.51. 1993 3. De. 68. p. Disponível em: <http://www. Porto Alegre. retículo endoplasmático e mitocôndria. Yonago. Acesso em: 2 de abril de 2011 7.ncbi. Universidade de Bristol. De Jr. 2005 Biologia Celular e Molecular. Harvey et al. v. JUNQUEIRA. Os filamentos de desmina nas células musculares são responsáveis pela estabilização dos sarcômeros no músculo em contração ( Lodish et al. 51. ed. ALBERTS. Instituto de Neurociências Clínicas. 2010 6. 5.. Barueri. 1990. Biologia celular e molecular. 139 ± 146. Rio de janeiro.ligada ao núcleo celular. Bases da Biologia Celular e Molecular. 2005). Neurofilament dot blot assays: Novel means of assessing axon viability in culture . ³Intermediate filaments: A chemically heterogeneous developmentally regulated class of protein". 219-250. 1990). RJ: Editora Guanabara & Koogan. CARVALHO.annualreviews.bi..nlm. Editora Guanabara & Koogan. KURIMURA T. ROBERTIS. MITSUSHIMA A.nih. A Célula. SP: Manole. Disponível em: <http://www. 2005 2. Acesso em: 28 de abril de 2011 . p.org/doi/abs/10.1146/annurev. Porto Alegre. 2011 Apr 1. .001251 >. et al.gov/pubmed/21459112> . LODISH. José. ed. HARES K. LAZARIDES. Pasadena. Luiz Carlos Uchôa. Laboratório de Microscopia Eletrônica da Universidade de Medicina de Tottori.gov/pubmed/2192768>.070182. CARNEIRO.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful