Você está na página 1de 11

Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Engenharia Florestal

BRANQUEAMENTO DE CELULOSE (ENF 662)


AULA PRÁTICA

Marcela Andrade

Viçosa
2018
Cronograma
Aula Título Data

1 Separação dos grupos e caracterização inicial da polpa marrom 05/09

2 Pré-Branqueamento – Deslignificação com oxigênio 12/09

3 Branqueamentos pelas sequências OD(EP)DP, ODHT(EP)DP e 19/09


OA/D(EP)DP – primeiro estágio
4 Branqueamentos pelas sequências OD(EP)DP, ODHT(EP)DP e 26/09
OA/D(EP)DP – segundo estágio
5 Branqueamentos pelas sequências OD(EP)DP, ODHT(EP)DP e 03/10
OA/D(EP)DP – terceiro estágio
6 Branqueamentos pelas sequências OD(EP)DP, ODHT(EP)DP e 10/10
OA/D(EP)DP – estágio final
7 Branqueamento por uma sequência TCF 17/10

8 Caracterização das polpas branqueadas 24/10

9 Entrega do relatório e prova 07/11


2
Branqueamento
O branqueamento é uma continuação do
cozimento
•Ocorre por oxidação/extração com reagentes
apropriados
•O reagente apropriado deve ser de baixo
custo e seletivo
•O reagente apropriado deve oxidar a lignina
rapidamente, sem atacar os carboidratos

Múltiplos estágios + Diferentes Agentes


Químicos + Condições
Controladas

3
Branqueamento

Reagente
químico
Vapor Água

Mistura Mistura Reator Lavador


Polpa
Polpa lavada
lavada p/ estágios
de estágios posteriores
anteriores

Efluente

4
SEQUÊNCIAS TÍPICAS DE BRANQUEAMENTO
• Branqueamento convencional:
– CEH, CEHH, C(EPO)HP
– CEHD, CEDED, (DC)(EPO)DED
– O(DC)(EPO)D, O(DC)(EPO)DED
• Branqueamento ECF:
– D(EO)D(EP)D, D(EPO)DED, D(EPO)D(EP)D
– OD(EPO)D, OD(EPO)DD, OD(EPO)DP, OD(EPO)DED
– OA/D(EPO)DP, OD*(EPO)DP
– O(ZD)(EPO)D, OZ/EDP

• Branqueamento ECF-light:
– OQ(EPO)DP
– O(ZD)(EPO)/P, OZ(EPO)DP
• Branqueamento TCF:
– OQ(EPO)(ZQ)P, O(ZQ)(EPO)(ZQ)P
– OQ(EPO)Q(EPO)/P, OA(EPO)Q(EPO)/P, OQ(EPO)PaaP
Sequências típicas de branqueamento ECF
Polpa Marrom

Pré O2 Deslignificação

Deslignificação (a lignina clorada é


DHT D0 AHT/D
facilmente removida com álcali)

Extração (remover da polpa celulósica a


lignina oxidada em estágios anteriores,
(EPO) ou (EP)
reduz a demanda de reagentes nos estágios
subsequentes).
D
Alvejamento

Dfinal ou Pfinal Alvejamento

6
Aula 1: Caracterização da polpa marrom

 Objetivo:
Caracterização inicial da polpa marrom a ser utilizada nas
sequências de branqueamento.

 Procedimentos:
- Formação de folhas manuais
- Teor de Umidade (teor a.s.)
- Número kappa
- Viscosidade
- Alvura

7
Aula 1: Caracterização da polpa marrom

 Teor de umidade (teor a.s.):

𝑃𝑠
Teor a.s. (%) = x 100
𝑃𝑢

Onde,

Ps = Peso seco da polpa


Pu= Peso úmido da popa

Na estufa: 5 horas a 105°C

8
Aula 1: Caracterização da polpa marrom

 Alvura:
Parâmetro utilizado para determinar eficiência do branqueamento e
qualidade da polpa

É determinada através de valores numéricos dos fatores de


refletância da luz azul (457nm) da amostra.

Procedimento:

5 g a.s. Prensar (Secar: 15 horas, 25°C, UR: 50%)


9
Aula 1: Caracterização da polpa marrom

 Kappa:

Procedimento:
Polpa** + 400 ml de H2O
Adicionar 10
+ 50 ml de H2SO4 Agitar durante 10 min
ml de KI
+ 50 ml de KMnO4

Titular com Na2S2O3 0,1 N

25
**Massa de polpa:
𝑘𝑎𝑝𝑝𝑎 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑟𝑎𝑑𝑜

10
Aula 1: Caracterização da polpa marrom

 Viscosidade:

Procedimento:
Adicionar 25 ml
Polpa* + 25 ml de H2O Agitar durante 5 min
Etilenodiamina Cúprica

Ler no VISCOMAT Agitar durante 15 min

*Pesar de acordo com a tabela:


Viscosidade estipulada (dm3/kg) Massa de polpa a.s.(g)
400-650 0,25
651-850 0,20
851-1100 0,15
1101-1200 0,13
1201-1300 0,12 11

Você também pode gostar