Você está na página 1de 4

Experimento 1

Densidade de um líquido

Autores: Marco Stálin Jardim Sena e Vitória de Paula Braga Turma: PS4
16/11/2021

1- Introdução
Segundo o físico e matemático Arquimedes da Siracusa (287-212 a.C), um
corpo que se encontra imerso (de forma parcial ou total) em um determinado líquido,
sofre a ação de uma força vertical que se encontra orientada de baixo para cima,
que é denominada como Empuxo. Essa ação é aplicada no centro de gravidade do
volume de determinado fluido que se encontra em equilíbrio, causando uma ação de
deslocamento. A intensidade dessa força vai ser igual ao peso do volume de fluido
deslocado.
O empuxo pode ser calculado através da seguinte fórmula: E=pgV, onde “p”
representa a densidade do fluido, “g” representa a ação da gravidade e “V” é o
volume deslocado de fluido pelo objeto.

2- Objetivos
O experimento tem por objetivo calcular a densidade de um determinado
líquido através do Princípio de Arquimedes. Ao fim do cálculo, através da análise
dos resultados obtidos, o fluido estudado (até então desconhecido) terá sua
densidade comparada à de outros fluidos.

3- Procedimento experimental
Para a realização do experimento foram utilizados os seguintes materiais:
● Paquímetro;
● Cilindro de alumínio graduado;
● Dinamômetro;
● Recipiente transparente contendo o líquido desconhecido;
● Haste com suporte;
A primeira coisa a ser feita é a determinação do volume do cilindro, para tal,
utiliza-se o auxílio de um paquímetro para medir o diâmetro e a altura. Após isso, foi
medido o peso real do cilindro, colocando-o em um dinamômetro. Com o cilindro
ainda no dinamômetro, mergulhamos gradualmente cada segmento do cilindro no
fluido e checamos os novos valores presentes no dinamômetro (valores estes, que
representam o peso aparente, P’). A relação entre os segmentos do cilindro que
foram mergulhados e o peso aparente está presente na tabela 2. Após todas as
medições, foi construída uma tabela com a relação entre o peso aparente e o
volume mergulhado. O peso aparente pode ser calculado a partir da seguinte
fórmula:
P’= P-pgV
Após encontrar os resultados desejados, foi feito um gráfico de P’ em função
de V, onde foi feita uma relação linear entre ambas as grandezas. O formato da
equação que representa essa função afim é P’= AV + B , onde o “A” representa o
coeficiente angular do gráfico. No caso dessa função, o A corresponde ao “pg” na
fórmula do peso aparente. O “B” é o coeficiente linear, que vai ser equivalente ao
peso real do cilindro (P). Os valores específicos de A e B foram encontrados a partir
do gráfico da função, feito pelo software “SciDAVs”. A partir do momento em que foi
descoberto o valor do A, e sabendo o valor da gravidade (g), a densidade vai ser
simplesmente a razão entre esses dois valores (p=A/g).
Por fim, com o resultado da densidade encontrada, foi feito uma comparação
entre os valores da tabela 1, a fim de identificar qual foi o líquido usado no
experimento.

Tabela 1: Líquidos e suas respectivas densidades Tabela 2: Valores para o cálculo do volume

4- Resultados

Utilizando os dados e etapas fornecidos anteriormente, foram encontrados


os resultados que serão discutidos a seguir.
Usando os valores de diâmetro (d) e altura (h) do cilindro de alumínio presentes na
tabela 2 e também a fórmula de volume de um cilindro (V = 𝝅 *r²*h, onde r = d/2),
temos que:
𝑑 25,45 647,70
V = 𝝅*⎡ 2 ⎤²*h ⇒ V = 3,1416 *⎡ ⎤² * 80,90 ⇒ V = 3,1416 * ⎡ ⎤* 80,90
⎣ ⎦ ⎣ 2 ⎦ ⎣ 4 ⎦
V = 41,1543 x 10³ mm³ ⇒ V = 41,1543 cm³

O valor encontrado para o volume foi dividido em 8 segmentos, a cada segmento


mergulhado no líquido foi medido o peso aparente (P’) que esta parte imersa
representava. Dado tais medições, foi possível criar um gráfico de relação Peso
aparente x Volume imerso que é demonstrado a seguir.

Obtendo a relação entre Peso aparente x Volume imerso é possível calcular a


densidade do fluido presente no recipiente. Como citado anteriormente, a densidade
é a razão entre a aceleração da gravidade (g) que possui valor (9,78 ±0,05)m/s² e o
coeficiente angular do gráfico (A) que possui valor (-0,00969) N/cm³, sendo assim,
temos que:

𝐴 0,00991 𝑁/𝑐𝑚³ −6
p=-𝑔 ⇒p= 978 𝑐𝑚/𝑠²
⇒p = 9,91 ×10 N/cm²s² ⇒

5
−6 10 𝑔.𝑐𝑚/𝑠² −1
p = 9,91 ×10 . 𝑐𝑚²𝑠²
⇒p = 9,91×10 g/cm³ ⇒

p = 0,991 g/cm³
Foi necessário, também, calcular a incerteza da densidade do fluido, para isso foi
utilizado a fórmula de incerteza ∆𝑝 = 𝑝 * ( )² + ( )² .
∆𝐴
𝐴
∆𝑔
𝑔
Logo, temos que:

∆𝑝 = 0, 991 * ( ∆0,00016
0,00969 )² + ( ∆0,05
9,78 )² . ⇒

∆𝑝 = 0, 991 * (0, 0165)² + (0, 0051)² . ⇒

∆𝑝 = 0, 991 * 0, 000272 + 0, 000026

∆𝑝 = 0, 991 * 0, 000298 ⇒ ∆𝑝 = 0, 991 *0, 017 ⇒ ∆𝑝 = 0, 017 𝑔/𝑐𝑚³

logo, o valor da densidade do líquido desconhecido é

(p = 0,991 ± 0,017) g/cm³.

Fazendo uma porcentagem da qualidade da medida ( ou erro relativo) temos que:

100.( 0,0173
0,991 )= 1,74% de incerteza.

5- Conclusão

Empregando os recursos necessários e dispostos acima, foi encontrado que a


densidade do fluido utilizado no experimento é (p = 0,991 ± 0,017) g/cm³.
Analisando o resultado encontrado e comparando com os valores da tabela 1,
pode-se constatar que o fluido utilizado foi água.

Você também pode gostar