Você está na página 1de 11

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA

Edital 2020
MODELO DE RELATO DE EXPERIÊNCIA DO RESIDENTE

1. Identificação

Nome do Residente: Lara Vanuza Albino Pereira


CPF: 438.980.068-08
Nome e sigla da IES: Universidade Estadual de Maringá
Curso de Licenciatura: Letras - Inglês
Séries/Anos e Etapa da educação Básica nas quais desenvolveu atividades: 6° ano A, Ensino
Fundamental II
Escola(s)-Campo onde desenvolveu as atividades: Colégio Estadual João de Faria Pioli
Nome do Docente Orientador: Rosângela Aparecida Alves Basso
Nome do Preceptor: Ivanete Cristina Belgamasco

2. Relato de Experiência (ver orientações para a elaboração do relato no documento


anexo):

O TEATRO COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA O


ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM CONTEXTO PANDÊMICO

Resumo
A literatura juntamente com a dramaturgia pode aprimorar as habilidades criativas e de
humanização do indivíduo e, assim cooperar para uma evolução gradativa no domínio
cognitivo e afetivo do ser humano. Dessa forma, o presente trabalho se justifica em
função da necessidade de levar para sala de aula o contato com umas das artes mais
tradicionais, o teatro. Tendo como objetivo aplicar a peça Tangled (2010), criada pela
Walt Disney, e utilizando as teorias de metodologias ativas para o ensino de inglês,
abordando 4 aspectos diferentes: Reflexão, Compreensão da Realidade, Trabalho em
Equipe e Autonomia. Este trabalho se caracteriza como uma pesquisa de natureza
descritiva, pois foram relatadas as experiências vividas por duas residentes participantes
do Programa Residência Pedagógica. Portanto, tendo em vista que as dinâmicas da sala
de aula alteraram devido as oscilações entre ensino híbrido, remoto e presencial, durante
a pandemia os resultados demonstram que os alunos possuem pouco conhecimento
sobre teatro. Todavia, houve uma interação, autonomia e reflexão nas atividades,
principalmente nas que exigiam uma compreensão da narrativa de Tangled (2010) e na
atividade em grupo, envolvendo o vocabulário da história e dinamicidade entre os
alunos. No que diz respeito à discussão sobre o tema Padrão de Beleza encontrado no
drama, os alunos ficaram atentos, porém por falta de senso crítico as discussões foram
superficiais. Já na atividade de mímica, foi explorado diferentes tipos de comunicação,
interação com o outro, e a expressão de sentimentos e pensamentos, estimulando a
criatividade dos alunos. Conclui-se então que os exercícios propostos considerando uma
peça teatral e as metodologias ativas teve um resultado satisfatório pois, os alunos,
apesar do conhecimento limitado sobre teatro apresentaram maior interesse nas aulas de
língua inglesa e conseguiram trabalhar o gênero e a arte da dramaturgia de forma
prática.
Palavras-chave: Teatro. Literatura. Língua Inglesa.

Introdução
O presente relato expõe fatos a respeito da experiência introdutória relacionada
às vivências no meio docente, possibilitado por um dos programas da Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), nomeado por Programa
Residência Pedagógica. Dessa forma, o programa proporciona a relação entre colégios e
universidades para que residentes possam imergir no contexto educacional, capacitando
futuros críticos professores e colaborando para uma aprendizagem dinâmica para os
estudantes. A finalidade do programa envolve otimizar a experiência na licenciatura
dentro escolas de educação básica. Esta oportunidade abrange: observação de aulas,
regência em sala, e entre outras atividades, no qual todas possuem mediação
pedagógica, já que há acompanhamento de um professor da escola e orientação de um
docente da instituição.
O trabalho foi realizado no Colégio Estadual João de Faria Pioli, na cidade
Maringá no estado do Paraná, por nós residentes do curso de Letras-Inglês da
Universidade Estadual do Paraná (UEM), em uma turma do 6°A. Fomos orientadas pela
preceptora da educação básica e sob a coordenação do projeto na universidade. A maior
parte da experiência relatada ocorreu de forma híbrida, com os alunos em sala de aula
com a preceptora e nós residentes online, por causa da pandemia do COVID-19,
ocasionando diversos obstáculos.
Destarte, é notório que o ensino de língua estrangeira nas escolas tem sido de
extrema importância para o desenvolvimento pessoal, cultural e profissional do aluno,
por estarmos vivendo em um mundo globalizado. A língua inglesa está se tornando cada
vez mais abrangente na vida dos seres humanos, por consequência seu ensino é de
extrema relevância. Desse modo, para que os estudantes possam desfrutar
verdadeiramente do conhecimento compartilhado em sala de aula é essencial que se
proponha metodologias atrativas, as quais motivam os alunos a participarem do
processo da construção do conhecimento. E assim, segundo o psicólogo Vygotsky
(1991, p.101), “a escola deve concentrar esforços na motivação dos alunos, o que
estimula e ativa recursos cognitivos.”, ou seja, a motivação tem de ser primordial no
processo de aprendizagem do aluno. E para que isso aconteça é necessário que o
professor juntamente aos estudantes, estejam envolvidos e curiosos, sentindo-se
motivados com o trabalho, já que “é preciso, indispensável mesmo, que o professor se
ache repousado no saber de que a pedra fundamental é a curiosidade do ser humano”
(FREIRE, 1996, p. 86).
A partir dessa perspectiva, o trabalho teve como objetivo abordar o teatro como
estratégia de ensino por apresentar características estimulantes, promover a
comunicação e estimular a criatividade. Foi utilizada a peça Tangled (2010) criada pela
Walt Disney, em razão dos alunos terem contato com a história por causa do filme
animação, e abordar o tema Padrão de Beleza, sendo objeto de discussão nas aulas.
Justifica-se a escolha dessa experiência, pois foi possível trabalhar com as habilidades
linguísticas: leitura, audição, e oralidade, e, aprimorar as competências de interação
entre os alunos e com a própria língua, ao mesmo tempo que foi trabalhado com a
dramaturgia e metodologias ativas. O plano de aula aplicado teve como base os
conceitos sobre metodologias ativas apresentados por Moran (2017), Berbel (2011),
Lovato et al (2018), Freire (2006) e Arruda, Siqueira (2021) apud (Helm & Katz, 2001;
Moursund, 1998) e sobre literatura e ensino foram considerados os trabalhos de Neves
(2006), Diniz (2010), MOTA (2010) e CAVASSIN (2018). E levando em conta o
contexto pandêmico e remoto emergencial (ERE) de acordo com Basso et al (2021).
Adiante, será apresentado o desenvolvimento teórico sobre literatura focando-se
na dramaturgia e ensino, nas metodologias ativas e no ensino remoto, além da
experiência vivida pelas residentes, sendo relatado as atividades propostas, os resultados
obtidos e analisados em relação aos alunos.

Desenvolvimento
A experiência ocorreu nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro de 2021, em
dois modos diferentes: os alunos no presencial na escola e as residentes online pelo
computador da preceptora que também estava presencialmente junto da turma. As
atividades foram baseadas em aspectos mais específicos que se relacionam com as
metodologias ativas. Segundo Moran (2017), tais metodologias são estratégias
direcionadas à participação efetiva dos alunos em sala no processo de aprendizagem. De
acordo com Barbosa e Moura (2013) aprender por meio das metodologias ativas coloca
o aluno em interação com o conteúdo estudado, escutando, dialogando, questionando,
criticando e praticando. Junto da autonomia, os discentes constroem seu conhecimento e
não apenas recebendo os ensinamentos do professor. Desse modo, será de conhecimento
do aluno, o raciocínio, a prática da análise e o controle do que está aprendendo, como
aponta Micotti (1999).
O primeiro aspecto utilizado foi a Reflexão, conforme Berbel (2011), é um
estimulador da problematização que objetiva atingir e despertar o aluno, para assim,
examinar, refletir, relembrar sua vivência e transformar o que descobre ao aprender.
Para o começo da aula, por meio de um slide, foram expostas perguntas na Língua
Inglesa que questionaram o conhecimento prévio sobre peças de teatro e qual a relação
que os alunos tinham com a arte da dramaturgia. Com as respostas dos alunos, ficou
perceptível que o acesso deles às peças teatrais é quase nulo e foi possível visualizar o
pouco conhecimento sobre teatro. Também percebemos que inserir discussões como
essas dentro da sala de aula são essenciais para manter vivo o teatro, a literatura e entre
outras artes na mente dos alunos.
Para o segundo aspecto, foi abordado a Autonomia, como mostra Arruda,
Siqueira (2021) apud (Helm & Katz, 2001; Moursund, 1998), há uma necessidade de
estimular a autonomia do aluno, principalmente quando se trata de seus próprios
interesses e habilidades, dessa forma, incentiva-se a pesquisa e a curiosidade. Foi
utilizado nessa etapa um questionário relacionado com a história da peça Tangled
(2010), assim, eles puderam buscar as informações sobre a narrativa, incentivando a
autonomia, o interesse e a mente de cada um, respondendo às perguntas individualmente
em uma folha. Depois, junto da sala, foram corrigidas as questões mostrando trechos da
peça em estudo e cada estudante pode realizar uma correção de suas respostas na
atividade.
No terceiro aspecto foi desenvolvido a Compreensão da Realidade, conforme
Freire (2006), compreender a realidade concreta, as situações vividas e a criticidade do
que é estabelecido como real faz parte do processo de ensinar. Assim, o aluno entende,
reflete, crítica e toma atitudes em relação ao mundo que está vivenciando. Para criar
uma discussão e criticidade, foi decidido extrair o tema Padrão de Beleza da história
para a atividade, colocando o assunto em pauta por meio de um vídeo que relata a busca
pela beleza perfeita e questões para os alunos responderem. Na narrativa discutida em
sala, a personagem persegue sempre pela juventude e faz uso da maldade para obtê-la.
Dessa forma, foi discutido a procura pelo rosto e corpo perfeito associado ao que
acontece com a antagonista da história. Os alunos puderam repensar sobre o assunto e
entenderem como esse conceito é supérfluo e construído em cima de uma base não
fundamentada, mostrando à eles que todos os corpos e rostos têm sua própria beleza.
Sobre o quarto e último aspecto, foi utilizado o Trabalho em Equipe. De acordo
com Marin (2009), por meio deste método consegue-se trabalhar a exposição de
opiniões, recebimento de críticas, compartilhamento de objetivos, decisões e
responsabilidades, para assim ampliar as relações interpessoais e o trabalho em grupo
com respeito. Nesta atividade, os alunos foram divididos em dois grupos e cada grupo
precisava adivinhar uma palavra por meio da mímica, ao mesmo tempo. Ficou
perceptível que os alunos conseguiram trabalhar bem a motivação, o respeito e a tomada
de decisões juntos. Para Maluf (2008) exercícios lúdicos como esse têm potencial para
desenvolver diferentes habilidades na criança, permitindo o prazer, divertimento,
convívio, profícuo, estímulo intelectual, autocontrole, desenvolvimento harmonioso e
autorrealização. Ou seja, práticas interativas manifestam interesses mais intensos e um
maior comprometimento, desencadeando no envolvimento do aluno no processo de
aprendizagem.
Com relação a utilização e importância do teatro para o ensino-aprendizagem e
para experiência relatada, Neves (2006) alega que este:

significa uma forma de expressão capaz de alcançar a todos os humanos,


pois, numa medida sensorial da apreciação estética, a música dificilmente
atinge os surdos e a dança também dificilmente chega aos cegos, assim como
a literatura aos analfabetos[...] a possível “completude” da arte teatral se
representa no fato de esta se manifestar em todas as demais artes e também,
por sua vez, de as demais artes estarem presentes no teatro. [...] o teatro como
presente em tantas atividades não só artísticas, mas educacionais,
terapêuticas, profissionais, religiosas; e congregar potencialidades que o
relacionem a objetivos ligados à aprendizagem, ao treinamento, à cura, ao
bem estar. (p. 17-18)

Dessa forma, estimular o aluno a vivenciar experiências que possam marcá-los


de maneira positiva com a língua em que está envolvido é uma etapa crucial do
procedimento que é aprender. Na perspectiva de Diniz (2010), mesmo que haja erros
linguísticos o aluno poderá se expressar de sua forma, se houver estimulação. Com isso,
o contexto teatral foi introduzido aos alunos, contendo explicações sobre sua
significância, funcionalidade e os tipos existentes, para que depois fossem realizadas
atividades que os estimulariam no progresso do aprendizado da LI, para assim, poder
também, romper as barreiras que os inibem de engajar na língua.
As habilidades de escrita, compreensão oral e leitura são primordiais para a
evolução do aluno, pois contribuem para a formação crítica-reflexiva e despertam a
exteriorização de emoções e sentimentos. Quanto maior a imersão do estudante na
língua, maior será seu aprendizado, assim, a utilização de textos literários coopera para
a educação que aborda questões culturais de países, pessoas e classes ao redor do
mundo, fazendo com que o aprendizado ambicione mais do que apenas a
comunicabilidade (MOTA, 2010). Em concordância, Cavassin (2018) explica:
(...) o teatro aplicado à educação possui o papel de mobilização de todas as
capacidades criadoras e o aprimoramento da relação vital do indivíduo com o
mundo contingente; as atividades dramáticas liberam a criatividade e
humanizam o indivíduo pois o aluno é capaz de aplicar e integrar o
conhecimento adquirido nas demais disciplinas da escola e, principalmente,
na vida. Isso significa o desenvolvimento gradativo na área cognitiva e
também afetiva do ser humano. (p. 41)

Na perspectiva de Pavis (2003), no Dicionário de Teatro, a definição de


dramaturgia é:
(...) no seu sentido mais genérico, é a técnica (ou poética) da arte dramática,
que procura estabelecer os princípios de construção da obra, seja
indutivamente a partir de exemplos concretos, seja dedutivamente a partir de
um sistema de princípios abstratos. Esta noção pressupõe um conjunto de
regras especificamente teatrais cujo conhecimento é indispensável para
escrever uma peça e analisá-la corretamente. (p. 113)

Posto isto, a arte de atuar está relacionada aos métodos de escrita teatral, e o
drama, por sua vez, é um meio de exibir inúmeras cenas através da representação dos
atores e mediante diálogos. Entende-se, portanto, a dramaturgia como a arte de
constituir uma história que será interpretada e encenada posteriormente. Posto isto, de
acordo com o artigo “Aprenda inglês com histórias”, proporcionado pelo site
Cambridge Assessment English (2022), o contato dos alunos com histórias colabora
para o aprendizado, pelo fato de que propicia sensações profundas. Estas sensações
podem possibilitar uma aproximação da história com a vida real do aluno, desse modo,
a narrativa estará marcada em sua mente. Por obter esta empatia natural com os
personagens ou enredo, nosso cérebro processa a leitura de forma distinta comparada a
maneira que são lidas informações factuais.
Portanto, trabalhar com Tangled (2010), deu oportunidade para que os alunos
desenvolvessem emoções reais tanto no momento de assistir partes da peça, como na
atividade relacionada a mímica. Já que ao assistir, eles puderam demonstrar seu afeto
pelos personagens e pela história conhecida, e com a atividade de mímica, foi possível
vivenciar na prática a ficção e os personagens. Além de que, a relação feita com o tema
“padrão de beleza” predispôs o nascimento de um senso crítico para os estudantes.
Em resumo aos autores, o ensino de literatura estimula a criatividade e colabora
para a ampliação do conhecimento de mundo do aluno, assim como a dramaturgia
contribui para a socialização e externalização do interior do indivíduo. Sabendo disso, a
aula planejada incluiu a explicação do que sobre dramaturgia, suas origens, tipos e
características, depois, foi apresentado brevemente um trecho de uns dos textos
dramático de Shakespeare, “The Taming of the Shrew”, e por fim, foi passado trechos
da peça teatral “Tangled” da Disney. Contudo, a literatura possui uma influência
essencial para a formação individual. E o teatro faz parte do dia a dia, segundo Boal
(2000) o indivíduo é um ator nato, habita em uma representação contínua da vida, em
diferentes peças, cenas ou atos no seu cotidiano, mudando apenas a consciência de que
não está representando.
Em relação ao contexto pandêmico e como foi explicitado até aqui, as atividades
realizadas ocorreram em uma situação adversa de uma sala de aula repleta de alunos e
professores à sua frente para ensiná-los. Foi condicionado uma situação de pandemia
em que não era possível para nós residentes estarmos no mesmo local que os discentes.
Entretanto, com a evolução da tecnologia e a criação do Ensino Remoto (ERE), Basso
et al (2021) afirma que esse método tem como objetivo ser utilizado de forma
emergencial, assim foi possível realizar as aulas. Através de plataformas não
educacionais, serviu para educar, onde foi permitido utilizar tecnologias digitais e
práticas inovadoras, desse modo, foi visto que ensinamos diante novos desafios. Além
disso, Basso et al (2021) acrescenta que as tecnologias digitais tornam mais concretas
diversas formas de ensinar e aprender, podendo ser um processo ativo, progressivo e
interativo, dentro de um ambiente físico e digital.
De uma forma geral, as concepções aplicadas, emergiram diferentes reações dos
alunos. Em relação à Reflexão e Compreensão da Realidade abordando o tema Padrão
de Beleza e conhecimento sobre Teatro, o resultado foi mais escasso, pois não ocorreu
muita interação, os alunos responderam às perguntas propostas pelas residentes e se
mantiveram atentos ao que estava sendo apresentado, porém, não ocorreu uma
problematização profunda sobre o assunto. A respeito dos itens, Trabalho em Equipe e
Autonomia os alunos progrediram mais e demonstraram um interesse maior,
especialmente por abordar a narrativa de Tangled (2010) e vocabulário na atividade em
grupo envolvendo mímica. Ficou perceptível que eles exploraram diferentes tipos de
comunicação, interatividade, e exteriorização dos sentimentos e pensamentos,
perpetuando a criatividade. Tendo em consideração os modos da sala de aula, híbrido,
remoto e presencial, se alteraram durante o período pandêmico, as dificuldades surgiram
e provocaram uma busca pela adaptação para a concretização das aulas, através das
plataformas digitais não educacionais.

Conclusão
As atividades planejadas envolvendo uma peça teatral e as metodologias ativas
obtiveram um resultado satisfatório, visto que os alunos demonstraram interesse nas
aulas de língua inglesa e foi possível trabalhar o gênero e a arte da dramaturgia de forma
prática, mesmo com conhecimento limitado sobre teatro dos estudantes. Além disso, foi
possível compreender como há diferentes formas inovadoras de lecionar por meio do
modo online e presencial, pautando-se sempre no olhar reflexivo e ativo para que os
alunos transformem os modos de pensar e consigam se tornar seres humanos que
raciocinam, desenvolvem, solucionam e refletem dentro de uma dinamicidade.

Referências

APRENDA inglês com histórias. Cambridge Assessment English, 2022. Disponível


em:
https://www.cambridgeenglish.org/br/learning-english/parents-and-children/your-childs-
interests/learn-english-through-stories/. Acesso em: 28 de março de 2022.
BASSO, Rosângela Aparecida Alves; TORTORELI, Adélia Cristina; FERNANDES,
Adriano Hidalgo; ADADA, Flávia. Metodologias Ativas em Tempos de Pandemia:
Ensino Remoto, Educação Híbrida e a Formação Docente. In: CAMARGO, Janira
Siqueira; SOUZA Gabrieu de Queiros; JARDIM, Marilza de Lima (org.). O que a
pandemia da covid-19 mexeu com a escola?. 1. ed. CRV. Curitiba: CRV, 2021. p.
45-59.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia


de estudantes. Semina: Ciências sociais e humanas, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2011.

BOAL, Augusto. Jogos para atores e não-atores. Rio de Janeiro: Civilização


Brasileira, 2000.

CAVASSIN, J. Perspectivas para o teatro na educação como conhecimento e prática


pedagógica. Revista Científica/FAP, Curitiba, v.3, p.39-52, jan./dez. 2008. Disponível
em: http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/RevistaCientifica3/08_Juliana_Cavassin.pdf.
Acesso em: 20 de fev. de 2022.

DINIZ, Thais Flores Nogueira. Ensino de inglês através de técnicas de teatro. In:
PAIVA, Vera Lúcia de Menezes de Oliveira (Org.). Ensino de língua inglesa: reflexões e
experiências. 4. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2010, p. 115-122.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São


Paulo: Paz e Terra, 1996. 165 p.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

LOVATO, Fabricio Luís; MICHELOTTI, Angela; DA SILVA LORETO, Elgion Lucio.


Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, v. 20, n. 2,
2018.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Tradução de J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira.


São Paulo: Perspectiva, 2003.

MALUF, Angela Cristina Munhoz. Atividades lúdicas para educação infantil –


conceitos, orientações e práticas. – Petrópolis-RJ: Editora Vozes 2008.

MORAN, Jose. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. Novas


Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento.
Curitiba: CRV, p. 23-35, 2017.

MOTA, Fernanda. Literatura e(m) ensino de língua estrangeira. In: Fólio – Revista
de Letras Vitória da Conquista. v. 2, n. 1, p. 101-111, jan./jun. 2010. Disponível em:
<http://www.periodicos.uesb.br › Capa › Vol. 2, No 1 (2010) › Mota>. Acesso em: 07
fev. 2021.

VYGOTSKY, L.S. (1991). A formação social da mente: o desenvolvimento dos


processos psicológicos superiores (4.ª Ed.). São Paulo: Martins Fontes.

NEVES, Libéria Rodrigues. O uso dos jogos teatrais na educação: uma prática
pedagógica e uma prática subjetiva. 2006. 221f. Dissertação (Mestrado em Educação)
Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2006.

Marin MJS, Lima EFG. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das
Metodologias Ativas de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica. 34 (1)
: 13 – 20 ; 2010.
3. Autorização de uso pela CAPES

Eu, Lara Vanuza Albino Pereira , autorizo a utilização pela Capes do presente relato de
experiência, na qualidade de bolsista residente, sob responsabilidade do(a) Docente(a)
Orientador(a) Rosângela Aparecida Basso Alves vinculado ao Programa de Residência
Pedagógica da Universidade Estadual de Maringá. Meu relato escrito poderá ser
incluído nos bancos de dados e nas plataformas de gestão da Capes, podendo,
eventualmente, ser reproduzido, publicado ou exibido por meio dos canais de
divulgação e informação sob responsabilidade desse órgão.

________________________________________________
Residente
(Nome e Assinatura)

Você também pode gostar