Você está na página 1de 7

Força Elétrica e Lei de Coulomb

Disciplina: Física Experimental


Professor(a): Igor S. Oliveira
Aluno(a): Cauã de Araújo
Nascimento
Turma: 2° A

Campina Grande - PB
22 de Junho de 2022
SUMÁRIO

1. Introdução 2
1.1 Objetivo 2

2. Fundamentação Teórica 2

3. Materiais e Métodos 3
3.1 Materiais Utilizados 3
3.1 Relato do Experimento 3

4. Resultados e discussões 5

5. Conclusão 6

6. Considerações Finais 7

7. Bibliografia 7

1
1. Introdução
Acerca da Força Elétrica, mesmo ela sendo estudada em eventos de pequena
escala, ela sim acaba por afetar nosso cotidiano em alguns momentos,
principalmente por partes de máquinas utilizadas para facilitar alguns trabalhos.
Um exemplo dessa utilização é em si a função de um motor, tendo a força
elétrica sendo usada na parte da geração da energia ou trabalho, exemplificando,
temos o uso de um motor em um batedeira de bolos, onde essa força elétrica no
motor faz com que gere os movimentos dos batedores e assim misturando a massa
de uma forma homogênea e facilitada.

1.1 Objetivo
O objetivo por trás desse relatório e experimento é certificar e comprovar,
empiricamente e por forma de cálculos, a existência de uma força elétrica,
consequentemente, estudar o que ela é em si, suas formas de atuação em nossos
objetos de estudo, a sua fórmula e suas características.

2. Fundamentação Teórica

Sobre a força elétrica, primariamente, devemos defini-la pelo seu conceito


básico, a Força elétrica é uma força exercida sobre outra por meio de cargas
elétricas, esse papel sendo desempenhado por cargas positivas, negativas e
neutras, obtendo uma força repulsiva quando cargas elétricas de mesmo valor se
aproximam (+, + ou -, -) ou uma força de atração quando cargas elétricas de valores
contrários se aproximam (+, -).
Porém, para ocorrer esse processo da força elétrica precisamos primeiramente
eletrizar esse objeto, fazendo-o sofrer algum dos processos de eletrização:
Eletrização por atrito, contato ou indução.
O processo de eletrização se baseia no fato de que todos os corpos possuem
átomos e que esses átomos possuem prótons, elétrons e nêutrons, as partículas
elementares. Sendo os prótons aquelas partículas que têm uma carga positiva e que
estão no núcleo desse átomo, em contrapartida, temos os elétrons, partículas que
detém uma carga negativa e estão rodeando o núcleo do átomo, porém, para essas
partículas não entrarem em contato há a existência do nêutron, em que acaba
envolvendo os prótons, em que os nêutrons que não possuem nenhuma
característica de uma carga elétrica, então, acabam sendo considerados neutros.

2
Legenda da imagem: Ilustração de um átomo

Então, em uma visão macro, vemos que um corpo se torna eletricamente nulo,
quando o número de prótons e elétrons se equivalem, na mesma perspectiva, temos
um corpo positivamente carregado quando o número de elétrons é inferior ao
número de prótons, e negativamente carregado quando número de elétrons é maior
que o número de prótons.
OBS: Seria errôneo falar em que um corpo se torna positivamente carregado
por meio do aumento do número de prótons, pois, ao aumentar ou diminuir o
número de prótons, acabaria por mudar o núcleo/base da molécula e o número de
nêutrons, assim se tornando outro elemento por efeito dessa mudança.

Neste relatório focaremos no processo de eletrização por meio do atrito, este


evento ocorre por meio da atrição de dois corpos com objetivo de transformar um
deles em negativamente carregado e outro em positivamente carregado.
Esse fenômeno acontece, pois, como os elétrons estão situados na área
chamada eletrosfera, localizada em uma parte mais externa do átomo, onde é
mantido por ligações eletrostáticas, porém, estas ligações se tornam mais fracas ao
decorrer da distância ao núcleo. Desta forma, os elétrons que estão em camadas
exteriores, possuem uma facilidade de serem retirados da sua órbita, então, por
conseguinte, ao atritarmos dois corpos, estes elétrons são transferidos entre os dois.

Nessa tabela, está ordenada, de tal modo que, o elementos que possuem uma
maior tendência de se tornarem eletricamente positivos ou negativos:

Legenda da imagem: Tabela de eletrização de alguns corpos.

3
Ademais, essa força é uma grandeza vetorial, ou seja, possui sentido, direção
e módulo, sendo proporcional ao valor das cargas e inversamente proporcional ao
quadrado da distância das cargas que se atraem ou separam, essa descrição
podendo ser vista ,de forma matemática, pela Lei de Coulomb:

Legenda da imagem: Formula que representa a lei de coulomb e


sua definição.

● F= Força Elétrica
● K= Constante da força elétrica, sendo 9 × 10^9
● q¹ e q²= valor em módulo das cargas
● d²= Distância das cargas

Esta lei, construída pelo físico Charles Augustin Coulomb, tem como objetivo
medir a intensidade da força elétrica de uma carga sobre a outra.

Como mostrado na fórmula, o quadrado da distância entre as duas cargas é


inversamente proporcional ao produto de suas cargas, podemos transformar essas
informações em uma gráfico, tendo o eixo das ordenadas (y) como a força elétrica, e
das abscissas (x) a distância entre cargas, mostrado a seguir.

Legenda da imagem: O gráfico da relação da força elétrica e da


distância, segundo a Lei de Coulomb.

4
3. Materiais e Métodos

3.1 Materiais Utilizados

Listar os materiais utilizados:

● Canudos
● Alfinete
● Papel
● Régua
● balança

3.2 Relato do Experimento

Pesaram-se os canudos individualmente. Em seguida, cortaram-se dois


canudos, após isso, com a ajuda de um alfinete, prenda-se estes dois canudos em
uma das pontas. Depois de montado, esfregou-se um dos canudos e uma toalha de
papel até conseguir sentir um aumento na sensação de calor. Repita o mesmo
processo no canudo preso pelo o alfinete na ponta. Depois disso, trouxeram-se o
canudo enxugado ao outro e mediram-se medidas apropriadas.

4. Resultados e discussões

Após as medições feitas anteriormente ao experimento, foram obtidos os


resultados para os cálculos de que:

M: 0, 16 × 10-³ kg
D: 1 × 10-² m
G: 10 m/s²

Então após a medição, iremos utilizar uma variação da fórmula de Lei de


Coulomb para descobrirmos o valor da carga (Q) dos canudos, utilizando a raiz
quadrada do o produto da massa entre a gravidade e o quadrado da distância,
sendo inversamente proporcional a constante K, matematicamente, obtemos essa
equação:

5
𝑚×𝑔×𝑑²
𝑄= 𝐾

Ao adicionarmos os cálculos obtidos na equação criada teremos:

0,16×10−³ 𝑘𝑔×10 𝑚/𝑠²× (1× 10−² 𝑚)² −14 −7


𝑄= 9 ⇒ 𝑄= 0, 017 × 10 𝑄 = 0, 13 × 10
9×10

Enfim, após os cálculos realizados, foi concluído que a carga dos canudos era de,
−7
aproximadamente, 0, 13 × 10 coulombs.

5. Conclusão

Em suma, conclui-se que, foram sim obtido êxito, acerca da proposta do experimento
e seu principal objetivo de comprovar a existência de uma força elétrica entre os dois
canudos e os seus valores experimentais.

7. Bibliografia

[1] HELERBROCK, Rafael. “Força elétrica”. Mundo Educação. Disponível em:


https://mundoeducacao.uol.com.br/fisica/forca-eletrica.htm#:~:text=Força%20elétrica%20é%
20força%20que,para%20cargas%20de%20sinais%20opostos. Acessado em:16/06/2022;
[2] GOUVEIA, Rosimar. “Processos de Eletrização”. Toda Matéria. Disponível em:
https://www.todamateria.com.br/processos-de-eletrizacao/. Acessado em:16/06/2022

Você também pode gostar