Você está na página 1de 11

VANDERLEI APARECIDO DE MACEDO

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA AOS GABINETES PARLAMENTARES NA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de PósGraduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Gestão Pública

Legislativa.

Brasília 2010

CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO

Autor: Vanderlei Aparecido de Macedo. Data: 01/10/2010. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . Instituição: Centro de Formação. A pesquisa consistirá no levantamento das principais fontes bibliográficas que diz respeito ao planejamento estratégico.1. Orientador: a definir Resumo: Esta pesquisa tem como escopo o diagnóstico da gestão em gabinetes parlamentares na Câmara dos Deputados. identificar as ferramentas de Gestão Estratégica que podem trazer melhorias ao funcionamento de seus trabalhos. quais das atividades podem ser exercidas à luz dos preceitos da Gestão e Planejamento Estratégico. seja nas organizações públicas ou privadas. analisando. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Aplicação de ferramentas de Gestão Estratégica aos Gabinetes Parlamentares na Câmara dos Deputados. CENTRO DE FORMAÇÃO. Treinamento e Aperfeiçoamento (Cefor) / Câmara dos Deputados. E objetiva. e na utilização das ferramentas de planejamento estratégico no gerenciamento de um gabinete parlamentar. prioritariamente. Finalidade/Natureza do projeto: Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Gestão Pública Legislativa. ainda.

ao longo desse tempo. eficácia e efetividade de suas práticas. que as ações coordenadas e planejadas raramente constituem em preocupação nesses locais de trabalho. eficácia e efetividade. as organizações têm aprofundado estudos rumo a uma nova forma de gestão. Em segundo lugar. Os gabinetes parlamentares é um dos palcos privilegiados do parlamento brasileiro e não é razoável que continue funcionando com práticas tradicionais de gerência. surge e ganha força a questão do planejamento estratégico e os desafios decorrentes para sua aplicação. APRESENTAÇÃO A idéia e a motivação para desenvolver uma pesquisa focada na questão do funcionamento dos gabinetes parlamentares vêem da tentativa de responder. em primeiro lugar. têm procurado seguir diretrizes e princípios que resultem em eficiência. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . Além disso. Entendemos que tantos as unidades administrativas quanto às unidades políticas da Câmara dos Deputados podem funcionar sintonizadas com os preceitos e fundamentos da gestão estratégica na área pública. em que as ações planejadas quase sempre não encontram receptividade e passem CENTRO DE FORMAÇÃO. desempenhamos atividade profissional em gabinete parlamentar há mais de 10 anos e temos percebido. à provocação do Curso de Especialização em Gestão Pública Legislativa para que desenvolvamos um tema atinente às questões da Câmara dos Deputados no contexto da Gestão Pública. sobretudo nesse início de século XXI. 3.2. ferramentas específicas se fazem necessárias para que a gestão e o planejamento estratégico se efetivem nas organizações sejam públicas ou não. PROBLEMA A administração pública brasileira. responde também a um anseio pessoal de aprofundar conhecimentos e buscar soluções para o funcionamento dos gabinetes parlamentares embasados nos conceitos de eficiência. Alimentadas por uma necessidade crescente de planejamento e de buscas por resultados. Como resultado. Nesse intuito. é que as organizações públicas. E. tem buscado imprimir outro ritmo de gestão e incutido em seus princípios. pilares que estão mudando a face das organizações. inspiradas em muitos os casos em experiências bem sucedidas na iniciativa privada.

O foco. Específicos: a) Analisar as atividades realizadas nos gabinetes parlamentares à luz da Gestão Estratégica. pretendemos investigar. CENTRO DE FORMAÇÃO. aliada a uma resposta eficiente.despercebidas. com a preocupação central de otimizar seus processos e alcançar outro patamar de qualidade. Porque os gabinetes parlamentares em sua maioria. 4. por exemplo. na maioria das vezes. contribuindo assim. OBJETIVOS Geral: Identificar as ferramentas de Gestão Estratégica que podem trazer melhorias ao funcionamento dos trabalhos nos gabinetes parlamentares da Câmara dos Deputados. deve ser o interesse público e a melhor prestação do serviço prestado. Ciente dessa realidade e entendendo que tanto as unidades administrativas quanto as unidades políticas da Câmara dos Deputados podem funcionar sintonizadas com os princípios e fundamentos da gestão moderna na área pública. O funcionamento de um gabinete. para a melhoria da percepção da sociedade sobre a Instituição. nesse caso. c) Avaliar as implicações da adoção dessas ferramentas em gabinetes parlamentares. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . quais as ferramentas de Gestão Estratégica que podem trazer melhorias ao funcionamento dos trabalhos nos gabinetes parlamentares da Câmara dos Deputados. na contramão do que pregam os manuais de gestão pública. efetiva e eficaz à sociedade. atinentes com práticas de planejamento e gestão estratégica? A Câmara dos Deputados já está imprimindo em suas ações administrativas e de apoio técnico-legislativo formas de gerenciamento referentes à gestão estratégica. b) Identificar ferramentas de Gestão Estratégica adequadas ao funcionamento dos gabinetes parlamentares. devem buscar a qualidade do atendimento. não têm práticas administrativas. com resultados efetivos em sua administração. Entendemos que as organizações. Portanto. formas de responder às demandas. com esse trabalho. como no caso Câmara dos Deputados. é movido por uma conduta reativa e desconexa com dos princípios da proatividade e de uma visão prospectiva.

Portanto. Logo. à luz da literatura e das experiências atuais. o produto. entendemos que os gabinetes parlamentares da Câmara dos Deputados podem trazer para suas rotinas. ainda hoje. não devem continuar sendo objeto de impressões e “certezas” assentadas em grande parte no senso comum. REVISÃO DA LITERATURA A administração pública no Poder Legislativo é ainda um tema pouco estudado. JUSTIFICATIVA Trabalhar a temática do planejamento estratégico e da aplicação das ferramentas de gestão estratégica nos gabinetes parlamentares é um desafio e uma demanda que se impõe pela relevância e atualidade do tema e. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . A despeito disso. fundamental. Estes. é CENTRO DE FORMAÇÃO. de forma superficial quando se trata de planejamento estratégico em gabinetes parlamentares. sem aquela preocupação central. esse trabalho. estudos e experimentos atinentes e pertinentes à gestão estratégica. Nesse sentido.5. a questão do planejamento passa a ser uma determinante e não um “acidente de percurso”. 6. Portanto. A aplicação das ferramentas de gestão estratégica nas organizações públicas e ou privadas tem se mostrado como um processo promissor de transformações e de melhoria da gestão. Como a questão do funcionamento dos gabinetes parlamentares na Câmara dos Deputados ao longo do tempo e das legislaturas que se sucedem tem prevalecido uma lógica utilitarista em que o fim último é reduzido quase totalmente à renovação dos mandatos. investigar como as ferramentas de gestão estratégica podem trazer melhorias ao funcionamento dos trabalhos nos gabinetes parlamentares da Câmara dos Deputados. a escolha desse tópico de pesquisa se justifica pela tentativa de responder às questões que são vistas. oferecido pelas organizações públicas no uso de suas atribuições. ainda mais quando o foco é a questão da gestão estratégica. eficácia e efetividade. e com o que a sociedade espera que seja o resultado. Em virtude disso. tem como escopo. pelos interesses públicos que estão ali envolvidos. propomos fazer essa pesquisa cientifica. além disso. O conhecimento científico advindo desse projeto de pesquisa pode contribuir para que novos horizontes quanto ao funcionamento dos gabinetes parlamentares sejam visualizados. circunscrita nos ideais de eficiência. com conexão estreita com a realidade.

a política. mas sim mostrar os caminhos. que possibilitem uma nova forma de pensar e ver a organização. Portanto.possível se basear em estudos feitos para outras organizações públicas. Nesse sentido. da eficácia e da efetividade da organização. para que ocorra o alinhamento estratégico é necessário que ocorra transformações. por meio de práticas proativas. que são o diagnostico. executadas e avaliadas e constrói um novo modelo organizacional. sobretudo no aspecto da cultura organizacional. devemos ter em mente que o planejamento é algo vital para administração. Em primeiro lugar. e o controle (Matias . a execução. ele também atua decisivamente para redução de riscos. o processo decisório será demarcado pela coerência. ainda. para o sucesso do planejamento estratégico é necessário o rompimento de práticas tradicionais de administração e construção de novos paradigmas.113-125). construir alternativas e definir cenários que possibilitam um processo de tomada de decisão consubstanciado em estudos e analises dos ambientes interno e externo. Existem muitas dificuldades para sua realização. Portanto. que a implantação do planejamento estratégico não significa dar soluções aos problemas da organização. conforme Costa (2004). seja pública ou privada. Assim. diz respeito ao alinhamento estratégico. as que mais destacam são as questões ligadas à cultura e a disparidade entre o campo teórico e a realidade dos recursos para as organizações. Acreditamos. que aperfeiçoam o processo de tomada de decisões. Os benefícios advindos do planejamento são: a elevação da eficiência. merece destaque nos estudos administrativos atuais o planejamento estratégico. Partimos do pressuposto que a proposta de modelo de planejamento estratégico e gestão estratégica se conformam dentro de princípios mais democráticos no sentido de maior participação nas decisões e de um processo decisório mais coerente. E assim. O planejamento resulta em várias fases. bem como os feitos para organizações privadas e com eles trazer alguma luz à questão. a estratégia. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . Além disso. identificando seus valores. estabelecendo objetivos e metas. que pode ser definido como um instrumento em que os gestores identificam as lacunas existentes entre as ações planejadas. 2009.Pereira. Assim. Outra questão que é relevante para a gestão pública e em especial para o CENTRO DE FORMAÇÃO. e para dar às decisões um grau de aprofundamento e lógica. para o alinhamento estratégico é Imprescindível o empenho de todos para que os atos previstos se concretizem. o plano. p. Outra questão fundamental. a ser ressaltado. entendemos que ele pode ser percebido como o processo em que a organização se envolve para a construção do seu futuro.

ou seja. Pois. BSC. quais rotinas preenchem o dia-a-dia dos mandatos na Câmara dos Deputados e. cenários poder ser definidos como umas ferramentas para ordenar percepção de uma pessoa sobre ambientes futuros alternativos.3. antecipando às possíveis conjunturas (Miranda 2010). no que dizem respeito às práticas modernas de gerenciamento estão em estágio inicial de implantação. basicamente. além de conceitos como. a gestão estratégica é importante para as organizações. 7. visão prospectiva e visão preditiva. como as experiências acumuladas pelas organizações públicas em sua maioria. atual. METODOLOGIA 7. adaptando suas necessidades a uma atuação preditiva e prospectiva.2.1 Delimitação O presente estudo centrará sua investigação sobre os Gabinetes Parlamentares na Câmara dos Deputados e terá como fim verificar as possibilidades de utilização de ferramentas de Gestão Estratégica nesse ambiente. Instrumentos Serão feitas entrevistas com chefes de gabinetes e ou parlamentares para que. vivenciada pelos gabinetes parlamentares. Por fim. assim. 7. De acordo com Schwartz (2000). 7.legislativo é a questão dos cenários e sua significação para as organizações. estas são alimentadas pelos fundamentos do planejamento estratégico e devem guiar suas ações. por fim. entre outros. em pesquisa bibliográfica. pois acreditamos que acumulo de informação já produzida acerca da gestão estratégica nas organizações públicas constituem referências consistentes e pilares para construção de conhecimento confiável. então não priorizarei estudos de casos. quais lacunas são percebidas por eles e que ainda não são atendidas. nos quais as conseqüências de suas decisões não aconteçam. CENTRO DE FORMAÇÃO. 2008). Além disso. Sobre isso é importante compreender que as instituições elaboram cenários para reduzir as incertezas e orientarem suas decisões estratégicas sobre como construir o melhor futuro possível (Sturani. Procedimentos O trabalho se sustentará. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . possa aferir qual a realidade. matriz SWOT.

CENTRO DE FORMAÇÃO. Nildes Pitombo e SILVA. 2011 mar. LEITE. out-dez 2009. H. Igor. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . teremos posições mais amadurecidas enquanto rotinas da Casa bem como do arcabouço de atribuições que cercam um mandato parlamentar. 592 p. Assim. CRONOGRAMA ATIVIDADE Levantamento Bibliográfico Entrevista com chefes de gabinetes e parlamentares Transcrição e Tabulação dos dados colhidos nas entrevistas Elaboração da Monografia Revisão da Monografia Redação Final e entrega da Monografia PERÍODO nov. 482-483. Iremos priorizar nas entrevistas gabinetes em que os deputados já tenham mais de uma legislatura. Revista de Administração de Empresas. J. Disponível em: < http://www. Leilianne Michelle Trindade da. São Paulo: Atlas. 1 ed.br/scielo. possamos traçar um paralelo entre as lacunas do planejamento hoje e quais ferramentas da gestão estratégica poderia ser utilizadas para a eficiente. 2010. tomando o cuidado para que a escolha seja fiel do ponto de vista da representação partidária e do número de legislaturas do parlamentar. 4. 2010 fev. p. Implantando a administração estratégica. De forma que reste evidenciado qual o gerenciamento padrão que rege um gabinete parlamentar atualmente. 2011 9. n. 1993. E. 8. REFERÊNCIAS ALBUQUERQUE. São Paulo. Lindolfo Galvão de. portanto.Para que o trabalho seja profícuo e produza os frutos esperados faremos uma seleção de gabinetes. Estimulando o debate sobre a gestão estratégica de pessoas. Edward. Assim. MCDONNEL. v. 2010/dez.php?pid=S0034-75902009000400011&script=sci_arttext> Acesso em: 30 ago. 2011/mar. 2011/maio 2011 maio 2011 jun. 49. eficaz e efetiva gestão dos gabinetes parlamentares. 2011 mar. ANSOF. De posse dos dados colhidos nessas entrevistas faremos a transcrição e tabulação dos dados. entre os 513 que totaliza a representação na Câmara dos Deputados.scielo.

n. Pecuária e Abastecimento. n 5.. Revista de Economia Política. 120. Izabela Moreira. Interfaces Brasil/Canadá. ______. 2010. Rio de Janeiro. 3. Rio de Janeiro..scielo. p.com.org. Disponível em: < http://www. 17. NORTON. Revista de Administração Contemporânea. n. Disponível em: < http://www. Administrando em tempos de grandes mudanças. Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o Balanced Scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Disponível em: < http://www. David P. Joaquim Rubens. Idalberto. n. 2004. 2010. 17 ed. COSTA. Robert S. 6.pdf> Acesso em: 3 set.br/arquivos/1157647344. São Paulo: Pioneira. CENTRO DE FORMAÇÃO. 416 p. 7 ed. Disponível em: < http://www. DI GIACOMO. v. v. jun. São Paulo: Cengage Learning. São Paulo. Luiz Carlos. Governança corporativa em empresas estatais: avanços. DRUCKER. 42. 1998. dez 2008.br/scielo.pdf> Acesso em: 02 set.pdf> Acesso em: 30 ago. PICOLIN.br/rac/vol_06/dwn/rac-v6-n3-rbc. MACEDO-SOARES. Curitiba. 150 f. setdez. 6. Gestão estratégica da informação e do conhecimento na Câmara dos Deputados: ciclo de palestras e recomendações. Revista de Administração Pública.scielo.pdf> Acesso em: 07 set.anpad. Introdução à Teoria Geral da Administração. n. 158 p. Da administração pública burocrática à gerencial. FONTES FILHO. Waldemar Álvaro. ed. Eliezer Arantes da: Gestão Estratégica. GUEDES. 2005./abr. 1999. Brasília.php?pid=S0034-76122007000300006&script=sci_arttext> Acesso em: 29 ago. 41. CHIAVENATTO. v. T. v. v. COUTINHO. 3. 292 p. Gestão estratégica com responsabilidade social: arcabouço analítico para auxiliar sua implementação em empresas no Brasil. 1996. 2010. 2007. 1. A. Brasília: Coordenação de Publicações da Câmara dos Deputados. Planejamento estratégico e gestão pública por resultados no processo de reforma administrativa do estado de Minas Gerais. Disponível em: < http://www. 3. ______. 2000.rep.BRESSER. 5. jan. jul-set 1997. n. Universidade de Fortaleza. 2002. Peter Ferdinand. Estratégia e estrutura para um novo estado. 2008. Renata Buarque Goulart. propostas e limitações. KPLAN. São Paulo: Saraiva. As práticas de boa governança na gestão das empresas públicas federais vinculadas ao Ministério da Agricultura. v. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus. 2010. 2010. Revista do Serviço Público.revistabecan. 7-41. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . Desafios gerenciais para o século XXI. Maria do Socorro Barbosa. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus.org. Rio Grande. O New Public Management no Canadá e a gestão pública contemporânea. Revista de Administração Pública. 2004. Diana L. CÂMARA DOS DEPUTADOS.br/pdf/rap/v42n6/07. Lidice Meireles.br/pdf/673. CORRÊA. Dissertação (Mestrado em Administração).

contextos e casos selecionados. Curitiba. 2010.pdf> Acesso em: 05 ago. Curitiba: Juruá. 2002. Paula C. PACHECO. Revista do Serviço Público. 1998. Administração e Contabilidade. O processo da estratégia: conceitos. José. Djalma de Pinho Rebouças de. Gileno Fernandes. Henry. In: CEPAM-Fundação Prefeito Faria Lima.br/pdf/ci/v28n3/v28n3a6. Gestão Estratégica Participativa: teoria e prática para criação de organizações que aprendem. Michael E. Estratégia competitiva. MOREIRA. 2 ed. 290 p. São Paulo: Atlas. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . O planejamento estratégico no setor público: uma experiência no Palácio do Planalto.br/pdf/rac/v2n2/v2n2a07. 39-49. Ciência da Informação. v. ROCHA.______.). 4 ed. 3. (Org. Safári da estratégia: um roteiro pela sela do planejamento estratégico. Raul dos Santos. Metodologia e Práticas. OLIVEIRA. 2010. Elaine C. Gestão do conhecimento estratégico: uma proposta de modelo integrado. Administração Pública Gerencial: Desafios e Oportunidades para os Municípios Brasileiros. 292 p. out. MATIAS-PEREIRA. Nova Lima: INDG. 2008. 2010. O alinhamento estratégico e a construção do futuro: um estudo exploratório. MARCIAL. LAMPEL. n. Planejamento Estratégico: Conceitos. LEAL FILHO. MIRANDA. Brasília.. 205 p. 376 p. ______. Bruce. MARCELINO.scielo. 2008. 4. Rio de Janeiro: Ed. Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. 27 ed. Marisa Perrone Campos. Regina Silvia Viotto Monteiro. p. Tese (Doutorado em Ciência da informação) – Faculdade de Economia. 2004. Gestão Estratégica: o caminho para transformação. 299 p.scielo. O Município no Século XXI: Cenários e Perspectivas. maio-ago. Rio de Janeiro: FGV. José Garcia. 208. Campus. O uso da informação na formulação de ações estratégicas pelas empresas. Paula Viviane. 2009.pdf> Acesso em: 20 ago. São Paulo: Atlas. ano 53. Joseph. São Paulo: 1999. Porto Alegre: Bookman. A. 2. n. Porto Alegre: Bookman. 1986 QUINN James Brian et al. 5 ed. Roberto R. Revista de Administração Contemporânea. PORTER. Roberto Campos da Rocha. 2006. A./dez. 2004. 156 p. Disponível em: < http://www. LAUDARES. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus. Estudo sobre o comportamento informacional de parlamentares e assessores legislativos na Câmara Legislativa do Distrito Federal como CENTRO DE FORMAÇÃO. v. Mapas Estratégicos: Convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Brasília. 1999. dez. AHLSTRAND. 28. Universidade de Brasília. GRUMBACH. 2000. NOGUEIRA. Disponível em: < http://www. Manual de gestão pública contemporânea.. MINTZBERG.

Faculdade de Estudos Sociais Aplicados. 2010. n. abr. 3. Brasília. 1994. 205 p. Rio de Janeiro. SILVA. Autonomia de gestão e concorrência: em busca de novas formas de gestão do setor público em um contexto pós-fordista./dez. 320 p. 2009.subsídio à gestão estratégica de informações no processo legislativo. Gestão: técnicas e estratégias no contexto brasileiro. 2003. SOUSA. Carlos Eduardo de Souza e. 2009. Ciência da Informação. vol. A Arte da Visão de Longo Prazo: Planejando o futuro em um mundo de incertezas. 2001. José Manuel Meireles de. Revista de Administração Pública. 216 p. São Paulo: Saraiva. p. 1 ed. v. CENTRO DE FORMAÇÃO. 3. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) . 2010. Leonardo.pdf> Acesso em: 22 set. 28. 43. n.scielo. Disponível em: < http://www. v. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n3/19027. 32. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. SCHWARTZ. SECCHI. São Paulo: Best Seller.br/pdf/rap/v43n2/v43n2a04. out. Universidade de Brasília. Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública. dez. TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO . 2000.211-228. ______. 2. n. Peter. Desenvolvimento de um referencial teórico para um sistema de informações gerenciais (SIG) para parlamentares e assessores na Câmara Legislativa do Distrito Federal: em busca de um modelo conceitual.pdf> Acesso em 02 set.