Você está na página 1de 14

Tecidos Vegetais

ZOOTECNIA BOTÂNICA PROFª JANICE WALLAU TURMA 101

Os tecidos diferenciam-se durante o desenvolvimento embrionário. 2 . Nas angiospermas e gimnospermas. Estes originam os demais tecidos. durante o desenvolvimento embrionário.HISTOLOGIA VEGETAL Tecido – conjunto de células igualmente diferenciadas (todas com a mesma organização e igual origem) e destinadas ao desempenho de uma ou mais funções em comum. células indiferenciadas formam os tecidos meristemáticos. Esses tecidos formam órgãos também especializados. os tecidos permanentes. com funções específicas que procuram sempre melhor adaptar o vegetal ao seu ambiente.

3 .

MERISTEMAS São tecidos embrionários. Os meristemas podem ser primários ou secundários. núcleo central e volumoso e vacúolos pequenos. Suas células são pequenas. que está no interior da semente e nas partes em crescimento do vegetal. parede celular delgada. que se diferenciam nos demais tecidos da planta. com alta capacidade de divisão. 4 . Encontram-se no embrião.

dão origem aos ramos. Há 4 tipos de meristemas primários: -Dermatogênio: origina a epiderme. As gemas são apicais ou laterais. As gemas laterais (axilares). -Caliptrogênio:formará a coifa ou caliptra. Esse crescimento em extensão é o crescimento primário. às folhas e às flores. -Pleroma: dará origem ao cilindro central. nas gemas ou brotos.MERISTEMAS PRIMÁRIOS Estão localizados nas extremidades da planta. O caule cresce em altura e a raiz aprofunda-se no solo. As gemas apicais (terminais) estão no ápice de caules e raízes. -Periblema: formará os parênquimas. localizadas nas laterais do caule. promovendo o alongamento do vegetal. 5 .

6 .

Forma vasos lenhosos. o crescimento secundário. É o maior responsável pelo crescimento em espessura da planta. 7 . e feloderme (preenchimento) para dentro. O felogênio. felogênio e feloderme formam a periderme. em direção ao centro da planta. localizado no córtex de dicotiledôneas e de forma difusa em monocotiledôneas. produz súber. e origina os vasos de condução. em direção ao lado externo da planta. para fora. São dois: câmbio e felogênio. Súber.MERISTEMAS SECUNDÁRIOS Promovem o crescimento em espessura do caule e da raiz. e vasos liberianos. O câmbio está na parte interna de troncos e raízes de gimnospermas e dicotiledôneas.

8 .

TECIDO PERMANENTE DE REVESTIMENTO EPIDERME A epiderme cobre toda a superfície externa do vegetal. frutos e sementes. inclusive flores. 9 .

é dota de de anexos epidérmicos: -Cutícula: fina camada de cutina (lipídio). protege contra excesso de luz. 10 . A epiderme é responsável pela defesa biológica contra o ataque de microorganismos e pelo controle da perda de água. com vacúolos grandes. poliédricas e justapostas em uma camada (uniestratificadas).As células são aclorofiladas. evita desidratação. Para isso. que recobre a epiderme e impermeabiliza-a.

que são ramos de caules ou folhas modificadas. -Pelos ou tricomas: expansões da epiderme que mantêm a umidade. conter substâncias irritantes para a proteção. Não confundir com espinhos. 11 . Tem função de aumentar a superfície de captação da água e dos sais minerais.-Acúleos: estruturas que atuam como elementos de defesa. produzir secreções oleosas ou enzimas. auxiliar na disseminação pelo vento.

unidos à epiderme. que. 12 .-Escamas: pelos modificados. -Hidatódios: pequenas aberturas nas extremidades das folhas para eliminar o excesso de água e sais minerais absorvidos na forma de pequenas gotas (sudação ou gutação). absorvem água em orquídeas e avencas.

o ostíolo. são realizadas as trocas de gases e a evaporação. São formados por duas células-guarda ou estomáticas.-Estômatos: estruturas presentes em folhas e caules que regulam a entrada e a saída de gases e vapor de água. a câmara subestomática facilita a difusão dos gases. Sob cada ostíolo. 13 . Por uma abertura central. O tamanho do ostíolo varia de acordo com o turgor (teor de água) das células guarda. Externamente células anexas. ricas em cloroplastos. estão justapostas às células guarda. epidérmicas.

14 .