Você está na página 1de 5

MÚSICA INGLESA

CARACTERÍSTICAS GERAIS – a música inglesa caracteriza-se por uma relação com estilo de música popular e uma certa relutância em aplicar as teorias musicais abstractas. Havia uma tendência para a tonalidade maior, em oposição ao motete francês que era regido por textos divergentes e dissonâncias harmónicas, e para o uso mais livre de terceiras e sextas. As obras da escola de Notre Dame também eram conhecidas em Inglaterra. No sec XII foram compostos vários conductus o motetes a três vozes. RONDELLUS – é uma das técnicas mais características do motete inglês. Explica a troca de versos como método de composição. É um motete a três vozes, enquadrado por uma introdução, na qual se recorre à imitação canónica a duas vozes, e por uma coda que é elaborada a partir da musica do rondellus. A parte central divide-se em duas, cada uma das quais com três melodias simultâneas. CONDUCTUS - apresentam uma nova característica: a linha melódica é acompanhada por duas outras vozes em movimento paralelo de forma a criar sucessões de terceiras e sextas. FAUXBOURDON – composição escrita a duas vozes que passava para sextas paralelas com oitavas intercaladas e sempre com uma oitava no final de cada frase. Acrescentava-se uma terceira voz que se movia uma quarta abaixo do soprano. A sonoridade era semelhante a passagens do descante inglês, mas com a diferença que no fauxbourdon a melodia principal era do soprano e no cantus firmus a melodia principal era do tenor ou do baixo. Esta técnica era usada na composição de cânticos simples como hinos e atífonas , de salmos e textos semelhantes. MANUSCRITO DE OLD HALL – é uma colectânea de música inglesa da primeira metade do sec XV. Contem obras do ordinário da missa, motetes, hinos e sequências. A maioria das partes da missa é em descante inglês, mas com uma acentuação da voz superior. Outras composições são em estilo de cantilena. Foi esta colectânea que deu a conhecer ao continente a música inglesa do sec XV. DUNSTABLE – compôs motetes isorrítmicos, vários ordinários da missa, cantigas profanas e peças sacras a três vozes. Estas últimas são as mais importantes. São compostas de várias maneiras. Algumas têm o cantus firmus no tenor, outras no soprano e com uma melodia de outra peça na voz do meio que evolui em terceiras e sextas acima do tenor. Outras paças são compostas livremente sem base noutra música já composta. ANTÍFONAS – composição sacra em louvor de algum santo ou da Virgem Maria. As suas características são a sua sonoridade, alternância de grupos de vozes e divisão em larga escala em trechos de tempo perfeito e imperfeito. CAROL - tal como o rondeau e a ballata, a carol esta na origem de uma cantiga de dança monofónica em que alternava o solista e o coro. Era uma composição a duas ou três vozes sobre um poema popular religioso. Havia um certo numero de estrofes todas com a mesma música, o refrão com a sua frase própria que era cantada no inicio e depois de cada estrofe. MOTETE DO SÉC XV – originalmente o motete era uma composição sobre um texto litúrgico para ser interpretada na igreja. No sec XIII o termo também se aplicava a obras com textos profanos. No sec XIV os tenores eram melodias de cantochão e estes motetes ainda conservavam as características originais. Os motetes isorrítmicos eram uma forma conservadora que acabou por desaparecer com o tempo. No sec XV o motete começou a ser aplicado a peças escritas sobre textos

.litúrgicos e profanos. Este motete podia designar qualquer musica polifonica sobre um texto latino como antífonas e responsórios.

Normalmente o soprano provinha de outras peças do cantochão. Assim. mas depois passou a ser usado o mesmo cantus firmus em todos os andamentos. Depois. O modo mais prático de conseguir a interligação musical entre as varias partes era usar o mesmo material temático em todas. Foi a partir do sec XV que foi possível tornar a composição polifónica do ordinário da missa como um todo. Os seus géneros dominantes eram missas e motetes. As vezes com refrão de dois versos. Inicialmente. Estas eram parte integrante da melodia. na posição mais aguda era o soprano ou cantus ou discantus ou superius. com um soprano associado a um tenor. MISSAS – até cerca de 1420 as peças do ordinário eram compostas como peças independentes. Foi mestre do coro do duque de Sabóia. principalmente nas cadências. Este género chama-se missa de cantus firmus ou missa de tenor. Era doutor em direito canónico e foi nomeado para altos cargos eclesiásticos. As chansons eram canções a solo com acompanhamento. acima do bassus. BINCHOIS – foi o mestre da chanson. o tenor passou a ser a segunda voz mais grave. Eram poemas de amor que seguiam o modelo do rondel. Alguns aspectos das missas de cantus firmus de Dufay são característicos de um estilo musical erudito. . CHANSON BORGONHESA – no sec XV chanson era o termo utilizado para definir qualquer composição polifónica sobre um texto profano em francês. As suas composições eram admiradas em todo o ducado e exprimiam um sentimento de profunda melancolia. o seu estilo musical. MOTETES BORGONHESES – tanto os motetes como as missas eram escritos à maneira das chansons. L’homme armé é uma canção popular sobre a qual foram escritas várias missas. Percorreu várias cidades e ducados espalhando. outras com refrão e estrofes de cinco versos. em Cambrai onde foi designado cónego. Nos motetes borgonheses pretendia-se que as melodias gregorianas fossem reconhecidas. A métrica tripla era mais comum que a métrica dupla. No motete medieval o tenor de uma missa de cantus firmus era escrito em notas mais longas do que as restantes vozes e impunha uma estrutura rítmica a uma melodia de cantochão. As missas de cantus firmus a quatro vozes são peças tardias na obra de Dufay. Voltou para a capela em Florença e Bolonha em 1435. acima do tenor havia o altus. foi menino de coro da catedral e membro da capela papal em Roma. iniciava-se cada andamento com o mesmo motivo melódico. Este tinha influências das cortes francesas medievais e do principio do renascimento italiano.MÚSICA NO DUCADO DA BORGONHA DUFAY – nasceu em 1400. A nova concepção da música do sec XV exigia que a voz mais grave estivesse livre para funcionar como base. apoiado num contratenor. Tinha um estilo melódico mais suave e um estilo harmónico mais consonante. assim. como também conservava o ritmo de uma música profana.

historia e da filosofia moral. Havia varios textos que eram usados para os grandes estudiosos. retórica.O humanismo consiste num reavivar da sabedoria da antiguidade nos domínios da gramática. A música foi afectada mais tarde do que as outras artes como a poesia e literatura. poesia. Foi o movimento intelectual do Renascimento.A ERA RENSCENTISTA CARACTERÍSTICAS GERAIS . Entre eles os Problemas do pseudoAristóteles .

Fernando. D Afonso V interessava-se por música franco-flamenga pois pediu ao seu mestre de capela que reunisse canções deste género.PENÍNSULA IBÉRICA A polifonia religiosa é muito escassa. . de dança. cerimonial ou militar com instrumentos sonoros e a segunda musica de corte. com instrumentos suaves. estando esta escassez relacionada com a influencia da austeridade da igreja. O casamento da princesa Isabel com Filipe de Borgonha pode ter levado a uma troca de conhecimentos musicais. viola de arco e outros instrumentos. A técnica do discante é também muito utilizada. musica de ar livre. Johan de Reste foi nomeado rei dos charamelas e tinha como obrigação ensinar os rapazes na charamela. Há vestígios de que na 1ª metade do sec XIV um compositor da escola de Avignon esteve ao serviço de D. Nos finais do sec XV há relatos de distinção entre musica alta e baixa. Foi uma influencia da corte inglesa que na altura tinha muitas ligações com a corte portuguesa. A musica religiosa teve um papel mais importante do que a musica profana nas cortes a partir do momento em que a capela real começou a ter mais influencia. Os músicos da corte emigravam nos sequitos das princesas em consequência dos seus casamentos.