Você está na página 1de 5

Alice Walker

● Escritora, poeta e ativista, nascida no estado da Geórgia,


Estados Unidos, em 1944.

● Devido ao contexto da segregação racial, estudou na


única escola que aceitava crianças negras em sua
cidade.
● Recebeu bolsa integral para a universidade, primeiro
em Atlanta – onde integrou o Movimento pelos
Direitos Civis –, e depois em Nova York, onde se
formou.

● Trabalhou como professora de literatura no estado do


Mississipi.

● Seu primeiro livro, Once, de poesia, foi lançado em


1968. Publicou em seguida diversas edições de
contos e romances, entre elas A cor púrpura.
OBRAS

“Once poems” “Em busca dos jardins “A terceira vida de “O templo do meu
Primeiro livro de de nossas mães:prosa Grange Copeland”, familiar”
poesia, lançado. mulherista”. primeiro livro
lançado.
OBRA: A COR PÚRPURA
● Romance publicado em 1982, que levou (merecidamente) o
prêmio Pulitzer no ano seguinte.

● "A cor púrpura", que também foi levado para o cinema em 1985
(na direção de Steven Spielberg).

● O livro discorre sobre a violência sistemática perpetuada contra


mulheres, sobre o poder da aprendizagem no contexto da
mudança de nossas vidas, bem como sobre o racismo, que é o
pano de fundo da obra.

● O título significa a mudança e a transformação que a


protagonista experimenta através de sua vida.
A COR PÚRPURA- O MUSICAL
Em 2005, A Cor Púrpura virou um musical escrito por Marsha Norman, com letras e música
de Brenda Russell, Allee Willis e Stephen Bray. A produção original da Broadway ficou em
cartaz de 2005 a 2008, e levou para casa o Tony de melhor atriz. Em 2015, a peça ganhou
um revival e dessa vez ganhou dois Tonys: melhor revival e melhor atriz. A história já ganhou
montagens em Londres, Johannesburg, Amsterdam, Halifax, Rio de Janeiro e agora, São
Paulo.
A COR PÚRPURA: O FILME
A Cor Púrpura, adaptação de Steven Spielberg para o livro homônimo de Alice Walker, lançado
em 1982. Enquanto o livro retratava as extremas dificuldades de uma mulher crescendo pobre,
feia e negra no Sul dos Estados Unidos, o filme desvia levemente da autenticidade e do poder
feminista do material de origem para se dedicar à triunfante busca de sua protagonista, Celie
Johnson, por felicidade e respeito próprio.

Você também pode gostar