Você está na página 1de 16
Diamantes Diamantes Artificiais Artificiais Prof. Prof. Jean Jean Alanis Alanis

DiamantesDiamantes ArtificiaisArtificiais

Prof.Prof. JeanJean AlanisAlanis

Diamantes Diamantes Artificiais Artificiais Prof. Prof. Jean Jean Alanis Alanis

DiamantesDiamantes

Para que um diamante seja criado, o carbono deve

estar embaixo de, pelo menos, 435.113 lb.in -2 de

pressão a temperatura de, pelo menos, 400ºC;

• Se as condições estiverem abaixo destes 2 pontos,

será formado o grafite;

• Em profundidades de 150 km ou mais, a pressão vai

para 725.189 psi e o calor pode exceder 1.200ºC.

DiamantesDiamantes • Forma alotrópica do carbono; • São apenas carbono em seu estado mais concentrado;
DiamantesDiamantes
• Forma alotrópica do carbono;
• São
apenas
carbono em
seu
estado
mais
concentrado;
• Diamantes se formam a, aproximadamente, 161 km
abaixo da superfície da Terra;
• Na rocha derretida do manto da Terra, que
proporciona a pressão e o calor adequados para
transformar carbono em diamante.

DiamantesDiamantes

Diamantes Diamantes

DiamantesDiamantes

Diamantes Diamantes
Diamantes Diamantes Diamantes Diamantes • Kimberlito é um nome escolhido em homenagem a Kimberly, África do

DiamantesDiamantes

Kimberlito é um nome escolhido em homenagem a Kimberly, África do Sul;

• Foram criadas conforme o magma passava por profundas fraturas na Terra;

• O magma funciona como elevador, empurrando os diamantes e outras rochas pelo manto e crosta em poucas horas;

• Kimberlito é uma rocha azulada que os mineradores procuram quando estão atrás de depósitos de diamantes.

Kimberlito Kimberlito

KimberlitoKimberlito

Kimberlito Kimberlito

KimberlitoKimberlito

Kimberlito Kimberlito
Kimberlito Kimberlito Diamantes Diamantes • Diamantes também podem ser encontrados em leitos de

DiamantesDiamantes

Diamantes

também

podem

ser

encontrados

em

leitos de rios;

 

Estes

são

chamados

de

reserva

aluvial

de

diamantes;

• São originados em chaminés de kimberlito, mas se

movimentam por atividade geológica;

• Geleiras e águas podem movimentar os diamantes

para milhas de distância de seu local de origem.

BreveBreve histhistóóricorico

• A palavra "diamante" é derivada do grego e significa "inconquistável“; “indestrutível”;

• O homem conhece o diamante há milhares de anos;

• Há cerca de 130 anos, o diamante era bastante raro;

• Em 1866, os filhos de um fazendeiro na África do

Sul encontraram uma pedra guardando-a entre seus

brinquedos;

• Era um diamante que depois foi classificado com mais de 21 quilates.

BreveBreve histhistóóricorico

• Na Índia, diamantes eram conhecidos há mais de

2000 anos;

• O maior diamante do mundo foi encontrado na Mina

Premier em Transvaal, na África do Sul (1902);

• Em 1957, 13 milhões de quilates foram extraídos;

• Destes, 95% eram de qualidade industrial (mais

barato).

Destes, 95% eram de qualidade industrial (mais barato). Propriedades Propriedades • A escala de Mohs é
Destes, 95% eram de qualidade industrial (mais barato). Propriedades Propriedades • A escala de Mohs é

PropriedadesPropriedades

• A escala de Mohs é usada para determinar a rigidez de sólidos, especialmente minerais; • É a estrutura molecular dos diamantes que os torna tão duros • São feitos de átomos de carbono conectados em uma estrutura treliçada.

dos diamantes que os torna tão duros • São feitos de átomos de carbono conectados em
dos diamantes que os torna tão duros • São feitos de átomos de carbono conectados em
Propriedades Propriedades • Substância mais dura já conhecida; • É quimicamente inerte; • Otimo isolante

PropriedadesPropriedades

• Substância mais dura já conhecida;

• É quimicamente inerte;

• Otimo isolante elétrico;

• Pode ser transformado em semicondutor;

• Possui pequeno coeficiente de atrito;

• Alta condutividade térmica

PropriedadesPropriedades

• Cada átomo compartilha elétrons com outros 4 átomos, formando uma unidade tetraédrica;

uma

• Esta

molécula incrivelmente forte;

• Possui densidade de 3,1 a 3,5g.mL -1 ;

• Elevado índice de refração;

• Não conduz eletricidade;

• Tenacidade: friável;

• Ponto de fusão: 3.546, 84 o C;

• Traço: incolor;

• É fluorescente

união

tetraédrica

de

cinco

carbonos

forma

OsOs quatrosquatros princprincíípiospios

• Diamantes são julgados em diferentes fatores que determinam sua beleza;

• Para classificá-los são utilizados 4 princípios:

Corte (cut);

Claridade (clarity);

Quilate (carat);

Cor (color).

OsOs quatrosquatros princprincíípiospios

Corte (cut): se refere a como o diamante foi cortado e às suas proporções geométricas. Quando um diamante é cortado, facetas são criadas e seu formato final é determinado;

Claridade (clarity): é a medida dos defeitos ou inclusões observadas no diamante. Os níveis de claridade começam por Sem Defeitos e vão decrescendo, passando por Muito Muito Leve, Muito Leve e Levemente Presente.

por Muito Muito Leve, Muito Leve e Levemente Presente. Os Os quatros quatros princ princ í

OsOs quatrosquatros princprincíípiospios

Quilate (carat): é o peso do diamante. Um quilate

equivale a, aproximadamente, 200 mg;

Cor

transparentes, a escala de cor vai de D a Z,

começando com Branco Gelo, a cor da maioria dos

diamantes caros, e terminando com amarelo claro.

diamantes

(color):

com

relação

a

a cor da maioria dos diamantes caros, e terminando com amarelo claro. diamantes (color): com relação

OO mapamapa dada minamina

O O mapa mapa da da mina mina Azul - Maiores Produtores (% da produção mundial)

Azul - Maiores Produtores (% da produção mundial) Amarelo - Maiores Consumidores Vermelho - Países com reservas de diamantes

Consumidores Vermelho - Países com reservas de diamantes Curiosidades • Os diamantes usados em jóias geram

Curiosidades

Os diamantes usados em jóias geram US$ 57 bilhões/ ano;

• O continente africano é responsável por 61% da produção mundial de diamantes;

• Os diamantes são usados como jóias desde o século XVII;

• Os diamantes podem ser classificados em 14 mil categorias;

• A vida útil de uma mina de diamantes é de 16 a 22 anos;

• Cinco empresas de exploração são responsáveis por 90% da produção mundial de diamantes.

Curiosidades

• Do diamante, costuma-se dizer que é para sempre, mas na verdade não deveria ser nem por 30 s;

• Na temperatura e pressão da superfície da Terra, a forma estável do carbono é a grafita;

• O diamante é a forma metaestável, ou seja, só continua existindo porque não há energia suficiente (alta temperatura) que sacuda seus átomos e o faça retornar à forma estável, a grafita.

DiamanteDiamante artificialartificial

• Por muitos anos, a única opção sintética disponível

era o zircônio cúbico (usado como joia);

• O zircônio cúbico (CZ), é uma gema de laboratório

que está no mercado desde 1976;

• A Moissanite se tornou o maior rival sintético do CZ;

• Se tornou disponível em 1998;

• Sua semelhança com o diamante é maior em termos

de composição e aparência.

diamante é maior em termos de composição e aparência.   Diamante Diamante artificial artificial  
 

DiamanteDiamante artificialartificial

 

• A moissanite é mais dura que o CZ (9,5 na escala Mohs);

• Mas continua a ser menos dura que o diamante natural;

• O material sintético mais próximo ao diamante são os diamantes artificiais;

• Os diamantes artificiais são carbono puro;

 

• É

produzido

submetendo-se

a

grafita

a

temperaturas e pressões muito elevadas.

 
 

DiamantesDiamantes artificiaisartificiais

 

• São

conhecidos

como

diamantes

HPHT

ou

diamantes CVD;

 

• HPHT - síntese de alta pressão e alta temperatura; • CVD - deposição química de vapor.

 
   
 
DiamanteDiamante artificialartificial • Pode-se fazer crescer cristais de diamante em vários materiais; •
DiamanteDiamante artificialartificial
• Pode-se
fazer
crescer
cristais
de
diamante
em
vários materiais;
• Submetendo gases contendo carbono a
temperaturas extremas, através do processo CVD
(chemical vapor deposition);
• Aceleração do processo natural de crescimento por
meio da injeção de gases que contém carbono e
hidrogênio num reator com atmosfera rarefeita.
carbono e hidrogênio num reator com atmosfera rarefeita. Diamante Diamante artificial artificial • Os métodos

DiamanteDiamante artificialartificial

• Os métodos para a fabricação do diamante

começaram a ser desenvolvidos na década de 50, por

pesquisadores ucranianos e japoneses;

Os cristais eram de pequeno tamanho e de baixa

qualidade devido às contaminações e às limitações

do processo.

Os cristais eram de pequeno tamanho e de baixa qualidade devido às contaminações e às limitações
Diamante Diamante sint sint é é tico tico HPHT HPHT • Sintetizado pela primeira vez

DiamanteDiamante sintsintééticotico HPHTHPHT

Sintetizado pela primeira vez na década de 50, a partir da grafite, reproduzindo-se em laboratório as condições de pressão e temperatura do diamante natural;

• Patenteado pela GE;

• São produzidos diamantes muito pequenos, na forma e monocristais;

• São atingidos pressões da ordem de 7 a 10 Gpa e T superiores a 2000K;

• Aplicações limitadas devido ao alto custo de produção e dificuldade tecnológica.

ao alto custo de produção e dificuldade tecnológica. MMéétodotodo CVDCVD • Consiste na aceleração do
MMéétodotodo CVDCVD • Consiste na aceleração do processo natural de crescimento; • Através da injeção
MMéétodotodo CVDCVD
• Consiste
na
aceleração
do
processo
natural
de
crescimento;
• Através da injeção de gases que contém C e H em
reator com atmosfera rarefeita;
• A MP utilizada, álcool de cana-de-açúcar ou o CH 4 ,
entra em reação com a ajuda de um filamento quente,
que funciona como uma espécie de catalisador.

MMéétodotodo CVDCVD

se

diamante;

• Sobrepostas à superfície de lâminas de silício que

dão origem ao diamante;

• Utiliza-se pressão inferior a uma atmosfera e

temperatura inferior a 1200 K;

• O sucesso com as técnicas CVD vieram somente no

final da década de 70.

• Vão

de

formando

camadas

microscópicas

MMéétodotodo CVDCVD

M M é é todo todo CVD CVD

SubstratosSubstratos

Ponto de fusão maior que 1200ºC;

Coeficiente

de

dilatação

térmica

próximo

do

diamante;

Baixa solubilidade do carbono no substrato;

Se fosse possível o crescimento em substratos ferrosos, aumentaria o número de aplicações do diamante CVD em ferramentas de corte;

O silício e o molibdênio são conhecidos na literatura como bons materiais para o crescimento de diamante CVD, e são largamente utilizados

MMéétodotodo CVDCVD

• Os gases são injetados no reator, na etapa representada pela região 1;

• Em seguida, passam

ativação,

pela

região

de

região

2,

onde

são

formados,

inicialmente,

H

atômico;

• E logo em seguida, o radical metila (principal precursor do crescimento de diamante CVD);

• Por difusão, passando à região 3, o H atômico e o radical metila chegam ao substrato na região de

ativação.

MMéétodotodo CVDCVD

• Na região de nucleação terá início o processo com posterior coalescência e crescimento dos grãos do filme de diamante policristalino no substrato empregado;

• Os grãos de diamante crescem a partir de camada intermediária de carbeto da reação entre o substrato e radical metila;

• Ou a partir de outros grãos de diamante previamente depositados sobre o substrato, pelo método da semeadura.

MMéétodotodo CVDCVD

M M é é todo todo CVD CVD

MMéétodotodo CVDCVD

M M é é todo todo CVD CVD

CrescimentoCrescimento dede diamantediamante CVDCVD

Crescimento Crescimento de de diamante diamante CVD CVD

CrescimentoCrescimento dede diamantediamante CVDCVD

Crescimento Crescimento de de diamante diamante CVD CVD

MMéétodotodo CVDCVD

M M é é todo todo CVD CVD

CrescimentoCrescimento dede diamantediamante CVDCVD

Crescimento Crescimento de de diamante diamante CVD CVD

ReatorReator dede plasmaplasma MWCVDMWCVD

- No reator MWCVD (micro wave chemical vapor deposition)e em outros de plasma a energia de ativação éa elétrica;

- O diamante crescido apresenta alta

número de

aplicações;

- Alto custo de produção.

pureza

e

maior

éa elétrica; - O diamante crescido apresenta alta número de aplicações; - Alto custo de produção.

ReatorReator dede filamentofilamento quentequente

- No reator HFCVD (Hot filament chemical vapor deposition) a energia de ativação é térmica;

- Método mais utilizado no crescimento de diamante CVD na pesquisa e indústria;

- Melhor método para crescimento em grandes áreas;

- É relativamente barato e fácil de ser operado;

- A contaminação devido a presença de tungstênio no filme crescido é a principal limitação

e fácil de ser operado; - A contaminação devido a presença de tungstênio no filme crescido
de ser operado; - A contaminação devido a presença de tungstênio no filme crescido é a
de ser operado; - A contaminação devido a presença de tungstênio no filme crescido é a
de ser operado; - A contaminação devido a presença de tungstênio no filme crescido é a

AplicaAplicaççõesões

Cortador de vidro; Serras diamantadas; Coroas diamantadas para sondagem na pesquisa mineral; Corte de rochas ornamentais; Brocas de perfuração de poços de petróleo; Inspeção de concreto em diferentes estruturas; Manufatura de máquinas; Manufatura de peças de refratário para revestimento de forno; Fabricação de esmeril; Indústria automobilística; Indústria aeroespacial; Circuitos eletrônicos;

AplicaAplicaççõesões

Aplica Aplica ç ç ões ões

AplicaAplicaççõesões

Lentes para equipamentos de radiação a laser;

Suporte de disco na indústria de computador; Instrumentos cirúrgicos; Polimento de pedras; Corte de pedras; Gravura; Abrasivos.

de computador; Instrumentos cirúrgicos; Polimento de pedras; Corte de pedras; Gravura; Abrasivos. 15

AplicaAplicaççõesões

Aplica Aplica ç ç ões ões
Aplica Aplica ç ç ões ões

ReferenciasReferencias BibliogrBibliográáficasficas

AMORIM, Amauri. Crescimento de filmes de diamante CVD em grandes áreas. 2004. Dissertação de Mestrado em Engenharia e Ciência dos Materiais da Universidade São Francisco; • Eichenberger Neto, J. Estudos para crescimento de diamante CVD em substratos planos de grande área. Folder apresentado no IV Encontro de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade São Francisco, Itatiba – SP, 2005.

• GU C. et al. The preparation of (001) textured diamond films with large areas. Surface and Coatings Technology 142-144, p. 698-701,

2001.

• YU, J. Large area diamond films growth in multi-filament chemical vapor deposition. Diamond and Related Materials B57, p. 255-258,

1999.

AplicaAplicaççõesões

Aplica Aplica ç ç ões ões