Você está na página 1de 26

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

TERMODINÂMICA II

Betania Drosdrocky Gonçalves

Fernanda Fagundes Braga

Gabriela da Rocha Honorato

Kevin Santos Amaral

Letícia Gabriele Fonseca Ferreira

Letícia Lima Alves

Cálculo do Trabalho, do Calor, da Entropia, da Entalpia, de Z,e do Volume para


o processo de destilação do Metanol e da Acetona.

Engenharia Química – Noturno

Ouro Branco, 2021


Sumário
1. Parte 1: Determinação de variáveis para processo químico ...................................................... 3
1.1. Referências ............................................................................................................................. 3
1.2. Destilador 1 ............................................................................................................................ 4
1.3. Condensador 1 ....................................................................................................................... 5
1.4. Aquecedor 1 ........................................................................................................................... 7
1.5. Bomba................................................................................................................................... 10
1.6. Destilador 2 .......................................................................................................................... 14
1.7. Condensador 2 ..................................................................................................................... 15
1.8. Aquecedor 2 ......................................................................................................................... 17
1.9. Reciclo .................................................................................................................................. 20
2. Parte 2: Aplicação de Peng Robinson ........................................................................................ 21
2.1. Questão 5 .............................................................................................................................. 21
2.2. Questão 6 .............................................................................................................................. 24

2
1. Parte 1: Determinação de variáveis para processo químico
OBS: Os cálculos de V e Z pela equação de Peng-Robson estão na planilhada anexada
na pasta.
O processo escolhido para realizar os cálculos foi o processo de destilação Acetona-Metanol:

12

9
2 10
11
3

4 8
1

6 14
7
15
5 13

1.1. Referências
Para a realização dos cálculos subsequentes, algumas considerações e referências
serão feitas na entrada do primeiro destilador (ou “feed”).
-Metanol:
𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
𝑆𝑙𝑖𝑞,𝑠 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
Através destas considerações, torna-se possível o cálculo da 𝑇𝑠𝑎𝑡 pela Equação de
Antoine:
𝐵
ln(𝑃𝑠𝑎𝑡 ) = 𝐴 −
𝑇𝑠𝑎𝑡 + 𝐶
Dados:
𝑃𝑠𝑎𝑡 (KPa) 100
A 16,5785
B 3638,27
C 293,500

Logo, 𝑇𝑠𝑎𝑡,𝑀 =283,51 K

3
-Acetona:
𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
𝑆𝑙𝑖𝑞,𝑠 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0

Através destas considerações, torna-se possível o cálculo da 𝑇𝑠𝑎𝑡 pela Equação de


Antoine:
𝐵
ln(𝑃𝑠𝑎𝑡 ) = 𝐴 −
𝑇𝑠𝑎𝑡 + 𝐶
Dados:
𝑃𝑠𝑎𝑡 (mmHg) 750,061
A 16,6513
B 2940,46
C -35,93

Logo, 𝑇𝑠𝑎𝑡,𝐴 =328,96 K

1.2. Destilador 1
Inicialmente, calcularemos a entalpia:
Entrada:
𝑙𝑖𝑞,𝑠
𝐻𝑀 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
𝑙𝑖𝑞,𝑠𝑎𝑡
𝐻𝐴 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0

Saída:
Corrente 2: 𝐻 𝑣 = 18804,24J/mol
Corrente 5: 𝐻𝑙𝑖𝑞 = 1138,2𝐽/𝑚𝑜𝑙

Logo,
∆𝐻 = 𝐻2 − 𝐻1

∆𝐻 = (1138,2 + 18804,24) − 0

∆𝐻 = 19942,44 J/mol
Cálculo da entropia:
Entrada:
𝑙𝑖𝑞,𝑠𝑎𝑡
𝑆𝑀 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
𝑙𝑖𝑞,𝑠𝑎𝑡
𝑆𝐴 (𝑃 = 1𝑏𝑎𝑟) = 0
Saída:
Corrente 2: 𝑆1 = 8,10
Corrente 5: 𝑆1 = 84,96J/mol.K

Logo,
∆𝑆 = 𝑆2 − 𝑆1
4
∆𝑆 = (84,96 + 8,10) − 84,96
∆𝑆 =8,10 J/mol.K

1.3. Condensador 1
No condensador existe uma mistura em duas fases (líquida e gasosa), dessa maneira,
iremos dividir os cálculos em duas etapas descritas a seguir.

Para a efetivação dos cálculos no primeiro condensador, é de suma importância o prévio


entendimento relativo ao estado das correntes que entram e saem do equipamento. Tendo
em vista que a mistura entra gás (corrente 2) e sai líquida (corrente 3), seguem os dados
relevantes para a resolução:
Corrente 2 Corrente 3
Pressão (bar) 1 1
Temperatura (Kelvin) 324,15 324,15
Cp (Metanol) 9,798R 5,547R
Cp (Acetona) 124,5 75

Inicialmente calcularemos a entalpia do processo. Neste momento, é importante separar os


cálculos em duas etapas, como exemplificado a seguir:

-Corrente 3
𝑇2
𝐻𝑙𝑖𝑞 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫ 𝐶𝑝𝑙 𝑑𝑇
𝑇1
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 0 + 𝑅 ∫ 𝐶𝑝𝑙 𝑑𝑇
𝑇𝑠𝑎𝑡

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑠𝑎𝑡 (K) 283,51 328,96
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 324,15 324,15
Cp 9,798R 124,5
R 8,314 8,314

Com base nos dados, temos que:


𝐻𝑙𝑖𝑞 (𝑚𝑒𝑡𝑎𝑛𝑜𝑙) = 3299,96 𝐽/𝑚𝑜𝑙
𝐻𝑙𝑖𝑞 (𝑎𝑐𝑒𝑡𝑜𝑛𝑎) = −598,84 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑀1 )
𝐻1 = = 187,93 𝐽/𝑚𝑜𝑙
2

-Corrente 2:
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑣 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 )
𝑇𝑠𝑎𝑡
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑣 = 0 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 )
𝑇𝑠𝑎𝑡

5
Para encontrar o valor de ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ), vamos utilizar as equações de Riedel e Watson:

∆𝐻 1,092(𝑙𝑛𝑃𝑐 −1,013)
Riedel: 𝑅𝑇2 =
𝑛 0,930−𝑇𝑟𝑛

∆𝐻 1−𝑇
Watson: ∆𝐻2 =(1−𝑇𝑟2 )0.38
1 𝑟1

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐 (K) 512,6 508,1
𝑃𝑐 (bar) 80,97 46,91
𝑇𝑛 (K) 337,9 329,35
𝑇𝑟𝑛 (K) 0,65 0,64
𝑇𝑟𝑠𝑎𝑡 (K) 0,55 0,64

Após os cálculos, encontra-se os seguintes valores para o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ):


Metanol: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 42420,61 𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 30095,23 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora torna-se possível o cálculo de 𝐻𝑣 :


Metanol: 𝐻𝑣 = 45720,57 𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻𝑣 = 29496,39 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝑉𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑉𝑀 )
𝐻2 = = 18804,24 𝐽/𝑚𝑜𝑙
2

Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝐻:


∆𝐻 = 𝐻2 − 𝐻1
∆𝐻 = 18804,24 − 187,93
∆𝐻 = 18616,31 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora, calcularemos a entropia do processo.


Tendo 𝑃𝑐𝑡𝑒 = 1𝑏𝑎𝑟, utilizaremos a fórmula para gás ideal na corrente 2:
𝑇2
𝑑𝑇 𝑃2
𝑆 = ∫ 𝐶𝑝 − 𝑅𝑙𝑛
𝑇1 𝑇 𝑃1
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝑑𝑇
𝑆=∫ 𝐶𝑝 −0
𝑇𝑟𝑒𝑓 𝑇
𝑇𝑐𝑜𝑟 𝑑𝑇
𝑆 = ∫𝑇𝑟𝑒𝑓 𝐶𝑝 𝑇
Assim:
Metanol: 𝑆 = 6,17 J/mol.K
Acetona: 𝑆 = 10,05 J/mol.K

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀 )
𝑆2 =
2
6
(0,5.6,17) + (0,5.10,05)
𝑆2 =
2
𝑆2 = 8,10 J/mol.K

Já na corrente 3, temos a presença de uma mistura líquida. Logo, algumas modificações


devem ser levadas em consideração:
𝑇𝑣 𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑙 ∆𝐻𝑉 𝐶𝑝𝑉
𝑆=∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑇
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑉 𝑇𝑣 𝑇
Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 324,15 324,15
𝑇𝑓 (K) 175,55 178,15
𝑇𝑣 (K) 337,65 329,15

Calculando a entropia de cada um dos compostos:


Metanol: 𝑆1 = 173,67 J/mol.K
Acetona: 𝑆1 = 221,91 J/mol.K

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀 )
𝑆1 =
2
(0,25.173,67) + (0,75.221,91)
𝑆1 =
2
𝑆1 = 104,92 J/mol.K

Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝑆:


∆𝑆 = 𝑆2 − 𝑆1
∆𝑆 = 221,91 − 173,67
∆𝑆 = 48,24 J/mol.K

Como não há variação de volume no condensador, pode-se dizer que 𝑊 = 0

Assim:
∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
∆𝐻 = 𝑄 + 0
∆𝐻 = 𝑄
𝑄 = 18616,31 𝐽/𝑚𝑜𝑙

1.4. Aquecedor 1
Para a efetivação dos cálculos no primeiro aquecedor, é de suma importância o prévio
entendimento relativo ao estado das correntes que entram e saem do equipamento.
Tendo em vista que a mistura entra líquida (corrente 5) e sai gasosa (corrente 7),
seguem os dados relevantes para a resolução:
Corrente 5 Corrente 7
Pressão (bar) 1 1
Temperatura (Kelvin) 334,15 334,15
Cp (Metanol) 9,798R 5,547R
7
Cp (Acetona) 124,5 75

Inicialmente calcularemos a entalpia do processo. Neste momento, é importante separar


os cálculos em duas etapas, como exemplificado a seguir:

-Corrente 5
𝑇2
𝐻𝑙𝑖𝑞 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫ 𝐶𝑝𝑙 𝑑𝑇
𝑇1
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 0 + 𝑅 ∫ 𝐶𝑝𝑙 𝑑𝑇
𝑇𝑠𝑎𝑡

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑠𝑎𝑡 (K) 283,51 328,96
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 334,15 334,15
Cp 9,798R 124,5
R 8,314 8,314

Com base nos dados, temos que:


𝐻𝑙𝑖𝑞 (𝑚𝑒𝑡𝑎𝑛𝑜𝑙) = 4043,70 𝐽/𝑚𝑜𝑙
𝐻𝑙𝑖𝑞 (𝑎𝑐𝑒𝑡𝑜𝑛𝑎) = 509,20 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑀1 )
𝐻1 = = 1138,2𝐽/𝑚𝑜𝑙
2

-Corrente 7
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑣 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 )
𝑇𝑠𝑎𝑡
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑣 = 0 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 )
𝑇𝑠𝑎𝑡

Para encontrar o valor de ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ), vamos utilizar as equações de Riedel e


Watson:

∆𝐻 1,092(𝑙𝑛𝑃𝑐 −1,013)
Riedel: 𝑅𝑇2 =
𝑛 0,930−𝑇𝑟𝑛

∆𝐻 1−𝑇
Watson: ∆𝐻2 =(1−𝑇𝑟2 )0.38
1 𝑟1

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐 (K) 512,6 508,1
𝑃𝑐 (bar) 80,97 46,91
𝑇𝑛 (K) 337,9 329,35
𝑇𝑟𝑛 (K) 0,65 0,64
8
𝑇𝑟𝑠𝑎𝑡 (K) 0,55 0,64

Após os cálculos, encontra-se os seguintes valores para o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ):


Metanol: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 40756,12𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 29233,49 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora torna-se possível o cálculo de 𝐻𝑣 :


Metanol: 𝐻𝑣 = 44799,82𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻𝑣 = 29742,69 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝑉𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑉𝑀 )
𝐻2 = = 22362,26𝐽/𝑚𝑜𝑙
2
Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝐻:
∆𝐻 = 𝐻2 − 𝐻1
∆𝐻 = 22362,26 − 1138,22
∆𝐻 = 21224,04 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora, calcularemos a entropia do processo.


Tendo 𝑃𝑐𝑡𝑒 = 1𝑏𝑎𝑟, utilizaremos a fórmula para gás ideal na corrente 7:
𝑇2
𝑑𝑇 𝑃2
𝑆 = ∫ 𝐶𝑝 − 𝑅𝑙𝑛
𝑇1 𝑇 𝑃1

𝑇𝑐𝑜𝑟
𝑑𝑇
𝑆=∫ 𝐶𝑝 −0
𝑇𝑟𝑒𝑓 𝑇
𝑇𝑐𝑜𝑟 𝑑𝑇
𝑆 = ∫𝑇𝑟𝑒𝑓 𝐶𝑝 𝑇
Assim:
Metanol: 𝑆 = 7,57J/mol.K
Acetona: 𝑆 = 1,17J/mol.K

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀 )
𝑆2 =
2
(1,17.0,005) + (7,57.0,995)
𝑆2 =
2
𝑆2 = 3,769J/mol.K

Já na corrente 1, temos a presença de uma mistura líquida. Logo, algumas


modificações devem ser levadas em consideração:
𝑇𝑣 𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑙 ∆𝐻𝑉 𝐶𝑝𝑉
𝑆=∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑇
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑉 𝑇𝑣 𝑇
Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 334,15 334,15
𝑇𝑓 (K) 175,55 178,15
9
𝑇𝑣 (K) 337,65 329,15

Calculando a entropia de cada um dos compostos:


Metanol: 𝑆1 = 173,50J/mol.K
Acetona: 𝑆1 = 166,37J/mol.K

Fazendo a média ponderada das correntes:


(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀 )
𝑆1 =
2
(166,37.0,5) + (173,50.0,5)
𝑆1 =
2
𝑆1 = 84,96J/mol.K

Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝑆:


∆𝑆 = 𝑆2 − 𝑆1
∆𝑆 = 3,76 − 84,96
∆𝑆 = −81,2J/mol.K

Como não há variação de volume no aquecedor, pode-se dizer que 𝑊 = 0

Assim:
∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
∆𝐻 = 𝑄 + 0
∆𝐻 = 𝑄
𝑄 = 21224,04 𝐽/𝑚𝑜𝑙

1.5. Bomba
Para realizar os cálculos da bomba, deve-se considera a corrente que a antecede
(corrente 4), e a posterior (corrente 8).
Dessa forma, temos os seguintes dados:
Corrente 4 Corrente 8
Pressão (bar) 1 10
Temperatura (Kelvin) 324,15 324,15

Sabemos que ao passar pela bomba, o fluido sofre aumento de pressão, mas sua
temperatura permanece constante. Também podemos afirmar que o fluido, nas duas
correntes, está no estado líquido, já que, anteriormente, ele passou pelo condensador.
Além do mais, a composição nas duas correntes é a mesma: XA=0,75 e XM = 0,25.

Para calcular a entalpia, primeiro calcula-se o valor de entalpia para cada substância
pura, e em seguida, faz-se a média ponderada para obter o valor de entalpia da
corrente. Isso é feito para as duas correntes e, então, pode-se calcular a variação de
entalpia.
Matematicamente, os cálculos foram feitos da seguinte maneira:

-Corrente 4:
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑙𝑖𝑞 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡
𝑇𝑠𝑎𝑡

10
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝐿
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 0 + 𝑅 ∫ . 𝑑𝑡
𝑇𝑠𝑎𝑡 𝑅
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝐿
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 𝑅∫ . 𝑑𝑡
𝑇𝑠𝑎𝑡 𝑅
Dados:
Metanol Acetona
Tsat (Kelvin) 283,51 328,96
Tcor (Kelvin) 324,15 324,15
CpL 9,798.R 124,5
R 8,314 8,314

Com base nos dados da tabela e na equação (x), temos que:


HM4= 3392,018 J/mol
HA4= -554,03 J/mol

Fazendo a média ponderada:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑀1 )
𝐻4 = = 1696,41𝐽/𝑚𝑜𝑙
2
-Corrente 8:
Para a corrente 8, como temos a pressão à 10 bar, deve-se somar os valores de
entalpia à entalpia residual.
Para calcular a entalpia residual, têm-se as seguintes equações:
𝐻𝑅 0
𝑑𝐵 0 1
𝑑𝐵1
= 𝑃𝑟 . [𝐵 − 𝑇𝑟 + 𝜔 (𝐵 − 𝑇𝑟 )]
𝑅𝑇𝐶 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟

𝑇𝑐𝑜𝑟
𝑇𝑟 =
𝑇𝑐

𝑃𝑐𝑜𝑟
𝑃𝑟 =
𝑃𝑐

0,422
𝐵 0 = 0,083 −
(𝑇𝑟 )1,6

0,172
𝐵1 = 0,139 −
(𝑇𝑟 )4,2

𝑑𝐵 0 0,675
=
𝑑𝑇𝑟 (𝑇𝑟 )2,6

𝑑𝐵1 0,722
=
𝑑𝑇𝑟 (𝑇𝑟 )2,6

Metanol Acetona
𝑇𝑐 512,6 508,1
𝑃𝑐 80,97 46,10
𝜔 0,564 0,307
11
𝑇𝑟 0,6324 0,638
𝑃𝑟 0,1235 0,2131
𝐵0 -0,7955 -0,7832
𝐵1 -1,0396 -0,9967
𝑑𝐵 0 2,2219 2,1716
𝑑𝑇𝑟
𝑑𝐵1 7,8231 7,4726
𝑑𝑇𝑟

Substituindo esses valores na equação x, encontramos:

HRm= -2935,46J/mol
HRa= -3545,29J/mol

Somando as entalpias residuais às entalpias já calculadas anteriormente:

HM8= 456,56 J/mol


HA8= -4099,31 J/mol

Fazendo a média ponderada:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝐴2 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑀2 )
𝐻8 = = −1480,17𝐽/𝑚𝑜𝑙
2

Por fim, podemos encontras a variação de entalpia na bomba:


∆𝐻4−8 = 𝐻8 − 𝐻4 = 1696,42𝐽/𝑚𝑜𝑙

Como não há variação de temperatura na bomba, pode-se dizer que Q=0 e, portanto:
∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
∆𝐻 = 0 + 𝑊
∆𝐻4−8 = 𝑊4−8 = 1696,42𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora, para o cálculo de entropia, usaremos o mesmo raciocínio que foi usado no
cálculo de entalpia para cada corrente, alterando apenas as equações.
-Corrente 4:
𝑇𝑣 ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 𝑇
(𝐶𝑝)𝐿 (𝐶𝑝)𝑣
𝑆𝑙𝑖𝑞 = ∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑡
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑣 𝑇𝑣 𝑇
Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑣 (Kelvin) 337,65 329,15
𝑇𝑓 (Kelvin) 175,55 178,15
∆𝐻𝑣𝑎𝑝 42420,61 30095,26
(𝐶𝑝)𝐿 9,798.R 124,5
(𝐶𝑝)𝑣 5,547.R 75
R 8,314 8,314

Com base nos dados da tabela e na equação (x), temos que:


SM4= 177,03 J/mol
SA4= 166,71 J/mol
12
Fazendo a média ponderada:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀1 )
𝑆4 = = 166,71𝐽/𝑚𝑜𝑙
2

-Corrente 8:
Para a corrente 8, como temos a pressão à 10 bar, deve-se somar os valores de
entalpia à entalpia residual.
Para calcular a entalpia residual, têm-se as seguintes equações:
𝑆𝑅 𝑑𝐵 0 𝑑𝐵1
= −𝑃𝑟 . [ +𝜔( )]
𝑅 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟

𝑇𝑐𝑜𝑟
𝑇𝑟 =
𝑇𝑐

𝑃𝑐𝑜𝑟
𝑃𝑟 =
𝑃𝑐

𝑑𝐵 0 0,675
=
𝑑𝑇𝑟 (𝑇𝑟 )2,6

𝑑𝐵1 0,722
=
𝑑𝑇𝑟 (𝑇𝑟 )2,6

Metanol Acetona
𝑇𝑐 512,6 508,1
𝑃𝑐 80,97 46,10
𝜔 0,564 0,307
𝑇𝑟 0,6324 0,638
𝑃𝑟 0,1235 0,2131
𝑑𝐵 0 2,2219 2,1716
𝑑𝑇𝑟
𝑑𝐵1 7,8231 7,4726
𝑑𝑇𝑟

Substituindo esses valores na equação x, encontramos:

SRm= -6,8118J/mol.K
SRa= -7,9119J/mol .K

Somando as entropias residuais às entropias já calculadas anteriormente:

SM8= 170,22 J/mol.K


SA8= 158,8 J/mol.K

Fazendo a média ponderada:


(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴2 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀2 )
𝑆8 = = 80,8275𝐽/𝑚𝑜𝑙. 𝐾
2
13
Por fim, podemos encontras a variação de entalpia na bomba:
∆𝑆4−8 = 𝑆8 − 𝑆4 = −3,8175𝐽/𝑚𝑜𝑙. 𝐾

1.6. Destilador 2
Inicialmente, calcularemos a entalpia:
Entrada:
𝐻8 = −1480,17𝐽/𝑚𝑜𝑙

Saída:
Superior:
𝐻9 = 1344,91

Inferior:
𝐻11 = 𝐻10 = 17933,20 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Logo,
∆𝐻 = (𝐻11 + 𝐻9 ) − 𝐻8

∆𝐻 = (1344,91 + 17933,20) − (−1480,17)

∆𝐻 =20758,28J/mol

Cálculo da entropia:
Entrada:
𝑆8 = 80,8275𝐽/𝑚𝑜𝑙. 𝐾

Saída:
Superior:
𝑆9 = 4,03 × 10−3 J/mol.K

Inferior:
𝑆11 = 𝑆10 = 101,94 𝐽/mol.K

Logo,
∆𝑆 = (𝑆11 + 𝑆9 ) − 𝑆8
∆𝑆 = (101,94 + 4,03 × 10−3 ) − 80,8275
∆𝑆 =21,12J/mol.K

14
1.7. Condensador 2

Para iniciar os cálculos no equipamento deve-se fazer um estudo da composição que


o atravessa, assim como os seus respectivos estados físicos. A corrente que entra no
segundo condensador (corrente 9) baseia-se em uma mistura gasosa de metanol e
acetona, e a que sai (corrente 10), uma corrente líquida da mesma mistura.

Corrente 9 Corrente 10
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 327,15 327,15
P (bar) 10 10

Observação: Como temos a pressão à 10 bar, deve-se levar em consideração os


valores residuais das correntes.

Inicialmente, calcularemos a entalpia.


-Corrente 10:
𝑇
𝐻𝑙𝑖𝑞 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫𝑇 𝑐𝑜𝑟 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + 𝐻1𝑟
𝑠𝑎𝑡
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 0 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + 𝐻1𝑟
𝑇𝑠𝑎𝑡
Logo, precisamos calcular a entalpia residual. Para isto, segue a equação a ser
utilizada:
𝐻𝑅 0
𝑑𝐵 0 1
𝑑𝐵1
= 𝑃𝑟 . [𝐵 − 𝑇𝑟 + 𝜔 (𝐵 − 𝑇𝑟 )]
𝑅𝑇𝐶 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟
Dados:
Metanol Acetona
R 8.314 8.314
𝑇𝐶𝑜𝑟 (K) 327,15 327,15
𝑇𝐶 (K) 513,2 508,1
𝑇𝑟 (K) 0,637 0,307
𝑃𝑟 (bar) 0,12 0,21
0
𝐵 -0,785 -0,772
𝐵1 -1,00 -0,960
0
𝑑𝐵 2,180 2,127
𝑑𝑇𝑟
𝑑𝐵1 7,533 7,175
𝑑𝑇𝑟
𝜔 0,56 0,30
𝐶𝑝𝑙 9,798R 124,5

Após os cálculos, segue as entalpias residuais encontradas:


Metanol: 𝐻 𝑅 = −2858,26 𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻 𝑅 = −2075,15 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Assim, calcula-se a entalpia da corrente 1:


Metanol: 𝐻𝑙𝑖𝑞 = 685,29 /𝑚𝑜𝑙
15
Acetona: 𝐻𝑙𝑖𝑞 = 3358,02 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:

𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑀 𝑥𝑀 + 𝐻𝑙𝑖𝑞,𝐴 𝑥𝐴
𝐻1 =
2
685,29 .0,25 + 3358,02.0,75
𝐻1 =
2
𝐻1 = 1344,91 𝐽/𝑚𝑜𝑙
-Corrente 10:
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑉 = ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 +𝐻1𝑟
𝑇𝑠𝑎𝑡
Inicialmente, deve-se calcular o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 . Para isto, utilizaremos as equações de Riedel
e Watson:
∆𝐻 1,092(𝑙𝑛𝑃𝑐 −1,013)
Riedel: 𝑅𝑇2 =
𝑛 0,930−𝑇 𝑟𝑛

∆𝐻 1−𝑇
Watson: ∆𝐻2 =(1−𝑇𝑟2 )0.38
1 𝑟1

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 327,15 327,15
𝑇𝑐 (K) 512,6 508,1
𝑃𝑐 (bar) 80,97 46,91
𝑇𝑛 (K) 337,9 329,35
𝑇𝑟𝑛 (K) 0,65 0,64
𝑇𝑟𝑠𝑎𝑡 (K) 0,55 0,64

Após os cálculos, encontra-se os seguintes valores para o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 :


Metanol: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 42420,61 𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 30095,23 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora torna-se possível o cálculo de 𝐻𝑣 :


Metanol: 𝐻𝑣 = 43105,91 𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻𝑣 = 33453,25 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada para encontrar a entalpia da corrente 10:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝑉𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑉𝑀 )
𝐻10 = = 17933,20 𝐽/𝑚𝑜𝑙
2
Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝐻:
∆𝐻 = 𝐻10 − 𝐻9
∆𝐻 = 17933,20 − 1344,91
∆𝐻 = 16588,29 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora calcularemos a entropia das correntes:


-Corrente 10
𝑇𝑣 𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑙 ∆𝐻𝑉 𝐶𝑝𝑉
𝑆10 = ∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑇 + 𝑆 𝑅
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑉 𝑇𝑣 𝑇
16
Logo, torna-se necessário, inicialmente, calcular a entropia residual do processo.
Para isso:
𝑆𝑅 𝑑𝐵 0 𝑑𝐵1
= −𝑃𝑟 . [ +𝜔( )]
𝑅 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟
Utilizando os valores anteriormente calculados, encontra-se:
Metanol: 𝑆 𝑅 = −6,57 J/mol.K
Acetona: 𝑆 𝑅 = −7,66 J/mol.K

Assim, calculamos 𝑆1 para cada um dos compostos:


Metanol: 𝑆10 = 170,78 J/mol.K
Acetona: 𝑆10 = 214,93 J/mol.K

Fazendo a média ponderada dos valores encontrados, calculamos a entropia que entra
na corrente:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴9 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀9 )
𝑆10 =
2
𝑆10 = 101,94 𝐽/mol.K

-Corrente 9:
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑉 𝑑𝑃
𝑆9 = ∫ 𝑑𝑇 + 𝑆 𝑅 − 𝑅 ∫
𝑇𝑟𝑒𝑓 𝑇 𝑃
Logo:
Metanol: 𝑆9 = −2,27 J/mol.K
Acetona: 𝑆9 = 0,76 J/mol.K

Fazendo a média ponderada dos valores encontrados, calculamos a entropia que deixa
a corrente:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀1 )
𝑆9 =
2
𝑆9 = 4,03 × 10−3 J/mol.K

Agora é possível calcularmos a variação de entropia:


∆𝑆 = 𝑆10 − 𝑆9
∆𝑆 = 101,94 J/mol.K

Como não há variação de volume no condensador, pode-se dizer que 𝑊 = 0. Assim, temos:
∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
∆𝐻 = 𝑄 + 0
∆𝐻 = 𝑄
𝑄 = 14587,11 𝐽/𝑚𝑜𝑙

1.8. Aquecedor 2
Para iniciar os cálculos no equipamento deve-se fazer um estudo da composição que
o atravessa, assim como os seus respectivos estados físicos. A corrente que entra no
segundo aquecedor (corrente 13) baseia-se em uma mistura líquida de metanol e
acetona, e a que sai (corrente 15), uma corrente de vapor da mesma mistura.

Corrente 13 Corrente 15
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 413,15 413,15
17
P (bar) 10 10

Observação: Como temos a pressão à 10 bar, deve-se levar em consideração os


valores residuais das correntes.

Inicialmente, calcularemos a entalpia.


-Corrente 13:
𝑇
𝐻𝑙𝑖𝑞 = ∆𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑠 + ∫𝑇 𝑐𝑜𝑟 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + 𝐻1𝑟
𝑠𝑎𝑡
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑙𝑖𝑞 = 0 + ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + 𝐻1𝑟
𝑇𝑠𝑎𝑡
Logo, precisamos calcular a entalpia residual. Para isto, segue a equação a ser
utilizada:
𝐻𝑅 𝑑𝐵 0 𝑑𝐵1
= 𝑃𝑟 . [𝐵 0 − 𝑇𝑟 + 𝜔 (𝐵1 − 𝑇𝑟 )]
𝑅𝑇𝐶 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟
Dados:
Metanol Acetona
R 8.314 8.314
𝑇𝐶𝑜𝑟 (K) 413,13 413,13
𝑇𝐶 (K) 512,6 508,1
𝑇𝑟 (K) 0,80 0,81
𝑃𝑟 (bar) 0,12 0,21
0
𝐵 -0,52 -0,50
𝐵1 -0,30 -0,27
0
𝑑𝐵 1,20 1,16
𝑑𝑇𝑟
𝑑𝐵1 2,30 2,15
𝑑𝑇𝑟
𝜔 0,56 0,30
𝐶𝑝𝑙 9,798R 124,5

Após os cálculos, segue as entalpias residuais encontradas:


Metanol: 𝐻 𝑅 = −1369,76𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻 𝑅 = −1816,38𝐽/𝑚𝑜𝑙

Assim, calcula-se a entalpia da corrente 13:


Metanol: 𝐻𝑙𝑖𝑞 = 9190,78𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻𝑙𝑖𝑞 = 8665,27𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada das correntes:

𝐻𝑙𝑖𝑞,𝑀 𝑥𝑀 + 𝐻𝑙𝑖𝑞,𝐴 𝑥𝐴
𝐻13 =
2
9190,78.0,25 + 8665,27.0,75
𝐻13 =
2
𝐻13 = 4398,32 𝐽/𝑚𝑜𝑙
-Corrente 15:
18
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐻𝑉 = ∫ 𝐶𝑝𝐿 . 𝑑𝑡 + ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 +𝐻1𝑟
𝑇𝑠𝑎𝑡
Inicialmente, deve-se calcular o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 . Para isto, utilizaremos as equações de Riedel
e Watson:
∆𝐻 1,092(𝑙𝑛𝑃𝑐 −1,013)
Riedel: 𝑅𝑇2 =
𝑛 0,930−𝑇 𝑟𝑛

∆𝐻 1−𝑇
Watson: ∆𝐻2 =(1−𝑇𝑟2 )0.38
1 𝑟1

Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 413,15 413,15
𝑇𝑐 (K) 512,6 508,1
𝑃𝑐 (bar) 80,97 46,91
𝑇𝑛 (K) 337,9 329,35
𝑇𝑟𝑛 (K) 0,65 0,64
𝑇𝑟𝑠𝑎𝑡 (K) 0,55 0,64

Após os cálculos, encontra-se os seguintes valores para o ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 :


Metanol: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 40736,93/𝑚𝑜𝑙
Acetona: ∆𝐻𝑣𝑎𝑝 (𝑇𝑐𝑜𝑟 ) = 29233,43 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora torna-se possível o cálculo de 𝐻𝑣 :


Metanol: 𝐻𝑣 = 49927,71𝐽/𝑚𝑜𝑙
Acetona: 𝐻𝑣 = 37898,70 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Fazendo a média ponderada para encontrar a entalpia da corrente 15:


(𝑋𝐴 . 𝐻𝑉𝐴 ) + (𝑋𝑀 . 𝐻𝑉𝑀 )
𝐻2 = = 18985,43𝐽/𝑚𝑜𝑙
2
Assim, torna-se possível o cálculo de ∆𝐻:
∆𝐻 = 𝐻2 − 𝐻1
∆𝐻 = 18985,43 − 4398,32
∆𝐻 = 14587,11 𝐽/𝑚𝑜𝑙

Agora calcularemos a entropia das correntes:


-Corrente 13
𝑇𝑣 𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑙 ∆𝐻𝑉 𝐶𝑝𝑉 𝑃2
𝑆1 = ∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑇 + 𝑆 𝑅 − 𝑅𝑙𝑛
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑉 𝑇𝑣 𝑇 𝑃1
Logo, torna-se necessário, inicialmente, calcular a entropia residual do processo.
Para isso:
𝑆𝑅 𝑑𝐵 0 𝑑𝐵1
= −𝑃𝑟 . [ +𝜔( )]
𝑅 𝑑𝑇𝑟 𝑑𝑇𝑟
Utilizando os valores anteriormente calculados, encontra-se:
Metanol: 𝑆 𝑅 = −2,46J/mol.K
Acetona: 𝑆 𝑅 = −3,17J/mol.K

Assim, calculamos 𝑆1 para cada um dos compostos:


19
Metanol: 𝑆1 = 161J/mol.K
Acetona: 𝑆1 = 160,1J/mol.K

Fazendo a média ponderada dos valores encontrados, calculamos a entropia que entra
na corrente:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀1 )
𝑆1 =
2
𝑆1 = 80,16J/mol.K

-Corrente 15
𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑉 𝑃2
𝑆2 = ∫ 𝑑𝑇 + 𝑆 𝑅 − 𝑅𝑙𝑛
𝑇𝑟𝑒𝑓 𝑇 𝑃1
Logo:
Metanol: 𝑆2 = −4,04J/mol.K
Acetona: 𝑆2 = −5,08/mol.K

Fazendo a média ponderada dos valores encontrados, calculamos a entropia que deixa
a corrente:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴2 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀2 )
𝑆2 =
2
𝑆2 = −2,53J/mol.K

Agora é possível calcularmos a variação de entropia:


∆𝑆 = 𝑆2 − 𝑆1
∆𝑆 = −82,6J/mol.K

Como não há variação de volume no aquecedor, pode-se dizer que 𝑊 = 0. Assim, temos:
∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
∆𝐻 = 𝑄 + 0
∆𝐻 = 𝑄
𝑄 = 14587,11𝐽/𝑚𝑜𝑙

1.9. Reciclo
Sabemos que a válvula é isentálpica, dessa forma H2=H1 e ∆H=0. Também sabemos que
W=0, sendo assim, iremos calcular a entropia:

-Corrente 11:
𝑆11 = 𝑆10 = 101,94 𝐽/mol.K

-Corrente 12:
Dados:
Metanol Acetona
𝑇𝑣 (Kelvin) 337,65 329,15
𝑇𝑓 (Kelvin) 175,55 178,15
∆𝐻𝑣𝑎𝑝 42420,61 30095,26
(𝐶𝑝)𝐿 9,798.R 124,5
(𝐶𝑝)𝑣 5,547.R 75
20
R 8,314 8,314
𝑇𝑐𝑜𝑟 (K) 327,15 327,15

𝑇𝑣 𝑇𝑐𝑜𝑟
𝐶𝑝𝑙 ∆𝐻𝑉 𝐶𝑝𝑉
𝑆=∫ 𝑑𝑇 + +∫ 𝑑𝑇
𝑇𝑓 𝑇 𝑇𝑉 𝑇𝑣 𝑇
Utilizando os valores anteriormente calculados, encontra-se:
Metanol: 𝑆12 = 177,45J/mol.K
Acetona: 𝑆12 = 167,4/mol.K

Fazendo a média ponderada dos valores encontrados, calculamos a entropia que entra
na corrente:
(𝑋𝐴 . 𝑆𝐴1 ) + (𝑋𝑀 . 𝑆𝑀1 )
𝑆12 = = 84,96𝐽/𝑚𝑜𝑙. 𝐾
2

Agora é possível calcularmos a variação de entropia:


∆𝑆11−12 = 𝑆12 − 𝑆11
∆𝑆11−12 = 101,94 − 84,96 = 16,98𝐽/mol.K

Como não há variação de volume, pode-se dizer que 𝑊 = 0. Assim, temos:


∆𝐻 = 𝑄 + 𝑊
0=𝑄+0
𝑄=0

2. Parte 2: Aplicação de Peng Robinson


Grupo 3: Questões 5 e 6

2.1. Questão 5
Uma turbina de vapor é desenhada para aceitar 4500 kg/h de vapor a 60 bar e 500C sendo a
exaustão a 10 bar. Assumindo que a turbina é reversível, calcule a temperatura da saída da
turbina e a potência gerada pela turbina.
RESOLUÇÃO:
𝑚̇= 4500 kg/h
60 bar
10 bar
500C

Turbina reversível e adiabática → isentrópica (S1=S2)


1ª Lei aplicada a sistemas abertos:
dU
= Q + W + ∑ṁH → Ẇ = ṁ∆H
dt

2ª Lei aplicada a sistemas abertos:


21
Estado Estacionário Adiabático

dS Q
= + ∑ṁS → ṁ∆S = 0 ® S1 = S2
dt T

Estado Estacionário Adiabático

W=?
W = H2 (T2, P2) – H1 (T1, P1)

NÃO TENHO

• Encontrar os valores de S1 e H1;


• Encontrar T2 através de chutes, comparando a valor de S2 com S1.
• Calcular H2 e W.
Água: A = 3,224E+1
Tc = 647,3 K B= 1,924E-3 Coeficientes Cp
Tabela Prausnitz
Pc = 221,2 bar C= 1,055E-5
ω = 0,344 D= -3,596E-9

Cálculo de S1 e H1:
T1= 500 C = 773,15 K S1 = 163,4981 J/mol.K
P1 = 60 bar H1 = 13741,0525 J/mol

22
Rodamos o programa várias vezes com diferentes valores de temperatura a 10 bar, até
que S2 = 163,4981 J/mol.K. Com isso encontramos T2 = 600,25 K = 327,1 C.
TEMPERATURA (K) ENTROPIA (J/mol.K)
500 149,773
600 163,472
601 163,581
600,2 163,492
600,23 163,496
600,25 163,498

Encontramos também o valor da entalpia final: H2 = 8474,4066 J/mol


Agora é possível calcular W:
kg 1000g 1mol
ṁ = 4500 ∙ ∙ = 250000 mol/h
h 1kg 18g

23
Ẇ = ṁ∆H

Ẇ = 250000 ∙ (8724,4066 − 13741,0525)

Ẇ = −1254161475J/h

𝐖̇ = −𝟑𝟒𝟖, 𝟑𝟖 𝐤𝐉/𝐬

2.2. Questão 6

Um cilindro isolado de 0,7 m3 com metano a 70 bar e 300 K é aberto até que a pressão
cai a 3,5 bar. Considere que não existe transferência de calor entre o gás e o cilindro.
Calcule a quantidade de gás que queda no cilindro e sua temperatura.

RESOLUÇÃO:

Não existe transferência de calor entre o gás e o cilindro → Sistema adiabático.

1ª Lei aplicada a sistemas abertos:


dU
= Q + ̇ H = 0 → ∆H = 0
W + ∑ṁH → m∆
dt
Estado Estacionário Adiabático Não há realização
de trabalho

• Encontrar o valore de H1;


• Encontrar T2 através de chutes, comparando a valor de H2 com H1.
• Calcular a quantidade de gás que fica no cilindro.

Metano: A = 1,9875E+1

Tc = 190,56 K B= 5,021E-3
Coeficientes Cp
Pc = 45,99 bar C= 1,268E-5 Tabela Sandler

ω = 0,011 D= -1,1004E-9

Cálculo de H1

T1= 500 C = 773,15 K


H1 = -1836,6 J/mol
P1 = 60 bar
24
25
Rodamos o programa várias vezes com diferentes valores de temperatura a 3,5 bar, até
que H2 = -1836,6 J/mol. Com isso encontramos T2 =266,986 K.

TEMPERATURA (K) ENTROPIA (J/mol.K)


300 -748,0
250 -2359,4
280 -1408,2
270 -1730,5
265 -1889,6
266 -1857,9
267 -1826,1
266,95 -1827,7
266,98 -1826,8
266,986 -1826,6

Utilizando a equação de Van der Waals é possível calcular a quantidade de gás presente
no cilindro nas condições:

Metano: a= 0,2283 e b= 4,278E-5 n2 a


(P + ) (V − nb) = nRT → 𝐧 = 𝟏𝟏𝟎, 𝟓 𝐦𝐨𝐥𝐬
V2
P= 3,5 bar = 350000 Pa

T= 266,986 K

V = 0,7 m³

R = 8.3144621 J/(mol*K)

26

Você também pode gostar