Você está na página 1de 22

Índice

03 INTRODUÇÃO

04 ENTENDA O CONCEITO DE VISCOSIDADE

08 OS ASPECTOS DO AMBIENTE INDUSTRIAL QUE INFLUENCIAM NA VISCOSIDADE

13 CLASSIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTES: ENTENDA AS NORMAS ISO E SAE

18 CONCLUSÃO

19 SOBRE O PORTAL

21 SOBRE A PETRONAS
Introdução
Muita coisa aconteceu no mercado de lubrificantes de uns anos
para cá. Com mais tecnologia no maquinário, os insumos utilizados
na indústria também precisaram se atualizar. Entretanto, uma coisa
continua igual: a importância do grau de viscosidade para a escolha
do fluido correto e a eficiência da lubrificação.

A oportunidade de negócio pode ser excelente e o pacote de aditivos


de ponta. Porém, se a viscosidade não for adequada às orientações
do fabricante, corre-se o risco de perder muito investimento e, pior:
performance e vida útil dos equipamentos.

Ao mesmo tempo em que a viscosidade é o ponto central das


especificações de um lubrificante, compreendê-la nem sempre é
fácil. Isso porque diferentes unidades de medida e certificações são
utilizadas para determinar esse fator.

Neste material, iremos esclarecer esse assunto, mostrando os


principais pontos a respeito da viscosidade dos lubrificantes e as
tabelas mais utilizadas na indústria.

Boa leitura!
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS ENTENDA O CONCEITO DE VISCOSIDADE

A definição não é complexa: viscosidade nada mais é que a resistência No ambiente industrial, isso pode ser visto nas engrenagens abertas,
ao escoamento de um fluido em determinada temperatura. como as correias transportadoras. Elas necessitam de um fluido que
Academicamente, é definida como a propriedade reológica dos suporte as altas cargas, mantendo sua viscosidade e filme protetor
líquidos, sendo reologia o estudo da deformação ou do fluxo desses intacto. Ou seja, é imprescindível que não escorram. Já aqueles
quando submetidos à certa força. mais liquefeitos, são essenciais para motores e outros sistemas
que exigem a circulação do óleo por todos os componentes - vale
Em um exemplo simples, imagine dois copos cheios, um com água lembrar que os lubrificantes também são responsáveis pela limpeza
e outro com lubrificante. Ao virá-los, o conteúdo do primeiro irá e resfriamento dos equipamentos.
escorrer muito mais rápido, certo? Isso porque o óleo é mais viscoso
e, portanto, resiste mais ao escoamento. Bom, mas na hipótese acima, não consideramos algo que é
determinante quando falamos na viscosidade dos lubrificantes
industriais: a temperatura de operação. Isso porque todos os fluidos
lubrificantes terão sua viscosidade diminuída quando aquecidos. É
por isso que você encontra no rótulo dos produtos automotivos a
viscosidade acompanhada de dois números, separados por um W
(15W40, por exemplo). A primeira medida refere-se à viscosidade
a frio, já a segunda, à viscosidade do fluido sob a temperatura
operacional dos sistemas.

5 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS ENTENDA O CONCEITO DE VISCOSIDADE

A partir dessa variação para cada temperatura,


temos o conceito de Índice de Viscosidade
(IV). Quanto maior o IV de um óleo, menos
sua viscosidade irá variar com a temperatura
(menos inclinada será a reta), e isso é desejável, Partida
do ponto de vista de engenharia. a frio

Regime
de trabalho

Viscosidade
Temperatura

6 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS ENTENDA O CONCEITO DE VISCOSIDADE

A viscosidade
pode ser expressa O Poise se baseia na tensão de cisalhamento (em dinas/cm²)
necessária para mover uma camada de fluido através de outra, a uma

de duas formas: espessura total de 1cm à velocidade de 1cm/s. Essa viscosidade é


independente da densidade do fluido e está diretamente relacionada

dinâmica ou à resistência do escoamento.

cinemática. Viscosidade =
Estresse do cisalhamento
Taxa de cisalhamento
=
dinas/cm²
s
= 1 Poise

A dinâmica, também chamada de absoluta,


Já a viscosidade cinemática, é medida em centistoke e se refere
é dada em termos da força requerida para
à viscosidade dinâmica dividida pela densidade do fluido. Um
mover uma unidade de área a uma unidade
centistoke (cSt) é igual a 0,01 stoke (St) e é equivalente a 1mm²/s em
de distância. Quanto maior a viscosidade
unidades SI.
dinâmica, menor a velocidade com que o
fluido se movimenta. A viscosidade dinâmica
Neste capítulo, você pôde entender o que é a viscosidade e como a
é normalmente expressa em centipoise (cP),
temperatura é importante para a sua definição. A seguir, conhecerá
que é equivalente a 0,1 Pa.s (N.s/m²) ou 1
outros critérios do ambiente industrial que impactam na escolha da
mPa.s.
viscosidade ideal do óleo.

7 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS OS ASPECTOS DO AMBIENTE INDUSTRIAL QUE INFLUENCIAM NA VISCOSIDADE

Antes de mais nada, precisamos esclarecer que as especificações a


respeito do lubrificante correto a ser utilizado devem ser encontradas
no manual do fabricante do equipamento. Afinal, ninguém melhor
que o desenvolvedor para apontar o que, de fato, o equipamento
precisa. Portanto, deve-se sempre consultar o manual para evitar
escolhas erradas que causarão dano ao equipamento. A causa mais
comum de falhas relacionadas à lubrificação é a determinação
incorreta do óleo.

Os lubrificantes interagem diretamente com outros fatores


operacionais. Logo, eles servem de base para determinar qual o óleo
e viscosidade mais adequados. Considere, sempre, estes 4 pontos ao
realizar a sua compra.

9 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS OS ASPECTOS DO AMBIENTE INDUSTRIAL QUE INFLUENCIAM NA VISCOSIDADE

Custos dos insumos industriais Temperatura


Um fluido exposto a altas cargas, como no caso das correias Como explicamos anteriormente, a temperatura tem impacto direto
transportadoras citadas anteriormente, precisa resistir à pressão na viscosidade do ativo. Em lugares frios, é preciso um óleo menos
exercida de forma que não rompa o filme lubrificante. Já o viscoso para que seja possível a circulação pelo sistema. Entretanto,
utilizado no alto forno da siderurgia, por exemplo, deve suportar o não é apenas a temperatura ambiente que deve ser considerada, mas
funcionamento ininterrupto do ativo, além das altas temperaturas. também a de operação, uma vez que ela sobe consideravelmente
Dessa forma, o tipo de serviço que o lubrificante estará exposto deve durante o funcionamento.
ser analisado com cuidado em busca da melhor performance.

10 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS OS ASPECTOS DO AMBIENTE INDUSTRIAL QUE INFLUENCIAM NA VISCOSIDADE

Ambiente Aplicação / Uso


A localização do equipamento também merece destaque na hora Neste tópico, temos um exemplo bastante comum a respeito de como
de determinar um bom lubrificante. No agronegócio, por exemplo, a a indicação de uso deve ser levada a sério. No setor da siderurgia,
constante poeira a que as máquinas são expostas pode elevar o risco as turbinas do alto forno, claro, têm determinadas especificações
de contaminação do óleo. Na siderurgia, as altas temperaturas, fator e necessidades de lubrificação. Entretanto, não raro, profissionais
determinante para a degradação do fluido, exigem insumos mais de manutenção aplicam óleos hidráulicos nesses componentes.
robustos, capazes de suportar o calor sem perder as propriedades. Mesmo não causando nenhum dano a curto prazo, com o passar
Ambientes com umidade elevada, também, merecem atenção do tempo, os efeitos da lubrificação insuficiente podem ocasionar
especial. graves problemas, levando, até mesmo, ao colapso do equipamento.

Existe uma série de classificações que diferenciam o lubrificante


quanto ao uso. Para óleo automotivo, a viscosidade é definida pela
SAE (Society of Automotive Engineer), enquanto para os de uso
industrial, quem normatiza esse critério é o ISO.

11 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS OS ASPECTOS DO AMBIENTE INDUSTRIAL QUE INFLUENCIAM NA VISCOSIDADE

Para diminuir a variação da viscosidade por conta da temperatura,


o pacote de aditivos de alguns lubrificantes conta com os
Modificadores do Índice de Viscosidade, que atua aumentando o

Modificador de
Índice de Viscosidade do fluido.

Tecnicamente, o Modificador de Viscosidade é formado por


Viscosidade: saiba o polímeros orgânicos solúveis em óleo que se expandem quando
aquecidos e aumentam a densidade do óleo. Em temperaturas
que faz esse aditivo baixas, esse polímeros se contraem, diminuindo a viscosidade. Dessa
forma, estendem a faixa de temperatura na qual um lubrificante
pode operar mantendo a sua performance. Isso não significa que a
viscosidade não irá variar, mas ela irá variar menos. Na prática, tem-
se uma reta menos inclinada, como na figura do capítulo 1.

12 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS CLASSIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTES: ENTENDA AS NORMAS ISO E SAE

Ao classificar um lubrificante, muitas unidades podem ser


utilizadas. No caso da temperatura, é comum a utilização
da unidades Fahrenheit e Celsius (°F e°C), e a viscosidade é,
comumente, medida em duas temperaturas diferentes: 40 °C
(104 °F) e 100 °C (212 °F).

Por conta de todas essas variáveis e detalhes, várias


organizações decidiram criar uma forma de caracterizar os
óleos, de modo que exista uma maneira uniforme e simples
de se comunicar

14 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS CLASSIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTES: ENTENDA AS NORMAS ISO E SAE

SAE
A classificação da Society of Automotive Engineer (SAE) é voltada para os
lubrificantes automotivos. Então, ao se deparar com uma especificação
do tipo SAE 25W50, por exemplo, você deve ler da seguinte forma: o
número anterior ao W, nesse caso o 25, corresponde ao desempenho
do óleo a frio, medido em temperaturas muito baixas que vão de -10°C
até -40°C. Enquanto isso, o segundo número diz respeito à viscosidade
medida a 100 ºC, temperatura média do lubrificante com o motor em
funcionamento.

Ou seja, esses lubrificantes possuem dois comportamentos diferentes


dependendo da temperatura e são conhecidos como multiviscosos.
Ainda, usando o exemplo acima, esse lubrificante se comporta como
um SAE 25W sob baixas temperaturas e como um óleo grau SAE 50
quando exposto a temperaturas elevadas. Um lubrificante apenas SAE
25W ou apenas SAE 50 é conhecido como monoviscosos.

15 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS CLASSIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTES: ENTENDA AS NORMAS ISO E SAE

ISO
A classificação ISO está em desenvolvimento desde 1975. Foi nesse
ano que a International Standards Organization (ISO), junto à American
Society for Testing and Materials (ASTM), à Society of Tribologists and
Lubrication Engineers (STLE), ao British Standards Institute (BSI) e ao
Deutsches Institute for Normung (DIN), estabeleceu uma abordagem
para facilitar a identificação de viscosidade em lubrificantes industriais.
É conhecido como Grau de Viscosidade da Organização de Padrões
Internacionais, abreviadamente ISO VG.

A versão mais recente, ISO 3448, contém 20 gradientes. Isso cobre


quase todos os tipos de aplicação que o profissional de manutenção
pode esperar encontrar. A comunidade de manufatura de lubrificantes
aceitou os gradientes ISO recomendados e dedicou esforços para se
adequar à nova abordagem de classificação com produtos novos e
antigos.

16 SPONSORED BY
GUIA DA VISCOSIDADE EM LUBRIFICANTES INDUSTRIAIS CLASSIFICAÇÃO DE LUBRIFICANTES: ENTENDA AS NORMAS ISO E SAE

Um estudo de temperaturas possíveis indicou que


40 ºC (104 ºF) era adequado para a classificação de
lubrificante industrial. Essa classificação de viscosidade
ISO é, consequentemente, baseada na viscosidade
cinemática a 40 ºC (104 ºF).

Cada grau de viscosidade é designado pelo número


inteiro mais próximo de sua viscosidade cinemática
de ponto médio em mm2 / s a 40ºC (104ºF), e uma
faixa de +/- 10% desse valor é permitida. Os graus de
viscosidade com os limites apropriados para cada um
estão listados na tabela que você confere a seguir.

17 SPONSORED BY
Conclusão
Neste material, você encontrou um apanhado geral de tudo aquilo
que envolve a propriedade mais importante de um lubrificante, seja
ele automotivo ou industrial: a viscosidade. Mesmo que o manual do
fabricante indique as faixas de temperatura que devam ser atendidas
pelo insumo, conhecer os detalhes e os aspectos que influenciam
nessa característica é essencial para qualquer profissional de
manutenção.

A viscosidade está ligada diretamente à performance do equipamento.


Caso não esteja adequada às recomendações, pode levar desde
ao desgaste mais severo dos componentes até a completa falha
do equipamento. Destaca-se que as consequências da utilização
inadequada do lubrificante são observados a longo prazo, o que
pode dar uma falsa sensação de que está tudo bem em um primeiro
momento.
Sobre o Portal
O portal Inovação Industrial é uma iniciativa da PETRONAS.

A PETRONAS tem orgulho de ser a parceira institucional do portal


Inovação Industrial e o suporte técnico para seus conteúdos. Como
uma das maiores petroleiras do mundo, a PETRONAS está presente
em todos os cinco continentes, com um foco no mercado brasileiro
para comercialização da maior linha de lubrificantes, graxas e demais
fluidos automotivos e industriais.

Por décadas atuando no mercado industrial brasileiro A PETRONAS


acredita que é um dever social retribuir todos os benefícios que a
indústria no Brasil propiciou e continua ofertando à companhia.
Como uma das empresas de lubrificante que mais acredita e investe
no mercado B2B brasileiro, a PETRONAS quer oferecer conteúdo de
qualidade para contribuir com a inovação industrial do país.
O Inovação Industrial foi criado com o objetivo de ser um canal
para fomento do setor industrial brasileiro, por meio de informação
técnica e conhecimento relevante. Sua missão é tornar-se uma das
principais plataformas para geração de valor para o setor produtivo
brasileiro e para os profissionais do mercado, dando suporte ao
cotidiano industrial.

Isso faz do Inovação Industrial um espaço de troca, aberto para


empresas que se interessem pelo projeto e pelo conteúdo. Queremos
unir esforços, abrir diálogos e virar referência em informação para
indústria e ciência voltada para esse segmento.

Entendemos que é nossa responsabilidade pesquisar e divulgar o


melhor sobre o setor para a sociedade que nos acolhe.

Agradecemos por fazer parte da nossa história!

SPONSORED BY
Sobre a PETRONAS
Fundada em 2008, a PETRONAS Lubricants International fabrica
e comercializa uma linha completa de lubrificantes automotivos e
industriais de alta qualidade em mais de 100 mercados ao redor do
mundo.

Com sede em Kuala Lumpur, a PLI tem mais de 30 escritórios de


marketing em 28 países, todos eles gerenciados por meio de núcleos
regionais em Kuala Lumpur, Pequim, Torino, Belo Horizonte, Chicago
e Durban.

A PETRONAS Lubricants International é o recurso técnico por trás


da Parceria Técnica da PETRONAS com a equipe de Fórmula 1
MERCEDES-AMG PETRONAS, sendo responsável pela concepção,
desenvolvimento e entrega do Fluid Technology Solutions™, com
lubrificantes, combustíveis e fluidos de transmissão customizados,
para maximizar a performance das Silver Arrows.

Atualmente classificada entre as 10 maiores empresas do ramo,


a PLI está impulsionando seu crescimento de negócios de forma
agressiva, garantindo sua posição como uma empresa global líder
em lubrificantes.
SPONSORED BY

www.inovacaoindustrial.com.br

Você também pode gostar