Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI

ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

GABRIEL FRANCISCO DE SOUZA VASCONCELOS


LISIANE MIRELLI K. J. PAULA
MELISSA MARQUES DE SOUSA
NATANAEL SOUZA ARAGÃO DA SILVA
WERALCHIS VINICIUS COSTA SEGUNDO

PROPAGAÇÃO DE CALOR
RELATÓRIO DO EXPERIMENTO 207 – FENÔMENOS ONDULATÓRIOS

OURO BRANCO
2022
1. INTRODUÇÃO

No momento em que dois sistemas com temperaturas distintas são


aproximados, ocorre uma transferência de energia do sistema de maior temperatura
para o de menos temperatura, até que os dois sistemas alcancem a mesma temperatura,
ou seja, eles atingem o equilíbrio térmico. Essa energia em movimento é chamada de
calor.
A propagação de calor pode ocorrer de três formas: condução, convecção e
radiação. Condução é a transferência de calor através de um fluido ou sólido
estacionário. Já a convecção, ocorre entre uma superfície e um fluido em movimento.
Por último, a radiação, ocorre através de ondas eletromagnéticas sem um meio
interposto participante.
Nesse trabalho iremos apresentar experimentos e discussões sobre as três
formas de propagação de calor.

2. OBJETIVOS
O objetivo do experimento é observar as três formas de propagação de calor
(condução, radiação e convecção) em diferentes corpos.

3. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3. 1. Parte I: Condução

O procedimento foi realizado utilizando:

 Três barras de metais diferentes (ferro, latão e cobre) com 0,27 m;


 Uma haste vertical, para suporte das barras;
 Vela;
 Cronômetro;
 Fósforos;
 Três pedaços de cortiça (M1, M2 e M3) com a mesma massa.

Utilizando a vela acesa, foi aplicado cera derretida ao longo da primeira barra
escolhida, a composta de ferro, em três locais diferentes. Então, colou-se os três pedaços de
cortiça nesses locais. A barra foi fixada em uma haste vertical a uma altura h . A vela foi
posicionada abaixo da extremidade direita da barra ( x=0 ). Com um cronômetro, foi marcado
o tempo que cada pedaço de cortiça levou para cair.
O procedimento foi repetido duas vezes, com a barra de latão e a barra de cobre,
respectivamente.
3. 2. Parte II: Convecção

O procedimento foi realizado utilizando:

 Ventoinha de metal;
 Vela;
 Fósforos;
 Haste de suporte;
 Cronômetro;

A ventoinha foi fixada, através da haste de suporte, à uma altura de 0,15 m. Uma vela,
de 0,13 m, foi colocada diretamente abaixo da ventoinha e então acendida. Um cronômetro,
foi utilizado para mensurar o tempo que se levou para o calor transmitido através da
convecção, pelo ar quente, fazer com que a ventoinha se movimentasse.

3. 3. Parte III: Radiação

O procedimento foi realizado utilizando:

 Tripé com manipulo;


 Lamparina;
 Dois termômetros -10°C a 110°C;
 Dois corpos de prova (preto e branco);
 Lâmpada;
 Soquete de lâmpada com manipulo;

Foi montado um sistema onde a lamparina foi suspendida no tripé, apontando para
baixo. Foi medida então a temperatura ambiente, e consequentemente a inicial dos corpos, de
25°C. Os dois corpos foram posicionados abaixo da lâmpada, cada um com um termômetro
inserido na abertura.
Durante 12 minutos, a temperatura dos corpos foi anotada em 6 intervalos de 2
minutos. Passado esse tempo, a lamparina foi desligada e o resfriamento dos corpos foi
observado e medido nos mesmos intervalos.

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

4. 1. Parte I: Condução

Tabela 1: Dados obtidos na Parte I do experimento.


Material Altura da Altura Tempo da Tempo da Tempo da
barra inicial da cortiça M1 cortiça M2 cortiça M2
vela ( x=8 cm ¿ ( x=15 cm ¿ ( x=23 cm ¿
Ferro 0,15 m 0,13 m 37 s 120 s 334 s
Cobre 0,13 m 0,115 m 33 s 92 s 206 s
Latão 0,13 m 0,1 m 71 s 209 s +900 s
Fonte: Dados obtidos pelos alunos.

O experimento, demonstra além de um exemplo de como a condutividade térmica


ocorre, como alguns materiais possuem uma capacidade de isolamento térmico maior do que
outros. Se compararmos as suas condutividades, veremos que o cobre possui uma maior
condutividade, seguido do ferro e do latão, respectivamente.

4. 2. Parte II: Convecção

Tabela 2: Dados obtidos na Parte II do experimento.


Posição da ventoinha em Altura inicial da vela Tempo levado para a
relação ao chão ventoinha girar
0,15 m 0,13 m 44 s
Fonte: Dados obtidos pelos alunos.

4. 3. Parte III: Radiação

Tabela 3: Dados obtidos na Parte III do experimento.


Intervalo de Aquecimento (°C) Resfriamento(°C)
tempo (min) Preto Branco Preto Branco
2 26 26 28 27
4 26 26 28 26
6 27 26 27 26
8 28 27 26,5 26
10 29 27 26 25
12 29 27 26 25
Fonte: Dados obtidos pelos alunos.

Durante o aquecimento e resfriamento foi possível observar que ambos os corpos


sofreram alterações de temperatura já no começo. Entretanto, o corpo preto atingiu maiores
temperaturas e resfriou mais lentamente que o corpo branco. Isso ocorreu, devido ao fato de
que cores mais claras, por causa da reflexão, possuem baixa absorvência de calor. Já cores
escuras possuem menor reflexão e consequentemente maior absorção.

5. CONCLUSÃO

Durante o experimento foi possível observar claramente os três fenômenos de


propagação de calor. Durante a Parte I, foi possível ver como o fenômeno de convecção de
calor entre a vela e ar, provocou o movimento das correntes de ar quente, que tendem a subir,
e das correntes de ar frio que tendem a descer, provocando assim o giro da ventoinha. A parte
II, mostrou a capacidade de condução de calor de metais, e a diferença entre eles, de forma
sucinta. Por último, a Parte III exemplificou de forma simples como a radiação funciona,
podendo fazer conexões com situações cotidianas como a influência das cores em como o
calor é absorvido.

6. BIBLIOGRAFIA

Roteiro fornecido pelo professor.

INCROPERA, F.; DEWITT, D. Fundamentos de Transferência de Calor e Massa. 8. ed.


[S. l.]: LTC, 2019.

Você também pode gostar