Você está na página 1de 3

Quem tem medo da arte contemporânea ?

Curso de Fernando Cocchiarale

Conteúdo

Para o senso comum a arte difere essencialmente da funcionalidade dos demais


produtos humanos, já que desempenha um papel exclusivo e especial: o de nos
proporcionar a contemplação estética. Desse ponto de vista, obras de arte possuiriam
uma função oposta àquela dos demais objetos concebidos e produzidos para atender
às necessidades práticas e utilitárias demandadas pelo cotidiano.

Ainda hoje vigente tal concepção foi elaborada há relativamente pouco tempo,
entre a Renascença e a segunda metade do século XVIII. Sua perenidade sustenta-se
equivocadamente na aplicação (isto é, na universalização) dos discursos iluministas a
respeito da arte (fundados na separação inédita entre arte e artesanato – ofício -,
separação essencial para o livre exercício da contemplação estética e à noção de
autonomia da arte) a todas as outras culturas passadas e presentes.

A nova função da arte integra o conjunto formado pelos demais discursos laico-
seculares produzidos para a operacionalização da sociedade burguesa e do
capitalismo, graças ao contexto histórico único e excepcional em que foram
formulados. Consequentemente as novas ideias sobre a arte estão em estreita
consonância com outros discursos produzidos na mesma época como o da liberdade
de expressão e religião (cidadania), democracia republicana, os direitos individuais, as
ciências sociais e humanas, etc.

Desde então, um enorme contingente de pessoas não consegue conceber a


arte como um fenômeno cujo âmbito e função devem ser remetidos e relativizados em
função dos contextos sócio-históricos e culturais O senso comum naturalizou,
portanto, o conceito iluminista de arte (século XVIII) expandindo-o suas questões
particulares permanentes dessa atividade, (aplicáveis a todas as culturas), tanto na
esfera da produção (competência artesanal) e em seus resultados (obra, beleza,
etc.), como em sua função social (a contemplação estética). Por conseguinte, um
enorme contingente de pessoas ainda hoje resiste em conceber a arte como algo cujo
âmbito e função não são permanentes.

Desse ponto de vista noções equivocadas (como as – de validade eterna, estilo,


criatividade e gênio , etc. - mencionadas por Walter Benjamin no clássico “ A obra de
Arte na era de sua reprodutibilidade técnica”) funcionam como obstáculos para a
aceitação da produção moderna e, sobretudo, da produção contemporânea (cuja
função não é mais estritamente “estética”). Por tais razões qualquer curso introdutório
às questões teóricas e práticas da produção artística de nossos dias deve ter como
objetivo principal a problematização e a desconstrução de ideias que nos levam a
supor a “naturalização” da arte.

1Plano de aulas e metodologia

Curso de quatro aulas, com duas horas cada (uma aula por semana, horários
propostos: terças ou quintas de 10:30 às 12:30 da manhã)
1ª aula – Exame dos conceitos de arte surgidos no Ocidente: a Techné / Ars greco-
romana; surgimento das teorias da arte no século XVIII, valor de culto x valor de
exposição (W. Benjamin); a invenção da arte (Larry Shiner) , o fim da arte (Arthur
Danto) e o fim da história da Arte (Hans Belting).

2ª aula ? Exame das transformações da produção artística do ponto de vista das


conquistas artísticas e questões formuladas pelos artistas: mostrar como se dá a
passagem de arte de imagens destinadas aos fiéis para uma arte produtora de obras
destinadas a um público contemplador. Das paredes de templos e palácios para o
quadro exposto ao observador (Surgimento da noção de indivíduo - a Revolução
Francesa de 1789 - e dos estilos individuais, separação entre arte e artesanato no
século XVIII); autonomia da arte, encomenda X mercado.

3ª aula – Emergência da Arte Moderna (da segunda metade do século XIX à primeira
metade do século XX) ; a ruptura com o ilusionismo iniciado na Renascença (séculos
XV e XVI); a planaridade objetiva do quadro; a concepção de arte como linguagem:
abstracionismo, concretismo, e demais poéticas não-figurativas

4ª aula – Depois da Segunda Guerra Mundial (1939- 1945): crise do arcabouço do


mundo burguês criado no século XVIII pelo Iluminismo. A guerra fria, a invenção do
jovem; crise da autonomia da arte: novas propostas de relação entre arte e vida. A
emergência das questões contemporâneas: Interface, contaminação e
transbordamento da produção artística em direção à ética e a política. O outro cultural.
Conclusão.

O curso combinará a exposição de conteúdo expositivo e a apresentação de imagens


de obras do período abordado.

Referências Bibliográficas

ARGAN, Giulio Carlo. El arte moderno. 1770-1970.Valencia: Fernando Torre Editor,

1984. Vols. I e II.

BELTING, Hans. O fim da história da arte: uma revisão dez anos depois. São Paulo:

Cosac Naify, 2006.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica: arte política/ensaios sobre literatura e história

da cultura. Obras escolhidas.São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. vol. I.

CAUQUELIN, Anne. Teorias da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COCCHIARALE, Fernando. Quem tem medo da Arte Contemporânea? Fundação

Joaquim Nabuco/Editora Massangana: Recife, 2006.

DANTO, Arthur C. Após o fim da arte: a arte contemporânea e os limites da História.

São Paulo: Edusp/Odysseus Editora, 2006.

FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília (Orgs.). Clement Greenberg e o debate crítico.

Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1996.


FOSTER, Hal. Recodificação: Arte, Espetáculo, Política Cultural. São Paulo: Casa

Editorial Paulista, 1996.

GOMBRICH, E. H. A História da Arte.Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985.

COTRIM, Cecília FERREIRA, Glória; (Orgs.). Clement Greenberg e o debate crítico.


Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 1996.

GUASH, Anna Maria. Los Manifiestos del Arte Posmoderno. Textos de exposicones,

1980-1995. Madri: Ediciones Akal, 2000.

HUYSSEN, Andreas, Culturas do passado- presente, modernismos, artes visuais,


políticas da memória. Rio de Janeiro, Mar- Museu de Arte do Rio / ontraponto,2014

JAMESON, Frederic; ŽIŽEK, Slavoj. Estudios Culturales. Reflexiones sobre el

multiculturalismo.Buenos Aires, Barcelona, México: Paídós, 1998.

VALÉRY, Paul.Introdução ao método deLeonardo da Vinci. São Paulo: Editora 34,

1998.

Você também pode gostar