Você está na página 1de 7

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso

PJe - Processo Judicial Eletrônico

11/07/2022

Número: 1000976-51.2022.8.11.0029
Classe: AÇÃO POPULAR
Órgão julgador: 2ª VARA DE CANARANA
Última distribuição : 06/06/2022
Valor da causa: R$ 9.500,00
Assuntos: Anulação
Segredo de justiça? NÃO
Justiça gratuita? NÃO
Pedido de liminar ou antecipação de tutela? NÃO
Partes Procurador/Terceiro vinculado
RAFAEL COSTA ROCHA (AUTOR(A)) RAFAEL COSTA ROCHA (ADVOGADO(A))
PREFEITO MUNICIPAL DE CANARANA (REU)
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
(CUSTOS LEGIS)
CRIATIVE MUSIC LTDA (TERCEIRO INTERESSADO)
Documentos
Id. Data da Documento Tipo
Assinatura
88878 04/07/2022 13:58 Decisão Decisão
839
ESTADO DE MATO GROSSO
PODER JUDICIÁRIO
2ª VARA DE CANARANA

DECISÃO

Processo: 1000976-51.2022.8.11.0029.

AUTOR(A): RAFAEL COSTA ROCHA

REU: PREFEITO MUNICIPAL DE CANARANA

Vistos.

1. Trata-se de Ação Popular com pedido de liminar, proposta pelo


cidadão Rafael Costa Rocha, em face de Fábio Marcos Pereira de Faria, Prefeito
Municipal de Canarana/MT, objetivando que seja determinada a suspensão do contrato
firmado com a empresa Criative Music Ltda.

O autor popular alega que o Município de Canarana/MT contratou, sem


processo licitatório, o cantor e compositor gospel, Anderson Freire, para uma
apresentação a ser realizada no dia do Evangélico (20/08/2022), mediante o pagamento
da importância de R$ 950.000,00 (novecentos e cinquenta mil reais).

Assevera que o valor a ser pago por um único show é desproporcional à


população de Canarana (22 mil habitantes), ainda mais em momento de crise sanitária,

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 1
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683
em que o sr. Prefeito decretou situação de emergência, pelo prazo de 60 dias (a partir de
20/5/2022), em decorrência do altos índices de doenças contagiosas, em especial a
dengue, zika e arboviroses (Decreto nº 3.300/2022).

Dado o interesse público discutido na lide, o Ministério Público fez a sua


intervenção como fiscal da ordem jurídica, manifestando-se pela concessão da tutela
antecipada requerida.

2. Fundamento e decido.

A pretensão autoral, em sede de tutela antecipada de urgência, consiste


em determinar a SUSPENSÃO do contrato firmado entre o Município de CANARANA e a
empresa CREATIVE, visando a promoção do show gospel do canto Anderson Freire,
previsto para o dia 20/08/2022, em comemoração ao dia do evangélico.

O deferimento de medida liminar em ação popular pressupõe a


plausibilidade do direito alegado e o risco associado à demora no julgamento do pedido, a
teor do §4º, do art. 5º, da Lei nº 4.717/65: “na defesa do patrimônio público caberá a
suspensão liminar do ato lesivo impugnado”.

Em síntese, para o deferimento de medida liminar são exigidos os


mesmos requisitos previstos no art. 300 do CPC, que consiste na demonstração da
probabilidade do direito (fumus boni iuris), risco ao resultado útil do processo ou perigo de
dano (periculum in mora) e a reversibilidade dos efeitos da decisão.

Tais requisitos devem ser examinados nos autos considerando-se a


profundidade de cognição típica deste momento processual, com acuidade, uma vez que
mitiga a regra do contraditório prévio e acaba por entregar, de forma antecipada, os
efeitos da tutela jurisdicional pleiteada.

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 2
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683
Num juízo de cognição sumária, infere-se que estão presentes os
pressupostos processuais indispensáveis ao deferimento da tutela antecipatória.

No caso, os documentos que instruem a inicial, demonstram que o


Município de Canarana/MT contratou, sem prévia licitação, a empresa Creative Music
Ltda., para a promoção de show com o cantor gospel Anderson Freire, em razão da
comemoração do dia do evangélico, celebrado todo 3º sábado do mês de agosto, em
território do Município (art. 1º, da Lei Municipal 705/2005).

Em análise perfunctória, dessume-se incompatibilidade do gasto


pretendido pelo Município com as prioridades orçamentárias locais, principalmente no que
toca aos direitos fundamentais de segunda geração, no caso, o direito à saúde.

Como destacado pelo Ministério Público e pelo autor na petição inicial,


no dia 20/06/2022, o Gestor Público declarou situação de emergência municipal para
arboviroses, em virtude do aumento de casos de dengue e zika, conforme as disposições
do Decreto Municipal nº 3.300:

Art. 1º Fica declarada Situação de Emergência Municipal para Arboviroses


nas áreas do território do Município de Canarana-MT, como consta nos
indicadores epidemiológicos semanais relativos aos casos de dengue e zika.

Art. 2° Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, com vigência de
60 (sessenta) dias, podendo ser prorrogado por igual período.

Para justificar a edição do referido decreto, o gestor público destacou o


aumento exponencial de casos de dengue e zika, bem como a insuficiência das ações
desenvolvidas pelas equipes de saúde. Segundo o subscritor do decreto, “as doenças
transmitidas pelo Aedes aegypti é de grande importância epidemiológica e causam
severos transtornos à população afetando consideravelmente nossa capacidade de
resposta, no que tange a promoção em saúde” e, em arremate, enfatizou que “as
epidemias de dengue determinam uma importante carga aos serviços de saúde e à
economia do município, implicando em agravamentos a saúde de idosos, crianças e

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 3
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683
pacientes imunodeprimidos, possibilitando um aumento das formas graves e o risco de
aumento de óbitos e da letalidade”.

Observa-se que o decreto municipal de emergência foi editado dia


20/5/2022 e que o termo de ratificação de inexigibilidade de licitação nº 008/2022 (Id
86880059), que versa sobre o contrato do show em questão, foi publicado no Jornal
Oficial Eletrônico dos Municípios no dia 2/6/2022, então, em situação de emergência já
decretada, a qual exige a destinação dos recursos públicos à preservação da saúde.

Como pontuado pelo Parquet, embora a definição da destinação dos


recursos públicos seja do Prefeito, com a anuência da Câmara Municipal, em certas
circunstâncias, destacadamente nos casos de despesas não essenciais de grande vulto, o
dispêndio poderá ser questionado no Poder Judiciário, especialmente em caso de
preterição dos serviços públicos essenciais.

Não se está a desestimular a importância de investimentos no setor


cultural, todavia, havendo colisão entre direitos fundamentais deve prevalecer o direito
constitucional à saúde dos cidadãos, mormente porque o show contratado, como
consignado pela Presentante ministerial, vai de encontro à laicidade estatal e à garantia
da liberdade religiosa, porque o evento tem por escopo comemorar o dia do evangélico,
em detrimento das demais religiões e crenças.

O pressuposto do perigo de dano ou o risco ao resultado útil do


processo (periculum in mora) encontra-se no risco de ineficácia do provimento
jurisdicional tardio. Ou seja, no caso em tela, caso não seja concedida antecipação da
tutela, o evento poderá ser realizado com dispêndio injustificado do erário em prejuízo a
serviços públicos emergenciais.

Nesse sentido, considerando que a questão de políticas públicas que


visem melhorias para a população é prioritária e que é dever do gestor público observar
os princípios constitucionais que regem a administração pública, com destaque à
economicidade e razoabilidade, evitando gastos desproporcionais e assegurando o

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 4
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683
equilíbrio das contas públicas, a tutela pleiteada deve ser deferida.

Desse modo, resta demonstrada a plausibilidade das alegações


deduzidas na inicial, aptas a autorizar a concessão da liminar requestada.

3. Diante do exposto, com fundamento nos artigos 297 e 300, ambos do


Código de Processo Civil, em consonância com o parecer do Ministério Público,
CONCEDO a tutela provisória de urgência, para determinar a SUSPENSÃO do
pagamento do contrato administrativo firmado com a empresa CRIATIVE MUSIC LTDA,
referente ao show religioso gospel do cantor Anderson Freire na festa em comemoração
ao dia do evangélico, até que sejam apresentados nos autos elementos capazes de
elucidar os fatos e embasar decisão de forma diversa.

Por corolário, DEFIRO o requerimento do Ministério Público para


determinar a INTIMAÇÃO do Município de Canarana, para, nos termos do art. 6º, § 4º; art.
7º, § 1º; art. 9º; art.16; art. 19, § 2º, da Lei nº 4.717/65 (LAP) e art. 396, art. 438, II, do
CPC, juntar aos autos os seguintes documentos: (i) requerimento (memorando interno)
encaminhado ao (a) Presidente da Comissão Permanente de Licitação requerendo
autorização para a contratação de show artístico; (ii) justificativa apresentada pela
Comissão Permanente de Licitação para a contratação na modalidade inexigibilidade (art.
25, III, da Lei nº 8.666/93); (iii) dotação orçamentária; (iv) formação de preços (pesquisa
de preços) e orçamentos apresentados; (v) documentos, incluindo documentos de
habilitação, proposta pelos participantes que foram habilitados; (vi) minuta do contrato
administrativo; (vii) parecer jurídico; (viii) autorização do gestor para a contratação; (ix)
publicação do edital de inexigibilidade de licitação; (x) termo de ratificação de
inexigibilidade de licitação; (xi) termo de renúncia ao direito de recorrer da decisão da
comissão de licitação; (xii) atos de adjudicação; (xiii) contrato administrativo devidamente
assinado pelo Município e empresa contratada; (xiv) comprovante pagamento realizado
em favor da empresa Criative Music Ltda, inscrita no CNPJ nº 08.648.622/0001-32 ou
declaração de que não o fez.

Intime-se/Cite-se o requerido quanto o teor da presente decisão, bem


como para contestar o feito, no prazo legal, sob pena dos efeitos da revelia.

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 5
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683
Com a manifestação do Município requerido ou o decurso do prazo,
ABRA-SE VISTA dos autos para manifestação do autor popular, empós ao Ministério
Público.

Intimem-se.

Cumpra-se. COM URGÊNCIA.

Canarana/MT, data da assinatura eletrônica.

Angela Maria Janczeski Góes

Juíza de Direito

Assinado eletronicamente por: ANGELA MARIA JANCZESKI GOES - 04/07/2022 13:58:44 Num. 88878839 - Pág. 6
https://pje.tjmt.jus.br:443/pje/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=22070413584320600000086227683

Você também pode gostar