Você está na página 1de 32

MODELO DE ANÁLISE DE TEORIA:

WALKER E AVANT
Fabiana Rodrigues
Gabriela Lisieux
Keylla Fernandes

João Pessoa
2016
Introdução
1- O que são teorias?
Explicação sistemática de um evento em que os componentes e os conceitos são
identificados, os relacionamentos são propostos e as previsões são feitas (Young, Taylor
e Renperming, 2001).

Expressa uma ideia sobre determinado fenômeno;

Pode explicar como o fenômeno ocorre;

Identifica os componentes e os conceitos


Introdução
2 – Importância da análise de teoria

◦ Reconhece a utilidade de uma teoria para o campo prática, de

investigação e de ensino

◦ Identifica os pontos fracos e fortes de uma teoria

◦ Evidenciar lacunas e sugerir novos insights e formulações


Introdução
3 – Método de análise de teoria
◦ Método desenvolvido em 1983 por Lorraine O. Walker e

Kay C. Avant

◦ Enfermeiras, PhD e docentes da Escola de Enfermagem

da Universidade do Texas

◦ Especialistas em Filosofia da Educação, Teorias de


Enfermagem e Saúde Materno-Infantil
Origem

Testabilidade Significado

Análise
da
teoria
Adequação
Generalização
lógica

Utilidade

Walker , L.O.; Avant K.C, 2005


Introdução
4 – Teoria do domínio

◦ Desenvolvida por Janet B. Younger (1991) – Enfermeira PhD

◦ É uma teoria psicossocial de médio alcance

◦ Explica os mecanismos através dos quais o sofrimento afeta o sentido de

um indivíduo no meio em que vive e nas relações com os outros


Procedimentos para Análise da Teoria

1- Origens da Teoria

Determina o que motivou o desenvolvimento da teoria

Identificando as principais
1.1 Ler Cuidadosamente a teoria; ideias e conceitos

Dedutivamente ou
1.2 Descobrir como a teoria foi desenvolvida; Indutivamente

Importantes para a
1.3 Identificar os pressupostos da teoria interpretação
Procedimentos para Análise da Teoria
Exemplo
◦ Origens

Younger desenvolveu a teoria do domínio em um esforço para explicar como indivíduos que
sofrem de doença ou outras condições de saúde estressantes e entram em um estado de
estresse podem surgir, não desmoralizado e vulnerável, mas saudável e possivelmente mais
fortes.
Além disso, ela afirma que um segundo propósito era explicar a base teórica para o novo
instrumento que ela está desenvolvendo. A teoria parece ser uma síntese dedutiva com base em
várias obras filosóficas e empíricas de outros autores, mas não é explícita sobre se é um sistema
dedutivo.
Procedimentos para Análise da Teoria
2- Significado da Teoria

Examina a adequação de sentido e lógica


Refere-se a semântica da teoria

2.1 2.2 2.3 2.4


Identificar Examinar as Identificar Examinar
Conceitos definições e usos Declarações Relações
Procedimentos para Análise da Teoria
2- Significado da Teoria

2.1 Identificar Conceitos: 2.3 Identificar declarações


relacionais:
- Ideias principais da teoria;
- Determinar a origem do conceito - Identificação das formas que os
(primitivo, concreto, abstrato); conceitos se relacionam entre si

2.2 Examinar Definições e Usos: 2.4 Examinar relações:

- Definição Teórica; - Determinar que tipos de


- Definição Operacional; relacionamentos são especificados,
- Definição Descritiva; quais os seus limites e
- Nenhuma Definição; demonstrações
Procedimentos para Análise da Teoria
◦ Exemplo
◦ Significado

1) Os principais conceitos identificados por Younger, além de domínio foram: certeza, mudança,
aceitação, e crescimento. Além dos cinco conceitos principais, Younger menciona vários
conceitos relacionados. Estes são enfrentamento, adaptação, eficácia, resiliência, resistência
e controle. Em cada um, ela tenta identificar como conceitos relacionados são diferentes de
domínio.

Outros conceitos fazem parte das discussões sobre antecedentes e consequentes do domínio e
incluem: qualidade de vida, laços de ligação com os outros, stress, auto-cura, auto cuidadado,
hipervigilância, repetição compulsiva, alteração no sono, medo, passividade e alienação.
Procedimentos para Análise da Teoria
2) Definições e Usos:

Os principais conceitos - certeza, mudança, aceitação, crescimento, e domínio - todos são


cuidadosamente definidos. Com efeito, verifica-se a partir da discussão que todos os cinco
foram submetidos a análise de conceito.

Como resultado, estes cinco conceitos têm excelentes definições descritivas e teóricas que são
usadas de forma consistente em toda parte.

Não há definições operacionais.


Procedimentos para Análise da Teoria
3) As declarações relacionais:
Cada conceito da teoria é descrito como um processo que deve ser concluído antes que o
domínio possa ser alcançado. Abaixo estão as declarações que Younger faz explicitamente sobre
as relações entre os conceitos:

a) Uma dose crítica de certeza é necessária para a mudança e aceitação


b) Mudança e aceitação são necessários para que o crescimento ocorra
c) Mudança, aceitação e crescimento são feedback para aumentar a certeza
d) Mudança é suficiente para o crescimento
e) Mudança e aceitação são dinamicamente inter-relacionados.
f) Aceitação qualificada é suficiente para o crescimento.
g) Stress inicia o processo de domínio
h) Domínio afeta a qualidade de vida e bem-estar.
Procedimentos para Análise da Teoria
4) Exame das declarações:

◦ Cada uma das declarações indica uma relação positiva. Os limites são moderadamente largos.
A teoria é abstrata, mas está suficientemente delimitada para uma teoria de médio alcance.

◦ As declarações são todas feitas ao fim do artigo e não são utilizadas novamente. Portanto,
nenhum julgamento pode ser feito sobre o grau em que o autor utiliza de forma consistente. É
necessário analisar trabalhos posteriores para fazer esse julgamento.

◦ Não há suporte empírico para qualquer uma das declarações. No entanto, existe algum
embasamento filosófico e histórico dado como justificativas para elas.
Procedimentos para Análise da Teoria
3- Adequação Lógica da Teoria

As previsões podem ser feitas independente do conteúdo da teoria?

Os cientistas da disciplina em que a teoria foi desenvolvida concordam com essas


previsões?

O conteúdo da teoria faz sentido?

Há falácias lógicas óbvias?


Procedimentos para Análise da Teoria
3- Adequação Lógica da Teoria

Os conceitos devem ser A teoria deve fornecer


rotulados, possibilitando a insights ou entendimento
construção de diagrama
3.1 Previsões do fenômeno
independentes 3.3 Sentido
do conteúdo

3.2 Acordo
3.4 Falácias
entre os
A teoria deve ser Lógicas Deve demonstrar onde a
suficientemente precisa
cientistas teoria indutiva ou dedutiva
em sua representação se torna importante
Procedimentos para Análise da Teoria
◦ Exemplo
◦ Adequação Lógica
É possível fazer previsões independente do conteúdo. A matriz mostrada na figura demonstra
as previsões explícitas e implícitas.

Certeza (CT)
Estresse (S)
Mudança (CG)
Qualidade de vida (QOL)
Aceitação (A)
Bem-estar (W)
Crescimento (G)
Procedimentos para Análise da Teoria

1. As declarações não especificadas estão implícitas na teoria. Algumas das relações


implícitas são subsidiadas por outras pesquisas de campo, mas não são indicados no artigo
de Younger.

2. A teoria é relativamente nova e portanto o acordo de cientistas é provável mas não


confirmado pelo uso da teoria no trabalho de outros até agora. Contudo, parece razoável
que tal acordo é possível uma vez que a teoria é passível do teste.

3. A teoria tem sentido, uma vez que é construída em várias tradições filosóficas e científicas
sólidas. Ela é atraente em sua simplicidade. No entanto, é redundante de outras teorias
semelhantes.

4. Não há falácias lógicas, embora haja alguma relação lógica que não são especificadas e
só se contêm na teoria.
Procedimentos para Análise da Teoria

4- Utilidade

Fornece novos
1) Quantas pesquisas a teoria tem
insights
gerado (Reynold, 1971)?
Explica de forma 2) Para qual problema clínico a teoria é
melhor ou relevante (Barnum,200)?
diferente 3) A teoria tem o potencial para
L
ÚT I

influenciar a prática de enfermagem,


o ensino, a administração ou a
RIA

Melhores
previsões pesquisa (Meleis, 1990)?
T EO
Procedimentos para Análise da Teoria
4- Utilidade

• Gerar um número
Assunto do domínio científico
significativo de
estudos de pesquisa.
• Lançar luz sobre um fenómeno ou fornecer
informações que permitam o esclarecimento,
• Relevante, para um
novas previsões, ou o esforço de domínio onde
cenário de prática
não existia clínica.

• Capaz de influenciar,
Assunto que não é de domínio a prática de
científico enfermagem, ensino,
administração, ou a
• Diferença significativa nesse campo da ciência pesquisa.
Procedimentos para Análise da Teoria
◦ Exemplo

Utilidade

A teoria tem o potencial para ser útil. Ainda que seja um pouco semelhante a outras teorias de
enfrentamento e auto-eficácia, é especificamente focada em ameaças à saúde como um
estressor primário. Por esta razão, pode ser muito útil para profissionais e pesquisadores em
enfermagem
Procedimentos para Análise da Teoria
5- Generalização e transferibilidade
Quanto amplamente a teoria pode ser utilizada para explicar e prever fenômenos

Âmbito dos conceitos e objetivos


Exames dos limites
Quanto mais limitados, menos geral

Avaliação • Habilidade crítica de investigação

pesquisa que • Evidência sólida, válida, derivada


ampara de várias populações, reprodutível
Procedimentos para Análise da Teoria
5- Generalização e Transferibilidade
Afirmações de valor duradouro que não dependem do contexto (Lincoln e Guba, 1985)

Generalização Generalização “Se existe uma verdadeira


Nomotética Naturalista generalização é a de que
não pode haver
• Postura • Intuitiva generalizações” (Lincoln e
Racionalista • Ideográfica Guba, 1985)
• Caráter de lei • Abordagem
• Paradigma empírica,
positivista baseada em
experiência
direta TRANSFERIBILIDADE
(descrição densa)
Procedimentos para Análise da Teoria
5- Generalização e Transferibilidade
Procedimentos para Análise da Teoria
◦ Exemplo

Generalização e transferibilidade

A teoria tem limites relativamente amplos, mas até agora não foi testada ou verificada através da
pesquisa. Certamente seria aplicável a qualquer pessoa experimentando estresse, especialmente o
stress relacionado com a saúde. Seu potencial de poder explicativo é excelente
Procedimentos para Análise da Teoria
5- Parcimônia
Elegante em sua simplicidade, embora possa ser ampla em seu conteúdo

Ø Teoria da relatividade de Einstein, E = MC²

Ø Explica um fenómeno complexo de forma simples e breve, sem sacrificar o conteúdo, estrutura
ou plenitude da teoria

Ø O analista deve examinar:

Declarações Várias
Formulações
relacionais declarações
claras e Modelo útil
precisas e não reduzidas a
breves
sobrepostas uma geral
Procedimentos para Análise da Teoria
◦ Exemplo

Parcimônia

A teoria é relativamente nova e, portanto, é provavelmente também parcimoniosa. Parece que há


uma evolução natural, uma progressão de novas teorias, de tal forma que muitas vezes começam
pequenas e parcimoniosas, crescem substancialmente durante as fases de justificação, e, em
seguida, são reduzidas para modelos menores e mais parcimoniosos ao longo do tempo. Esta teoria é
ainda muito nova. Pode sofrer alterações e revisões substanciais antes de ser considerada
desenvolvida adequadamente.
Procedimentos para Análise da Teoria
6- Testabilidade

Gera Testadas
Teoria Hipóteses Pesquisa

Gera

Apoiar ou modificar
Evidências

Ø Teoria que pela sua natureza não é testável no conjunto pode produzir hipóteses analisáveis
e declarações relacionadas que dão suporte
Procedimentos para Análise da Teoria

◦ Exemplo

Testabilidade

Considerando instrumentos apropriados, confiáveis, e válidos para medir os conceitos nesta


teoria como são definidos, a teoria é testável. Os conceitos são muito cuidadosamente definidos,
portanto, quaisquer instrumentos para testá-los devem ser examinados cuidadosamente para ter
certeza de que refletem os atributos que definem cada um dos conceitos.
Procedimentos para Análise da Teoria

ü Insights sobre
declarações entre
conceitos e suas
ligações;
Vantagens

ü Ver pontos positivos


e negativos; ü Examina

Limitações
ü Fortalece a teoria; somente partes;
ü Acrescenta ao ü Não gera novas
corpo do informações;
conhecimento ü Requer
avaliação crítica
das evidênicas
Referências
◦ LINCOLN, Y.S.; GUBA, E.Q. Naturalistic Inquirity. Berverly Hills, Calif: Sage Publications, 1985

◦ MORGAN, D. L. Paradigms lost and pragmatism regained: methodological implications of


combining qualitative and quantitative methods. Journal of Mixed Methods Research, vol.1, pp.
48-76, 2007.

◦ WALKER, L.O., AVANT, K.C Strategies for theory construction in nursing. 4 th ed. New Jersey (USA):
Prentice Hall, 2005.

Você também pode gostar