Você está na página 1de 5

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL


POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
DEPARTAMENTO GERAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

CURSO DE FORMAÇÃO DE PRAÇAS

MODALIDADE: Presencial
Disciplina: Atendimento Pré-Hospitalar CARGA HORÁRIA: 60h/a
VERIFICAÇÃO: 1ª VC + VF

EMENTA

Unidade I / SAPH - Considerações Gerais e atuação do Socorrista: Sistema de Atendimento Pré-


Hospitalar (APH); Atribuições e Responsabilidade do Socorrista; Princípios de Biossegurança;

Unidade II / Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia; Biomecânica e Cenários de Trauma;

Unidade III /Suporte Básico de Vida (SBV): Cadeia de Sobrevivência, Avaliação Primária, Parada
Cardiorrespiratória (PCR), Reanimação Cardiopulmonar (RCP), Obstrução de Vias Aéreas Por Corpos
Estranhos (OVACE);

Unidade IV / Manejo de Crise de Saúde Mental (Agitação, Violência, Autoagressão e Risco de Suicídio);

Unidade V / Metodologia e Fases do Atendimento Pré-Hospitalar Tático (APHT) Parte I: Cuidados Sob
Fogo (Zona Quente)

Unidade VI / Metodologia e Fases do Atendimento Pré-Hospitalar Tático (APHT) Parte II: - Cuidados Em
Campo Tático: (Zona Morna) e Cuidados De Evacuação Tática (Zona Fria).

Unidade VII / Prática de Resgate Tático ao PM Ferido. Técnicas de Arrasto.

OBJETIVO GERAL

Dominar conhecimentos e habilidades em medicina pré-hospitalar, para fins de atuação no atendimento a


vítimas em ambiente operacional, bem como ao atendimento de suporte básico de vida em ocorrências
clínicas de emergência (com risco à vida).

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:


 Compreender o funcionamento do sistema de APH e sua
rede de atuação e desdobramento;
Unidade I / SAPH - Considerações  Diferenciar os elementos pertencentes à cadeia de APH,
Gerais e atuação do Socorrista: quanto à sua especificidade e atuação;
Sistema de Atendimento Pré-  Compreender as atribuições do socorrista em geral e do
01
Hospitalar (APH); Atribuições e Policial Militar em situações de APH normal e em situações de
Responsabilidade do Socorrista; alto risco;
Princípios de Biossegurança;  Aplicar os princípios de biossegurança básicos ao socorrista.
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL
POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
DEPARTAMENTO GERAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:


a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( X ) Misto ( )
b) Instrumento: Imagens, Vídeos e Textos
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, pesquisa dirigida, trabalho em grupo
d) Recursos: Sala de instrução, equipamento multimídia.
e) Carga Horária: 04 h/a (04h/a – 60h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:


 Compreender a anatomia e a fisiologia básicos aplicada ao
atendimento pré-hospitalar;
Unidade II / Noções Básicas de  Reconhecer o mecanismo das lesões traumáticas contusas e
02 Anatomia e Fisiologia; perfurantes mais comuns associadas à atividade Policial;
Biomecânica e Cenários de Trauma;  Identificar nos cenários de ocorrência os riscos à atuação do
socorrista e a biomecânica do trauma.

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:

a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( X ) Misto ( )


b) Instrumento: Imagens, Vídeos e Textos
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, pesquisa dirigida, trabalho em grupo
d) Recursos: Sala de instrução, equipamento multimídia.
e) Carga Horária: 04 h/a (08h/a – 60h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:


 Especificar a sequência de ações da cadeia de
sobrevivência;
 Executar a avaliação primária do paciente com situação
Unidade III /Suporte Básico de crítica clínica;
Vida (SBV): Cadeia de  Identificar pacientes em Parada Cardiorrespiratória (PCR);
Sobrevivência, Avaliação Primária,  Demonstrar proficiência na sequência de manobras de
Parada Cardiorrespiratória (PCR), Reanimação Cardiopulmonar (RCP).
03  Executar de modo eficaz a massagem cardíaca externa;
Reanimação Cardiopulmonar (RCP),
Obstrução de Vias Aéreas Por  Operar o Desfibrilador Externo Automático (DEA) de forma
Corpos Estranhos (OVACE); segura e eficaz;
 Identificar a Obstrução de Vias Aéreas por Corpos Estranhos
(OVACE);
 Realizar a desobstrução de vias aéreas.

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:


a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( ) Misto ( X )
b) Instrumento: Vídeos, Imagens, Textos, Simuladores, Equipamentos diversos
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, Painel Integrado, trabalho em grupo, simulação
d) Recursos: Sala de instrução, equipamento multimídia, manequim para reanimação cardiopulmonar ou
simulador improvisado, desfibrilador externo automático, ventilador manual.
e) Carga Horária: 10h/a (18/a – 60h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:

Unidade IV / Manejo de Crise de


 Identificar pacientes em crise de saúde mental;
04 Saúde Mental (Agitação, Violência,
 Saber quando e como abordar pacientes agitados e violentos;
Autoagressão e Risco de Suicídio);
 Identificar e conduzir pacientes com risco de suicídio e
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL
POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
DEPARTAMENTO GERAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

autoagressão em ação de rede de atendimento.

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:

a) Processo Individual ( ) Coletivo ( ) Misto ( X )


b) Instrumento: Textos, Vídeos, Imagens.
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, trabalho em grupo, simulação
d) Recursos: Sala de instrução, equipamento multimídia.
e) Carga Horária: 04h/a (22h/a – 60h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:


 Diferenciar o APH civil do APH tático.
 Conhecer metodologia e história (APH tático)
 Identificar as principais causas de óbito em operações
militares e policiais
 Identificar as fases do APH tático
Unidade V / Metodologia e Fases  Identificar os equipamentos mais utilizados em APHT.
do Atendimento Pré-Hospitalar  Identificar os cenários de cuidados sob fogo.
Tático (APHT) Parte I:  Reconhecer a superioridade de fogo como principal
05 manobra para evitar novo dano ao ferido ou novos
a) Cuidados Sob Fogo (Zona acidentados.
Quente)  Identificar locais abrigados para autodeslocamento ou
deslocamento do policial ferido.
 Identificar hemorragias massivas com risco de
exsanguinação.
 Aplicar torniquetes táticos em extremidades com
hemorragia.

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:


a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( ) Misto ( X )
b) Instrumento: Textos, Vídeos, Imagens, Equipamentos Diversos
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, Simulação, Resolução de problemas
d) Recursos: Sala de instrução, equipamento multimídia, kit de atendimento pré-hospitalar tático (torniquete
tático, cânula nasofaríngea, cânula orofaríngea, selo de tórax, bandagens compressivas, gaze de combate,
manta aluminizada, bolsa para APHT.
e) Carga Horária: 08h/a (30h/a – 60h/a)

VERIFICAÇÃO CORRENTE 08 h/a (38 h/a – 60 h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:


 Identificar os cenários para os cuidados em campo tático.
Unidade VI / Metodologia e Fases
 Realizar o exame primário usando o acrônimo MARCH.
do Atendimento Pré-Hospitalar
 Aplicar torniquetes táticos em hemorragias massivas de
Tático (APHT) Parte II –
extremidades;
06 a) Cuidados Em Campo Tático:
 Aplicar gaze de combate em feridas juncionais com método
(Zona Morna)
de preenchimento;
b) Cuidados De Evacuação Tática
(Zona Fria)  Aplicar bandagens especiais em ferimentos com hemorragias
 Realizar manobras de desobstrução de vias aéreas;
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL
POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
DEPARTAMENTO GERAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

 Indicar quando é necessário o uso de cânula nasofaríngea e


saber aplicá-la;
 Aplicar curativo do tipo “selo de tórax” em ferimento do tórax;
 Reavaliar a circulação, identificar o estado de choque e conter
hemorragias restantes;
 Prevenir a hipotermia.
 Reavaliação contínua do paciente para identificação de
alteração no quadro clínico;
 Revisar os procedimentos das fases de atendimento anterior.
 Planejar e executar o meio mais adequado de remoção do
paciente de acordo com a disponibilidade imediata.

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:

a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( ) Misto ( X )


b) Instrumento: Textos, Vídeos, Imagens, Equipamentos Diversos
c) Estratégias de ensino: Aula expositiva dialogada, Simulação, Resolução de problemas
d) Recursos: kit de atendimento pré-hospitalar tático (torniquete tático, cânula nasofaríngea, cânula
orofaríngea, selo de tórax (ou simulacro adesivo), bandagens compressivas (bandagem elástica com
compressa tipo bandagem israelense), gaze de metro (tipo gaze de combate), manta térmica aluminizada,
bolsa/bornal para APHT), colete de proteção balística, cinto de guarnição com coldre de perna.
e) Carga Horária: 10h/a (48h/a – 60h/a)

Nº Conteúdo Programático Ao término da aula o aluno deverá ser capaz de:

Unidade VII / Resgate Tático ao  Demonstrar as técnicas de APHT em cenários simulados de


PM Ferido. Técnicas de Arrasto. ocorrências policiais.
07
Orientação Teórica

Sugestão de avaliação ao fim da instrução:

a) Processo: Individual ( ) Coletivo ( ) Misto ( X )


b) Instrumento: Mapa de Procedimentos de APH
c) Estratégias de ensino: Aula Procedimental em duas etapas, com aplicação de técnicas e procedimentos
pelos alunos e de simulações de ocorrências policiais com vítimas em terreno hostil – Simulação – Resolução
de Problemas.
d) Recursos: Área ampla abrigada (gramado, pátio, quadra de esporte, etc.), abrigos e coberturas distribuídas
na área, óculos de proteção, kit de atendimento pré-hospitalar tático (torniquete tático, cânula nasofaríngea,
cânula orofaríngea, selo de tórax (ou simulacro adesivo), bandagens compressivas (bandagem elástica com
compressa tipo bandagem israelense), gaze de metro (tipo gaze de combate), manta térmica aluminizada,
bolsa/bornal para APHT), arma longa desmuniciada ou simulacro de arma longa, colete de proteção balística,
cinto de guarnição com coldre de perna.
e) Carga Horária: 04h/a (52 h/a – 60h/a)

VERIFICAÇÃO FINAL 08 h/a (60 h/a de 60 h/a)


GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL
POLÍCIA MILITAR DO PARÁ
DEPARTAMENTO GERAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Protocolos de


Intervenção para o SAMU 192 - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Brasília: Ministério da
Saúde, 2016. Disponível em
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_suporte_basico_vida.pdf Acesso em 20 JUN
2021.

2. AMERICAN HEART ASSOCIATION, SBV Suporte Básico de Vida: Manual do


Profissional, Integracolor, Texas, 2016.

3. NATIONAL ASSOCIATION OF EMERGENCY MEDICAL TECHNICIANS & AMERICAN


COLLEGE OF SURGEONSPrehospital Trauma Life Support (PHTLS) atendimento pré-hospitalar ao
traumatizado. 9ª. ed. Editora Elsevier.2020,

4. BRASIL, EXÉRCITO BRASILEIRO, COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES; EB70-MC-


10.343 - Manual de Campanha Atendimento Pré-Hospitalar (APH) Básico - 1ª Edição 2020.
Disponível em: https://bdex.eb.mil.br/jspui/bitstream/123456789/6446/3/EB70-MC-10.343.pdf.
Acesso em 20 JUN 2021
5. BRASIL. MINISTÉRIO DA DEFESA. Portaria Normativa nº 16, de 12 de abril de 2018. Aprova a
Diretriz de Atendimento Pré-Hospitalar Tático do Ministério da Defesa para regular a atuação das
classes profissionais, a capacitação, os procedimentos envolvidos e as situações previstas para a
atividade.Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 abr. 2018. Seção I, p.18-19. Disponível em <
http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/10823076/do1-2018-04-18-
portaria-normativa-n-16-md-de-12-de-abril-de-2018-10823072>. Acesso em: 20 JUN 2021.

Você também pode gostar