Você está na página 1de 26

O Livro de rostos de árvores, plantas e arbustos

Cofundadora do Projeto Astrea com profissionais das áreas de


medicina,
psicologia e artes visuais com quem iniciou a divulgação dos
estudos de morfologia vegetal e a influência de sua percepção
e conhecimento na saúde e bem-estar do ser humano.

Ela é a autora de "O livro de rostos de árvores, plantas e


arbustos", um documento com 100 fotografias reais de rostos
em árvores,
todas evidências de que a tradição de elfos, gnomos ou anões
no meio vegetal tem uma base verificável.
Sobre este trabalho, Rupert Sheldrake, biólogo, professor da
Universidade de Cambridge, autor de obras importantes como
"Uma nova ciência da vida", disse:
"Ele lança uma nova luz sobre a tradição do homem verde e
mostra que todos aqueles rostos no mundo vegetação não
são imaginativos, se não literais. Graças a este livro, você
pode assisti-los uma e outra vez."

Recebeu os parabéns de Sua Majestade a Rainha Sofia por


este trabalho surpreendente e divertido.

É reconhecido por milhares de visitantes das exposições e


participantes nas conferências de apresentação em vários
países.

Como orador nas Conferências Internacionais do IIIHS, tem


dado várias conferências e workshops em Montreal (Canadá),
como "The new frontier of Ecology", "Mystic Botany" ou "The
Spirit of the Apple Tree", entre outros.
Autor de várias peças como: "O Senhor do Tempo" onde a
existência do tempo à nossa medida é considerada
inseparável da vida das plantas no planeta.

"Esta gravidade está me matando", uma expressão da


perplexidade da Terra e do Sol pelos diferentes papéis que
desempenharam ao longo da história da humanidade.

"Depressão Ambiental" e outras peças curtas adaptadas para


serem encenadas em funções escolares, ao mesmo tempo
educativas, divertidas e provocativas sobre o papel de cada
um na questão ambiental.

"Oito chaves para encontrar sua alma na Natureza" "Histórias


e histórias para a Terra" e vários roteiros de rádio feitos e
transmitidos pelo Gabinete de Pesquisa em Comunicação da
Cadena Ser.

Criador do Método do Olhar Consciente. Um programa de


observação da natureza para o desenvolvimento ideal das
funções sensoriais e a integração de habilidades criativas em
uma unidade eficaz.

Fadas e Duendes
A garotinha das larvas
Era inverno no sul da Espanha quando tivemos um workshop
de Observação da Natureza.
As belas terras agrícolas se estendiam por 45 ha de terra e
eram cercadas por montanhas. Havia muitos carvalhos,
árvores frutíferas e arbustos nas colinas que se erguiam da
margem do rio.
Cenário de sonho de edifícios encantadores para comer,
trabalhar, dormir,... .O proprietário de fato sonhou como
construir cada casa e posteriormente foram trabalhadas com
arte e estilo requintados.
Toda a paisagem está apta a nutrir o despertar humano e
nutrir o processo.

Já era tarde quando chegamos, então não tivemos tempo de


conversar com ninguém do lugar ou passear. Portanto,
entramos diretamente em um estado de comunicação
consciente que duraria pelo menos os próximos dois dias.

No primeiro exercício, a mensagem veio imediata e direta:


caminhe para o leste, atravesse o rio para encontrar a
garotinha das larvas. É muito importante. Você é chamado
para encontrá-la.

Não havia dúvidas sobre o conteúdo, mas parecia simbólico;


"encontre a garotinha das larvas".
Imaginei as larvas de uma abelha, em seu hexágono,
esperando para serem despertadas e pairando sobre ela uma
bela e sutil adolescente etérica.

Continuei com exercícios para aumentar nossa capacidade


REM para revelar mais a realidade, a luz e a escuridão de
onde nasce a cor,....

E a mensagem veio novamente ao observar a próxima árvore.


Na verdade, percebi, era como um esforço coletivo para me
fazer perceber algo que eles queriam alcançar.
Parecia divertido; vamos brincar, eles estão me dizendo para
encontrar a garotinha das larvas.
Não tenho nenhum desejo ou necessidade de qualquer tipo
de encontrar uma mensagem em particular.
Gosto da simples contemplação das incríveis expressões das
plantas e da forma como as posso receber e pratico a
observação neutra há 18 anos. Portanto, a certeza é o
caminho, não a possibilidade.

Então, nossa terceira oportunidade de compartilhar e sinto


vontade de descrever a garotinha das larvas e a indicação
dada para encontrá-la.
A dona da fazenda está de pé ao meu lado e sinto seu choque
quando me pergunta o que sei sobre isso.

Minha resposta; - Sei o que vejo e o que me disseram.


Obviamente, há muito mais do que tenho consciência e mais
do que posso expressar em palavras.
Mensagens dadas por seres vivos e lindamente impressas na
percepção humana - há sempre uma sobrecarga na
capacidade expressiva ao usar palavras ou outros meios.

Bem, a senhora anfitriã disse: O lugar que você está falando é


a casa onde uma menina com paralisia cerebral viveu por
muitos anos.

-Sim, vamos lá, toda a terra está cedendo seu amor a ela
como resposta ao seu compartilhamento das forças do
coração.

-E realmente, estou falando sério, as árvores gritam "eu te


amo" e eu vejo o encontro mais luminoso de seres vivos
dançando com sua alma. Você sabe por que eles rendem
tanto?
A anfitriã disse: Na maioria das vezes ela ficava na cadeira
gritando, era a linguagem dela.

A garotinha das larvas havia se mudado para o Nordeste há


algum tempo. Ela e sua mãe, que fez o possível para tê-la na
natureza,
ficaram muito satisfeitas com o reconhecimento e a
mensagem de amor que receberam.
Através desta experiência percebi que a Observação da
Natureza é um processo de cura que resgata a comunicação
com os Espíritos da Natureza, e tem uma boa influência na
ampla esfera envolvente.

A garotinha das larvas está aproveitando muito bem seu


tempo na Terra e ajudando a todos nós a chegarmos a esse
ponto de cura.
A beleza nas imagens de sua dança com os Seres da Vida
banham as forças do seu coração e são um tesouro para a
terra da fazenda, e assim, também para mim.
Sem conhecer essa possibilidade, podemos ver apenas
perda, infortúnio e pena.

Fadas e Duendes
Minha vida com fadas
Lembro-me de como era incrível cada vez que minha mãe
passava por uma árvore frutífera.
Haveria uma enxurrada de luzes e cores, e o ar se encheria
de luminescência e celebração.
Eu estava então no meu berço – naquelas primeiras vezes eu
tinha consciência disso – e não conseguia abrir os olhos o
suficiente para absorver toda a cena.
Lembro-me de meus olhos brilhando nos raios de luz que
brilhavam em ressonância, e meus braços e pernas dançando
ao redor.

Sim, eu digo 'eu me lembro', na verdade é uma evocação


espontânea. Não precisamos armazenar essas imagens, nem
digitar um alfinete para recuperá-las de um chamado 'banco
de memória'.
O passado está presente e vivo em nosso mundo interior
quando nos referimos aos encontros com a própria Vida.
Não é simbólico, é real: está presente e vivo. Somente
memórias vivas podem levá-lo a conhecer a Vida. Somente
encontros cheios de verdade podem redefinir a memória da
vida.

Uma vez que você tenha experimentado algo assim, não


importa as dificuldades que você possa enfrentar; você
sempre tentará encontrá-lo novamente.
Assim como o surfista que viajou pelo tubo de uma onda
enrolada vai viajar o mundo inteiro buscando vivenciar aquela
maravilha novamente, nunca deixei de buscar aquele brilho.

Você pode estar se perguntando se, enquanto eu era uma


menina, nós em nossa casa conversamos sobre isso. A
resposta é, não, não fizemos.
Minha família vem da área celta da Espanha, Galiza, então
não havia problema em ouvir: "Cuidado hoje eu sonhei com
um rio sujo", mas não para falar sobre "eles".

Quando jovem, às vezes eu acordava de manhã cedo e saía


da cama para procurar minha mãe. Descia as escadas em
direção à porta de vidro que dava para o jardim.
Ela voltava da caminhada e dizia: "deixe-me entrar, fiquei
muito tempo no jardim sem tomar café da manhã. Vejo luzes
coloridas novamente".
Então eu aprendi em uma idade jovem que quando vemos
luzes coloridas devemos comer, e então elas desaparecem.

Acredito que durante nossas vidas aprendemos muito mais do


que as palavras podem nos ensinar. Aprendemos a
movimentar ou ocultar a energia, aprendemos a desconfiar de
tudo, ou a confiar.
Aprendemos a nos relacionar com o mundo vivo dentro de nós
e ao nosso redor, com mais ou menos consciência disso. Para
mim, é muito difícil conviver com pessoas que não sabem
cuidar de sua energia e de seus humores.
É como viver em uma imundície suja, deixando cair pedaços
de gordura e comida que pode estragar. É imundo.

Mas saber cuidar de nosso próprio nível energético e vida da


alma não é suficiente; Preciso muito compartilhar com
pessoas que estão ativamente engajadas na evolução.
Cada um de nós é um artista, criando nosso próprio caminho.
E a verdade é que possibilidades estagnadas apenas exalam
um cheiro desagradável.
Cada minuto de nossas vidas merece um esforço primoroso
para promover o melhor de nossos talentos e capacidades.

Nesse humor requintado de estar em construção, irradiamos o


melhor de nossas capacidades, e esse é o estado mais
desejável para mim e para os outros.
É preciso ser humilde porque 'isso' não é uma fase completa
do ser.
Deve-se estar alegremente engajado nesse processo de
'tentar terminar, mas por enquanto é o suficiente',
sabendo que aquele que ousa trabalhar em um plano em
movimento (Raquel, não sei se você quer dizer 'planejar' ou '
plain') tem que ser muito inteligente.

De vez em quando vejo flashes de luz especiais vindos das


pessoas com quem convivo e compartilho meus momentos
mais calorosos.
O resíduo de que tem um sabor doce. Esses flashes são
indicativos de quem se atreve a trabalhar em um plano em
movimento.
Amo, com grande paixão, esses 'inacabados' e corajosos. Às
vezes, esses flashes coincidem com os meus, e há uma
celebração da luz.
Outras vezes, elas ocorrem quando eu mal tenho um brilho
próprio, e gosto de me concentrar nessa impressão brilhante
da outra pessoa.

As palavras são muitas vezes vazias de significado porque


perdemos nossa experiência senciente delas. Ou porque
cortamos as imagens pulsantes originalmente pertencentes a
eles.
Não é possível usarmos o engano quando nos relacionamos
com essas imagens pulsantes.
Muito provavelmente, esta é a razão pela qual somos
estupidamente benevolentes com o jogo de simplesmente
jogar palavras, sem uma batida
(Raquel, não tenho certeza do que você quer dizer com
'batida' - como em 'ritmo'?). É responsabilidade de um
indivíduo parar de fazer isso se quisermos superar essa crise
moral, ecológica e econômica em que nos encontramos.

Estou enfatizando este ponto porque não é possível


experimentar a natureza em sua intensidade genuína se a
imaginação de alguém e a batida da imagem em cada palavra
não estiverem conectadas.
Existem muitos caminhos que levam a lugar nenhum, mas
apenas um para alcançar a comunicação com os espíritos da
natureza através do bom uso de nossos talentos e
capacidades.

A natureza reflete a evolução humana e responde a alguns


dos enigmas que permanecem em nossas almas.
Mas a natureza fica quieta e impassível quando o fingimento
ou o fingimento são enfatizados, e assim a verdadeira
natureza da pessoa é ocultada.

Os seres humanos têm dúvidas sobre a existência de outros


reinos onde vivem seres mágicos. Mas para 'eles', existem
lendas sobre encontros com seres humanos reais.
É o que eles anseiam; é sua busca principal. Mas hoje em dia
o portal de comunicação entre nós e 'eles' vibra muito
fortemente com "era uma vez".

O silêncio permeou a atmosfera em casa, e assim o ruído


suave do carvão na cozinha ou o crepitar das cascas de feijão
eram intensos e valiam a pena ouvir.

Fadas e Duendes
Perguntas raramente feitas
RAQ

Perguntas raramente feitas

Sobre os espíritos da natureza


Por que Espíritos? A palavra espírito vem da palavra latina
"Re-Spirare", que significa "respirar". Respirar implica estar
dentro e fora do próprio corpo de forma rítmica.

Eu poderia chamá-los de "rostos de árvores", como são


referidos no título do meu primeiro livro (Um livro sobre os
rostos de árvores, plantas e arbustos). Esta é uma descrição
parcial da realidade.

Sim, características que são semelhantes em aparência ao


que esperamos naturalmente em um rosto aparecem em
árvores e outras plantas.
Você pode encontrá-los e fotografá-los, e assim eles podem
ser aceitos como materialmente reais, se assim o desejarem.

Mas, a maneira como cheguei a descobri-los foi inspirando


sua expressão e, em seguida, expirando meu desejo de saber
mais sobre eles.

Nos meus anos de estudante aprendi a descrever as plantas


cientificamente, ou seja, objeto: planta. Não havia descrição
da vida real da planta.
Através de anos de observação silenciosa, a planta viva
conseguiu abrir meus espaços interiores e minhas
capacidades de percepção, despertando em mim talentos e
sentidos adormecidos.
Esta comunicação resultou em um despertar espiritual para
um mundo comum, vivo e muito ativo.

Fui convidado e desafiado por esses seres a vê-los


claramente ou a parar de olhar para eles. Re-Spirare começou
em ambas as direções, como deve continuar.
Agora, quando vejo o que todos os outros concordam em
chamar de planta, sei que estou vendo a expressão viva do
Ser chamado Planta.
Da mesma forma, se simplesmente escuto um belo poema,
não vejo o poeta.
Mas se eu ouvir o poema com sinceridade, o poeta de alguma
forma aparecerá e estarei mais perto de entender quem o
escreveu, por que e com que propósito foi escrito.
Mas para ter um encontro real, preciso aprender mais sobre o
poeta, e mais dentro de mim.

Ao praticar ou ensinar a Observação da Natureza,


observamos os detalhes e a totalidade, tanto quanto podemos
na expressão visível da planta viva.
Mas na prática, percebemos que respirar em uníssono traz um
despertar espiritual, como é suposto. Essa ação comum
resulta em comunicação e uma troca inteligente de dar e
receber.

Os Espíritos da Natureza são revelados no jardim interior de


um ser humano desperto.

Fadas e Duendes
Desistindo da vida
Residência dos pacientes da ELA

Muitas vezes eu chego aos meus limites e percebo o quanto


eu poderia crescer se tivesse a força e o alimento.
Isso aconteceu em particular em uma visita a um hospital
onde os pacientes lentamente deixaram de poder se mover ou
participar da vida de seu próprio corpo.
Nesse ambiente, senti-me interiormente excitado e quis
chegar à beira do abismo que percebia como poderoso.
Eu queria dar uma olhada, chamá-los de volta. Mas então
percebi, mais uma vez, que tudo o que eu queria fazer era
'exagerar', era 'exagerar'.

A sala de reuniões estava cheia com mais de 30 cadeiras de


rodas e um grupo de enfermeiras e cuidadores esperando
para me receber.
O hospital tinha sido difícil de encontrar, então foi
imediatamente a hora de eu subir ao palco.
Quando entrei no tópico da Observação da Natureza e do
jardim interior que existe em todos nós, e comecei a mostrar
fotos como exemplos, senti que não havia mais cadeiras de
rodas na sala.
O que vi, em vez disso, foram almas reconhecendo tão
perfeitamente o que eu estava falando que me tornei o menos
informado de todos.

A maioria deles estava lá há muito tempo, muitos anos, e


passou a vida deitado e seguindo cuidadosamente os ritmos
do dia e da noite, de seus próprios batimentos cardíacos e
respiração.
Eles tinham um problema com movimento e expressão, mas
não com o pensamento real (muito superior ao raciocínio).

Para desenvolver uma boa capacidade de Observação da


Natureza é preciso aprender a "desistir" ou dissolver a si
mesmo e suas experiências em um nível superior para
retornar aos seus sentidos, mais uma vez puros.
A experiência nesse processo confere à pessoa uma
capacidade muito maior para lidar com mudanças e desafios
intensos.
Ao ensinar para um grupo grande eu tenho que estar apto a
"desistir", ou "soltar", com mais frequência, e nesse
"desaparecimento" e "retorno" a reunião se renova.
Eu encontrei uma expectativa emocionante toda vez que isso
aconteceu, o que é sempre uma grande e "tocante" surpresa
para mim, pois em uma situação normal as pessoas não estão
cientes desse processo.

Com esse grupo, encontrei uma recepção incrível toda vez


que voltei.

A conversa durou uma hora e meia. Disseram-me que eu


tinha que entender que para eles ouvir uma palestra era muito
cansativo, e que eles provavelmente logo começariam a cair
um por um.
De acordo com seus cuidadores, seu tempo médio de audição
era geralmente de meia hora.

Ninguém tinha saído da sala depois de uma hora e meia de


aula. Caminhei entre eles para compartilhar algumas fotos e
ouvir suas perguntas.
A maior parte de nossa conversa foi através de contato visual
brilhante e o encontro de nossas mãos. Um céu estrelado
estava limpo sobre o abismo que eu me sentia tão atraída por
olhar.
A ceia foi anunciada, mas apenas alguns saíram antes que eu
saísse da sala com algumas enfermeiras e as lindas plantas
que elas me deram.

Muitas vezes eu gostaria de estar lá novamente. Ainda tenho


muito a revelar desse encontro intenso.
Essas pessoas não saíram da sala. Tampouco estão apenas
abandonando a vida nesse processo de aprender a viver de
forma diferente e a "desistir".
Além disso, aprendi através deles a amar e admirar o
movimento do corpo humano e sua riqueza.

A Observação da Natureza trabalha com a nossa imaginação,


que é uma capacidade de conhecer, através de imagens.
O processo de aprendizagem é mais profundo e útil quando
feito através da imaginação. É um atributo necessário que
orienta a inteligência a superar seus próprios limites.
Abre um espaço para o conhecimento intelectual, que de
outra forma seria sem vida.

Fadas e Duendes
Escola primaria
Foi uma experiência de observação matinal com uma turma
de 9 anos.

A professora estava ansiosa para aprender e seus alunos


seguiam seu exemplo com prazer. Duas horas de preparação
em sala de aula foram seguidas de observações no jardim.

A manhã transcorreu bem, graças também às crianças e aos


adultos.

As observações no jardim deram muitas oportunidades para


testemunhar vários talentos nas crianças e ver as
características surpreendentes das árvores e plantas.
Encontros encantadores aconteceram mais de uma vez
quando os observadores tomaram consciência de seu próprio
processo de percepção e das expressões das plantas vivas ao
mesmo tempo.
Foi uma experiência real de maravilha e magia científica.

Mas o mais surpreendente foi quando um garotinho foi até a


professora e disse:
"Mestre, você percebe que João não nos incomodou em
nada? Ele está feliz e calmo, está se comportando
normalmente".

Johnny geralmente podia ser rotulado como um incômodo,


muito agitado e hiperativo.
Pela primeira vez entre seus colegas, ele ficou quieto e
participando durante a aula.

O nível de percepção de Jonny era muito alto, e ele não tinha


'tradução', ou meios, para permitir que seus pensamentos
fluíssem através de sua própria interpretação do que estava
acontecendo ao seu redor.
Muitas vezes, essas crianças também estão sobrecarregadas
com aditivos alimentares e outros produtos químicos,
o que muitas vezes leva à busca das condições corretas, da
postura correta,
da atitude calmante que não podem encontrar a menos que
vivam em um ambiente livre de produtos químicos e a
abordagem correta para seu alto nível de percepção é usado.
De vez em quando noto que se há uma grande capacidade de
percepção e falta de compreensão sobre como usá-lo,
essas crianças ficam inquietas ou duplamente inquietas se
também forem afetadas por produtos químicos presentes em
perfumes, ambientadores, detergentes, amaciantes ou
aditivos alimentares.
Fadas e Duendes
homenzinhos alongados
Estava em um lugar esquecido, na primavera.

Uma mulher de quarenta e poucos anos chegou atrasada e


muito nervosa ao nosso primeiro dia de observação.
Alguns anos antes ela havia sofrido um acidente com uma
árvore de 30 toneladas e 30 metros de comprimento, que caiu
sobre o ponto de ônibus em que ela estava esperando.

Ela ouviu o barulho e pulou para abraçar uma linda mulher de


vermelho que de repente apareceu ao lado dela.
Onde eles estavam foi o único lugar em que a queda da
árvore não derrubou a estrutura no chão. A mulher de
vermelho nunca reapareceu.
E quando nossa mulher foi internada em um hospital para
tratar de um ferimento na perna resultante, ela pediu à polícia
e aos membros de sua família para encontrar aquela mulher
misteriosa, mas não havia nenhum sinal dela.

Ela ouviu falar do seminário: Observação da Natureza, e veio


na esperança de encontrar algum sentido em tudo o que havia
vivenciado.

Ao final dos quatro dias, homenzinhos alongados que


moravam no canto esquerdo da capelinha de sua aldeia
vieram nos mostrar seus grandes corcundas.

Outro paradoxo, grandes corcundas em homenzinhos


alongados? Verifiquei três vezes antes de dizer qualquer coisa
e depois disse: Você sabe por que os homenzinhos alongados
que o acompanham têm corcundas tão grandes?
É porque eles são incapazes de brilhar suas forças do
coração. Eles não confiam que podem, e desejam receber um
olhar feliz, que aliviaria sua postura forçada.

Ela estava chocada. Visivelmente perturbada, com os olhos


úmidos, ela disse:

"Por que você está dizendo isso? O que isso significa?


Você sabe, por muito tempo a maioria dos homens da minha
família morreu com as costas corcundas, e há apenas dois
meses meu ex-marido de quem eu cuidava também morreu
com uma".

Todos do grupo a conheceram lá na Observação da Natureza


pela primeira vez, ninguém no grupo a conhecia antes.
Não sabíamos nada sobre sua vida ou história além do
episódio com a árvore, de que ela nos havia contado e que de
fato foi muito impressionante.

Era uma maneira estranha de guiá-la para encontrar uma


resposta para o que estava acontecendo com sua família.

Minhas observações:

Eu Hércules Botelho Couto, comecei a perceber que fadas e


duendes são seres astrais, e portanto como não possuem um
corpo físico, precisam de captar as energias da natureza e
dos seres vivos para continuarem existindo. Dependendo do
local onde nascem, sabe se lá como?! se não conseguirem
em seu local de origem energias o suficiente, pelas árvores
etc, não possuírem um sistema nervoso, elas acabam agindo
como canais do plano suprassumo para o material.
Assim sendo, estes seres acabam por optar viver conectados
com a natureza como uma espécie de parasita, tanto para não
sentir dor quanto para viver de maneira longínqua, outros por
conseguirem energias o suficiente, acabam por adentrar no
nosso plano material. É daí que vieram as lendas sobre essas
criaturas, e tudo se torna cada vez mais plausível.

Veja abaixo fotos de Raquel Cachafeiro:

Você também pode gostar