Você está na página 1de 7

SEMANÁRIO

PUBLICIDADE

TIMOR-LESTE
14 AGOSTO 2004
Ano 0-Nº 0032
Coordenador Geral
António Veladas

Director
João Paulo Esperança Timor Telecom
www.semanario.tp
Nós e o Mundo,
$0,50 em língua portuguesa mais chegados!
EDIÇÃO NACIONAL J o r n a l N a c i o n a l

Abílio Osório
O ESTADO
DO
TÉTUM

TIMOR-LESTE NAS OLIMPÍADAS


DE ATENAS
Reportagem
do nosso
enviado
especial
Notícias diversas sobre os eventos
desportivos, a participação timorense e o
dia-a-dia dos Jogos Olímpicos deAtenas

Dia a dia, todos os dias, sempre consigo, aqui e em qualquer parte do Mundo

Av. Presidente Nicolau Lobato Nºs 12 e 13 – Edifício BNU – Díli – Timor Leste
Tel: +670 3323385 Fax: +670 3323678 Mail: cgd.timor@mail.timortelecom.tp
2 GERAL SEMANÁRIO

Ensaio (recordar...)
directo... “Requiem” Por quem?
... do director
João Paulo Esperança
(Um ano depois de Santa Cruz)
Será que é necessário determinar os irmãos que tombaram, dos vivos que quero esconder o meu desencanto
A sétima edição do guia de enquanto na época colonial não dias para recordarmos ou chorarmos continuam a resistir. Encontro pelo sonho ocidental. Fortemente
viagens Lonely Planet sobre a havia cá universidade, muitas das os nossos mortos? Será que não se enraizado na civilização cristã, o
Indonésia, publicada em professoras do Liceu eram as testemunhos de humildade e de
Novembro de 2003, diz num texto esposas dos militares aqui pode renovar a esperança mesmo coragem serena nos nossos Ocidente – referência de pensadores
assinado por um ignorante colocados, muitas crianças quando o silêncio e a escuridão guerrilheiros. Não há revolta no seu e da defesa infatigável da dignidade
qualquer chamado Nick Ray (na aprendiam a ler e a escrever nas parecem não permitir mais do que a humana – entendo-o agora como uma
página 33) que o Primeiro-Ministro escolas primárias da “psico-social” olhar e a sua luta é positiva porque
Mari Alkatiri escolheu o português onde o professor era muitas vezes noite dos sentidos? Será que o escolheram a liberdade e o direito à babel de ideias cansadas e de
para língua oficial e que foi uma um militar com a quarta classe que abandono nos proíbe de querermos diferença. Todos eles fazem sentir- contradições interesseiras. Não me
má escolha. O senhor que lá ia fazendo o que podia, mas não algo? demitirei desta civilização que
escreveu tal prosa passa por cima tinha preparação adequada para a me ridículo, conseguem desmoronar
das decisões da Assembleia função. Dizem que não falam Escrevo num dia vazio, símbolo de a estrutura lógica das minhas também herdei e que os meus
Constituinte democraticamente português em casa; no tempo dos outros dias vazios e distantes, concepções e põem em causa os antepassados conhecem há mais de
eleita em eleições organizadas portugueses havia poucas famílias marcado por uma ausência forçada e 400 anos; o erro não está na doutrina.
pelas Nações Unidas, ignora as em que a língua de casa fosse a métodos da minha luta. Sinto
posições sempre oficialmente portuguesa. O maior escritor que por uma nostalgia que teima em ser orgulho em ser timorense mas, ao Contudo, vou-me habituar a viver
defendidas pelo CNRT, esquece as Timor já produziu, Luís Cardoso, longa como a solução agora de olhos fechados, com
declarações de princípio dos escreve com mestria em português, política da minha terra. mágoa pela Europa, com
partidos políticos deste 1975 até à mas só aprendeu este idioma
independência, não tem em conta quando entrou para a escola, como Passou-se a euforia mas revolta pela América e com
que o povo timorense elegeu os as outras crianças com quem ficaram ainda os resíduos nojo pela Austrália. A
seus representantes sabendo de brincava. Conheço aqui muitos de um remorso colectivo. felicidade de um povo não
antemão que oficializar a língua timorenses com o quinto ano antigo
portuguesa fazia parte do (equivalente à escola pré- Entretanto, de 12 de está num desenvolvimento
programa dos seus partidos. secundária), ou mesmo com a quarta Novembro, marco da imposto ou adulador e muito
Este tipo de declarações classe, que falam português fluente, desonestidade do mundo, menos no pão obrigado “à
incorrectas é corrente em muitos apesar de quase não poderem
meios de comunicação social, exercitá-lo durante um quarto de permanecem os estilhaços força da paulada” ou sujo pela
especialmente no mundo anglo- século. Conheci um senhor, na de uma esperança frágil e traição; a felicidade de um
saxónico. Por outro lado, na minha época motorista no escritório da as ilusões que a juventude povo está também na
terra costuma dizer-se “os cães Comissão Europeia em Díli, que
ladram, mas a caravana passa”. quis eternizar sob o pesado liberdade de poderem
Não creio que a opinião do senhor domina a língua portuguesa e que
me contou que tinha aprendido no preço da morte. Certo, certo escolher mesmo que seja a
Nick Ray seja para levar a sério. é que muitos morreram, pobreza ou a solidão. Nunca
Preocupa-me mais a atitude que mato com a Fretilin, nos primeiros
persiste em certos jovens, que se anos da ocupação, escrevendo na alguns estão a morrer e perdoarei a este governo
queixam continuamente de que “o terra e nas cascas das árvores. outros ainda continuarão a australiano pelo que nos
português é muito difícil”. Conheço pessoas, jovens e menos morrer. O Vítor, a Ana e estão a fazer! Um pouco de
Preocupo-me não pelo facto de jovens, que aprenderam a falar
eles não aprenderem português – português com correcção desde tantos outros que sangue timorense ajudou
há muitos outros que aprendem e 1999 até agora. É que já passaram acreditaram no sonho puro também a construir a História
quem fica a perder é quem fica cinco anos. Muitos dos que ficam a de um Timor livre puderam e a liberdade australianas.
parado – mas pelo que isso mostra
da sua atitude perante a vida. Os protestar que a língua portuguesa é solenizar esta crença com O que me consola mesmo é
argumentos deles deixam-se difícil sabem agora o mesmo que o sangue que honrará a saber que Bush, Soeharto,
perplexo. Agora há quantidades sabiam nessa altura. Isso deixa-me
enormes de livros e dicionários confuso: o que esses moços e minha terra e sublimará o Garrett Evans, etc., também
modernos distribuídos por todo o moças querem dizer é que têm uma preço da liberdade. À luz do hão-de morrer um dia. Não
lado em Timor, capacidade intelectual menor do que desespero as simbologias e importa quando. Se eu não
incomensuravelmente mais do que a da geração dos pais e avós deles? os gestos tenderão a ser estiver cá para assistir, ainda
alguma vez houve no tempo da Ou simplesmente não lhes apetece
administração colonial definitivos; também à luz do mesmo tempo, sei que este grau haverá timorenses que o farão por
portuguesa. Há professores de fazer pela vida, e daqui por uns anos
irão fazer manifestações quando os desespero tudo se pode dizer, tudo elevado de dignidade é assegurado mim. Desconfio que vão morrer
nacionalidade portuguesa com se pode fazer... ingloriamente porque não vão morrer
cursos superiores de ensino de colegas mais diligentes arranjarem pela luta honesta e coerente dos
línguas espalhados pelo território, emprego e eles não? Ao longo destes anos, longe de meus irmãos. por causa alguma. Ao contrário, a
Timor, em que procurei valorizar-me Dissecando o passado recente da Ana, o Vítor e os outros irmãos de
pelo estudo e conhecimento das minha terra e relembrando a minha luta, na plenitude da vida e do amor,

SEMANÁRIO
coisas, a fim de que o regresso possa caminhada pessoal, com perda de morreram por uma causa justa e nobre.
também significar algum contributo, muitos familiares, apetecia-me pedir Morreram para que outros possam
tive a preocupação de estar atento a contas aos intervenientes activos viver em liberdade num futuro,
ensinamentos de amor, a deste processo desastrado. Não o acredito, próximo. Ensinado pelos
testemunhos de coragem e a lições faço porque os culpados não têm meus avós, creio ainda que, mesmo
de fidelidade. Li, convivi, assimilei, rosto ou estão ocultados nas na morte, seremos muito fortes !!!
aprendi... Contudo, apesar deste “abébias” fornecidas pela
Preencha correctamente e recorte pelo picotado percurso mais ou menos lúcido, “conjuntura da época”. E nada Crisódio Tilman Araújo
sentia que faltava qualquer coisa. recomporá os desastres do passado. Prémio de texto DN Jovem, em
Encontro-me numa encruzilhada de Interessa é pensar o futuro ainda que Portugal
Envie em envelope fechado ao Apartado nº.341 culturas e sentimentos... depois re-publicado in “Kaibauk -
à luz de um pesadelo. Apesar de tudo,
SEMANÁRIO
Ainda a tempo de me redimir, bebo não devo esquecer o fracasso dos Boletim de Informação Timorense”
hoje lições de coragem nos meus outros, para não repeti-los, e não nº 0, Outubro de 1992
ASSINATURAS INSTITUCIONAIS
SEMESTRAL
INSTITUIÇÃO:____________________________________________ SEMANÁRIO
MORADA:________________________________________________
POSTOS DE VENDA
Restaurante Tasquinha; Restaurante Água na Boca;
RESPONSÁVEL:_________________________TELF____________
Lita Store Supermercado; City Café; Acait Bistro;
EXEMPLARES x Semana publicidad@semanario.tp Restaurante Golden Star; Hotel Timor; Restaurante
Vasco da Gama; Apart - Hotel Casa Minha
www.semanario.tp
SEMANÁRIO Provedor do Leitor: Padre Leão da Costa
geral@semanario.tp
ADMINISTRAÇÃO DO JORNAL: Nuno Franco e Jorge Serrano - administra@semanario.tp / COORDENAÇÃO GERAL EDITORIAL E DIRECÇÃO DE INFORMAÇÃO : António Veladas / DIRECÇÃO: João Paulo
Esperança director@semanario.tp - Redacção: António Veladas; Jordão Henrique; Nilva Guimarães - Editor de Desporto - Jordão Henrique; - CRONISTAS PERMANENTES: Mari Alkatiri; D.Ximenes Belo; José
Ramos Horta; José Reis; Correia Pinto; Avelino Coelho; Paulo Carvalho; Ângela Carrascalão - Tradutor - Acácio - COLABORADORES: Sabino Pereira, Icha Bossa, Irta Araújo DIRECÇÃO FINANCEIRA,
COMERCIAL: Director - Nuno Franco / Chefe de Departamento de Publicidade: Luís Marinho - publicidad@semanario.tp - Telefone: 7235018-7241878 / DISTRIBUIÇÃO: Marito PROPRIEDADE DO
JORNAL: Semanário-Media, Lda. ADMINISTRAÇÃO SEMANÁRIO-MEDIA: Administradores: Jorge Serrano e Nuno Franco - media@semanario.tp Certificado de Registo 07601 - Díli
SEMANÁRIO OPINIÃO 3
Texto de João Paulo Esperança

DESENVOLVER O TÉTUM
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES AVULSAS SOBRE
PROPOSTAS ORTOGRÁFICAS
Alguns jovens protestam contra a “reintegracionistas” e a quem os oclusiva glotal usada no tétum térique ortográfico preparado e publicado
escolha do português como língua partidários do outro lado chamam e em variedades do tétum-praça, mas pelo INL. O INL defende que os
oficial, dizendo que a língua deles é o “ l u s i s t a s ” . E s t e s não em Díli (ou seja, quer o INL quer dialectos rurais do tétum (de áreas
tétum, mas o que é espantoso é que reintegracionistas fazem as suas Luís Costa escrevem ha’u, du’ut, como Soibada, Viqueque, Alas,
dizem isto em indonésio. Houve opções fundamentalmente por to’os...). A crítica que o público faz Balibó, Suai, etc... ) são uma das
inclusivamente durante algum tempo partilharem uma postura de mais frequentemente ao Dicionário do fontes importantes de léxico para o
uma revista chamada Lian Maubere rejeição do imperialismo cultural Luís Costa é completamente tétum moderno e literário que se está
(voz maubere), que era totalmente espanhol, a aproximação da sua despropositada: “Esse dicionário tem actualmente a cultivar, e o
escrita em língua indonésia. É caso para língua materna ao português muitas palavras que não Dicionário de Luís Costa é um
perguntar se não deveria chamar-se garante-lhes maior distância em conhecemos, que são próprias do tesouro lexical inestimável a que
antes Suara Marhaen, não me consta relação à língua que vêem como tétum térique!” Ora, uma das funções recorrem todas as pessoas que
que os mauberes se expressassem na ameaça directa, o castelhano. Ao mais úteis que um dicionário tem é procuram com seriedade
língua dos invasores ou fossem mesmo tempo essa proximidade ensinar-nos muitos vocábulos que cultivar e desenvolver o tétum.
particularmente entusiastas do seu uso. com o idioma que é irmão gémeo não conhecemos. O Dicionário da A diferença fundamental do
Não vou debruçar-me neste texto sobre do galego abre as portas para um Língua Portuguesa Contemporânea Dicionário de Luís Costa em relação
o português, que tem o seu lugar em universo de 200 milhões de da Academia das Ciências de Lisboa aos materiais do INL diz respeito aos
complementaridade com o tétum, como falantes da mesma língua. tem grande quantidade de termos que empréstimos lexicais do português.
língua co-oficial. Vou apenas analisar Aqui em Timor também há eu ainda não conheço, o Kamus O INL define como padrão para a
algumas ideias em relação ao tétum, e diferentes opções políticas a Besar Bahasa Indonesia (Edisi ortografia dos empréstimos lexicais
principalmente sobre algumas das condicionar as opções Ketiga) do Departemen Pendidikan (do português, ou do malaio - até
coisas que se têm feito para o seu linguísticas. A primeira linha de Nasional e da Balai Pustaka tem ao séc XIX) no tétum moderno a
desenvolvimento. Continuo a pensar demarcação é imediata e põe de imensas palavras que qualquer pronúncia acrolectal, o que significa
que é motivo de estranheza o facto de um lado os que permitem na sua indonésio não conhece. Isso não é a forma como é pronunciada a
haver pouco envolvimento da proposta de padronização a um defeito, é uma qualidade. O tétum palavra pelas elites, principalmente
juventude e de organizações de base ocorrência de palavras do térique é uma fonte permanente de urbanas, que são também fluentes
na promoção e desenvolvimento do indonésio chegadas a Timor com palavras para o tétum literário em português. O Luís Costa prefere
tétum. Os linguistas fizeram a parte a ocupação, bem como a utilização moderno. E de resto esse processo incluir no seu dicionário a forma lexical a palavra “tchuba” porque é a
deles, prepararam uma ortografia de barbarismos surgidos no tempo começou há muito. Quem é que usava como essas palavras são pronúncia dos habitantes do
cientificamente válida e fundamentada da “ditadura linguística anglo- em Díli há trinta anos palavras como pronunciadas pelos habitantes não- planalto mirandês no Nordeste de
que foi oficializada pelo Governo. saxónica” da UNTAET (falo de maksalak, kuanan, knaar, falur (para escolarizados das montanhas Portugal que falam um português
Agora seria encorajador ver algum termos como *agrimentu em vez quem não soubesse, o Dicionário do falantes de tétum térique e não mais conservador.
esforço dos jovens nacionalistas para de akordu, *komitementu em vez Luís Costa permite ver por exemplo fluentes em português. Por exemplo, Uma limitação grave é a falta de
não escreverem na língua da ocupação de empeñu ou kompromisu, que o nome de guerra do Comandante onde a ortografia oficial, do INL, muitas palavras originárias da língua
e para deixarem de escrever tétum com etc…). Alguns materiais escritos, Falur Rate Laek significa “Pombo sem escreve: ”palásiu”, “polísia”, portuguesa que entraram para o
uma ortografia completamente por exemplo, pela Dra Catharina Sepultura”)? O Dicionário do Luís “pregu”, “xave”, “xapeu”, tétum. Tente-se usar o Dicionário do
macarrónica que revela não haver da van Klinken incluem-se neste Costa é um documento “saugati” o Dicionário do Luís Luís Costa para ler a tradução que o
parte de quem a usa qualquer respeito grupo. O Instituto Nacional de importantíssimo. O INL reconheceu Costa tem apenas “*palasi”, próprio Luís Costa fez para tétum da
pela língua, que consideram Linguística, por outro lado, isto quando, logo que saiu este “*polisi”, “*preku”, “*sabi”, brochura da Fundação Mário Soares
“desprovida de regras” e “que cada um defende que não havendo um Dicionário, incluiu todas as palavras “*sapeo”, “*saukati”. Seria como “A nossa vitória é apenas uma
escreve como lhe der na real gana”. vocábulo necessário a opção mais provenientes do tétum térique que se os responsáveis dos dicionários questão de tempo – Memória da
Isto contrasta profundamente com o acessível, imediatamente nele aparecem no prontuário de português se sentirem obrigados Resistência do Povo de Timor-
que acontece noutras sociedades em disponível e que está mais de 1234567 a começar a incluir como entrada
que a questão da promoção de uma acordo com a política linguística 1234567
1234567
língua nacional se coloca como do país é ir buscá-la ao português, 1234567
1234567
PUBLICIDADE

prioridade, nas quais se vê um grande e adaptar-lhe apenas a ortografia. 1234567


1234567
envolvimento de jovens e de É opção do INL, como foi da Igreja 1234567
organizações culturais, associações timorense quando no início dos 1234567
1234567
locais, etc... anos 80 traduziu para tétum o 1234567
1234567
Um caso que conheço razoavelmente missal para que o tétum pudesse 1234567
1234567
bem é o da Galiza, onde há mais de duas ser aprovado como língua oficial 1234567
1234567
décadas a questão da ortografia oficial da Igreja em TL, que não se deve 1234567
do galego é assunto debatido usar no tétum literário nenhuns 1234567
1234567
fervorosamente na sociedade, e onde termos do indonésio. O INL, como 1234567
1234567
cada proposta ortográfica conta com a Igreja, vê a língua portuguesa 1234567
os seus acérrimos defensores e com as como o parceiro histórico na 1234567
1234567
suas publicações próprias. Lá, como evolução do tétum moderno, e a 1234567
1234567
aqui, opõem-se opções políticas língua indonésia como aquela 1234567
1234567
diferentes. As propostas de ortografia contra a qual há que cerrar fileiras 1234567
1234567
são elaboradas por linguistas, mas por ser um factor corrosivo da 1234567
traduzem uma determinada política especificidade cultural timorense. 1234567
1234567
linguística que influencia as escolhas
feitas. Na Galiza o debate principal é
entre os que defendem uma ortografia
própria, bastante influenciada pela do
O Dicionário do Dr Luís Costa
partilha com os materiais sobre a
ortografia oficial publicados pelo
INL a posição de princípio de
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
MAIS PERTO DE SI!
espanhol (ou castelhano), que são rejeição de empréstimos lexicais 1234567
1234567
muitas vezes chamados indonésios. Tem muito mais coisas 1234567
1234567
“isolacionistas” pelos seus em comum, como o facto de 1234567
1234567
adversários, e os que preferem re- propor uma ortografia etimológica 1234567
para as palavras autóctones, que 1234567
1234567
aproximar a ortografia galega da do
português, que chamam a si mesmos inclui por exemplo a marcação da 1234567
1234567
1234567
APÓS GLENO/ERMERA, DESDE MAIO,
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
AGORA TAMBÉM
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
BAUCAU
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567 NUM NOVO EDIFÍCIO COM TODOS OS
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
SERVIÇOS À SUA DISPOSIÇÃO
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
1234567
4 OPINIÃO SEMANÁRIO

PROCESSO DE COMPILAÇÃO DO DICIONÁRIO


MONOLINGUE TÉTUM – TÉTUM
A Constituição da República em que a Fretilin começou o seu
Democrática de Timor-Leste dá um programa de alfabetização em
grande valor à identidade e cultura de tétum em 1975, até chegar ao tempo
Timor-Leste, consagrando no artigo 13 da ocupação indonésia quando a
o tétum e o português como línguas Igreja e os seus padres e crentes
oficiais da nação. Abre também se empenharam colocando o tétum
caminho para o desenvolvimento e num lugar central nos seus
preservação das outras 15 línguas espíritos e usando-o nas
nacionais ao lado do tétum como uma actividades do dia-a-dia.
riqueza que pertence aos timorenses, 2) Colocação em prática de um
e que é também património mundial. O padrão ortográfico que sirva para
Decreto-Lei do Governo I/2004 sobre escrever correctamente a língua
a Ortografia Padronizada do Tétum tétum, o que significa de acordo
também abre caminho para que as com uma norma que reflicta a
línguas oficiais e nacionais se estrutura própria da nossa língua.
desenvolvam e desempenhem a sua Esta ortografia foi desenvolvida
função na sociedade. pelo INL com base na ortografia
Apesar de consagrado na que os padres mencionados
Constituição e de a maioria dos prepararam e desenvolveram há
timorenses o falarem, é ainda com muitos anos. O INL completou
dificuldade que muitos utilizam o tétum apenas esta ortografia seguindo
na prática como língua nacional e princípios linguísticos adequados
oficial no quotidiano. Os recursos em para que o tétum possa funcionar
tétum ainda são escassos, mas isso melhor. Desta forma, agora há
não deve ser um obstáculo mas um uniformidade. Já não podemos
grande desafio para cada timorense escrever o tétum com a ortografia
individualmente. Com isto em mente, o do português ou de outra língua.
Instituto Nacional de Linguística O tétum tem o seu próprio sistema
(INL), ao qual foi atribuída a função de fonológico. Adérito José Guterres Correia - Subdirector do INL
Autoridade Linguística da RDTL, 3) Preparação de uma lista das
desenvolve esforços para preparar palavras do tétum, incluindo as
recursos vários. A compilação de um que têm origem no tétum terik ou usadas para falar ou escrever no que possa falar e escrever bem a sua – Inglês. 8. Perfis Linguísticos
dicionário monolingue tétum – tétum no português. Desta lista quotidiano. A compilação deste própria língua se não estiver (Mambai de Ainaro, Galole, Tétun-
tornou-se também uma prioridade para organizada por ordem alfabética, Dicionário já chegou ao fim, e será disposto a aprendê-la com um Díli, Baiqueno, Uaimoa). O INL
o INL. os membros do INL darão para agora verificada e editada espírito aberto. Um investigador também lançou um corrector
Para começar esta compilação o INL cada palavra a sua definição, e às novamente antes de preparar o famoso, o Sr. Luís Filipe F. R. Thomaz ortográfico de tétum para
definiu os seguintes passos. 1) vezes também um exemplo manuscrito final. O INL pensa em disse “não há outra nação que tenha computador que actualmente está a
Consulta de linguistas profissionais e ilustrativo do seu uso. Neste fazer sair este dicionário para o a sorte de Timor-Leste que tem o seu ser melhorado para funcionar de
literatura variada para poder começar momento temos mais de 28.000 público, principalmente para as tétum”. maneira mais eficiente.
a escrever. Isto inclui os linguistas que palavras que precisam de ser assim escolas, já no ano de 2005. Até este momento o INL já fez sair Para saber mais informações, por
estudaram as origens do tétum; a definidas pelo INL. Para levar a Na segunda fase, o INL pensa várias edições: 1. Hakerek Tetun Tuir favor contacte o escritório do INL
ligação do tétum com os outros idiomas cabo esta grande tarefa os compilar um dicionário monolingue Banati. 2. Matadalan Ortográfiku no edifício do Liceu Dr. Francisco
nacionais, especialmente o tétum terik membros consultam pessoas, tétum – tétum mais abrangente para ba Tetun Nasionál. 3. Disionáriu Machado, em Díli.
como fonte para o tétum nacional; a dicionários e literatura sobre o público. Este também será baseado Malaiu – Tetun. 4. Gramática do
ligação do tétum com o português diferentes áreas escrita em tétum, na lista do Matadalan Ortográfiku Tétum (em inglês já foi publicada e Contacto:
como seu parceiro tradicional; e o português, inglês, indonésio, etc... ba Tetun Nasionál. revista, em português está prestes a
desenvolvimento e preservação do Numa primeira fase, o INL iniciou Apesar de esta ser uma tarefa difícil, ser impressa, e a versão em tétum Adérito José Guterres Correia
tétum que foi iniciada pelos sacerdotes a preparação de um dicionário os membros do INL recebem-na como está no processo de tradução). 5. Subdirector do INL – Díli
e pela Igreja timorense, desde o tempo monolingue tétum – tétum para um desafio a ultrapassar com firmeza Dicionário Malaio – Português (está Tel: 3313142
do Padre Sebastião Maria Aparício da uso nas escolas. Partindo da lista e presença de espírito. Nós sentimos pronto, estamos a procurar fundos Correio-electrónico:
Silva (ano de 1889), Raphael das Dores do Matadalan Ortográfiku ba constantemente que a cada dia para a sua impressão). 6. Estudos de inldili@yahoo.com
(1907), Padre Manuel Patrício Mendes Tetun Nasionál, os membros aprendemos algo de novo, ainda que Línguas e Culturas de Timor Leste
e Padre Manuel Mendes Laranjeira definiram as palavras que estejamos a trabalhar sobre a nossa (Studies in Languages and Cultures http://www.shlrc.mq.edu.au/
(1934) e outros padres até ao tempo aparecem mais vezes ou são língua tétum. Não há nenhum falante of East Timor). 7. Disionário Tétum ~leccles/index.html

Leste”. Por razões de espaço olhemos usam sobretudo «ka»”. Os “não “O Malhadinhas” de Aquilino responder a essa necessidade de esforço de promoção do tétum, mas
apenas para o título na tradução do falantes nativos de tétum” a que Ribeiro, por haver muitos termos modernização. Para os que clamam creio que ele precisa de rever algumas
Luís Costa: “Ami hein de’it tenpu uit se refere Luís Costa incluem próprios do mundo rural das contra o abastardamento da língua das suas posições. Talvez numa
atu manán – Hanoin Povu Timor muitos milhares de falantes de montanhas da Beira Interior, precisa por causa da introdução de nova edição do Dicionário dele,
Lorosa’e nia Rezistensi”. Procuremos tétum-praça como língua materna de um bom dicionário. O empréstimos lexicais, pergunto, a quem sabe?
no Dicionário do Luís as palavras (e não apenas em Díli), assim como Dicionário do Luís Costa responde palavra “biologia” apareceu primeiro Por tudo isto, considero que o
“*tenpu”, “povu”, “*rezistensi”. Não a imensa maioria da população a essa necessidade de compreender em português, ou foi cunhada numa Governo tomou a opção correcta ao
encontramos! O problema maior do timorense que fala tétum-praça o léxico outra língua qualquer e depois oficializar a ortografia do INL, aquela
Dicionário de Luís Costa é que o autor como língua segunda e língua vernáculo do mundo rural, que o trazida para o português? A língua que do ponto de vista científico é
é um purista, ainda que tenha vindo a franca. Para quem está falante citadino não conhece. No indonésia, que escolhe outros mais coerente e do ponto de vista
moderar as suas posições em relação a familiarizado com a literatura entanto, como a tradução que o Luís parceiros, padronizou “biologi”. O político é mais fiel à política
esta questão dos empréstimos lexicais, portuguesa posso traçar um Costa fez da tal brochura mostra, o INL padronizou para o tétum linguística definida pela Assembleia
como a tradução que referi demonstra paralelo. Um leitor “mouro” nado Dicionário dele não dá conta de um “biolojia”. É uma escolha coerente, Constituinte e pelos líderes de Timor-
até à saciedade. Vejamos o que ele diz e criado em Lisboa não tem muito texto vindo do mundo urbano da com o português como parceiro Leste.
como comentário à entrada lexical “e”: do vocabulário necessário para ler tecnologia e das ideias modernas. Os permanente. Creio que o Dr. Luís
“Os não falantes nativos de tétum por exemplo “Terras do Demo” ou materiais do INL já permitem Costa é um dos nomes chave no JPE
SEMANÁRIO OPINIÃO 5

REVISTA LAFAEK
A APOSTA NA PREPARAÇÃO DE MATERIAIS
PEDAGÓGICOS DE QUALIDADE PARA AS
CRIANÇAS
Muitos leitores terão já tido em 1995, e tem sido
contacto com a Revista Lafaek, patrocinada pela União
especialmente aqueles que são Europeia, USAID, Care
professores ou têm filhos a Áustria, e agora o Banco
frequentar a escola primária. Se a Mundial. A Care tem em
viram ficaram certamente Timor a trabalhar nos seus
encantados com a qualidade dos vários projectos cerca de
conteúdos e a apresentação cento e cinquenta
agradável e apelativa para as funcionários timorenses e
crianças. Num contexto em que uma meia dúzia de
ainda escasseiam os materiais estrangeiros, deste pessoal
pedagógicos específicos para o vinte e seis laboram na
sistema de ensino em Timor-Leste, concepção e realização da
a Revista Lafaek representa uma revista Lafaek. Dos vinte e
“pedrada no charco”, uma iniciativa seis, treze são responsáveis
que se saúda. pela distribuição e animação
Falámos com Aristides Xavier, Vice- junto das escolas em todos
Gestor do Projecto Lafaek, que nos os distritos, fazendo a
deu uma série de dados. A revista chegar mesmo aos
publicação começou em 2001, e tem locais mais isolados.
uma tiragem de 150.000 exemplares, Actualmente é distribuída
que vai passar a ser de 175.000, o em todas as escolas
que faz dela um dos maiores, senão primárias do país, da terceira à sexta exemplar a cada um. A periodicidade ajuda as crianças e professores a
aulas usando a revista. Ambas, a das
o maior, meio de comunicação classe, normalmente num rácio de é bimestral, saindo de cada vez, para aprenderem a escrever correctamente
crianças e a dos educadores, são
social escrita em Timor-Leste. É uma revista para umas seis crianças, além da Lafaek para as meninas e a sua língua. No início não era assim,
escritas em tétum, e – o que é muito
publicada pela Care International, mas o aumento da tiragem vai permitir meninos, uma outra destinada aos mas passou depois a ser, em virtude
importante – seguem o padrão
ONG de origem canadiana que chegar ainda a mais alunos, educadores, onde se dão também do acordado com o Ministério da
ortográfico do INL aprovado
iniciou actividades em Timor-Leste idealmente virá a ser dado um sugestões de actividades para as Educação e o INL.
oficialmente pelo Governo, o que
Um acordo celebrado recentemente
com o Ministério da Educação,
Cultura, Juventude e Desporto, vai
permitir o início da publicação de mais
duas versões da revista: uma Lafaek
Júnior para crianças da primeira e
segunda classes e a correspondente
versão para os professores.
A equipa de redacção e distribuição
propõe-se desenvolver a língua
tétum e a literacia nesta língua, criar
materiais pedagógicos adequados e
contextualizados para Timor-Leste,
e ajudar no desenvolvimento do
currículo das escolas primárias. Uma
das áreas fundamentais focadas na
revista é a da promoção dos direitos
da criança. Também se incluem
textos e actividades sobre temas
diversos da sociedade e da
actualidade timorense, incluindo
saúde e higiene e questões de
promoção da igualdade de género,
numa linguagem adequada para a
infância. As revistas incluem
também algumas noções simples de
língua portuguesa.
A Revista Lafaek está de parabéns.
Deixamos um desafio ao Ministério
da Educação, às ONGs, às estruturas
da cooperação dos países da CPLP:
para quando uma revista
complementar (e com a mesma
qualidade) centrada no ensino-
aprendizagem do português?
6 NACIONAL SEMANÁRIO

TIMOR AID
A MAIOR EDITORA DE
LIVROS EM TÉTUM

Tudo começou em 1998, através de segunda quatro e


um Programa de Desenvolvimento finalmente na
das Mulheres, apresentado pela terceira treze,
Timor Aid para financiamento à havendo um outro
União Europeia através uma parceria que está ainda na
com a ONG austríaca Horizon 3000. Gráfica. Todos os
O Programa tinha três componentes livros foram
distintas: saúde materno-infantil, impressos na
trauma, e literacia em tétum. Para Gráfica Diocesana
desenvolver a literacia havia de Baucau, com
obviamente que produzir livros e foi uma tiragem
a essa tarefa que a Timor Aid pôs inicial que varia
mãos. Antes de mais havia que entre os mil e
assegurar a colaboração dos quinhentos a dois
linguistas profissionais que se exemplares,
dedicam ao estudo do tétum no eventualmente
Instituto Nacional de Linguística, seguida por mais
para que o projecto tivesse também tiragens se os
credibilidade científica. Foi definido pedidos o
que estes dariam formação sobre a justificarem. A
ortografia padronizada oficial aos distribuição é feita depois
autores e tradutores, e fariam depois gratuitamente, principalmente nas Cerimónia de lançamento de livros na Timor Aid
a correcção ortográfica de todos os escolas. Na primeira e segunda fases
manuscritos entregues para os livros foram entregues aos criação de animais ou espécies de gente e instituições incluindo os Aid já se está a preparar para avançar
publicação. As acções de formação superintendentes do Ministério da agrícolas, saúde, linguística... Dentro herdeiros do escritor, a Embaixada de no próximo ano com a publicação de
intensivas sobre ortografia do tétum Educação nos distritos, mas na de poucos meses está prevista a França em Portugal e a editora mais uma série de títulos, logo que
são organizadas pela Timor Aid e última optou-se por ir directamente publicação em tétum do Gallimard, detentora actual dos haja confirmação do financiamento.
ministradas pelo INL e têm às escolas. Os funcionários da mundialmente conhecido “O direitos. Com os fundos existentes e o apoio
normalmente uma duração de dois Timor Aid distribuem um ou dois Principezinho”, do autor francês da DKA Áustria, prevê-se para breve
ou três dias. Muitos dos exemplares de cada livro por cada Antoine de Saint-Exupery. A Há intenção da Timor Aid de
a realização de outras actividades
participantes são professores ou escola da lista fornecida pelo publicação desta obra, de que me continuar com o projecto para a
relacionadas como a formação de
trabalham em ONGs. Em Julho Ministério, e depois estas podem orgulho de ser um dos tradutores, será frente, mas neste momento é preciso
formadores sobre a ortografia oficial
chegou ao fim o projecto que havia enviar pedidos de mais livros à feita com apoio da ONG portuguesa esperar por uma decisão da principal
para irem ministrar cursos nos
sido aprovado após um período de Timor Aid. Os livros publicados são SUL – Associação de Cooperação entidade financiadora, a Comissão
distritos, e a organização de um
cinco anos, com três fases distintas sobre os mais diversos temas: para o Desenvolvimento, e a Europeia, que tem membros novos
que ainda deverão avaliar a seminário sobre o tétum.
de lançamento de livros. Na primeira histórias para crianças, cultura obtenção dos direitos de autor
fase foram lançados cinco livros, na timorense, história, manuais para a envolveu os bons ofícios de uma série proposta. De qualquer forma, a Timor JPE

INTERNACIONAL

ONU: GILBERTO GIL EM GENEBRA


PARA HOMENAGEM A SÉRGIO
VIEIRA DE MELLO
Gilberto Gil participa, nesta semana, África e Europa. tem previsto um encontro “de carácter Guardian divulgou pormenores de vergonhosos Egípcios Católicos
num concerto de homenagem às A cerimónia é um dos eventos que privado” com as famílias das 22 um vídeo que alegadamente que eram especialistas em tirar a
vítimas do atentado de 19 de Agosto está a ser programado para vítimas do ataque, antes de uma identifica o autor do ataque suicida virgindade a mulheres muçulmanas”,
de 2003 à sede da ONU em Bagdade, comemorar o primeiro aniversário cerimónia pública no Palácio das contra a sede da ONU em Bagdade. diz-se no vídeo.
que causou 22 mortos, incluindo o do atentado. Nações em Genebra para todos os O vídeo alega que o atentado visava Abu Farida, explica o vídeo, tinha um
brasileiro Sérgio Vieira de Mello. Segundo a ONU, o evento deverá funcionários da organização. especialmente Sérgio Vieira de Mello, sonho de um dia “ter a cabeça de um
Um comunicado do Alto contar com as participações, entre Por seu turno, Annie Vieira de Mello, por este ter sido o “bisturi” na cristão”.
Comissariado da ONU para os outras, do secretário-geral da ONU, viúva do diplomata brasileiro, mandou separação de Timor- Leste da Esse sonho, refere o vídeo, “realizou-
Direitos Humanos, o órgão que Vieira Kofi Annan, e da sucessora de celebrar uma missa na Igreja de S. Indonésia e pelo seu papel na ex- se” com a morte de Vieira de Mello,
de Mello dirigia aquando da sua Vieira de Mello à frente do Alto Paulo onde decorreu o funeral de Jugoslávia. que foi “usado como um bisturi de
morte, refere que o tributo do ministro Comissariado da ONU para os Sérgio Vieira de Mello. O autor do atentado foi identificado cirurgião para separar Timor-Leste
da Cultura brasileiro visa ainda Direitos Humanos, a canadiana Vários antigos funcionários de Sérgio como Abu Farida al-Masri, um da Indonésia e para dividir a
promover a “reconciliação entre os Louise Arbour. Vieira de Mello, nomeadamente militante egípcio que jogou hóquei Jugoslávia”.
povos”. Entre outras individualidades durante o seu período enquanto num clube italiano e que era o O vídeo, usado para recrutar mais
O concerto de Gilberto Gil, no Victoria nacionais e internacionais, espera- administrador transitório da ONU em condutor do camião carregado de bombistas suicidas, é alegadamente
Hall em Genebra, incluirá ainda uma se também a presença da ministra Timor-Leste deverão deslocar-se explosivos que embateu contra o da responsabilidade de Abu Musab
interpretação do tema da iniciativa dos Negócios Estrangeiros suíça, propositadamente a Genebra por edifício onde funcionava a sede das al-Zarqaqi, o jordano que reivindicou
“Diálogo entre as Civilizações”, Micheline Calmy-Rey. altura da comemoração do primeiro Nações Unidas. grande parte dos atentados do
interpretada por especialistas de Fonte do alto comissariado disse à aniversário da sua morte. “Depois de regressar de Itália, ele último ano no Iraque.
Capoeira, da América Latina, Ásia, Lusa que no mesmo dia, Kofi Annan Em Julho último, o jornal inglês The conduziu várias operações contra os Lusa
PUBLICIDADE

o seu jornal Nacional Apoios

SEMANÁRIO www.semanario.tp

C Â M A R A M U N I C I P A L
Restaurante
Condomínio
Mural em Manatuto
723 84 00

O LINGUISTA
Ao longo da história da humanidade promoção do tétum – e de outras França), latim medieval e
sempre houve línguas com mais línguas de Timor Oriental. Um dialectologia italiana em diversas
prestígio que outras, muitas vezes verdadeiro linguista, no mais Universidades australianas
por razões políticas ou militares. As completo e nobre sentido da palavra, (Melbourne, Latrobe, Wollongong).
línguas de povos dominados ou o Professor Doutor Hull é aquilo a Tem qualificações certificadas
colonizados não tiveram que se costuma chamar um génio. institucionalmente como tradutor de
frequentemente durante séculos Nasceu numa família onde se francês, italiano, espanhol,
oportunidade de crescimento e misturam gentes de várias português, romeno, maltês, alemão,
modernização, especialmente no proveniências e línguas: da polaco, ucraniano e latim. Publicou
caso daquelas cujos falantes não Inglaterra, da Escócia, de Itália, abundantemente sobre estas
tinham desenvolvido nunca uma Malta e França. Pelo lado materno línguas, além de um livro sobre
história da reforma litúrgica nas estrangeiros. Nasce assim o Mai referendo da independência, e em
tradição escrita. Isso aconteceu não conta-se também uma permanência
Igrejas Romana e do Oriente. kolia tetun, publicado em 1993, hoje Agosto de 2000 foi o orador
apenas no Terceiro Mundo, mas de três gerações no Egipto. Cresceu
Nos anos oitenta, aquando de uma já na quarta edição, e que se tornou convidado por Xanana Gusmão para
também com muitas línguas ouvindo em casa, para além do
visita à Austrália de Dom Martinho uma ferramenta indispensável para falar sobre “Identidade, Língua e
minorizadas na Europa. Essa inglês, o italiano, maltês, francês,
da Costa Lopes, revoltado com a o aprendente de tétum. Um bispo Política Educacional” no Congresso
situação começou a mudar para árabe e grego. Tendo despertado
atitude do Primeiro Ministro do seu australiano convida-o para fazer Nacional do CNRT. A defesa que fez
numerosos idiomas no século XIX, cedo para a paixão pelos livros e a
país que acusava de mentiroso o parte de uma comissão que da importância da manutenção do
para muitos outros apenas após a linguística, começou a aprender latim
Bispo por este denunciar as acções investigava as violações de direitos português como língua oficial levou
época das independências a partir do e espanhol na adolescência, e um
dos ocupantes indonésios aliados da humanos em Timor, pelo que acaba a que a Embaixada da Austrália, que
fim da Segunda Guerra Mundial. Na pouco de português com membros
Austrália, Geoffrey Hull decide por vir cá duas vezes durante a lhe dava na ocasião alojamento, lhe
maior parte dos casos os esforços da comunidade goesa em Sydney. Na
investigar e publicar o que se ocupação, em 1994 e 1997, na tenha posto as malas à porta.
de estudo, padronização e Universidade de Sydney estudou
passava na realidade em Timor companhia de bispos da Austrália. Pertence à equipa de linguistas do
desenvolvimento de uma linguística histórica e comparativa,
Oriental. Viria a resolver também Desde os anos noventa passou a Instituto Nacional de Linguística que
determinada língua foram liderados especializando-se em línguas
aprender tétum, o que faz com dedicar a maior parte do seu labor foi responsável pelos trabalhos de
por um pequeno grupo de pessoas românicas e célticas. Partiu então
elementos da comunidade timorense académico ao estudo das línguas padronização do tétum. A
ou mesmo por um só indivíduo, um para Itália, a fim de fazer investigação
na Austrália, e com recurso a alguns timorenses, tendo publicado um importância do seu trabalho em prol
intelectual particularmente dotado e no terreno para a sua tese de
materiais já publicados que lhe são dicionário de tétum-inglês, outro de das línguas de Timor-Leste é tal que
especialmente dedicado. Assim, é doutoramento de 1982 sobre análise
facultados, como o dicionário de malaio-tétum, em co-autoria com mesmo os seus detractores se vêm
impossível esquecer o papel diacrónica dos dialectos galo-
1907 de Rafael das Dores e uma Toni Pollard, além de uma série de obrigados a recorrer mais do que
fundamental de Koldo Mitxelena na romances do Norte de Itália e do
tradução do Evangelho de São textos fundamentais sobre linguística gostariam de admitir aos materiais por
língua euscara (ou basco, na cantão de Grisons na Suíça. Ensinou
Marcos em tétum. Perante a não de Timor, e ainda recursos si publicados. Timor tem sorte em ter
Espanha), de Eliezer Ben Yehuda no filologia céltica e línguas célticas
existência de materiais mais pedagógicos e de descrição do um amigo assim.
hebraico (Israel), de Ivar Aasen e de modernas (gaélico da Irlanda, galês
Knud Knudsen no norueguês, de do País de Gales, córnico da modernos ou orientados para o mambai do Suro, baiqueno, galole e JPE, Icha Bossa e Irta Araújo
Johannes Aavik no estónio, de Taras Cornualha e bretão da França) na ensino da língua, prontifica-se, na uaimoa. Em 1999 recebeu o convite (Uma versão anterior em tétum foi
Shevchenko no ucraniano... Da Universidade de Sydney (1988-1992) sua categoria de linguista das Nações Unidas e da Comissão publicada no Várzea de Letras,
profissional, a escrever um manual Eleitoral Australiana para traduzir os Suplemento Literário mensal do jornal
mesma forma, é central o papel de e deu aulas e conferências sobre
para o ensino do idioma a documentos da votação para o Semanário, nº 3, Abril 2004)
Geoffrey Hull na investigação e italiano, francês, occitano (da

Você também pode gostar