Uma Abordagem de Progressões Geométricas por meio de Fractais no Ambiente de Geometria Dinâmica

Rejane Waiandt Schuwartz Faria1

Resumo
Esta pesquisa tem por objetivo investigar uma abordagem para o ensino e aprendizagem de Progressões Geométricas por meio de Fractais no ambiente de Geometria Dinâmica. Deste modo, serão elaboradas atividades, destinadas a um grupo de alunos do primeiro ano do Ensino Médio, propondo a construção, manipulação e análise de Fractais no software GeoGebra. Tais atividades terão como recursos as Tecnologias de Informação e Comunicação e a História da Matemática no que tange os Fractais e as Progressões Geométricas. Assim, a questão norteadora desta pesquisa é: “de que modo a construção, manipulação e análise de Fractais no ambiente de Geometria Dinâmica pode contribuir para a aprendizagem de Progressões Geométricas?”. Palavras-chave: Progressões Geométricas. Fractais. Geometria Dinâmica.

Introdução No que se refere aos Fractais e Progressões Geométricas, durante a graduação, cursei a disciplina denominada Laboratório de Ensino e Aprendizagem em Matemática. Nesta disciplina observamos e refletimos sobre o processo de ensino e aprendizagem de matemática na Educação Básica e buscamos alternativas do ensino específico de alguns tópicos de Matemática na Educação Básica. Nesta disciplina desenvolvi, entre outros três projetos, um projeto sobre Progressões Geométricas, no qual elaborei juntamente com outros licenciandos, Progressões Geométricas, bem como deduzir a expressão do termo geral da mesma. Numa outra disciplina, Tópicos Especiais em Educação Matemática, pesquisei e realizei seminários sobre os Fractais. Após essa pesquisa pude observar como os Fractais podem, no ambiente de geometria dinâmica, auxiliar na construção do conceito de Progressões Geométricas.
1

uma

atividade com o intuito de conduzir os alunos do Ensino Médio a construir o conceito de

mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), campus de Rio Claro, SP, sob a orientação do professor Dr. Marcus Vinicius Maltempi. E-mail: rejanefaria1@hotmail.com.

Deste modo.rc. identificando os principais aportes teóricos que as 2 Home-page: http://www. tendo Fractais como tema central ou não. 2009). embora não tenhamos pesquisado. pude investigar e analisar o processo de ensino e aprendizagem de algumas sequências em contato com recursos das TIC e. Revisão da Literatura Pesquisas envolvendo Fractais têm despertado a atenção de investigadores de Matemática e Educação Matemática no exterior e também em nosso país.unesp. neste trabalho proponho uma abordagem de Progressões Geométricas por meio de Fractais no ambiente de Geometria Dinâmica. pude analisar e verificar o quanto a História da matemática e as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) auxiliam no desenvolvimento da aprendizagem. Deste modo. Pesquisadores de outras áreas também vêm realizando trabalhos que.br/igce/pgem/gpimem. outras Mídias e Educação Matemática) vem desenvolvendo relacionados as formas como conteúdos de matemática podem ser abordados com TIC e a maneira como estas condicionam a produção do conhecimento matemático. especificamente.html . têm contribuído para a propagação e novas descobertas referentes ao assunto. campus Campos – Centro. Nas atividades elaboradas na monografia.Além desses contatos. RIBEIRO. Na monografia intitulada “Razão Áurea: Um elemento motivador para o estudo de razões e sequências na Educação Básica” que desenvolvi juntamente com Danielly Silva de Oliveira Ribeiro como trabalho de conclusão de curso na Licenciatura em Matemática do Instituto Federal Fluminense (IFF). Este trabalho está inserido nas atividades que o GPIMEM2 (Grupo de Pesquisa em Informática. com o objetivo de verificar em que direção estão indo às pesquisas acerca de Fractais. Tais atividades terão como recursos as TIC e a História da Matemática no que tange os Fractais e as Progressões Geométricas. elaboramos atividades que possuem como elemento motivador a Razão Áurea para o estudo de razões e sequências e as aplicamos no Ensino Médio e nos ciclos finais do Ensino Fundamental (FARIA. no presente estudo apresento a revisão bibliográfica de trabalhos que considero relevantes para este Projeto. as Progressões Geométricas. as pesquisas realizadas despertaram o meu interesse nesse tipo de sequência. ao longo de outras disciplinas da Licenciatura.

destaca algumas razões de se estudar Fractais na sala de aula: • • • • • conexões com várias ciências..embasam. quer apreciando o belo irradiante. Os Fractais surgiram como uma nova geometria caracterizada por ter dimensão fracionária e pela autossimilaridade de suas figuras. . Segundo Barbosa (2002. entre outras coisas. criar algoritmos. também chamado de Pai dos Fractais (BARBOSA. sensação de surpresa diante da ordem na desordem.1): A introdução de Fractais no Ensino Médio. bem como questões históricas que registram o seu surgimento e desenvolvimento. que tem por verbo correspondente frangere que significa. além de satisfazer a curiosidade de quantos já ouviram falar neles. Segundo Barbosa (2002) essa ciência trouxe consigo o ver ordens e padrões. o aleatório.14): O despertar e desenvolver do senso estético pode muito bem ser cuidado e aproveitado com o tema Fractais. No caso. Especificamente para o Ensino Médio. por Maldelbrot. o imprevisível. Com ela pode-se explicar vários fenômenos da natureza e estruturas do corpo humano....). da curva de Koch (figura 1). existe uma relação entre os Fractais e os variados conteúdos matemáticos. existência do belo nos Fractais e possibilidade do despertar e desenvolver o senso estético com o estudo e arte aplicada à construção de Fractais (.19 . p. O nome Fractais foi dado pelo seu iniciador. nos anos 70. conforme afirma Sallum (2005. As primeiras obras sobre Fractais foram criadas recentemente. fragmentar.20). p. propicia a oportunidade de trabalhar com processos iterativos.). deficiências da Geometria Euclidiana para o estudo de formas da natureza (. O estudo dos Fractais está ligado à uma ciência chamada CAOS. Barbosa (2002. difusão e acesso aos computadores e a tecnologias da informática nos vários níveis de escolarização. quer observando a regularidade harmoniosa nas suas próprias irregularidades. onde anteriormente só se observava o irregular. baseado no adjetivo em latim fractus. 2002). Muitos trabalhos desenvolvidos sobre Fractais destacam a beleza visível em suas diversas formas. Benoit Mandelbrot. escrever fórmulas gerais. introduzir uma idéia intuitiva do conceito de limite e é um excelente tópico para aplicação de Progressões geométrica e estímulo ao uso de tabelas. p. calcular áreas e perímetros de figuras com complexidade crescente.

Figura 1: Curva de Koch Fonte: SALLUM. pode trazer bons resultados ao ensino de Matemática. 2005. pois. acompanhado de software apropriados e de uma metodologia que explore as funções do computador. Assim sendo. que abrem caminhos para o estudo das Progressões Geométricas. com programas de Geometria Dinâmica. o autor argumenta que o uso de computadores. e Fractais construídos por algoritmos geométricos no Ensino Médio e no primeiro ano de graduação em exatas. contudo não foi especificado qual software deveria ser utilizado para sua realização. algoritmos e Progressões Geométricas a partir de Fractais. Em Brandão (2002) é apresentada uma atividade objetivando mostrar como o computador pode catalisar o processo de aprendizagem. principalmente num ensino que privilegie o pensar. são observadas em todos os Fractais. Sobre a Geometria Dinâmica. 2 Estas características. para o autor. estudar geometria. embora os métodos de construção variem de um . p. A atividade apresentada no artigo foi elaborada para ser desempenhada no ambiente de Geometria Dinâmica. O artigo ilustra possibilidades de. testar. construir. entende-se que eles podem ser usados como condutores para a abstração das Progressões Geométricas pelos alunos.por exemplo. os lados da figura inicial para as próximas figuras aumentam obedecendo a uma Progressão Geométrica de razão 4.

e que. neste trabalho. somatórios e até de convergência. ressaltando a importância dos padrões que emergem pelos processos iterativos. Para eles existem alguns fatores que contribuem para isso. A autora procurou compreender se trabalhar a incorporação da Geometria Fractal no currículo tradicional do Ensino Básico possibilitaria uma compreensão da visão de mundo que permeia a construção da ciência contemporânea. como um desses fatores. Nesse contexto a autora destaca a possibilidade e urgência de trabalhar a Geometria Fractal como núcleo do currículo de Matemática do Ensino Básico. que pode ainda ser chamado de macroconstruções ou script. que os alunos do Ensino Fundamental e Médio apresentam dificuldades em entender esse campo do saber. privilegiando o modo dedutivo ao invés do indutivo. todos eles dispõem de ferramentas que desempenham o papel da régua e do compasso e os recursos para mover e redesenhar as figuras construídas. Brandão (2002) defende o uso de recorrência em macros3 para registro das construções dos Fractais. Na visão dos autores. Sobre a construção de Fractais com software de Geometria Dinâmica. com suas próprias vivências. como o agrupamento de comandos realizados e registrados num software. a palavra macro segundo Brandão (2002). Os autores apresentam então. Em Gouvea e Murari (2004) é relatado o interesse dos autores no ensino e aprendizagem da geometria por perceberem. o software utilizado 3 Defino. é desenvolvida a proposta de trabalhar a Matemática no Ensino Básico segundo as concepções da ciência contemporânea. além disso. para construções de Fractais geométricos com os quais se podem explorar conceitos de Progressões Geométricas. existe uma infinidade de possíveis Fractais. um trabalho que envolve Fractais. Na tese de Baier (2005). também. pois tais registros permitem a escrita posterior de algoritmos. fornecendo-lhes as macros recorrentes prontas e solicitando tarefas exploratórias sobre número de objetos e formato dos Fractais. objetos Fractais. caleidoscópios e software de geometria dinâmica que podem ser explorados em sala de aula proporcionando uma abordagem diferente de alguns conceitos de geometria. e destacam o modo pelo qual a geometria tem sido abordada. se empregarmos uma abordagem explorando as macros é possível trabalhar com alunos do Ensino Médio. .software para outro. os Fractais e os caleidoscópios proporcionam ao aluno contemplar a beleza da geometria presente no cotidiano e no mundo que o cerca. bem como compreender seus possíveis desdobramentos. Na pesquisa realizada. afinal. os quais geram.

Para isso. mediatriz. obter os Fractais de bases caleidoscópicas. e propõe uma abordagem de Fractais resgatando conceitos básicos da Geometria Euclidiana. neste trabalho foram dadas sugestões e exemplos de estudos dessas Progressões interagidas com os Fractais. Foram trazidos também um breve histórico da descoberta dos Fractais e destacados suas principais características e os algoritmos que propiciam a sua construção. Na dissertação de Almeida (2006) é investigado uma abordagem para o ensino da geometria dos Fractais sob o olhar do professor e sua receptividade no desenvolvimento de uma sequência didática para abordar o conceito de Fractais. seqüências. a autora relata que mostra aos professores. foram apresentados Fractais e formas de construir tabelas e mostrar exemplos geométricos em que aparecem Progressões Geométricas e Progressões Aritméticas. é a Monografia de autoria de Pallesi (2007). é descrito também alguns aspectos pedagógicos e matemáticos relacionados à aplicabilidade dos Fractais Geométricos no processo de construção de conceitos geométricos. Um outro trabalho realizado sobre Fractais. num mini-curso. bissetriz. Para isso. orientado por Murari defende sua dissertação de mestrado. argumentos que visam mostrar que é possível motivar o uso da Progressão Aritmética e Progressão Geométrica aliando seus conceitos algébricos com o estudo da geometria Fractal. pois ele permite (dentre várias outras funções). Nessa dissertação. De forma mais específica. de forma sucinta. proporcionando o estudo de muitos conceitos geométricos (como reflexão. etc) através de bases caleidoscópicas. além de aliar o estudo da geometria com conceitos algébricos dessas . Nela. transformações geométricas. Gouvea (2005) afirma que a Geometria Fractal é um tema pouco explorado nos cursos de graduação em Matemática. um panorama histórico e a necessidade do surgimento da geometria dos Fractais para representar melhor as formas da natureza. sua monografia teve como objetivo introduzir o estudo dos Fractais aliados as Progressões Geométricas e Aritméticas no Ensino Médio. Neste trabalho é apresentado. No ano seguinte. de espelhos e caleidoscópios. respaldados pela metodologia de resolução de problemas. Segundo a autora. utilizando caleidoscópios e software educacionais. Com este mini-curso a autora concluiu que o professor está receptivo às novas propostas. simetrias. mas que precisam de oportunidade e espaço para reflexão sobre suas ações.foi o Cabri Géomètre II. Esta pesquisa revela uma maneira inovadora de obterem-se Fractais geométricos. Gouvea.

manipular e analisar os Fractais. que hoje são estranhas. Os caminhos percorridos pelos pesquisadores são distintos. pois a Matemática é uma ciência que foi criada e desenvolvida em prol dos problemas. D’ Ambrosio (1997) afirma que é muito difícil motivar os alunos somente com fatos e situações do mundo atual. entende-se que é relevante abordar a História da Matemática nas atividades a serem elaboradas. de necessidades e de urgências de outros tempos. Esta afirmação é ratificada por Santos (2007. e que por esses motivos ela poderia ser ensinada com um fato histórico. por meio da aplicação. de uma realidade. artigos e outros trabalhos realizados relacionado as Progressões Geométricas com Fractais. Além disso. na pesquisa que realizarei estarei focada numa abordagem para sala de aula. a História da Matemática e a teoria sobre TIC no ensino e aprendizagem de Matemática auxiliarão em sua realização e na análise dos resultados obtidos. tem um grande valor histórico. Outra sugestão foi uma atividade demonstrando a construção de alguns dos Fractais apresentados utilizando o Cabri-Gèométre. e se distingue das demais pelo fato de não somente sugerir atividades. assim sendo. Fundamentação Teórica Inicial Na pesquisa proposta neste projeto. por outras focadas numa abordagem para sala de aula seja por seu valor matemático ou por sua beleza e questões afins. e outras abordando esses assuntos isoladamente. . pode motivar o aluno a se aprofundar no assunto tendo uma visão de como esses tipos de problemas eram resolvidos antes de existir o que hoje nos é familiar. buscam construir.. p. Ao concluir esta revisão. de percepções. mas verificar. que por sua vez.19): O uso da História da Matemática pode auxiliar no conhecimento matemático (. Dentre esses caminhos. neste projeto proponho uma abordagem específica de Progressões Geométricas por meio de atividades. posso afirmar que não existe uma direção única no que tange as pesquisas em Fractais. que segundo a autora é uma ferramenta de fácil manipulação e muito útil para este fim.). Os Fractais.sequências.. os resultados possíveis com essa abordagem para o processo de ensino e aprendizagem das Progressões Geométricas. Conquanto já existam investigações. embora descobertos a menos de meio século. por vezes com uma ênfase mais teórica.

Cabe . no mínimo. Isso será impossível de se atingir sem a ampla utilização de tecnologia na educação.80). 2007. Estamos entrando na era do que se costuma chamar a ‘sociedade do conhecimento’.. Este fato não ocorre de forma diferente na vida dos alunos fora da escola. p. a organização. grifo meu). a utilização de software é uma alternativa nestas atividades. Assim sendo. Informática e comunicações dominarão a tecnologia do futuro (D’AMBROSIO. No cotidiano pode-se observar que elas vêm alterando vários campos da sociedade em diversos setores. Os professores. Nessa pesquisa. Para Libâneo: [.10..Miguel e Miorim (2004) recomendam utilizar a história como um fio condutor que direciona as explicações dadas aos porquês da Matemática. A escola não se justifica pela apresentação de conhecimento obsoleto e ultrapassado e muitas vezes morto.] O novo professor precisaria. será relatado aos alunos questões históricas que falam do surgimento e desenvolvimento dos fractais e de sua relação com as Progressões Geométricas. 1997. Assim sendo. interagindo com o aluno na produção de novos conhecimentos. entende-se que os professores devem articular as mídias e multimídias durante as aulas. o professor tem um novo papel de gerenciador do processo de ensino e aprendizagem. Sobretudo ao se falar em ciências e tecnologia. competência para saber agir na sala de aula. visando auxiliar a aprendizagem. integrado nos valores e expectativas da sociedade. bem como. para a promoção de ensino e da aprendizagem da Matemática escolar baseado na compreensão e na significação. saber usar meios de comunicação e articular as aulas com as mídias e multimídias (LIBÂNEO. domínio da linguagem informacional. Sobre as TIC. Será essencial para a escola estimular a aquisição. concordo que estamos diante de um período de globalização em que as elas se caracterizam como importante instrumento para a inovação (BARCELOS. que estão inseridos nessa ‘sociedade do conhecimento’ devem estar atentos as atividades realizadas em sala de aula que não cumprem seus objetivos devido ao excesso de tarefas que se restringem a repetição de esquemas. entende-se que a História da Matemática deve possibilitar ao estudante o entendimento do conhecimento matemático no âmbito histórico. De acordo com PERRENOUD (2000). p. capacidade de aprender a aprender. de uma cultura geral mais ampliada. valorizando o desenvolvimento crítico. a geração e a difusão do conhecimento vivo. Deste modo. habilidades comunicativas. 2004).

D’AMBROSIO (1997) afirma que as TIC estão cada vez mais presentes no cotidiano. Brandão (2002).) tornam-se factíveis com o uso de tecnologias. por meio . enquanto a geometria de “régua e compasso” é do tipo: uma construção. seja pelas possibilidades de sua aplicação nesse processo (BRASIL. et al. oferecendo novas e variadas formas para que esses processos ocorram. em sua maioria.) As tecnologias ampliam as possibilidades de se ensinar e apender.. 1997. permitindo que os alunos se dediquem às mais qualificadas. o que seria praticamente impossível somente com régua e compasso. Os PCN destacam o uso consciente das TIC. GENTIL. de forma que as idéias para trabalhos pedagógicos que antes eram inviáveis (por limitações de custo.. iniciam o assunto apresentando a definição de uma Progressão Geométrica e em seguida a expressão do seu termo geral. afirma que a Geometria Dinâmica é a implementação no computador de construções com régua e compasso. um teste. seja pela sua destacada presença na sociedade moderna. Para Maltempi (2008. Só após essa etapa é que demonstram tal expressão. recursos físicos. a partir de uma única construção. 60): (.34). Neste contexto. As atividades que serão elaboradas neste trabalho serão desenvolvidas no ambiente de geometria dinâmica. Ele afirma que ela possibilita ao aluno. A abordagem das Progressões Geométricas que proponho neste trabalho não segue esta linha. IEZZI. etc. 1989) observei que o capítulo destes livros que tratam deste conteúdo. na qual o estudante pode mover alguns dos objetos construídos. n testes. tempo. p.ao professor destinar a eles as tarefas repetitivas. et al. de atividades que. 1997. et al. Este trabalho será composto. como ferramenta auxiliar no processo de ensino e aprendizagem de temas matemáticos. IEZZI. 2004. efetuar um número considerável de testes. por isso é importante utilizá-las na sala de aula. p. Justificativa e Relevância Pesquisando o conteúdo Progressões Geométricas em alguns livros didáticos (BEZERRA. em particular o uso de computadores na aprendizagem de Matemática: Ele é apontado como um instrumento que traz versáteis possibilidades ao processo de ensino e aprendizagem de Matemática. pois a geometria dinâmica é do tipo: uma construção. entre outras questões. 1997.

e que por isso a metodologia de pesquisa é importante não como um corpo rígido de passos a serem seguidos. o diferencial desta pesquisa consiste em não somente propor atividades. outras sobre Progressões Geométricas e até mesmo relacionando ambos (e. Embora existam pesquisas realizadas que propõem estudos sobre Fractais. Gouvea (2005). como motivações e atitudes individuais (GOLDENBERG. por entender que as descobertas inerentes a pesquisa são influenciadas pelos seus principais atores. Objetivo e Procedimentos Metodológicos Diante das questões abordadas neste projeto. foi possível compreender a relevância de pesquisas sobre Fractais. Com base na revisão da literatura relevante realizada. manipulação e análise de Fractais. manipulação e análise de Fractais no ambiente de Geometria Dinâmica pode contribuir para a aprendizagem de Progressões Geométricas? Para buscar respostas para tal questão. e que este é o ator principal no processo de pesquisar. Pallesi (2007)). com os quais será desenvolvido este projeto na busca de emergir contribuições à abordagem de Progressões Geométricas. 1999). Baier (2005). Araújo e Borba (2006) afirmam que não acreditam na existência de conhecimento sem o ser humano.da construção. Almeida (2006). Além disso. é necessário que surjam novas pesquisas no Brasil e no exterior que investiguem sua história e suas possibilidades. no ambiente de geometria dinâmica. mas aplicá-las e analisar os resultados no seu processo de ensino e aprendizagem. esta pesquisa tem por objetivo buscar possíveis respostas a seguinte questão de pesquisa: De que modo a construção. utilizarei a metodologia qualitativa. mas como um planejamento para o processo de busca. Sendo meu sujeito de pesquisa um grupo de alunos do primeiro ano do Ensino Médio.g. a metodologia de pesquisa qualitativa consente ao pesquisador realizar um questionamento crítico da construção do objeto científico e permite estudar questões difíceis de quantificar. . serão elaboradas e aplicadas atividades com alunos do primeiro ano do Ensino Médio que abordarão esta temática. Reconhecendo que este é um assunto relativamente recente (cerca de 40 anos). abordarão as Progressões Geométricas. com ênfase na sua divulgação e exploração em sala de aula como alternativa de abordagem em diversos conteúdos.

Campinas: Papirus. C. Rio de Janeiro: Record. A Arte de Pesquisar. RJ. 2005. Educação Matemática: da teoria à prática. 1997. 2 ed. Recife. Novo Bezerra Matemática. M. Belo Horizonte: Autêntica Editora.. 2002. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista – UNESP. 2005. 2004. 2006. 2006. Inovação no Sistema de Ensino: o Uso Pedagógico das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Licenciaturas em Matemática da Região Sudeste. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista – UNESP. S. In. FARIA. de O. O. GENTIL. E. G. BARCELOS.. F. . ed. J.1.. M. 2004. M. Campos dos Goytacazes. Os Fractais na formação docente e sua prática na sala de aula. MARCONDE. D’AMBROSIO.. . S. U. MURARI. GOUVEA. Matemática para o 2º grau. A.. Descobrindo a Geometria Fractal – Para a sala de aula. GRECO. W. DEGENSZAJN.. A. Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF. F. ed. BRANDÃO. Fractais de Bases Caleidoscópicas. v. v. ARAÚJO. O. L. A. DOLCE.Referências ALMEIDA. GRECO. Tese (doutorado em Educação Matemática). T. Dissertação (mestrado profissional em Ensino de Matemática). 1989. L. M. São Paulo: Ática. IEZZI. D.. PÉRIGO. A. C. O nexo “Geometria Fractal – Produção da Ciência Contemporânea” tomado como núcleo do currículo de matemática do Ensino Básico. p. 1997.. Dissertação (mestrado em Educação Matemática). Algoritmos e Fractais com Programas de GD. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Média e Tecnológica. 1997. Matemática Volume Único. G. Construindo Pesquisas Coletivamente em Educação Matemática. D. 2002. São Paulo: Scipione. C. R. M. C. São Paulo: Revista do Professor de Matemática. O. 27. C. ARAUJO. Dissertação (Mestrado em Ciências de Engenharia). 2009. GOLDENBERG. (Org) Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática.34. Monografia (curso superior de licenciatura em Matemática). Razão Áurea: Um elemento motivador para o estudo de razões e sequências na Educação Básica. BAIER. L. RIBEIRO. R. 49. Belo Horizonte: Autêntica. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica – PUC. In: VIII Encontro Nacional de Educação Matemática. N. PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais): Ensino Fundamental – Bases Legais. São Paulo: Atual. BARBOSA. BORBA. 3. BRASIL. R. R. J. M. T. 1999.: BORBA. Um estudo de Fractais Geométricos através de caleidoscópios e softwares de Geometria Dinâmica. S. BEZERRA. A. Campos dos Goytacazes: Instituto Federal Fluminense. BELOTO. J. R. GOUVEA. 2.1997.

N. Motivação do estudo de Progressões Aritméticas e Geométricas através da Geometria Fractal. C. v.8. MIGUEL. São Paulo: Atual. 2007. Dez Novas Competências para Ensinar.67. São Paulo: Revista do Professor de Matemática. Adeus Professora? Educacionais e Profissão Docente. SP: Cortez. O. ALMEIDA. 2004.10. . SALLUM. Canoas: Acta Scientiae. 1. DEGENSZAJN. PÉRIGO. LIBÂNEO. E. 2004. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP. A história da Matemática como ferramenta no processo de ensinoaprendizagem da matemática (Mestrado Profissional em Ensino de Matemática). Belo Horizonte: Autêntica. dos.. Adeus Professor.. A. 2008. 2ª ed. PALLESI. PAIS. Fractais no ensino médio.IEZZI.1. 2000. Belo Horizonte: Autêntica. DOLCE. 2007. 57.. propostas e desafios. A. p. v. Educação matemática e tecnologias digitais: reflexões sobre prática e formação docente. D. História na educação matemática. no 1. P. Porto Alegre: Artmed Editora. M. M. C. 59 . R. 2005. A. MIORIM. PERRENOUD.. M. Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. D. M.. p. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. 2002. M. Luis Carlos. Novas Exigências MALTEMPI. Matemática: Ciência e Aplicação. v. V. G. SANTOS. Monografia (curso de especialização para professores de matemática). de. 2002. J.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful