Você está na página 1de 8

PESQUISA CIENTÍFICA

NOME: RAPHAEL T. R. ALMEIDA

1,2,3,4
 Conceito de empresário (art. 966, Código Civil)
- Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade
econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de
serviços.

 Requisitos que caracterizam o empresário

1. Profissionalismo: O empresário é um profissional, ou seja, faz do


exercício da atividade econômica o seu ofício.

- Faz parte da noção de profissionalidade:

a) Habitualidade/Continuidade: A atividade profissional não


pode ser exercida de forma esporádica, mas como prática
habitual.

b) Pessoalidade: O empresário deve estar a frente do negócio,


ou contratar empregados que o representam.

c) Especialidade: O empresário é dotado de expertise, ou seja,


é ele quem detém as informações técnicas a respeito dos
produtos ou serviços. Além disso, a atividade empresarial está
sujeita à risco. O empresário, por sua vez, assume o risco total
do exercício da empresa.

2. Atividade: A palavra empresa deve ser empregada no sentido


técnico e jurídico como sinônimo de atividade (empreendedorismo) e
o empresário é o sujeito de direito que explora essa atividade.
Portanto, quem se dedica à produção de bens, circulação ou
produção de serviços é o empresário e, não a empresa. A empresa é
somente a atividade de produção ou circulação de bens ou serviços.

3. Economia: O empresário, enquanto exercente da empresa, sempre


desenvolve atividades econômicas, ou seja, a finalidade lucrativa é
elemento intrínseco da atividade empresarial.
4. Organização: O empresário é responsável pela organização da
atividade organizada econômica, sendo assim, é ele que congrega
os fatores de produção de forma organizada, a saber:

a) Capital: Dinheiro, bens móveis ou imóveis etc.;

b) Mão-de-obra: Contratação de pessoal ou trabalho;

c) Insumos: Matéria-prima, maquinas, equipamentos; e

d) Tecnologia: Técnicas para desenvolver uma atividade.

5. Produção de bens ou serviços:

a) Produção de bens: Consiste na fabricação de produtos ou


mercadorias, tais como as atividades de indústrias,
montadoras de veículos, confecção de roupas etc.

b) Produção de serviços: É a própria prestação de serviços,


tais como atividades de bancos, hospitais, escolas, seguros
etc.

6. Circulação de bens ou serviços:

a) Circulação de bens: A atividade de comércio, ou seja, de


intermediação. Faz parte dessa atividade a venda de insumos
ou de mercadorias para consumo, por exemplo: a atividade de
supermercados, lojas de roupas etc.

b) Circulação de serviços: Consiste na intermediação de um


serviço, como por exemplo: as agências de turismo que não
prestam serviços de transporte, mas montam pacotes de
viagem.

 Empresário Individual: Sob a epígrafe de empresário, estão


compreendidos tanto aquele que, de forma singular pratica
profissionalmente atividade negocial, como a pessoa jurídica constituída
para o mesmo fim.
Os dois praticam atividade econômica organizada para a produção,
transformação ou circulação de bens ou prestação de serviços. Ambos
têm por objetivo o lucro.

Diferença: A diferença entre o empresário individual e a sociedade empresária


é que esta, como pessoa jurídica, têm patrimônio próprio, distinto do patrimônio
dos sócios.
Assim, os bens pessoais dos sócios, em princípio, não respondem pelas
obrigações da sociedade. somente ocorrerá se o patrimônio da sociedade for
insuficiente ou, após esgotados os bens dela, é que ao bens particulares dos
sócios poderão responder pelas obrigações, ou seja, a responsabilidade dos
sócios é subsidiária.
Art. 1024, CC: “Os bens particulares dos sócios não podem ser executados por
dívidas da sociedade, senão depois de executados os bens sociais.”
O empresário individual, por sua vez, responde com todos os seus bens pelas
obrigações contraídas no exercício da empresa, ou seja, não há separação
patrimonial dos bens, assim, a responsabilidade do empresário individual é
direta, pessoal e ilimitada.

IMPORTANTE
- Ser empresário não significa, simplesmente, praticar atividade negocial. A
condição de empresário reclama a congregação de alguns elementos básicos,
porque se trata de qualificação profissional.
- Para o exercício da empresa, o empresário individual precisa reunir 5 (cinco)
elementos:

1. Capacidade Jurídica: Todo ato jurídico tem como a condição primária


de validade, a capacidade de quem o pratica de poder assumir
obrigações.

- Em regra, os maiores de 18 anos; os emancipados;

- Os relativamente incapazes (maiores de 16 e menores de 18 anos)


necessitam de autorização judicial para continuar a empresa;

- Os absolutamente incapazes (menores de 16 anos) só poderão


continuar a empresa anteriormente exercida por seus pais ou pelo autor
de herança, com o sentido de preservar a empresa. Além de necessitar
de autorização judicial e exercer o comando da empresa através de um
representante ou assistente.
- O empresário casado não precisa de outorga conjugal para alienar
(vender) ou gravar de ônus real os imóveis que integram o patrimônio da
empresa (art. 978, CC)

2. Ausência de impedimento legal: Algumas profissões possuem


empecilhos previstos em lei.
Por exemplo: Magistrados e membros do Ministério Público; Agentes
públicos; Médicos; Militares; Deputados etc.

3. Exercício profissional da empresa: O exercício da empresa deve ser


exercido:
a) Profissionalmente: Não pode ser esporádico;
b) Em nome próprio: Não pode ser em nome de terceiro;
c) Com o intuito de lucro: Não graciosamente.
4. Regime peculiar regulador de insolvência

5. Registro Obrigatório: O primeiro e um dos principais deveres do


empresário é a oficialização de sua condição mediante a inscrição no
Registro Público de Empresas Mercantis (Junta Comercial), previsto no
art. 967 do Código Civil.

 Microempresas: Consideram-se Microempresas, aquelas que atingem


o faturamento anual de até R$360.000,00.

- Como nome empresarial, as microempresas utilizam a razão social ou


denominação qualquer aderida da cláusula ME.

 Empresas de Pequeno Porte: Consideram-se Empresas de Pequeno


Porte, aquelas que atingem o faturamento anual de até 4,8 milhões de
reais.

 Tributos: Serão recolhidos através do sistema ”Simples Nacional”.

- Simples Nacional: É o nome fantasia do sistema de tributação


simplificada criado em 1996 pelo governo. O seu objetivo é facilitar o
recolhimento de contribuição das microempresas e médias empresas.
- Os impostos que fazem parte do Simples Nacional são:

1. Impostos de renda de Pessoa Jurídica;


2. CSLL (contribuição social sobre o lucro líquido);
3. IPI (impostos sobre produtos industrializados);
4. Confins e INSS (tributos federais);
5. ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços –
estadual);
6. ISS (imposto sobre serviços de qualquer natureza – municipal)

 Formas de tributação sobre os lucros

a) Lucro presumido: Quando o Estado não consegue contar a


receita bruta, portanto, presume-se algum valor da receita a ser
tributado;

b) Lucro real: Todas as receitas e despesas são consideradas para


efeito de tributação.

 Para entender melhor: O conceito de empresário aplica-se tanto para o


empresário individual quanto para a sociedade empresária, tendo em
vista a noção de sociedade empresária prevista no art. 982 do Código
Civil.

Art. 982, CC: “ Salvo as exceções expressas, considera-se empresária


a sociedade que tem por objetivo o exercício de atividade própria de
empresário sujeito à registro (art. 967, CC); e simples, as demais.

Art. 967, CC: “É obrigatória a inscrição do empresário no Registro


Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de
sua atividade.

 Tipos de sociedade

a) sociedade empresária: Tem como objetivo a atividade econômica


organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços,
devendo ter seus atos constitutivos inscritos no Registro Público de
Empresas Mercantis (Junta Comercial).
b) Sociedade simples (não empresária): Neste tipo de parceria, os
sócios exercem as suas profissões ou prestam serviços de natureza
pessoal, devendo ter o seu contrato social inscrito no Registro Civil
de Pessoas Jurídicas (Cartório de Títulos e Documentos).

 Contrato Social: É um documento onde constam as regras e as


condições sob as quais a empresa funcionará e onde estão
estabelecidos os direitos e as obrigações para cada um dos proprietários
que compõem a sociedade.

Art. 997, CC: “A sociedade constitui-se mediante contrato escrito,


particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes,
mencionará:

I – Nome, nacionalidade, estado civil, profissão e residência dos sócios,


se pessoas naturais, e a firma ou a denominação, nacionalidade e sede
dos sócios, se jurídicas;

II – Denominação, objeto, sede e prazo da sociedade;

III – Capital da sociedade, expresso em moeda corrente, podendo


compreender qualquer espécie de bens, suscetíveis de avaliação
pecuniária;

IV – A quota de cada sócio no capital social, e o modo de realizá-la;

V – As prestações a que se obriga o sócio, cuja contribuição consista em


serviços;

VI – As pessoas naturais incumbidas da administração da sociedade, e


seus poderes e atribuições;

VII – A participação de cada sócio nos lucros e nas perdas;

VIII – Se os sócios respondem, ou não, subsidiariamente, pelas


obrigações sociais;

Parágrafo único: É ineficaz em relação à terceiros qualquer pacto


separado, contrário ao disposto no instrumento do contrato.

 Responsabilidade dos sócios


a) Ilimitada: Em caso de dívidas ou falência de empresa, o sócio irá
responder de forma ilimitada, ou seja, com seus bens pessoais;

b) Limitada: A responsabilidade deste tipo de empresa, é limitada ao


seu capital social, ou seja, preserva o patrimônio pessoal dos sócios.

 Quota Social: É a entrada com a qual cada sócio contribui ou se obriga


a contribuir para a formação do capital de uma sociedade limitada.

Obs: Em uma sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é


restrita ao valor de suas quotas.

 Estabelecimento Empresarial: É o conjunto de bens dispostos de


maneira organizada, que dá sustentáculo à atividade econômica
desenvolvida pelo empresário, de modo a possibilitar o contato dos
clientes com o serviço ou produto oferecido o que, consequentemente,
derivará o lucro diante desse contato.

- O estabelecimento empresarial é elemento indissociável da sociedade


empresária;

- Ao estabelecimento empresarial é atribuído valor econômico muito


superior à soma individual de todos os elementos que o compõem,
devido à organização econômica, feira pelo empresário, desses bens.

Art. 1.142, CC: “Considera-se estabelecimento empresarial todo


complexo de bens organizado, para exercício da empresa, por
empresário ou sociedade empresária.”

Art. 1.143, CC: “Pode o estabelecimento empresarial ser objeto unitário


de direitos e de negócios jurídicos, translativos ou constitutivos que
sejam compatíveis com a sua natureza.”

- O estabelecimento empresarial é formado por um conjunto de bens


(corpóreos ou incorpóreos), reunidos pelo empresário para explorar uma
atividade econômica.

- O Fundo de Comércio é o valor agregado à esse conjunto, em razão


da mesma atividade.
- O Ponto Comercial é o local onde a atividade comercial se
desenvolve.
- O Aviamento corresponde à potencialidade desse estabelecimento
empresarial gerar lucro e está relacionado diretamente à clientela.
Dessa forma, quanto maior a clientela, maior o aviamento.

- A Clientela representa um conjunto de pessoas que com habitualidade


adquire produtos ou serviços fornecidos pelo empresário.

 Quanto vale uma empresa?

a) Valor contábil do patrimônio;

b) Valor de ativos;

Obs: Ativo: são os bens e direitos que pertencem à uma


entidade;
Passivo: Corresponde ao saldo das obrigações devidas.

c) Fundo de comércio (Goodwill);

d) Valor de reposição ou valor de liquidação;

e) Múltiplos de mercado;

f) Fluxo de caixa descontado.

Você também pode gostar