Você está na página 1de 23

Módulo de

Aprofundamento
Aula 11 - Robótica

Caro cursista, nesta aula você vai:

Analisar e compreender as possibilidades do trabalho


com robótica e linguagem computacional na sala de aula.
INTRODUÇÃO

Para iniciarmos nossa


conversa sobre robótica, assista o
vídeo dos professores Paulo
Gurmieiro e Fábio Paiva.
Robótica

Como abordado no vídeo, quando o aluno passa a


programar, as ações passam também a refletir sobre os
erros, pensar em possibilidades, criar alternativas.

Vamos analisar a robótica em um contexto prático?


Para saber +
O que é Arduino e como funciona:

Disponível em:
https://portal.vidadesilicio.com.br/o-que-e-arduino-e-
como-funciona/
Para saber +
What is Arduino?
Disponível em: https://www.arduino.cc/
O Arduino
O que compõe o Arduino?

A estrutura física é composta da seguinte maneira:

1- Botão RESET – reinicia a programação.


2 - GND - aterramento.
3 - Pinos de entrada e saídas digitais.
4 - AREF - configura a tensão de referência para a
entrada analógica (o valor máximo do intervalo de
entrada).
5 - PWM - os pinos com o sinal ( ~) podem simular
saída analógica.
6 - USB - utilizada para conectar o computador e
realizar a transferência de código.

Fonte: Autoria própria - Paulo S. Gumiero


O Arduino
O que compõe o Arduino?

A estrutura física é composta da seguinte maneira:

7 - MICROCONTROLADOR - é o processador que


armazena a programação e controla os
dispositivos.
8 - Indicador de transmissão e recebimento de
dados.
9 - Regulador de tensão.
10 - Led indicador de energia.
11- Entrada para fonte de alimentação.
12 - Pino que fornece 3,3 V.

Fonte: Autoria própria - Paulo S. Gumiero


O Arduino
O que compõe o Arduino?

A estrutura física é composta da seguinte maneira:

13- Pino que fornece 5 V.


14- Pino VIN- Alternativa de entrada de energia de
7 a 12 V.
15- Pinos analógicos.

Fonte: Autoria própria - Paulo S. Gumiero


Na prática…

Já a programação é composta da
seguinte maneira: o arduino utiliza como
linguagem de programação o C++ e para dar
início a escrita do código, é necessário o
programa IDE que pode ser baixado pelo
site: https://www.arduino.cc/en/software.
Para saber +
C++:
Prof. Armando Luiz N. Delgado. Linguagem
C++ - Notas de Aula - Parte I Programação
Básica em C++:

Disponível em:
https://www.inf.ufpr.br/ci208/NotasAula.pdf
IDE na prática…
No IDE, há a seguinte área de trabalho:
Após ter baixado e instalado o programa no seu computador,
você terá que realizar uma configuração rápida no seu IDE. Isso é
importante para que você não tenha problemas para a gravação
do sketch¹ no arduino.

¹SKETCH - é o nome dado ao projeto que se é produzido no Arduino.


Acesse o item “ferramentas” e
escolha a opção do tipo de Arduino que
está trabalhando, em seguida a porta de
acesso. Desta forma, você estabelece a
comunicação entre o dispositivo físico
(arduino) e o programa (IDE).
Após ter feito isso, já se pode iniciar a
programação.
Atividade Mão na Massa:
Circuito Automatizado

Nesta proposta de trabalho, vamos


construir um circuito automatizado
utilizando o arduino, leds, uma
protoboard, resistores e jumpers.
O passo a passo desta atividade está
disponível para download no link abaixo.
Para saber +
O que é uma protoboard:

Disponível em:
https://portal.vidadesilicio.com.br/protoboard/
Para refletir...

Professor(a), considerando as duas


atividades do Mão na Massa, seria
possível contemplar as duas
atividades que fizemos, Plugada e
Desplugada, em apenas uma?
Chegamos ao final da Unidade IV e,
também, do curso.

Antes de irmos à avaliação, é importante


que reflita como os eixos dialogam entre si, com
as áreas do conhecimento e com os tempos e
espaços socioculturais, incluindo neles o mundo
do trabalho.

A exposição dos três eixos formativos (TDIC,


Cultura Digital e Pensamento Computacional),
CREDITS: This presentation template was created
auxiliarão
by Slidesgo,aincluding
você, icons
professor(a),
by Flaticon, neste novo
infographics & images by Freepik
desafio, cheio de tecnologia e muita inovação
nas práticas em sala de aula.
Esperamos que com este material, aliado
com metodologias ativas, seja possível criar
condições para que o estudante seja
protagonista de seu aprendizado, para que ele
possa ampliar seu conhecimento e tornar-se um
cidadão crítico e consciente.

As habilidades, alinhadas com a Diretriz de


Tecnologia e Inovação, serão a base para os
Cadernos do Professor e do Aluno, para que
você, possa
CREDITS: usar seustemplate
This presentation conhecimentos
was created para
by Slidesgo, including icons by Flaticon,
mediar o contato dos estudantes com tais
infographics & images by Freepik
tecnologias.
Mensagem de Encerramento
Referências Bibliográficas
ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; VALENTE, José Armando. Integração currículo e tecnologias e a produção de
narrativas digitais. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 3, p. 57-82, Set/Dez 2012. Disponível em:
https://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-valente.pdf. Acesso em 25 nov. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular - Educação é a Base. Brasília: MEC, 2018. Disponível em:
http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em 10 nov. 2021.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2013. p. 171-193.

FERNANDES, Batista Hugo. Microcontroladores no contexto da educação. Curso: Projetos com apoio do computador à
educação. Universidade Cruzeiro do Sul, SP, 2018.

LEMOS, Manoel. De volta aos átomos: Movimento Maker, Hardware Livre e o surgimento de uma nova revolução industrial -
Revista Observatório Itaú Cultural, 16ª Edição. São Paulo. 2014. disponível em
https://www.itaucultural.org.br/revista-observatorio-ic-n-16. Acesso em 17 nov. 2021

MANEVY, Alfredo. O que é Cultura Digital. In: SAVAZONI, Rodrigo; COHN, Sergio (org.). Cultura digital.br. Rio de Janeiro: Beco do
Azougue, 2009. p. 35-43. Disponível em: https://www.procomum.org/wp-content/uploads/2018/01/cultura-digital-br.pdf. Acesso
em: 25 nov. 2021.
Referências Bibliográficas
MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Carlos Alberto de Souza e Ofelia Elisa Torres Morales (org.).
Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. PG: Foca
Foto-PROEX/UEPG, 2015, p. 15-33. Disponível em:
http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf. Acesso em: 04 nov. 2021.

MOREIRA, M. A. O que é afinal aprendizagem significativa? Revista cultural La Laguna Espanha, 2012. Disponível em:
http://moreira.if.ufrgs.br/oqueeafinal.pdf. Acesso em: 15/11/2021.

NONATO, E. R.; SALES, M. V.; SARLY, C. R. Educação a distância, hibridismo e metodologias ativas. Em Rede, v. 6, n. 2, p. 161-171,
2019. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/489/440. Acesso: 04 nov. 2021.

PRADO, Claudio. O que é Cultura Digital. In: SAVAZONI, Rodrigo; COHN, Sergio (org.). Cultura digital.br. Rio de Janeiro: Beco do
Azougue, 2009. p. 45-53. Disponível em: https://www.procomum.org/wp-content/uploads/2018/01/cultura-digital-br.pdf. Acesso
em: 25 nov. 2021.

PRENSKY, M.: Digital Natives Digital Immigrants. In: PRENSKY, Marc. On the Horizon. NCB University Press, Vol. 9 No. 5, October
(2001a) disponível em
https://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf. Acesso
em 16 nov. /2021.
Referências Bibliográficas
SCHÄFER, Gilberto; LEIVAS, Paulo Gilberto Cogo; SANTOS, Rodrigo Hamilton dos. Discurso de ódio Da abordagem conceitual ao
discurso parlamentar. RIL Brasília, a. 52, n. 207, jul. /set., 2015, p. 143-158. Disponível em:
https://www.corteidh.or.cr/tablas/r34594.pdf. Acesso em: 25 nov. 2021.

SILVA, Alexandre José de Carvalho. Guia prático de Metodologias Ativas com uso de Tecnologias Digitais da Informação e
Comunicação. Lavras: Editora EFLA, 2020. Disponível em:
http://repositorio.ufla.br/jspui/bitstream/1/42956/1/Guia%20pr%c3%a1tico%20de%20metodologias%20ativas%20com%20uso%20
de%20tecnologias%20digitais%20da%20informa%c3%a7%c3%a3o%20e%20comunica%c3%a7%c3%a3o.pdf. Acesso em 24 nov.
2021.

VALENTE, José Armando (org). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas, SP: Unicamp/NIED, 1999.

VERASZTO, Estéfano Vizconde; SILVA, Dirceu da; MIRANDA, Nonato Assis; SIMON, Fernanda Oliveira. Tecnologia: buscando uma
definição para o conceito.Prisma.com. Portugal, n. 8, p. 19-46, 2009. Disponível em:
https://brapci.inf.br/index.php/res/download/80832. Acesso em: 04 nov. 2021.

WILEY, D. A. Learning object design and sequencing theory. Unpublished doctoral dissertation, Brigham Young University.
2000. Disponível em http://www.reusability. org/read/chapters/wiley.doc.

Você também pode gostar