Você está na página 1de 2

F A C T S

A g ê n c i a E u r o p e i a p a r a a S e g u r a n ç a e a S a ú d e n o T r a b a l h o
52
ISSN 1681-2123

Integração sistemática da segurança e da saúde no trabalho na educação


Boas práticas na escola e na formação profissional
Introdução Casos

A estratégia da União Europeia de promoção da segurança saúde «Na escola segura», de Itália, um enquadramento
no trabalho identifica a educação e a cultura de prevenção como metodológico destinado aos professores para a integração
factores determinantes para o desenvolvimento e melhoria da da SST nos programas; «Exemplos de boas práticas na
qualidade do emprego. Em apoio a esta estratégia, a Agência escola primária», de Itália, desenvolvimento e
Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho publicou um disseminação a nível nacional de ferramentas didácticas para
relatório, «Mainstreaming occupational safety and health into promover uma cultura de prevenção; Splaat («Brincar
education. Good practice in school and vocational education» sempre em segurança»), de Inglaterra, para aumentar a
(Integração sistemática da segurança e da saúde no trabalho na sensibilização sobre as questões da segurança na escola
educação. Boas práticas na escola e na formação profissional), que primária, tomando por referência um estaleiro da construção
fornece uma visão global de exemplos de boas práticas de toda a e o desenvolvimento de recursos pedagógicos para as
Europa e define etapas para uma estratégia sistemática de disciplinas do currículo nacional; Projecto Armi: «Ar e Mi
integração da segurança e da saúde no trabalho (SST) na educação na escola»/«Novos miúdos em acção», da Dinamarca,
e na formação. A presente ficha sintetiza o referido relatório tendente a desenvolver atitudes e conhecimentos
básicos, capacitando os alunos a contribuírem de
forma positiva para a sua segurança e saúde e dos seus
Boas práticas colegas.

O relatório contém 36 exemplos de boas práticas, 14 dos quais


A perspectiva do local de trabalho
são apresentados como estudos de casos. Os exemplos de boas
práticas dividem-se em função de três perspectivas: uma Casos relativos à última fase do processo educativo, a transição
perspectiva «holística», uma perspectiva curricular e uma da escola para a vida profissional, centrados na integração dos
perspectiva de local de trabalho. alunos no local de trabalho, os primeiros passos no mundo do
trabalho e os riscos que lhes estão associados. Estes casos
A perspectiva «holística» abordam a questão ao nível geral ou sectorial.
Os casos que se baseiam numa perspectiva holística apresentam
Casos
uma visão mais ampla de segurança e saúde no trabalho que
inclui o bem-estar físico, mental e social. O seu enfoque reside «Prevenir acidentes com crianças e jovens na
no sistema educativo e visa a melhoria de todo o ambiente de agricultura», da Irlanda, desenvolve e apresenta um
trabalho e de aprendizagem nas escolas. código de segurança, que expõe o modo como as regras de
SST devem ser aplicadas numa exploração agrícola;
Casos «Sinergia», de França, um projecto destinado a tornar os
O «Modelo nacional de escola saudável», de Inglaterra, um estudantes úteis numa perspectiva económica e social, no
programa nacional que cria um processo de acreditação de seio de uma empresa, trabalhando a nível sectorial;
parcerias nos domínios da educação e da saúde; «A escola «Estudantes tornam as máquinas seguras», da Bélgica,
segura», dos Países Baixos, uma iniciativa destinada a promover um exemplo concreto de como os estudantes participam na
a comunicação em matéria de segurança e de violência nas melhoria da segurança das máquinas; «Verifica», da Grã- -
escolas e em torno delas; FAOS («Luz sobre a segurança na Bretanha, um recurso pedagógico em vídeo que mostra
escola»), da Grécia, que desenvolve procedimentos simples que exemplos concretos de riscos no local de trabalho; «Os
visam a avaliação do nível de segurança no quotidiano das escolas jovens querem viver em segurança», da Alemanha, que
e suas imediações, promovendo parcerias entre os sectores propõe uma competição para estudantes de escolas
público e privado; a «Ronda do ambiente escolar», da Suécia, profissionais; «Integrar a SST nos programas curriculares»,
um instrumento de planeamento do ambiente de trabalho e de de Itália, planeamento e experimentação de módulos de
aprendizagem nas escolas. formação padronizados em matéria de segurança nas escolas
e centros de formação profissional.
A perspectiva curricular
Nos casos em que a segurança e a saúde no trabalho fazem Como associar as boas práticas a uma futura estratégia?
parte integrante do currículo escolar, estes temas não são
circunscritos a uma disciplina específica. A segurança e a saúde Com base nestes exemplos de boas práticas, o relatório
no trabalho são integradas transversalmente; por outras palavras apresenta um projecto de modelo que ilustra os elementos mais
através de todos os níveis educativos e em diferentes disciplinas, importantes da integração sistemática da saúde e da segurança
como as línguas e a literatura. no trabalho na educação.

PT
h t t p : / / a g e n c y . o s h a . e u . i n t
A g ê n c i a E u r o p e i a p a r a a S e g u r a n ç a e a S a ú d e n o T r a b a l h o

Modelo de integração da SST na educação


O processo de integração sistemática da SST na Educação
Política europeia Política nacional de Informação
de SST e Educação SST e Educação
Acompanhamento Planeamento
Processo
de integração
CULTURA DA PREVENÇÃO
Avaliação Decisão
1. Quadro jurídico /
normas Realização

2. Participação de todos Fase 1 — Informação


8. Avaliação / feedback
os intervenientes
Antes de iniciar um projecto, recolha toda a informação
7. Relacionamento directo 3. A SST como parte da necessária como, por exemplo, estatísticas relativas a acidentes
com o local de trabalho aprendizagem ao longo da vida com crianças e jovens, número de aulas sobre segurança
dadas nas escolas ou condições de trabalho nas escolas e
6. Métodos educativos 4. Formação em segurança e noutros estabelecimentos de ensino. Tenha igualmente em
interactivos e flexíveis saúde e ambiente de trabalho consideração a experiência de projectos similares.

5. Formação de Fase 2 — Planeamento


formadores
Esclareça antecipadamente quais os parceiros que devem
intervir no projecto. As experiências e estruturas existentes
podem ser úteis para o seu projecto, por exemplo redes de
Iniciativas locais de Iniciativas regionais promoção da saúde e a cooperação com autoridades nos
SST e Educação de SST e Educação domínios da segurança e da saúde e com os seus centros de
formação. Estudou todas as hipóteses de financiamento?

Este modelo deriva do modelo eco-holístico das escolas promotoras Fase 3 — Decisão
da saúde e mostra as influências externas determinantes do Se já concluiu as duas primeiras fases, está em condições de
processo de integração sistemática da SST na educação, bem como
decidir se quer realizar um estudo-piloto do projecto. Defina
os elementos internos que influenciam a promoção dessa
o objectivo geral do projecto e os seus objectivos
integração na escola ou noutros estabelecimentos de ensino.
operacionais. Elabore um plano de acção com prazos e
O modelo é baseado na análise de um processo em seis fases responsabilidades bem definidos.
para a integração sistemática na educação da perspectiva da
segurança e saúde no trabalho. Fase 4 — Realização
Na fase de execução do projecto, é altamente provável que o
Mais informação êxito dependa dos seguintes factores: o reconhecimento da
saúde e da segurança como parte integrante da aprendizagem
Um primeiro passo para a aplicação do modelo na política ao longo da vida; um entendimento amplo da saúde e da
europeia de SST e Educação foi dado durante a Presidência segurança, que inclua o bem-estar físico, mental e social; um
italiana, num seminário intitulado «Integração sistemática da SST relacionamento directo das acções pedagógicas com o local
na Educação — Os trabalhadores de amanhã», em Outubro de de trabalho; e o envolvimento de formadores experientes no
2003, em Roma. Os participantes concordaram na necessidade de desenvolvimento do programa e dos seus conteúdos.
uma estratégia europeia de integração sistemática da SST na
educação e na formação (Declaração de Roma). A Declaração de Fase 5 — Avaliação
Roma está disponível em: http://europe.osha.eu.int/good_
practice/sector/ osheducation/rome.stm. A avaliação deve fazer parte integrante do seu projecto. As
acções de avaliação devem acompanhar e aperfeiçoar o
O sítio Web da Agência tem uma secção que fornece informações processo de integração, Além disso, deve avaliar os resultados
mais completas relativas à SST e à educação em: http:// do projecto em função da sua sustentabilidade e transferibilidade
education.osha.eu.int. para outras instituições ou outros contextos culturais.
A Agência publicou em 2004 o relatório «Mainstreaming
Fase 6 — Acompanhamento
occupational safety and health into education. Good practice in
school and vocational education» (Integração sistemática da Antes da conclusão do projecto, desenvolva um plano de
segurança e da saúde no trabalho na educação. Boas práticas na promoção e prepare um plano de acompanhamento activo,
escola e na formação profissional). O relatório está disponível tão cedo quanto possível.
em: http://agency.osha.eu.int/publications/reports.

Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho


TE-58-04-336-PT-C

Gran Vía, 33, E-48009 Bilbao


Tel. (34) 944 79 43 60, fax (34) 944 79 43 83
information@osha.eu.int
© Agência Europeia para a Segurança e a Saúde no Trabalho. Reprodução autorizada mediante indicação da fonte. Printed in Belgium, 2004

h t t p : / / a g e n c y . o s h a . e u . i n t F a c t s

Você também pode gostar