Você está na página 1de 14
Retentores Retentores são utilizados para a vedação de eixos rotativos, especialmente na construção de máquinas
Retentores
Retentores são utilizados para a vedação de eixos rotativos, especialmente na
construção de máquinas e aparelhos, bem como na indústria automobilística.
Os produtos a serem vedados podem ser pastosos, líquidos ou em forma de gás. Na
maioria das vezes trata-se da vedação de óleos e graxas de lubrificação.
As principais características são:
∑ A capa externa cilíndrica de elastômero ou de metal – Existem formas construtivas
com a capa externa de elastômero que são constituídas de uma chapa metálica de reforço,
como mostra a figura 1, as formas construtivas com chapa externa metálica são fornecidas
estampadas ou retificadas na circunferência externa (figura 2).
∑ O lábio de vedação com carga de mola – Tem a tarefa de garantir a vedação
dinâmica e estática contra o eixo girando ou parado (figura 1 e 2).
∑ Quando necessário, um lábio de proteção adicional para evitar a penetração externa
de poeira e sujeira (figura 1).
Além da exigência principal, para um bom efeito de vedação, exige-se mais para os
retentores:
∑ Segurança de funcionamento;
∑ Longa vida útil;
∑ Montagem simples;
∑ Compatibilidade com os produtos a serem vedados;
∑ Pouco atrito.
Normas
A base da padronização é a norma DIN 3760 com os pontos principais:
1. Área de validade;
2. Medidas, descrições;
3. Matérias-primas e proteção de superfície;
4. Marcação;
5. Emprego;
6. Diretrizes para montagem;
7. Explicações.
Figura 1 - Retentor com capa externa de elastômero, lábio de vedação com carga de
Figura 1 - Retentor com capa externa de elastômero, lábio de vedação com carga de mola e
lábio de proteção anti-poeira (modelo: R-02).
Figura 2- Retentor com carcaça metálica, lábio de vedação e carga de mola (modelo: A-05).
Decisiva para a seleção da vedação é a ponderação destes fatores para cada caso e
Decisiva para a seleção da vedação é a ponderação destes fatores para cada caso e
as condições de operação:
Produtos a serem vedados;
Velocidade na circunferência;
Temperatura;
Pressão;
Carga de sujeira externa.
Produtos a serem vedados
Os produtos a serem vedados podem ser pastosos, líquidos ou, em casos
excepcionais, gasosos. Trata-se, principalmente, de produtos de lubrificação, como óleos e
graxas de lubrificação e também líquidos de trabalho com óleos hidráulicos (conforme DIN
51524), líquidos de pressão dificilmente inflamáveis (conforme VDMA 24317 e 24320) e até
óleos de silicone, com poucas características de lubrificação.
Em casos excepcionais, também devem ser vedados produtos agressivos com baixa
característica de lubrificação como, por exemplo, solventes orgânicos ou produtos químicos
agressivos como ácidos e lixívias.
O produto é que determina principalmente a seleção do composto CBV e, desta forma,
também a versão de vedação. De influência decisiva também são os efeitos químicos dos
produtos sobre os compostos. Como em todas as reações químicas, estes processos também
são acelerados por temperaturas elevadas. As matérias-primas de vedação podem amolecer
ou endurecer sobre influência dos produtos.
Geram endurecimentos:
Processos de endurecimento através de produtos a serem vedados, especialmente
com temperaturas mais altas.
Geram amolecimentos:
Inchamentos pelos produtos a serem vedados.
Temperatura
O nível do produto a ser vedado determina as condições da retirada de calor e, desta
forma, a temperatura do canto de vedação. Os valores da curva de limite inferior foram
averiguados para um produto a ser vedado com eixo totalmente coberto e a curva de limite
superior, somente para um eixo coberto em 25% (Figura 3).
A faixa entre a curva do limite superior e inferior mostra possíveis relações de
temperatura no canto de vedação e como serão geradas sob a influência de diferentes
produtos de retiradas de calor. É de grande influência sobre a vida útil de um retentor a sua
temperatura diretamente no canto de vedação. Isso depende das condições de retirada de
calor em cada lugar de emprego. Na figura 4, é demonstrada a possível faixa para o excesso
de temperatura no canto de vedação, na vedação de óleo de motor SAE 20, óleo de câmbio
SAE 90 ou graxa. O excesso de temperatura no canto de vedação é maior à medida que a
rotação do eixo aumenta.
Figura 3 - Excesso de temperatura no ponto de vedação de um retentor na vedação
Figura 3 - Excesso de temperatura no ponto de vedação de um retentor na vedação de
diferentes produtos.
Temperatura do banho de óleo 100ºC.
Rotação 3000 RPM.
Figura 4 - Excesso de temperatura no canto de vedação de um retentor em dependência da
rotação.
Óleo de motor SAE 20.
Temperatura de banho de óleo 100ºC.
Nível de óleo: Centro do eixo.
Rotação / Velocidade de Circunferência Os valores indicados na figura 5 para as velocidades de
Rotação / Velocidade de Circunferência
Os valores indicados na figura 5 para as velocidades de circunferência são valores de
referência. Pré-condições são uma lubrificação suficiente e uma boa retirada de calor. Em
condições mais desfavoráveis valem os valores respectivos mais baixos.
Figura 5 - Velocidades de circunferência permitidas para retentores com compostos NBR 70
Sh e FPM 70 Sh em vedações de óleos de motores SAE 20.
Velocidade de circunferência permitida em vedações de graxa.
Pressão
Quando existe pressão sobre o ponto de vedação, o lábio de vedação será pressionado
adicionalmente sobre o eixo. Por isso serão gerados atritos maiores e uma temperatura mais
elevada no canto de vedação do retentor. Valores de referência para as possibilidades de
emprego com vedação de pressão de retentores feitos de NBR 70 Sh constam na figura 6.
Esses valores somente são válidos para sistemas com eixos cheios e com boa retirada de
calor através do produto a ser vedado. Em caso de pressão negativa temporária no ponto de
vedação, pode ser necessário montar um segundo retentor com lábio de vedação direcionado para o
vedação, pode ser necessário montar um segundo retentor com lábio de vedação direcionado
para o lado do ar. Todos os retentores submetidos à pressão devem ser protegidos, no lado
contrário da pressão, contra a prensagem para fora do furo.
Figura 6 - Pressão permitida do produto a ser vedado para retentores com anel de suporte e
para o Modelo R-02.
Figura 7 - Excesso de temperatura no canto de vedação de um retentor em uma
Figura 7 - Excesso de temperatura no canto de vedação de um retentor em uma vedação sem
pressão e uma com pressão.
Pressão: 1,5 bar
Óleo do motor: SAE 20
Rotação: 3000 RPM
Nível de óleo: Centro do eixo
Carga de sujeira externa
Quando existir a formação de sujeira ou umidade, no lado externo, recomenda-se a
montagem de retentores com lábio de proteção. O espaço entre os lábios de proteção e a
vedação deve ser preenchido com graxa antes da montagem. Essa graxa não é somente
necessária para a lubrificação adicional do lábio de proteção, mas, também, para a proteção
do eixo contra corrosão produzida pela umidade.
Em casos de geração de sujeira extremamente forte, recomenda-se a montagem, um
atrás do outro, de dois retentores ou o emprego de modelos especiais, que poderão ser
fabricados sob consulta.
Recomendações quanto à aplicação
Execução do alojamento: A seguir estão descritas as recomendações para execução do
alojamento, as quais se aplicam a todos os tipos de vedadores.
Para o diâmetro do furo do alojamento DF deve ser prevista a tolerância ISO H8. A
vedação geralmente é retida no alojamento por interferência entre os diâmetros do alojamento
DF e o externo da peça DR, e sua montagem deve ser executada com auxílio
DF e o externo da peça DR, e sua montagem deve ser executada com auxílio de uma prensa
hidráulica. Os valores recomendados para esta interferência, bem como as tolerâncias de DF
e DR, segundo a norma DIN 3761, estão mostrados na tabela abaixo.
Tolerância de DF e DR e Interferência Resultante
Retentor tipo R-05
Retentor tipo B-05 ou A-05
Tol. DF
Tol.
Interferência
Tol.
Interferência
ØDN
(H8)
DR
Resultante
DR
Resultante
0
+0,30
+0,300
+0,20
+0,200
de 10 a 18
+ 0,027
+0,15
+0,123
+0,10
+0,073
0
+0,30
+0,300
+0,20
+0,200
de 18 a 30
+0,033
+0,15
+0,117
+0,10
+0,067
0
+0,30
+0,300
+0,20
+0,200
de 30 a 50
+0,039
+0,15
+0,111
+0,10
+0,061
0
+0,35
+0,350
+0,23
+0,230
de 50 a 80
+0,046
+0,20
+0,154
+0,13
+0,084
0
+0,35
+0,350
+0,25
+0,250
de 80 a 120
+0,054
+0,20
+0,146
+0,15
+0,096
0
+0,45
+0,450
+0,28
+0,280
de 120 a 180
+0,063
+0,25
+0,187
+0,18
+0,117
0
+0,45
+0,450
+0,30
+0,300
de 180 a 300
+0,072
+0,25
+0,178
+0,20
+0,128
Exemplos de utilização: - Cálculo de DF = ØDN + Tol. DF Ex: DF mín
Exemplos de utilização:
- Cálculo de DF = ØDN + Tol. DF
Ex: DF mín = 65 + 0,000 = 65,000
Ex: DF máx = 65 + 0,046 = 65,046
- Cálculo de DR = ØDN + Tol. DR
Ex: DR mín = 65 + 0,200 = 65,200
Ex: DR máx = 65 + 0,350 = 65,350
Cálculo da Interferência Resultante:
Int. máx = DR máx - DF mín
Ex: Int. máx = 65,350 - 65,000 = 0,350
Int. mín = DR mín - DF máx
Ex: Int. mín = 65,200 - 65,046 = 0,154
O acabamento da superfície do furo poderá ser obtido por usinagem fina com
rugosidade de até Rt 25µ. Desse modo serão garantidas uma boa retenção e estanqueidade
entre o retentor e o alojamento.
Para se obter uma boa condição de montagem do retentor, deve ser previsto um
chanfro de entrada no início do alojamento, com inclinação da ordem de 5º a 15º, numa
profundidade de 0,8mm mínimo. Os cantos desta superfície deverão estar livres de rebarbas
de usinagem.
Execução do eixo de trabalho: Para o diâmetro do eixo dN deverá ser prevista a tolerância
conforme recomendação da norma DIN 3761, ISO h11.,
Recomendações quanto à superfície do eixo
Objetivando conferir uma boa durabilidade e eficiência de trabalho ao retentor, a
superfície do eixo onde trabalha o lábio deverá atender as seguintes exigências:
∑ O acabamento final desta superfície deverá ser obtido por operação de retífica de topo
com valores de rugosidade RA dentro de 0,2 a 0,5µ ou Rt de 1,60 a 4,0µ. Nesta operação de
retífica, deverão ser evitados os movimentos transversais do rebolo, que possam imprimir
riscos com orientação helicoidal na superfície do eixo.
∑ A superfície de trabalho do lábio do retentor deve ser isenta de danificações, tais como:
batidas, sulcos, trincas, falhas de material, oxidações ou deformações.
∑ A dureza do eixo na região de trabalho do retentor deverá estar acima de 28 HRC.
Visando uma boa condição de montagem, de modo que o lábio do retentor não seja
danificado no ato da instalação, é recomendável que os cantos dos eixos sejam chanfrados
com inclinação de 15 a 25º ou arredondados com raio de 0,6 a 1,0mm na região que passa
sob o lábio. Os cantos devem ser arredondados e livres de rebarbas.
É importante também que o lábio de vedação, durante a instalação, evite contato direto
com regiões do eixo contendo rasgos de chaveta, entalhados ou com usinagem grosseira.
Caso isto seja inevitável, deve-se prover uma luva protetora com superfície em seu diâmetro
externo respeitando as mesmas recomendações sugeridas para o eixo de trabalho.
Tolerâncias de excentricidade do alojamento Devido as inevitáveis variações de usinagem do alojamento e do
Tolerâncias de excentricidade do alojamento
Devido as inevitáveis variações de usinagem do alojamento e do mancal, é previsto
que haja uma certa excentricidade entre os mesmos. Em outras palavras, a linha de centro
geométrico do alojamento do retentor não coincide exatamente com a linha de centro efetiva
do giro do eixo (Figura 8). À distância entre as duas linhas de centros, assim definida como
excentricidade estática, deverá ser mantida dentro dos limites estreitos indicados na figura 9.
Figura 8
Figura 9
Tolerâncias de excentricidade do eixo Igualmente é previsto que na usinagem do eixo haja uma
Tolerâncias de excentricidade do eixo
Igualmente é previsto que na usinagem do eixo haja uma certa excentricidade entre a
linha de centro efetiva de giro do eixo e a linha de centro do diâmetro da pista de trabalho do
retentor (figura 10). A excentricidade dinâmica, assim definida, também deverá estar contida
dentro dos valores recomendados na figura 11.
Para valores muito acima dos recomendados, haverá o risco do lábio de vedação,
devido à sua inércia, não conseguir manter o contato com o eixo. Principalmente no caso de
elevadas velocidades angulares.
Figura 10
Figura 11
Recomendações quanto às condições de montagem 1 - Cuidados no armazenamento: durante o período de
Recomendações quanto às condições de montagem
1 - Cuidados no armazenamento: durante o período de armazenamento, os retentores
deverão ser mantidos na própria embalagem CBV, estocado em local limpo e de forma
apropriada, com temperaturas médias recomendadas entre 10 a 40ºC, livre de contaminações
e manipulações desnecessárias que possam danificá-los.
2 - Cuidados na manipulação do retentor: ao ser desembalado para a montagem,
recomenda-se todo o cuidado possível para não tocar desnecessariamente no lábio de
vedação, de modo a não provocar deformações ou disposição de elementos estranhos na
aresta de vedação que possam comprometer o bom desempenho na aplicação.
3 - Cuidados na pré-lubrificação do retentor: para garantir uma instalação perfeita do
retentor no furo do alojamento e também para propiciar a lubrificação inicial da aresta de
vedação, por ocasião dos primeiros giros no funcionamento do agregado, recomenda-se pré-
lubrificar o lábio do retentor, no próprio fluído da aplicação, mantendo-o em recipiente
apropriado e perfeitamente protegido de contaminações externas.
4 - Montagem do retentor no Alojamento: a prensagem do retentor na sede deverá ser feita
mediante o uso de uma prensa mecânica ou hidráulica, utilizando-se dispositivos apropriados
que atendam as seguintes recomendações:
∑ Deve-se garantir uma perfeita pré-centralização do retentor, de modo que o mesmo
seja prensado na disposição correta no alojamento.
∑ A superfície de apoio no dispositivo do retentor deverá estar o mais próximo possível
do diâmetro externo do retentor, de modo a evitar deformações no ato da prensagem.
∑ De forma alguma o dispositivo deve danificar o lábio de vedação.
Veja alguns tipos de dispositivos usualmente empregados ilustrados abaixo:
Figura 12
5 - Montagem do retentor no eixo de trabalho: Não havendo possibilidade de chanfrar ou
5 - Montagem do retentor no eixo de trabalho: Não havendo possibilidade de chanfrar ou
arredondar as superfícies do eixo sobre as quais deve ser introduzido o retentor, ou então, no
caso do retentor ter que passar obrigatoriamente por uma região irregular, como entalhados
ou rasgos de chaveta, recomenda-se o uso de uma luva de proteção para o lábio, conforme
ilustrado na figura abaixo, observando que o diâmetro da luva não deforme o lábio. É de
extrema importância que estas luvas estejam com as superfícies externas (por onde passa o
lábio do retentor) bem polidas, perfeitamente limpas e livres de danificações ou arestas vivas,
provocadas por batidas durante o seu manuseio constante.
Figura 13
6 - Cuidados na substituição do retentor: em princípio, sempre que houver a desmontagem
de um agregado, por qualquer motivo que implique na desmontagem do retentor ou do eixo de
trabalho após o uso, recomenda-se a reposição por um novo. Quando a substituição do eixo
não for possível, a aresta de vedação do novo retentor não deverá trabalhar na mesma pista
deixada pelo retentor anterior. Sempre se deve montá-lo deslocado para o lado inferior,
observando-se que o eixo esteja em perfeitas condições, livres de defeitos, deposições sólidas
ou oxidação. Obs: Não lixar a superfície do eixo. Muitas vezes, devido ao estado da superfície
do furo do alojamento, é inevitável o uso de massa de vedação no externo do retentor para
garantir a estanqueidade através do furo do alojamento. Nestes casos deve-se tomar cuidado
para que essa massa de vedação não atinja o lábio de vedação ou o eixo de trabalho, pois em
tais casos, poderá impedir o bom desempenho do retentor e acarretar vazamento.