Você está na página 1de 72

1

AUTOR
ÉRICA RENATA NOGUEIRA AS CAVALCANTE
LUIZ FÁBIO MARQUES GUEDES
SANDRA HELENA DOS SANTOS

ESTUDO ORIENTADO
MANUAL DO PROFESSOR

João Pessoa, 2022

2
SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA
SECRETARIA EXECUTIVA DE GESTÃO PEDAGÓGICA
GERÊNCIA EXECUTIVA DO ENSINO MÉDIO
GERÊNCIA OPERACIONAL DE ACOMPANHAMENTO DO ENSINO MÉDIO

EQUIPE INSTITUCIONAL

Governador do Estado da Paraíba


JOÃO AZEVEDO LINS FILHO

Vice Governadora do Estado da Paraíba


ANA LÍGIA COSTA FELICIANO

Secretário de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia


CLAUDIO BENEDITO SILVA FURTADO

Secretário Executivo de Gestão Pedagógica


GABRIEL DOS SANTOS SOUZA GOMES

Secretária Executiva de Adm. de Suprimentos e Logística


ELIS REGINA NEVES BARREIRO

Secretário Executivo da Ciência e Tecnologia


RUBENS FREIRE RIBEIRO

Gerente Executiva do Ensino Médio -GEEM


AUDILÉIA GONÇALO DA SILVA

Especialista Pedagógica
VIVIANNE DE SOUSA

Especialista em Gestão
JONATTA SOUSA PAULINO

Especialista em Infraestrutura
MICHELLE DANTAS MUNIZ

Especialista em Educação Profissional e Inovação


THAÍNA ROCHA BALBINO

Especialista em Protagonismo
ROMÁRIO FARIAS PEDROSA DOS SANTOS

Coordenação Pedagógica de Propulsão


CLARA SUELEN CARVALHO PEREIRA
JARLEYDE ANDRESSA SANTOS SALES DE OLIVEIRA
RENATO DA SILVA OLIVEIRA

Coordenadora Pedagógica de Colabore & Inove


JARLEYDE ANDRESSA SANTOS SALES DE OLIVEIRA

Assessor Técnico
FRANCISCO DIASSIS DE ARAÚJO SOARES
Assessor Técnico
JEAN CARLOS BRONZEADO LIMA

3
Analista de Dados e Egresso da Escola Cidadã Integral
GABRIEL GOMES DA SILVA

Coordenadora de Logística e Egressa da Escola Cidadã Integral


ILAURA EDUARDA DE SOUZA GOMES

Coordenador de Logística e Egresso da Escola Cidadã Integral


JÚLIO CÉSAR ALVES

Assessora técnica
CELLY ALANA CARVALHO MODESTO

Assessora Técnica de Recursos Humanos e Egressa da Escola Cidadã Integral


VIVIANE PINHEIRO RIBEIRO

Secretário da Comissão Executiva de Educação Integral


THALLES TEIXEIRA QUIRINO

Assessor de TGE
ANTÔNIO PÁDUA RIQUE DE PLÁCIDO

Assessor de Educação Profissional


RIVANILDO SILVA DOS SANTOS

Assessor de Inovação
ROMÁRIO AMORIM CAVALCANTE LIMA

Autores
ÉRICA RENATA NOGUEIRA AS CAVALCANTE
LUIZ FÁBIO MARQUES GUEDES
SANDRA HELENA DOS SANTOS

Diagramador/Designer
FRANCISCO JEFFERSON RODRIGUES ROLIM

4
SUPLEMENTO DO PROFESSOR Tex-
to de
introdução/problematização da aula:

Caro(a) Professor(a),

Sabemos que o componente curricular Estudo Ori- cia, as habilidades de comunicação e o uso ade-

entado é uma Metodologia de Êxito da Parte Diver- quado da informação, a atitude colaborativa e a

sificada, tendo como objetivo oferecer as condi- iniciativa, a capacidade de organização e compro-

ções para que os estudantes possam explorar o misso com sua aprendizagem.

currículo de forma plena, assegurando assim uma


Por fim, destacamos que o objetivo do Estudo Ori-
formação acadêmica de excelência. Para tanto é
entado é disponibilizar um tempo para que os es-
preciso oferecer espaços de aprendizagens que
tudantes possam realizar suas atividades e os
estimulem a capacidade dos estudantes de orga-
diversos estudos. Essa prática inicialmente preci-
nizarem seus próprios estudos. De tal forma que
sa ser incentivada e apoiada por um professor(a)
essa prática possa refletir e contribuir na prepara-
para que posteriormente os estudantes possam
ção dos seus Projeto de Vida.
ter autonomia para desenvolverem métodos, téc-

As aulas de Estudo Orientado devem ser pensa- nicas e procedimentos para organizar, planejar e

das a partir de um conjunto de práticas didático- executar os seus processos de estudo visando ao

pedagógicas, focando no desenvolvimento de autodidatismo, à autonomia, à capacidade de auto

competências e habilidades dos estudantes. Além -organização e de responsabilidade pessoal.

das aulas oferecerem condições (tempo, ambien-


Essa Sequência Didática foi organizada em QUA-
te e recursos), é fundamental que os estudantes
TRO (4) temas e cada uma conta com atividades
também recebam orientações adequadas sobre
que serão trabalhadas ao longo do primeiro se-
como estudar, realizar suas tarefas, dicas de téc-
mestre. Em algumas atividades trazemos uma cai-
nicas de estudos, organização do espaço e crono-
xinha chamada Foco no SAEB! Para que o(a) pro-
gramas de estudos. Essas situações, quando bem
fessor(a) das turmas de 9º ano possa trabalhar
planejadas e sistematizadas, permitem que os jo-
algumas habilidades e ajudar os(as) estudantes a
vens compreendam e desempenhem constante-
estarem prontos e preparados para esta avaliação.
mente a tarefa de estudar de forma eficiente.
Então, Professor(a) lembramos que esse é um ma-

Além das competências e habilidades específicas terial norteador e que portanto pode ser adequado

para a formação acadêmica de excelência, é im- à realidade de cada escola, bem como as deman-

portante também oferecer situações de aprendiza- das do ensino híbrido. O importante é que todos

gem que incentivem nos estudantes a criatividade (as) mantenham a proposta e a intencionalidade

e a curiosidade, o pensamento crítico, a capacida- da disciplina do Estudo Orientado. Por fim, espera-

de de solucionar problemas, a atitude autocorreti- mos que o material possa servir como apoio e ori-

va e de autorregulação, a perseverança e a paciên entação, favorecendo assim uma formação acadê-


mica de excelência e contribuindo para o desen-
volvimento de jovens cada vez mais solidários,
autônomos e competentes.

5
ROTEIRO Texto de introdução/problematização da aula:

Cronograma de Aulas

DIA FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

TEMA O1 x X

TEMA 02 X X

TEMA 03 X X

TEMA 04 X

GPS
1. Estudar para que? ·······················································································07
2. Organizando os Estudos ·············································································18
3. Técnicas de estudo ····················································································32
4. REDs - Recursos Educacionais Digitais ························································54

6
ESTUDO ORIENTADO
Ens. Fundamental

1 ESTUDAR
PARA QUE?

7
DESENVOLVIMENTO DA AULA 1

AULA 01: ESTUDE CERTO

Atividade 1

Contextualização sobre o Estudo Orientado:


Nesta primeira atividade, o(a) professor(a) da disciplina deve perguntar aos estudantes se eles
percebem se há uma maneira correta de estudar e, também, uma maneira errada. O(A) profes-
sor(a) deve anotar as contribuições dos estudantes no quadro ou lousa interativa pelo Meet
(Jam Board).

Atividade 2

Exibição do vídeo “Estudo Errado” de


Gabriel o Pensador.
O(A) Professor(a) deve preparar os estudantes para assis-
tirem ao vídeo. Eles devem observar o que é apresentado
na letra da música e relacionar com a vivência deles(as).

Link: https://www.youtube.com/watch?v=BD4MMZJWpYU

8
Atividade 3

Discussão e análise de trechos da música.


Após a exibição do vídeo, o(a) professor(a) deverá ouvir as im-
pressões que os estudantes tiveram sobre ele. Em seguida, de-
ve apresentar trechos da música para ampliar a discussão. OBS:
Atenção, professor(a): Observar a maturidade da turma para po- O(A) professor(a) poderá
direcionar cada trecho da
der escolher os trechos de forma a não gerar polêmicas. música para uma determi-
nada série.
Link:
https://www.vagalume.com.br/gabriel-pensador/estudo-errado.html

Atividade 4

PDCA do ano de 2021.


Nesta última atividade, o(a) professor(a) deverá conduzir os es-
tudantes a compartilharem sobre como eles pensam ser a for-
ma correta de estudar. É interessante voltar à lousa na qual foi
escrita a Atividade 1.

Feedback

9
DESENVOLVIMENTO DA AULA 2

AULA 02: POR QUE ESTUDAR?

Atividade 1

Contextualização sobre o Estudo Orientado :


Nessa aula o(a) professor(a), deve iniciar a atividade trazendo uma problemática aos seus es-
tudantes:

"Por que você tem que estudar?”.


Esse questionamento é muito importante, pois permite que o estudante revele qual o re-
al sentido da aprendizagem para ele. É por que ele gosta de estudar? É por que vai ajudar
a alcançar o seu projeto de vida? É por que os pais obrigam?

Se a atividade for desenvolvida de forma online


via Google Meet o(a) professor(a) pode solicitar que os estudantes respondam as perguntas
via microfone ou chat

10
Atividade 2

Leitura Compartilhada:

Essa atividade traz como sugestão a lei- Mas depois de mais velho, o pré-
tura coletiva do texto “Afinal, para que adolescente já sabe distinguir se é me-
serve o estudo?”. Esse texto tem como lhor estudar ou não estudar. Não é mais
objetivo ampliar as discussões sobre a uma questão de obrigação, mas de esco-
importância de estudar, trazendo uma lha. Os pais forçam porque sabem que é
reflexão sobre as causas e possíveis a melhor opção. Alguns não têm pais que
consequências das nossas escolhas. “amolam”, ao contrário, não se interes-
sam, pois não entendem o valor do co-
nhecimento. Então, são estes jovens que
tomam a decisão, uma vez que não po-
dem esperar que alguém o faça.

Dizem por aí que o estudo é uma pedra


preciosa única, pois não tem um preço!

Alguns acham que é balela, mas não é, é


verdade! Aquilo que uns sabem construir,
outros não fazem a mínima ideia nem de
como funciona! Cada um tem “um jeito”,
“um dom” para alguma coisa! A época da
escola é a fase dessa descoberta, pois é
o lugar propício para isso: professores,
livros e colegas de classe estão a todo
tempo por perto. A todo momento você
“Afinal, para que serve o estudo?” pode tirar dúvidas, trocar experiências, se
relacionar com diferentes pessoas,
Você já parou para pensar o quanto já aprender a “lidar com gente”, com superi-
reclamou de ter que estudar? E do tempo ores e a ter responsabilidade. A escola é
gasto com o estudo? Creio que passa- um momento de aprendizado: situações
mos mais tempo reclamando do que de que você vivencia ali e às vezes não dá
fato estudando! muita importância, serão as que você vi-
venciará na faculdade, no trabalho, em
Sabe-se e é verdade que tudo em exage- uma reunião, etc.
ro não surte o efeito esperado, uma vez
que melhoramos em certo aspecto, mas A sua bagagem diz quem você é para as
pioramos em outro. Se você fica muito pessoas, portanto, se você resolveu estu-
com seus livros, fica pouco com os ami- dar, é porque decidiu aprender algo a
gos. Se fica muito no seu quarto, fica mais e ser responsável por aquilo que se
pouco com a família. Se fica muito fazen- aprende. Muitos não entregam o trabalho
do todas essas coisas, então, não sobra da escola no dia que o professor pede e
tempo para si mesmo! por este fato já se vê que tipo de funcio-
nário esta pessoa pode ser e se chegar a
A verdade é que ninguém o obrigou a fi- ser patrão, que tipo de empresário será!
car 24 horas estudando, mesmo porque
ninguém tem esse tempo. Afinal, temos As melhores oportunidades estão aber-
que dormir, tomar banho e comer. tas para as pessoas com maior capaci-
dade de interação, de sabedoria em lidar
Contudo, desde pequena a criança é com diferentes situações e competentes
acostumada à ideia de ficar na sala de para resolver problemas da sua área de
aula e ter obrigação de estudar! conhecimento.

11
Então, para que estudar? Reflita você mesmo sobre o assunto: a verdade é que ninguém vai
te obrigar a ser a pessoa que você não quer ser. Se desejar parar hoje e ser quem você é,
daqui há alguns anos, não estará tão longe de onde parou. Saiba: quem para de estudar, pa-
ra no mesmo lugar, estaciona na vida, não tem nada a oferecer a si mesmo e a ninguém!
Por isso, o conselho é: estude, nunca é tarde!

Disponível:
https://www.preparaenem.com/portugues/por-que-estudar-.htm

Atividade 3

Reflexão do texto
Após a leitura, iniciar a discussão do texto. O(A) professor(a) pode direcionar a discussão de
acordo com os parágrafos.

Atividade 4

Vamos pensar?
Após a discussão do texto o(a) professora(a) pode escrever as perguntas abaixo no quadro,
para que eles pensem e respondam no sentido que a educação tem em suas vidas. No caso
de aulas online pode ser feito via Chat.

PERGUNTAS
- Quem você quer ser? E qual a importância dos estu-
dos para essa realização?
- Como você imagina sua vida daqui a 10 anos?
- E se você parar de estudar hoje, como seria essa vida futura?
Seria igual ou diferente com relação à pergunta anterior?
- Quem te apoia/motiva para você estudar?

Depois que todos terminarem, converse com a turma sobre as respostas dadas.

12
DESENVOLVIMENTO DA AULAS 3

Fonte: https://www.instagram.com/rayssalealsk8/

AULA 3 - O ESTUDO NA MINHA VIDA.

Atividade 1

Personalidades e seus perfis


profissionais.

Apresentar uma personalidade e seu perfil.


Sugestão: Rayssa Leal, atleta de Skate.
Perguntar o que os estudantes sabem des-
sa personalidade e a relação dela com os
estudos. Mostrar a imagem do Instagram
de quando ela voltou para a escola, após
ganhar medalha de Prata nos Jogos Olím-
picos de Tóquio em 2021.

13
Atividade 2

Recriando um perfil.
Nesta atividade 2, o(a) professor(a) deverá citar os nomes de algumas celebridades que se des-
tacam não apenas por seus talentos e fama, mas porque o estudo também faz parte de sua tra-
jetória profissional.

Sugestões:
Gil do Vigor
(https://www.otvfoco.com.br/gil-do-vigor/);

Anitta
(https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/saude-bucal/diversao/anitta-
conheca-o-longo-caminho-trilhado-ate-sucesso-
mundial,d0e0c4fa2beb7080a081078daeb2a290gd57bj63.html);
Observação;
Rebeca Andrade
(https://www.ofuxico.com.br/namoro/rebeca-andrade-e-vista-com-affair-
Professor(a), aces- bonitao-na-praia-saiba-quem-e/);
se os links acima
com antecedência Katarine Emanuela Klitzke
e veja se eles ainda (https://www.didigalvao.com.br/da-vaquinha-virtual-a-nasa/).
estão disponíveis.
Se a aula for pre-
sencial, é importan-
te fazer cópias das De posse dessas informações, os estudantes montam um perfil com
matérias. No caso
de aula no sistema base no que leram e precisam mencionar o curso e/ou a área de es-
remoto, podem uti- tudo destas celebridades. A atividade pode ser realizada individual-
lizar o Google Docs
para criar esses mente ou em grupos. O perfil pode incluir as informações da profis-
perfis.
são, conquistas e seguir ou não o modelo do Instagram (como foi
apresentado o perfil de Raissa Leal).

Atividade 3

Apresentação dos perfis criados.


Após a criação dos perfis, os estudantes apresentam-os para toda a turma.

Atividade 4

Reflexão
Após a apresentação dos perfis, o(a) professor(a) deve perguntar aos estudantes se alguma das
personalidades os inspiram ou se há alguém com quem eles se identificam, mesmo que não seja
uma das pessoas apresentadas nos perfis criados.

14
DESENVOLVIMENTO DA AULAS 4

Material necessário:
cartolina, canetas hidrocor, tesoura, régua, lápis e borracha

AULA 4 - FLASHCARDS

Atividade 1
Conhecendo os FlashCards
concursos, é muito útil nas disciplinas tde Ma-
Professor(a), nessa aula você irá abordar a fer-
temática, Estatística, Contabilidade e outros
ramenta de estudos chamada: Flashcards. Es-
conceitos difíceis de memorizar que constan-
sa técnica é amplamente utilizada na Europa e
temente caem nas provas.
nos Estados Unidos por ser comprovadamente
uma maneira simples e muito efetiva de me- É importante ressaltar que quando o estudante
morizar conteúdos difíceis. Porém, no Brasil está envolvido na produção dos flashcards,
ainda é pouco difundida . ele/ela estará gravando o conteúdo na memó-
ria de longo prazo, ou seja, vai mesmo apren-
Flashcards ou Cartões Didáticos são peque-
der. Nesse sentido, é muito importante que os
nos pedaços de papéis com uma pergunta na
flashcards sejam construídos à mão, pois na
frente e uma resposta no verso. É um método
hora da montagem, pensando em perguntas e
que foca na memorização e seu uso é sim-
respostas, já estará trabalhando o conteúdo
ples: basta tentar acertar a resposta atrás do
na mente. Em seguida, ele/ela reforça a maté-
papel.
ria por meio da prática na técnica.
A técnica de flashcards é muito recorrente no
estudo de idiomas ou fórmulas. Na área de

15
O estudante deverá elaborar uma pergunta (não vaga nem complexa) que tenha apenas uma
resposta e anotá-la no cartão. No verso do mesmo cartão, deve-se anotar a resposta.

Ao fazer as revisões, recomenda-se colocar as perguntas em três pilhas. Isso é só uma suges-
tão e depende da quantidade de material que o estudante tenha para revisar:

Pilha 1: as perguntas que o estudante acertou facilmente e precisam de pouca revisão


(frequência da revisão: mensal).

Pilha 2: as perguntas que acertou com dificuldade e sente que precisam ser revisadas
(frequência da revisão: semanal).

Pilha 3: as perguntas que errou e precisam ser estudadas


(frequência da revisão diária).

Atividade 2

Mão na massa

Nessa atividade o(a) professor(a) deverá divi-


dir a turma em grupos e cada grupo escolherá
uma temática para a construção dos
Flashcards.

Exemplo: Grupo 1 escolheu na disciplina de


Ciências o tema: Biomas Brasileiros. Então, se-
rão produzidos flashcards sobre Caatinga, Cer-
rado, Amazônia, Pampas, Pantanal, Mata Atlân-
tica. O grupo 2 pode escolher outro tema de
Ciências, assim como de qualquer outra disci-
plina.

• Caso essa aula aconteça de forma online, o(a) professor(a) pode sugerir que a construção
dos flashcards seja através do site GoConqr : https://www.goconqr.com
• Segue o link de vídeo tutorial para a construção de Flashcards no GoConqr: https://
www.youtube.com/watch?v=OEs1dE9IvRI.

16
Atividade 3
Hora de aprender brincando

Quando os grupos terminarem a construção dos Flashcards,


chegou a hora da brincadeira inspirada no jogo de tabuleiro
Perfil. Um estudante de um grupo escolherá um flashcard e
iniciará a leitura das informações uma por vez, e fará uma
pausa de alguns segundos aguardando alguma resposta. Ca-
so não acertem, ele irá para a próxima informação e assim
sucessivamente até que algum grupo acerte. Quando houver
o acerto, o estudante vira o cartão e mostra a resposta corre-
ta, que por sua vez estará no verso.

Atividade 4

É possível aprender brincando?

Nessa etapa final da aula, o(a) professor(a) deverá solicitar


aos estudantes um feedback das atividades. Foi divertido?
Vocês gostaram? Aprenderam a técnica? Irão utilizar outras
vezes?

17
ESTUDO ORIENTADO
Ens. Fundamental

2 ORGANIZANDO
OS ESTUDOS

18
DESENVOLVIMENTO DA AULA 1

AULA 1 - MEU CANTINHO


Atividade 1

Cantinho do Estudo
Professor(a), nessa atividade inicial, você pode começar com alguns
questionamentos para os estudantes, sobre o local em que eles estu-
dam ou fazem as atividades em casa.

• Onde você faz suas atividades escolares?


É no quarto? Sala? Cozinha?
• Você considera esse lugar adequado?
• Esse local geralmente é silencioso ou ba-
rulhento?

Após as respostas dos estudantes, o(a) professor(a) pode enfatizar a


importância de ter um local reservado (mesmo que pequeno) para reali-
zar as ações relacionadas aos estudos. A escolha e a organização des-
se local ajuda a criar uma rotina, manter a concentração e até mesmo
motivar o estudante. Para isso, o(a) professor(a) pode usar o texto abai-
xo como material de apoio.

19
Texto de Apoio
cálculos.
A organização do ambiente e a produtividade
nos estudos Proceda a uma organização geral dos afazeres
acadêmicos
Manter a ordem é um pré-requisito para obter
bons desempenhos e aumentar a eficiência no
Antes de partir para a organização do ambiente
exercício de diferentes atividades cotidianas.
de estudos propriamente dito, o estudante deve
Isso vale para os estudos. A adequada organiza-
organizar suas atividades acadêmicas de modo
ção do espaço destinado ao desenvolvimento
geral, o que é fundamental para incorporá-las de
dos afazeres acadêmicos permite melhor ges-
vez à sua rotina. Essa organização global inclui
tão do tempo, evita perda de materiais, estabele-
a análise de todas as atividades diárias e a con-
ce um ambiente aprazível, bem como auxilia na
sequente disponibilização de tempo para cada
manutenção do foco.
uma delas, permitindo elencar as prioridades e
equilibrar as tarefas.
Há uma base sociobiológica para essa relação.
Quando estamos em um lugar sobrecarregado
Em alguns contextos, essa prática não é apenas
de informações e totalmente desorganizado, o
recomendada, mas obrigatória, como é o caso
nosso cérebro é bombardeado com estímulos,
de alunos matriculados em cursos a distância.
sendo obrigado a trabalhar mais para selecionar
Nessa modalidade educacional, a maior parte
aqueles que, de fato, são relevantes. Dessa for-
dos estudos é feita fora das salas de aula, geral-
ma, nossa capacidade de processamento de
mente, na casa do aluno, o que exige que ele es-
dados é prejudicada, exigindo que gastamos
truture o tempo a ser dedicado aos afazeres
mais energia e tempo para nos concentrarmos.
acadêmicos, de modo a equilibrá-lo com o dis-
ponibilizado a suas outras atividades rotineiras.
Esse tipo de estado sociocognitivo leva a uma
redução drástica do nosso rendimento em tare-
Estabeleça um local específico e adequado para
fas que demandam mais eficiência energética e
estudar
atenção, como é o caso dos processos envolvi-
dos na aprendizagem. Portanto, a organização
O lugar destinado aos estudos deve ser escolhi-
do ambiente figura como uma condição neces-
do levando-se em consideração alguns critérios,
sária ao desenvolvimento intelectual satisfató-
tais como conforto, iluminação, ventilação, priva-
rio, não sendo somente uma estratégia empre-
cidade e acesso à internet, principalmente no
gada para potencializar os estudos.
contexto da educação a distância. Atendidos em
conjunto, esses preceitos contribuem para a ma-
Nessa ótica, a manutenção de um ambiente or-
nutenção da atenção durante o período reserva-
ganizado minimiza potenciais distrações gera-
do para os estudos.
das durante o esforço cognitivo realizado pelo
cérebro no processo de construção do conheci-
Dentro de suas possibilidades, o estudante deve
mento e facilita o gerenciamento de variadas
ter um local — de preferência, só seu — em que
técnicas de aprendizagem. A conservação orga-
possa dispor seus materiais de estudo de ma-
nizada do espaço possibilita um contexto propí-
neira estratégica, para usá-los quando necessá-
cio à concentração e à focalização exigidas em
rio. É fundamental que a mesa tenha espaço su-
atividades acadêmicas, como leitura, escrita e

20
ficiente para abrigar de forma organizada cader- dos e conceitos, além de servir de base para a
nos, livros, textos impressos, computador, cane- fixação de lembretes, cronogramas e calendá-
tas, enfim, todo o material de que o aluno possa rios relativos às responsabilidades acadêmicas,
precisar em um dado momento de estudo. como datas de avaliações e entrega de traba-
lhos.
Para o estudante de um curso a distância, por
exemplo, a escolha desse lugar tem ainda mais Crie regras em seu ambiente de estudos
importância, uma vez que ele desenvolverá a
maior parte de suas atividades nesse local, que Para ser bem-sucedida, qualquer atividade deve
constituirá tanto a própria sala de aula quanto ter alguns parâmetros de realização, o que não é
espaço individual de estudos. Nessa modalidade diferente no contexto acadêmico.
de ensino, é fundamental que o lugar escolhido
conte com boa estrutura de internet, já que o Assim, se pretendemos que a organização con-
estudante necessitará dela com frequência. tribua para a produtividade nos estudos, é ne-
cessário que coloquemos regras para que a or-
Providencie todos os materiais necessários dem seja mantida, as quais englobam tanto nor-
mas de organização do ambiente quanto de nos-
Seja qual for o nível de ensino, a estrutura dos sa própria conduta.
cursos é comumente caracterizada pela com- O aluno de um curso a distância, por exemplo,
partimentação do conhecimento em disciplinas, deve fixar, com certa rigidez, seus horários de
o que leva o estudante a se dedicar a diferentes dedicação aos estudos, além de ser rigoroso
matérias, para as quais são necessários diver- sobre quem pode ter acesso aos seus materiais
sos materiais. A disposição estratégica dos ma- acadêmicos, que estarão sempre em casa. Ele
teriais é fundamental para a produtividade nos deverá ser assertivo com os seus familiares, pa-
estudos, já que, além de poupar tempo de busca, ra ser capaz de manter a organização referente
eleva os níveis de concentração. à sua vida acadêmica.
Outro ponto crucial para garantir a produtividade
Desse modo, em qualquer modalidade de ensi- nos estudos é a necessidade de fugir de qual-
no, é crucial que se tenha um cuidado especial quer tipo de distração durante o período de dedi-
com a organização dos materiais. É importante cação às tarefas estudantis. Deve ser uma regra
que todos os objetos tenham o seu local defini- que os aparelhos eletrônicos estejam desligados
do. Os papéis devem estar separados categori- na hora de estudar. De igual modo, alunos de
zadamente em pastas; canetas e lápis precisam educação a distância, principalmente, precisam
ser guardados em estojos ou recipientes, assim se limitar a navegar somente na plataforma do
como as anotações e exercícios devem ficar reu- ambiente de aprendizagem.
nidos em lugares apropriados, como cadernos
ou blocos. Disponível em:
https://blog.unyleya.edu.br/dicas-de-estudo

Ferramentas que organizam tanto o espaço de


estudos quanto o próprio conhecimento que es-
tá sendo construído são os painéis e os qua-
dros. Eles podem ajudar na fixação de conteú-

21
Atividade 2

3…2…1…Concentrar
Professor(a), agora que os estudantes já receberam a orientação em relação ao espaço da casa
no qual irão utilizar para os estudos, é essencial certificar que existem as condições para manter
a concentração, mas o que é isso?

Texto de Apoio

Concentração é a capacidade de conduzir nossa atenção de maneira a focar em um único


ponto, pensamento ou ação. Para quem estuda, a capacidade de se concentrar é funda-
mental. Mas apesar de ser importante, manter a concentração nem sempre é fácil, princi-
palmente em tempos de educação remota.

Portanto, sugere-se que o(a) professor(a) mencione aos estudantes algumas dicas de co-
mo melhorar a concentração:
• Ficar sozinho no ambiente ou fechar a porta do seu quarto, e avisar outras pessoas
que morem com você que você está concentrado;
• Se não tiver um espaço só para você, usar fones de ouvido para bloquear ruídos ex-
ternos;
• Desligar a TV ou se possível deixar o celular em outra sala, para evitar que eles te dis-
traiam;
• Experimentar ouvir música.
• Ter uma rotina;
• Fazer atividades físicas;
• Ver a luz do sol ( a luz do sol regula o hormônio do sono, a melatonina, e por isso ficar
sem exposição a ela pode prejudicar a concentração);
• Praticar meditação técnica que ajuda a focar no momento presente e pode ajudar na
concentração.

Fonte:
Sugestão de vídeo: https://www.estudarfora.org.br/concentracao-o-que-e-como-treinar-e-
quais-transtornos-podem-atrapalhar/

Atividade 3

Desafio da Concentração
Professor(a), agora que os estudantes já sabem como organizar o
local para estudar, assim como, algumas técnicas para potenciali-
22
zar a atenção, o foco e a concentração, sugere-se realizar um teste rápido para checar o nível de
concentração deles, por meio de uma brincadeira. Vamos lá! Copie as 5 perguntas na lousa e re-
serve de 30 a 45 segundos para cada resposta. Depois é a hora de conferir as respostas e refletir
junto aos estudantes como está a atenção deles.

MODELO DE TESTE

Sabemos que você já tem exercícios de sobra para serem feitos, mas, eles incluem exer-
cícios de concentração?

RESPONDA!
1) Você está em uma corrida e acaba de passar o segundo candidato. Em que posição vo-
cê fica?
2) Uma fazenda tinha 30 cavalos, todos morreram, menos 7. Quantos ficaram?
3) Você está dirigindo um ônibus para Minas Gerais quando, em São Paulo, descem 15 pes-
soas e permanecem 10 e só chegam no destino final 5. Qual o nome do motorista?
4) Complete a sequência: 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, ….
5) Uma mulher carioca dá a luz ao seu filho na fronteira do Brasil com o Chile. Qual será a
naturalidade de seu filho?

Observação:
Respostas:

1.Em segundo. Professor(a) se a aula estiver aconte-


2.A própria pergunta já diz: sete. cendo de forma online, esta atividade
3.Se você está dirigindo é o seu nome! pode ser adaptada para o Kahoot! ou
4.200. É o próximo número que começa com a letra
D. Formulários.
5.Brasil faz fronteira com o Chile? Não.

Atividade 4

Compartilhando vivências
Professor(a), sugere-se que nessa atividade seja re-
servado um momento para que os estudantes com-
partilhem suas vivências com a turma sobre como é
a realidade da sua rotina de estudos em casa.

.
23
DESENVOLVIMENTO DA AULA 2

AULA 2 - CRONOGRAMA
Atividade 1

O tempo

Professor(a), o planejamento de ações auxilia os estudantes na otimiza-


ção dos estudos, ajudando a saber o que, como e quando estudar deter-
minados conteúdos, o que pode implicar em ganhos de conhecimento
e de desempenho nas avaliações e exames. Contribuindo também para
uma formação acadêmica de excelência, e por consequente em seus
respectivos Projetos de vida.

Nessa primeira atividade, a proposta é trabalhar a problemática tempo,


pois é uma fala constante no meio dos estudantes “que não tem tem-
po”, “que precisam de mais tempo”, “que não dá tempo”. Portanto, reali-
zar a leitura e interpretação do poema “O tempo” de Mário de Quintana.

Texto de Apoio
O Tempo ( Poema de Mário Quintana)

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.


Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal…

24
Quando se vê, já terminou o ano…
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado…
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem
olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho
a casca dourada e inútil das horas…
Seguraria o amor que está à minha frente e diria que eu
o amo…
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devi-
Sugestão de vídeo: do à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de
ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infeliz-
mente, nunca mais voltará.

Atividade 2

Conhecendo o Cronograma
Estudar nem sempre é uma tarefa fácil. Manter a disciplina nos es-
tudos, então, nem se fale! Saber como estudar e como administrar
seu tempo para ver todo o conteúdo é tão importante quanto domi-
nar todos os tópicos. Portanto, professor(a) esse momento da aula
será destinado para a apresentação de uma ferramenta de organi-
zação pessoal, escolar e profissional chamada Cronograma.

O que é cronograma? De acordo com a etimologia, a origem dessa


palavra veio do grego, onde khronos significa "tempo" e gramma
significa "algo escrito ou desenhado". Ou seja, cronograma é uma
representação, gráfica ou não, do tempo investido em determinada
tarefa. O cronograma é uma ferramenta que utiliza o conceito de
organizar atividades. Sua representação consiste na organização
das tarefas de acordo com o tempo. Sua principal vantagem é a
facilidade de se observar as datas de início e término de cada uma
delas.

Para que serve um cronograma? Identificar e organizar a sequên-


cia cronológica de atividades a ser executada para conclusão de
um projeto; manter claro os prazos para entrega de cada tarefa;

25
deixar evidenciado o atraso ou adiantamento da conclusão de toda
atividade; auxiliar no controle com intuito de seguir o planejamen-
to; prever com maior exatidão uma data para conclusão de um pro-
jeto.

Como fazer um cronograma? Primeiro faça uma lista de atividades


necessárias para conclusão do projeto; Depois estime o prazo para
conclusão de cada atividade; e por fim, defina as dependências en-
tre as atividades e organize numa ordem crescente.

Modelo de Cronograma:

O modelo de Cronograma que será apresentado foi elaborado con-


siderando a seguinte situação: O estudante de nome Luíz Fábio,
atualmente cursando o 8º ano do ensino fundamental, na ECI Irmã
Joaquina Sampaio em Campina Grande - PB, relatou ao seu Profes-
sor de Estudo Orientado que tem muita dificuldade nas disciplinas
da área de exatas. O Professor conhecendo a rotina de uma escola
cidadã integral, que normalmente tem atividades diárias até às
17:00 horas, auxiliou o estudante a elaborar um Cronograma.

DIA HORÁRIO DISCIPLINA INTERVALO HORÁRIO DISCIPLINA

Matemática Ciências
Revisão e reali- Revisão e reali-
19h às 20h 1 HORA 21h às 22h
SEGUNDA FEIRA zação de ativi- zação de ativi-
dades dades

História Física
Revisão e reali- Revisão e reali-
1 HORA 21h às 22h
TERÇA FEIRA 19h às 20s zação de ativi- zação de ativi-
dades dades

Língua Portu-
Ensino Religioso
guesa
Revisão e reali-
Revisão e reali- 1 Hora 21h às 22h
QUARTA FEIRA 19h às 20h zação de ativi-
zação de ativi-
dades
dades

História Geografia
Revisão e reali- Revisão e reali-
1 HORA 21h às 22h
QUINTA FEIRA 19h às 20h zação de ativi- zação de ativi-
dades dades

Sociologia Arte
Revisão e reali- Revisão e reali-
1 HORA 21h às 22h
SEXTA FEIRA 19h às 20h zação de ativi- zação de ativi-
dades dades

26
Professor(a), existem outras opções de organização
das tarefas/estudos que podem ser sugeridas aos
estudantes de acordo com o nível de maturidade da
turma.

PLANNER DE PROPULSÃO:
Para o ano de 2022 foi criado um planner que
além de contar com um ótimo design e espaços
eficazes para o planejamento das atividades diá-
rias, mensais e anuais, contém ainda, dicas e
ferramentas que podem auxiliar nossas boas
práticas no corrente ano letivo.

GOOGLE AGENDA:

Com o Google Agenda, o estudante pode orga-


nizar seu dia, receber lembretes de eventos na
caixa de e-mail ou celular, e ainda pode anexar
arquivos ou documentos de um evento. Marcar
compromissos e reuniões fica muito mais fácil.
Além disso, pode “carregar” a ferramenta no
smartphone e nunca correrá o risco de esque-
cer compromissos.

CHECKLIST:

Checklist é uma palavra em inglês, considerada um americanismo que significa "lista de


verificações". Uma lista de verificação é um tipo de auxiliar de trabalho usado para reduzir o
fracasso, compensando os limites potenciais da memória e atenção humana. Ajuda a ga-
rantir consistência e integridade na execução de uma tarefa. Um exemplo básico é a "lista
de tarefas". Não tem dificuldade, é só listar suas tarefas a fazer e conforme for realizando ir
marcando/grifando como feito.

27
DIÁRIO - UMA PERGUNTA POR DIA:
Esse material é bem simples, um diário no
qual o estudante pode começar a qual-
quer hora: basta ir até a data de hoje e res-
ponder à pergunta. Quando completar o
ano, ele deve voltar ao início e passar para
o espaço seguinte. Depois da primeira pá-
gina, é impossível parar. E assim, folha a
folha, o estudante terá um registro valioso
da época mais mágica da sua vida.

Atividade 3

Bônus

Atenção professor(a), uma coisa que não se pode


esquecer na hora de elaborar e organizar a rotina por
meio do cronograma pessoal, são as atividades diá-
rias que não correspondem a rotina de estudos, co-
mo por exemplo ajudar nas tarefas em casa (lavar a
Sugestão
louça, arrumar o quarto, levar o cachorro para passe-
• O lazer é muito mais
importante do que você ima- ar) e também as atividades de lazer (jogar free fire,
gina!:
assistir às séries/filmes, praticar esportes ou ativida-
https://www.rituaali.com.br/
blog/o-lazer-e-muito-mais- des físicas, dormir).
importante-do-que-voce-
imagina
Professor(a), reforçe com os estudantes a importân-
• A importância do lazer para
nossa saúde e bem estar: cia de se manter o equilíbrio entre os estudos e mo-
https:// mentos direcionados ao lazer. Segue alguns links
www.temporadalivre.com/
blog/importancia-lazer-para- com textos motivadores.

Atividade 4

Mão na Massa

Professor(a), agora que os estudantes já conhecem


várias opções de organização/planejamento é hora
de incentivá-los a construir seus próprios cronogra-
mas.

28
DESENVOLVIMENTO DA AULA 3

AULA 3 - APRENDENDO A PESQUISAR

Atividade 1

O problema da pesquisa

Professor(a), nesta aula 3, você deve apresentar a problemática envol-


vendo o tema da aula que é pesquisa. Você pode iniciar a aula pergun-
tando aos estudantes como eles pesquisam sobre um determinado as-
sunto de seu interesse, e anotar no quadro ou lousa interativa. Em se-
guida, apresente a situação problema abaixo:

Texto de Apoio

Certo dia, após a escola, Davi chegou em pânico dizendo que tinha
um “trabalho de pesquisa” para fazer com seus colegas de turma.
Eles agendaram de ir à tarde para a casa dele fazer a tal pesquisa.
No caderno, as orientações do(a) professor(a) eram: “Pesquise so-
bre o tema X. Data da entrega: Y.”

(História adaptada de BAGNO, Marcos. Pesquisa na Escola. O que é, como


se faz. 19ª Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.)

29
Pergunte aos estudantes qual o problema dessa
situação. Possíveis respostas: O tema talvez seja
muito abrangente e o(a) professor(a) poderia ter
especificado o quê exatamente ele(ela) queria que
fosse pesquisado. Distribuir tópicos, fazer pergun-
tas para facilitar a pesquisa e, também, indicar si-
tes e/ou livros onde facilitasse o trabalho deles(as).

Atividade 2

Onde pesquisar.

Provavelmente na atividade 1 os estudantes de-


ram resposta do caminho que fazem para pesqui-
sar algo. Professor(a), você pode pedir para que
eles listem as fontes de pesquisa mais utilizadas
por eles. É importante que os(as) estudantes sai-
bam que a Internet não é a única fonte de pesqui-
sa. Que as bibliotecas possuem acervo acessível
para que eles(as) possam fazer suas pesquisas e
o mais importante, verificar a fonte das informa-
ções.

BIBLIOTECA CIDADÃ

Uma boa fonte de pesquisa é a Biblioteca Ci-


dadã que foi lançada no ano de 2021 em toda
a Rede Estadual. Lá, há acervos de várias
obras de domínio público e que podem ser
acessadas através do celular. Segue o link pa-
ra o download:

Peça para que os estudantes observem no Guia de


Aprendizagem de uma disciplina do bimestre em OBS:
curso, quais as fontes e referências que os(as) Professor(a), fique a vontade
para usar o seu Guia de Apren-
professores(as) indicaram para eles(as). dizagem como exemplo.

30
Atividade 3

Como pesquisar.

Após a análise das fontes e referências do Guia de Aprendizagem, per-


gunte aos estudantes se eles sabem como navegar nos sites recomen-
dados, e como eles(as) encontram o que precisam. Na aula online, o(a)
professor(a) pode apresentar um site de pesquisa em que as informa-
Sugestão: ções são confiáveis, e de como agências de notícias procuram validar
https://
guiadoestudan- as informações que chegam para evitar Fake News.
te.abril.com.br/
estudo/fact-
checking- Após analisar algumas fontes utilizadas para a pesquisa, o(a) professor
conheca-5-
agencias-de- (a) pode mencionar as maneiras para fazer o registro da coleta de da-
checagem-de-
noticias/ dos que os(as) estudantes necessitam, como: fichamento; escrita de
questionário, síntese etc. Para que a pesquisa não apresente traços do
famoso Ctrl+C e Ctrl+V.

“Ensinar a aprender, então, é não apenas mostrar os caminhos, mas tam-


bém orientar o aluno para que desenvolva um olhar crítico que lhe permi-
ta desviar-se das “bombas” e reconhecer, em meio ao labirinto, as trilhas
que conduzem às verdadeiras fontes de informação e conhecimento.”
(BAGNO, p. 15, 2005)

Atividade 4

Atividade de pesquisa

Os(As) estudantes terão como atividade prática, aprofundar seus co-


nhecimentos sobre alguma matéria escolar que estejam com dificulda-
des ou que queiram aprofundar sobre algum assunto ministrado com
base nas fontes e referências deixadas nos Guias de Aprendizagem.

Leitura complementar: BAGNO, Marcos. Pesquisa na Escola. O que é, como se


faz. 19ª Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

31
DESENVOLVIMENTO DA AULA 3

AULA 4 - ESTUDO PESSOAL

Atividade 1

Quiz
Professor(a), nessa atividade sugere-se realizar algumas perguntas pa-
ra os estudantes em relação a como eles gostam de estudar: sozinho,
em duplas ou em grupo.

Essas perguntas podem ser copiadas na lousa ou feitas de forma ver-


bal. Caso a aula esteja ocorrendo de forma online sugere-se um Google
Formulário, Mentimeter ou Jamborad.

SUGESTÃO DE PERGUNTAS
• Você prefere fazer suas atividades sozinho, em dupla ou em
grupo?
• Você prefere estudar sozinho, em dupla ou em grupo?
• Quando um professor passa um trabalho em grupo, geralmente qual o
seu papel/função?

Cada pessoa tem um jeito particular de como estudar, portanto, nas pró-
ximas atividades dessa aula será apresentado as vantagens e desvanta-
gens de estudar sozinho, em dupla ou em grupo.

32
Atividade 2

Estudo Individual
Estudar é uma tarefa que exige determinação e disciplina por parte do
estudante. Para alguns estudantes estudar sozinho é a melhor opção,
pois o desafio de cada matéria é apenas entre você e você mesmo.

Algumas vantagens em estudar sozinho:

• Ritmo de estudo: Estudando sozinho o estudante pode dar o ritmo


que desejar aos estudos, permitindo que possa realizar adequações
no cronograma, visto que o estudante é quem define o início e tér-
mino, garantindo uma melhor organização;
• Maior nível de concentração: Estudar sozinho permite que o estu-
dante foque completamente a atenção no estudo em questão, sem
distrações para conversas paralelas entre colegas e barulhos exter-
nos. Afinal, nos estudos em grupo nem todos estão no mesmo rit-
mo e com a mesma pegada.

Algumas desvantagens em estudar sozinho:

• Falta de disciplina: Por incrível que pareça, estudar sozinho tam-


bém dificulta na disciplina, visto que é o próprio estudante quem
dita o ritmo dos estudos. Dessa forma, às vezes pode ocorrer uma
falta de comprometimento com o cronograma elaborado;
• Distração: Estudar sozinho também pode contribuir para uma dis-
tração maior com coisas que não agregam ao conteúdo, como o
uso de celular. Estando sozinho o estudante não terá ninguém para
o alertar caso ele esteja distraído.

Atividade 3

Estudo em Duplas

Será que estudar em duplas é melhor do que estudar sozinho? Depende!


Essa é uma ótima oportunidade, uma vez que, como diz aquele velho
ditado: “duas cabeças pensam melhor que uma”, sem contar que essa é
sempre uma chance para interagir com os colegas, desenvolver novas

33
habilidades e ter contato com outras visões de mundo.
Ter um parceiro pode ser de grande ajuda durante uma atividade acadê-
mica, por outro, pode ser fonte de dor de cabeça quando não há entro-
samento entre as partes.

Segue algumas dicas para obter um ótimo resultado estudando em du-


plas:

• Escolha do parceiro: é importante escolher bem quem será a pes-


soa para fazer o par nos estudos. Não se deve deixar a escolha ape-
nas por questão de afinidade. Claro que o estudante pode escolher
um amigo, mas é preciso ter cuidado para não transformar o tempo
de estudos em um momento de bate-papo. Atenção: se o par não
tem iniciativa, faz corpo mole ou é do tipo aluno turista, que assiste
a um dia de aula e faltam outros tantos, nesse caso, o trabalho em
dupla pode se tornar individual.
• Aprender a lidar com as opiniões contrárias: Por mais que o estu-
dante e seu parceiro cheguem a um consenso em diversos assun-
tos e até tenham uma boa harmonia, eventualmente surgirão temas
capazes de despertar opiniões contrárias de ambas as partes, o que
é normal. Seja qual for o assunto, é essencial agir de forma madura,
debatendo com respeito e sabendo conviver com as diferenças.
• Organizem as atividades e tarefas: Com isso, a dupla irá evitar atra-
sos e ainda facilitar os estudos, dividindo o que cada um vai fazer,
quando e como. Esse planejamento pode ser feito por encontros
presenciais ou virtuais.
• Regras claras: Fora o cronograma, também é necessário estabele-
cer algumas regras para facilitar a execução da atividade, otimizar o
tempo e, de quebra, evitar desentendimentos. A definição do meio
de comunicação, seja por telefone, e-mail ou WhatsApp, bem como
à escolha de um dos 2 para tomar a dianteira na hora de entrar em
contato com o professor em caso de dúvidas, sugestões, perguntas
e afins para evitar desencontro de informações.

Atividade 4

Estudo em Grupos
Os seres humanos são sociáveis e por isso existem aqueles estudantes
que preferem estudar com um grupo de pessoas, visando uma intera-
ção com diferentes visões do conteúdo estudado.

34
Algumas vantagens de estudar em grupos:

• Pluralidade de ideias: Estudar em grupo é sinônimo de diversidade


de ideias. A dúvida de um estudante pode ser a de mais de um dos
colegas. E juntos é possível buscar um entendimento do conteúdo,
além de tentar tirar essa dúvida entre eles;
• Motivação: essa motivação é gerada nas pessoas envolvidas, visto
que mais pessoas debatendo um mesmo assunto possibilita eliminar
muitas dúvidas e, dessa forma, aprimorar o conhecimento obtido.
Sempre no grupo de estudantes tem aquele amigo que explica o con-
teúdo de um jeito mais fácil que o próprio professor da disciplina.

Algumas desvantagens em estudar em grupo:

• Barulhos excessivos: Um problema em estudos em grupo é o exces-


so de barulho. Às vezes, nem todos estão com o mesmo compromis-
so em estudar o assunto e acabam atrapalhando os outros com as
chamadas “conversas paralelas”;
• Lentidão: O ritmo de estudos em grupo pode ser um pouco mais len-
to. Isso pelo fato de nem todos possuírem o mesmo entendimento
do conteúdo. O estudo em grupo torna-se eficaz quando todos estão
no mesmo ritmo de aprendizado.

Professor(a), agora que os estudantes já conhecem as possibilidades


de estudo, fica ao critério deles escolherem a melhor forma de estudar.
Lembrando que não existe uma fórmula padrão para essa atividade.
Cada pessoa tem a sua forma de estudar e, às vezes, para uma o apro-
veitamento em estudar sozinho é melhor e para outra debater o assun-
to em grupo é mais eficaz. Uma coisa é certa: nunca deixe de estudar.
Conhecimento nunca é demais!

Sugestão para o professor(a):


Nessa aula incentivar a descoberta den-
tro da sala de aula futuros monitores de
disciplinas. A monitoria é uma excelente
forma de aprendizagem e espaço para o
protagonismo.
Material de Apoio:
Matéria: https://
dicasdevestibu-
lar.blogosfera.uol.com.br/2016/04/20/
qual-a-melhor-maneira-de-estudar-
sozinho-ou-em-grupo-3/
Link: https://www.youtube.com/watch?
v=E6sJKPSwjR8

35
ESTUDO ORIENTADO
Ens. Fundamental

3 TÉCNICAS DE
ESTUDO!

36
DESENVOLVIMENTO DA AULA 1

AULA 1 - KANBAN
Atividade 1

O que é o kanban.

O Kanban é um sistema de gestão visual que utiliza cartões. Este quadro de gerenciamento de
fluxo de produção pode ser adaptado para gerenciar nossas tarefas diárias. Dependendo do lo-
cal onde ele for aplicado, pode apresentar mais do que três colunas. Aqui iremos escolher a for-
mação simples com três.

Geralmente, as pessoas utilizam aquelas notas adesivas coloridas para anotar suas tarefas. Elas
podem ser substituídas por papel comum, fita crepe e lápis de cor, ou até mesmo cartolina.

Vamos entender cada coluna do Kanban.

O movi-
mento até a
3ª coluna é impor-
tante porque a
sensação de ver
uma tarefa sendo
realizada e em
seguida concluída
é motivador.

37
Atividade 2

Tarefas para o Kanban

Para esta atividade, sugerimos que o(a) professor(a) possa apresentar a estrutura do Kanban em
uma lousa interativa como o Jam Board. Onde os(as) estudantes poderão participar da aula, de
forma a entender melhor a dinâmica da técnica. No Jam Board é possível escolher as cores das
notas adesivas e configurá-las para áreas distintas, por exemplo: escola (amarela), tarefas do-
mésticas (verde) e vida pessoal (azul).

Observação:
A imagem da tabela foi feita no Word, tira-
do print e levado para o Jam Board. Segue
o link da modelo:
https://jamboard.google.com/
d/1S1mz6ylbnGMK9EkDMg9Q6JwfATbeOF-
pQsYBMvQGccc/edit?usp=sharing

Atividade 2

Fazendo o meu Kanban


Os(As) estudantes irão listar as atividades que eles(elas) têm para esta semana. Separar o que é
da escola, o que é pessoal e quais são as tarefas de casa ou de outra área que eles queiram des-
tacar. Eles podem fazer através do Jam Board para praticar a técnica.

Atividade 2

Socialização
Os(As) estudantes devem compartilhar as construções que fizeram no Jam Board com os de-
mais da turma. Porém, que sejam incentivados(as) a fazerem um que fique visível para eles(as)
como um painel no quarto ou na porta do guarda-roupa onde eles podem sempre ter à vista.

38
DESENVOLVIMENTO DA AULA 2

AULA 2 - POMODORO

Atividade 1

O que é o pomodoro?

A palavra pomodoro significa tomate em italiano. E esta técnica foi desenvolvida pelo italiano
Fracesco Cirillo que usou o timer que tinha na sua cozinha, em formato de tomate, e que marca-
va 25 minutos. Ele fez isso com o intuito de aumentar sua produtividade durante seu horário de
estudos, para ficar 100% focado sem ser interrompido por distrações. Esta técnica de estudo aju-
da os(as) estudantes a não procrastinar suas atividades por conta da falta de gerenciamento de
tempo.

Para o início desta aula, sugerimos que o(a) professor(a) faça algumas perguntas para os(as)
estudantes acerca de gerenciamento de tempo para que possam refletir.

SUGESTÕES DE PERGUNTAS:

• Você estuda até ficar cansado ou faz intervalos com frequência?


• Antes de começar uma tarefa, você faz uma lista do que precisa
ser feito ou tenta lembrar de cabeça?
• Você estuda de véspera para as provas?
• Você é interrompido enquanto estuda? Se sim, quais são as cau-
sas para essas interrupções?
• Você sabe quanto tempo é necessário para fazer as suas tarefas?

39
Atividade 2

Como funciona o pomodoro?


Professor(a), você pode explicar através da imagem abaixo, ou uti-
lizar o vídeo disponível que apresenta a história e, também, como
a técnica funciona.

Sugestão de vídeo:

Atividade 3

1 pomodori, por favor!


Professor(a), após a explicação da técnica, peça para que os(as) estudantes escolham uma ati-
vidade de alguma disciplina que eles precisam realizar. E marque o tempo de 25 minutos para
que eles estejam envolvidos de forma individual na execução desta tarefa.

Atividade 4

Feedback
Passados os 25 minutos, peça para que os estudantes deem o feedback dessa técnica. Você
pode utilizar algumas perguntas norteadoras para iniciar esta sessão.

SUGESTÕES DE PERGUNTAS:

• Você conseguiu realizar a atividade em 25 • Se sim, quanto tempo mais?


minutos? • Qual a sua primeira impressão ao utilizar
• Você vai precisar de mais tempo para reali- essa técnica? Gostou?
zar esta atividade? • Como você pode utilizar desta técnica na
sua vida diária?

40
DESENVOLVIMENTO DA AULA 3

AULA 3 - MAPA MENTAL

Atividade 1

Quebra Gelo

Professor(a), nessa atividade, poderá ser escolhido um tema central (a crité-


rio do professor) e escrevê-lo de forma bem chamativa no centro da lousa e
solicitar aos estudantes que eles digam palavras simples relacionadas ao
tema. A sugestão é que esse tema central escolhido seja abrangente e de
fácil entendimento dos estudantes da série. Caso essa aula esteja ocorrendo
de forma online, essa atividade pode ser realizada via mindmeister (https://
www.mindmeister.com/) ou qualquer outro recurso tecnológico da preferên-
cia do professor.

Atividade 2

Ligando os Pontos

Professor(a), na atividade anterior vocês construíram um lindo mapa mental


coletivo. É interessante observar, que a partir de uma palavra é possível de-
bater sobre um determinado tema. Nessa atividade 2, o(a) professor deve
apresentar o que é um Mapa Mental e seus benefícios para os estudantes.

Um mapa mental é uma ferramenta utilizada para organizar, memorizar ou


analisar um conteúdo em específico. Sua estrutura foi pensada especialmen-
te para facilitar o aprendizado e administração da informação. Desenvolvido
pelo britânico Tony Buzan, o método tem como maior diferencial o fato de
organizar as informações de maneira harmônica com os processos cogniti-

41
vos.

O mapa mental é um diagrama simplificado que conecta informa-


ções em torno de um tema central. Você pode entender o mapa
mental como uma árvore cujos galhos consistem em informações
concisas que saem de um eixo principal. É uma ferramenta de
brainstorm muito poderosa, porque facilita a memorização e o
aprendizado.

A técnica dispõe o conteúdo da mesma maneira que ele é entendi-


do pelo nosso cérebro, fortalecendo as sinapses neurais. Ou seja,
é muito mais fácil memorizar e compreender dessa forma, facili-
tando ainda mais o aprendizado dos nossos protagonistas .

Para isso, o mapa mental conta com vários recursos: cores, sím-
bolos e, principalmente, sua estrutura baseada em ramificações.
Associando uma informação às outras, podemos recordá-las com
mais facilidade.

Você pode utilizar essa ferramenta para qualquer atividade, dentre


elas: Fazer anotações em aulas, substituindo caderno; memorizar
palestras, discursos, apresentações e seminários; debates, brains-
torming (tempestade de ideias); planejamento de projetos; defini-
ção de metas de curto, médio e longo prazo para um objetivo; de-
senvolvimento criativo; organização de tarefas, projetos e traba-
lhos.

Material de apoio para o professor disponível em:


https://www.mindmeister.com/blog/7-beneficios-de-mapas-
mentais-comprovados-por-pesquisas/?lang=pt-br

42
Atividade 3

Mapeando a sua mente


Agora que os estudantes já conhecem um mapa mental e seus benefícios, chegou a hora de co-
locar a mão na massa e construírem seus próprios mapas mentais. Mas antes professor(a), vo-
cê deverá repassar algumas informações:

PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR O MAPA MENTAL:

- Título: o primeiro passo para começar o seu mapa mental é escolher a temática dele. Antes de
começar, pense sobre qual é o objetivo do mapa mental. É interessante que o título seja centraliza-
do e/ou BEEEEEEEEEEM destacado.

- Primeiras ramificações: as primeiras ramificações correspondem às principais áreas de informa-


ção que precisam estar no mapa mental. O truque aqui é deixar o sistema de associações do seu
cérebro funcionar.

- Ramificações seguintes: Seguindo a mesma regra de associações, você começará a ramificar


cada vez mais o seu mapa mental.

- Símbolos: Esse passo não precisa ser feito, necessariamente, após as ramificações. Você pode
adicionar símbolos ao mapa mental conforme vai escrevendo. O importante é que os símbolos se
relacionem com cada uma das palavras escolhidas para o mapa. Isso é particularmente útil quando
o objetivo do mapa mental é a memorização de um conteúdo, seja para uma prova, reunião ou se-
minário.

- Revisões e edições: uma das características mais valiosas do mapa mental é que adicionar infor-
mação em retrospecto não é difícil. Como não possui uma estrutura linear, é fácil adicionar ramifi-
cações sem que elas fiquem deslocadas do resto do mapa.

Atividade 4

Exibição dos Mapas.

Para finalizar a aula a sugestão é que os estudantes apresentem os mapas mentais elaborados
na atividade anterior, podendo inclusive ficar afixado nas paredes da sala ou ir parar nas redes
sociais da escola.

43
DESENVOLVIMENTO DA AULA 4

AULA 4 - MAPA CONCEITUAL

Atividade 1

O que é um mapa conceitual.

Professor(a), apresente a definição do que é um mapa conceitual para os


estudantes.

O mapa conceitual, ou diagrama conceitual, é uma ferramenta gráfica que


pode ser feita no papel ou em algum tipo de programa que ofereça opções
como elipses, retângulos, setas e caixas de texto. O mapa conceitual ajuda a
sintetizar as informações que estão conectadas a um tema central.

Atividade 2

Mapa Mental vs. Mapa Conceitual.

Alguns estudantes podem confundir o entendimento sobre mapa mental e


mapa conceitual. A diferença básica entre eles é que no mapa conceitual uti-
lizamos verbos de ligação para unir os elementos, formando frases
(conceitos).

Professor(a), para uma maior compreensão do assunto, sugerimos o vídeo


abaixo:

44
Sugestão de vídeo:

Atividade 3

Criando um Mapa Conceitual .

Para esta atividade, sugerimos que os(as) estudantes tenham


um tempo para criar o seu próprio mapa conceitual. Eles(elas)
podem observar e escolher entre os temas dados nas discipli-
nas de Humanas, por exemplo. Usando como base o que está
Caso esta atividade es-
teja sendo realizada de informado nos Guias de Aprendizagem e o que eles estudaram
forma síncrona, sugeri-
mos que o(a) professor
(a) se detenha um pou- Atividade 4
co mais no entendimen-
to de como utilizar os
seguintes recursos: Apresentação dos mapas conceituais.
• Lucidchart:
https:// Para esta atividade, pediremos que os estudantes, após produ-
www.lucidchart.com/
pages/pt zirem seus mapas conceituais, possam apresentar para a tur-
• Canva: ma.
https://
www.canva.com/
folder

45
DESENVOLVIMENTO DA AULA 5

AULA 5 - MARCAÇÕES

Atividade 1

Marcações, sublinhados e palavras-chaves

As marcações e anotações de estudo são um costume muito corriqueiro en-


tre os melhores estudantes, que buscam fixar ao máximo os conteúdos estu-
dados. De fato, as anotações de estudo certamente vão ajudá-los e chamar
a atenção para algum assunto que não ficou claro, ou que os estudantes ain-
da estejam com dificuldade.

As anotações, por exemplo, também podem corresponder a um insight que


você teve, ou uma associação com uma outra parte da matéria. É necessário
desenvolver um método de grifar baseado no que o estudante deve saber
sobre aquele conteúdo. A ideia é que, ao revisar o conteúdo, as partes grifa-
das sejam suficientes para retomar na sua memória o todo estudado sobre
aquele assunto.

O que deve ser sublinhado? Antes de tudo, para estar apto a sublinhar corre-
tamente o texto, o estudante precisa ter lido com muita atenção. O ideal é
reler o texto algumas vezes antes de grifá-lo, para se ter ideia real de quais
são as ideias-chave do texto. Também é importante destacar as palavras
técnicas ou específicas do tema e qualquer dado relevante que contribua pa-
ra a compreensão.

46
Dicas importantes
1. Use lápis de cor ou caneta colorida para destacar informações de
importâncias diferentes.
2. Também pode usar os enquadramentos ou círculos para destacar
as ideias mais importantes.
3. Use setas para ligar partes que se complementam.
4. Se houver pontos que precisam ser revistos ou perguntados ao pro-
fessor, marque com cor diferente ou coloque exclamações

Leia mais em:


https://guiadoestudante.abril.com.br/coluna/dicas-estudo/aprenda-a-
sublinhar-o-texto-do-jeito-certo/

Material de apoio para o professor:


https://www.estudaqui.com/blog/como-estudar/como-fazer-marcacoes-e-
anotacoes-de-estudo/)

Atividade 2

Aprofundando a técnica

É importante orientar os alunos para adotarem a técnica que for mais ade-
quada às suas necessidades, estabelecendo um padrão de comportamento
para seguir.

Marcações:
ler o texto para tomar conhecimento do assunto; esclarecer dúvidas quanto
ao vocabulário, termos técnicos, etc; reler o texto para identificar as ideias
principais, as palavras-chave. Atenção para as palavras coesivas (mas, po-
rém, entretanto, no entanto...); reconstruir o parágrafo a partir das palavras e
expressões sublinhadas; assinalar com uma linha vertical, à margem do tex-
to, as ideias mais significativas; destacar com um ponto de interrogação, à
margem do texto, as discordâncias, argumentos discutíveis e passagens
obscuras; ler o que foi sublinhado para verificar se há sentido; reconstruir o
texto, em forma de esquema ou de resumo, tomando as palavras sublinha-
das como base. Outra forma de sublinhar é com canetas “marca-texto”, utili-
zando cores diferentes para estabelecer um código particular.

Sublinhados:
A técnica de sublinhar é uma forma de estudo muito utilizada pelos estudan-
tes. Ela é muito recomendada pelos autores de metodologias, mas é uma
técnica, muitas vezes, utilizada de maneira inadequada e, às vezes, realizada

47
pelo estudante por mera obrigação.

O estudante normalmente sublinha praticamente quase todas as


frases de um determinado tópico, achando que tudo é importante
e não consegue identificar qual a ideia ou as ideias mais relevan-
tes.

Algumas formas de estudo do texto podem ser sugeridas: - subli-


nhar com lápis preto macio, para não danificar o texto; - sublinhar
com dois traços as ideias principais e com um traço as secundá-
rias; - sublinhar com outros formatos (ondinhas, por exemplo) pa-
ra dar destaque a alguma palavra. - usar canetas “marca-texto”,
utilizando cores diferentes para estabelecer um código.
Para aprofundamento
Palavras-Chave: consultar o link:

https://
www.trabalhosfeitos.c
As palavras-chave podem ser colocadas como síntese de uma om/ensaios/
Metodologia-T%C3%
ideia. Elas indicam a ideia principal da parte destacada e sinteti- A9cnicas-De-
Subli-
zam um trecho importante do texto. É excelente para uma nova nhar/63061099.html
leitura rápida para seus estudos.

Imagem retirada do material do grupo de estudos de


Estudo Orientado do Instituto Sonho Grande.

48
Atividade 3

Aprender fazendo

Professor(a), agora é só pedir para os estudantes colocarem em prática o


que foi aprendido na aula de hoje. Deve-se selecionar um texto de alguma
disciplina da BNCC (podendo inclusive ser da disciplina do professor de Es-
tudo Orientado) ou alguma reportagem e pedir que os estudantes usem as
marcações, sublinhados ou palavras-chaves como técnicas para estudar as
informações presentes no texto.

Caso essa aula esteja ocorrendo de forma online, o


professor pode enviar o texto por meio de imagem
ou Google Documentos e os estudantes fazem as
marcações utilizando os recursos dos celulares.

Atividade 4

Feedback

Momento reservado ao Feedback da aula de hoje. O(A) professor(a) pode


questionar aos estudantes se eles já conheciam a técnica de marcações?
Usavam? Gostaram? Realmente ajuda na aprendizagem?

Atenção professor(a): esse texto com as marcações da atividade 3 será usa-


do na aula 6 - atividade 3, portanto guarde o texto ou salve os arquivos mar-
cados caso a atividade tenha sido online.

49
DESENVOLVIMENTO DA AULA 6

AULA 6 - RESUMO

Atividade 1

Sugestão de vídeo:
Para esta técnica de estudo, devemos lembrar an-
tes que a Internet disponibiliza de vários recursos
para que resumos sejam criados sem que o aluno
de fato tenha lido o texto. Importante o(a) profes-
sor(a) ter ciência deste tipo de serviço online, mas
que não deve ser propagado entre os estudantes.
Indicamos para esta aula que o professor apre-
sente o vídeo “O que é um resumo e como fazê-lo
de forma eficiente”.

Atividade 2

Resumo do vídeo.
Nesta atividade, sugerimos que de forma coletiva, se faça um resumo do
que foi apresentado no vídeo. O(A) professor(a) pode escrever em um doc e
compartilhar com os estudantes a medida em que ele está sendo criado. O
(A) professor(a) pode digitar ou pedir para que um estudante possa fazê-lo.

Atividade 3

Resumo do texto.
Após a construção coletiva do resumo do vídeo, os estudantes irão revisitar
o texto que foi grifado na aula passada (aula 5 - atividade 3) para que pos-
sam fazer o resumo do mesmo com base nas marcações feitas.
50
Atividade 4

Leitura dos resumos.


Ao término da construção dos resumos, o(a) professor(a) pode pedir para
que alguns(algumas) estudantes compartilhem seus resumos com a turma.

51
DESENVOLVIMENTO DA AULA 7

AULA 7 - MÉTODO CORNELL

Atividade 1

Contextualizando…
Cada pessoa pode ter seu próprio sistema ao acompanhar uma aula: algu-
mas preferem ouvir e anotar só depois, mas muitas assimilam melhor as in-
formações se estiverem escrevendo na hora. Alguns formatos de anotação
podem ajudar se este for o seu caso. Vale usar tabelas, esquemas de gráfi-
cos ou dividir a folha do caderno em três seções, como no método Cornell,
criado por Walter Pauk, na época professor de educação da Cornell Univer-
sity. Este é um sistema concebido na década de 1950 e defendido por Pauk
em seu best-seller “Como estudar na faculdade”.

Professor(a), nesse primeiro momento da aula converse com


os seus estudantes sobre como eles gostam de fazer as ano-
tações sobre a aula. É durante a aula? Ou apenas quando es-
tão estudando?

Atividade 2

Exemplificar
Agora é a hora de explicar aos estudantes como aplicar esse
método:

• Primeiro passo
Antes de mais nada, separe os espaços em sua folha de caderno usando
52
duas linhas. O primeiro a se fazer é colocar a data do estudo e
o nome do tópico no topo da página. Em seguida, utilize o es-
paço maior central superior para fazer anotações da forma
mais abreviada possível.

Para separar as ideias, é bom pular uma linha entre um tópico


e outro. Lembre-se que vale abreviar palavras, usar desenhos,
símbolos ou qualquer outro elemento que possa ajudar na ho-
ra dos estudos. Afinal, todo recurso que deixe a matéria mais
clara para o estudante será bom na hora de rever as anota-
ções.

• Segundo passo
É hora de preencher a coluna esquerda da página nessa se-
gunda etapa. O estudante deve anotar os tópicos correspon-
dentes a cada uma das matérias, bem como as informações
extras que forem ficando mais claras ao longo dos estudos. É
nesse local também que o aluno indicará quais assuntos são
mais importantes na hora de estudar.

• Terceiro passo
O último passo só será realizado na hora que o estudante esti-
ver relendo suas anotações. A parte inferior da página é desti-
nada às dúvidas que surgirem conforme a leitura for avançan-
do. Também é indicado que nesse local seja feito um resumi-
nho (bem “inho” mesmo) sobre o assunto principal daquela
página. É sempre bom que o estudante tenha em mente:
“como eu explicaria isso para outra pessoa?”.

Professor(a), alguns estudantes podem sentir dificuldade com es-


se método, então sugere-se apresentar esse vídeo (https://
www.youtube.com/watch?v=-LXSpSPqOPk&ab_channel=FranCarniel) que
é bem didático e eles podem entender de forma mais clara. Outra
opção bem legal é o(a) próprio(a) professor(a) de EO escolher um
assunto de sua disciplina da BNCC, explicar e exemplificar como
se faz.

53
Atividade 3

Mão na Massa
Professor(a), essa atividade pode ser realizada em grupos ou de forma indi-
vidual. Os estudantes devem sugerir alguns temas/conteúdos e construírem
as anotações na folha através do método Cornell.

Caso essa aula esteja ocorrendo de forma online a sugestão é que pode ser
feita pelo Google Documentos. Segue um modelo, é só fazer uma cópia ou
fazer o download (modelo: https://docs.google.com/document/d/1zYA-
T5ccJVTLEltUMvSCBtiJJXWzNHBweHRUdMhJ8ao/edit?usp=sharing ) ou pelo jam-
board (a dica é que para cada divisão seja utilizado uma cor diferente. Caso
o estudante deseje escrever, é só seguir a imagem abaixo.

Atividade 4

Feedback
Neste momento final, pedir para que os(as) estudantes deem um feedback
com relação a esta estratégia de aprendizagem.

54
DESENVOLVIMENTO DA AULA 8

AULA 7 - QUADRO DE INVESTIGAÇÃO SQA.

Atividade 1

SQA - O que eu sei? O que eu quero saber? O que eu


aprendi?

Professor(a), você já conhecia esta ferramenta? Já utilizou ela em suas au-


las? Ela é uma técnica muito boa para trazer o conhecimento prévio dos(as)
estudantes sobre um determinado assunto. Dando oportunidade para que
eles/elas contribuam na construção do conhecimento e envolvê-los(as) du-
rante toda a aula. Além de desenvolver o lado investigativo dos(as) estudan-
tes. Eles/Elas organizam as informações antes, durante e depois de uma li-
ção. E o(a) professor(a) também pode utilizar esta ferramenta para monito-
rar a aprendizagem dos estudantes. No formato presencial, o(a) professor(a)
pode desenhar no quadro, uma tabela com 3 colunas (caso a aula seja sín-
crona, pode utilizar o Padlet ou Jam Board).

Cada coluna representa uma letra. S = o que se sabe sobre o assunto; Q = o


que se quer saber; A = o que se aprendeu. A primeira coluna (S) é preenchida
pelos/pelas estudantes logo em seguida a escolha do tema a ser trabalhado.

Atividade 2

Passo a passo.

55
Vamos aos procedimentos! Com base no tema insetos, iremos exemplificar
esta técnica.
1. Escolha um tema ou um assunto para inserir no topo do quadro;
2. Pergunte aos estudantes o que eles sabem sobre o tema/assunto pa-
ra preencher a primeira coluna. Eles(as) podem compartilhar suas res-
postas.
3.Em seguida, os(as) estudantes preenchem a segunda coluna com o
que eles querem aprender dentro do tema/assunto. Ótimo termômetro
para os(as) professores(as) verificarem as expectativas dos estudan-
tes que podem socializar as respostas com a turma.
4. Ao término da(s) aula(s), pedir para que os(as) estudantes preencham
a última coluna com o que eles/elas aprenderam.

A B

C Adaptado de @teachersandras

56
Atividade 3

1.001 Utilidades.
É importante ressaltar que após a construção do quadro, você professor(a),
deve incentivar os(as) estudantes a revisar o conteúdo da aula utilizando o
quando de investigação SQA. Com o intuito de internalizar as informações
fornecidas através dos novos conhecimentos. Este quadro também funciona
como um termômetro para que docentes e discentes verifiquem a aprendi-
zagem. E no caso dos estudantes, estes também podem fazer sua própria
autoavaliação.

Atividade 4

Neste momento final, pedir para que os(as) estudantes deem um feedback
com relação a esta estratégia de aprendizagem.

57
ESTUDO ORIENTADO
Ens. Fundamental

4
REDS - RECURSOS
EDUCACIONAIS
DIGITAIS

58
DESENVOLVIMENTO DA AULA 1

AULA 1 - MÍDIAS SOCIAIS

Atividade 1

Ensinar não é transferir conhecimento.

“Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a


sua própria produção ou a sua construção.”
- Paulo Freire.

Ao escrever o livro “Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à


prática educativa”, Paulo Freire nos chama a atenção para estarmos
“abertos a indagações, à curiosidade, às perguntas dos alunos, a su-
as inibições.” (FREIRE, 1996, p.47).

Quando falamos de REDs (Recursos Educacionais Digitais), se faz


necessário refletir sobre os benefícios pedagógicos destes recursos,
e não somente nas dificuldades e problemas que eles podem apre-
sentar. Hoje em dia, os(as) estudantes utilizam muito dessas ferra-
mentas por pura diversão, e não conseguem enxergar a potencialida-
de de se aprender com elas. Alguns não se sentem confortáveis em
aparecer, mas gostam de consumir o conteúdo produzido por essas
mídias sociais.

59
Dentro do universo midiático, temos as interfaces de vídeos que
aproximam as pessoas e estão disponíveis para todos os tipos de
públicos. O Tik Tok, por ser uma plataforma de vídeos curtos e de
interação, fez com que o próprio Instagram adicionasse o recurso
de Reels atualizado para ter um pouco da cara e funcionalidade da
rede vizinha. Além deles, temos o Kwai, que assim como o Tik
Tok, bonifica monetariamente seus usuários de acordo com o en-
gajamento de seus vídeos. Não podemos esquecer do YouTube
que é a plataforma mais antiga entre as demais.

Atividade 2

Atenção Tiktokers e Youtubers!

Nas redes sociais é muito fácil encontrar professores(as) apresen-


tando conteúdos referentes às áreas que lecionam. Há também os
estudantes que falam sobre suas rotinas de estudo e dão dicas para
outros estudantes que se identificam com eles.

Segue algumas sugestões de perfis para serem apreciados e


inspirar os(as) estudantes para a próxima atividade.

Alexandre Domingues:
https://www.tiktok.com/@alexandredomingues?

Maria Eduarda:
https://www.tiktok.com/@hellomarea

Patrícia Mendes:
https://www.youtube.com/c/estudepatricia

Júlia Gonçalvez:
https://www.youtube.com/channel/UCiYaVrYsM0uilC401_Rp2sw/
featured

Vamoo Estudar?
https://www.instagram.com/vamoo.estudar/

Atividade 3

Quem quer ser um Tiktoker?


Nesta atividade, o(a) professor(a) pode sugerir a criação de um perfil
para as disciplinas ou para a escola, caso não tenham. E neste perfil,
abrir espaço para o protagonismo dos estudantes e publicar vídeos,

60
challenges, resumos de conteúdos que possam ajudar outros es-
tudantes.

Caso algum estudante já tenha esta prática em seu perfil, pergun-


te se o(a) mesmo(a) se sente confortável em compartilhar com a
turma.

A plataforma seria aquela em que a turma se sente mais confortá-


vel em trabalhar. Esta atividade pode ser feita em grupos ou indivi-
dualmente.

Atividade 4

Agregando valor.
Sugestão de leitura
para o(a) professor(a):
O desafio é encontrar outros perfis nas redes sociais que os ajudem
FREIRE, PAULO. Peda-
a manter o foco nos estudos e a tirar dúvidas que venham a surgir gogia da autonomia:
saberes necessários à
com relação aos conteúdos estudados. Os perfis devem ser categori- prática educativa. Edi-
zados e compartilhados com todos da escola. tora Paz e Terra: São
Paulo, 1996.

61
DESENVOLVIMENTO DA AULA 2

AULA 2 - APRENDER PODE SER ENGRAÇADO

Atividade 1

Fantástico mundo dos Memes

Professor(a), falar sobre memes, parece ser uma coisa bem inusita-
da para uma aula de estudo orientado não é mesmo? Mas, não! Os
estudantes estão cada vez mais conectados e atualizados no mundo
virtual, então por que não agregar os memes aos estudos? Será que
é possível? É a hora de descobrir!

Meme é um termo grego que significa imitação. O termo é bastante


conhecido e utilizado no "mundo da internet", referindo-se ao fenô-
meno de "viralização" de uma informação, ou seja, qualquer vídeo,
imagem, frase, ideia, música e etc, que se espalhe entre vários usuá-
rios rapidamente, alcançando muita popularidade.

Nessa primeira atividade, como quebra-gelo e introdução a memelân-


dia, você, professor(a) poderá contar a história do meme mais famo-
so do Brasil: Nazaré Confusa. Como 2 + 2 = 4, todo mundo já deve ter
visto pelo menos uma vez essa imagem circulando pelas redes soci-
ais. O meme, que também ficou conhecido como Nazaré de Exatas, é
62
usado quando a pessoa quer dizer que ficou confusa com alguma
situação, que não conseguiu entender algo e precisou parar para
pensar.
Material de apoio:

Inclusive os brasileiro quase se envolveram em uma “Guerra Me-


meal” por conta dessa imagem tão famosa e engraçada (para sa-
ber mais clique aqui:
https://jc.ne10.uol.com.br/blogs/o-viral/2016/10/11/americanos-roubam
-meme-de-nazare-tedesco-e-brasileiros-se-preparam-para-3a-guerra-
memeal/index.htm

Professor(a), você também pode apresentar outros memes engra-


çados relacionados ao tema escolar. Aposto que os estudantes
irão amar!

Atividade 2

Professor(a), nessa segunda atividade será abordado os quadrinhos/tirinhas enquanto ferramen-


tas de estudos para os estudantes.

Quem nunca fez uma atividade de Língua Portuguesa na qual envolvia tirinhas ou recortes de his-
tórias infantis? Mafalda, Garfield, Turma da Mônica! Um verdadeiro clássico, não é mesmo!? Mas
por que será que os professores sempre utilizam desses artifícios?

As crianças e jovens geralmente, são muito criativos(as) então é uma excelente oportunidade de
agregar aos estudos e a aprendizagem do conteúdo ministrado. O(a) professor(a) pode apresen-
tar algumas tirinhas para refletir com os estudantes.

63
Atividade 3

Mão na Massa

Professor(a), depois de apresentados os memes e as tiri-


nhas, chegou a hora de estimular a criatividade dos estudan-
tes por meio da construção de memes e tirinhas relaciona-
das a temas educativos (tanto da BNCC, quanto da parte di-
versificada) por eles. A turma pode ser dividida em grupos de
pelo menos 4 pessoas e pode ser feita com desenhos a mão,
recorte de revistas, etc. Se a aula estiver acontecendo de for-

64
ma online, o(a) professor(a) pode sugerir o uso de ferramentas
tecnológicas onlines.

Para a criação de me-


Atividade 4 mes pode ser usado
o site Gerar Memes
https://
Exposição www.gerarmemes.co
m.br/

Agora é a hora da diversão! Os estudantes irão apresentar os Para criação de tiri-


nhas pode ser usado
memes/tirinhas que foram construídos. As produções po- o Canva https://
www.canva.com/pt_br/
dem inclusive serem publicadas nas redes sociais da escola. criar/tirinhas/
Professor(a), você pode incentivar os estudantes a criarem
clubes de protagonismo relacionados à elaboração de qua-
drinhos, tirinha e memes com assuntos escolares.

65
DESENVOLVIMENTO DA AULA 3

AULA 3 - AUTOAVALIAÇÃO

Atividade 1

Autoavaliação - primeiros passos

Nesta primeira atividade o(a) professor(a) poderá iniciar a aula per-


guntando se os estudantes fazem uma autoavaliação de sua apren-
dizagem escolar. O(A) professor(a) poderá perguntar de que maneira
eles(elas) fazem essa prática e pedir para que os(as) estudantes re-
flitam sobre estas questões.

Segue algumas sugestões de perguntas:

1. Você presta atenção nas aulas e tira dúvidas sobre os conteúdos quando sente dificuldade?
2. As aulas e atividades em sala de aula são bem aproveitadas por você?
3. Quando você falta na aula, pergunta aos seus colegas ou professor sobre os conteúdos que per-
deu?
4. Você busca no dicionário as palavras que não conhece?
5. Você revisa suas tarefas antes de entregá-las?
6. Você se preocupa em entender ou apenas decorar os conteúdos das disciplinas para fazer as
provas?

Disponível em: https://blog.colegioarnaldo.com.br/autoavaliacao-na-escola/

66
Atividade 2

O que é autoavaliação escolar e para que serve?

Explicar para os(as) estudantes a importância da autoavaliação no


processo de ensino e aprendizagem. O texto abaixo é apenas um re-
ferencial para guiar o(a) professor(a). Não é necessário ler com os
estudantes. Orientamos para que outros textos possam fazer parte
desta atividade.

Texto de apoio

A autoavaliação escolar é uma prática contínua que tem como principal intuito inserir o es-
tudante em todas as etapas do processo de ensino e aprendizagem, reivindicando dele
uma postura mais ativa, consciente e responsável.

O método pode ser implantado desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. Sua frequên-
cia varia a depender das intenções dos educadores, podendo ser aplicada ao final de uma
atividade, semana, quinzena, mês ou bimestre. A ideia é evitar que haja um período muito
espaçado entre uma e outra, ou seja, a reflexão sobre o nível de aprendizado precisa ser
constante, ter uma certa regularidade.

A forma mais comum é por meio de um questionário, com algumas perguntas direciona-
das que buscam conduzir o aluno na autorreflexão sobre um aspecto educativo, por exem-
plo, comportamento, dificuldade, procedimento, convivência social e outros. É importante
que o conteúdo seja informal e leve e que ofereça espaço para que o estudante expresse
suas opiniões.

Por meio desse instrumento, os alunos têm a oportunidade de refletir sobre os seus erros
ou dificuldades de um modo construtivo, de compreender mais sobre os assuntos aborda-
dos, de desenvolver autocrítica e capacidade de autorregulação e também de intervir dire-
tamente no processo pedagógico, tornando o seu aprendizado muito mais efetivo.

A autoavaliação também ajuda muito no ensino. A partir desse feedback dos estudantes,
os professores conseguem aperfeiçoar suas atuações em sala de aula, planejando ativida-
des dirigidas, oferecendo conteúdos e metodologias mais interessantes e construindo in-
tervenções para corrigir eventuais falhas ou problemas de aprendizagem.

Disponível em: https://programapleno.com.br/blog/autoavaliacao-escolar/

67
Em seguida, pedir para que eles(elas) compartilhem quais instrumen-
tos eles utilizam para fazer a autoavaliação. Há alguma ferramenta,
um site que eles(elas) utilizam?

Atividade 3

Autonomia

Quando o(a) estudante desenvolve sua autonomia, acaba proporcio-


nando um posicionamento crítico melhor da sua performance duran-
te o decorrer do bimestre, por exemplo. E a partir do resultado, pode-
rá melhorar seu desempenho.

Nos Guias de Aprendizagem há atividades chamadas autodidáticas.


Perguntar aos estudantes se eles(elas) observaram estas atividades
e seguiram as orientações dadas pelos professores.

Atividade 4

Guias de Aprendizagem

Uma maneira bem prática de observar o que foi aprendido, é utilizan-


do os Guias de Aprendizagem e fazendo uma reflexão sobre os obje-
tivos do bimestre e, também, dos conteúdos trabalhados. Pedir para
que eles(elas) escolham uma disciplina e façam essa reflexão. Iden-
tificando ao lado dos conteúdos e objetivos quais tópicos eles(elas)
se sentem seguros, e quais necessitam aprofundar os estudos.

Pedir para que neste momento eles possam fazer essa reflexão. Ca-
so haja um tempo disponível, e eles(elas) se sentirem confortáveis,
poderão compartilhar com os demais colegas.

68
DESENVOLVIMENTO DA AULA 4

AULA 4 - PDCA

Atividade 1

PDCA do EO

Professor(a), chegou a última aula do primeiro semestre. Partiu recesso?


Muita calma nessa hora!!! É hora de colocar em prática a metodologia de
gestão: o ciclo do PDCA.

Esse ciclo tem o objetivo de controlar e conseguir resultados eficazes e con-


fiáveis nas atividades de uma determinada organização. Levando para a área
educacional, o PDCA é um eficiente modo de apresentar uma melhoria no
processo de ensino-aprendizagem do aluno.

No método, você identifica os pontos positivos, negativos e como melhorá-


los. Ao identificar os pontos positivos, pode padronizá-lo; já ao identificar os
pontos negativos, pode-se pensar maneiras de se melhorar as ações e partir
para um próximo planejamento.

Professor(a), você deve conversar com os estudantes sobre todas as aulas


ministradas até agora no Estudo Orientado, pode trazer de forma simplifica-
da uma retrospectiva do que foi trabalhado em cada aula.
69
Sugestão de perguntas para esse momento:

1. O que você mais gostou da disciplina neste semestre?


2. O que mais te marcou?
3. Qual/Quais a(as) técnicas de estudo que você mais utiliza?
4. Você está se sentindo mais organizado ou produtivo?
5. O que você sugere que seja trabalhado no segundo semestre?
6. De 0 a 10 qual nota você daria para as aulas de EO?

Essas perguntas também podem ser feitas via Google Formulá-


rios. O importante professor(a) é que você escute seus alunos
atentamente, para que a partir das respostas dadas por eles, o se-
gundo semestre seja cada vez mais proveitoso. Não esqueça de
parabenizá-los pelas atividades realizadas e estar sempre motivan-
do-os para que consigam alcançar seus sonhos e Projeto de Vida.

70
71
72

Você também pode gostar