Você está na página 1de 2

LAUDO PSICOLÓGICO

1. Identificação
Nome: FULANO.
Data de nascimento:
Idade:
Escolaridade: Fundamental.
Escola:
Filiação:
Finalidade: Avaliação Psicológica para retorno médico.

2. Descrição da Demanda
Em decorrência da dificuldade de adaptação às regras e normas escolares, de déficit de
atenção, constantes provocações, agressões e ameaças em sala de aula para com sua
professora e alguns técnicos da instituição, o aluno FULANO DA SILVA foi submetido
à avaliação psicológica para melhor avaliar as condições necessárias à sua permanência
na atual escola onde estuda. A família tem total conhecimento do comportamento da
criança na escola, porém, ressaltam que o mesmo não apresenta esse tipo de
comportamento em casa. O aluno necessitou ser trocado de turma visto que não se
adaptava à turma anterior. Atualmente, no período matutino e com outra professora,
conseguimos observar uma melhora de comportamento e desenvolvimento de suas
atividades, porém, é nítido que na ausência de sua professora, o aluno volta a agir de
maneira provocativa, oscilando entre demonstrações de afeto e agressividade. Em
relação à família, particularmente em relação aos genitores, detectou-se a ausência de
uma figura paterna, já na figura materna, observou-se uma excessiva autoridade, como
forma de educar a criança, mesmo que em poucos momentos, visto que a mãe se
encontra na maior parte do dia ausente de seu filho. Em entrevistas e reuniões com a
mãe, esta demonstrou ser resistente em relação à aceitação do diagnóstico do filho. Foi
descoberta recentemente a existência de antecedentes familiares com doença mental, tal
como seu tio materno, com quem reside atualmente, diagnostica com bipolaridade. A
criança passa a maior parte de seu dia sob a responsabilidade de sua avó materna, a qual
afirmou em alguns momentos, que não concordava com a quantidade de medicação
prescrita pelo neurologista e deixando claro que por vezes deixou de medica-lo. Não
sabemos se após a consulta com o médico psiquiatra a avó continua negligente com a
medicação.

3. Métodos e Técnicas
Nas primeiras sessões de avaliação, o examinado demonstrou excessiva tensão,
agitação, ansiedade, e oscilação entre agressividade e afeto. Apesar do diagnóstico de
deficiência intelectual, o aluno consegue responder perguntas simples e objetivas. O
brincar da criança sempre foi agitado e descontextualizado. Passado o período de
comprometimento emocional, através do lúdico, o aluno demonstrou inquietação e
extrema ansiedade para fazer outras atividades. Foi feito uma tentativa de aplicação do
teste “Casa, Árvore, Pessoa” (HTP), pelo qual FULANO demonstrou entender o que foi
solicitado, mas não teve interesse em terminar a atividade. Passado um tempo, o aluno
retornou à atividade, desenvolvendo o que foi proposto, mas logo perdeu o interesse
novamente. Num terceiro momento, o aluno demonstrou agressividade e irritação,
fazendo ameaças de morte, exaltando sua voz e rabiscando as folhas em branco, mesa e
paredes. Enquanto rabiscava os objetos, seu olhar era voltado para a psicóloga, seguida
de risos. Não foi feito nenhuma interferência a respeito de seu comportamento, apenas a
observação e anotação em um caderno. No momento em que o aluno percebeu que não
tinha toda a atenção voltada para si, tornou a ficar mais agressivo, exaltando sua voz
novamente, dando ordens seguidas de ameaças de mortes enquanto caminhava pela sala
de avaliação. Por último, o aluno verbalizou que iria urinar em sua roupa e assim o fez,
com risadas enquanto utilizava sua mão na tentativa de “esfregar” sua própria urina no
rosto da avaliadora.
Na observação do aluno em salas de aula com outras professoras, o aluno demonstrou
algumas das características citadas acima: inquietação, risadas descontextualizadas e
extrema falta de interesse quando lhe é solicitado alguma ordem.

4. Conclusão
Através da avaliação psicológica, não foi possível a realização e aplicação de nenhum
teste que obtivesse dados quantitativos a respeito de uma patologia. Somente pode-se
pressupor que o aluno possui além da deficiência intelectual, alguma patologia.
Podemos concluir que o aluno tem problemas de comportamento ao que diz respeito
quando está em contato com outros técnicos, e controla-se quando esta na presença de
uma professora com quem mantem um maior vínculo. O aluno parece ter uma
consciência de comportamento adequado e inadequado, visto que busca o olhar de
aprovação e reprovação quando age das maneiras citadas no tópico anterior. A respeito
de sua inquietação e agitação, podemos analisar que se trata de seu diagnóstico de
hiperatividade. O aluno demonstra aparentemente uma satisfação ao contrariar o que lhe
é solicitado.
Sugere-se o retorno médico para acompanhamento psiquiátrico para continuidade do
tratamento.

No mais, solicito-me a disposição para maiores esclarecimentos.

Cruzeiro do Oeste, 20/10/2016

Nicole Rocha
Psicóloga
CRP – 08/22736

Você também pode gostar