CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA.

Jaqueline Maria Cruz Barbosa. INTRODUÇÃO A Constituição Federal de 1988 diz que é direito do cidadão e dever do Estado prover condições para o pleno exercício da saúde. Como parte desse dever, o estado deve fornecedor medicamentos à população. Partindo dessas premissas, este trabalho buscou estudar o Ciclo da Assistência Farmacêutica que compreende a Seleção, Controle, Aquisição, Armazenamento e Distribuição de medicamentos realizados na Secretaria Municipal de Saúde em especial a do município de Loanda. Para tal, foi necessário pesquisar todo o processo compreendido entre a seleção dos medicamentos até sua distribuição e dispensação ao usuário final. A Política Nacional de Medicamentos, estabelecida pelo Ministério da Saúde por meio da Portaria GM/MS nº. 3.916, de 1998, tem como propósito principal garantir a necessária segurança eficácia e qualidade dos medicamentos, a promoção do uso racional e o acesso da população àqueles considerados essenciais (BRASIL, 1998). No setor público, é imprescindível que se estabeleça estratégias e se desenvolva mecanismos para ofertar um atendimento adequado ± que atenda às expectativas dos usuários de seus serviços, e assegurar o fornecimento de produtos de qualidade. Este trabalho ainda tem por objetivo demonstrar o armazenamento e a distribuição de medicamentos psicotrópicos no Centro de Apoio Psicossocial ± CAPS do município de Loanda. O CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado e de seqüências lógicas cujos componentes apresentam naturezas técnicas, científicas e operacionais que representam as estratégias e o conjunto de ações necessárias para a implementação da Assistência Farmacêutica. Considerado como bem de consumo e não como insumo básico de saúde, o medicamento passa a ser um objeto desvirtuado no Sistema de Saúde, inviabilizando o desenvolvimento de um enfoque que priorize o cuidado com a terapêutica medicamentosa, envolvendo nessa

O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende: y y y y SELEÇÃO/USO ± O que comprar. técnicos e econômicos. uma visão fragmentada dos serviços quanto à questão dos medicamentos. ARMAZENAMENTO/DISTRIBUIÇÃO ± Onde e como guardar e como e para quem distribuir. . SELEÇÃO: É considerado o eixo do Ciclo da Assistência Farmacêutica. direcionar o processo de aquisição. CONTROLE/ACOMPANHAMENTO ± Quando e Quanto comprar. são grandes as possibilidades de melhorias em todos os componentes do ciclo de assistência farmacêutica. portanto. tanto na atenção ambulatorial quanto na hospitalar. produção e políticas farmacêuticas. harmonizar condutas terapêuticas. sejam centrados nos pacientes e não na própria estrutura administrativa. o processo de educação continuada. visando assegurar medicamentos seguros. Valorizando as ações de aquisição. desenvolveu-se. eficazes e custo -efetivos com a finalidade de racionalizar seu uso.concepção a formação dos profissionais. armazenamento e distribuição. em especial o profissional farmacêutico. a orientação à população e o acompanhamento do uso adequado e racional dos medicamentos. melhores condições para que a dispensação e a atenção farmacêutica individual e coletiva aconteçam de maneira qualificada. As demais atividades desse ciclo são desenvolvidas com base no elenco de medicamentos selecionados. Para compreender o Ciclo de Assistência Farmacêutica se faz necessário entender cada parte de seu processo. proporcionando um bom padrão no suprimento de medicamentos essenciais. e afastando a equipe de saúde. COMPRA /AQUISIÇÃO ± Como e onde comprar. estabelecidos por uma Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT). baseada em critérios epidemiológicos. É fundamental que cada uma das atividades e. buscando-se estruturar e organizar sistemas eficientes e efetivos. o serviço como um todo. garantindo aos usuários o melhor cuidado possível. no Brasil. Apesar da sua complexidade. É um processo de escolha de medicamentos. das questões outras que integram a Assistência Farmacêutica. e assim.

ao melhor custo possível. estadual ou nacional. Uniformizar condutas terapêuticas. educação continuada etc. Facilitar a integração multidisciplinar. no âmbito municipal. Racionalizar custos e possibilitar maior otimização dos recursos disponíveis. participativo. Melhorar o acesso aos medicamentos selecionados. em um período definido de tempo. Os ganhos econômicos referem-se à racionalização dos custos dos tratamentos e. Contribuir para promoção do uso racional de medicamentos. para atender uma determinada demanda de serviços.Os medicamentos selecionados devem ser aqueles com eficácia e segurança comprovadas. Aperfeiçoar a gestão administrativa e financeira. eficazes e custo -efetivos. Os ganhos terapêuticos referem-se à promoção do uso racional e à melhoria da resolutividade terapêutica ± acesso a medicamentos eficazes. . pois são imprescindíveis para o tratamento das doenças prevalentes na população-alvo. que precisa ser bem articulado e deve envolver a maior representatividade de especialidades médicas e profissionais da saúde. materiais e financeiros disponíveis. Tem como principais objetivos: y y y y y y y Reduzir o número de especialidades farmacêuticas. microrregional. Assegurar o acesso a medicamentos seguros. informação. armazenamento. simplificando a rotina operacional de aquisição. Favorecer o processo de educação continuada e atualização dos profissionais. na tomada de decisões. É um processo dinâmico. y y y O processo de seleção não se limita à elaboração da relação de medicamentos essenciais e do formulário terapêutico. O objetivo da seleção é: proporcionar ganhos terapêuticos e econômicos. conseqüentemente. envolvendo os profissionais de saúde. com influência direta sobre o abastecimento e o acesso ao medicamento. além do uso apropriado dos medicamentos. à otimização dos recursos humanos. PROGRAMAÇÃO Programar medicamentos consiste em estimar quantidades a serem adquiridas. dispensação. controles e gestão de estoques. seguros e voltados às doenças prevalentes. Melhorar a qualidade da farmacoterapia e facilitar o seu monitoramento. mas consiste em um conjunto de atividades que visam ao uso racional: prescrição. farmacovigilância.

É necessário dispor de dados consistentes sobre o consumo de medicamentos. além de recursos humanos capacitados e a disponibilidade financeira para a execução da programação No ciclo da Assistência Farmacêutica. em área e tempo determinados Da assistência farmacêutica. assim. exposta e trabalhada no processo de seleção. é uma das peças que contribuem para o sucesso e a credibilidade dos serviços farmacêuticos. da análise da situação local de saúde. a programação repre senta outra atividade chave. assim como do conhecimento sobre os medicamentos sele cionados. Programa-se de modo a atender à demanda sanitária em medicamentos. Ela objetiva contribuir para o abastecimento de medicamentos em quantidade adequada e qualidade assegurada. Considerando as amarras . Há várias formas de proceder a uma estimativa técnica dessas necessidades. a oferta e demanda de serviços na área de Saúde. A estimativa dessas necessidades representa um dos pontos cruciais do ciclo da Assistência Farmacêutica por sua relação direta com o nível de acesso aos medicamentos e com o nível de perdas desses produtos. no entanto. Um elenco de medicamentos definido dentro de rigorosos critérios. legitimar a administração a contratar o particular. organizacionais e/ou individuais que permeiam as várias atividades do referido ciclo. o perfil epidemiológico. É o perfil de morbi-mortalidade. dentro da realidade do mercado. ao menor custo possível. A programação é uma atividade associada ao planejamento. A falta de materiais. é decorrente de problemas estruturais. considerandose um determinado período de tempo. AQUISIÇÃO A aquisição constitui-se num conjunto de procedimentos articulados que visam a selecionar o licitante com a proposta mais vantajosa para satisfazer uma determinada necessidade e. apoiando e promovendo uma terapêutica racional. por sua vez. que tem por objetivo a garantia da disponibilidade dos medicamentos previamente selecionados nas quantidades adequadas e no tempo oportuno para atender às necessidades de uma população-alvo. quando se busca orientação na identificação de tais necessidades. o mais importante aspecto a considerar. boas condições de armazenamento e profissionais capacitados não atenderão às necessidades da rede de serviços se houver descontinuidades no suprimento dos medicamentos. sua indicação precípua e sua perspectiva de emprego na população -alvo. por meio de um serviço ou de uma rede de serviços de saúde. sua viabilidade e factibilidade dependem da utilização de informações gerenciais disponíveis e fidedignas.

XXI da CF) através do qual a administração pública impõe a concorrência para efetuar suas aquisições ou vendas de bens e serviços e prepara o processo administrativo para a contratação dos fornecedores.00. confiabilidade dos produtos adquiridos e alcance de preços competitivos para tais produtos. de 23 de novembro de 2000. fiscal. a igualdade. institui normas para licitações e contratos da administração pública e dá outras providências. Tais princípios são a legalidade. a probidade administrativa.burocráticas e jurídicas do setor público. a publicidade. o concurso e o leilão. 37. tornando possíveis ganhos significativo de eficiência ou. o pregão pode substituir as três primeiras modalidades. leilão e pregão. Modalidades de licitação Nos termos do art. ela se define pelas características dos bens e serviços a serem adquiridos ± precisam ser classificados como bens e serviços comuns. ao contrário. Aquisição de Medicamentos As modalidades estão escalonadas segundo o valor estimado para o objeto da licitaçãoconcorrência. . 37. de 21 de junho de 1993. Com a edição da Med Provisória nº ida 2. jurídica. Nesse sentido. tomada de preços e convite ± ou pelas características da modalidade ± concurso.026-7. Essa legislação trouxe ganhos no sentido de reforçar alguns princípios indispensáveis à substancialização dos atos relacionados à administração do patrimônio público e ao alcance das propostas mais vantajosas. que regulamenta o art. na qual os interessados devem atender aos requisitos previstos de habilitação ou qualificação mediante a comprovação. Concorrência É a modalidade de licitação em que estão envolvidos valores financeiros acima de R$ 650. 22 da Lei no 8.666/93. financeira e de idoneidade. Inciso XXI. desde que os bens e serviços de interesse sejam classificados como comuns. a tomada de preços.666. são modalidades de licitação a concorrência. o processo de aquisição representa um importante e delicado componente do sistema. a vinculação ao instrumento de convocação e o julgamento objetivo. sem dúvida alguma. o convite. foi instituído uma nova modalidade chamada pregão. através de documentação de capacidade técnica. Os processos de compra de bens e serviços no setor público ± em suas três esferas de governo são disciplinados atualmente pela Lei Federal no 8. da Constituição Federal.000. a impessoalidade. o comprometimento de alguns fundamentos muito importantes: agilidade das compras. No caso específico dessa última modalidade. Formas de aquisição: Licitação É o princípio constitucionalmente estabelecido (Art.

ou de 15 dias quando for do tipo µmenor preço¶. científico ou artístico. Na concorrência. sempre que possível. ser processadas através de um Sistema de Registro de Preços (SRP). entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto. Consideram-se bens e serviços comuns. não são pertinentes à área da Assistência Farmacêutica. Quando for do tipo µmenor preço¶. a característica fundamental nessa modalidade é a dispensa da µqualificação¶ prévia. em que é exigido apenas o cadastramento da empresa. aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital por meio de especificações usuais no mercado. cada empresa participante deve entregar à Comissão de Licitação dois envelopes: um contendo os documentos para avaliação da habilitação e o outro contendo a proposta comercial. O primeiro refere à -se escolha de trabalho técnico. O segundo refere-se à venda de bens móveis inservíveis. Concurso e Leilão O concurso e o leilão são modalidades que não se aplicam à aquisição de medicamentos e. portanto.000. contados a partir da publicação do edital. através de edital convocatório afixado no quadro de avisos da instituição. mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores.666/93 recomenda. cadastrados ou não. 15 da Lei no 8. dentre outras coisas. será de 30 dias quando a licitação for do tipo µtécnica¶ ou µtécnica e preço¶.000. 1. escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade administrativa.00 e R$ 80. Esta é a forma pela qual um certame licitatório pode desenvolver-se.00 ±. Registro de preços O art. Convite Convite consiste na modalidade de licitação de pequeno vulto ± entre R$ 8. que as compras devem.Para essa modalidade.00 e R$ 650. § 1o da Medida Provisória nº 2. Dessa forma.000. esse prazo é de 30 dias. visando a trazer mais facilidades para as contratações da administração. é estabelecido o prazo de 45 dias para o recebimento das propostas. quando a licitação for do tipo µtécnicaµ ou µtécnica e preço¶. nesse caso.000. . Tomada de Preços É a modalidade de licitação em que estão envolvidos valores financeiros em níveis intermediários ± entre R$ 80. Os interessados poderão se manifestar com antecedência de até 24 horas da apresentação das propostas.026-7/00. para os fins e efeitos do art.00 ± na qual os interessados devem atender aos requisitos de cadastramento até o terceiro dia anterior à data final para o recebimento das propostas que. contados a partir da publicação do edital.

São situações em que o legislador considerou ser mais conveniente e vantajosa a contratação direta. 23 (. Há que se destacar também que essas várias aquisições durante o ano demandam grande parte do tempo de trabalho do gerente de Assistência Farmacêutica. 37 da Constituição Federal. A lista arrolada no Art.743. As hipóteses em que a administração deixa de realizar licitação vêm previstas principalmente nos artigos 24 e 25 da Lei no 8. o próprio texto aventa a possibilidade de exceções. . Entretanto.931. 10% do limite da modalidade denominada convite é dispensável à licitação. No entanto.931/01). Esta é a regra. de 21 de agosto de 1998. As contratações de serviços.Dispensa de licitação No ordenamento brasileiro. ³para outros serviços e compras de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea µa¶ Art. ou seja. Tal situação não fomenta uma ampla concorrência nem possibilita a obtenção de preços mais reduzidos. Compra direta De acordo com o art. inciso II da Lei 8.666/93. comprometendo sua eficiência. serviços e compras só podem ser contratados mediante processo de licitação ± inciso XXI do art. 24. a locação e a aquisição de bens pelo Sistema de Registro de Preços foi regulamentada pelo Decreto Federal no 3. essa forma de aquisição não deve ser utilizada de maneira a fracionar aquisição de bens e serviços de uma mesma natureza. Dentre as várias situações previstas na legislação..)´. não podendo ser criados outros casos de dispensa pela vontade do administrador público. o porte menor dos mesmos e o pequeno volume a ser adquirido. 24 da lei apresenta-se fechada e taxativa. A grande desvantagem de se realizar compra direta ± que vem ocorrendo com grande freqüência nos municípios ± é o pequeno número de fornecedores envolvidos no processo.666/93. de 19 de setembro de 2001. porém. salvo em situações devidamente fundamentadas. as obras.. merecem destaque algumas que se apresentam como aquelas mais utilizadas pela administração pública para a aquisição de medicamentos. Deve-se objetivar a realização de compras para um período de tempo maior e com entregas parceladas. Órgão Gerenciador: órgão ou entidade da administração pública responsável pela condução do conjunto de procedimentos do certame para registro de preços e gerenciamento da Ata de Registro de Preços dele decorrente (Decreto Federal no 3. são necessários pelo menos três orçamentos com fornecedores distintos. em substituição ao Decreto no 2.

Ainda podemos detalhar melhor outros objetivos: y Receber materiais de acordo com as especificações determinadas nos processos de programação e aquisição. que a equipe do almoxarifado municipal seja mais especializada nos cuidados de estocagem. garantido. Assegurar os produtos e os valores patrimoniais inerentes. material médico-hospitalar etc. assim. a qualidade do medicamento até seu fornecimento ao usuário final ± o paciente. protegendo-os contra desvios e perdas. inflamáveis. Nos sistemas mais modernos.). ainda. provendo apoio técnico. É mais fácil dispor. incluindo a segurança da equipe e do ambiente de trabalho.ARMAZENAMENTO Armazenar consiste em ordenar adequadamente os produtos em áreas apropriadas. Dessa forma.). nesse nível. informação e supervisão quanto ao processo de trabalho. espera-se que as equipes responsáveis pelo armazenamento e distribuição comprometam-se com o processo de cuidado. ágil e inequívoca. O principal objetivo do armazenamento é o de garantir sua qualidade sob condições adequadas e controle de estoque eficaz. y y Localizar de forma pronta. psicofármacos. assegurar a qualidade dos medicamentos através de condições adequadas de armazenamento e de um controle de estoque eficaz. Entregar de forma a garantir a disponibilidade adequada e oportuna nas unidades usuárias. bem como a garantir a disponibilidade dos medicamentos em todos os locais de atendimento ao usuário (COSENDEY. o almoxarifado municipal deve co-responsabilizar-se com a adequada estocagem nas suas unidades usuárias. de acordo com suas características específicas e condições de conservação exigidas (termolábeis. y y . É mais razoável admitir. 2000). fotossensíveis. Preservar a qualidade dos produtos. inflamáveis etc. Guardar os produtos dentro das condições recomendadas. como finalidades precípuas. bem como de garantir a disponibilidade dos produtos em todos os locais de atendimento. dos equipamentos e infra-estrutura necessária à preservação dos medicamentos do que em uma unidade básica de atendimento. respeitadas as y especificidades (termolábeis. assegurada a qualidade do produto desde o recebimento até sua entrega ao usuário. O armazenamento e a distribuição são as etapas do ciclo da assistência farmacêutica que visam.

é indispensável um sistema de informações que propicie dados atualizados sobre a posição físico-financeira dos estoques. . DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO NO MUNICÍPIO. São elementos importantes desta orientação. y Segurança é a garantia de que os produtos chegarão ao destinatário nas quantidades corretas. mediante um cronograma estabelecido. estoques máximo e mínimo. e qualquer outra informação que se fizer necessária para um gerenciamento adequado. O procedimento de dispensação deve assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo. geralmente como resposta à apresentação de uma prescrição elaborada por um profissional autorizado. DISPENSAÇÃO A dispensação é o ato farmacêutico de distribuir um ou mais medicamentos a um paciente. ponto de reposição. dados de consumo e demanda de cada produto. quantidades recebidas e distribuídas. a ênfase no cumprimento de horários. Para isso é necessário: y Rapidez ± o processo de distribuição deve se realizar em tempo. na quan tidade adequada. o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso ade quado do medicamento. A distribuição de medicamentos deve garantir rapidez e segurança na entrega. IDENTIFICAÇÃO: Farmácia Municipal ± Central SUB-IDENTIFICAÇÃO: CAPS I CIDADE: Loanda/Pr. entre outros. y Transporte: Condições adequadas de segurança. na dose prescrita. eficiência no controle e informação. qualidade e tempo oportuno. Neste ato. e tempo da entrega. para evitar atraso ou desabastecimento.DISTRIBUIÇÃO Consiste no suprimento de medicamentos às unidades de saúde. Para tanto. y Sistema de informação ± o processo de distribuição deve ser monitorado e avaliado. que sejam fornecidas as informações suficientes para o uso correto e que seja embalado de forma a preservar a qualidade do produto. em quantidade.

Com a finalidade de otimizar os recursos da assistência farmacêutica básica em junho de 1999. que atenderá 98% das necessidades básicas.No município de Loanda o ciclo de assistência farmacêutica é coordenado pela farmacêutica municipal a Sra. com licitação. que através de licitação abastece a farmácia municipal. etc. Alguns medicamentos (por ex. os compostos) só podem ser adquiridos pela Prefeitura do Município. AQUISIÇÃO O município efetua suas compras através do Consórcio Paraná de Saúde e pela Prefeitura Municipal. SELEÇÃO: Para construir a lista de medicamentos necessários promoveu-se uma reunião com a farmacêutica e os médicos que prestam serviços ao município. As prioridades. constituíram o Consórcio Paraná Saúde. com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde. A quantidade em estoque. para 385 municípios consorciados. Esta lista é enviada a 14ª Regional de Saúde que se reúne com representantes de todos os municípios do estado do Paraná e desta reunião sai à lista de medicamentos (que contém 140 itens) que os municípios disponibilizarão aos seus munícipes. A validade dos produtos. O processo também segue conforme segue abaixo. O Consórcio Paraná Saúde gerencia hoje. a parte fixa do Componente Básico da Assistência Farmacêutica e a parte variável já descentralizada. . Ana Angelita Mela da Silva Ribas. Esses medicamentos deverão fazer parte do RENAME. PROGRAMAÇÃO A programação é feita levando em consideração alguns critérios: y y y y A estação do ano (Sazonal). os municípios do estado do Paraná. Ele compra diretamente de laboratórios grandes lotes de medicamentos a menor preço e distribui aos seus consorciados.

As prateleiras são de aço e há uma distante de 1m das paredes. identificação do medicamento.RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO Os medicamentos adquiridos pelo Consórcio Paraná de Saúde com sede em Curitiba são encaminhados para a 14ª Regional de Saúde no almoxarifado central. O local onde os medicamentos são armazenados cumpre com as normas quanto à temperatura. O prazo de validade também é levado em consideração na hora de colocar os medicamentos nas prateleiras. àqueles pacientes internados em hospitais da região que necessitem manter o uso de medicamentos excepcionais de alto custo no seu tratamento. No município os medicamentos são conferidos novamente pela farmacêutica. nº lote. A necessidade de medicação de cada usuário do CAPS deve ser avaliada constantemente com os profissionais do serviço. validade. que comunica o município. DISTRIBUIÇÃO DOS MEDICAMENTOS PSICOTRÓPICOS Os medicamentos psicotrópicos seguem outro caminho. ficando os com vencimentos mais próximos na frente dos outros. Após a conferência e regularizar a entrada no sistema. assinar e carimbar a documentação na presença do responsável pelo almoxarifado central os medicamentos e transportá-los até Loanda. transportando-os ao CAPS. quantidade. conferir. Um funcionário que antecipadamente é cadastrado pelo município é enviado até o local para receber. luz e umidade. em casos muito específicos. efetuado o lançamento de sua entrada num programa de computador. DISPENSAÇÃO A dispensação é descentralizada. ainda. La esses medicamentos são armazenados em local seguro e restrito. . O CAPS organiza a rotina de distribuição de medicamentos e/ou assessora usuários e familiares quanto à sua aquisição e administração. observando-se o uso diferenciado e de acordo com o diagnóstico e com o projeto terapêutico de cada um. que se desloca até a farmácia municipal e confere novamente e recebe esses medicamentos. em armários de aço com chave. O CAPS também da cobertura às receitas prescritas por médicos das equipes de Saúde da Família e da rede de atenção ambulatorial da sua área de abrangência e. os medicamentos são armazenados no almoxarifado. Assim que chega ao município a farmacêutica da farmácia central entra em contato com a farmacêutica do CAPS (Centro de Atenção Psico Social). onde consta.

antidepressivo e anticonculsivante. . que não é na farmácia central e sim no CAPS. diferenciando apenas no armazenamento e dispensação. receita e nota fiscal dos medicamentos. A dispensação também e feita de maneira regular e num ambiente tranqüilo e correto. Não havendo filas desnecessárias.O CAPS de Loanda funciona das 13h00min até as 17h00min . a) Fluoxetina 20mg ± Antidepressivo e estabilizador de humor. No município de Loanda há um controle rigoroso para a entrega de psicotrópicos. Após é feito o lançamentos da saída desse medicamento no livro de psicotrópicos e a cada 3 (três) meses é enviado a Vigilância Sanitária o relatório dos medicamentos dispensados neste período. b) Carbamazapina 200mg . c) Haloperidol 5mg ± Antipsicótico e anticonvulsivante. Os pacientes são avaliados constantemente para evitar o uso excessivo de medicação. OS MEDICAMENTOS PSICOTRÓPICOS MAIS UTILIZADOS NO CAPS DE LOANDA. O uso racional de medicamentos satisfaz as necessidades sociais ajudando os indivíduos a obter melhores resultados durante a farmacoterapia. d) Amitriptilina 25mg ± Antidepressivo e estabilizador de humor e) Diazepam 5mg ± Ansiolítico e Hipnossedativo. Aí e feito a conferencia da entrada.O psicotrópicos são dispensados através de receita médica. com nome e RG do paciente. A atenção farmacêutica contribui para o uso racional de medicamentos. com assinatura do paciente e da farmacêutica. na medida em que desenvolve um acompanhamento sistemático da terapia medicamentosa utilizada pelo indivíduo buscando avaliar e garantir a necessidade. aquisição. saída. A orientação quanto ao uso é reforçada a cada entrega do medicamento ao paciente e família. DIAGNÓSTICO SITUACIONAL Durante as análises realizadas foi possível diagnosticar que os medicamentos são selecionados para atender toda a demanda do município e que corretamente armazenados. Todos esses medicamentos fazem parte da lista de medicamentos do município e possuem o mesmo critério para seleção. distribuição do ciclo de assistência farmacêutica. seguindo todas as precauções exigidas. a segurança e a efetividade no processo de utilização de medicamentos.

Brasília-DF.P. BRASIL ± Ministério da Saúde ± Portaria GM nº 3.crmdf. [S. Edição Atualizada. UAB.pdf-Acesso .pdf/RENAME . Brasília.26/04/2011. Avaliação de políticas e programas: uma perspectiva da assistência farmacêutica. Gestão Logística em Saúde. 2010. M. de 30 de outubro de 1998.l. [19²?].B.916. Versão Republicada BRASIL.]: Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. DF.//bvsms.27/04/2011. BRASIL ± Constituição da República Federativa do Brasil.Acesso . 1989. REFERÊNCIAS AZEVEDO NETO. 10 de novembro de 1998. 1988. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. [Brasília] : CAPES . Seção I. Boas práticas para estocagem de medicamentos. Florianopolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC. E. Brasília: 2002a http://www.saude. F.br/sistemas/biblioteca/files/26.gov. www.org. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.br/bvs/publicacoes/politica_medicamentos. Excluindo a farmacêutica os demais requerem capacitação para o manejo dos medicamentos e atendimento ao público. Ministério da Saúde. COSENDEY. 22p BRASIL ± Ministério da Saúde ± A Política Federal de Assistência Farmacêutica: 1990 a 2002.Os recursos humanos utilizados para o ciclo de assistência farmacêutica ainda precisa de ajustes. . A.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful