Você está na página 1de 1087

DICIONÁRIO DOS

FILÓSOFOS

A ^
L
Sf
Oi) i J'" \

*!«£•* ri
.,#' A •?
DENIS HUISMAN

DICIONÁRIO DOS
FILÓSOFOS
DIRETOR DA PUBLICAÇÃO
DENIS HUISMAN

PREFACIO DE FERDINAND ALQUIE, DO INSTITUTO


INTRODUÇÃO DE MARCEL CONCHE
PRÓLOGO DE BERNARD BOURGEOIS

SELEÇÃO
JOÃO VERGÍLIO GALLERANI CUTER
JOSÉ CARLOS ESTEVÃO

TRADUÇÃO
CLAUDIA BERLINER
EDUARDO BRANDÃO
IVONE CASTILHO BENEDETTI
MARIA ERMANTINA GALVÃO

REVISÃOTÉCNICA
HOMERO SANTIAGO
LUIZ SÉRGIO REPA

BIBLIOGRAFIA EM LÍNGUA PORTUGUESA


ANDRÉA STAHEL M. DA SILVA

A-Z

Martins Fontes
São Paulo 2004
Esta obra foi publicada originalmente em francês com o titulo
DICTIONNAIRE DES PHILOSOPHES
por Presses Universitaires de France. _ — ^
Copyright © Presses Universitaires de France\l984j
Copyright © 2001, Livraria Martins Fontes Editorauda.,
São Paulo.para apresente edição

Ia edição
setembro de 2001
2* tiragem
novembro de 2004

TYadução
CLAUDIA BERUNER
EDUARDO BRANDÃO
IVONE CASTILHO BENEDETTI
MARIA ERMANTINA DE ALMEIDA PRADO GALVÃO

Coordenação da tradução
Ivone Castilho Benedetti
Revisão técnica
Homero Santiago
Luiz Sérgio Repa
Revisão da tradução
Ivone Castilho Benedetti
Claudia Berliner
Bibliografia em língua portuguesa
Andréa Stahel M. da Silva
Preparação
Luzia Aparecida dos Santos
Revisão gráfica
Ana Maria de Oliveira Mendes Barbosa
fvany Picasso Batista
Ivete Batista dos Santos
Solange Martins
Secretária editorial
Alessandra Conceição
Produção gráfica
Geraldo Alves
Paginação/Fotolitos
Studio 3 Desenvolvimento Editorial
Capa
Marcos Lisboa

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Dicionário dos filósofos / diretor da publicação Denis Huisman.
- São Paulo : Martins Fontes, 2001.

Título original: Dictionnaire des philosophes


Vários tradutores.
Bibliografia.
ISBN 85-336-1451-9

1. Filosofia - Dicionários 2. Filósofos - Biografia - Dicionários.

01-3964 CDD-109.2
índices para catálogo sistemático:
1. Dicionários : Filósofos : Biografia e obra 109.2
2. Filósofos : Biografia « obra : Dicionários 109.2

Todos os direitos desta edição para a língua portuguesa reservados à


Livraria Martins Fontes Editora Lida.
Rua Conselheiro Ramalho, 330 01325-000 São Paulo SP Brasil
Tel. (11) 3241.3677 Fax {11) 3105.6867
e-mail: info@martinsfontes.com.br http://www.martinsfontes.com.br
Em memória de
ANDRÉ LALANDE
do Instituto,
presidente da Sociedade Francesa de Filosofia,
autor do Vocabulário técnico e crítico da filosofia
•s.>''.;-• ; i_-
! >,
Comitê científico

Roger Arnaldez (do Instituto) Filosofia do Islã


Paul-Laurent Assoun (Paris VII) Psicanálise, Psicologia
Bernard Bourgeois (Paris I) Filosofia alemã
Didier Deleule (Paris X) Filosofia clássica
Jean-Paul Dumont (Lille III) Filosofia antiga
Hubert Grenier (Louis-le-Grand) Filosofia geral
Michel Hulin (Paris IV) Filosofia oriental
Dominique Lecourt (Paris VII) Filosofia das ciências
Alain de Libera (EPHE, Paris) Filosofia medieval
Michel Meyer (ULB, Bruxelas) Filosofia anglo-saxã
:
,i\-.'. •••.
' i,-H

:7 '•(
.\'

r :\i'-'-'
PREFACIO
à edição francesa

Fazia muito tempo que, na França, a falta de um dicionário dos filósofos era sentida
como algo deplorável. O grande público, os pesquisadores, os estudantes e os próprios pro-
fessores necessitavam de uma obra como esta. Com efeito, quem, hoje, pode se vangloriar de
ter presente no espírito a totalidade das doutrinas filosóficas professadas no passado? Quem
de nós nunca teve de lamentar uma falha de memória, ou mesmo de informação? Graças à
Presses Universitaires de France, a Denis Huisman, a seus numerosos colaboradores, essa
grave lacuna encontra-se agora preenchida. Eis, por fim, um Dicionário dos filósofos.
Um Dicionário dos filósofos, o que é isso? Não é, obviamente, um dicionário em que,
como no Vocabulário da filosofia de André Lalande, ou qualquer obra mais recente, encon-
tramos uma série de definições relativas às noções essenciais da filosofia. Mas tampouco é,
deve-se esclarecer, uma história da filosofia que considere as doutrinas em sua ordem crono-
lógica. Esse esclarecimento é essencial, pois, até a publicação deste dicionário, não tínhamos
como nos informar sobre os diversos filósofos senão recorrendo a uma "história da filoso-
fia ", o que, deve-se reconhecer, tinha certas vantagens, mas não deixava de apresentar riscos
e inconvenientes.
O conhecimento da história da filosofia, exposta em sua ordem cronológica, continua
certamente sendo necessário. Seja qual for a idéia que se tenha dessa história, è inegável que
cada filósofo escreveu sua obra num momento do tempo, e em função das doutrinas que pre-
cederam a sua. Para constituir sua filosofia, Descartes parece não querer valer-se de nenhum
de seus predecessores. Começa por uma dúvida universal, e só aceita, como ponto de parti-
da, a experiência da existência de seu próprio pensamento. Mas, assim que este se dispõe a
sair de dentro de si mesmo, exerce-se em função da filosofia que os mestres de Descartes lhe
ensinaram no colégio de La Flèche, seja retomando, mesmo sem se dar conta, alguns elemen-
tos dessa filosofia, seja tomando-a como ponto de partida afim de refutá-la e substituir os
conceitos aristotélicos de que a escolàstica fazia uso por conceitos novos. Os estudos de
Etienne Gilson e aqueles, mais recentes, de Jean-Luc Marion esclarecem sobremaneira essa
relação entre as teorias de Descartes e as dos pensadores que o precederam. Seria fácil citar,
no que a isso se refere, vários outros exemplos. Espinosa não é, em sentido estrito, cartesia-
no. Mas pensa em função de Descartes, e considera até mesmo que sua própria filosofia só
pode ser compreendida caso se tenha estudado antes a de Descartes. Kant, em sua Dialética
transcendental, acredita ser necessário, para fundamentar a análise crítica, refutar os argu-
mentos da metafísica dogmática, em particular os de Leibniz. Portanto, ninguém pode pres-
cindir de situar historicamente os filósofos, de recorrer à cronologia e de descobrir alguma
continuidade na evolução do pensamento filosófico. O próprio Henri Gouhier, embora tenha
X PREFACIO

escrito que "A filosofia não tem existência histórica, historicamente só existem filosofias",
não desconhece o fato de que toda filosofia, ainda que constitua um "evento ", ou até um "ad-
vento ", explica-se em parte por suas fontes.
Mas não se deve concluir daí que existe uma história da filosofia no mesmo sentido que
existe uma história das ciências. As ciências, pelo menos as ciências ditas exatas, como a físi-
ca, têm uma história, na medida em que suas antigas concepções da natureza são, em todos
os sentidos dessa palavra, realmente "passadas", e, portanto, aparecem como totalmente
dependentes do tempo: por isso, nenhum físico contemporâneo poderia defender as teorias de
Aristóteles ou de Descartes sobre o peso ou a queda dos corpos. Mas, em filosofia, um ho-
mem de nossos dias pode se dizer aristotélico ou cartesiano. As grandes filosofias antigas
continuam vivas, e, nessa medida, pode-se afirmar que, em sentido estrito, a filosofia não tem
passado.
Com essa afirmação, não pretendemos defender uma tese. Limitamo-nos a constatar
um fato, fato cuja realidade pode ser descoberta por todos aqueles que se disponham a refle-
tir sobre o tipo de interesse que experimentam ao ler Platão ou Kant. Portanto não nos pare-
ce útil, neste curto prefácio, discutir, como aliás fizemos em outro lugar, todas as concepções
já formuladas no que concerne à essência da história da filosofia, em particular as de Hegel
ou de Marx. Todo leitor deste dicionário poderá, se as considerar corretas, adotar essas
concepções. Não poderá negar que elas correspondem a uma das várias concepções possí-
veis, e que portanto são hipóteses. Hegel pretende apreender o passado a título de totalida-
de. Considera que a consciência "fenomênica ", ou consciência situada na história, ignora a
significação de suas experiências e de suas ações, esquece que cada uma delas, oriunda da
precedente, só tem sentido em relação ao todo. Somente a consciência "numênica", que
sobrevém no fim, descobrirá o sentido da totalidade, nesse "saber absoluto " que é essen-
cialmente "resultado ", e se confunde com a própria filosofia de Hegel. Dessa forma, a his-
tória converte-se em sistema.
Mas, em função disso, cada doutrina filosófica fica reduzida a um "momento" (assim,
o kantismo aparece como o "momento moral" da história do pensamento ocidental), sendo
cada momento explicado pelo conjunto do movimento dialético em que se encontra situado.
Sabe-se que, "desvirado ", esse método foi a fonte das análises de Marx, desejoso de dar con-
ta da "ideologia " como um todo, considerando seus condicionamentos históricos e a situação
técnica, econômica e social da época em que foi concebida.
O que importa perceber é que tudo isso supõe para a filosofia, e para a história da filo-
sofia, não uma seqüência de sujeitos individuais (os filósofos), mas uma espécie de sujeito
coletivo, como aquele que, com efeito, está implicado na história das ciências, que evidencia,
apesar de algumas rupturas e alguns retrocessos, um incontestável progresso. Mas como des-
cobrir, em filosofia, um tal sujeito (cujo estudo tornaria inútil qualquer dicionário dos filóso-
fos)? E que historiador digno deste nome ousaria falar, sem pelo menos modificar de manei-
ra radical o sentido desse termo, de um verdadeiro "progresso " em filosofia, progresso em
direção a uma verdade da qual as diversas doutrinas se mostrariam, segundo sua ordem tem-
poral, cada vez mais próximas? Quem reputaria as análises que Platão nos apresenta do
amor definitivamente prescritas? Quem teria a pretensão de ter respondido às dificuldades
que a dúvida de Descartes ou as objeções de Berkeley levantam contra nossa crença na exis-
tência da matéria? Não, nenhum filósofo foi verdadeiramente ultrapassado. Tampouco se
pode pensar que a filosofia se aproxima cada vez mais da verdade que é seu fim. Essa verda-
de, cada filósofo a contém de alguma maneira. Por isso, todo filósofo tem inicialmente de ser
considerado em si mesmo, o que os textos que se seguirão, embora necessariamente sumários,
e sem pretender substituir a leitura dos autores, permitirão fazer.
PREFÁCIO XI

Diante disso, não podemos evitar refletir sobre a necessária tensão existente entre a
situação histórica do filósofo e sua pretensão a enunciar verdades universais, válidas em to-
dos os tempos. E, sem dúvida, poderíamos observar que também os cientistas acreditaram
enunciar verdades intemporais. Mas a diferença entre os filósofos e os cientistas decorre do
fato de que os filósofos acreditaram, com razão, na perenidade de sua doutrina, ao passo que
os cientistas se enganaram no que se refere à deles. Ademais, trata-se de algo perceptível no
que concerne a um mesmo autor. Na qualidade de cientista, Descartes engana-se ao afirmar
que o motor da circulação sangüínea é a dilatação do sangue que chega ao coração, órgão
considerado (equivocadamente) muito mais quente que o resto do corpo. Mas, se a teoria car-
tesiana da circulação do sangue pode ser considerada um fato definitivamente pertencente ao
passado, as Meditações metafísicas de Descartes nunca foram refutadas, e um homem de nos-
sos dias pode legitimamente aderir à maioria das afirmações que elas contêm. Poderíamos
até dizer, nesse sentido, que a história das ciências está essencialmente composta dos erros
do passado, ao passo que a história da filosofia revela verdades que cada um de nós pode re-
tomar por conta própria, para resolver os problemas que se lhe colocam.
A tensão entre a intemporalidade das verdades filosóficas e o caráter histórico de sua
enunciação num momento dado do tempo nem por isso deixa de continuar suscitando muitos
problemas para o historiador da filosofia. Essa dificuldade explica por que a maioria dos
grandes comentadores restringiu cada um de seus estudos a um único filósofo, como Aristóte-
les, Malebranche, Hume ou Fichte. Mais ainda. Certos historiadores, como Martial Gueroult,
detiveram-se apenas na estrutura interna e na coerência dos sistemas, situando dessa forma
o pensamento dos filósofos numa espécie de intemporalidade essencial. Ninguém é forçado a
adotar tal método. Mas todos devem reconhecer que as afirmações dos filósofos jamais são
totalmente apagadas pelo tempo. De resto, o parentesco entre as posturas filosóficas aparece
para quem as procurar. O movimento do filósofo na caverna de Platão, o de Descartes em sua
dúvida, o de Kant em sua "revolução copernicana ", o de Husserl em sua "redução fenomeno-
lógica " são semelhantes num certo sentido. No entanto, diferem, e ninguém poderia confun-
dir as filosofias de Platão, de Descartes, de Kant e de Husserl.
A nosso ver, isso decorre do fato de que cada filosofia é a expressão insubstituível da
reação de uma consciência humana ao mundo objetivo da percepção e da ciência. A objeti-
vidade exterior, definida por uma ciência cujos progressos são incessantes, dominada por
técnicas sempre novas, muda de ano para ano. As reações da consciência humana ao mundo
objetivo diferem conforme os indivíduos, mas não segundo o tempo e a história. Ê por isso
que as teorias filosóficas são diversas, e seu valor, eterno. Por isso, a morte com que nos
ameaça a guerra moderna, considerada em termos de suas causas exteriores, não se parece
com a morte que ameaçava um legionàrio romano. Mas para todo homem, antigo ou moder-
no, a morte continua sendo a morte, e é por isso que o medo que ela nos inspira não difere
daquele que um soldado de César provavelmente sentia. O mesmo se pode dizer do amor.
Podemos reconhecer o nosso naquele das personagens das tragédias gregas ou dos dramas
de Shakespeare, e os discursos pronunciados no Banquete de Platão ainda tocam nosso
coração.
Convém portanto falar, no que concerne às verdades filosóficas, de universalidade sub-
jetiva, ou, se quiserem, pessoal. Em outras palavras, essas verdades, embora intemporais, são
inseparáveis dos filósofos que as enunciaram. Seu caráter pessoal não diminui em nada seu
valor. O mesmo pode ser dito das obras de arte. Pode-se amar a pintura contemporânea. Nem
por isso alguém diria que Rembrandtfoi ultrapassado por ela. Tampouco se pode afirmar que
a música de hoje torna caduca a de Mozart, ou que a leitura do último Prêmio Goncourt nos
dispensa de ler Goethe.
XII PREFACIO

A beleza das obras de Velasquez, de Bach, de Shakespeare é inseparável da personali-


dade de seus autores. Creio que todos hão de concordar com isso. Se, para alguns, isso é me-
nos evidente no tocante às obras filosóficas, é porque em matéria de verdade o leitor fica
muitas vezes cego pelo hábito de apenas se referir às ciências. Ora, nesse domínio a univer-
salidade resulta da ruptura com a subjetividade. E por isso que a referência a Euclides não é
necessária para compreender sua geometria, e pode-se ignorar tudo sobre Newton e conhe-
cer sua física. Em contraposição, o cartesianismo (entendido como a doutrina exata do autor)
não poderia ser separado de Descartes, nem o espinosismo de Espinosa. Indissoluvelmente
universais e pessoais, as verdades filosóficas têm como sujeitos os filósofos que as enuncia-
ram. Donde a necessidade de dispor, ao lado das histórias da filosofia, de um Dicionário dos
filósofos. Que essa obra possibilite aos leitores contemporâneos descobrir as verdades que a
filosofia enunciou em sua terra natal, que não é nem a história universal, nem a evolução
geral da razão, mas o pensamento dos próprios filósofos.

Ferdinand ALQUIÉ,
Membro do Instituto,
Professor Emérito da Sorbonne.
Julho de 1984.
INTRODUÇÃO*

Denis Huisman e seus colaboradores propuseram-se a oferecer aos filósofos, universi-


tários, pesquisadores e estudantes, e, deforma mais geral, ao público culto, um Dicionário
dos filósofos de todos os países e de todos os tempos. Teríamos de remontar ao dicionário de
Adolphe Franck (que prefaciou a primeira edição em 1843) para encontrar, na França, um
empreendimento comparável.
Mas o espirito do dicionário de Franck era completamente outro por três razões. Pri-
meiro, não se tratava simplesmente de um dicionário "dos filósofos" mas de um dicionário
filosófico, no sentido de que, além de verbetes sobre os filósofos, ele pretendia nos dar, em or-
dem alfabética, um verdadeiro curso sobre as questões tratadas na época nas aulas de filoso-
fia. Há, decerto, muita filosofia no presente dicionário, mas ela é deixada para os filósofos.
Não ocupamos o lugar deles para filosofar, como se houvesse uma filosofia acima das filoso-
fias, um filósofo acima dos filósofos. Trata-se apenas de ajudar o leitor na abordagem e no
estudo dos filósofos de sua escolha, por meio de verbetes compostos (além de um rápido resu-
mo biográfico e sólidas indicações bibliográficas) de uma apresentação, baseada nas obras
essenciais, da problemática e dos conceitos que lhes são próprios.
Em segundo lugar, o dicionário de Franck era um dicionário dogmático. No prefácio,
Franck expõe os princípios que o nortearam. Lá ficamos sabendo que "a razão vem de Deus ",
que ela é "imutável e absoluta na sua essência ", que o único método conveniente é o "méto-
do psicológico ", por meio do qual a inteligência recolhe nela mesma as idéias que consti-
tuem seu próprio fundamento, que a alma é livre, distinta do corpo, imortal, em conformida-
de com o "espiritualismo mais positivo " etc. Embora tudo isso talvez seja verdade, tal discur-
so não poderia aparecer, hoje, num prefácio, como tampouco, aliás, o discurso oposto.
Excluindo qualquer a priori dogmático, o Dicionário dos filósofos acolhe todas as tentativas,
todos os ensaios, todas as experiências do pensamento: idealistas e materialistas, céticos,
dogmáticos e relativistas, mecanicistas, vitalistas e espiritualistas, fenomenistas e substan-
cialistas, ontologistas e niilistas etc. nele estão presentes com o mesmo peso. Ecletismo? Cer-
tamente não. O ecletismo é uma posição filosófica - que remonta a Antioco de Ascalon, ou
até mesmo, provavelmente, a Pitágoras, pois Heráclito o acusa de ter constituído sua própria
sabedoria pegando nos escritos dos outros o que lhe parecia melhor (fr. 129 Diels-Kranz). Os
redatores deste dicionário não propõem tal escolha. Além do fato de que entre suas posições

* Esta introdução não leva em conta, evidentemente, os cortes feitos na presente edição brasileira, para a qual
foi feita uma seleção mantendo apenas os nomes mais significativos com o objetivo de reduzir o volume da obra, tor-
nando-a viável para o nosso mercado. (N. do E. B.)
XIV INTRODUÇÃO

filosóficas muito diversas não seria fácil encontrar um denominador comum, eles só foram
convocados em razão de sua competência, de sua ciência, somadas ao rigor e à probidade
intelectual.
Enfim, o dicionário de Franck era um dicionário polêmico, uma obra de combate. Por um
lado, contra os teólogos que queriam colocar a filosofia sob o jugo da teologia, ele afirma com
força que a filosofia, que repousa sobre o princípio do livre exame aplicado universalmente, é
uma disciplina "totalmente livre, que se basta por si mesma e só depende da razão ". Isso sem
dúvida nos parece verdadeiro, mas hoje não é mais necessário lutar por uma filosofia "inde-
pendente da autoridade religiosa ": o combate foi ganho por consentimento de ambas as par-
tes. Por outro lado, Franck guerreia contra os adversários da sã razão espiritualista: os místi-
cos que sacrificam a razão ao sentimento, os panteístas que, pelo efeito de seu "método espe-
culativo " (visa aos pós-kantianos), são levados a naturalizar Deus e a não reconhecer nele o
"legislador do mundo moral" e, por fim e sobretudo, os adeptos do "grosseiro materialismo ".
Mas, hoje, tomar esse tipo de partido é inoportuno. Uma vez que Epicuro ou Hobbes, mais co-
nhecidos, constam dos programas de exames universitários, nota-se, em particular, que os ma-
terialistas não têm nada de "grosseiro ". São às vezes até mesmo muito sutis.
Em suma, poderíamos dizer que o Dicionário dos filósofos, descartando qualquer a
priori filosófico ou ideológico, foi pensado sob a categoria da inteligência, na medida em que
se trata de compreender, de compreender tudo e apenas de compreender. Compreender o quê?
O que a inteligência compreende, segundo Eric Weil, é o homem, ou seja, no presente caso, as
múltiplas maneiras como o homem se compreende, em última instância, a si mesmo e como se
orienta no mundo. "O que é um homem? A uma semelhante natureza, o que convém fazer ou
sofrer, que a diferencie das outras? " Eis, nos diz Platão, o que busca "aquele que passa sua
vida a filosofar " (Teeteto, / 74 b). O homem, sob a categoria da inteligência, é espectador de
si mesmo filosofando, é spectator philosophandi. E, como espectador, mantém-se, como diria
Romain Rolland, "au-dessus de Ia mêlée ", acima da confusão, ou seja, deixa as filosofias e os
"mundos " que a elas correspondem manifestarem-se diante dele como possibilidades equiva-
lentes. Não escolhe: uma tem tanto interesse quanto a outra. Ou melhor, quando escolhe não
é na qualidade de espectador "inteligente", mas na qualidade de filósofo, encarnando uma
atitude particular entre as atitudes possíveis.
Contudo, embora para os autores do dicionário não estivesse em questão privilegiar
uma filosofia, e sobretudo uma filosofia que lhes fornecesse a luz para compreender as outras
(que, então, não teriam sido compreendidas por si mesmas mas por meio dessa filosofia-
padrão), e portanto todas as filosofias tinham de ser consideradas como tendo, de direito,
igual importância, o mesmo não podia ser dito dos filósofos. Embora todos tenham sem dúvi-
da alguma importância, alguns são mais importantes que outros. Por isso há verbetes de ex-
tensão bem diferente, mesmo havendo (e como poderia ser de outra forma?) apenas uma cor-
respondência muito aproximada entre a extensão do verbete e a importância do filósofo. Co-
mo avaliar a "importância " de um filósofo? O filósofo mais importante é aquele que mais
contribui, e isso porque ele contribui com algo que os outros ainda não formularam, ou seja,
ele é o mais diferente dos outros ao mesmo tempo em que é o mais semelhante a si mesmo -
condição de sua consistência -, isto é, o mais original. Ora, as inovações mais importantes
situam-se, sem dúvida, no nível dos métodos. Daí a grandeza de Descartes, de Locke, de Kant,
de Hegel, de Husserl. Um pouco abaixo disso, o que conta é, pode-se dizer, a penetração, a
profundidade do pensamento, a riqueza do conteúdo. Mas fiquemos por aqui... Esses critérios
gerais são de pouca utilidade. O que regeu a avaliação que fizemos da importância relativa
dos filósofos foi, antes, uma espécie de consenso, de acordo entre os juízos. Contudo, embora
a hierarquia de valores esteja bem estabelecida no que se refere aos filósofos do passado, o
INTRODUÇÃO XV

mesmo não se pode dizer dos contemporâneos. Era inevitável que, em relação a estes, os re-
datores do dicionário assumissem um certo risco, mas seus juízos podem ser revistos: o tem-
po e as futuras edições da obra colocarão as coisas em seus devidos lugares, se for necessá-
rio. Deveriam os verbetes tratar exclusivamente dos mortos? Era o que pensava A. Franck.
Denis Huisman e sua equipe não consideraram adequado estabelecer essa condição, pelo
simples fato de que muitos filósofos estão vivos. Devemos recriminá-los por isso? Ê sem dúvi-
da mais satisfatório, quando se redige um verbete, poder indicar ao mesmo tempo as datas de
nascimento e de morte. Mas, se o filósofo estiver vivo, é preciso resignar-se. De resto, aqueles
que gostariam que os verbetes tratassem dos mortos só precisam esperar um pouco para en-
contrar a plena satisfação.
Dicionário dos filósofos: de todos os filósofos? Não, é claro. São muitos, sem dúvida, os
filósofos que tiveram algum destaque e estão esquecidos hoje. Deles resta apenas o nome, ou
nem mesmo o nome. Nesses casos, o tempo pode trazer redescobertas. O epicurista Diógenes
de Oenoanda, objeto, hoje, de inúmeras publicações, era desconhecido um século atrás. Como
se sabe, existem, por outro lado, filósofos cuja obra, por falta de editor, dorme em alguma ga-
veta, ou que, editada, jaz sobre alguma estante de biblioteca sem que jamais sequer um estu-
dante de mestrado ou de terceiro ciclo venha tirar-lhe a poeira de cima. Dicionário, pois, dos
filósofos conhecidos, que têm alguma existência na praça pública ou no mercado de livros? Se
por isso entendermos: filósofos que têm, de alguma maneira, certa reputação, pelo menos em
seu país ou entre seus pares, de fato o presente dicionário repertoria o maior número possível
deles*. Não há, aliás, nenhum esquecimento, por mais lamentável que seja, que não possa ser
reparado posteriormente. Mas, se nos referirmos agora ao projeto inicial de dar conta da diver-
sidade da reflexão filosófica no mundo, podemos dizer que o objetivo foi alcançado em termos
gerais. Se representarmos cada filósofo por um ponto e distribuirmos esses pontos segundo a
nacionalidade dos filósofos, estabelecendo assim uma espécie de mapa da densidade da popu-
lação filosófica, chegaremos, ao que tudo indica, a um resultado mais ou menos conforme ao
que seria sensato esperar. As cinco partes do mundo estão representadas deforma desigual,
mas, embora a representação dos países europeus, do leste ou do oeste, seja, como é natural,
de longe a mais importante, muitos outros países têm uma forte representação, em particular
os Estados Unidos, os países latino-americanos, a índia, o Vietnã, o Japão.
Se, do ponto de vista da extensão, o Dicionário deixa escapar, apesar da rede cerrada
de seus verbetes, alguns filósofos que não são necessariamente peixes miúdos, do ponto de
vista da compreensão, dá mais do que promete, pois, além dos nomes de filósofos em sentido
estrito, ou seja, cuja filosofia foi sua vocação exclusiva**, encontramos nomes de fundadores
de religiões, de teólogos, de cientistas, de médicos, de romancistas, de poetas. Isso se justifi-
ca por duas considerações. Primeiro, mesmo que um inovador não pense a si mesmo como
filósofo, foi sob a influência e o impulso de uma Idéia Filosófica que ele descobriu a nature-
za ou que inventou o homem: uma idéia-mestra, uma antecipação do que são o ser natural ou
o ser humano orienta sua investigação ou sua criação. Em segundo lugar, a contribuição des-
ses inovadores para a reflexão filosófica fez com que depois deles a filosofia não pudesse
mais ser o que era antes. Portanto, como deixá-los de lado? Uns modificaram a imagem da
morte (a morte cristã não é a morte paga), outros a imagem do mundo, quer se trate do Céu
ou do mundo vivo; certos modificaram a imagem do outro (pense-se nos etnólogos), outros,

* Ver nota na p. XIII. (N. do E. B.)


** A necessidade de reduzir o volume do dicionário para a edição brasileira, reduzindo o número de entradas,
levou-nos a manter, preferencialmente, nomes de filósofos em sentido estrito (N. do E. B.)
XVI INTRODUÇÃO

por fim, a imagem que cada um tem de si mesmo. Por isso a escolha de acolher, num dicioná-
rio "dos filósofos", os nomes de alguns dos grandes exploradores do natural e do humano,
que, sem querer, decidiram, de alguma maneira, sobre o futuro da filosofia.
Como todo dicionário, este pode ser aperfeiçoado, não só porque outros verbetes pode-
riam ser acrescentados aos milhares que este comporta, mas também porque cada verbete
poderia ser aperfeiçoado. Por maior que tenha sido o cuidado com que foi elaborado, só pode
dar conta do que já ocorreu. Ora, enquanto o autor põe um ponto final, o tempo segue seu cur-
so. Quanto aos filósofos vivos, é prematuramente que um verbete dá dele uma imagem conge-
lada. Quanto aos filósofos do passado, novas edições ou interpretações refinam sem cessar o
saber ou enriquecem a compreensão que temos deles. Se tivesse de escrever hoje meu verbe-
te sobre "Pirro ", me preocuparia em não esquecer do recente Pirrone de Fernanda Decleva
Caizzi, assim como, naquele sobre "Diógenes de Apolônia ", eu mencionaria o Diogène
d'Apollonie de André Laks, publicado em 1983. Mas, para o historiador, não é possível fazer-
se absolutamente contemporâneo do presente. Um dicionário, como todo escrito, é uma obra
de memória. Serve apenas para vir em auxílio da memória que a filosofia, através dos filóso-
fos, guarda de si mesma. Tarefa modesta, talvez, mas fundamental. A não ser que se aceite que
o tempo vá apagando tudo aos poucos, é preciso querer deixar marcas, e lutar por isso. A es-
crita é essa luta, heróica quem sabe.
Que conclusão tirar disso senão que a comunidade científica deve à energia empreen-
dedora de Denis Huisman algo importante? Agradeçamo-lhe, e agradeçamos junto com ele a
seus colaboradores imediatos, Angèle Kremer-Marietti, professora de filosofia da Universi-
dade de Picardie, Marie-Agnès Malfray, que coordenou a secretaria com competência e efi-
ciência, Jean-François Braunstein, professor de filosofia da Ecole normale de jeunes filies de
Arras, que se dispôs a cuidar da tarefa delicada de coordenação, Jacques Deschamps, profes-
sor de filosofia do liceu de Tourcoing, que, além de desempenhar sua função no trabalho de
coordenação, assumiu, com um rigor e precisão perfeitos, a pesada tarefa de estabelecer os
índices e corrigir as provas.
"Deixa-me muito pesaroso - escreve Montaigne - que não tenhamos uma dúzia de Laér-
cios, ou que ele não seja ou mais difundido ou mais ouvido. Pois observo com tanta curiosi-
dade afortuna e a vida desses grandes preceptores do mundo quanto a diversidade de seus
dogmas efantasias." Ora, no Dicionário dos filósofos, assim como em Vidas e doutrinas dos
filósofos ilustres de Diógenes Laércio, ele teria encontrado um rico material para examinar,
para ruminar. Epor isso que garanto que Montaigne teria gostado deste novo dicionário "dos
grandes preceptores do mundo ".

Mareei CoNCHE,
Antigo diretor da UER de filosofia da Universidade de Paris I,
Laureado pela Academia Francesa, professor emérito da Sorbonne.
Julho de 1984.
PRÓLOGO
da segunda edição francesa*

O sucesso da primeira edição do Dicionário dos filósofos não deveria inquietar os filó-
sofos? Os inúmeros professores de filosofia que o leram para aprofundar e completar sua
erudição bibliográfica, para fixar seu saber através das monografias condensadas, ou, sim-
plesmente, para explorar, na qualidade de curiosos, a infinita variedade do gênero humano
fdosofante, não puderam deixar de experimentar nessa leitura, certamente útil e agradável,
ao mesmo tempo um efeito distrativo sobre a disposição tensa do ato especulativo. Ler um di-
cionário dos filósofos não eqüivale a se entregar ao que Kant designava como o simples co-
nhecimento "histórico " da filosofia, tão oposto ao seu conhecimento verdadeiro, racional,
este sim propriamente "filosófico "? Deixar então de lado, pela própria razão, a compreensão
das obras mais importantes, mais instrutivas, para comprazer-se na simples enumeração de
todos os seus obreiros, mesmo os mais obscuros, não seria consagrar a exposição menos filo-
sófica da filosofia? Ao suprimir até o mais Ínfimo vínculo, o do tempo e do espaço, um dicio-
nário dos filósofos parece de fato dissolver totalmente, na contingência exterior absoluta da
seqüência alfabética, a comunidade humana que mais reflete sua unidade na sua obra, pois
esta, enquanto filosófica, exprime a única razão pela qual todos os homens se comunicam. A
individualização objetiva da filosofia nos filósofos apresentados em sua exterioridade mais
insignificante parece efetivamente apagar a concentração meditativa do ato autenticamente
filosófico. Mas, nesse caso, a leitura de um dicionário dos filósofos — na pior das hipóteses,
mera recreação dos filósofos já formados - não ameaça impedir para sempre o leigo desejoso
de se familiarizar por conta própria com a filosofia - a prática dos dicionários é muito cara
ao autodidata - de compreender o que é filosofar?
Felizmente, não è esse o caso. O próprio objeto de um dicionário dos filósofos protege o
mais receptivo dos autodidatas do duplo perigo de ficar na aparência de uma fragmentação
infinita da filosofia na multidão de "opiniões" expressas - ou seja, de cair no ceticismo em
relação à verdade - e, correlativamente, de se fixar dogmaticamente na sua própria opinião,
não menos justificada que todas as outras. O próprio conteúdo de um dicionário dos filóso-
fos combate esse duplo perigo. Longe de negar a filosofia, como busca viva da verdade, na
multiplicidade estaticamente exposta dos filósofos, faz aparecer, em cada um deles, sua rela-
ção essencial com os outros, e portanto com a própria filosofia. Com efeito, já que pensar é
universalizar ou totalizar, a filosofia, autopensamento do pensamento, coloca cada filósofo
perante os outros, contra eles, mas sempre com eles. A cada vez, é toda a filosofia que diz sua
universalidade perene em cada uma de suas singularizações circunstanciadas. Portanto, a

* A presente edição brasileira foi feita a partir da 2f edição francesa. (N. do E. B.)
XVIII PRÓLOGO

apresentação monográfica dos filósofos por um dicionário em última instância remete, atra-
vés de cada um deles, a todos os outros, ou seja, conduz, pela manifestação da relação íntima
que há entre eles, à consciência da filosofia como gesto uno da interioridade pensante. Por
isso, em cada um dos artigos, cujo conteúdo faz com que se remetam uns aos outros, impondo
assim a idéia de uma cidade dos filósofos, a cada vez esta é reconstruída em sua unidade viva
através da singularidade de um filósofo: o estilo monogràfico do dicionário faz com que uma
doutrina seja exposta, não como um momento de um pensamento universal sem unidade por-
que destituído de sujeito efetivo, como pode acontecer numa história ou numa enciclopédia
da filosofia, mas como conteúdo unitariamente desenvolvido de um "Eu penso ", cuja singu-
laridade viva impõe concretamente ao leitor a exigência primeira da filosofia. Enquanto tal,
um dicionário dos filósofos é, portanto, capaz de lembrar a todos os seus leitores que um filó-
sofo é toda a filosofia - vida total -, e que a filosofia só existe por intermédio de um filósofo
- totalidade viva.
Ora, a maneira como o Dicionário dos filósofos foi concebido o prove do necessário
para satisfazer tal destinação. Com efeito, este Dicionário consiste em algumas centenas de
autores falando de vários milhares de pensadores, de todos os lugares e de todos os tempos.
Tal objeto e tal sujeito conjugam vigorosamente seus efeitos para evitar o sectarismo dogmá-
tico. A vontade liberal da polifonia doutrinária dos autores em relação a cada um dos filóso-
fos apresentados e, em particular, as inevitáveis remissões de uns aos outros afastam qual-
quer perigo de redução esclerosante de sua obra. Mas, inversamente, o apelo sempre renova-
do feito ao autor que dedicou seus esforços a tal ou qual pensador deve garantir a pregnân-
cia estimulante do retrato intelectual que dele traça, condição esta que aparta o perigo da
indiferença cética.
Que a segunda edição do Dicionário dos filósofos possa confirmar e reforçar este di-
cionário como autenticamente filosófico!

Bernard BOURGEOIS,
professor da Universidade de Paris I (Panthèon-Sorbonne),
presidente da Sociedade Francesa de Filosofia.
Julho de 1993.
Lista de redatores da edição brasileira

Agacinski, Sylviane Chevalley, Catherine Galand, Bernard


Akoun, André Chrétien-Goni, Jean-Pierre Gandillac (de), Maurice
Armengaud, Françoise Clavelin, Maurice George, Tristan
Arnaldez, Roger Colin, Lucette Ginestier, Gérard
Arvon, Henri Colliot-Theléne, Catherine Ginestier, Paul
Assoun, Paul-Laurent Cometti, Jean-Pierre Gochet, Paul
Assuied, Richard Conche, Mareei Goulet-Cazé, Marie-Odile
Aubenque, Pierre Conenna, Mirella Goyard-Fabre, Simone
Auffret, Dominique Contat, Michel Greisch, Jean
Augendre, Jean-Charles Cotten, Jean-Pierre Grimal, Pierre
Auroux, Sylvain Coutei, Charles Guibal, Francis
Guy, Alain
Barrère, Jean-Jacques Dagognet, François
Baruk, Henri Daval, René Heredia (de), Christine
Benoist, Jean-Marie Debout-Oleszkiewicz, Hess, Remi
Bienenstock, Myriam Simone Hondt (d'), Jacques
Bitbol, Michel Degange, Alain Huisman, Denis
Bloch, Olivier Deleule, Didier
Bonet, Pierrette Deligeorges, Stéphane Imbert, Claude
Borne, Etienne Demange, Pierre
Boudot, Maurice Deschamps, Jacques Jacques, Francis
Boulnois, Olivier Devaux, André-A. Jerphagnon, Lucien
Bourel, Dominique Dumont, Jean-Paul Jimenez, Marc
Boutang, Pierre Dupouey, Patrick
Boyer, Alain Kemp, Peter
Brunschwig, Jacques Enaudeau, Michel Kervegan, Jean-François
Brykman, Geneviève Enegren, André Kremer-Marietti, Angèle
English, Jacques Kuhn, Rolf
Canto-Sperber, Monique
Carrive, Paulette Ferrier, Francis Labrousse, Elisabeth
Catalá, Luis Florence, Maurice Lachaud, Jean-Marc
Chaufour-Verheyen, Florez, Cirilo Miguel Lacroix, Jean
Christine Frère, Jean Lamy, Mareei
XX LISTA DE REDATORES

Launay (de), Marc B. Nancy, Jean-Luc Rossi, Jean-Gérard


Le Boulluec, Alain Nordmann, Jean-Thomas Roucaute, Yves
Lecercle, Jean-Jacques Ogilvie, Bertrand Rousset, Bernard
Lecourt, Dominique Olivier, Paul
Le Doeuff, Michèle Salem, Jean
Lefranc, Jean Palmier, Jean-Michel Scheurer, Paul
Le Lannou, Jean-Michel Paty, Michel Sebestik, Jan
Libera (de), Alain Paumen, Jean Seidengart, Jean
Lock, Grahame Pellegrin, Pierre Sutton, Timothy
Perrot, Maryvonne Sweeney, Robert
Madec, Goulven Philonenko, Alexis
Magnard, Pierre Piclin, Michel Tavoillot, Pierre-Henri
Malet, André Poncet, Dominique Tertulian, Nicolas
Marietti, Pierre-François Pons, Alain Thebaud, Jean-Loup
Marquet, Jean-François Poulain, Jacques Thomann, Mareei
Masson, Françoise Procesi-Xella, Lidia Tiercelin, Claudine
Matalon, Anne Tosei, André
Mattei, Jean-François Troper, Michel
Maupas, Jean-Pierre Quillet, Pierre Trouillard, Jean
Mercier, André Quillien, Jean
Mercier-Jasa, Solange Vancraeyenest, Pierre
Michel, Alain Raymond, Pierre Veto, Miklos
Misrahi, Robert Rembert, Jean Vincent, Gilbert
Modigliani, Denise Revault d'Allonnes, Vincent, Jean-Marie
Moutsopoulos, Evanghelos Myriam
Munster, Amo Roche, Christian Walch, Jean
Rodis-Lewis, Geneviève
Naert, Emilienne Roger, Alain Zapata, René
Nakimovitch, Pierre Romeyer-Dherbey, Gilbert Zarka, Yves-Charles
O diretor e os membros do comitê científico
da segunda edição desta obra
O diretor

HUISMAN Denis, 1929- TV, histórias em quadrinhos, debates inter-


Filósofo francês nascido em Paris. Diretor nacionais articulados com seus trabalhos
do Dicionário dos filósofos. Após estudos impressos: cursos-tratados, artigos, história
superiores de filosofia e de estética, quando do pensamento, coleções de textos integrais,
foi aluno (1945-1950), colaborador (1950- compêndios, antologias repousam todos, em
1960) e amigo de Etienne Souriau, lecionou última instância, na conquista de uma inte-
filosofia no secundário (1948-1953), foi au- ratividade eficaz, até mesmo de uma autên-
xiliar de pesquisas no CNRS (1953-1957), tica "reciprocidade das consciências". Seu
nomeado mestre de conferências na Ecole pensamento, fortemente marcado por seus
des HEC e diretor delegado do Instituto de mestres da Sorbonne (Alquié, Bachelard,
Estética Industrial (1958). Foi em seguida Jankélévitch, Nédoncelle) e pela corrente
conferencista em numerosas universidades existencial da época (Sartre, Gabriel Mar-
como Tunis (professor emérito), Hull (dou- eei), abeberou-se muitas vezes nas contri-
tor honoris causa), Londres (Instituto Fran- buições fenomenológicas retomando a fór-
cês), Nova York (CUNY e sobretudo NYU), mula bachelardiana: "Quando se trata de exa-
Los Angeles (UCLA e USC), Paris IX-Dau- minar homens, iguais, irmãos, a simpatia
phine e, desde 1983, Paris I (direção de se- deve ser a base do método" (La psychanaly-
minários de 3? ciclo sobre a comunicação). se dufeu, p. x).
Em 1974, termina o doutorado em Paris VII • Uesthétique, PUF ("Que sais-je?"), 1954; Guide de
(doutor em letras). Seus centros de interesse Vétudiant en philosophie, PUF, 1955; Tableau de Ia
vão da filosofia da arte e da linguagem ao philosophie contemporaine, Fischbacher, 1957; Manuels
design, da aplicação de uma práxis educa- de philosophie, lf ed. em 5 vol., Nathan, 1957;comA.
Vergez, 2? ed., Uaction et Ia connaissance, 1961, últi-
cional ao logos de uma teoria da comunica-
ma ed. em 1990, em 3 vol.; com G. Patrix, Uesthétique
ção (criação a partir de 1961 das EFAP, Es- industrielle, PUF ("Que sais-je?"), 1960; Encyclopédie
colas Francesas de Adidos de Imprensa, de de Ia psychologie, 1? ed. em 1960, Nathan, em 2 vol.;
Paris, Lyon, Nova York, Lisboa etc). 2f ed. em 6 vol., 1970, reed. em 1982, direção da publi-
cação; Histoire de Ia philosophie antique et médiévale,
Filósofo da ação, rapidamente procurou Fischbacher, 1962; com J. Chaumely, Les relations pu-
concretizar suas aspirações aplicando-as a bliques, PUF ("Que sais-je?"), 1962; Tableau de Ia phi-
campos e métodos em que tentou praticar losophie moderne, Fischbacher, 1965; com A. Vergez,
uma pedagogia muito inovadora na perspec- Histoire des philosophes illustrée par les textes, Nathan,
tiva de um pragmatismo extremamente aber- 1965; com G. Deledalle, Les philosophes d'aujourd'hui,
SEDES, 1966; com A. Vergez, La philosophie contem-
to: difundindo um saber, em geral esotérico poraine, Nathan, 1970; Histoire de Ia philosophie, em
demais, por todos os meios possíveis da co- 2 vol., ed. Pierre deTartas, 1976; La philosophie en ban-
municação de massa: emissões de rádio e des dessinées, Hachette, 1977; La psychologie en ban-
ARNALDEZ XXII ASSOUN

des dessinées, Hachette, 1978; Les intégrales dephilo- • Grammaire et théologie chez Ibn Hazm de Cordoue,
sophie, Nathan, 1980, direção das publicações; com C. essai sur Ia strueture et les conditions de Ia pensée mu-
Lougovoy, Traitédes relations publiques, PUF, 1981; Le sulmane (tese), Vrin, 1956; direção, em colaboração
dire et lefaire. Essai sur Ia communication, SEDES, com C. Mondésert e J. Pouilloux, da publicação e da
1983; L'incommunication, Vrin, 1987. Com Marie- tradução das Oeuvres completes de Fílon de Alexandria,
Agnès Malfray, Les pages les plus célebres de Ia philo- Le Cerf, 1961-1979, "Sources chrétiennes"; Mahomet,
sophie occidentale, Perrin, 1990, e Les plus grands lex- Seghers, 1987; Un seul Dieu, in F. Braudel (dir.), La
tes de Ia philosophie orientale, Albin Michel, 1992. Méditerranée, Arts et métiers graphiques, 1977;
Flammarion, 1986; Jesus, fds de Marie, prophéte de
Serge LE STRAT. llslam, Desclée, 1980; Le Coran, guide de lecture,
Desclée, 1983; Trois messagers pour un seul Dieu
(1983), Albin Michel, 1991; Les grands siécles de
Bagdad, I: De lafondation de Bagdad au début du /F 6 -
ARNALDEZ Roger, 1911-
A* siècle, Argel, Imprimerie nationale du livre, 1985.
Filósofo francês nascido em Paris, profes- Apresentação e tradução de Miskawayh, Le petil livre
sor titular de filosofia, doutor em letras, du salut, Tunis, Maison árabe du livre, 1987; Aspects
de Ia pensée musulmane, Vrin, 1987; Llslam, Des-
especialista em Islã e pensador cristão. For- clée/Novalis, 1988; Jesus dans Ia pensée musulmane,
mado por Gabriel Mareei, Roger Arnaldez Desclée, 1988; Réflexions chrétiennes sur les mistiques
vê no pensamento antes de mais nada uma musulmans, OEIL, 1989; Les textes philosophiques
busca da autenticidade humana. Desde sua (dir. do volume), vol. IV da Encyclopédie phitosophi-
tese complementar sobre o De Opificio mun- que universelle (publicado sob a dir. de A. Jacob), no
prelo por PUF.
di de Fílon de Alexandria, destaca a impor-
tância do comentário, gênero que lhe parece David DOUYéRE.

central tanto em filosofia como em teolo-


gia: através dele, os problemas fundamen-
tais são incessantemente retomados e for- ASSOUN Paul-Laurent, 1948-
mulados de maneira diferente. Ao estudar os Filósofo francês nascido em Constantina
gramáticos árabes, Roger Arnaldez trabalha (Argélia), professor titular de filosofia, dou-
as relações entre a questão da língua, do pen- tor, antigo aluno da Ecole normale supérieu-
samento e da fé. Louis Massignon o fez des- re (Saint-Cloud), professor da Universidade
cobrir que no Islã "os filósofos eram margi- Paris VII e psicanalista. Co-dirige o Labora-
nais", e o estimulou a estudar as ciências co- tório de Psicologia Clínica Paris VII e o
rânicas e a mística muçulmana nos comen- URA "Psicanálise e práticas sociais da saú-
tários do Alcorão, sobretudo os de Fakhr al- de" (CNRS/Universidade Picardie). Parale-
Din al-razi. Com a Risala de Qushayri, dis- lamente à formação filosófica (Sorbonne,
tingue no homem três níveis: o da alma, ENS), fez formação em psicologia clínica e
nafs (estações da vida consciente, tempo patológica, em ciências sociais (Fundação
contínuo), do coração, qalb (momentos pri- Nacional das ciências políticas, estudos de
vilegiados da existência, dons gratuitos de direito público e história) que se cristalizou
Deus num tempo descontínuo) e do espírito, numa investigação sobre a psicanálise e o
rüh (descoberta da obra de Deus no fundo freudismo. Reflexão em três níveis: pesqui-
de si). Ao aproximar pensamento islâmico e sa crítica sobre as condições de possibilida-
filosofia ocidental, participa do diálogo is- de do saber psicanalítico (epistemologia),
lâmico-cristão. Professor emérito de islamo- descrição das conseqüências do sintoma no
logia na Sorbonne, Roger Arnaldez é mem- plano da escuta e da escrita (clínica), cons-
bro do Instituto de França (Academia das trução de uma teoria do laço social baseada
Ciências Morais e Políticas), membro asso- nas conclusões da epistemologia psicanalí-
ciado da Academia Real da Bélgica, e mem- tica e desembocando numa verdadeira "clí-
bro correspondente da Academia de Língua nica do social". Esse trabalho de investiga-
Árabe do Cairo. ção desenvolveu-se em diversos quadros de
ASSOUN XXIII ASSOUN

ensino e sobretudo nas cátedras ocupadas tico, se impôs: desde Freud et Ia femme
na Universidade de Nimègue (Países Bai- (1983) até os estudos sobre Le pervers et Ia
xos) a partir de 1982, na Universidade de femme (1989) e Le couple inconscient.
Picardie desde 1989 e na Universidade de Amour freudien et passion postcourtoise
Paris VII desde 1992. Dirige a coleção "Phi- (1992). O trabalho de síntese Le freudisme
losophie d'aujourd'hui" da Presses Univer- (1990) desempenhou função de balanço e,
sitaires de France - desde 1980 - voltada para de certa forma, de "manifesto" metodológi-
a promoção, na atualidade de seus desafios, co para essa pesquisa que tende a conciliar
da função critica do logos filosófico, con- o rigor de um exame dos textos fundamen-
vocado a se pensar até a sua alteridade e nas tais e a fecundidade de um saber (psicanalí-
suas fronteiras. tico) em plena dinâmica.
A investigação concretizou-se com a pu- Deve-se destacar também a importância
blicação de dezoito obras e de cerca de du- atribuída, para fundamentar essa pesquisa,
zentos artigos, entre 1976 e 1993. Trata-se às edições críticas de textos fundamentais
de pensar radicalmente a ruptura epistêmica desconhecidos e determinantes dos contex-
que o pensamento freudiano sobre o sujeito tos das principais obras: Lintérêt de Ia psy-
operou no plano do saber, da "ética" e do chanalyse de S. Freud (1980), Vhomme-
social. machine de J. Offray de Ia Mettrie (1981),
1 / Na vertente da epistemologia freudia- De l'origine des sentiments moraux de Paul
na: categoria construída desde Freud, laphi- Rée (1982), Pour une évaluation des doctri-
losophie et les philosophes (1976), Freud et nes de Mach de Robert Musil (1985). A tra-
Nietzsche (1980), Freud et Wittgenstein dução de várias das obras e a repercussão
(1988) a partir de uma arqueologia da con- que essa pesquisa teve nos programas cien-
junção psicanálise/filosofia, e depois elabo- tíficos das universidades parecem ir ao en-
rada em si mesma da Introduction à l 'epis- contro, no plano internacional, de uma ne-
temologie freudienne (1981) à Introduction cessidade de implicar o ato de fundação freu-
à Ia métapsychologie freudienne (1993). diano na condição contemporânea de um
2 / Na vertente da teoria do social, a in- pensamento sobre o sujeito.
vestigação encontrada em Marx et Ia répé- • Freud, Ia philosophie et les philosophes, PUF, 1976;
Marxisme et théorie critique (com G. Raulet), Payot,
tition historique (1978), seguida de uma 1978; Marx et Ia répétition historique, PUF, 1978; apre-
confrontação com UEcole de Francfort sentação, tradução e comentário de Intérêt de Ia psy-
(1987) sobre o sujeito e a ideologia, desem- chanalyse de S. Freud, Retz, 1980; Freud et Nietzs-
bocou, depois de um desvio desconstrutivo che, PUF, 1980, 1982; Introduction à l 'epistemologie
freudienne, Payot, 1981, 1990; apresentação e comen-
pela epistemologia do sujeito inconsciente, tário de Vhomme-machine de J. Offray de Ia Mettrie,
numa síntese, Freud et les sciences socia- Denoêl-Gonthier, 1981; apresentação e comentário de
les (1993): trata-se de extrair todas as con- De l'origine des sentiments moraux de Paul Rée,
seqüências do conceito freudiano de Mal- PUF, 1982; Freud et Ia femme, Calmann-Lévy, 1983,
estar na civilização para uma leitura dos 1993; Uentendement freudien. Logos etAnanké, Galli-
mard, 1984; edição crítica de Pour une évaluation des
impasses subjetivos no seio do social (o doctrines de Mach, de Robert Musil, PUF, 1985;
que repercutiu concretamente no âmbito L'Ecole de Francfort, PUF, "Que sais-je?", 1987,
da pesquisa coletiva realizada no URA "Psi- 1990; Freudet Wittgenstein, PUF, 1988; Le pervers et
canálise e práticas sociais..." acima mencio- Ia femme, Anthropos/Economica, 1989; Le freudisme,
PUF, "Que sais-je?", 1990; Le couple inconscient.
nado). Amour freudien et passion postcourtoise, Anthro-
3 / Na vertente clínica, um trabalho sobre pos/Economica, 1992; Introduction à Ia métapsycho-
a escrita literária do sintoma serviu de "con- logie freudienne, PUF, 1993; Freud et les sciences so-
ciales, A. Colin, 1993.
traprova", ao passo que a questão da femini-
lidade, como ponto de apoio do saber analí- Markos ZAFIROPOULOS.
BOURGEOIS XXIV BOURGEOIS

BOURGEOIS Bernard, 1929- conceito, para uma inserção da razão no


Filósofo francês nascido em Varennes- movimento histórico. O resto, todo o resto,
Saint-Sauveur, antigo aluno da Ecole nor- a filosofia da história e do direito, o projeto
male supérieur, professor titular de filoso- enciclopédico, eram tidos como superações
fia, doutor, professor nas Universidades de ilegítimas, como tentativas patéticas e pito-
Lyon III e Paris I-Sorbonne. Totalmente rescas de fechar o sistema para além de suas
dedicada a uma meditação crítica sobre a possibilidades conceituais, eram analisados
maior filosofia contemporânea, a filosofia como uma queda no neo-aristotelismo, lá
alemã, a obra de Bernard Bourgeois propõe onde Kant e Fichte tinham reatado com a
uma releitura dos grandes textos e dos prin- pureza do projeto platônico. A obra de Ber-
cipais autores que a compõem - Kant, Fichte nard Bourgeois, tanto no seu movimento fi-
e Hegel - rompendo com os protocolos de losófico como na sua ambição especulativa,
leitura e de comentário então em uso na tra- empenha-se em desfazer essa pretensão fran-
dição filosófica francesa. A problemática cesa a "prejulgar o projeto hegeliano", e des-
da recepção hegeliana na França foi desde o sa forma permite estabelecer uma nova lei-
início dominada pelo tema de sua "supera- tura dessa filosofia a partir da qual, por re-
ção", de sua redução a uma unidade exclu- corrência, ela compreende a filosofia clássi-
siva, permitindo assim a aplicação imediata ca alemã no seu conjunto.
de um princípio tácito de seleção no seio da A obra de Bernard Bourgeois sistematiza
obra. Por isso, a leitura francesa de Hegel também dois pontos de vista metodológicos
naturalmente defendeu "o método contra o que tinham ficado separados na filosofia
sistema" a exemplo de Marx, ou, na tradi- francesa: o do último Cavaillès, "não preci-
ção neo-romântica instaurada por Kojève, samos mais de uma filosofia da consciên-
fez da fenomenologia o romance insupera- cia, necessitamos agora de uma filosofia do
do da consciência, irredutível às tentações conceito" e o de Martial Gueroult, restituir
da filosofia exterior do conceito. Dessa ma- à obra filosófica seus protocolos de leitura
neira, a tradição francesa provocava uma segundo a ordem das razões. A meditação
ruptura do campo da filosofia clássica ale- crítica de Bernard Bourgeois conduz a uma
mã em dois blocos distintos e insuperáveis: série de resultados que recolocam a obra de
por um lado, uma síntese cognitiva que, por Hegel no desenvolvimento que é verdadei-
Kant, desembocava na doutrina da ciência ramente seu: o pensamento da totalidade, o
de Fichte e estabelecia um deslocamento projeto, através da especulação, de instaurar
dos limites do entendimento pela instaura- o momento do auto-engendramento do es-
ção da liberdade prática. Essa síntese era pírito, de onde procederão as totalizações
pensada como uma espécie de via alemã ru- parciais que só podem ser compreendidas
mo à razão cartesiana ou rumo ao cogito dentro da própria tensão: por isso, o período
prático, estabelecimento e fundamento do de Frankfurt é analisado, diferentemente de
direito na vontade livre. Por outro lado, uma Lukács, como a primeira formulação da dia-
fenomenologia histórica propriamente he- lética entre necessidade e liberdade e não
geliana, que já não representava uma elabo- como um grito de revolta jacobina ao qual a
ração sobre a crítica precedente, mas sim- obra posterior não teria sido fiel. A leitura
plesmente a meditação sobre a constituição hegeliana da filosofia última de Fichte
pela história e na história, de uma liberdade como automovimento impõe também uma
e de uma razão por sua vez já pensadas, fa- exposição nova dessa filosofia, geralmente
zendo o projeto hegeliano pender para uma considerada na França (J. Vuillemin) a par-
síntese antipredicativa dos conteúdos de tir do kantismo e que é apreendida por Ber-
pensamento, para uma gênese sensível do nard Bourgeois na sua relação com a dialé-
tica hegeliana, que conduz da consciência
BOURGEOIS XXV DELEULE

ao conceito e do conceito à realização da longe de tentar sobrepujar o projeto hegelia-


Idéia. Essa tensão rumo ao restabelecimen- no extraindo por comodidade tal ou tal
to da efetividade do texto hegeliano conduz método, tal ou tal fragmento vivo, mas que-
ao trabalho central de B. Bourgeois, que é rendo se confrontar com seus objetos fun-
ao mesmo tempo filológico, no sentido de damentais - o Estado, a vida ética, a liber-
exposição histórica dos conceitos que Croce dade, a decisão -, permite avaliar seu alcan-
dava a esta palavra, e filosófico, no sentido ce histórico, sua atualidade e efetividade na
mais elevado: a tradução e o comentário da história da filosofia, e propõe também a ver-
Encyclopédie des sciences philosophiques dadeira filosofia de nosso tempo que é a fi-
(Ciência da lógica, Direito e filosofia do es- losofia do Estado livre. Como a composi-
pírito). Aqui, Bernard Bourgeois recoloca ção musical, a grande composição filosófi-
no centro da compreensão de Hegel a lógica ca supõe sempre o domínio das obras.
dialética, ou seja, o projeto de dar conta, ao
• Hegel à Francfort ou judaisme, christianisme, hégé-
mesmo tempo, do movimento do pensa- lianisme, Vrin, 1970; Uidéalisme de Fichte, PUF, 1968;
mento e da permeação, por ele, de uma his- Hegel, Encyclopédie des sciences philosophiques. Ia
tória da filosofia cuja expressão necessária, science de Ia logique, texto apresentado, traduzido e
por sua vez, é deduzida desse mesmo pen- anotado por Bernard Bourgeois, Vrin, 1986; Encyclo-
samento. A própria exposição de Bernard pédie des sciences philosophiques, philosophie de l 'es-
prit, texto apresentado, traduzido e anotado por Ber-
Bourgeois evitará o ponto de vista fácil de nard Bourgeois, Vrin, 1988; i a pensée politique de He-
exterioridade em relação ao texto hegelia- gel, PUF, 1969; Hegel: des manières de traiter scienti-
no, para melhor extrair dele seu motor inter- fiquement du droit naturel, tradução e notas, Vrin,
no e a confrontação inevitável com aqueles 1972; Hegel: textes pédagogiques, apresentação e tra-
dução, Vrin, 1978; Le droit naturel de Hegel, comentá-
sistemas filosóficos (Kant, Fichte e Espi-
rio, Vrin, 1986; Philosophie et droits de l 'homme, PUF,
nosa) que são seus principais interlocutores. 1990; Eternité et historicité de Vespril selon Hegel,
Retomando assim a ordem das razões do Vrin, 1991; Etudes hegeliennes, raison et décision,
PUF, 1992.
próprio Hegel, Bernard Bourgeois interroga
os diversos elementos da dialética descen- Blandine KRIEOEL
dente hegeliana: a filosofia do direito que
aparece desde o período de Iena, ligada a
uma crítica do empirismo historicista, a fi- DELEULE Didier, 1941-
losofia do Estado, concebida como gênese Filósofo francês, professor titular de filo-
concreta da liberdade, a pedagogia. Bernard sofia em 1966, professor assistente na Uni-
Bourgeois dedica uma série de estudos à versidade de Besançon de 1969 a 1981, de-
compreensão da obra hegeliana na cultura pois professor na Universidade de Rennes,
de sua época. Didier Deleule é atualmente professor na
Portanto, em pleno apogeu do marxismo Universidade de Paris X-Nanterre. Além das
e da filosofia existencialista, B. Bourgeois edições e traduções de Bacon, Berkeley,
participa de um retorno ao texto que pole- Hume, devemos a ele numerosos trabalhos
miza com todos os pressupostos da época, e sobre psicologia, como La psychologie, my-
sua obra, muito hegelianamente, é supera- the scientifique (1969) e Le corps productif
ção e restauração. Para a superação dos pon- (em colaboração com F. Guéry, 1972), e
tos de vista, o texto é esmiuçado por meio sobretudo uma importante tese sobre Hume
da explicitação de sua intenção lógica e pela et Ia naissance du libéralisme économique
compreensão orquestral de cada período. (1979). Embora os trabalhos universitários
Seria uma tarefa inútil procurar aqui lapso de Didier Deleule o tenham imposto como
ou desconstrução. Essa reestruturação é su- especialista em filosofia inglesa e no pensa-
peração no sentido de que, diferentemente mento político clássico, seus estudos sobre
de seus predecessores, Bernard Bourgeois, psicologia, de inspiração mais polêmica,
DUMONT XXVI DUMONT

não devem ser dissociados de um projeto ciências humanas, professor de história da


geral propriamente filosófico. Esse projeto, filosofia na Universidade Charles-de-Gaulle,
cujo espírito não deixa de ter pontos em co- Lille III.
mum com aquele outrora empreendido por A profunda formação de Dumont em ma-
Michel Foucault, pode ser definido em pri- temática, física e ciências naturais poderia
meiro lugar como uma arqueologia das tê-lo levado a fazer carreira nas ciências se,
ciências do homem. La psychologie, mythe durante todos os seus estudos literários, não
scientifique e Le corps productif remontam tivesse prevalecido seu interesse pela dimen-
às fontes da instituição da psicologia como são filosófica dos problemas científicos. A
"ciência", para definir ao mesmo tempo tese de 1970 sobre Le scepticisme et lephé-
seus fundamentos filosóficos, suas orienta- nomène, elogiada por uma crítica unânime e
ções ideológicas e sua função em relação ao premiada pela Academia de Ciências Mo-
sistema socioeconômico do capitalismo li- rais e Políticas, trazia a marca dessa dupla
beral. A obra-mestra sobre Hume et Ia nais- mathésis. Essa história profundamente eru-
sance du libéralisme économique, além de dita da dúvida filosófica através dos tempos
renovar a interpretação do pensamento hu- extrapolava a problemática clássica do co-
miano a partir de seu aspecto antropológi- nhecimento (Dado um objeto: o que pode
co, constitui um vasto estudo sobre a inter- um sujeito apreender e dizer dele?) na dire-
relação e a transformação dos modelos (eco- ção de um fenomenismo inventoriado de
nomia doméstica, teorias fisiológicas, prin- maneira exata e, finalmente, da gênese de
cípios fundamentais da física newtoniana toda filosofia original a partir de suas fon-
etc.) a partir dos quais se formaram, na obra tes, e das fontes de suas fontes. Pois aqui,
de Hume em particular, a economia política por um notável desdobramento, é o próprio
e a doutrina do liberalismo. Essa arqueolo- ceticismo (ou melhor, o pirronismo), visto e
gia das ciências do homem, longe de ser interpretado por tantos autores em função
puramente histórica, constitui também uma de a priori disparatados, que se revela um
reflexão fundamental sobre a causalidade fenômeno oriundo do encontro entre os tes-
em filosofia e na história das idéias. temunhos e o pensamento, ele mesmo orien-
• La psychologie, mythe scientifique, Robert Laffont, tado, que os recolhe. Númeno inapreensí-
1969 (trad. italiana, Milão, 1971; trad. espanhola, Bar- vel, também o pirronismo não sofre senão
celona, 1972); Le corps productif (em colaboração com de conhecimento fenomenal. De um golpe
F. Guéry), Mame, 1972; apresentação, tradução e notas só, Dumont alterara as perspectivas, intoca-
de Abrègé du traité de Ia nature humaine de Hume,
Aubier, 1971; apresentação, tradução e notas de Leltre das desde Saisset e Brochard, e renovara
à un ami (1745) de Hume, Les Belles Lettres, 1977; uma questão há muito debatida: longe de ser
Hume et Ia naissance du libéralisme économique, Au- um niilismo, o ceticismo bem poderia ser a
bier, 1979 (trad. italiana, Roma, 1986); apresentação e condição de qualquer empreendimento filo-
comentário de Etiquete sur 1'entendement humain de
Hume, Nathan, 1982; apresentação, tradução e notas de
sófico lúcido.
De l 'obéissance passive de Berkeley, Vrin, 1983; apre- Atento à filogênese tanto quanto à onto-
sentação, tradução (em colaboração com G. Rombi) e gênese de toda filosofia, Dumont logo par-
notas de Récusation des doctrines philosophiques (e
outros opúsculos) de F. Bacon, PUF, "Epiméthée",
tirá em busca dos estratos, das camadas de
1987; Le commenlaire de lextes de philosophie (em interpretações sucessivas que os filósofos
colaboração com F. Guery e P. Osmo), Nathan, 1990. deixaram uns dos outros, remontando a tão
longe quanto lhe permitam o estado dos ves-
Denis KAMBOUCHNER.
tígios documentais, em busca daquelas filo-
sofias "fósseis" e já tão perfeitamente for-
madas que a tradição as denomina de "pré-
DUMONT Jean-Paul, 1933- socráticas". Em 1988, publica a primeira
Filósofo francês nascido em Paris, profes- edição exaustiva delas em língua francesa,
sor titular de filosofia, doutor em letras e obra agora clássica.
DUMONT XXVII GRENIER

Seu perfeito conhecimento da história e GRENIER Hubert, 1929-


da pré-história do pensamento grego possi- Professor de filosofia francês, antigo alu-
bilitou a Dumont retomar o trabalho em vá- no da Ecole normale supérieure, professor
rios sítios arqueofilosóficos até então insu- titular de filosofia, Hubert Grenier lecionou
ficientemente explorados, ou deixados ao inicialmente nos cursos preparatórios para a
abandono pois aparentemente tudo já fora entrada na Ecole normale supérieure no li-
dito sobre eles. Daí seus vários estudos pla- ceu de Poitiers e depois no liceu de Lakanal.
tônicos, em particular aquele (Bibliogr.) Desde 1966, é o professor desse curso pre-
em que ele fez aparecer com genialidade a paratório no liceu Louis-le-Grand.
simetria entre o jogo dialético "prenhe de
Hubert Grenier pertence à linhagem da-
realidade" do Parmênides e a analogia cos-
queles grandes professores de filosofia que
mognoseológica da linha, em República
marcaram gerações de aprendizes de filóso-
VI, 509 b ss: o "neoplatonismo" não deixa-
fos e que são lembrados como mestres por
va de ser a continuação do platonismo. De
todos os seus alunos, independentemente do
maneira semelhante, a Introduction à Ia
que estes venham a se tornar mais tarde. Um
méthode d'Aristote permite compreender
mestre da reflexão, alguém que "desperta"
"por que Aristóteles tornou-se Aristóteles",
o pensamento considerando que seu papel
em vez de envelhecer no platonismo de
consiste, acima de tudo, em devolver à filo-
seus anos de juventude: platônico, o Esta-
sofia seu verdadeiro lugar, sem outro méto-
girita continua sendo, mas de outra manei-
do senão o da exigência, do rigor e da inte-
ra, mutação decidida por uma mudança de
ligência em ação. O ensino de Hubert Gre-
método.
nier é um questionamento, quase uma pro-
Além dessa inestimável restituição do vocação, porque uma das principais fun-
passado filosófico grego, depurado das fal- ções da reflexão filosófica é "perturbar o
sas evidências e apresentado da maneira mundo".
mais próxima ao que ele foi, há na obra de
"Não cabe à filosofia passar pela vida,
Dumont uma dupla lição de método, auten-
cabe à vida passar pela filosofia (...), cabe à
ticamente grega ela também: mètis e phro-
filosofia instalar-se em nós como vida, úni-
nèsis, a inteligência astuta que persegue o
ca vida, na e pela teoria", escreve ele em sua
despercebido, e a prudência que avalia os
obra dedicada a La connaissance philoso-
resultados. O filósofo é cético já que não
phique que, além do fato de constituir uma
pode ser um deus.
indispensável propedêutica para todo apren-
• J.-P. Dumont, La philosophie antique, PUF, 8a ed., dizado do pensamento filosófico, constitui
1993; Les scepiiques grecs, PUF, 2 a ed., 1992; Les so-
phistes, fragments ei témoignages, PUF, 1969; Notre- um ensaio critico, quase um requisitório. Es-
Dame des Tarots, Lherne, 1970; Le scepticisme et le sa defesa da filosofia como totalidade, lon-
phénomene. Essai sur Ia signification et les origines ge de todo dogmatismo, a despeito das opi-
du pyrrhonisme (1972), Vrin, 2? ed., 1986; Introduc- niões categóricas que fustigam tanto o dis-
tion à Ia méthode d'Aristote, Vrin, 2? ed., 1992; Les
Présocraliques, edição estabelecida por J.-P. Dumont,
curso científico como a confusão tagarela
com a colaboração de D. Delattre e de J.-L. Poirier, de uma pseudofilosofia que repousa apenas
Gallimard, 1988; Les écoles présocratiques, Galli- no subjetivo, no derrisório ou nas ideologias
mard, 1991; Lucien, Hermotime, suivi d 'un essai sur da moda, permite a Hubert Grenier afirmar
les rires du philosophe, PUF, 1993; "Modele dialecti-
a própria vocação do ensino da filosofia. É
que et modele cosmologique dans Ia construction du
Parménide de Platon", in Modeles et interprétation, a essa questão que também dedica, em 1974,
PUL, 1978; Elèments d'histoire de Ia philosophie sua comunicação à Academia das Ciências
antique, F. Nathan, 1993 (Manual pedagogicamente Morais e Políticas sobre o tema "Difficultés
articulado). et exigences de 1'enseignement de Ia philo-
Lucien JERPHAGNON. sophie aujourd'hui".
HULIN XXVIII HULIN

Seus centros de interesse tendem mais par- bre o fenômeno do ego e aquela, conexa, so-
ticularmente para a filosofia contemporânea bre a autoconsciência desempenham efeti-
e as questões éticas: dedicou diversos arti- vamente um papel fundamental nas diversas
gos a filósofos como Alain, Michel Foucault, escolas doutrinais indianas, e se a noção de
Claude Bruaire, Michel Alexandre, bem como ahamkara ou de ego é conceitualmente cen-
a Charles Renouvier. tral nos diversos sistemas filosóficos india-
• La connaissance philosophique, Masson, 1973; Les nos, é porque, como demonstra M. Hulin
grandes doctrines morales, PUF ("Que sais-je?"), 1989. apresentando as diversas teses defendidas a
Marie-Agnès MALFRAY. respeito, estão no cerne de suas respectivas
soteriologias, na própria medida em que a
reflexão sobre seu status abre o mesmo nú-
HULIN Michel, 1936- mero de vias possíveis de superação da in-
Filósofo e indianista, professor da Uni- dividualidade. Por outro lado, empenhou-se
versidade de Paris-Sorbonne, onde ocupa a em apresentar o corpus dos textos fundado-
cadeira de filosofia comparada (Índia-Oci- res e em expor a doutrina original e muito
dente). Foi depois de sair da Ecole normale complexa de um dos principais sistemas fi-
supérieure da rue d'Ulm que se especiali- losóficos indianos, o Samkhya clássico, cuja
zou nos estudos indianos clássicos e que ontologia dualista é bastante diferente da-
viveu muito tempo na índia. Discípulo de quela da tradição dualista do Ocidente, em
O. Lacombe e de M. Biardeau, formado tan- Samkhya Literature (History oflndian Lite-
to na tradição filosófica ocidental como nas rature, vol. VI, fase. n? 3, Wiesbaden, Otto
filosofias da índia, que conhece de forma Harrassowitz, 1978).
admirável, mas também aberto para a ciên- Em segundo lugar, devemos a M. Hulin
cia das religiões, a antropologia religiosa e traduções anotadas de seções de várias obras-
a psicologia das profundezas, é autor de uma mestras do pensamento indiano tais como o
obra importante tanto pela qualidade como Tripurâhasya ou Doctrine secrète de Ia
pela quantidade, que lhe confere um lugar Déesse Tripura (Documents spirituels,
de destaque entre os filósofos comparatistas Fayard, 1979), o Yogavasistha com Septs ré-
e os indianistas contemporâneos. Suas in- cits initiatiques tires du Yoga-Vasistha (L'Au-
vestigações articulam-se em torno dos se- tre Rive, Berg International, 1987), duas
guintes três eixos principais. obras-primas da literatura tântrica ou sakti-
O estudo histórico-crítico, a partir dos tex- ca, o Mrgendragama (Publ. do Instituto Fran-
tos sânscritos originais, dos principais filo- cês de Indologia de Pondichéry, 1981), e o
sofemas indianos e das doutrinas aferentes, Upadesasahasri ou Traité des mille enseig-
a restituição das problemáticas nas quais eles nements de Sankara, a obra-prima da maiêu-
se inscrevem e das polêmicas que entre elas tica vedântica, em Qu 'est-ce que l 'ignoran-
se estabelecem, e, por fim, sua perspectiva- ce métaphysique? (Pré-textes, Vrin, 1993).
ção e sua confrontação com as problemáti- Mas M. Hulin também se interessou pela re-
cas e os filosofemas de nossa tradição for- cepção das doutrinas orientais no Ocidente,
mam o primeiro eixo. São as abordagens in- em particular pela interpretação hegeliana
dianas da questão da individuação e do fe- do "Oriente" em Hegel et 1'Orient, suivi de
nômeno do ego que conformam a temática Ia traduction annotée d'un essai de Hegel
de sua obra-mestra, Le príncipe de l 'ego dans sur Ia Bhagavad-Gita (Vrin, 1979), inter-
Ia pensée indienne classique. La notion de pretação de ordem histórico-especulativa
d'Ahamkara (Publicações do Instituto de que ele ressitua não só no contexto da época
Civilização indiana, série in-8?, fase. nP 44, mas também no quadro geral de sua doutri-
Collège de France, 1978). Se a reflexão so- na, e cujos valor e limites ele avalia.
HULIN XXIX LECOURT

Por fim, numa investigação mais pessoal, ção em muitas obras coletivas como a En-
a reflexão de M. Hulin procurou estudar o cyclopédie philosophique universelle (PUF),
problema com que depara uma reflexão fi- o Atlas universalis des religions etc. Dirige a
losófica preocupada em não negligenciar seção orientalista do Dictionnaire de l'éso-
nenhuma das dimensões da experiência hu- térisme (no prelo por PUF), e o volume (em
mana diante de certas experiências-limite preparação) da "Encyclopédie de Ia Pléiade"
decorrentes do que se convencionou chamar dedicado às Philosophies de Vinde.
de "estados alterados de consciência", por • Le príncipe de l ego dans Ia pensée indienne classi-
um lado, e pelo fenômeno místico entendi- que. La notion de d'Ahamkãra, Institut de civilisation
do em sentido amplo, por outro. Num livro indienne, Collège de France, 1978; Sàmkhya Literature.
tão estimulante quanto apoiado numa erudi- History of Indian Literature, Wiesbaden, 1978; La doc-
ção discreta, fecunda e impecável - La face Irine secrète de Ia Déesse Tripurâ, Fayard, 1987; Septs
récils initiatiques tires du Yoga-Vasistha, UAutre Rive,
cachée du temps (Fayard, 1985) -, depois de 1987; trad. do Mrgendragama, Institut français d'Indo-
retraçar a gênese das principais representa- logie, Pondichéry, 1981; Hegel et 1'Orient, seguido da
ções do além forjadas ao longo dos séculos tradução anotada de um ensaio de Hegel sobre a Bhaga-
pela imaginação escatológica, ele define os vad-Gitâ, Vrin, 1979; La face cachée du temps, Fayard,
dilemas com os quais a reflexão filosófica 1985; Qu'est-ce que 1'ignorance métaphysique?', Vrin,
1993; La mystique sauvage, PUF, 1993.
necessariamente depara a esse respeito e se
interroga sobre as condições de possibilida- François CHENET.
de de sua eventual superação a partir de
uma afirmação metafísica da não-morte ou
da imortalidade enraizada em certas expe- LECOURT Dominique, 1944-
riências-limite de importância capital, mas Filósofo francês, antigo aluno da Ecole
em geral desconhecidas pela tradição filo- normale supérieure da rue d'Ulm (1965),
sófica. Analisando em seguida os relatos professor titular de filosofia (1969), doutor
que dão testemunho de experiências do "sen- em letras (1980). Professor de filosofia na
timento oceânico", como o denomina Freud Universidade de Picardie desde 1984, depois
na esteira de R. Rolland, e passando em Denis-Diderot, Paris VII (UFR de Física)
revista as várias interpretações já propostas desde 1989, onde leciona epistemologia e
de tais experiências, sua reflexão em La história das ciências. Envolvido em inúme-
mystique sauvage (PUF, 1993) tenta eluci- ras missões, ocupou funções diversas: espe-
dar o pano de fundo filosófico capaz de dar cialista da divisão de Direitos do Homem na
conta da própria possibilidade do fenômeno UNESCO (1977-1990), membro do Conse-
místico, antes de sua apropriação pelas reli- lho Superior das Universidades (1982-1984),
giões institucionalizadas. membro do Comitê Nacional do CNRS
É assim que a reflexão de M. Hulin, favo- (1982-1985). Fundador em 1984, com Jac-
recida ademais por uma escrita que alia ele- ques Derrida, François Châtelet e Jean-Pier-
gância e precisão, distingue-se, pela abertu- re Faye, do Collège international de Philo-
ra de seu campo e a radicalidade de seu sophie. Professor convidado em várias uni-
questionamento metafísico, por recuperar versidades estrangeiras (Estados Unidos,
as questões filosóficas envolvidas na con- Canadá, México...), participou, na qualida-
frontação entre as grandes doutrinas do Oci- de de conselheiro técnico, do gabinete do
dente e do Oriente, possibilitando que o ministro da Educação Nacional de 1983 a
campo do pensamento se abra para questões 1985. Nomeado reitor da Academia, em
até então interditas ou negligenciadas. M. 1986, dirigiu o Centre national d'Enseigne-
Hulin foi professor convidado em várias ment à distance de 1985 a 1988. É membro
universidades estrangeiras e participou das correspondente da Academie européenne
conferências de Eranos. Deu sua contribui- des Sciences, des Lettres et des Arts desde
LIBERA XXX LIBERA

1990. Depois de dedicar vários estudos à cas e filosóficas da Idade Média tardia, de-
obra epistemológica de Gaston Bachelard, dicando-se a uma "história dos estados da
seus trabalhos desenvolveram-se em duas razão" que abre espaço para as diversas for-
direções: uma crítica das tradições epistemo- mas da racionalidade filosófica e religiosa.
lógicas dominantes (o positivismo, Popper...) Seu campo de pesquisa estende-se, pois, da
e a análise de "casos" que manifestam a história da lógica medieval (Abelardo, a
intricação da ciência com a política (caso lógica "terminista") à mística especulativa
Lyssenko) e a religião (o "criacionismo (Mestre Eckhart, a mística renana). Preocu-
científico" americano). Seu trabalho de epis- pado em fundamentar a história das doutri-
temologia histórica desenvolve-se em con- nas numa prática filológica e histórica bem
tato direto com o meio científico, visando como filosófica, A. de Libera propõe uma
mostrar a filosofia em ação na própria pes- abordagem da Idade Média centrada nas
quisa, suas incidências sociais e implica- fontes manuscritas, o que o leva a afirmar
ções éticas. Diretor de várias coleções, di- que o trabalho de edição de textos faz parte
vulga, com os melhores cientistas mundiais, do trabalho de historiador da filosofia. Re-
o pensamento científico de nosso tempo. cusando ao mesmo tempo as dissociações
Além de múltiplos artigos publicados em entre filosofia e espiritualidade ou teologia
vários jornais e revistas internacionais, é escolástica e teologia mística impostas pela
autor de: neo-escolástica do século XIX e os esque-
mas etnocêntricos que enquadram a percep-
• L'èpistèmologie historique de Gaston Bachelard, ção corrente do "Ocidente medieval", esfor-
prefácio de Georges Canguilhem, Vrin, 1969; Pour
ça-se além do mais em analisar a natureza e
une critique de l 'épistémologie, Maspero, 1971; Une
crise et son enjeu, Maspero, 1973; Bachelard, lejour o alcance da influência das fontes árabes
et Ia nuit, Grassei, 1974; Lyssenko, histoire réel d'une sobre o pensamento latino dos séculos XIII
"science prolétarienne", prefácio de Louis Althusser, e XIV e em extrair delas as implicações cul-
1977; Vordre et les jeux, Grasset, 1980; La philoso- turais e políticas para a época contemporâ-
phie sans feinte, Albin Michel, 1982; Contre Ia peur. nea (cf. sobre esse ponto Penser au Moyen
De Ia science à 1'éthique, une aventure infinie,
Age, que define o método e os objetivos da
Hachette, 1990; VAmérique entre Ia Bible et Darwin,
PUF (col. "Science, Histoire et Société"), 1992; A "história dos estados da razão"). Afora suas
quoi sert donc Ia philosophie?, PUF (col. "Politique atividades de ensino, A. de Libera é respon-
d'aujourd'hui"), 1993. sável pela equipe de história do pensamento
Thomas BOURGEOIS.
medieval do "Centre d'Etudes des religions
du livre", URA CNRS/EPHE, n.° 152, dire-
tor do GDR CNRS, n.° 800, sobre "O neo-
LIBERA Alain de, 1948- platonismo medieval" e professor associado
nas Universidades de Pádua, Milão, Fri-
Filósofo francês nascido em Neuilly-sur- burgo (Suíça), Neuchâtel e Rio de Janeiro.
Seine, professor titular de filosofia (1972), Assume também certo número de responsa-
pesquisador do CNRS (1975), foi eleito, em bilidades editoriais: co-diretor da coleção
1985, diretor de estudos da V seção (Ciên- "Etudes de philosophie médiévale" (funda-
cias religiosas) da Ecole pratique des Hau- da por E. Gilson) na editora J. Vrin, diretor
tes Etudes para lecionar "História das teolo- da coleção "Sic et non" da editora J. Vrin,
gias cristãs no ocidente medieval" - uma co-diretor da coleção "Des travaux" das
linha de pesquisa que dá prosseguimento à Edições du Seuil, é membro do comitê de
de seus predecessores, E. Gilson ("História redação dos Archives d'histoire littéraire et
das doutrinas e dos dogmas") e P. Vignaux doctrinale du Moyen Age e "editorial con-
("História das teologias medievais"). Histo- sultam" da The New Synthese Historical
riador do pensamento medieval, também Library.
desenvolve o estudo das doutrinas teológi-
MEYER XXXI MEYER

• Le problème de l 'ètre chez Maitre Eckhart. Logique taria de dar a ele. Meyer chama essa distân-
et métaphysique de I 'analogie, Genebra-Lausanne-Neu- cia de diferença problematológica. Vê nela
châtel, 1980; Maitre Eckhart. Métaphysique du verbe
a manifestação do motor de todo pensamen-
et théologie négative [em colaboração com E. Zum
Brunn], Beauchesne, 1984; Introduction à Ia mystique to, a tensão necessária a toda atividade, o
rhénane. D'Âlbert le Grande à Maitre Eckhart, OEil, princípio atuante de nossa relação com as
1984 (obra premiada pela Academia das Ciências mo- coisas, com outrem e com nós mesmos. Si
rais e políticas); Celui qui est. Interprétations juives et mesmo, o mundo, outrem, temos aí as três
chrétiennes d'Exode 3, 14,eá. porA.de Libera eE. Zum grandes questões metafísicas.
Brunn, Cerf, 1986; Ulrich von Straflburg. De summo
bono, Hamburgo, 1987; Eckhart. Sur Vhumilité, Ar-
A teoria da ciência desenvolvida por
fuyen, 1988; Eckhart. Poème. Suivi d'un Commentaire Meyer constitui uma primeira ilustração con-
anonyme, Arfuyen, 1988; La phitosophie médiévale, creta de suas idéias: o cientista opõe, equivo-
PUF ("Que sais-je?"), 1989; Maitre Eckhart: Commen- cadamente, sua atividade de descoberta (que
taire du Prologue a LEvangile de Jean (UOeuvre lati- consiste em colocar questões) e seu trabalho
ne de Maitre Eckhart, 6), Cerf, 1989; Albert le Grand de justificação (respostas encontradas), que
et Ia Phitosophie, Vrin, 1990 (obra premiada pela
seria o único válido.
Academia francesa); Penser au Moyen Age, Seuil,
1991; Averroès et Vaverroisme [em colaboração com A teoria da linguagem de Meyer visa a
M.-R. Hayoun], PUF ("Que sais-je?"), 1991; César et articular suas diferentes dimensões - prag-
te Phénix. Distinctiones et sophismata parisiens du mática, hermenêutica, retórica (ou argumen-
XIlF siècle, Pisa, 1991; Maitre Eckhart. Traités etser- tação) - com a idéia de questionamento.
mons, GF, 1993.
Quando alguém fala é porque tem em vista
Olivier BOULNOIS. uma questão ou um problema que agita seu
espírito. A pessoa tenta comunicá-la se es-
pera do outro ajuda para resolvê-la, ou en-
MEYER Michel, 1950- tão propõe diretamente uma resposta. A
partir dessa idéia simples, Michel Meyer
Filósofo belga, professor da Universidade pode explicar tanto a argumentação racional
de Bruxelas, diretor da Revue internationa- quanto a teoria da literatura, que, ela tam-
le de Philosophie e diretor de coleção nas bém, põe em jogo a enigmaticidade e con-
Presses Universitaires de France. voca o leitor para responder à solicitação do
Para Meyer, o conceito central é o de pro- sentido.
blema, de questionamento: uma exposição A teoria da consciência também traz à
científica, uma proposição lógica, um texto baila a separação entre a ordem das ques-
literário, um discurso político, uma teoria tões e a das respostas e o perigo de ignorar a
filosófica, uma tomada de posição "apaixo- diferença entre elas. O amálgama é muito
nada" constituem todas tentativas de res- claro em Kant: ou bem o objeto está dado e
ponder a uma ou várias questões. No entan- não precisa mais ser buscado - é o que afir-
to, nunca nenhuma dessas respostas esgota ma a segunda edição da Crítica da razão
totalmente as questões levantadas que rea- pura. Ou bem o objeto não está dado, só um
parecem sob uma forma ou outra; transfor- X o está, e então não se sabe mais o que é
mação esta que Meyer denomina de histori- preciso procurar. É o dilema da primeira
cidade. Mesmo o pensamento que se afir- edição da Crítica da razão pura. E preciso
masse contra a necessidade do questiona- que autoconsciência e consciência do obje-
mento continuaria respondendo, embora a to sejam ao mesmo tempo distintas e idênti-
uma outra problemática, o que seria parado- cas dentro de uma faculdade superior, o que
xal, pois há resposta e problemática. Somos evidentemente é impossível. Por meio desse
inevitavelmente remetidos à única necessi- paradoxo, Michel Meyer dá pela primeira
dade, a da própria interrogação. Continua vez uma solução filosófica para o problema
sempre persistindo uma distância entre o da diferença entre as duas edições da Criti-
problema colocado e a resposta que se gos- ca da razão pura de Kant.
MEYER XXXII MEYER

Quanto à teoria das paixões, ela dá se- daga, 1986; (sob sua direção), Rhétorique et littéralu-
qüência às investigações de Michel Meyer re. Langue française, Larousse, 1988; (sob sua dire-
ção) Questions and Questioning, Berlim-Nova York,
em história da filosofia. Ele consegue mos- Walter de Gruyter, 1988; Science et métaphysique chez
trar que o paradoxo das paixões (para supe- Kant, PUF, 1988; "Aristote ou Ia rhétorique des pas-
rar a paixão preciso da razão, mas como a sions", pósfácio de Aristóteles, Rhétorique des pas-
paixão me cega, não sei que preciso da sions, Petite Bibliothèque Rivages, 1989, 3 a ed., 1991;
razão para combatê-la) nada mais é que o (sob sua direção) Figures et conflits rhétoriques, Ed.
de PUniversité de Bruxelles, 1990; "Descartes selon
paradoxo da razão, impossível ou inútil, um 1'ordre des passions", introdução a Descartes, Les pas-
paradoxo que remete à necessidade de defi- sions de l'âme, Hachette, Le Livre de poche (col. "Les
nir a razão sobre novas bases em vez de se Classiques de Ia Philosophie"), 1990; "Hume ou Ia
entregar ao niilismo ou de entregá-la à redu- passion pour Ia passion", introdução a Hume, Ré-
ção cientificista. flexions sur les passions, Hachette, Le Livre de poche
(col. "Les Classiques de Ia philosophie"), 1990;
Michel Meyer propõe uma visão nova e "Aristote et les príncipes de Ia rhétorique contemporai-
sistemática, não apenas da história da filoso- ne", introdução a Aristóteles, Rhétorique, Hachette, Le
fia, mas das grandes problemáticas contem- Livre de poche (col. "Les Classiques de Ia philoso-
porâneas ao redefinir a racionalidade pelo phie"), 1991; Le philosophe et les passions. Esquisse
d'une histoire de Ia nature humaine, Hachette, Le
conceito de interrogação radical que subjaz
Livre de poche (col. "Biblio-essais"), 1991; Pour une
a toda atividade intelectual. Com isso, esbo- critique de 1'ontologie, Ed. de l'Université de Bruxelles,
ça um verdadeiro projeto metafísico para 1991; Langage et littérature, PUF, 1992, trad. de
nossa época. Meaning and Reading. A Philosophical Essay on Lan-
guage and Literature, Amsterdam, Benjamins, 1983;
• Découverte et justification en science, Klincksieck,
Language, Rhetoric and Knowledge, Pen State Press,
1979; Logique, langage et argumentation, Hachette,
1993; Questions de rhétorique: langage, raison et sé-
1982 (2? ed., 1985); (sob sua direção) De lamétaphysi-
duction, Hachette, Le Livre de poche (col. "Biblio-
que à Ia rhétorique. Essais à Ia mémoire de Perelman,
essais"), 1993.
Ed. de 1'Université de Bruxelles, 1986; De laprobléma-
tologie: langage, science etphilosophie, Bruxelas, Mar- Benoít TlMMERMANS.
A
ABELARDO Pedro, 1079-1142 corrigir sua tese sobre os "universais", o que custa
(Abaelardus, Abelardus) a cátedra a este último, a qual é entregue ao pró-
prio Abelardo. Este, porém, sofrendo pressões di-
As informações que chegaram até nós acerca
deste pensador erudito francês do século XII são versas, acaba por deixá-la, e funda sua própria es-
essencialmente as que se encontram numa carta cola, no monte Sainte-Geneviève.
autobiográfica endereçada a um amigo: Historia Novas solicitações, novos estudos: Abelardo
calamitatum ou História de Minhas Calamidades, interessa-se pela "doutrina sagrada", isto é, por
que pode ser datada de 1132. Abelardo, originário teologia. Como guia nesse caminho, escolhe An-
do burgo de Pallet (Palatium), na Bretanha, próxi- selmo de Laon, o mais renomado mestre da épo-
mo de Nantes, pertencia a uma família da peque- ca. Mas, embora esperasse poder recolher as elu-
na fidalguia; seu pai, Berengário, era grande apre- cidações dispensadas por um espírito penetrante,
ciador das letras e propiciou educação esmerada teve de submeter-se a uma brumosa verborragia:
ao filho mais velho, tanto que Abelardo, declinan- "O fogo que ele acendia enchia-lhe a casa de fu-
do de suas prerrogativas de primogênito, renun- maça sem proporcionar luz alguma." Como re-
ciou à carreira das armas. A partir daí, seduzido presália, Abelardo usa por pretexto uma inter-
pela dialética, percorreu as províncias, peripateti- pretação do livro de Ezequiel, que ele domina
corum emulator, em busca dos lugares onde ela discursivamente, e, por assim dizer, mantém um
era ensinada pelos mestres mais reputados. curso "paralelo" de exegese. Segue-se o conflito,
De início - por volta de 1091-1094 - foi alu- e Abelardo precisa partir. De volta a Paris, obtém
no de Roscelino de Loches, considerado funda- a direção da Escola de Notre-Dame. Sua tenaci-
dor do "nominalismo", cujo objetivo era estabe- dade, seu estilo contestatário, que não se haviam
lecer que os termos gerais ou "universais" são atenuado, e seu orgulho pessoal, eram assim re-
apenas jlatus voeis, emissões vocais que não en- compensados.
contram correspondência na realidade. Mas o destino toma outra direção. Foi então
Depois, em Paris, para conhecer outro tipo de que ocorreram os famosos episódios com Heloísa,
pensamento, Abelardo ouve Guilherme de Cham- cuja educação sentimental ele se propõe realizar,
peaux, mestre dos realistas, para quem os "uni- com sagacidade e relativo cinismo.
versais" existem incondicionalmente. Descrita como adolescentula... per faciem
Muito jovem, não tinha ainda 23 anos, deixa non ínfima: "jovenzinha... nada desprezível fisi-
o estado de estudante e abre uma escola em Me- camente", além de muito culta, era sobrinha do
lum - que na época era residência real - e depois cônego Fulberto, que zelava pelo engrandeci-
a transfere para Corbeil. mento de seu saber. Abelardo urde um estratage-
Apreciador de justas intelectuais, ou "disputas" ma: aloja-se na casa de Fulberto a pretexto de
(disputado), obriga Guilherme de Champeaux a dar aulas a Heloísa. A ligação amorosa entre os
ABELARDO ABELARDO

dois é descoberta; nasce um filho a que dão o no- dor da abadia não foi Dionísio, o Areopagita,
me de Astrolábio. Heloísa rejeita o casamento discípulo de São Paulo. Obtém do grande Suger,
com força e obstinação, mostrando a vida conju- conselheiro de Luís VI, licença para permanecer
gai por um lado ingrato e pondo o título de aman- extra claustra, e funda o oratório do Paracleto,
te muito acima do título de esposa. Afinal, o celi- perto de Troyes.
bato era considerado o estado ideal para filóso- Milhares de discípulos juntam-se a ele rapi-
fos e teólogos, sobretudo da Igreja. damente; seu nome é um catalisador dos intelec-
Seja como for, o casamento é celebrado secre- tuais franceses, o que lhe vale séria oposição. Para
tamente; Fulberto e seu clã, ávidos de reparação, evitar novos ataques, abandona o ensino, tornan-
divulgam o evento. Heloísa empenha-se em des- do-se abade do mosteiro de Gyldas de Rhuys, que
mentir e é submetida a maus-tratos por parte do tenta reformar, chegando a provocar uma suble-
tio; diante disso, o esposo a envia para o mosteiro vação dos monges contra ele.
de Argenteuil. Esse gesto foi mal interpretado: a Pela mesma época, Suger reivindica Argen-
família achou que ele queria divertir-se com ela e, teuil, co-propriedade da abadia de Saint-Denys,
certa noite, Abelardo foi castrado. Após essa muti- expulsando as monjas, cuja priora era Heloísa.
lação, Abelardo se refugia na abadia real de Saint- Abelardo põe Paracleto à disposição delas e,
Denys, ordenando a Heloísa que tome o véu. assim, dez anos depois reencontra Heloísa, "mi-
Começa então um segundo período da vida de nha irmã em Cristo mais que minha esposa". Tro-
Abelardo, não menos agitado que o primeiro. Por cam correspondência. Em 1136, ele abre nova-
solicitação de alunos que desejavam o reinicio de mente uma escola no monte Sainte-Geneviève.
seus cursos, ele volta a ensinar num priorado pró- João de Salisbury, que, em seu Metalogicus, o
ximo a Nogent-sur-Seine. Otton de Frising des- chama de peripateticus palatinus, está entre os
creve-o como de acuto acutior, teólogo ainda mais que assistem às suas aulas, ao lado de Arnaldo de
arguto por ter vencido com sucesso as disputas Bréscia. No interregno, ele havia prosseguido
dialéticas. com suas obras teológicas. Theologia Christiana
Entre 1119 e 1120, compõe o tratado De unita- data de 1123, aproximadamente, seguida por In-
te et trinitate divina, chamado também de Theo- troductio ad theologiam, assim como por Sic et
logia Summi Boni, destinado a refutar a doutrina Non, expositio sobre a Epístola aos Romanos, e
de Roscelino, mas segundo suas palavras: "Ocor- Scito te ipsum, obra de ética.
reu que eu estava empenhado inicialmente em A retomada do ensino reacenderá velhos ran-
tratar do próprio fundamento de nossa fé, utili- cores mal sufocados. Um discípulo de São Ber-
zando similitudes da razão humana. [...] Meus nardo, Guilherme de Saint-Thierry, escreve, en-
alunos exigiam razões humanas e filosóficas, tre 1138 e 1139, uma disputatio adversus Petrum
[...] alegando que seria inútil um enunciado ver- Abaelardum. Nosso filósofo bretão é novamen-
bal que não fosse seguido pela compreensão, que te condenado pelo Concilio de Sens, quando,
não se pode crer naquilo que antes não se com- doente, se dirigia para Roma a fim de recorrer
preendeu." Seus alunos não queriam ater-se ape- ao papa. As proposições enunciadas em Intro-
nas à letra dos textos sagrados e às glosas apos- ductio ad theologiam são declaradas heréticas.
tas aos escritos dos Padres da Igreja. Abelardo Em sua perambulação, ele é acolhido na abadia
propõe-se "expor os conceitos contidos na for- de Cluny por Pedro, o Venerável, que se empe-
mulação tradicional da fé" (J. Jolivet). O sucesso nha em reconciliá-lo com o contemplativo São
da obra provoca irritação em algumas pessoas. O Bernardo e com o papa. Após dois anos de vida
Concilio de Soissons, em 1121, condena Abelar- de prece e penitência, Abelardo morre em 21 de
do a lançar sua obra nas chamas, e segue-se uma abril de 1142, deixando inacabado o Dialogus
onda de impopularidade dos que o haviam con- inter philosophum, Judaeum et Christianum. Pe-
denado. Fica recluso por algum tempo no mos- dro, o Venerável, concede-lhe uma absolvição
teiro de Saint-Médard; de retorno a Saint-Denys, escrita, que remete a Heloísa. Esta vive ainda um
escandaliza a todos quando afirma que o funda- pouco mais de vinte anos.
ABELARDO ABELARDO

Curiosamente, foi Jean de Meung que, em que não lê grego, só o conhece por meio de ou-
1280, traduziu a Historia calamitatum, que se tros autores ou fragmentariamente. Como já dis-
encontra inserida em Le roman de Ia rose. Bem semos, é na qualidade de discípulo de Roscelino
mais tarde, Rousseau escreverá La Nouvelle Hé- que Abelardo abordou o problema que na época
loise, e Restif de La Bretonne, retomando o te- eclipsava todas as outras questões filosóficas, ou
ma, escreverá Le Nouvel Abélard... seja, o problema dos Universais, do valor "onto-
No século XII, a filosofia corrente é a esco- lógico" de termos universais da lógica, as quin-
lástica. A religião cristã engendra uma concep- que vocês, que se distinguem em gênero, espé-
ção de mundo que é admitida por todos, e a in- cie, diferença, próprio e acidente. Essas idéias
vestigação fundamental esforça-se por tornar in- gerais eram consideradas por Roscelino, funda-
teligível o dado revelado. dor do nominalismo, como simples nomes, de-
De início, vejamos que etapas eram seguidas clarados Universalia sunt nomina, pois a espécie
na formação intelectual. A educação, com o título e o gênero não têm existência fora dos indiví-
global de "artes liberais", dividia-se em trivium e duos, e não há realidade que não seja estritamen-
quadrivium, sendo as primeiras chamadas de te individual. O que não deixa de tocar o domínio
artes sermonicales, e as últimas de artes reales. da teologia. Se o termo "humanidade" designa ape-
Deste díptico, Abelardo só conheceu um dos nas uma coleção de seres humanos, em Deus só as
lados, as "artes do discurso": gramática, dialéti- três pessoas são reais, assim como os indivíduos
ca, retórica. O interesse pelas "artes reais" era nas espécies criadas. Segue-se que a própria Trin-
pequeno. Dedicar-se às artes do discurso é crer- dade é dissolvida. Roscelino, tachado de "triteís-
se apto para a interpretação de textos, sobretudo ta" por Anselmo de Canterbury, foi condenado
as Sagradas Escrituras. O zelo que se exercita na pelo Concilio de Soissons, em 1092. Isso aconte-
controvérsia é animado pela perspectiva do dia- ceu com o primeiro mestre de Abelardo. Os outros
lético, e para o homem de Deus essa não é uma dois, ao contrário, eram realistas que defendiam a
contribuição pequena para a pregação. sententia rerum. "O cavaleiro da dialética" erige-se
em adversário de Guilherme de Champeaux, que,
O que se entendia então por "dialética"? Pa-
"nessa doutrina da comunidade dos Universais,
recia ser uma parte importante da lógica, confun-
ensinava a identidade perfeita da essência em
dindo-se às vezes com esta. "Ciência do discer-
todos os indivíduos de um mesmo gênero, provin-
nimento", é verdade, pois é a arte de distinguir o
do a diversidade destes apenas da multiplicidade
verdadeiro do falso, e também ciência termino-
dos acidentes". "Essência", então, eqüivalia a subs-
lógica voltada para as palavras (vocês), mais que
tantia; essentia é um neologismo criado por Santo
para as coisas (res). Seu satélite fiel é a gramáti-
Agostinho para traduzir o grego óTJCTIOC.
ca. Estudando a mentalidade medieval, H. O.
Taylor definiu-a como obediente a estas três ca- Levando-se ao extremo o modo de pensar se-
racterísticas: grammar, logic, metalogic. Sobre gundo o qual a espécie humana é a mesma em
esse chamado período da "primeira escolástica", cada indivíduo, não seria possível distinguir Só-
cujo iniciador, sob vários aspectos, é Abelardo, crates de Platão, Pedro de Paulo. Guilherme se
podemos nos perguntar qual é o legado da Anti- vê na obrigação de emendar sua própria doutri-
güidade, ao menos que obras faziam parte do na: o universal é "uma coisa que é a mesma não
aprendizado intelectual. Aristóteles, é claro, com pela essência, mas pela não-diferença" (indiffe-
os dois primeiros livros do Organon, Da Inter- renter).
pretação; Porfírio também, através de Isagoge, O dialético torna-se teólogo por haver segui-
da qual Boécio, no século VI, fez uma tradução e do o ensinamento de Anselmo de Laon. A expli-
um comentário. Todas essas obras são tratados cação de um texto sagrado desenvolve-se em qua-
de lógica. No que diz respeito à gramática, a re- tro fases: expositio, lectio, glosare, glosae. As
ferência eram as Instituições de Priciano. As glosas eram compilações de notas de autores an-
influências árabes ou bizantinas ainda não se ha- tigos ou comentários sobre um texto das Escri-
viam manifestado. Quanto a Platão, Abelardo, turas. É o momento em que, imperceptivelmen-
ABELARDO ABELARDO

te, o comentário cede lugar à "questão". Se um lo, mestre, autoridade e também garante), de que
texto ou um aspecto doutrinai é problemático, lado penderá a balança? Não podemos acusar os
precisa de solução, e diversos pontos de vista Padres ou os Santos de mentira ou erro, pois foi
agrupados comporão as coletâneas de "senten- a graça que os visitou: "Não sois vós que falais,
ças". A mais célebre é o sentenciário de Pedro mas o Espírito que fala em vós." Nós é que pode-
Lombardo, aluno de Abelardo. Este último é, em mos ser confundidos por uma acepção estranha
certa medida, o artífice dessa transição. Em teo- ao senso comum, ou por um termo novo, ou por
logia, a ciência está na esfera do sagrado, a dialé- recursos estilísticos desconcertantes; de fato, é o
tica é aplicada à pagina sacra; theologia é uma aspecto polissêmico do texto, diríamos nós, que
palavra nova que Abelardo inaugura. Busca-se e ressalta.
esboça-se uma aliança entre os ensinamentos da Pratica-se também o uso da crítica externa em
revelação e as elaborações da razão. É uma abor- caso de livro apócrifo ou de erro de copista. Du-
dagem crítica do dogma, e contra esta intrusão bitando enim ad inquisitionem venimus. A inter-
da razão São Bernardo lutará, rejeitando a tirania rogação e a dúvida levam à sabedoria. Como úl-
do teórico sobre o Dado, que, por essência, não timo recurso, só as Sagradas Escrituras perma-
se subordina à Razão. necem. Como diz Abelardo, Cristo criança não
Processo, esquema das obras - O prólogo da interroga os doutores, mas dialoga com eles. O
Introduclio ad lheologiam abelardiana ataca quem dogma de fé prevalece secundum rationem ou su-
afirma a incompetência da dialética no que diz pra rationem, mas não contra rationem. Tal leitu-
respeito à teologia. ra, em vez de minar os textos sagrados, é uma
Como o que percebemos da realidade do mun- busca de concordância, do estabelecimento de
do é submetido a nossos sentidos, é pelo exercí- uma compreensão sã e justa.
cio de nossa razão, que os transcende, que pode- Em ética, pode-se dizer que Abelardo assume
mos atingir a realidade suprema que é Deus. Além posição de "psicólogo", trazendo à tona o subje-
do mais, sempre se poderá tirar proveito das aqui- tivo. O pecado, consentimento no ato delituoso,
sições prodigalizadas pela razão; na luta contra reside na inclinação para o mal. Mas só conta o
os hereges, ela abrirá um caminho apto a edificá- sentido da intenção que produz o ato, o espírito
los. Lembrete etimológico: a palavra "lógica" de- no qual ele se revela. Abelardo afirma que os per-
riva de "Logos", Verbo; a razão, que é sua ema- seguidores de Cristo e dos mártires não peca-
nação, goza de boa reputação junto aos interes- ram, mas agiram em concordância com os desig-
ses da fé: assim como a autoridade, ela tem pro- nios do Alto, fora da fé cristã e da óptica aber-
veniência divina. No entanto, a título de comedi- ta por ela. Se pecaram, foi em estado de igno-
mento, em Theologia Christiana diz-se: Credi rância; portanto os gentios, filósofos ou não,
igitur salubriter debet quod explicari non valei. desde que tenham dado mostras de probidade de
Em Sic et Non (Sim e Não, isto é, A Favor e conduta, são inocentes. Em Scito te ipsum, cujo
Contra), Abelardo se mostra inovador. Trata-se título é uma máxima socrática (conhece-te a ti
de uma coletânea de comentários dos Padres da mesmo), Abelardo faz um paralelo entre duas
Igreja, sempre diversos e algumas vezes contra- justiças, a divina e a humana, e nossos critérios
ditórios, sobre os textos sagrados. Contém ainda correntes não saem indenes dessa avaliação. Só
um prólogo cujo método influenciará Alexandre a reta intenção rege um ato bom, porque sim-
de Hales e Santo Tomás de Aquino. Reúne 158 ples, "digno de luz"; deste modo, vontade hu-
grupos de textos acerca de questões teológicas. mana e vontade divina se correspondem. Numa
Estas estão organizadas segundo três tipos temá- observação a respeito da organização humana,
ticos: natureza da fé, sacramentos e caridade. Abelardo se opõe à doação póstuma dos bens à
Abelardo justapõe textos contraditórios: de auto- Igreja para pagamento de missas em intenção do
res que dizem "sim" e de autores que dizem morto, medida vã se tais bens tiverem sido con-
"não". Quando há antagonismo de autores (auc- seguidos à custa do próximo. Seja como for, a
tor significa: fundador, instigador, depois mode- intenção que preside o ato é essencial: "O peca-
ABELARDO ABELARDO

do está na 'forma' do ato, isto é, na vontade que dicatos propositionum. A contribuição de Abe-
o dita" (Weber e Huisman). lardo é de lógico, que dá prioridade à linguagem;
Outra obra de intenção ética e religiosa, escri- se, para Porfirio, essas questões se enquadravam
ta por Abelardo no fim da vida, quando se en- num contexto metafísico, isso é ignorado. Nas
contrava recolhido em Cluny, permaneceu inaca- "Glosas sobre Porfirio", em primeiro lugar vox
bada; é o Diálogo entre um Filósofo, um Judeu e quer dizer ar percutido, som proferido, logo su-
um Cristão. Tem a forma, freqüente então, de al- plantado por nomem ou denominação (nomem
tercatio, ou altercação entre partidários de reli- est vox significativa) que fornece a significação,
giões diferentes. O filósofo, que às vezes se iden- depois por sermo, dictio, oratio, palavras mais
tifica com Abelardo e às vezes atua como árbitro complexas. É missão das palavras encerrar o
da disputa, é provavelmente de origem islâmica. sentido, enquanto as coisas são dotadas de senti-
Cabe lembrar que, numa passagem de Historia do: significare autem vel monstrare vocum est,
calamitatum, Abelardo, perseguido, em dado mo- significari vero rerum. Já em Aristóteles, signifi-
mento pensa em unir-se aos gentios. Por outro car quer dizer engendrar intelecção: intellectum
lado, seu anfitrião, Pedro, o Venerável, projetou constituere. Mas, se o universal é predicável de
uma tradução do Alcorão, que permitiria enfren- uma pluralidade de coisas, o que constitui seus
tar os hereges com meios renovados. Por trás traços distintivos, o mesmo não acontece com as
desse muçulmano, alguns entreveriam a perso- coisas (res: ser real), que não podem ser predica-
nalidade de Ibn Bajja, devido ao recurso obstina- das de muitas outras. Pois os realistas pensam as
do à razão e à injunção da lei natural. Mas essa coisas como universais, o que significa que todo
razão não tem as características do aristotelismo ser é provido de uma essência universal essentia-
neoplatonizante praticado pelos filósofos árabes; liter, mas com uma restrição: indifferenter, que o
refere-se mais a Cícero e Sêneca. Depois de in- designa expressamente e permanece além dos
ventariar as afrontas à religião judaica, reflexo acidentes. Abelardo vai provar que as coisas, na
da mentalidade da época, o filósofo e o cristão sua essência, não são universais, e que a singula-
põem-se de acordo quanto ao papel eminente da ridade não é signo de acessórios acrescentados.
moral, caucionada por um soberano Bem que só Se imaginarmos o desaparecimento de todos os
pode ser Deus. acidentes, como se varridos pelo bafejo da abs-
tração, a coisa subsistirá em sua identidade indi-
Atribui-se a Abelardo o estabelecimento de
vidual, como prova a seguinte frase: Omnibus
uma Sententia vocum seu nominum, segundo a
etiam accidentibus remotis in se personaliter per-
expressão de Otton de Frising. Por outro lado,
manet. Um universal não abarca uma coleção de
como testemunha Charles de Rémusat, ressaltan-
indivíduos; manifesta-se através de cada um. É
do seu epitáfio e seu mérito último: "Ele revelou
anterior aos indivíduos, que dele procedem; quan-
com mais clareza aos que eram versados na arte
to àquilo que se chama "coleção", é posterior aos
(da dialética) o que são as coisas, o que signifi-
indivíduos que engloba; é, por assim dizer, uma
cam as palavras." O problema dos universais
reunião dos signos exteriores de que é feita a sua
atraía, então, a atenção de todos. Estava ligado à
manifestação sensível. Se Platão está ao lado de
tese de Porfirio, ou melhor, às perguntas que ele
Sócrates na denominação "homem", ambos con-
formulou acerca dos gêneros e das espécies, que
vém no "ser-homem" (conveniunt in esse homi-
podem ser desenvolvidas numa articulação tri-
num). Adversário dos realistas, Abelardo des-
pla: os gêneros e as espécies existem na realida-
confia do emprego errôneo da noção de "coisa".
de ou são postos pelo espírito; são corporais ou
Em lógica, segundo o dictum propositionis, não
incorporais; separados do mundo sensível ou pos-
se fala de coisa, mas de "maneira de ser das coi-
tos nele?
sas". O "ser homem" não eqüivale a "homem".
O universal é o que, por natureza, pode ser Sob a rubrica "homem" vêm colocar-se dois ou
atribuído a vários sujeitos: Quod de pluribus na- mais homens que se encontram por conveniência
tum est aptum praedicari. Antes de mais nada, as e pertinência nesse estado, de que assim se fala:
vocês universales são termos de proposição: pre-
ABELARDO ABELARDO

statum quoque hominis res ipsas in natura homi- Mesmo perseguido pelas autoridades ecle-
nis statutas posumus appellare quarum commu- siásticas, sendo às vezes tachado de racionalista
nem similitudinibus Me concepit, qui vocabulum intransigente, alvo constante do dogmatismo; ain-
imposuit. O que significa que podemos definir o da que colocado entre os "mártires do livre pen-
ser do homem reunindo a semelhança comum de samento" por J. Barni; e apesar de Michelet decla-
seres que estão no mesmo estado, do que decor- rar que "a filosofia de Abelardo entoa a liberdade
re a imposição do nome: Enunciado verbal pro- enquanto as Comunas da Picardia lhe marcam o
veniente de uma reunião de traços comuns e sua ritmo", a imagem de um Abelardo progressista,
resultante. Sermo, palavra empregada na Lógica ou mesmo libertário, é uma visão errônea que só
nostrorum..., fato de linguagem que é um "uni- sobreviveria entre os teólogos tradicionalistas.
versal", é reconhecida por nela se agruparem cer- Sendo ele o primeiro na prática radical da dialé-
tos componentes indissociáveis que se refletem tica, cujo campo de aplicação ampliou, sentimo-
na língua, instituição humana. Os universais tam- nos autorizados a considerá-lo um precursor ou,
bém são como esquemas presentes no espírito se não um fanal, pelo menos aquele que, com o
que os utiliza, mas sem contornos positivos dis- archote de seu pensamento, vai abrindo os cami-
cerníveis. A representação de um indivíduo em nhos depois freqüentados pelos outros, que lhe
sua singularidade é imagem nítida e bem real; ao seguiram as pegadas.
contrário, a do universal, em sua generalidade, é
nebulosa. Só retém do indivíduo os elementos de Françoise MASSON

um conjunto que concorre para identificá-lo pela


• Ethica or Scito te ipsum, in D. E. Luscombe, ed., Abe-
operação àofiat que é a identificação provedora
lards' Ethics (Oxford Medieval Texts), Oxford University
de enunciação.
Press, 1971; Lógica Nostrorum Petitioni, Lógica Ingre-
O universal, enquanto genérico, é ponto de dientibus, in B. Geyer, ed., Peter Abaelards Philo.sophi.sche
junção ou confluência ao qual chegam seme- Schrifien (Beitrage z. Gesch. der Phil. d. Mittelalters, XX1/1 -
lhanças que concorrem para um status. Os uni- 4), 1919-1927; Pielm Abelardo Scritli di Lógica, ed. M.
Dal Pra, Florença, 1969'; Dialectica, ed. L. M. De Rijk
versais, na verdade expressões verbais, têm li-
(Wijsgerige teksten en studies, 1), Assen, Van Oorcum, 1970i;
gações com a semântica. Não se pode remontar
Historia calamitatum, ed. J. Monfrin, Paris, Vrin, 1962,
à sua fonte, ainda que, mais tarde, Guilherme Trad.: Oeuvres choisies d'Abélard, trad. M. de Gandillac
de Ockham venha a tentar. Eles são tributários (Bibliothèque philosophique), Paris, 1945; Abélard. Dubien
da opinião, que é domínio de todos; espécie de suprême, trad. J. Jolivet (Cahiers d'études médiévales, 4),
lençol subterrâneo e matriz de conceitos, cabe- Montreal-Paris, 1978.
dal que cada um de nós traz em si. Não decor- => C. Mews, On Dating the Works of Peter Abélard, Arch
rem de uma ciência do real, mas da lógica, ser- d'Hist. Doctr. et Litt. du M. A., 5 ; (1986); R. Blomme. La
mocinalis scientia. É a ela que, na verdade, per- doctrine du péché dans les écoles théologiques de Ia pre-
tencem, segundo o juízo de Abelardo. Este, que mière moitié du Xlt siècle, Lovaina/Gembloux, 1958; J.
pode ser considerado conceptualista, de fato Jolivet, Arts du langage et théologie chez Abélard (Etudes
de philosophie médiévale, LV1I), Paris, 1969; J. Jolivet ei
muito próximo do nominalísmo, deixou-nos
ai., org., Pierre Abélard-Pierre le Vénèrable. Les courants
inacabadas as produções de um pensamento em philosophiques, litteraires et artistiques en Occident au
transição. Não é um espírito negador, mas críti- milieu du Xlt siècle. Paris, Ed. do CNRS, 1975; R. Thomas,
co, porque sempre vigilante, acreditando sobre- org., Petrus Abaelardus (1079-1142). Person. Werk und
tudo na indagação, motor do progresso, senão Wirkung, Trier, Paulinus Verlag, 1980; col. Abélard. Le
de transformação, que utiliza de modo sistemá- "Dialogue ", Ia philosophie de Ia Logique (Cahiers de Ia
revue de théologie et de philosophie, 6), Genève-Lausanne-
tico. Por outro lado, filósofo e precursor da gra-
Neuchâtel. 1981; J. Jolivet, org., Abélard en son temps,
mática especulativa - tendo composto uma gramá- Paris, Les Bellcs l.cttrcs, 1981; J. Jolivet e A. de Libera,
tica que não chegou até nós -, é capital o seu in- orgs., Gilberl de Poitiers et ses contemporains. Aux origi-
teresse pela lingüística; tirou grande proveito dos nes de Ia "Lógica Modernorum " (History of Logic, 5), Ná-
recursos da linguagem, como dialético rigoroso poles, 1987; M. M. Tweedale, Abailardon Universais, Ams-
e seletivo. terdam, 1976; N. Kretzmann, The Culmination of the Old
ADLER ADLER

Logic in Peter Abelard, in Renaissance and Renewal in lhe da realização da Razão, ou seja, ultrapassar as
Twelfth Century, org. R. L. Benson e G, Constable, Cam- problemáticas estreitas do conhecimento ou da
bridge, Mass., Harvard University Press, 1982; K. Jacobi, explicação; em conseqüência, precisa romper com
Diskussionen über unpersünliche Aussagen in Peter
as falsas certezas da descrença e do ateísmo, tão
Abaelards Kommentar zu Peri Hermeneias, in Mediaeval
Semantics and Melaphysics. Sludies dedicated to L. M. De nitidamente como rompe com as falsas certezas
Rijk, org. E. P. Bos, Nijmegen, Ingenium Publishers, 1985; das religiões reveladas. Em suma, as preocupa-
Peter Abelard's Investigations into the Meaning and Func- ções religiosas, as aspirações que implicam, não
tions of the Speech Sign "Est", in The Logic ofBeing, org. devem ser estranhas ao trabalho filosófico.
S. K.nuuttila e J. Hintikka, Dordrecht, D. Reidel Publishing
É, pois, com muita lógica que Max Adler se
Company, 1986; L. M. De Rijk, Peter Abelard's Semantics
and His Doctrine ofBeing, Vivarium, 35 (1986); A. de Li-
recusa a ver no marxismo um sistema ou uma
bera, Penser au Moyen Age, Paris, 1991. Weltanschauung [visão de mundo]. Para ele, ao
contrário, o marxismo é essencialmente uma
Alainde LIBERA sociologia científica que, através da crítica da
economia política e da política, elucida os pro-
blemas da socialização (ou seja, do devir hu-
ADLER Max, 1873-1937 mano da humanidade). O marxismo, nesse sen-
Filósofo austríaco, uma das figuras mais inte- tido, é um conjunto coerente de conhecimentos
ressantes do marxismo e do socialismo da pri- {Erkenntniszusammenhang) que leva a termo o
meira metade do século XX; dotado de sólida for- conhecimento causai do mundo. Mostra que as
mação filosófica, dá uma interpretação neokan- contradições da socialização não solidária (em
tiana do marxismo (em particular nos Marxstu- nossa época, individualismo capitalista incons-
dien, criados em 1904), tentando desvinculá-lo ciente de seus pressupostos sociais) podem dar
de qualquer ontologia materialista e de qualquer lugar à socialização solidária (e à individualida-
base dogmática. Sua filosofia, que pode ser qua- de social). Pode assumir essa ambição tanto por
lificada de idealismo crítico, rejeita, ao mesmo ser a primeira corrente teórica que analisa a coi-
tempo, o realismo que precisa de referências si- sificação {Versachlichung) das relações sociais
tuadas além dos dados sensíveis que se apresen- como aparência (Schein) quanto por ser capaz
tam em nossa consciência e o idealismo espiri- de apreender a matéria social como tecido de
tualista, para o qual tudo se reduz a um espírito relações ideais, de projeções e de cristalizações
extra-humano. Max Adler se reconhece, pois, num de consciências. A concepção materialista da
criticismo que parte do papel ordenador da cons- história defendida pelo marxismo não remete a
ciência, de seu caráter transcendental em relação um determinismo clássico (em que os determi-
ao mundo fenomênico, mas nem por isso pode nantes seriam os meios de produção e a tecno-
ser confundido com as escolas neokantianas ale- logia), mas a uma causalidade social específica,
mãs (Marburgo e Friburgo). De fato, para ele, a que se manifesta na interação e na transforma-
atividade transcendental da consciência indivi- ção das formas sociais. A determinação em últi-
dual é mediada por aquilo que ele chama de "a ma instância pelo econômico (para todo um pe-
priori social", ou seja, pelo condicionamento e ríodo histórico) não é contraditória, desse ponto
pela posição sociais da reflexão individual. Como de vista, com a preeminência atribuída ao devir
ele mesmo diz, se o social é apenas dado no e consciente das relações sociais. O marxismo
pelo individual, o individual em sua configuração pode, na verdade, apresentar-se como algo que
espiritual essencial é social. Essa ampliação da unifica teleologia e causalidade, em especial
temática transcendental para a comunidade e a mostrando as mediações e as conexões que in-
comunicação das consciências é capital, porque, terligam as formas ideais, os processos de tra-
para Max Adler, aumenta a importância da razão balho e a causalidade social externa. Alia toma-
prática, da razão como querer tendente à realiza- da de partido resoluta na busca e na descoberta
ção da comunhão dos seres humanos. A filosofia da verdade com objetividade rigorosa na formu-
como teoria não pode deixar de colocar a questão lação teórica. Compreende cientificamente a so-
ADORNO ADORNO

ciedade porque se deixa guiar por um querer se- dois campos tão divergentes, estar exatamente
gundo a razão. em busca de uma coisa idêntica. Em 1924, fui
Por isso não é de surpreender que, para Max aprovado no doutorado com uma dissertação de
Adler, a prática do movimento operário deva ser, filosofia; em 1931, defendi uma tese de habilita-
acima de tudo, uma luta pela reforma da consciên- ção para me tornar Privatdozent com um estudo
cia operária, em particular pela superação de um sobre Kierkegaard, enquanto ensinava filosofia
reformismo de massa que continua fascinado pe- em Frankfurt, o que fiz até ser de lá expulso pe-
los objetivos imediatos, esquecido do objetivo fun- los nazistas em 1933." Embora enfatize algumas
damental, a sociedade solidária. Para ir nesse sen- preocupações fundamentais de Theodor Wiesen-
tido, segundo ele, é preciso que no movimento ope- grund-Adorno, este interessante relato, extraído
rário penetre uma outra concepção de política, ou de algumas notas autobiográficas, retrata apenas
seja, uma política que não tenha mais como ponto de forma imperfeita a densidade de uma vida
de aplicação essencial o poder e o poderio, mas a profundamente marcada pelos conflitos filosófi-
solidarização e a homogeneização da sociedade. cos, políticos e culturais de nossa época. O nome
Nesse aspecto, Max Adler evidentemente está em de Adorno é inseparável do Institut für Sozial-
nítida oposição ao bolchevismo, que privilegia as forschung (Instituto de Pesquisa Social) e da Es-
relações de força imediatas e as lutas pela tomada cola de Frankfurt, da qual ele foi um dos princi-
do poder em detrimento da afirmação democrática paisrepresentantes, juntamente com Walter Ben-
das massas. Nem por isso se alinha com os que jamin, Herbert Marcuse e Max Horkheimer. Para
aceitam de maneira acrítica a democracia parla- alguns intelectuais alemães, em sua maioria de
mentar. Numa sociedade não solidária, a democra- ascendência judaica, portanto logo obrigados a
cia representativa não impede a classe dominante
exilar-se, o ensino acadêmico não deveria isolar-
de impor sua lei (com maior ou menor facilidade,
se em prudente neutralidade, pois só teria pleno
é verdade); portanto, a democracia representativa
significado se relacionado com uma prática so-
não é incompatível com a ditadura da burguesia.
cial e com determinado engajamento ideológico.
Para que haja realmente democracia, no fundo é
^otmw^oo^c^o_d^_Tegria£nl{£a ~ o jipme
preciso que a sociedade esteja em via de homoge-
"Esçolajle jxankfur^^^^r^s^rájijex.Yigência
neização, e que a representação política seja res-
após a Segunda Guerra Mundial - esses pensa-
paldada e completada por formas de democracia
dores pretendiam^por um lado, analisar asjçausas
direta (conselhos), é preciso que haja, em suma,
e_as conseqüências do fracasso das revoluções
ditadura do proletariado graças à afirmação da
socialistas européias e, por outro, lutar_corno teó-
política da solidariedade.
ricos políticos contra a jde^lo^jajiacional-socia-
• Marxstudien, t. I, Viena, 1904; Demokralie und Rãte- lista e, de modo mais geral, contra todas asjor-
system, Viena, 1919 (trad. franc, Maspero); Die Slaatsauf- mas de dominação totalitária. Cabe esclarecer
fassung des Marxismus, Viena, 1922; Kanl und der Marxis- que a Escola de Frankfurt não é uma seita, uma
mus, Berlim, 1925; Neue Menschen, Berlim, 1926 Sozialo- "igrejinha" ou um cenáculo; nem mesmo uma
gie des Marxismus (3 tomos), Viena, 1964. "escola" propriamente dita. Certo número de pres-
=> Norbert Leser, Zwischen Reformismus und Bolsche- supostos teóricos elaborados durante os anos 30
wismus. Der Austromarxismus ais Theorie und Praxis, Vie- constituem a base de referências comuns à Es-
na, 1968; Peter Kulemann, Am Beispiel des Austromarxis- cola de Frankfurt. As obras de Max Horkheimer,
mus, Hamburgo, 1979. Teoria Tradicional e Teoria Crítica (1937) e O
Jean-Marie VINCENT Eclipse da Razão (1937), são determinantes sob
esse aspecto. Mesmo reconhecendo a influência
de Marx, ai Teoria Critica nunca deixou de man-
ADORNO Theodor, 1903-1969 ter distância crítica em relação às teses "ortodo-
Filósofo alemão. "Estudei filosofia e música. x a s " ^ jamjnssjsdejxo^ fascinar pelas realiza-
Em vez de optar por uma das duas, durante toda ções históricas do marxismq, sobretudo emjma
a minha vida sempre tive a sensação de, nesses forma stalinista.
ADORNO ADORNO

Refazer o itinerário intelectual de Adorno e a Kierkegaard define de forma decisiva a futura


fornecer uma visão dos acontecimentos que in- orientação filosófica e estética. Grande ironia:
fluenciaram seu destino constitui um verdadeiro exatamente quando a carreira universitária se des-
desafio, de tal modo a trajetória filosófica des- cortina para Adorno, a ascensão de Hitler ao
se pensador se imbrica numa existência constan- poder, no mesmo dia da publicação da obra,
temente abalada pelos movimentos da história. leva-o a perder a venia legendi (autorização para
No máximo, podemos recordar os momentos e ensinar), e o obriga a exilar-se. Depois de uma
os acontecimentos que o próprio Adorno consi- estada de quatro anos em Londres, ele emigra
dera determinantes para sua evolução ulterior. para os Estados Unidos, onde divide o tempo
Adorno nasceu em 1903. em Frankfurt, numa entre o Instituí für Sozialforschung e o Princeton
fajnília^bjir^uesaabjistoda. Seu pai era um judeu Radio Research Project. Inicia-se um período de
alemão convertido, e sua mãe - cujas origens ele intensas pesquisas, ora publicadas na revista do
gostava de lembrar - era filha de um oficial cor- Institut, a célebre Zeitschrift für Sozialforschung
so, oriundo de uma antiga família genovesa, can- (nos Estados Unidos, Studies in Philosophy and
tora de renome. Adorno era-lhe grato pela cria- Social Science), ora em obras coletivas, como a
ção de um ambiente familiar propício ao desen- Dialética do Esclarecimento, em colaboração com
volvimento de sua sensibilidade artística, am- Max Horkheimer, e Personalidade Autoritária,
biente que, segundo diz ele, era inteiramente do- que faz parte do conjunto de pesquisas sobre o
minado pela paixão pela música e por análises anti-semitismo, realizadas pelo Berkeley Opinion
teóricas e... políticas. Durante seus estudos se- Study Group. Ejn_jj49a_Adonio_vglta à Alema-
cundários, conhece Siegfried Kracauer, autor do nha. Justificará essa decisão alegando razões de
livro De Caligari a Hitler, catorze anos mais ve- ordem estratégica, como a necessidade de re-
lho que ele. Durante mais de um ano, os dois constituir em Frankfurt o Instituto de Pesquisa
amigos dedicam as tardes dos sábados à leitura Social, e de ordem lingüística, "[...] porque a lín-
da Crítica da Razão Pura de Kant. "Devo mais a gua alemã tem uma espécie de afinidade eletiva
essas leituras do que aos meus mestres acadêmi- especial com a filosofia ou, de qualquer modo,
cos", declara Adorno em 1964. Contudo, apesar com o seu lado especulativo". Desde então os
de seu ejricontro em 1923 com Walter Benjamin, trabalhos pessoais de Adorno se multiplicam em
cuja filosofia o seduzirá logo à primeira vista, diversas direções aparentemente diversificadas:
suas preferências são para a música. Sai de Frank- literatura, música, filosofia, sociologia e episte-
furt, onde estudara composição e piano com mologia. No final dos anos 50, sua atividade na
Eduard Jung e Bernhard Sekles, e estabelece-se Universidade J. W. Goethe de Frankfurt é delibe-
em Viena. Ali, imerso na intensa vida artística e radamente concebida na forma de engajamento
cultural da cidade, torna-se aluno e depois amigo permanente nos conflitos que agitam a vida polí-
de Alban Berg, Eduard Steuermann, Rudolf tica e cultural da RFA: a querela do positivismo
Kolisch e Anton von Webern. Aprofunda-se nas nas ciências sociais e a controvérsia com Karl
técnicas de composição de Schónberg e colabora Popper, a reforma do ensino superior na Ale-
ativamente com a revista Anbruch, dedicada à manha Federal. Nos anos 68-69, Adorno partici-
música de vanguarda "radical" (1928-1931). Na pa ativamente dos movimentos estudantis de con-
verdade, a^a|xj|o jLeJajBÚsJ£a_semgre.L!!ac_ojrjDa- testação. É freqüentemente posto em xeque por
nha" seu interesse pela filosofia. A "coisa idênti- interlocutores que reprovam o quietismo da Teo-
ca" que ele diz procurar nessas duas disciplinas ria Critica e o acusam de pactuar com a ordem
nada mais é que o destino reservado à arte e à estabelecida. Por sua vez, Adorno denuncia sem
cultura modernas numa sociedade cada vez mais ambigüidade o ativismo de uma parte da Nova
dominada pela racionalidade tecnológica, socie- Esquerda Alemã; mesmo convencido da necessi-
dade que parece desmentir os ideais tradicional- dade de uma transformação estrutural das relações
mente veiculados por essa cultura, prestes a so- sociais, também está convictode que a verdadei-
çobrar na barbárie totalitária, nazista ou stalinis- ra práxis revolucionária deve ser uma práxis sem
ta. Por isso, em 1931, a tese de Adorno dedicada violência. Sua morte súbita durante as férias
ADORNO ADORNO

escolares de 1969 (Adorno morreu de ataque car- colhe, explicitamente, como alvo a reflexão con-
' díaco em 6 de agosto, perto de Zermatt) deixa temporânea. A crítica das grandes correntes filo-
inacabados dois textos aos quais ele atribuía sóficasjdorninantes éjeita sem concessões ou
grande importância: Teoria Estética e uma mo- ambigüidades. A mesma censura é feita à Escola
nografia sobre Beethoven. de Marburgo, à Lebensphilosophie, ao existen-
Quem tenta fazer exposição sistemática da fi- cialismo heideggeriano e ao positivismo do Cír-
losofia de Adorno encontra, no mínimo, dois culo de Viena. Adorno afirma que essas constru-
obstáculos. Um deles diz respeito à própria natu- ções teóricas vão dar, por vias diferentes, na
reza da obra, que não se limita a uma disciplina mesma contradição: após o declínio dos sistemas
apenas. Adorno, músico, pianista e compositor, idealistas, da ratio autônoma, elas tentam chegar
pode também ser considerado filósofo, sociólo- a uma ordem coercitiva do Ser, e essa coerção
go, esteta e escritor. Ao afirmar que a filosofia pesa sobre o indivíduo por meio da concepção de
autêntica não pode ser resumida, ele está, impli- identidade e de universal: Estado, poder, institui-
citamente, lançando um desafio a seus eventuais ção, administração, burocracia. Portanto, para
exegetas e comentadores. Adorno substitui o en- Adorno, o que importa é não mais considerar a
cadeamento tradicional das proposições filosófi- filosofia como categorização a priori e sistemá-
cas pela parataxe. arranjo de fragmentos de dis- tica do real. É preciso fazer uma interpretação
curso propositadamente dividi(jQS_e dispostos "materialista" da realidade. Se quiser sobreviver,
em_forma de constelação em torno de um tema a filosofia será obrigada a renunciar à busca do
central. Dessa maneira, sua filosofia é hostil a sentido predeterminado das coisas. Para isso, é
sistemas, e é no aforismo ou na pluralidade de imprescindível uma nova terminologia, porquan-
modelos que ela encontra expressão adequada. O to ela precisa ater-se às palavras, à literalidade,
leitor é, então, obrigado a uma verdadeira asce- aos próprios nomes como signos e cifras de uma
se, a caminhar através de uma rede de conceitos existência fragmentada. A ambição tradicional da
e formulações aparentemente contraditórios até filosofia - representar e legitimar o sentido da rea-
chegar à idéia-mestra que subjaz ao conjunto da lidade - é, pois, denunciada como conduta totali-
obra. Nesse aspecto, o tema do declínio, da de- zante, globalizante e mistificadora em relação ao
composição (Zerfall) - que, no final de sua obra indivíduo. As fissuras da existência e o sofrimen-
Dialética Negativa, Adorno reconhece ser uma to do indivíduo atomizado na sociedade moderna
das idéias mais antigas de sua filosofia - consti- - Minima Moralia (1951) fala da "mutilação da
tui uma das chaves do pensamento adorniano. vida" - no fundo impedem essa tentativa mistifi-
Praticamente não há texto de Adorno que não cadora, pois o "texto que se oferece à leitura da
contenha referências implícitas ou explícitas à filosofia é incompleto, contraditório e fragmentá-
idéia de decadência, negação, crise do sentido rio". Atualidade da Filosofia possui, assim, cará-
(na arte, por exemplo), destruição (da própriafi- ter programático. O essencial da problemática de-
losofia), decomposição_das coisas. Mas embora senvolvida nos textos de maior relevância está pre-
esse declínio seja tratado de modos diferentes, sente em Dialética do Esclarecimento, em Dialé-
seria errôneo reduzi-lo a uma visão ou concep- tica Negativa e em Teoria Estética.
ção metafísica da ordem das coisas e do univer- A Dialética do Esclarecimento, publicada em
so. Em todos os casos, trata-se de uma prática 1947, também trata, à sua maneira, do declínio,
social, concreta e histórica. Essa preocupação mais exatamente da autodestruição da razão...
aparece já nos primeiros escritos de Adorno, so- pela própria razão na sociedade contemporânea.
bretudo em sua aula inaugural na Universidade Para compreender esse paradoxo deve-se previa-
de Frankfurt sobre a Atualidade da Filosofia. O mente responder a algumas perguntas: como a
jovem Adorno formula de maneira decisiva o Razão, noção central do kantismo, faculdade na
problema filosófico por excelência: a própria so- qual a Filosofia das Luzes depositava tantas es-
brevivência da filosofia num período de crise dos peranças, perde o valor de critério objetivo? Co-
sistemas idealistas. Não sem audácia, Adorno es- mo entender que, um século e meio depois, ten-
ADORNO 11 ADORNO

do as sociedades ocidentais tudo apostado no de- manipulação e condicionamento que não permi-
senvolvimento da racionalidade - sobretudo no te efeito retroativo nem feedback. A cultura que
bem-estar material e no progresso moral do indi- se pretende democrática ou democratizada na
víduo -, a razão se torne critério subjetivo de verdade não o é, de modo algum, e os novos
uma classe dominante que organiza a realidade empresários da cultura, assistidos por especialis-
social, política e econômica em função de inte- tas em marketing, contentam-se em distribuir as
resses próprios? Só uma interpretação se mostra migalhas da cultura burguesa tradicional. Disso
plausível: a dominação sobre a natureza, já pre- só pode resultar uma gigantesca "mistificação
sente no projeto de Descartes, e a dominação do das massas".
homem pelo homem são fundamentalmente a Essa posição de Adorno, radical e às vezes
mesma coisa. Elas engendraram uma consciên- extremista, constitui um dos pólos de sua Teoria
cia tecnocrática. Essa consciência não só deixou Estética, sendo o outro pólo a defesa da moder-
de cumprir a etapa de libertação prometida pelo nidade artística definida inicialmente por Bau-
Iluminismo, etapa esta expressa na formulação delaire e, depois, pelos movimentos de vanguar-
de ideais humanistas, como também entendeu de da do começo do século XX. Em Dialética do
que modo poderia usar esse instrumento, a ra- Esclarecimento essa posição é observada numa
zão, desviado de seus objetivos iniciais. Adorno interpretação original da Odisséia de Homero. O
e Horkheimer insistem na necessidade da com- episódio das sereias é visto como uma prefigura-
preensão dialética desse fenômeno: uma tal con- ção da aventura da arte moderna. Ele prenuncia
cepção da razão erige-se em nome da Razão o modo de existência específico da modernidade
reduzida à condição de vestígio de um passado na época contemporânea. Ulisses, atado ao mastro
que chegou ao termo, o que gera nostalgias de do navio para deleitar-se sem riscos com o canto
tipo idealista. Uma vez que justiça, liberdade e das sereias, e seus marinheiros, amarrados para
igualdade estão desprovidas de substância e são não serem seduzidos, são cúmplices involuntá-
cruelmente desmentidas pela realidade, os "di- rios de um sistema que estabelece uma separa-
reitos" do homem não podem mais servir de ção radical entre a experiência autêntica da arte e
álibi ao liberalismo democrático, que, no entan- a experiência vital, cotidiana. O senhor e seus
to, por sua própria definição, é obrigado a falar escravos, um consciente e os outros inconscien-
em nome deles. Ora, em meio à "frieza burgue- temente, estão presos à dinâmica do progresso,
sa" das sociedades industriais avançadas, a ra- forçados a avançar para conjurar o perigo de um
zão, em cujo nome foram forjados os ideais "re- retorno à natureza. Contudo, somente a expe-
volucionários", tende a transformar-se em razão riência solitária e individual do herói é autêntica.
instrumental, em ferramenta por excelência da Ulisses tem o privilégio de perceber a beleza do
tecnologia. A regressão da razão, seu "eclipse", canto e de poder decifrar seu verdadeiro signifi-
segundo a expressão de Max Horkheimer, não cado, para além da fascinação que ele exerce,
deixa de ter conseqüências no plano artístico e mas sem poder comunicá-lo. Está claro que Ador-
cultural. Nos Estados Unidos, durante os dez no expressa a idéia de que a industrialização da
anos de exílio, Adorno assiste ao prodigioso de- arte e da cultura reflete a crise de autonomia bur-
senvolvimento dos mass media - imprensa, dis- guesa da arte e a regressão irreversível da razão
cos, filmes, rádio, publicidade. Numa época em para a ideologia. Uma vez que o círculo da mani-
que a Europa descobre timidamente o papel polí- pulação e das necessidades aperta cada vez mais
tico e econômico dos meios de comunicação de as malhas do sistema, e que o poder da técnica é
massa, Adorno indaga sobre o efeito ideológico o poder dos que a dominam economicamente, só
de uma cultura padronizada, programada, produ- é verídica uma arte moderna bem elaborada no
zida industrialmente. A indústria cultural - ex- plano formal, ou mesmo hermética. Tal herme-
pressão forjada por Horkheimer e Adorno - em tismo torna-se uma forma de engajamento: sig-
vez de corresponder às necessidades efetivas nifica a recusa do artista em participar dos festi-
dos indivíduos, é, segundo eles, uma empresa de vais programados pela indústria da cultura. Po-
ADORNO 12 ADORNO

de-se reprovar Adorno pela intransigência de sua va - pensamento da contradição na identidade -


atitude e por seu desejo de manter a arte como marca a ruptura com o estatuto ontológico do pri-
algo eminentemente elitista. O radicalismo da mado do pensar: ela mostra como esse estatuto
Dialética do Esclarecimento se deve, em parte, se torna ideológico na época da racionalidade
às condições históricas em que a obra foi criada. dominante e, com isso, insiste na historicidade
Adorno pretende reinterpretar a teoria marxista da coerção à identidade. A reflexão segunda vi-
da reificação e da alienação, e aplica à história sa, assim, a romper uma coerção histórica e rein-
da civilização ocidental as categorias utilizadas troduzir aquilo que séculos de abstração concei-
por Marx para analisar a sociedade capitalista. tuai reprimiram ou suprimiram. Para Adorno,
Com isso, sua teoria estética corre o risco de levar em conta o "impulso somático", o "mo-
redundar na recusa global e esquemática de qual- mento de corporeidade", é adotar atitude inversa
quer produção cultural e artística contemporânea à concepção kantiana de vontade como cons-
que não satisfaça ao rigor dos critérios adornia- ciência pura e colocar-se à altura de determinar
nos. Nada do que existe no seio da racionalidade as condições de uma verdadeira prática; esta prá-
instrumental e da cegueira generalizada poderia tica tem necessidade de um outro elemento, de
ser salvo. algo corporal, ligado à razão e "qualitativamen-
Publicada em 1966, a Dialética Negativa, obra te diferente dela". Não se poderia aprofundar as
principal de Adorno, apesar do título, representa relações entre a dialética negativa, a crítica sub-
um abrandamento de sua crítica à racionalidade. jacente do sistema hegeliano e a teoria estética
Enquanto a Dialética do Esclarecimento ques- de Adorno, nem compreender a função que ele
tiona a própria razão, a Dialética Negativa limi- atribui ao elemento da corporeidade, à mimese,
ta-se a condenar uma forma histórica de razão. sem fazer referência às teses de Georg Lukács,
Se a "regressão da consciência" regressão da com as quais ele se confronta freqüentemente. A
razão em direção ao mito e realização da identi- guinada crítica, a reflexão segunda definida por
dade abstrata do eu - é produto de sua falta de Adorno, autoriza a possibilidade concreta da uto-
reflexão, o poder que rompe a aparência de iden- pia, ou seja, de umzpráxis que vise à realização
tidade é "o próprio poder de pensar", ou seja, do dos verdadeiros fins da razão. A concepção lu-
pensamento racional. A dinâmica que move a dia- kacsiana de mimese destina-se a atenuar o meca-
lética negativa repousa, assim, sobre a capacida- nismo da teoria do reflexo em arte e a contradi-
de de uma "reflexão segunda" que luta contra a zer sua acepção estreita, "ortodoxa", aquela do
razão graças à própria razão. A estruturação for- realismo socialista. Para Lukács, a mimese não
mal da obra de arte, sua "lógica", prova que exis- poderia ser a pura e simples transcrição imedia-
te uma racionalidade diferente da racionalidade ta da realidade: ela mostra, ao contrário, a rique-
instrumental. Sem se confrontar diretamente com za das mediações entre sujeito e objeto, entre a
o problema estético, a Dialética Negativa enun- subjetividade do indivíduo e a realidade do mundo
cia o próprio princípio da teoria estética adornia- objetivo. Reação ao caráter "desantropomorfiza-
na. Ela crê numa força do sujeito capaz de "dis- dor" da ciência, a mimese, segundo Lukács, res-
sipar a ilusão da subjetividade constitutiva", ao titui à arte sua função antropomorfizadora e per-
mesmo tempo em que recusa a ontologia idealis- mite compreender a infinita complexidade do
ta ou fenomenológica. Afirma que a interpreta- fato estético autônomo. Condenando a arte de
ção das obras de arte é idêntica ao trabalho filo- vanguarda por dar uma visão demasiado parcial
sófico: tanto num caso como no outro trata-se de do homem, Lukács declara que a arte tem a mis-
fugir à imanêncía subjetiva de tipo husserliano são de dar "uma representação objetiva do mun-
ou bergsoniano. Para Adorno, é preciso manifes- do vista apenas pela perspectiva da conformidade
tar "confiança, mesmo problemática, na filoso- com as aspirações humanas". Tal proposição re-
fia, em seu poder de superar o conceito pelo con- vela facilmente os principais pontos de desacor-
ceito, de vencer aquilo que elabora e mutila, para do em relação à posição de Adorno. A argumen-
ter acesso ao não-conceitual". A dialética negati- tação de Lukács procede de uma série de pressu-
ADORNO 13 ADORNO

postos, sobretudo o da objetividade do mundo dade crescente do capitalismo avançado. Num


em si, "inalterado pelas ilusões e preconceitos", contexto que se perpetua cegamente, que é capaz
inaceitável no contexto critico desenvolvido por de vislumbrar serenamente o extermínio planetá-
Adorno. De fato, este recusa a anterioridade ou o rio, só a experiência estética representa o último
a priori de uma realidade objetiva em si; ao con- modo de resistência possível do indivíduo. Mas
trário, esforça-se por demonstrar a concomitância essa experiência só pode ser de uma arte à altura
entre a elaboração de uma realidade pretensa- da tecnologia mais progressista, em conformida-
mente objetiva no curso da história e um proces- de com a maturação histórica de seu material.
so de racionalização instrumental que determina Esta é a única via entre a pura e simples restaura-
um conceito de realidade totalmente reificado e ção do passado e a adaptação aos padrões da in-
ideológico. dústria cultural. Ainda que se exponham ao risco
A estética de Adorno, exposta em detalhe em do hermetismo, a arte e as obras de arte deixam
sua última grande obra, inacabada, Teoria Es- assim de ter de renunciar à sua função crítica e
tética (1970), esforça-se por elaborar um concei- polêmica diante da realidade existente. Para
to de modernidade em arte não redutível a suas Adorno, porém, ser moderno não é comprazer-se
definições pré- ou pós-vanguardistas numa época com sua época, nem viver em conforto, entregue
que não é mais a do capitalismo liberal burguês. às delícias de uma modernidade que, de qualquer
Embora o tipo de estrutura sociopolítica que forma, é efêmera e está sempre pronta a degene-
constitui a referência de Adorno diga respeito ao rar em modernismo. A exigência de contempora-
capitalismo dos anos 30-50, também remete a neidade, verdadeiro desafio à modernidade, sig-
um estágio da sociedade industrial avançada que nifica sobretudo a vontade de recuperar o que
integra os mais recentes progressos tecnológicos Adorno chamava de "força de resistência artísti-
e remodela suas instituições para assegurar nova ca". Aderindo sem reservas à modernidade, Ador-
legitimação ao sistema. A concepção de arte no não ignora que, com isso, é obrigado a fazer
moderna não está, portanto, unicamente ligada face aos abusos dessa modernidade e a incluir,
ao fenômeno da industrialização da cultura, ana- na mesma reflexão teórica, o risco do modernis-
lisado em 1947 em Dialética da Razão. Até a mo, quando este assume o aspecto de louvor ex-
finalização da primeira versão da Aesthetische tremado à técnica. É contra essas formas aber-
Theorie, Adorno continua relacionando sua re- rantes que a teoria estética, no seu conjunto, está
flexão sobre a arte com a crítica radical à socie- constantemente alerta, sobretudo no campo da
dade contemporânea. Sua posição em favor de música. O artista deve ser senhor de sua obra.
um modernismo artístico que integre os procedi- Mas, em Adorno, essa celebração da moderni-
mentos tecnológicos mais elaborados não está, dade não deixa de encobrir certo desgosto, certo
entretanto, em contradição com essa crítica. Ela amargor, pois a modernidade é, também, um
resulta da recusa da integração das esferas cultu- "mito voltado contra si mesmo", e o antitradicio-
rais e artísticas no modo de produção capitalista. nalismo, por mais que custe, é um "turbilhão vo-
Muito além do que Marx podia prever - declara raz" que o ameaça de autodestruição. Contudo,
Adorno em 1969 -, as necessidades dos indiví- apenas o projeto de modernidade sempre renova-
duos hoje são função do sistema de produção. da, e não reduzida aos seus limites históricos, re-
Mesmo considerando adiada sine die qualquer vela o caráter inelutável de um declínio concomi-
prática revolucionária e acreditando, ao contrário tantemente preparado e ocultado pela razão ins-
de Marx, que há menos urgência em transformar trumental.
o mundo do que em interpretá-lo, Adorno duvida
A censura de elitismo feita à concepção de
- e isso pode parecer paradoxal - da possibilida-
Adorno, que se acredita fundada na exigência
de de se elaborar uma teoria capaz de apreender
de modernidade radical, tem origem num contra-
a dinâmica atual da sociedade. O trabalho teóri-
senso. É verdade que Adorno, aplicando rigoro-
co deve satisfazer-se com empreendimentos de
samente seus próprios critérios de qualidade,
médio prazo e renunciar a explicar a irracionali-
sempre privilegiou as obras consideradas difíceis
ADORNO 14 AGOSTINHO

em seu tempo: na música, Schõnberg, Berg, We- fholz; Mahler, une physionomie musicale, Minuit, 1977,
bern e, mais recentemente, Stockhausen, Boulez; trad. Leleu e Leydenbach; Dialeclique négative, Payot,
1978, trad. Collège de Philosophie; Trois études sur Hegel,
na literatura, Hõlderlin, Marlamé, Proust, Valéry,
Payot, 1979, trad. Collège de Philosophie; Trois études sur
Kafka, Beckett, Celan; na pintura, Klee, Kan-
Hegel, Payot, 1979, trad. Coll. de Philos.; Minima moralia,
dinsky etc. Mas defender o partido da moderni- Payot, 1980, trad. Kaufholz e Ladmiral; Quasi una fantasia,
dade é também pensar que a criação de obras pre- Gallimard, 1982, trad. Leleu; Modeles critiques, Payot,
tensamente herméticas não é incompatível com a 1984, trad. Collège de Philosophie; Notes sur Ia littérature,
experiência de um público mais vasto que, um dia, Flammarion, 1985, trad. S. Müller.
acabaria por recusar as diversas formas industria- =* F. Bóckelmann, Über Mane und Adorno, Frankfurt,
lizadas da "liquidação" cultural: "nada impede 1972; R. Court, Adorno et Ia nouvelle musique, Paris,
que aquilo que ainda se mostra como privilégio [981; M. Jimenez. Adorno: art, idèologie et théorie de
possa tornar-se acessível a todos". Não é possível l'art, Paris, 1973; G. Rose, The Melancoly Science. An ln-
ser mais claro. Era assim que Adorno manifesta- troducüon to the Thought of Theodor W. Adorno, Londres e
va sua vontade de imputar a responsabilidade do Basingstoke, 1978. Obras coletivas: Die Neue Linke nach
Adorno, Munique, 1969; Materialien zur Adornos Aes-
elitismo ao mecanismo social e ideológico, e não
thetischen Théorie. Konstruktion der Moderne, Frankfurt,
à própria arte, e ainda menos ao artista. 1980; Über Theodor Adorno, Frankfurt, 1968; Zeugnisse.
Adorno não só não pretendia aderir a nenhum Theodor W. Adorno zum sechzigsten Geburtstag, Surh-
projeto político como também sempre se recu- kamp, 1963. Recomenda-se também a consulta de: M. Jay,
sou a prefigurar a utopia, a esboçar o perfil de Limagination dialeclique. Hisioire de l'Ecole de Francfort
(1923-1950), Payot, 1977; J.-M. Vincent, La théorie cri-
uma sociedade "diferente", sem dominação, sem
tique de 1'Ecole de Francfort, Paris, 1976; P. V Zima,
poder, sem renúncia, não repressiva, em uma pa-
VEcole de Francfort. Dialeclique de Ia particularité. Paris,
lavra, não violenta. Em Dialética Negativa ele 1974; T. Adorno-K. Popper. De Vienne à Francfort. La que-
declara que "o que poderia ser diferente ainda relle allemande des sciences sociales, Bruxelas, 1979;
não começou", o que é um modo de descortinar Adorno, Revue d'Esthétique, 1985.
timidamente um futuro informulável. Mas esse
Marc JIMENEZ
trabalho crítico e teórico, que procede da nega-
ção resoluta da realidade presente e parece a isso
se restringir, não é visto por Adorno como intei-
AGOSTINHO, santo, 354-430
ramente negativo. Até o momento em que plane-
jou dedicar-se apenas à música, ele permaneceu Filho de Patricius e Monnica, Agostinho nas-
convicto de que a luta contra todas as formas de ceu em 13 de novembro de 354 em Tagasta (Suk
dominação ainda poderia fazer parte do progra- Ahras, Argélia); morreu em 28 de agosto de 430
ma do filósofo e, em geral, do intelectual. Re- em Hipona (Annaba, Argélia), onde era bispo ca-
sistir à tentação da universalidade e da totalidade tólico desde 395.
- tanto no domínio político quanto no das ciên- Sua vida é excepcionalmente conhecida para
cias e da cultura - parecia-lhe a única maneira de um homem da Antigüidade, graças a suas Con-
garantir a autonomia do indivíduo e, portanto, fissões, às suas numerosas obras, à revisão que
em prazo mais ou menos longo, de salvaguardar fez delas no fim da vida (Retractationes), à sua
a liberdade de todos. correspondência e aos sermões, bem como à bio-
• Gesammelte Schriften, Frankfurt, Suhrkamp, sob a direção grafia escrita pouco depois de sua morte pelo
de Rolf Tiedemann, 23 vol., 16 vol., publicados a partir de discípulo Possidius. O conjunto dessa documen-
1970. - Obras traduzidas para o francês: Philosophie de Ia tação foi minuciosamente perscrutado no século
nouvellemusique, Gallimard, 1962, trad. Hildenbrand e Lin- XVII por S. Lenain de Tillemont, t. XIII de Mé-
denberg: Essai sur Wagner, Gallimard, 1966, trad. Hilden- moires pour servir à l 'hisioire ecelésiastique, de
brand e Lindenberg; Musique de cinema, L'Arche, 1972,
que dependem, direta ou indiretamente, todos os
trad. Hammer; La dialeclique de Ia raison, em col. com
M. Horkheimer, Gallimard, 1974, trad. Kaufholz; Théorie trabalhos modernos.
esthéüque, Klincksíeck, 1974, trad. Jimenez; Autour de Ia Segundo E. Gilson, Agostinho teve "a preo-
théorie esthétique, Klincksieck, 1976, trad. Jimenez e Kau- cupação constante de codificar os resultados de
AGOSTINHO 15 AGOSTINHO

sua experiência pessoal". Isso se aplica em espe- disciplina de filosofia perfeitamente verdadeira",
cial ao que se convencionou chamar de "conver- que pôde desabrochar plenamente na era cristã.
são". Se entendermos por isso a decisão tomada Tomás de Aquino estimava que Agostinho se-
em 386 de renunciar à carreira de professor de guira Platão até onde lhe permitia a fé cristã. Des-
retórica e de ser batizado para levar uma vida cris- se modo, parece ter sido o primeiro a discernir
tã radical, será preciso considerá-la como a fina- um componente platônico na doutrina agosti-
lização de uma evolução iniciada cerca de doze niana, preparando a concepção amplamente di-
anos antes. Ao terminar os estudos universitários fundida de que essa doutrina é uma "síntese" do
em Cartago, ele lia Hortensius de Cícero, pro- platonismo e do cristianismo. Tinha um outro
tréptico que o converteu à filosofia, concebida princípio de discernimento: o Prólogo de João
como busca da sabedoria, investigação da verda- permitia-lhe apreciar a grandeza e a miséria do
de. Mas, cristão desde a infância, Agostinho iden- platonismo: nele descobria, por um lado, uma
tificava a Sabedoria com Cristo, Verbo de Deus. boa concepção de Deus, uno e trino: princípio do
Não encontrando "o nome de seu Salvador" em ser, do saber e do agir, e, por outro lado, uma
Cícero, sentiu-se seduzido pelo maniqueísmo que detestável colusão com o politeísmo. Achava,
se lhe apresentava como um cristianismo escla- porém, por generosidade ou ingenuidade, que os
recido, isento das injunções da fé. No entanto, lia platônicos só precisavam "mudar algumas fór-
tudo o que podia de obras filosóficas, atormen- mulas e algumas teses para se fazerem cristãos";
tado pelo problema da origem do mal: a solução mas essas poucas coisas são decisivas; é o
dualista proposta pelos maniqueístas não o satis- dogma da encarnação do Verbo que constitui a
fez por muito tempo. Ele indagava sobre as rela- linha divisória. Não há, para Agostinho, neutrali-
ções de Deus com o mundo, imaginando o mundo dade filosófica; há, por um lado, os platônicos,
como uma esponja imensa, embebida do oceano que se obstinam na rejeição orgulhosa da encar-
divino. Seu erro consistia no fato de seu espírito nação do Verbo e cuja doutrina se degrada em
estar entravado pela imaginação: ele era incapaz idolatria, e, por outro lado, os platônicos que,
de conceber uma realidade que não fosse mate- como Mário Vitorino e ele mesmo, confessam
rial. A libertação de seu espírito ocorreu graças à humildemente a humildade de Cristo e reconhe-
leitura de "Livros dos platônicos", traduzidos do cem no cristianismo a realização do platonismo.
grego para o latim por Mário Vitorino. Esses li- Censurou nos platônicos, os melhores filósofos,
vros deram-lhe o impulso de voltar-se para si mes- os mais próximos do cristianismo, o fato de te-
mo, entrar na intimidade de seu ser e descobrir rem "filosofado sem Cristo como mediador",
Deus transcendente; levaram-no, assim, a tomar "sem o Espírito Santo", "sem o culto de Deus".
consciência da interioridade espiritual. Contudo, Isso bastaria para que lhe fosse negado o título
Agostinho continuava a refletir sobre a pessoa de de filósofo, desde que nos atenhamos obstinada-
Cristo. O sacerdote milanês Simpliciano, amigo mente ao princípio da autonomia da razão. Mas
de Mário Vitorino, chamou sua atenção para o ele tinha um outro ideal filosófico: a filosofia é
Prólogo do Evangelho segundo São João, onde o amor pela Sabedoria; ora, o Poder e a Sabedo-
ele descobriu o princípio de coerência de sua dou- ria de Deus, segundo Paulo, é Cristo. Agostinho só
trina: Cristo, que é ao mesmo tempo - como dirá ocasionalmente empregou a expressão "filosofia
Malebranche na advertência de suas Meditações cristã"; mas com certeza não suspeitava de ne-
Cristãs - o "Verbo eterno, razão universal dos es- nhuma contradição nos termos, como foi feito
píritos" e o "Verbo feito carne, autor e consuma- no período neo-escolástico; antes, ela devia pa-
dor de nossa fé". Por isso mesmo, Agostinho po- recer-lhe tautológica.
dia fazer a distinção entre as diversas práticas
filosóficas que conhecia: reprovar, a exemplo de Visto isso, podemos conformar-nos à noção co-
Paulo, a "filosofia deste mundo" - digamos, gros- mumente aceita de filosofia, no sentido estrito e es-
so modo, o materialismo epicurista e estóico - e treito, para tentar fazer um levantamento dos temas
aprovar a "filosofia do mundo inteligível", "a única doutrinais que Agostinho devia aos filósofos, e
que, elaborados à sua maneira, legou à posteridade.
AGOSTINHO 16 AGOSTINHO

Sua vida, após a conversão, divide-se nitidamen- Voltando a Milão a fim de preparar-se para o
te em duas partes: a comunitária, sem responsa- batismo que iria receber na noite de Páscoa de
bilidades, em Cassiciacum e Tagasta (386-391), 387, trabalhou na seqüência dos Solilóquios, que
e a fase passada a serviço da Igreja, em Hipona, deveria ficar na forma de sumário: Da Imortali-
como padre (391-395) e depois bispo (395-430). dade da Alma. Esse opúsculo, difícil, muito ins-
No entanto, é preciso resistir a duas tentações: a pirado em Porfirio, é um testemunho importante
primeira é opor maciçamente o pensamento de da atividade intelectual de Agostinho; mostra
Agostinho nesses dois períodos; a segunda é ima- que, exatamente no momento em que se prepara-
ginar que o corpus de suas obras contém o todo de va para fazer sua profissão de fé cristã, também
suas convicções e que basta estudá-las em ordem sentia necessidade de aprofundar sua reflexão es-
cronológica para seguir sua evolução intelectual. piritualista; com isso, invalida a oposição que foi
Na realidade, essas obras são muito diversas, na artificialmente criada entre o Agostinho dos Diá-
maioria das vezes ocasionais; não são as peças logos e o das Confissões. Ele dá início também a
de um sistema em via de elaboração, pois não há uma série de manuais sobre as artes liberais; pro-
outra doutrina senão o cristianismo, ao qual ele punha-se fazer seus leitores subir, "por degraus
adere pela fé, e em cujo entendimento se empenha. seguros, do corpóreo ao incorpóreo". Foram con-
É dele que Anselmo de Cantuária extraiu o credo servados alguns esboços: Sobre a Gramática e
ut intelligam, que Schleiermacher transformou Sobre a Retórica, certamente o tratado inacaba-
no slogan da hermenêutica, colocando-o como do Sobre a Dialética, e os seis livros Sobre a Mú-
epígrafe de sua Glaubenslehre [Doutrina da fé]. sica, dos quais os cinco primeiros desenvolvem
O outono e o inverno de 386-387 Agostinho uma análise sofisticada dos diversos ritmos da
passou com a família e amigos na villa de seu co- língua latina, a fim de preparar os espíritos para
lega gramático, em Cassiciacum, vivendo em "re- elevar-se ao plano filosófico da lei dos números
colhimento filosófico (otium philosophandi)", que imutáveis que rege a atividade da razão. En-
ele chamou também de "recolhimento da vida cris- contramos esse método de treinamento do espíri-
tã". Fez seus jovens discípulos ler Hortensius e to, "verdadeira ginástica intelectual" (Marrou),
organizou colóquios filosóficos, atos normais do em outras obras. Voltando para a África, Agosti-
otium concebido à maneira de Cícero, colóquios nho pára em Roma, nos anos 387-388, onde con-
que são transcritos nos Diálogos: Contra os Aca- tinuou refletindo na linha do espiritualismo neo-
dêmicos, Vida Bem-aventurada, A Ordem. Redigiu platônico com um de seus amigos, em especial
também os dois livros dos Solilóquios, fruto de sobre o problema do mal e do livre-arbítrio, as-
suas meditações solitárias sobre Deus e a alma, na sim como Sobre a Grandeza da Alma, seus graus:
linha do espiritualismo que descobrira graças aos da animação do corpo à união com Deus. Inau-
"Livros dos platônicos". Nouerím me, nouerim Te: gurou também sua controvérsia antimaniqueísta,
encontra-se aí uma das primeiras formulações do escrevendo uma obra Sobre a Moral da Igreja
cogito agostiniano. Pascal via nisso apenas "algo Católica e sobre a Moral dos Maniqueístas.
escrito ao acaso", opondo-lhe a "seqüência admi-
Em Tagasta, voltando a morar na casa paterna
rável de conseqüências, que prova a distinção entre
(de 388 a 391), ainda respondia às questões dos
as naturezas material e espiritual", o "princípio
companheiros sobre diversos assuntos de filoso-
firme e consistente de uma física inteira, como Des-
fia, de exegese bíblica e de doutrina cristã; suas
cartes pretendeu fazer" (Do Espírito Geométrico).
respostas eram registradas em folhas soltas, coli-
Mas, como observava Gilson, "se o cogito agosti-
gidas mais tarde num volume de 83 questões di-
niano é um acaso, é um acaso que se repetiu várias
versas. A mais célebre é a questão 46, relativa às
vezes". É encontrado no cerne da longa meditação
"idéias" platônicas. Agostinho continuava tam-
sobre a estrutura do espírito criado à imagem de
bém a educação de seu filho, Adeodato, adoles-
Deus, que abrange a segunda parte da obra Sobre a
cente superdotado; no diálogo Sobre o Mestre,
Trindade.
ambos conversam sobre as finalidades da lingua-
AGOSTINHO AGOSTINHO

gem num longo exercício em que se desenvolvia incluem na série pastoral (sermões e cartas) ou na
o paradoxo segundo o qual: 1) nada pode ser en- série das controvérsias (contra o maniqueísmo, o
sinado sem signos; 2) os signos não ensinam donatismo, o pelagianismo), ficaram muito tem-
nada. Cheio de observações de ordem lingüística po paradas ou tiveram uma composição aciden-
e metalingüística, esse colóquio, porém, não nos tada; são também as obras em que se encontram
dá uma teoria agostiniana da linguagem. Agos- os temas filosóficos mais típicos do pensamento
tinho praticamente não se preocupou em inovar agostiniano.
nesse campo. Empenha-se mais em dissipar a Saído dos colóquios sobre o mal que Agosti-
ilusão da imediação da linguagem e da comuni- nho mantivera em Roma com amigos, o tratado
cação horizontal entre os homens, para persuadi- Do Livre-arbítrio só foi terminado em Hipona,
los de que só há comunhão dos espíritos por quando ele já era padre. Na forma acabada, po-
meio da união com a Verdade, com Cristo, mes- deria perfeitamente ter o título da obra de
tre interior enquanto Verbo de Deus. Essa tese Leibniz: Ensaios de Teodicéia sobre a Bondade
será qualificada de teoria da iluminação, ao sur- de Deus, a Liberdade da Alma e a Origem do
gir a necessidade de compará-la, com o fim de Mal. O livro 1 assevera a responsabilidade inte-
oposição ou de redução, à teoria aristotélico- gral do homem no mal moral; o livro II, em con-
tomista da abstração. Nesse aspecto, foi objeto trapartida, coloca-se sob o signo do bem, e trata
de muitas discussões, reflexo do interesse que principalmente da existência de Deus e de sua
nunca deixou de despertar, mas também das difi- bondade criadora; o livro III mostra que as falhas
culdades de interpretação que sobre ela lançaram da vontade livre do homem não causam nenhum
os pressupostos ou preconceitos escolásticos, prejuízo à bondade onipotente do Criador. A
ontologistas e outros. Na realidade, ela é ao mes- vontade é um bem médio, que corresponde à
mo tempo mais e menos que uma teoria do co- situação mediana da alma entre Deus e o mundo
nhecimento: menos, porque Agostinho não se sensível; por isso, ela é conclamada a uma opção
preocupou em pormenorizar o mecanismo men- fundamental: realiza sua finalidade específica ao
tal do conhecimento intelectual; e mais, porque é conquistar os grandes bens, as virtudes que
uma forma de ontologia espiritualista, pois a pre- garantem a retidão moral; pois é para agir e viver
sença iluminadora de Deus é apenas uma moda- na retidão que ela nos é dada por Deus. Ela desa-
lidade de sua onipresença criadora, que é dada à brocha então em liberdade verdadeira, e não
criatura dotada de inteligência. como simples ausência de coerção ou simples
O tratado Da Verdadeira Religião cumpre em poder de escolha, mas como adesão à Lei Eterna,
390 uma promessa feita quatro anos antes a seu submissão à Verdade, união com o Bem
amigo e benfeitor Romanianus; começou por de- Imutável. A essa liberdade opõe-se o orgulho
nunciar o conluio entre platonismo e paganismo, com que o homem se arroga uma falsa autono-
para opor-lhe o cristianismo: a autoridade de Cris- mia, afastando-se de Deus. Essa pretensão liber-
to, que convenceu os povos (e não apenas uma tária é ontologicamente mendaz: ninguém se
pequena elite) a ajustar-se ao ideal espiritualista liberta de sua condição de criatura. Afastar-se do
preconizado por Platão e seus discípulos. O cor- Ser criador é, inelutavelmente, decair, apeque-
po da obra combina uma ontologia provavelmen- nar-se, tender para o não-ser. Em face dessa hie-
te porfiriana com uma soteriologia propriamente rarquia do ser e do bem, que funda a ordem e a
cristã; e o todo apresenta um esboço bem nítido beleza do universo, o homem afastado de Deus,
da grande apologia da Cidade de Deus. desnorteado, desorientado, é vítima de uma
espécie de confusão mental. Para compreender, é
Tornando-se padre em 391 e bispo em 395,
preciso converter-se, voltar-se para si mesmo e
Agostinho precisou mudar de horizonte intelec-
subir de volta em direção a Deus. O otimismo
tual em função de seus novos cargos; quase não
agostiniano é, portanto, o da razão convertida.
teve mais tempo de entregar-se a reflexões cons-
Por sua conexão natural com as razões divinas,
tantes, muito menos de redigir suas obras com
exemplares das criaturas, a razão verdadeira sabe
toda a tranqüilidade: as grandes obras, que não se
AGOSTINHO AGOSTINHO

que Deus, criador de todos os bens, fez tudo o que De resto, os pagãos não criaram o ouro e a prata
ela pode conceber de melhor; mas ela não comete que se encontram em suas obras - convém enten-
o erro de querer excluir da criação todo o resto, der com isso as artes liberais, as regras mo-rais,
pois contempla a perfeição do universo em sua as afirmações monoteístas etc. -, mas os extraí-
totalidade, como convém. Na maior parte da obra, ram das minas da Providência divina. O cristão
Agostinho atém-se a um plano de reflexão teóri- sabe que a verdade, esteja onde estiver, vem de
ca; trata da responsabilidade da vontade humana seu Senhor. Cumpre-lhe desembaraçá-la das es-
em si, que teria a capacidade de dispor livremen- córias da superstição e da idolatria, para devol-
te de si mesma, sem outra consideração. Mas a ver-lhe o bom uso.
natureza humana não é mais o que era quando de Com Confissões, obra escrita por volta de
sua criação. A condição infeliz, o estado de igno- 397-400, "um homem novo aparece na história
rância e de dificuldade no qual a humanidade da consciência" (P. Hadot); para isso, era preciso
agora vive são o castigo pelo pecado de Adão. E que Agostinho traduzisse sua experiência para a
é por isso que a teodicéia agostiniana não exime linguagem filosófica que a provocara. Ele con-
da reflexão sobre o mistério da salvação. cebeu sua conversão como o retorno de seu ser
Em 396, Agostinho começou a redação de espiritual, o recolhimento de seu espírito em si
Doutrina Cristã: tratado de hermenêutica e de mesmo, com o que ele se aprofunda até unir-se a
retórica cristãs, para servir à formação do jovem seu princípio: Deus. A conversão é a imagem-
clérigo (obra terminada apenas em 426). Nela, mãe, a que engendra todas as outras: tanto o des-
estuda três padrões conceituais hauridos da tradi- vio, a dispersão, o desperdício, a degradação, a
ção clássica: o par retórico invenção-exposição, perda de identidade e a alienação quanto a retifi-
que rege o conjunto dos livros I—III e IV; o par lin- cação e a restauração do ser em sua reorientação
güístico coisa-signo, que rege os livros I e II—III; para Deus. Com certeza essa representação ele
deve ao neoplatonismo. Apesar disso, ninguém
o par ético que distingue, no livro I, o fim que
imagina Plotino a escrever confissões: "Plotino
deve ser objeto de nosso júbilo: Deus, e os meios
nunca 'bateu papo' com o Uno como fez Agosti-
para atingir esse fim. Houve quem atribuísse a
nho com Deus nas Confissões" (E. R. Dodds). É
Agostinho o mérito de "instaurar uma semióti-
que a experiência não foi livresca: não é ao Uno
ca" (T. Todorov); suas observações sobre as dife-
neoplatônico que Agostinho tem acesso, mas ao
rentes espécies de signos, porém, não tinham pre-
Deus pessoal que disse a Moisés o que lhe repe-
tensão à originalidade, mas serviam apenas de
te: "Eu sou Aquele que é." Agostinho não pensou
introdução a uma hermenêutica bíblica. Mais
em opor - como fará Pascal - o Deus de Abraão,
importante e mais influente na Idade Média é a
de Isaac e de Jacó ao Deus dos filósofos; mas
teoria das ciências ancilares organizadas para a
comentou regularmente os dois nomes revelados
compreensão das Santas Escrituras (liv. II, §§
a Moisés na teofania da sarça ardente: o "nome
29-63), princípio de "redução das artes à teolo- da substância" e o "nome da misericórdia"; em
gia", para retomar o (falso) título de um opúsculo jargão filosófico: ele sempre combinou ontolo-
de Boaventura. A "cultura cristã" assim entendi- gia e soteriologia. As Confissões são um longo
da pode parecer tacanha, por não ter outra finali- "pasticho dos Salmos" (P. Hadot). O Eu humano
dade além da interpretação da Bíblia. Contudo, constitui-se em diálogo com o Tu divino. Agos-
convém observar que, para ele, isso não significa tinho apropria-se da gama de sentimentos ex-
restringir o campo da cultura, pois ele está con- pressos nos Salmos para descrever sua experiên-
vencido de que a soma de ciência útil que se pode cia e traduzir sua meditação em prece. É de per-
extrair das obras pagas é muito pequena em com- guntar por que, após as confissões de seu passa-
paração com a doutrina contida nas Escrituras do (liv. I-IX) e de seu presente (liv. X), Agos-
divinas, que são inesgotáveis. Não passa de des- tinho desenvolve uma longa interpretação dos
pojos levados do Egito pelos hebreus, se compa- primeiros versículos do Gênese. Não é tão sur-
rada com as riquezas inumeráveis de Salomão. preendente, se observarmos que já na primeira
AGOSTINHO 19 AGOSTINHO

página ele se identifica com o homem bíblico: é çar a execução, minha expectativa se estende ao
"filho de Adão", criado à imagem de Deus, de- conjunto do canto; à medida que canto, minha
caído devido ao pecado, salvo por Cristo. memória se estende para o que já cantei, e minha
As meditações sobre a memória (liv. X) e o atenção está presente para garantir o trajeto do
tempo (liv. XI) tornaram-se textos de "antologia" futuro para o passado. Isso se aplica a todo o
filosófica; são lidas com demasiada freqüência canto e também a cada uma de suas estrofes,
fora do contexto, com o risco de não serem com- cada um de seus versos, cada uma de suas síla-
preendidas; pois não são digressões, mas exercí- bas, mas também se aplica a um recital inteiro, à
cios espirituais. A exploração da memória não vida inteira do homem, à série inteira dos sécu-
passa de etapa de um "itinerário do espírito rumo los cujas partes são todas as vidas dos homens
a Deus" (retomo intencionalmente o título bem [...] Se é um espírito universal, cuja ciência e
agostiniano da obra-prima de Boaventura). O tra- presciência são tais que ele conhece todo o pas-
jeto começa pelo percurso do mundo exterior: o sado e todo o futuro, tanto quanto conheço um
espírito convertido interroga todas as criaturas e canto familiar, por mais que provoque admiração
ouve sua resposta, porque ao ouvir a voz delas de e estupor, o fato é que sua expectativa do futuro e
fora, compara-as à Verdade de dentro. O movi- sua lembrança do passado provocam nele varia-
mento de transcendência prossegue no mundo ção de impressões e distensão das percepções. Deus,
interior, a exploração do surpreendente conteúdo ao contrário, conhece no Princípio (= no Verbo) o
da memória: as imagens das percepções, as lem- céu e a terra, sem variação de conhecimento, e fez
branças das ações passadas, o saber e seus prin- no Princípio o céu e a terra sem distensão de sua
cípios, os números, mas também as lembranças ação. Há, portanto, diversas músicas do tempo, di-
das paixões da alma, e mesmo do esquecimento; versas partituras e diversos executantes; e é assim
pois a mulher que perdera uma dracma, se não se que o fenomenólogo do tempo pode também ser o
tivesse lembrado dela, não a teria encontrado nem teólogo da história.
mesmo procurado. Tudo isso faz parte do treina- Agostinho nunca deixou de meditar sobre o
mento do espírito: gasta-se muito tempo com os relato bíblico da criação. Seu grande Comentário
dados familiares da experiência, para que haja do Gênese no Sentido Literal (redigido durante
condições de se dar o salto do psicológico para o vários anos, entre 400 e 415) atém-se a depreen-
"transpsicológico" (E. Gilson); pois cumpre tão- der o sentido metafísico do texto sagrado. Para
somente chegar até Deus, "Senhor do espírito": ele, como para seus antecessores, não se está
"Onde então te encontrei, para te conhecer, se- diante de ciências naturais: "O Espírito de Deus
não em Ti acima de mim?" É um exercício que não quis ensinar aos homens um saber inútil para
Agostinho faz com freqüência - explica - e "em a salvação." Mas, ao contrário de outros, mos-
que se deleita". trou grande zelo em advertir os cristãos contra o
"O que é o tempo? Se ninguém me perguntar, obscurantismo: escarnecer das pesquisas e das
sei o que é; se alguém perguntar e eu tentar descobertas da física falando em nome dos Li-
explicar, já não sei mais": o questionamento dis- vros Santos é provocar a irrisão dos cientistas em
sipa as falsas evidências; e ele se detém, como relação a esses Livros. A advertência será reto-
por capricho, na complexidade do enigma do mada por Galileu em sua Epístola a Cristina de
tempo e de sua medida; mas é para se dar e nos Lorena. A reflexão de Agostinho sobre o "Livro
dar condições de compreender que a transcen- da criação do céu e da terra" com certeza foi fei-
dência de Deus em relação à criação é muito di- ta com ajuda da metafísica neoplatônica. A dife-
ferente do domínio, relativo, que o espírito cria- rença fundamental está ainda no "personalismo"
do assume sobre o tempo que passa, por sua tri- que ele herdou do "antropomorfismo" bíblico.
pla intencionalidade: lembrança do passado, ob- Deus criou tudo por amor, porque quis e porque
servação do presente, expectativa do futuro. Nesse é bom. Do ponto de vista plotiniano, a providên-
aspecto, cumpre observar o proveito que Agos- cia agostiniana seria apenas uma pro-orasis, uma
tinho tira da descrição do canto: antes de come- previsão, um plano de fabricaçã , e não uma pro-
AGOSTINHO 20 AGOSTINHO

noia, uma primazia noética constitutiva do uni- si mesmo. Mas engana-se sobre si mesmo, ao se
verso sensível. A mesma obediência bíblica ex- equiparar às imagens dos corpos que retém das
plica a redistribuição dos atributos da segunda sensações. Precisa converter-se para apreender-
hipóstase neoplatônica, o Nous, entre o Verbo se como espírito, sem ilusão imaginativa, para
em sua função criadora e os anjos em sua condi- compreender que é constitutivamente lembrança
ção ideal de criatura. A observação vale afortio- de si, inteligência de si, amor a si. Não é apenas
ri para os múltiplos problemas antropológicos (a lembrança, num primeiro momento, para depois,
natureza da alma, a origem das almas singulares, por reflexão, ser inteligência de si e amor a si.
a mulher e a sexualidade, o pecado original) e psi- Pois não sobrevém a si mesmo, como se ao espí-
cológicos (as três espécies de visão: física, ima- rito já presente se apresentasse, vindo de alhures,
ginativa, intelectual, descritas no livro XII; tema esse mesmo espírito que não estava lá ainda, ou
retomado na Idade Média, em especial por Hugo como se, no espírito que estivesse presente, nas-
de São Vítor e Boaventura). cesse esse mesmo espírito que não estivesse ali
Os quinze livros Sobre a Trindade foram ini- ainda. Não; mas, já no início de sua existência,
ciados por volta de 400, mas só foram acabados ele não pára de lembrar-se de si, de compreen-
depois de 422; entre essas duas datas os doze pri- der-se e de amar-se; e a reflexão é um retorno a
meiros saíram numa "edição pirata" feita por si que atualiza essa tríade constitutiva: ela apre-
discípulos afoitos e indelicados. A primeira parte senta, ao olhar do espírito, o que estava em seu
(liv. I-VII) é uma defesa do dogma trinitário con- mais profundo íntimo. E a imagem de Deus que é
tra a heresia ariana, de ordem escripturária (liv. I- o espírito atualiza-se à medida que isso acontece.
IV: estudo das teofanias) e de ordem racional (liv. Contudo, se ele é imagem de Deus, não é sim-
V-VII: estudo das relações entre as pessoas divi- plesmente porque se lembra de si, porque se
nas). É preciso destacar aqui a notável utilização compreende e se ama; é porque também é capaz
feita no livro IV (assim como no fim do livro I de ser lembrança de Deus, inteligência de Deus,
Sobre o Acordo dos Evangelistas) da proporção amor a Deus. E é por essa restauração da imagem
enunciada por Platão no Timeu: a fé está para a que o espírito adquire algum entendimento do
verdade como o devir está para a eternidade. Es- mistério trinitário.
se quadro está inteiramente preenchido por Cris- Após o saque de Roma por Alarico, em 410,
to, que, sendo a Verdade na ordem das realidades as recriminações pagas redobraram, acusando a
eternas, ao encarnar-se é objeto da fé na ordem religião cristã de ser responsável pelas infelici-
do devir. Os livros V-VII merecem a atenção do dades do Império e, principalmente, pela queda
filósofo pelas reflexões que contêm tanto sobre da Cidade Eterna: "Desde que Roma perdeu seus
as condições de aplicação a Deus das categorias deuses, foi tomada e devastada." Para refutá-las,
aristotélicas quanto sobre o vocabulário ontológi- Agostinho começa a redigir A Cidade de Deus,
co: essência, substância, pessoa. Na segunda par- em 22 livros, entre 412 e 427. Essa obra foi in-
te (liv. VIII-XV) Agostinho atém-se a obter al- terpretada, sobretudo na Alemanha, como uma
gum entendimento do mistério da Trindade divi- "filosofia da história"; mas, pelo fato de não cor-
na examinando por muito tempo a estrutura do responder em absoluto aos critérios hegelianos,
espírito criado à imagem de Deus. Disso, a teolo- pareceu preferível considerá-la como uma "teo-
gia escolástica praticamente só ficou com uma logia da história"; e ainda é preciso esclarecer
teoria das analogias psicológicas: a processão do que é uma "teologia da história da salvação".
Filho pelo modo da inteligência, a do Espírito Para ele, realmente, a salvação realizou-se em
Santo pelo modo do amor. Mas trata-se de Jesus Cristo na última das seis idades da huma-
pacientes exercícios sobre o espírito à cata de si nidade {correspondente aos seis dias da criação);
mesmo, cujo tom e cuja maneira se assemelham contrariando a teoria de Joaquim de Fiore, revis-
aos de algumas das conferências de Plotino, nas ta e corrigida por Boaventura, não há redobra-
quais houve quem identificasse inspiração porfi- mento do esquema de idades da humanidade na
riana. O espírito tem o conhecimento intuitivo de era cristã; em outras palavras, não há chave de
AGOSTINHO 21 AGOSTINHO

interpretação da história que prossiga até a Pa- virtude, o que não é possível sem o conhecimen-
rúsia. É mais simples e mais esclarecedor consi- to e a imitação de Deus, sendo a condição mes-
derar a obra de Agostinho como um tratado da ma da felicidade. "É por isso que Platão não
religião, o que devia ser uma evidência para os duvida de que filosofar é amar a Deus." No
primeiros leitores, numa época em que não havia entanto, os próprios platônicos não souberam ou
cidade sem culto. Agostinho, aliás, deixava isso não puderam desvencilhar-se do politeísmo, do
bem claro em suas indicações de plano: a primei- paganismo, da falsa religião; donde a insuportá-
ra parte refuta quem preconiza o culto dos deu- vel contradição entre a boa teologia e a má práti-
ses para garantir a felicidade temporal (liv. I-V) ca religiosa, que só encontra solução no cristia-
ou a felicidade eterna (liv. VI-X); a segunda par- nismo, mais exatamente "na Cidade de Deus, a
te apresenta as duas Cidades antagonistas: suas verdadeira piedade e o culto de Deus; só a ele é
origens (liv. XI-XIV), desenvolvimentos (liv. prometida a felicidade eterna". Agostinho expli-
XV-XVI1I), fins (liv. XIX-XXII). "Dois amores ca que a verdadeira religião começou a ser cha-
fizeram duas Cidades: o amor por si mesmo, até mada cristã a partir do advento de Cristo em car-
o desprezo por Deus, fez a Cidade terrestre; o ne, mas que já existia desde as origens do gênero
amor por Deus até o desprezo por si mesmo, a humano. Na verdade, corresponde à ação provi-
Cidade celeste." Numa a sabedoria orgulhosa se dencial de Deus na economia da redenção para a
degrada em idolatria, como disse Paulo no início instauração do povo espiritual, para a reforma e a
da Epístola aos Romanos; na outra, ao contrário, restauração do gênero humano em vista da vida
não há outra sabedoria do homem senão a pieda- eterna. O problema que, desde a conversão,
de que presta ao verdadeiro Deus o culto que lhe preocupou Agostinho em relação ao platonismo
é devido, esperando-se como recompensa na é basicamente religioso, teológico por um lado e
sociedade dos santos, homens e anjos, que Deus cultuai por outro. Por isso, ele realizou uma
seja tudo em todos. Varrão, antiquário e filósofo redução radical da doutrina platônica para aco-
da religião romana, considerava que os cultos modá-la à teologia cristã da Trindade. Evidente-
eram instituições das cidades. Para Agostinho, em mente, não foi o sistema de Platão, como tal (se é
compensação, é a verdadeira religião que instau- que há algum), que ele levou em conta, nem mes-
ra a Cidade de Deus. Os platônicos são, nesse mo a interpretação que Plotino lhe deu, mas sim
caso, interlocutores privilegiados, pois reconhe- o que o entusiasmou na leitura dos "Livros dos
ceram que a alma humana só pode encontrar feli- platônicos": uma filosofia da interioridade e da
cidade na participação da luz de Deus, por quem transcendência que atinge o verdadeiro Deus, um
ela e o mundo foram feitos. De fato, ao contrário e trino. Ao que parece, ele não previu nenhuma
dos outros filósofos cuja inteligência, enleada objeção ou protesto nesse aspecto por parte de
nas sensações, não transpõe os limites deste mun- seus interlocutores neoplatônicos. Em compen-
do, eles superaram o universo dos corpos e dos sação, a linha divisória decisiva entre o platonis-
espíritos na busca de Deus; compreenderam que mo e o cristianismo é a da mediação religiosa.
o corpo do mundo inteiro e a vida em todas as Para ele, segundo São Paulo, não há outro Me-
suas formas - vegetativa, sensitiva, intelectual - diador entre Deus e os homens senão Cristo, me-
devem seu ser ao Ser absoluto, cuja vida, inteli- diador de vida por oposição ao mediador de
gência e felicidade são o ser mesmo; viram em morte, que é o Diabo. Os platônicos, ao contrá-
Deus o autor dos seres, a luz da verdade, o dis- rio, se desgarraram em sua reflexão sobre a me-
pensador da felicidade: único princípio da física, diação, porque prisioneiros dos demônios, espí-
da lógica e da ética. Todos os outros devem reco- ritos maus "que se arrogam a divindade e que, se
nhecer a superioridade desses filósofos que pro- não se deleitam com a fumaça dos sacrifícios,
fessaram que a felicidade do homem não consis- deleitam-se em manter sob seu poder a alma do
te nos prazeres do corpo ou da alma, mas na frui- suplicante, depois de o enganarem e submeter,
ção de Deus. Tal é, para Platão, a perfeição do barrando-lhe o caminho que leva ao verdadeiro
homem, seu finis boni, seu telos: viver segundo a Deus, para impedir que o homem seja o sacrifí-
AGOSTINHO 22 AGOSTINHO

cio de Deus, sacrificando a outro deus" [...] Os que Agostinho "inovou" em sua Resposta a Sim-
bons anjos, porém, não querem que nos consagre- pliciano, ou seja, que acreditou compreender me-
mos a eles; sabem-se, conosco, consagrados a lhor o ensinamento de Paulo, que para ele é nor-
Deus: são, como nós, o Sacrifício de Deus, pois mativo. Como o pecado de Adão implica a culpa
com eles formamos a única Cidade de Deus. Es- da humanidade inteira, a primazia e a gratuidade
ta tem sua lei, sua cúria, sua administração, seus absoluta da graça, a predestinação dos santos
decretos que proíbem o politeísmo. Tudo isso é como presciência e preparação dos benefícios de
garantido pelos numerosos milagres realizados Deus pelos quais são infalivelmente libertos
em Israel para recomendar o culto do único e todos os que são libertos, são para ele a doutrina
verdadeiro Deus e proibir o culto dos múltiplos cristã pura e simples. Pode-se concluir daí que o
falsos deuses; milagres que se opõem aos prodí- "agostinismo", concebido como interpretação
gios mágicos da teurgia [...] A própria Cidade de particular e contestável do cristianismo, proveio
Deus é o Sacrifício de Deus: devemos ser esse da contestação de Pelágio. De fato, se Agostinho
sacrifício juntamente com os anjos, oferecê-lo mereceu o título de "doutor da graça", isso se
por meio do Sacerdote que também se dignou a deve, ousaria eu dizer, a uma controvérsia, longa,
tornar-se o Sacrifício por nós até a morte. complexa, penosa, com Pelágio (412-418), de-
Aqui não podemos deixar de mencionar, ain- pois com Juliano de Eclano (418-430). Todas as
da que se trate de assuntos propriamente teológi- suas obras sobre a graça são respostas a pergun-
cos, os temas do pecado original, da graça e da tas precisas e réplicas ponto a ponto, com estrei-
predestinação, e mais precisamente a controvér- tamentos de perspectiva inevitáveis em seme-
sia pelagiana. Em 396, pouco depois de publicar lhante gênero literário, até uma espécie de exas-
o tratado Sobre o Livre-arbítrio, para responder peração doutrinai. Não se deveria esquecer que
às perguntas de Simpliciano ele precisou apro- Agostinho fazia muitas outras coisas durante es-
fundar a reflexão sobre a Epístola de Paulo aos ses anos: escrevia A Cidade de Deus, bem ou mal
Romanos. Nessa ocasião, diz ele que fez "muitos terminava A Trindade, os Comentários aos Sal-
esforços em favor do livre-arbítrio da vontade mos e ao Evangelho de São João...
humana; mas foi a graça de Deus que saiu vito- Infelizmente, a controvérsia se tornou endê-
riosa". Essa guinada teria ocorrido ao cabo de mica no Ocidente cristão, com os mesmos incon-
"dez anos de intensa reflexão e de amarga expe- venientes. Assim, Godescalco de Orbais acredi-
riência" que teriam modificado aos poucos a tou ver um resumo fiel da doutrina agostiniana
vida de Agostinho "até a transformar totalmen- da predestinação numa fórmula de Isidoro de Se-
te" (P. Brown); e teria provocado uma viravolta vilha, segundo a qual há duas predestinações, a
total em sua doutrina, reduzindo-a a um "ninho dos eleitos para a felicidade eterna e a dos que fo-
de contradições" (K. Flasch) entre os restos de ram reprovados para a danação eterna. João Scot
uma filosofia do espírito e a dominação de uma encarregou-se de demonstrar que a tese não era
teologia da graça. A opinião de E. Gilson parece só desastrosa para a pastoral cristã mas também
mais plausível, pois, mesmo reconhecendo uma lógica e ontologicamente inconsistente; e é de
evolução psicológica e diversas variações de de- notar que encontrou os melhores argumentos nas
talhe, considera que Agostinho "fixou suas idéias próprias obras de Agostinho, mas não as da con-
mestras a partir da conversão, mesmo no que se trovérsia pelagiana. Fenômenos semelhantes de
refere à graça, e sempre viveu desse cabedal, fixação e exasperação doutrinais são facilmente
depois de constituído". Pelágio ficou escandali- perceptíveis nos grandes casos da Reforma, em
zado com a prece que ele repetia nas Confissões: Lutero e Calvino, e do jansenismo, até a queda
"Dá o que ordenares e ordena o que quiseres." do agostinismo, descrita por Léon Brunschvicg,
Mas essa prece encontrava-se já em Solilóquios: com uma espécie de prazer malvado, em O Pro-
não é a expressão típica de uma nova teologia da gresso da Consciência na Filosofia Ocidental:
graça, mas a invocação de um cristão ao Deus "A questão é saber quem é esse Agostinho que
pessoal da Bíblia, criador e salvador. É verdade todas as facções concordam em ver como árbitro
ALBERTO MAGNO 23 ALBERTO MAGNO

infalível da ortodoxia. É por acaso o teórico das de Estrasburgo). De 1254 a 1257 é provincial de
Idéias, conduzido pelas especulações neoplatô- Teutônia; bispo de Ratisbona (Regensburg) em
nicas à religião do Verbo? Ou o teórico da graça, 1260, prega a cruzada "na Alemanha, na Boêmia
animado - em oposição à liberdade de Pelágio - e em outros países de língua alemã", atendendo a
pelo mesmo zelo furioso que empolgava o após- pedido expresso do papa Urbano IV; depois de
tolo Paulo contra a sabedoria dos filósofos? Am- diversas estadas em Würzburg (1264) e Estras-
bos, dirão... Mas o século das idéias claras e dis- burgo (1267), morre em Colônia no ano de 1280.
tintas não permite mais que nos resignemos a re- Aristotélico militante, Alberto tinha o mesmo
gistrar tal qual um caos de textos heteróclitos projeto filosófico de Boécio: "Transmitir Aristó-
[...]" Parece ainda preferível concluir com E. teles aos latinos." Principal comentador medieval
Gilson: "O que domina toda a história da contro- de Aristóteles, dominando a totalidade do saber
vérsia é que o pelagianismo era a negação radi- filosófico e científico de seu tempo - principal-
cal da experiência pessoal de Agostinho ou, se mente as fontes "árabes", de Avicena a Averróis,
preferirmos, a experiência pessoal de Agostinho passando por Hunain b. Ishaq, Qusta b. Luqa ou
era, na essência e até nas particularidades mais Ibn al-Haitam (Alhazen) -, Alberto deixou uma
íntimas, a negação mesma do pelagianismo." obra gigantesca que abrange todos os domínios
da teologia (comentários das Escrituras, teologia
• As obras de Agostinho citadas acima encontram-se na edi-
sistemática, liturgia, sermões) e da filosofia (ló-
ção bilíngüe da Biblioteca Agostiniana, acompanhadas de
introduções e de notas complementares substanciais, em
gica, ética, metafísica, ciências da natureza, me-
especial O Mestre, O Livre-arbitrio: vol. 6, Confissões: vol. teorologia, mineralogia, psicologia, antropologia,
13-4, A Trindade: vol. 15-6, A Cidade de Deus, vol. 33-7, fisiologia, biologia, ciências naturais, zoologia).
Comentário ao Gênese: vol. 48-9. A voz corrente acrescentou outros; alquimia, obs-
=> A. Mandouze, SaintAugustin. Laventure dela raison et
tetrícia, magia, necromancia (O Grande e o Pe-
de Ia grãce, Paris, 1968; P. Brown, La v/e de saint Augustin, queno Alberto, Os Segredos das Mulheres, Os Se-
Paris, 1971; K.. Flasch, Augustin. Einfúhrung in sein gredos dos Egípcios), que hoje em dia sabemos
Denken, Stuttgart, 1980; E. Gilson, Introduction à letude serem apócrifos.
de saint Augustin, Paris, 1929 (2a ed., 3a impressão, 1981); A cronologia da obra albertiniana ainda é dis-
G. 0'Daly, Augustines Philosophy ofMind, Berkeley-Los
cutida. Pode-se, porém, marcar algumas etapas
Angeles, 1987; G. Madec, Saint Augustin et Ia philoso-
phie. Notes critiques, Paris (Institut catholique, Association seguras nesse longo percurso. Durante seu ensi-
A.-Robert), 1992. no em Paris, ocorre a redação da Summa de crea-
turis (antes de 1246), primeira grande adaptação
Goulven MADEC
do aristotelismo greco-árabe ao contexto teoló-
gico medieval. O Comentário das Sentenças, ini-
ciado em Paris, é terminado em Colônia (1249).
ALBERTO MAGNO, ou ALBERTO, É também em Colônia que Alberto compõe seu
O GRANDE, santo, 1200-1280 Comentário sobre os Nomes Divinos e sobre a
Canonizado por Pio XI em 1931, promovido a Teologia Mística do Pseudo-Dionísio (1249-1250)
santo patrono das ciências da natureza por Pio e a maioria de seus escritos de filosofia natural:
XII (1941), Alberto de Lauingen nasceu pouco Física, comentário a De caelo, tratados sobre A
antes de 1200 numa família de cavaleiros que Natureza do Lugar e sobre As Causas das Pro-
durante certo tempo, sem razão válida, foi identi- priedades dos Elementos. Em 1250-1252, termi-
ficada com os condes de Bollstadt. Depois de na seu primeiro comentário de Ética a Nicômaco
estudar em Pádua e Colônia, Alberto entra para a (Super Ethica, comentário com questões), livro
ordem dos Dominicanos nos anos 1220. Sendo o ao qual voltará depois, com outra forma, em 1262-
primeiro alemão que se tornou mestre em teolo- 1263 (Ethica). As grandes paráfrases do Orga-
gia na Universidade de Paris (1245-1248), ensina non (comentários de estilo "aviceniano") são re-
no studium dominicano de Colônia (onde são digidas entre 1252 e 1256, com base numa docu-
mentação árabe (Avicena, Alfarabi) hoje parcial-
seus alunos Tomás de Aquino, até 1252, e Ulrico
ALBERTO MAGNO 24 ALBERTO MAGNO

mente perdida. Os textos de botânica (De vegeta- sublunar, com exceção da alma humana, que elas
bilibus et plantis íibri VII) e de mineralogia (De inclinam sem implicação de necessidade. Em ló-
mineralibus) são redigidos em 1256-1257; os gica, sua teoria dos universais propõe a primeira
tratados de biologia e zoologia (Quaestiones sistematização de uma distinção entre os três "es-
super De animalibus) são extraídos de questões tados do universal" (ante rem, post rem, in re)
discutidas em 1258. É em 1262-1263 que Alber- que, longinquamente herdada de Eustrato de Ni-
to compõe seu comentário a Euclides (Super Eu- céia, será oposta, ao longo dos séculos XIV e Xy
clidem): o resto de sua vida será dedicado à filo- à teoria nominalista de Ockham e de Buridan. Em
sofia primeira e à teologia. Em 1263-1267 é o ontologia, sustenta a teoria aviceniana da "indife-
comentário sobre a Metafísica; simultaneamen- rença da essência" (a essência, como tal, não é
te, o "Doutor Universal" compõe De causis et universal, como os conceitos empíricos abstratos,
processu universitatis - primeira exposição sis- nem particular, como os entes singulares que exis-
temática de uma teologia natural peripatética, em tem fora da alma). Alberto é também o primeiro
que se cruzam todas as tendências do pensamen- promotor de uma verdadeira teoria da analogia do
to antigo de última fase. Esta última obra, com- ser (analogia entis) que combina, de maneira ori-
posta de duas partes (a primeira segundo os mol- ginal, a analogia "focai" de Averróis (analogia
des da Metafísica de al-Ghazali; a segunda para- attributionis ou analogia accidentis: coordenação
fraseando o Livro das Causas atribuído a "Davi, das diferentes acepções do ser pela categoria de
o Judeu", Avendauth, leitor de Aristóteles e dos substância) e a analogia "de recepção" dionisiana
filósofos árabes), marca o apogeu medieval do (analogia recipientium: definição de cada ente
sincretismo filosófico árabe: a tradução de Ele- por sua "medida" ou "capacidade receptiva" que o
mentos de Teologia de Proclo (1268) não mudará situa numa hierarquia). Em noética, combate ao
mais nada na visão albertiniana da história da mesmo tempo o monopsiquismo atribuído a Aver-
filosofia. Situado na esfera de influência do aris- róis e o materialismo de Alexandre de Afrodísia,
totelismo árabe, o Livro das Causas nunca será - esforçando-se também por integrar o essencial da
por ele nem pelos albertistas - aproximado de seu teoria greco-árabe do intelecto agente. Em ética, é
original procliano. É nos anos 1270 que Alberto o defensor resoluto da concepção aristotélica do
concebe sua segunda súmula de teologia, chama- primado da "vida contemplativa" ou "teorética", e
da "Súmula de Colônia" ou Summa de mirabili considera a contemplação filosófica como o ápice
scientia Dei, que ficará inacabada. e o objetivo da vida humana: suas idéias sobre a
Durante muito tempo eclipsadas pelo pensa- "felicidade intelectual" serão aliás retomadas tan-
mento de Tomás de Aquino, a filosofia e a teolo- to pelos averroístas latinos (de João de Jandun a
gia de Alberto hoje voltam a ser alvo do interes- Nicoletto Vernia) e por Dante.
se que despertaram até o século XVII. Comentador rigoroso de Aristóteles e neopla-
Em metafísica, Alberto inaugurou uma via ori- tônico convicto, Alberto Magno não só influen-
ginal, ao mesmo tempo influenciada por Aristóte- ciou os neo-albertistas do século XV (João de
les (Livro das Causas) e por Dionísio, o Pseudo- Nova Domo, Heimeric de Campo), como tam-
Areopagita: a teoria da emanação formal (fluxus bém desempenhou papel decisivo no nascimento
ou infíuentia), interpretada no sentido anagógico de uma autêntica filosofia alemã (Dietrich de
de uma causalidade de atração (o "apelo do Bem", Freiberg, Mestre Eckhart), que se articulou em
advocatio boni). Partidário da unidade das formas torno de uma metafísica do Espírito herdada de
substanciais, mas sustentando que as formas das seu emanatismo.
coisas estão contidas no estado nascente na maté-
• Alberti Magni Opera omnia, ed. Petrus Jammy, 21 vol.,
ria ("incoação das formas"), Alberto representa o
Lyon, 1651: A Iberti Magni Opera omnia, ed. A. e E. Borgnet,
conjunto dos processos morfogenéticos como re- 38 vol., Paris, 1890-1899; Alberti Magni Opera omnia eden-
gidos pelas esferas celestes e por seus motores; da curavit Institutum Aíberti Magni Coloniense Bernhardo
partidário da animação do Céu, admite a causali- Geyer praeside, Münster/Vestefália, edição critica em anda-
dade das Inteligências cósmicas sobre o mundo mento desde 1951.
ALEMBERT 25 ALEMBERT

=> A. de Libera, Alberl le Grand ei Ia philosophie, Paris, toniana, desembocando, em 1749, nas Investiga-
1990; Penser au Moyen Age, Paris, 1991; B. Nardi, Studi di ções sobre a Precessão dos Equinócios e, em
filosofia medievale, Roma, 1960; Vários autores: Alberlus 1754, nas Investigações sobre Diferentes Pontos
Magnus Doclor Universalis 12H0/1980, ed. G. Meyer e A.
Importantes do Sistema do Mundo. Graças a to-
Zimmermann (Walberberger Sludien, 6), Mayence, 1980;
Alherlus Magnus and lhe Sciences. Commemorative Essays
das essas obras, d'Alembert, ao lado de Euler e
1980, ed. J. A. Weisheipl, Toronto, 1980; Alberl der Gros- Clairaut, antes de Lagrange e Laplace (seus con-
se. Seine Zeii, sein Werk. seine Wirkung, ed. A. Zimmer- tinuadores), é um dos sucessores, no século XVIII,
mann (Miscellanea Mediaevalia, 14), Berlim-Nova York, de Newton em mecânica e em astronomia.
1981; Alberl der Grosse und die deutsche Dominika- Em matemática, já em 1744 ele inventa um
nerschule. Philosophische Perspektiven, ed. R. Imbach e
novo ramo do cálculo diferencial, o cálculo de
Ch. Fluéler, Freiburger Zeitschrift jiir Philosophie und
derivadas parciais, que põe em prática em sua
Theologie, 32 (1985).
dissertação de 1747 sobre as cordas vibrantes e
Alain de LIBERA em suas Reflexões sobre a Causa Geral dos Ven-
tos (1746-1747), e em 1746 faz uma primeira de-
monstração do teorema fundamental da álgebra
ALEMBERT, Jean Le Rond d% 1717-1783 (uma equação algébrica de grau n admite n raí-
zes, reais ou imaginárias). A partir de 1761 co-
Matemático e filósofo francês. Abandonado
meça a publicação de seus Opúsculos Matemá-
ao nascer, Jean d'Alembert foi adotado por uma
ticos, que comportam nove volumes (o último
família de artesãos, mas pôde receber boa educa-
ficou inédito). Possibilita grandes progressos na
ção graças ao apoio financeiro do pai, o cavalei-
teoria das funções com a introdução e o estudo
ro Destouches-Canon. Formado por mestres jan-
das funções arbitrárias na resolução das equações
senistas, malebranchistas e cartesianos, logo foi
diferenciais; desenvolve uma nova abordagem da
atraído pela matemática. Bacharel em humanida- noção de limite, tentando esclarecer os funda-
des em 1735, familiariza-se com a nova análise e mentos da análise; propõe teoremas sobre as sé-
com o cálculo infinitesimal, com a obra dos Ber- ries. Sua obra em matemática é inseparável de
noulli e com os trabalhos que difundiam e prolon- seus trabalhos em física; em particular, a aplica-
gavam as idéias de Newton. Em 1739 apresenta ção do cálculo das derivadas parciais aos proble-
sua primeira dissertação à Academia de Ciên- mas de hidrodinâmica constitui uma expansão
cias, a que logo se seguem outras que despertam da mecânica do ponto material para a mecânica
atenção e justificam seu ingresso na Academia em dos meios contínuos, que tanto enriqueceu o sé-
1741 como "Associado Astrônomo Adjunto". Sua culo seguinte.
carreira daí por diante será mais difícil, mas a
A obra de d'Alembert abrange vasto campo,
partir dos anos 1760 ele ocupará posição-chave na
que vai desde seus trabalhos notáveis e pionei-
Academia de Ciências e na Academia Francesa.
ros em matemática e em física até filosofia e his-
Passa por um período de trabalho científico tória das ciências, crítica musical (ele comentou
intenso que se prolongará por cerca de vinte anos, a obra de Rameau e escreveu Elementos de Mú-
cujos pontos culminantes são a publicação, em sica), filologia (traduções de autores latinos, em
1743, do Tratado de Dinâmica, que compreende especial Tácito) e literatura (sobretudo por seus
o teorema geral da dinâmica ou princípio de Elogios Acadêmicos). Empenhou-se ativamente
d'Alembert, que constitui uma unificação da me- na luta filosófica e política que foi a publicação
cânica; no ano seguinte, tem-se a publicação do da Enciclopédia, que ele dirigiu com o amigo
Tratado do Equilíbrio e do Movimento dos Flui- Diderot (a partir de 1759, ele ficou encarregado
dos, seguido, em 1749-1752, pelo Ensaio de apenas dos textos de matemática e física, uma
uma Nova Teoria da Resistência dos Fluidos, com vez que suas outras contribuições, freqüente-
os quais a hidrodinâmica passa a ser um ramo da mente polêmicas, eram vistas como ataques de-
mecânica. Em 1745, d'Alembert ataca o proble- masiado frontais, quando a publicação da Enci-
ma dos três corpos em teoria da gravitação new- clopédia foi ameaçada e suspensa), e foi consi-
ALEMBERT 26 ALEMBERT

derado o chefe do "partido filosófico", sucessor pensamento não é de natureza lógica: é um "ins-
de Voltaire, com quem manteve correspondên- tinto" que pertence aos "fatos da alma". O proces-
cia regular. so de formação dos conceitos, ou "idéias simples
Em 1751 publica seu primeiro texto filosófi- gerais", consiste em uma série de abstrações a
co, Discurso Preliminar da Enciclopédia, que, partir da realidade material por decomposição em
além de expressão de seu próprio pensamento, idéias simples das idéias complexas que são ime-
constitui um verdadeiro "Manifesto das Luzes", diatamente propostas pelos sentidos. Segundo es-
devido à afirmação de uma filosofia da razão in- se esquema, d' Alembert descreve a edificação das
dependente da teologia e dos sistemas metafísi- ciências fisico-matemáticas, da física à geometria,
cos, à afirmação do papel da ciência no "esclare- e nisso encontra a base filosófica de sua classifi-
cimento" dos espíritos, e à crença no progresso cação das ciências. A matemática encontra-se no
da razão e das Luzes, capazes de mudar o homem termo do processo de abstração, e seu objeto é
e de melhorar sua organização social (quarenta transparente à razão, correspondendo à substância
anos depois, esses pensamentos ressoarão no Es- simples que, para d'Alembert, é o pensamento:
boço de um Quadro dos Progressos do Espírito donde o caráter de certeza que lhe é atribuído. A
Humano de Condorcet, em circunstâncias inte- transparência de princípio dos fatos da alma im-
lectuais e políticas diferentes). plica a possibilidade de racionalização total dos
Outras contribuições importantes seguem-se objetos do conhecimento, e d'Alembert esforçou-
ao Discurso: verbetes da Enciclopédia, que são se toda a vida por demonstrar racionalmente as
verdadeiras análises epistemológicas no sentido três leis fundamentais da mecânica de Newton.
que atribuímos hoje a esse termo (por exemplo, Embora d'Alembert seja herdeiro do cartesia-
"Diferencial", "Mecânica", "Movimento" etc), nismo, modifica-o profundamente ao aderir às
e até mesmo exposições sobre a teoria do conhe- concepções de Newton e de Locke, e seu racio-
cimento ("Elementos das ciências") no Ensaio nalismo é de um gênero novo. Sua filosofia do
sobre os Elementos de Filosofia (1758), seguido conhecimento baseia-se no conhecimento cientí-
pelos Esclarecimentos (1766) a esses mesmos fico tal qual existe em seu tempo, e dele se nutre,
Ensaios. Sua filosofia e sua epistemologia, ex- garantindo uma autonomia das ciências em rela-
plicitadas nesses textos, também podem ser lidas ção às construções apriori, aliás rejeitadas com
em sua obra científica, por exemplo na concep- a antiga metafísica. Sua epistemologia dedica-se
ção dos "princípios" da mecânica, fundados em precisamente a elucidar a significação precisa das
razão, o que garantia a autonomia e unidade des- proposições e dos conceitos científicos, acompa-
sa ciência: seu "programa" é reduzir a parte teo- nhando seu programa de renovação da metafísi-
rizável da física a um pequeno número de princí- ca enquanto busca o enunciado das condições do
pios fundamentais, fecundos porque gerais. Seu conhecimento. Orientada para as ciências fisico-
pensamento físico e matemático comporta uma matemáticas, sem porém ser reducionista, a ela
dimensão crítica relativamente aos conceitos (es- se opõe em parte a linha epistemológica que, na
paço, tempo, força, ponto material, impenetrabi- mesma época, com Buffon ou Diderot, pretende
lidade, atração, diferença, limite etc.) e aos pro- extrair lições das ciências da vida e fixar estas
cedimentos empregados (condições de utilização últimas. Sua filosofia, racionalista mas informa-
da matemática em física, ou mesmo em proble- da da importância da experiência, o situa como
mas de natureza econômica ou social, como as ponto de irradiação das principais correntes filo-
rendas vitalícias ou a inoculação). sóficas que, depois dele, se basearam nas con-
Sua filosofia do conhecimento, baseada nas quistas das ciências: criticismo, positivismo, ma-
sensações, é influenciada por Locke e Condillac. terialismo.
Os dois primeiros conhecimentos que devemos a
• Não existe uma edição completa das obras de d'Alcm-
nossas sensações são a consciência de nossa pró- bert; as edições existentes contêm apenas textos filosóficos
pria existência e a dos objetos exteriores; mas não e literários. Além das obras mencionadas no texto, entre as
há relação direta entre um conhecimento e o obje- quais algumas foram publicadas de novo por "Culture et
to que o ocasiona, e o nexo que os une em nosso civilisation", Bruxelas, ver Oeuvre.s, 18 vol.. Paris, Bastien,
ALEMBERT 27 ALFARABI

1805; Oeuvres, 5 vol., Paris, Berlim, 1821, reprod. Slatkine, ALFARABI, 8707-950
Genebra, 1967; Discours préliminaire de I 'Encyclopédie,
ed. François Picavet, Paris, Armand Colin, 1899; Essai sur Abu Nasr Muhammad b. Tarkhan al-Farabi
les Elémenls de philosophie (com Eclaircissements), texto nasceu no Turquestão, perto da cidade de Farab.
revisto por C. Kintzler, Paris, Fayard, 1986. Não se sabe sua data de nascimento, mas pode-
=> E. Cane, D'AIembert and lhe question of Umitation of
mos fixá-la em torno de 870, já que morreu em
knowledge, tese, Univ. de Michigan, 1974; P. Casini, II pro- Damasco em 950 e que teria vivido oitenta anos.
blema di d'Alembert, Rivista di filosofia, 1970; Gli enci- Foi bem moço para Bagdá, mas não há nenhuma
clopedisti e le antinomie dei progresso, Rivista di filosofia, informação sobre sua vida nessa cidade. Parece
1975; L. Daston, D'Alembert's critique of probability
ter sido uma vida recolhida e sem acontecimen-
theory, Historia mathematica, 1979, n? 6; S. Demidov,
Création et développement de Ia théorie des équations
tos marcantes até o ano de 942, quando aceitou
différentielles, Revue d'histoire des sciences, 35, janeiro um convite do soberano hamdanida xiita Sayf al-
de 1982; Dix-huitième siècle, n? 16, 1984 (número espe- Dawla, em torno do qual se reunia uma corte de
cial D'Alembert ei les sciences de son temps); M. Emery, letrados. Desde então, foi sobretudo em Alepo,
P. Monzani et le Centre international de synthèse (org.),
capital desse xeque, que Alfarabi morou, pratica-
Jean d'Alembert, savant et philosophe: portrait à plu-
sieurs voix. Actes du Colloque organisé par le Centre
mente até sua morte. Teve como mestre de filo-
international de synthèse - Fondation pour Ia science. sofia um nestoriano, Yuhanna b. Haylan. Esse
Paris, 15-18 juin 1983, Paris, Archives contemporaines, ponto é importante, porque os cristãos nestoria-
1989; D. Essar, The language theory, epistemology and nos mantiveram, nessa época e sobretudo no Ira-
aesthetics of Jean Le Rond d'Alembert, in Studies on
que, relações estreitas com os pensadores e sá-
Vohaire and the Eighteenth Century, 159, 1976; R. Grims-
ley, Jean d'Alembert, 1717-1783, Oxford, Clarendon Press,
bios muçulmanos. Alfarabi relacionou-se, por si-
1963; T. L. Hankins, Jean d'Alembert, science and the nal, com outro cristão, Abu Bishr Matta b. Yunus,
Enlighlenment, Oxford, Oxford University Press, 1971; tradutor e comentador de Aristóteles, célebre em
C. Kintzler, D'Alembert, les Eléments de philosophie, particular por seu conhecimento de lógica. O
une pensée en éclats, Corpus, n? 4; J.-F. Malherbe, Re-
grande escritor Abu Hayyan al-Tawhidi o faz
cherches sur Diderot et sur I 'Encyclopédie, n? 9, 1989; J.
Pappas, Les relations entre Boscovich et d'Alembert, in
personagem de um diálogo com o gramático Abu
M. Bossi e P. Tucci (org.), Proceedings, Bicentennial Sa'id al-Sirafi sobre o valor da lógica grega e da
Commemoration of R. G. Boscovich, sept. 1987, Milão, gramática árabe. Aristóteles era considerado,
Unicopli, 1987: M. Paty, Théorie et pratique de Ia con- então, o "Mestre da Lógica" (Sahib al-Mantiq),
naissance chez Jean d'Alembert, tese de doutorado, Es-
e Alfarabi atribuiu lugar de grande destaque a es-
trasburgo, 1977; D'A!embert et son temps, Eléments de
biographie, Cahiers Fundamenta Scientiae (Estrasburgo),
sa disciplina. Várias das obras que lhe dedicou
nf 69-70, 1977; La position de d'Alembert par rapport au foram publicadas e traduzidas em inglês por D.
matérialisme, Revue philosophique, 171 (106? ano), 1981; M. Dunlop: Capítulos de Introdução à Lógica,
La critique rationaliste de Ia création au XV11I' siècle, Dia- Paráfrase da Isagogé de Porjlrio, Paráfrase das
lectica, 37, nf 3, 1983; D'Alembert: un bicentenaire, La
Categorias de Aristóteles. Assinalemos ainda a
Pensée, n° 239, maio-junho 1984; D'Alembert: science et
philosophie à 1'époque des Lumières, La Recherche, 15,
Paráfrase dos Primeiros Analíticos. Além disso,
1984 (n? 152, fevereiro); La critique par d'Alembert des podemos detectar no pensamento de Alfarabi
conditions d'une théorie des probabilités physiques, influências propriamente nestorianas, quando
Fundamenta Scientiae, 8, 1987; D'Alembert et les proba- mais não fosse pela presença, em sua teoria do
bilités, in Rashed Roshdi (org.), Sciences à 1'époque de ia
Primeiro Princípio (al-Awwal = Deus), de duas
Révolution française. Recherches historiques, Paris, Blan-
chard, 1988; S. Petrova, Sur 1'histoire des démonstrations
fórmulas trinitárias, evidentemente despojadas
analytiques du théorème fondamental de 1'algèbre, Historia da significação que tinham no contexto teológi-
mathematica, 1974; G. Tonelli, The philosophy of d'Alem- co cristão: no nível do Primeiro, o que intelige é
bert: a skeptic beyond scepticism, Kant Studien, 67, 1976; idêntico ao que é inteligido e idêntico ao Intelec-
E. Yamazaki, D'Alembert et Condorcet: quelques aspects
to (ai- 'aqil = al-ma 'qul = ai- 'aql), e o que ama é
de 1'histoire du caleul des probabilités, Japanese Studies in
the Historyof Science, 10, 1971.
idêntico ao amado e idêntico ao amor (ai- 'ashiq =
al-ma '-shuq = ai- 'ishq). Essas fórmulas passarão a
Avicena.
Michel PATY
ALFARABI 28 ALFARABI

Alfarabi viveu numa época particularmente dos dois sábios, o que se manifesta em duas obras:
perturbada pelas guerras e revoluções devidas às Sobre a Filosofia de Platão (ed., trad. latina e
ambições dos príncipes e às rivalidades entre su- notas de F. Rosenthal e R. Walzer, Plato Arabus,
nitas e xiitas. Na época, havia razões para preo- II, Londres, 1943) e Sobre a Filosofia de Aristó-
cupar-se com questões de fé: onde estava a ver- teles (ed. H. Mahdi, Beirute, 1961).
dade? Ninguém duvida de que Alfarabi, espírito Essas observações permitem entender a im-
profundamente religioso, tenha sido sensível a portância da política e da ética na obra de Alfa-
essa interrogação. O Alcorão era brandido por rabi. Citemos: Advertências acerca do Caminho
todos os partidos, mas era objeto das interpreta- para a Felicidade (al-Tanbih 'ala sabil al-sa 'ada);
ções mais diversas por parte de teólogos, místi- Sobre a Obtenção da Felicidade (Fi tahsil al-
cos e pensadores que transitavam pelas esferas sa 'ada)\ Compendium Legum Platonis (ed. F. Ga-
do poder e, em geral, de todos os partidos em brieli, com trad. latina e notas, Plato Arabus, III,
cena. Caberia acreditar, como os xiitas, que havia Londres, 1952); Aforismos do Estadista (Fusul
um imã especialmente guiado por Deus para ex- al-Madani) (ed. Dunlop, com trad. ingl. e notas,
plicar o texto revelado e aplicar a Lei que este Cambridge, 1961); As Opiniões dos Habitantes
encerra, conforme as exigências e as necessida- da Cidade Excelente (Ara 'ahl al-Madinat al-fadi-
des de cada geração? Mas essa seita era muito la) (trad. franc. do rev. pe. Jaussen, Cairo, 1949);
dividida, precisamente quanto à pessoa do imã. Política (al-siyasat al-madaniyya). Essas duas úl-
Nessas condições, compreende-se que Alfarabi timas obras inserem as questões políticas e éticas
tenha pensado em apoiar a fé na razão, em fazer numa concepção global do universo, de sua ori-
da razão um árbitro, em fazer do profeta também gem e de sua estrutura. Certas obras tratam de
um sábio, e, por conseguinte, em se voltar para o problemas mais particulares, como Tratado so-
que ele considerava philosophia perennis, a filo- bre o Uno e a Unidade (fi'l-Wahid wa 'l-wahda) e
sofia grega, que ele se aplicou a apresentar como a Epístola sobre o Intelecto (fiT-Aql). Sem enu-
um sistema acabado e perfeitamente coerente, merar toda a obra de Alfarabi, cumpre assinalar
indo muito mais longe que os teólogos mutazili- ainda dois escritos importantes: um sobre o in-
tas, que só recorriam à razão para esclarecer os ventário das ciências (lhsa 'ai- 'ulum), o outro inti-
problemas levantados pela Revelação, buscando tulado Livro das Letras (Kitab al-huruf), em que
nos gregos apenas as idéias ou as doutrinas que são tratados, em particular, os problemas do co-
faziam parte de sua própria argumentação. Alfa- nhecimento.
rabi toma a falsa/a inteira, por estar persuadido O pensamento de Alfarabi caracteriza-se, an-
de sua unidade. Temos uma prova disso em seu tes de mais nada, por uma cosmologia fundada
livro sobre a harmonia entre as idéias do sábio e na processão dos seres a partir do Uno (influên-
divino Platão e as de então (Kitab al-Jam' bayna cia plotiniana), que é chamado de Primeiro (al-
ra 'yay al-hakim Aflatun al-ilahi wa-Aristutalis), Awwal), talvez porque no Alcorão (57, 3) esteja
editado e traduzido em alemão por Dieterici. Com escrito a respeito de Deus: "Ele é o Primeiro e o
uma argumentação hábil e sutil, Alfarabi tenta Último." Partindo, portanto, da idéia do Pri-
aproximar as duas doutrinas, mostrando que as meiro, Alfarabi mostra que ela implica ausência
diferenças estão apenas nas palavras ou nos pon- de causa anterior e, por conseguinte, ausência de
tos de vista. Assim, ele explica, por exemplo, que composição, porque toda composição deve ter
os dois "sábios" têm a mesma concepção da de- uma causa. O Primeiro é, pois, absolutamente
finição. Quando aborda as questões sobre as quais simples: ele é Uno. Por conseguinte, não tem as-
sabemos que Aristóteles criticou Platão e se opôs sociado (sharik), tal como diz o Alcorão (6, 163;
a ele, como acontece na teoria das Idéias, tenta 17, 111; 25, 2); não tem contrário (didd) nem
conciliá-los utilizando uma obra intitulada Teo- definição (hadd), pois isso implicaria que ele é
logia de Aristóteles, atribuída ao Estagirita, mas divisível segundo o gênero e a espécie. Em se-
que não passa de compilação de textos plotinia- guida, Alfarabi se afasta de Plotino, atribuindo
nos. Mas é real o conhecimento que Alfarabi tem ao Uno (o Primeiro) atributos positivos, de açor-
ALFARABI 29 ALFARABI

do com a letra do Alcorão: ele é vivo (hayy) (cf. qual possuindo seu intelecto: depois do primei-
suratas 2, 255; 3, 2, etc.) porque é desprovido de ro céu vem a esfera dos fixos, depois a de Satur-
matéria; ora, a matéria é o que impede de ser in- no, a de Júpiter, a de Marte, do Sol, de Vênus, de
telecto em ato de intelecção. O Uno é Intelecto, Mercúrio e da Lua. O Intelecto da esfera da Lua é
ato de intelecção e inteligível, em perfeita unida- o Intelecto Agente, ou ainda, o anjo Gabriel. Dele
de. É nisso que é vivo. Assim, Alfarabi reen- não procede mais nenhum intelecto. Em compen-
contra a noção aristotélica de "pensamento do sação, é ele o Doador das Formas (Wahib al-
pensamento" (vÓT|oiç vór|0£(ix;, Mel. A 1074633) Suwar) à matéria sublunar para constituir, primei-
aplicada ao Primeiro. Adota também a arquitetu- ro, os quatro elementos, depois o reino mineral, o
ra do céu com suas esferas, tal como o Estagirita reino vegetal, o reino animal e, por fim, o homem.
a representava. Alfarabi vai combinar a organiza- O Intelecto Agente exerce então outra função: a
ção hierárquica desta com a doutrina plotiniana de esclarecer a inteligência humana.
da emanação (fayd), do extravasamento do Uno, Em seu tratado do Intelecto, Alfarabi, após ter
que, "sendo perfeito, já que nada busca, nada pos- distinguido vários sentidos da palavra, interessa-
sui e de nada carece, por assim dizer, extravasou se sobretudo pelo intelecto que é tratado no livro
(oiov èitepepp-ÚTi); e aquilo que ele tem de Da Alma, de Aristóteles. Distingue quatro tipos:
superabundante (TO w£prc^f|p eç amou) pro- o intelecto em potência (ai- 'aql bi 'l-quwwa), o
duziu, assim, outro" (Enéadas, V, 2, 1). intelecto em ato (bi'l-fí'l), o intelecto adquirido
Eis, segundo os Ara ahl al-Madinat al-fadila, (ai- aql al-mustafad) e o Intelecto Agente (ai- 'Aql
como se dá a processão do múltiplo. "Do Primei- al-Fa "a!). O intelecto em potência é uma certa dis-
ro emana a existência do Segundo. Ora, esse Se- posição da alma para extrair as qüididades de to-
gundo é também substância (jawhar) absoluta- dos os seres, separando-as da sua matéria de tal
mente incorpórea, que não está na matéria. Ele sorte que se tornam formas na alma, mas num sen-
intelige sua essência e intelige o Primeiro. O que tido particular. De fato, se alguém faz uma está-
ele intelige de sua essência nada mais é que sua tua de bronze, o bronze se torna estátua, ao passo
essência; e porque ele intelige do Primeiro, resul- que, se a alma percebe um quadrado, ela não se
ta necessariamente uma terceira existência (wujud); torna quadrada. É que a forma na matéria perma-
pelo fato de ser 'substanciado' por sua essência nece na superfície; se alguém martela a estátua, a
que lhe é própria (mutajawhir bi-dhalihi), resulta forma desaparece e somente o bronze subsiste.
necessariamente o primeiro céu." O termo "subs- Ao contrário, quando a alma recebe uma forma,
tanciado" constitui uma dificuldade. Para Alfara- fica inteiramente penetrada por ela, de tal sorte
bi, a substância é uma essência, não considerada que se torna integralmente essa forma. Quando,
em sua inteligibilidade, mas em sua realidade de portanto, essas formas ocorrem à alma, esta se
essência existente. Assim, a substância de um ho- torna intelecto em ato, ao mesmo tempo que os
mem é a essência humana enquanto existe e é inteligíveis que estavam em potência na matéria
Zayd ou Amr, antes mesmo de ser considerada com se tornam inteligíveis em ato. Mas esses inteligí-
estes ou aqueles atributos. Assim sendo, o Pri- veis em ato não se identificam com as noções
meiro Intelecto, emanado do Primeiro Princípio, abstratas que redundam nos gêneros primeiros e
não é existente por sua essência, senão seria o Ser nas categorias. Por isso Alfarabi nota que, vindo
necessário, mas é "substanciado" por sua essên- a existir em ato, os inteligíveis são separados em
cia, isto é, ele recebe uma existência própria à sua várias dessas categorias. Não explica quais. Mas
essência. Avicena entenderá, portanto, com toda sua observação leva a pensar que, para ele, mes-
razão, que o primeiro céu provém do fato de o mo quando orienta inteligíveis verdadeiros, a abs-
Primeiro Intelecto pensar-se como simplesmente tração, por si mesma, não vai além da inteligibi-
possível em si. A matéria da esfera não passa, por lidade lógica e permanece muito aquém da visão
assim dizer, da sombra dessa possibilidade proje- inteligível como ser. Consideremos agora o inte-
tada pelo Primeiro Intelecto. O processo conti- lecto adquirido. Se o intelecto em potência torna-
nua, segundo a ordem dos diferentes céus, cada se intelecto em ato, sem dúvida se identifica com
ALFARABI 30 ALFARABI

cada um dos inteligíveis que intelige; mas não remos que o Intelecto Agente dá à alma "algo"
intelige todos eles, nem todos ao mesmo tempo. que é para ela o que a transparência é para a vi-
Nele, portanto, permanece certa potência. Por são. Ele se torna, com isso, o princípio (mabda')
isso, quando intelige a si mesmo através de seus pelo qual os inteligíveis em potência se tornam
atos de intelecção destes ou daqueles inteligíveis, inteligíveis em ato, isto é, lhe são dados. Diz-se
não pode deixar de colidir com a potência que que o intelecto humano abstrai as formas e as in-
nele permanece, de modo que, ao mesmo tempo telige, como se diz que o olho vê e discrimina.
que se identifica com os inteligíveis que intelige, Essa concepção do intelecto comanda a dou-
é forçado a deles se distinguir quando intelige a trina alfarabiana da relação entre o Sábio e o
si mesmo, pois resta nele ininteligibilidade liga- Profeta. Lê-se nos Ara': "O primeiro grau, graças
da à potência. Ao contrário, quando o intelecto ao qual o homem é homem, consiste na realiza-
em ato consegue inteligir todos os inteligíveis, ção da disposição natural receptora preparada
não resta mais nenhuma potência nele; então "ele para se tornar intelecto em ato. É ele o bem co-
intelige de sua essência um ser cuja existência, mum de todos os homens; entre ele e o Intelecto
sendo inteligível, é idêntica à sua existência mes- Agente há dois graus: o intelecto passivo tornar-
ma em sua essência". Assim é o intelecto adqui- se intelecto em ato e o intelecto adquirido reali-
rido: sua inteligibilidade só é realizada com a in- zar-se. [...] Quando esse homem adquire forma
telecção de todos os inteligíveis e nada mais é humana, que é o intelecto passivo ao alcançar a
que a inteligibilidade desses inteligíveis. Mas é existência em ato, não há entre ele e o Intelecto
próprio do Intelecto Agente inteligir eternamente Agente mais que um grau. E quando a disposi-
os inteligíveis em sua totalidade na inteligibili- ção natural se fez matéria do intelecto passivo,
dade sua. Para Alfarabi, o intelecto adquirido que se torna intelecto em ato, quando o intelecto
não se identifica com o Intelecto Agente; embo- passivo se fez matéria do intelecto adquirido, e o
ra seja inteiramente penetrado por sua luz, per- intelecto adquirido, matéria do Intelecto Agente,
manece como sujeito que a recebe e que recebe e quando se toma esse conjunto como algo úni-
as formas. Por isso, é necessário dizer que o inte- co, o homem é, então, o ser em que reside o Inte-
lecto adquirido "assemelha-se" (notemos bem lecto Agente. Quando esse estado se realiza em
esse termo) a matéria para o Intelecto Agente e a suas duas faculdades racionais, a especulativa e a
forma para o intelecto em ato, assim como o in- prática, e depois se estende até sua imaginação,
telecto em ato se assemelha a sujeito e a matéria esse homem é inspirado por Deus: ele o inspira
para o intelecto adquirido, mas assemelha-se a por intermédio do Intelecto Agente. Aquilo que
forma para essa essência que é a alma com seu Deus fez extravasar no Intelecto Agente, o Inte-
intelecto em potência. Para exprimir a ação do lecto Agente faz extravasar no intelecto passivo
Intelecto Agente, Alfarabi lança mão de uma ima- por intermédio do intelecto adquirido, e depois
gem. Sua relação com o intelecto em potência é na faculdade da imaginação. Então, pelo que se
como a relação do sol com o olho, que é olhar extravasa no intelecto passivo, o homem se torna
(basar) em potência enquanto permanece na es- Sábio, Filósofo, capaz de intelecção completa. E
curidão. A escuridão significa transparência (is- pelo que se extravasa até a imaginação, ele se
faf) em potência. Transparência significa tomar torna Profeta..." Os profetas também são sábios,
luz de empréstimo por exposição a uma fonte portanto; porém eles têm, ademais, a capacidade
luminosa. "Dizemos que o olhar é aquilo que só de desvendar em imagens para os homens co-
se torna olhar em ato em conseqüência de uma muns as verdades inteligíveis que, como tais, só
claridade e de uma transparência que lhe che- os sábios alcançam. Há uma só verdade, mas tra-
gam, e dizemos também que isso só ocorre pela duzida em duas línguas: a da inteligência e a da
realização da transparência em ato, graças à qual imaginação.
se produzem as formas do visível que, alcançan- A política de Alfarabi é um estudo dos dife-
do o olhar, transformam-no em olhar em ato." Se rentes tipos de cidades, tendo em vista determi-
acompanharmos essa comparação, compreende- nar qual a melhor. Nisso, inspira-se na República
ALFARABI 31 ALFARABI

de Platão. Mas também se apoia na idéia aristo- entre ele e o Intelecto Agente." Com efeito, "os
télica de felicidade tal como se depreende da Éti- homens se superam mutuamente e de maneira
ca a Nicômaco. "A felicidade é o Bem absoluto" natural em graus hierárquicos, segundo a supe-
(Al-Siyasat al-madaniyya). O que leva à felicida- rioridade relativa dos gêneros de ciências e artes
de é um bem; o que a impede é um mal. Trata-se para os quais são preparados por natureza" (Al-
ora de um fator que existe por natureza, ora de siyasat al-madaniyya). É necessário, portanto, um
uma causa que resulta da vontade. O que é natu- poder sábio que os torne complementares para o
ral depende dos corpos celestes, sem que tenham bem da Cidade, que é a condição da felicidade
o propósito de assistir ou de atrapalhar o Inte- dos cidadãos. Alfarabi não pensa especialmente
lecto Agente: "A substância dos corpos celestes na felicidade individual de um Sábio que se isole
tem em si a capacidade de dar tudo o que as na- na contemplação dos inteligíveis. Para ele, como
turezas existentes na matéria podem receber, sem para Platão, o Sábio desce de volta à Caverna;
nisso levar em conta o que pode ser útil ou noci- vive e age na sociedade humana. É também um
vo aos propósitos do Intelecto Agente." É por ideal muçulmano: o bem da Comunidade do Pro-
isso que, quando se funda uma cidade, é necessá- feta (Ummat al-Nabi), a maslaha, tem importân-
rio levar em conta a conjunção dos astros e, tam- cia fundamental. O califa deve possuir as quali-
bém, tudo o que depende da situação geográfica, dades que lhe permitirão dirigir essa umma de
do clima, dos ventos, das águas, de todos os fato- acordo com a Lei trazida pelo Profeta. Qual a re-
res meteorológicos relacionados ao céu. Tais lação entre a doutrina de Alfarabi e as concep-
foram, ao que se diz, as precauções que Al-Man- ções sunitas e xiitas do imanato? Parece que a
sur tomou quando decidiu construir Bagdá. O idéia sunita de "escolha" (ikhtiyar) do califa por
que é voluntário depende do conhecimento inte- determinados membros da comunidade (o que,
ligível do que é felicidade, conhecimento dado às vezes, é erroneamente designado como prin-
pelo Intelecto Agente. Mas o homem pode ima- cípio eletivo) não corresponde ao ideal de chefe
ginar bens aparentes que não são a felicidade: pra- que acabamos de ver. A idéia xiita de imã inspi-
zer, benefício material, glória e fama. Em conse- rado por Deus para guiar a Comunidade dos
qüência, há cidades construídas com base nessas Crentes corresponde muito mais, pelo menos em
aparências que são cidades perversas. A melhor direito, ao que Alfarabi desejava.
é a cidade comandada e organizada por um chefe
Alfarabi é chamado com justiça de Segundo
verdadeiro. Qual é esse chefe (ra 'is)? "O chefe,
Mestre após Aristóteles. Não apenas ele é a fonte
no sentido absoluto do termo, é aquele que não
direta do pensamento de Avicena, como também
tem a menor necessidade de que outro homem
exerceu profunda influência na filosofia árabe
seja seu chefe; possui as ciências e os conheci-
da Espanha, sobre Ibn Tufayl (Abubácer), Ibn
mentos em ato, e, por conseguinte, não tem a
Bajja (Avempace) e até mesmo sobre Ibn Rushd
menor necessidade de que outro o dirija. Mas tem
(Averróis).
o poder eminente de apreender cada uma das coi-
sas particulares que deve fazer e de orientar per- =:> R. Arnaldez, L'áme et le monde dans le système philoso-
feitamente todos os outros para aquilo que ensi- phique de Farabi, Studia Islâmica, fase. XLI1I, Paris, 1976:
mesmo autor, Pensée et langage dans Ia philosophie de
na. Dispõe da faculdade de utilizar todos os que
Farabi (à propôs du Kitab al-Huruf), Studia Islâmica, fase.
são feitos para executar uma ação determinada, XLV, Paris, 1977; Carra de Vaux, art. Al-Farabi, Encyclopé-
no exercício da atividade para a qual estão prepa- die de I 'Lslam, 1" ed., 11; de Bôer, Geschichte der Philosophie
rados, e da faculdade de definir e determinar as im lslam, Stuttgart, 1901; M. Cruz Hemandez, La philoso-
atividades, orientando-as para a felicidade. [...] phie árabe, Madri, 1961; I. Madkour, La place d'al-Farabi
Aos olhos dos antigos, esse homem é o rei no dans lecole philosophique musulmane. Paris, 1934; G.
Quadri, La philosophie árabe dans I 'Europe mèdiévale des
sentido próprio do termo. É dele que se deve
origines à Averroès, trad. franc. de R. Huret, Paris, 1960; R.
dizer que recebe o sopro da inspiração. [...] Isso Walzer, art. Al-Farabi, Encyclopédie de 1'Islam, T. ed., II.
ocorre quando não resta nenhum intermediário
Roger ARNALDEZ
ALTHUSSER 32 ALTHUSSER

ALTHUSSER Louis, 1918-1990 cas judiciosas (cf. Eléments dautocritique, Ha-


chette, p. 41). Pode-se perfeitamente procurar de-
Filósofo francês, nascido na Argélia, estuda
monstrar que o grande número de polêmicas ilus-
em Argel, depois em Marselha. Em 1937, funda
tram sua tese sobre a filosofia como luta de clas-
em Marselha uma seção da Juventude Estudantil
ses na teoria, ou que tal "refutação" provém de
Cristã. Ingressa na Ecole normale supérieure
(Ulm) em 1939; é prisioneiro na Alemanha de uma leitura burra. Mas a análise dos principais
1940 a 1945; estuda na ENS de 1945 a 1948. conceitos, que dizem respeito aos primórdios de
Forma-se com um trabalho sobre A Noção de Con- uma ciência, à prática teórica, à dialética mate-
teúdo na Filosofia de Hegel, sob a orientação de rialista, à ciência da história, à teoria das ideolo-
Gaston Bachelard. Agrégé de filosofia em 1948, gias e do sujeito, à teoria da filosofia etc. talvez
é nomeado agrégé-répétiteur na ENS. Entra para não seja a primeira tarefa que deva ser cumprida
o Partido Comunista Francês no mesmo ano. Se- na apresentação de Althusser.
cretário da ENS (Letras) em 1950, torna-se mes- O que o caracteriza realmente logo de início
tre-assistente em 1962. Em 1975, apresenta Mon- não é tanto o conjunto - móvel - de suas produ-
tesquieu, Política e História, Os Manifestos Filo- ções quanto sua maneira de produzir. E é possí-
sóficos de Feuerbach, A Favor de Marx e Ler O vel aplicar-lhe suas próprias análises do trabalho
Capital, como tese sobre trabalhos, na Universi- teórico (Sobre a dialética materialista, em A Fa-
dade de Picardie. vor de Marx): a fatura dos produtos depende do
A partir de 1965, a difusão de sua obra na Fran- tipo de trabalho feito sobre outros produtos teóri-
ça e, graças a edições originais, na Itália (seus cos exteriores. Althusser brilha na filosofia "mar-
laços com os italianos são muito fortes, como de- xista" por sua abertura extrema para os "não-mar-
monstra a publicação de uma bibliografia [1959- xistas", e pelo rigor do trabalho ao qual os sub-
1978], organizada por Filippo Pogliani, com o mete. Quem não enxergar isto se perderá a falar
título "Dopo Althusser, per Althusser", em Ma- de modas a seu respeito: Bachelard, Canguilhem,
teriali filosofei, n° 1, 1979), na América Central estruturalistas, Foucault, Lacan, Mao, Espinosa,
e do Sul, na Espanha, na Inglaterra etc, coloca radicalismo à italiana... Mas esse é apenas o ma-
Althusser no centro de debates que logo lhe an- terial de que ele se apoderou. Althusser é um dos
gariam notoriedade em certas regiões do mundo, filósofos que mais têm consciência e sofrem com
mas à custa de polêmicas de uma virulência às o vazio de um pensamento que não poderia ser
vezes inaudita. Após Resposta a John Lewis exercido sobre um "já" teórico. Ele convida cada
(1972-1973), ele assume posições políticas pú- um a analisar seus próprios procedimentos de
blicas sobre a vida do PCF, ora de dentro do par- trabalho para evitar o pavor da esterilidade ou a
tido (Os Comunistas, os Intelectuais e a Cultura, ilusão de espontaneidade criadora sem limites.
intervenção oral sobre o abandono da referência Ora, tanto quanto o material de que trata, seus
à "ditadura do proletariado"...), ora de fora (XXII procedimentos de trabalho não pertencem priori-
Congresso, O que não Pode mais Perdurar no tariamente à tradição marxista. O parentesco
Partido Comunista...). Mas as publicações teóri- entre sua concepção de rigor filosófico e a de
cas, cuja orientação é política pelo menos a par- Husserl em A Filosofia como Ciência Rigorosa
tir do prefácio de A Favor de Marx, transformam- é, por exemplo, fortíssimo. Tanto que provocou
se em intervenções a partir de 1968 (período de uma dificuldade teórica fecunda: tudo no "mar-
Lênin e a Filosofia), às vezes primeiro fora da xismo" poderá ser reduzido a ciência? Não será
França (em 1968 no LVnità). Contêm alusões à preciso distinguir as ideologias segundo critérios
vida do movimento comunista internacional bem outros que não sejam o par verdadeiro/falso?
antes dos textos de 1978. Ponto culminante dessa dificuldade: Problemas
A obra de Louis Althusser produziu muitos estudantis, em La Nouvelle Critique, janeiro de
conceitos que já caíram no domínio público, pro- 1964. Efeito: os acertos seguintes feitos na cate-
vocando polêmicas apaixonadas e poucas críti- goria de justeza.
ALTHUSSER 33 ALTHUSSER

Alguém dirá: mas onde está o "marxismo" em aparência de verdades permanentes, graças ao
tudo isso? Althusser ensina a não colocar desse reescrever sucessivo dos conceitos, que a cada
modo a questão. Em primeiro lugar, o "marxismo" vez apaga origem e passado. Definitivos porque
não existe por graça divina como doutrina cons- visam à verdade absoluta, e isso quanto à própria
tituída. Há, como produtos associados a movi- história. Foi nesse sentido que Althusser conde-
mentos populares, um começo de ciência da his- nou o historicismo, doutrina que rebaixa a ciên-
tória e apanhados filosóficos fragmentários e dís- cia da história a uma concepção conjuntural do
pares. A ilusão de bloco doutrinário data do sé- mundo (definição tão legítima quanto a de Popper,
culo XX. Em seguida, um trabalho teórico atua que nada tem a ver com ela). Donde o aspecto às
sobre conceitos, cria outros, mas em relação com vezes desconcertante da obra de Althusser: preo-
situações exteriores. E essa situação de referên- cupação com os quadros de conjunto, com sínte-
cia é constante para Althusser: as necessidades ses teóricas ambiciosas e esquemáticas que pare-
teóricas dos movimentos revolucionários. Situa- cem definitivas e não temem o didatismo nem o
ção pensada por Marx, Engels, Lênin..., mas pen- dogmatismo racionalista - e, simultaneamente, o
sável também graças a outros autores, desde que aspecto provisório dos conceitos, a mobilidade
sejam modificados alguns de seus conceitos, que das explicações, as reproduções ampliadas de dou-
sejam elaborados novos conceitos. Por fim, o ho- trinas, as retificações, as continuidades estabele-
rizonte de um trabalho teórico deve ser especifi- cidas ulteriormente (cf. Soutenance d'Amiens).
cado. E o de Althusser pertence à tradição mar- Caberá referir tudo isso a sabe-se lá que psicolo-
xista - mas não só a ela - por laços fundamen- gia? Trata-se mais de uma fidelidade à atitude
tais. De fato, um "problema" não aparece nunca científica: ter em mira o definitivo na teoria, jun-
por si mesmo no absoluto, mas está sempre inse- tamente com o perpétuo retrabalhar das investi-
rido numa "montagem" particular, ideológica ou gações. Verdade absoluta e verdade relativa.
científica. Portanto, não existem "problemas" fi-
Althusser mostrou já em 1961 ("O Jovem
losóficos por natureza. E Althusser recusa a des-
Marx", in La Pensée, n? 96) a importância de
crição fenomenológica ou a elucidação das no-
Feuerbach na evolução teórica de Marx e a com-
ções: toda a língua comum em que são enuncia-
plexidade de suas relações com a filosofia de
dos os "problemas" deve tremer antes de se tor-
Hegel. Foi de Feuerbach que Marx extraiu um
nar filosófica. Não se aceita nenhuma pergunta
uso particular da categoria de alienação. Uso que
"o que é...?", nenhuma investigação de essência,
estendeu sobre análises econômicas, em que o
nenhuma posição de objeto, nenhum modo de
Homem social era o centro desapossado da so-
mirar o sujeito; em favor de uma análise dos elos
ciedade capitalista. Doutrina que repetia a eco-
que unem as "montagens" às condições reais de
nomia em linguagem filosófica e, reciprocamen-
existência de que elas são "índices". A filosofia
te, inacessível aos procedimentos da experiência
pode então apresentar-se como intermediária en-
científica. É rompendo com essa ideologia teóri-
tre os engajamentos ideológicos e as concepções
ca, ou seja, "acertando as contas" com Feuer-
científicas que analisam condições, montagens e
bach (Teses sobre Feuerbach, Ideologia Alemã)
elos. E sua situação passa a ser questão central
que Marx e Engels entram em seu período cien-
para Althusser (cf. Lênin e a Filosofia e Resposta
tifico, o da ciência da história, e podem enfim
a John Lewis).
situar-se em relação a Hegel.
De sorte que o materialismo histórico não é Os efeitos dessa tese sobre o "corte" na obra
um relativismo (sociologista ou historicista) que de Marx são inúmeros, e falta muito ainda para se
considere a conceptualização efeito de condições esgotarem. Por exemplo:
históricas mutáveis, mas uma ciência que, mes- - Teria Marx conseguido renunciar a uma dou-
mo sendo produto histórico, permita a emergên- trina do indivíduo genérico como centro da aná-
cia, ao mesmo tempo, de conceitos provisórios e lise científica, sem renunciar ao mesmo tempo à
definitivos. Provisórios porque inseridos numa distinção entre as palavras de ordem revolucioná-
história que os retifica. É a história que causa a rias e o conformismo das previsões científicas?
ALTHUSSER 34 ALTHUSSER

- Podia ele conciliar o uso polêmico da cate- diferentes, e que não são forçosamente motrizes
goria de ideologia com a afirmação claríssima (cf. de decomposição;
Prefácio de Para a Crítica da Economia Política) - O que está em jogo nos processos dialéticos
de seu uso como conceito histórico (idéias e com- não é o devir de alguma coisa, mas a constituição
portamentos não científicos nos quais os homens de alguma coisa no devir. Marx modificou ou
vivem sua existência social, inclusive revolucio- acrescentou aspectos essenciais. Por exemplo:
nária)!...
- o espírito não é a comunicação universal das
Foi a partir daí que Althusser começou a estu-
contradições reais, nem a unidade de seu devir;
dar a visão teórica de Marx "adulto" e seus pon-
- a realidade das contradições não deve ser com-
tos cegos.
preendida segundo os termos de uma incoe-
Dessa ruptura (parcial talvez) com Feuerbach
rência/coerência lógica; sua superação não é a
resultava aquilo que Althusser chamou de anti-
reconciliação enriquecedora de um mal-en-
humanismo teórico: a recusa a considerar a essên-
tendido;
cia do homem como o centro responsável ou de-
- o devir não é pronominal: nada se perde para
sapossado da vida social. A análise científica a
se reencontrar; nenhuma identidade, espiritual
que Marx procederá ao longo de sua vida nunca
ou não, é perseguida através da história - salvo
mais utilizará um conceito de essência humana;
caso específico a ser considerado, ao qual se
nela nunca mais uma tal essência intervirá na
reduziria o conceito de alienação;
causalidade social. Essas teses sobre a distinção
- nenhum tempo homogêneo (espiritual) é o "ba-
entre análise científica e ideologia obviamente
nho" dos acontecimentos sociais;
não prejulgam o impacto dessa análise na trans-
- o devir é efeito da interação de contradiçõesp/w-
formação da sociedade nem o valor dessa ideolo-
rais (assim como as lutas de classes e as contra-
gia. Desde que esse valor em particular decorra
dições entre relações sociais e forças produti-
de uma prática, e não apenas de uma teoria. Pro-
vas); um devir sem sujeito não é um devir sem
blema que Marx deixou suspenso. E foi retoma-
agentes;
do por Althusser e outros.
- a dialética social é efeito das articulações/desar-
Althusser acreditou enxergar analogias entre
ticulações da pluralidade dos setores de ativida-
esse abandono do humanismo teórico e: 1. as te-
de social; logo, não diz respeito a uma lógica to-
ses de Marx sobre a ilusão ideológica; 2. as ob-
talizante tanto quanto não diz respeito a uma ló-
servações de Espinosa sobre a ignorância da cau-
gica espiritual;
salidade; 3. as de Lacan sobre a função imaginá-
- essa mistura dos termos desiguais das contradi-
ria de desconhecimento; 4. as de Foucault sobre
ções e das contradições de importância desigual
o fim do Homem. Para isso utilizou um vocabu-
é decisiva no determinismo social; mistura que
lário de teatrólogo: a mise-en-scène do sujeito
redunda em condensações de contradições, em
por um X, por sua vez análogo de uma estrutura
deslocamentos do papel decisivo destas, em so-
ausente.
bredeterminação dos elementos sociais; donde a
Dessa ruptura com Feuerbach resultava uma
diferença entre o que é decisivo e o que é deter-
nova concepção da dialética, materialista, sim,
minante em última instância. Althusser acredi-
mais praticada que teorizada por Marx. Donde a
tou poder referir-se a Mao Tsé-Tung para respal-
inquirição ainda em aberto hoje. Marx conser-
dar essas análises, e utilizar analogias com certos
vou diversos aspectos essenciais da dialética he-
conceitos freudianos.
geliana. Por exemplo:
- Nenhum deus ex machina (Providência...) Dessa ruptura com Feuerbach resultavam os
deve intervir de fora para provocar a sucessão das primórdios de uma nova ciência, a ciência da his-
etapas históricas. Esta deve ser pensada segundo tória ou materialismo histórico. Era então essen-
os efeitos da composição dos elementos; cial, para Althusser, mostrar em que esse novo
- As contradições são motrizes dessa suces- "continente" é semelhante aos outros e em que é
são, mas é preciso perceber que elas têm fases distinto; em que essa ciência, que impulsiona uma
ALTHUSSER 35 ALTHUSSER

nova maneira de filosofar, não é homogênea com dos exteriores, mas também desempenham um
esse filosofar. papel essencial no próprio trabalho científico.
Ciência semelhante às outras porquanto a ex- Althusser era, pois, levado, em toda a sua obra,
plicação rigorosa e submetida à experiência tem para questões novas e difíceis. Marx não deixou
a ambição de perdurar no céu das verdades não doutrina explícita quanto à posição da filosofia,
históricas. Donde a rejeição ao historicismo (no da ideologia, do sujeito. Althusser tentou preen-
sentido que Althusser dá a essa palavra). Mas cher em parte essas lacunas.
ciência distinta das outras porquanto o engaja- Apresentou a filosofia como algo distinto das
mento na prática revolucionária, segundo Marx, ideologias, por pretender transcorrer apenas no
propicia um discernimento mais exato daquilo domínio teórico; como algo distinto das ciências,
que é importante em história: não as coisas, mas por não ter a verdade como objeto, mas visar a ob-
suas transformações. Uma ciência que visa, pois, jetivos ideológicos: as lutas de classes na teoria.
à objetividade, mas não à imparcialidade. Que Apresentou as ideologias como elementos es-
considera que só a política possibilita a teoria da senciais e não epifenomênicos na formação so-
história e dissipa seus mistérios. cial. Decisivas, muitas vezes, nas transformações
Ao mesmo tempo Althusser, sensibilizado e nas conservações. Participam da reprodução ou
para os problemas epistemológicos pela leitura da destruição das relações sociais de produção.
de Bachelard, Koyré ou Canguilhem, quis eluci- São materiais. Evidentemente, o problema é dis-
tingui-las do papel reprodutor desempenhado,
dar de que modo uma tal ciência, mas talvez tam-
segundo Marx, pelas próprias relações sociais.
bém qualquer ciência, pode simultaneamente
Althusser apresentou o sujeito como efeito das
emergir da história graças à preocupação com a
ideologias sobre os indivíduos biológicos huma-
verdade, escapar à subjetividade graças à preo-
nos criados nas sociedades. Efeito, múltiplo de-
cupação com a objetividade, e mesmo assim con-
certo, de interpelação que leva o indivíduo a crer
tinuar totalmente inscrita na história. Para isso
que pode ser, por exemplo, o sujeito livre de seus
era preciso admitir que a teoria das investigações
pensamentos e de seus atos. Ao passo que vive o
tem primazia sobre a metodologia (exterior à his-
real no imaginário. O problema é, evidentemen-
tória), sem ser, porém, uma psicologia de cientis-
te, perceber que esse caráter trans-histórico das
tas. Althusser recorreu então ao próprio Marx:
ideologias não impede de modo algum a varia-
assim como a produção domina o produtor e o
ção extrema de suas formas nem sua eventual jus-
produto (Introdução a Para a Crítica da Econo- teza revolucionária.
mia Política), também a teoria histórica da pro-
A dificuldade dessas questões novas explica
dução dos conceitos (ou epistemologia, para Al-
por que o texto de Althusser sobre os Aparelhos
thusser) domina a psicologia e a metodologia. O
Ideológicos do Estado só constitui uma "nota pa-
que Popper não entendeu.
ra pesquisa".
Althusser conferia assim ao trabalho científi- Alguém dirá: essa exposição esquemática e
co uma inserção fundamental no conjunto social. sistemática do pensamento de Althusser não ex-
Mas essa inserção não é mecânica: as ideologias, plica as mudanças de doutrinas, em particular a
das quais os cientistas tencionam desfazer-se, não progressiva substituição da especulação filosófi-
são os motores secretos de suas pesquisas. E no ca pela intervenção política, que aparece com
entanto esse elo existe: uma pesquisa não deixa Resposta a John Lewis.
de sofrer os efeitos da concepção que os cientis- Não é exato. Tentamos mostrar as dificulda-
tas tenham sobre a eficácia de seus procedimen- des doutrinais que remetiam Althusser não só a
tos, do grau das dificuldades que encontrem, das reflexões novas mas também a engajamentos no-
urgências teóricas... Essas ideologias da prática vos. Donde os regressos críticos à sua própria
científica, ou "filosofias espontâneas de cientis- obra, como Elementos de Autocrítica. Isto por-
tas", são no mais das vezes formuladas por filoso- que ele não podia falar in abstracto da justeza de
fias, em que ocupam um lugar, dão ensejo a estu- uma ideologia revolucionária. Nem afirmar sem
ALTHUSSER 36 ALTHUSSER

mais nem menos que a teoria da história supõe e possibilidade de intervenção decisiva. Donde
uma prática política. Nem apresentar a filosofia a necessidade sentida por Althusser (tanto para
como luta de classes na teoria sem dela partici- elucidar conceitos de história e categorias filo-
par. Nem encetar uma teoria das ideologias sem sóficas quanto por militantismo) de colocar a
passar de um trabalho de filósofo a um trabalho política no centro de sua análise. E com o sen-
de cientista. Nem tratar da presença material das timento incerto, porém constante, de que a tra-
ideologias sem procurar discerni-la nos "apare- dição marxista a tem negligenciado desde as
lhos" estatais, familiares, escolares, eclesiásticos origens.
etc. Nem, sobretudo, ater-se à dupla tese de des-
Acerca da ditadura do proletariado, de fato é
conhecimento ideológico e justeza possível das
como conceito que Althusser fala dela de início,
ideologias, à afirmação da preeminência das ciên-
para ironizar: pode-se abandonar um conceito? No
cias e à condenação dessa tese teoricista, sem en-
caso, conceito que marca os limites de uma transi-
trar nos detalhes dos confrontos ideológicos con-
ção social precária e provisória. Acerca dos parti-
temporâneos e neles muitas vezes se tornar - pa-
dos comunistas, sobretudo do francês, o que se
radoxo em relação às primeiras doutrinas - figu-
questiona é sua aptidão a abrir-se para as lutas de
ra de proa da moral revolucionária.
classes efetivas e para as suas inovações; o que se
Mas esses engajamentos novos provocaram condena é uma eventual confusão com o aspecto
análises teóricas novas. institucional de um partido de governo ou com o
As intervenções políticas de Althusser são cada próprio Estado. Todas essas intervenções estão por
vez mais freqüentes a partir de Resposta a John certo ligadas ao contexto político: debates sobre o
Lewis. As que trataram da renúncia do PCF à dita- revisionismo, democracia nos países socialistas e
dura do proletariado, do PCF como tal, da necessi- no interior do PCF, perspectiva de vitória da "União
dade e dos limites de um partido comunista, da das Esquerdas" na França. Mas o fundo saiu intei-
natureza da política (em particular proletária), ou ramente das teses teóricas anteriores.
da noção de Estado, foram muitas vezes feitas em
Marx e Engels teriam sabido evitar fazer da
estreita colaboração com Etienne Balibar, que de-
política uma parte das superestruturas (debates
senvolveu algumas com mais detalhes. E seu con-
doutrinários ilusórios), ou simples organização
junto tem mais ligações do que rupturas com suas
da dominação da classe burguesa (arcabouço da
posições filosóficas e a história delas.
infra-estrutura)? Ao falarem de um cenário polí-
Althusser de fato tinha, por um lado, caracte-
tico, democracia formal, em que a burguesia
rizado a filosofia como luta de classes na teoria
prende o proletariado na cilada da igualdade e da
e, por outro, feito das ideologias um objeto de liberdade, teriam eles sabido destinar um lugar:
análise privilegiado para um historiador e um fi-
lósofo materialistas. De sorte que: - à necessidade desse cenário, na história das lu-
tas de classes, para o surgimento de uma so-
- o aspecto motor das lutas de classes era posto,
ciedade sem classes?
segundo o próprio Manifesto, em primeiro pla-
- às contradições da própria burguesia em seu
no, mas a propósito da filosofia. Ora, por ser
exercício do poder social?
político, ele não é prontamente redutível à in-
- às complexidades materiais e ideológicas de
fra-estrutura (relações de produção e forças pro-
sua dominação sobre o proletariado?
dutivas) nem à superestrutura ideológica. Con-
- à originalidade das lutas novas do proletaria-
tudo, o terceiro lugar está excluído;
do, que são travadas tanto no Estado quanto
- as ideologias, por certo superestruturais, nem
fora dele?
por isso são menos materiais e deixam de estar
inscritas na infra-estrutura como condição de Não se pode reduzir política a debates doutri-
sua reprodução (relações ideológicas); nários ou a arcabouço estatal. As ideologias tam-
- A filosofia compartilha com a política o para- bém se deixam prender em aparelhos que extra-
doxo de ser ao mesmo tempo ilusão ideológica polam o Estado. O proletariado procura, tatean-
ALTHUSSER 37 ALTHUSSER

do, outras formas de luta, para evitar a cilada, e oscila entre a máquina de exploração e o espon-
uma outra organização social, para evitar sua pró- taneísmo anarquizante da liberdade (cf. Balibar,
pria sujeição. in Marx et sa critique de Ia politique, Maspero,
Donde a condenação por Althusser de todos pp. 153-56). Pessimismo da ideologia eterna, que
os atos políticos que, a pretexto de libertar o pro- forja um sujeito simples.
letariado, encerram-no na cilada estatal, e a exal- Mas censurar em Althusser todas as dificul-
tação das formas inovadoras de lutas revolucio- dades que ele levantou com suas intervenções é
nárias. Os partidos comunistas são concebidos ignorar que elas são a natureza mesma do em-
como vanguarda, desde que estejam à escuta das preendimento teórico de Marx e Engels, e tam-
massas. bém sua riqueza, pois a exigência revolucionária
As dificuldades, numerosas, dessas notas, fre- consiste em vencer... "em levar, nas ideologias",
qüentemente escritas com rapidez por ocasião de a revolução "a termo", sem transmudar comunis-
uma entrevista, de um artigo ou de uma polêmi- mo em desconhecimento do real, ou em utopia.
ca, foram apontadas pelo próprio Althusser e seus
amigos. Marx e Engels teriam oscilado entre dou- Vítima de uma "psicose maníaco-depressi-
trinas insuficientes, ou traçado linhas políticas va", submetido a tratamentos diversos, Althusser
associadas por natureza a uma história em movi- passou por imensos sofrimentos. Era hospitali-
mento? Não haveria o risco de, agindo como zado com freqüência. No outono de 1980, os mé-
aqueles que denunciamos, congelar essas linhas dicos permitiram que voltasse para casa, e ele
em forma de doutrinas? Falar de cilada política estrangula sua mulher, Hélène, em 16 de novem-
ou de ilusão democrática não consistirá em con- bro. Considerado irresponsável por seus atos, é
siderar vãs a política e a democracia? O proleta- internado e depois solto; a partir de então passa a
riado deve conhecer essa cilada, que é complexa; vida entre a clínica e seu apartamento em Paris,
combatê-la, portanto conquistar a democracia ora deprimido, exaltado ou confuso, ora lúcido,
contrariando suas aparências; evitá-la, portanto fa- mas, na melhor das hipóteses, em atividade res-
zer que um cenário político ambíguo (enganador trita. Surgem outros problemas de saúde, e sua
mas fecundo) seja sucedido por uma organização confusão mental é crescente. Morre subitamente
social que nada permite dizer de antemão como em 22 de outubro de 1990.
será. Pois substituir a administração dos homens Um único texto foi editado durante esses anos:
pela das coisas, como Marx e Engels estão próxi- colóquios com Fernanda Navarro (1988). Perio-
mos de haurir em Saint-Simon, é em primeiro lu- dicamente, tenta ler, conversar com amigos, tra-
gar contraditório: porventura toda administração balhar, escrever, mas com freqüência declara en-
não será também relação social administrada? Tan- contrar dificuldades para isso. Circulam vários
to quanto é contraditória a expectativa de um in- manuscritos; ele pensa em publicar alguns.
divíduo real, enfim social e comunitário, do dia Em sua biografia realmente estão presentes
em que as massas terão suprimido todos os apa- interpretações de sua obra a partir do agravamen-
relhos ideológicos de classes que reduzem os to de seu mal, de manuscritos dos últimos anos,
indivíduos a números, que fabricam sociedades de confidencias esparsas, de testemunhos frag-
não igualitárias... e as forças políticas que podem mentares e mesmo de boatos com sentidos mais
ser seus "coveiros". ou menos malevolentes. A obra, publicada sob sua
Ao tratarmos qualquer ideologia como força supervisão, é bastante breve, essencialmente fi-
organizadora porém exploradora ou como for- losófica. Certamente não pode ser separada da
ça justa porém destruidora, e ao fazermos dela história do comunismo tanto quanto não pode
sempre uma função de desconhecimento, salvo ser separada de sua doença.
em suas margens cínicas ou radicais (cf. AIE), es- Os textos em que ele fala da "crise do mar-
tamos por certo expostos, para sairmos do ofus- xismo" indicam, apesar de certas aparências,
camento eufórico da "grande noite", ao pessimis- que Althusser a viveu de dentro, não só do PCF,
mo de uma revolução sem sociedade nova, que ao qual sempre quis pertencer, mas também do
ALTHUSSER 38 ALTHUSSER

marxismo. Embora tenha tentado promover o marxismo e ao comunismo, e, ao mesmo tempo,


encontro da tradição filosófica com o marxis- o sentimento do fracasso da dependência, como
mo, nunca concebeu a "posição crítica" como algo pertencente a outro tempo.
meramente filosófica, nem outra exterioridade Após 1980, Althusser redigira páginas em que
para julgar o marxismo senão a do "movimento queria analisar a constituição de seu psiquismo, o
das massas"; mas para ele essa "crise" não sig- entrelaçamento dos fatos de sua vida, de sua lou-
nificou tanto o desmoronamento dos regimes cura, do assassinato de sua mulher e de sua obra
comunistas (despotismos de massas entre ou- filosófica. Esse texto não deve ser tomado como
tros), quanto a esperança de uma renovação do a verdade sobre Althusser e sua obra, como pro-
marxismo, numa retomada incessante de seus veniente do pensador Althusser, mas sim como a
grandes temas fundadores. Althusser era sensí- busca, num período em que é imensa sua dificul-
vel a suas próprias dificuldades para pensar a dade para o trabalho teórico, de frágeis hipóteses
história em curso, as divisões do movimento co- para a natureza de sua doença e para os nexos
munista, os episódios de maio de 1968, a fracas- exatos entre ela e sua obra. É verdade que a im-
sada União das Esquerdas, os sobressaltos so-
portância que ele sempre atribuiu a seu passado
viéticos etc. Ele viveu essas dificuldades como
familiar, erótico e religioso, à cena teatral e às in-
o drama de um pensamento à cata de critérios
terpretações psicanalíticas teve curso mais livre
marxistas, do justo centro, político ou filosófi-
nesse último período de sua vida, em que o assas-
co, ao qual pertencer.
sinato da mulher fizera dele um filósofo morto-
Algumas pessoas falaram de períodos em sua vivo. A curto prazo, seria triste que o vigor filosó-
obra, segundo a importância dada às construções fico de Louis Althusser e a imensa generosidade
teóricas, à politização da filosofia ou à indepen- conhecida por todos os que o rodearam fossem
dência em relação ao PCF e ao marxismo. Pode- ocultados pela ligeireza intelectual que essas obras
se também insistir na continuidade das maneiras póstumas podem suscitar, e que os elos entre sua
de pensar.
loucura e sua obra levem a pensar que esta está
Seu esforço para pensar filosoficamente o submetida àquela.
marxismo não poderia se satisfazer em entrar na
tradição filosófica com fórmulas de impacto, a • Montesquieu, Ia politique et Vhístoire, PUF, 1959; Pour
Marx e Lire le Capital, Maspero, 1965; Lénine et laphiloso-
partir de uma matriz marxista. Ele queria fazer
phie, Maspero, 1969; Réponse à John Lewis, Maspero,
da filosofia um instrumento de análise, portanto 1973; Elémentsddutocritique, Hachette, 1974; Philosophie
de ação política, apurar o "faro", que ele tanto et philosophies spontanées des savants, Maspero, 1974;
prezava. A "ciência da história" devia desempe- Positions, Editions Sociales, 1976; Histoire terminée, histoi-
nhar esse papel; mas foi sua insuficiência para re interminable, in D. Lecourt, Lyssenko, Maspero, 1976;
pensar suas relações com a prática política que XXII' Congrès, Maspero, 1977; Enfin Ia crise du marxis-
levou Althusser à politização da filosofia para fa- me!, in Pouvoir et opposition dam les sociétés postrévolu-
üonnaires, Seuil, 1977; Ce qui ne peut plus durer dans le
zer frente às divisões do movimento comunista.
PC, Maspero, 1978; colóquios com F. Navarro, in Filosofia
É em seguida a insuficiência dessa "luta de clas- y marxismo, México, 1988; póstumo: L'avenir dure long-
se na teoria" para pensar a ausência de democra- temps e Les faits. Autobingraphies, Stock/IMEC, 1992;
cia nos países comunistas que o leva à análise da outras publicações de manuscritos estão previstas por seu
"crise do marxismo" para fazer frente ao desmo- herdeiro. - Bibliografias mais completas: A. Quarta, Sci-
ronamento do comunismo. enza e filosofia in L. Althusser, // Protagora, Lecce, 1982;
G. Elliott, Althusser. The detour oftheory, Londres e Nova
Assim, ele sempre foi levado a reescrever o
York, 1987.
que escrevera. Na sua doença, arcou com as difi-
culdades de sua própria obra em manter o papel => Y. Moulier-Boutang, L. Althusser. Une biographie, t,
de critério político que sempre lhe conferiu. A I, Grasset, 1992. Os arquivos de Louis Althusser estão sen-
"crise do marxismo" e o desmoronamento, já ini- do reunidos no Institut Mémoires de 1'Edition contem-
poraine.
ciado antes de 1990, dos Estados comunistas re-
forçaram, em vez de atenuar, sua fidelidade ao Pierre RAYMOND
ANAXAGORAS 39 ANAXAGORAS

ANAXAGORAS, 500 (?)-428 (?) a.C. prosa, e essa primeira irrupção da prosa em
matéria filosófica já basta para marcar sua origi-
Anaxágoras de Clazômenes é um jônico que,
nalidade.
a despeito das dificuldades comuns à história da
Sabe-se que Péricles o tinha em grande esti-
maior parte dos pensadores pré-socráticos, acre-
ma e orgulhava-se de ter sido seu aluno. Essa
dita-se ter nascido por volta do início do séc. V
amizade e suas origens persas valeram-lhe a acu-
a.C. e morrido aos setenta e dois anos, por volta
sação de impiedade, juntamente com Protágoras
de 428 a.C. Ele teria sido, portanto, mais jovem
e a célebre Aspásia. Neste ponto, a história tor-
que Parmênides, Protágoras e Píndaro, exatamen-
na-se mais confusa. Embora seja fácil entender
te contemporâneo de Péricles, um pouco mais que o partido conservador, unido à Lacedemônia
velho que Zenão de Eléia, Górgias e Eurípides, e por laços de colaboração, procurasse atacar Pé-
uma geração mais velho que Sócrates. Foi con- ricles mirando seus amigos, acusados por esse
temporâneo das Guerras Médicas, e, visto que mesmo partido de vilipendiar as mais nobres fi-
Clazômenes, próxima à atual Esmirna, era parte guras do panteão grego e de serem cúmplices dos
integrante do Império Persa, pode-se imaginar medas, portanto de monoteísmo jônico e de filo-
que sua ida a Atenas, aos vinte anos, se asseme- sofia natural, é mais difícil perceber, porém, na
lha muito a uma dessas viagens forçadas feitas confusão dos relatos, qual foi o destino pessoal
por um jovem alistado num exército que faz cam- de Anaxágoras. Teve que exilar-se em Lâmpsa-
panha no estrangeiro. A data da batalha de Ter- co? Ou terá sido chamado de volta por Péricles,
mópilas (7 de agosto de 480) é a mesma da che- como dá a entender Plutarco? Ou terá morrido
gada de Xerxes a Atenas, mais ou menos no fim lá, como crê Cícero? Foi preso? Terá sido no chão
do mesmo mês. Sabe-se que Anaxágoras residiu da prisão que, em vez de meditar, como Boécio,
trinta anos em Atenas, mas não se pode afirmar sobre a morte, ele traçou figuras geométricas
com certeza se sua estada foi contínua ou se ele destinadas, segundo os outros, a lançar as bases
ali ficou em períodos intermitentes que somaram de trabalhos de perspectiva, aplicados depois à
trinta anos. Em 467-466, segundo ano da 78a construção de cenários de teatro, e, segundo a
olimpíada, ele está em Egospótamos (pequeno hipótese engenhosa de E. Frank, a apreciar os
porto da Quersonésia, na Trácia, futuro local da relevos dos corpos celestes (montanhas da lua) e
derrota da frota ateniense no final da Guerra do a conceber estereometricamente o mecanismo
Peloponeso), onde prediz a queda de um meteo- dos eclipses freqüentes na lua nova? Quando si-
ro provindo do Sol. Não se sabe como o astrôno- tuar a morte de seu filho? "Eu sabia que tinha
mo fez para prever um fenômeno que a ciência gerado um mortal!", dor que o aproximava mais
contemporânea considera imprevisível. O fato é ainda de Péricles. Quando situar também a dis-
que, segundo Plínio, a queda ocorreu à luz do secçào pública do crânio do carneiro que só tinha
dia, portanto diante de testemunhas, e que o um chifre, como conta Plutarco? Teria ele funda-
meteoro, do tamanho de uma carroça e de cor do realmente, como acredita Taylor, uma escola
escura, era ainda visível em sua época, cinco em Lâmpsaco? Seu desejo às portas da morte
séculos mais tarde, sendo alvo de grande curiosi- terá sido mesmo o de dar um mês de férias às
dade. Por aquela época, Anaxágoras já devia ter crianças das escolas? Será verdade que em seu
concluído a redação de seu livro Da Natureza. túmulo estavam inscritas estas duas palavras: In-
A expressão empregada por Diógenes Laércio, telecto e verdade?
para definir essa obra (syngraphé) tem acepção
O sistema de Anaxágoras tem parentesco com
controversa. Alguns acreditam que se trata de o pensamento de Anaxírnenes. Ambos vêem o
uma obra redigida de próprio punho por Anaxá- princípio no ilimitado, no infinito. Mas Anaxí-
goras; outros, como H. Diels, sugerem que o tra- rnenes julga também que a matéria ilimitada não
tado deve vir acompanhado de desenhos e pran- é capaz de realizar ou de atualizar, por si só, as
chas da lavra do próprio autor; outros ainda, co- potencialidades nela contidas; por isso, um prin-
mo nós, acreditam que se trata de uma obra em cípio, ele mesmo ilimitado, deve ser o agente da
ANAXAGORAS 40 ANAXAGORAS

produção e da geração dos seres. Esse princípio coisas, dispondo-as e ornando-as." Vê-se que aí
seria o ar. A mesma dificuldade decorrente desse foi dado um passo. Para Leibniz, o ser inteligen-
duplo sentido ou dessa dupla função do ilimitado te, causa de todas as coisas, confunde-se com
será encontrada na interpretação do pensamento Deus. Ora, quando em Comentário à Física de
de Anaxágoras. A um "tudo junto" ilimitado, no Aristóteles (DK, II, 38, 2) Simplício descreve a
qual todas as potências das coisas se misturam e natureza do Intelecto, diz que "entre todas as
confundem, opõe-se uma causa ou um princípio coisas (chrèmata: objetos materiais) ele é a mais
eficiente chamado Intelecto, origem do movi- sutil e a mais pura". Se Simplício quisesse dizer
mento e da discriminação. Esse agente do movi- que a natureza do Intelecto é material, não teria
mento também é ilimitado, assim como o princí- feito outra coisa. Por certo houve quem (por
pio agente de Anaxímenes. exemplo W. K. C. Guthrie, A History of Greek
Desde a Antigüidade, ou seja, desde Platão, o Philosophy, II, 276 s.) se esforçasse, sem poder
ilimitado tem dado origem a várias interpreta- negar o caráter materialista da fórmula, por ex-
ções. Quando se dá mais ênfase à ilimitação do plicar que a natureza da linguagem é tal que se
"tudo junto", o sistema assume características de faz necessário recorrer a uma metáfora material
materialismo elementar, ou seja, de um pluralis- para designar um objeto que não existe. É desse
mo comparável ao atomismo de Demócrito, sen- modo, por exemplo, que usamos sempre a palavra
do o verdadeiro infinito o infinito material. Quan- "espírito", mas nem por isso designamos com ela
do se dá mais ênfase ao Intelecto, é difícil não o um sopro corpóreo. Mas que valor atribuir a esse
considerar um intelecto agente ou um demiurgo, argumento, se ele é o motivo último em que fun-
em suma, um deus inteligente, onisciente e oni- da sua leitura espiritualista de Anaxágoras? Pelo
presente, graças a cuja ação criadora as coisas que sabemos, os trabalhos em andamento sobre
emergem do caos e da confusão inicial. Essa é Anaxágoras (J. Barnes em Oxford, L. Coulou-
uma questão que deve ser examinada agora, a co- baritsis em Bruxelas) retornam, como nós, à pa-
meçar pelo que talvez seja insolúvel, o status do lavra de Simplício. Portanto, se o intelecto de
próprio Intelecto. Anaxágoras for realmente um princípio material,
No primeiro plano dos testemunhos antigos só poderá, como indica o Sócrates do Fédon, ser
está o Fédon (97 b s.), em que o Sócrates de Pla- o instigador de uma causalidade pensada em ter-
tão relembra a impressão que, na juventude, lhe mos mecânicos: o Intelecto é uma substância
causara a leitura do livro de Anaxágoras. O texto material ilimitada que se basta a si mesma e não
diz: "Anaxágoras julgava ser o Intelecto o orde- se mistura a nada mais. É a causa inicial do mo-
nador e a causa de todas as coisas" (expressão re- vimento, que, segundo certos testemunhos, pare-
tomada em 98 a). Toda a questão está em saber o ce até eximido de intervenção ulterior. Portanto,
que se deve entender por Intelecto. Aristóteles não preenche nenhuma função teleológica. Em-
(Metafísica, I, 4) compara a função do Intelecto bora origem do movimento das coisas, não é de
à de uma mechane (o termo designa uma máqui- modo algum o fim para o qual todo movimento
na de teatro, mas não se tem certeza se o Deus ex tenderá.
machina não é apenas um deus de teatro). Em Oposta ao Intelecto ilimitado, encontramos a
Aécio, que representa um estado ulterior da do- matéria ilimitada, espécie de mistura original-
xografia, o Intelecto é qualificado de divino e mente confusa que contém em si uma infinidade
chamado pura e simplesmente de Deus ou inte- de contrários à qual Anaxágoras dá o nome de
lecto agente. "tudo junto". "Não haveria como existir um todo
A expressão intelecto divino se encontra em - diz Aristóteles - que estivesse no estado puro
Cícero. Quando traduz o mesmo trecho do Fé- de branco, preto, doce, carne ou osso; e o que con-
don em Discurso de Metafísica (cap. XX), Leibniz fere a cada coisa sua aparência natural é aquilo
chega a escrever: "Ouvi certo dia alguém ler num que nela está em maior quantidade." Não seria
livro de Anaxágoras, onde estavam essas pala- possível expressar melhor o sentido que se deve
vras, que um ser inteligente é causa de todas as atribuir às célebres fórmulas de Anaxágoras, tais
ANAXAGORAS 41 ANAXAGORAS

como "a neve é branca, mas a água é negra", ou que só o Intelecto, que tudo pode conhecer, é ca-
"as representações visíveis (fenômenos) são ma- paz de dissociar e pôr em movimento, fazendo
nifestações (visões) de realidades não manifesta- passar à existência uma mistura predominante.
das". A neve é água cristalizada; nela, o branco Um escólio anônimo a Gregório de Nazianzo
esconde o negro, vale dizer, por trás da aparência (DK, 59 B 10) resume de forma bastante clara a
branca e visível da neve, o negro da água conti- posição de Anaxágoras: "Anaxágoras, descobrin-
nua presente. Se a neve derreter, o que há de do a antiga teoria de que nada nasce do nada, de-
branco na neve será mascarado pelo que, na cidiu abolir o conceito de criação e introduzir,
água, é visivelmente negro. Assim, o visível não em seu lugar, o de dissociação, pois ele dizia que
passa da face desvelada de uma realidade que todas as coisas estão misturadas umas às outras,
encerra em si o seu contrário, que escapa aos e que a dissociação produz seu crescimento. As-
nossos sentidos em razão da infinita pequenez sim, uma mesma semente encerra os cabelos, as
das partículas que a compõem. Conseqüente- unhas, as veias, as artérias, os nervos, os ossos; a
mente, tudo existe, ou, dito de outra forma, existe pequenez das partes as torna invisíveis, mas a
de tudo de maneira perfeitamente fundida na dissociação produz aos poucos o seu crescimen-
mistura que constitui o conjunto. Quando, ao nas- to. Pois como seria possível - diz ele - que o ca-
cer, um objeto já se encontra dotado de uma apa- belo fosse gerado do não-cabelo e a carne da
rência visível e fenomênica, foi porque ocorreu nâo-carne? E, segundo ele, isso não é próprio
uma dissociação ou uma discriminação que tor- apenas dos corpos, mas também das cores, pois o
nou visível o aspecto apropriado da mistura, o negro existe no branco, e o branco, no negro."
que teve por conseqüência enterrar por baixo da Para Simplício, o princípio anaxagoriano de ex-
aparência uma infinidade de partículas contrá- plicação para o aparecimento das espécies ou
rias que ali permanecem ocultas. É o Intelecto para a geração dos fenômenos é particularmente
que, não se misturando a nada, "vai pondo todas apto a explicar processos biológicos como o da
as coisas em ordem", como diz Platão, "a caminhar geração e o da nutrição. O grande problema do
através de todas elas". anabolismo, hoje resolvido com o recurso a essas
"homeomerias" complexas que são as moléculas
Foi Aristóteles - aliás ótimo conhecedor da
de carbono e à sua transformação em glicídios,
função do Intelecto - que atribuiu a alguém oriun-
protideos e lipídios, resolve o antigo problema de
do de Clazômenes, chamado Hermótimo (Meta-
se saber através de que prodígio um coelho que
física A 3, 984 6 19), o termo homeomerias (lite-
come cenouras não se transforma em cenoura. A
ralmente, partículas semelhantes) para designar
resposta de Anaxágoras é que, no interior da ce-
as partículas constituintes dos corpos. Esse ter-
noura visível, existe uma infinidade de homeo-
mo presta-se a equívocos, pois todo corpo é com-
merias invisíveis que constituem o substrato eter-
posto por partículas visíveis, responsáveis por
no dos ossos do coelho, da carne do coelho, dos
sua aparência, e por partículas invisíveis que,
pêlos do coelho etc. A partir daí, introduz-se uma
caso se manifestassem, confeririam ao corpo apa-
semelhança entre o intelecto cósmico ou diacós-
rência contrária. O que Aristóteles chama de ho-
mico (etimologicamente, ordenador dos seres
meomerias, portanto, são partículas que corres-
constituintes do mundo) e a alma de um ser vivo,
pondem à aparência, por exemplo, do osso, da
seja animal ou humano. A alma, por meio de sua
carne, do sangue e do cabelo; estas, quando cons-
função vegetativa, separa, discrimina, dissocia e
tituem o elemento dominante da mistura, confe-
retém para o corpo aquilo que, no alimento, deve
rem ao osso a aparência de osso, à carne a apa-
ir para o corpo. Mas nosso intelecto, além dessa
rência de carne etc, mas permanecem presentes,
função propriamente motora, exerce uma função
embora ocultas, na parte não visível de toda e
cognitiva: sabemos reconhecer as coisas, somos
qualquer mistura, pode-se dizer que infinitamen-
capazes de perceber e apreender os fenômenos.
te. Para Simplício, que comenta essas interpreta-
Por isso mesmo, é necessário que o intelecto não
ções, existe um número ilimitado e incognoscí-
corra o risco de misturar-se ao caos das homeo-
vel de homeomerias, princípios não engendrados
ANAXAGORAS 42 ANAXAGORAS

merias ou à sua infinidade. Ele deve permanecer cadeamentos causais de tipo mecânico para ex-
puro, sem mistura, sempre ativo e sempre cog- plicar as mudanças de estado que observamos na
noscente. natureza. Essa opção metodológica pode ir bem
Estamos, portanto, diante de uma realidade longe. Pode-se dizer, com efeito, que, se o Inte-
eterna constituída pelos dois infinitos ou pelos lecto está presente no homem, isso não é efeito
dois ilimitados, que são o infinito material das direto da ação do Intelecto cósmico, que teria
homeomerias e o ilimitado cognoscente e motor, elegido a humanidade para manifestar sua pre-
que é o Intelecto. Esses princípios são eternos: sença (como quando o Deus de Descartes, que é
"Os gregos - escreve Anaxágoras num fragmento nosso criador, põe em nós a idéia de infinito
conservado por Simplício - não concebem corre- como quem apõe sua assinatura numa obra-pri-
tamente a geração e a morte. Na realidade, ne- ma), mas é apenas conseqüência de uma longa
nhum ser é engendrado nem destruído, mas com- cadeia de causas mecânicas. Como nota Aristó-
posto e dissociado a partir dos seres que existem. teles em Partes dos Animais (IV, 10, 687 a 7):
É mais correto, portanto, chamar a geração de "Anaxágoras diz que o homem é o mais racional
composição e a morte de dissociação." dos animais porque tem mãos." O Estagirita in-
Decorrem daí dois tipos de conseqüência. Por surge-se contra tal interpretação: parece-lhe evi-
um lado, todos os seres que compõem o univer- dente que é o Intelecto, como causa final, que
so, quer sejam os mais nobres dos seres celestes explica o fato de o homem ser dotado de mãos.
que a religiosidade grega considerava divinos, Mas para Anaxágoras a causalidade opera em
quer sejam os mais humildes dos seres que a ter- sentido inverso. A longa série causai que acabou
ra nutre em seu seio, todos eles são formados de por dotar o homem de mãos teve como conse-
uma mesma e única matéria ilimitada. Por isso o qüência fazer dele um ser racional, de modo que
Sol é apenas uma pedra incandescente ou uma a presença do intelecto no homem é resultado de
mó em brasa. É também por isso que a observa- uma conseqüência, e não resultado de um proje-
ção do meteoro de Egospotamos pode fornecer to teleológico ou de uma intenção final.
uma prova decisiva do parentesco entre os obje- Com que forma, então, o Intelecto subsiste?
tos celestes e os terrestres. Um ponto de vista Distanciando-se da criação como a correnteza se
como esse, tão caracteristicamente jônico, por afasta das margens? De jeito nenhum! Pois a
certo foi a origem - ao menos como pretexto idéia de um Deus ocioso não combinaria com a
ideológico - do processo por impiedade movido hipótese de um intelecto constituído por uma
contra Anaxágoras. Mas a tese é de uma riqueza matéria infinitamente sutil, sem mistura, que ca-
filosófica incontestável: ela professa a unidade minha através da criação. Se o Intelecto é deus,
da matéria e do mundo, ainda que, filosoficamen- deve permanecer presente através de sua obra,
te, a pobreza abstrata e a falta de generalidade não como o traçado de uma assinatura, mas como
sejam o preço da infinita riqueza qualitativa. Por a realidade da potência discriminante. A matéria
outro lado, a ação do Intelecto universal assume divina, sutil e infinita, cumpre duplo papel, já
a forma principal de ação inicial. É preciso notar assinalado por Cícero. Por um lado, permanece
que, com Anaxágoras, estamos muito próximos como o invólucro do mundo, pois é preciso que a
da idéia de um intelecto (um deus, material ou ilimitação das homeomerias seja contida num
não) que, terminada a criação, deixa prosseguir todo. Reencontramos aqui a idéia eleata e, de
por si uma obra que, de alguma forma, já estaria modo mais geral, pré-socrática de um céu ou de
acabada desde o começo. Por essa razão, está uma esfera de estrelas fixas a constituir o invólu-
claro que o Intelecto é uma causa unicamente me- cro da esfera do mundo. Por outro lado, porém,
cânica, jamais final. Uma vez imprimido o mo- essa matéria sutil difunde-se indefinidamente
vimento às homeomerias, segue-se uma série de através de todas as partes do mundo. Ela perma-
movimentos mecânicos que levam a criação ao nece, pois, presente, mas desta vez como resulta-
estado que observamos hoje. Desse modo, a do- do e vestígio da discriminação e da dissociação
xografia anaxagoriana enumera uma série de en- originais, conferindo, de algum modo, a cada cria-
ANAXIMANDRO 43 ANAXIMANDRO

tura finita sua aparência fenomênica perceptível, taurar o poder conservador. De sua obra Peri
cognoscível e finita. Deste modo, o intelecto está Physeôs subsiste um fragmento que é o mais an-
nas coisas não mais como a força que move, mas tigo texto filosófico pré-socrático que se conhe-
como resultado do movimento, ou seja, como uma ce. Ele foi também um homem de ciência que
espécie de sinal de que aquilo que é, para ser, revelou aos gregos a utilidade do gnômon, que,
deve ter sido engendrado ou, o que dá no mesmo, entre outras coisas, permitia determinar solstícios
ter sido movido. e o equinócio; em 585, assim como Tales, obser-
Desse modo, a concepção de uma matéria in- vou o eclipse de sol visível na Ásia. Entre seus
finitamente divisível em homeomerias exige que contemporâneos cabe lembrar o poeta Teógnis e
recorramos a um Intelecto ilimitado. Seria mais Ferecides da Síria; Xenófanes, segundo Teofras-
inequívoco, porém, distinguir duas formas do In- to, fora seu aluno; quanto a Anaxímenes, foi he-
telecto anaxagoriano: o Intelecto pré-cósmico e tairos de Anaximandro.
o Intelecto encósmico. O Intelecto pré-cósmi- Às vezes há certa hesitação em se aceitar que
co é causa e origem de todo movimento; é a causa Anaximandro, para designar a fonte de todas as
que age no início e não cessa de agir mecanica- coisas, tenha utilizado um termo que será empre-
mente pela mediação infinita da cadeia de causas gado sobretudo a partir de Aristóteles: princípio,
e efeitos. Em contrapartida, o Intelecto que cha- arché. Mas se, em filosofia, arché veiculou de
mamos de encósmico é aquele que propriamente início o significado de "origem", podem ser con-
conhece, pois ele é a separação e a discriminação siderados fundamentados os numerosos testemu-
realizadas e atualmente produzidas nas coisas pe- nhos que atribuem a Anaximandro a primeira uti-
lo encadeamento das causas mecânicas. Nesse lização do termo e do conceito arché em sentido
sentido, constitui o visível, vale dizer, o próprio filosófico. Assim, diz Simplício: "Anaximandro
cognoscível. É por não ter ligado esses dois as- disse que a origem e o elemento dos seres é o in-
pectos distinguidos pela doxografia que a histó- finito, tendo sido ele o primeiro a introduzir essa
ria da filosofia teve tanta dificuldade em reco- palavra arché" (Vors. 12 A 9); também Aécio
nhecer a originalidade física e teológica da Es- (Vors. 12 A 14), Aristóteles em Física (III, 4,
cola Clazomeniana. 203b) ou Turba philosophorum (fr. li, Mansfeld):
"Ait omnium initium esse naturam quandam et
• H. Diels, W. Kranz, Die Fragmente der Vorsokraliker, em eam esse perpetuam."
grego e alemão, 9? ed., Berlim, 1959, reed. Anast. Vol. 2;
Essa origem de todas as coisas foi designada
D. Lanza, Anassagora, Teslimonianze e frammenti, Flo-
por Anaximandro como o Infinito (to apeiron).
rença, 1966; J.-P. Dumont, Les présocratiques, Paris, Galli-
mard, Bibliothèque de Ia Pléiade, 1988. Trata-se de uma infinidade em todos os sentidos
do termo. Em Física (III, 8, 208a), Aristóteles
=> W. K.. C. Guthrie, A History ofGreek Philosophy, vol. II, escreveu: "Para que a geração não falhe, não é
Cambridge, 1965 (trechos traduzidos, pp. 327-38); J. Zafi-
necessário que exista um corpo sensível infinito
ropulo, Anaxagore de Clazomènes, Paris, 1948; C. Mugler,
em ato." Mas tal interpretação de Anaximandro
"Lc problème d'Anaxagore", REG, 69 (1956), 314-76; J. E.
Raven, "The basis of Anaxagoras' cosmology", Class. Quarl., não lhe é fiel. O apeiron de Anaximandro não é
48 (1954), 123-37; G. Vlastos, "The physical theory of um corpo, porque indeterminado (aoristos) (Sim-
Anaxagoras", Philos. Rev., 59 (1950). plício, Vors. 13 A 5) e de modo algum sensível.
O apeiron tampouco é apenas a infinidade espa-
Jean-Paul DUMONT
cial inerte, mas a infinidade de um princípio ge-
rador inexaurível.
Essa infinidade é da Natureza (DK, 12 A n):
ANAXIMANDRO, c. 610-545 a.C.
"Anaximandro diz que a origem dos seres é uma
Anaximandro era uma geração mais jovem certa natureza do infinito [...] Ela é eterna e não
que Tales, de quem foi discípulo e amigo (hetai- envelhece (aidion, ageron)." A esse texto de Hi-
ros). Em Mileto, parece ter desempenhado certo pólito deve-se acrescentar um trecho de Aristó-
papel político no partido aristocrático; é enviado teles (Física, III, 4, 203è): "É ele o divino, pois é
a Apolônio de Trácia para lá instaurar ou res- imortal e imperecível (athanaton, anôlethron),
ANAXIMANDRO 44 ANAXIMANDRO

como dizem Anaximandro e a maioria dos fisió- (ex horí) é problemático, pois, se a Natureza infi-
logos" (DK, B 3). É difícil saber se todos esses nita de Anaximandro é fundamentalmente una, de
qualificativos da Natureza pertencem ao vocabu- que modo a ver como pluralidade? A situação do
lário de Anaximandro. Contudo, "imortal" e "sem infinito é seguramente gerar uma multiplicidade,
velhice" parecem mais próximos de fórmulas mas só há um infinito. Por certo as dúvidas dos
homéricas subjacentes, enquanto aidion e anô- comentadores se devem ao fato de não terem ob-
lethron lembram mais o vocabulário posterior de servado o contexto: há, 1"., uma outra Natureza;
um Platão. 2?, ela é o infinito; 3?, ela é princípio: no texto de
É da infinidade da Natureza que todo "ente", Anaximandro encontra-se essa pluralidade de de-
tudo o que é chamado de "ser", se encontre en- nominações; contudo, ele afirma veementemente
gendrado (Vors, 12 A 13). a unidade daquilo donde há geração.
O famoso "Discurso" de Anaximandro trans- Essa geração ocorre para "os seres" (ta onta).
crito por Simplício, mesmo após essas primeiras Ser é o mesmo que "vir ao mundo". As coisas
considerações, não deixa de ser um texto de difí- que são, são ao mesmo tempo "junto" e são "to-
cil elucidação. Anaximandro disse que o princí- das" juntas. Não há ente isolado. E esses entes são
pio, ou seja, o elemento dos seres é o infinito... manifestações na ordem do devir. Panta e genes-
Disse que não é a água nem nenhum outro dos thai caracterizam os onta. É próprio ao ente
chamados elementos, mas uma outra natureza como tal nascer e perecer, ou seja, aparecer e de-
infinita, da qual nascem todos os céus e os mun- saparecer. Genesthai e phtora são caracteres dos
dos neles: mas é naquilo mesmo donde provém entes.
geração para os seres, que ocorre a destruição, O que é engendrado é engendrado a partir de
segundo o que deve ser; pois eles se fazem mútua um germe: é o gonimon citado num texto do Pseu-
justiça e reparação por suas mútuas injustiças, do-Plutarco (Vors. A 10). "Do princípio eterno, o
segundo a atribuição do Tempo, como diz ele em gerador do quente e do frio foi separado no nas-
termos poéticos (DK, 12 A 9 + B 1). cimento deste mundo." O nascimento de um
Especialistas e filósofos estão em desacordo mundo supõe uma espécie de fissura no infinito,
sobre as delimitações daquilo que parece legítimo donde a oposição entre os dois contrários pri-
ver como texto citado de Anaximandro e sobre o meiros.
significado dos termos transcritos por Simplício. Segundo o que deve ser (kata to chreon). O
Para alguns, as palavras de Anaximandro come- mundo e tudo o que está no mundo provêm da
çam em "disse que...". Para outros, em "segundo o luta e da cumplicidade desses dois contrários que
que deve ser... " (Heidegger, Burnet). são o quente e o frio. O céu, a terra, a vida ani-
Aqui consideramos o trecho inteiro. Depois de mal, as pedras decorrem disso. Depois tudo vol-
enunciar o infinito como princípio, o texto distin- tará à indiferença do apeiron. As traduções "de
gue "os céus" e "os mundos neles". Anaximandro acordo com a necessidade" ou "de acordo com o
parece, portanto, ver o cosmo como interior ao ou- destino" não convém: o "destino" é poder cego,
ranos. Na verdade, considera-se que Pitágoras te- e dizer "não pode ser de outro modo" é insufi-
nha sido o primeiro a chamar o céu (ouranos) com ciente. Anaximandro entende: não só não "pode"
o nome de cosmos (Dióg. Laércio, VIII, 48), em como não "deve" ser de outro modo. Para Anaxi-
razão da ordem (taxis) que nele vê. Em Anaxi- mandro, há uma justificação para a morte, morte
mandro, à relativa estabilidade de ouranos soma- dos indivíduos, morte dos mundos (Conche,
se a sucessão de múltiplos arranjos parciais que Anaximandro, PUF, p. 173).
constituem o cosmo. E se Anaximandro se expri- A seqüência desse trecho explica em termos
me no plural, é porque há firmamentos inumerá- poéticos essa justificação da morte. Se todos os
veis (ouranoi), portanto cosmoi igualmente inu seres são injustos enquanto seres, é porque não
meráveis. podem ser todos ao mesmo tempo. Todos os seres
É naquelas coisas mesmas das quais provém são injustos, e o são enquanto seres. Há os que
geração para os seres... O plural coisas das quais são: enquanto tais cometem injustiça; há os que
ANSELMO DE CANTUARIA 45 ANSELMO DE CANTUARIA

não são mais e os que ainda não são: enquanto aprende a conhecer e a amar Deus. Mais tarde,
tais sofrem a injustiça (cf. Conche, pp. 180 ss.). dirá que as montanhas pelas quais corria lhe pa-
Ser no mundo, ver a luz das coisas é ser injusto. reciam o caminho do céu. Após um início difícil
Ao morrerem, os seres acertam suas dívidas com com um mestre inábil, seus estudos foram con-
os seres que os substituem na cintilação do mun- fiados aos beneditinos de Aosta, onde ele realiza
do. O desaparecimento e a morte são o preço rápidos progressos. Pensa em tornar-se monge,
(tisis) que os antigos pagam aos jovens por terem mas o pai não permite, e a mãe quer que ele fi-
sido jovens. que ao lado dela. Após a morte desta e o ingres-
Traduzir o fim do trecho transcrito por Sim- so do pai num mosteiro assim que enviuva, An-
plício dizendo "segundo a ordem do tempo" não selmo decide tornar-se livre. Aos 24 anos deixa
reflete a contento a dimensão ao mesmo tempo as montanhas em direção à Borgonha e à França.
poética e filosófica. Traduzir "segundo a atribui- Nada se sabe com precisão acerca dos três
ção do tempo" (Conche) não é indicar a ordem anos que se seguem à sua partida de Aosta. A
que o tempo teria de respeitar, mas é considerar a Europa está em plena mutação. O extraordinário
ordem que o tempo atribui aos entes. Não se enun- crescimento da população por volta de 1050 re-
cia que, em sentido moral, os entes devam pagar- povoa o campo e produz o nascimento das cida-
se mutuamente o preço das injustiças que comete- des. Às escolas monásticas sucedem-se as esco-
ram. Dizer que os onta se pagam é apenas marcar las urbanas. Anselmo procura os melhores mes-
a impotência de todos os seres diante da morte. tres com a intenção de se tornar um deles. Lan-
Essa meditação sobre o arché descortina indí- franco, que vem da Itália como ele, leciona em
cios penetrantes quanto à natureza do cosmo. A Avranches. Anselmo vai ter com ele e depois o
idéia de evolução parece estar por toda parte. De acompanha até a Abadia de Bec, que Herluíno
início, a força do quente e a força antitética do frio está fundando. Lá, decide dedicar-se a Deus e,
separam-se. Do elemento úmido vem o mar. Os depois de aconselhar-se com Maurilho, arcebis-
primeiros seres vivos nascem do elemento úmi- po de Rouen, resolve fixar-se em Bec. Assim ter-
mina a crise que se conhece como sua conversão
do, antes de aprenderem a viver nas partes secas
(1059-1060).
da terra. Em suma, a atividade dos seres do mun-
do constitui, no horizonte do infinito, um eterno Quando Lanfranco é nomeado abade de Saint-
movimento. Étienne de Caen, Anselmo o sucede como prior.
Continua lecionando algum tempo até que, dei-
=» H. Diels - W. Kranz, Die Fragmente der Vorsokraliker, 6"
xando aos professores subalternos a tarefa de en-
ed., Berlim, 1951; A. Maddalena, lonici, Testimonianze e
frammenti, Florença, 1963; J.-P. Dumont, Les prèsocratiques, sinar os rudimentos, dedica-se ao ensino superior
Gallimard, Bibliothèque de Ia Pléiade, 1988. As traduções e à meditação.
francesas aqui usadas são as de M. Conche. Cerca de metade da obra Preces e Medita-
R. Baccou, Histoire de Ia science grecque de Thalès à ções foi composta durante o priorado de Bec, de
Socrate, Paris, 1951; J. Burnet, Laurore de Ia philosophie 1073 a 1085. Dessa época data também o Mo-
grecque, trad. A. Reymond, Paris, 1919; C. J. Classen, Âna-
nologion (1076). Lanfranco, que o lê, espanta-se
ximandros, R. E. Pauly-Wissowa, Supl. 12, 1970; M Con-
che, Anaximandre. Fragments et témoignages, PUF, 1991;
com a originalidade do método, que consiste em
C. H. Kahn, Anaximander and lhe Origins ofGreek Cosmo- não se apoiar na autoridade e em provar as as-
logy, Nova York - Londres, 1960. serções apenas através da razão. O Proslogion
(1077-1078) é escrito alguns anos depois do Mo-
Jean FRèRE
nologion, e o argumento que ele desenvolve para
provar a existência de Deus fará que esse traba-
lho se converta praticamente na única obra co-
ANSELMO DE CANTUARIA, 1033-1109 nhecida do "Doutor Magnífico". Ainda durante
Anselmo nasce em 1033 perto de Aosta. Seu esse breve período (1080-1085) ele escreve qua-
pai, Gandolfo ou Gondolfo, provavelmente tinha tro diálogos: De Veritate, De Libertate arbitrü,
um dos castelos que dominam o vale. Com a mãe, De Casu diaboli e De Grammatico. A idéia que
ANSELMO DE CANTUARIA 46 ANSELMO DE CANTUARIA

baseia seus ensinamentos é a retidão. A verdade mo tempo, convida Anselmo para um Concilio,
nada mais é que a justiça, que é retidão, e Deus que ele devia presidir em Bari. É antes desse Con-
é a fonte da Verdade. De libertate mostra que o cilio que Anselmo escreve o célebre Cur Deus
livre-arbítrio é apenas o poder de conservar a Homo, seu tratado sobre a Encarnação (1098).
retidão por si mesma. Em De Casu Diaboli, o Em Bari, age no sentido de impedir que o Con-
problema do livre-arbítrio é tratado no plano his- cilio excomungue Guilherme, o Ruívo. Retor-
tórico. Os alunos encontram nessa doutrina uma nando a Lyon, fica sabendo da morte do papa
orientação profundamente finalista e voluntaris- (julho de 1099) e, ao mesmo tempo, da tomada
ta, que lhes induzia a vontade a permanecer no de Jerusalém. Um ano mais tarde, com a morte
plano divino. acidental de Guilherme em Auvergne o trono
Herluíno morre em 1078 aos 84 anos. Seu passa a seu irmão, Henrique Beauclerc, que con-
prior é chamado à sucessão por unanimidade de vida Anselmo a retornar à Inglaterra.
votos. Começa, então, para Anselmo uma vida Henrique Beauclerc retoma a política de seu
em que a administração temporal e as viagens irmão, mas entra em conflito com Pascoal II, in-
ocupam grande parte do tempo. Anselmo faz de transigente quanto à questão das investiduras. É
Bec um centro radiante de vida espiritual. Con- nessa ocasião que Anselmo faz uma segunda via-
servaram-se cerca de 450 cartas que ele escreveu gem ao continente, a Bec em primeiro lugar e
aos membros de sua "fraternidade". Ele viaja, depois a Roma, seguindo o bispo de Exeter que o
não apenas para resolver questões materiais, mas precedera. A doutrina das investiduras ganha
também para atender e orientar inúmeros peni- definição. Admite-se que ela passará a ser ape-
tentes. Tornou-se abade durante o pontificado de nas uma concessão ao bispo pelo poder temporal
Gregório VII (1073-1085), que foi marcado pela "de dominação sobre o povo e de posse das coi-
querela das investiduras. sas temporais". Henrique Beauclerc restitui a An-
Na primavera de 1093, o rei, que estava doen- selmo os bens de sua igreja num encontro em
te, designa Anselmo para a sé de Cantuária. A Laigle, e este retorna a Cantuária em 1106. Uma
partir de então este passa os quinze últimos anos dieta ocorrida em Londres, em 1107, estipula que
de vida numa incessante luta para salvaguardar a o bispo não poderia receber a investidura pelo
liberdade da Igreja. Seis desses anos se desenro- báculo e o anel de nenhum laico, mas que a con-
lam no exílio e em viagens pela parte continental sagração episcopal só seria dada após uma ceri-
da Europa. Guilherme, o Conquistador, "rei mônia em que o eleito prestasse juramento ao rei
caríssimo e filho dileto da Santa Igreja Roma- por seus feudos.
na", empreendera séria reforma da Igreja, mas Anselmo passará seus últimos anos desenvol-
com seu filho o movimento de reforma cessaria. vendo e consolidando essa organização. Nesses
A ação deste só visava a separar a Igreja da In- anos termina De Fide Trinitatis e De Incarnatio-
glaterra da Igreja de Roma. Anselmo empenha- ne Verbi contra Rucelinus, que ele completa com
se em ser o traço de união entre as duas, manten- De Processione Sancti Spiritus, defendendo o
do atitude de firmeza diante do rei. Este, que Filioque do símbolo, em oposição aos gregos. O
negava aos bispos permissão para ir a Roma fa- tratado mais célebre dessa época é Cur Deus
zer sua visita ad limina, termina por permitir a Homo, iniciado antes do Concilio de Bari. Essa
partida de dois mensageiros, e o papa, em res- obra encerra, em duas longas partes, a doutrina
posta, envia um núncio apostólico com opallium de Anselmo sobre a redenção, que é o primeiro
a Anselmo. Entretanto, farto dos excessos do rei, tratado sobre esse mistério. Após o Concilio de
Anselmo pede autorização para ir a Roma. Parte Bari e em Lyon, quando esteve em retiro, come-
em novembro de 1097 para encontrar-se com Ur- çara o tratado De Conceptu virginali et Originali
bano II e explicar-lhe as razões de sua discórdia peccato (1099-1100 e 1107-1108). No retorno de
em relação a Guilherme, que pilhava os bens da seu segundo exílio, compõe um De Concórdia
Igreja. O papa intervém para ordenar ao rei a res- Praescientiae, Praedestinationis et Gratiae Dei
tituição dos bens da Igreja de Cantuária. Ao mes- cum libero arbítrio.
ANSELMO DE CANTUARIA 47 ANSELMO DE CANTUARIA

No terceiro ano que se segue a seu retorno do mais verdadeiro quanto mais conforme ao plano
exílio, a saúde de Anselmo se altera e suas forças de Deus. O livre-arbítrio não é a possibilidade de
físicas diminuem rapidamente. Ele morre na auro- optar entre o bem e o mal, mas a espontaneidade
ra da quarta-feira santa, em 21 de abril de 1109. da alma que se dirige para o Bem.
Após a conversão, Anselmo foi um monge in- O objeto para o qual tende o livre-arbítrio é
teiramente dedicado a Deus, buscando a perfeição também a bem-aventurança, fruto da justiça obti-
no exercício da regra. Entre sua vida espiritual e da pela retidão observada pela retidão. Essa bem-
sua vida intelectual não há apenas feliz concor- aventurança é ver Deus.
dância, há interpenetraçào profunda. Ele acredita- Em Monologion, o mais longo dos escritos de
va poder alcançar a perfeição fortalecendo o espí- Anselmo, o autor desenvolve uma meditação (Mo-
rito na oração e na dialética. O Proslogion é o me- nologion é "solilóquio", "monólogo") sobre a
lhor testemunho disso. Essência divina. A originalidade de seu método
A filosofia greco-latina, com exceção da lógi- reside exclusivamente na reflexão sobre Deus,
ca aristotélica, por certo chegara a Anselmo atra- objeto de sua fé, sem recurso às "autoridades". A
vés de Agostinho. Quanto à noção de retidão, questão da prova de Deus não se coloca como se
parece ter-se inspirado em Gregório, o Grande. fosse uma objeção. Anselmo é crente e dirige-se a
Deus, verdade absoluta, é a causa primeira de crentes. Entretanto, os quatro primeiros capítulos
toda verdade de que o Ser participa: é daí que o do Monologion desenvolvem as provas que foram
conhecimento, a vontade das criaturas contingen- denominadas provas físicas da existência de Deus.
tes haurem valor. Conformar-se à soberana ver-
Levado à conclusão de seu raciocínio, Anselmo
dade de Deus é também a norma da finalidade
desenvolve uma meditação sobre a essência de
delas. Pode-se, pois, definir a verdade como reti-
Deus e, analisando-a, encontra nela a existência.
dão ontológica segundo um plano criador, razão
"Insiste no fato de estar utilizando apenas a luz
de cada ser. A vontade possui, assim, sua verda-
da razão, e compraz-se em descobrir o Princí-
de. Ela se encontra no domínio da ação: "O rec-
pio Soberano, em descrever sua natureza e seus
tus ordo, reta ordenação, é para Anselmo condi-
principais atributos, e em enriquecer a descrição
ção sine qua non da especulação religiosa, da fé e
da inteligência" (Pourchet). A retidão tem relação com um quadro de sua vida interior": sua bon-
com a justiça; para Anselmo, justiça é moralida- dade que vem de si mesma (ex se) ou é por si
de, mas também justiça da alma que se tornou mesma (per se).
digna de seu fim sobrenatural. Em Anselmo, o Anselmo conduz seu raciocínio distinguindo-
plano natural e o plano sobrenatural entrecruzam- se do imanentismo platônico. Para ele, a criação
se: o homem tem uma história, a história do peca- procede ex nihilo, isto é, antes do Criador nada
do e da redenção. A justiça se integra nessa or- havia que não fosse o Criador. Explica em segui-
dem: ela é a justiça justificante, tal como a enten- da como apenas o Princípio Supremo, fonte do
de São Paulo. Dividida entre a dádiva dessa justi- ser, conserva as criaturas em seu ser. Depois, ex-
ça e sua possível recusa, a retidão será a motiva- põe os atributos divinos, começando pela simpli-
ção do bem realizado pelo bem: "Parece que não cidade e desenvolvendo o atributo da eternidade.
se poderia dizer isso com tanto propósito a res- Novamente, coloca-se o problema do nada e do
peito de nenhuma outra retidão, pois, se ela não não-ser. O obstáculo consiste na impossibilidade
observar nada além de si mesma, nem tiver nada de imaginar a eternidade divina e a Criação. "Es-
mais senão a si mesma, não observará o bem por ta, apresentada como uma ação produtiva de Deus,
nada mais senão por si mesma." A obediência exigiria uma matéria neutra, o nada, ao passo que
desinteressada é o seu resultado mais nítido. Des- ela é uma relação com Deus, logicamente poste-
se modo, movemo-nos no fio reto do pensamento rior ao mundo." Anselmo analisa em seguida o
e da disciplina monástica. Nisso se pode fazer modo de presença de Deus no mundo, sua imuta-
um paralelo com Kant. bilidade: "O ser soberano só pode ser substância
Uma vez que a retidão deve pôr a alma em re- no sentido de essência, e resta ainda esclarecer
lação com Deus, o livre-arbítrio do homem será que essa essência é única."
ANSELMO DE CANTUARIA 48 ANSELMO DE CANTUARIA

Por fim, nos trinta e quatro últimos capítulos, a cou" (Rousseau). O maior de todos os seres,
obra desenvolve uma exposição sobre a Trindade, equiparado à ilha afortunada, mostra com evi-
"forte síntese em que o Verbo e o Espírito, estuda- dência que, para ele, o real intelectual provém -
dos de início separadamente em sua origem e em e provém apenas - de um conhecimento experi-
suas relações substanciais pessoais, são depois mental, único que pode desencadear a passagem
mostrados em sua vida trinitária harmoniosa. Os da existência mental à existência real. É preciso,
últimos capítulos que apresentam a alma em rela- pois, provar antes a existência de uma natureza
ção com a Trindade são o coroamento indispensá- suprema, sobre a qual se poderá em seguida, pela
vel e expressivo da fé ardente na compreensão". análise, descobrir que contém a razão de sua
O Proslogion é a obra que tornou Anselmo existência. Está aí a obra de compreensão e não
célebre no mundo filosófico. As provas do Mo- de simples pensamento. Isto porque, se, saben-
nologion não o satisfizeram. Ele queria encontrar do-me existir, posso pensar a possibilidade de
uma prova "que para ser probante só precisasse minha existência, não vejo por que não a poderia
de si mesma". A obra começa com uma longa pensar também de Deus; e se não posso, essa
oração em que se reconhece o estilo de Agos- impossibilidade não é própria do que diz respei-
tinho. Pode-se pensar que se trata de uma análise to a Deus.
psicológica, mas na verdade trata-se de intuição Anselmo, em sua refutação geral a Gaunilon,
em torno do reconhecimento de uma presença retoma os dois pontos da discussão e prova,
interior que não é possível inventar. O filósofo sucessivamente, que aquilo em cuja comparação
constata a presença na inteligência de uma enti- não se pode conceber nada maior pode ser pen-
dade irredutível que goza de propriedades parti- sado e mesmo compreendido, existindo, pois, na
culares. Em seguida, desenvolve a idéia de que inteligência, e que dessa existência mental se-
"não se pode pensar que Deus não existe". gue-se necessariamente a existência real, ao con-
O primeiro adversário de Anselmo é um mon- trário da conclusão da ilha afortunada, pois o
ge de Marmoutiers, Gaunilon, que, embora reco- argumento só pode dizer respeito àquele em cuja
nheça "a elevação dos pensamentos e o aspecto comparação não se pode conceber nada maior.
de profunda religiosidade" da obra, nem por isso Na Idade Média o argumento de Anselmo,
deixa de achar que ela não pode convencer o chamado de "ontológico", é aceito, e poucos o
insensato que não tenha fé e que não conheça analisam realmente para criticá-lo. Para Alexan-
Deus. Critica o raciocínio que, de uma idéia que dre de Hales, como para todos os filósofos essen-
está em nós, extrai uma existência possível, in- cialistas, a existência de Deus decorre realmente
correndo numa contradição. O argumento será de sua essência. São Boaventura também cita o
retomado por Tomás de Aquino nos primeiros argumento sem o criticar. Sabemos que destino
artigos de Suma Teológica. Mas Gaunilon terá lhe reservará Santo Tomás em sua Suma Teológi-
compreendido Anselmo? O tipo de pensamento ca. O que se pode notar na leitura de tal texto é
do abade de Bec não é a passagem do pensado que os pontos de vista de Anselmo e de Tomás de
para o real, e o exemplo das "ilhas afortunadas" Aquino são absolutamente diferentes. Anselmo
não cabe aqui. dirige-se a crentes, pois nunca lhe ocorreu que
Anselmo empenha-se em mostrar a seus dis- aqueles que concebem Deus como possuidor de
cípulos - pois ele se dirige em primeiro lugar aos um corpo pudessem concebê-lo realmente. Dar
crentes e a seus monges - que nós realmente te- um corpo a Deus é coisa de pagão. Com Tomás
mos uma idéia de Deus e que "nossa consciência de Aquino o mundo cristão abriu-se mais à filo-
mostra verdadeiramente a cada um de nós que sofia paga. Entretanto, só pode espantar que tais
temos conhecimento de Deus. Apelo significati- gênios não se tenham encontrado. A Suma contra
vo do filósofo à fé e à consciência. Significativo os Gentios, que é uma obra anterior à Suma Teo-
não apenas por denotar certa dificuldade no pla- lógica e retoma os termos do capítulo XI de Con-
no racional, mas porque ele indica sua origem, tra Gentiles, acrescenta, porém, um pormenor me-
que é de ordem crítica; o filósofo nunca se expli- tafísico de grande interesse: se, ao pronunciar-
ANSELMO DE CANTUARIA 49 ANSELMO DE CANTUARIA

mos o vocábulo Deus, não podemos ver que ele prova ontológica, mas não resiste à crítica: a
existe, é porque aqui embaixo não podemos existência não é efetivamente uma qualidade que
enxergar a essência divina. Vemos Deus através possa ser atribuída a um ser como qualquer
de suas obras, e, como diz a Escritura, vamos outra, nem, inversamente, nele ser descoberta
"das coisas visíveis à realidade invisível" (Rm, I, por análise. Em nossa época renasce o interesse
20). Em relação à realidade divina, nós nos com- por Santo Anselmo. Dois teólogos, P. Henri de
portamos como a coruja em relação ao Sol, isto é, Bouillard e P. de Lubac, bem como um filósofo,
somos incapazes de vê-la. Nunca é demais ressal- Joseph Moreau, deram destaque à sua obra. O
tar que a prova de Santo Anselmo é mística, o que debate continua aberto. O gênio de Anselmo,
é confirmado pelo fato de que Santo Tomás cita como todo gênio, é inapreensível. É o segredo de
João Damasceno para refutá-la nesses dois textos uma alma ardente e luminosa, que busca ascen-
sobre a demonstração de Deus. Infelizmente, a der a Deus e que, com igual segurança, soube
escolástica subseqüente, que não verá em Santo criar um instrumento notável e descobrir os
Tomás a chave que abre o caminho para um co- caminhos que serão seguidos pelos doutores a
nhecimento maior, mas o limite que impede qual- quem Deus deu a missão de continuar a obra
quer procura, não perceberá o que há de interes- jamais finalizada da expressão doutrinai. Monge
sante na demonstração de Anselmo. fiel, ele aprendeu, segundo a regra de São Bento, "a
Caberá a Descartes, no momento em que a procurar Deus", e a seu respeito não caberá pergun-
escolástica decadente perde seguidores, a tarefa tar "si reverá Deum quaerit", se deveras procura
de dar a essa demonstração a repercussão mais Deus, como se indaga em relação ao postulante e
conhecida de todas. Em sua V Meditação, ele ao noviço. Anselmo, em vida, não teve outra ocu-
fundamenta sua argumentação na possibilidade pação, e é o fruto de sua vida e de suas preces que
de se ter uma idéia verdadeira de Deus, e não ele entrega às gerações que virão depois.
apenas um conceito pelo qual a essência divina é Francis FERRIER
alcançada e analisada. Descobre assim essa pro-
• Opera omnia, ed. F. S. Schmitt, Stuttgart-Bad Cannstatt,
priedade necessária da existência, tão evidente
Frommann-Holzboog, 1938-1961. Trad.: Oeuvres philoso-
quanto as propriedades de uma figura matemáti-
phiques de saint Anselme, trad. P. Rousseau, Paris, Aubier,
ca. Descartes considera justas as críticas da Su- 1947; Pourquoi Dieu s "esl/ait homme (= Cur Deus homo),
ma Teológica, mas nega com razão que elas atin- trad. R. Roques (Sources chrétiennes, 91), Paris, Ed. du
jam aquela demonstração. Ele crê na possibilida- Cerf, 1963; Loeuvre d'Anselme de Cantorbéry, sob a dir.
de da idéia divina proclamada por Anselmo con- M. Corbin, Paris, Ed. du Cerf, no prelo,
tra Gaunilon. => J. M. Hopkins, A Companion Io lhe Study ofSl. Anselm,
O pensamento de Anselmo encontra-se em Ma- Minneapolis, Minnesota University Press, 1972; R. W.
lebranche. Também se poderia dizer que "o pensa- Southern, Anselm and his Biographer, Cambridge University
mento de Anselmo é como o elo de uma cadeia Press, 1966; P. Vignaux, De sainl Anselme à Lulher, Paris,
que parte dos últimos herdeiros do pensamento Vrin, 1976; K. Barth, "Fides quaerens inlellectum", Muni-
que, 1931, trad. J. Carrère (La preuve de 1'existence de
neoplatônico e, passando por Santo Agostinho, o
Dieu), Neuchâtel-Paris, Delachaux & Niestlé, 1958; A.
Areopagita e Escoto Erígena, chega a dialéticos
ICoyré, Lidée de Dieu dans Ia philosophie de saint Anselme,
como Abelardo, a místicos como São Boavenrura Paris, Leroux, 1923; E. Gilson, Sens et nature de 1'argument
e, mais tarde, aos cartesianos" (Joseph Moreau). de saint Anselme, Arch. d'Hist. Doclr. et Litt. du M. A., 9
Leibniz conhecia o argumento de Anselmo (1934); D. P. Henry, The Logic of St Anselm, Oxford,
em sua forma primitiva. Mas diz que continua University Press, 1967; Medieval Logic and Metaphysics,
insatisfeito e atribui essa insatisfação ao fato de Londres, Hutchinson, 1972; J. Vuillemin, Le Dieu d'Anselme
et les Apparences de Ia raison. Paris, Aubier, 1971; C.
que a possibilidade do Ser em comparação com
Hartshorne, Anselm s Discovery: A Re-examination ofthe
o qual nada de maior se pode pensar é suposta, e Ontological Proof for Gods Existence, La Salle, Open
não provada. Court, 1965; R. W. Southern, St Anselm and his English
Kant examina três provas da existência de Pupils, Mediaeval and Renaissance Studies, 1 (1941-1943).
Deus: a prova ontológica, a prova cosmológica e
o argumento filosófico-teológico. Ele aceitaria a Alain de LIBERA
ANTIFON DE ATENAS 50 ANTIFON DE ATENAS

ANTlFON DE ATENAS, século V a.C. Mas Antífon exerce também outra arte, a da
interpretação dos sonhos - aliás, como outros oni-
A própria identidade de Antífon é um proble-
rócritas da Antigüidade, Aristandro, por exem-
ma, pois houve quem sustentasse (como J. S.
plo, célebre por interpretar o sonho de Alexandre
Morrison) que Antífon, o Sofista, e Antífon de
diante de Tiro. Só Cícero nos dá algumas infor-
Ramno, autor de Tetralogias, eram uma só e mes-
mações sobre o método de interpretação seguido
ma pessoa, ou, ao contrário (como Bignone, Un-
por Antífon. Este rejeitava a chamada interpreta-
tersteiner, Luria, Guthrie), que o sofista devia ser
ção "natural", que consistia em interpretar o sig-
distinguido do orador. A partir dos trabalhos fi-
nificado de um sonho pela analogia com seu
lológicos de Maria Serena Funghi, que rejeitou a conteúdo manifesto. Adota, ao contrário, a inter-
atribuição do texto do frag. B 44 efetuada por Big- pretação erudita, ou "artificiosa", que é mais su-
none, propondo outra leitura, a tendência atual é til e que já distingue implicitamente conteúdo ma-
a identificação das duas personagens. O proble- nifesto e conteúdo latente.
ma é então fazer uma interpretação do frag. B
Um homem que deve participar da corrida de
44, mesmo em sua nova atribuição, que seja com-
carros dos Jogos Olímpicos sonha que está con-
patível com as opções políticas de Antífon de
duzindo um carro puxado por quatro cavalos. Um
Ramno, feroz partidário da oligarquia, que per- primeiro intérprete, partidário do chamado méto-
tencera ao governo dos Quatrocentos e foi con- do natural, promete-lhe a vitória; Antífon, ao con-
denado à morte malgrado uma eloqüente defesa. trário, anuncia a derrota: "Não entendes que há
Seja como for, não nos cabe aqui falar do con- quatro correndo à tua frente?" (B 80). Um outro
teúdo dos Discursos, cujo interesse é jurídico e concorrente sonha que é águia; prometem-lhe a
sobretudo retórico; nós nos ateremos aos frag- vitória. Antífon, ao contrário, vê no sonho uma
mentos tradicionalmente atribuídos a Antífon, "o promessa de derrota, porque, sendo a águia um
Sofista", pois são eles que nos permitem adivi- animal de rapina que persegue os outros pássa-
nhar o pensamento filosófico de Antífon. Aqui ros, corre atrás de sua presa e está "sempre atrás"
nos limitaremos a mencionar três de seus princi- (ibid.). Cícero dá, enfim, um terceiro exemplo, o
pais aspectos: a concepção de alma humana, a de da mulher que deseja ter um filho e que não sabe
Cidade, a de natureza. se está grávida. Sonha que seu sexo está lacrado.
Consulta um intérprete, que lhe diz que não está
1. A alma humana - A concepção da psiché grávida, porque, segundo seu sonho, ela não pôde
evolui em Antífon para uma psicologia indivi- conceber. Para Antífon, ao contrário, ela está grá-
dual já bem moderna. Antes de se tornar sofista vida, "pois ninguém tem o costume de lacrar o
propriamente dito, ele se dedica à psicoterapia, vazio" (De div., II, 70, 145).
exercendo em Corinto uma "arte de eliminar a
tristeza" (techné alupias). Pede que lhe contem II. A Cidade - Antífon coloca o problema
as causas da aflição, e "trata por meio de pala- político a partir de uma oposição radical entre
vras" o doente que se confia aos seus cuidados. natureza e lei, entre physis e nomos. A lei é
A palavra que cura não é a do paciente, mas a do essencialmente repressiva; ela é uma declaração
terapeuta, que, em conformidade com uma práti- de guerra aos instintos profundos do homem:
ca sofistica geral, utiliza a força psicagógica da "A maioria dos decretos, justos segundo a lei, são
linguagem para induzir e persuadir. Filóstrato, baixados para abrir guerra à natureza." A lei
aliás, insistiu na grande força de persuasão da cerca nos mínimos detalhes a existência do ho-
palavra de Antífon, que se gabava de que "nin- mem, não só impedindo que ele aja segundo sua
guém enunciaria dor tão terrível que ele não pu- vontade, mas também atando-lhe pensamentos e
desse retirá-la do espírito". Estaríamos então sentidos de tal modo que destrói toda a sua li-
diante de uma ação mágica da palavra, do poder berdade.
encantatório da linguagem, ainda que o terapeu- A natureza, assim garrotada, sufoca e atrofia-
ta utilize argumentos racionais. se. Antífon não critica na lei o fato de ser única-
ANTÍFON DE ATENAS 51 ANTÍFON DE ATENAS

mente negativa e de só expressar proibições; re- acredita apenas que o nomos foi confiscado por
conhece que lhe acontece ser positiva, mas suas minorias que o transformaram em lei particular,
prescrições são tão nefastas quanto as interdi- ou seja, em privilégio, o que explica a incrível
ções, pois ambas têm o mesmo objetivo: expulsar mixórdia legislativa das numerosas e minúsculas
o natural. Antífon escreve então: "As ações que as Cidades-Estados do mundo grego. Não se pode
leis repudiam para os homens são tão pouco afei- mais fundamentar a justiça nesse nomos desacre-
tas e apropriadas à natureza quanto aquelas às ditado; ela só é fundamentada na physis que,
quais elas os impelem." esta sim, tem a universalidade imprescindível à
- Mas por que é preciso preservar a natureza imparcialidade de uma verdadeira lei e a necessi-
e respeitá-la em vez de reprimi-la? dade que alicerça a credibilidade. A natureza é
Porque a verdadeira política deve preocupar- fundadora da comunidade humana; ela não co-
se antes de mais nada com o que é útil aos ho- nhece nenhuma das clivagens sociais que sepa-
mens; ora, a utilidade é o que garante a vida e a ram os homens e os tornam inimigos, dividindo-
liberdade; o nocivo está do lado da servidão e da os em nobres e plebeus, gregos e bárbaros, senho-
morte. Se a lei repressiva produz sofrimento, é res e escravos. O fundamento da comunidade hu-
sinal indubitável de que ela não está de acordo mana é a universalidade das necessidades huma-
com a natureza, de que ela mais prejudica o ho- nas, é aquilo em que esse fundamento é natural.
mem do que serve. Antífon invalida as prescrições legais existen-
A oposição entre natureza e lei é parcialmen- tes para substituí-las por uma política, uma ética,
te semelhante à que existe entre natureza e arte uma teoria da educação baseadas nas exigências
(techné). Aristóteles, em Física, cita um exemplo naturais e caracterizadas por um ideal de univer-
tomado por Antífon para mostrar a superioridade salidade, de não-repressão e de utilidade.
da natureza sobre a arte, e da matéria sem estru-
tura sobre a forma dada pela fabricação: "Se III. A natureza - Segundo Untersteiner, a obra
alguém enterrasse uma cama, e se a putrefação de Antífon comportava uma parte crítica, e essa
tivesse o poder de lançar um broto, o que nasce- crítica era dirigida contra Górgias. O Sobre o
ria não seria uma cama, mas madeira." O nomos, não-Ser deste último mostrara que, uma vez que
como a cama, é a seu modo produto da arte hu- o não-Ser é o não-Ser, o não-Ser ê tanto quanto o
mana; tem o caráter artificial de tudo o que é fa- Ser. Ora, se o não-Ser é, pode-se dizer inversa-
bricado; é apenas convenção e não tem a solidez, mente que o Ser é não-Ser, e que o Ser não é.
a permanência obstinada e a invencibilidade da Górgias prosseguia mostrando que, mesmo que
natureza. É por isso que não se obtém obediência o Ser seja, ele é incognoscível. Antífon ataca
à lei, ao passo que os mandamentos da natureza violentamente o que as teses de Górgias podiam
são invioláveis; o indivíduo, cujo primeiro motor conter de idealismo; restaura o alcance ontológi-
é o interesse pessoal, procura acima de tudo mu- co da percepção e do pensamento: "Mas por um
dar o sentido da lei, e muitas vezes consegue, em lado as coisas que são são sempre vistas e conhe-
vista da dificuldade que tem a autoridade repres- cidas, ao passo que, ao contrário, as que não são
siva de vigiar todos. não são vistas nem são conhecidas." A terceira
O artifício da lei, portanto, é não só prejudi- tese do Sobre o não-Ser afirmava que, mesmo
cial ao interesse de todos por sua fúria de coer- que os seres fossem, e fossem cognoscíveis, en-
ção como também é ineficaz por só punir os mal- tão esse conhecimento seria incomunicável. A
feitores menos nocivos, os que são suficiente- linguagem, para Górgias, não garante nenhuma
mente inábeis para se deixarem prender. abertura para as coisas; cria apenas belas ilusões
Essa doutrina de Antífon teria finalidades es- que seduzem e persuadem, como se fossem fór-
sencialmente subversivas? mulas mágicas; sendo encantatórias, as palavras
- Não acreditamos. Antífon não ataca o nomos provocam na alma as formas em cuja existência
com o objetivo de promover a anarquia desenfrea- o homem crê. Antífon denuncia energicamente
da e de dar asas aos instintos e à violência. Ele essa tese, e coloca a prioridade das coisas nas
ANTIFON DE ATENAS 52 ANTISTENES

palavras assim como pusera a prioridade das coi- danças de matéria. Ao contrário, o que para ele
sas nos pensamentos no processo do conhecer. subsiste e volta é a matéria, para revestir uma
O realismo de Antífon nesse ponto compara- configuração sempre nova, para modelar um in-
se ao de Hípias, que também colocava a natureza divíduo sempre diferente. Por isso, para o indiví-
no centro de suas meditações; o saudável retorno duo, o tempo é o bem mais precioso; tudo só
dos dois à physis opõe-se àquilo que Hegel cha- acontece uma vez, a vida é um papel que não
mará de "mau idealismo dos tempos modernos", pode ser representado de novo: "A vida não é
prefigurado por Górgias. como o gamão, que se possa jogar duas vezes."
A natureza, cuja consistência é assim restabe- Seria esse pensamento, como disseram al-
lecida, é concebida de modo bem grego como guns, pessimista? Não parece, pois em Antífon
um cosmo, uma ordem, um belo arranjo. Para ex- existe um momento de alguma forma pré-estói-
pressar isso, Antífon emprega de preferência o co: o conhecimento permite que cada um se apo-
conceito de diáthesis ("ordenamento"), e essa dere da ordem da natureza e faça dela a "sua pró-
ordem é constituída pela articulação de dois prin- pria ordem". Sob a superfície mutável das for-
cípios fundamentais: o rhythmos ("figura", "as- mas, o pensamento discerne o equilíbrio eterno
pecto") e o arrythmiston ("isento de estrutura") (aeiestô) do fundo; identificando-se com ele, sa-
ou, para usar termos aristotélicos, a forma (mor- boreia um estado que está bem próximo dele, ou
phé) e a matéria (hylé). Mas, ao contrário do que seja, euestô, a felicidade.
acontece com Aristóteles, o princípio essencial,
=> G. Altwegg. De Antifonte Sophista, Basiléia, 1908; A.
aquele no qual jaz a essência, é, para Antífon, o
Bouché-Leclercq, Histoire de Ia divination dans 1'Anti-
sem-estrutura, a futura matéria. É o arrythmiston quité, Paris, 1879; E. Bignone, Studi sul pensiero antico,
que constitui a inesgotável reserva à qual a natu- Nápoles, 1938; A. Croiset, Les nouveaux fragments d'An-
reza recorre para formar incessantemente o belo tiphon, Revue des Etudes grecques, 1917; C. Diano, Euri-
circuito de seres sempre novos: "Despojada de pide auteur de Ia catharsis tragique, Numen, 8, 1961; E. R.
suas reservas, ela (a natureza) teria organizado Dodds, The nationality of Antiphon the Sophist, Classical
Review, 68, 1954; G. B. Kerferd, The Moral and Political
mal tantos belos seres." A natureza é, pois, resul-
Doctrines of Antiphon the Sophist, Proceedings of the
tado de uma interação entre superfície e fundo, e Cambridge Philological Society, n.s., IV, 1956-1957; S.
é o fundo, o sem-figura, que é mais real e imutá- Luria, Antiphon der Sophist, Eos, 1963; P. Merlan, Ale-
vel. Portanto, a cada instante, o universo conso- xander the Great or Antiphon the Sophist?, Classical Phi-
me o que acaba de produzir; o fundo sem rosto lology, 45, 1950; A. Momigliano, Sul pensiero di Antifon-
te il Sofista, Rivista ital. di Filologia clássica, 58, 1930;
retoma em si as figuras que formara. O arryth-
J. S. Morrison, Sócrates and Antiphon, Classical Review,
miston está, pois, fora do tempo e é eterno; in- 69, 1955; J. S. Morrison, Antiphon, Proceedings of the
versamente, o tempo é o que carece de base: ele Cambridge Philological Society, 1961; J. S. Morrison, The
não sustenta nada, não é "hipóstase", diz Antífon Trulh of Antiphon, Phronesis, 8, 1963; J. Stenzel, Antiphon,
ao introduzir, bem antes de Plotino, esse concei- Realencyclopãdie de Wissowa, Suppl. IV, 1924; S. Zeppi,
to no vocabulário filosófico. O movimento da La posizione storica di Antifonte, Rivista critica di sloria
delia filosofia, XIII, 1958; S. Zeppi, Antifonte critico di
natureza vem da carência de ser de suas figuras
Protagora, Univ. di Trieste, 1961; F. Adorno, Studi sul pen-
superficiais que, apenas nascidas, se consomem; siero greco, Florença, 1966; B. Cassin, Histoire d'une
assim se explica o curso do sol "que produz le- identité. Les Antiphon, LEcrit du lemps, 1985; F. Decleva
vantes e poentes abandonando sempre o que aca- Caizzi, Hysteron-proteron. La nature et Ia loi selon An-
ba de ser queimado na superfície para ligar-se de tiphon, Revue de Métaphysique et de Morale, 1986; J. de
novo ao que é úmido". Romilly, La loi dans Ia pensée grecque. Paris, 1971.

O homem também é uma dessas figuras pas- Gilbert ROMEYER-DHERBEY


sageiras, que ganha forma por um instante antes
de voltar a mergulhar para sempre na grande
noite anônima do sem-estrutura (arrythmiston).
ANTÍSTENES, c. 445-após 366 a.C.
Antífon não acredita na metempsicose, no re-
torno das mesmas almas para corpos diferentes, Segundo Diógenes Laércio, Vidas, VI, 1-2, An-
ou na permanência da essência através das mu- tístenes, filho de um ateniense chamado Antíste-
ANTISTENES 53 ANTISTENES

nes e de uma mulher trácia, estudou primeiro re- (pp. 107-63), é a seguinte: A) Autênticas: a) retó-
tórica com Górgias e tornou-se retor; em segui- ricas (t. I), b) ético-políticas (t. II-V), c) dialéti-
da, freqüentou assiduamente Sócrates e, por fim, cas e ontológicas (t. VI e VII), d) homéricas (t.
ele, que copiara de Sócrates a firmeza de alma e VIII e IX); B) Duvidosas: ético-políticas (t. X).
imitava sua impassibilidade, foi quem encetou o A autenticidade do último tomo é problemática
caminho do cinismo. Antístenes participou em (cf. Giannantoni, t. IV, pp. 236-8). Giannantoni
422 do banquete relatado por Xenofonte e esta- (t. IV, pp. 240-354) faz um levantamento detalha-
va entre os poucos discípulos presentes à morte do dos textos de Antístenes, que ele examina títu-
de Sócrates em 399 (Platão, Fédon, 59 B). Parti- lo por título. Já na Antigüidade, aliás, a autentici-
cipou de uma batalha (cf. Giannantoni, Socratis dade das obras do filósofo foi contestada (cf. fr.
et Socraticorum reliquiae, t. IV, p. 199) que V A 43. 50 e I H 17 Giannantoni), e na época
pode ser a de Tanagra em 426 (cf. Tucídides, III, moderna foi questionada a paternidade antiste-
91), ou a de Délion em 424/423 (cf. Tucídides, niana dos dois discursos retóricos, Ajax e Ulisses
IV, 76), e é encontrado em 371 no término da (cf. Giannantoni, t. IV, pp. 257-64). Frínico (fr. V
batalha de Leuctres, criticando a atitude dos te- A 50) afirma que as obras Sobre Ciro e Sobre a
banos, que venceram os espartanos. Relacionou- Odisséia são puros modelos de língua ática, e,
se com os grandes sofistas de seu tempo, como graças a Diógenes Laércio, VI, 1, sabemos que
Hípias de Élis ou Pródico de Ceos. Sempre se- os diálogos, em especial Verdade e Protrépticos,
gundo Diógenes Laércio, VI, 13, ensinou no apresentavam o ^T|TopiKÒv EÍSoç (forma retóri-
templo de Cinosarges e tinha o apelido de Ha- ca). Arriano, em Manual de Epicteto (fr. V A 46),
plokuôn ("cão franco", alusão à franqueza cíni- fala do xapaKTip (estilo) da escrita de Antís-
ca?, "cão com manto simples", devido ao tribõn tenes e Juliano (fr. V A 44), do àvxirjOéveioç
cínico?, "cão natural", ou seja, cujos costumes TÚ7T.OÇ (marca antisteniana).
não fazem concessões às convenções sociais?).
Antístenes dedicava seus textos a persona-
A tradição mantém estranha reserva no que tan-
gens históricas - Ciro, Alcibíades, Aspásia - ou
ge a seus discípulos de então, pois menciona ape-
mitológicas - Ajax, Ulisses, Hércules (que, em
nas Diógenes de Sinope. Aristóteles (Metafísica,
razão de seus doze trabalhos, se tornará o mode-
H 3, 1043 b 23), porém, fala dos 'AvTioOéveioi.
lo por excelência dos cínicos), Calças, Atená, Te-
Antístenes morreu de doença, com aproximada-
lêmaco, Helena, Penélope, Proteu, o Ciclope,
mente oitenta anos.
Circe, Anfiarau, Midas (sobre as interpretações
Essa biografia apresenta dois problemas. É homéricas do filósofo, cf. Giannantoni, t. IV, pp.
suspeito o seu caráter esquemático, em que se 331-46). Também os dedicava a autores antigos
sucedem três fases (sofistica, socrática e cínica), ou contemporâneos - Homero, Teógnis, Isócrates,
permitindo que o estoicismo, por meio de Zenão Platão -, ou ainda, a discussões de natureza retó-
de Cítio, discípulo de Crates de Tebas, o Cínico, rica, lógica ou ética.
possa reivindicar origem socrática. Nisso se po- No domínio lógico (fr. V A 145-60), Antíste-
de vislumbrar a influência de certos estóicos ou nes foi o primeiro que definiu A.Ó70Ç: "X07DÇ
de autores de Sucessões muito preocupados com èaxív ò Tò xí n v H éov- ÔT|A.õ)V" (Diógenes
filiações (cf. Giannantoni, t. IV, pp. 226-33). O Laércio, VI, 3 = fr. V A 151). Nessa fórmula po-
segundo problema é: Antístenes terá sido mesmo de-se interpretar de diversas maneiras a palavra
mestre de Diógenes, portanto fundador do cinis- XÓ70Ç; os tradutores propuseram "discurso",
mo? Os modernos tendem a responder negativa- "enunciado", "conceito", "nome", ou ainda, "as-
mente (cf. Dudley, pp. 1-16, e Giannantoni, t. IV, serção" (ver Giannantoni, t. IV, pp. 372-85); An-
pp. 223-33). tístenes afirma que não se pode enunciar ne-
O catálogo do século II ou I a.C, citado por nhum objeto a não ser pela enunciação que lhe
Diógenes Laércio, VI, 15-8, divide as obras de convém propriamente (Aristóteles, Metafísica, A
Antístenes em 10 xóu.oi (seções) com mais de 29, 1024 b 26-34, fr. V A 152), ou seja, que só
60 títulos, cuja disposição, segundo A. Patzer existe um nome para designar um único sujeito.
ANTISTENES 54 ANTISTENES

Conseqüência: os únicos juízos possíveis são os universal, considerando que a definição se reduz
juízos de identidade (ex. "O homem é homem"), à denominação de um objeto singular; o homem,
e qualquer juízo de atribuição (ex. "o homem é enquanto essência, enquanto idéia, não existe; só
bom") está excluído; esse tipo de posição impe- existe o homem particular sobre o qual não se
de a atribuição de predicados, definições, pois pode nada dizer além de sua denominação; por
qualquer juízo que exprima uma definição não isso ele opunha o seguinte reparo à teoria platô-
respeita a simplicidade da coisa (Aristóteles, nica das Idéias: "Vejo um cavalo, não vejo a ca-
Metafísica, H 3; 1043 b 23; Alexandre de Afro- validade" (Simplício, In Categ., pp. 208, 28-30,
dísia, In Melaph., p. 553, 31-554, 10 = fr. V A Kalbfleisch = fr. V A 149), e escreveu uma obra
150). Além disso, em virtude de um atomismo polêmica contra a teoria platônica das Idéias:
lógico que encerra o pensamento na tautologia, Sathon. Nessa perspectiva, o saber teórico e a
proíbe-se também contradizer ou mesmo afirmar teoria platônica das Idéias tornam-se impossí-
a falsidade (Aristóteles, Metafísica, A 29; 1024 b veis. É por isso que Platão combate as teses de
26-34 = fr. V A 152). De fato, duas pessoas que Antístenes, sem o citar aliás, em Sofista, 251 A e
falem da mesma realidade só poderão dizer as em Teeteto, 201 E.
mesmas coisas; ora, se elas dizem as mesmas Em política, Antístenes se insurge tanto con-
coisas, é impossível que se contradigam. Se di- tra os tiranos (Estobeu, IV 8, 31 = fr. V A 75;
zem coisas diferentes, então é porque não falam Xenofonte, Banquete, 4, 36 = fr. V A 82) quanto
do mesmo objeto (Alexandre de Afrodísia, In contra a democracia ateniense (fr. V A 68, 71,
Metaph., 1024 b 26; p. 434, 25-435, 20 = fr. V A 72, 73), ao passo que aprecia o regime de Es-
152). Esses pontos de vista mereceram críticas parta (fr. V A 7), o que também acontecerá com
de Platão, Aristóteles, Alexandre de Afrodísia, os cínicos. O sábio governa não segundo as leis
Simplício e dos modernos. O filósofo é criticado em vigor, mas segundo a lei da virtude (Dió-
por confundir o emprego de eivcu no sentido de genes Laércio, VI, 11 = fr. V A 134). Antístenes
existir ("Sócrates é") e de EÍvai, cópula no senti- formula uma crítica puramente negativa das ins-
do de estar ("Sócrates está sentado"), portanto de tituições, mas aparentemente mantém a necessi-
confundir juízo de existência e juízo de atribui- dade da polis.
ção; e também foi criticado por confundir o No campo religioso, sua posição é original,
emprego de eivai, cópula que enuncia identida- pois se orienta resolutamente para o monoteís-
de ("este homem é Sócrates") com o de eivou, mo: "Em seu Tratado Físico, Antístenes diz que,
cópula que enuncia acidente ("Sócrates é músi- segundo o costume, há numerosos deuses, mas
co"), portanto de confundir juízo de identidade e segundo a natureza só há um" (Filodemo, Depie-
juízo de atribuição. Mas se Antístenes se atem tate, T., 3-8 = fr. VA 179).
apenas à identidade, é porque, influenciado pelas A moral de Antístenes, em concordância com
teorias parmenidianas, considera que o juízo de seus princípios lógicos, não se enleia em discus-
atribuição associa não-ser ao ser, o que é absur- sões teóricas; apóia-se na força do exemplo, e
do, pois o não-ser não existe. não nos discursos que visam a convencer. Várias
Em conseqüência, Antístenes dá grande aten- teses morais conservadas nos fragmentos de An-
ção aos nomes (escreveu uma obra em cinco li- tístenes farão parte da bagagem cínica ulterior: a
vros intitulada Sobre a Educação ou Sobre os virtude, que segundo ele pode ser ensinada, bas-
Nomes); o ser das coisas está no nome das coi- ta à felicidade, e não precisa de nada mais, a não
sas; as idéias não passam de nomes (razão por ser da força socrática; é uma virtude dos atos,
que ele foi qualificado de "nominalista"), e, con- não uma virtude das palavras, e aparece como
siderando nessa perspectiva ser fundamental o uma arma inexpugnável; a mesma virtude per-
estudo minucioso da linguagem, chega a decla- tence ao homem e à mulher, o que era uma posi-
rar que "o começo da educação é o exame dos ção corajosa na época. O homem bem nascido
nomes" (Epicteto, Colóquios, I, 17, 10-12 = fr. V deve ser identificado com o homem virtuoso. O
A 160). Ele nega qualquer realidade à noção de sábio é autarkés, ou seja, auto-suficiente; a aty-
ANTISTENES 55 APEL

phia, ausência de orgulho, é o telos da filosofia, Axiothéa", 1989; Ead., Livro VI de Diógenes Laércio: aná-
o objetivo que se deve ter em vista (a noção de lise de estrutura e reflexões metodológicas, Aufstieg und
Niedergang der Rõmischen Welt, 11, 36, 6, Berlim/Nova
typhos, que retoma com freqüência nos textos
York, 1992; Ead., Ajax e Ulisses de Antístenes, in ooipin;
cínicos, em Antístenes, Diógenes, Crates e Mô- uairiTopeç, chercheurs de sagesse, hommage à J. Pépin,
nimo, designa ao mesmo tempo orgulho e ilusão Paris, 1992; A. Brancacci, OIKEIOç >.OYOç, La filosofia dei
em todas as suas formas). Em três passagens está linguaggio di Antistene, "Elenchos", 20, Nápoles, 1990.
presente uma noção que será fundamental nos
Marie-Odile GOULET-CAZé
cínicos, sobretudo em Diógenes: a de ponoi, que
designa tanto as provações conhecidas pelo ho-
mem ao longo de sua existência e os sofrimentos
APEL Karl-Otto, 1922-
físicos ou morais delas decorrentes quanto os
esforços despendidos para superá-los. Para An- Filósofo alemão nascido em Düsseldorf. Pro-
tístenes, que não hesita em inverter os pontos de fessor nas Universidades de Kiel (1962-1969),
vista correntes, "o sofrimento é um bem"; "os de Sarrebruck (1969-1972) e de Frankfurt (1972-
sofrimentos assemelham-se aos cães, pois estes 1989). A Karl-Otto Apel cabe o mérito de ter de-
mordem as pessoas que não estão acostumadas preendido a questão crucial na prática filosófica
com eles", e "devem ser buscados os prazeres de nossa época ao forjar o projeto de uma prag-
que se seguem aos sofrimentos, e não os que pre- mática transcendental. O que está em jogo é a
cedem os sofrimentos" (Diógenes Laércio, VI 2 atribuição ao ser humano da responsabilidade
= fr. V A 85; Cnomologium Vaticanum, 743, n. 1 que ele tem em relação a si mesmo e a seu desti-
= fr. V A 113; Estobeu, III, 29, 65 = fr. V A 126). no, revelando-lhe os a priori do uso da lingua-
A moral antisteniana insiste na vontade, na força gem que desde sempre organizaram a produção e
da alma, na energia interior e na liberdade. Pre- o reconhecimento de seus conhecimentos, de
coniza a independência em relação às coisas e à suas ações e de seus desejos. Pelo simples fato
opinião. O sábio deve ser capaz de exercer domí- de se reconhecer em um de seus pensamentos ou
nio total sobre si mesmo. de suas palavras, o ser humano se descobre im-
plicado, de um modo ou de outro, em sua verda-
• Os textos estão reunidos em F. Decleva Caizzi, Antis-
thenis fragmenta, Milão, col. "Testi e Documenti per Io de, e se vê obrigado a assumir a experiência que
studio dell'Antichità", 1966, e sob a rubrica V A em G. nela se encontra objetivada. Mas ele só pode re-
Giannantoni, Socratis ei Socraticorum Reliquiae, segunda conhecer essa verdade como tal desde que possa
edição ampliada, t. II, Nápoles, 1990; encontra-se um compartilhá-la. Portanto, não poderia haver uma
comentário nas notas 21 a 40 do t. IV. Um grande número
verdade do enunciador que não fosse também de
de textos foi traduzido para o francês em L. Paquet, Les
cyniques grees. Fragments ei lèmoignages, Ottawa, col. seu alocutário, que não ponha um e outro diante
"Philosophica", 4, 1975 (nova ed. revista, corrigida e de uma realidade comum, em que a comunicação
ampliada em 1988). Uma versão abreviada dessa mesma os leve a reconhecer-se.
obra foi publicada em 1992 em "Livre de poche". A importância dessa questão é depreendida da
=> A. J. Festugière, Antisthenica, RSPT, 21 (1932), reto- observação das crises de racionalidade que afe-
mado em Etudes de phihsophie greeque, Paris, 1971 (arti- tam a autofundamentação do pensamento cientí-
go dedicado à lógica de Antístenes); D. R. Dudley, A fico, diante da crise das instituições jurídicas, mo-
History of Cynicism from Diógenes to lhe 6th Century AD,
rais e políticas herdadas da modernidade e da de-
Londres, 1937 (repr. Nova York, 1974); F Decleva Caizzi,
Antistene, Slud. Urb., 38 (1964); A. Patzer, Antisthenes
sorientação de uma subjetividade solipsista e pro-
der Sokratiker. Das literarische Werk und die Phihsophie, metéica que assiste à dissolução de todas as suas
dargestellet am Katalog der Schrifien (diss.), Heidelberg, certezas teóricas e práticas ao longo da experi-
1970; H. D. Rankin, Antisthenes Sokratikos, Amsterdam, mentação que tenta de si mesma e do mundo. A
1986; Centre de recherche philologique de Lille III, An-
radicalidade dessas crises obriga o homem con-
tisthène. Sophistique et cynisme, em B. Cassin (org.), Po-
silions de Ia sophistique, Paris, 1986; M.-O Goulet-Cazé,
temporâneo a passar pelo filtro de seu próprio
nota Antisthène d'Athènes, em R. Goulet (org.), Dic- juízo aquilo que ele conhece efetivamente, aquilo
tionnaire des philosophes antiques, t. 1; "Abam(m)on à que deve fazer e o que pode desejar. A pragmáti-
APEL 56 APEL

ca transcendental permite-lhe ser o que deve ser: em toda relação com o mundo: "de antecipar a
revelando-o a si mesmo como ser de linguagem, si mesmo já junto a seu mundo (sich selbst vor-
mostra-lhe que ele só pode assumir como juízo weg schon bei seiner Welt sein)". O que é trans-
aquilo que pode justificar pela argumentação cendental em toda relação com o mundo e consi-
diante de outrem, só aquilo que provoca a concor- go, o que possibilita a experiência é produzir
dância de seus alocutários. Descobre assim que essa relação como sendo já um consenso consigo
só pode superar essa crise de civilização transfor- e com outrem. Por ter o pensamento essência
mando o exercício argumentativo do juízo filosó- comunicacional, a relação metafísica kantiana de
fico em forma de vida universalizável e aplicável identidade entre pensamento e ser transmuda-se
em qualquer domínio. em relação ontológica consigo mesmo, com ou-
O reconhecimento desse aspecto crucial pro- trem e com o mundo, relação que se pressupõe
cede de uma leitura hermenêutica de Ser e Tem- vivenciar no pensamento, do mesmo modo como
po de Heidegger, que Apel propõe em sua disser- se pressupõe vivenciá-la na comunicação: pres-
tação Dasein und Erkennen [Ser-aí e conhecer] supondo a concordância do alocutário com o que
(Bonn, 1950). Ela se desenrola na reconstrução lhe é dito, pelo menos durante o tempo de nos fa-
por ele apresentada da dinâmica humanista que zermos entender. Descobrindo esse lugar comu-
anima a experimentação contemporânea do mun- nicacional de produção de si como lugar de trans-
do e do homem e que se reflete na consciência formação de si, de outrem e do mundo, Apel cor-
que dela têm a filosofia analítica, a hermenêuti- rige o solipsismo fenomenológico de Heidegger
ca, a antropologia filosófica e a crítica das ideo- por meio das lições de antropologia filosófica de
logias. Sua tese de habilitação (Die IdeederSpra- Gehlen e de Mead (cf. estudos 1): pelo reconhe-
che in der Tradition des Humanismus von Dante cimento da natureza fonoauditiva do pensamento
bis Viço [A idéia da linguagem na tradição do assim como da dinâmica de identificação com
Humanismo, de Dante a Viço], Mayence, 1961) outrem que ele implica. Uma vez que a palavra
reconstitui essa dinâmica e sua fragmentação nas engendra o pensamento como escuta da escuta, a
diversas tradições contemporâneas. Sua obra mais relação com o conhecimento, com a ação e com
importante, Transformation der Philosophie [Trans- o desejo só pode objetivar-se pressupondo-se que
formação da filosofia] (Frankfurt, 1973), critica exprima um acordo com a comunidade virtual-
os limites dela à luz daquilo que ele revela como mente ilimitada dos interlocutores. Ela só terá
crucial na civilização enquanto extrai dosa prio- realidade se cada um puder considerá-la tão real
ri da comunicação os princípios de uma ética vá- quanto se pressupõe ser, e sua comunicação só
lida na era da ciência. será bem-sucedida se produzir efetivamente esse
Através dos malogros contemporâneos da mo- acordo. Só conferimos força pragmática à lin-
dernidade, o homem contemporâneo apercebe-se guagem e só nos fazemos seres de comunicação
de que deve transformar-se no ser de linguagem se reconhecemos a força normativa do consenso:
que Heidegger já presumira ser ele, e de que deve submetendo o acordo com nós mesmos (detectá-
identificar-se, pelo conhecimento e pela ação, vel nas crenças, nos desejos e nas intenções de
com seu modo de ser mais autêntico: com seu ser agir) ao acordo com outrem. Essa força normati-
de verdade. Deve tornar-se, conscientemente con- va deve ser reconhecida tanto na prática quanto
forme com sua natureza comunicacional, em seu na teoria. É assim que assumimos de forma res-
ser social e em sua psique, reconhecendo que já ponsável o processo pré-reflexivo de comunica-
sempre antecipou a si mesmo.na comunicação e ção que já somos, processo que regulou - como
no pensamento: na forma de consenso consigo metainstituição, in actu exercito e pela produção
mesmo e com outrem. Ele só pode pensar o que dos consensos - tanto a formação das institui-
pensa e o que diz pensando-se de acordo com o ções quanto a da "alma" (como diálogo platôni-
que pensa e com outrem. Apel transfere assim co consigo mesma).
para a relação de comunicação a relação tempo- Com base na Fenomenologia da Percepção
ral consigo mesmo que Heidegger identificara de Merleau-Ponty, Apel mostra que o ser huma-
APEL 57 APEL

no só supera o perspectivismo perceptivo e se- ca, apresentam-se como "evidências últimas da


mântico ligado a seus a priori corporais e a suas razão" (cf. estudos 2), como evidências incriticá-
intervenções no mundo com o triunfo da dinâmi- veis que guiam todos os jogos de linguagem, se-
ca do a priori corporal que possibilita e articula jam eles científicos, sociopolíticos, artísticos ou
todos os outros: a dinâmica da comunicação. Em- filosóficos. Operam como jogos de pressuposi-
bora sua intervenção visual e manipuladora no ções de verdades comuns, como as verdades pres-
mundo propicie o ponto de vista de onde ele pode supostas em todo jogo de linguagem, sem o reco-
conhecer o mundo, funcionando assim como a nhecimento das quais a comunicação não teria
priori "tecnognomico", ele só pode encontrar o sentido algum. A razão disso é simples: o reconhe-
mundo visível como realidade independente de cimento dos fatos, das regras de ação e das neces-
seus desejos se o deixar "falar" tal qual é, tal sidades de que estão carregadas está inscrito no
qual pode apresentar-se a todos: só se o apreen- sentido mesmo das palavras. Portanto, não é possí-
der na relação de comunicação "fisiognômica" vel compreender-se sem que elas sejam pressupos-
que ele assim engendrou, para si mesmo e para tas verdadeiras. Mas a natureza verbal delas impe-
outrem, a partir do momento em que exprime para de de reduzi-las ao fenômeno mental subjetivo de
si mesmo o que dele percebe ou a partir do mo- "evidência" sob o qual elas se manifestam aos
mento em que o exprime para outrem. indivíduos: não poderia haver evidência subjetiva
Graças a Wittgenstein o homem contemporâ- válida que fosse distinta das que se impõem no
neo teria extraído a lição transcendental c prag- consenso. Mas só são vivenciadas quando se reco-
mática dessa descoberta: ao obrigar a reconhecer nhece que as evidências que se nos impõem só o
que os jogos de linguagem funcionam pondo-nos fazem impondo-se virtualmente a todos (cf. estu-
em harmonia com as experiências perceptivas, dos 3). "A unidade sintética da apercepção", iden-
práticas e desejantes que possibilitam, forçando tificada por Kant com a consciência de si que
a admitir que não seria possível observar uma acompanha a consciência de toda experiência, só é
regra de linguagem isoladamente, ele teria torna- reconhecida como real quando reconhecida como
do desprovido de sentido o desejo de ter acesso compartilhada por todos, mas ela só pode sê-lo à
ao real sem apoio num chão de harmonia verbal luz do exercício crítico e filosófico do juízo. Res-
com esse real. Os jogos de linguagem se consti- taurando o uso argumentativo desse juízo e mos-
tuem em forma de vida ao correlacionarem as trando que cada uso da linguagem obriga a recor-
certezas cognitivas com as certezas de ação cha- rer a esse uso em vez de o obstar, supera-se tanto o
madas "regras". Todo jogo de linguagem repou- misticismo wittgensteiniano quanto as crises de
sa num conjunto de evidências compartilhadas e desorientação cognitivas, práticas e estéticas: iden-
leva assim a falar em "natureza interna" do ho- tificando como tais as verdades incriticáveis que
mem: coloca-o numa relação "fisiognômica" con- formam o jogo de linguagem filosófico que anima
sigo mesmo por meio das evidências cognitivas, todo jogo de linguagem e distinguindo-as das pseu-
práticas e estéticas que lhe transmite e nas quais do-evidências engendradas pela ignorância na qual
se sedimentaram os consensos legados pelas ge- habitualmente se está com respeito à constituição
rações passadas. Apel denomina "paradigmáti- comunicacional do pensamento. A transformação
cas" as certezas coletivas subjacentes a essas in- pragmática da filosofia transcendental só poderá
terações e adquiridas como evidências "incriticá- se dar através da substituição do sujeito pela lin-
veis" por aquilo que Peirce chamava de "senso guagem como condição transcendental da expe-
comum crítico": elas não podem ser postas em riência se mostrar como esse exercício crítico do
dúvida sem contradição, sem que haja um des- juízo já opera em todo ato de linguagem.
moronamento do jogo de linguagem e das práti-
Tanto quanto não se pode objetivar nenhuma
cas de vida com as quais essa interação de lin-
realidade sem pensar que ela existe ou pensar numa
guagem harmoniza os homens.
ação sem estimar a sua execução, também não se
Essas evidências, outrora chamadas de "filosó- pode objetivar a relação com a constatação ou com
ficas", pois só pareciam fundadas na reflexão criti- a promessa que se enuncia sem julgar em nome de
APEL 58 APEL

todos a realidade e a validade dessa constatação ou poder exprimir-se. Segundo Searle, aauto-impli-
dessa promessa. As pragmáticas científicas de Peir- cação moral do agente ilocucionário na realiza-
ce, de Wittgenstein e de Kripke (cf. estudos 3 e 4), ção de sua promessa de ação que é toda enuncia-
porém, abstraem essa instância de juízo consensual ção parece mesmo já implicada na intuição se-
submetendo a hipótese científica ao veredicto de mântica que ele tem dos verbos ilocucionários,
confirmação ou infirmação pronunciado como sem os quais não pode se situar em nenhuma si-
"resposta da natureza externa" por meio da experi- tuação de fala. Como seu engajamento moral pa-
mentação física do mundo visível. Acreditam as- rece implicado pela constatação das regras de
sim fazer intervir uma instância de juízo indepen- interação intersubjetiva que guiam suas expres-
dente dos cientistas e de seu desejo subjetivo de sões ilocucionárias, não lhe restaria mais que
verdade. A hipótese é uma espécie de apelo e de segui-las depois de reconhecer que elas derivam
pergunta feitos à natureza visível, referente à sua das descrições semânticas dos atos de fala. Nos
verdade efetiva: essa natureza responde com "sim" dois casos, a interação comunicativa reduz o en-
ou "não" ao confirmar ou infirmar essa hipótese. gajamento moral ou institucional presente na
Esse cientificismo é tão animista quanto eram su- intuição semântica dos verbos ilocucionários à
postamente animistas os primitivos, pois nele fala a realização de um objetivo que não se pode não
natureza visível como interlocutor do cientista, realizar, visto que se escolheu enunciar o meio
como seu único interlocutor em lugar e posição do locucionário de realizá-lo, que é a enunciação.
sábio, como um interlocutor que fala consigo mes- O uso do meio garante seu sucesso ao mesmo
mo por intermédio do cientista. Contudo, esse ani- tempo que nos obriga a reconhecer que somos
mismo implica também que a "natureza externa" já responsáveis pela produção do ato ilocucionário
é falada em si mesma, que ela já é, antes da palavra, e que nos obriga a agir em conseqüência disso. A
um conjunto de realidades essenciais providas de intuição moral se encontra, pois, tão instrumen-
propriedades essenciais, que tornam essas realida- talizada nas teorias mentalistas quanto a intuição
des sempre idênticas a si mesmas e que validam ou cognitiva está instrumentalizada na metalógica.
invalidam de antemão todas as hipóteses possíveis. Mas essas aparências se mostram enganadoras: é
Essas reincidências no essencialismo metafísico e falso, como demonstra Apel, que a constatação
metalógico dos medievais têm em vista garantir de das regras morais intersubjetivas ligadas à intui-
antemão, na pragmática da ciência e da lógica, a ção semântica dos verbos ilocucionários obrigue
dominação teórica da natureza. Seu resultado é por si mesma a obedecer-lhe sob pena de tornar
uma inversão arbitrária das relações temporais ine- sem sentido a própria enunciação ilocucionária.
rentes à lógica consensual da investigação, pois A identificação de si mesmo com a linguagem e
pressupõem já presente nos fenômenos a identida- com a sinceridade no uso das expressões perfor-
de entre os objetos e suas propriedades, mas nunca mativas, reivindicada por Austin e Searle, não
é possível garantir que essa identidade esteja pre- pode ser imposta de modo coerente por uma des-
sente nas realidades atualmente conhecidas, nem crição funcionalista das regras de uso dos verbos
que ela será aquela que se vivenciará no fim da ilocucionários.
evolução da investigação científica. O uso dos atos de fala só é assumido de modo
Assim também, as teorias dos atos de lingua- responsável pelos enunciadores quando estes se
gem tentam reduzir, por meio de descrições, a submetem à lei kantiana da universalizabilidade:
interação comunicativa à consciência monológi- só dizer, perceber, fazer e pensar o que eu puder
ca das regras de atos de fala acessíveis à intuição antecipar que cada um, em meu lugar, acreditaria
dos locutores. A implicação necessária dos enun- dever dizer, perceber, fazer e pensar. Identificar-
ciadores no respeito às convenções performati- se de modo responsável com o ideal de substitui-
vas dadas pelas tradições institucionais suposta- bilidade mútua dos interlocutores é identificar-se,
mente adaptam já o juízo deles à situação: eles na própria prática comunicativa, com a experiên-
podem e devem dominar a situação de fala invo- cia do acordo comunicativo. É fazer de si o ser
cando as convenções apropriadas se quiserem que só diz, deseja, faz e pensa aquilo em que acre-
APEL 59 APEL

dita que todo alocutário se reconheceria. Só nos cia de vida exterior à linguagem que está sendo
pomos em relação conosco em nome de outrem. objetivada. Por isso, toda enunciação se julga,
O argumento da pragmática transcendental eqüi- pelo simples fato de enunciar-se, conforme à
vale assim a fazer valer a instância de consenso sua natureza de forma de vida antecipadora ao
que devemos pressupor contrafactualmente que se reconhecer como a realidade comum deseja-
somos, nós e nossos interlocutores, para poder- da, ao se julgar também tão conforme à sua es-
mos falar. Só essa instância está habilitada a jul- sência argumentativa quanto ela julga ser a rea-
gar a validade e a justificabilidade das pretensões lidade de conhecimento, percepção, ação, dese-
de sentido, de verdade, de veracidade e de retidão jo ou sua própria realidade de ato ilocucionário
que elevamos em todo ato de fala. Se uma dessas conforme àquilo que ela descreve como realida-
pretensões for negada no conteúdo mesmo do que de objetivada.
se diz, então não se pode dizer o que se diz sem É assim que as descrições da pragmática trans-
cair numa autocontradição performativa. O enun- cendental levam a respeitar a força metainstitu-
ciado de Rorty ("Digo pela presente que não te- cional da linguagem ao identificar a essência ar-
nho, por princípio, nenhuma pretensão à verda- gumentativa do jogo de linguagem filosófico
de") é exemplo flagrante disso. Mas os enuncia- que anima todo jogo de linguagem. Desse modo,
dos filosóficos que reduzem essa assunção das implicam uma exigência à qual reconhecem de-
pretensões dos atos de fala à validade universal ver submeter-se e que atribuem a qualquer outro
revelam-se igualmente em autocontradição per- discurso filosófico: o princípio de auto-integra-
formativa consigo mesmos. Desde que uma teoria ção (Selbsteinholungsprinzip). "Toda teoria da
tente reduzir a priori toda enunciação a seu fenô- racionalidade deve ser compatível, ou seja, coe-
meno de desejo, de compulsão motora, de gratifi- rente com a reconstrução de sua própria raciona-
cação perceptiva ou de vontade de poder, em su- lidade pressuposta de discurso argumentativo"
ma, a um caráter patológico, suas enunciações se (cf. estudos 5).
descobrem em contradição performativa flagrante
com o fato mesmo de ocorrerem e serem usadas. • Dasein und Erkennen. Eine erkenntnistheoretische Inter-
pretation der Philosophie Martin Heideggers (dissertação
Pois forçam a reconhecer que não podem ser os
não publicada); Die Idee der Sprache in der Tradition des
fenômenos de desejos ou de adaptação técnica a Humanismus von Dante bis Viço, Bonn, Ed. Bouvier, 1963;
que se pretendiam redutíveis ao afirmarem que Transformation der Philosophie, 2 t„ Frankfurt, Suhr-
não podem saber se se submetem a regras semân- kamp, 1973 - traduzido parcialmente para o francês em
ticas universalmente válidas nem se têm pretensão Lethique à Vage de Ia science, Presses de 1'Université de
a alguma verdade, alguma veracidade ou alguma Lille, 1987; Der Denweg von Charles S. Peirce, Frankfurt,
Suhrkamp, 1967; Sprechaltheorie und transzendentale
retidão que seja.
Sprachpragmatik zur Frage ethische Normen, in Sprach-
O que é transcendental em toda enunciação e pragmatik und Philosophie, Frankfurt, Suhrkamp, 1976;
lhe permite condicionar toda experiência é de Diskurs und Veranlwortung, Suhrkamp, 1988; Normalive
Begründung des "Kritischer Theorie" durch Rekurs auf
fato, para K. O. Apel, sua força de argumenta-
Lebens-weltiche Sittlichkeit? Ein transzendental pragma-
ção: ela deve sempre pressupor-se já justificada tisch orientierter Versuch. mil Hahermas gegen Habermas
como antecipação e transmissão de uma hipótese zu denken, Suhrkamp, 1989 - trad. franc: Penser Haber-
de vida universalizável e pretender assim ser mas contre Habermas. La moralité du monde vécu peut-
sempre já irredutível a um desejo pulsional in- elle assurer à Ia "Theorie critique " un fondement norma-
transmissível, tanto em seu conteúdo quanto em »/?, Paris, 1990.
sua ocorrência. Mas essa antecipação só pode al- => 1. A. Gehlen, Der Mensch, Frankfurt, Ed. Athenaüm,
cançar seu objetivo (produzir o acordo conjunto 1940; Urmensch und Spdtkultur, Frankfurt, Ed. Athe-
dos parceiros em torno da ocorrência dessa enun- naüm, 1956, e G. Mead, Uesprit, le soi et Ia société, Paris,
ciação) levando os alocutários a abandonar suas Payot, 1971. Suas análises guiam a leitura feita por Apel
perspectivas pessoais (perceptivas, motoras ou de Merleau-Ponty em Technognomie - eine erkenntnisanth-
ropologische Kategorie, in Konkrete Vernunft, Bonn, Ed.
pulsionais) e atribuindo valor de realidade co- Bouvier, 1958, e em Das Leibapriori der Erkenntnis: eine
mum ao ato de fala deles tanto quanto à experiên- erkenntnisanthropologische Betrachtung im Anschluss an
ARENDT 60 ARENDT

Leibnizens Monadenlehre, in NeueAnlhropologie, org. por ciados e deve permanecer ligado a eles como
A. G. Gadamer e P. Vogler, t. 7, 2 a parte, Stuttgart, 1975. únicos guias capazes de orientá-lo". A fama che-
2. La question d'une fondation ultime de Ia raison, in
gou-lhe bem tarde, com a publicação de seu pri-
Critique, nf 413, out. 1981, Vingt ans depensée allemande.
3. Le problème de Pévidence phénoménologique à Ia meiro grande livro em 1951, Origens do Totali-
lumière d'une sémiotique transcendantale, in Critique de tarismo, que analisa de modo sistemático o que
ia raison phénoménologique. La transformation pragmati- ela considerava um fenômeno inteiramente iné-
que, org. por J. Poulain, Paris, Ed. duCerf, 1991. dito, que não podia ser apreendido pelas catego-
4. Analylic Philosophy oflanguage and the "Geisles- rias tradicionais da filosofia e da ciência políti-
wissenschaften", Dordrecht, Ed. Reidel, 1967.
ca. Pois as "origens" do totalitarismo não são
5. Rationalité de Ia communication humaine dans Ia
perspective de Ia pragmatique transcendantale, in Critique, "causas" no sentido de causalidade histórica. "Ele-
número especial: La philosophie comme elle continue, n°' mentos" nunca causam nada, mas "cristalizam"
493-4, 1988. em certas formas determinadas. "O aconteci-
Para uma crítica da pragmática transcendental de K. O. mento ilumina seu próprio passado mas nunca
Apel, ver J. Poulain, L'age pragmatique ou Vexpèrimentation pode ser dele deduzido." Os três fenômenos su-
totale. Paris, CHarmattan, 1991, e Lepartage de Ia vérité, Pa-
cessivamente abordados em Origens do Totalita-
ris, CHarmattan, 1991; Die philosophische Logik der Spra-
che und die Grenzen der Pragmatik, in Philosophie und Be-
rismo - anti-semitismo moderno, imperialismo
grimdung, Frankfurt, Suhrkamp, 1987. ligado ao expansionismo dos Estados-nações, fe-
nômeno totalitário - têm em comum o fato de
Jacques POULAIN
não se deixarem reduzir a formas já inventaria-
das ou recenseadas na história.
Hannah Arendt continua a explorar, em termos
ARENDT Hannah, 1906-1975
mais gerais e filosóficos, os recursos de resistência
Filósofa judia alemã nascida em 14 de outu- ao impunível e imperdoável mal do totalitarismo,
bro de 1906 em Hanôver e falecida em 4 de de- espécie de equivalente político do mal radical. A
zembro de 1975 em Nova York. Foi primeira- obra A Condição Humana (The Human Condi-
mente aluna de Heidegger em Marburgo e de- tion), publicada em 1958, pretendia, portanto, com
pois de Husserl e de Jaspers, sob cuja orientação base numa antropologia filosófica, responder à per-
defendeu tese de doutorado em filosofia no ano gunta que fora deixada sem resposta em Origens
de 1928, sobre o conceito de amor em Agosti- do Totalitarismo: em que condições um universo
nho. Em 1933, deixou a Alemanha nazista em di- não totalitário é possível? A análise toma por objeto
reção à França, onde residiu até 1940, ocupando- a v/to activa (vida ativa em oposição ao que a filo-
se sobretudo com facilitar a emigração de crian- sofia tradicional chamava de vida contemplativa), e
ças judias para a Palestina. Em 1941, exilou-se a vê segundo três modalidades fundamentais: tra-
novamente, dessa vez nos Estados Unidos. Ficou balho, obra e ação. Tomado no processo biológico
na condição de apátrida de 1933 a 1951, data em das necessidades e de sua satisfação, o trabalho é
que se tornou cidadã americana. A partir de 1955, uma atividade indefinidamente repetitiva, voltada
ensinou filosofia e ciências políticas em diver- para a satisfação das necessidades vitais: só pro-
sas universidades americanas (Berkeley, Prince- duz o que é perecível. É à obra que cabe produzir
ton, Columbia, Brooklyn College, Chicago) e coisas duráveis, artefatos e objetos que não sejam
em Aberdeen (Escócia). De 1967 até morrer foi aniquilados assim que consumidos. Mas essa du-
professora de filosofia política na New School rabilidade é ainda relativa e está submetida, em úl-
for Social Research (Nova York). tima instância, à utilidade e ao ciclo dos meios e dos
Seus dois exílios sucessivos - o fato de ter fins. Resta, pois, a ação, única capaz de transcen-
sido uma judia em fuga do nazismo e de ter-se der o ciclo da necessidade vital e da cadeia infinita
afastado de suas raízes - são muito importantes dos meios e dos fins. Inseparável da palavra, a
para se entender realmente seu pensamento. Ela ação é revelação do quem num espaço público de
escreve no prefácio de Entre Passado e Futuro que surgimento em que cada um é visto e ouvido por
"o pensamento nasce de acontecimentos viven- outros. Embora não seja privilégio apenas do ator
ARENDT 61 ARISTÓTELES

político (no sentido estrito do termo), a ação ense- • The Origins ofTotalitarism, 1951, trad. franc: Sur Tanti-
ja a constituição de um espaço público - distinto sémitisme, 1973; L'impérialisme, 1982; Le système lotalitai-
do domínio privado - em que se estende a rede das re, Le Seuil, 1972; The Human Condition, 1958, trad. franc:
La condition de I 'homme moderne, Calmann-Lévy, 1961 e
relações humanas. A condição humana de plurali-
1983; Between Past and Future, trad. franc: La crise de Ia
dade, correlata da ação e da palavra, é para Arendt culture, Gallimard, "Idées", 1972; The Life ofMind, 1978,
um verdadeiro conceito fundador que se encontra trad. franc: La vie deTesprit, 1.1: La pensée, 1981; t. 2: Le
em todas as etapas de sua análise. É por estarem vouloir, PUF, 1983; Juger. Sur Ia philosophie politique de
"no plural" que os homens habitam a Terra e Kant, Le Seuil, 1991.
vivem juntos de uma maneira ou de outra. Mas há
Myriam REVAULT D'ALLONNES
mais: agir e nascer, agir e começar estão em rela-
ção estreita: cada nascimento é aparecimento, cada
ação faz surgir a novidade. É a condição humana
ARISTIPO DE CIRENE, c. 435-350 a.C.
de natalidade que enraíza ontologicamente a novi-
dade da ação particular. Mas toda a dificuldade é Aristipo, fundador da escola cirenaica, depois
que a ação que nos insere no mundo não tem outra de conhecer, segundo consta, em Cirene o pensa-
validação além de seu próprio aparecer. Não dei- mento dos sofistas, particularmente de Protágo-
xando atrás de si - como já sabiam os gregos - ras, foi a Atenas receber os ensinamentos de
nenhum produto fabricado, introduzindo os ho- Sócrates. Em seguida, assim como Platão, foi
mens num tecido de relações que eles não domi- hóspede do tirano Dionísio de Siracusa. E difícil
nam, a ação é eminentemente frágil, seus resulta- reconstituir sua doutrina, pois não é fácil saber o
dos são imprevisíveis e não podem ser desfeitos. O que lhe pertence propriamente na doutrina atri-
paradoxo é, portanto, que a atividade através da buída aos "Cirenaicos" em geral (e que foi talvez
qual os homens sentem ao máximo a sua humani- sistematizado por seu neto, Aristipo, o Jovem,
dade é também a mais precária, a mais ameaçada. conhecido como Metrodidata - "aluno de sua
O vai-e-vem entre meditação filosófica, teoria mãe"). Não é indubitável que os textos de Platão
política e dados da experiência permeia assim toda referentes ao hedonismo falem de Aristipo. No
a obra de Hannah Arendt. A reflexão sobre o mal século IV, a questão do valor do prazer era discu-
radica!, esboçada com as análises do fenômeno tida em todas as escolas. Todavia, o pensamento
totalitário, prossegue com Eichmann em Jerusa- essencial de Aristipo parece consistir em opor a
lém, obra publicada em 1963. Portanto, não é pos-
um ideal de vida baseado na ciência e racional-
sível separar as obras de filosofia fundamental
mente construído um ideal baseado nas impres-
dos ensaios de caráter mais político, nem mesmo
sões imediatas. Pois só são certas as impressões
dos artigos publicados nos jornais e nas revistas,
que as coisas nos causam. As coisas em si, afora
ensejados por certos acontecimentos (Alemanha
a relação que vivenciamos com elas, são incog-
do pós-guerra, a criação do Estado de Israel ou a
noscíveis. Aliás, elas só contam como causas oca-
América do macarthismo, por exemplo). Nesse
sionais de nossas impressões, e são em si mes-
aspecto, não é indiferente o fato de seu último
mas indiferentes. A partir daí o prazer, uma vez
livro (The Life ofMind, publicado postumamente
sentido, é sempre um bem, mesmo que sua causa
em 1978) ter sido, segundo as próprias palavras
seja uma ação vergonhosa. Ele é a medida de
da autora, uma espécie de retorno à "filosofia pu-
ra". Completado pela publicação das conferên- todos os valores; nele reside o soberano bem. A
cias sobre a filosofia política de Kant, ele mostra felicidade só consiste em prazeres.
cabalmente que a análise das faculdades básicas Mareei CONCHE
do espírito - pensar, querer, julgar - é indissociá-
vel da reflexão sobre "a incapacidade de pensar"
e de julgar o particular sem o submeter a regras ARISTÓTELES, 385-322 a.C.
preestabelecidas: incapacidade que talvez seja a
condição de possibilidade do mal absoluto. Aristóteles nasceu em 385 a.C. em Estagira,
não longe do monte Atos. Era filho de Nicôma-
ARISTÓTELES 62 ARISTÓTELES

co, médico do rei Amintas II da Macedônia (pai centrado a atenção na forma, abrindo assim ca-
de Filipe), descendente de uma das famílias de minho para uma lógica formal. Mas caberia a
Asclepiades nas quais a arte médica se transmitia Aristóteles formular claramente os axiomas ele-
de pai para filho. Por origem, portanto, Aristó- mentares^ da lógica (princípio de contradição,
teles estava predestinado à pesquisa experimen- pj^dpjo doterceiro excluído, eta), confirmar
tal e à ciência positiva. Em 367, vai estudar em esses princípios pela refutação de seus negado-
Atenas, tornando-se um dos mais brilhantes dis- res, extrair as regras mais especiais do silogismo
cípulos de Platão. Em 348 (ano da morte de e, assim, estabelecer o sistema de lógica deduti-
Platão), talvez instigado pelo mestre, vai viver va que durante muito tempo foi seu principal
em Assos, na Tróade, na corte do tirano Hérmias título de glória. As ciências físicas e as biológi-
de Atarnéia. Ali, começa a ministrar ensinamen- cas estão representadas nas obras Física, De
tos em que já se mostra a sua originalidade, e a Coelo, De generatione et corruptione, Meteo-
fazer pesquisas biológicas, ao mesmo tempo em rológicas, De anima, Parva Naturalia, História
que desempenha certo papel político que, após o dos Animais, Das Partes dos Animais, Da Gera-
assassinato de Hérmias em 345, o obrigará a par- ção dos Animais etc. A filosofia em sentido es-
tir. Após breve estada em Mitilene, em 343-342 trito, que Aristóteles chama às vezes de "filoso-
foi chamado à corte da Macedônia para ser pre- fia primeira", está numa obra de catorze livros,
ceptor do jovem Alexandre; quase nada se sabe posteriormente editados com o título de Metafí-
sobre sua atividade nessa época. Pouco depois da sica e que dizem respeito às noções mais gerais
morte de Filipe, em 335-334, Aristóteles retorna (o ser enquanto ser, a essência etc.) ou, ao con-
a Atenas e funda o Liceu, escola rival da Acade- trário, às mais elevadas (Deus, os primeiros prin-
mia. Ali, ensinava sob um pórtico ou passeando cípios). A moral e a política são tratadas em Éti-
por entre as alamedas de um bosque - daí a de- ca a Nicômaco, Ética a Eudemo e nos oito livros
signação peripatéticos, ou passeadores, com que da Política. A retórica e a poética, por fim, são
ficaram conhecidos seus discípulos. Após a mor- tratadas nos livros conhecidos por esses títulos.
te de Alexandre (323), Aristóteles, suspeito de Em conjunto, portanto, as obras de Aristóteles
macedonismo, é obrigado a exilar-se em Caleis, formam uma verdadeira enciclopédia do saber
na ilha Eubéia, onde morre em 322. humano no quarto século antes de Cristo.
Os escritos atribuídos a Aristóteles versam Segundo Hegel, Aristóteles foi o pensador da
sobre quase todas as ciências conhecidas na Anti- "empiria total": submeteu todos os aspectos do
güidade, englobando - para utilizar a classifica- universo ao jugo do conceito, foi "fundador da
ção proposta pelo próprio filósofo - as ciências maioria das ciências". Digamos que foi pelo me-
teóricas, cujo objetojé^o ser em__sejisjJivgrsos nos um prodigioso organizador do saber, a um só
gêneros (matemática, física e teologia ou filoso- tempo preocupado com a generalização, sem a
fia primeira), as ciências práticas^çuiQobjslSí.é qual não há ciência possível, e capaz de respeitar
o_bem como finalidade da açjiojetica, política) e as diferenças que não só distinguem os indiví-
as ciências poéticas^ que estudam as condições de duos como também impedem de reduzir uns aos
produção da obra bela (poética, retórica). Alem outros os grandes gêneros de fenômenos e, con-
disso, Categorias, o tratado Da Interpretação, os seqüentemente, as ciências que os estudam. É
dois Analíticos, Tópicos e as Refutações Sojisti- desse modo que ele fundamenta uma tripartição
cas, obras reunidas mais tarde sob o título de rigorosa das ciências teóricas segundo seus obje-
Organon, fazem de Aristóteles o verdadeiro fun- tos: por um lado, os seres podem ser móveis ou
dador da lógica. Isto não quer dizer que ele tenha imóveis, e, por outro, separados ou não separa-
sido o primeiro a conceber todos os elementos da dos (da matéria). A ciência dos seres móveis e
lógica: em O Sofista, Platão já havia elaborado não separados é a física; a dos seres imóveis e não
uma doutrina da proposição. Quanto aos sofis- separados é a matemática; a dos seres imóveis e
tas, ao considerarem o discurso independente- separados é a teologia (Metafísica, E, 1). Como o
mente de seu conteúdo de verdade, já haviam con- quarto caso possível do ponto de vista lógico, o
ARISTÓTELES 63 ARISTÓTELES

dos seres móveis e separados, choca-se com a im- por intermédio da cópula ser. Em grego, "predi-
possibilidade de conceber um ser em movimento cação" se diz /categoria. O que a história conser-
que não comporte matéria (nem que fosse uma vou com o nome de "categorias" - denominação
"matéria local", o espaço, condição do movi- que se refere menos a sua função que a seu modo
mento local), pode-se ter certeza de que essa tri- de estabelecimento - é precisamente aquilo que
partição é exaustiva e esgota o campo do saber Aristóteles chama às vezes de "figuras da pre-
teórico. dicação" (skhemata tés kategorias), vale dizer,
Aristóteles será aparentemente menos rigoro- os diferentes esquemas semânticos segundo os
so na doutrina das "categorias", que Kant carac- quais o verbo ser - cópula, aliás, sintaticamente
terizará com justeza ao dizer que não é um siste- neutra - pode unir um predicado a um sujeito,
ma, mas uma rapsódia. De fato, ao propor uma autorizando esses diferentes esquemas uma clas-
lista dos conceitos fundamentais que designam sificação dos predicados. Assim, se digo "Sócra-
os gêneros mais gerais (essência, quantidade, re- tes é homem", o verbo ser exprime a essência; se
lação, qualidade, tempo, lugar, situação, ação e digo "Sócrates é justo", o verbo exprime a quali-
paixão, posse), Aristóteles não procede por divi- dade; se digo "Sócrates é (= está) em Atenas",
são a partir de um gênero ainda mais geral, que exprime o lugar etc. Compreende-se por que es-
seria o do ser. Não que o ser não se divida, mas, se método de extrair as categorias da prática em-
não podendo sair da esfera do ser, pois engloba pírica da linguagem não permitiu que Aristóteles
tudo, não podemos dispor, para dividi-lo, de um demonstrasse a completitude da sua tábua das ca-
princípio de diferenciação que, por definição, tegorias. Mas ele por certo estava convencido
deveria ser-lhe exterior: como o ser é tudo, qual- de que nunca poderíamos produzir uma propo-
quer diferença já está no âmbito do ser, é como sição dotada de sentido que não se enquadrasse
uma espécie do ser, não podendo, portanto, divi- em um dos dez esquemas que ele efetivamente
dir o ser da mesma maneira que uma diferença distinguiu.
específica (ou melhor, especificadora) divide um
Assim, embora deixe sua tábua das catego-
gênero a partir do exterior para produzir espé-
rias teoricamente aberta, Aristóteles irá proceder
cies. Será preciso admitir, pois, que o ser não é
como se essas categorias estivessem concluídas,
um gênero, mas, como se dirá na Idade Média,
não só em nível do conjunto constituído por elas
um "transcendental", vale dizer, um termo que
como também no nível das relações - ou melhor,
ultrapassa toda possibilidade de determinação de
da ausência de relações - entre elas. Dizer que as
tipo genérico. As categorias são, pois, os mais
categorias designam os gêneros mais gerais do
altos gêneros, alérn dos quais não há mais um
ser (e Aristóteles não duvida disso, pois não du-
gênero, mas um "transcendental". Daí que, para
vida que a linguagem diga o ser e que as catego-
atingi-los, não podemos partir do alto e proceder
rias elaboradas a partir de uma análise da lingua-
por divisão, mas sim partir da experiência, ou
gem sejam, ao mesmo tempo, categorias do ser)
melhor, de nosso discurso sobre a experiência, e
é o mesmo que dizer que não há comunicação
tentar classificar os tipos de proposição que so-
entre elas, que não há passagem gradual de uma
mos capazes de formar para expressar, na diver-
a outra, já que seria um erro lógico o "salto de
sidade de seus aspectos, essa nossa experiência
gênero". Em retrospectiva, poderá parecer que as
do mundo.
conseqüências dessa proibição foram desastro-
Qualquer um que não fosse Aristóteles se te- sas para o avanço da ciência. Cada ciência versa
ria perdido nessa tarefa, que poderia tornar-se in- sobre um gênero e um só {Metafísica, G. 2), e esse
finita. Aristóteles, porém, descobre na língua gênero inscreve-se numa das grandes regiões
(sem questionar se ali não estaria uma particula- categoriais - região que ele não pode transgredir.
ridade da língua grega) um fio condutor que lhe Desse modo, a matemática é a ciência da quanti-
permite orientar-se nessa diversidade. Todajjro- dade, e a física estuda certo tipo de qualidades
posiçãq^j^dutwe^àjòrma "S é P", em que en- características de seres em movimento. Sendo a
contramos um predicado P ligado a um sujeito S priori vedada qualquer quantificação da qualida-
ARISTÓTELES 64 ARISTÓTELES

de, compreende-se por que o aristotelismo terá pouco conhecida durante muito tempo e ainda dá
tornado teoricamente impossível - até a revolu- ensejo a controvérsias. A principal razão de nos-
ção dos Tempos Modernos - a constituição de sa ignorância a seu respeito deve ser buscada nas
uma ciência matemática da natureza. condições particulares da transmissão da obra de
Mas, quanto a isso, com certeza poderíamos Aristóteles. Ao contrário de Platão, de quem fi-
defender Aristóteles e mostrar que a classifica- caram as obras literárias publicadas, perdendo-se
ção das ciências teóricas e, principalmente, a dou- quaisquer vestígios diretos de seu ensinamento
trina das categorias permitiram a implantação de oral, de Aristóteles nos ficou essencialmente o
uma administração da experiência e, singular- conjunto de seus cursos, transcritos e eventual-
mente, da experiência da mudança, sem a qual mente reorganizados por seus discípulos, cuja
nenhuma ciência, nem mesmo a ciência moderna primeira edição de conjunto, devida a Andrônico
da natureza, teria sido possível (a contraprova é de Rodes, remonta a meados do século I a.C, ou
dada pelo fato de que Platão deixa por conta do seja, três séculos depois da morte de Aristóteles.
discurso mítico a investigação do dado sensível e Nessa época não seria mais possível - supondo-
as contradições nas quais haviam incorrido os se que se quisesse - organizar a produção de Aris-
pré-socráticos quando tentaram pensar a mudan- tóteles em ordem cronológica. Sem grandes preo-
ça). A própria ciência moderna da natureza não cupações com repetições ou mesmo com contra-
teria sido possível sem as distinções categoriais dições, discípulos e editores agruparam cursos e
de Aristóteles. Nenhuma mecânica é possível dissertações de épocas diferentes sob grandes
sem a abstração do movimento em relação ao rubricas do saber, na maioria indicadas pelo pró-
móbil, que supõe que a substância do móbil não
prio Aristóteles: física, ética, política, tratados
é afetada pelos lugares sucessivos que ele ocupa.
biológicos etc. Em dois pontos essenciais os edi-
Nenhuma química é possível sem a distinção de
tores e os primeiros comentadores irão além das
uma substância que permaneça idêntica ao longo
indicações de Aristóteles: por um lado, ao darem
das modificações de suas qualidades, que, por sua
o título, no mínimo provisório, de Metafísica (ou
vez, se mostram à análise como consecutivas a va-
seja, obra que deve ser lida "depois da física") a
riações de quantidade etc.
um conjunto de especulações que haviam ficado
Mas Aristóteles não se reduz à personagem sem título, nada indicando que Aristóteles pre-
que a tradição, ora subjugada, ora crítica, verá tendesse reuni-las sob uma denominação única;
nele: aquele que Dante chamará de "mestre dos por outro lado, ao agruparem com o nome de
sapientes", professor do gênero humano, funda-
Organon (que significa "instrumento") o con-
dor da lógica (e, indiretamente, também da gra-
junto dos tratados que hoje em dia dizemos "ló-
mática), organizador das estruturas do discurso e
gicos", nada indicando tampouco que Aristóteles
da ciência, não só enciclopedista mas também pri-
tivesse visto uma unidade neles; unidade esta de
meiro pensador "sistemático" - antes do termo -,
resto problemática, pois não se pode afirmar, por
é uma figura exemplar em certo sentido, mas
exemplo, que o tratado das Categorias, primeiro
cuja contribuição positiva estaria ligada ao risco
dos que constituem hoje o Organon, não esteja lá
(incansavelmente denunciado, sobretudo na Fran-
por erro, e não devesse ter sido incluído entre os
ça, a partir do início dos Tempos Modernos) de
escritos "metafísicos".
fixar num estágio arcaico, ou mesmo infantil, o
progresso supostamente indefinido do pensamen- Fato é que o arranjo didático feito pelos edito-
to. A renovação dos estudos aristotélicos, princi- res no corpus aristotélico e reforçado pelos co-
palmente a partir do início deste século, possibi- mentários escolares que serão feitos incessante-
litou a correção dessa imagem unilateral de um mente a partir do século I d.C. nas esferas de in-
Aristóteles dogmático, unicamente preocupado em fluência grega, bizantina e islâmica e depois na
organizar e concluir - prematuramente, segundo Idade Média latina, contribuiu, e muito, para con-
alguns - o campo do saber. ferir ao aristotelismo uma postura sistemática que
O pensamento de Aristóteles, como qualquer por certo tem pouca relação com o estilo menos
pensamento, teve uma história. Essa evolução foi afirmativo que deve ter vigorado nas pesquisas de
ARISTÓTELES 65 ARISTÓTELES

Aristóteles em vida. Esse caráter da investigação unidade substancial entre alma e corpo, definin-
efetiva que vai abrindo pacientemente caminho do esta como a forma do corpo.
através do exame minucioso de dificuldades ou Muito mais complexo é o caso das chamadas
aporias, cuja resolução nem por isso se pode afir- doutrinas metafísicas. Só é claramente discerní-
mar, transparece, aliás, no estilo de inúmeras par- vel o ponto de partida, constituído pela crítica da
tes da obra aristotélica, em particular nas intro- teoria platônica das Idéias (Metafísica, liv. A, M
duções "dialéticas", em que acerca da questão e N). Platão teve razão, acompanhando seu mes-
abordada Aristóteles examina as respostas histori- tre Sócrates, em buscar atrás da diversidade infi-
camente propostas ou mesmo o conjunto das posi- nita dos fenômenos o que permite agrupá-los se-
ções teoricamente possíveis. Embora certos trata- gundo afinidades que a linguagem pressente ao
dos, essencialmente físicos e biológicos, redun- dar a uma pluralidade de coisas um nome co-
dem em asserções dogmáticas, baseadas na expe- mum: a comunidade de nomes é indício de que
riência e na demonstração, outros há que pare- as realidades homônimas possuem caráter co-
cem, em sua maioria, permanecer aporéticos até mum; esse caráter é expresso numa definição;
nas conclusões (esse é o caso da Metafísica), en- pode-se dar mais um passo e dizer que a defini-
quanto a outros repugna, em razão da própria ma- ção tem um referente extralingüístico, chamado
téria, qualquer demonstração de tipo apodítico, de- de eidos por Aristóteles e por Platão (que tam-
senvolvendo-se argumentações simplesmente per- bém empregava o termo ideai), que nos habitua-
suasivas (cuja teoria é dada com o nome de "dia- mos a traduzir por "Idéia" em Platão, por "for-
lética", em Tópicos; esse é o caso das Éticas). ma" em Aristóteles. Mas aí termina a concordân-
A partir dos trabalhos de W. Jaeger (1912 e cia entre os dois pensadores, baseada em verda-
1923), vários autores tentaram reconstituir o sen- de no legado socrático comum. Segundo Aristó-
tido da evolução de Aristóteles. Na falta de crité- teles, Platão está errado quando, a pretexto de
rios externos de datação, Jaeger recorreu a uma pôr a Idéia a salvo da infinidade e da mutabilida-
hipótese engenhosa: o corpus de Aristóteles, con- de do sensível, a coloca fora do sensível, como
siderado em seu conjunto, conteria contradições; uma realidade "separada" dele, mas com um mo-
ora, Aristóteles não pode ter defendido simulta- do de existência semelhante ao do sensível, com
neamente teses contraditórias; deve-se admitir, a permanência, incluindo a eternidade. Aristóte-
portanto, que essas teses não são simultâneas, les, que, nesse aspecto, prolonga a autocrítica
porém sucessivas e, mais precisamente, que de inaugurada pelo próprio Platão na primeira parte
duas teses contraditórias a mais platonizante é a de Parmênides, não se constrange em mostrar os
mais antiga. A verossimilhança que baseava esta absurdos a que conduz a "separação" das idéias:
última regra parecia confirmada pelo platonismo se existem "em si", em outro mundo, as idéias
que se depreende dos fragmentos que ficaram são incognoscíveis para nós, portanto não possi-
das obras perdidas (Eudemo, Gryllos, Da Filoso- bilitam conhecer aquilo de que se diz serem elas
fia, Protreptico etc), geralmente consideradas as idéias; se chamarmos de "participação" a rela-
da juventude de Aristóteles. ção entre o sensível e as idéias, perceberemos que
essa metáfora mascara, mas não resolve, o con-
Essa hipótese é sedutora, mas parcialmente flito entre as exigências de identidade e de sepa-
arbitrária. O domínio em que encontra a confir- ração que estão na origem da teoria; por fim, uma
mação menos contestável parece ser, a partir do vez que as idéias são imóveis, como poderão ex-
trabalho de F. Nuyens (1939), o da psicologia: plicar o movimento, que, no entanto, é um cará-
num primeiro momento (Eudemo, Protreptico), ter essencial do sensível?
Aristóteles descreve a relação entre a alma e o
corpo como uma coabitação contra a natureza; Não é falso, ainda que insuficiente, dizer que
numa fase intermediária, considera o corpo como Aristóteles, com base nessa crítica, traz o eidos
um instrumento da alma (esta seria para o corpo platônico de volta à terra, vendo então nele a "for-
o que o piloto é para o navio); por fim, no trata- ma" comum e imanente a uma multiplicidade de
do Da Alma, ele dá mais um passo no sentido da indivíduos tais que cada um deles difere de qual-
ARISTÓTELES 66 ARISTÓTELES

quer outro apenas pela matéria que entra igual- te denominada "o que era para a coisa ser" (to ti
mente em sua constituição. De fato, pode-se per- en einai), perifrase para a qual podemos manter
ceber uma oscilação, que W, Jaeger deixou de re- a tradução convencional "qüididade" e que de-
conhecer e foi recentemente evidenciada por B. signa aquilo que a coisa é dita, aquilo que a de-
Dumoulin, na atitude de Aristóteles com respeito termina enquanto tal, inclusive em sua individua-
ao platonismo. Essa oscilação ocorre nas suces- lidade, naquilo que esta pode ter de essencial (a
sivas respostas que Aristóteles dá à pergunta "o "socraticidade" de Sócrates). Essa qüididade ou-
que é o ser?", que - se fizermos abstração dos tra coisa não é senão a forma, que assume agora
sentidos categoriais não essenciais do ser (quan- a posição de "substância primeira", enquanto se
tidade, relação, qualidade etc.) e nos fixarmos contesta a pretensão inicial de primazia por parte
em seu sentido primordial - pode ser reduzida à do sujeito ou substrato: o essencial não é o subja-
pergunta "o que é ousia'?". A tradução mais lite- cente (pois o que há de mais subjacente é a maté-
ral de ousia, que é um substantivo formado a ria), mas o determinante, vale dizer, a forma. Vê-
partir do particípio presente do verbo ser, seria se aqui o ponto extremo do esforço de Aristó-
"entidade" ou "entència". A tradição latina pro- teles para elevar o individual à inteligibilidade,
pôs duas traduções concorrentes: "essência" e mas sem o fundir no universal. Essa, porém, é
"substância". À primeira vista, a tradução por "es- uma tarefa impossível em última análise, o que é
sência" parece mais correta, mas com ela corre- reconhecido indiretamente pelo próprio Aristóte-
se o risco de deixar de reconhecer o sentido con- les, quando este dá à sua doutrina a forma de um
creto que a palavra ousia também pode ter, ilus- ideal que só é tendencialmente realizável: o ideal
trado pelo fato de, na linguagem comum, esse seria que a forma fosse princípio de individua-
termo significar estância, estada, bens possuí- ção, vale dizer, que ela fosse causa do indivíduo
dos, fundos. Inconscientemente, Aristóteles, que concreto em sua materialidade. Esse ideal é ope-
não quer renunciar a nenhum dos dois sentidos, rante na produção técnica: a "forma" da casa (ser
ora privilegia o sentido abstrato, ora o sentido um abrigo contra as intempéries) determina a
concreto de ousia. Nas partes mais antigas da Me- natureza dos materiais com os quais ela deve ser
tafísica (M, 9-10), Aristóteles afirma que apenas construída. A natureza biológica também conhe-
o indivíduo concreto é ousia (que se pode tradu- ce a causalidade da forma. Mas essa causalidade
zir aqui por "substância"): a dignidade de ousia é malogra tanto na arte quanto na natureza: a ma-
assim negada à idéia platônica, que não passaria téria resiste àquilo que se espera dela, exerce sua
de um universal abstrato hipostasiado. Da mes- própria causalidade, que é adventícia e, no senti-
ma forma, em Categorias, ousia, em seu sentido do próprio, "acidental" em relação à causalidade
primeiro, designa a substância individual, que é da forma. Mas esse insucesso da forma em do-
o sujeito de um número indeterminado de predi- minar completamente a matéria talvez seja feliz:
cados mas não é predicado de nada; é pelo a matéria é o indedutível, o indeterminável, solo
menos a isso que Aristóteles dá o nome de "subs- indomável para aquilo que Platão chamava de
tância primeira", pois com o nome de "substân- "jugo da idéia", reservatório inesgotável da ri-
cias segundas" ele introduz aquilo que nós ten- queza do mundo. É essa também a razão por que
deríamos a chamar de "essências": a espécie e o Aristóteles, contrariando Platão e, mais remota-
gênero que se atribuem à substância primeira mente, Parmênides, se recusa a reduzir ser a es-
como predicados essenciais (assim, "Sócrates" é sência. A essência é o sentido primeiro do ser,
substância primeira; "homem", "ser vivo" etc. mas não o único: as determinações acidentais não
são substâncias segundas). são mais condenadas ao não-ser, mas ordenam-
se segundo os sentidos não essenciais do ser, as
No livro Z da Metafísica, Aristóteles examina
categorias diferentes da essência. A polissemia
os diferentes sentidos de ousia: aos dois que já
do ser não deixa de ter certa unidade. Essa uni-
conhecemos - substrato ou sujeito (hypokeime-
dade, porém, não passa de uma unidade por con-
non) de um lado, gênero e universal de outro -
vergência, ou, como já se disse (G. E. L. Owen),
acrescenta uma nova significação, estranhamen-
ARISTÓTELES 67 ARISTÓTELES

uma unidade "focai", devida aos fatos de que a cia do céu. Essa permanência, porém, ainda é a
essência, enquanto substância, é o substrato obri- permanência de um movimento que se distingue
gatório de todo predicado possível e de que, dos movimentos do mundo sublunar por sua cir-
enquanto qüididade ou forma, ela é condição de cularidade e eternidade.
inteligibilidade. Mas num mundo em movimento Nos dois últimos livros da Física e no livro A
como o nosso, submetido aos azares da geração da Metafísica, Aristóteles dará mais um passo
e da corrupção, a inteligibilidade nunca é total, e para elevar a transcendência do divino acima de
a unidade do ser, não podendo ser objeto de vi- contaminações. Acima do Primeiro Céu, anima-
são, é apenas objeto de uma visada, mediatizada, do por um movimento eternamente regular e uni-
principalmente, pela investigação dialética dos forme, é preciso colocar um Primeiro Motor que,
princípios. para evitar um regresso infinito na série de mo-
Há, entretanto, um campo em que o ideal pla- tores, deverá ser posto como imóvel. Nesse Pri-
tonizante de inteligibilidade e de unidade encon- meiro Motor imóvel, Aristóteles projeta os pre-
tra, em Aristóteles, satisfação imediata e durá- dicados mais positivos que a filosofia teórica
vel: é o campo da teologia. A teologia é a filoso- poderia conceber e que a teologia tradicional já
fia primeira no sentido de ser a ciência daquilo havia atribuído a Deus: ser (tomado desta vez
que há de mais eminente no ser. Ora, a existência univocamente em sua acepção mais alta - a de
de uma região do ser que cumpre chamar de essência), vida, pensamento. Essas afirmações,
"divina" não se demonstra: ela é imediatamente porém, para serem bem compreendidas, devem
apreensível no espetáculo de ordem reinante no ser acompanhadas por negações paralelas e cor-
céu. Aristóteles não demonstra Deus pela ordem retoras que, negando qualquer semelhança entre
do mundo; ele vê o divino imediatamente pre- Deus e aquilo que não é Deus, evitarão que Aris-
sente na ordem do céu, vale dizer, na ordem da tóteles avilte, como tantos outros depois dele, a
região superior, supralunar, de um mundo cujo transcendência de Deus: o ser de Deus não é um
centro se supõe ser a Terra. Diferentemente da ser que se diga em muitos sentidos, nem conhece
região sublunar, lugar da geração e da corrupção, a cissiparidade categorial; a vida de Deus é uma
onde os fenômenos se produzem com uma regu- vida que não se cansa nem envelhece, pois essa
laridade aproximada que não exclui o acaso, o vida é um Ato puro, vale dizer, um ato que, ao
mundo celeste caracteriza-se pela necessidade contrário daquilo que observamos no mundo
absoluta do movimento dos corpos astrais, ne- sublunar, não está de forma alguma mesclado ao
cessidade que encontra expressão no modelo geo- fator de indeterminação que é a potência (no sen-
métrico, complexo mas rigoroso, graças ao qual tido de potencialidade que ainda não se reali-
astrônomos como Eudoxo e Calipo acabavam de zou); finalmente, o pensamento de Deus é um
explicar o movimento de todos os astros, inclusi- pensamento para o qual pensar em qualquer coi-
ve daquilo que havia parecido até então capri- sa inferior a si mesmo seria decair e que, por es-
choso no movimento aparente dos planetas. sa razão negativa, deve ser reconhecido enquanto
Pensamento de si mesmo, Pensamento do pensa-
No tratado Do Céu, obra provavelmente anti- mento. Do mesmo modo, seria indigno de Deus
ga, Aristóteles explicava as diferenças entre as exercer sobre o mundo uma ação que fosse, de
regiões sublunar e celeste por uma diferença de algum modo, mecânica (empurrar ou puxar). A
constituição material. Enquanto os quatro ele- entender-se por causalidade no sentido estrito a
mentos constitutivos da primeira (terra, água, ar, causalidade eficiente, Deus só poderá ser cha-
fogo) se transformam continuamente uns nos ou- mado de causa metaforicamente, e, metáfora por
tros e, desse modo, engendram as mudanças que metáfora, é melhor dizer que ele move como obje-
lá se produzem, os astros são constituídos por to de amor: movendo sem ser movido, atraindo
um quinto elemento (a "quinta-essência" dos es- para si sem sair de si mesmo, autorizando no má-
colásticos), que Aristóteles chama de "éter" e ximo imitações, cujo princípio ele é por certo,
que, por ter a peculiaridade de não se mesclar a mas sem ser seu produtor nem agente.
nenhum dos outros quatro, garante a permanên-
ARISTÓTELES 68 ARISTÓTELES

Essa concepção de um Deus extramundano, a e dirige o movimento porquanto é seu telos, sua
um só tempo exemplar e longínquo, transcenden- causa final), mas a forma não é importada para o
te à série dos seres que ele fundamenta mas sem movimento a partir do exterior; enquanto telos,
a ela se misturar, era exatamente contrária à con- ela é finalidade interna e confunde-se com a
cepção ontoteológica que, baseada numa preten- natureza (physis), que, como sugere a etimologia
sa analogia entre Deus e as criaturas, na Idade da palavra (de phyesthai, crescer), é o autodes-
Média será defendida em nome de Aristóteles e dobramento regrado de um ser que irá dever o
da tradição judaico-cristã. Contra-senso por cer- que é, realizar sua essência.
to no que diz respeito a Aristóteles, mas contra- Desse modo, o princípio aristotélico de fina-
sensos como esse, que fizeram história, não dei- lidade, criticado durante muito tempo pela filo-
xam de ter significado. sofia dos Tempos Modernos antes que Hegel re-
A doutrina tomista da analogia do ser vai ten- descobrisse sua fecundidade, é menos uma afir-
tar salvar simultaneamente a transcendência de mação dogmática a respeito da ordem reinante
Deus e sua conceptibilidade pela criatura, con- no mundo que uma condição de inteligibilidade
ceptibilidade que deve vir acompanhada de um da experiência. O conceito de acaso não permite
mínimo de comunidade entre os termos da rela- compreender a realidade da ordem; ao contrário,
ção. Semelhante preocupação com a continuida- o conceito de finalidade permite compreender -
de dos graus do ser e dos graus do saber não es- e, eventualmente, corrigir - os malogros da fina-
tava ausente do platonismo, mas é estranha a Aris- lidade: a violência na ordem física (Aristóteles
tóteles. Aiistóteles descreve os diferentes cam- chama de "violento" o movimento antinatural,
pos da experiência (heterogêneos entre si_Lfi_gyi- como o da pedra que é jogada para o alto), a mons-
ta cuidadosamente instaurar entre um djsmjnioj; truosidade na ordem biológica.
outro uma relação de dedução ou de derivação Seria de esperar que a finalidade desempe-
que reduziria a autonomia de cada um. É portan- nhasse papel importante nas numerosas e impor-
to no nível próprio da realidade considerada que tantes obras que Aristóteles dedicou à biologia.
ele se esforça por descobrir, por meio da análise, Mas o sentido da experiência que Aristóteles pos-
seus princípios imanentes de inteligibilidade. To- sui e a abundância de observações acumuladas
da a Física é, assim, um tipo de análise estrutural no domínio da zoologia impedem-no de impor
do ser em movimento. O movimento (que não aos fenômenos um esquema explicativo único. O
deve ser entendido apenas como movimento lo- caráter regulador da finalidade não dispensa o
cal, mas como o devir em geral) só é entendido biólogo de procurar a explicação pela necessida-
como passagem de um contrário ao outro, quer se de. Na verdade, cada uma das grandes obras bio-
trate de lugares, qualidade, quantidades ou dos lógicas de Aristóteles aborda o ser vivo de um
contrários "substanciais" que são o nascimento e ponto de vista explicativo diferente. Se, em Par-
a morte. Mas o movimento se dissolveria numa tes dos Animais, são consideradas sobretudo as
sucessão descontínua de posições se a ele não es- causas final e formal, em História dos Animais a
tivesse subjacente alguma coisa contínua. Essa investigação é conduzida do ponto de vista da
análise simples leva-nos a postular três princí- causa material, e em Geração dos Animais, pri-
pios do movimento: privação, que é o ponto de meiro tratado de embriologia, são estudadas as
partida do devir; forma, que é aquilo que o deve- causas eficientes do nascimento e do crescimen-
niente deve; e matéria, que é aquilo que perdu- to. Aristóteles também foi o primeiro a propor
ra nesse devir e sem o qual o ser perderia sua uma classificação das espécies animais. Essa clas-
identidade no devir, o que nos impediria, então, sificação, que se pretende exaustiva, é empírica
de falar num devir desse ser. Qualquer tentativa porque baseada em múltiplos critérios: é isso que
de explicar o movimento apenas a partir de um lhe confere ainda hoje um valor ao menos descri-
ou dois desses princípios está fadada ao fracasso. tivo. Mais interessante ainda talvez seja a preo-
É certo que a forma parece ocupar posição privi- cupação de Aristóteles em patentear analogias
legiada como princípio motor (é ela que provoca entre diferentes tipos de organismo: uma mesma
ARISTÓTELES 69 ARISTÓTELES

função, como a respiração ou a nutrição, pode inoperantes ou supérfluas. É assim que, rompen-
realizar-se em diferentes espécies por meio de do uma vez mais com a psicologia platônica,
órgãos materialmente diferentes (pulmões e brân- Aristóteles mostra que a sensibilidade e a imagi-
quias, por exemplo, para a respiração). Mas o re- nação não são obstáculos ao conhecimento inte-
conhecimento dessa analogia funcional não au- lectual, mas mediações que esse conhecimento
toriza a passagem de um gênero a outro tanto não pode dispensar. "Não há pensamento sem
quanto não se autorizava no domínio da metafí- imagem": isso significa, antes de mais nada, que
sica. Ainda que as espécies estejam hierarquiza- a imaginação, "sensação enfraquecida", mas que
das segundo uma gradação que culmina no ho- tem a vantagem de subsistir independentemente
mem, o mais perfeito dos animais porque capaz da presença do objeto, possibilita o recolhimento
de realizar mais adequadamente as funções de de certo número de casos particulares pela me-
vida fundamentais da autotrofia, da sensibilida- mória e, desse modo, põe o pensamento discursi-
de e do movimento, nada permite supor que essa vo em condições de apreender o universal, que
hierarquia seja vestígio de uma evolução. Aristó- estava apenas em potência na sensação. Aristó-
teles permanece fiel ao esquema de estrutura es- teles vai ainda mais longe em De memória, mos-
calar, porém estática, entre cujos graus existe ape- trando que o próprio inteligível não pode ser pen-
nas uma unidade analógica baseada no fato de sado se não for projetado e como que esquemati-
ser uma única e mesma finalidade que se realiza zado numa representação sensível: assim, o geô-
a cada vez, mas de modos diferentes, segundo os metra tem necessidade de figuras para apreender
meios mais ou menos adequados de que tal fina- relações que, no entanto, são inteligíveis em si
lidade disponha. mesmas, e, de modo geral, o homem tem neces-
No que diz respeito à alma humana e à sua sidade de imagens para "pensar no tempo aquilo
relação com o corpo, Aristóteles parece ter subs- que está fora do tempo".
tituído progressivamente um esquema instrumen- Essa psicologia decididamente imanentista
talista pelo chamado esquema hilemórfico, se- consuma-se, no entanto, com a afirmação de uma
gundo o qual a alma é a forma do corpo. Seme- transcendência: a do intelecto {nous). Assistimos
lhante concepção marca uma ruptura radical com aí a um modo de proceder análogo àquele que
o dualismo platônico, pois implica que a alma encontramos na prova do Primeiro Motor: uma
não pode existir independentemente da matéria espécie de passagem que nos transporta brusca-
cuja forma é, e que desaparece juntamente com o mente de uma ordem a outra. O ato de intelec-
corpo. O corpo ao qual a alma dá forma não é, ção, como já vimos, é preparado pelas mediações
entretanto, uma matéria qualquer; ele é forma sensíveis que supõem a intervenção de órgãos
em relação aos tecidos e aos órgãos, sem os quais corporais. Mas isso não basta para explicar a
não seria esse "corpo organizado que tem a vida própria intelecção, que é "o ato comum do inte-
em potência", ao qual a alma, que é o coroamen- lecto e do inteligível". Se é fácil conceber que o
to de uma hierarquia de formas, vem dar a vida intelecto esteja apenas em potência durante todo
em ato. o tempo em que não intervém essa coincidência
É a vida da alma, atividade que se realiza ne- privilegiada na qual culmina o conhecimento, é
cessariamente nos órgãos materiais, que Aristó- preciso admitir, para que o intelecto passe ao ato,
teles descreve no tratado Da Alma, distinguindo não apenas a mediação sensível, que é apenas
seus diferentes graus. A alma humana não é ape- ocasião, mas também a atividade de um outro In-
nas vegetativa como a das plantas, nem sensitiva telecto que, este sim, deve estar desde logo e
como a dos animais; é também intelectiva. Não continuamente em ato. À asserção "Não há pen-
se pode falar de três almas separadas, mas sim de samento sem imagem" corresponde esta outra:
uma integração das almas vegetativa e sensitiva "Sem o intelecto nada pensa" (Da Alma, III, 5,
no nível superior da alma intelectiva, sem que 430 a 22). Mas enquanto a imagem era a condi-
haja redução de um nível a outro e sem que a ção do pensamento, sua causa de certo modo ma-
emergência de uma nova ordem torne as outras terial, esse intelecto - que não pode ser o intelec-
ARISTÓTELES 70 ARISTÓTELES

to em potência, mas aquilo que se chamará na alto o fim, mais cansativo é o esforço necessário
Idade Média de intelecto agente - é a causa efi- para aproximar-se dele ou até mesmo para man-
ciente do pensamento. Não estando esse Inte- ter-se nas cercanias de seu nível, e maior pode ser
lecto ligado ao corpo, nada impede que, diferen- a queda. Por isso a vontade do homem, sempre
temente da alma, ele seja declarado imortal. Mas falível e precária, precisa ser educada. Para fazer
ele é individual ou universal? Ou, melhor ainda, o bem, não basta a reta intenção. E necessário um
não será ele o intelecto divino ou até Deus mes- "hábito", ou seja, uma "disposição adquirida" e,
mo? Essas questões serão debatidas durante mui- na medida do possível, irreversível; em outras
to tempo na Idade Média. O que se pode dizer do palavras, um bom costume, e a isso Aristóteles
próprio Aristóteles é que ele admite que, no mo- dá o nome de "virtude". A virtude, portanto, é
mento da formação do ser humano, esse Inte- uma segunda natureza que, por sua relativa cons-
lecto, ou algo dele, penetra no embrião humano a tância, deve suprir as deficiências da primeira e
partir do exterior (literalmente: pela porta) (Da ajudá-la, assim, a realizar-se (Teofrasto comen-
Geração dos Animais, II, 3, 736 b 28). Nada tará: assim como o cultivo da videira ajuda esta
melhor que essa metáfora para expressar a sepa- última a produzir frutos mais "naturais", isto é,
ração entre o humano e o divino, até mesmo no os mais perfeitos que ela for capaz de produzir).
momento em que eles estão associados. Dentre as virtudes - algumas das quais propria-
O homem deve "procurar imortalizar-se na mente morais enquanto outras são "intelec-
medida do possível", essa é a conclusão a que tuais" -, está reservado um lugar à parte para a
chegará a ética aristotélica (Ética a Nicômaco, prudência (phronêsis), a virtude da correta deli-
X, 7). Esse convite pode parecer heróico, mas beração, que, entre os dois extremos da desmedi-
nada tem que ver com a ultrapassagem ilegítima da e da inércia, deve discernir em cada ocasião
dos limites que os gregos condenavam com o no- onde está o meio-termo justo, combinação ótima
me de hybris, "desmedida": esse convite pressu- do desejável com o possível.
põe que o homem não é imortal por natureza e Quando se trata de determinar o mais alto dos
que a imortalidade é para ele apenas um ideal - o fins humanos, Aristóteles dá a impressão de he-
ideal de assemelhar-se progressiva e tendencial- sitar, nas Éticas, entre a vocação contemplativa e
mente a um modelo divino que, em si, permane- a vocação política. Na verdade, não há contradi-
ce inacessível. Na verdade, em suas Éticas, ção entre os dois ideais, que realizam, ambos, a
Aristóteles dedica menos espaço à descrição des- natureza do homem: o primeiro, na mais eminen-
se ideal, cuja aproximação máxima é a vida con- te de suas virtualidades, que é a vida segundo o
templativa, do que a tratar da distância que nos intelecto, e o outro, na totalidade de suas aptidões,
separa dele e dos esforços propriamente huma- que são interligadas e consumadas pela capaci-
nos para tentar cobrir essa distância. Esta descri- dade de manter relações de justiça com outrem.
ção é guiada, em seu nível apropriado, pelo con- Não faltam textos em que Aristóteles parece con-
ceito de natureza. Toda atividade tem por fim o siderar a boa organização política como condi-
bem do agente. Esse bem, que no caso do ho- ção indispensável para que alguns gozem do
mem tem o nome de felicidade (eudaimoniá), "ócio" necessário ao exercício contínuo da vida
consiste em realizar a natureza do ser que tende espiritual. Na Política, entretanto, não é através
para ele. Isso quer dizer que essa natureza não dessa finalidade um tanto extrínseca que ele visa
está jamais inteiramente realizada num ser dota- a vida na cidade, mas sim por meio da justifica-
do de movimento (pois um tal ser, não precisan- ção que lhe é própria. Diferentemente das bestas
do de nada, deixaria de mover-se), e que ela é, selvagens e dos deuses, o homem é por natureza
portanto, mais tendência que dado. um "animal político", ou seja, é só por meio da
A natureza do homem, sem dúvida por ser o cidadania que ele tem acesso à humanidade. Mas
que há de mais elevado no reino animal, é a que essa natureza política do homem não é uma natu-
comporta a maior indeterminação e contingência reza universal e abstrata, da qual se pudesse de-
nas condições de sua realização. Quanto mais duzir - como tentou Platão em República - a
ARISTÓTELES 71 ARISTÓTELES

definição de uma constituição ideal, válida para Protrepticus. AnAttempt at Reconstruction, Gõteborg, 1961.
todos os tempos e lugares. Essa natureza é, tam- - Traduções francesas: foi publicado certo número de obras,
com trad., na coleção Universités de France: Topiques, liv.
bém aqui, um fim (telos) que só é fixo em sua
1-1V (J. Brunschwig), Physique (H. Carteron), Du Ciei
função normativa, mas variável em sua realiza- (P. Moraux), De 1'Ame (E. Barbotin e A. Jannone), Petits
ção, e esta, refletindo as particularidades pró- traités d'histoire naturelle (R. Mugnier), conjunto das obras
prias de cada povo, dá origem a leis e institui- biológicas (P. Louis), Politique (J. Aubonnet), Rhétorique
ções que, apesar de diferirem de um país para (M. Dufour e A. Wartelle), Poétique (J. Hardy), Constitution
outro e de uma época para outra, nem por isso d'Athènes (G. Mathieu e B. Haussoulier).
são menos "naturais". Neste caso, a uniformida- Quanto às outras obras, remetemos às traduções anota-
de é que seria contrária à natureza. Isso não sig- das de J. Tricot, Paris, Vrin, 1933-1962: Organon (1:
Categorias, De Vinterprétation; 11: Premiers analytiques;
nifica que tudo o que é real seja natural. Há per-
111: Seconds analytiques; IV: Topiques; V: Réfutations
versões, como a tirania ou a democracia extre- sophistiques); De Ia génération et de Ia corruption;
ma. Aristóteles está, portanto, preocupado em Mètèorologiques; De l'Ame; Parva Naturalia; Histoire des
definir, com o nome de "melhor constituição", animaux; Métaphysique, 2 vol.; Ethique à Nicomaque;
uma norma que seja suficientemente flexível para Politique. Essa coleção foi completada por V Décarie com
adaptar-se às circunstâncias, excluindo o que for Ethique à Eudème (1978). Pode-se acrescentar, em francês,
contrário à natureza. Embora a monarquia escla- a tradução com comentário de Ethique à Nicomaque, feita
por R.-A. Gauthier e Y. Jolif, 2 vol., Lovaina-Paris, 1958-
recida seja o melhor governo, também é o mais
1959; 2? ed., 1970.
facilmente corruptível. Aristóteles preconiza
então uma oligarquia moderada, prudente o bas- => P. Aubenque, Le prohlème de 1'être chezAristote, Paris,
1962,4? ed., 1976; Laprudence chezAristote, Paris, 1963,
tante para submeter-se a controles, reinando so-
2? ed., 1977; Ed. de Etudes sur Ia Politique d'Arislote,
bre um território limitado, que possa "ser abarca- Paris, 1992; E. Berti, Aristotele: delia dialettica alia filo-
do pelo olhar", preocupada em favorecer a exis- sofia prima, Pádua, 1977; R. Boehm, Das Grundlegende
tência de uma classe média numerosa, fator deci- und das Wesentliche (Über Aristóteles' Metaphysik Z),
sivo de estabilidade. Haia, 1965, trad. franc. com o título La Métaphysique
d'Aris!ote, Paris, 1976; L. Bourgey, Observation et expé-
Não é de espantar que Política termine com rience chez Aristote, Paris, 1955; L. Couloubaritsis,
estas três palavras que resumem seu espírito: "a Lavènement de Ia science physique. Essai sur Ia physique
medida, o possível e o conveniente". E preciso d'Aristote, Bruxelas, 1980; V. Décarie, Uobjet de Ia
recordar, porém, que o meio-termo não é uma métaphysique selon Aristote, Montreal-Paris, 1961; B.
média, mas um vértice que só pode ser determi- Dumoulin, Reeherehes sur le prender Aristote, Paris,
1981; R.-A. Gauthier, La morale d 'A ristote. Paris, 1958, 2"
nado por uma racionalidade deliberante cujo mo-
ed., 1962; V Goldschmidt, Temps physique et temps tragi-
delo teórico - prefigurando o cálculo moderno que chez Aristote, Paris, 1982; G. Granger, La théorie aris-
dos optima - é mais complexo que o modelo de- totélicienne de Ia science, Paris, 1976; T. H. Irving,
dutivo sobre o qual a ciência repousa. É preciso Aristotles First Principies, Oxford, 1988; W. Jaeger,
reconhecer em Aristóteles o mérito de ter sido o Studien zur Entstehungsgeschichte der Metaphysik des
primeiro a reconhecer que a prática não é um co- Aristóteles, Berlim, 1912; Aristóteles. Grundlegung einer
Geschichte seiner Entwicklung, Berlim, 1923, 2? ed.,
rolário da ciência, mas tem sua racionalidade
1955; trad. ingl., 2 a ed., Oxford, 1948; J.-M. Le Blond
própria: articulação de razões que implicam pro- Logique et méthode chez Aristote, Paris, 1939; W. Leszl,
pensão, mas não necessidade, e cujo fim não é o Aristotles Conceplion of Ontology, Pádua, 1975; A.
racional (logikon), mas o razoável (eulogori). Mansion, Introduction à Ia physique aristotélicienne,
Lovaina, 1913, 2" ed., 1946; S. Mansion, Le jugemenl
• Arislotelis Opera, ed. da Academie de Berlim, 5 vol., 1831- d'existence chez Aristote, Lovaina, 1946, 2? ed., 1976; P.
1870 (os vol. 1 e 11 contêm o conjunto do Corpus, editado por Moraux, Der Aristotelismus hei den Griechen, 1.1, Berlim,
l. Bekker; o vol. V, o Index aristotelicus, feito por H. Bonitz), 1973; J. Moreau, Aristote et son école, Paris, 1962; F.
reimpr. Berlim, 1961-1962. Como complemento, no que Nuyens, Levolution de Ia psychologie d'Aristote, trad.
se refere aos Fragmentos das obras perdidas, de V. Rose, franc, Lovaina, 1948 (primeiramente publicado em neer-
Arislotelis fragmenta, Leipzig, 1886; R. Walzer, Arislotelis landês, Nijmegen, 1939); J. Owens, The Doctrine ofBeing
dialogorum fragmenta, Florença, 1934; W. D. Ross, Aris- in the Aristotelian Melaphysics, Toronto, 1951, 3? ed.,
totle i Select Fragments, Oxford, 195 2; 1. Düring, A ristotle 's 1978; G. Patzig, Die aristotelische Syllogistik, Gõttingen,
AUSTIN 72 AUSTIN

1959, 2* ed., 1963; trad. ingl., Dordrecht, 1969; P. ciosa da linguagem comum, que nos ensinará "o
Pellegrin, La classiftcalion des animaux chez Aristote, que devemos dizer e quando...". Austin não é um
Paris, 1982; F. Ravaisson, Essai sur Ia métaphysique
filósofo frustrado que se teria transformado em
d'Aristote, t. 1, Paris, 1837; reimpr. Hildesheim, 1963; L.
Robin, La théorie platonicienne des iâées et des nombres
lexicógrafo amador. Se, em sua reflexão filosófi-
d'après Aristote, Paris, 1908; reimpr. Hildesheim, 1963; ca, ele sempre parte de uma pesquisa da lingua-
W. D. Ross, Aristolle, Londres, 1923, 6? ed., 1955; trad. gem ordinária, é porque "nosso estoque comum
franc, 1970; R. Weil, Aristote et Vhisloire, Paris, 1960; W. de palavras incorpora todas as distinções que os
Wieland, Die aristolelische Physik, Gòtlingen, 1962. homens julgaram dignas de serem feitas e todos
É possível acompanhar as discussões atuais sobre Aris- os nexos que eles julgaram oportunos ao longo de
tóteles nas atas dos Symposia aristotelica, que ocorrem a cada
gerações sucessivas". De acordo com Austin, es-
três anos desde 1957: 1) Aristolle and Plato in the midfourth
Century (org. I. Dürirg e G. E. L. Owen), Gõteborg, 1960; 2) sas distinções e esses nexos que resistiram à prova
Aristote et les pmblèmes de mêthode (org. S. Mansion), Lo- do tempo podem ser mais sutis e mais bem funda-
vaina-Paris, 1961; 3) Aristolle on Dialectic (org. G. E, L. mentados do que aqueles em que um filósofo pen-
Owen), Oxford, 1968; 4) Naturphilosophie hei Aristóteles und saria ao se interrogar sobre o sentido das palavras
Theophrast (org. I. Düring), Heidelberg, 1968; 5) Untersu-
na solidão de seu gabinete de trabalho. Quanto à
chungen zur Eudemischen Ethik (org. P. Moraux), Berlim,
objeção de amadorismo, Austin a afasta elaboran-
1970; 6) Etudes sur Ia Métaphysique d'Aristote (org. R Au-
benque), Paris, 1978; 7) Aristolle on Mind and lhe Senses (org. do uma metodologia da introspecção verificada
G. E. R. Lloyd e G. E. L. Owen), Cambridge, 1978; 8) Aris- por um trabalho em grupo. A experiência compro-
tolle on Science (org. E. Berti), Pádua, 1981; 9) Zweifelhaftes vou que esse método é capaz de conduzir ao con-
im Corpos aristotelicum (org. P. Moraux), Berlim, 1983; 10) senso. Ora, o consenso em torno do sentido das
Mathematics and Metaphysics in Aristolle (org. A. Graeser),
palavras não é fútil em hipótese alguma; é "um
Berna, 1987; 11) Aristóteles "Palitik " (org. G. Patzig), Gòttin-
gen, 1990; 12) Studies on Aristotles Rhetorics (org. D. Fur-
consenso em torno de certa maneira de descrever
ley), Princeton, 1993. (Essas doze coletâneas contêm estudos e apreender os fatos". Ademais, esses consensos
em francês, inglês e alemão.) desempenham o papel decisivo de nos fornecer
um ponto de partida, um dado e "[...] com base
Pierre AUBENQUE
nesse consenso, nesse dado - escreve Austin nos
Cahiers de Royaumonl - podemos começar a lim-
par o terreno [...]. Com grande freqüência é isso
AUSTIN John Langshaw, 1911-1960
que falta à filosofia: certo datum prévio, em torno
Lingüista inglês, nascido em Lancaster em 26 do qual já se possa chegar de ihício ao consenso".
de março de 1911. Morreu em 1960. A autorida- Austin, portanto, afasta-se bastante tanto dos filó-
de intelectual que exerceu em Oxford após a sofos que buscam ancorar sua doutrina nalguma
Segunda Guerra Mundial é comparável à de intuição misteriosa quanto daqueles que partem
Wittgenstein em Cambridge. Austin partilhava dos lugares-comuns da sabedoria popular. Austin
da irritação de Moore diante das declarações obs- não parte das opiniões do senso comum, mas sim
curas e pretensiosas que freqüentemente consti- dos usos da língua comum, perserutados por uma
tuem o apanágio dos metafísicos. Contudo, via análise fina e devidamente confirmada.
com igual ceticismo as soluções apressadas de Esse método de análise em filosofia só dá re-
certos neopositivistas que acreditavam na virtu- sultados se preenchidas duas condições: primei-
de miraculosa da reformulação dos problemas ramente, o campo semântico explorado deve
em forma de jargão quase científico. Como es- constituir um domínio em que a linguagem ordi-
creve Warnock, Austin achava que "tanto os enun- nária se revele rica e sutil; em segundo lugar,
ciados como as pretensas soluções dos proble- nosso objeto de estudo não deve estar distante de
mas filosóficos apresentam uma obscuridade ca- algum notório cerne de perplexidade filosófica.
racterística [...] decorrente principalmente da am- Isto porque a análise lexicográfica é apenas um
bição dos filósofos de queimar etapas". meio, não um fim em si. Ela se justifica espe-
Uma das formas de superar esse problema cialmente quando o ataque frontal não tem su-
reside, em seu modo de ver, na investigação minu- cesso: "Os grandes problemas que resistiram a
AUSTIN 73 AUSTIN

todos os assaltos frontais podem ceder se forem do conhecimento empírico, seus compatriotas
atacados pelos flancos [...]." Exemplo típico é o (Price, Ayer, Warnock). Um dos pontos culmi-
do famoso ensaio A Plea for Excuses, no qual nantes dessa obra é constituído pelos trechos em
Austin, através de um estudo sobre o léxico das que o autor ataca o argumento da ilusão, argu-
desculpas, visa na verdade a esclarecer a proble- mento invocado para justificar a introdução de
mática da liberdade, examinando todas as ma- entidades intermediárias entre os objetos e o su-
neiras pelas quais uma ação pode ser considera- jeito, ou seja, os dados sensíveis ou sense data.
da "não livre". Podem-se distinguir duas etapas no argumen-
Uma vez escolhida a região lingüística que se to da ilusão. Quem o emprega começa por lem-
quer explorar - no caso, a das desculpas - a pri- brar o venerável exemplo da vareta que, submer-
meira tarefa será enumerar, com a ajuda de um sa na água até o meio, parece vergada, ou então o
dicionário, todas as palavras que fazem parte dela, do homem que, olhando-se no espelho, vê seu
mesmo que quase não tenham chamado a aten- corpo onde ele não está. Uma vez que a vareta na
ção dos filósofos. A segunda fase é mais criativa. verdade é reta e que o meu corpo na verdade não
Trata-se de identificar as expressões que pare- está do outro lado do espelho, concluo que a va-
çam plausíveis a priori, mas que serão conside- reta que vejo é apenas uma ilusão e que o corpo
radas sem utilidade para o caso em questão. Por que percebo é apenas um dado sensível, e não
exemplo, podem-se examinar as razões pelas uma coisa material, conclui aquele que utiliza o
quais é possível empregar os advérbios "rapida- argumento.
mente" ou "depressa" para modificar a oração A segunda etapa do argumento esteia-se no
"Ele sentou-se...", mas não - salvo em circuns- fato de que não há diferença genérica intrínseca
tâncias especiais - o advérbio "intencionalmen- entre as percepções verdadeiras e as enganosas
te". Durante a terceira fase criam-se pequenas ("quando observo uma vareta reta que sofre re-
histórias em que figurem as palavras e as expres- fração na água e que, por essa razão, se mostra
sões estudadas, mas nas quais não seria possível [appears] não retilínea, minha experiência é qua-
utilizar de maneira intercambiável expressões litativamente a mesma que teria se observasse
que o dicionário apresente como sinônimas. uma vareta que não fosse realmente retilínea").
Exemplo conhecido é o das expressões "por erro" Em vista disso, o teórico do conhecimento con-
e "por acidente", que pertencem ao vocabulário clui que o que se apreende diretamente na expe-
das desculpas. A guisa de "reagente" que possa riência é sempre um dado sensível, e nunca uma
ressaltar as diferenças de uso, Austin elabora coisa material. Segundo esta teoria, nunca perce-
duas narrativas: a história do fazendeiro que que- bemos diretamente as coisas materiais.
ria se desfazer de seu burro, mas confunde-o com Os filósofos que recorrem ao argumento da
o de seu vizinho e abate o burro deste; e a histó- ilusão erigem em dicotomia a distinção entre coi-
ria do fazendeiro que, motivado pelas mesmas sa material e aparência sensível de tal modo que
intenções, empunha a arma e mira seu burro, mas depois é possível concluir que, embora não per-
acerta o do vizinho, que havia empurrado o seu e cebamos a primeira, percebemos a segunda. Mas
tomado o lugar do animal visado. A quarta fase essa maneira dissimulada de ressaltar, para as
consiste em dar uma explicação para a rede de necessidades da causa, os contrastes presentes na
significações que surgiu, bem como para as re- linguagem natural não escapou à sagacidade de
sistências que impedem de dizer coisas que, à Austin, para quem "os fatos relativos à percep-
primeira vista, parecem aceitáveis. É só nesse es- ção [...] são muito mais diversificados e compli-
tágio que Austin julga oportuno consultar os ou- cados do que costumamos achar". Assim, por
tros filósofos e os gramáticos. exemplo, o homem comum sabe que o navio que
Austin mostrou todas as qualidades do seu ele vê no mar em um dia límpido está muito mais
talento como analista crítico em Sense and Sen- distante do que parece, mas nem por isso conclui
sibilia, obra em que se entregou à tarefa de "des- que está vendo só uma aparência de navio, e
construção" das doutrinas favoritas dos teóricos muito menos que está vendo um navio-fantasma.
AUSTIN 74 AUSTIN

O partidário do argumento da ilusão omite bos não poderia acontecer que, em casos pouco
arbitrariamente uma distinção importante, re- freqüentes, perceber certo tipo de coisa seja exa-
presentada em inglês pela oposição entre illusion tamente o mesmo que perceber outro tipo de
e delusion. Em outras palavras, ele voluntaria- coisa?".
mente confunde as ilusões de óptica que pode- Quanto à tese segundo a qual nunca percebe-
mos facilmente assimilar e que, a bem dizer, não mos as coisas materiais diretamente, Austin de-
nos enganam, com as alucinações e delírios que monstra que a única maneira de sustentá-la é am-
perturbam todo o nosso sistema de crenças. pliar o sentido do advérbio "diretamente" de mo-
O homem instruído não é enganado por um do tão extravagante que ele acaba exangue e lite-
espelho ou por uma vareta parcialmente submer- ralmente esvaziado de significado.
sa. É realmente seu corpo que ele está vendo no Evidentemente Austin considera a análise da
espelho, e não uma aparência enganosa, assim língua comum ponto de partida da reflexão filo-
como é uma vareta real o que ele está vendo, e sófica, mas não se deve concluir que, em seu mo-
não uma vareta ilusória ou uma aparência de va- do de ver, a linguagem ordinária seja sacrossanta
reta. É verdade que a vareta aparenta estar ver- e intocável. Embora lhe conceda a primeira pala-
gada, mas nem por isso se reduz a aparência; o vra, não lhe dá a última, e não abomina neologis-
corpo aparenta estar em outro lugar, e não onde mos. Aliás, até forjou alguns que já ganharam
está, mas nem por isso é outra coisa, e não meu reconhecimento público. É verdade que perten-
corpo, um dado sensível, um sense datum. O es- cem à metalinguagem.
tudo minucioso do uso das expressões inglesas Os exemplos mais característicos são o par
look (aparentar), appear (mostrar-se), seem (pa- "performativo-constativo" e o trio "ato locutório,
recer/dar a impressão) e resemble (parecer-se) ilocutório, perlocutório". Esses termos designam
revela que o teórico empirista do conhecimento conceitos da teoria da enunciação (statement
escamoteia distinções importantes ancoradas na oposto a sentence) por ele criada em How to Do
linguagem natural, e só chega a conclusões sur- Things With Words.
preendentes graças a liberdades em relação ao Algum tempo antes de Benveniste, Austin per-
uso que ele toma sem dizer, o que, diga-se de pas- cebeu que dizer "prometo" não é descrever uma
sagem, é completamente diferente da abordagem promessa, mas fazê-la, enquanto dizer "ando" é
de arregimentação à maneira de Quine. descrever uma ação por meio de um enunciado que
Se vemos uma igreja disfarçada de celeiro, pode ser verdadeiro ou falso. O enunciado consta-
parecida com celeiro, o que vemos é uma igreja, tivo descreve e representa, ao passo que o enun-
e não um celeiro. Assim também, se vemos uma ciado performativo transforma o real.
vareta reta que aparenta estar vergada devido ao Transformar é agir. Os performativos são
fenômeno da refração, o que vemos é uma vareta ações, mas ações que produzem efeitos, não em
reta, apesar de tudo. O mesmo se pode dizer de razão de nexos causais, mas principalmente por
nosso corpo visto no espelho. É ele mesmo que convenções sociais. Se o prefeito, nas circuns-
estamos vendo, mas para entender isso precisa- tâncias previstas em lei, pronuncia a frase "Bati-
mos ter sensibilidade para as sutilezas da língua zo esta rua com o nome X... ", a rua passará a ter
comum, que não confunde as duas ocorrências o nome X... o enunciado performativo só é com-
seguintes da preposição "em": "ver um corpo no preendido sobre o pano de fundo de convenções
espelho" e "ver um doce na vitrine". jurídicas ou sociais. Os verbos performativos (ba-
Austin tampouco é complacente com a segun- tizar, legar, apostar, ordenar etc.) supõem a exis-
da etapa do argumento da ilusão. Ainda que reco- tência da instituição da aposta, do legado etc, e
nhecêssemos que em certas situações anômalas o mais particularmente de um procedimento. Aus-
que percebemos não são as coisas materiais, mas tin dedicou-se à descrição das condições de su-
sim dados sensiveis, nem por isso seríamos obri- cesso dos enunciados performativos: é preciso
gados a generalizar isso para os casos normais, que exista um procedimento, que ele seja aplica-
pois, como observa o próprio Austin, "Por que dia- do pelas pessoas habilitadas, por todos os parti-
AUSTIN 75 AVERROIS

cipantes envolvidos, enfim que os agentes tenham pois de "atos indiretos" (ver Searle). Se digo:
certos sentimentos e certos pensamentos. Fa- "Vocês vão me trazer o dicionário amanhã, por
zendo uma espécie de lista das condições e, cor- favor", trata-se de um ato locutório de afirmação
relativamente, dos malogros que podem ocorrer, de uma oração condicional, mas esse ato é um
Austin consegue explicar por que, embora o in- ato ilocutório de solicitação, tanto quanto: "Tra-
sulto seja um procedimento convencional, não gam-me o dicionário amanhã."
tem uso a fórmula "Eu te insulto", enquanto há Há um meio de restringir o termo "performati-
uso para a fórmula "Eu te agradeço". vo" aos verbos que designam lexicalmente os atos
O enunciado performativo "Ordeno que ve- ilocutórios que servem para realizar, e conciliar a
nha" é sinônimo do enunciado "Venha". O mo- dicotomia e a tricotomia de Austin atribuindo-lhes
do gramatical pode, então, desempenhar o mes- campos de aplicação distintos. Mesmo assim não
mo papel que o verbo performativo empregado há dúvida de que a segunda teoria (a dos três atos),
num sentido performativo (ou seja, na primeira ao contrário da primeira, visa a atacar aquilo que
pessoa do presente do indicativo). Austin chama de "fetiche verdade-falsidade" e
Ora, todos os enunciados têm um modo. As- fetiche "valor-fato", mostrando que um enunciado
sim, se dissermos que o modo - ou o tom de voz - de afirmação pode ser avaliado por outras dimen-
desempenha o mesmo papel que um performativo sões que não a dimensão "verdadeiro-falso", e
explícito, seremos obrigados a concluir que todos que um veredicto como "Condeno", pronunciado
os enunciados são performativos, até mesmo, por por um juiz, pode ser avaliado por outras dimen-
exemplo, o enunciado "a terra é redonda", pro- sões, que não "justo-injusto". Uma sentença pode
nunciado em tom peremptório, pois esse enuncia- ser injusta por pressupor ser verdadeiro o que é
do é pragmaticamente sinônimo do enunciado falso, e uma afirmação pode ser verdadeira mes-
"Afirmo que a terra é redonda". mo quando lhe falta exatidão.
Se de certo modo todos os enunciados são per-
• Philosophical Papers, Urmson e Warnock, Oxford, UP,
formativos, não é mais possível empregar "perfor-
1961, edição aumentada 1970; How to Do Things With
mativo" e "constativo" para designar duas classes Words, Urmson, Oxford UP, 1962, trad. franc. Quand dire,
mutuamente excludentes de verbos, a menos que c'esí faire, G. Lane, Paris, Le Seuil, 1970; Sense and Sen-
se admita que a segunda classe é vazia. Foi por sibilia, Warnoc, Oxford UP, 1962, trad. franc. Le langage
isso que Austin substituiu a dicotomia "performa- de Ia perception, Gochet, Paris, A. Colin, 1971; Perfor-
tivo/constativo" pela tricotomia "atos locutórios, matifs-constatifs, La philosophie anafytique, Cahiers de
ilocutórios, perlocutórios". A novidade está no Royaumont, Ed. Minuit, 1962; Les excuses, trad. franc. R.
fato de que esses três atos podem coexistir como Frank, Revue de Métaphysique et de Morale, 72, 1967.

as três facetas de um mesmo ato de discurso. => M. Furberg, Locutionary and Illocutionaiy Acts: A
O oficial instrutor que diz ao recruta impru- Main Theme in J. L. Austin s Philosophy, Estocolmo, Alon-
dente "A granada vai explodir" está criando um gvist & Wiksell, 1963; ed. aumentada, Toronto, Canadá,
1969; Études sur Ia pensée d'Austin, Archives de Philo-
enunciado que, por seu sentido lexical, é um ato
sophie, 1967; Symposium on J. L. Austin, org. K. T. Fann,
locutório de afirmação e de previsão, mas, em Londres, Routledge & Kegan, 1969; D. Holdcroft, Words
virtude de convenções sociojurídicas, esse mesmo and Deeds, Oxford, Clarendon Press, 1978; F. Recanati,
enunciado tem força ilocutória de advertência. Les énoncèsperformatifs. Paris, Editions de Minuit, 1981.
Por fim, pode ter o efeito perlocutório de alar-
Paul GOCHET
mar. A distinção entre ilocutório e perlocutório é
fácil de perceber: o primeiro ato é de natureza
convencional; o segundo é de natureza causai. Se
previno alguém do perigo, eu o terei advertido, AVERROIS, 1126-1198
mesmo que não tenha conseguido alarmá-lo psi- Jurista, filósofo, teólogo e médico muçulma-
cologicamente. A distinção, à primeira vista mais no que viveu na Espanha, Averróis (Ibn Rushd)
fugaz, entre locutório e ilocutório revela-se pre- nasceu em Córdoba em 1126 numa família de
ciosa no caso dos atos que foram chamados de- juristas malequitas. Seu avô fora cádi e imã da
AVERRÓIS 76 AVERRÓIS

grande mesquita daquela cidade e escrevera um meado, em seguida, Grão Cádi de Córdoba. Con-
tratado de direito, Muqaddima. Seu pai também tinua vivendo sob os auspícios reais durante o
foi cádi. Portanto, sua formação jurídica foi es- reinado de Ya'qub al-Mansur, sucessor de Abu
merada, e ele deveria sobressair-se na ciência do Ya'qub Yusuf, até 1195. Nessa época, parece que
khilaf, isto é, no estudo das divergências existen- a ameaça dos exércitos cristãos leva o sultão a
tes entre as escolas jurídicas. Estudou o hadith fazer concessões ao partido dos juristas malequi-
(tradições do Profeta), mas sem se especializar. tas, que exerciam sobre o povo forte influência,
Estudou também teologia (kalam) ash'arita, ca- baseada em rígido legalismo. Os adversários de
racterizada pela busca do meio-termo justo entre Averróis tiram proveito disso, conforme pode-
o excesso de racionalismo e o excesso de litera- mos ver nos epigramas que foram conservados.
lismo. Mais tarde, aliás, ele a criticará com base O filósofo foi banido para Lucena, suas doutrinas
na obra de Al-Gazali, e rejeitará toda e qualquer anatematizadas e seus livros condenados à fo-
teologia, denunciando a atitude puramente dialé- gueira. Contudo, ele não tardará a cair novamen-
tica desse modo de pensar. Estudou medicina, e te nas graças do rei, mas morrerá logo em segui-
foi por certo através dela que teve acesso às "ciên- da, em 1198, em Marrakesh, sendo seu corpo de-
cias dos Antigos", vale dizer, à filosofia dos gre- pois levado para Córdoba. Ressalvando estes úl-
gos. E, de fato, Galeno, mestre dos árabes nesse timos incidentes, é importante destacar que, em-
domínio, transmitiu a seu povo uma série de co- bora tivesse inimigos nas pessoas de alguns dou-
nhecimentos de ordem filosófica. Finalmente, tores intransigentes, Averróis não foi perseguido
Averróis interessou-se por astronomia e chegou ' e pôde filosofar livremente durante toda a vida.
a fazer uma série de observações celestes. A obra de Averróis divide-se entre comentá-
A carreira de Averróis está estreitamente rela- rios (longos, médios e breves) à obra de Aristóte-
cionada com a política religiosa e cultural dos al- les, em que ele expressa idéias pessoais a respei-
môadas. Em 1153, ele está em Marrakech auxi- to da filosofia e da religião, um tratado de medi-
liando o sultão 'Abd al-Mu'min em seu projeto cina, opúsculos sobre questões médicas e, final-
de criação de colégios. Em 1169, é apresentado mente, um tratado de direito muçulmano. Os
pelo médico filósofo Ibn Tufayl ao sucessor de comentários breves {jawami') sobre Organon, Fí-
'Abd al-Mu'min, o ilustrado príncipe Abu Ya'qub sica e Metafísica foram redigidos antes de 1169.
Yusuf, que discutirá com ele a questão da eterni- Até 1178, Averróis elabora os comentários mé-
dade da substância celeste. Averróis teve a opor- dios (talkhis). É só então que dá início aos co-
tunidade de mostrar a extensão de seus conheci- mentários mais longos (tafsir). Na medida per-
mentos. O príncipe queria explicação para os tex- mitida pela situação das traduções do grego para
tos de Aristóteles que considerava obscuros. Ibn o árabe, ele conseguiu realizar um trabalho obje-
Tufayl, julgando-se velho demais para o traba- tivo. A verdade, porém, é que os textos árabes
lho, encarregou Averróis de fazê-lo. Tal foi, se- por ele utilizados eram freqüentemente enigmá-
gundo os biógrafos árabes, a origem dos diver- ticos e aumentavam ainda mais a dificuldade do
sos comentários à obra aristotélica. Desse modo, texto aristotélico. É surpreendente que mais de
Averróis vive sob os auspícios reais durante os uma vez o Comentador tenha conseguido recu-
sultanatos de 'Abd al-Mu'min' e de Abu Ya'qub perar o pensamento do Estagirita e corrigir a tra-
Yusuf, até 1184. Durante esse período, dividiu o dução. Mas também lhe ocorre comentar contra-
tempo entre as obrigações de cádi e a elaboração sensos. Não obstante, nessas ocasiões ele não se
de suas obras, queixando-se, às vezes, das difi- deixava levar por concepções que alterassem pro-
culdades para conciliar as duas coisas. Em 1171, fundamente o pensamento do mestre: ele apreen-
voltou a Córdoba como cádi. Viaja pelo império dera o espírito da obra, o que evitou que ele se
almôada e passa algum tempo em Sevilha, onde perdesse. Seja como for, firmou posição contra
escreve muitas de suas obras. Em 1182, vamos comentários - como o de Avicena - influencia-
encontrá-lo em Marrakech, onde substitui Ibn dos pelo neoplatonismo. Muitos se perguntaram
Tufayl como primeiro médico do sultão. E no- se as doutrinas que se depreendem desses co-
AVERROIS 77 AVERROIS

mentários representam o pensamento de Averróis. nenhuma escola e definir um método jurídico


Não há dúvida que sim. Mas é também indubitá- que, sem ser silogístico, tenha uma lógica própria.
vel que o filósofo tinha um pensamento religio- Leva em consideração as idéias de Ibn Hazm de
so, e que teve de resolver o problema de conciliar Córdoba (994-1063), que formulara um método
as duas coisas. Nada leva a crer que ele fosse um de análise de textos. Ao lado da filosofia, por-
hipócrita, dissimulando convicções profundas tanto, Averróis reconhece a legitimidade de ou-
sob o manto dos comentários, enquanto os escri- tros campos de investigação.
tos em que tratava de questões de fé se destina- Assim como Kindi (século IX) fizera antes,
vam apenas a confundir os censores. A proteção Averróis comenta os trechos da Metafísica em
de que gozava tornava inúteis tais precauções. que Aristóteles faz um histórico dos sistemas de
Aliás, seus adversários não se deixariam enganar. filosofia anteriores ao seu e deles extrai, ao mes-
Averróis era cádi, dignidade que no islamismo mo tempo em que critica, idéias para fundar sua
correspondeu a uma função religiosa importante. própria doutrina. Há, portanto, um progresso no
A lei muçulmana, extraída no Alcorão e no pensamento, para o qual cada pensador contribui
hadith, era o cerne de suas atividades e, pela em maior ou menor grau. Mas Averróis inter-
educação que recebera, ele a encarava seriamen- rompe esse histórico em Aristóteles. Para ele, o
te. Dentre suas obras originais datadas do perío- aristotelismo comporta os germes de todas as
do compreendido entre 1174 e 1180, é preciso verdades definitivas. Mesmo que Aristóteles não
citar os Opúsculos sobre o Intelecto c o De Subs- tenha conhecido tudo e que ainda haja o que in-
tantia Orbis, reflexões pessoais sobre problemas vestigar, nada se encontrará que esteja em desa-
formulados pelo aristotelismo e próximos das cordo com seus princípios. Nas ciências da natu-
questões de fé, mas sobretudo o Fasl al-Maqal reza, entre outras, Averróis não se limitou a repe-
(Tratado Decisivo), o Kashfan Manahij al-Adilla tir o que fora dito pelo Estagirita, mas fez obser-
(Sobre os Métodos de Demonstração) e o 7a- vações pessoais. O valor de Aristóteles é ter sido
hafut al-Tahafut {A Destruição da Destruição) o criador da teoria da prova demonstrativa
dirigido contra o Tahafut al-Falasifa (A Destruiç- (burhan), fundamentando assim o conhecimento
ão dos Filósofos) de Al-Gazali. Sua obra médica em bases inabaláveis. Nos comentários ao Orga-
é representada sobretudo pelo Colliget (al-Kul- non (os dos Segundos Analíticos são de 1170),
liyyat fi'1-Tibb), que trata de aspectos genéricos Averróis afirma isso categoricamente. Quando,
da medicina. Averróis pediu a Abu Marwan Ibn em Colliget, se expõe o ponto em torno do qual
Zuhr (Avenzoar) que redigisse um livro sobre as Galeno discorda de Aristóteles, é a este último
particularidades e a terapêutica. Disso se inferiu que Averróis dá razão. Assim também em Astro-
que ele estivesse mais interessado na teoria que nomia, ele é partidário de um sistema físico de
na prática, embora tenha exercido a medicina. tipo aristotélico e contrário à representação mate-
No entanto, escreveu tratados especializados, mática de Ptolomeu. Aliás, nesse aspecto acom-
tais como os Conselhos sobre a Disenteria, suas panha vários astrônomos da Espanha, entre os
obras sobre símplices e sobre as diferenças de quais al-Bitruji. A respeito dessa astronomia físi-
temperamento. É também autor de comentários ca, Averróis escreve no comentário ao livro A da
sobre Galeno que possuem um caráter nitidamen- Metafísica: "Em minha juventude eu esperava
te prático, em que se fala das febres, das causas e poder levar a bom termo essa pesquisa, mas
dos sintomas de doenças. Sabe-se ainda que se agora, na velhice, perdi a esperança." Contudo, o
interessava pela observação da natureza. O céu de que fala é o céu de Aristóteles, e, no
Colliget foi escrito na época dos primeiros co- mesmo comentário, tenta explicar - apesar das
mentários breves. Resta assinalar um tratado de dificuldades - sua coerência arquitetural. É tam-
direito, Bidaya, sobre os princípios da legislação bém segundo o espírito aristotélico que ele parte
muçulmana e sobre as divergências que nascem das coisas particulares dadas na percepção da
do esforço pessoal (ijtihad) dos doutores. Apesar natureza. Na ordem dos conhecimentos humanos,
de malequita, ele procura não se enfeudar em a física vem antes da metafísica, pois - como diz
AVERROIS 78 AVERROIS

Aristóteles - é preciso começar por aquilo que é tência em si, ao contrário das Idéias platônicas.
mais claro para os homens, mesmo não sendo Tampouco existem como tais no pensamento do
em si mais claro. O universo físico não contém Primeiro Princípio ou de Deus. Criticando a tese
em si sua própria razão, e a ciência que o estuda aviceniana segundo a qual Deus só conhece os
não encerra a demonstração de seus próprios fun- particulares nos universais, Averróis afirma que,
damentos racionais. Ela permanece no "hipotéti- analogicamente, o conhecimento que Deus deles
co", admite a existência de seu objeto sem poder tem se assemelha mais ao conhecimento que nós
fornecer seus princípios, e aceita o valor dos co- mesmos temos deles do que ao conhecimento que
nhecimentos que tem dele sem saber ainda o que temos dos universais abstratos. Afora sua existên-
.o justifica. É apenas num segundo momento que cia abstrata no pensamento, eles só existem em
o pensamento poderá elevar-se ao "não-hipotéti- potência nos seres concretos. Apenas o indiví-
co". Seria vão, entretanto, tentar chegar de ime- duo é real. Como dizia Aristóteles, é em Cálias
diato a esse nível para apreender os princípios que eu vejo o homem. Nosso conhecimento dos
absolutos do ser e do conhecimento e daí extrair particulares está em conformidade, portanto,
dedutivamente a ciência das realidades. Em seu com a própria ordem do ser, e é por isso que
comentário ao livro A da Metafísica, Averróis atri- pode haver adaequatio rei et intellectus. A inteli-
bui esse comportamento a Avicena e observa que gibilidade não consiste na apreensão de Idéias
o metafísico jamais teria a noção de movimento separadas, mas na contemplação das verdadeiras
se não a pedisse insistentemente (yusadiru) ao causas dos seres. A função dos universais é não
físico. Essa idéia pode ser ilustrada com a ima- nos deixar presos ao conhecimento sucessivo de
gem da construção de uma abóbada: ninguém co- indivíduos isolados, mas de nos permitir com-
meça pela colocação da chave de abóbada, ainda preender a ordem do universo na qual esses indi-
que ela seja responsável pela sustentação do todo; víduos se inscrevem, para formar um todo har-
ela é colocada por último, depois de levantar as monioso.
outras pedras, sustentadas provisoriamente pelos Averróis interessou-se pelas ciências práticas,
esteios, que são equivalentes às hipóteses. Mas, a ética e a política. Escreveu um comentário par-
simultaneamente, a metafísica averroísta encerra cial da República de Platão, conservado numa
o mundo em si mesmo, e, ao contrário da avice- tradução hebraica. Mas o essencial de seu pensa-
niana, não permite nenhuma brecha para o lado mento está voltado para as ciências teóricas, tan-
de lá do mundo e não autoriza nenhuma abertura to as particulares - matemática mas principal-
mística. O Deus de Averróis identifica-se com o mente física - quanto as gerais - lógica e filoso-
Primeiro Motor do mundo e pode ser considera- fia. A física fornece-lhe noções básicas: substân-
do o fundamento da lei moral tanto quanto o é da cia e outras categorias (qualidade, quantidade,
lei física. Pode ser desejado como causa final, relação, posição, ação e paixão), tempo, lugar,
mas não amado espiritualmente. A alma huma- movimento, contínuo e descontínuo, finito e in-
na, por sua vez, é o princípio do movimento vo- finito, nas quais se enxerta a reflexão metafísica.
luntário; permite que o homem se eleve acima do Da física, ele extrai as noções de matéria e for-
sensível na direção do conhecimento dos inteli- ma, de ser em ato e de ser em potência, de gera-
gíveis e das virtudes intelectuais. O estudo da ção e corrupção. O exame metafísico versa, an-
alma, porém, depende da física e não teria como tes de mais nada, sobre os termos que exprimem
descobrir uma espiritualidade capaz de um co- essas noções. Averróis escreve em seu comentá-
nhecimento intuitivo "saboroso" (dhawq), como rio ao livro A da Metafísica: "O propósito de
aquele que Al-Gazali dizia estar além do conhe- Aristóteles nesse livro é distinguir as indicações
cimento racional, ultrapassando-o assim como o de sentido que as palavras comportam. Nesse as-
intelecto ultrapassa a percepção sensível. pecto, é feito um exame especulativo nessa ciên-
É, pois, da experiência sensível, por abstração, cia, e essas indicações de sentido ocupam o lugar
que o homem extrai os universais. Estes, porém, que em toda arte é ocupado pelo objeto dessa arte.
ainda que existam no pensamento, não têm exis- São eles os nomes ditos a partir de pontos de
AVERROIS 79 AVERROIS

vista diferentes com referência a uma única coi- sujeito) uma capacidade particular e determina-
sa." Em outras palavras, comportam um sentido da de sofrer sua ação. O calor do fogo queima o
analógico que só eles permitem apreender. Por que é combustível e funde o que é fusível. A cau-
isso, seu estudo é parte da metafísica: "Aqui o sa eficiente é, portanto, aquela que faz passar a
exame das palavras é como o exame dos diferen- ato o que estava em potência na causa material.
tes objetos que o sábio considere de sua própria Quanto à causa formal e à causa final, atuam pa-
alçada." O fundamento dessas declarações é que ralelamente porquanto determinam a realidade
o ser, enquanto ser, objeto da metafísica, só pode em ato em relação à qual a matéria está em po-
ser apreendido por analogia. Sem entrar em to- tência. É então possível que a madeira queime
dos os detalhes, consideremos as noções de subs- porque é cinza em potência. A possibilidade real
tância e de causa. Para Avicena, o Primeiro Prin- fundamenta-se, portanto, na potencialidade. Ela
cípio, que é o Ser necessário, não pode ser subs- não é possibilidade de existir em geral, mas pos-
tância. Pois ele entende esse termo em sentido sibilidade de ser isto ou aquilo. Averróis rejeita a
unívoco, o do sujeito que recebe atributos e per- doutrina aviceniana do possível por si (mumkin
manece idêntico a si mesmo enquanto esses atri- bi-dhatihi) - ou seja, as essências -, que se tor-
butos variam. Isto é, segundo Avicena, a substân- naria necessário por um outro (wajib bi-ghayrihi),
cia é equiparada a um substrato. Ora, isso só vale a saber, o Ser Necessário que lhes deu existência.
para as substâncias do mundo da geração e da Para Averróis, a necessidade de um efeito resulta
corrupção, e não pode ser aplicado ao Primeiro da presença das quatro causas. Mas essas causas
Princípio. Além disso, para Avicena, a substância podem reunir-se naturalmente e realizar, no efei-
só existirá se receber a existência, o que não con- to, uma finalidade da natureza. Podem também
vém ao ser necessário, que existe por si. Mas, se- reunir-se acidentalmente, o que nos permite falar
gundo Averróis, não há por que limitar a signifi- de causalidade acidental: é acidentalmente que
cação do termo "substância" ao mundo da expe- tal madeira está queimando, não obstante o pro-
riência sensível. Ele possui um significado ana- cesso de sua combustão ser necessário. É por
lógico mais amplo. A substância é o primeiro esse motivo que determinados fatos não se dão
análogo do ser, pois não é possível pensar num regularmente - o que ocorreria se tudo fosse ab-
ser, qualquer que seja ele, no ser enquanto ser (al- solutamente necessário -, mas apenas com uma
mawjud bi-ma huwa mawjud), sem representá-lo freqüência maior (akthariyya) que a de outros. O
como substância ou relacionado a uma substância. que é possível relativamente às potências apre-
Desse ponto de vista, não há mais razão para não senta-se, para nosso conhecimento imperfeito,
se conceber o Primeiro Princípio como substân- com maior ou menor probabilidade. Há fatos que
cia: questão de vocabulário, por certo, mas que ocorrem por acaso (ittifaq), mas "aquilo que pro-
está por trás de uma visão particular do mundo. vém do acaso é uma geração sem ordem (nizam),
No que diz respeito à causa, se tomarmos este ter- e não um fim perseguido pela natureza". E nisso
mo univocamente, deveremos entendê-la como se deve entender a "natureza de cada ser", pois
aquilo que explica e produz um efeito. Para Avi- no conjunto do universo os acidentes não des-
cena, o efeito é uma essência ou uma existência. troem a harmonia.
Há, portanto, causas produtoras da essência (a
causa material e a causa formal) e causas produ- Como Aristóteles, Averróis divide a substân-
toras de existência (a causa eficiente e a causa fi- cia sensível em eterna e corruptível. A primeira
nal). Averróis, por sua vez, concebe de outro (sarmadi) é a do céu, submetida apenas ao movi-
modo a articulação das quatro causas aristotéli- mento local circular e perfeito; a segunda (fasid)
cas. Tomada analogicamente, a noção de causa é a dos seres do mundo sublunar, submetidos a
significa tudo aquilo que se relaciona à produção todos os tipos de movimento: transporte local,
de um efeito. Conseqüentemente, a causa eficien- crescimento e diminuição, alteração, geração e
te está articulada à causa material, pois sua efi- corrupção. A analogia, porém, permite supor uma
ciência supõe na matéria (ou, de modo geral, no substância imóvel e separada. "O metafísico in-
vestiga os princípios da substância como tal e
AVERROIS 80 AVERROIS

explica que a substância separada é o princípio da Esfera, que dá continuidade e perenidade (al-
da substância física [...] A substância imóvel diz ittisal wa 'l-azaliyya) a todos os movimentos do
respeito, pois, à metafísica, mas para chegar a ela mundo, é devido ao desejo que lhe é inspirado
é preciso estudar as mudanças nos seres móveis." pelo Primeiro Motor, pois "a Esfera e todos os
Ora, nem a forma nem a matéria são passíveis de corpos celestes têm a intelecção de que sua subs-
geração. Apenas o conjunto (majmu) formado tância e sua perfeição existem apenas no movi-
por ambas é engendrado pela ação de um motor mento", movimento circular perfeito que não
(muharrik) que move a matéria em direção à for- engendra nenhuma mudança senão a mudança
ma, e que é o verdadeiro agente. Todo motor, po- de posição, e que transcende, por isso, todo de-
rém, deve ser movido, e, como não podemos re- vir. O modo de ser dos movimentos celestes su-
montar ao infinito, é preciso parar, como diz Aris- põe então a existência de inteligências separadas
tóteles, num primeiro motor imóvel, que é exata- que têm intelecção das formas separadas. A subs-
mente a substância imóvel e separada. tância imóvel e separada da matéria é esse motor
Reencontramos em Averrois todas as dificul- imóvel que, como fim de todos os seres, os move
dades presentes na doutrina aristotélica da maté- pelo desejo em direção a formas que são, para
ria e da potência. Compreende-se que a semente cada ser, um fim natural. É assim que, primeira-
de um homem seja um homem em potência: o mente, ela move a Esfera e os céus, cuja matéria
homem engendra o homem. Que pensar, porém, é incorruptível porque possui forma desde todo
da matéria primeira, que é potência pura, vale o sempre, de modo definitivo; depois, por inter-
dizer, potência para todas as formas possíveis? médio dos movimentos celestes, move os corpos
Ora, podemos perguntar qual é a causa dessa po- do mundo sublunar, cuja matéria é corruptível
tência. Uma vez que o que está em potência pre- porque nela há potência para dois contrários
cisa de um ser em ato para atualizar-se, deve-se (diddan): a forma (sura) e a privação de forma
admitir que, sem as formas, as potências da ma- ('adam al-sura). Essa é a síntese das concep-
téria permaneceriam indeterminadas e indeter- ções físicas e metafísicas que Averrois extrai de
mináveis. A forma, entretanto, não poderia ser seus comentários a Aristóteles.
causa das potências da matéria, pois não existe Doutrina importante, embora obscura, é a da
desligada da matéria e anterior à existência do alma e do intelecto. O próprio Peri Psykhes do
composto. É preciso, portanto, que a causa for- Estagirita não é nada claro e, entre os comenta-
mal se una, ou mesmo que se identifique à causa dores gregos e árabes, deu ensejo a diversas exe-
eficiente, motriz única da matéria, para exercer geses, nenhuma plenamente satisfatória. Nesse
ação sobre ela. Mas a causa eficiente, por seu aspecto, Averrois vai na esteira de seus predeces-
lado, não é o que dá formas à matéria, contraria- sores, Alexandre de Afrodísias, Teofrasto, Temís-
mente à tese de Alfarabi e Avicena, que descrevem tios, Kindi, Alfarabi e Avicena. Expõe seu ponto
o Intelecto Agente como doador de formas (wahib de vista por intermédio da crítica que faz aos
al-suwar). Ela só faz a matéria passar da potên- outros. A intelecção é precedida de uma série de
cia ao ato, e é esse movimento, e não a causa efi- processos psicológicos que, partindo da percep-
ciente, que "enforma". Não é ela tampouco que ção sensível, passam pelo sentido comum e pela
dá à matéria suas potências. Resta, pois, que a memória e culminam num conhecimento pelas
matéria seja em potência enquanto é relativa a formas da imaginação. Essas formas, embora
um fim ao qual pode ser levada. Portanto, para permaneçam relacionadas ao sensível, têm já
entender definitivamente a potência da matéria, certo caráter abstrato. É delas que uma derradei-
é preciso explicá-la pela existência de uma causa ra abstração irá retirar as formas inteligíveis. O
eficiente em ato puro que seja a um só tempo motor desse ato de abstração é o Intelecto Agen-
causa formal e causa final. Eficiência e finalida- te (ai- 'aql al-fa "âl). Ele aclara a inteligibilidade
de identificam-se então. É isso o que explica, por- das formas que, nas formas da imaginação, está
tanto, a ação do Primeiro Motor imóvel. Averrois apenas em potência, assim como a luz torna visí-
retoma a idéia aristotélica de que o movimento veis em ato as cores que, na escuridão, eram ape-
AVERROIS 81 AVERROIS

nas visíveis em potência. Averrois chama de "in- garantir-lhe a sobrevivência. O intelecto material
telecto material" aquilo que, movido pelo Inte- é uma capacidade de inteligir que pode passar ao
lecto Agente, vai obter a intelecção das formas ato, e não o análogo de algum tipo de matéria,
inteligíveis abstraindo-as da imaginação. Esse uma espécie de cera que receberia impressões e
intelecto é chamado de material porque, como a continuaria passiva. A doutrina de Alexandre é,
matéria, existe apenas potencialmente, embora pois, incapaz de explicar a intelecção. Por conse-
as formas que intelige não o informem, de modo guinte, enquanto potência para um ato, ele não é
que, diferentemente da matéria, que não pode a engendrado nem corruptível, ainda que nasça e
um só tempo receber uma forma e seu contrário, desapareça em cada homem em particular, uma
ele é capaz de pensar simultaneamente os con- vez que está relacionado com as faculdades sen-
trários. O intelecto habitual {bi'l-malaka = in síveis. Ele só é não-engendrado e incorruptível
habitu) é, por assim dizer, o modo pelo qual o enquanto capacidade de intelecção de todo o gê-
Intelecto Agente está presente no intelecto mate- nero humano que, como tal, não perece. Nesse
rial depois que o fez passar da potência ao ato sentido, ele é imortal e comum a todos os ho-
por meio da ação que exerce sobre ele. Nesse mens. Quando a intelecção perfeita se realizar, o
sentido, o intelecto habitual vem do exterior que vai subsistir será esse intelecto comum à hu-
{min kharij); perfeitamente estranho ao sensível manidade, o que significa que a imortalidade
e às faculdades da alma ligada ao corpo como não é pessoal. O que resta é uma espécie de "Eu
sua forma, ele não é engendrado nem corruptí- penso" transcendental, em que o "Eu" é radical-
vel. O ato de inteligir provém do Intelecto Agen- mente diferente do eu empírico e individual.
te e, nessa medida, não é passível de geração Seja como for, essa doutrina é difícil e se presta a
nem de corrupção. Mas como, para nós, há pas- muitas interpretações. Averrois acreditava estar
sagem da imaginação à intelecção, pode-se, nes- fazendo uma exegese precisa do texto aristotéli-
se sentido, falar de geração em nós do intelecto co, mas sem se convencer de que ela se apoiava
habitual. De fato, ciência se adquire, e o sábio em provas demonstrativas. A razão está num co-
nem sempre está em ato de ciência. Quando a in- mentário feito no final de seu tratado sobre a
telecção atinge o termo de sua perfeição, o inte- alma, em árabe, em que ele afirma ser estranho o
lecto habitual não tem mais necessidade de refe- intelecto humano desaparecer no momento mes-
rir-se aos instrumentos da alma para inteligir em mo em que atinge a perfeição.
ato; ele retorna, então, à sua própria substância,
Essa constatação nos leva diretamente ao pro-
que é a luz do Intelecto Agente. Isso significa
blema do pensamento religioso do filósofo. Sua
que o ato de inteligir só se dá por intermédio do
posição, nesse terreno, é nítida. Onde quer que a
Intelecto Agente. Não por outro motivo, no trata-
filosofia possa apresentar provas racionais de-
do, que se conservou em hebraico, Sobre a Con-
monstrativas, é a ela que cabe a definição. Nesse
junção com o Intelecto Agente, Averrois conclui
sentido, Averrois é racionalista. No entanto, há
que, chegado a esse nível de perfeição, o intelec-
perguntas que o homem faz e que não pode dei-
to humano é como absorvido, e desaparece. O
xar de fazer, mas para as quais não pode dar res-
intelecto material também apresenta problemas.
postas demonstrativas. São essencialmente as re-
Alexandre de Afrodísias considerava-o engen-
ferentes às origens e ao fim último. O filósofo
drado e corruptível como qualquer outra facul-
pode prosseguir suas investigações até encontrar
dade da alma que, sendo enteléquia primeira de
um pouco de luz, mas o comum dos homens tem
um corpo dotado de órgãos que possui a vida em
necessidade premente de respostas. É aí que a re-
potência, desaparece juntamente com o corpo.
velação desempenha seu papel. Por certo não se
Averrois considera falsa essa concepção, pois,
pode provar filosoficamente sua existência, mas
para ele, o intelecto material não é uma tabula
há fundamento para se crer nela, visto que a re-
rasa sobre a qual os inteligíveis viriam inscrever-
velação fala quando a razão se cala ou apenas
se, e que poderia desaparecer como tal, sem que
balbucia. O racionalismo de Averrois é, pois, li-
a presença dos inteligíveis nela fosse capaz de
mitado por essa justificação da fé. O Alcorão
AVERROIS 82 AVERROIS

contém essa revelação. Ele não contradiz a filo- conseguinte, não existem tempo nem espaço in-
sofia, pois em diversos versículos conclama o finito que sejam vazios. Seria impossível neles
homem a observar e a refletir. Averróis cita um situar o mundo e determinar seus momentos de
hadith que recomenda buscar a ciência até na maneira racional. Mas o tempo é fundamental-
China. O ensinamento do Alcorão, por sua vez, mente o número do movimento da Esfera que
pode ser dividido em proposições que estão de permite medir todos os outros movimentos do
acordo com a filosofia, que devem ser tomadas mundo. Não há nenhum movimento no exterior
ao pé da letra, e proposições que, se tomadas li- da Esfera cujo tempo meça o movimento da Es-
teralmente, não concordam com as conclusões do fera. A ilusão, portanto, consiste em alinhar as
pensamento filosófico. Nesse caso, devem ser revoluções da Esfera numa espécie de tempo
interpretadas com um comentário chamado to W , vazio e retilíneo que, se for infinito, não poderá
que extrai a verdade profunda oculta sob o senti- ser atravessado, de tal sorte que a revolução atual
do aparente das palavras. Há, aliás, um versículo estará na impossibilidade de ocorrer. Na verda-
do Alcorão (3, 7) que ensejou duas maneiras de, porém, cada revolução é independente das
diferentes de compreensão, e a ele Averróis dá o outras. Cada uma delas depende de forma ime-
seguinte sentido: Deus conhece o la'wil, tanto diata dos atos do primeiro agente. Nas palavras
quanto os que estão bem sedimentados na ciên- de Averróis, "o fato de uma ser anterior à outra é
cia. Esse método de exegese foi exposto minu- meramente um ser por acidente". Na causalidade
ciosamente no Tratado Decisivo. Não há duas retilinea, o efeito presente deve ser resultado de
verdades, a da razão e a da revelação. A verdade todas as causas que o precederam. Mas as revo-
é una, mas os homens não chegam todos a ela luções passadas da Esfera não precisam ser so-
pelo mesmo caminho. Há os que a apreendem madas para que a revolução atual ocorra. É nesse
pelo raciocínio lógico; outros, pelos argumentos sentido que Averróis escreve: "As revoluções que
persuasivos da retórica; outros, enfim, por meio estão no passado e no futuro são nada."
de imagens poéticas que afetam sua emotivida-
O Deus criador do Alcorão, submetido à in-
de. O Alcorão, palavra de Deus, dirige-se a esses
terpretação do to V/7, está em consonância com
diferentes tipos de homens. Os Manahij são um
as conclusões da metafísica. Está escrito que ele
tratado contra a teologia e todas as seitas que nas-
criou por meio de um comando (amr). Sentado
ceram dela. A idéia de Averróis é que, se há opo-
no trono, não tem necessidade de mover-se para
sição entre religião e filosofia, essa oposição não
produzir o movimento das criaturas; correspon-
está no nível dos textos revelados, mas sim no
de bem ao Primeiro Motor imóvel. Pode-se falar
das doutrinas que os teólogos extraem de tais tex-
de sua ciência e de sua vontade, mas apenas em
tos por meio de argumentos meramente dialéti-
sentido analógico. O conhecimento divino não é
cos. Muitas das idéias contidas nessa obra po-
abstrativo, não existe em potência; não é relativo
dem ser reencontradas em Tahafut al-Tahafut,
- nem a posteriori - ao que se conhece. Apesar
onde Averróis se insurge contra o tipo de argu-
disso, diz respeito diretamente a cada um dos
mentação empregado por Al-Gazali para comba-
seres existentes, pois é Deus a causa total de cada
ter Avicena, avaliando que o avicenismo deve ser
um deles. Quanto à vontade criadora, fundamen-
criticado, mas por procedimentos estritamente
ta-se na excelência de Deus, pois ele não é um
demonstrativos. Grande parte do Tahafut al-Fa-
agente no sentido em que se diz que alguém faz
lasifa é dedicada ao problema da criação do
sombra. O termo vontade expressa o modo dessa
mundo. Averróis defende a idéia da criação eter-
ação, que é a de um ser perfeitamente transcen-
na, pois não há sentido em falar de um tempo
dente. Assim, para Averróis nada se opõe a que
vazio do qual, em dado momento, o mundo teria
um tal Criador produza diretamente uma multi-
sido criado. Por outro lado, a cadeia de causas
plicidade de seres como efeito de seu ato puro, e
não pode remontar ao infinito numa sucessão em
desse modo ele rejeita o princípio que serve de
linha reta, pois o infinito não pode ser atravessa-
base às doutrinas imanentistas neoplatônicas,
do e não existe em ato, mas em potência, e, por
segundo as quais o Uno só pode gerar o uno. No
AVERROIS 83 AVICENA

que diz respeito à alma racional, é impossível ginais em árabe que vem ocorrendo recentemen-
demonstrar sua imortalidade pessoal. Mas o co- te (durante muito tempo só houve versões he-
nhecimento que se tem dela é obscuro. Nesse braicas ou latinas) está descortinando um vasto
ponto, não deixa de ser razoável, portanto, recor- campo de investigação a todos os pesquisadores
rer à revelação. Aliás, nada prova que as faculda- do assunto.
des que utilizam órgãos se enfraqueçam junta-
=* M. Alonso, Averroes observador de Ia naturaleza, em
mente com eles: nesse aspecto Averróis está de
ul-Andalus, V, 1940; do mesmo, El "ta'wil" y Ia herme-
acordo com Avicena, ainda que a sabedoria dos nêutica sacra de Averroes, ibid., VII, 1942; M. Allard, Le
velhos não seja prova peremptória. Finalmente, rationalisme d'Averroès d'après une étude sur Ia création,
uma vez que a alma, no nível mais alto de suas em Buli. deu Etudes orientales de 1 'Instituí de Damas, XIV,
atividades, possui virtudes intelectuais, não há 1952-4; R. Arnaldez, La pensée religieuse d'Averroes, 1:
por que pensar que elas estariam destinadas a de- La création dans le Tahafut, emStudia islâmica, VII, 1957;
II: La théorie de Dieu dans le Tahafut, ibid., VIII, 1957;
saparecer. É difícil conceber virtudes perfeita-
III: Limmortalité de 1'âme dans le Tahafut, ibid., X, 1959;
mente impessoais. Quanto às virtudes morais, do mesmo, art. Ibn Rushd em Encyclopédie de 1'Islam, 2?
ainda que neste mundo estejam em relação com ed., III; Carra de Vaux, Les penseurs de Vlslam, Paris,
o corpo, cujos desbragamentos contêm, não per- 1923; H. Corbin, Histoire de Ia philosophie islamique.
tencem à ordem da realidade sensível e poderiam Paris, 1964; M. Cruz Hernández, Historia de Ia filosofia
subsistir em si mesmas com seu caráter igual- hispano-musulmana, Madri, 1957, vol. II; do mesmo, La
mente pessoal. Ainda uma vez, no entanto, não libertad y Ia naturaleza social dei hombre según Averroes,
em Lhomme etson destin, Lovaina, 1960; do mesmo, La
há prova demonstrativa a respeito. Recordemos,
filosofia árabe, Madri, 1963; L. Gauthier, La théorie d'Ibn
entretanto, que Al-Ghazali censurava os filóso- Rochd sur les rapports de Ia religion et de Ia philosophie,
fos avicenianos por considerarem a imortalidade Paris, 1909; do mesmo, Traité décisij(Façl al-Maqal), Ar-
como a sobrevivência da alma racional separada gélia, 1942; do mesmo, Ibn Rochd (Averroes), Paris, 1948;
do corpo. Mas o Alcorão ensina a ressurreição M. Horten, Die Melaphysik des Averroes, Halle, 1912; G.
dos corpos, não como retorno à vida de cadáve- F. Hourani, Averroes on the Harmony of Religion and Philo-
res sepultos, mas como uma "segunda criação". sophy, Londres, 1961; Manser, Die gõttliche Erkenntnis der
Einzeldinge und die Vorsehung bei Averroes, em J. fiir
Nada se sabe, é verdade, sobre a situação dos
Philos. und spekul. Theologie, vol. 23, 1909; do mesmo,
corpos ressuscitados. Mas o dogma da ressurrei- Das Verhãltnis von Glaube und Wissen bei Averroes, ibid.,
ção poderia explicar, à sua maneira, a possibili- vol. 24, 1910; vol. 25, 1941; A. F. Mehren, Etudes sur Ia
dade de uma sobrevivência pessoal da alma. philosophie d'Averroes concernant ses rapports avec celle
Tudo se passa, portanto, como se a fé de Averróis d'Avicenne et de Gazali, em Mrneon, 1888 e 1889; Müller,
o tivesse conduzido não tanto a buscar uma justi- Philosophie und Theologie von Averroes, Munique, 1875;
Nirenstein, The Problem ofthe Existence o/God in Aver-
ficação racional para si mesma, um direito à
roes, Filadélfia, 1924; G. Quadri, La philosophie árabe
existência lado a lado com a razão, porém mais a dans I 'Europe médiévale. Paris, 1960; E. Renan, Averroes
interrogar, em nome de exigências novas, o pen- et Vaverroisme, Paris, 1852; E. I. J. Rosenthal, Averroes'
samento racional de Aristóteles para aprofundá- Commentary on Platos Republic, Cambridge, 1956; Van
lo e extrair dele o máximo de respostas que ele den Bergh, Die Epitome der Metaphysik des Averroes, Lei-
pudesse dar à legítima curiosidade dos homens, den, 1924. Recomenda-se a consulta de Uhomme et son
e para determinar os limites em que ele se detém. destin (Atas do I Congresso de Filosofia Medieval de Lo-
vaina), Lovaina, 1958; Multiple Averroes (Atas do Coló-
A fé segue, e deve seguir, a razão até esses limi-
quio Internacional organizado por ocasião do 850? aniver-
tes; mas vai além. sário do nascimento de Averróis, Paris, 20-23 de setembro
de 1976), Paris, Les Belles-Lettres, 1978.
Foram diversas as interpretações dadas ao aver-
roísmo. Na Idade Média, Averróis foi erronea-
Roger ARNALDEZ
mente considerado ateu. Para Renan, ele era um
racionalista puro obrigado a transigir com as au-
toridades religiosas, o que é falso. L. Gauthier foi
o primeiro que considerou o conjunto de seu pen- AVICENA, 980-1037
samento, tanto filosófico quanto religioso, para Avicena (Ibn Sina), um dos maiores filóso-
mostrar sua coerência. A publicação de obras ori- fos muçulmanos, nasceu nas proximidades de Bu-
AVICENA 84 AVICENA

khara (atual Usbequistão) em 980. Dono de inteli- margens do rio Amu Darya. Voltando ao local
gência vivaz, recebeu formação muçulmana, que muitos anos mais tarde, verificou que a espuma
incluía o estudo do Alcorão e das ciências corre- se transformara numa pedra que as mulheres uti-
latas. Depois foi iniciado em matemática e filo- lizavam para lavar roupa. Nesse sentido, Avicena
sofia. Leu as obras de Euclides e Ptolomeu, de é muito diferente de seu contemporâneo Birúni,
Aristóteles, Alexandre de Afrodísias e Porfírio. versado sobretudo em astrologia e mineralogia,
Foi na medicina, entretanto, que se destacou des- que, buscando o conhecimento na experiência,
de jovem: antes de completar vinte anos, já do- recomenda a muzawala (utiliza a mesma palavra
minava a teoria e distinguia-se na prática. Teve que Avicena), procurando dela extrair um ensi-
dificuldade para compreender a Metafísica de namento claro que deve ser exposto, na medida
Aristóteles, e só a assimilou após diversas leitu- do possível, em linguagem matemática, rejeitan-
ras, graças aos comentários de Alfarabi (falecido do a linguagem filosófica, por ele considerada
em 950). Foi médico do governador de Khura- mítica. Avicena manteve com ele uma correspon-
san, curando-o de grave doença. Também exerceu dência logo interrompida: aqueles dois espíritos
atividades políticas, tendo sido vizir de Shams opostos não podiam entender-se. Avicena escre-
al-Dawla. Preso, fugiu para Ispahan, onde serviu veu também o Poema da Medicina, compêndio
a 'Ala' al-Dawla. Levou vida de cortesão, com em verso dos conhecimentos médicos da época,
todas as vicissitudes que isso implica numa épo- que Averróis comentaria depois. No que diz res-
ca agitada. Morreu jovem. Deve-se notar que seus peito às ciências teóricas em geral (al-hikmat al-
dissabores não foram devidos a perseguições so- nazariyya), Avicena escreveu em persa Danesh
fridas por sua atividade como filósofo, mas sim Nameh (Livro da ciência) para 'Ala'al-Dawla,
às peripécias da vida política. mais exposição que tratado original, e Aqsam al-
A obra de Avicena é imensa e abrange todos 'Ulum (Sobre a divisão das ciências); também
os conhecimentos de seu tempo. No campo cien- devem ser citados 'Uyun al-Hikma (Fontes da
tífico, notabilizou-se principalmente por seu Ca- sabedoria) e Risalat al-Hudud (Tratado das de-
non da Medicina, em que atribui grande impor- finições). No campo das ciências práticas {al-
tância aos princípios do saber teórico e aos prin- hikmat ai- 'amaliyya), é autor de um tratado de
cípios gerais da prática que possibilitam a inter- moral (al-Akhlaq) e de um tratado de política
pretação dos fenômenos observados e fundamen- (Risalafí'1-Siyasa), nos quais desenvolve temas
tam a terapêutica de cada moléstia. Seu gosto que também serão abordados em suas obras filo-
acentuado pela teoria e pelo pensamento siste- sóficas. Destas últimas, a mais vasta é Kitab al-
mático não o impediu de dedicar-se a investiga- Shifa' (Livro da cura), e o mais resumido é Ki-
ções concretas como médico praticante, e ainda tab al-Najat (Livro da salvação). Ambos são tra-
hoje são reconhecidas a exatidão e o valor das tados completos de filosofia divididos em três
descrições que fez de certas doenças. Apesar dis- partes: lógica (mantiq), questões naturais (al-
so, Avicena não extraía a teoria da experiência, labi'iyyat = física) e questões "divinas" (al-ila-
mas, ao contrário, interpretava a experiência à hiyyat), vale dizer, metafísica. O Kitab al-Isharat
luz da teoria, utilizando-a como justificação e wa 'l-Tanbihat (Livro das orientações e advertên-
ilustração. Por isso, escreve no Cânon que quem cias) segue a mesma ordem, salientando os pro-
conhece os princípios da teoria e da prática do- blemas que se apresentam, as soluções possíveis
mina toda a ciência médica, "ainda que não a e os erros que devem ser evitados. Termina com
exerça". A experimentação pura é relegada ao uma exposição detalhada dos fundamentos e da
último confim da atividade médica com o nome natureza da espiritualidade. Há um grupo de
de muzawala. Essa atitude se repete nas questões obras que foram interpretadas de modos muito
de física. Assim, para justificar a afirmação de diferentes pelos historiadores, gerando grande nú-
que as pedras podem formar-se a partir do ele- mero de polêmicas; são os chamados "relatos vi-
mento água, Avicena conta no Shifa' que, ainda sionários": Epístola do Pássaro (Risalat al-Tayr),
jovem, observara a presença de certa espuma às história de Hayy ibn Yaqzan (O vivente filho do
AVICENA 85 AVICENA

vigilante), história de Salaman e Absal. O pro- nas causa dessas coisas, mas também dos dois
blema é saber se essas histórias devem ser inter- princípios acima mencionados, isto é, matéria e
pretadas alegoricamente, reduzindo seu conteú- forma. É ele que faz a matéria e a forma subsis-
do a uma exposição imagética de uma doutrina tir, e, por intermédio delas, faz subsistir os cor-
puramente racional, como faz M. A. Goichon, ou pos naturais." É também ele que explica e con-
como expressão simbólica de um conhecimento serva as almas dos corpos organizados e vivos:
de tipo gnóstico, recebido por iluminação, que almas das plantas, dos animais, dos homens e dos
deve ser apreendido por meio de uma hermenêu- corpos celestes. Por conseguinte, se as ciências
tica apropriada, como pensa H. Corbin. Cabe lem- da natureza são expostas antes da metafísica, não
brar, por fim, o projeto de uma filosofia "orien- é porque elas devam fornecer à filosofia pri-
tal" (al-hikmat al-mashriqiyya), da qual possuí- meira elementos como a noção de movimento
mos apenas a Lógica dos Orientais (Mantiq al- (como crera Averróis), mas sim porque o objeto
Mashriqiyyin), insuficiente para permitir uma dessas ciências está mais próximo de nós e se dá
avaliação de conjunto. De acordo com os traba- antes na percepção sensível, ainda que sem fun-
lhos de S. Pines, o título parece utilizar uma de- damento ontológico. Quanto à metafísica, deve
nominação geográfica para referir-se a uma cor- constituir-se por si e em si mesma, independen-
rente de pensamento desenvolvida na parte orien- temente das ciências particulares. Mas como? Se
tal do califado, que estaria mais centrada no neo- toda ciência deve receber princípios de uma ciên-
platonismo que a Escola de Bagdá. Finalmente, cia mais geral, como proceder com a metafísica,
deve-se assinalar que Avicena escreveu uma Epís- visto que não se poderia encontrar ciência mais
tola sobre o Amor (Risalat ai- 'ishq). No entanto, geral que ela?
essa é apenas uma pequena parte de uma obra Qual é, porém, o objeto da metafísica? Avi-
considerável, cujo inventário, feito por P. Anawati, cena retoma a definição dada por Aristóteles: o
abrange os manuscritos conservados e os títulos ser enquanto ser (al-mawjud bi-ma huwa maw-
conhecidos. Multiplicam-se as edições de obras jud). Só que não parte dessa noção para con-
que até hoje só existiam em manuscrito. cluir, em seguida, que a noção de ser é analógi-
Diferentemente de Averróis, Avicena consi- ca e que o primeiro análogo do ser é a substân-
dera que o saber fundamental é, de fato e de di- cia, alegando que não se pode pensar num ser
reito, o conhecimento metafísico, pois este dá qualquer sem que seja como substância ou rela-
acesso direto ao ser de que as outras ciências tra- cionado a uma substância. Avicena considera
tam sob aspectos particulares. É verdade que, inicialmente que esse objeto - o ser enquanto
nos tratados de Avicena, a física precede a meta- ser - dispensa o metafísico de recorrer a outra
física, mas é só porque a esta última cabe a de- ciência que lhe forneça seu princípio ou justifi-
monstração dos princípios e da existência do ob- que sua existência. De fato, em qualquer pensa-
jeto da primeira, pois toda ciência particular deve mento e em qualquer enunciado, está implicado
receber semelhante garantia de uma ciência mais o ser enquanto ser. Ao se fazer uma pergunta, o
geral. Assim, a física estabelece que os princípios quid (ma) é expressão e pensamento do ser.
de todos os corpos são a matéria e a forma, e que Quando se responde à pergunta dizendo "algu-
a matéria pode receber as três dimensões em vir- ma coisa" (shay') ou "é o que" (alladhi), o ser
tude da "forma corporal" (al-surat al-jismiyya), também está presente na mente e no discurso.
que enseja essas dimensões mas não se reduz a Não há nada mais comum que o ser: ele é en-
elas, de tal modo que um corpo físico (al-jism al- contrado sempre e por toda parte, mesmo em
tabi'í) é diferente de um corpo matemático (al- sua negação. Assim, não há por que procurar
jism al-ta 'limi). Pois a forma corporal não confe- defini-lo, não só porque ele não é um conceito
re apenas tridimensionalidade ao corpo, mas mais geral ao qual se deva acrescentar uma dife-
também características físicas, como a impene- rença específica que dele não poderia diferir,
trabilidade. Em vista disso, Avicena escreve: "O como também porque - a supor-se uma ciência
princípio separado das coisas naturais não é ape- superior à metafísica que lhe fornecesse os prin-
AVICENA AVICENA

cípios do ser - essa ciência estaria nas mesmas tos. Se constituirmos um conjunto (jumla) de to-
condições da metafísica; seria a metafísica. das as causas-efeitos, veremos que ele é infinito,
De Aristóteles, Averróis ficará com a idéia de pois, por mais que retrocedamos, encontraremos
que, para falar do ser, é preciso tomá-lo em rela- sempre uma causa-efeito. Ora, deve haver uma
ção a uma das dez categorias: será então o ser da causa do que existe, mas ela não faz parte desse
substância, ou da qualidade, ou da quantidade conjunto. É preciso dizer, portanto, que esse con-
etc. Mas Avicena acredita ser possível falar di- junto infinito tem uma delimitação (taraf) que
versas coisas do ser enquanto ser, sem ter de re- não faz parte dele e que não podemos atingir
ferir-se às categorias. "A divisão do ser nas cate- enquanto ficarmos nesse conjunto infinito. Inútil
gorias assemelha-se à divisão por diferenças es- querer descobrir, por esta via, a causa primeira.
pecíficas, embora não o seja. Do mesmo modo, Partindo, ao contrário, da possibilidade, chega-
sua divisão em potência e ato, uno e múltiplo, se ao necessário. Com efeito, um ser que, em si
eterno e engendrado no tempo, completo e defei- mesmo, é apenas possível, mas existe, terá for-
tuoso, causa e efeito, etc. assemelha-se a uma çosamente fora de si uma causa atual de sua
divisão por acidentes." O mesmo se diga da divi- existência, que, por sua vez, não pode ser um ou-
são do um. Com efeito, pode-se falar de substân- tro possível, senão remontaríamos ao infinito,
cias, qualidades, quantidades, etc, cujo ser este- mas o infinito não pode ser atravessado. Chega-
ja em potência ou em ato, seja causa ou efeito, e se, deste modo, ao Ser Necessário absolutamente
assim por diante. Vale dizer que o ser enquanto transcendente em relação ao mundo, exterior ao
ser pode ser pensado e apresentar-se segundo di- conjunto das causas-efeitos. É ele que, existindo
ferentes "tipos de ser" (asnaf), sem que seja ne- por si mesmo (bi-dhatihi), faz que existam os
cessária a intervenção das categorias, enquanto, possíveis, vale dizer, as essências que não impli-
inversamente, o ser das categorias pode ser posto cam a existência. Deste modo, o que é possível
em referência com esses asnaf a título de aciden- por si (mumkin bi-dhatihi) torna-se necessário
tes. Entre essas divisões do ser, há uma que é por outro (wajib bi-ghayrihi). É esse o funda-
fundamental: é a divisão entre ser possível e ser mento ontológico da distinção entre essência e
necessário. Se os seres existentes (al-mawjudat) existência. A existência de um possível é sempre
não contêm em si e por si as causas de sua exis- recebida, no sentido de ser extrínseca à sua es-
tência, precisam de um ser que seja por si mes- sência, sendo, desse ponto de vista, comparável
mo necessário, vale dizer, existente por si, em a um acidente. Por esse motivo, Avicena não con-
virtude de sua própria essência. Segundo Avice- sidera que a substância tenha privilégio ontológi-
na, "a causa de precisarmos do necessário (al- co pelo fato de todas as outras categorias serem
wajib) é a possibilidade (imkari), e não o fato da ditas por referência a ela: assim como as catego-
geração temporal (huduth), ao contrário do que rias, ela deve receber a existência, e os atributos
imaginam teólogos sem vigor de pensamento" da substância só existirão se a própria substância
(Najat). Esse texto é fundamental, pois afirma existir. Não há, portanto, analogia de atribuição
ser impossível chegar à causa primeira partindo que faça da substância o primeiro análogo do ser.
do fato da geração e da corrupção, vale dizer, dos O Ser Necessário (que, como veremos, é Deus)
seres. Aristóteles, considerando os movimentos doador de existência não é substância, mas sim
dos corpos, encontra sua causa num motor, mas "subsistente" (qayyum: termo do Alcorão que é
se esse motor fosse movido, não haveria como um Nome de Deus).
interromper um regresso ao infinito. Daí a idéia Chegamos ao mesmo resultado considerando
de um Primeiro Motor imóvel. Averróis retomou não mais o ser, porém o uno. Cada um dos exis-
essa idéia. Avicena, no entanto, vê nisso uma tentes possui uma unidade. Essa unidade, porém,
decisão arbitrária, e, aliás, afirma que o objeto é a unidade de uma multiplicidade, ou de um con-
da metafísica não poderia ser a causa primeira. A ceito, ou de uma definição. Trata-se de um com-
respeito, um trecho de Isharat é de extrema im- posto, e é preciso uma causa para essa composi-
portância. As causas que conhecemos são efei- ção. Apenas o uno absoluto, a quem a multiplici-
AVICENA 87 AVICENA

dade é estranha, não tem causa. Avicena deve es- essências não têm, como tais, uma existência que
sas idéias não apenas a Plotino, mas sobretudo a lhes seja própria, senão a existência seria dividi-
Alfarabi, que parece ter-se inspirado num versí- da em si mesma. Sendo puras essências, não pos-
culo do Alcorão, que diz que Deus é o Primeiro e suem ser nem disposição positiva a ser: um ente
o Último. Alfarabi mostra que o Primeiro, nada pode ser em potência, como por exemplo a se-
tendo antes de si, não tem causa, sendo por con- mente que é planta em potência; mas não o pos-
seguinte o Uno absoluto - não fosse assim, seria sível puro, e não se deve confundir possibilidade
composto, haveria uma causa para a sua compo- com potencialidade. Se fosse de outro modo, se-
sição, e ele não seria mais o Primeiro. Avicena ria preciso que as essências fossem criadas no
conclui daí que o Uno é o Ser Necessário. pensamento do Criador como Idéias exemplares
Rejeitando a analogia da atribuição, terá Avi- {muthul), o que poderia introduzir em Deus uma
cena alguma doutrina da analogia do ser? Por cer- multiplicidade contrária ao dogma fundamental
to que sim. Em suas Glosas à Pseudoteologia de da unidade divina (tawhid). Nesse sentido não
Aristóteles, ele escreve: "O ser da qüididade é o há nesse sistema essências realmente distintas da
próprio ser que acompanha essa qüididade. [...] existência. Avicena assim pensa. Mas para os
O ser em si mesmo, considerado em si, não é teólogos mutazilitas a dificuldade está em enten-
nada além do ser, e, apesar de unir-se às coisas derem por criação a doação de existência a seres
acima referidas, as qüididades, não é em si mes- que antes não existiam. Para Avicena, ao contrá-
mo dividido." O que nos engana são os termos rio, a criação é eterna, pois é impossível admitir
comumente utilizados para traduzi-lo: "ser ne- que o Agente (al-Fa';'/) exerça influência {ta 'thir)
cessário" e "ser possível". O árabe diz "necessá- sobre o nada. Dizer que ele dá existência aos
rio quanto à existência", "possível quanto à exis- possíveis é dizer que estes últimos a recebem
tência" (wajib al-wujud, mumkin al-wujud). Por- dele, e não que eles não existiam antes de rece-
tanto, não é o ser, como existência, que é dividi- bê-la, visto que esse "antes" é impensável. Dizer
do em necessário e possível; o que se divide que o possível pode existir ou não existir é dizer
assim são os seres como entes (mawjudat). A que nada há nele que o obrigue a existir ou a não
existência, porém, não se divide enquanto tal. A existir. Essa "obrigatoriedade" (daruri) só diz
existência de algo efêmero não é menos existên- respeito ao necessário (wajib) e ao impossível
cia que a do céu ou a de Deus. A diferença não (mumtani'). O necessário não pode não existir, e
afeta a existência como tal; afeta apenas a exis- o impossível não pode existir. Mas a possibilida-
tência de tal e qual qüididade que recebe um ser de não é do ser em potência, que tanto pode pas-
mais ou menos "diminuído". Segue-se daí que a sar ao ato quanto permanecer em potência. Ela é
analogia, em Avicena, é do tipo que se costuma a maneira de ser de um ser existente que, existin-
chamar analogia de proporcionalidade. No nível do, continua em si mesmo possível, pois não
dos entes, o ser é proporcionado à qüididade de tem em si a causa de sua existência. Assim são
cada um deles; o ser de tal substância é para essa as essências. Não recebem a existência depois de
substância aquilo que o ser de tal qualidade é para não terem existido. Elas existem, mas apesar
essa qualidade etc. disso continuam como possíveis em sua existên-
cia. Em outras palavras, todo possível é real, e
Acaso se pode falar em distinção real entre necessariamente real, pois o possível por si é
essência e existência, doutrina freqüentemente necessário por outro.
atribuída a Avicena? Não, se com isso se enten-
der que haveria uma existência das essências Portanto as essências existem, seja em seres
como tais, diferente da existência das essências concretos fora do pensamento, seja no pensamen-
existentes. Isso não teria sentido. Os teólogos to que as abstrai e as pensa relativamente aos en-
mutazilitas, afirmando que Deus só cria as exis- tes segundo a sua intencionalidade, seja por fim
tências, queriam dizer que, antes de existirem, as enquanto essências puras, o que cria um proble-
essências estão "em estado de nada" (fi hal al- ma delicado, visto que Avicena não admite que
udam). Essa expressão obscura significa que as elas existam como Idéias platônicas no pensa-
AVICENA AVICENA

mento de Deus, em que não deve haver multipli- essências das coisas como se elas fossem, nele,
cidade. Nesse aspecto, conforme já vimos, Avi- objetos de conhecimento separados, pois, nesse
cena aproxima-se da doutrina mutazilita. O Ser caso, seu conhecimento seria relativo a esses ob-
Necessário, que Avicena demonstra ser Deus, jetos, como ocorre com o homem. Além disso,
conhece apenas sua própria essência, idêntica à sendo diversas as essências, o conhecimento divi-
sua existência. Ele é ao mesmo tempo e identica- no admitiria a diversidade. Deus, porém, intelige
mente Aquele que intelige (ai- 'Aqil), o Inteligí- que ele é o princípio de todos os seres existentes.
vel inteligido (al-Ma'qul) e a Inteligência ('Agi). Ele intelige os fundamentos primeiros da essên-
Prova disso é que nada impede "a natureza da cia e da existência dos seres e conhece aquilo que
existência (tabi'at al-wujud) como tal de inteli- é engendrado a partir daí (ma yatawalladu 'anhu).
gir". O único obstáculo a isso é "o fato de ela es- Conseqüentemente, as essências puras só existem
tar na matéria ou estar cercada pelos acidentes da no conhecimento divino, mas na medida em que
matéria". "Ora, o Primeiro Princípio, o Ser Ne- este último é o conhecimento perfeitamente uno
cessário, está separado da matéria e dos aciden- que Deus tem de si mesmo como princípio de
tes da matéria. Logo, porquanto é uma ipseidade tudo aquilo que existe. Assim como ele não co-
(huwiyya) separada, é uma inteligência; se consi- nhece os seres particulares materiais submetidos
derado relativamente ao fato de sua ipseidade ser à mudança, pois assim seria afetado por tais mu-
separada em virtude de sua própria essência, ele danças, o que é impossível, também não conhece
é inteligível; se considerado relativamente ao fa- a diversidade como tal das essências, pois, do
to de sua essência (dhat) ou de seu em-si ter uma contrário, essa diversidade se introduziria nele.
ipseidade, ele é um ser que intelige" (Najat). Avi- Conseqüentemente, embora não se possa dizer
cena fala também da beleza (jamal) do Primeiro que Deus conhece os particulares em suas essên-
Princípio: "a beleza é o princípio de toda propor- cias universais e por elas, ele conhece da mesma
ção equilibrada (i 'tidaí), pois toda justa proporção maneira e com um conhecimento uno e único
se realiza na natureza múltipla de um composto tanto as essências universais quanto as criaturas
ou de uma mistura, nascendo daí uma unidade particulares. Isso quer dizer que ele as conhece
em sua multiplicidade. Ora, a beleza, o esplendor todas no princípio delas, que é ele mesmo, e que
(baha') de cada coisa consiste em ser conforme as faz ser o que são e existir como tais. As essên-
àquilo que ela deve ser. Que dizer, então, da bele- cias podem ser separadas da matéria apenas no
za daquilo que é conforme ao que deve ser no Ser sentido de que Deus as conhece como causas
Necessário? [...] Mas toda beleza é amada e apai- concomitantes dos existentes materiais. Elas es-
xonadamente desejada (mahhub wa ma'shuq)" tão ao lado da forma que, juntamente com a ma-
(ibid.). O grau mais nobre da apreensão da bele- téria, fornece a razão da qüididade (mahiyya) das
za é aquele em que ela é apreendida pela inteli- coisas. Mas embora se possa distinguir no mun-
gência. Por conseguinte, o Ser Necessário, inte- do as causas das essências (causa material e cau-
ligência que intelige em sua inteligibilidade per- sa formal) e as causas das existências (causa efi-
feita, é o próprio Amor (ai- 'hhq): ele é o Aman- ciente e causa final, sendo esta última a causa da
te ('ashiq) idêntico a si mesmo que é o Amado eficiência da primeira), elas todas se reúnem no
(ma 'shuq). Assim, há duas fórmulas de identida- Primeiro Princípio, e, de tal modo, que as essên-
de que se sobrepõem: ai- 'Aqil = al-Ma qul = al- cias jamais estão separadas das existências. Só
Aql, e al-'Ashiq = al-Ma'shuq = al-'Ishq. Essas se pode, pois, dizer que há distinção real entre
duas fórmulas são encontradas em Alfarabi, que essência e existência quando com isso se entende
certamente as retomou de pensadores nestoria- que as essências não são realmente causas de suas
nos com os quais esteve em contato e para os existências. E retornamos, aqui, a idéias já expos-
quais elas eram fórmulas trinitárias. tas anteriormente. A distinção entre essência e
Sendo assim, tudo deriva do conhecimento existência se reduz à distinção entre o ser possí-
que Deus tem de si mesmo, conhecimento que é vel por si e o ser necessário por um outro: o ser
perfeitamente uno e eterno. Deus não conhece as possível por si, mesmo permanecendo possível
AVICENA 89 AVICENA

em si, é necessário por um outro; não há possível de esta se conhecer como algo que Deus tornou
por si que não seja necessário por outro; todo necessário, nasce a alma ou forma da primeira
possível é real, todas as essências existem, não Esfera. Do fato de a primeira Inteligência conhe-
com uma existência de essência, mas com uma cer-se em si mesma como possível, surge a pri-
existência real. meira Esfera. Do mesmo modo, a segunda Inte-
Deste modo, a criação, assentada na relação ligência é seguida por uma terceira e está ligada
entre o possível e a existência, tem como agente a uma Esfera e à sua alma, e assim por diante, até
principal a ciência divina. É dela que todas as a décima Inteligência e a décima Esfera. Tem-se,
coisas procedem e, como é eterna, a criação é ab assim, a Esfera do Céu extremo, a Esfera das
aeterno, mas não como emanação natural exata- estrelas fixas e, em seguida, as esferas de Satur-
mente comparável à emissão dos raios lumino- no, de Júpiter, de Marte, do Sol, de Vênus, de
sos pelo Sol. O Ser Necessário é Deus, pois é In- Mercúrio, da Lua e, finalmente, o mundo sublu-
teligência e Amor, princípio da ordem e do bem. nar. A décima Inteligência é o Intelecto Agente,
Ele é Sabedoria eterna, vontade pura e perfeita. que não dá origem a nenhum corpo celeste, mas
Além disso, como procede da ciência, a criação governa o mundo sublunar. Ele é o "doador de
não poderia reduzir-se a um processo cego e in- formas" (wahib al-suwar), e, assim, comanda os
voluntário. Entretanto, embora fale de "criação" quatro elementos materiais; depois, sucessiva-
(khalq) como o Alcorão, Avicena também em- mente, por meio de combinações cada vez mais
prega a palavra árabe fayd, cuja raiz comporta complexas e com formas cada vez mais nobres
tanto a idéia de transbordamento por superabun- na hierarquia dos seres, vão-se constituindo o
dância quanto de procedência. Por isso, ela é mundo vegetal, o mundo animal e, por fim, o
geralmente traduzida por emanação ou proces- mundo humano. É o Intelecto Agente que ilumi-
são. Não se deve concluir, porém, que aquilo que na o intelecto do homem, que, movido por ele,
ele diz do fayd conduz ao panteísmo. O Ser Ne- se eleva aos inteligíveis e torna-se capaz de fa-
cessário é absolutamente transcendente ao mun- zer o caminho de volta até Deus. Nesse sentido,
do. Mas qual é, então, a razão da criação? Deus, esse esquema da criação está perfeitamente de
ao criar, tem algum desígnio? Se ele se basta (co- acordo com o ensinamento do Alcorão: Deus é o
mo, de resto, está no Alcorão), que necessidade Primeiro e o Ultimo, o Manifesto e o Oculto, e
tem ele de criar? Ele não precisa de nada, são as tudo deve retornar a ele. Ele é o Primeiro como
criaturas que precisam dele. Avicena responde ser Necessário; manifesta-se na criação, que
que ele cria por liberalidade (Jud), termo que sin- expressa toda a riqueza de seu conhecimento e
tetiza a riqueza ontológica e a dádiva. Por certo de sua essência-existência; é o Ultimo porque
se encontra aí a idéia do bonum diffusivum sui. tudo retorna a ele, e, nesse retorno, a profundeza
oculta do Criador revela-se ao homem por meio
Assim sendo, mesmo que a criação seja eter- de um conhecimento ao mesmo tempo intelec-
na, que não se realize no tempo nem por etapas, tual e místico. Com exceção de alguns retoques
mas de uma só vez (dafaf wahidaf"), nem por em detalhes, Avicena deve essa visão de mundo a
isso deixa de comportar uma ordem hierárquica Alfarabi.
que a revelação exprime por meio da imagem
dos seis dias. Essa ordem, porém, nada tem de Essas considerações nos conduzem ao pro-
temporal; é apenas uma ordem racional de pre- blema da alma e do intelecto. Também aí Avicena
cedência baseada na natureza das criaturas e no deve o essencial de suas doutrinas a Alfarabi. A
nível ontológico delas. Avicena parte do princí- alma é o princípio da vida e dos movimentos
pio neoplatônico de que do Uno só pode proce- "voluntários", vale dizer, daqueles que, diferen-
der o uno. Vejamos, então, como o múltiplo se temente dos movimentos naturais, não se diri-
introduz na criação. 0 primeiro ser que procede gem necessariamente para o alto ou para baixo.
da ciência divina é uma inteligência pura. Do Já aparecem nas plantas, que, conseqüentemen-
conhecimento que esta tem da essência do Ser te, têm uma alma chamada "vegetativa". Além
Primeiro, nasce a segunda Inteligência. Do fato desta, os animais possuem uma alma sensível, e
AVICENA 90 AVICENA

o homem, uma alma racional. Avicena considera mesmo ela continua sendo, mesmo depois de se-
que não é uma verdadeira definição Aristóteles parada de um corpo, a alma daquele corpo, e não
dizer que a alma é a enteléquia primeira de um de outro. E aqui é preciso lembrar a doutrina avi-
corpo dotado de órgãos e possuidor da vida em ceniana da individuação (tashakhkhus). Segundo
potência. Mesmo que isso se aplique à alma Avicena, esta resulta ao mesmo tempo da maté-
vegetativa, está longe de explicar as outras almas, ria e da forma, mas não do mesmo modo. Pode-
em especial a alma racional e a alma das Esferas. se resumir essa tese por meio de uma citação de
Ele constata que, no homem, o envelhecimento Nasir al-Din al-Tusi, extraída de seu comentário
do corpo não é necessariamente acompanhado aos Isharat: "É bastante claro, portanto, que a
pelo envelhecimento correspondente da alma em individuação da forma ocorre por meio de uma
suas faculdades intelectuais. Se estas às vezes pa- matéria determinada, porquanto essa matéria
recem declinar, é simplesmente porque lhes fal- pode receber a individuação da forma, ao passo
tam os meios corporais de expressão, e não por- que a individuação da matéria é realizada pela
que ela própria se tenha enfraquecido. O corpo não forma simpliciter, uma vez que a forma exerce
passa de instrumento para a alma, e é normal que uma ação sobre a individuação da matéria." Toda
ela se sinta embaraçada quando seu instrumen- forma, portanto, é princípio de individuação da
to se deteriora. Avicena tenta, então, mostrar que a matéria, mas nem toda matéria é princípio de
alma, como forma do corpo, não deixa de ser uma individuação da forma. A matéria primeira é in-
substância no sentido de possuir autonomia. Não dividuada pelas formas elementares ao mesmo
é do corpo que ela recebe suas atividades e seus tempo em que as individua. As formas mais com-
conhecimentos: não é o olho que enxerga, mas a plexas, porém, só podem ser individuadas por
alma, por intermédio do olho que ela anima. tais e tais matérias determinadas. Conseqüente-
Sem o olho, porém, a alma não enxerga. Todos mente, a forma humana de 'Amr ou de Zayd só
os conhecimentos sensíveis, por isso, desapare- pode ser individuada pelo corpo de 'Amr ou de
cem com o corpo, e o corpo desaparece porque o Zayd. A alma de um deles, portanto, não pode-
desgaste causado pelo uso não permite mais que ria ser a alma do outro. Embora seja uma subs-
a alma o anime, tal como um instrumento que tância incorpórea, a alma só pode ser concebida
se torna imprestável. Mas as faculdades intelec- em sua essência como alma de um corpo deter-
tuais permanecem. No homem, a alma racional minado. Avicena esforçou-se por esclarecer
assume a alma vegetativa e a alma animal. As esse ponto em sua teoria do ma'ad (lugar de
faculdades sensíveis mantêm relação com a ma- retorno, estado da alma após a morte) do ponto
téria, ainda que as formas de conhecimento que de vista filosófico, pois, do ponto de vista teo-
elas fornecem já estejam abstraídas da matéria, lógico, o dogma da ressurreição dos corpos re-
pois elas estão na alma, que não é um corpo e solve o problema. De qualquer modo, Algazali
não pode, por isso, recebê-las do mesmo modo parece estar errado quando reprova Avicena por
que a matéria recebe as formas. Tem-se aí um in- acreditar na sobrevivência apenas da alma ra-
dício da imaterialidade da alma. Se participasse cional. Pode-se dizer que "alguma coisa" do cor-
da materialidade do corpo, ela seria, como ele, di- po subsiste, nem que sejam apenas os vestígios
visível e não poderia receber os inteligíveis, que do bem e do mal que a alma, ao longo da vida
são indivisíveis. terrena, em sua união com o corpo, recebeu por
ocasião de suas ações, vestígios dos quais resul-
Essa doutrina não deixa de ser problemática,
tarão, na outra vida, as alegrias no paraíso ou
e Avicena estava bem ciente disso. Se a alma é
as dores no inferno. Se esses vestígios perma-
uma substância, como conceber sua união com o
necem, é porque subsiste uma relação essencial
corpo? Poderá ela unir-se a qualquer corpo e,
entre alma e seu corpo mesmo depois do desa-
após a morte, ser capaz de animar um corpo di-
parecimento desse corpo. É exatamente essa re-
ferente daquele que ela acaba de deixar? Isto jus-
lação que justifica a possibilidade da ressurrei-
tificaria a metempsicose, que Avicena nega, em
ção dos corpos.
sintonia com toda a tradição islâmica. Por isso
AVICENA 91 AVICENA

A teoria aviceniana do intelecto deve muito contato uns com os outros, de tal modo que não
aos comentários de Kindi (796-866?) e sobretu- há nenhuma espécie de tato. Em suma, esse ho-
do aos de Alfarabi, eles próprios influenciados mem não tem sensação exterior ou cenestésica
por todos os comentadores gregos (Alexandre de alguma. É como se não tivesse corpo. Nesse es-
Afrodísias, Temístio etc.)- Examinemos primeiro tado, Avicena diz que esse homem saberá que
o intelecto especulativo. Do mesmo modo que as existe e se conhecerá como um "Eu" {Ana), o que
cores, visíveis em potência, se tornam visíveis prova que a alma, esse "Eu", é independente do
em ato sob a ação da luz, e nossa visão também corpo. Essa hipótese aparece bruscamente, no
passa da potência ao ato, os inteligíveis em po- meio do tratado sobre a alma do Shifa', depois
tência na imaginação tornam-se inteligíveis em de Avicena ter-se embatido com as dificuldades
ato sob a ação do Intelecto Agente separado. O da demonstração da substancialidade da alma,
intelecto em potência é chamado material (hayu- como se o filósofo houvesse subitamente deses-
lani) ou passivo {munfa';'/) por referência (qiyas) perado de chegar a um resultado satisfatório pela
ao Intelecto Agente. Entre ambos, há o intelecto via aristotélica, que trata a alma como se ela fos-
adquirido (al-'aql al-mustafad). Este se realiza se um capítulo da ciência da natureza. Pode-se
quando a luz do Intelecto Agente iluminou todos concluir que nem a "física" nem aquilo que cha-
os inteligíveis e já não resta nada em potência no mamos de "psicologia" são capazes de explicar o
intelecto humano. Via de regra, nosso intelecto que é a alma. Aí está uma verdadeira guinada no
intelige, em ato, certos inteligíveis cm certos estudo do homem. Fakhr al-Din al-Razi, que co-
momentos. Por isso mesmo é preciso distinguir menta os Isharat um século mais tarde, sendo
esse intelecto em ato, que não é isento de potên- fortemente influenciado por Avicena, define o ho-
cias, do intelecto adquirido. Por outro lado, o mem em seu Comentário ao Alcorão como sen-
intelecto em ato pode parar de inteligir os inteli- do um "Eu". Contudo, essa idéia nova nunca foi
gíveis que o atualizaram, como ocorre quando sistematicamente explorada por seu autor.
um sábio pára de pensar nos objetos de sua ciên-
Quanto ao intelecto prático, comanda as ações
cia, pois ele nem sempre está no exercício da
e a vida moral. Como intelecto, lança luzes sobre
ciência (in actu exercito, como dizem os lati-
as maneiras convenientes de agir nas diversas
nos). Mas então seu intelecto não volta ao esta-
situações em que um homem pode encontrar-se.
do de intelecto material e passivo. Permanece
Mostra o que se deve fazer e o que não se deve.
como habitus, e nesse caso é intelecto "habi-
O mal tem raiz dupla: de um lado, é privação
tual" (ai- 'aql bi 'l-malakà). Só quando o intelec-
devida à matéria, que limita, opõe e cria conflitos
to passivo passou completamente ao ato e não
de toda espécie; nesse sentido, o mal não pode ser
comporta mais nenhuma potência é que se pode
eliminado, mas a razão permite contê-lo e domi-
falar em intelecto adquirido, em constante união
ná-lo; de outro lado, o mal é resultado da igno-
com o Intelecto Agente. O grau mais elevado
rância, e, nesse sentido, pode ser vencido, por-
dessa união é o da revelação profética, que pode
quanto o conhecimento da verdade permite pôr
assumir formas muito diferentes e vir acompa-
cada uma das faculdades da alma em seu exato
nhada, às vezes, por fenômenos sensíveis. Mas
lugar, em particular a alma concupiscível em suas
ela é essencialmente uma iluminação interior que
relações com a alma irascível e com a alma ra-
se produz de súbito e marca o último termo da
cional. A idéia platônica de justiça assume então
reflexão filosófica.
valor importante e coaduna-se com a idéia aris-
totélica de virtude como justo meio-termo. A res-
A grande originalidade de Avicena, porém,
peito, o pensamento de Avicena não é muito ori-
está naquilo que se passou a chamar de hipótese
ginal, apesar de ter introduzido em seu estudo
do homem voador, que, no dizer de alguns, é o
virtudes especificamente "árabes" que não têm
cogito aviceniano. Ele supõe um de nós que, cria-
equivalente exato na ética grega. Quanto à políti-
do de repente, não vê nada do exterior, está no
ca, é concebida segundo o modelo platônico. As
vazio, de tal modo que não tem sensação alguma
leis civis devem apoiar-se no conhecimento de
do ar ambiente, e seus membros não entram em
AVICENA 92 AVICENA

princípios eternos. Nisso, Avicena se inspira em Paris, 1951; da mesma autora, Kitab al-Hudud, Livre des Dé-
duas idéias do Alcorão que ele utiliza para seus fmitions, texto árabe estabelecido, traduzido e anotado, Pa-
ris, 1963; H. Jahier e A. Noureddine, Poème de Ia médecine
próprios fins: todo verdadeiro legislador (como
(trad. do Urjuza fi'1-tibb), Paris, 1956; H. Massé e M. Ache-
é o caso do Profeta Maomé) deverá edificar na, Le Livre de Science (Danesh-Nama), 2 vol., Paris,
suas leis sobre duas verdades que são a base da 1955-1957; H. Massé, "Le poème de l'âme", em Revue du
shari 'a (Lei) muçulmana: a unidade e unicida- Caire, junho de 1951, pp. 7-9.
de de Deus (al-tawhid) e o retorno a Deus (al-
=> M. Amid, Essai sur Ia psychologie d'Avicenne, Gene-
ma 'ad). A primeira fundamenta a unidade da co- bra, 1940; Carra de Vaux, Avicenne, Paris, 1900; H. Cor-
munidade humana, sua ordem e sua harmonia; a bin, Avicenne et le récit visionnaire, 2 vol., Paris-Teerã,
segunda esclarece as finalidades do homem, tan- 1954; t. 1: Le récit de Hayy ibn Yaqzan; t. II: Elude sur le
to as do indivíduo quanto as da comunidade por cycle des récits avicenniens; do mesmo autor, Avicenne ei
le récit visionnaire, 2' ed., Berg International, 1979; do
eles formada. A Comunidade do Profeta (Ummat
mesmo autor, Histoire de Ia philosophie islamique. Paris,
al-Nabi), modelo de sociedade justa, é interpre-
1964, pp. 235-45; M. Cruz Hernández, "Algunos aspectos
tada por intermédio do ideal platônico da justi- de Ia existência de Dios en Ia filosofia de Avicena", em Al-
ça na cidade. Andaluz, t. XII, 1947, pp. 97-122; do mesmo autor, Me-
Diferentemente daquilo que Averróis ensinará tafísica de Avicena, Granada, 1949; do mesmo autor, His-
a respeito da independência da filosofia (o que toria de Ia filosofia hispano-musulmana, Madri, 1957,1.1,
pp. 105-52; do mesmo autor, La filosofia árabe, Madri,
introduzirá o problema das relações entre razão e
1963, pp. 69-112; L.Gardet, La pensée religieuse d'Avi-
fé, entre prova demonstrativa e prova pela revela- cenne, Paris, 1951; do mesmo autor, La connaissance mys-
ção: distinção entre 'aql, razão, e naql, tradição), tique chez Ibn Sina et ses présupposés philosophiques, Pa-
pode-se dizer que a filosofia de Avicena jamais ris, 1952; I. Madkour, Le traité des Catégories du Shifa, em
se separa da religião e que se abre para a mística. MIDEO (Mélanges de 1 'Instituí dominicain d 'Etudes orien-
Apresenta-se como explicação racional dos gran- tales), V, Cairo, 1958, pp. 253-78; M. A. Goichon, La dis-
iinction de 1 'essence et de l 'existence d 'après Ibn Sina,
des dogmas do islamismo, é movida pelos valores
Paris, 1937; da mesma autora, Lexique de Ia langue philo-
essenciais do islame. Era Avicena um crente con- sophique d'Ibn Sina, Paris, 1938; da mesma autora, Vo-
victo? Era um sunita ou inclinava-se mais para o cabulaires compares d'Aristote et d'Ibn Sina, Paris, 1939;
xiismo, ou mesmo para o ismaelismo (seu pai era da mesma autora, La philosophie d'Avicenne et son in-
ismaeliano)? Isso já foi discutido, mas é difícil fluence en Europe médiévale. Paris, 1951; da mesma auto-
estabelecer definições nessas questões de cons- ra, Le récit de Hayy ibn Yaqzan commentè par les textes
d'Avicenne, Paris, 1959; da mesma autora, verbete "Ibn
ciência. O certo, porém, é que ele deve - pelo
Sina" na Encyclopédie de 1'Islam, 2" ed., III, pp. 965-72;
menos em parte - esse caráter de seu pensamento G. Quadri, La philosophie árabe dans l 'Europe médiéva-
à profunda influência de Alfarabi. le, Paris, 1960, pp. 95-121; La doctrine psychologique
d'Avicenne iníerprétèe par Hugues de Sienne; Soubiran,
• Traduções francesas: G. Anawati, La Métaphysique du
Avicenne, prince des médecins, sa vie et sa doctrine, Pa-
Shifa' (livros 1 a 5), introdução, tradução e notas, Paris,
ris, 1935.
1978; M. A. Goichon, Livre des directives et remarques
(trad. franc. dos Isharal com introdução e notas), Beirute- Roger ARNALDEZ
B
BAADER Franz von, 1765-1841 especial por Goethe. Tendo adquirido certa fama,
Baader angariou muitas amizades - como demons-
Filósofo alemão, nascido em Munique; desti-
tra sua correspondência - e inseriu-se ativamen-
nado à medicina, como o pai, estuda na Univer-
te no debate especulativo de sua época, manten-
sidade de Ingolstadt, famosa por ensinar segun-
do contatos estreitos com Jacobi e Schelling. No
do os preceitos da Companhia de Jesus. Ali foi
entanto, até 1809, sua produção não foi caracte-
profundamente influenciado pelo teólogo católi-
rizada por textos particularmente importantes, à
co Michael Sailer, simpatizante do pietismo, que
parte certas Notas e Ensaios de filosofia sobre a
o incitou a seguir a doutrina do teósofo Louis
sociedade. Em compensação, pôde aprofundar
Claude de Saint-Martin, determinante para sua
seus interesses especulativos através do estudo
formação. Obteve o mestrado após defender uma
das correntes cabalísticas e teosóficas do pensa-
tese sobre o flogisto, manifesto significativo da
mento ocidental e, em particular, através da des-
nascente filosofia romântica da natureza, mas
coberta da filosofia de J. Bühme que, graças a
logo depois abandonou a carreira médica e foi
ele, recuperou a notoriedade entre os contempo-
para Frieberg, onde estudou mineralogia com o
râneos. O trabalho que exercia de inspetor de mi-
famoso naturalista A. G. Werner, que também foi
nas, aliás, levou-o a lidar com doutrinas sobre o
professor de Alexander von Humboldt. De 1792
magnetismo e a conhecer a obra de Mesmer; tam-
a 1796, Baader esteve na Inglaterra, onde fez
bém é conhecida a sua curiosidade por qualquer
amizade com W. Godwin, cujo livro radical de
fenômeno "paranormal". Todo esse fervor espe-
1793 comentou com simpatia. Essa amizade, alia-
culativo confluiu, em 1813, para um ensaio, Über
da ao brusco contato com a triste condição do
die Begrundung der Ethik durch die Physik, em
proletariado inglês nascente, marcou uma expe-
que, polemizando com Kant, formula a teoria da
riência determinante para a elaboração futura da
dupla física, celeste e terrestre. Seguiram-se nu-
sua filosofia da sociedade, que tinha uma postura
merosas obras menores de caráter ocasional, so-
bastante crítica diante do materialismo da época.
bre os assuntos mais variados: de filosofia da so-
Durante os anos que se seguiram à sua volta à
ciedade e economia política a metafísica e filo-
Alemanha, escreveu as primeiras obras filosó-
sofia da religião. Devem ser citados: Über den Blitz
ficas de certa importância: Uber Kants De-
ais Vater des Lichtes (1815), Über den Urternar
duktion der praktischen Vernunft und die absolu-
(1816) e Über den Begriff der Zeit (1818), que
te Blindheit der letzern (1796), início de sua crí-
costuma ser considerado uma de suas obras-mes-
tica a Kant, que será, em seguida, um elemento
tras. A partir de 1820, aposentado, Baader deu
constante de sua especulação: Beitràge zur Ele-
início a uma atividade mais sistemática no cam-
mentarphysiologie (1797) e Über das pythagoreis-
po filosófico, intensificando sua produção, ten-
che Quadrai in der Natur (1798); essas obras fo-
tando sistematizá-la, travando contatos estreitos
ram muito apreciadas pelos contemporâneos, em
com a comunidade de intelectuais alemães agru-
BAADER 94 BAADER

pados ao redor da corte do czar Alexandre I. textos breves, caracteriza-se pela falta de siste-
Baader tinha em vista a fundação de uma acade- matização - em parte voluntária - e pela recor-
mia cristã das ciências e, com esse objetivo, fez rência circular de temáticas constantes, retoma-
uma viagem à Rússia, com apoio das autorida- das segundo as perspectivas das investigações
des. Contrariando suas expectativas, essa missão mais variadas e aparentemente heterogêneas. Po-
foi um fracasso, e o filósofo foi obrigado a re- lemizando com os grandes sistemas filosóficos
nunciar a esse projeto e a voltar a Munique, onde de seu tempo, Baader propôs-se em primeiro lu-
escreveu uma apologia de sua ação, Bemerkun- gar conciliar suas posições opostas e, em decor-
gen über einige antireligiõse Philosopheme un- rência de sua meditação apaixonada sobre a filo-
serer Zeit. Costuma-se situar no período que vai sofia de Bõhme, demonstrar suas limitações e
de 1822 a 1826 a redação e a publicação de uma desvios, para reconduzir a especulação alemã
obra extremamente importante para a compreen- como um todo às suas raízes mais autênticas e
são de seu pensamento, Fermenta cognitionis. A para reformulá-la como conciliação perfeita de
partir de 1826, na qualidade de professor hono- humanismo, teísmo e naturalismo. Seu estilo, ex-
rário da Universidade de Munique, Baader deu tremamente figurado e obscuro, contrariou a es-
aulas de dogmática especulativa e de filosofia da trutura "progressista e universal" da poesia ro-
religião, cujo material foi depois publicado sob mântica teorizada por Friedrich Schlegel, e sua
sua supervisão. Entre os textos mais notáveis des- personalidade de filósofo teósofo valeu-lhe a de-
ses anos merecem menção especial: Sãtze aus der finição de "mágico do Sul", já que Hamann era
erotischen Philosophie (1828) e Vierzig Satze aus considerado o "mágico do Norte". Baader foi,
einer religiõsen Eroük (1831), obras de filosofia em todo caso, um dos primeiros pensadores ro-
erótica. Em 1839, por ocasião das reações pro- mânticos alemães iniciadores das temáticas da
vocadas em Colônia pela declaração do papa, época: logo de início, a exaltação vitalista da na-
que se opunha à disciplina flexível dos casamen- tureza, em polêmica com o mecanicismo das
tos mistos, Baader publicou um ensaio, Über die ciências naturais de origem iluminista. Essa exal-
Thunlichkeit oder Nichtthunlichkeit einer Eman- tação tinha por objetivo redescobrir na natureza
cipation des Katholicismus von der rõmíschen mesma os vestígios do estado edênico do homem
Diktatur in Bezug auf Religionswissenschaft, com e consagrar o corpóreo como o lugar privilegia-
fortes críticas ao papismo cesarista. Por conse- do da encarnação do divino, pois ele foi criado
guinte, foi suspenso de suas funções universitá- como proteção extrema contra o aniquilamento
rias. Além disso, naquele mesmo ano, casara-se cósmico, que é conseqüência do pecado de Lúci-
com sua juveníssima governante, o que provo- fer. Nesse sentido, todos os fenômenos anormais
cou certo escândalo. Os últimos anos de sua re- ou paranormais adquirem importância especial,
flexão foram caracterizados por objeções à polí- como por exemplo o sonambulismo, a telepatia e
tica do Vaticano, cujo testemunho se encontra a telecinesia, que, interrompendo a cadeia dos
em textos de certo interesse, em especial no en- acontecimentos naturais, permitem entrever, para
saio Der morgenlãndische und abendlãndische além da forma normal da supranatureza e da
Katholicismus mehr in seinen inneren wesentli- subnatureza, o divino e o demoníaco, entre os
chen ais in seinen ãusseren Verhãltnissen darges- quais o homem oscila, dividido. Para isso, o tem-
tellt (1841), em que ele opõe à constituição cató- po, para Baader, em vez de poder ser reduzido a
lica, que é hierárquica, a estrutura colegial orto- uma função transcendental neutra, é a dimensão
doxa russa. Contudo, segundo seu primeiro bió- da recomposição ou da definitiva infração da
grafo (o discípulo Franz Hoffmann), às portas unidade-totalidade orgânica da consciência hu-
da morte, em 1841, Baader renunciou a suas dou- mana. Ao mesmo tempo, juntamente com esta
trinas anticatólicas e quis reconciliar-se com a última dimensão, sendo seu suporte e sua raiz, o
Igreja de Roma. tempo é a dimensão da vitalidade da natureza,
Franz von Baader foi um representante origi- perturbada e desrespeitada devido ao desloca-
nal das correntes esotéricas e místicas da filoso- mento de sua própria situação cósmica. Nesse
fia romântica alemã. Sua reflexão, espalhada em processo de reconciliação dinâmica em que se
BAADER 95 BAADER

desenrola a ação do temporal, Eros desempenha contraste entre as forças de atração e repulsão,
papel fundamental, interpretado como centro mo- mas sim de encontro entre duas atrações, duas
tor da luta pela fundação e pela conquista do Si, imaginações: a imaginação produtora e a imagi-
que, nesse sentido, se torna uma verdadeira arte nação reprodutora. Por conseguinte, deverá ins-
erótica. De fato, inspirando-se em Bõhme, Baa- taurar-se a luta - que já se instaurou em decor-
der põe no centro de sua filosofia o problema da rência do pecado original - entre a atração para o
Verselbstándigung, ou seja, da geração do ho- Si divino e a atração para o egoísmo demoníaco,
mem novo à imagem de Deus, na eterna intera- entre a repulsão para Lúcifer e a repulsão para o
ção dialética das duas tinturas originais, masculi- Saber divino. A mesma relação entre causalidade
no e feminino, cuja relação fecunda encontra ex- e fundamento revela-se plena de valências eróti-
pressão máxima na união andrógina que ocorre cas, e chega a ser o auge da dialética produtora
na divindade. A filosofia erótica representa, pois, que começa com a imaginação. A geração, com
o cerne do pensamento de Baader, e é aí que se efeito, é fundação, constituição do Si no nasci-
pode apreender seu aspecto mais original e mais mento do Filho em seu nível mais elevado, o da
problemático para a história da filosofia moder- Trindade, em que pai-mãe-filho são os poderes
na. A filosofia erótica propõe-se como concep- mesmos da Verselbstándigung. A identificação
ção antropológica sendo doutrina teológico-teo- do Pai com a causa incausada - afirma Baader -
sófica e, como tal, reivindica sua própria signifi- criou as aporias bem conhecidas do panteísmo e
cação de pensamento alternativo à filosofia do- do acosmismo: se, ao contrário, ele for concebido
minante da época; a esta última Baader quer opor como principium rationis sufficientis, princípio
um processo inverso à redução cartesiana ao ego do fundamento, em alemão Grund, poder-se-á
cogito et sum, cuja autofundamentação ele recu- remontar ao momento em que ainda só é vontade
sa com o objetivo de apropriar-se de novo de de gerar-se e de criar aquilo como cujo fundamen-
tudo o que precede ou sucede à sua clareza e à to ele se coloca em seguida, ou seja, remontar a
sua distinção. Uma vez suspensa a identidade seu desejo de ser pai. Tornando dinâmica a pri-
"egoística", a consciência é chamada a reingres- meira pessoa da trindade, Baader chega, nesse
sar num longo e complexo processo de distilação sentido, ao Deus sem-fundamento, ao Ungrund
alquimista do Si, para ser conduzida, através da que se manifesta como sede privilegiada da ma-
água materna da sensualidade, que é o princípio gia geradora originária. O Ungrund - conceito e
obscuro da raiz, o molde, à região solar do espí- termo de tradição bôhmiana - é o abismo pri-
rito. Esse processo começa com a imaginação, mordial em que a divindade, que não é ainda Pai,
que é a faculdade geradora por excelência, a que é potencialmente andrógina, existindo como pos-
permite a ação das duas tinturas, potências pro- sibilidade de gerar o Filho e, com ele, a mesma
dutoras e reprodutoras. No começo há, portanto, força ativa paterna. Para isso, o Ungrund carac-
a magia, ou seja, a totalidade das imagens poten- teriza-se como natureza eterna em Deus, que é o
ciais; ela é magnética, porque pode ter fixações myslerium semper tegendum da fonte da qual ele
infinitas, como as figuras que contém potencial- deriva, e renova-se eternamente a dinâmica ines-
mente. Como tal, a magia desencadeia o duplo gotável da geração e da criação divinas. O Filho,
desejo do molde, o desejo de ser preenchido e o enfim, o Grund, é a figura do andrógino fixado,
apetite que o leva a preencher, a fecundar-se: à enraizado; é o ponto final da Verselbstándigung,
sua receptividade passiva, tintura feminina, cor- o Si que concilia as duas tinturas. O processo in-
responde a excitação do princípio ativo forma- teiro, com efeito, não tende para uma estase fi-
dor, genitor, tintura masculina que o engendra nal, mas para a glorificação e para a alegria do
para consentir que sua própria expansão produti- Sabbath, utilizável somente onde se resolve o cír-
va se defina no produto, o genitus, O genitus, por culo dialético, e o fim coincide com o princípio,
sua vez, é a conciliação das duas tinturas, pois reacendendo a efervescência criadora. Esse ter-
representa a calma do princípio ativo e a ativação mo é a Sophia, quarto momento passivo do pro-
do princípio passivo. Mesmo em filosofia da cesso de produção divina e espelho onde as ima-
natureza, portanto, não se deverá mais falar de gens originariamente potenciais são por fim re-
BAADER 96 BACHELARD

fletidas em sua atualidade: a Sophia, que não é Deus. A tarefa do filósofo será, pois, a constru-
criada nem criadora, nada acrescenta ao santo ção da ciência da religião: um saber que parte do
ternário, à trindade, mas assume uma função reconhecimento do superior divino para desen-
mediadora entre Deus e o cosmo, fecundando o volver a consciência do inferior natural, com o
homem com a imagem divina de que está pre- objetivo de realizar a missão especulativa atribuí-
nhe, tornando-o assim capaz de fecundar, por da ao homem no plano providencial da salvação e
sua vez, a natureza, até a reconciliação cósmica da reconciliação cósmica.
final. Toda divisão dualista, portanto, poderá ser
• Beitrâge zur Elementarphysioiogie, Hamburgo, 1977;
superada apenas com uma dialética quaternária,
Über das pythagoreische Quadrai in der Natur, Tübingen,
em que o ativo, o progressivo - a tintura mascu- 1798; Über die Begrundiing der Ethik durch die Physik,
lina - provoca por si mesmo uma atividade cor- 1813; Über den Blilz ais Vater des Lichtes, 1815; Über den
respondente no passivo que lhe é contraposto e Urternar, 1816; Über den Begriffder Zeil, 1818: Satze aus
se reúne com ela e vice-versa: o andrógino não é der erotischen Phihsophie, 1828; Vierzig Sãtze aus einer
nem a negação do macho e da fêmea nem a pre- religiõsen Erolik, 1831.
varicação de um sexo sobre o outro nem a ausên- => D. Baumgardt, F. V. Baader und die phihsophische
cia de sexo, mas sim a fusão do masculino com Romantik, Halle. Niemeyer, 1917; E. Benz, Les sources
esse masculino que se torna manifesto - saindo mystiques de Ia phihsophie romantique allemande. Paris,
de sua própria latência - no feminino; e do femi- Vrin, 1968; E. Susini, E V. Baader et ie romantisme mysti-
nino com um feminino que deve, de uma manei- que. Paris, Vrin, 1942; Lettres inédites de E V. Baader,
ra análoga, tornar-se manifesto no masculino. A Paris, Vrin, 1942; Lettres inédites de E V. Baader, 4!' Vo-
história inteira - assim como a história do pensa- lume, Paris, PUF, 1967; Notes et commenlaires aux Lettres
inédites de F. V. Baader, 2 vol., Viena, Herder, 1951.
mento e das instituições - é teatro da luta pela
fundação, em que o homem oscila entre o fato de Lidia PROCESI XELLA
se deixar parir pela imagem de Deus e a tentação
demoníaca de parir a natureza - não podendo
parir a própria Sophia por meio de sua própria BACHELARD Gaston, 1884-1962
imagem. O temporal é, pois, uma seqüência e
um entrecruzar-se contínuos de fundações - ge- Filósofo, epistemólogo, crítico literário, Gaston
rações do Filho, o Si - e de destruições do funda- Bachelard nasceu em Bar-sur-Aube em 27 de ju-
mento - supressão dos produtos "bastardos" do nho de 1884 e morreu em Paris no dia 16 de outu-
demoníaco - suspensas sobre o abismo da perda bro de 1962. Sua prodigiosa atividade não poderia
do fundamento. Nesse sentido todo enrijecimen- ser classificada nas categorias acadêmicas cita-
to no passado torna ilicitamente absolutas as das aqui a título puramente indicativo: ele mal-
configurações precedentes, o que leva à morte e tratou a epistemologia tanto quanto a filosofia e
ao apagamento da configuração como tal. Exem- a crítica. Na verdade, ele é principalmente aquilo
plo disso são as dissensões trágicas entre as Igre- que afirma não ser: cientista, poeta, pensador.
jas cristãs ou a brutalidade do estado monárqui- Na sua cidade natal, seu pai tinha uma loja de
co absolutista, cujo reverso é a violência sangüi- venda de jornais e tabaco; seu avô era sapateiro.
nária do estado revolucionário. Em filosofia Dessa origem modesta, ele conservou uma gran-
também se batem partidos igualmente extremis- de famíliaridade com a natureza e os ofícios, a
tas que sustentam, em fronts opostos, a tese co- saudade tenaz da vida na província e um sotaque
mum da impossibilidade de conciliação entre inimitável (burguinhão, segundo alguns puristas
religião e ciência: os místicos carolas, os Schwàr- do Barrois).
mer entusiastas que preconizam a ignorância Depois de fazer os estudos secundários no co-
opondo irredutivelmente a fé, como não-saber, à légio de Bar-sur-Aube, torna-se professor-adjun-
ciência que se tornou demoníaca, e os pretensos to durante um ano no Collège de Cézanne (1902-
racionalistas, que se recusam com arrogância a 1903). A seguir, ingressa na administração dos
reconhecer na fé uma forma elevada de saber, a Correios como comissionado em Remiremont
consciência de seu próprio ser-conhecido por (1903-1905), "carreira" que prosseguirá em Paris
BACHELARD 97 BACHELARD

como amanuense dos Correios e Telégrafos (1907- tipos opostos de vigilância: rigor científico, por
1913); mas antes faz serviço militar no II Regi- um lado, e sensibilidade poética por outro; entre
mento dos Dragões, em Pont-à-Mousson, ao qual elas, ele traçou fronteiras estanques, de sorte que
voltará sete anos depois, em 2 de agosto de 1914. nada permite concluir de uma verdade poética
Foi ganhando a vida na sua agência parisiense dos uma realidade científica, visto que qualquer con-
Correios, quando a semana de trabalho era de fusão de gêneros é altamente perniciosa. Esses
sessenta horas, que ele deu início aos estudos dois aspectos de seu trabalho, que parecem con-
superiores na Faculdade de Ciências; em 1912, figurar quase duas obras paralelas, não são exa-
forma-se em matemática. Tira então uma licença tamente contemporâneos: a metafísica do imagi-
(1913-1914) para preparar o concurso de bolsis- nário começa com uns dez anos de atraso, tendo
ta dos Telégrafos no Lycée Saint-Louis. Essa como primeiro representante A Psicanálise do Fo-
preparação será interrompida pela guerra. Casa- go (1938), e, sem dúvida, a inquietação poética
se pouco antes da mobilização, em 8 de julho de domina os últimos anos: após Materialismo Ra-
1914; sua filha Suzanne nasceu desse casamen- cional (1953), obra epistemológica maior, são
to, que foi logo desfeito pela morte da mulher publicados A Poética do Espaço (1957), A Poéti-
(20 de junho de 1920). Da guerra, nada lhe foi ca do Devaneio e A Chama de uma Vela (1961),
poupado; passa a maior parte dela nas unidades que interrogam a imagem em sua intimidade.
de combate nofront (cruz de guerra, menção hon- Mas o regime dominante nem por isso deixa de
rosa na divisão). Desmobilizado em 1919, in- ser a alternância. Ora, Bachelard evidentemente
não pára de ser poeta para voltar a ser cientista,
gressa no magistério secundário e durante dez
ele é um só nesses dois modos de olhar as coisas.
anos será professor de física e química no mes-
"Sentimos que esses dois temas são desenvolvi-
mo colégio de Bar-sur-Aube que freqüentara na
dos a partir de um mesmo pensamento, de um
adolescência.
mesmo projeto imaginativo, que é um projeto
Foi durante esse período que ele se converteu de abertura integral", escreve Jean Hyppolite
à filosofia, por razões nada estranhas à física, ("G. B. ou le Romantisme de l'intelligence",
pois foi ele um dos primeiros a impressionar-se Revue philosophique, janeiro-março de 1954). O
com o abalo causado pela teoria da relatividade. espírito científico exige uma severa - em última
Obtenção de licença para o ensino de filosofia análise intolerável - catarse em que não haveria
em 1920, título de agrégé em 1922; doutorado como encontrar completa satisfação. A ilumina-
em 1927, com uma tese intitulada Ensaio sobre o ção chegou-lhe um dia em Dijon, quando ele
Conhecimento Aproximado, obra premiada pelo ouviu um estudante falar de seu "universo pas-
Instituto de Filosofia (prêmio Gegner). A partir teurizado": "Foi uma iluminação para mim; en-
de então sua carreira tem cunho acadêmico: Ba- tão era isso: um homem não poderia ser feliz
chelard é professor de filosofia na Faculte des num mundo esterilizado, e eu precisava o mais
Lettres de Dijon, depois professor na Sorbonne depressa possível criar micróbios que pululas-
(cadeira de história e de filosofia das ciências), sem e fervilhassem para devolver a vida a esse
onde ensina até 1954. Se nesse curriculum vitae mundo. Corro aos poetas e entro na escola da
couber a menção dos títulos honoríficos, devere- imaginação" (cf. L. Guillermit, Les Annales de
mos ressaltar que eles foram magros e tardios: rUniversilé de Paris, 1963, I). A anedota sem
oficial da Legião de Honra em 1951, comenda- dúvida é convincente, mas um exame escrupulo-
dor em 1959; em 1955, eleição para a Academia so da obra nos dá uma indicação sobre a origem
das Ciências Morais e Políticas; em 1961, Gran- dos "micróbios": produto de decantação, preci-
de Prêmio Nacional das Letras. pitado do próprio espírito científico. Em 1938,
ele publica, pela Vrin, uma obra viva, fascinante,
surpreendente, A Formação do Espirito Cientifi-
Estrutura da obra
co: Contribuição para uma Psicanálise do Co-
A obra de Bachelard divide-se quase igual- nhecimento Objetivo, irradiando fórmulas que se
mente em duas vertentes, permeadas por dois
BACHELARD 98 BACHELARD

tornaram célebres ("é em termos de obstáculos da a interligar experiências. "O truque era não
que se deve colocar o problema do conhecimen- pronunciar a palavra átomo. Nele se pensava sem-
to científico [...] na vida científica, os problemas pre, mas nunca se falava. Certos autores, toma-
não se colocam por si mesmos. É precisamente dos de escrúpulos tardios, apresentavam uma
esse sentido do problema que representa a marca breve história das doutrinas atomísticas, mas
do verdadeiro espírito científico [...]'*), mas tam- sempre depois de uma exposição unicamente po-
bém cheia de toda a maravilhosa falsa ciência sitiva. E no entanto, esses livros rigorosos teriam
contemporânea do nascimento da verdadeira. sido bem mais claros se fôssemos autorizados a
Não é de espantar que os autores citados (Vige- lê-los em sentido inverso!" (Les intuitions ato-
nère, Robinet, Boerhaave...) sejam os mesmos de mistiques, 1935).
Psicanálise do Fogo (mesmo ano, Gallimard). Não se deve perder de vista essa preciosa su-
Só que "psicanálise" acaba de mudar de sentido, gestão de "ler em sentido inverso" o devir da
de uma obra para a outra: urgia depurar, alçar à ciência: é o presente que esclarece o passado; é
perfeição da objetividade; a questão agora é a Einstein que esclarece Newton. E talvez seja
análise das fantasias por si mesmas, em sua ale- Bachelard que explique Kant, em definitivo -
gria candente, com o sabor que têm de obscuri- pois seus mestres de filosofia são exatamente
dade, à cata do sentido mais profundo, do senti- neokantianos como Léon Brunschvicg. "Assim,
do menos objetivo. A psicanálise "dos elemen- o primeiro caráter dessa história será sua norma-
tos" (os quatro elementos de Empédocles retoma- tividade - escreve Dominique Lecourt (Lèpis-
dos da tradição dos alquimistas, fogo, ar, água, témologie historique de C. B., Vrin, 1978, p. 76)
terra) traz a marca das origens, despojos da pseu- - [...] Bachelard [...] a afirma contra 'a hostilida-
dociência, e deixa sua marca na poética experi- de natural do historiador a qualquer juízo nor-
mentando a imagem no crisol da materialidade. mativo'. Segundo caráter que aparece de saída: o
juízo enunciado será recorrente." Portanto, a his-
É um tanto exagerado afirmar que toda a obra
tória das ciências não poderia ser uma história
de Bachelard se enquadra na lei dessa divisão.
"igualzinha às outras".
Pode-se hesitar diante de Intuição do Instante
(1932) ou de La dialectique de Ia durée [Dialé- Por certo nem toda epistemologia é histórica;
tica da duração] (1936), em que a polêmica filo- e antes da epistemologia encontramos a filosofia
sófica - em particular contra Bergson - tem um das ciências, e, mais longinquamente ainda, a
jeito meio clássico; ou mesmo diante de A Filoso- teoria do conhecimento. A partir de Kant, a filo-
fia do "Não " (1940), que pesa as doutrinas filo- sofia das ciências é uma espécie de comitê de
sóficas na balança do novo espírito científico. fiscalização sem mandato das condições de vali-
dade do conhecimento, de cujos decretos os cien-
Mas as duas direções do pensamento são opostas
tistas, é claro, apressam-se a esquivar-se - isso
demais para deixarem de impor duas análises
quando se acautelam -, nem por isso deixando
distintas.
de ser perseguidos por suas interdições, tabus e
limitações, impostos a pretexto de conjurar o
Ruptura epistemológica perigo - imaginário - de uma ciência que tenda
Embora a epistemologia bachelardiana seja para o arbitrário ou para a superstição. Na reali-
essencialmente a resposta adequada à revolução dade, nos cientistas o engano é bem menos fre-
einsteiniana em física, também exprime uma es- qüente que o malogro. Os matemáticos, por as-
pécie de revolta pedagógica. O modo como a sim dizer, não se enganam nunca, mas com fre-
química deve ser ensinada em Bar-sur-Aube nos qüência derrapam. A falta de domínio da realida-
anos 20 para submeter-se às orientações ministe- de é a verdadeira fatalidade dos empecilhos à
riais é de fato uma ofensa ao bom senso. O posi- ciência, e contra ela a epistemologia deveria ar-
tivismo reinante exclui quaisquer conjecturas mar-se e ser exercida. Quando será que a episte-
sobre a constituição da matéria; a teoria atômica mologia passará a ser a pedagogia da prova, a
só deve ser citada como base intelectual destina- razão na escola da pesquisa científica, conferin-
BACHELARD 99 BACHELARD

do vis probandi à pesquisa, em vez de lhe opor o regular, que anima o laboratório de pesquisas, e
tempo todo o ônus probandil Longe do forma- o espírito científico secular, que encontra discí-
lismo criticista, a própria prova assume sentido pulos no mundo dos filósofos" (Le Nouvel Es-
polêmico para Bachelard: prit scientijique, p. 141). A cidade científica é
"Colocaremos em evidência uma espécie de fechada como um claustro e regulamentada como
generalização polêmica que faz a razão passar por um estatuto monástico. A vocação científica
do 'por que' ao 'por que não'. Abriremos espaço exige completa renúncia a qualquer vínculo hu-
para a paralogia ao lado da analogia e mostrare- mano: "é preciso que cada um destrua mais do
mos que à antiga filosofia do como se sucede, que fobias: que destrua suas 'filias', sua condes-
em filosofia científica, a filosofia do por que cendência para com as intuições primeiras" {La
não. Como diz Nietzsche, tudo o que é decisivo psychanalyse du feu, p. 18). O noviço não deve
só nasce a contragosto" (Le Nouvel Esprit scien- esperar fruir os prazeres do espírito: a ciência
tifique, pp. 6-7). verdadeira é "chata"; é perigoso despertar inte-
A intervenção decisiva de Nietzsche, por mais resse (cf. Laformation de l 'esprit scientijique, p.
insólita que seja em epistemologia, significa di- 54 e passim).
retamente: a partir de agora a razão se instala na 3) Seria ocioso afirmar que, para Bachelard,
crise, qualquer pretensa maturidade intelectual
só há uma ciência verdadeira, a do reino mine-
não passa de obstáculo no caminho do conheci-
ral: o grupo constituído por mecânica, química,
mento, entramos numa era de subversões e muta-
termodinâmica, eletromagnética, microfisica, to-
ções. Como Nietzsche, Bachelard é um mutante.
da a zona emoldurada pelo aparato soberano da
Desse nascimento polêmico decorrem as ca-
física matemática. A biologia, por exemplo, só
racterísticas essenciais da ciência:
exerce nesse concerto função consultiva, para
1) Assim como Minerva já nasceu armada do
não falar das oficinas fraudulentas, como as pre-
crânio de Júpiter, a ciência não tem infância; ela
tensas "ciências humanas". Na verdade, Cidade
é um novum absoluto, puro produto do espírito
Cientifica e Cidade do Materialismo são uma
moderno; não tem raízes nem prefiguração na
coisa só. Para defender os direitos do reino mi-
história humana. Ora, a pré-história da ciência,
neral em oposição a Berzélius, Fourcroy ou La-
ciência espúria ou mundana dos pretensos co-
voisier, Bachelard adota o tom reivindicativo de
nhecedores, não está longe; ainda entulha as dis-
um deputado do Terceiro Estado: "Tudo o que se
sertações e os manuais científicos. De resto, Ba-
baseia na analogia entre os três reinos é dito sem-
chelard distribui com certa parcimônia diplomas
de espírito científico: Lavoisier passa com difi- pre cm detrimento do reino mineral" (Laforma-
culdade; Berthelot e Claude Bernard "recupe- tion de Vesprit scientifique, p. 150). Mas, evi-
ram-se" por pouco e Réaumur é "reprovado". Só dentemente, ele não ignora que, em termos de
escapam a essa "lei dos suspeitos" gênios teóri- nosso meio ambiente, a natureza propriamente
cos como Mariotte ou Mendeleiev. Percebe-se mineral é morta. A terra que pisamos não passa
até que ponto há uma ruptura entre a epistemolo- de laboratório fóssil. Foi preciso que o homem
gia bachelardiana e a epistemologia corrente, que despertasse a Bela Adormecida: "A natureza, que-
atribui algumas noções experimentais a Tales e rendo realmente fazer química, finalmente criou
um suposto espírito de observação a Hipócrates. o químico" (Le matérialisme rationnel, p. 33).
2) Essa ruptura também ocorre no que diz 4) É preciso ter extrema agilidade dialética
respeito ao ingresso na ciência das mentes que se para romper barreiras e escleroses, abrir o espíri-
desligam do mundo comum. É verdade que a to para a infinidade de combinações possíveis. O
ciência é a expressão proveitosa da liberdade de pensamento racional excessivamente estreito é
espírito, que está aberta a todos e é universal- um perigo para o futuro do homem: pode levar a
mente convincente; mas o mundo da ciência não evolução ao impasse, fazer da cabeça humana
está de modo algum aberto a todos os ventos do um calo cósmico, a cosmic com, segundo pala-
espírito: cumpre distinguir "o espírito científico vras de Alfred Korzybski (Science andSanity, An
BACHELARD 100 BACHELARD

Introduction to Non-Aristotelian Systems and 1936, a palavra servira sobretudo para intitulara
General Semantics, Nova York, 1933; cf. G. B., Dialética da Duração, entendida então como teo-
La philosophie du Non, pp. 127 ss.). Essa dialéti- ria da descontinuidade no âmbito da polêmica
ca bachelardiana distingue-se nitidamente da dia- travada contra Bergson por ocasião da publica-
lética hegeliana por não aceitar a contradição in- ção de uma de suas últimas grandes obras, La
terna, ou seja, por se submeter aos critérios clás- pensée et le mouvant (1934), a fim de restaurar
sicos de racionalidade no interior dos conjuntos os direitos do nada, do vazio, da desordem... (do
demonstrativos. Não é o primeiro momento de silêncio, da ausência...). Naquela época, Ferdi-
uma negação da negação; é imediatamente posi- nand Gonseth (Les mathématiques et Ia réalité,
tiva na forma de uma generalização dialética. 1936) designava sua própria doutrina com o vo-
A fórmula literal dessa generalização pelo cábulo pouco atraente idoneísmo, antes de se
não é bem conhecida: tal axioma da relatividade aliar durante certo tempo (Philosophie mathé-
é não-newtoniano, tal espaço é não-euclidiano matique, 1938) à dialética bachelardiana. O ido-
etc. Bachelard multiplica à saciedade essas nega- neísmo e a filosofia dialética são, portanto, ofi-
ções qualificadas: não-maxwelliano, não-lavoi- cialmente aparentados: "O adjetivo dialético -
sieriano... Ele mesmo se definiu ora como não- escreve F. Gonseth (Contradiction et non-contra-
cartesiano, ora como não-aristotélico. A conse- diction, in Dialectica, n? IV) - para nós, em ge-
qüência é a integração do sistema negado no seu ral, é sinônimo de idôneo, até que se aceite por
fundamento retroativo. Por exemplo, a física não- método a eventualidade de sua própria revisão e,
maxwelliana refuta os fundamentos maxwellia- por experiência, a realidade dessa revisão." Como
nos do eletromagnetismo ao mesmo tempo em idôneo significa mais ou menos "apropriado", e
que fundamenta racionalmente, por novas razões, idoneísmo é "conveniência" (subentendido: ao
o corpo de verdades estabelecido por Maxwell; estado atual do conhecimento), é preciso enten-
ou ainda, encontra-se a mecânica newtoniana na der que o conhecimento do real é uma questão de
mecânica ondulatória quando se colocam a cons- aproximação metódica. A tese de Bachelard, En-
tante de Planck (h = o) e o espaço euclidiano, saio sobre o Conhecimento Aproximado, é, em
quando se anula a curva do espaço de Gauss suma, um ensaio de idoneísmo avant Ia lettre,
etc. A negação bachelardiana exprime uma exte- em que "aproximado" evidentemente não quer
rioridade em relação ao conjunto negado que é dizer "vago" ou "aproximativo", mas "que cerca
assim circundado pelo conjunto generalizado (a com rigor crescente seu objeto".
microfísica envolve a física clássica como um de Para apreciar exatamente a penetração da epis-
seus subconjuntos). É uma negação marginal: a temologia bachelardiana, é preciso segui-la na
dialética só serve para "margear uma organização sua luta com um problema científico historica-
racional com uma organização supra-racional mente determinado, como aquele de que trata
muito precisa". E a indicação funcional acrescen- sua tese complementar: A Propagação Térmica
tada por Bachelard é ainda mais significativa: nos Sólidos (1927). Um problema é em primeiro
"Ela só serve para mudar de um sistema para lugar uma dificuldade não resolvida e até real-
outro" (La philosophie du non, p. 137). A elo- mente insolúvel nas condições em que se apre-
qüência matemática desta última fórmula é de senta. Uma pesquisa sem obstáculos, por mais
fato muito precisa: ela lembra a noção de grupo prolongada e minuciosa que seja, não é um pro-
de transformação que parece ser a verdadeira blema. O problema da propagação térmica nos
chave da dialética bachelardiana. sólidos era um problema verdadeiro no século
Como a palavra dialética é uma das mais de- XVIII, ou seja, um nó de dificuldades que não
turpadas da linguagem filosófica, é preciso lem- eram solúveis nas condições em que se apresen-
brar que Dialectica foi o nome da revista inspira- tavam. Faltava a eristica para fundar a heurística
da e dirigida por Bachelard, com P. Bernays e F. (saber quais eram as perguntas certas para levar
Gonseth, que de 1947 a 1957 constituiu a tribu- à descoberta). O verbete "Chaleur" [Calor] da
na do novo espírito científico. Inicialmente, em Encyclopédie (1779) não contém mais que um
BACHELARD 101 BACHELARD

tecido de absurdos. Ninguém entende nada do pírito de investigação física que herdou do "la-
assunto: é nessas condições que se desencadeia boratório surrealista". Trata o imaginário - e aí
normalmente uma questão científica grave: por está um traço surrealista característico - com a
uma crise de princípios. O primeiro passo impor- maior seriedade: pode-se rir das palavras, mas
tante para a solução desse problema foi um acha- não se brinca com as imagens. Ignora totalmente
do acidental: um coeficiente colocado por exi- a inspiração (celeste, divina...); não há outra
gências de escrita por Denis Poisson em 1837. poesia senão a das profundezas do ser, "do in-
Foi aquele "k" furtivo, introduzido na fórmula consciente, ao qual os surrealistas abrirão as por-
apesar dos preconceitos do autor, que introduziu tas, para que escoe em cataratas de diamantes ou
também, de maneira imprevista, a constante (va- torrentes de lama" (M. Nadeau, Histoire du sur-
riável segundo o sólido considerado) de conduti- réalisme, p. 65). O surrealismo é a poesia liber-
bilidade, ou seja, na verdade o conceito decisivo. ta, a linguagem "em plena ramificação" (expres-
O desfecho já não está mais distante. Mas a são de químico que designa o estado explosivo
razão, que penetrou de maneira mais ou menos de uma mistura: as combinações moleculares a
cega nessa obscura questão da propagação tér- que faltam terminações). "O poema é um cacho
mica, não sairá dela sem sérias mutações inter- de imagens."
nas. É nesse sentido que a ciência instrui a razão: O purismo de Bachelard é o purismo da au-
o problema se desenvolve na dimensão da histo- tenticidade. Num considerável mistifório, sua se-
ricidade, com seus malogros, seus tenteios, ten- leção é severa: "Cada uma das imagens que
tativas vãs, atalhos imprevistos, inversões de si- saiam da pena de um escritor deve ter seu dife-
tuação etc. Mas a epistemologia não é a história rencial de novidade" (La terre et les rêveries de
do problema. Ela ignora a objetividade histórica; Ia volonté, p. 6). Prática mortífera em certo sen-
é parcial e normativa: "Um fato mal interpretado tido, pois coleta fragmentos de poemas para
por uma época continua sendo um fato para o preencher tópicos analíticos estranhos à inten-
historiador. Já para o epistemólogo é um obstá- ção criadora. É a censura válida que lhe foi fei-
culo, é um contrapensamento" (La formation de ta por Maurice Blanchot (Lautréamont et Sade,
1'esprit scientifique, p. 17). O que o historiador p. 275): a indiferença radical pela economia in-
das ciências faz na maioria das vezes com má-fé terna, pela progressão de uma obra. "G. B traça
- desfigurar o passado, só ficando com os fatos um notável bestiário de Lautréamont, mas esse
que vão no sentido do progresso esperado - ela bestiário propõe seus resultados no céu intempo-
realiza com consciência, como tarefa pedagógi- ral da análise, e cada imagem, apreciada e pesada
ca. Observemos, ademais, a exata delimitação do em si mesma, com um escrúpulo e uma atenção
tema: a propagação térmica nos sólidos. A epis- infinitos, é extraída de qualquer parte do livro,
temologia acadêmica só teria visto nisso uma pes- sobre o qual ela nos esclarece por comparação
quisa de detalhe sobre um caso de aplicação das metódica com todas as outras e numa perfeita
indiferença pelo momento em que ela entra na
leis gerais da natureza. Mas Bachelard é exata-
composição desse conjunto único que se chama
mente o contrário de um "especialista em gene-
Maldoror."
ralidades": quanto mais um problema é limitado,
mais ele é científico. É preciso acabar com essa Essas linhas de Blanchot não são apenas uma
generalidade oca de que só há ciência (e episte- crítica penetrante, mas sobretudo uma definição
mologia, a fortiori) do geral: é o problema em exata do método analítico bachelardiano, deter-
sua singularidade que suscita a pesquisa, e é a des- minado por um gosto extremo pela miniaturiza-
coberta que produz sua própria epistemologia. ção, pela química da linguagem: "Não passamos
de leitor, de ledor. E passamos horas, dias a ler
lentamente os livros linha por linha, resistindo
A psicanálise dos elementos ao máximo à corrente das histórias (ou seja, à
Na análise do imaginário Bachelard mantém parte claramente consciente dos livros)..." Essas
a mesma prudência experimental e o mesmo es- confidencias de 1948 não são uma profissão de
BACHELARD 102 BACHELARD
fé freudiana. Ê verdade que no tempo de A Psi- ciedade Psicanalítica de Viena (1913), discípulo
canálise do Fogo Bachelard usava e abusava dos heterodoxo de Freud, nunca teve direito de cida-
complexos com uma profusão lúdica: complexo dania.
de Prometeu, de Empédocles, de Novalis, de "Embora sejamos reticentes quanto ao em-
Hoffmann... Mas essa noção popular se eclipsa prego da dialética animus-anima em psicologia
progressivamente em favor da noção por ela corrente, não deixamos de sentir sua eficácia
ocultada: o arquétipo. É notável, aliás, que a no- quando acompanhamos Jung em seus estudos
ção de complexo tenha ocupado em seu itinerá- sobre os grandes devaneios cósmicos da alqui-
rio intelectual uma posição mediana análoga à mia [...] A língua da alquimia é uma língua do
que o próprio complexo deve ocupar na psique, devaneio, a língua materna do devaneio cósmico.
para além da zona perceptiva e voluntária, mas Essa língua deve ser aprendida do modo como
aquém das fontes do imaginário. O complexo foi sonhada: na solidão. Nunca se está tão só
corresponde, na linguagem da Daseinsanalyse quanto ao ler um livro de alquimia" (La poéti-
de Ludwig Binswanger (cf. La terre et les rêve- que de Ia rêverie, p. 60).
ries du repôs, pp. 76 ss.), à Mitwelt, ao mundo dos As raízes de nossa afiliação ao mundo são fe-
homens, aquele em que encontramos as questões mininas. Não as de nosso ser-no-mundo inten-
familiares da simbólica freudiana: incestos, par- cional, projetivo, fora de nós mesmos, mas as de
ricídios, depravações sexuais, subentendidos mu- nossa cosmicidade genética, anterior, uterina,
tilatórios, fetichismos, masoquismos... Nele as que nos vincula aos quatro elementos e às quatro
coisas só estão presentes humanizadas por algu- estações, aos dias e às noites, às lunações. No
ma substituição objetai. Daí vem o evemerismo homem, a anima é normalmente dominada pelo
da psicanálise, que leva a designar todos os seus animus viril: é essa pelo menos a orientação ge-
complexos com o nome de heróis lendários. No ral de sua atividade consciente, da competição
entanto, o mundo humano não desempenha o pa- social, da intersubjetividade (que se reflete no
pel principal na gênese das estruturas da psique, sonho noturno, projetivo e reivindicativo). É
a não ser por mal-entendido, pela confusão entre dessa vigilância em relação a outrem e ao am-
simbólica e energética. A psicanálise deve tor- biente que a solidão sonhadora nos liberta: "E
nar-se uma energética: apreender o homem, ori- estamos no cerne da tese que queremos defender
ginariamente, "no mundo das matérias e das for- no presente ensaio: o devaneio está sob o signo
ças", pois é sobre o objeto material que se con- da anima" (Lapoétique de Ia rêverie, p. 53).
densa a energia psíquica. A densidade da matéria O gosto pela matéria nua e bruta - deve-se
tem, assim, significado psíquico (sabe-se que em confessar - Bachelard compartilha com numero-
alemão poeta se diz Dichter, ou seja, literalmen- sas correntes artísticas em pintura, decoração,
te "condensador": a poesia se mede com o peso, música (a chamada música "concreta"); é uma
com a gravidade das imagens). Portanto, precisa- das dimensões do estetismo contemporâneo que
mos passar de uma semântica da conduta para reforça a hostilidade latente pelo material sintéti-
uma dinâmica em que a economia material é pri- co, abstrativo, do formalismo, do funcionalismo,
mordial. da cerebralidade literária... Em A Água e os So-
Esses elementos fundamentais da análise ba- nhos, porém, assume forma sistemática: "Acredi-
chelardiana provêm da psicologia das profunde- tamos ser possível fixar uma lei dos quatro ele-
zas de Carl Gustav Jung: arquétipo, energia es- mentos que classificam as diversas imaginações
piritual, condensação, oposição Animus/Anima, materiais segundo elas se liguem ao fogo, ao ar,
sublimação entendida positivamente, privilégio à água ou à terra" (p. 4). Essa lei, princípio fun-
do devaneio, referência à quadernidade alquími- damental da poética, que se poderia acreditar
ca, horizonte de cosmicidade... Provêm daí, ou tomada aos elementos de Empédocles ou aos hu-
Bachelard se encontra com Jung. Esse parentes- mores hipocráticos, é a forma arquetípica que
co é profundo e original: na França, pode-se di- reaparece periodicamente com diversas vestidu-
zer que o pensamento do célebre excluído da So- ras na física ou na metafísica.
BACHELARD 103 BACHELARD

Um arquétipo não é uma imagem; é o para- um álbum de amonites para perceber que, já na
digma de uma série de imagens que "resumem a era mesozóica, os moluscos construíam suas con-
experiência ancestral do homem diante de uma chas segundo as lições da geometria transcen-
situação típica". Assim, é totalmente inútil ima- dente. As amonites faziam morada sobre o eixo
ginar algum trauma infantil como origem do ar- de uma espiral logarítmica" (La poétique de l 'es-
quétipo do "labirinto", que não corresponde de pace, p. 105).
maneira verossímil a nenhuma experiência pes- Excluindo-se a possibilidade de que Bache-
soal e que, de qualquer modo, é angustiante an- lard - cujo interesse medíocre pelo ela vital ber-
teriormente a qualquer experiência, sendo um a gsoniano todos conhecem - atribua o menor gê-
priori da angústia. Prova disso é que nossa an- nio transcendente ao conteúdo viscoso da con-
gústia o reconhece imediatamente numa infini- cha mineral, fica, porém, a afinidade razoante da
dade de ilustrações como modelo único e sim- matéria e do espírito, fundamento do materialis-
ples: em América ou O Covil de Kafka, nos es- mo racional: a coesão material é o correlato da
gotos de Paris em Os Miseráveis de Victor Hu- coerência racional, coerência e coesão que for-
go, nas inumeráveis versões do conto Pequeno mam o que o autor de Racionalismo Aplicado
Polegar, no dispositivo sádico dos tabiques em chama (p. 10 da ed. franc.) de "par brunschvic-
zi-guezague que pretende estudar o "comporta-
guiano". A matéria é a objetividade da razão.
mento do rato" e, é claro, no labirinto da lenda
cretense, que é apenas uma imagem, e não o
próprio arquétipo inscrito na arqueologia da al- Unidade da obra
ma. É bem simples: alguma vez você esteve pe- Ao se tentar determinar com a maior precisão
trificado, já foi enterrado vivo, jogado num poço possível o centro de gravidade da obra de Ba-
sem fundo, engolido por um monstro marinho, chelard, é essa palavra "matéria" que soa melhor,
devorado interiormente por um roedor? Não, apesar dos ecos desalentadores suscitados pela
claro. Então onde estão as experiências funda- palavra materialismo, subentendendo falta de
doras de nossos terrores noturnos ou outros? E delicadeza ou cupidez. Bachelard, ao contrário, é
aí que convém tornar-se junguiano: elas estão um materialista deslumbrado, entusiasta, e com
numa memória antiga como o mundo, a da espé- um entusiasmo comunicativo. Quem não é pos-
cie, por meio da qual remontamos às raízes de suído pelo amor à matéria, quem não tem voca-
nossa cosmicidade genética. O capítulo III de ção para ser amante da matéria não poderia ser
Uair et les songes, La chute imaginaire, é por considerado "materialista" nesse sentido: donde
certo a mais bela ilustração disso: o drama da essa aura, esse halo da personagem do Alquimis-
queda onírica é uma "lembrança de raça", como ta que vem ainda espiritualizar seus retratos, e
diz Jack London (p. 107). que fascinou os poetas.
Há alguns pontos de divergência entre Ba- A própria matéria bachelardiana é matéria
chelard e Jung, que tem formação de médico mas desmaterializada, segundo uma lição que vem da
não de físico; o mais significativo diz respeito à microfísica: sistema multirressonante, grupo de
matéria, instância purificadora e, por isso mes- ressonância. Não cabe identificar, temerosamen-
mo, impura: "É porque a matéria tem natureza te, matéria com sua massa, praticando mental-
de simples coisa que ocorrem projeções de ar- mente, com Lavoisier, a química da balança, en-
quétipos impessoais, coletivos" - escreve Jung quanto a fotoquímica está em via de transgredir
(Psychologie und Alchemie, p. 637). Bachelard as últimas interdições: "Enquanto a substância
reage como filósofo-geômetra criador de cos- lavoisieriana se colocava como existência per-
mos: a matéria é a magna mater, depositária de manente, desenhada no espaço, a irradiação, en-
sabedoria, a natureza naturante que produz to- tidade não lavoisieriana, coloca-se como existên-
das as coisas. Nessas fronteiras se reúnem poéti- cia essencialmente temporal, como uma freqüên-
ca, matemática e materialidade: "Aqui, a nature- cia, como uma estrutura do tempo" (La philoso-
za imagina e a natureza é sábia. Basta examinar phie du non, p. 69).
BACHELARD 104 BACHELARD
Nosso preconceito substancialista luta natu- te, familiar, a que serve de suporte às leis da físi-
ralmente com todas as suas forças contra essa ca clássica não tem outra estabilidade senão a da
ontologia desrealizante: uma vibração sem nada desordem, garantida pela lei dos grandes núme-
que vibre é um contra-senso. Ora, é a propósito ros: "As figuras mais estáveis devem sua estabi-
desse pretenso contra-senso que Bachelard nos lidade a um desacordo rítmico. São as figuras es-
dá uma deslumbrante ilustração de seu gênio tatísticas de uma desordem temporal; nada mais.
pedagógico (Lactivitè rationaiiste de Ia physi- Nossas casas são construídas com uma anarquia
que contemporaine, p. 184): para os fundadores de vibrações [...]. As pirâmides, cuja função é
da mecânica ondulatória, a substancialidade da contemplar os séculos monótonos, são cacofo-
coisa vibrante não deixava dúvidas; mas, como nias intermináveis. Um encantador, maestro da
Huygens bem viu, na propagação das ondas não matéria, que harmonizasse os ritmos materiais,
há transporte de um móvel no sentido da propa- volatilizaria todas essas pedras" {La dialectique
gação. "Estamos diante de um movimento de al- dela durée, p. 131).
gum modo abstrato que desliza na superfície da Com o arquétipo do encantador a volatilizar
água e vai levar, como um sinal, a ordem de osci- em imaginação nosso mundo material com sua
lar sem sair do lugar." E Bachelard se põe a des- batuta de maestro, temos a dimensão múltipla do
fiar a metáfora da fanfarra: "Quando a fanfarra bachelardismo: epistemologia de crise, pedago-
rege o passo de todo um regimento, há por certo gia de encantamento, poética das profundezas
um meio que vai transportando ao longo da rua o elementares.
som e a cadência, mas não é esse meio físico [...]
• Essai sur Ia connaissance approchée, Vrin, 1928: Elude
que faz o soldado marchar. A ligação entre os
sur t 'évolution d 'un probième de physique: Ia propagation
sons e os passos é uma simples correspondência, thermique dam les solides, Vrin, 1928; La valeur inductive
uma simples função algébrica." A lição de não- de ia relativite, Vrin, 1929; Le pluralisme cohérent de Ia
coisas endereçada a um público juvenil - que não chimie modeme, Vrin, 1932; Llntuilion de 1'instant, Stock,
deixa de lembrar os colegiais de Bar-sur-Aube - 1932; Le mimei esprit scientijique, PUF, 1934; Les intui-
prossegue com uma distribuição de rolhas na su- tions alomistiques, Boivin, 1935; La dialectique de Ia du-
perfície da água (essas rolhas que flutuam sobre rée, PUF, 1936; Lexpérience de 1 espace dans Ia physique
contemporaine, PUF, 1937; Laformation de f 'esprit scienti-
a água serão por acaso estranhas à dualidade
jique: contribution à une psychanalyse de Ia connaissance
onda-corpúsculo, exposta no capítulo seguinte?), objective, Vrin, 1938; La psychanalyse du jeu, Gallimard,
que não se destinam a ilustrar idéias com ima- 1938; Lu philosophie du non, PUF, 1940; Lautréamom,
gens, mas a desfazer idéias preconcebidas: 1?) Corti, 1940; L 'euu et les réves: essai sur I 'imagination de Ia
ausência de movimento radial; 2" duração uni- matière, Corti, 1942; Lair et les songes: essai sur l'imagi-
forme do movimento de vibração no mesmo lu- nation du mouvement, Corti, 1943; La ferre et les rêveries
gar, seja qual for o lugar da rolha na superfície de Ia volonté: essai sur I 'imagination des forces, Corti,
1948; La terre et les rêveries du repôs: essai sur les images
da água. "A amplitude do movimento ondulató-
de lintimité, Corti, 1948; Le rutionalisme appliqué, PUF,
rio é de alguma maneira um caráter contingente 1949; Paysages. Eludes pour quinze burins d'Alhert Flo-
[...]. Do movimento local, a fenomenologia diri- con, Eynard, 1950; Laclivité rationaiiste de Ia physique
gida ficará apenas com o período T" (p. 187). contemporaine, PUF, 1951; Le matérialisme rationnel, PUF,
1953; La poétique de 1'espace, PUF, 1957; La poétique de
Seja qual for a prudência imposta pelas mu-
Ia rêverie, PUF, 1961; La flamme d'une chandelle, PUF.
danças de escala, o essencial da lição é a desma-
1961; Le droit de rever, PUF, 1970; Eludes, PUF, 1970;
terialização: a matéria na escala da microfísica Fragments d'unepoétique dufeu, PUF. 1988.
não é uma coisa vibrante como a superfície da G. B. também publicou vários artigos e prefaciou inú-
água; ela é uma vibração, um movimento sem meras obras (de Martin Buber, Paul Diehl, Edgar Poe, J. E.
transporte e sem substância, definido apenas por Spenle etc).
seu ritmo. Matéria mais pura que uma pedra pre- => Pierre Quillet, Bachelard, Seghers, 1964, col. "Philoso-
ciosa, que uma chama, que uma lâmina, harmo- phes de tous les temps"; Francois Dagognet, Gaston Ba-
nia definida por seu número, a matéria-luz. Ao chelard, PUF, 1965; Maurice Mansuy, Gaston Bachelard et
lado dessa "verdadeira" matéria, a matéria iner- les éléments, Corti, 1967; Maurice Lalonde, La ihéorie de
BACON 105 BACON

Ia connaissance scientifique selon Gaston Bachelard, Mon- Nascido numa família já pertencente à corte,
treal, Fides, 1968; François Pire, De 1'imagination poéti- aluno de Trinity College (Cambridge), estuda di-
que dans loeuvre de Gaston Bachelard, Corti, 1968; Paul reito em Londres, sendo depois enviado para jun-
Ginestier, Pour connaitre Ia pensée de Bachelard, Bordas,
to do embaixador da Inglaterra na França, onde
1968; Maurice Schaettel, Bachelard critique ou Valchimie
du rêve, UHerne, 1977; Dominique Lecourt, Lepistémo-
fica até 1579. Essa estada ocorre numa época em
logie historique de Gaston Bachelard, Vrin, 1978; Pour que a Noite de S. Bartolomeu ainda é uma lem-
une critique de 1'épistémologie, Bachelard, Canguilhem, brança muito viva; ademais, em 1605, ele será
Foucault, Maspero, 1972; Bachelard ou le jour et Ia nuit, testemunha da conspiração dos católicos dirigi-
Grasset, 1974; J. Lescure, LuneauAscot, 1983; Jean-Clau- dos por G. Fawkes contra o rei e o parlamento
de Margolin, Bachelard, Le Seuil, 1974. Bibliografia dos inglês. Bacon será autor de reflexões muito inte-
artigos sobre Gaston Bachelard in Revue internationale de
ressantes sobre a tolerância e a paz religiosa;
phihsophie, n? 166, 1963, e em Cahiers internationaux de
symholisme, 1986.
uma parte de seu crédito intelectual no início do
século XVII se deve a isso. Embora em certo nú-
Pierre QUILLET mero de questões políticas delicadas Bacon sai-
ba demonstrar visão autenticamente elevada (e
ousadia também), o caráter complexo de sua
BACON Francis, 1561-1626 carreira política está ligado aos conflitos que
Filósofo inglês nascido em 22 de janeiro de opunham então as exigências do clientelismo e
1561 em Londres, falecido em 9 de abril de 1626. a lealdade à Coroa. Bacon, membro do Parla-
Jurista, parlamentar, Guarda dos Selos, chance- mento a partir de 1584, é um protegido do con-
ler, Bacon se tornará cavaleiro (sir Francis Bacon) de de Essex, mas, quando este participa de um
e depois barão de Verulam, para ser, por fim, vis- complô, Bacon, na qualidade de advogado da
conde de Saint-Albans. Em geral é com o nome Coroa, participa da acusação e contribui assim
de Verulamius que os filósofos do século XVII para a condenação e a execução de seu protetor
(1601), o que foi alvo de um julgamento muito
se referem a ele. Celebérrimo na França durante
severo na época.
o reinado de Luís XIII (a maioria de suas obras
foi traduzida sob o patrocínio de personalidades No início do reinado de James I (entronizado
importantes), apreciado na Itália pelos círculos em 1603), Bacon acredita-se afastado dos assun-
próximos aos Mediei, e depois marginalizado tos da Coroa, e decide voltar à filosofia. Até en-
durante certo tempo pelo sucesso da filosofia tão só publicou uma primeira versão de Essayes
cartesiana, será redescoberto no século XVIU, e or Counsels Civill and Morall em 1597. É desse
sua reputação atingirá o apogeu graças aos Enci- período de dúvida o tratado Of lhe Proficience
clopedistas. Na Alemanha, Kant lhe dedicou a and Advancement ofLearning, ou seja, Do Pro-
segunda edição da Critica da Razão Pura. Du- gresso e da Promoção dos Saberes, que será pu-
rante a Revolução Francesa, a Convenção consi- blicado no outono de 1605. Mas o novo rei logo
derará urgente votar verbas para a realização de soube empregar Bacon, em especial para tratar
uma tradução, "a fim de apressar os progressos com o Parlamento de Londres a questão espinho-
da filosofia e da razão" e para servir à educação sa da unificação da Inglaterra e da Escócia. Ain-
da juventude; essa tradução francesa, feita por A. da que nos quinze anos que se seguem sejam pou-
Lasalle (datada do ano 10 da República), servirá cas as publicações (De Sapientia Veterum, ou
de referência em língua francesa durante todo o seja, Da Sabedoria dos Antigos, em 1609, depois
século XIX, quando a obra de Bacon figura no uma segunda edição ampliada de seus Ensaios
programa de formação do segundo grau. Na Grã- Morais e Políticos em 1612), Bacon redige opús-
Bretanha, em meados do século XIX, o trabalho culos científicos ou políticos que circulam em
de três eruditos nos legará a edição de referência forma de manuscrito, além de tornar mais preci-
de suas obras, a edição Spedding, Ellis e Heath sas suas idéias filosóficas em textos que só serão
publicados depois de sua morte.
(Londres, 1858-1874).
BACON 106 BACON

Em 1620, publica um volume intitulado Ins- A ciência para Bacon é ciência prática, ativa, in-
tauratio Magna, que compreende o Novum Or- dustriosa, que possibilite ricas colheitas. No mun-
ganum mas também diversos textos, nos quais do há profusão. Bacon pressente a necessidade
Bacon enuncia seu projeto global, constituindo o de passar por uma grande reforma das ciências.
Novum Organum a segunda parte desse projeto O espírito humano erra em meio a quimeras; é
de "Grande Restauração". Em 1621, uma catás- preciso fazer tábua rasa das doutrinas antigas,
trofe encerra sua carreira de homem de Estado: fazer o balanço crítico do saber, pôr em evidên-
uma acusação de corrupção é feita contra ele, cia aquilo que ele contém de erros inerentes à ra-
por razões que talvez estejam ligadas à política zão humana, e daí indicar o caminho verdadeiro,
externa: foi defendida recentemente a idéia de um método como condição de possibilidade de
que se tratou de um processo forjado, que deve uma ciência nova - esse método é a indução ba-
ser interpretado à luz dos acontecimentos da coniana. Aliás, Bacon não irá efetivamente mui-
Guerra dos Trinta Anos. Em todo caso, Bacon to além desse organon novo. Ele pretendia ter-
passa a dedicar-se à sua obra filosófica e natura- miná-lo com uma História natural e experimen-
lista. Em 1622, publica History of the Reign of tal, coletânea exemplar do dado natural (pheno-
Henry the Seventh e Historia Ventorum. Manda mena universi), e avançar, etapa por etapa, até as
traduzir seu Do Progresso e da Promoção dos descobertas fundamentais: escala do entendi-
Saberes para o latim (De Dignitate et Augmentis mento, antecipação da filosofia (ciência provisó-
Scientiarum), publicando-o em 1623, depois de ria) e filosofia segunda: segunda porque oposta à
retirar todos os elementos capazes de chocar o primitividade bruta das intuições instáveis do es-
público continental católico e, por outro lado, pírito, filosofia porque resultado em ato do mé-
desenvolver outros aspectos. No mesmo ano, pu- todo indutivo, verdade demonstrada. Se Bacon
blica uma Historia Vitae et Mortis. Em 1625, é não realiza esse saber, pelo menos nunca duvi-
publicada uma terceira edição ampliada dos En- dou da iminência de uma descoberta total do
saios. Ao morrer em 1626, trabalhava numa Syl- mundo. Acredita que poucos anos o separam dis-
va Sylvarum, e deixa uma grande coleção de tex- so. Mas, aí está a dificuldade de se atribuir uma
tos inéditos e mais ou menos inacabados, entre posição a Bacon (será ele o primeiro dos moder-
os quais A NovaAtlântida. nos ou o último dos antigos?); ele mais sonha a
ciência do que a faz. Se Galileu inventa essa ciên-
Michèle LE DOEUFF cia, Bacon, por sua vez, só consegue esboçar
suas condições de possibilidade; traça o movi-
"Sistema " de Bacon mento geral dessa revolução, mas sem dela parti-
Uma só grande idéia para um sistema inaca- cipar, surdo a tudo o que, aliás, se prepara. Em-
bado: instaurar o poder do homem sobre o mun- bora perceba bem a necessidade de romper com
do natural. O domínio do "ministro e intérprete o universo aristotélico, de destruir o antigo cos-
da natureza" está ligado ao restabelecimento da mo, não transpõe o limiar que o institui. Bacon
natureza como fundamento do saber. Observar e não acredita no espaço novo, na mathesis. Des-
refletir sobre a ordem natural das coisas: o ho- conhece a contribuição de Galileu em sua afir-
mem não sabe nem pode nada mais. O Novum mação a priori da continuidade, da isotropia do
Organum enuncia, pois, uma injunção definitiva: espaço. Desmente que seja possível amoldar esse
é preciso renunciar tanto às logorréias especula- espaço à geometria e à matemática. Há erro em
tivas quanto às doutrinas acatalépticas que lan- prosseguir esses "cálculos". Subestima a impor-
çam o mundo físico nas trevas da incognoscibili- tância da medida, e permanece numa física de
dade absoluta. Pois a ciência é essencialmente qualidade. Bem perto da geometria, limita-se a
positiva, diríamos. Sua finalidade, afirma Ba- negar a heterogeneidade da natureza. Falta-lhe a
con, é "enriquecer a vida humana com descober- nova visão do mundo; ele apenas a adivinha.
tas reais", ou seja, com novos meios. O saber só No entanto, Bacon compreende bem o valor
vale quando é útil ao bem dos homens, eis tudo. da experiência naquilo que ela pressupõe de novo
BACON 107 BACON

nas relações entre o homem e o mundo. "A natu- rante, uma ciência especulativa que gira em tor-
reza não é superior em essência ao que a arte no de si mesma em constante verbigeração. Bas-
produz" - aí se encontra a condição primeira da ta prestar atenção à invenção nas artes técnicas:
experiência. A natureza é acessível ao homem bússola, pólvora, instrumentos ópticos. Essas
através de suas experiências; ela é manipulável. descobertas permitem esperar outras, desde que
"Deixa escapar mais facilmente seu segredo disso encarreguemos a matéria através de uma
quando atormentada e como que torturada pela ciência voltada para o concreto, uma ciência ope-
arte do que quando segue seu curso normal [...]" rante, ativa. O primeiro ato do filósofo é, pois,
No entanto, ele vai buscar na Alquimia essa cons- opor-se a esse desvio fundamental que fecha o
ciência de disponibilidade da natureza, da nova entendimento em si mesmo, é despertar o inte-
posição da experiência, assim como herda da Al- lecto absorto em suas meditações. Essas críticas,
quimia alguns desses principais temas filosófi- evidentemente, visam ao aristotelismo. Embora,
cos. Bacon não pagou a dívida; ele é paradoxal: em suas atitudes com respeito à história natural,
ao mesmo tempo "antigo" e "moderno". Declara ele não se afaste tanto de Aristóteles, é sobretudo
estar preparando a magia verdadeira, a magia o antigo Organon, o de Aristóteles, que ele refu-
nova; a alquimia lhe lega (ainda que ele critique ta em seu Novum Organum. Bacon protesta con-
veementemente seus modos de agir) as concep- tra o silogismo, "instrumento fraco e grosseiro
ções mais amplas: o homem como ministro, her- demais para penetrar nas profundezas da nature-
meneuta do livro natural, a fé em uma natureza za"; o silogismo joga com palavras, com os
"rótulos das coisas". As pessoas se entregam à
transmutável, a corporeidade atomística da ma-
extravagância edificando sistemas sobre noções
téria e, mais geralmente, a doutrina do saber como
frágeis e confusas que não fazem mais que mos-
poder. Nessa posição singular, Bacon contesta
trar sem cessar os erros de partida, pois nenhuma
todas as posições: nem empirista, nem dogmáti-
experiência ajusta mais o pensamento a si mes-
co. Seguindo uma parábola que lhe é própria, ele
mo: substância, qualidade, paixão, ação são ba-
não é nem a formiga, que "junta e consome suas
ses errôneas - diz Bacon -, abstratas, para um
provisões", nem a aranha, que "urde teias cuja
sistema que nada põe à prova. O método da ciên-
matéria é extraída de sua própria substância"; ele
cia é ruim; é preciso um outro. Dos fatos, salta-
é a abelha, que extrai sua matéria dos campos e,
se para os princípios então considerados como
"por uma arte que lhe é própria, trabalha essa
verdades de fundamento: antecipação fortuita e
matéria e a digere". Aliança de duas faculdades: prematura da qual se acredita tudo deduzir. Ao
nocional e experimental. Examinemos então os contrário, Bacon preconiza a marcha gradual,
pontos principais de sua grande restauração. lenta, prudente que interprete a natureza. Que os
homens abjurem suas noções familiares e se cur-
A retificação vem aos fatos. Antecipação contra interpretação:
tema baconiano do debate essencial. O giz na mão
Para Bacon, as doutrinas da filosofia que her-
para marcar as etapas, e não a espada em punho
da estão eivadas de insuficiências. Os homens
para forçar a conquista. Citando Borgia, Bacon
discutem, argumentam, refutam, afirmam, mas
faz pensar no Descartes da marcha contínua do
estão no caminho errado. Suas oposições são vãs,
espírito. Se a ciência está nesse ponto, segundo
porque fundadas numa situação da razão no mun- Bacon é devido às disposições falaciosas do es-
do que está permeada de ilusões. A ciência nos pírito humano. Ele demonstra grande prevenção
deixa diante de suas "colunas fatais", que preci- contra esse entendimento pronto para as genera-
samos absolutamente transpor para descobrir lidades fáceis e para os reconhecimentos imagi-
este mundo, para nos aventurarmos nele: colunas nários. Todo projeto de ciência deve começar por
de Hércules para os navegadores novos que têm uma retificação desse entendimento. Para abrir
a ousadia de passar além dos limites manifesta- caminho ao verdadeiro saber, de algum modo
dos como definitivos. Esses limites - afirma Ba- Bacon precisa de uma teoria do entendimento
con - não passam de limites de uma ciência er-
BACON 108 BACON

que dê conta de sua erraticidade constitutiva. do espírito. "Auxílio_einstrumentos são tão ne-
Trata-se da teoria dos ídolos ou "fantasmas" que cessário^ jio_esjnrito quanto às mãos." Concep-
obsedam o espírito humano, que figura na auro- ção instrumental do método, regras canônicas
ra da era clássica como um exemplo bem origi- cujo projeto não é tanto a apreensão de uma ver-
nal, é verdade, de uma crítica da razão (em seu dade que não é essencialmente problemática
sistema a razão ocupa um lugar tão importante quanto a prevenção contra o erro e a ilusão. Ba-
que ele concebe uma classificação das ciências con afirma também a primazia absoluta do fato e
segundo as faculdades cognoscentes e seus obje- da experiência sobre qualquer outra considera-
tos). Bacon estabelece a existência de quatro ti- ção, em particular sobre a idéia, suspeita a prio-
pos de "fantasmas", que são obstáculos à realiza- ri. Diz ele que, vezes em demasia, a partir de
ção da ciência. São eles os "fantasmas da raça, fatos singulares são compostas hipóteses ad hoc
ou tribo", que lembram o grande mal da família que convém a experiências casuais e a observa-
humana, mal ligado à sua natureza, a saber, o an- ções fortuitas. A conseqüência imediata é a ina-
tropocentrismo inato que submete todas as coi- dequação de tais princípios, que são logo contra-
sas à medida do homem; os "fantasmas da caver- ditos pela natureza. Só estarão salvas dessas ob-
na", que lembram o sujeito individual versátil, jeções se classificadas na singularidade do ex-
psicológico no sentido moderno, que marca tudo cepcional, preservando-se in fine o axioma por
com seu selo nas profundezas de seu antro pes- preço alto. Bacon compreende que nada se pode
soal; os "fantasmas do fórum ou da praça públi- opor à força do negativo: "Pode-se considerar
ca", que nasceram do comércio entre os homens, seguro que, [...] quando se trata de estabelecer ou
da linguagem graças à qual se comunicam: per- verificar um axioma, o exemplo negativo tem
dem-se em nomenclaturas, em equívocos, em muito mais peso." Em compensação, segundo
expressões impróprias, desgarrados na obscuri- ele não convém esperar excessiva regularidade
dade de um discurso sem exigência, "proporcio- da natureza. Ela não é assim tão igual, e o enten-
nal à inteligência dos espíritos inferiores"; por dimento supõe logo a uniformidade e a ordem
fim, os "fantasmas de teatro", que representam o quando, na verdade, há^na natureza uma infini-
cenário mundano das filosofias, onde são mon- dade de coisas extremamente diferentes de todas
tadas, para a credulidade de todos, peças forja- as outras e únicas em sua espécie". É como se
das, representações cuja fama passa de boca em Bacon - e aí está uma limitação à novidade de
boca, e cujo único mérito é a fascinação exercida sua proposta - atribuísse à natureza uma irredu-
por essa exposição pública. Para Bacon, portan- tível multiplicidade que ele recusa quando quem
to, o entendimento humano é um espelho defor- a fabrica é a razão.
mado que desfigura as coisas devido às formas Por outro lado, o método baconiano opõe as
irregulares de sua própria natureza. É necessário virtudes da dissecção à abstração. Em vez de pre-
limpá-lo, retificá-lo, devolver-lhe uma espécie cipitar-se em direção aos juízos gerais, às teses,
de "humildade pueril" perante o mundo - virgin- convém fazer ajmatorma do dado natural, mas
dade primitiva para restaurar um espírito que nem por isso - ele faz uma concessão - meditan-
Bacon concebe idealmente como aquilo em que do apenas sobre o elementar; nesse caso, perder-
o mundo se reflete. O método baconiano como se-ia a perspectiva de conjunto, visto que a natu-
via reta deve, pois, ser apreendido essencialmen- reza se encontra, na realidade, configurada e
te_como retificador, por meio de uma tripla cen- composta. Adivinha-se já o atomismo de Bacon.
sura, à razão nativa, às doutrinas e aos métodos. Sua desconfiança em relação à abstração o leva-
Examinemos algumas características gerais do rá, portanto, a só aceitar como verdadeiros axio-
~V método de Bacon. mas aqueles que ele denomina meios, "sólidos,
vivos", em oposição aos princípios generalíssi-
Método, formas e naturezas mos puramente ideais. Esses axiomas-meios fi-
Esse método pretende ser, antes de mais nada, cam o mais perto possível do dado, e, servindo
um instrumento regrado, próprio à recuperação de fecho ao sistema, só eles autorizam a passa-
BACON 109 BACON

gem para o princípio, só eles verificam sua abs- o próprio "método experimental", elaborando a
tração: "eles as limitam", marcando um momen- única memória que autoriza as idas e vindas ex-
to forte da abstração. perimentais. Ora se sobe, ora se desce, indo dos
Ademais, se a experiência é a única garantia fatos aos axiomas, dos axiomas à prática; com-
da verdade, Bacon recomenda não voltar-se, ape- preendemos, ouvindo Bacon, por que ele foi ci-
sar disso, cedo demais para a ação, para a aplica- tado por Claude Bernard.
ção prática, ainda que ele tenha assim definido a A "caça a Pã", à qual se entrega o pesquisa-
finalidade da ciência. Segundo ele, Deus criou dor, vincula-se, pois, a essa experiência dirigida
em primeiro lugar a luz, antes de ir à matéria. Do e transcrita continuamente. Em De Augmentis...,
mesmo modo, as utilidades concretas virão em Bacon indica sucintamente que procedimentos
seu tempo. As experiências "luminosas", preçe- aplicar-lhe, a fim de bem conduzi-la. O método
dem de direito as experiências "frutuosas". Mes- baconiano considera sucessiyamente:_wariaçlã)
mo refutando a especulação, Bacon não é um da experiência (modificar um dos elementõSTfó ^
pragmático extemporâneo. fenômeno nhservado: matéria, quantidade, causa
Em definitivo, esse método, que se pretende eficiente...); aj>rolongaçy> da experiência (reite-
indução verdadeira, baseia-se em duas posições. rar a experiê^cjâjEvaTíSo-a até certo grau de "su-
Porum lado, uma concepção - corrio se diz - tileza"); qtrasladp' da experiência (aplicar numa
atomista da natureza; por outro, uma distância arte o que^25^rvado em outra arte ou na natu-
firme em relação à teologia. Ela não pode impe- reza); arfnversã^da experiência (o quente vai de
dir o acesso ao mundo, diz Bacon, pois tem como baixo pagsCima; o frio terá movimento inver-
objeto "os divinos mistérios apenas". Denuncia so?); afcompulsã^da experiência (em que se in-
sem rodeios a superstição e o zelo desmedido terroga oõtjetóexperimentado até o aniquila-
pela religião como um obstáculo à filosofia na- mento, submetendo-o ao máximo e buscando
tural; e é assim o "inimigo" por ele indicado. descobrir aiiaado desaparece a natureza investi-
Também nesse caso sabe muito bem que posição gada); afopTicaçâojTa experiência Çejnqueela^é
tomar para instaurar a ciência nova. Seria absur- transferida^w^rSÍguma coisa útiT); e - o aspec-
do, evidentemente, atribuir a Bacon mais do que to mais surpreendente dessegijia de conduta ex-
aquilo que ele disse. Lendo-o, percebem-se in- perimental tão cerrado - oacasojda experiência,
tuições_ricas, fecundas, que lembram aquilo em em virtude do qual Baconn©ríhcentiva a reme-
que se transformoua ciência experimental. Ba- xer todas as pedras da natureza, pois assim se
con lança bases muitas vezes confusas, rapida- podemjeyelar segredos inesperados. É de notar
mente traçadas, no modo peremptório de injun- nesse guia baconiano o aspecto profundamente
ção, de regra no sentido jurídico. "Não demons- tópico dos imperativos metódicos apresentados
tra nada; narra", dirá Espinosa a Oldenburg, a na forma de inventário dos lugares da descoberta
respeito de Bacon. e dos lugares da interrogação.
Nem todas as experiências se eqüivalem; ao O método de Bacon baseia-se numa física
contrário, e Bacon vai multiplicar as recomenda- com a qual se encontra em correspondência; no
ções ao longo de sua exposição sobre a indução. fundo, é preciso explicar as coisas, e nesse cami-
A boa experiência é a experiência guiada, ou en- nho Bacon nunca deixa de topar com o aristote-
tão não vale mais que o tenteio, experientia va- lismOjjo^ual se oporá, mas sem cortar vínculos.
ga. Bacon insiste não só na intenção diretiva, que Assim, utiliza a doutrina aristotélica das quatro
deve presidir à experiência, mas também na ne- causas, mas reinterpretando o sentido dessas no-
cessidade de somá-la, acumulá-la. Diz ele que a ções. É sobretudo sob o conceito de forma que
experiência deve tornar-se urna experientia litte- ele insere sua física, mas também nesse caso de-
rata, que abandone a meditação e o exercício da finirá essa noção de modo tão equívoco que não
memória apenas, em proveito da inscrição escri- conseguirá construir um instrumento conceituai
ta. "A única invenção que deve ser aprovada é a conseqüente. Bacon pensa os corpos como com-
invenção pelo escrito." Essa experiência è então postos de naturezas simples, que são os elemen-
BACON BACON

tos que seu método experimental procura atingir. de um projeto experiencial exige da análise teó-
Entende essas naturezas simples como átomos, rica pelo menos duas condições: certeza do pro-
não analisáveis, aderindo assim ao atomismo de- cedimento e simplicidade da execução. O que
mocritiano, do qual porém se afasta ao refutar impõe à ciência, ao mesmo tempo, infalibilidade
por exemplo, curiosamente, o vácuo. Alfabeto da e economia de descrições no sentido da prática.
natureza, a série desses "elementos" forma com- Com freqüência se entende mal o nexo entre a
binações variadas que vão compor os corpos em natureza simples e sua forma em Bacon. As sig-
agregados. Desse modo, a ciência baconiana con- nificações dessa natureza muitas vezes permane-
firmará no fundo das coisas suas posições de cem vagas e indecisas, como veremos, mas um
princípio, a saber, sua_finalidade_tecnicist_a: cons- aspecto nos parece marcar, ao menos aí, uma
truir o bem dos homens. Isto porque o método coerência em Bacon: o lugar ocupado pela forma
analítico que conduz às naturezas simples só é da alçada do saber teórico; a natureza simples é
vale em definitivo na perspectiva da inversão, ou da ordem da manifestação concreta. No sentido
seja, só vale por permitir a fabricação, a síntese da reversibilidade definida acima, elas são uma e
de corpos. Bacon só pensa a matéria em termos mesma coisa. A forma é condição de produção
"construtivistas": conhecer as naturezas simples de uma propriedade, de uma qualidade observá-
para produzi-las, para introduzir, sobrepor (su- vel por um homem na natureza, de maneira ime-
per inducere) naturezas novas a corpos. O único diata. "Posta essa forma, a natureza dada se se-
meio de realizar essa idéia (de alquimista) é co- gue infalivelmente." No entanto, a forma não é
nhecer a essência, a forma, dessas naturezas sim- causa geradora stricto sensu; sendo condição de
ples, determinar enfim "a fórmula do corpo". existência, e não essência da natureza em ques-
Mas Bacon continua prisioneiro das determina- tão, ela manifesta mais a unidade profunda de
ções qualitativas, na verdade bem aristotélicas. uma mesma natureza inserida em matérias des-
O que são essas naturezas: calor, um peso espe- semelhantes. Na natureza só há corpos simples e
cífico dado, uma cor, uma ductilidade... Essas individuais "que operam por atos puros e indivi-
naturezas estão inscritas num universo finito, no duais, também em virtude de certa lei". A forma
sentido de que seu número é finito e sua lista não é, em hipótese nenhuma, preeminente. Ex-
exaustiva. Bacon supõe possível sua enumeração pressão de uma relação da natureza dada com
e as crê identificáveis sem equívoco em exem- outra natureza mais geral, relação de limitação
plos privilegiados (prerogative instances) que ou de determinação, assim como a espécie se re-
desejaria enunciar. É nesse ponto essencial das laciona com o gênero, a forma indica, sem ser
naturezas qualitativas que ele se afasta da ciência essência, a fonte da essência, natureza mais geral
nova, nascente alhures. da qual deduzir a natureza considerada. Uma tal
As necessidades de efetuação concreta da po- definição da forma, condição de existência, será
tência "construtiva" vão determinar a própria porventura compatível com a precedente, condi-
noção de forma. "Suponhamos que um homem ção de produção menos "logicista"?
quisesse conferir à prata a cor amarela [...] Que O imperativo que pesa sobre a teoria acarreta
preceito, que regra esse homem pediria?" Aí está a consideração de outras noções dessa física ba-
- diz Bacon - o que a ciência deve saber: inven- coniana. Para se chegar à transformação dos cor-
tar tal preceito e descobrir a verdadeira forma são pos, é preciso conhecer os movimentos contí-
uma só e mesma coisa. A ação constitui o crité- nuos do "processo latente" (metaesquematismo)
rio decisivo do saber. É preciso ao menos reco- que faz uma matéria passar de um estado a outro
nhecer que Bacon teve a audácia de enunciar essa sem que se possa observá-lo, que faz uma natu-
tese do primado da operação. A verdade é esse reza emergir sob a ação de uma causa. Ademais,
êxito operatório. A experiência, então, não é ape- a complexidade dos corpos-agregados é tal que
nas instrumento que vise ao conhecimento; ela é preciso conseguir conhecer seu "esquematis-
se afirma produtiva. A prática dita condições à mo latente", a estrutura do conjunto das nature-
teoria. O preceito que garanta a exeqüibilidade zas simples de que são compostos, que corpos
BACON 11] BACON

em que estruturas ("disposições"). São os movi- mo-nos primeiro a uma tabela de exemplos co-
mentos dessas estruturas de elementos invisíveis nhecidos que "se apliquem a essa natureza",
que o processo latente descreve, donde seu nome: embora ela exista em matérias dessemelhantes.
metaesquematismo. Essas duas noções expri- Num segundo momento, cria-se a "tabela de de-
mem o "curso comum da natureza", a física. clinações", que investiga exemplos tirados de as-
Como vimos, a forma se enquadra na física suntos em que a natureza esteja ausente, mas,
baconiana, mas ela aparece também como objeto para limitar a tabela, que apresentem analogia
propriamente metafísico. Talvez aí devam ser com os exemplos da tabela anterior. Em terceiro
entendidas as incertezas de Bacon quanto a suas lugar, o método preconiza o comparecimento
formulações e sua terminologia. É certo que a "diante do entendimento" dos exemplos em que
interpretação da forma baconiana continua sen- a natureza se apresente em diferentes graus, em
do um verdadeiro problema, pois as definições seus movimentos e estados internos, e também
parecem variar de um texto ao outro. Fala-se de comparando exemplos diferentes. Depois dessa
organização prévia dos dados nessa tabulação, a
forma a respeito da "diferença verdadeira, natu-
indução passa a operar sua análise da natureza;
reza naturante ou sua fonte de emanação". Ela é
de início, por exclusão e rejeição. Por fim - pro-
ipsissima res, a coisa mesmíssima, ou melhor,
mete Bacon -, "fica no fundo do crisol a forma
sua intimidade consigo mesma. Não seria por-
afirmativa verdadeira, sólida e bem limitada". A
ventura possível apreender essa forma, simulta-
aplicação proposta por Bacon com referência ao
neamente conceito físico e metafísico, nesta ou-
"calor", como natureza, demonstra alguns equí-
tra formulação de Bacon, que conserva a ambi-
vocos. Parece que, sendo a investigação da for-
güidade, a dupla face: a forma é "a lei do Ato
ma a busca de uma natureza mais geral da qual o
puro"? Nesse caso, não se trataria mais apenas
dado é uma limitação, o procedimento visa a ex-
de uma forma "condição de produção", mas da
cluir as naturezas que, com certeza, lhe sejam
efetividade de uma atualidade absoluta a gover- estranhas. Bacon rejeita, quanto ao calor, a natu-
nar as naturezas, manifestada fisicamente em reza elementar celeste, a tenuidade, o movimen-
movimentos e processos baseados em preceitos. to local, confirmando ainda a definição vaga de
Desse modo, a forma, sem ser essência nem cau- suas "naturezas fundamentais" (naturezas sim-
sa geradora, afirma a intimidade da coisa como ples). Transposto esse primeiro estágio negativo
atualidade, ato manifestado. É certo que aí está de rejeição de naturezas-formas inadequadas, o
uma interpretação cuja presença coerente em Ba- entendimento pode aventurar-se - graças a uma
con não se pode comprovar. permissão especial do método - pela tentativa
positiva. "Primeira vindima", diz Bacon, em que
A indução verdadeira o entendimento experimenta a interpretação e
em que o método dá seus primeiros frutos. Esse
Opondo-se, como vimos, a qualquer modo
ensaio realiza-se essencialmente graças aos exem-
antecipador do saber, Bacon quer indicar preci-
plos em que a natureza dada aparece melhor, ma-
samente o caminho retificador do entendimento
nifestada sob uma luz indubitável: esses exem-
que o vai guiar na interpretação da natureza. Es-
plos são chamados por Bacon de exemplos os-
sa via reta é a indução verdadeira, "chave da in-
tensivos. No exemplo em questão, o quid ipsum
terpretação". Esta operará com base num dado
do calor é o movimento. Bacon deseja mostrar
previamente colhido, que constituirá o funda-
nisso a eficácia de seu método. Mas o quid ip-
mento do trabalho em uma "história natural e ex-
sum - repetimos - é uma natureza da qual aque-
perimental". Mas esta última é tão variada e con-
la que se investiga é uma limitação por diferen-
fusa que a busca das formas só se mostra possí- ças (como o gênero em relação à espécie). Trata-
vel quando se põe em cena uma multidão de se, pois, de exibi-las para mostrar a forma. Ora,
exemplos naturais em séries de tabelas ou "coor- Bacon estabelece essas diferenças essenciais,
denação de exemplos". Suponhamos que a pes- mas desta vez sem pôr claramente em evidência
quisa seja em torno de uma forma dada. Dirigi-
BACON 112 BAKUNIN

a relação com as tabelas de comparecimento que parecer diante dele a Natureza lida em instan-
acaba de construir. Mais uma vez, é muito aris- ciae, casos fatos-exemplos, experiências, é um
totélico em certos procedimentos: age mais como trabalho obstinado que posterga o momento es-
bom leitor da lógica de Aristóteles trazendo à perado de ver "o que Deus vê", de contemplar as
tona essas diferenças essenciais do que como formas, dispor da potência. Se houve quem dis-
físico a utilizar o método por ele mesmo preco- sesse que ele era herdeiro das doutrinas agosti-
nizado. nianas, pode-se acrescentar em seu favor que ele
O método indutivo se resume de fato nessas faz uma aposta - mais platônica - da leitura da
três etapas: tabulação, rejeição, primeira vindi- forma. Nesse sentido sua posição o põe no limiar
ma. Bacon queria a seguir ajudar o entendimento da mathesis e da ciência nascente: sem participar
a realizar as etapas por meio de instrumentos me- dela? Pelo menos, Bacon inicia seus contempo-
todológicos. Só dará cabo do primeiro de seus râneos nessa "longa e inquieta estada na expe-
projetos: enunciar uma tipologia dos fatos de ex- riência e na matéria".
periências, ou exemplos, o que ele chama de exa-
Jean-Pierre CHRéTIEN-GONI
me das prerrogativas de fatos. Previa acrescen-
tar-lhe "apoios e retificações da indução", "ele-
• The Works and Letters ofFrancis Bacon, 14 vol., Lon-
mentos sobre a variedade das pesquisas", os "li- dres, 1848-1874, textos coligidos, anotados e, caso neces-
mites da pesquisa" (começar ou acabar), seus sário, traduzidos para o inglês por Spedding, Ellis e Heath;
"preparativos", uma "sinopse de todas as nature- reimpressão Friedrich Frommann Verlag, Stuttgart, 1963.
zas do Universo" etc. A tipologia das prerrogati- Oeuvres de Fr. Bacon..., trad. franc. de Lassalle, Dijon,
Ano 10 da República; essa tradução é retomada, modifica-
vas dos fatos tenta estabelecer categorias cujo
da e completada em Oeuvres philosophiques, morales ei
objetivo é auxiliar as operações de rejeição ou poliliques de François (sic) Bacon, Paris, 1836. Obras se-
afirmação necessárias à indução. Os exemplos paradas, atualmente disponíveis em francês: Les Essais,
ostensivos figuravam como primeiro tipo. Mas trad., introd. e notas M. Castelain, Aubier, 1948; La Nou-
existem muitos outros, todos designados numa vdleAtlanlide, trad. e comentário M. Le DoeufT e M Llase-
ra, Payot, 1983; Le Valerius Terminas, ou de 1'imerpréta-
linguagem bastante singular. Exemplos solitá-
tion de Ia nature, trad. e notas Fr Vert, prefácio M. Le
rios, de migração, liberdade, crepúsculo (clan- DoeufT, Méridien-Klincksieck, 1986; Novum Organum,
destinos), conformidade, monódicos (irregula- trad. e introd. M. Malherbe e J.-M. Pousseur, PUF, 1986;
res), desvio, limítrofes, feixe, cruz etc. Não po- Récusation des doctrines philosophiques et autres opuscu-
demos nos demorar aqui nos detalhes de seu exa- les. trad., introd. e notas D. Deleule e G. Rombi, PUF,
1987; Du progrès ei de Ia promolion des savoirs, trad.,
me. Basta notar que alguns desempenham um pa-
preâmbulo e notas M. Le DoeufT, Gallimard, 1991.
pel particular de retificação do entendimento, o
que Bacon expressa claramente. Outras classes => Paolo Rossi, Francesco Bacone, delia magia alia scien-
dão socorro aos sentidos, tornam visível o que zia, Bari, 1957, reed. Turim, 1974; Benjamin Farrington,
The Philosophy of F. B., Liverpool, 1964; Lisa Jardine. F.
lhes escapa, indicam as variações dissimuladas
B., Discovery and lhe Art o/Discourse, Cambridge, 1974;
na matéria, fornecem equivalentes quando a ob- Marta Fattori, Lessico dei Novum Organum, ed. delFAte-
servação falha, excitam os sentidos para a aten- neo e Bizarri, Roma, 1980; Marta Fattori, F.B., Terminolo-
ção etc. Ao todo, 27 classes de exemplos reuni- gia e Fortuna, Roma, ed. delFAteneo, 1984; Bacon, scien-
dos por grupos que visam a ajudar o entendi- ce et méthode (col. org. por M. Malherbe e J.-P. Pousseur),
Paris, Vrin, 1985; Les Etudes philosophiques, n? 3, 1985;
mento em sua busca da indução verdadeira. Há,
Revue Internationale de philosophie (número especial dir.
evidentemente, numerosos elementos por desco- por M. Le DoeufT), n. 159, 1986.
brir na análise precisa desse "argumentário"
baconiano em que o filósofo deixa perceber suas Michèle Le DOEIíFF
concepções físicas profundas. Mas isso diz res-
peito a estudos mais precisos.
BAKUNIN Mikhail, 1814-1876
Identidade entre verdade do ser e do conhe-
cer: Bacon organiza a difícil transparência de uma Revolucionário russo e o mais importante pro-
para a outra. Corrigir o entendimento, fazer com- pagandista do anarquismo do século XIX, Baku-
BAKUNIN 13 BAKUNIN

nin nasceu em Premukhino numa família da aris- da melhor tática a ser empregada contra a auto-
tocracia esclarecida. Estuda na Escola de Arti- cracia russa, que se empenhara num processo de
lheiros de São Petersburgo e inicia uma carreira reformas a partir de 1861. Depois de tentar em
militar. Em 1835 abandona o posto, mas evita vão juntar-se à insurreição polonesa de 1863,
um processo por deserção. Volta a Premukhino, Bakunin vai morar na Itália, onde aprofunda sua
onde se dedica ao estudo da filosofia clássica ale- concepção de anarquia e funda em Nápoles, no
mã, sobretudo de Fichte e Hegel, ao mesmo tem- ano de 1868, a Aliança Internacional da Demo-
po em que freqüenta o círculo Stankevich, onde cracia Socialista. No mesmo ano adere à Asso-
se torna amigo de V. G. Bielinski, 1. Turgueniev e ciação Internacional dos Trabalhadores (a I In-
A. Herzen. Em 1840, vai para a Alemanha a fim ternacional), na qual logo se chocará com Marx.
de terminar os estudos de filosofia na Universi- O conflito entre os dois porá em risco, por diver-
dade de Berlim. Logo sofre a influência dos "jo- sas vezes, a unidade da Associação, culminando
vens hegelianos", e em 1842 publica com o em 1872, no Congresso de Haia, com a expulsão
pseudônimo Jules Elysard, nos Deutsche Jahrbü- de Bakunin. Esse acontecimento terá conseqüên-
cher de Arnold Ruge, um ensaio que se tornou cias profundas e duradouras no movimento ope-
célebre, A Reação na Alemanha, no qual exalta a rário, pois Bakunin continuou a exercer influên-
negatividade e o espírito de destruição: "A ale- cia preponderante nas federações latinas (espa-
gria da destruição é, ao mesmo tempo, uma ale- nhola, italiana e franco-suíça).
gria criadora." Quando o governo russo exige Em termos de teoria, Bakunin opõe-se a Marx
sua volta ao país, Bakunin se nega, e vai para Pa- na questão da natureza do regime político que
ris, onde faz contatos com Proudhon e Marx, nascerá dos escombros dos Estados burgueses;
bem como com os asilados poloneses, em cuja isso se manifesta em seus textos LEmpire knou-
convivência elabora seu pan-eslavismo, identifi- to-germanique (1871) e Estado e Anarquia.
cando a revolta dos povos eslavos com a revolu- Durante os últimos anos de sua vida, Bakunin
ção social. continuará a participar das atividades das organi-
É expulso da França por causa de seus escri- zações que lhe são próximas, ainda que com pes-
tos contra o governo russo, mas volta durante a simismo em relação às perspectivas imediatas da
Revolução de Fevereiro de 1848, da qual partici- revolução na Europa.
pa ativamente. A seguir participa também das
barricadas de Praga e depois vai para Dresden. É Filosofia e revolução
na Alemanha que redige Apelo aos Eslavos, seu Sob a influência dos jovens hegelianos, Ba-
primeiro manifesto importante, no qual afirma a kunin define suas primeiras concepções filosófi-
primazia da revolução social sobre a revolução cas: em B. Bauer e, principalmente, em A. Ruge
política, e rejeita o individualismo em favor de encontrará o tema da práxis, identificada com a
um coletivismo que será um dos fundamentos de luta política, pois a práxis, baseada na dialética
sua concepção da anarquia. Preso na Alemanha e hegeliana, visa à transformação do mundo. Daí a
entregue às autoridades russas, Bakunin ficará analisar a situação política em termos de catego-
encarcerado até 1857. É na fortaleza Pedro-e-Pau- rias filosóficas há um passo que Bakunin não
lo que redige sua Confissão (publicada em 1921), hesitará em dar. Entre o "partido conservador"
em que se manifesta a natureza complexa e con- no poder e o "partido democrático" que só vive
traditória de sua personalidade. Autorizado em da oposição ao poder estabelecido, existem rela-
1857 a residir na Sibéria, consegue fugir da Rús- ções de contradição que não deixam espaço a
sia em 1861. Depois de um longo périplo, en- posições intermediárias. Para Bakunin, "Hegel é
contra-se em Londres, onde restabelece contato o ponto de partida da autodissolução necessária
com A. Herzen, que entrementes se tornara a mais da cultura moderna [...] eleja ultrapassou a teo-
importante personalidade da colônia russa na ria e postulou um mundo prático novo". Na auto-
Inglaterra, sendo editor de Kolokol. Os dois ami- dissolução, o negativo desempenha o papel fun-
gos não tardarão a entrar em conflito a respeito damental na destruição total do positivo. Essa
BAKUNIN 114 BAKUNIN

"inflação" do negativo rompe o equilíbrio entre Estado é criado pela religião no seio da socieda-
as forças opostas e conduz a uma teoria da sub- de natural, e no caso de um Estado baseado na
versão total do mundo. Não há lugar para a con- teoria do contrato social "sua única meta é a
ciliação e, de certo modo, também não há lugar maior satisfação possível do egoísmo coletivo de
para a teoria, que Bakunin opõe sistematicamen- uma associação particular e restrita". Da multi-
te à "vida prática", onde haure sua razão de ser. plicidade dos Estados decorrem a hostilidade e a
destruição da solidariedade, pois "o Estado é a
Ateísmo negação mais flagrante, mais cínica e mais com-
A rejeição à conciliação e à especulação teó- pleta do humano [...] ele está na raiz das diversas
rica reflete-se no ateísmo de Bakunin, que será formas de escravidão, entre as quais a assalaria-
mais aprofundado nos anos 1860 e que é uma da". Por fim o "funcionamento dos Estados, ape-
das características essenciais de seu anarquis- sar de suas aparências democráticas, visa sempre
mo. Apropriando-se dos efeitos críticos do positi- a estabelecer a dominação de uma minoria sobre
vismo comtiano, Bakunin ataca o cristianismo, a maioria".
definindo-o como a religião por excelência, "por- Mas a luta contra o Estado não leva Bakunin
que expõe e manifesta a própria natureza e a a posições individualistas. Ao contrário, ele de-
essência de toda religião, que são: empobreci- fende "a sociabilidade humana, cuja destruição
mento, aniquilamento e sujeição da humanidade pela criação dos Estados impede as sociedades
em favor da divindade". Aceitar a existência de de encontrar equilíbrio de maneira espontânea e
Deus "implica abdicar à razão e à justiça huma- de obter a liberdade". Do ponto de vista anar-
nas". A religião é "a negação da liberdade huma- quista, não há "tomada do poder" possível, pois
na e redunda necessariamente numa escravidão seu exercício redunda necessariamente na nega-
não só teórica como também prática". Mas ao ção dos objetivos da revolução. "Rejeitamos ener-
gicamente qualquer tentativa de organização so-
identificar religião com metafísica, Bakunin tem
cial que, sendo estranha à mais completa liber-
um objetivo estritamente político: sua aliança, de-
dade dos indivíduos e das associações, exija o
fendida obstinadamente pelos Estados europeus
estabelecimento de uma autoridade regulamen-
da época, representa o obstáculo mais difícil de
tadora de qualquer natureza, e, em nome dessa
transpor no caminho da emancipação. Livrar as
liberdade que reconhecemos ser o único funda-
massas do embuste religioso exige a mobilização
mento e único criador legítimo de qualquer or-
da ciência racional e a propaganda do socialismo.
ganização, tanto econômica quanto política, pro-
Outros elementos serão integrados na concep- testaremos sempre contra o que se parecer, de
ção de mundo de Bakunin: antropologia feuerba- perto ou de longe, com o comunismo e o socia-
chiana, três estágios comtianos, análises marxis- lismo de Estado." É aí que está, sem dúvida, a
tas do trabalho; apesar dessa justaposição ecléti- raiz do conflito com Marx, que vai além dos
ca, tem-se uma definição de unidade do universo conflitos de personalidades e de organizações. A
que pode esclarecer sobre as motivações profun- experiência das revoluções de 1848 a 1871 mos-
das do revolucionário: "A unidade real do uni- tra a Bakunin o fracasso definitivo do socialis-
verso nada mais é que a solidariedade e a infini- mo de Estado. Qualquer tentativa de modificar
dade absolutas de suas reais transformações - as estruturas do Estado sem destruir seus funda-
pois a transformação incessante de cada ser par- mentos está fadada ao malogro. O que importa é
ticular constitui a verdadeira, a única realidade organizar a sociedade de tal maneira que "todo
de cada um, sendo o universo apenas uma histó- indivíduo, homem ou mulher, vindo ao mundo,
ria sem limites, sem começo nem fim." encontre meios mais ou menos iguais para o de-
senvolvimento de suas diferentes faculdades e
A critica ao Estado para sua utilização no trabalho; organizar uma
É através da crítica à religião que Bakunin faz sociedade que, impossibilitando a qualquer in-
a análise da sociedade e do Estado. Isto porque o divíduo a exploração do trabalho alheio, permi-
BAKUNIN 115 BARTHES

ta que cada um participe do usufruto das rique- BARTHES Roland, 1915-1980


zas sociais, que na realidade são sempre produ-
Barthes não é filósofo. É um crítico, talvez so-
zidas pelo trabalho, desde que tenha diretamen-
ciólogo, de qualquer modo um teórico. Nas suas
te contribuído para produzi-las com o seu traba-
obras finais, porém, faz incursões pela filosofia.
lho". Abandonar definitivamente a violência e o
Nascido em Cherbourg, estuda letras clássi-
princípio de autoridade, tal é substancialmente o cas na Sorbonne. Em 1933, uma primeira crise
projeto anarquista. O Estado deve ser substituído de tuberculose interrompe seus estudos. Partici-
pela "federação livre dos indivíduos nas comunas, pa em 1936 da criação do Grupo Teatral Antigo
das comunas nas províncias, das províncias nas na Sorbonne, que representa Os Persas, de Es-
nações, e destas nos Estados Unidos da Europa, quilo. Em 1939, torna-se professor de letras (em
de início, e depois do mundo inteiro". Temas que Biarritz e depois em Paris). No fim de 1941, uma
serão retomados ulteriormente por Kropotkin, nova crise de tuberculose obriga-o a começar um
que aprofundará os aspectos históricos da co- longo tratamento no Sanatorium des Etudiants
muna e os fundamentos da ajuda mútua. de France. Lê Michelet e Marx. Volta a Paris em
• Oeuvres em 6 vol., Paris, org. Max Nettlau (vol. I) e 1946, onde começa a publicar artigos na página
James Guillaume (vol. 1I-V1), 1895-1913; Sobranie soci- literária de Combat. Esses textos se transforma-
nenij i pisem, 4 vol., Moscou, org. Ju. M. Steklov, 1934- rão em O Grau Zero da Escrita. Em 1948-1949,
1935; Archives Bakounine, Leiden, org. Arthur Lehning, é leitor de francês em Bucareste e depois, em
1961 (reed. a partir de 1973, Paris, Champ libre, com o ti-
1950, na Universidade de Alexandria. Publica
tulo Oeuvres completes de Bakounine); Oeuvres de Bakou-
artigos em vários jornais, passa a trabalhar para
nine, 6 tomos, Paris, Stock, 1895-1913 (reed. a partir de
1972); Confession, trad. franc. de P. Brupbacher, Paris, a Direction des relations culturelles. Em 1953, é
1932 (reed. PUF, 1974); De Ia Guerre à Ia Commune. adido de pesquisas no CNRS (Centre nacional
Texles choisis. Paris, ed. F. Rude, 1972; Correspondance de Ia recherche scientifique), onde realiza traba-
avec Herzen et Ogarev, trad. franc. de M. Stromberg, Pa- lhos de lexicologia e de sociologia. Nesse ano,
ris, 1896; Marx-Bakounine: socialisme auloritaire ou li- participa da fundação da revista Théâtre popu-
berlaire?, textos reunidos e apresentados por G. Ribeill, 2
laire, na qual defende a causa brechtiana. Reda-
vol., Paris, 1975, col. "10/18".
tor da revista Arguments a partir de 1956, em
=> F. Brupbacher, Socialisme et liberte, Neuchâtel, 1955; 1962 é nomeado diretor de estudos da Ecole pra-
E. H. Carr, Michel Bakunin, Londres, 1937; M. Confino, tique des Hautes Etudes, onde dirige o seminário
Violence dans Ia violence: le débat Bakounine-Nelchaev, de sociologia dos signos, símbolos e representa-
Paris, Maspero, 1973; J. Freymond (org.), La f Interna- ções. A partir de 1966, ensina em várias universi-
tionale. Recueil de documents, 2 vol., Genebra, 1962; J.
dades estrangeiras. Em 1976, é eleito professor
Guillaume, L Internationale. Documents et souvenirs
no Collège de France, onde é criada para ele uma
(1864-1878), 4 vol.. Paris, 1905-1910; H. E. Kaminski,
Michel Bakounine. La vie d'un révolulionnaire. Paris,
cadeira de semiologia literária. Morre em con-
1938 (reed. em 1974); A. A. Kornilov, Molodye gody Mi- seqüência de um acidente de trânsito em 1980,
chaila Bakunina, Moscou, 1915, e Gody stranstvij Mi- ocorrido nos arredores da Sorbonne.
chaila Bakunina, Leningrado-Moscou, 1925; C. Labran- Como se vê, Roland Barthes seguiu um itine-
de, La I" Internationale, Paris, 1976; A. Lehning, Michel
rário bem curioso, feito de "quebras, zigueza-
Bakounine et les autres. Esquisses et portraits contempo-
gues, saltos à frente" (P. Dulac). Esse itinerário
rains d'un révolulionnaire. Paris, 1976, col. "10/18"; A. P.
Mendel, Michael Bakounin. Roots of Apocalypse, Nova
não conformista, ligado à doença, permite-lhe
York, 1982; M. Nettlau, Michel Bakunin. Eine biographie, traçar uma trajetória original. Só começa a escre-
3 vol., Londres, 1896-1900; Ju. M. Steklov, MichailÁlek- ver tardiamente; tem quase quarenta anos quan-
sandrovich Bakunin. Ego iizn dejatelnost 1814-1876, 4 do seu primeiro livro é publicado: um ensaio so-
vol., Moscou-Leningrado, 1926-1927, e Materialy dlja bre a dialética da literatura e do poder, O Grau
biografi M. Bakunina, Moscou, org. V. P. Polonskii, 3 vol., Zero da Escrita (1953). Trata-se de uma história
1923-1933. da linguagem literária que não seria a história da
René ZAPATA língua nem a dos estilos, "mas simplesmente a
BARTHES 116 BARTHES

história dos signos da literatura". Barthes inte- Barthes escreve também sobre música, arte,
ressa-se pelas significações por si mesmas. O que cinema. Na verdade, tem-se a impressão de que
nos dizem elas de nossa sociedade? Barthes mos- Barthes escreve para si mesmo, para o prazer, "o
tra que todo signo pode tornar-se um mito, que prazer do texto".
todo objeto de discurso é permeado pelo campo O Prazer do Texto (1973) é um livro pequeno,
dos valores sociais. com uma centena de páginas, que nos apresenta,
Se Barthes se interessa pelos mitos, é porque talvez, a chave dessa escrita exuberante. "O que
eles, geralmente vistos como auto-explicativos, sabemos do texto?", pergunta Barthes. E respon-
na verdade carregam a ideologia de uma socie- de: "A teoria, nestes últimos tempos, começou a
dade. Os mitos veiculam as crenças, as opiniões responder. Resta uma pergunta: o que fruímos do
de grupos. Barthes quer descobrir a trajetória da texto?" E Barthes explica que a formulação des-
falsificação, do desvio das palavras, dos signos, sa pergunta, se necessária, poderia obedecer a
das significações. Essas significações constituem uma razão tática: "cumpre afirmar o prazer do
nosso ambiente cotidiano numa sociedade domi- texto contra as indiferenças da ciência e o purita-
nada pela publicidade. nismo da análise ideológica; cumpre afirmar a
fruição do texto contra o achatamento da litera-
Em Sistema da Moda e Elementos de Semio-
tura a simples amenidade". E como é próprio da
logia, Barthes tenta construir a semiologia, ciên-
fruição "não poder ser dita", Barthes escreve O
cia que tem como objeto o estudo e a vida dos
Prazer do Texto na forma de sucessão desordena-
signos inseridos na vida social. A pesquisa de
da de fragmentos: "Facetas, ligeiros toques, ba-
Barthes constitui então o prolongamento do Cur-
lões de um desenho em quadrinhos invisível:
so de Lingüística Geral (1910) de Saussure. Ao
simples mise-en-scène da questão, rebento extra-
contrário de Saussure, que acreditava dever a lin- ciência da análise textual."
güística um dia dissolver-se numa ciência mais
Esse livro é fundamental na obra de Barthes.
ampla, que seria a ciência dos signos, Barthes
Marca uma ruptura. A partir de O Prazer do Tex-
acredita que a teoria dos signos é que deve fun-
to, Barthes, que era muito "cientificista" em seu
dir-se na lingüística. A linguagem está sempre
período semiótico, começa a colocar-se a ques-
presente, sob o discurso dos signos. Barthes ilus-
tão do sujeito/objeto do texto. Põe-se no centro
tra essa idéia trabalhando a questão da moda, que
de sua reflexão, muitas vezes com ironia, como
é um conjunto "dotado de verdadeira profundi-
em Roland Barthes (1975), publicado na coleção
dade social", por trás do qual se encontra de novo
"Ecrivains de toujours". Barthes escreve uma in-
a linguagem. trodução à sua obra. Reflete sobre seu próprio
Essa hipótese explica o fato de Barthes reto- itinerário, que o levou a ser o que é. Avalia-se.
mar os instrumentos conceituais da lingüística. Tenta encontrar o que se acha no fundamento de
Mas a obra de Barthes não pode reduzir-se à se- sua obra. Às vezes, escusa-se de partir de si mes-
miologia. mo assim, quando quer falar de um cantor de
Ele também se interessa por literatura. Bar- que gostava (Charles Panzéra) num colóquio em
thes lê Michelet e Racine, mas sempre com um Roma, no ano de 1977, em que talvez todos es-
método novo. Para Racine, utiliza a psicanálise. perassem que ele fizesse teoria: "Para justificar,
Seus Ensaios Críticos, prolongados por Novos ou pelo menos escusar-me de uma decisão tão
Ensaios Críticos e depois por L 'obvie et Vobtus egoísta e por certo não muito conforme aos hábi-
[O óbvio e o obtuso] (obra póstuma organizada tos dos colóquios, gostaria de lembrar o seguin-
por seu editor) mostram-nos um Barthes curioso te: toda interpretação, parece-me, todo discurso
e eclético. Ele escreve sobre pessoas tão diferen- de interpretação baseia-se numa posição de valo-
tes quanto La Rochefoucauld, Brecht, La Bruyère, res, numa valoração. Contudo, na maioria das ve-
Robbe-Grillet, Loti, Bataille, Voltaire, Proust, zes, ocultamos esse fundamento: seja por idealis-
Flaubert, Queneau, Tácito, Fromentin, Kafka, Es- mo, seja por cientificismo, transvestimos a valora-
quilo, Sófocles, Eurípides. ção fundadora: nadamos no 'elemento indiferente
BARTHES 117 BARTHES

(= sem diferença) daquilo que vale em si, ou da- depreende-se ao fim e ao cabo uma filosofia do
quilo que vale para todos'' (Nietzsche, Deleuze)." sujeito, uma teoria do Eu, que encontra sua iden-
No contexto desse texto sobre a música (Lobvie tidade no reconhecimento de sua singularidade.
et 1'obtus, p. 246), Banhes mostra que a ilusão Haveria um Barthes filósofo.
de que a valoração possa valer em si ou para to- A crer-se em Manfred Frank, professor de
dos não é possível em música. Uma música nun- filosofia da Universidade de Dusseldorf, Barthes
ca é bela em si. Tampouco é bela para todos... é lido como filósofo na Alemanha. Segundo ele,
Se generalizarmos a partir desse pequeno tex- hoje, nas universidades alemãs lê-se mais Bar-
to, diremos que em seu segundo período Barthes thes que Sartre. Por quê? Frank explica: "Barthes
trabalha a questão da subjetividade. A partir de é muitas vezes citado pela 'Escola de Constança'
que lugar falamos quando produzimos um dis- (em torno de Iser e Jauss) e pelos teóricos da re-
curso? Ele vai mais longe ainda. Para ele, quan- cepção em geral. Por que esse sucesso? A obra
do reconhece sua subjetividade, o falante pode de Barthes é muito eclética, o que deve ser en-
produzir algo específico. Tomar como objeto al- tendido sem nenhum matiz pejorativo; ele tinha
go que nos seja peculiar e particular é garantia grande sensibilidade para as tendências, as mo-
de dizer algo único. Há nessa lógica toda uma fi- das, as correntes culturais, nas quais freqüente-
losofia do "Eu". mente se engajou com generosidade sem jamais
Numa leitura que faz de A Câmara Clara, se dar ao gênero da polêmica agressiva." Na se-
Eric Marty (Critique, n?" 423-4, p. 745) mostra qüência de seu texto publicado no Le Monde de
que investir-se de fenomenólogo é apropriar-se 24 de outubro de 1982, Frank constata que Bar-
de um discurso que naturalmente mantém o su- thes esteve próximo da teoria neomarxista no iní-
jeito numa solidão radical, no sentido de ser a cio de sua carreira e mesmo da crítica existen-
única filosofia que exclui o nós de seu discurso, cial, que por volta de 1960 se engajou com força
impondo rigorosamente à enunciação o Eu como no estruturalismo, e que, por fim, foi um dos pri-
único modo discursivo e analítico. meiros a sair do jugo do código. Frank vê em
Eric Marty nota que, em A Câmara Clara, Eu toda essa evolução pessoal, assim como em seu
é ao mesmo tempo objeto da experiência e sujei- estilo e em sua mobilidade de espírito, as razões
to da experiência "que sabe tudo quando o Eu que fazem dele o mais "europeu" dos estrutura-
objeto ainda está no desconhecimento". Para listas. Barthes, para Frank, é o mais acessível
Marty, o desdobramento do Eu que é próprio da dos filósofos contemporâneos aos não falantes
experiência fenomenológica é um operador tex- de francês...
tual e filosófico fundamental. Para Marty, esse
Observa-se o mesmo entusiasmo em Susan
texto é "ilocutório", ou seja, é um texto que pro-
Sontag; mas ela só vê Barthes como escritor. Diz
duz seu objeto exatamente no momento em que
com justiça que ele era, em primeiro lugar, um
o desvela: "O constativo do objeto teórico é as-
homem exemplar... De fato, não deixam de es-
sim efeito do performativo da escrita." Efetiva-
pantar a enorme quantidade de campos aborda-
mente, em A Câmara Clara, obra dedicada a um
dos por Barthes e sobretudo a multiplicidade de
estudo da fotografia, Barthes nos dá os elemen-
métodos que ele sempre manteve ao longo de sua
tos de uma filosofia do tempo. Mostra que o ob-
jeto não é uma substância fixa por analisar. É o investigação. Talvez seja essa a dimensão mais
tempo que o faz surgir e que o desvela através de característica de sua obra.
uma aventura ou de um acontecimento. A essên- • Le degré zero de lecrilure, 1953; Michelet, 1954:
cia é coisa de instante, diz Marty, do instante cer- Mythologies, 1957; Sur Racine, 1963; Essais critiques
to ou do momento certo... do Kairos, como diz 1964; Critique et vérilé, 1966; Système de Ia mode, 1967
Roland Barthes. S/Z, 1970; Sade. Fourier. Loyola, 1971; Leplaisirdu lexte
1973; Fragments d'un discours amoureux, 1977; Leçon.
Através da evocação desses últimos textos, 1978; Sollers écrivain, 1979; Le grain et Ia voix, 1981
acreditamos poder dizer que dessa obra de críti- Vobvie et l'abtus, 1982; Le bruissement de Ia langue
co, de sociólogo de significações, mitos e textos, 1984; Uaventure sémiologique, 1985; Incidents, 1987
BATAILLE BATAILLE

Todas essas obras foram editadas por Editions du Seuil. Ademais, parece repetir constantemente a mes-
UEmpire des signes, Skira, 1970; La chambre claire, Galli- ma coisa, que está além da diversidade dos as-
mard, 1980. suntos. A unidade e a originalidade de sua obra
=? L.-J. Calvet, Rolanti Barthes, un regardpolitique sur le estão no fato de que a fonte de sua escrita é sem-
signe, Payot, 1973; G. de Mellac e M. Eberbach, Banhes, pre a mesma: o desejo de dizer o impossível, o
Ed. Universilaires, 1972; S. Heath, Verlige du déplace- impensável, o silêncio, "para não ficar louco";
ment: R. Barthes, Fayard, 1974; J. B. Fagès, Comprendre
desejo de levar a linguagem até seus limites, ex-
R. Barthes, Privat, 1979; Susan Sontag, Vêcriture mime: A
propôs de Roland Barthes, Christian Bourgois, 1982. Nú-
perimentando os limites do pensamento, tentan-
meros de revistas: L'Arc, n° 56, 1974; Colloque de Cerisy, do dizer do modo mais aproximado a morte, o
Pretexte: Roland Barthes, UGE, 1978, "10/18"; Tel Quel, êxtase, tudo o que é "perda".
n° 47, 1971; Poétique, n° Al, 1981; Critique, n"s 423-4, Tudo tem origem na angústia e no interdito.
1982; Communications, n? 36, 1982; Revue d'esthéüque, Ambos são ambivalentes, ao mesmo tempo me-
n° 2, Privat, 1981.
do e desejo: fascinação ou vertigem. A angústia
Remi HESS é o medo extremo e sem objeto, medo que abre
para o pensamento desarmado um possível infi-
nito, ou seja, o "impossível" mesmo, e o põe em
BATAILLE Georges, 1897-1962 estado de crise, fora de si, numa interrogação
sem fundo. Mas a angústia de se perder é ainda
Escritor francês nascido em 1897. Estudou mais intensa por ser desejo dessa perda. Parale-
arquivística na Ecole des Chartes e durante toda lamente, O Erotismo nos mostra como o interdi-
a vida foi conservador ou bibliotecário. Como to é, em si mesmo, tentação da transgressão. Mas
conservador na Biblioteca Nacional, começou a esta não o destrói; ele reaparece sempre, assim
ler os filósofos em 1922 (Nietzsche). Em 1924, que passa o instante fugaz da transgressão, assim
através de Michel Leiris, entra em contato com como sempre volta a angústia, passado o instan-
os surrealistas. Em 1929, descobre Hegel. Em te miraculoso de sua anulação, que é a chance. A
1935, funda o grupo "revolucionário", heterócli- chance é aquilo que surge da "ferida" (do sujei-
to e efêmero "Contre-Attaque"; um ano depois, to, do pensamento) que é a angústia extrema. No
funda "Acéphale", sociedade secreta. Em 1937, lance extremo da jogada, da liberdade, no "ponto
cria o Collège de Sociologie; em 1946, a revista de ruptura, do largar-tudo", em que a atração da
Critique. Morre em 1962. queda sobrepuja o medo que não pode mais cres-
A obra de Bataille rejeita os gêneros, e em cer, surge a chance. A chance é precisamente essa
sua leitura a noção de gênero se confunde. Nem queda, mas não é mais angústia. A angústia e o
filósofo, nem romancista, nem teórico; escreve desespero extremos tornam-se júbilo. Por um la-
ficções que às vezes parecem romances (Mada- do, porém, não se pode querer a chance, por ser
me Edwarda, Ma mère [Minha mãe]), obras cujos ela o próprio impossível, jamais previsível. Só é
títulos parecem anunciar uma teoria (A Expe- encontrada quando a busca foi abandonada: "Não
riência Interior) sobre assuntos tão diversos quan- há exercício que leve ao objetivo. Imagino que
to arte (Lascaux ou o Nascimento da Arte, A Li- em todos os casos seja o sofrimento, arruinando
teratura e o Mal), economia ou etnologia (La no- e esgotando o ser, que abra ferida tão íntima."
tion de dépense [A noção de despesa], La part Por outro lado, a chance não passa de um instan-
maudite [A parte maldita]), erotismo, sem contar te. Ela é o que chega, e não o que fica. Não pode
uma multiplicidade de artigos e livros cujos títu- ser repouso. A angústia voltará sempre, de novo
los, por si sós, não autorizam nenhuma classifi- levada ao extremo, num perpétuo intercâmbio
cação (Le coupable [O culpado], Vimpossible [O dos contrários, que é uma "alegria supliciante".
impossível]). Bataille nunca escreve um roman- A Noção de Despesa expõe o princípio geral
ce que conte uma história que chegue a "algum da relação excesso/perda: a soma de energia ne-
lugar"; não respeita a forma do discurso filosófi- cessária à produção é sempre menor que a soma
co; só entra num gênero para pôr outros em ação. de energia produzida. Essa energia sem emprego
BATAILLE 119 BATAILLE

só pode ser consumida. Bataille estuda, segundo Sujeito perante um exterior presumido como in-
Mauss (Ensaio sobre a Dádiva), o que os homens teligível, Bataille é o irmão de Nietzsche, e tenta
fazem dessa parte maldita: sacrifícios, potlatch. levar o filósofo para fora de seu acabamento
O potlatch (dar sempre mais do que se recebe) hegeliano.
consiste em viver (ou dar) mesmo acima das pos- Pois se a angústia e o interdito são superados,
sibilidades, e a fúria de desperdício não é sim- se há dialética entre angústia e chance, interdito
ples válvula econômica. É, antes, aquilo que faz e transgressão, essas duas noções - superação e
o próprio homem, o eterno jogo da existência. A dialética - estão muito próximas (pois saídas) dos
arte, o erotismo, o riso têm em comum dar dese- conceitos hegelianos, e, ao mesmo tempo, são
jos de perder-se, de explodir sob a força de uma perfeitamente outras. Isto porque nada se adqui-
vida excedente. Para o homem, viver é, pois, re com a superação. Angústia e interdito sempre
conduzir-se rumo ao excesso da vida, perda ou voltam, inalterados. Nunca há repouso, finalida-
morte. (Donde a célebre fórmula: "O erotismo é de nem ganho. Ao sistema de produção e traba-
a aprovação da vida até na morte.") Se o êxtase é lho, Bataille opõe a aposta e a perda. Ao sim do
sentimento de morrer, viver até o fim exige viver sistema (que torna tudo idêntico a si mesmo)
a morte. Paradoxo central em Bataille: para viver opõe um sim ao real inconcebível, inadmissível
a morte, é preciso morrer sem atingi-la, mas ar- e heterogêneo. A importância do pensamento de
riscando-a sempre; portanto, é preciso viver o
Bataille para a filosofia está por certo nessa su-
impossível.
gestão de filosofia liberta do discurso total hege-
Paradoxo que também está presente em Ba- liano. Bataille mostra a saída fora de Hegel: se,
taille escritor. Como pode ele indicar o impossí- de acordo com o princípio hegeliano, tudo o que
vel ou o inominável? Seus textos torturam a lin- for levado ao extremo inverte-se e converte-se
guagem assim como ele é torturado pelo impos- em seu contrário, então o sistema do Saber Ab-
sível, donde o caráter repetitivo, fragmentário, às soluto se supera, em seu termo, e converte-se em
vezes tedioso e desconfortável desses textos, em abertura do não-saber. Sai-se do sistema por ex-
particular os chamados eróticos, que só mostram cesso, pondo Hegel fora de si mesmo.
absurdo e vazio. Mas a abertura diante do impos-
Portanto Bataille, filósofo "aberto ao ininteli-
sível é abertura para o impessoal da morte, e a
gível céu", possibilita o questionamento do filó-
comunicação é possibilitada por essa brecha:
sofo como Sujeito da filosofia, mestre do discur-
"No dilaceramento, comunico-me."
so. Deixando de submeter seu pensamento à von-
A obra de Bataille não se opõe à filosofia na tade de sentido, Bataille permite um filósofo lou-
sua qualidade questionadora, mas naquilo que co - Bataille realmente nunca escreveu "sobre"
consideramos até agora filosofia: pensamento Nietzsche (apesar do título de um de seus livros);
que reduz tudo ao pensável. Bataille pergunta:
repete-o: ele é Nietzsche. E "eu deveria ter sido
será o pensável a finalidade da existência, ou
Hegel sem Hegel; faltam-me os meios". Quando
será a existência a finalidade do pensável? E cui-
não temos nem meios nem fins, em face do real,
dará de criar uma nova "ciência" paródica: a
não somos Hegel, mas Nietzsche, Nietzsche que,
heterologia, ciência daquilo que é outra coisa, do
para afirmar a vida, gasta a razão sem contar, e
irrecuperável, do inassimilável, excrementos do
declara no prefácio a Gaia Ciência: "Quando me
pensamento (a heterologia chama-se também
cansei de procurar/aprendi a achar."
"escatologia"). A filosofia oferecia uma repre-
sentação homogênea do mundo trazendo tudo • Editions Gallimard: Lexpérience intérieure, 1943; Le
para o campo do conhecido. A heterologia, por- coupable, 1944; Sur Nietzsche. Volontê de chance, 1945;
tanto, nunca será uma ciência, mas sim uma ex- Somme athèologique, I, 1954; La lillérature et le mal,
periência, com limites, a experiência do não- 1957; Somme athèologique, II, 1961; Théorie de Ia reli-
gion, 1974; Oeuvres completes, 12 vol., 1970-1988. Edi-
saber: "Vejo aquilo que o discurso nunca atingiu.
tions de Minuit: La haine de Ia poésie, 1947, reed. Lim-
Estou aberto, boquiaberto, para o ininteligível
possible, hisloire de rats, Dianus, LOrestie, 1962; La pari
céu." Fora da serenidade kantiana daquele que é maudite, essai d'économie générale: Ia consumation.
BAUDRILLARD 120 BAUDRILLARD

1949; Labbé C..., 1950; Lémtisme, 1957. Editions Pau- lhe valerão reconhecimento: O Sistema dos Ob-
vert: Le bleu du ciei, 1950: Les larmes d'Eros. 1961. reed. jetos, j á citado, A Sociedade de Consumo (1970),
ampliada, 1971. Com o pseudônimo Lors Auch: Mstoire Para uma Crítica da Economia Política do Signo
íle 1'oeit, 1928; com o pseudônimo Pierre Angélique, Ma-
(1972) e O Espelho da Produção (1973).
dame Edwarda, 1937, reed. Pauvert, 1956; obras sobre pin-
tura, Genebra. Skira. Esses quatro livros representaram um pensa-
mento novo da modernidade. Neles se encontra a
=> J.-P. Sartre, Un nouveau mystique, Cuhiers du Sud, n!>s influência de autores tão diferentes quanto Bar-
260 a 263, 1947; M. Foucault, Préface à Ia transgression,
thes, Lefebvre, Debord, autor de A Sociedade do
Critique, n°s 195-6, número especial: Hommage ú Georges
Bataille, 1963; J. Derrida, Un hégélianisme sans reserve, Espetáculo. Mas, para lá dessas influências, o
L Are, n° 32, 1967; R. Sasso, Georges Bataille: le système que Baudrillard delimita é um novo campo de
du non-savoir. Une ontologie dujeu, Ed. de Minuit, 1978; reflexão. Como o definir? Baudrillard trabalha a
J. Habermas. The French Path to Postmodernity: Bataille questão das representações. Tenta abordar o sis-
between Eroticism and General Economics, New German tema simbólico que caracteriza nossas socieda-
Critique, nf 33, 1984. des desenvolvidas de antes da crise de 1974. O
Anne MATALON fenômeno que quer descrever com precisão é o
que está em jogo no fato de consumir. Ao contrá-
rio do que ocorreria na época de Marx, em que a
BAUDRILLARD Jean, 1929- produção, logo o trabalho, e o valor (de troca)
eram primordiais, Baudrillard vê em nossas so-
Sociólogo francês nascido em Reims. Depois ciedades o surgimento do primado do consumo.
de atuar como professor de alemão, defendeu tese Progressivamente, a economia política teria to-
de terceiro ciclo em sociologia em março de 1966 mado consciência de que após a guerra de 1940-
e tornou-se assistente na Universidade de Paris 1945 a produção se tornou cada vez mais depen-
X-Nanterre. Foi no departamento de sociologia, dente do consumo. Não faz sentido produzir se
onde ensinava, que começou o movimento de não houver a certeza da venda... Instala-se, en-
1968. Embora muitos dos professores de socio- tão, progressivamente "uma sociedade de consu-
logia de Nanterre tenham, depois disso, deixado mo" que pode ser indicada por uma análise quan-
a Universidade, ele ali permanece. Tornou-se titativa (o setor "comercial" assume nas empre-
mestre-assistente de sociologia em 1970. sas peso cada vez maior). Mas não é essa a abor-
Jean Baudrillard é autor de uma obra difícil dagem de Baudrillard, que se situa antes como so-
de classificar. Os sociólogos nem sempre a reco- ciólogo das instituições e da cultura. Ele tenta des-
nhecem como sociológica, uma vez que seus prin- crever o que muda nas mentalidades, na relação
cipais livros versam sobre múltiplos campos dis- com o mundo desses novos cidadãos do "mundo
ciplinares. No entanto, ele é um dos intelectuais moderno". Tomemos um por um os quatro livros
franceses mais lidos no estrangeiro a partir de que impuseram esse tipo de pensamento.
1968, data da publicação de seu primeiro livro: O Sistema dos Objetos mostra o novo sentido
O Sistema dos Objetos. É importante insistir no das coisas. Objetos novos, funções novas, apare-
fato de que ele é germanista, e de que, paralela- lhos automáticos, parafernália: a inovação técni-
mente à sua atuação no magistério, é também ca se transformou na mola lendária da cotidiani-
autor de traduções de autores literários, filósofos dade. O usuário médio investe cada vez mais na
e sociólogos. Assim, traduziu do alemão poemas atualização febril do ambiente doméstico, do au-
de Bertold Brecht, peças de Peter Weiss e tam- tomóvel, da publicidade, das comunicações de
bém o livro de Wilhelm E. Mühlmann, Messia- massa. Indo de um objeto a outro, do objeto a
nismes révolutionnaires du Tiers Monde (Galli- sua imagem, da imagem do objeto ao discurso
mard), que exerceria grande influência sobre to- sobre o objeto, alucinado pela profusão de bens e
dos os sociólogos da análise institucional. pela funcionalidade miraculosa, o usuário parece
Na verdade, são os quatro primeiros livros de encontrar-se num estado de consciência alterado.
Baudrillard, publicados entre 1968 e 1973, que Não enxerga mais a lógica dessa nova ordem das
BAUDR1LLARD 121 BAUER

coisas. Os objetos, os produtos e as imagens não seja ela a da produção ou do desejo. Para todas
são mais apenas multiplicados, amontoados, aper- as ortodoxias, a sedução continua sendo o male-
feiçoados; mudaram de sentido. O que Bau- fício e o artifício, uma magia negra de desvio de
drillard mostra é que os objetos não esgotam seu todas as verdades, uma conjuração de signos,
sentido na materialidade e na função prática que uma exaltação dos signos em seu uso maléfico.
têm. Os objetos tendem a constituir-se em um A dificuldade desse livro, como da maioria dos
sistema coerente de signos a partir do qual é pos- últimos textos de Jean Baudrillard, é que ele pa-
sível elaborar o conceito de consumo. O consu- rece enlear-se num jogo de espelhos, num jogo
mo é uma linguagem social. Baudrillard analisa de denegações que não permitem encontrar saída
a lógica e a estratégia desse sistema de objetos, prática. De certa maneira, Baudrillard desenvol-
em que se urde uma cumplicidade profunda en- ve um pensamento especulativo que aparece às
tre os investimentos psicológicos e os imperati- vezes como um jogo formal, um jogo de pala-
vos sociais de prestígio, entre os mecanismos vras, um arranjo de idéias que funcionam justa-
projetivos e o jogo complexo dos modelos e das mente segundo o modo da sedução. Da Sedução
séries. Mobília, automóvel, aparelhos, coleção, apareceria então como uma chave, um meio de
objetos antigos, eletrodomésticos... é preciso ler compreender mais globalmente a obra de Jean
de que modo tudo isso se ordena, e de que modo Baudrillard.
se ordenam nessa rede de objetos-signos e de
• Le système des objets, Gallimard, 1968, "Les Essais"; La
fiinções-signos as condutas individuais e sociais
sociêtè de consommutiun, Denocl, 1970, retomado pela
dos homens, segundo a prática real e imaginária Gallimard na coleção "ldées" em 1974; Pour une critique
que têm. A Sociedade de Consumo inscreve-se na de leconomie politique du signe, Gallimard, 1972, "Les
seqüência lógica dessa primeira obra. Nela, Bau- Essais"; Le miroir de Ia prnduction. Paris, Casterman,
drillard mostra como o consumo se transformou 1973; Léchange symboiique et Ia mort, Gallimard, 1976;
em moral de nosso mundo. Oubiier Foucault, Galilée, 1977; L'e/jèt Beaubourg, Ga-
lilée, 1977; De ia séduction, Galilée, 1979; Les stratégies
Como prolongamento dos dois primeiros li- fatales, Grasset, 1984; La gaúche divine, Grasset, 1984.
vros, Para uma Crítica da Economia Política do
Remi HESS
Signo aprofunda a problemática. Chega-se à con-
clusão de que o valor de uso não é mais, na esfe-
ra da economia, o fundamento da produção eco-
nômica. Será então o valor de troca? Para Bau- BAUER Bruno, 1809-1882
drillard, na sociedade de consumo (esfera do con- Filósofo hegeliano, crítico bíblico e historia-
sumo, mas também sistema cultural em geral), dor, nascido em Eisenberg e falecido em Rixdorf
toda produção é imediatamente produzida como (Berlim). Depois de criticar A Vida de Jesus de
signo e como valor de troca. A sociedade de con- D. Fr. Strauss (na qualidade de representante da
sumo pode ser definida como aquela em que a direita hegeliana) e de tentar conciliar filosofia e
mercadoria é produzida como signo, e os signos teologia (1836-1838) em Zeitschrift für specku-
são produzidos como mercadorias. lative Theologie (Revista de Teologia Especu-
Publicada em 1976, Troca Simbólica e Morte lativa), evolui para o liberalismo religioso e polí-
não é uma obra de etnologia das sociedades tra- tico. Em 1838, em sua Kritik der Geschichte der
dicionais. É uma análise do funcionamento do Offenbarung (Crítica da história da revelação),
simbólico nas sociedades desenvolvidas. Para opondo-se aos ortodoxos, afirma que o Antigo e
Jean Baudrillard, não há mais troca simbólica no o Novo Testamentos exprimem dois momentos
nível das sociedades modernas, pelo menos como diferentes da Revelação divina. Nomeado mestre
forma de organização social. Isso explicaria por de conferência da Faculdade de Teologia da Uni-
que em nossas sociedades o simbólico está em versidade de Bonn pelo ministro Altenstein em
toda parte. outubro de 1839, dá início a uma crítica dos
Em Da Sedução, Baudrillard mostra que a se- Evangelhos, e a partir de então elabora uma filo-
dução cuida sempre de destruir a ordem de Deus, sofia nova que iria inspirar a ação e o pensamen-
BAUER 122 BAUMGARTEN

to da esquerda hegeliana. Em outubro de 1840, • Briefwechsel zwischen Bruno Bauer und Edgar Bauer
pouco antes da ascensão de Frederico Guilherme Wahrend der Jahre 1839-1847, Charlottenburg, 1844; Jahr-
biicherfur wissenschaftliche kritik. Critica a D. F. Strauss,
IV ao poder, Bruno Bauer é proibido de ensinar.
dez. 1835, n?* 109-13; maio de 1836, n™ 86-8; Zeitschrift
Suas principais obras escritas desse período são:
für spekulaíive Theologie 1836: Der mosaische Ursprung
em 1840, Kritik der evangelischen Geschichte der Gesetzgebung des Pentateuch: Der alttestamentliche
des Johannes (Crítica da história evangélica de Hiniergrund im Evangelium des Johannes 183 7: Die neue-
João), Die Posaune des Jüngsten Gerichts über ren Kommenlare zu den Psalmen; Die Prinzipien der
Hegel, den Atheisten und Antichristen. Ein ulti- mosaischen Rechts: und Religion verden Psalmen; Der
matium é um panfleto anônimo que mostra de Begriffder gõtüichen Gerechtigkat im zweiten Teil des Je-
saias 1838: Die Urgeschichte der Menschheit nach der
que modo, pela redução de Deus à Idéia absolu-
biblischen Geschichte der Gênesis; Kritik der Geschichte
ta, Hegel reduz a religião cristã a panteísmo e,
der Offenbarung. I. Die Religion der alten Testaments in
por isso mesmo, a ateísmo; em 1842, Kritik der der geschichtlichen Entwicklung ihrer Prinzipen darges-
evangelischen Geschichte der Synoptiker (Críti- lellt, Berlim, 1838; Herr Dr Hengstenberg. Kritische Brie-
ca da história evangélica dos sinópticos). fe über den Gegensatz des Gesetzes und des Evangeliums
Nesses textos, Bruno Bauer nega realidade Ein Beitrag zur Kritik des religiòsen Bewusstseins, Berlim,
1939; Kritik der evangelischen Geschichte des Johannes,
histórica aos Evangelhos e, rejeitando a inter-
Bremen, 1840; Kritik der evangelischen Geschichte der
pretação mítica de D. Fr. Strauss, empenha-se Synoptiker und der Johannes, 3 vol., Leipzig, D. Wigand,
em mostrar que os "escritores sagrados" só fize- 1841; Die Posaune des jüngsten Gerichtes uber Hegel den
ram expressar "os movimentos interiores" e as Atheisten und Antichristen. Ein Ultimatum, Leipzig, D.
lutas que agitaram a comunidade cristã. Disso Wigand, 1841; Hegels Lehre von der Religion und Kunsl
resulta que os Evangelhos e, com eles, a religião von dem Standpunkt des Glaubens aus beurteilt, Leipzig,
cristã não passam de forma momentânea da D. Wigand 1842; Geschichte der Politik, Kidtur undAufklü-
rung des 18 Jahrhunderts, 4 vol., Berlim, 1843-1845.
Consciência Universal. E Bruno Bauer afirma
que, depois de desempenhar papel positivo no Christian ROCHE
mundo antigo, a religião, sujeitando o homem a
Deus, transformou-se em obstáculo ao livre de-
senvolvimento da Consciência Universal. Con-
BAUMGARTEN Alexander Gottlieb,
vém libertar-se dela por meio da crítica. Pro-
1714-1762
pondo o princípio de um desenvolvimento infi-
nito dessa Consciência (ou seja, o Espírito que Filósofo alemão nascido em Berlim em 1714
tenha chegado ao conhecimento de si mesmo), e falecido em Frankfurt/Oder em 1762. Foi aluno
Bruno Bauer nega a qualquer substância, ou de Ch. Wolff e fundador da estética na Alemanha
seja, a qualquer forma religiosa ou política de- (Aesthetica, 2 vol., 1750-1758). Kant utilizou os
terminada, o direito de encarnar esta última de escritos éticos e metafísicos de Baumgarten como
maneira absoluta. Por isso mesmo, como mostra leitura obrigatória em seus cursos.
A. Cornu em seus estudos sobre a esquerda he- Em 1735, em Meditationes philosophicae de
geliana, Bruno Bauer ultrapassa o aspecto con- nonnullis ad poema pertinentibus, Baumgarten
servador da filosofia hegeliana; mas, reduzindo reclama a elaboração de uma nova disciplina, a
a Idéia à Consciência de si, e opondo Consciên- estética. E em 1742, dá em Frankfurt/Oder, pela
cia e Substância, ele reintroduz o antagonismo primeira vez na história da filosofia, um curso
fichtiano entre o Ser e o Dever-Ser, e marca o de estética que constitui a base da obra Aesthe-
retorno a um idealismo subjetivo próprio para tica, que ficou inacabada. Foi graças às publica-
manter a ilusão de que, apenas com a capacida- ções mais acessíveis de G. F. Meier (Anfangs-
de do Espírito, pode-se transformar radicalmen- gründe aller schònen Wissenschaften, I-III, 1748-
te o estado de coisas existente. 1750) que a teoria de Baumgarten pôde exercer
A partir de 1843, B. Bauer, morando em Rix- influência efetiva mais ampla. Com Baumgarten,
dorf, dedica-se a trabalhos sobre a filosofia das a filosofia, que se define então como ciência ra-
Luzes, a Revolução Francesa e o Império. cional baseada em noções claras e distintas, to-
BAUMGARTEN 123 BAUMGARTEN

ma consciência de uma nova região do conhecer com o mundo que se diferencia conscientemente
que possui exigências próprias em termos de ver- da natureza objetiva concebida a partir da revo-
dade, na forma de poesia e de outras artes. Tudo lução copernicana. A subjetividade torna-se en-
o que propicia ao poeta e ao artista em geral - tão, por meio do sentimento representado, o fun-
enquanto ingemum venustum et elegans conna- damento da presença estética de uma natureza
tum ou felix aestheticus (Aesth., § 27.29) - a que é desconhecida de outro modo.
dádiva do "belo pensamento" (schónes Denken) Para Baumgarten, a forma contém a represen-
pertence ao domínio da subjetividade e à forma- tação estética do mundo, ou seja, o elo entre be-
ção das belas-artes a partir dela. O ingenium in- leza e arte configura um mundo que se encontra
tegra a proporção, a criação arquetípica, a emoti- conceptualizado metafisicamente pelo pensamen-
vidade, o juízo de gosto, a imaginação, a lucidez, to filosófico. Belo (schõn) significa então, na
a memória, um pensamento sublime, a grandeza esteira de Wolff, a faculdade de ser afetado nos
do coração e a consciência, assim como o entu- sentimentos pelo que é. Dessa maneira, há iden-
siasmo (Aesth., §§ 28-46). tidade entre um "belo pensamento" e um "pensa-
A disciplina estética filosófica como tal tem a mento comovente" (rührend denken: Poppe, §
tarefa de conciliar verdade filosófica com verda- 14). Mas Baumgarten estende a "ciência do be-
de artística, introduzindo a sensação e o senti- lo" à "metafísica do belo": o que é representado
mento na reflexão para que esta seja ampliada. A subjetivamente pelo belo pensamento é o mundo
estética, portanto, completa a lógica, que deve em sua perfeição. Esta última noção implica a
dirigir a faculdade do conhecer, enquanto gno- composição das partes e do múltiplo em vista de
siologia inferior, ou seja, ela é a ciência da sensi- uma harmonia que dá a possibilidade de apreen-
bilidade (sinnliche Erkenntnis: Med., § 4; Aesth., der o mundo como unidade. Ora, essa unidade
§§ 113, 533). A lógica perde então seu monopó- permite entrever a perfeição divina, e constitui,
lio, sendo reduzida por Baumgarten à inteligên- por conseguinte, "o fundamento e o foco" da
cia (Verstand), numa conotação mais restrita. Em perfeição do mundo (Met., § 533.167.943.94). O
certa medida, o espírito se divide em duas pensamento, na coerência de suas idéias expres-
dimensões: "horizonte lógico" e "horizonte esté- sas, é também sustentado pelo princípio da per-
tico", com seus direitos próprios {Aesth., § 119). feição, e segue-se que a beleza, que é a perfeição
Em Cartas Filosóficas, 7, Baumgarten projeta do conhecimento sensível e sensitivo, representa
uma "empírica estética" citando Bacon e Boyle, a perfeição do mundo. Donde resulta a definição
para nela tratar das "armas dos sentidos", a sa- de beleza estética: perfectio phaenomenon s.
ber, instrumentos ópticos, térmicos etc. E ao lado gustui latius dicto observabilis est pulcritudo
da astrologia, da fisiognomonia, da emblemática (Met., § 521). A criação artística refere-se então
etc, a obra Sciagraphia, póstuma, esboça o con- à natureza, pois o artista produz a perfeição e a
junto de uma scientia signorum e characteristica unidade do mundo.
semiologica (§ 25). Embora Baumgarten marque a guinada rumo
No entanto, não foi tanto essa gnosiologia das à subjetividade na estética, esta continua funda-
faculdades inferiores do conhecer que se impôs mentada sistematicamente pela relação com a
como teoria, porém mais o felix aestheticus. Pois filosofia e com o conceito de mundo nesta. As-
a abstração da filosofia continua sem elo concre- sim, a estética mantém laços com o logos filosó-
to com o homem e a natureza que o cerca, ao pas- fico que guia a arte por meio de sua conceptuali-
so que a estética vivifica todo o homem e prepa- zação mais elevada. Por analogia com a lógica, a
ra os caminhos para a verdade, a fim de que ela estética é um ars analogi rationis (Aest., § 1).
possa voltar para a alma. Com esse objetivo, Isso não significa uma retomada das regras téc-
Baumgarten procura estabelecer os "bons princí- nicas clássicas da tradição retórica, mas trata-se
pios" para as belas-artes, subtraindo-os à multi- de regras deduzidas da razão estética em geral, a
dão de opiniões contrárias (Aesth., § 75). Com a fim de ajudar o espírito a não "se embrutecer"
estética, o sujeito entra numa relação sensível (verrauhen: Poppe, § 62).
BAYLE 124 BAYLE

Ainda que graças a Baumgarten a estética se se a leituras desorganizadas. Bayle foi pois, em
tenha transformado numa disciplina positiva e grande medida, um autodidata.
autônoma, é preciso lembrar que a constatação Decepcionado com o baixo nível do ensino
da pluralidade dos valores ou categorias estéticas em Puylaurens, o jovem Bayle foi para Toulouse,
depois veio a derrubar sua concepção de "Ciên- assistir como externo às aulas do colégio jesuíta
cia do Belo". A diferença entre o sublime e o belo da cidade, e não demorou a converter-se ao cato-
em Kant, bem como as pesquisas sobre a depen- licismo (março de 1669). Logo se arrependeu
dência sócio-histórica dos "juízos de gosto" mu- dessa decisão, mas com seu retorno ao protestan-
daram consideravelmente os quadros metodoló- tismo (agosto de 1670) passou a ser visto como
gicos elaborados pelos séculos XVIII e XIX. O relapso, passível de perseguições. Foi então para
objeto da estética não aparece mais como uma Genebra, onde passaria cerca de quatro anos.
"produção voluntária do belo", como acredita Ganhando a vida como preceptor, começou a es-
Baumgarten, mas reside no próprio fato artísti- tudar teologia, iniciou-se no cartesianismo e tra-
co, que recorre a todas as espécies de disciplinas vou com o futuro pastor Jacques Basnage laços
particulares: história da arte, psicologia, tecnolo- de uma amizade que seria determinante em sua
gia etc. O legado de Baumgarten prolonga-se, existência.
porém, na observação morfológica, que é ao mes- A conselho de Basnage, Bayle voltou à França,
mo tempo um estudo da forma estética propria- para o norte do Loire (junho de 1674). Depois de
mente dita e uma nomotética da natureza. Apesar trabalhar como preceptor, o que o enfadava, tor-
dessa confusão, a análise das formas constitui nou-se por concurso um dos dois professores de
um método heurístico promissor, em que se de- filosofia da Academia Protestante de Sedan (se-
senha uma síntese de diversas disciplinas em re- tembro de 1675). Precisando ater-se a programas
lação com uma semiologia geral que foi entre- tradicionais, Bayle só conseguiu introduzir um
vista também por Baumgarten. tímido alento de cartesianismo em seu ensino.
• Philoxophtsche Briefe von Aletheophilus. 1714; Médi- Com o fechamento da Academia Protestante
lations philosophiques de nonnulis ad poema perünenti- de Sedan (julho de 1681), Bayle exilou-se, sain-
bus, Halle, 1735; Metaphyska, Halle, 1739, reprint, 1982; do de um país em que a situação dos protestantes
Aesthetica, Frankfurt, 1750-1758, reed. 1961, trad. franc, se agravava a cada dia. Foi ser professor de filo-
Paris, L'Herne, 1988; Philosophische Belrachtungen über sofia e de história em Rotterdam, posto sem pres-
einige Bedingungen des Gediechts, Hamburgo, 1983.
tígio e mal remunerado, mas que exigia pouco, o
=> A. Reimann, Die A.sthelik Alexander G. Baumgarten que finalmente lhe dava tempo para escrever; em
uníer besonderer Berücksichtigung der Meditationes, Halle, março de 1682 foi publicada a Carta sobre o Co-
1928; R. Bayer, Histoire de iesthélique, 1961; M. Casula,
meta..., cuja segunda edição, ampliada, impressa
La metafísica di A. G. Baumgarten, Milão, 1973; A. G.
em setembro de 1683, saiu com o título definiti-
Baumgarten entre Leibniz et Wolff, Archives de philoso-
phie, 42/4, 1979. vo de Pensamentos Diversos sobre o Cometa.
Com uma perspectiva mecanicista, Bayle com-
RolfKüHN
batia o temor dos presságios, mas, sobretudo,
criava uma obra de controvérsia anti-romana de
novo gênero, ao mesmo tempo cortês e irônica.
BAYLE Pierre, 1647-1706 Em julho de 1682 foi publicada a Crítica Geral
Escritor e filósofo francês, Pierre Bayle nas- da História do Calvinismo... - livro do Pe.
ceu em Carla, pequeno povoado do condado de Maimbourg, extremamente hostil aos protestan-
Foix, onde seu pai era pastor. A escassez dos re- tes franceses. A réplica de Bayle teve tanto su-
cursos familiares só lhe permitiram iniciar estu- cesso (embora queimada na França por um car-
dos regulares na Academia Protestante de Puy- rasco) que teve uma segunda edição já em no-
laurens no outono de 1668! Até então, depois de vembro de 1682.
aprender com o pai rudimentos de latim e grego, Na primavera de 1684, Bayle começou a redi-
o rapaz, excepcionalmente estudioso, entregara- gir uma publicação mensal, Nouvelles de Ia Ré-
BAYLE 125 BAYLE

publique des Lettres: concebido mais ou menos à rior havia publicado um notável Projeto de um
maneira do Journal des Savants, o periódico era Dicionário, e o livreiro que deveria editá-lo apres-
composto por resenhas de livros de teologia, fi- sou-se a garantir uma pequena pensão a Bayle,
losofia, história, erudição etc. A qualidade e o que, tendo sido sempre de uma sobriedade espar-
estilo jovial das resenhas começaram a granjear- tana, acomodou-se num estilo de vida bastante
lhe notoriedade por toda a Europa. módico.
O ano de 1685 foi traumático para Bayle: to- Com quarenta e seis anos, Bayle tinha enfim
dos os seus livros (em março de 1685 somou-se todo o tempo disponível. Trabalhador prodigio-
aos já citados a obra Novas Cartas do Autor da so, dono de uma memória fenomenal, soube tirar
Crítica Geral...) haviam sido publicados sem no- proveito desses dons, e a primeira edição do Di-
me do autor, mas as autoridades francesas conse- cionário foi publicada em dezembro de 1696. Os
guiram descobrir o verdadeiro nome e vingaram- qualificativos juntados ao título - "histórico e
se de Bayle encarcerando em junho o seu irmão crítico" - são essenciais para descrever o que
mais velho, o pastor Jacob Bayle, em condições Leibniz iria chamar de "o mais belo dos dicioná-
tão insalubres que ele morreu em novembro do rios". Trata-se de um repertório biobibliográfico,
mesmo ano. com breves notas enriquecidas por Observações
Em 1686, Bayle publicou duas obras: um bre- às vezes bem extensas, que são ensaios redigidos
ve panfleto, O Que É a França Totalmente Ca- em tom pessoal. Apresentando numerosos filó-
tólica... — seu melhor livro do ponto de vista sofos - da Antigüidade, do Renascimento e do
literário -, e um grande tratado em quatro partes século XVII (como Hobbes e Espinosa) -, essa
(outubro de 1686-início de 1688), cujo título de- obra é uma das primeiríssimas histórias da filo-
fine o conteúdo: Comentário Filosófico sobre sofia ocidental. No entanto, Bayle discute e ava-
Estas Palavras de Jesus Cristo "obriga-os a en- lia as doutrinas, depois de as expor com lealdade
trar", em que se Prova por Várias Razões De- - é um dos sentidos do adjetivo "crítico" —, e
monstrativas que não Há Nada mais Abominável suas exposições próprias de algum modo vão tra-
que Fazer Conversões pela Força e São Refuta- çando, qual um pontilhado, suas posições pes-
dos Todos os Sofismas dos Convertedores pela soais, O sucesso do Dicionário - apesar do preço
Força e a Apologia que Santo Agostinho Fez das elevado de seus três volumes in folio -justificou
Perseguições. Bayle preconizava a completa to- uma segunda edição, publicada no fim de 1702,
lerância civil, chocante para os calvinistas rígi- ampliada e enriquecida com preciosos Esclareci-
dos - como Jurieu -, que só reprovavam a políti- mentos, nos quais Bayle tranqüiliza todos os que
ca de Luís XIV pelo fato de ser exercida em pro- se sentiam desorientados diante de algumas de
veito de uma "falsa" religião. suas opiniões. Antes de morrer, ainda teve tempo
Esgotado, Bayle abandonou a redação de Nou- de publicar várias obras: Resposta às Perguntas
velles em fevereiro de 1687 e, durante longos me- de um Provinciano (em quatro partes, sendo a úl-
ses, o ensino. Curado, exasperou-se com a atitu- tima póstuma, 1703-1707) e Continuação de
de mística que se manifestava cada vez mais no Pensamentos Diversos (1704), compostas pela
Refuge sob a influência da interpretação que documentação que não havia encontrado lugar
Jurieu propunha do Apocalipse, preocupando-se no Dicionário, mas também dedicadas a polêmi-
com a violência dos panfletos contra Luís XIV - cas com os "racionais", teólogos protestantes
a guerra da Liga de Augsburgo já começara -, que, sem saberem, rumavam para o deísmo.
publicados na Holanda, que lhe parecia extrema- A reputação de Bayle levou a coligir e publi-
mente inoportuna. Escreveu então manifestos po- car com bastante rapidez uma boa parte de sua
líticos, entre os quais um Conselho aos Refu- correspondência, e a dar-se início a uma biogra-
giados..., que, em 1691, desencadeou veemente fia. Vinte anos após sua morte ela estava pronta,
polêmica entre ele e Jurieu. A última conseqüên- além de terem sido reunidas todas as suas obras
cia dessa furiosa disputa foi Bayle perder o direi- - com exceção do Dicionário - em quatro volu-
to a ensinar em março de 1693. Mas no ano ante- mes folio de obras diversas, que tiveram uma
BAYLE 126 BAYLE

segunda edição em 1737. Quanto ao Dicionário, tem forte coloração ética: trata-se de expulsar de
sucederam-se reimpressões e traduções (inglesa e nós mesmos tudo o que lisonjeie nossa preguiça
alemã) até 1820. e nosso amor-próprio. E como o terreno favorito
de Bayle é a História, ele admite uma quase-equi-
Um cartesiano excêntrico valência entre evidência e probabilidade máxima
Bayle não se dizia filósofo, mas sim "profes- - por exemplo, a existência de Júlio César - gra-
sor de filosofia" e - só uma vez - "teólogo". ças à mediação da noção psicológica de certeza!
Proclama - com justiça - não ser "meditativo": o Nenhum cartesiano de estrita obediência poderia
que é demonstrado pela sua predileção por con- acompanhá-lo nesse terreno...
ferir a suas obras a forma de cartas familiares
cheias de digressões, escritas a um amigo fictí- Ceticismo e tolerância
cio; ou então essas obras se apresentam (sempre A descrição mais simples da atitude de Bayle
redigidas em primeira pessoa) como comentá- ainda consiste em definir aquilo de que ela visa a
rios às idéias de outrem: resenhas de livros ou afastar-se, ou seja, os hábitos da controvérsia:
Observações acrescentadas ao texto bem neutro dogmatismo ranzinza, invectivas, atribuição de
dos verbetes do Dicionário. À primeira vista, segundas intenções, má-fé e malevolência siste-
Bayle é um polígrafo, voltado para gêneros lite- mática na exposição das teses do adversário. Ou-
rários menores. No entanto, na qualidade de mi- trossim, tanto a preocupação que Bayle tem com
litante engajado em lutas teológico-políticas apai- a eqüidade quanto a cortesia de seu tom que,
xonadas, ele é "o primeiro dos filósofos, no sen- afora a ironia, evita todos os procedimentos retó-
tido do século XVIII", como escreverá Marx ricos, colocam-no como antípoda da rabies theo-
(inspirando-se em Renouvier), ao mesmo tempo logica. A experiência de Bayle - em particular
que é "o último dos metafísicos, no sentido do no que diz respeito à sua breve porém sincera
século XVII". conversão ao catolicismo - convenceu-o de que
As coisas se complicam ainda mais, pois Bay- o erro doutrinai não é necessariamente uma falta
le também tem afinidades com o século XVI, moral. Por outro lado, aquele huguenote estava
que ele conhece tão bem, e do qual se aproxima bem preparado para desnudar os argumentos pro-
feridos pelos perseguidores para justificar o em-
por seu lado de ensaísta e por sua nulidade em
prego da força em matéria religiosa. Segundo
matemática. No entanto, é um "cartesiano" - no
Bayle, "não se deve olhar aquilo a que forçamos
sentido vago da época - e, mais precisamente,
em caso de Religião, mas sim se forçamos [...] e
um partidário de Malebranche (que ele defendeu
a partir do momento em que forçamos, comete-
contra as críticas de Arnauld), francamente adep-
mos uma ação vil" (Com. Phil., III, xvii). Uma
to do dualismo rigoroso entre pensamento e ex-
torrente de argumentos variados jorra da pena de
tensão, hostil a qualquer noção de "força" ou
Bayle quando ele estigmatiza a tortura represen-
"virtualidade", e favorável ao mecanicismo e ao
tada pelo uso da violência para levar o oprimido
ocasionalismo (que prefere à Harmonia Preesta-
a renegar suas convicções. E é como cristão, diri-
belecida de Leibniz, cf. Rorarius).
gindo-se a cristãos, que Bayle censura nos perse-
Todavia, conquanto abrace o método cartesia- guidores os crimes de lesa-majestade divina, pois
no, Bayle o desfigura de várias maneiras. Não "os direitos da consciência [...] são diretamente
são as longas cadeias de razões matemáticas, mas os direitos de Deus mesmo" (Com. Phil., I, v). O
as transcrições e os relatos históricos que consti- tema do respeito que a consciência merece de
tuem seu alimento favorito, e ele verifica que em cada um é tão central no pensamento de Bayle
semelhante matéria os obstáculos encontrados que é bem possível di2er que seu ceticismo é
por um exame imparcial "não provêm tanto de secundário em relação a essa preocupação fun-
estar o espírito vazio de ciência, quanto de estar damental de contestar nas autoridades sociais o
ele cheio de preconceitos" (Pellisson, in corp). direito a controlar a fé dos indivíduos. A vocação
Por conseguinte, em Bayle a busca da verdade
BAYLE 127 BAYLE

do homem é procurar a verdade do modo como santropo, visto ser ele tão sensível às misérias da
achar melhor, sem deixar que a precipitação ou a condição humana e aos sofrimentos físicos e
prevenção desviem sua busca, e só cabe a Deus morais que constituem o quinhão humano desde
discernir essa pureza de intenção que inocenta o a infância.
erro. No nível humano, deve-se conceder o bene-
fício da dúvida a todos os que erram, inclusive Problema do mal efideismo
aos ateus. O problema do mal é o grande tema das refle-
No Dicionário, o huguenote Bayle age como xões de Bayle na segunda parte de sua vida. Tra-
advogado de todos os caluniados da história: as ta dele no Dicionário, reconstituindo por conje-
minorias, os derrotados, os heresiarcas, as mu- tura os argumentos dos heresiarcas dualistas. Rom-
lheres... A tolerância não é apenas um programa pendo a associação secular estabelecida pelo pen-
de coexistência pacífica entre as comunidades samento ocidental entre o Ser e o Bem e atuando
religiosas; é também um projeto de entendimen- como advogado da criatura humana, Bayle per-
to entre os homens, ou, pelo menos, de trégua gunta por que Deus deu existência a um ser fada-
baseada na rejeição preliminar às condenações do ao sofrimento e à desdita. Com rigor e virtuo-
peremptórias. A República das Letras - o mundo sidade dialéticos (outros diriam com malignida-
científico - esboça esse universo racional em que de perversa), ele traz à tona a incompatibilidade
os homens buscariam a verdade com desinteres- dos atributos (poder, sabedoria e bondade) que
se. Contudo, ninguém é menos utopista que Bay- as diversas escolas de teologia atribuem a Deus.
le: esse ideal de razão nunca agregará mais que A posteriori e em função da experiência, os dua-
uma pequena elite. Sua filosofia da história ten- listas parecem irrefutáveis. Entretanto, o raciocí-
de a ser cíclica, e sua opção política - na França, nio apriori demonstra a unicidade de Deus. Por-
o absolutismo - é, como todas as escolhas para tanto, será apenas por um ato de fé que se poderá
ele, uma opção entre o Ruim e o Pior... dizer que o Criador é onipotente e bom ao mes-
mo tempo, como proclama a Bíblia. Bayle abs-
Rigorismo moral tém-se de contestar a Revelação: contenta-se em
Vestígio talvez do impacto do calvinismo so- rejeitar radicalmente as tentativas feitas de con-
bre seu pensamento, Bayle faz uma distinção ciliar seu teor com a razão humana - a única que
radical entre o "honesto" e o "útil", e seu rigoris- conhecemos - e em considerar falaciosa a distin-
mo prefigura o de Kant. Muito marcado pelo ção entre praeter e supra rationem.
agostinismo, descreve a criatura humana como Os poucos verbetes do Dicionário sobre per-
tola, fraca e má, joguete das paixões e do amor- sonagens do Antigo Testamento - Adão, Eva, Sara,
próprio. Todavia, a vaidade e o medo bastam para o rei Davi etc. - são escritos com o mesmo estilo
possibilitar a vida em sociedade. Grande admira- insólito dos outros, o que levou mais de um in-
dor de Grotius e partidário do direito natural, térprete a considerar Bayle descrente, sendo seu
Bayle acredita que nossa razão nos indica lumi- recurso de último minuto ao fideísmo - "calando
nosamente nossos deveres essenciais; ela não a razão depois de tê-la feito falar demais", como
nos dá, porém, forças para realizá-los desde que dirá Leibniz no prefácio da Teodicéia - nada
custem algo às nossas paixões. É certo que rara- mais que uma manobra destinada a garantir-lhe
mente um indivíduo tem todos os vícios ao mes- tranqüilidade. Houve, porém, quem interpretasse
mo tempo, mas o fato é que um ato objetivamen- Bayle como um cético, um crente esporádico e
te virtuoso - conforme à lei moral - estará des- um heterodoxo, mais que um incrédulo típico.
provido de qualquer valor ético se ditado por in-
tenção que não seja pura; se destinado, por exem- Franco-atirador e marginal
plo, a servir à nossa reputação ou se decorrer de O que só pode ser depreendido com a leitura
um temperamento naturalmente bonachão. Ape- de Bayle é a agudeza de suas reflexões, dissemi-
sar disso, não seria possível tachar Bayle de mi- nadas em digressões, redigidas com uma espécie
BAYLE 128 BAYLE

de jovialidade afável e entremeadas de uma pro- As "Lettres de M. Bayle à sa famille" tiveram uma
digiosa erudição livresca arejada por um modo impressão tendenciosa e infiel no século XVIII, mas mui-
tas outras receberam tratamento mais ou menos correto
singular de exposição.
(no t. IV de Oeuvres diverses). Sobre essas questões, ver
Apesar da geração a que pertence, Bayle é E. Labrousse, Invenlaire critique de Ia Correspondance de
completamente alheio ao classicismo - embora Pierre Bayle, Paris, Vrin, 1961. Tudo o que ficou, assim
Boileau tenha considerado seu estilo de bom cu- como as cartas dos correspondentes que foram localiza-
nho. Mas os grandes filósofos contemporâneos das, deverá ser editado nos próximos anos sob os auspícios
seus - Malebranche, Locke e Leibniz (cuja de The Voltaire Foundation, Oxford, aos cuidados de E. D.
Teodicéia tentará refutar seu pessimismo) - le- James e E. Labrousse.

ram suas obras com atenção e o viram como um • Pensées diverses écrites à un docteur de Sorbonne à
igual, ainda que um igual um tanto bizarro. Quan- I 'occasion de Ia comèle qui paru! au móis de décembre
to à influência que seus livros exerceram sobre 1680, Rotterdam, 1683 (Edição original Colônia, 1682,
as Luzes, nunca é demais enfatizá-la: graças à com o título Letlre à M. L. A. D. C , docteur de Sorbonne,
ou il est prouvé par plusieurs raisons tirées de Ia philoso-
sua enorme difusão no século XVIII, Hobbes,
phie et de Ia théologie que les cometes ne sont point le pré-
Espinosa, Leibniz, e também Pirro e Zenão, além
sage daucun malheur); Continuation des Pensées diver-
de toda uma corte de pensadores da Antigüidade ses..., ou Réponse à plusieurs difficultés que Monsieur X...
e do Renascimento, puderam ser entendidos - ou a proposèes à I 'auteur, Rotterdam, 1705; Critique généra-
mal entendidos! - através das interpretações su- le de VHisloire du calvinisme " de Mr Maimbourg, Ville-
geridas no Dicionário. A influência de Bayle franche, 1682; Système de philosophie conlenant Ia logi-
sobre a filosofia inglesa é patente: ele foi atenta- que et Ia métaphysique..., impresso por ordem do rei, Ber-
lim, 1785; Nouvelles de Ia Republique des Lettres, 1684-
mente lido por Shaftesbury, Mandeville, mas
1687; Ce que c 'est que Ia France toute catholique sous le
sobretudo por Berkeley, Hume e pelos deístas.
règne de Louis le Grand, Saint-Omer, 1686; Commentaire
Sua marca é encontrada em maior ou menor grau philosophique sur ces paroles de Jésus-Christ: "Contrains-
em todos os grandes autores desse período. les d'entrer"..., Cantuária, 1686-1688, 4 vol.; Avis impor-
A contrapartida do papel de "Pai das Luzes" tam aux refugies sur leur prochain retour en France,
que Bayle desempenhou foi o fato de suas obras donnè pour étrennes à l'un deux en 1690, Amsterdam,
1690; Projet et fragments d un Dictionnaire critique, Rot-
terem sofrido um eclipse relativo no século XIX.
terdam, 1692; Dictionnaire historique et critique, Rotter-
O ângulo freqüentemente teológico pelo qual dam, 1697,4 vol.; Réponses aux questions d 'un provincial,
Bayle ataca os problemas parece então obsoleto, Rotterdam, 1704-1707, 5 vol,; Entretiens de Maxime et de
e ele ainda não é abordado com distanciamento Thémiste, ou Réponse à I "Examen de Ia théologie de M.
histórico, o que só começou a acontecer no sécu- Bayle ", par M. Jaquelot, Rotterdam, 1707; Oeuvres diver-
lo XX. ses de M. Pierre Bayle, Haia, 1725-1727, 4 vol.; volumes
suplementares: III. Pierre Poiret, Cogitationes rationales
• O acesso às obras de Bayle é facilitado pelas excelentes de Deo, anima et maio, edição fotostática da 3? ed. (Ams-
edições feitas no século XVIII. As do Dicionário são nu- telodami, 1715), com uma introdução de Marjolaine Che-
merosas (a melhor é a de 1740); por isso, essa obra não vallier, Hildesheim, Olms, 1990.
deve ser citada pela paginação (variável), mas pelo verbete
e pela Observação. Quanto às Obras Diversas, existe uma => Brunetière, Pierre Bayle, in Histoire de Ia littéralure
edição fotostática (Hildesheim, Olms, 1964-1982) cujo française classique, t. III, pp. 50-77; P. Hazard, La crise de
quinto volume (em dois tomos) reúne alguns textos meno- Ia conscienteeuropéenne, 1935, t. I, pp. 131-54; B. Groe-
res de Bayle que haviam escapado aos editores do século thuysen, P. Bayle, em Mesures, 1938.
XVIII, a tradução francesa de dois tratados latinos (cujo Encontra-se uma bibliografia mais ou menos exaustiva
texto original figura no t. III e no tomo IV de Oeuvres di- dos estudos dedicados a Bayle antes de 1962, pp. 616-26 do
verses) e a reprodução fotostática de mais de trinta panfle- t. II de Elisabeth Labrousse, Pierre Bayle, Haia, Nijhoff,
tos raros escritos a favor ou contra Bayle em seu tempo. 1963-1964.
Existe uma edição moderna de Pensées diverses, na As obras e os artigos dedicados desde então a Bayle
coleção da Sociétc des Textes français modernes, vol. 81- são numerosos demais para serem enumerados. Citaremos
2, Paris, Nizet, texto coligido por A. Prat, introdução de apenas: Craig B. Brush, Montaigne and Bayle, Variations
Pierre Rétat; existe outra de Ce que c 'cst que Ia France on the Theme ofSkepticism, Haia, Nijhoff, 1970; Gianfran-
toute catholique.... Paris, Vrin, 1973, introdução e notas de co Cantelli, Teologia e ateismo, Saggio sul pensiero filosó-
E. Labrousse, H. Himelfarb e R. Zuber. fico e religioso di Pierre Bayle, Florença, La Nuova Itália,
BEAUVOIR 129 BEAUVOIR

1969; Jean-Pierre Jossua, Pierre Bayle ou l 'obsession du mento existencialista, com a libertação das mu-
mal, Paris, Aubier-Montaigne, 1977; Haydn T. Mason, lheres, com a situação de companheira de Sartre,
Pierre Bayle and Voltaire, Oxford University Press, 1963;
com a mulher-pensadora de uma época enraiza-
Leif Nedergaard-Hansen, Bayle s <£ Leibniz' Draftelse af
da no pós-guerra, com uma intelectual engajada.
Theodicê-Probtemet. En idehislori.sk redegorelse, Cope-
nhague, Munskgaard, 1965; Gianni Paganini, Analisi delia Essa amplíssima transversal idade algumas ve-
fede e critica delia ragione nella filosofia di Pierre Bayle, zes foi erroneamente reduzida a ecletismo pela
Florença, La Nuova Itália, 1980; Walter E. Rex, Essays on comunidade científica. Transversalidade marca-
Pierre Bayle and Religious Conlroversy, Haia, Nijhoff, da por uma coerência jamais desmentida e cuja
1965; Pierre Rétat, Le Dictionnaire de Bayle et Ia lutte força é aumentada pelo fato de assentar em raí-
philosophique au XVIH" siède. Paris, Les Belles Lettres,
zes romanescas e/ou autobiográficas. A obra de
1971; Lorenzo Bianchi (org. e trad.), Pierre Bayle, Pro-
getlo di un dizionario critico, Nápoles, Bibliopolis, 1987
Simone de Beauvoir é também e sobretudo in-
(introdução: pp. 13-160); Lorenzo Bianchi, Tradizione dissociável da vida de Simone de Beauvoir. Em
libertina e crítica storica. Da Naudé a Bayle, Milão, An- outras palavras, "o empreendimento viver" está
geli; Gianluca Mori, Tra Descartes e Bayle. Poiret e Ia teo- irredutivelmente ligado ao "empreendimento es-
dicea, Bolonha, II Mulino; Gianni Paganini, Scepsi moder- crever". Por isso, Simone de Beauvoir não pode-
na, interpretazioni dello scetticismo da Charron a Hume, ria ser uma filósofa no sentido clássico do ter-
Cosenza, Busento.
mo. Em vez de fazer obra filosófica, ela opta por
Elisabeth LABROUSSE ser "filósofa".
Seu primeiro livro publicado é A Convidada
(1943). Trata-se de uma notável ilustração da
BEAUVOIR Simone de, 1908-1986 constatação feita por Simone de Beauvoir mais
Nascida em Paris em 1908 numa família bur- tarde: "Cada um sempre escreve o seu livro" (A
guesa de sólida tradição cristã, Simone de Beau- Força das Coisas), pois são os acontecimentos
voir passa a infância e a adolescência sem confli- vividos pelo trio Sartre/Beauvoir/Olga K. que
tos. O ingresso na vida estudantil em 1920 pro- lhe fornecem o seu tema, ou melhor, que lhe dão
voca a primeira separação da "parentela", mar- oportunidade de escrever.
cando assim uma ruptura decisiva em sua vida. A Rompendo com o tom e com os procedimen-
conselho dos pais, faz primeiro o curso de letras tos da análise psicológica habitual em tais assun-
no Institut Sainte-Marie de Neuilly com Garric, tos, houve quem visse em A Convidada o modelo
simultaneamente a cursos de matemática geral do romance existencial ou do romance metafísi-
no Institut Catholique. No ano seguinte, ingressa co. Para além da intriga, esse livro propõe o pro-
nas "equipes sociais" de Garric e assiste a aulas blema da existência de outrem numa forma dra-
de filosofia na Sorbonne. Desse modo, retoma mática. A epígrafe outra não é senão esta citação
seu projeto inicial. de Hegel: "Cada consciência persegue a morte da
Obtendo um segundo lugar no exame de agré- outra." Essa epígrafe será o leitmotiv do livro.
gation de filosofia (1929), fica conhecendo Jean- Embora já escrevesse, com o sucesso dessa
Paul Sartre, com quem compartilhará itinerário primeira publicação Simone de Beauvoir se sen-
e vida. te reconhecida como escritora. Larga então o en-
Ensinará filosofia, sucessivamente, no Lycée sino para dedicar-se à escrita.
Molière, em Paris, em Marselha e em Rouen. Três livros foram iniciados durante o período
Não há dúvida de que Simone de Beauvoir se da guerra. Primeiro, um ensaio filosófico-mo-
transformou numa personagem pública. O filme ral, Pirro e Cineas, que foi publicado em 1944.
feito em 1979, que levou seu nome e apresentava Esse livro tenta dar uma resposta ao problema do
sua autobiografia em forma de diálogos, é teste- absurdo.
munho disso. Escritora, filósofa, ensaísta, roman- Logo depois, em 1945, é publicada uma peça
cista, polemista, dramaturga, seu nome também de teatro, Les bouches inutiles [Bocas inúteis], e
é "confundido", "reduzido" ou "associado" com Le sang des autres [O sangue dos outros], ro-
o da revista Les Temps Modernes, com o movi- mance, obras estas marcadas pelos anos de guerra.
BEAUVOIR 130 BEAUVOIR

Les bouches inutiles será a única peça de tea- teriormente, que se apresenta como um testemu-
tro de Simone de Beauvoir. nho subjetivo e parcial sobre a realidade ameri-
Simone de Beauvoir teve consciência dos li- cana. Vexistentialisme et Ia sagesse des nations
mites dessas três obras. Em La force de 1'âge [A [Existencialismo e sabedoria das nações] é a reu-
força da idade], ela escreve a respeito de Pirro e nião de artigos publicados em Les Temps Mo-
Cineas: "Não desaprovo minha preocupação de dernes entre 1945 (data da criação da revista) e
conferir à moral existencial um conteúdo mate- 1947. Essas duas obras foram publicadas em
rial; o problema é que, no momento em que acre- 1948. Traduzem o engajamento político de uma
ditava estar fug