Você está na página 1de 2

 

TEMA: “A cultura do medo no país”

No artigo 5º, da Carta Magna de 1988, são assegurados como direitos


fundamentais, invioláveis em sua integralidade, a vida, liberdade, igualdade,
propriedade e a segurança. Isto é, as pessoas detêm, objetiva ou
subjetivamente, garantia constitucional do mínimo existencial, do conforto e da
segurança vitais para coexistência em sociedade. Todavia, tais prerrogativas,
na realidade do país, não abraçam toda população, além disso, seu ócio acaba
fomentado a construção da cultura do medo. Outrora, tal ideologia receosa
ostenta duas causas sobressalentes: a difusão da violência e a ineficiência do
estado no que diz respeito à segurança pública.
Importa-se destacar, em primeiro momento, o aditamento da violência como
um dos principais agentes que operam o medo social. Ademais, segundo
dados cedidos pelo Índice Nacional de Homicídios do portal G1, houve o
aumento de 5%, em 2020, no número de homicídios - mesmo em um período
assolado pela pandemia do novo Corona Vírus. Contudo, entende-se que a
violência é objeto da própria exclusão social e acesso limitado, dos mais
pobres, aos bens. Partindo desse pressuposto, é lícito, a título de analogia,
mencionar o pensamento do psicanalista alemão Erich Fromm, que contempla
a violência de uma forma compensatória, praticada por indivíduos de
impotência e que desejam reverter sua fraqueza mediante ações violentas.
Ressalta-se, em segundo plano, a ingerência do Estado e sua falência no
dever de proporcionar segurança aos seus administrados. Essa precarização
do sistema público se dá, preponderantemente, devido às deficiências das
instituições de controle social. Nesse viés, as corporações policiais apresentam
treinamento rudimentar, salários ineptos e uma vulnerabilidade à corrupção.
Somadas, essas desconformidades culminam na fragilidade da segurança
pública. Outrossim, é válido salientar a caducidade da legislação penal criminal,
que corrobora a diretriz lógica do sociólogo Sérgio Adorno, o qual fala sobre o
sentimento de impunidade e como essa sensação gera descrença nas
instituições democráticas encarregadas pela aplicação da lei e ordem.
Portanto, são essenciais medidas incisivas para reversão desse estigma social
relacionado à cultura do medo no país. Para isso, compete ao Superministério
da Justiça – órgão que inclui o Ministério da Segurança pública, responsável
pelas ações da Polícia – investir nos órgãos da segurança nacional, com
propósito de melhorar a qualidade do policiamento. Isso pode ser feito
mediante repasse de verbas públicas pelo Tribunal de Contas da União,
visando aperfeiçoar a equipagem e o número de pessoal disponível, mediante
concursos públicos. Sobretudo, cabe ao Congresso Nacional fornecer uma
nova roupagem para legislação penal, intentando minimizar a impunibilidade
dos infratores. Sendo assim, deduz-se que, com essas medidas, é possível
perpassar maior conforto à população brasileira e, consecutivamente, reduzir o
medo cultural.

Você também pode gostar