Você está na página 1de 4

Teoria do crime

Teoria preventiva geral :


*Prevenção geral
. Ampla: tem por objetivo demonstrar que a lei penal é vigente e está pronta para incidir diante de
casos concretos
. Estrita: tem por objetivo desestimular potenciais agentes de cometerem delitos
* Prevenção Especial
. Positiva: Busca a ressocialização do condenado, após o cumprimento de sua pena, deverá estar
apto a convívio social
. Negativa: Busca intimidar o condenado para que ele não volte a praticar crimes

*Velocidades
Primeira - é a velocidade com penas mais graves, como a restritiva de liberdade, e que deixa claro
ao teus que ele foi julgado e defendido justamente
Segunda - é a velocidade com aplicações de penas não-privativas de liberdade, são mais rápidas
e dinâmicas.
Terceira - Nessa linha a terceira velocidade utilizar de pena privativa de liberdade, como na
primeira velocidade, mas permite uma flexibilização, igual ocorre na segunda velocidade.
Quarta - Essa velocidade se refere a chefes de estado, aqueles que são ou já foram, que em razão
da sua posição violou tratados internacionais que versam sobre os direitos humanos.

Criminologia
É uma ciência causal que estuda o delito, o agente e os fatores etiológicos que regem a
criminalidade.

Infração:
*Contravenção penal: trata-se de uma infração considerada com crime menor. É punida com
penas de prisão simples, multa ou ambas
*Crime: são infrações mais graves, que lesionam os bens jurídicos mais relevantes. É punida com
penas de reclusão ou de detenção.

- Detenção: prisão que deve ser cumprida em regime aberto ou semiaberto.


- Reclusão: prisão que deve ser cumprida em regime semiaberto ou fechado
- Prisão simples: Ela deve ser cumprida sem rigor penitenciário, o julgado deve ficar separado
dos outros presos, e o regime deve ser aberto ou semiaberto, de acordo com a lei das
contravenção.

Conceito de crime:
. Formal - É a concepção do direito acerca do delito que preocupa-se com o aspecto nominal, ou
seja aquilo que é definido como proibido pela lei.
. Material - Trata-se do que, para a sociedade, viola ou lesa o bem jurídico tutelado.
. Analítico - Cuida da concepção científica acerca do crime, visando estuda-lo e torná-lo
compreensível ao profissional do direito.

Norma Penal:
*Disposição - Trata-se da parte da norma que descreve a conduta proibida.
*Sanção - Trata-se da parte da norma que indica a consequência a ser aplicada para a violação da
proibição.

Princípio da legalidade: Só é crime aquilo que o legislador definir como


Normas penais em branco:
É um preceito incompleto, genérico ou indeterminado, que precisa da complementação de outras
normas
*Sentido Lato - aquela cujo o complemento é originário da mesma fonte formal da norma
incriminadora
*Sentido Estrito - aquela cujo a complementação é originária de outra instância legislativa..

Espécies de pena:
. Privativa de liberdade
- Prisão simples
- Detenção
- Reclusão
. Restritiva de direito
- Perda de bens e valores
- Prestação de serviços
- Prestação pecuniária
- Interdição temporária de direitos
. Multa
- Multa

História do direito penal


Direito penal primitivo:
. Características da convivência ou estado de associação
. Não podia ferir as regras de convivência
Direito penal romano:
. Caráter sacral ou seja funde a religião e o direito
. Lei das 12 tábuas, primeiro código Romano escrito, foi baseado na lei de Talião
. Inicia o período dos diplomas legais
. Surge a distinção de crimes públicos e privados
. Surgimento dos crimes extraordinários
. Administração estatal passa a exercer o "jus puniendi"
. Surge o princípio de que fatos incriminados e sanções deveriam ser previamente catalogados
Direito penal germânico:
. O direito era concebido como uma ordem de paz e sua transgressão como a ruptura da paz
. Quando se tratava de crime privado, o criminoso era entregue a família da vítima para que eles
fizessem a justiça
. Quando se tratava de crime público era autorizado a qualquer um fazer a justiça
. A composição consistia no dever de compensar o prejuízo sofrido pela vítima
Direito Canônico:
. Repressão penal de crimes religiosos e jurisdição eclesiástica
. Possuia um caráter disciplinar primitivo
. Enfraquecimento do estado, o direito foi estudando-se a religião
. Jurisdição eclesiástica divida em razão da pessoa e razão da matéria
. Contribuiu para a construção da prisão moderna
. Crime era visto como um pecado contra o homem e contra Deus
. Distinção entre penas vindicativa
Direito penal comum:
. Gira entorno das bases dos direitos penais anteriores
. Surgimento dos glossadores
. Viés crítico do estudo do direito e surgimento do direito humanitário
. Forte influência do iluminismo

Escolas Penais
*Escola clássica
- O crime é um ente jurídico, constituindo-se na violação dos direitos
- Responsabilidade é fundada no livre arbítrio
- A pena é retribuição jurídica
*Escola Positiva
- O crime é um fenômeno natural e social
- A responsabilidade penal é social
- A pena é extendida como medida de defesa social
- O criminoso é um desviante da sociedade
*Escola moderna alemã
- Tinha função conciliatória e ordenadora
- Neutralidade entre posições que defendem o livre arbítrio e o determinismo
- Proposta de imposição de pena com caráter intimidativo para "criminosos normais" e medidasde
segurança para "criminosos perigosos"
- Formação do penalista deveria ser jurídica e criminal
* Terza Scuola Italiana
- Ecletismo nas suas teses
- Propunha distinção entre as disciplinas jurídicas e empíricas
- O delito como um fato complexo e resultante de fatores sociais de do indivíduo
- Não acreditava que o comportamento criminal poderia ser definido por características

Princípios do Direito penal


Princípios regentes :
- Dignidade da pessoa humana
- Devido processo legal
Princípios constitucionais explícitos :
- Princípio da legalidade
- Princípio da anterioridade
- Princípio da retroatividade da lei mais benéfica
- Princípio da Humanidade
- Princípio da personalidade
- Princípio da individualização da pena
Princípios constitucionais implícitos :
- Princípio da intervenção
- Princípio da subsidiariedade
- Princípio da fragmentariedade
- Princípio da ofensividade
- Princípio da insignificância
- Princípio da adequação social
- Princípio da Taxatividade
- Princípio da segurança jurídica
- Princípio do Ne Bis In Idem

Aplicação da lei penal


Conhecida inicialmente como a única fonte imediata do direito penal
Art 1°
. Legalidade
Art 2°
. Retroatividade da lei mais benéfica
* Aplicação da lei penal no tempo
Como regra, a lei a ser aplicada é a da lei vigente no tempo do fato ocorrido (Tempus regit actum)
- Abolitio Criminis: quando um fato deixa de ser considerado crime os indivíduos que o
cometeram deveram ser soltos
- Surgimento da lei penal mais benéfica: quando a pena de uma lei penal se torna mais leve
- Retroatividade: trata-se de quando uma lei retroage a favor do réu, ou seja, se a lei for mais
benéfica ela retroagirá a favor do réu.
- Ultratividade: trata-se de quando a pena se torna mais grave, no caso ela não poderá ser aplicada
a crimes anteriormente cometidos
- Leis temporárias e Leis excepcionais: a temporária tem um prazo definido, já a excepcional
surge em vigência de algum problema, essa leis tem Ultratividade
- Lei intermediária: é a lei que aparece durante o processo, ou seja, não existia durante o tempo da
infração, ela pode ser aplicada ser for mais benéfica
- Conflito aparente de leis penais: seus requisitos são pluralidade de leis, vigência simultânea e a
unidade
. Princípio para sua resolução
1- princípio de especialidade
São dois tipos penais dominando um caso a lei geral e a lei especial
2- princípio da consumação
O crime mais grave absorve o delito menos grave
3- princípio da alternatividade
Quando se exclui a aplicabilidade de outra lei
4- princípio da subsidiáriedade
Princípio legal que determina caber ao direito ou ao estado resolver um conflito caso nenhum
outro meio civil seja capaz

Você também pode gostar