Você está na página 1de 3

LINGUAGEM

A linguagem humana é vasta, rica e viva. Com isso, é importante estar em constante
atualização. A linguagem corporal, discutida em outro módulo, permite transparecer diversas
informações sobre o estado de espírito, o nível de tensão e de conforto no palco. Agora falaremos da linguagem
verbal, o conteúdo propriamente dito.
Para que consigamos produzir bons discursos, é necessário que o conteúdo esteja coeso, coerente,
organizado e dentro do tempo determinado. Sendo assim, segue abaixo a explicação desses aspectos que são
essenciais para uma produção de linguagem eficaz e atraente.

Coesão: é a superfície textual, a costura do texto. É importante utilizar conectivos condizentes com o momento
do discurso. Portanto, nada de começar com “Então, eu sou fulano.” ou “para finalizar” e seguir introduzindo
elementos. Ao final deste material, você encontrará uma tabela com vários conectivos que podem auxiliar a
organização do seu discurso.

Coerência: é a pertinência do discurso, isto é, se cumpre o que foi proposto inicialmente em relação à temática
e se as frases têm sentido internamente. Para um discurso ser coerente, é importante ser claro, simples, objetivo
e direto. Precisa haver também a estruturação do que é o tema principal e quais são os temas anexos,
estabelecendo uma linha de raciocínio compreensível ao público. Exponha todas as informações necessárias
para a compreensão do assunto, cuidando para não pecar nem pelo excesso, nem pela falta delas. Evite ideias
redundantes, palavras repetidas ou que rimem, contradições, frases muito longas e relatos/histórias desconexos
ao tema, ainda que sejam muito interessantes.

Existe coerência sem coesão? E coesão sem coerência? Leia os trechos de texto abaixo:

Ex.1: “Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear,
pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente.
Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta,
chaves, lenço. Relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos, jornal. (...)” (Circuito Fechado - Ricardo Ramos, 1978)

Ex. 2: “O dia está chuvoso, pois ontem encontrei vários amigos no cinema, ainda que esse fato contrariasse as
pesquisas apresentadas pela imprensa.”

Como você pode perceber, sim, é possível um texto com coerência e sem coesão (ex. 1) e um texto
com coesão e sem coerência alguma (ex.2)! Portanto, fique atento aos dois critérios acima na hora de
elaborar seu discurso.

Gerenciamento de tempo: é importante aprender a controlar o seu tempo de fala. Como fazer isso?
Treinando! Monte sua apresentação, treine diversas vezes e cronometre o tempo. Veja quanto tempo está
levando em cada parte, o que precisa ser acrescentado e o que precisa ser retirado para que você consiga acabar
sua apresentação no tempo determinado. Além disso, siga esta dica: multiplique o tempo que você tem para a
sua apresentação por 0,9. Isso te dará um tempo um pouco menor que o tempo estipulado para englobar os
imprevistos. Um slide que não inicia, um microfone que não funciona, um vídeo que não abre, uma pergunta
inesperada. Assim, se você tem 60 minutos para se apresentar, multiplicando por 0,9, você tem 54 minutos de
fala planejada e 6 minutos restantes para imprevistos. Se nada ocorrer, você conseguiu cumprir com o tempo
e ainda liberou sua plateia um pouco antes para o café!

Av. Nossa Senhora de Copacabana, 807 - Sl. 1104/1105 - Copacabana - Rio de Janeiro - 22050-002
Telefone: 21 3285-1036 / 21 96401-8566 - E-mail: contato@clubedafala.com.br - www.clubedafala.com.br
Organização de pensamento: é importante haver linearidade de raciocínio em um discurso
para que as pessoas não se percam. Para isso, organize um roteiro com início, meio e fim
para a sua apresentação e siga! Muitas pessoas pecam nesse quesito, pois lembram de
histórias ou dados e acabam emendando um assunto no outro, perdendo totalmente a linha
de raciocínio. Portanto, faça o seu roteiro e o siga para manter a linearidade e organização mental.

Além desses 4 aspectos, é importante observar o tipo de vocabulário utilizado. Com a Programação
Neurolinguística (PNL), é possível entender os processos da mente, provocar mudanças e alcançar resultados
positivos, isso tudo por meio da linguagem. Seguem abaixo alguns recursos linguísticos que podem ser
utilizados e outros que devem ser evitados quando se trata de comunicação eficaz:

Usar:

• Palavras positivas: ajudar, solucionar, resolver, ótimo, elevar.


• Frases que despertam interesse: eu li uma matéria muito interessante sobre, de acordo com uma pesquisa...
• Palavras dinâmicas: rápido, veloz, imediatamente.
• Palavras fortes que impressionam: aprovado, bem-sucedido.
• Adjetivos coloridos: lucrativos, garantido, personalizado, requintado.
• Adjetivos pessoais que envolvam o cliente: nós, seu, nosso.
• Frases no presente: quero, desejo, posso, tenho.
• Expressões que transmitam confiança: posso afirmar que, tenho certeza de que, garanto que.

Evitar:

• A palavra “não”: Não faça isso. → Evite fazer isso.


• As palavras “mas”, “entretanto”, “todavia”, “porém”, pois negam ou desvalorizam o que foi dito
anteriormente. Substitua por “e”.
• Palavras negativas: problemas, atraso, nunca, impossível, prejuízo, dificuldade.
• Expressões que transmitam insegurança: eu acho que..., tentar, pode ser que...
• Gírias: pô! peraí! falô! tá legal! tudo em cima! tchau, tchau!
• Expressões repetitivas: então tá, então!
• Informações repetitivas: refazer de novo, subir para cima.
• Tratar com intimidade: querido! Minha flor! Meu amor! Chuchu! Gata!

Agora que você já sabe todas as dicas para roteirizar e manter a sua apresentação organizada e atraente,
que tal em colocar em prática esses ensinamentos e potencializar ainda mais a sua comunicação? Não perca
tempo!!
FALE BEM. FALE COM A GENTE!

Av. Nossa Senhora de Copacabana, 807 - Sl. 1104/1105 - Copacabana - Rio de Janeiro - 22050-002
Telefone: 21 3285-1036 / 21 96401-8566 - E-mail: contato@clubedafala.com.br - www.clubedafala.com.br
Lista de Elementos Coesivos

Prioridade, relevância: Em primeiro lugar, primeiramente, principalmente, primordialmente,


sobretudo.
Tempo(frequência, duração, ordem, sucessão, anterioridade, posterioridade): Então, enfim, logo depois,
imediatamente, logo após, a princípio, pouco antes, pouco depois, anteriormente, posteriormente, em seguida, afinal,
finalmente, agora, atualmente, hoje, frequentemente, constantemente, às vezes, eventualmente, por vezes,
ocasionalmente, sempre, raramente, não raro, ao mesmo tempo, simultaneamente, nesse meio tempo, enquanto, quando,
antes que, depois que, logo que, sempre que, assim que, desde que, todas as vezes que, cada vez que, apenas.
Semelhança, comparação, conformidade: Como, consoante, segundo, da mesma maneira que, do mesmo modo que,
igualmente, da mesma forma, assim também, do mesmo modo, segundo, conforme, sob o mesmo ponto de vista, tal
qual, como, assim como, bem como, como se, à medida que, à proporção que, quanto (mais, menos, menor, melhor,
pior)... tanto (mais, menos, menor, melhor, pior), tanto quanto, que (do que), (tal) que, (tanto) quanto, (tão) quão, (não
só) como, (tanto) como, (tão) como.
Condição, hipótese: Se, desde que, salvo se, exceto se, contanto que, com tal que, caso, a não ser que, a menos que,
sem que, suposto que, desde que, eventualmente.
Adição, continuação: Além disso, (a)demais, outrossim, ainda mais, ainda por cima, por outro lado, também, e, nem,
não só... mas também, não apenas... como também.
Dúvida: Talvez, provavelmente, possivelmente, quem sabe, é provável, não é certo, se é que, a caso, porventura.
Certeza, ênfase: Por certo, certamente, indubitavelmente, inquestionavelmente, sem dúvida, inegavelmente, com toda
a certeza.
Surpresa, imprevisto: Inesperadamente, inopinadamente, de súbito, imprevistamente, surpreendentemente.
Ilustração, esclarecimento: Por exemplo, isto é, quer dizer, em outras palavras, a saber, ou seja, ou melhor, aliás, ou
antes.
Propósito, intenção, finalidade: Com o fim de, a fim de, com o propósito de, para que, a fim de que, com o
intuito/objetivo de.
Lugar, proximidade, distância: Perto de, próximo a/de, junto a/de, fora, mais adiante, além, lá, ali e os pronomes
demonstrativos.
Resumo, recapitulação, conclusão: Em suma, em síntese, em resumo, portanto, assim, dessa forma, dessa maneira,
logo, por isso, por consequência.
Causa e consequência, explicação: Por consequência, por conseguinte, como resultado, por isso, por causa de, em
virtude de, assim, de fato, com efeito, tão (tanto, tamanho)... que, porque, porquanto, pois, já que, uma vez que, visto
que, como (=porque), portanto, logo, que (=porque), de tal sorte que, de tal forma que, visto que, dado que, como.
Contraste, oposição, restrição, ressalva, concessão: Pelo contrário, em contraste com, salvo, exceto, porém, menos,
mas, contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, apesar de, ainda que, mesmo que, por menos que, a menos que,
a não ser que, em contrapartida, enquanto, ao passo que, por outro lado, sob outro ângulo.
Alternativa Ou... ou, ora... ora, quer... quer, seja ... seja, já... já, nem... nem.
Negação Não, absolutamente, tampouco, de modo algum, nunca.
Afirmação Sim, certamente, efetivamente, realmente, seguramente, indubitavelmente, inquestionavelmente, sem
dúvida, decerto, por certo, com certeza.
Modo: Bem, mal, assim, depressa, devagar, como, melhor (mais bem), pior (mais mal), às pressas, à toa, às escuras, à
vontade, de mansinho, em silêncio, em coro, face a face, às cegas, a pé, a cavalo, de carro, às escondidas, às tontas, ao
acaso, de cor, de improviso, de propósito, de viva voz, passo a passo, cara a cara. Advérbios terminados em mente,
como suavemente e corajosamente.
Referência: Antes de, até a, dentro em, dentro de, depois de, fora de, ao modo de, à maneira de, junto a/de, devido a,
em virtude de, graças a, a par de.
Intensidade: Muito, pouco, bastante, deveras, menos, tão, tanto, demasiado, mais, meio, todo, completamente,
profundamente, excessivamente, extremamente, demais, ligeiramente, levemente, quão, quanto, bem, mal, quase.
Inclusão Até, inclusive, mesmo, também, ainda, ademais, além disso, de mais a mais.
Exclusão Apenas, salvo, senão, só, somente, menos, exceto, fora, tirante.

Adaptado de: https://docente.ifrn.edu.br/marcelmatias/Disciplinas/lingua-portuguesa-e-literatura-1-ano-


2016.2/lingua-portuguesa-e-literatura-brasileira-1o-ano/quadro-de-elementos-coesivos-sequenciais

Av. Nossa Senhora de Copacabana, 807 - Sl. 1104/1105 - Copacabana - Rio de Janeiro - 22050-002
Telefone: 21 3285-1036 / 21 96401-8566 - E-mail: contato@clubedafala.com.br - www.clubedafala.com.br

Você também pode gostar