Você está na página 1de 2

Brasília, 6 de agosto de 2022.

Caras(os) integrantes do Conselho de Administração (CAD) e demais membros da


comunidade universitária,
Nós, professores e técnicos que moram na Colina, apresentamos esta carta aberta com o
objetivo de colaborar com a discussão e ações sobre moradia funcional na Universidade de
Brasília, contribuindo com que a UnB tome as melhores decisões a respeito desse tema.
Para isso, solicitamos encarecidamente que a proposta de Resolução que dispõe sobre a
administração de edifícios residenciais de propriedade da UnB por Associação de
Compossuidores, e dá outras providências, parte do Processo SEI
23106.042001/2022-62, volte à agenda do Conselho de Administração depois de
debates públicos e que:
a) a Universidade crie uma Comissão com moradores e servidores da Secretaria de
Patrimônio Imobiliário (SPI) para a reflexão sobre as possibilidades futuras em
relação à política de moradia, sobre a manutenção relacionada aos imóveis
funcionais, a construção de um plano de reforma, manutenção e investimentos
em infraestrutura dos edifícios, com objetivos, metas, prazos a serem
estabelecidos.
b) a Comissão citada acima analise e sistematize propostas de gestão de moradia
funcional de outros órgãos públicos, dentre eles o Ministério das Relações
Exteriores, as Forças Armadas, Câmara dos Deputados e Senado Federal,
buscando aprimorar os procedimentos da moradia funcional da UnB1;
c) sejam corrigidas as taxas de manutenção e devolvidos aos condomínios os valores
referentes à parte do representante, pois atualmente quem paga a parte da taxa
de manutenção referente ao representante são os moradores e não a UnB.
d) haja um aprimoramento da comunicação entre administração superior, SPI,
representantes e moradores, evitando falta de clareza, ausência de respostas,
ordens de serviço sem retorno e tratamentos inadequados.
Conforme documentação incluída no processo SEI 23106.047633/2022-12, a referida
proposta de Resolução que “dispõe sobre a administração de edifícios residenciais de
propriedade da Universidade de Brasília por Associação de Compossuidores, e dá outras
providências” foi anteriormente analisada pelos moradores dos prédios funcionais da
Universidade e não contou com o apoio de nenhum bloco.

1
Na internet, é possível encontrar documentação sobre a moradia funcional e uma dissertação da FAU-UnB de
2019: "APARTAMENTOS FUNCIONAIS EM BRASÍLIA:OS BLOCOS RESIDENCIAIS MILITARES" de Gabriela
Pazzini Mueller, pelos links:
https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-normativa-n-43/gm-md-de-29-de-abril-de-2020-255442512;
http://www.pmb.eb.mil.br/images/documentos/normas/in_4_11rm.pdf;
https://www.gov.br/defesa/pt-br/arquivos/lai/pnr/legislacao/PortariaNormativan43GMMDde29deabrilde2020.pdf; e
https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/35597/1/2019_GabrielaPazziniMueller.pdf
A posição dos representantes e dos moradores foi embasada em:
1- Levantamento da situação dos imóveis (estrutural e problemas gerais),
concluindo que a situação dos blocos e apartamentos não podem ser vistos como
algo separado da manutenção,
2- Levantamento de cotações de empresas administradoras de condomínios para a
verificação de custos que demonstrou que os custos para contrato de empresas ou
administração do condomínio serão maiores do que o contrato realizado atualmente
por licitação. Esses custos, junto com os problemas estruturais acumulados ao
longo do tempo, irão impactar diretamente na taxa de manutenção dos atuais
moradores, que atualmente já é alta. O aumento da taxa de manutenção
combinado com o aumento da taxa de ocupação pode acarretar, ainda mais, o
esvaziamento dos imóveis funcionais e gerar maiores custos para a Universidade.
A moradia funcional não é um privilégio e a realidade atual demonstra que há
muitos apartamentos vazios há vários anos, talvez por desinteresse de quem visita
ou pelos valores cobrados, e há pouco investimento da administração superior para
revitalizá-los. Cabe lembrar que a concepção da moradia funcional era
fundamentada na necessidade de manter professores e servidores na UnB,
diminuindo a rotatividade ou evitando a evasão para outros órgãos;
3- Realização da avaliação jurídica da proposta, comentada pela Assessoria
Jurídica da ADUnB. Dentre vários problemas detectados por essa análise jurídica,
há vários impedimentos legais de professores assumirem a gestão de uma
associação de direito privado; um desinteresse geral dos atuais representantes de
serem responsáveis por danos a terceiros (considerando o impacto dos problemas
estruturais dos blocos); falta de clareza e detalhamento das responsabilidades da
UnB na resolução e a desobrigação dos atuais moradores em fazerem parte de
uma associação imposta pela administração superior. A implantação e
operacionalização da resolução ainda são muito obscuras. Os moradores e
representantes procuraram discutir e apresentaram tais problemas, mas foram
ignorados sem receber resposta da SPI ou da administração superior sobre os
pedidos realizados.
4- Reuniões entre representantes e moradores(as) para esclarecimento sobre a
proposta original e para os esclarecimentos acerca do tema.
Aproveitamos a oportunidade para convidar as(os) integrantes do CAD e membros
da comunidade universitária para uma roda de conversa sobre moradia funcional no
próximo sábado, 13 de agosto, às 16h, na Praça da Colina, quando pretendemos
dialogar sobre o patrimônio imobiliário da UnB e, com isso, contribuir para que a
UnB encontre as melhores maneiras de lidar com o seu patrimônio.
Contar com as(os) integrantes do CAD nas reflexões sobre o patrimônio da UnB pode
colaborar com uma decisão serena, bem informada, melhor instruída e que não coloque em
risco a permanência de servidores (professores e técnicos) nos apartamentos de moradia
funcional e, consequentemente, não coloque em risco o patrimônio da Universidade de
Brasília, tão importante não só nas relações de trabalho, mas também com alcance
arquitetônico, cultural e histórico.
Através das pessoas citadas abaixo, permanecemos à disposição para quaisquer
esclarecimentos.
Atenciosamente,

Representantes dos Blocos e Coletivo Colina Viva


Email de contato: colinaviva62@gmail.com

Você também pode gostar