Você está na página 1de 61

1V

No primeiro trim estre, estudam os a respeito da vida de Je su s,


o Filho de Deus, que veio ao mundo para nos salvar. N este, estudarem os a
respeito d o s milagres de Je su s. E bom saber que o Salvador é poderoso!
Sim, Ele tem poder para salvar, curar e libertar.
Não há nada que J e s u s não p ossa fazer por nós.

E stu d e e prepare cada lição com carinho.


Ore para que cada criança p ossa cre r no poder de Je su s, o Salvador.

Tenha certeza de que o M e stre esta rá abençoando cada aula


e realizando milagres, pois Ele não mudou.

Que Deus o abençoe.


A té o próximo trim estreI
Jardim de

An o1
0 Meu Amigo J e s u s

O Meu Amigo J e s u s é Poderoso


0 Meu Amigo Guarda e Cuida do seu Povo
O Livro que Conta a s H istó ria s do meu Amigo
I T '* '

J e s u s faz o moço
viver novamente

Um amigo
é curado
19

J e s u s cura
uma mulher
14 J e s u s faz Lázaro
viver novamente
.5 5 À

Pedro pesca
muitos peixes
10 1

■ Jesu s '■i;r à
transforma água
em vinho
«amai m u sm m uam m m m

uçao aula

J . ____ /—
Visto profi1

PARA REFLETIR
Seria bom que sem pre soubéssem os o desfecho OBJETIVO
de ca d a situ ação , não é ? Isso, na m aioria das
de hoje deverão levar
v e z e s, p o u p a r-n o s-ia d e m uita p re o c u p a ç ã o A s atividades da <
inútil. Tenho certeza d e que nem Maria, nem os indo-ôí
Identificar em Jesu s um amigo, eer
convidados, tam pouco os noivos, sabiam que o livre o p a raco n tar^ p ro b ie m a sa tle .
vinho acabaria antes da hora. Se o so ub essem , Assim como Maria se aproximou de Gnsto
de antem ão teriam providenciado maior quanti­ oara dizer-lhe que o vinho acabara.
dade. O fato é: no meio da festa, o vinho acabou.
A gora, o que dizer aos co n vidad o s?
Foi aí q u e M aria, sab en d o que o seu filho era,
na verdade, o Filho de D eus, apresentou-lhe o
problem a: - O vinho acabou. - Não sei se Ma­ SOM OS ASSIM ...
ria adiantou-lhe e ste fato na esp eran ça de que Desde bebês até agora, seus alunos já passaram po
E le fizesse m esm o algo sobrenatural, ou se foi uma verdadeira revolução no campo da aprendiza
porque estava habituada a procurar ajuda com gem. Chegando aos cinco e seis anos, todo o sei
a p esso a certa: Deus! desenvolvim ento psicom otor já se com pletou, e c
Ao longo d e ssa sem ana, assim com o os noivos cérebro já finalizou as suas ligações. A criança nest;
das bodas em Caná, convide Jesus para estar com idade, quando devidamente estimulada, é capaz dc
você enquanto prepara a lição e m edita nela. E apresentar autonomia na maioria das situações. Err
casa, já pode ajudar nas tarefas simples como colo­
com o Maria, sinta-se à vontade para procurar a
car a mesa, guardar a louça e o$ objetos espalhados
pessoa certa, D eus, sem pre que precisar. Peça-
Na escola, se devidam ente instruída pelo professor
lhe boas idéias, sab edo ria e criatividade. Jesu s
consegue organizar eficientem ente os materiais err
quer dar-lhe vinho novo.
prateleiras, potes e caixas.
S E J A 6EM-VIND0 VERDADE PRATICA
Receba os alunos de forma ani- ^ .íi Quando tiverm os um problem a,-
m ada, dizendo-lhes que a história de d evem o s co ntá-lo ao nosso am igo
hoje é sobre uma festa de casamento. Diga Je su s, que é poderoso para nos ajudar.
que está feliz por iniciarem mais um trim estre. Para apresentar à classe a Verdade Prática, escre­
Verifique se há visitantes e receba-os com atenção va-a no quadro e leia-a em voz alta. Em seguida,
e carinho. Faça uma breve oração, agradecendo a pergunte se alguém já precisou pedir ajuda para
Deus por com eçarem a estudar uma nova revista. Deus (ao ficar doente, ao perder um brinquedo pre­ |'j ■T"
lil-
Neste trim estre, enfeite o mural de sua sala de ferido, etc.). Ouça atentamente Você pode contar
acordo com o tem a da lição. Ao fim da história, aos seus alunos alguma experiência pessoal sua,
decida e cole junto com seus alunos um dos visuais em que tenha contado para Deus um problema. i m
utilizados. Desta form a, toda vez que decidirem Agora, explique; "Essa é a atitude correta sempre
recapitular o que já foi aprendido, utilize o auxílio que enfrentarmos dificuldades. Deus é nosso amigo, e
do mural. Ele é muito poderoso para nos ajudar e nos socorrer.
C an te com a classe enquanto um dos alunos Ele sempre nos ouve, seja dia ou noite. Deus sabe
recolhe as ofertas. de todas as coisas e Ele consegue estar em todos os
lugares, sempre preparado para nos ouvir e ajudar".
Para encerrar essa parte da aula, desafie-os a
procurar o amigo Jesus na próxima vez que tiverem
um problema ou quiserem conversar!

E HORA DO VERSÍCULO
“E m t e m p o s d e a n g ú s t - ia e u
•fce c h a m o , p o is t u m e r e s ­
p o n d e s” (S I 6 6 .7 ) .
Confecção: Prepare antecipadamente um cartaz com
o versículo escrito e com o desenho de uma criança
orando. Você também precisará de um telefone, que
não precisa funcionar de verdade, pois será apenas
VOCÊ VAI PR ECISA R para vocês fingirem que estão telefonando.
Explicação do versículo: Pergunte; "Quem sabe o
. um cartaz de cartolina no tamanho A4 para
que é angústia?" Ouça as respostas e aprofunde a
cada aluno, com a fraee '0 meu amigo Jesus è
explicação, conforme houver necessidade. Explique
poderoso’ no topo; que angústia é uma tristeza muito grande e, também,
. cesto ou sacoiinha para recolher as ofertas
muita preocupação. Prossiga; "É muito ruim ficar
(será usado em todas as aulas), triste ou preocupado, não é? Mas não precisamos
• Cartolina; ficar angustiados, porque temos um amigo, que é
• Figura de uma criança orando; Jesus, que pode resolver todos os nossos problemas.
• Telefone (pode ser de brinquedo); Jesus é tão poderoso, que pode tirar a angústia do
• Jarra de suco; nosso coração. Às vezes, a mamãe, o papai ou a vovó
■Copos descartáveis; estão ocupados e não podem parar para ouvir o que
temos a dizer. Mas Jesus, que é o nosso grande amigo,
Mi- 1 • Pó para o prepara Instantâneo * «“to * “ f
nunca está ocupado. Ele sempre pode nos atender.
. PurpurW cor de i* lto ou papel « W »
E você pode falar com Ele em todos os lugares: na
escola, na rua, na sua caminhada à noite, etc.
Recitem várias vezes o verso. Depois, mostre-lhes
o telefone e diga que quem conseguir recitar o
versículo poderá vir recitá-lo outra vez ao telefone,
fingindo que está falando com Jesus!

MM ■rtwmMk. T
I n llk ..... :...... 1
Comece com animação, como se vocês estivessem porque se preocupar, já que Ele é o Filho de Deus,
em uma festa: "Ó , que legal! Quanta gente! E estão e que, na hora certa, saberia o que fazer.
todos bem arrumados, com roupas de festa! Estão Maria não ficou zangada com a resposta de Jesus,
vendo? Todós foram convidados para o casamento. porque sabia que Ele tem muito poder para resolver
E ali estão os noivos! Que lindos!" (Fig. 1.1) "Vejam, qualquer situação Por isso, ela escutou a resposta
é Jesus. Ele também foi convidado. E ali estão os dEle com atenção, e depois, disse aos empregados:
discípulos e Maria, a mãe de Jesus. Vamos cumpri­ — Façam tudo o que Jesus mandar.
mentá-los? Olá, Jesus! Olá, discípulos!" (incentive-os Perto de Jesus estavam seis jarros de pedra. (Fig.
a usar a imaginação e a saudá-los). 1.2) Jesus ordenou aos empregados: — Encham de
Vocês viram o que os servos estão trazendo nas água esses jarros. — O s empregados obedeceram,
bandejas? O que acham que é? (deixe que respon enchendo os jarros até a boca. E Jesu s mandou:
dam). Que delícia de festa, hein? Mas vejam !" Maria — Agora, tirem um pouco da água desses jarros e
está cochichando no ouvido de Jesus. E parece que levem ao dirigente da festa.
está preocupada. Será que está com algum proble­ Novamente, os empregados fizeram o que Jesus
ma? Será que precisa de ajuda? Sabem o que ela mandara. O dirigente da festa provou a água, e...
está dizendo? Ela disse: — O vinho acabou! — E (faça suspense!) a água tinha virado vinho! Ele não
agora? O que os convidados vão beber? Ainda falta sabia de onde tinha vindo aquele vinho, mas vocês
tanto tempo para a festa acabar... sabem, não é? (Fig. 1.3) Então, o dirigente chamou o
Depois que Maria lhe disse isso, Jesus respondeu: noivo, e disse: — Todos costumam servir primeiro o
— Você não precisa dizer o que eu devo fazer. Ainda vinho bom e, depois que os convidados já beberam
não chegou a minha hora. — Jesus não foi mal-edu­ muito, servem o vinho comum. Mas você guardou
cado com Maria. Ele apenas explicou que nSo havia até agora o melhor vinho!
distribuí-los; recolhê-los e jogá-los no lixo. Cada etapa
deve ser executada com a ajuda de um voluntário.
Enquanto bebem o suco de uva, vocês podem
conversar sobre a história de hoje.
IM PO RTAN TE! Verifique previamente se algum
aluno é alérgico ao corante do suco.

REVISTA DO ALUNO
As crianças colarJo purpurina ou papel celo-
picado nojarro de pedra. Conversem sobre
mo deve ter sido maravilhoso ver este milagre
-.ontecer. e sobre como Jesu s é poderoso para
:gr algo tão incrível.
Os alunos observarão os desenhos e marcarão
, X na figura que mostra uma criança cochichan-
, algo para Jesus Diga-lhes que Jesus e nosso
nigo. por Isso sempre podemos contar-lne as
,65as preocupações. Enfatize que somente
ssus é poderoso para nos ajuda-

Vocês viram? Jesu s fez um milagre. Ele transfor­


mou a água que estava nos jarros em vinho! Jesus
é mesmo muito poderoso! Maria sabia que Jesus
tinha poder. Por isso, falou com Ele. Nós também
podem os procurar Je su s para contar-lhe algum
problema? (espere que respondam) Sim, podemos.
Jesus, o Filho de Deus, é também, o nosso amigo.
Podemos conversar com Ele todos os dias. Sabem
como? Isso mesmo, orando. Você pode contar para
Ele tudo o que o preocupa. Devem os deixar que 0 QUE APRENDEM OS HOJE
Je su s resolva as situações difíceis, pois Ele sabe, Em círculo, conversem sobre a história de hoje:
melhor do que nós, como fazer isso. Vocês se lembram do que aconteceu no meio
Agora, eu quero saber quem, de hoje em diante, da festa? O que Maria fez quando soube que o
vai contar tudo para o amigo Jesus? vinho acabara? Ela contou para Jesus. E vocês?
O que fazem quando têm um problem a, ou
FIXANDO A APRENDIZAGEM quando ficam tristes? Lembrem-se sempre de
procurar Jesus, que é o seu amigo poderoso.
Prepare, com a ajuda dos alunos, uma jarra de
N ão tenham m edo de orar co n tan d o para
suco de uva, usando um saquinho com pó para o
Je su s tudo o que estiverem deixando vocês
preparo instantâneo de suco.
preocupados. O Papai do Céu sempre ouve e
Aproveite o momento para distribuir aos alunos
responde as nossas orações.
as seguintes tarefas; abrir a em balagem de suco;
derramar o pó na jarra; mexer; servir os copinhos;

T ¥ 1r ’ ■■■Sm
nftrM

v«4 J
SUBSÍDIOS
Abaixo, você encontrará trechos de um estudo
sobre "O vinho nos tempos do Novo Testamen­
to", extraído da Bíblia de Estudo Pentecostal.
"O s dados históricos sobre o preparo e uso
do vinho pelos judeus e por outras nações no
mundo bíblico mostram que o vinho era: (a)
frequentemente não fermentado; e (b) em gera! HA UM MILAGRE EM SUA CASA
misturado com água... Tommy Barnett
Um dos métodos era desidratar as uvas, bor­
rifá-las com azeite para m antê-las úm idas e
guardá-las em jarras de cerâmica. Em qualquer Um livro que fala sobre o poder
ocasião, podia-se fazer uma bebida muito doce sobrenatural do milagre, revelando
de uvas assim conservadas... Outro método era que Deus usa aquilo que está ao
ferver suco de uva fresco até se tornar em pasta nosso redor.
ou xarope grosso... este processo deixava-o em
condições de ser armazenado, ficando isento
de qualquer p ro p ried ad e inebriante Essa
pasta ficava armazenada em iarras grandes ou
odres. Podia ser usada como geleia para passar
no pão, ou dissolvida em água para voltar ao
estado de suco de uva... A água, portanto, pode
ser adicionada a uvas desidratadas, ao xarope
de uvas e ao vinho fermentado...
Em resumo, o tipo de vinho usado pelos judeus
nos dias da Bíblia não era idêntico ao de hoje.

A glória de Jesus manifesta através do vinho


O objetivo prim ordial desse milagre foi ma­
nifestar a sua glória, de modo a despertar fé
pessoal e a confiança em Jesus como o Filho de
Deus, santo e justo, que veio salvar o seu povo
do pecado... Esse milagre destaca a soberania
de Deus no mundo natural, tornando-se um
símbolo de Cristo para transformar espiritual­
mente pecadores em filhos de Deus... Devido
a esse milagre, vemos a glória de Cristo 'como
a glória do Unigênito do Pai" (Bíblia de Estudo
Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.
1573, 1574).
2 a aula
/_____ /_____
visto prof"

Texto
bíblico
Lucas

PARA REFLET í R
N ote este versículo: "Ele IJesus] viu dois barcos
no lago, perto da praia. O s p escad o res tinham A s. laókzS 2'-ila '
saído deles e estavam lavando as redes" (Lc 5.2). oe alunos a-.
Rficonheceropoaerde
A ntes de ser cham ado por Jesus a ser pescador I
poder
de homens, Pedro não estava descansando, nem Transm itir a toíloi
parado, admirando a beleza do mar da Galileia. Ele c^e há no nome de
já era um pescador e, pelo jeito, trabalhava bas­
tante: "Mestre, nós trabalhamos a norte toda" (v.
5). Não é assim que Deus nos quer? Trabalhadores
SOMOS ASSIM .
incessantes em sua obra? Veja, Pedro foi chamado
duas vezes, após duas pescas maravilhosas. Primeiro, Dentre as principais características da criança de 5 e
em Lucas 5.10, foi convidado para ser discípulo. 6 anos, está a sua capacidade de imaginar. Sozinhas
ou na companhia dos amigos, estes pequeninos são
Depois, em João 21.1-18, chamado ao apostolado.
capazes de mergulhar nas coloridas águas do faz-de-
Jesu s convocou os discípulos enquanto estavam
conta! Durante as brincadeiras, é normal vê-las falando
em penhados, trabalhando duro. O Senhor não
sozinhas e até travando longos diálogos com amigos
escolh eu hom ens d e so cu p a d o s. N ós, crentes,
e personagens que, em sua cabecinha, estão bem
tanto pastores, quanto diáconos, m issionários, presentes naquela situação.
professores, ou membros da congregação, se não Professor, sinta-se desafiado a aproveitar, em suas aulas,
buscarmos levar vidas a Cristo, não cumpriremos essa fase tão única do desenvolvimento infantil. Use
o nosso dever na obra de Deus. livremente o faz-de-conta para transmitir aos alunos
O Senhor precisa de bons obreiros. Ele recom ­ as verdades preciosas de Deus. Imagine com eles os
pensa e valoriza todo o tem po que você investe cenários, sintam cheiros e finjam segurar objetos. Além
no p re p a ro de sua aula. Portanto, p ro fe sso r: de produtivo, será bastante divertido!
"N ão tenha m edo! D e agora em diante, você
vai p escar gente" (Lc 5.10).
capaz de trazer alegria ao nosso
coração, etc."
Previam ente, delim ite, com fita
Incentive os alunos a terem, também,
crepe, ou qualquer outro material, um
um bom comportamento, de forma que
retângulo no chão, onde caibam você e os
as pessoas percebam que são crianças diferentes,
seus alunos. Este retângulo será o barco de pesca
que pertencem a Jesus.
de vocês. Após receber os alunos com entusiasmo,
convide-os a assentarem -se no barco de pesca.
Explique que, hoje, todos vocês serão pescadores ÉH ORA DO VERSÍCULO
de gente! Mantenha o suspense, e só termine de
explicar o que significa "pescar gente" na hora da
“ [ ...]N ã o -te n h a m e d o ! D e
história. Vocês podem cantar um corinho relacionado a g o r a e m d ia n -te v o c ê vai
à lição, sentados dentro do barco. p e& ca r g e n -te ” ( L c O ).
Façam o plano de frequência, recortando a figura
correspondente e colando no local indicado. Confecção: Prepare um cartaz de cartolina branca,
Em seguida, recolha as ofertas. Você pode pedir e escreva nele o versículo. Às margens do cartaz,
ajuda a um dos alunos. Aproveite o momento das desenhe pequenos peixes e deixe-os em branco!
ofertinhas para explicar que o dinheiro dado à igreja (Desenhe pelo menos um peixinho para cada aluno).
também é usado para evangelizar. Com as ofertas, Explicação do versículo: Leia o versículo, e pergunte
podemos comprar Bíblias, folhetos e ajudar os missio­ aos alunos o que acham que significa pescar gente.
nários que estão em outros países falando de Jesus. Ouça as respostas, mesmo que não estejam certas, e,
em seguida, explique: "Este foi um convite que Jesus
fez a Pedro. Pedro era pescador. Vocês sabem o que
VERDADE PRÁTICA ' os pescadores fazem? Isso, eles tiram peixes do mar,
Nós podemos contar às pessoas que Jesus tem poder. e depois vendem para que nós possamos comê-los.
Muitas vezes, os pequeninos acham que falar de Quando Jesus convidou Pedro para ser seu ajudante,
Jesus é uma tarefa que cabe somente aos adultos Pedro estava à beira do lago, pescando. Por isso, Jesus
(seus pais, professor da Escola Dominical, ou pastor lhe disse que não era mais para ele pescar peixes, mas
da igreja). É preciso conscientizá-los de que falar de que, agora, Pedro traria pessoas para Jesus. Pedro
Cristo é tarefa de todo aquele que já o recebeu como convidaria as pessoas para conhecerem Jesus.
Salvador. Até dos que ainda são bem pequeninos. E Jesus ainda precisa de ajudantes, sabia? Jesus quer
Para facilitar o entendimento, mostre exemplos que você pesque pessoas e as leve para Ele. Jesus pre­
de como podem fazer isso: "Se um amigo estiver cisa que você conte a todos o quanto Ele é poderoso.
dodoi, você poder lhe dizer que Jesus é poderoso Quem quer ajudar a pescar pessoas para Jesus?"
para curar. Se vir pessoas brigando, você pode Repitam o versículo muitas vezes, e peça a cada
convidá-las a fazer as pazes. Se alguém estiver um que o recite. Quem conseguir se lembrar, poderá
triste, diga que você conhece um amigo poderoso, escolher um giz de cera e colorir um dos peixes em
branco, que estão na margem do cartaz.

H IS T Ó R IA ê t e t t C A

VOCÊ VAI PRECISA R


Certo dia, Jesus estava na praia do lago da Gaiileia.
• Fita crepe; Quem já foi à praia? Quem sabe como é a areia?
• Cartolina branca: (mostre aos alunos a caixa com areia de praia, e
. Cartolina ou papel quarenta quilos azu ; deixe que, por alguns instantes, sintam os grãos
• Material de arte variado (giz de cera. pur pu entre os dedinhos).
rina. cola colorida, papéis coloridos picados, Mas Jesu s não estava sozinho. (Fig. 2.1) Muita
etc.); gente estava ao redor dEle, querendo ouvir tudo
• Folhas em branco; o que Ele ensinava. Era gente demais! Jesus olhou
• Palitos de fósforo ou de picolé; em volta, e viu dois barcos no lago, perto da praia.
• Caixa de sapato com areia (de pneferênca.
areia de praia).

_______ J ' 111


V
Q

O s pescadores haviam saído dos barcos e estavam


W

no outro barco para que os ajudassem, Era tanto


lavando as redes. peixe, que o barco de Pedro quase afundou!
Pedro era o dono de um dos barcos. Jesus entrou Quando Pedro viu o que havia acontecido, ajo-
no barco de Pedro e pediu ao pescador que afastasse elhou-se diante de Jesus, e disse: - Senhor, fique
um pouco o barco da areia. Jesus sentou no barco, longe de mim, pois eu sou um pecador! (Fig. 2.3)
e de lá começou a ensinar o povo. Mas Je su s não se afastou de Pedro. Sabem o
Quando acabou de falar, Jesus pediu a Pedro: - que Jesus lhe respondeu?! Ele disse: - Não tenha
Leve o barco para uma parte do lago que seja bem medo! De agora em diante, você vai pescar gente!
funda. Quando chegarmos lá, quero que você e os Pescar gente? O que será que Jesus quis dizer com
seus companheiros joguem as redes para pescar. isso? Será que Pedro teria de apanhar pessoas com a
Pedro respondeu: - Mestre, nos trabalham os a sua rede de pesca? Claro que não! Agora, Pedro seria
noite toda e não pescamos nada. Mas como o Senhor um ajudante de Jesus. Ele ajudaria Jesus a ensinar às
mandou eu jogar a rede, vou obedecer. (Fig. 2.2) pessoas sobre Deus. Pedro, agora, vai contar para todo
Quem já viu uma rede de pesca? Vamos imitar mundo que Jesus é o Filho de Deus, e que Ele tem
Pedro jogando a rede nas águas? Vamo.s obedecer muito poder para fazer coisas incríveis. Pedro vai contar
Jesus, igualzinho Pedro obedeceu? (faça o gesto, e para todas as pessoas que Jesus quer ser amigo delas!
incentive as crianças a imitar Pedro). E sabem o que Que legal! Mas SGrs CjU0 nos também poòsrnos
aconteceu quando os pescadores lançaram a rede? fazer i íos contar às pessoas que Jesus
Ela ficou tão cheia de peixes, que quase arrebentou! tem poder, e que Ele deseja ser amigo delas? Sim,
Pedro precisou chamar os pescadores que estavam nós podemos! Jesus quer que você seja ajudante
dEle. (Pergunte, a cada criança, a quem ela pode
contar sobre Jesus durante a semana).

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Fixe na parede uma cartolina azul, ou papel quarenta
quilos, que será como o fundo do mar. Distribua aos
alunos folhas em branco e materiais de arte variados,
como (lápis de cor, canetínha, cola, purpurina, cola
colorida, papel colorido picado, etc.). Cada aluno fará,
da forma que achar melhor, um peixe. Em seguida o
recortará e colará na cartolina azul.
Deixe-os livres para desenhar e colorir o peixe
como desejarem , mas mantenha o ritmo de sua
aula para que consigam executar tudo o que foi
p lan ejad o . Enquanto trab alh am , reforce o que
aprenderam na lição.

r e v is t a d o a lu n o
1 , Os alunos ligarão, com giz de cera, a figura de
Pedro ao desenho das pessoas. Explique <\ue,
agora. Pedro não pescaria mais peixes, mas
pescaria pessoas para Jesus.

2. Os alunos vão pintar o banco de pesca onde


je s u s assentou-se para ensinar o povo. Pepois
vão desenhar o mar.
1

SUBSÍDIOS
"[...] Lucas descreve a cham ada de vários
pescadores para o discipulado, com o refletor
em cima de Simão Pedro. Pedro já tivera contato
com Jesus (cf. Lc 4.38,39), mas até este incidente
ele se dedicou ao seu negócio da pesca. Ele e
seus companheiros, Tiago e João, provavelmente 0 QUE APRENDEM OS HOJE!
possuíam e operavam alguns barcos. Jesus reúne
Assentem-se novamente dentro do retângulo
seus discípulos de todos os campos de esfera
de fita crepe, que simboliza o barco de pesca,
de vida: pescadores, publicanos, zelotes e outras
e conversem sobre a aula de hoje: "H o je nós
pessoas comuns.
aprendemos que Jesus deseja que sejamos seus
Jesus se tornou um pregador popular. Ele está
ajudantes. Assim como Ele convidou Pedro, Ele
perto do lago de Genesaré, mais conhecido por
nos convida também. Pedro não seria mais um
mar da Galileia. Uma multidão ansiosa por ouvir
pescador de peixes. Agora, ele pescaria pessoa
a Palavra de Deus o aperta enquanto Ele fala.
para Jesu s. Nós também podem os fazer isso.
Ali perto há dois barcos, e os pescadores estão
Podemos contar aos nossos amigos que Jesus
lavando as redes. Entre eles encontra-se Pedro,
deseja ser amigo deles. Podemos convidar nossos
em cujo barco Jesus entra. Quando terrríina de
vizinhos e parentes, que ainda não conhecem
ensinar, Ele ordena que Pedro afaste o barco da
Jesus, a vir à igreja. Assim, seremos pescadores
praia e lance as redes para pescar. Esta ordem
de gente, iguaizinhos a Pedro!"
toma Pedro de surpresa: o filho de carpinteiro
está dizendo a um pescador como pescar, sobre­
tudo depois de uma noite inteira de pesca sem
ter pagado nada. Não obstante, Pedro atende
a ordem de Jesus, e a obediência traz grandes
resultados. Tantos peixes são pescados que as
redes estão prestes a arrebentar e os barcos em
perigo de afundar.
Pedro e seus sócios viram uma manifestação
do poder divino. Reagindo à pesca milagrosa de
peixes, Pedro cai aos pés de Jesus" (Comentário
Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 1 ed. Rio
de Janeiro: CPAD, 2009, p. 343).
3 a aula
-içao
visto pro**

Ô .1 4 - 1 7

PARA REFLETIR O BJEtlVO ô


cieverão levar
Sua principal tarefa, com o ensinador cristão, é
fazer com que os aiunos saibam , desd e pecu e-
r r Jesus tem poder pzra curar as nc
jV n o s, qu e Je su s e suficiente para p erd o ar os
1 L L n c a s , Ja forma que 36U,t"
p ecad o s, dar a vida eterna e curar as doenças.
hábito de apresentar a Deus ae própní
A c entregar sua vida na cruz, Je su s solucionou v.daoes easí**5seus familiares.
os problem as causados peía queda do hom em
no Éd en : o p ecad o , a m orte e a enferm idade.
Para o p eca d o , Jesus conquistou o perdão. " E o
sangue de Jesus, o seu Filho, nos íimpa de tc d o SO M O SASSIM ...
p e c a d o " (1Jo 1.7b). A vid a etern a J e su s nos Nesta classe, você perceberá que existe diferença entre
deu para livrar-nos da morte. "Pois o salário d c os alunos que acabaram de completar cinco anos e os
p ecad o é a m orte, mas o presente gratuito de que estão prestes a fazer sete. Nem todos os alunos
D eus é a vida eterna" (Rm 6.23). E para a en fer­ de cinco anos saberão ler, pois a maioria das escolas
m idade, D eus nos oferece a cura. "Essa oração, alfabetiza somente aos seis. Os mais novos precisa­
feita com fé, salvará a pessoa doente. O Sen h o r rão, em m omentos específico s, de maior atenção.
Não espere que saibam ler sozinhos o enunciado dos
lhe dará saúde e perdoará o s p ecad o s q u e tiver
exercícios da revista. Espera-se, de uma criança da
com etido" (Tg 5.15).
pré-escola, que tenha boa coordenação, que segure
Reflita, em seu ministério de ensino, o m inistério
corretamente o lápis, que identifique as letras (sem,
tríplice exercido por Cristo em sua vida na terra:
contudo, formar fonemas) e que saiba usar a tesoura
ensine a Palavra d e D eus, pregue o a rre p e n d i­ (mesmo que passe um pouco da linha). Elas já sabem
m ento, e se m e ie, no s co ra çõ e zin h o s, a fé no desenhar letras tipo bastão (de forma), mas ainda estão
p oder de Cristo para curar. aprendendo o traçado das letras cursivas.
5 E J A BEM-VINDO por que, e prossiga explicando:
"N ós não precisamos duvidar do
mesa
p oder de Je su s, porque é a Bíblia
UH ,|U,^ w Ulgnw . JeiXe 3
que diz que Ele é poderoso. E o próprio
sobre a mesa; termômetro, copinhos dosa-
Jesu s disse isso em Mt 28.18. Jesus afirmou que
dores de remédio, band-aid, gazes, ataduras e várias
Deus lhe deu todo o poder, no céu e na terra. Por
caixas vazias de medicamento, para fingirem estar em
isso, devemos sempre crer nos milagres que Jesus
um consultório (ATENÇÃO: Não leve medicamentos
é capaz de fazer por nós. Quando vocês souberem
de verdade, nem seringas com ponta, ou qualquer
que alguém está doente, podem orar pedindo ao
outra coisa que possa ferir as crianças!) Conforme os
Senhor Jesus que leve embora a doença da pessoa.
alunos chegarem, peçam que se assentem, e comece
Quem crê no poder de Jesus tem o coraçãozinho
a fazer perguntas, como se estivessem falando com
cheio de fé. E o Papai do céu fica muito contente
um m édico: "Com o você está hoje? Dói alguma
quando percebe a nossa fé em Jesu s".
coisa? Está com febre?" Ouça as respostas, e depois
diga que tem, para a doença deles, um remedinho
infalível: Jesus! Jesus é o Médico dos médicos, e É HORA DO VERSÍCULO
pode curar qualquer enfermidade.
Cantem um hino sobre o tema da aula (pode ser
“[...] E l e le v o u a s n o s s a s d o ­
apenas o coro do hino 7 da Harpa Cristã). e n ç a s e ca rre g o u a s n o s s a s
e n f e r m id a d e s ”
( M t Ô .1 7 ) .
VERDADE PRÁTICA
Confecção: Faça, com cartolina, 5 silhuetas de
O amigo Jesu s é poderoso para curar todas as
vidro de remédio. Em cada um dos cartazes, escreva
doenças.
um trecho do versículo a ser decorado.
Em círculo, vocês podem conversar brevemente
Explicação do versículo: É tão ruim ficar dodoi, não
sobre a verdade prática. Experim ente com eçar a
é? Quem aqui já teve febre, resfriado, dorzinha de
conversa assim: "Quem acredita, de verdade mesmo,
barriga, etc.? E os remédios? Quando o médico diz que
que Jesus tem poder?" Veja se todos responderam
precisamos, temos de tomá-los, mesmo sem gostar
positivamente. Caso alguém afirme não crer, pergunte
de fazer isso. Quem faz careta pra tomar remédio?
Deixe-me ver a careta de vocês (espere que façam
caretas). Mas vocês sabiam que Jesus consegue curar
as nossas doenças sem remédio algum? É porque
Ele é muito poderoso para curar. (Segure a sua Bíblia
ao falar) A Bíblia diz que, quando Jesus morreu na
cruz, Ele levou consigo todos os nossos dodois! Por
isso, quando você ficar doente, deve se lembrar de
pedir ao amigo Jesus que o cure. (Repitam o versículo
várias vezes e, depois, fixem os cartazes no mural).

VOCÊ VAI PRECISA R


eco branco, ou algo gue o ajude a cararteri-
-se como médico;
-mômetro. copinhos dosadores de reméd.o,
nd-aides. gazes, ataduras e vanas ca-xas
zias de remédio: enferm i­
artolina; dades"
artaz com a figura de Jesus no centro, (Mt 8.17).
m band-aid para cada aluno;
,rãos de feijão, arroz. etc.
história bíblica nho para oferecer a Jesus. Afinal ela estava muito
contente e agradecida.
No comecinho da noite, o povo levou até Jesus
muitas pessoas que estavam dominadas por espíritos
Jesu s foi até a casa de um discípulo chamado
ruins. Esses espíritos ruins são os demônios, são os
Pedro. (Fig. 3.1) Quando entrou na casa, viu que a
inimigos de Deus e do povo de Deus. (Fig. 3.2) Mas
sogra de Pedro parecia não estar bem. (Verifique se
Jesus, que é muito poderoso, conseguiu, com apenas
todos sabem o que é "sogra” e "sogro". Explique
uma palavra, expulsar esses demônios de dentro do
brevem ente aos que não souberem). A sogra de
corpo das pessoas. Muitos doentes também foram
Pedro estava dodoi, com muita febre. Quem já teve
até Jesus. E Jesus curou a todos, dizendo apenas
febre? (Aguarde as respostas) É bem ruim, não é?
uma palavra! Sabem por que Jesus libertou e curou
A febre nos deixa com o corpo quente e dolorido!
as pessoas naquele dia? Ele fez isso para que todos
Q ue pena da sogra de Pedro! Deve estar se sen­
vissem que Ele é, de verdade, o Filho de Deus. E
tindo tão mal...
para que vissem que Ele tem poder para levar as
Sabem o que Jesu s fez? Ele colocou a mão na nossas doenças embora. (Fig. 3.3)
sogra de Pedro, e a febre saiu do corpo dela! Num As vezes, quando ficam os doentes, vam os ao
segundo, o p oder de Je s u s conseguiu curar a médico, tom amos os remédios, mas continuamos
doença dessa senhora. (Faça uma expressão facial nos sentindo m al. Q uando isso acon tecer com
bem feliz, e fale com entusiasmo). Aleluia! Jesu s você ou com alguém da sua fam ília, você deve
é mesmo poderoso! Bastou Ele tocar a sogra de orar. Você deve pedir ao Senhor que, em nome de
Pedro, que ela sarou! Vamos todos louvar a Jesus Jesus, leve embora a doença. Quem vai se lembrar
por isso? Quero ouvir bem alto: ALELUIA! disso? Muito bem! Não esqueçam nunca de que
Assim que a febre foi embora, a sogra de Pedro o nosso amigo Jesus tem poder para curar todas
sentiu-se tão bem, que foi logo preparar um lanehi- as doenças!
FIXANDO A APRENDIZAGEM
Faça um cartaz com uma figura de Jesus no cen­
tro. Peça às crianças que lhe digam o nome das
doenças que elas conseguirem se lembrar (gripe, REWSTADOALUNO
feb re, dor de garg anta, catap o ra, m achucado, 'lunos
etc.). À medida que falarem, escreva as respostas d e P e d ra « " f'9ura “ a sogra
no cartaz, espalhadas ao redor da figura de Jesus.
Dê a cada aluno um band-aid. Cada um terá a sua 2 u 1
vez de colar o band-aid em cima dos nomes das
doenças, significando que Jesus é poderoso para
nos curar de todas elas.

0 QUE APRENDEMOS HOJE!


Hoje nós aprendemos que Jesus tem poder para
curar todas as doenças. A sogra de Pedro estava
dodoi e foi curada imediatamente, assim que Jesus
a tocou. Depois, as pessoas que eram perturbadas
pelos demônios também foram libertas. Jesus é
mesmo poderoso. Não deixe de orar quando es­
tiver doente, ou quando souber que alguém está.
Sempre que tivermos uma enfermidade, devemos
pedir ao Papai do céu que, em nome de Jesus,
leve a nossa doença embora,
Quem vai se lembrar sempre disso?
SUBSÍDIOS
"O problema das enferm idades e das doen­
ças está fortem ente vinculado ao problem a
do pecado e da m orte... Enquanto a ciência
médica considera as causas das enfermidades
e das d oenças em term os p sico ló g ico s ou
psicossomáticos, a Bíblia apresenta as causas
espirituais como sendo o problema subjacente
ou fundamental desses males...
A provisão de Deus através da redenção é
tão abrangente quanto as consequências da
queda. Para o pecado, Deus provê o perdão;
para a morte, Deus provê a vida eterna, e a vida
ressurreta; e para a enfermidade, Deus provê a Em meio a tantas mentiras, somente
cura. Daí, durante a sua vida terrestre, Jesus ter Jesus Cristo, o Filho de Deus, tem
tido um tríplice ministério: ensinar a Palavra de poder e autoridade para reivindicar
para si o título ae Salvador.
Deus, pregar o arrependimento... e curar todo
tipo de moléstia... *
A morte expiatória de Cristo foi um ato perfeito
e suficiente para a redenção do ser humano total
- espirito, alma e corpo. Assim como o pecado
e a enfermidade são os gigantes gêmeos, desti­
nados por Satanás para destruir o ser humano,
assim também o perdão e a cura divina vêm
juntos como bênçãos irmanadas, destinadas
por Deus para nos redimir e nos dar saúde...
O que deve fazer o crente quando ora pela cura
divina para si? (1) Ter a certeza de que está em
plena comunhão com Deus e com o próximo...
(2) Buscar a presença de Jesus na sua vida... (3)
Encher sua mente e coração da Palavra de Deus...
(4) Se a cura não ocorre, continuar e permanecer
nele... (5) Pedir as orações dos presbíteros da
igreja... (6) Assistir a cultos em que há alguém
com um autêntico a aprovado m inistério de
cura d ivina... (7) Ficar na expectativa de um
m ilagre... (8) Regozijar-se caso a cura ocorra
na hora, e ao mesmo tempo manter-se alegre
se ela não ocorrer de imediato... (9) Saber que
a demora de Deus em atender as orações não
é uma recusa dele às nossas p etiçõ es... (10)
Reconhecer que, tratando-se de um crente
dedicado, Deus nunca o abandonará, nem o
esquecerá" (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio
de Janeiro: CPAD, 2005, p. 1402).
»
4 a aute

viôtoprof'

OBJETIVOS
da Hoje dav^râolevar

PARA REFLETIR
Em Mc 2.1-12, vemos Jesu s rodeado pelas pessoas
que souberam da notícia de seu regresso a Cafarnaum. 3 confissão deser noe e fe ito .
Havia tanta gente na casa, que não tinha lugar nem
mesmo no lado de fora. Cheios de fé, um paralítico
e seus quatro amigos não viam outra possibilidade,
senão chegar a Jesus. Tamanha determinação levou-os
a um plano audacioso: abrir um buraco no telhado SOMOS ASSIM...
da casa, bem acima do lugar onde Jesus estava. Pela Fazer cinco anos costuma deixar os pequeninos bem
abertura, desceríam o doente. orgulhosos. É um período marcante, que aponta o final
Sem pre am oroso, a reação de Jesu s foi dar ao pa­ e o começo de uma das etapas do crescimento. Por ser
ralítico a dádiva mais preciosa que se pode obter: o capaz de fazer muita coisa sozinha, a criança costuma
perdão dos pecados. Sim, por ser o Filho de Deus, achar que é dona do próprio nariz. Contudo, ainda está
Jesus tinha poder para perdoar os pecados daquele totalmente voltada à mãe. a quem faz, ao longo do dia,
homem. Para Cristo, seria infinitamente mais fácil curar inúmeros questionam entos: O que é isso? Para que
o doente, pois perdoá-lo dependia do sacrifício que, serve? E feito de quê? Nesta idade, a criança aprecia
posteriorm ente, faria na cruz. Não obstante, antes ajudar nos afazeres do lar, o que a deixa muito feliz.
de curá-lo, preferiu absolver-lhe os pecados. Que Ainda apresenta forte sentimento de posse. Defende,
Deus amoroso! Sacrificou-se para perdoar-nos e, por com lágrimas, se preciso, os seus objetos favoritos Esse
compadecer-se das nossas aflições terrenas, e para egoísmo, porém, será amenizado por volta dos seis anos,
que todos vejam que Ele é Deus, ainda dispensa-nos quando passará a apreciar mais a companhia de outras
seus sinais maravilhosos! crianças, bem como as brincadeiras e jogos em grupo.
S E J A BEM-VINDO É HORA DO VERSÍCULO
Receba os alunos com aleg ria.
“[...] O s a n g u e d e
Dê atenção aos visitantes. Após aco- J e s u s , o s e u F ilh o ,
E m odó-los, d istribua as revistas para que n o s p u r if ic a d e t o d o
pintem a figura correspondente à lição 4 do plano pecad o”
de frequência (pintem o coração feliz). Enquanto (1 J o 1 . 7 ) .
pintam, diga-lhes que este coração está feliz porque
Confecçào: Escreva o versículo em um único cartaz
foi totalm ente limpo por Je su s. Recortem -no, e
colem-no no cartaz de cada aluno, que se encontra de cartolina branca, em forma de coração. Faça,
também, dois corações menores. O primeiro, deverá
no mural da sala.
Com o auxílio de visuais (cartazes) cantem o hino: estar com o rostinho triste, todo sujinho e machucado.
"O sabão lava o meu rostinho", ou algum outro O segundo será vermelho e estará bastante feliz.
corinho que fale sobre o perdão que Jesus oferece. Explicação: Mostre o coraçãozinho sujo e. triste.
Agora, recolha as ofertas. Lembre-se de que este Pergunte: "Por que esse coração está assim? Será
é, também, um momento de adoração. Enfatize o que ele fez alguma coisa ruim? Será que cometeu
recolhimento das ofertinhas tendo sempre um hino algum pecado?" Se precisar, torne a explicar o que
é pecado. Dê exem plos práticos (sentir raiva do
adequado para entoarem.
amiguinho, bater, xingar, desobedecer o papai e a
mamãe, etc.). "Sim, o coração está tão sujo porque fez
VERDADE PRÁTICA muitas coisas ruins. Mas o sangue de Jesus pode tirar
Jesus, o Filho de Deus, é poderoso para perdoar qualquer sujeira do nosso coração. Se nós pedirmos
os meus pecados. v a Jesus, ele deixará o nosso coraçãozinho tão limpo,
Você deverá sondar os alunos a fim de verificar que Deus ficará muito contente ao olhar para nós! ”
o que sabem acerca do pecado. Após perguntar- Recitem o versículo várias vezes, e fixe os corações
lhes, explique que pecado é tudo aquilo que nos no mural da sala.
afasta de Deus. O Senhor é tão santo, tão bom, que
Ele não consegue ficar perto do pecado. Quando HISTÓRIA bíbuca
fazem os algo que deixa Deus triste, Ele continua
nos amando, mas não consegue ficar perto de nós,
porque Ele é santo. As pessoas de uma cidade chamada Cafarnaum
Só existe uma pessoa capaz de limpar o nosso souberam que Jesus estava lá. Quem consegue repetir
coração e de reaproximar-nos de Deus: Jesus, seu o nome da cidade? Ca-far-na-um. Isso mesmo! Num
Filho. O sangue que Jesus derramou ao morrer por instante, um monte de gente foi até a casa onde Ele
nós na cruz tira do nosso coração todo pecado. estava. Era tanta gente, que não havia espaço para
mais ninguém dentro da casa. E, do iado de fora,
também, já não cabia mais ninguém!
Enquanto Jesus ensinava as pessoas, quatro ho­
mens, que eram amigos de um paralítico, quiseram
levá-lo até Jesu s para que ele fosse curado. (Fig.
4.1) Vocês sabem o que é um paralítico? (Ouça as
respostas) É a pessoa que não consegue andar
VOCÊ VAI PR ECISA R porque tem as pernas paralisadas. As pernas do
Visuais para o hino "0 sabão lava o meu rostinho; paralítico não funcionavam, por isso ele não con­
/7 seguia andar, e ficava sempre deitado numa cama.
Cartolina branca:
(Neste momento, estenda o colchonete no chão,
C o ^ M u r n por aluno) feitos de cartolina preta; para simbolizar a cama do paralítico).
Pape'i branco picado, ou papel crepom branco-, Mas os am igos do paralítico não conseguiram
chegar até Jesus porque a casa estava muito cheia.
Barbante;
Vocês acham que eles desistiram e foram embora?
Cola.
Claro que não! Eles tiveram uma ideia bem legal para
conseguirem falar com Jesus. Quem sabe o que foi?
O s amigos subiram no telhado da casa, e tiraram
algumas telhas do lugar. Fizeram um buraco no teto!
(Aponte para o teto da sala de aula) Imaginem só!
Abrir um buraco no teto! Mas foi o que fizeram. E
ainda por cima, desceram o homem doente pela

(Fig. 4.3) Vejam! As pernas do paralítico começaram


a funcionar. Ele conseguiu mexer as pernas e andar!
Agora, ele não vai mais precisar ficar deitado numa
cama o dia todo. Jesu s é mesmo muito poderoso!
Ele tem poder para curar as doenças e para limpar
o nosso coração!
E vocês sabem por que Jesus é tão poderoso? Porque
Ele é o Filho de Deus, que veio morrer na cruz para
nos salvar. O sangue que Jesus derramou ao morrer
na cruz é poderoso para limpar o nosso coração..

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Dê a cada aluno uma silhueta de coração, recorta­
da em cartolina preta. É muito importante que esse
coração seja feito com papel preto, simbolizando o
pecado. Os alunos deverão cobrir todo o coração
usando papel branco picado, ou bolinhas de p a ­
pel crepom branco. Preencha toda a superfície do
coração, de forma que não seja mais possível ver a
cor preta que está no fundo.
abertura do telhado. (Fig. 4.2) Quando Jesus viu o
Reforce o ensino, durante a atividade, dizendo-
homem descendo pelo teto, percebeu que ele tinha
lhes que Jesus é poderoso para apagar, do nosso
muita fé. Jesus fica feliz quando vê que confiamos coração, toda sujeira do pecado.
bastante nEle. Vocês confiam bastante em Jesus?
Eu confio! Por isso, Jesus disse ao paralítico: - Meu
filho, os seus pecados estão perdoados.
Alguns professores da lei, que estavam ali, não
gostaram do que Jesus dissera. Eles achavam que
Jesus não tinha poder para limpar o nosso coração.
Mas Jesu s é poderoso para perdoar, porque Ele é R EVI5TA D 0 ALUNO
o Filho de Deus. Acontece que estes professores <1 o& alunos deverão colar barbante nas
não acreditavam nisso. cordas que os amidos usaram pra descer a
Jesus percebeu que os professores da lei haviam cama do paralítico, e depois pin tar o desenho.
ficado zangados. E para mostrar-lhes que era muito Conversem sobro como i bom ter amidos que
poderoso, Jesu s olhou para o paralítico, e disse: - nos ajudem nos momentos de necessidade.
Levante-se, pegue a sua cama, e vá para casa. E o
paralítico obedeceu. (Enrole o colchonete, como 2 Os alunos pintarão somente a figura de
Jesus. Repita: Somente Jesus é poderoso para
se fosse a cam a que o p aralítico não precisaria
mais usar). limpar o nosso coração de todo pecado.
5» anta
Lição
w

PARA REFLETIR OBJETIVOS


" ... O defunto era filho único de uma viuva, e muita A& atividades da aula de hoje deverão levar os
gente da cidade ia com ela. Quando o Senhor a viu,
alunos
ficou com muita pena d ela..." (Lc 7.12b-13). Compreender que Jesus sente pena de nós
N esta sem ana, você vivenciará, por meio da histó­ quando nos vê sofrer, e que Ele tem poder para
ria bíblica, mais este instante em que o coração de fazer milagres que nos ajudam a ficar bem. Ao
Cristo, tão cheio apenas de amor, se com padece do ouvira história de hoje. as crianças deverão
sofrimento humano. Que outra razão teve o Mestre encorajar-se a fim dc contar a todos sobre as
para ressuscitar o jovem, senão o desejo profundo de maravilhas de Jesus.
fazer cessar o sofrimento da viúva? E por nós? Quantos
gestos de amor Deus já dispensou-nos, sem que disso
nos déssemos conta? O amor compassivo de Cristo SO M O SASSIM ...
veio garantir-nos não somente a vida eterna no céu.
mas também uma existência mais feliz aqui na terra, De tudo o que a criança passa a ser capaz nesta fase,
já que Ele nos consola nas aflições. o incrível desenvolvim ento da linguagem é o mais
marcante. Aos cinco anos, espera-se que ela articule
Não vivam os, entào, como mortos para a vida que
adequadamente todos os fonemas, e que construa um
Jesu s nos deu. Em bora nesse mundo, não devemos
discurso coerente e compatível com a sua realidade.
pensar como o mundo pensa, nem nos deixar levar
por sua maldade e falta de ética. E se alguém estiver Havendo dom inado a articulação e a coerência, os
morto espiritualmente, saiba que Jesus tem poder para pequeninos deter-se-ão a ampliação do vocabulário
acordá-lo para a nova vida. Cristo tem para nós uma e à assim ilação de estruturas linguísticas mais com ­
plexas. Por isso, ressalto a im portância de o adulto
vida de amor. Para desfrutá-la, porém, nào devemos
usar linguagem correta para que a criança, ao obser­
amar o mundo, "nem as coisas que há nele. Se vocês
vá-lo, internalize as regras de sua língua, e também
amam o mundo, não amam a Deus, o Pai. Nada que
é deste mundo vem do Pai" (1Jo 2.15-16). a importância de expor a criança a bons textos, que
deverão ser-lhe transmitidos oralmente, já que ainda
não foi alfabetizada.
ainda não têm Jesus como Salva­
Receba os alunos com alegria, ten­ dor e amigo. Muitas pessoas pelo
do em mãos, se possível, um megafone. mundo não conhecem Je s u s. Elas
Caso não consiga um, improvise fazendo um estão como mortas, pois não receberam
cone de papel cartão. A cada um que chegar, fale no a salvação. Cristo, ao vê-las presas pelo pecado,
megafone: "Eu tenho uma notícia para você. Jesus enche-se de com paixão. Je su s que salvar todos
é maravilhoso. Ele faz coisas incríveis!" os perdidos; por isso, precisa que preguem os o
Depois que todos se acomodarem, verifique se evangelho aonde formos.
há visitantes e cante um hino de boas-vindas. Diga
aos alunos que faltaram no domingo anterior que É HORA DO VERSÍCULO
a falta deles foi sentida.
Recortem e colem a figura do plano de frequência. “V ã o p e lo m u n d o Iir t e ir o e
Agora, acompanhados por um cântico apropriado, a n u n c ie m o e v a n g e lh o a ■ to ­
recolham as ofertas. d as a s p esso as”
(M c 1 6 .1 5 ) .
VERDADE PRÁTICA
C o n fecção : Escreva o versículo em cartazes de
Devem os contar a todos as coisas incríveis que cartolina, no formato de um megafone. Você tam ­
Jesu s faz por nós. bém vai precisar do megafone utilizado no começo
Jesus é nosso amigo. Ele se importa com o nosso da aula.
sofrimento, e sente pena de nós quando enfrenta­
mos alguma tristeza na vida. Por nos amar tanto, Explicação do versículo: Com ece explicando o
Ele nos ajuda e, se necessário, opera milagrfes em que é o evangelho. Diga: Evangelho é a mensagem
nosso favor. que fala de Jesus. Ele quer que falemos a todos que
Ao vermos as maravilhas de Jesus, não podemos Ele tem poder para salvar. Agora, repitam bastante,
nos calar. Em primeiro lugar, devemos louvá-Lo por até que todos aprendam .'Esconda os cartazes, e
ser tão poderoso e compassivo. Segundo, é nosso reúna os alunos ao redor do megafone, para que
dever espalhar as boas-novas de salvação aos que recitem o versículo bem alto!

h is t ó r ia e fe tfC A

Jesus está indo para uma cidade chamada Naim.


Vamos repetir o nome dessa cidade? Na-im, muito
bem. Mas, vejam, Ele não está indo sozinho para
Naim. O s discípulos e uma grande multidão vão
VOCÊ VAI PR ECISA R com Ele.
Megafone de verdade, ou feito de papel cartão: Quando Jesus e todas essas pessoas estavam quase
Cartolina; chegando ao portão da cidade, ia saindo um enterro.
Papel ofício; (Faça expressão facial de tristeza). (Fig. 5.1) Ó! Que
Fita adesiva; triste! Alguém morreu e seria enterrado. (Talvez,
Grãos de arroz: você tenha de explicar o que é um sepultamento.
Cola branca: Faça-o com palavras simples, como: Quando uma
Folhetos evangelístlcos; pessoa morre, a fam ília precisa enterrar o corpo
Tintas e cola colorida. dela no chão. É assim que fazemos). Sabem quem
morreu? O filho dessa senhora. Por isso, ela está
chorando tanto. O moço era o único filho que ela com muito medo, e começaram a louvar a Deus,
tinha. O marido dela já havia morrido. Ela era viúva, dizendo: - Que grande homem de Deus apareceu
e agora, ficaria sem seu filho também. Vamos imitá-la entre nós! Deus veio salvar o seu povo! - Jesu s
chorando? Snif, snif, meu filho morreu! faz coisas incríveis, não é? Assim como as pessoas
Eu estou sentin d o m uita pena dessa mulher. da história, nós devemos louvá-Lo por tudo o que
Vocês sentem pena dela tam bém ? Claro que sim. Ele faz. Vamos louvar Jesus agora mesmo? (Digam
É muito triste ficar sem ninguém. E sabem o que a juntos) Jesus, eu o louvo pelas coisas maravilhosas
Bíblia diz? Diz que quando Jesu s a viu, ficou com que o Senhor pode fazer!
muita dó dela, e disse: - Não chore! - Jesus é tão E sabem o que mais aconteceu? A notícia do que
bondoso! Vamos imitá-lo? Vamos dizer: Mulher, não Jesu s fizera se espalhou por todo o país! Será que
chore, não fique triste! nós também podemos espaihar por aí a notícia de
Então, Jesus chegou bem perto do caixão e en­ que Je su s nos salvou? Claro que podem os. Nós
costou nele. E sabem o que aconteceu? (Fig. 5.2) precisamos contar às pessoas que não sabem que
O moço sentou-se no caixão e com eçou a falar! Jesus é o Filho de Deus, e que Ele morreu na cruz
Viram? Jesus é tão poderoso, que quando tocou o para nos salvar. Devem os contar a todos sobre a
caixão, o moço que estava morto viveu outra vez! vida maravilhosa que Jesu s tem para nós. Quem
(Fig. 5.3) As pessoas que estavam em volta ficaram quer fazer isso?


REVISTA DO ALUNO
I- Os alunos d&võrão dço&\hãr$ pintara multr
dão no caminho (\uc acompanhou Jesus para a
cídado do Naím.

2 Os alunos enfeitarão, com tinta óu cola co­


brida. o desenho do globo terrestre Durante a
atividade, diga- lhes c\ue há pessoas, no mundo
todo, que nunca ouviram falar de Jesus, Expli­
que que é nosso dever contar-lhes acerca da
salvação que Jesus oferece. Jesus não posta
de ver a s pessoas sofrendo. Fbr sso , precisa
que espalhemos as boas noticias da salvação
ao mundo todo.

0 QUE APRENDEM OS HOJE


Conclua, assim, o conteúdo dessa lição: "Hoje,
ao ver a pena que Jesus sentiu da viúva, apren­
demos que Ele não gosta de nos ver sofrendo.
Je su s se co m padece da nossa dor, e p ode,
como na história, realizar verdadeiros milagres,
apenas para confortar-nos.
Com a multidão que, espantada, com eçou a
1 louvar a Deus pelo milagre, aprendemos que
FIXANDO A APRENDIZAGEM o Senhor deve ser glorifícado por seus feitos
Cada aluno fará o seu próprio megafone utilizando poderosos. Além de louvá-Lo, devemos contar
papel ofício. Oriente-os a enrolar a folha em formato a todos acerca de seu grande poder. A notícia
de cone, e finalize com fita adesiva para que o cone da salvação de Cristo deve ser propagada de
não desmonte. todas as formas, por todo o mundo. Jesu s se
Quando terminarem, vocês podem "comemorar" entristece ao ver as vidas que ainda não foram
juntos o fim dessa tarefa recitando, cada um em seu libertas do pecado, e precisa que nós lhes con­
megafone, o versículo de hoje. temos sobre o plano da salvação."
SUBSÍDIO S
Q ue m ensagem para nós é o m om ento em
que o jovem, ao ser trazido de volta à vida por
Jesus, senta-se no esquife e começa a falar, para
o espanto de todos! Quantos, outrora mortos
espiritualmente, revivemos graças à compaixão
de Cristo? E quantos, havendo sido libertos do
pecado, deixam-se enredar lentamente pelas
mentiras sorrateiras deste mundo, passando
inclusive a am á-lo, e não ao Pai? A cerca do
GUIA CRISTÃO DE
relacionamento entre o crente e o mundo, leia,
LEITURA DA BÍBLIA
abaixo, trechos de um estudo, extraídos da
Bíblia de Estudo Pentecostal.
"A palavra 'mundo' frequentemente se refere ao Uma obra escrita e produzida
por uma equipe de estudiosos e
vasto sistema de vida desta era, fomentado por
teólogos especialistas, um livro
Satanás e existente à parte de Deus. Consiste fundamental para todos os
não somente nos prazeres obviamente malignos, seguidores de Jesus Cristo.
imorais e pecaminosos do mundo, mas também
se refere ao espírito de rebelião que nele age
contra Deus, ou de resistência ou indiferença a
Ele e a sua revelação. Isso ocorre em todos os
empreendimentos humanos que não estão sob
o Senhorio de Cristo. Na presente era, Satanás
emprega as idéias mundanas de moralidade, das
filosofias, psicologia, desejos, governo, cultura,
educação, ciência, arte, m edicina... etc., para
opor-se a Deus, ao seu povo, à sua Palavra e
aos seus padrões de retidão.
O mundo e a igreja verdadeira são dois grupos
distintos de povo. O mundo está sob o domínio
de Satanás... a igreja pertence exclusivamente
a Deus.
No mundo, os crentes são forasteiros e peregri­
nos. Não devem pertencer ao mundo... não se
conformar com o mundo... não amar o mundo...
vencer o mundo., odiar a iniquidade do mundo...
morrer para o mundo., e ser libertos do mundo.
O crente não deve ter com unhão espiritual
com aqueles que vivem o sistem a iníquo do
mundo, deve reprovar abertamente o pecado
deles, deve ser sal e luz do mundo para eles,
deve amá-los e procurar ganhá-los para Cristo.”
(Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro:
CPAD, 2005, p. 1957, 1958.)
PARA REFLETIR os alunos a de Jesu s è tão
Compreender o ^ o poder
"Vam os para o outro lado do lago". E s te foi o da natureza o
a^nde.cvoe até ae forças
convite que levou os discípulos de Je s u s a entrar
^ no barco. Será que os seguidores do M estre teriam obedecerr
obedecido, caso soubéssem que tem p esta d e tão
terrível os go lpearia? O co n v ite d e C risto é q u e
trabalhem os para Ele; não é um lag o o n d e se m ­
pre há bonança. Pelo contrário! Q u e m se d isp õ e
a seguir Jesu s enfrenta ventos e te m p e sta d e s. SOM OS ASSIM ...
O que estava ao alcance dos discípulos para sanar Nesta idade, a criança, havendo adquirido razoável
a situação ? Talvez, colocar a ág ua para fo ra do autonomia em diversas tarefas, também mostra-se
barco, ou ajustar as velas. M as e le s, além d e stas capaz de expressar com clareza sentim entos como
providências terrenas, tam bém apelaram à divina. amor, ciúmes, inveja, empolgação, etc. Ela pode fazer
"M estre, nós vam os morrer!". isso de formal verbal, dizendo explicitam ente o que
O que estava ao alcance de J e s u s para san ar a está sentindo, ou por meio do comportamento, que
situ a ção ? Prim eiro, en sinar a q u e le s h o m e n s a deixa transparecer bem a sensação que ela exp eri­
exercitar a fé que possuíam. D e p o is, d em o n stra r menta no momento.
a todos o seu incrível p oder a ca lm a n d o e e m u ­ Agora, apresenta segurança para enfrentar situações
d e c e n d o a te m p e sta d e . Q u e h o m e m é e s te ? mais com plexas do convívio social. Domina bem a
É C risto , que nos convida a a tra v e s s a r o lag o . linguagem , mantém os sentimentos mais estáveis e
D evem o s, portanto, o b ed e cê -lo a fim d e fa ze r pode sentir vergonha dos erros que comete, pois busca
novos discípulos. a aprovação das pessoas a quem admira.
S E J A BEM-VINDO E HORA DO VERSÍCULO
R e ce b a os a lu n o s u san d o um “A su a f o r ç a é
chapéu de marinheiro de dobradura m a io r d o c\ u e a f ú r ia
(feito com papel branco). Cumprimente os
d o o c e a n o e m a is p o d e ro ­
visitantes, e acomode-os todos. Agora, ainda com o
chapéu, com ece a perguntar, como se eles fossem
sa d o q u e a s o n d a s d o m a r ”
marujos em um barco, e você, o capitão: "Vocês (S I 9 3 .4 ) .
observaram o tempo hoje, marujos? Viram se está
chovendo? Está ventando? Mas em que direção o Confecção: Você fará quatro barquinhos de papel
vento está soprando?" Brinque um pouco fingindo, (dobradura), e escreverá, na lateral de cada um, um
com gestos, que está girando o leme da embarcação. trecho do versículo. Você também vai precisar de uma
Depois, explique que a aula de hoje será sobre uma assadeira de bolo, ou vasilha larga, cheia de água.
forte tem pestade, que quase afundou um barco.
Cantem o hino "Meu barco é pequeno, tão gran­ Exp licação do versícu lo : Diga aos alunos que
de é o m ar...", ou outro adequado ao tema. Façam Deus é mais poderoso do que o vento, do que
gestos ao cantar. as ondas, e do que qualquer anim al, porque foi
Com a ajuda de um voluntário, recolha as oferti- Deus quem os criou. Explique que toda a criação
nhas. Nunca deixe de explicar com palavras breves obedece ao Senhor, e que nós devemos obedecer
c por que devemos ofertar ao Senhor. também. Fale: "O nosso amigo Jesu s é tão pode­
roso, que Ele manda, e o vento o obedece!" Após
I ler e explicar aos alunos o versículo, coloquem os
barquinhos para flutuar na água, e brinquem um
VERDADE PRATICA v pouco de assoprá-los para vê-los ir de um lado
O meu amigo Jesu s é tão poderoso, que até a para o outro.
natureza o obedece.
A história de hoje enfatizará a ordem que Jesus
deu à tempestade. Reconhecendo-lhe a soberania,
o vento cessou imediatamente. Em várias passagens
bíblicas, podemos observar que a criação está sujeita
a Deus, seu criador. Ele a controla a fim de cumprir
Certa vez, quando o dia estava quase acabando,
os seus propósitos.
bem de tardinha, Jesus convidou os discípulos para
Ao expor-lhes a verdade prática, reforce o ensino
que fossem de barco, juntos, até o outro lado do lago.
de que Deus, o Criador, está no controle de todas
Quem já andou de barco? (Ouça as respostas) Então,
as coisas. Diga que toda a criação o obedece. Por
se despediram das pessoas que estavam ali, e subiram
isso, não devem os ter medo, mas, sim, confiar no
no barco em que Jesus estava. Eles começaram a atra­
grande poder de Deus.
vessar o lago, e muitos outros barcos foram também.
De repente, começou a soprar um vento muito
forte! Vamos imitar o barulho do vento? (Imitem
juntos) Q ue medo! (Fig. 6.1) O vento agitou tanto
as ondas, que o barco onde Jesu s estava com os
discípulos ficou cheio de água.
Ué? Mas vejam só! Ao invés de estar com medo,
Je su s está dorm indo! (F ig . 6 .2) Ele deitou nes­
VOCÊ VAI PR ECISA R
sa alm ofada, e tirou um belo cochilo. Je su s não
Chapéu <Je marinheiro feito com dobradura, acordou com o barulho da tem pestade, nem das
usando papel branco; ondas batendo no barco. E os discípulos? Será que
Folhas de papel ofício: estavam com medo? Sim! Eles estavam apavorados!
Assadeira de bolo. ou vasilha larga; Por isso, foram acordar Jesu s: - M estre, estamos
Retalhos de tecido. quase morrendo, e você nem se importa? Continua
dormindo, como se tudo estivesse bem?
(Fig. 6.3) Então, Jesus se levantou, falou duro com o no poder de Deus, Ele nos atenderá? Claro que sim!
vento e deu uma bronca no lago: - Silêncio! Fiquem Deus é muito poderoso!
quietos! - O vento páro.ü, e tudo ficou calmo. Jesus Depois disso, os discípulos ficaram cheios de medo,
tem tanto poder que, na mesma hora, o vento e o e perguntaram uns aos outros: - Que homem é este,
lago o obedeceram! O nosso amigo Jesus é mesmo que manda até no vento e nas ondas?
muito poderoso! Vocês sabem que homem é este? (Espere as res­
Em seguida, Jesu s perguntou aos seus amigos: — postas) Isso mesmo, é o nosso amigo Jesus. E vocês
Por que é que vocês são assim, tão medrosos? Vocês sabiam que toda a criação, o vento, as águas, e até
ainda não têm fé? - Jesus fez-lhes essa pergunta para os animais, obedecem a Deus? Por isso, devemos
ensinar-lhes que, se eles houvessem orado pedindo a obedecer também. Quem vai obedecer sempre o
Deus que acalmasse o vento, Deus os teria atendido. amigo Jesus?
E nós? Será que se nós orarmos com fé, acreditando

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Distribua folha ofício aos alunos, e oriente-os
a fa ze r um b arco de d o b ra d u ra . Em se g u id a ,
poderão colocar seus barquinhos na água, assim
com o você fez com os barquinhos do versículo.
Conversem sobre a história durante esta atividade.
Você pode perguntar como eles imaginam que era
o barco onde Je su s estava, ou se eles sentiríam
m edo se estivessem com os discípulos durante
essa tem pestade.

r e v is t a d o a lu n o
1. Os alunos pintarão a fiqura do barco e
depois, colarão pedacinhos de pape! colorido no
M ar das velas. Explique, durante a atividade.
qUe para atravessar o laqo. Jesus e os discipu-
los precisaram usar um barco.

2. Os pequeninos marcarão um X na flqura ae


lesus. pois Ele è mais poderoso que o vento e
ondas. Aproveite para enfatizar que toda a
criação è obediente a Peus. e que nos tamuem
devemos ser.
SUBSÍDIO S
"A palavra hebraica para paz é shalon. Denota
muito mais que a ausência de guerra e conflito.
O significado básico de shalon é harmonia,
plenitude, firmeza, bem-estar e êxito em todas
as áreas da vida. Pode referir-se ao nosso senso
pessoal de integridade e bem-estar, livre de
ansiedade e em paz com a própria alma. 0 QUE APRENDEM OS HOJE
O pecado interrompeu a harmonia e a unidade Na aula de hoje, aprendemos que Jesus tem
entre a raça humana e a natureza. Antes de Adão tanto poder, que até a natureza o obedece. Os
pecar, trabalhava alegremente no jardim do Éden... animais, a chuva, o vento e o mar sempre ouvem
e andava livremente entre os animais, dando nome a voz de Deus porque foi Ele que os criou. Nós,
a cada um. Antes havia harmonia entre a raça assim como a natureza, também fomos criados
humana e o meio-ambiente, agora luta e conflito. por Deus e devemos obedecê-Lo em tudo.
Por ocasião do nascimento de Jesus, os anjos Também aprendemos que nâo é preciso ficar com
proclamaram que a paz de Deus acabara de medo, como os discípulos. Quando enfrentar­
chegar à terra. Jesus deu aos discípulos ^ sua mos uma situação difícil e apavorante, devemos
paz como herança perpétua antes de ir à cruz. orar pedindo ao nosso amigo Jesus que venha
Por isso, quando se crê em Jesus Cristo, se é nos ajudar. O poder dEle é tão grande, que Ele
justificado mediante a fé e se tem paz com Deus. é capaz de qualquer coisa para nos socorrer.
A fim de que os crentes conheçam sua paz per­
pétua, Deus lhes tem dado o Espírito Santo, que
começa a operar em nós um aspecto do fruto,
que é a paz." (Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio
de Janeiro: CPAD, 2005, p. 1120).
"Tendo repreendido os elementos da natureza,
Jesus se voltou aos seus pertubados seguidores
e lhes repreendeu: Por que sois tão tímidos?
Se Ele censurou a falta de coragem deles, será
que elogiaria os nossos temores? Nós vivemos
em uma era de ansiedade. A preocupação não
é um adversário manso. Mas em oposição ao
medo, Jesus estabelece a fé. O nosso Senhor ATÉ SEMANA QUE VEM ^
nos ajuda nesse ponto. "No dia em que eu Após organizarem a sala juntos, façam a seguinte
temer, hei de confiar em ti" (SI 56 3)
oração: "Amigo Jesus, sei que posso confiar no
Sem palavras, os discípulos agora sentiram um Senhor sempre que enfrentar um perigo. Ajude-
grande temor. Literalmente: "Estavam apavora­ me a obedecê-Lo em tudo. Amém",
dos com grande medo". Os discípulos fizeram
Despeça-se dos alunos dizendo que ficou muito
a maior pergunta da vida: Mas quem é este? A
feliz por terem vindo. Diga: Até domingo que
resposta correta para esta pergunta é a única
vem! Espero você!
solução para a questão dos milagres. O singular
do verbo obedecer no texto original indica que
se pensou em cada elemento separadamente.
"Até mesmo o vento, até mesmo o mar, obe­
decem a Ele." (Comentário Bíblico Beacon. Vol
6. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 252)

) (____ )
7a aula

visto proP

Lucas
0 .40 - 42 ,49-56

OBJETIVOS
PARA REFLETIR
"Ele, D eus, dará a luz" é o sig n ific a d o d o nom e
Jairo, o pai da menin^ que m o rre ra . Im a g in e o ahJ^ «n4ar sue. aara Jeeu&' e
seu desespero ao saber que, d e vid o aos m inutos ,po®iivel.e qyeso so lu ça, Desetr
Deee
a mais que Je su s levara no trajeto, sua filhinha
não resistira. "Tenha fé " , disse Je s u s a Ja ir o , e n ­
corajando-o. Nessa circunstância, aparen tem en te
sem solução, Jairo não se im p o rto u co m o risco
d e ser expulso da sin a g o g a e , p u b lic a m e n te ,
SOMOS ASSIM ...
preferiu apen as crer. J á havia, ao re d o r d e sua
ca sa , p ra n te a d o re s e m uito alvoroço. M esm o Existe uma característica da criança de cinco e seis
h aven d o re ce b id o co n firm a çã o d e q u e já e ra anos que pode ser bem aproveitada na fixação dos
tarde dem ais, não se uniu aos que com punham conteúdos ensinados. É que, nesta idade, a criança,
o velório, nem aos que zom bavam de Cristo p or já com a linguagem bastante desenvolvida, aprecia
haver dito que a menina ficaria boa. M as Jairo reproduzir as histórias que ouve. Você pode estimulá-las
levou Je su s até ela. E o espírito da m enina, ao a fazer um teatrinho, ao final da aula, em que cada uma
ouvir a o rd em divina para q u e se le van tasse , terá a sua chance de reproduzir o trecho de história
de que mais gostou.
o b ed e ce u im ediatam ente.
Lem bre-se, porém, de que, nessa fase, as crianças
Quando tudo ao redor parecer co ntrário, quando também costumam envergonhar-se com mais facilida­
à frente houver som ente pranto, quando rirem da de. Por isso, respeite o limite de cada uma e explore
esperança que você deposita em D e u s, lem bre- este recurso sem forçá-las a se expor a situações que
se: Ele lhe dará a luz. não desejem .
t2-ír; /

Jesu s concordou em ir ver a garotinha. Ele pre­ Jesus disse a todas essas pessoas: - Não chorem!
cisa andar rápido, ou não vai dar tempo de chegar A menina não morreu! Ela está dormindo. - Mas
antes que ela morra. Mas, enquanto Ele caminha, essas pessoas, que choravam, não acreditaram em
a multidão o aperta e empurra de todos os lados! Jesus e começaram a zombar dEle.
Não está sendo fácil caminhar até a casa de Jairo, Jesu s pediu que todos saíssem da casa. Ele só
de tanta gente que está ao redor de Jesus. queria que os pais da garotinha ficassem e, também,
No caminho, aproximou-se deles um dos em pre­ os discípulos Pedro, Jo ão e Tiago. Jesus segurou a
gados que trabalhavam na casa de Jairo. O empre­ mão da menina, e disse bem alto: - M ENINA, L E ­
gado lhe disse: - Seu Jairo, a menina já morreu. Não VANTA-TE! - Vamos falar como ele? Vamos, todos
aborreça mais o Mestre. (Fig. 7.2) juntos: M ENINA, LEVANTA-TE! E ela voltou a viver!
Que triste! Com o deve ter ficado o coração do A menininha saiu da cama imediatamente. (Fig. 7.3)
papai Ja iro ao saber que a sua filhinha morrera! Depois que ela tornou a viver e se levantou, Jesus
Je su s tam bém ouviu o que disse o em pregado. pediu aos pais dela que lhe trouxessem um lancbinho.
E sabem o que Jesu s respondeu ao papai Jairo? Os pais da garotinha ficaram muito agradecidos a
Ele falou: - Não tenha medo. Tenha fé, e ela ficará Jesus pela cura de sua filha. Jesu s é mesmo muito
boa! - Jesus sabe que a menininha morreu, mas Ele poderoso! Ele tem poder até para vencer a morte!
diz a Jairo que tudo ficará bem, e que a sua filha Q uem confia no poder do am igo Je su s? C o nfie
viverá outra vez! nEle quando você estiver dodói. O nosso amigo
Quando Jesus chegou a casa de Jairo, já tinha muita Jesus tem poder para fazer coisas impossíveis. Ele
gente chorando Ia dentro pela morte da menina. faz milagres que ninguém mais é capaz de fazer.
í

•• P tanflftpo,S somenteeleécapazden » aju-


quando 0 Paterna e difícil Ornais pa^ re.
solvarirros. que somente Jesus é vodemso
para fazer coisas que vara nfc, «a,,
L rdra nos. são Impossíveis.
As cnanças farão um sorriso no rosto d0
papsi t Ja mamãe Ja menina a quem Jesu s
ressuscitou. Diqa aos alunos que devemos nos
n* * ; portadas
a r a v a ís l h a s que„ Jesus
, ,
faz
Devemos adorar ao Senhor pois somente Efe é
capaz de fazer coisas Impossíveis,

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Leve lençóis e outros tecid o s para im provisar 0 QUE APRENDEM OS HOJE!
roupas do tempo de Jesus. Cada criança terá a sua A lição de hoje ensinou que devem os confiar
oportunidade de vestir-se conforme o personagem no amigo Jesus apesar de tudo, ao redor estar
da história que preferir, e de reproduzir, como se complicado. Devemos pedir-lhe ajuda quando
fosse um teatrinho, as falas desse personagem . as situações parecerem impossíveis de resolver.
Por exem p lo : Se a criança escolher ser o papai E mesmo que as outras pessoas riam da fé que
Jairo, primeiro vai chorar de tristeza, por sua filha depositamos em Jesus, é nosso dever prosse­
estar quase morta, mas depois vai louvar a Deus guir crendo em seu imenso poder. Louvemos
por ela reviver. sempre ao Senhor por todas as maravilhas que
Estimule os alunos a serem criativos, porém respeite faz para nos socorrer!
os que, envergonhados, preferirem não participar.

— z ír - * - X ;• ^ i.

o -
J

SU&SÍDIO
"A Ressurreição de uma Menina e a Cura de
Uma Mulher (Lc 8.40-56)

Estes dois m ilagres form am um único e p i­


só d io , pois um d eles foi realizado quando o
Senhor estava a caminho para realizar o outro.
O s três Sinóticos incluem os dois milagres e os
três indicam a cura da mulher como sendo uma
G U IA D O L E IT O R D A B ÍB LIA
espécie de interrupção no caminho, quando o
Senhor estava indo ressuscitar a menina. Mar­ Law rence O. Richard s
cos é o que dá o relato detalhado, e Mateus o
mais curto. Lucas diz que a menina tinha doze
Ao encontrar dificuldade para
anos, ao passo que Mateus omite a sua idade, e
compreender um versículo da Bíblia,
Marcos a informa no final. Mateus não menciona recorra ao Guia do Leitor da Bíblia.
que os médicos não tinham conseguido ajudar Ele ajudará você a entender rapida­
mente os temas da Bíblia e não mais
a m ulher. Mas é interressante notar com o o esquecê-los.
assunto e tratado por Lucas, um médico, ê por
Marcos que diz que a mulher 'havia padecido
muito com muitos médicos, e despendido tudo
quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes
indo a pior' (Mc 5.26).
Com relação à cura da filha de Jairo , pode­
mos observar três pontos: 1) Uma palavra de
encorajamento que sustenta uma fé fraca - 'Não
tem as; crê somente, e será salva. Uma palavra
de revelação que suaviza a severidade da morte
- 'não está morta, mas dorm e1. Uma palavra de
poder que traz de volta a menina - 'Levanta-te,
menina!' (Comentário Bíblico Beacon. Vol 6. 1ed.
Rio de Janeiro: CPAD, p. 404).
PARA REFLETIR
0 3 J E T IV 0 5
A resp eito do J g o Bartim eu , não seria incorreto
ho\e deverão
afirm ar que, m M m o sem p o d er ver, tinha g rande As atividades
visã o e sp iriíá H i. E le o u viu os ru m o re s ao redor. os alunos z-
P e rce b e u q u e algo airorm al, porém m aravilhoso, Cultivar o háb
estava acontecendo, e perguntou o que era aquilo. aoresentara
Q u a n d o lh e re sp o n d e ra m q u e J e s u s d e N azaré
estava passando, ele não perdeu tem po. Com eçou
a gritar: - Je su s, Filho de Davi, tenha pena d e mim!
P esso as q u e não tinham a visão espiritual d e Bar­
tim e u , m as q u e n ão d e ixa ra m d e e n x e rg a r uma
boa ch a n c e d e cen surar-lh e a fé , re p re e n d e ra m - SOM OS ASSIM ...
no, p e d in d o q u e se c a la ss e . B a rtim e u , to d a v ia , A criança nesta idade já é cap az de su b stitu ir um
n ão se in tim id o u , p o is sa b ia q u e e s ta v a d ia n te objeto ou um acontecimento por uma representação.
d a q u E le q u e e n s in o u a o ra r s e m p re , e n u n ca Com um cabo de vassoura, por exemplo, é capaz de
d esan im ar (Lc 1 8 .1 ). E le estava d ian te do M estre representar estar andando a cavalo. Alinhando diversas
q u e co ntara a p ará b o la da viúva que im portunou cadeiras, a criança, graças à função sim bólica, finge
o ju iz, a té se r a te n d id a . estar em um ônibus. Assim, ela se distrai e cria inúmeras
Para fica r clara a im p o rtâ n cia d e o ra r se m p re , e situações e vivências. Entretanto, ainda egocêntrica, a
d e n ão d esan im ar, o b se rv e m o s a vid a d e o ração criança de cinco e seis anos não consegue se colocar
do p ró p rio C risto . A p re se n te m o s, e n tã o , os n o s­ no lugar do outro abstratam ente. Ela tam bém não
so s p e d id o s ao S e n h o r q u e tu d o p o d e . F a le m o s aceita o "acaso", pois tudo deve ter um motivo lógico.
d ia ria m e n te co m o P a i, c ie n te s d e q u e a fé é a Nesta fase, o pequenino não sente a necessidade de
c o n d iç ã o p rim á ria p a ra q u e o M e s tre p a re , e explicar o que diz, pois tem a absoluta certeza de que
p e rg u n te : - O q u e vo cê q u e r q u e eu fa ç a ? está sendo compreendido.
S E J A BEM-VINDO E HORA DO VERSÍCULO
A p ó s re c e b e r e a co m o d ar os “Peçam e v o c ê e
alunos e visitantes, m ostre-lhes uma
receberão[...]”
bengala. Se você não tiver uma, pode im­
provisar com cabo de vassoura, ou apresentar-lhes
( M t * 7 .7 ).
a foto de uma, para que conheçam este objeto.
Pergunte: Q uem já viu uma bengala? Vocês sa­ C o n fecção ; Com cartolina, faça um cartaz em
bem para que ela serve? (O uça as resp ostas, e formato de livro, dobrando a cartolina ao meio. A
acrescente explicações conform e achar necessá­ "capa" será o desenho de uma porta, com fechadu­
rio). Explique que pessoas fracas, sem força para ra, olho mágico, etc. Escreva o versículo do lado de
andar, usam a b eng ala, e que os cegos a usam, dentro, de forma que, para vê-lo, você primeiramente
tam b ém , para sa b e r com o é o chão p or onde tenha de abrir a porta.
terão de passar. Para não caírem , os cegos preci­ Explicação do versículo: Vejam essa porta! Ela está
sam da bengala para sentir se há algum degrau, aberta ou fechada? Isso, está fechada. O que devemos
buraco, etc. Q uando term inar de m ostrar-lhes a fazer quando vamos à casa de alguém e a porta está
bengala, diga que a história de hoje é sobre um fechada? Devemos tocar a campainha, ou bater. Se
cego, cham ado Bartim eu. não fizermos isso, a pessoa que está dentro da casa
Cantem um corinho que fale do poder de Deus. não saberá que nós queremos entrar. Vamos imitar
Em seguida, recolha as ofertas. as batidas na porta? (Batam na mesa algumas vezes,
imitando o som das batidas). E se quisermos falar
com Deus, o que devemos fazer? Devemos chamá-Lo
VERDADE PRÁTICA para conversar. (Pegue sua Bíblia) Vejam o que diz
V
O amigo Jesu s quer saber do que precisam os. esse versículo. (Leia). Se nós quisermos que Deus nos
Ele gosta de nos ajudar. ajude, devemos pedir-lhe em oração. Devemos bater
Um dos pontos mais interessantes da história de na porta do céu, mas não de verdade. A forma de
hoje é que Jesus parou e perguntou ao cego Bartimeu Jesus nos atender é chamando-o em oração. Jesus
o que poderia fazer para ajudá-lo. Aproveite este ficará muito feliz se você chamá-Lo para conversar
episódio para ensinar aos alunos que eles devem ou para contar-lhe algum problema.
contar ao Papai do Céu a respeito de suas necessi­ Repitam bastan te o versícu lo. Q uando todos
dades. Repita, quantas vezes precisar, que Jesus é houverem aprendido, feche a porta do cartaz e
nosso amigo, que Ele gosta de conversar conosco recitem-no sem ler.
e que, por isso, nunca devemos deixar de orar.
Desde pequenas, as crianças devem saber que a
oração é o meio que temos para nos comunicar com
Deus. Ao apresentar-lhes a Verdade Prática de hoje,
diga que podem contar, ao amigo Jesus, tudo o que
quiserem, em oração. Je s u s e os discíp ulo s estão bem p ertinho de
uma cidade chamada Jericó . Além dos ajudantes
de Jesus, muitas outras pessoas o seguem porque
querem ficar perto dEle para aprender e ser curadas.
A beira do caminho, está um homem cego. Vocês
sabem o que significa ser cego? (Ouça as respostas).
O s cegos não podem enxergar nada. Mesmo de
VOCÊ VAI PR ECISA R
olhos abertos, eles só veem a escuridão porque os
Pendia (pode ser improvisada com cabo de seus olhos não funcionam bem. O nome do cego
vassoura); que estava à beira do caminho é Bartimeu. Vamos
Cartolina; repetir? (Falem juntos Bar-ti-meu). Isso mesmo.
Fita crepe; O cego Bartimeu ouviu o som de muitas pessoas
Venda para os olhos. passando. Ele não podia vê-las, mas sabia que elas
estavam andando pela estrada porque conseguia
ouvir a voz delas e o barulho que faziam enquanto
andavam. (Fig. 8 1 ) Bartimeu ficou bastante curioso. Então, Jesus olhou para Bartimeu e disse: - Veja,
Ele quis saber por que havia tanta gente ali. Ele per­ você está curado porque teve fé. - Na mesma hora,
guntou: - Ei, o que está acontecendo? O que é isso? os olhos de Bartimeu foram curados e ele conseguiu
- E Je su s de Nazaré que está passando - res­ enxergar tudo! (Fig . 8.3) Ele começou a louvar a
ponderam. Deus por este milagre, e foi seguindo Jesu s pelo
Aí, Bartimeu não perdeu tem po. Imediata mente, cam inho. Todas as pessoas que viram Bartim eu
começou a gritar: - Jesus, Filho de Davi, tenha pena curado também louvaram a Deus.
de mim! - Vamos dizer com ele? - Jesus, Filho de Vocês viram como Bartimeu foi esperto? Assim
Davi, tenha pena de mim! (Fig. 8.2) que soube que Jesus estava perto dele, pediu-lhe
As pessoas que iam com Jesus ficaram zangadas ajuda. Vocês sabiam que o amigo Jesus está o tempo
com Bartimeu e pediram-lhe que se calasse. Mas, ele todo perto de vocês? Por isso, a qualquer momento
gritou ainda mais: - Filho de Davi, tenha pena de mim! vocês podem chamá-Lo: - Jesus, vamos conversar?
Jesus parou e pediu que lhe trouxessem o cego. Eu preciso da sua ajuda agora!
Quando Bartimeu chegou perto, Jesus lhe pergun­ Jesus gosta que falemos com Ele em oração. Ele
tou: - O que quer que eu faça por você? - Sabem quer ser o nosso melhor amigo. Ele quer que lhe
o que Bartimeu respondeu? Ele disse: - Senhor, eu peçamos ajuda sempre que precisarmos, assim como
quero ver de novo. Bartimeu lhe pediu. De hoje em diante, quem vai
confiar no amigo Jesus?

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Com fita crepe, marque no chão um circuito curto
e simples. Pode ser ondulado, ou em ziguezague.
Primeiro, os alunos andarão pelo cicuito, um de
cada vez, com os olhos abertos, prestando bastante
atenção no caminho. Em seguida, terão os olhos
cobertos com uma venda. Cada aluno terá a sua
chance de andar pelo circuito com os olhos vendados.
Após a atividade, conversem sobre como foi mais
fácil caminhar vendo. Explique que enxergar é uma
grande bênção de Deus. Por isso o cego Bartimeu
ficou tão feliz quando Jesus o curou!

r e v is t a do a lu n o
lunos pintarão a figura que mostra a
, orando. Explique que é muito fácil falar
?apai do Céu. Basta orar. Ele é nosso
&qoeta de conversar conosco.

Munoe ^escnh^ráo os omc^ ^


3 que Jesu s é muito poderoso para curar
jer doença, até a cequeira. Estimule os
5a fazer todos os detalhes dos olhos
SUBSÍDIO S
"O s mendigos frequentemente ficavam a beira
das estradas próximas às cidades, porque era
onde podiam contratar as maioria das pessoas.
Normalmente os deficientes e os mendigos eram
impossibilitados de trabalhar e prover o próprio
sustento. A ajuda médica não estava disponível
para que seus problemas fossem resolvidos, e as
pessoas tendiam a ignorar sua obrigação de cuidar
0 QUE APRENDEMOS HOJE
dos necessitados (Lv 25.35-38). Deste modo, os A lição de hoje nos ensinou que, se tivermos um
mendigos tinham pouca esperança de escapar problema, devemos pedir a Deus que nos ajude.
de seu estilo de vida degradante. Mas aquele Bartimeu teve muita fé e gritou bem alto para
cego teve uma profunda esperança no Messias. que Jesus o escutasse. Jesus gosta de ver que
Ousadamente, clamou pela atenção de Jesus, e temos fe para pedir-lhe ajuda. Ele gosta que o
Ele o atendeu e disse que a fé lhe permitiu ver. cham em os para contar-lhe os problemas que
Não importa quão desesperadora sua situação tivermos. O amigo Jesus está sempre conosco,
possa parecer: se você clamar a Jesus com fé, e não é preciso telefonar, nem escrever uma
Ele o ajudará!" carta para nos comunicarm os com Ele. Basta
orar e pedir, que Ele responderá.
Sobre a expressão Filho de Davi, a Bíblia de
Estudo de Aplicação Pessoal diz: "O homem
cego chamou Jesus de "Filho de Davi", um título
atribuído ao M essias (Is 11.1-3). Isto significa
que percebeu Jesus com o Cristo, aguardado
há tanto tem po. É interessante notar que um
m endigo pobre e cego pôde enxergar quem
era Jesu s, enquanto os lideres religiosos que
viram os milagres operados por Ele eram cegos
em relação à sua identidade e recusaram-se a
reconhecê-lo como Messias.
(Biblia de Estudo A plicação Pessoal. Rio de
Janeiro: CPAD, 2004, p. 1391).
"O relato do milagre consta nos três Evangélicos
sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas). Mas há duas ATE SEM A
diferenças significativas entre os três relatos. Ma­ Guardem todos os materiais e confiram
teus diz que havia dois cegos, enquanto Marcos os alunos pegaram os seus pertences. A
e Lucas se referem a apenas um. Lucas diz que orar, desafie os a, durante a semana, falar
o milagre ocorreu quando Jesus se aproximava Jesus todos os dias. Em seguida, façam a seg
de Jerico, enquanto os dois outros escritores te oração: "Querido Deus, estou feliz por saber
sinóticos dizem que isto ocorreu quando Ele que o Senhor está sempre disposto a me ouvir.
estava saindo de Jericó. O problema relacionado O brigado por ser meu amigo e por me respon­
ao número de cegos não é díficil. Sem dúvida der quando oro. Em nome de Jesus, amém."
havia dois cego s, mas Lucas e M arcos estão
Despeça os alunos carinhosamente, dizendo que
p reo cu p ad o s ap en as com um d eles - talvez
ficou muito feliz com a presença de cada um.
o mais significativo e marcante daqueles dois
hom ens" (Com entário Bíblico Beacon. Vol 6.
Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 469).
O BJETIVO S
PARA REFLETIR
Um hom em su rd o, q u e q u ase tam bém não podia
falar, foi leva d o a Je s u s , q u e se afa sto u co m e le
da m ultidão. Je s u s olhou para o céu , ce rtam e n te
clam and o ao Pai, suspirou e ordenou aos ouvidos
a todo$-
do hom em que se ab rissem . E le suspirou p orq u e
h o u v e p ro fu n d a luta em o ra ç ã o . N a q u e le m o ­
m e n to , os o u vid o s d o h o m em se a b rira m e sua
língua se so lto u .
SOMOS ASSIM ...
Tam bém tivem os os ouvidos aberto s e a fala aper­
As crianças, em sua maioria, apreciam muito dese­
feiço ad a q u an d o Je s u s , su spiran d o e p ad e cen d o
nhar. Sentem-se orgulhosas de si e capazes se forem
d e dor, se en treg o u p o r nós. É ram o s su rd o s, não
p odíam os ouvir D eu s. E , antes d e o véu se rasgar, elogiadas. Quando valorizamos a produção artística
de um pequenino, ele sente vontade de fazer ainda
ta m b é m n ão p o d ía m o s falar-lh e co m lib e rd a d e .
mais desenhos! Entretanto, a criança não desenha as
N ó s, h a v e n d o sid o cu ra d o s p or m eio da m o rte
coisas exatam ente como são. O s detalhes que mais
d e C ris to , d e v e m o s o fe re c e r e sta cura a o u tro s
lhe chamam a atenção, nos objetos, são reproduzidos
q u e, aind a su rd o s e m ud os, não ouvem a voz do
de forma exagerada no papel, e certos elementos das
C ria d o r, nem se co m u n ica m co m E le
figuras e das cenas podem até ser omitidos por não
" O S e n h o r J e o v á m e d e u um a lín g u a e ru d ita , haverem despertado o interesse da criança.
p ara q u e eu sa ib a d izer, a seu te m p o , um a boa
Nesta fase, os pequeninos já perceberam que é possível
p a la v ra a o q u e e s tá c a n sa d o . E le d e sp e rta -m e
contar coisas através de desenhos, o que toma este recur­
to d a s a s m a n h ã s, d e s p e rta - m e o o u v id o p ara
so uma ferramenta valiosa para a fixação de conteúdos
q u e ouça com o aq ueles que a p re n d e m " (Is 50.4).
e para despertar o interesse pela escrita e pela leitura.
É HORA DO VERSÍCULO
Com a sala previam ente organi­ ‘[ ...] 0 p o v o Iovava
zada, receba os alunos. Diga, aos que
a J e s u s p e s s o a s que
faltaram no dom ingo anterior, que você
s o f r ia m d e v á r ia s d o e n ­
sentiu a falta deles. Estando todos acom odados,
cantem o corinho "C u id a d o , b oq u in ha, com o ç a s [...]; e e le c u r a v a " t o d o s ”
que fala...". ( M t <4-. 2 4 -).
Escolha um aluno, que recolherá as ofertas. Cantem Confecção: Com cartolina, faça dois cartazes: um
um hino apropriado para este momento. Não deixe com o desenho de olhos, e outro com o desenho
de explicar brevemente que, ao ofertar, louvamos de ouvidos. Escreva o versículo nos cartazes.
a Deus e contribuímos para a sua obra. Explicação: Fixe os cartazes em ordem na parede,
ou mural, e comece perguntando: Será que o Papai
do céu nos deu os ouvidos para ouvirmos coisas
VERDADE PRÁTICA erradas, com o fofoca e piadas feias? Claro que
Com o ouvido, escutamos a Palavra de Deus. não! Deus deixou, na natureza, sons lindos para
Com a boca, falamos de Jesus a todos. escutarm os, como o dos pássaros, das ondas do
Deus deixou-nos os sentidos. É por meio deles mar, etc. Deus também quer que ouçam os a sua
que experimentam os e interagimos com o mundo Palavra. Quando ouvimos as historinhas da Bíblia,
ao redor. E, também, é com os sentidos que che­ aprendemos sobre Jesus, e passamos a confiar nEle.
gamos ao conhecimento de Deus e de seu plano E a nossa boca? Serve para contar mentira e falar
de salvação para o homem. Ouvimos a Palavra, e palavrões? De jeito nenhum! A boca deve sempre
cremos. Não devemos usar o ouvido que Deus nos louvar a Deus. O Senhor quer que contemos a todos
deu para ouvir coisas que o desagradem. Da mesma as maravilhas que Ele faz por nós.
forma, não devemos usar a boca para falar aquilo que Após essa exp licação , repitam o versículo até
entristece o Senhor. A nossa obrigação, portanto, decorá-lo. Depois, retire os cartazes, um a um, e
é prosseguir ouvindo e crendo, e anunciando ao prossigam recitando até que ambos sejam retirados
mundo as maravilhas de Deus. da parede.

"[...] O povo levava a Jesus


VOCÊ VAI PR ECISA R
pessoas que sofriam de
Cartolina;
Jornais e revistas;
várias doenças [...];
Cola; e ele curava todos"
Tesouras sem ponta.
(Mt 4.24).
Quem gosta de ouvir o passarinho cantar? (Espere as de saliva na língua do moço. (Se precisar, explique
respostas) Como ele faz? Isso mesmo! Vocês também o que é a saliva) Então, Jesu s olhou para o céu, e
gostam de ouvir a mamãe, ou a vovó, cantando uma disse: - Abra-se! (Fig. 9.2)
música na hora de dormir? É muito gostoso ouvir a Je s u s ordeno u aos ouvido s do m oço que se
voz da mamãe e da vovó, não é? O que mais vocês abrissem . Na mesma hora, o homem com eçou a
gostam de ouvir? (Deixe responderem) Devemos ouvir muito bem. E a lingua dele se soltou para que
agradecer ao Papai do Céu pelos nossos ouvidos. pudesse falar com facilidade! Q u e legal! Agora,
Na historinha de hoje, vocês conhecerão um homem este homem poderia ouvir todos os ensinamentos
que não conseguia ouvir. Ele era surdo. O ouvido maravilhosos que Jesu s tinha para contar ao povo.
dele não funcionava bem. Como ele não conseguia E também poderia falar a todas as pessoas o quanto
ouvir, também não conseguia falar direito! Deus é poderoso.
Algumas pessoas souberam que Jesus estaria por E você? Você gosta de vir à igreja ouvir a Palavra
ali, e levaram este surdo até Ele para que fosse cura­ de Deus? Você gosta de ouvir os hinos que falam
do. Elas confiaram no poder de Jesus (Fig. 9.1). Elas do amor de Jesus? Use os seus ouvidos apenas para
sabiam que Ele podería curar o ouvido do moço e ouvir coisas boas! (Fig. 9.3)
fazer com que ele também aprendesse a falar bem. Você sabia que a sua boca foi feita para louvar a
Quando Jesus viu o homem surdo e mudo, chamou-o,
t e ambos sairam de perto das outras pessoas.
Primeiro, Jesu s colocou os dedos no ouvido do
Deus? Ele fica muito feliz quando ouve você cantar
hinos de louvor! Sabe o que mais você poder fazer?
Pode contar aos seus amigos que Jesus tem muito
1 homem. Depois, Jesu s cuspiu e colocou um pouco poder e faz coisas incríveis!

_________ -
R EVISTA DO ALUNO
1 Com traços de giz de cera. as crianças «ga-
náoí, á s figuras dos *°n s que ouvem
rão os ouvií
no dia a dia. Aproveite para reforçar o ens.no
de que devemos ouvir apenas coisas que sejam
agradáveis a Deus.
2 Os alunos recortarão, dejornais e revistas,
figuras dos ouvidos e da boca, pois foram essas
a5 partes do corpo curadas por Jesus nesta
história. Repita que o amigo Jesus é muito
poderosoparacurar.

0 QUE APREN D EM 05 HOJE!


Hoje, vimos que Jesu s curou o moço que era
surdo e mudo. Depois que o moço foi curado, ele
pôde usar seu ouvido para escutar belas histórias
que falam de D eus. E ele tam bém pôde usar
FIXANDO A APRENDIZAGEM
a boca para contar a todos que Deus é muito
Vocês vão brincar de "telefo n e sem fio " para poderoso, e que nos ama.
fixar o ensino de hoje. O s alunos ficarão em fila, Nós, da mesma forma, devemos usar o nosso
um ao lado do outro. Após explicar-lhes as regras ouvido para ouvir apenas coisas que agradem ao
da brincadeira, cochiche, ao ouvido do prim eiro Papai do Céu, pois Ele fica triste quando ouvimos
aluno da fila, alguma frase referente à lição. Este músicas feias, ou fofocas. A nossa boca também
aluno repetirá a frase bem baixinho, ao ouvido do deve agradar a Deus em todo o tempo. Ele nos
próximo da fila, e assim sucessivam ente, até que deu a voz para que o louvemos e contemos a to­
o último tenha recebido a mensagem. Este último dos que Jesus é o nosso Salvador. Não devemos
aluno da fila deverá repetir a frase em voz alta para usar a boca para falar mal dos amigos, ou dizer
que todos a escutem. Durante a brincadeira, você palavrões e mentiras.
pode alternar a posição das crianças na fila.
SU&SÍDI 05
"Tornando a sair dos territórios de Tiro. Jesus
seguiu a rota de um circuito até o mar da Galileia.
Dessa forma, Ele acaompanhou os limistes do
reino do hostil Antipas e evitou as áreas mais
densamente habitadas.
GRAÇA DIÁRIA
O povo de Decápolis, nas vizinhaças do mar
PARA PROFESSORES
da Galileia, levou até Jesus um surdo e gago.
É inteiramente possível que esse evento tenha
acontecido na terra dos gadarenos e se assim for, John Bunyan,
Evelyn Christenson,
ele representa uma notável mudança de atitude
John C. Maxwell,
por parte de seus habitantes. O testemunho Andrew Murray,
do antigo endemoninhado gadareno deve ter Hannah Whitall
produzido frutos. Longe de pedir que Ele par­ Smith, Charles
tisse, o povo suplicou que Jesus, impusesse as Spuegeon, Charles
mãos sobre ele, um homem que era um surdo, Stanley e Warren W.
Wiersbe
que falava dificilmente.
Este livro consite
A fim de evitar publicidade, e também parà se em reflexões
comunicar mais claramente com esse homem, devocionais para
Je su s tirou-o à parte de entre a m ultidão. O alimentar sua alma.
Mestre restaurou sua audição e sua fala através
de uma série de atos evidentemente destinados
a aumentar e fortalecer a fé dele. Colocando
seus dedos nos ouvidos do homem e tocando
sua lingua com saliva de sua própria boca, Jesus
olhou para o céu e suspirou - uma oração sem
palavras. Foi assim que Jesus falou com sinais
ao homem que não podia ouvir. Seus gestos
mostravam que com o poder que vinha do alto
e pela palavra de sua própria boca Ele iria abrir
os ouvidos que estavam fechados e libertar a
língua da prisão. O surdo e gago deve ter lido
os lábios do Senhor quando Ele lhe disse: 'Efatá,
isto é, abre-te".
Logo o aflito homem começou a ouvir e falar
claram ente. A prom essa de Isaías 53.6 havia
se cumprido: 'E a língua dos mudos cantará".
(Comentário Bíblico Beacon. Vol 6. le d . Rio de
Janeiro: CPAD, p. 270.)

jT "
m
1 o e aula

°* 3'UT Ir o vodrr de Deuô para prover- lhes


Reconhecer o?od ,.e6 a oferecer
turfo o necessário, e ct f» —
aoSen^ oàoow epo^
deoUeeie>he5 recompensara ale.

SOM OS ASSIM ...


Quanto ao convívio familiar, a criança aprecia a com­
panhia dos pais e de irmãos mais velhos. Ela se inte­
ressa por suas atividades tanto em casa quanto em seu
ambiente escolar. Portanto, é importante fornecer-lhes
a oportunidade de acompanhar os adultos nas tarefas
do dia a dia e incluí-las à medida do possível. Em sala
de aula, a criança sente-se orgulhosa de si ao ser con­
vocada pelo professor a auxiliá-lo em tarefas simples,
como distribuir os materiais, ou recolher os brinquedos.
Esta também é a fase em que a criança começa a se
interessar por brincadeiras em grupos e com regras
predeterminadas. Nem sempre, porém, ela aceitará,
de bom grado, perder. Cabe ao professor, portanto,
manejar a situação com sabedoria e sensibilidade.
RH

S E J A BEM-VINDO É HORA DO VER5ÍCUL0


Receba os alunos com alegria.
“E D e u s p o d e d a r
Dem onstre contentam ento pela pre­
m u it o m a i s d o q u e
sença de cada um deles! Após acomodá-
-los, distribua-lhes, em uma bandeja, pãezinhos
v o c ê s p r e c is a m [ ...j”
picados, ou bisnaguinhas. Diga que a historia de ( 2 C o 9 .Ô ) .
hoje é sobre um grande lanche que Jesu s ofere­
ceu à m ultidão. Confecção: Faça cinco cartazes de cartolina em
Oriente-os a recortar e colar a figura no plano de formato de pão, e dois cartazes em formato de pei­
frequência. xe. Escreva o versículo bíblico e a referência nestes
Com a ajuda de um voluntário, recolha as ofer- cartazes. Prepare também uma grande toalha de
tinhas, sempre entoando um cântico apropriado. mesa, ou lençol.
Explicação do versículo: Estenda a toalha no chão,
e organize os alunos assentados às m argens da
VERDADE PRÁTICA toalha, deixando o centro vazio. Diga: "Vamos nos
Jesu s é poderoso para transformar em grande assentar aqui para fazer um piquenique". Disponha
bênção tudo o que lhe apresentamos. os cartazes com o versículo no centro da toalha, de
Os discípulos foram desafiados por Jesus a alimen­ forma que todos os possam visualizar. Explique:
tar as cinco mil pessoas. Eles só tinham cinco pães e Deus sabe de todas as coisas. E Ele também sabe
dois peixes. Contudo, decidiram confiar em Jesus, quando precisamos de algo. Ele sabe que precisamos
e fizeram tudo o que Ele ordenou. Organizaram a comer, nos vestir e ter onde morar. Vocês sabiam
multidão em grupos de cinquenta pessoas, e entre­ que o Papai do Céu é poderoso, e não deixa que
garam ao Mestre os alimentos de que dispunham nada nos falte? Ele tem tanto poder, que consegue
para que Ele os abençoasse. transformar um pouquinho de comida em um mon­
Apresentadas a Deus, as poucas provisões mul­ tão de comida. Deus é poderoso para abençoar
tiplicaram -se trem endam ente. Foram suficientes todos os alimentos que temos na nossa casa, para
para alimentar as cinco mil pessoas, e ainda sobra­ que tenhamos sempre o que comer. Em seguida,
ram doze cestos! Não devem os sentir vergonha, repitam bastante o versículo. Aos poucos, finjam
portanto, se o que tivermos a oferecer ao Senhor que os pães e os peixes foram comidos, e retire-os
for pouco, ou insuficiente. Em atitude de confian­ da toalha, até que não sobre nenhum. Desafie os
ça e obediência, devem os dar-lhe o pouco que alunos a recitar o versículo sem ler os cartazes.
possuím os para que Ele transform e tudo numa
grande benção.
O amigo Jesus é poderoso para multiplicar tudo
o que lhe apresentamos.

(Estenda novamente a toalha de mesa, ou o lençol,


no chão, e acom ode as crianças para que ouçam
a história como se estivessem em um piquenique).
(Fig . 10.1) N ovam ente, a m ultidão soube que
Jesu s estava por ali, e se reuniu em volta dEle para
VOCÊ VAI PRECISAR ouvi-Lo falar. Jesu s recebeu a todos, e explicou
muitas coisas sobre o Reino de Deus. Jesus também
Bandeja com pãe5 picados, ou com pâezinhoo curou os doentes!
do tipo bisnaguinha; (Olhe no relógio) As horas se passaram, e começou
Cartolina; a anoitecer. Preocupados, os discípulos disseram a
Toalha de mesa grande, ou lençol; Jesus: - Mande as pessoas embora. Está ficando tarde
Fo lh as de papel ofício: e elas precisam comer. - Verdade! As pessoas haviam
Materiais de arte variados. ficado o dia todo em volta de Jesus, e deviam estar
sentindo bastante fome, pois já havia anoitecido!
Sabem o que Jesus respondeu aos discípulos? Ele reitinho. É muito importante obedecer as ordens
disse: - Vocês mesmos vão alimentar as pessoas. - Mas que Deus dá, não é?
onde os discípulos conseguiríam comida para tanta Enteo, Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes,
gente? Eram muitas pessoas, e elas estavam famintas! olhou para o céu e ag'sdeceu a Deus por aquele
Os discípulos disseram a Jesus: - Mestre, nós só temos alimento (Fig. 10.3). Vocês sempre agradecem a
cinco pães e dois peixes. E não temos dinheiro para Deus antes de com er? Tudo o que com em os é
comprar comida para essa gente toda! (Fig. 10.2) Deus quem nos dá. Por isso, como Jesus, devemos
Vocês acham que cinco pães e dois peixes bas­ agradecer sempre!
tariam para alim entar? Claro que não. Para que Depois de agradecer, Jesus começou a partir os
tanta gente se alimentasse, seria preciso milhares pães e os peixes em pedaços, e os discípulos foram
de pãezinhos e de peixes! distribuindo os alimentos à multidão. E sabem de uma
Mesmo assim, Jesu s deu está ordem aos seus coisa? Aquele pouquinho de comida não acabou. O
ajudantes: - Mandem o povo sentar-se em grupos poder de Jesus conseguiu fazer aquela comida au­
de cinquenta pessoas. - E todos obedeceram di- mentar. Ele fez os pães e os peixes aumentarem tanto,
que houve bastante para que todos comessem bem!
Não faltou comida para ninguém, é ainda sobraram
doze cestos de comida! Os discípulos guardaram
direitinho toda a comida que sobrou, porque não
devemos jogar fora os alimentos que Deus nos dá.
Je su s sabe de todas as coisas, e nunca deixa
faltar nada.

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Em folhas oficio, escreva o nome "Jesus" com letras
grandes e vazadas, de forma que os alunos possam
enfeitar cada letra como desejarem . Distribua as
folhas e também materiais de arte variados, como
tintas, cola colorida, paetês e estrelinhas. Estimule-os
enfeitar as letras de forma bem caprichada.
Diga: Este é o nome de Jesus. Ele é nosso amigo.
O amigo Jesu s é muito poderoso. Ele pode fazer
coisas que nós não podemos fazer. Jesus tem poder
para fazer muitos m ilagres. Vamos enfeitar bem
bonito o nome do amigo Jesus.

REVISTA DO ALUNO
1. Os alunos desenharão, dentro da figura do
cesto vazio, os cinco pães e dois peixes que os
discípulos apresentaram a Jesus. Reforce a
idéia de que havia poucos alimentos, mas que
Jesus abençoou aquela comida pana que todos
pudessem se alimentar,

2. Os alunos irão colorir a figura da criança


agradecendo a Deus pelos alimentos. Aproveite
para explicar que tudo o que temos è Deus que
nos dá. For isso, temos sempre de ser gratos.
mm
SUBSÍDIOS
"Um aspecto digno de nota é que os discípulos
executaram a ordem de Cristo. Eles realmente
alimentaram a multidão quando se associaram
a Je su s neste ato. O que cada cristão pode
aprender é que, não importa o quanto sua ta­
refa lhe pareça impossível, com a ajuda divina
tudo pode ser feito. 'Porque para Deus nada 0 QUE APRENDEMOS HOJE!
é impossível' {Lc 1.37).
A lição de hoje nos ensinou que devemos sempre
Todas as pessoas com eram e saciaram -se. dar ao Senhor aquilo que temos, mesmo que
O verbo chortazo (ficaram satisfeitas) vem do seja pouco, ou pareça insuficiente. Os discípulos
substantivo chotos, "gram a". Era usado prin­ levaram a Jesu s os cinco pães e dois peixes,
cipalmente para animais pastando. O quadro apesar de saberem que não seria o bastante
geral é do gado comendo até ficar saciado e para alimentar as cinco mil pessoas. Eles sabiam
depois se deitando satisfeito sobre a grama. que o amigo Jesus é muito poderoso. Jesus fez
Arndt e Gingrich dizem que no modo passivo aquele pouquinho de comida aumentar para
(como aqui) ele significa "comer até se encher, que muitas pessoas pudessem comer.
até ficar satisfeito". Essa é a ênfase aqui. Todas
Também aprendemos que devemos ser gratos
essas pessoas comeram o suficiente, até ficarem
a Deus pelas coisas que Ele nos dá. Deus sabe
"satisfeitos". Essa é a melhor tradução.
de todas as coisas. Ele sabe de tudo o que
Dos pedaços que sobejaram - nos cestos dos precisamos para viver, e não permite que nada
discípulos e provavelmente em uma pilha sobre nos falte.
a grama limpa em frente a Jesus - eles levanta­
ram doze cestos cheios. Isto é, cada apóstolo
foi capaz de encher o cesto do seu lanche com
alimento para o dia seguinte.
A multidão que foi alimentada compunha-se
de quase cinco mil homens. Somente Mateus,
o estatístico, acrescenta, além das mulheres
e das crianças. Se a multidão fosse composta
por peregrinos prontos para comparecer à ce­
lebração da Páscoa, haveria poucas mulheres
e crianças. Essa distinção reflete o fato de que
em público - como ainda acontece entre os
orientais - as mulheres e as crianças nunca co­
mem junto com os homens. Acima de qualquer
discussão, aquele era um mundo dos homens."
(Earle, Ralph. Sanner, A . Elw ood. C hild res,
Charles L. Com entário Bíblico Beacon, Vol 6,
CPAD, 2006, p. 109.)
1 1 B aula

na terra, em diversas oca-


OBJETIVO S
para orar a sós. Nisto, A s atividades da aula de hoje deverão levar o
grandioso. Passar tem
, é primordial ao bem -estar de confiar plena­
Identificar a Importância
!| l cre n te d e v e segu ir o p ad rão de mente no poder de Deus e dc jam ais duvidar.
b ,
cido por Je su s e afastar-se por
to s para falar a só s com o Pai.
<=...,es de que a falta destes instantes
uma prova de que a vida espiritual
SOMOS ASSIM ...
ir o modelo deixado por Cristo, temos de
Co m o já fez d ive rsa s co n q u istas no cam po da
as práticas que nos afastam de Deus e aprendizagem, a criança de 5 e 6 anos mostra-se bem
misericórdia. Renovemos, diariamente, confiante e disposta a tentar, por si só, ações que antes
com prom isso d e manter com o Senhor eram feitas com a ajuda dos pais, ou dos professores.
ionam ento íntimo e perseverante. Devemos, portanto, oferecer-lhe oportunidades de fazer
tarefas por conta própria. Isso demanda uma paciência
extra do educador, pois temos a impressão de uma
falsa perda de tempo. Lembre-se, contudo, de que o
tempo gasto nesta etapa de ensino resultará, para o
pequenino, em grande autonomia e autoconfiança.
S E J A SEM-VINDO E HORA DO VERSÍCULO
R eceb a e a co m o d e os alunos
carinhosamente. Apresente os visitan­
‘S e m f é ninguém
tes à classe. Cantem juntos o corinho: "Fé ?o d e a g ra d a r a D eu s
mais fé, amor mais amor. Quem não tem peça ao [...]” (H b 1 1 . 6 ) .
Salvador...", ou algum outro sobre o tema da aula.
Peça a um aluno voluntário que recolha as ofer- C onfecção: Dentro de uma caixa de presente,
tinhas. Cantem um corinho apropriado para este guarde um pedaço de papel onde esteja escrita a
momento. palavra fé. Prepare, também, um cartaz com o versí­
culo de hoje; porém, deixe em branco a palavra "fé".
Explicação do versículo: Leia para os alunos o
HERDADE PRÁTICA versículo de hoje, que está no cartaz. Mostre-lhes
O amigo Jesus fica feliz quando confiamos nEle. que está faltando uma palavra. Pergunte: "Quem
Ao ver Jesus caminhar sobre a água, Pedro quis sabe que palavra está faltando? O que será que
fazer o mesmo. Sua coragem inicial foi rapidamen­ nós precisamos para agradar Deus?" Ouça as res­
te dissipada pela força do vento. Com medo, ele postas, e em seguida, mostre a caixa de presente.
começou a afundar, e pediu ao Senhor Jesus que Diga: "Aqui, dentro desta caixa, está aquilo que
o socorresse. Ao segurar-lhe a mão para ajudá-lo, precisamos para agradar Deus. Vamos abrir?" Faça
Cristo o repreendeu por ter uma fé tão pequena. um pouco de suspense, e tire de dentro da caixa o
Use este episódio da história para transmitir aos papel onde está escrita a palavra "fé". Termine a ex­
alunos a im portância de confiar plenam ente em plicação: "Viram? Quem quiser agradar Deus precisa
Deus. Explique-lhes que é fácil ter fé quanddtudo ter fé. Mas o que é a fé? Quem sabe? Fé é quando
vai bem, mas que é nos momentos difíceis que o você acredita em Deus de verdade, não importa o
Senhor deseja ver, em nós, um coração confiante e que aconteça. Quem tem fé confia totalmente no
seguro, que não vacila a despeito das tempestades. poder de Deus para resolver os problemas, para
Diga às crianças que Deus se alegra quando con­ curar e para nos ajudar. Quem aqui tem fé? Quem
fiamos no poder dEle, e que esta é a única maneira confia no poder de Deus? Devemos ter fé, ou não
de agradá-Lo. agradaremos ao Senhor."
Fixe a palavra "fé" na lacuna do cartaz, e repitam
juntos o versículo.

VOCÊ VAI PRECISA R


Caixa de pre&ente;
Cartolina;
Giz ou fita crepe;
Papel celofane picado:
Cola colorida.
Deus. Jesus tem todo o poder para fazer qualquer
coisa, até as que são impossíveis.
Quando os discípulos viram Jesus andando por
cim a das águas, ficaram apavo rados. Eles não
Certo dia, após haver falado bastante com a mul­ perceberam que era Jesus, e acharam que era um
tidão, Jesus pediu aos discípulos que entrassem no fantasma! Então, gritaram de medo. Mas Jesus lhes
barco enquanto Ele se despedia das pessoas. Após disse: - Coragem! Sou Eu. Não tenham medo!
se despedir de todos, Jesu s subiu ao monte para Pedro, um dos ajudantes de Jesu s, respondeu:
orar sozinho. Ele ficou orando no monte por muito - Se é o Senhor mesmo, mande que eu vá até aí,
tempo, até ficar de noite. andando por cima da água.
O s discípulos, que haviam entrado no barco, já - Venha, Pedro - Jesus o chamou. Pedro saiu do
estavam bem longe, lá dentro do lago. O lago estava barco e começou a andar por cima da água, em
muito agitado. Um vento soprava bem forte. Vamos direção a Jesu s. Porém, Pedro sentiu no rosto o
imitar o barulho do vento? (Imitem juntos) O vento vento forte, e começou a ficar com medo. Então,
formava ondas que batiam com força no barco. As ficou tão apavorado, que começou a afundar! Ele
horas foram passando, passando... Quando ficou de gritava: - Socorro! Socorro, Senhor!
madrugada, Jesus saiu do monte, e foi andando por Im ediatam ente, Jesu s estendeu-lhe a mão e o
cima do lago, até chegar aos discípulos. (Fig. 11.1) segurou. (Fig. 11.2) Jesu s disse a Pedro: - Como
Que esquisito! Jesus andou por cima das águas. é pequena a sua fé! Você deveria ter confiado em
Vocês acham que é possível fazer isso? O que acon­ mim, Pedro. Por que você duvidou? - Jesu s ficou
tece conosco se tentarmos andar sobre um lago, ou chateado porque Ele não gosta quando duvidamos
um rio, como se estivéssemos no chão? (Espere as do poder que tem . Pedro não confiou em Jesu s,
respostas) Isso mesmo! Nós morreriamos a&gados! por isso afundou. Quando nós confiamos em Deus,
Mas como foi que Jesus conseguiu? Ele conseguiu o nosso coração fica cheio de uma coisa chamada
fazer isso, mesmo sendo impossível, porque Ele é fé. A Bíb lia diz que sem fé ninguém co n seg u e
Rg. 11.3

REVISTA DO ALUNO
1. Os alunos pintarão a água ác lago onde esta­
va o barco dos discípulos. Depois, vão desenhar
Jesus andando sobre as águas.

2 A s crianças enfeitarão com cola colorida


o coração e a palavra 'fé". Aproveite para
reforçar o ensino de que sem fé é impossível
agradar Deus.
agradar ao Senhor. Vocês querem sempre agradar
ao Papai do Céu? C aso queiram, deverão confiar
totalm ente nEle, e nunca duvidar do p od er que
Ele tem para fazer coisas impossíveis, como andar
sobre as águas.
(Fíg . 11.3) D epois que Je su s ensinou a Pedro
que ele deveria ter fé, os dois subiram no barco e
o vento se acalmou. O s discípulos adoraram Jesus,
dizendo: - E verdade! Jesus é o Filho de Deus! \
0 QUE APRENDEMOS HOJE
FIXANDO A APRENDIZAGEM A lição de hoje nos ensinou que Deus se alegra
ao ver que confiamos em seu poder. O único
Com giz ou fita crepe, faça alguns traçados no
modo de agradá-lo é ter fé. O medo fez Pedro
chão. Eles podem ter as seguintes form as: uma
duvidar. Ele sentiu o vento forte, viu as ondas que
linha reta, uma espiral, ziguezague, etc. Organize
batiam com força, e deixou de prestar atenção
os alunos em fila. Explique que cada um terá a sua
em Jesus. As situações difíceis não podem nos
vez de percorrer os trajetos desenhados no chão,
desviar de crer no poder de Deus. Mesmo com
tentando, ao m áxim o ,não se desequilibrar. Eles
tudo contrário ao redor, devem os continuar
deverão ir colocando um pé à frente do outro, até
caminhando em direção a Jesus, sem duvidar.
concluir os traçados.
"Por que Je su s d esp ed e os d iscíp ulos e as
multidões? De acordo com Mateus, Ele quer
orar sozinho (Mt 14.23). Jo ão se refere ao fre­
nesi messiânico que engolfou as testemunhas
da alim entação milagrosa o que resultou no
desejo de fazerem Jesus rei à força (Jo 6.15). A
fim de evitar o ato prematuro e precipitado das
multidões, e possivelmente até dos dicípulos,
Ele os despacha e se isola nas montanhas.
ED U C A Ç Ã O QUE É CRISTÃ
Os discípulos acham-se numa violenta tempes­ Lois £. Lefaar
tade na quarta vígilia da noite (de três às seis
da manhã). Quando veem Jesus andando sobre
as águas, eles o tomam por fantasma e ficam Um livro com um contexto
terrificados. Jesus os assegura com o enfático , multicultural e, princípios sólidos de
'Sou eu'. Os leitores cristãos de Mateus podem I ensino bíblico trazendo renovo e
ter entendido que esta declaração 'Sot^eu' é vitalidade.
idêntica à auto-identificação de Deus (Êx 3.14;
Is 43.10). O s escritores dos Evangelhos usam
repetidam ente a expressão 'ego eim i' para
se referir a Jesu s nos contextos de revelação
e atestação divina. Depois da ressurreição e
ascenção, os cristãos viram que as declarações
e ações de Jesus tinham um significado maior
quando vistos no 'grande quadro' (cf. Jo 2.22).
(Comentário Bíblico Pentecostal. Vol 1. Rio de
Janeiro: CPAD, p, 94.)

A p ó s arrum arem juntos a sala, torn


o versícuip bíblico d e hoje. D esaf>°
confiarem no poder de Deus, dur.
caso enfrentem alguma situação difícil. C
que o ami agrada quando crer
. .....

O rem : "Q uerido Deus, obrigado por eu sempre


poder confiar no seu poder. Obrigado por ser meu
amigo e por me ajudar todos os dias. Ajude-me a
ter fe. Em nome de Jesus, am ém ".
D espeça as alunos, dizendo; "A té semana que
vem! Espero todos vocês!"
1 2” aula
/ /
visto prof*

João
11. 1-44

PARA REFLETIR
03 JETIVOS
arta e Maria eram amigas d e Jesus. Criam nEle e
As ativida Jee malizada* na aula de hoje
amavam sinceramente. Entretanto, sua am izade
deverão levar os alunos a:
>m Cristo não as poupou d e uma das mais duras
Compreender «ué Jesus, o Filho de Deus. to ■
Js S deste m undo. H a v e n d o p e rd id o Lázaro
para a morte, estavam tristes. Lázaro, igualm ente, poder para vencer a morte.
fpra am igo do Mestre. Nem po r isso d e ixo u de C o n scien tizar <\ue. para <
rter a vida eterna
adoecer e falecer. seu Salvador.
noceéu. é preciso aceitá-lo como
Nos, a Igreja de Cristo, estamos sujeitos às mesmas
dores destes três irmãos. A qui, sentimos tristezas,
ficam os d o e n tes e m orrem os. P o d e m o s a ch a r
que, para nós, Je su s tam bém está d e m o ran d o . SOMOS ASSIM .
Mas no caso da morte de Lázaro, tanto quanto na
A criança pode não concordar, e pode até opor-
nossa presente aflição, a dem ora d e C risto náo
fortemente, mas a verdade é que se sente segur;
é por falta de amor, m as para a g lória d e D eus.
amada quando o adulto responsável por ela aprese
E natural, portanto, que a noiva d e J e su s an seie
ta-lhe, firme e amorosamente, os limites de seu coi
por sua chegada.
portamento. Esta tarefa cabe aos pais. Dentro da sé
Je su s chorou pela m orte do am ig o Lázaro . Do de aula, porém, é preciso que o professor mantenl
m esm o m odo, E le sen te ao ver-n o s e n fre n ta r uma rotina sólida em suas aulas para que os alun<
tanto sofrim ento aqui. C risto não o b se rv a im ­ percebam quem está no controle.
passível o desenrolar da história d e sua Igreja na Náo pense que estará sendo chato quando precis
terra, mas se com ove com cada ep isó d io d e dor, chamar a atenção de um dos pequeninos, ou ped
perseguição e perdas. Q u e o choro de Je su s por lhe que, durante a história, guarde o brinquedo qi
Lázaro console o nosso coração, e n q u a n to E le trouxe de casa. Saber que na sala existe ordem pod
não voita para levar-nos às bodas. inclusive, deixar a criança, que ainda não se adaptou
ausência da mãe, mais segura de si e confiante. É bori
portanto, que haja ordem e organização na sala de aul,
E HORA DO VERSÍCULO
Receba os alunos com alegria. “[...] Q u e m c r ê e m
Cumprimente os visitantes e acomode- m im , a in d a cju e m o r r a ,
-os. Com ece a aula dizendo que está muito
v iv e r á ” ( J o 1 1 . 2 5 ) .
feliz por ser amigo de Jesus. Diga: "É tão bom ser
Confecção: Com uma cartolina, faça um grande
amigo de Jesus! Quem convida Jesus para vir morar
cartaz e escreva nele o versículo. Faça, com papel
em seu coração pode viver com Ele, para sempre,
ofício, coroas pequenas o suficiente para encobrir
lá no céu! Hoje, vocês aprenderão o que devem
algumas das palavras do versículo, de forma que
fazer para morar no céu tam bém ."
os alunos não possam visualizá-las.
Cantem juntos um hino que fale sobre o céu, ou
Explicação do versículo: Comece perguntando o
sobre a vida eterna. Pode ser o corinho "Meu coração
significado da palavra "ressurreição". Conforme ouvir
era sujo, mas Cristo aqui já enttou..."
as respostas dos alunos, complemente a explicação
Recortem e colem a figura do plano de frequência
como julgar necessário. Após certificar-se de que
de hoje. Depois, colem-na nos cartazes individuais.
todos tenham compreendido bem o sentido dessa
Acompanhados por um hino apropriado, recolham
palavra, explique: "Vocês sabiam que quem crê que
as ofertinhas.
Je su s é o Filho de Deus viverá para sem pre? Se
você já aceitou Jesu s como seu Salvador, você irá
VERDADE PRÁTICA para o céu um dia. Lá no céu, não existe a morte.
Lá, ninguém morre, porque Jesu s venceu a morte.
O amigo Jesus tem poder para vencer a morte.
Ele é mais poderoso do que a morte!"
Ele nos dá a vida eterna.
Para memorizarem o versiculo, recitem-no diversas
Professor, na aula de hoje, você terá a oportuni­
vezes, visualizando todo o cartaz. Depois, comece a
dade de fazer o apelo à salvação. A ressurreição
tampar aos poucos, com as coroas pequenas, algu­
de Lázaro evidenciou a divindade de Jesus. Esta
mas das palavras do versículo. Verifique se os alunos
lição deixará bem claro, para os alunos, que não
conseguem recitá-lo mesmo sem ver todas as palavras.
há nada impossível para Jesus. Ele tem poder até
para fazer ressuscitar. Neste episódio do livro de
João, o próprio Jesus afirmou: "Quem crê em mim,
ainda que morra, viverá". Assim, quem quiser viver
para sempre com Ele no céu, primeiramente deve
aceitá-Lo como salvador.
Com palavras simples, explique: "O amigo Jesus (Fig. 12.1) Vejam esse homem deitado na cama!
quer que você viva para sem pre com Ele no céu. Ele não está bem. O nome dele é Lázaro, e ele está
Mas para que você vá para o céu, deve convidar muito doente. Vocês sabem quem são essas duas
Jesus para morar dentro do seu coração". mulheres perto dele? Elas se chamam Marta e Maria.
Marta e Maria são irmãs de Lázaro. Elas estão muito
preocupadas, pois Lázaro está quase morrendo!
Marta e Maria eram amigas de Jesus e confiavam em
seu poder. Por isso, mandaram dizer a Jesus: - Senhor,
o seu querido amigo Lázaro está doente! - Jesus amava
muito Maria, Marta e Lázaro, mas não foi vê-lo imedia­
VOCÊ VAI PRECISA R tamente. Ele ficou mais dois dias no lugar onde estava.
Jesus, fínalmente, chegou à casa de Lázaro. Po­
Cartolina: rém... (faça suspense!) Q ue triste, crianças. Jesus
Papel cartão; demorou a chegar. Lázaro já tinha morrido, e havia
Materiais de arte variados, como: cola-fll«ar.
sido enterrado há quatro dias! Então, Marta disse a
purpunna. pape! laminado picado, etc.
Jesus: - Se o Senhor estivesse aqui, o meu irmão não
Barbante; teria morrido! Mesmo assim, eu confio no seu poder.
- O seu irmão vai ressuscitar - Jesus lhe respondeu.
- Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá!
Você acredita nisso? - Jesus perguntou à Marta.

-----' ■ M H H M M B n aaaao K g
- Sim, Senhor. Eu creio que o Senhor é o Filho Marta não queria que tirassem a pedra da entrada
de Deus. da gruta, porque já se havia passado quatro dias
E vocês, crianças? Creem que Jesus é o Filho de desde que Lázaro morrera. Mas, Jesus lhe disse: -
Deus? Vocês creem que Ele tem muito poder, e que Marta, se você crer, verá o poder de Deus!
é mais poderoso que a morte? Eu creio. O amigo Então, Jesus gritou: - Lázaro, venha para fora!
Jesus tem poder para vencer até a morte! O que vocês acham que aconteceu? Isso mesmo!
(Fig. 12.2) Maria também foi falar com Jesus. Ela (Fig. 12.3) O corpo de Lázaro voltou a ter vida. Ele
estava chorando bastante. Je su s ficou tão triste, ouviu a ordem de Jesus, levantou-se do túmulo, e
que também chorou. Depois, Jesus quis ver o lugar saiu andando da gruta!
onde Lázaro fora sepultado. Maria e Marta o levaram Jesus é muito poderoso. Ele consegue vencer até
até a gruta onde o corpo de Lázaro fora colocado. a morte. Vocês sabiam que quem convida Jesu s
(Explique o que é uma gruta). Na entrada da gruta, para vir morar em seu coração viverá com Ele para
tinha uma pedra bem grande que servia de porta. sempre no céu? Eu já convidei Jesus para morar no
-T ire m a pedra! - Jesus ordenou. meu coração. Quem também já fez isso?
Instruções para o apelo: Certifique-se de que
todos os alunos já tenham aceitado Jesu s como
Salvador Se algum ainda não o tiver feito, convíde-o
a aceitar Jesus. Façam a seguinte oração, pedindo
ao aluno que repita as frases: "Jesus, eu sei que o
Senhor é o Filho de Deus. Venha morar agora no
meu coração. Seja o meu amigo. Am ém ".

FIXANDO A APRENDIZAGEM
Providencie, para cada aluno, uma coroa feita de
papel cartão. Antes de regulá-la segundo o tamanho da
cabeça de cada aluno, eles a enfeitarão como acharem
melhor. Disponibilize diferentes materiais, como: cola-
glitter, purpurina, papel laminado picado, etc. Durante
essa atividade, reforce o ensino de hoje, dando mais
detalhes de como será a nossa vida no céu. Você pode,
por exemplo, dizer que no céu não acontecerá nada
de ruim, nem haverá tristeza, ou morte. Explique aos
alunos que esta coroa é para que se lembrem de que
possuem uma coroa, dada por Deus, lá no céu.

REVISTA DO ALUNO
1 Os alunos colarão um pedaço de barbante
no caminho ztue liga Jesus. Marta e Maria ao
túmulo de Lázaro.
2. As crianças enfeitarão, com cola colrda. o
desenho do palácio sobre as nuvens. Diga-lhes.
durante essa atividade, aue nós temos um lar
no céu. e gue um dia viveremos para sempre
com Jcsuô lá.
1 3 a aula

Lucas
17. 11-19

Para os alunos do Jardim de Infância, a interatividade


é fundamental. Para aprender, eles devem se relacio­
nar entre si, o que lhes ensinará que as pessoas são
diferentes umas das outras, e interagir com a maior
diversidade possível de recursos (brinquedos, mate­
riais de arte, livros, etc.). Quanto mais heterogêneo o
ambiente, mais os pequeninos extraem dele. A sala
de aula, portanto, deve apresentar diversos estímulos
(visuais, táteis, auditivos, palatáveis e olfativos). Sempre
que possível, inclua nas aulas objetos diferentes, que
produzam sons, água, areia, pedrinhas, ou algum tipo
de alimento que possam cheirar e degustar. O esforço
do professor em oferecer tais estímulos contribui na
organização da forma de pensar e agir dos alunos.
S E J A DEM-VINDO Senhor abençoa o papai no tra­
balho para que ele consiga ter um
Após receber com carinho a aco­
salário, todo mês, e comprar tudo o
modar todos os alunos, converse com
que você precisa (remédios, alimentos,
eles sobre o que fizeram antes de vir à igreja.
material escolar, etc.) Sem a bênção de Deus, não
Pergunte: "Vocês tomaram café da manhã? Com e­
teríamos nada disso!"
ram pão, ou beberam um leitinho? Que delícia! Mas
vocês se lembraram de agradecer ao Papai do Céu
pela comidinha do café da manhã? E pelo sol bem É HORA DO VERSÍCULO
lindo que está lá fora? Vocês agradeceram a Deus
pelo dia de hoje? É muito importante agradecer.
“Q u e -to d o o m e u s e r \ouve o
Vamos ficar em pé, agora, para orar e dizer obri­ S e n h o r [ ...]” ( S I 1 0 3 . 2 ) .
gado ao Papai do C éu?" Faça uma breve oração
de agradecim ento. Se preferir, peça a um aluno Confecção: Numa cartolina, faça uma grande si­
voluntário que faça a oração. lhueta de mão. Na ponta de cada dedo, cole figuras,
Cantem um hino apropriado à lição. Recolha as recortadas de jornais e revistas, que simbolizem as
ofertinhas. Aproveite para dizer que, quando en­ bênçãos que Deus nos dá (figuras de alimentos, de
tregamos a Deus a nossa oferta, também estamos roupas, de uma casa, de uma família, de flores, etc.).
agradecendo pelas coisas que Ele nos dá. Em cada dedo da mão, cole alguma dessas figuras,
e escreva, na palma, o versículo e a referência.
Explicação do versículo: Peça aos alunos que lhe
VERDADE PRÁTICA mostrem as mãos. Diga: "Vamos tentar contar todas
Devemos dizer obrigado a Deus por tudo o que as coisas boas que Deus nos dá?" Comece a dizer,
Ele faz por nós. com a ajuda deles, todas as coisas boas que o Senhor
É importante que os alunos entendam que tudo nos dá diariamente. À medida que forem falando, vá
vem de Deus. E xp liq u e , com palavras sim p les, contando nos dedos, e encoraje-os a fazer o mesmo.
que o dinheiro que o papai e a mamãe usam para Quando conseguirem mencionar mais de dez bênçãos,
com prar roupas e com ida é dado por Deus: "O fale assim: "Viram? Deus nos dá tantas coisas boas,
que nem somos capazes de contar todas elas! É por
isso que devemos sempre agradecer. Todos os dias,
temos de dizer obrigado ao Papai do Céu. Isso se
chama gratidão." Repitam o versículo muitas vezes,
e tentem recitá-lo sem ver o cartaz.

VOCÊ VAI PRECISAR (Antes de começar a história, cole rapidamente, em


suas mãos, alguns curativos de gaze e esparadrapo.
Cartolina;
Figuras de jornais e revistas: Com ece a história normalmente, e só explique aos
Gaze e esparadra po; alunos o que são esses curativos na hora certa).
Pazinhas de sorvete, feitas de madetra: (Fig . 13.1) Vejam , este homem é Je su s. Vocês
sabem onde Ele está? Ele está passando em um
Canetinhas.
povoado. Poucas pessoas vivem aqui. É uma vila
bem pequena. Vocês estão vendo esses homens
que estão chamando Jesus? Eles agitam os braços,
e gritam assim: - Jesus, Mestre, tenha pena de nós!
-Vam os contar quantos são? (Vá apontando a figura
e contando, com os alunos, em voz alta) Um, dois, minhar. Ele percebeu que havia sido curado, e quis
três, quatro... oito, nove, dez! Dez homens chamando voltar para dizer obrigado a Jesus, antes de ir falar
Jesus! Por que será que eles querem tanto falar com com o sacerdote. Mas quantos homens doentes
Jesus? Ó! Vejam a pele deles! Esses dez homens havia? Não eram dez? Sim, eram dez, mas somente
sofrem de uma doença muito ruim chamada lepra.
um voltou para agradecer. Os outros nove tinham
(Mostre suas mãos com os curativos à classe). A
tanta pressa de ir falar com o sacerdote, que se
lepra deixa o corpo com muitos machucados do­
esqueceram de dizer obrigado a Jesus.
lorosos. Quem fica doente de lepra sofre bastante
Vocês já receberam coisas boas de Jesus? Todos
com tantos machucados.
os dias, Deus nos abençoa de muitas formas. Ele s s r t
Jesus ouviu os homens, e lhes disse: - Vocês d e­
vem ir ver o Sacerdote, para que ele lhes diga que nos dá roupas e alimentos, e Ele nos livra de muitos
a lepra foi embora. perigos. É certo esquecer-se de dizer obrigado?
Os dez homens confiaram muito no poder de Jesus. Claro que não! Deus fica muito contente quando
Eles o obedeceram, e começaram a caminhar para ir agradecemos e o louvamos por tudo o que Ele faz
ver o sacerdote, antes mesmo de serem curados. (Fig. por nós. Por isso, devem os orar antes de comer,
13.2) Enquanto eles andavam, no meio do caminho, agradecendo pelo alimento, e devemos, também,
a lepra começou a sair do corpo deles. (Aos poucos, tirar um tempinho, todos os dias, para conversar
vá retirando os curativos das suas mãos). E então, a com Deus. Ele é nosso amigo, e gosta de ouvir a
pele desses homens ficou perfeita, bem limpinha,
nossa oração e o nosso louvor.
sem m achucado algum ! Q ue maravilha! Je su s é
tão poderoso para curar, que fez a doença sair do
corpo deles! (Mostre suas mãos sem os curativos). Vamos, todos juntos, dizer bem alto obrigado?
(Fig. 13.3) Olhem! Um dos homens parou cfe ca­ (Falem juntos) "Obrigado, D eus!"
REVISTADO ALUNO
1. Os alunos contarão quantas figuras de
homem foram feitas na revista. Depois, dever,
desenhar os homens que faltam, até chegarei
ao número dez. (Resposta: falta apenas um).

2. O s alunos vão cobrir a s letras do nome


de Jesus, Como nem todos os alunos foram
alfabetizados, escreva com letra de forma no
quadr-p, para que copiem.

0 QUE APRENDEM OS HOJE


Dê a cada aluno dez pazinhas de sorvete, feitas Sentados em círculo, conversem brevemente
de m adeira. Explique que cada pazinha será um sobre a aula: "Hoje aprendemos que Jesus faz
dos homens que tinham lepra. Usando canetinhas muitas coisas por nós, todos os dias. Por isso,
coloridas, as crianças desenharão, nas pazinhas, o não devemos deixar de agradecer. Temos de
rostinho e as roupas dos homens. Elas levarão estes dizer-lhe obrigado pelos alimentos, por nossa
bonequinhos de madeira para casa, como lembrança casa, família, escola, amigos, saúde, etc. Quem
da história de hoje. vai se lembrar de agradecer sempre ao Papai
do céu?"

S
SUBSÍDIOS
"Era exigido dos leprosos que ficassem afas­
tados das demais pessoas e que anunciassem
sua peresença, caso tivessem de aproximar-
se. Às vezes, a lepra regredia. Se um leproso
percebesse que a doença havia desaparecido,
deveria apresentar-se a um sacerdote que pu­
desse declará-lo limpo (Lv 14). Jesus enviou os
ESTUDOS DEVOCIONAIS
dez leprosos ao sarcedote antes de serem efe­
PARA CRIANÇAS
tivamente curados; e eles foram! Responderam Kenneth N. Taylor
com fé, e Jesus os curou enquanto estavam no
caminho. Sua confiança em Deus é tão forte que
você age conforme o que Ele diz, antes mesmo
Quarenta e oito devodonais
de ver alguma evidência positiva? reflexivos são ferramentas
Jesus curou todos os dez leprosos, mas só um excelentes para ajudar a introduzir |
retornou para agradecer, É possível receber a doutrina bíblica para crianças.
grandes dádivas de Deus com um espirito ingra­
to; nove dos dez homens fizeram isso. Porém,
som ente o agradecido aprendeu que sua fé
tinha representado um papel importante em
sua cura. Semelhantemente, apenas os cristãos
agradecidos crescem no entendimento da graça
de Deus. E o Senhor usa a nossa reação para
ensinar sobre Ele.
Aquele homem não era apenas um leproso; era
tembém um samaritano, menosprezado pelos
judeus por fazer parte de um povo composto
por mestiços e idólatras. Ao relatar a cura desse
leproso, uma vez mais Lucas destacou que a
graça de Deus é para todos.
(Bíblia de Estudo A p licação Pessoal, Rio de
Janeiro; CPAD, 2004, p. 1389).

Você também pode gostar