Você está na página 1de 32

MINISTÉRIO DA DEFESA

EXÉRCITO BRASILEIRO
SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS
DIRETORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA

CARTILHA
MEDIDAS DE RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS
COM ATIVIDADES DE APOIO ADMINISTRATIVO

1ª Edição
2019
SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS
DIRETORIA DE GESTÃO ORÇAMENTÁRIA
QGEx - Bloco I - 3º Andar
Setor Militar Urbano
Brasília-DF
Tel: (61) 2035-3306
www.dgo.eb.mil.br
E-mail: dgo@correio.eb.mil.br

Tiragem : 2.000 exemplares

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte
conforme a seguir: Cartilha de Medidas de Racionalização de Despesas com
Atividades de Apoio Administrativo; Secretaria de Economia e Finanças, Diretoria
de Gestão Orçamentária, Brasília/DF, 1ª Edição, 2019, 34 p.
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

APRESENTAÇÃO

A busca pela efetividade da despesa e a racionalização dos gastos públicos


deve ser uma preocupação constante dos gestores. Essa premissa toma maior
vulto em momentos de restrições orçamentárias.

Os atos e fatos administrativos são decorrentes de uma necessidade da


Organização Militar. A perfeita caracterização da necessidade e sua
justificativa são fundamentais para a garantia da efetividade dos
processos. O Princípio da Motivação determina que a Administração deve
justificar seus atos, apresentando as razões que a fizeram decidir sobre os
fatos em observância às suas atribuições legais.

O Comandante/Chefe/Diretor deve certificar-se de que todas as


despesas terão efetividade, isto é, a capacidade de promover os
resultados pretendidos, impactando de forma positiva na atividade-fim
da OM.
Para facilitar o trabalho do Ordenador de Despesas, esta Cartilha foi
concebida sob a forma de check list, permitindo a avaliação, em cada um dos
itens, se a OM atende integralmente (S), parcialmente (P) ou não atende (N)
às orientações.

Gen Ex MARCOS ANTONIO AMARO DOS SANTOS


Secretário de Economia e Finanças
SUMÁRIO

CAP 1 – GESTÃO DOS RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS .......................... 6

CAP 2 – AQUISIÇÃO DE MATERIAL (TIC, EXPEDIENTE E LIMPEZA) .... 10

CAP 3 – CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DE CARÁTER CONTINUADO 14

CAP 4 – DESPESAS COM ÁGUA E ESGOTO ..........................................19

CAP 5 – DESPESAS COM TELEFONIA .................................................. 22

CAP 6 – DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA ...................................... 24


RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 1
GESTÃO DE RECURSOS
ORÇAMENTÁRIOS

6
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

GESTÃO DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS


CHECK LIST
S P N
1.1 Tomar ciência dos recursos orçamentários
disponíveis, dos recursos previstos para serem
recebidos e das despesas da OM.
1.2 Certificar-se de que todas as despesas são
precedidas pela devida motivação do ato
administrativo, isto é, a perfeita caracterização da
necessidade e dos objetivos a serem alcançados.
1.3 Certificar-se de que todas as despesas terão
efetividade, isto é, capacidade de promover os
resultados pretendidos, impactando de forma
positiva na atividade-fim da OM.
1.4 Estabelecer, junto com seu Estado-Maior, uma
ordem de prioridades para o atendimento às
necessidades administrativas da OM, das atividades
mais essenciais para as menos essenciais, excluindo
as supérfluas, que não deverão ser atendidas.
1.5 Planejar e executar medidas e procedimentos no
âmbito da OM que resultem em uma efetiva
economia nas despesas com energia elétrica, água,
telefonia (fixa e móvel), contratos administrativos de
caráter continuado, material de expediente, de
limpeza e conservação, manutenção de bens móveis
e imóveis etc., monitorando os resultados,
estabelecendo metas de economia e, a critério do
Cmt/Ch/Dir, compartilhando as boas práticas por
meio da DGO.
7
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

GESTÃO DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS

CHECK LIST
S P N
1.6 Estabelecer uma rotina de extração das
faturas nos sítios eletrônicos das concessionárias
de serviços públicos (energia elétrica, água e
telefonia), de modo a que não haja atraso na
liquidação e no pagamento, evitando a cobrança
de multas e juros. Caso isso ocorra, apurar as
responsabilidades, registrando no Relatório de
Prestação de contas Mensal e informar à ICFEx de
vinculação.
1.7 Integrar o Grupo de Coordenação e
Acompanhamento das Licitações e Contratos
(GCALC) da Guarnição para a realização das
licitações de forma centralizada, conforme
prescreve a Portaria nº 1 - SEF, de 27 de janeiro
de 2014, que normatiza, no âmbito do Exército, o
Sistema de Registro de Preços (SRP), objetivando
a redução do custo operacional dos processos, o
aumento do poder de negociação com
fornecedores e a diminuição dos custos dos bens
e serviços.
1.8 Fazer cumprir as diversas orientações
expedidas pela DGO por meio de DIEx, de
mensagens SIAFI e da página eletrônica.

8
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

GESTÃO DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS

CHECK LIST
S P N

1.9 Empregar os créditos recebidos pela OM de


acordo com a finalidade escrita na Nota de
Crédito e com o escopo do Plano Interno (PI.
1.10 Realizar judiciosa gestão dos créditos
empenhados inscritos em Restos a Pagar Não
Processados (RPNP), a fim de garantir o
recebimento integral dos bens e serviços
empenhados no mais curto prazo possível, uma
vez que a anulação de tais empenhos ocasiona a
perda de créditos pelo Comando do Exército.
1.11 Tomar todas as medidas cabíveis para evitar
a incidência de processos de Despesas de
Exercícios Anteriores, nos casos em que possam
ser evitados.

9
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 2
AQUISIÇÃO DE MATERIAL
(TIC, EXPEDIENTE E LIMPEZA)

10
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

AQUISIÇÃO DE MATERIAL

CHECK LIST
S P N

2.1 Ter ciência de todo material existente nos


almoxarifados da OM, bem como aqueles a serem
recebidos dos empenhos inscritos em Restos a
Pagar.
2.2 Estabelecer como rotina do Cmt/Ch/Dir duas
visitas mensais aos almoxarifados e depósitos da
OM (a exemplo do que já ocorre com o Serviço de
Aprovisionamento).
2.3 Somente autorizar empenho para aquisição de
material que tenha previsão de consumo
conforme planejamento da Fiscalização
Administrativa.
2.4 Coibir as perdas de material nos almoxarifados
e depósitos por falta de uso (exemplo: cartucho de
tinta ou toner para impressoras que não são mais
usadas na OM).
2.5 Evitar estoques elevados de material por falta
de planejamento adequado da demanda, o que
contribui para as perdas.
2.6 Estabelecer metas (factíveis) de redução anual
no consumo de material de TIC, expediente e de
limpeza e conservação, monitorando
mensalmente os resultados parciais alcançados.

11
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

AQUISIÇÃO DE MATERIAL
CHECK LIST
S P N
2.7 Basear-se em dados estatísticos para o
estabelecimento de itens e quantidades para
cada dependência ou SU em seus pedidos ao
Almoxarifado.
2.8 Eliminar a prática de estoques de materiais
paralelos nas dependências da OM.
2.9 Fazer com que somente ocorra a distribuição
de material dos almoxarifados após pedido por
meio do SISCOFIS.
2.10 Reavaliar mensalmente as necessidades de
material das seções/SU, a fim de evitar pedidos
desnecessários.
2.11 Fiscalizar o emprego de material de
consumo nas seções/SU, a fim de evitar sua
utilização em atividades que não sejam relativas
ao serviço.
2.12 Reduzir as despesas com impressão.
2.12.1 Buscar a redução da quantidade de
impressoras da OM, por meio do estabelecimento
de “ilhas de impressão”.
2.12.2 Evitar a impressão desnecessária de
documentos, revisando-os antes na tela do
computador e utilizando, sempre que possível,
documentos digitalizados ou eletrônicos.

12
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

AQUISIÇÃO DE MATERIAL

CHECK LIST
S P N
2.12.3 Utilizar, sempre que possível, o verso das
folhas para impressão; para isto, configurar as
impressoras para impressões frente e verso.
2.12.4 Realizar as impressões monocromáticas
somente em impressoras deste tipo e no modo
econômico.
2.12.5 Utilizar as impressoras coloridas somente
quando necessário, de preferência no modo
econômico, restringindo seu uso ao mínimo
possível e atentando para não utilizá-las para
impressões monocromáticas.
2.13 Manter no sítio eletrônico da OM aviso
permanente de campanha de conscientização
para economia e racionalização do uso de
material de consumo.
2.14 Observar a Portaria nº 125 - Cmt Ex, de 24
de fevereiro de 2012, que dispõe sobre a
aplicação de recursos públicos em solenidades,
cerimoniais, homenagens, eventos
comemorativos, recepções, trocas de brindes e
quaisquer outros eventos do gênero, no âmbito
do Exército Brasileiro.

13
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 3
CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DE
CARÁTER CONTINUADO

14
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

CHECK LIST
S P N
As UG só devem celebrar contratos
administrativos de caráter continuado após
autorizados pela DGO.
A DGO mantém um banco de dados de todos
os contratos administrativos firmados pelas OM,
organizado por UG, RM e cidade/UF, com as
informações enviadas pelas UG sobre os contratos
(objeto, vigência, valor mensal e CNPJ do
contratado), para fins de análise, comparação e
avaliação de valores praticados.
3.1 Avaliar a pertinência e efetividade da existência
de cada um dos contratos da UG, comparando seus
valores com os praticados no mercado.
3.2 Manter todos os contratos administrativos de
caráter continuado firmados pela UG atualizados no
banco de dados da DGO: objeto do contrato,
vigência, valor mensal e o CNPJ do contratado.
3.3 Solicitar autorização à DGO antes de aditivar por
novo período e/ou firmar um novo contrato
administrativo, com a devida antecipação (no
mínimo 90 dias), para análise do pleito no tocante
às possibilidades orçamentárias.
3.4 Cadastrar os contratos administrativos
previamente autorizados pela DGO no SIASG/
SICON.
15
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

CHECK LIST
S P N
3.5 Verificar o cumprimento das disposições
contratuais, técnicas e administrativas, em todos os
seus aspectos, através do acompanhamento e
fiscalização do contrato, os quais são instrumentos
poderosos para o OD na correta condução da
administração da UG.
3.5.1 Ter ciência dos artigos 66 a 71 da Lei nº
8.666/1993 (Anexo B), que definem as atividades
inerentes ao encargo de Fiscal de Contrato,
verificando seu cumprimento para cada um dos
contratos da UG.
3.5.2 Designar em Boletim Interno da OM os fiscais
de cada um dos contratos administrativos da UG,
sendo , de preferência, do setor que solicitou o bem
ou serviço.
3.5.3 Verificar se os militares com encargo de Fiscal
de Contrato tem capacitação para a atividade, de
modo a que disponham das ferramentas
necessárias para efetiva fiscalização.
3.5.4 Verificar se cada um dos fiscais de contrato da
UG dispõe de livro para registro de todas as
ocorrências relacionadas com a execução do
contrato, com as determinações do que for
necessário para regularização das faltas ou defeitos
observados (§1º do Art 67).

16
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

CHECK LIST
S P N
3.5.5 Verificar se houve o caso de decisões ou
providências que ultrapassaram a competência do
Fiscal de Contrato, sendo solicitadas a seus
superiores em tempo hábil para a adoção das
medidas necessárias (§2º do Art 67).
3.5.6 Certificar-se, pelos fiscais de contrato, que
cada um dos contratados mantém preposto, aceito
formalmente pela UG, no local da obra ou serviço,
para representá-lo na execução do contrato (Art
68).
3.5.7 Certificar-se, pelos fiscais de contrato, se há
ou houve caso de necessidade de acionamento do
contratado para que, às suas expensas, fosse
obrigado a reparar, corrigir, remover, reconstruir ou
substituir, no total ou em parte, o objeto do
contrato em que tenham sido verificados vícios,
defeitos ou incorreções resultantes da execução ou
de materiais empregados em cada um dos
contratos (Art 69)
3.5.8 Certificar-se, pelos fiscais de contrato, se há
ou houve caso de necessidade de acionamento do
contratado para que ressarça algum dano causado
à OM ou a terceiros, decorrentes de sua culpa ou
dolo na execução do contrato (Art 70).

17
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

CHECK LIST
S P N
3.5.9 Verificar e, a seu critério, publicar em BI da
OM que foi verificado pelos fiscais de cada um dos
contratos da UG a regularidade quanto aos
encargos trabalhistas, previdenciários, fiscais e
comerciais resultantes da execução do contrato, de
responsabilidade do contratado (Art 71).
3.5.10 Ter ciência de que a inadimplência dos
contratados, com referência aos encargos
trabalhistas, fiscais e comerciais, não transfere à
UG a responsabilidade por seu pagamento, nem
poderá onerar o objeto do contrato ou restringir a
regularização e o uso das obras e edificações,
inclusive perante o Registro de Imóveis. (§1º do Art
71).
3.5.11 Ter ciência de que a UG responderá
solidariamente com o contratado pelos encargos
previdenciários resultantes da execução do
contrato, nos termos do art. 31 da Lei nº 8.212, de
24 de julho de 1991 (§2º do Art 71).
3.5.12 Instruir cada um dos militares que
desempenham a função de Fiscal de Contrato
sobre a Instrução Normativa nº 5, de 25 de maio
de 2017, do então Ministério do Planejamento,
Desenvolvimento e Gestão, que dispõe sobre as
regras e diretrizes do procedimento de contratação
de serviços sob o regime de execução indireta no
âmbito da Administração Pública Federal Direta,
Autárquica e Fundacional. 18
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 4
DESPESAS COM ÁGUA E ESGOTO

19
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ÁGUA E ESGOTO


CHECK LIST
S P N

4.1 Manter ou implantar um sistema de


monitoramento diário do consumo de água por
meio do pessoal de serviço da OM.
4.2 Vistoriar semanalmente todas as instalações
hidráulicas, dando especial atenção para
problemas que possam acarretar aumento do
consumo, como vazamentos em torneiras,
duchas, chuveiros, bebedouros e válvulas de
descarga.
4.3 Estimular o uso consciente da água ao lavar
as mãos, tomar banho ou dar descarga no vaso
sanitário, colocando adesivos com mensagens
educativas.
4.4 Providenciar, de imediato, o conserto de
torneiras, duchas, chuveiros, bebedouros e
válvulas de descarga com vazamento.
4.5 Verificar se a limpeza das instalações da OM
é feita sem o uso excessivo de água, sempre que
possível com panos umedecidos.
4.6 Priorizar a aquisição e instalação de
torneiras com temporizadores, caixas de
descargas mais econômicas e outros dispositivos
que economizem água.

20
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ÁGUA E ESGOTO

CHECK LIST
S P N
4.7 Analisar a viabilidade de complementar o
abastecimento de água da Concessionária que
abastece a OM por poços artesianos, buscando o
assessoramento técnico da Comissão Regional de
Obras (CRO) ou da Seção Regional de Obras
(SRO) da Região Militar.
4.8 Buscar maneiras menos dispendiosas de
lavagem de viaturas, de pátios e de irrigação de
jardins, de forma a manter a boa apresentação
com economia de água.
4.9 Analisar a viabilidade econômica de
implantação de um sistema de captação e
utilização de águas pluviais destinado à limpeza
de pátios, corredores, banheiros, irrigação de
plantas e lavagem de viaturas.

21
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 5
DESPESAS COM TELEFONIA

22
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM TELEFONIA


CHECK LIST
S P N
5.1 Realizar processos licitatórios centralizados no
âmbito da Guarnição, por meio do GCALC, para a
telefonia móvel.
5.2 Verificar a quantidade de celulares funcionais
existentes na OM e a respectiva necessidade
operacional, buscando o número mínimo possível,
observando as determinações contidas na Portaria
nº 53 – Cmt Ex, de 27 de janeiro de 2016, que
disciplina , no âmbito do Comando do Exército, a
aplicação do disposto no Art 6º do Decreto nº 8.540,
de 9 de outubro de 2015, e no Decreto nº 8.541, de
13 de outubro de 2015.
5.3 Analisar a fatura mensal e verificar se a cobrança
está de acordo com o estabelecido no contrato
firmado com a operadora.
5.4 Utilizar o RITEx sempre que possível.
5.5 Padronizar o sistema de telefonia para que as
ligações interurbanas sejam realizadas com o código
da operadora contratada pela UG.
5.6 Determinar o uso do telefone somente a serviço.
Nos dias atuais, onde todos possuem linhas de
telefonia celular, não se faz mais necessário o uso de
telefone da OM para atender necessidades pessoais.
5.7 Incentivar o uso de aplicativos de mensagem de
texto por meio da internet.
23
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

CAPÍTULO 6
DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA

24
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA

CHECK LIST
S P N
As despesas com energia elétrica são o maior
“vilão” do apoio administrativo, correspondendo a
mais de 10% de todas as despesas discricionárias do
Comando do Exército.
A DGO/SEF e a DOM/DEC estão buscando
alternativas mais econômicas, como o Mercado
Livre de Energia e o uso de energia fotovoltaica.
As OM, por sua vez, devem buscar:
 racionalizar o uso de energia elétrica;
 buscar o uso crescente de lâmpadas LED; e
 adequar o contrato de fornecimento de
energia ao seu perfil de consumo.
6.1 Acompanhar a leitura diária do relógio de
consumo de energia elétrica, e, ao detectar alguma
discrepância, investigar a causa do aumento de
consumo.
6.2 Revisar a rede elétrica da OM, procurando
identificar possíveis pontos de desperdício de
energia.
6.3 Manter, no sítio eletrônico da OM, aviso
permanente de campanha de conscientização dos
militares e servidores civis para redução no
consumo de energia elétrica.

25
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA


CHECK LIST
S P N

6.4 Racionalizar o uso de aparelhos de ar


condicionado.
6.4.1 Manter a regulagem dos termostatos dos
aparelhos em 23°C ou em 50% do botão de giro do
termostato.
6.4.2 Manter portas e janelas fechadas, evitando o
desperdício do ar climatizado.
6.4.3 Vistoriar mensalmente todos os aparelhos de ar
condicionado, verificando o estado dos filtros e a
limpeza das saídas de ar.
6.4.4 Desligar os aparelhos de ar condicionado
quando o ambiente estiver desocupado.
6.4.5 Manter os aparelhos de ar condicionado
desligados ou apenas ventilando, nos dias frios ou no
inverno.
6.5 Racionalizar o uso de lâmpadas elétricas,
computadores, aquecedores, geladeiras, freezers,
frigobares, eletrodomésticos em geral, elevadores e
demais equipamentos eletroeletrônicos.
6.5.1 Priorizar a aquisição e instalação de lâmpadas
mais eficientes e duráveis (LED).

26
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA


CHECK LIST
S P N
6.5.2 Orientar os militares a desligar as lâmpadas e os
equipamentos no interior das instalações que não
estiverem em uso, principalmente nos horários de
almoço e ao término do expediente, ressalvadas as
eventuais exigências do serviço e da segurança
orgânica.
6.5.3 Determinar ao pessoal de serviço o imediato
desligamento, ao amanhecer, da iluminação onde
não mais se fizer necessária.
6.5.4 Verificar se há lâmpadas acesas na OM sem
necessidade e providenciar para que sejam mantidas
desligadas, sem prejuízo da segurança.
6.5.5 Reduzir a iluminação em áreas de circulação,
pátios de estacionamento e garagens, desde que não
prejudique a segurança orgânica.
6.5.6 Manter os globos, lustres e luminárias sempre
limpos para aproveitar ao máximo a potência das
lâmpadas.
6.5.7 Evitar a realização de eventos noturnos e
reduzir a iluminação ornamental da OM.
6.6 Padronizar os computadores da OM com a
ferramenta de gerenciamento de energia do sistema
operacional e o modo econômico do monitor (energy
saver), utilizando para isso sua Seção de TI.

27
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA


CHECK LIST
S P N
6.7 Racionalizar o uso de aquecedores de
ambientes e de água (boilers):
6.7.1 Ajustar o termostato do equipamento de
acordo com a temperatura ambiente.
6.7.2 Ligar o aquecedor apenas durante o tempo
necessário no ambiente desejado e colocar um
temporizador para que essa função se torne
automática.
6.8 Racionalizar a utilização de bebedouros,
desligando o equipamento no final do expediente.
6.9 Priorizar a aquisição de equipamentos que
possuam conceito “A” do selo de certificação
PROCEL do INMETRO.
6.10 Racionalizar a utilização de elevadores.
6.10.1 Estimular o uso das escadas para os
primeiros pavimentos e para subir ou descer poucos
andares, evitando o uso dos elevadores.
6.10.2 Fazer o revezamento de elevadores,
mantendo somente um em serviço quando não
prejudicar o expediente.
6.10.3 Manter campanha permanente pela
utilização consciente dos elevadores, com a
colocação de adesivos com mensagens educativas,
como não chamar mais de um elevador
simultaneamente.

28
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA

CHECK LIST
S P N

6.11 Verificar qual o tipo de contrato existente entre


a UG e a concessionária. Se a entrada de energia da
OM for de baixa tensão, o contrato mais adequado é
o convencional. Se for de média ou alta tensão, o
mais adequado é o horo-sazonal verde. É primordial
buscar o assessoramento, tanto da concessionária
quanto da SRO/CRO de vinculação, para a adoção do
melhor contrato.
6.12 Orientar o Fiscal de Contrato a manter controle
cerrado sobre os valores e medições das faturas de
energia elétrica da OM, dando especial atenção nos
períodos de aumento e redução do efetivo normal
(meio-expediente, baixas e ausências de efetivo para
exercício no terreno, operações etc.).

29
RACIONALIZAÇÃO DE DESPESAS

DESPESAS COM ENERGIA ELÉTRICA

CHECK LIST
S P N

6.13 Fazer uso das informações contidas no Anexo B


das Orientações aos Agentes da Administração e
das cartilhas disponíveis nos sítios eletrônicos da
DGO e dos Ministérios da Economia e das Minas e
Energia, disponíveis nos endereços:
Orientações aos Agentes da Administração/2018:
http://intranet.dgo.eb.mil.br/images/seo/legislacao
/OAA_0718.pdf
Cartilha Energia: como analisar gastos com
energia elétrica:
http://www.planejamento.gov.br/secretarias/uploa
d/arquivo/asege/cartilha-de-energia-v03-1.pdf
Manual de Tarifação da Energia Elétrica
http://www.mme.gov.br/documents/10584/198524
1/Manual%20de%20Tarif%20En%20El%20-
%20Procel_EPP%20-%20Agosto-2011.pdf

Caso o Senhor tenha sugestões, comentários ou observações, favor


encaminhar para o e-mail seo@dgo.eb.mil.br ou via DIEx ao Subdiretor de
Gestão Orçamentária.
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
____________________________________________________________

30

Você também pode gostar