Você está na página 1de 4

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A promoção de hábitos alimentares e práticas alimentares saudáveis tem início


na infância, com o aleitamento materno. Essa prática faz parte da adoção de
estilos de vida saudáveis, sendo um importante componente na promoção da
saúde e da qualidade de vida (Philippi, 2004).
Entende-se por qualidade de vida aquilo que é bom e compensador nas áreas
social, afetiva, profissional e no que se refere à saúde. Para que um indíviduo
tem uma boa qualidade de vida é necessário a interação entre todas as áreas.
A busca do homem por uma alimentação equilibrada é antiga, porém é recente
a preocupação por uma alimentação saúdavel, segura, preparada com técnicas
culinárias adequadas e integrada ao meio ambiente sustentável (Philippi,
2004).
A alimentação saudável é entendida como aquilo que se bebe e se come, que
proporciona bem-estar, mas sem causar danos à saúde. Para ser considerada
saudável, a alimentação deve ser planejada com alimentos de todos os tipos e
de procedência conhecida. Os alimentos devem ser consumidos de preferência
na sua forma natural, adequados qualitativa e quantitativamente, pertencentes
ao hábito alimentar, preparados de forma a preservar os valores nutritivos, os
aspectos sensoriais e seguros sob o ponto de vista higiênico-sanitário. Os
indivíduos devem fazer as refeições em ambientes “calmos”, mastigando
adequadamente e com tempo para satisfazer as necessidades nutricionais,
emocionais, sociais e para a promoção de uma qualidade de vida saudável
(Philippi, 1999).
A elaboração das fichas técnicas e o desenvolvimento das receitas culinárias
com definição das técnicas de pré-preparo, preparo e armazenamento são
fundamentais para garantia do valor nutritivo – conceito este ligado ao valor da
composição do alimento e dos aspectos sensoriais dos alimentos a serem
oferecidos.
GUIAS ALIMENTARES – PIRÂMIDE ALIMENTAR

Foi desenvolvido um Guia Alimentar pelo Ministério da Saúde para prevenir as


Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), adequando orientações sobre
dieta e atividade físicas às novas diretrizes alimentares preconizadas na
Estratégia Global (Ministério da Saúde, 2005). A alimentação saudável e a
atividade física regular são aliadas fundamentais para a manutenção do peso
saudável, redução do risco de doenças e melhoria da qualidade de vida.
A primeira pirâmide alimentar adaptada a população brasileira (Philippi, 1999)
baseou-se no planejamento de três dietas (1.600 Kcal, 2.200 Kcal e 2.800 Kcal)
para o estabelecimento do número de porções dos diferentes grupos
alimentares. Houve a necessidade de se utilizar medidas usuais de consumo,
assim como o respectivo peso em gramas dos alimentos.
Com a apresentação da pirâmide alimentar americana (Dietary Guidelines for
Americans, 2005), da legislação para rotulagem dos alimentos e do Guia
Alimentar brasileiro do Ministério da Saúde, pensou-se na adaptação da
pirâmide com o planejamento do número de porções para uma dieta de 2.000
Kcal. Em 2013 uma nova proposta foi implementada com o redesenho e a
inserção de novos alimentos na Pirâmide Alimentar, possibilitando uma melhor
adaptação à dieta e destaque aos hábitos culturais dos brasileiros.
Cada região do país possui suas especificidades e práticas alimentares. No
Nordeste, por exemplo, a carne-seca e de bode são bons exemplos da cultura
regional. Da terra seca do sertão também saem ingredientes-chave para a
cozinha local. Batata-doce, inhame, milho e jerimum acompanham pratos com
feijão-de-corda, a exemplo do baião de dois e do arrumadinho. Frutas regionais
como caju, goiaba e graviola também devem ser inseridas na dieta.
Uma alimentação saudável deve ser composta por quatro a seis refeições
diárias, distribuídas em três refeições principais (café da manhã, almoço e
jantar) e três lanches intermediários (manhã, tarde e noite). O objetivo é haver
um equilíbrio e uma alimentação diversificada e não apenas restrições.
Alimentação saudável é o mesmo que dieta equilibrada ou balanceada, e pode
ser resumida por três princípios:
1. Variedade: é importante comer diferentes tipos de alimentos pertencentes
aos diversos grupos; a qualidade dos alimentos tem que ser observada;
2. Moderação: não se deve comer nem mais nem menos do que o organismo
precisa; é importante estar atento à quantidade certa de alimentos;
3. Equilíbrio: quantidade e qualidade são importantes: o ideal é consumir
alimentos variados, respeitando as quantidades de porções recomendadas
para cada grupo de alimentos. Ou seja, “comer de tudo um pouco”.

A PIRÂMIDE DOS ALIMENTOS


Nem sempre sabemos se estamos comendo com variedade, moderação e
equilíbrio. Para tornar isso mais simples, foi desenvolvido um instrumento
educativo que pode ser facilmente usado pela população. A pirâmide mostra o
que devemos comer no dia-a-dia. Não é uma prescrição rígida, mas um guia
geral que nos permite escolher uma dieta saudável e conveniente, que garante
todos os nutrientes necessários para a nossa saúde e bem-estar.

Os grupos de alimentos da pirâmide


Na pirâmide, os alimentos estão divididos em oito grupos básicos. O número de
porções de cada grupo que devemos consumir diariamente está recomendado
na Pirâmide de Alimentos. Confira:
- Grupo dos pães, cereais, massas, batata e mandioca – 6 porções:
Esses alimentos são responsáveis pelo fornecimento de energia para o nosso
organismo e por isso devem ser consumidos em maior quantidade. O ideal é
consumir 6 porções por dia.
- Grupo dos vegetais e verduras/ grupo das frutas – 3 porções:
Esses dois grupos apresentam funções semelhantes. São chamados de
alimentos reguladores, eles são muito importantes pois fornecem todas as
vitaminas e minerais de que precisamos. Além disso, também são ricos em
fibras. Devemos comer 3 porções de vegetais e 3 porções de frutas todos os
dias.
- Grupo do leite, queijo e iogurte – 3 porções:
São importantes fontes de cálcio. Devemos consumir cerca de 3 porções ao
dia.
- Grupo das carnes e ovos/ grupo dos feijões e oleaginosas – 1 a 2 porções:
O principal nutriente desses dois grupos é a proteína, essencial para o reparo e
construção de todos os tecidos do nosso organismo. Prefira as carnes magras,
o frango sem pele e o peixe sem couro. O melhor é comer carnes assadas,
cozidas ou grelhadas. O número de porções é de 1 a 2 porções.
- Grupo dos óleos e gorduras/ grupo dos açúcares e doces – 1 porção:
Estes dois grupos ficam na parte superior da pirâmide, que é mais estreita, pois
é composto pelos alimentos que devemos consumir em menor quantidade,
consumo moderado. Deve-se consumir 1 porção por dia.
É importante salientar que a posição dos alimentos na pirâmide não se dá por
importância e sim por necessidade e quantidade. Assim, o grupo dos pães, por
exemplo, não é mais importante que o grupo dos vegetais. Apenas deve ser
consumido em maior quantidade para suprir as necessidades do organismo.
Cada grupo apresenta um nutriente principal, de modo que as necessidades
variam (o organismo precisa de maior quantidade de carboidratos que de
vitaminas e minerais, e por isso os alimentos do grupo dos pães devem ser
consumidos em maiores quantidades e assim por diante).

Fonte: TUCUNDUVA, Sonia Philippi, 3°edição, 2014.

Você também pode gostar