UNIVERSIDADE PAULISTA ARQUITETURA E URBANISMO NUCLEO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HOTEL FAZENDA

Orientanda: Aline Neme Marmontel Orientador: Prof. Paulo Canguçu Fraga Burgo

Bauru Junho/2011

UNIVERSIDADE PAULISTA ARQUITETURA E URBANISMO NUCLEO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HOTEL FAZENDA
Orientanda: Aline Neme Marmontel

Trabalho

a

presentado

a

Universidade

Paulista Campus Bauru como parte dos requisitos para a obtenção do grau em Arquiteto e Urbanista.

Orientador: Prof. Paulo Canguçu Fraga Burgo

Bauru Junho/2011

1. VIDA NA FAZENDA Nos séculos passados, viver nas fazendas era regado de tranquilidade, simplicidade e harmonia. A comida sempre boa e farta. Podia-se tirar a fruta do pé, tomar leite fresco, ter frutas e legumes sem agrotóxicos, cultivados em sua própria propriedade. É nesse cenário, que possuía grande conceito arquitetônico, que se desenvolvia a sociedade, a política e a economia. A arquitetura, simples e prática, era parte do cotidiano, forjando a cultura dos modos de interagir e socializar dos moradores.
Nas fazendas, a entrada da casa era por uma primeira sala que servia para o fazendeiro se entender com o pessoal da administração: o fiscal (feitor), o administrador e era como que o escritório de negócios. Ai se recebia os estranhos e quando algum transeunte da estrada gritava da porteira fronteira a casa “Ó de casa”, mesmo de sua rede o dono desta perguntava: “Quem vem lá” a resposta era: “É de paz”, e o fazendeiro retrucava: “Então apeie e entre”. O forasteiro apeava na porta da casa e o pajem escravo ou camarada levava o animal para cachoeira e dava alimária água e comida. (MOURA, 1988. p.176).

Nos interiores das residências encontravam-se redes espalhadas por todos os cantos, seus mobiliários eram geralmente feitos pelos escravos carapinas que, segundo Fulano, eles possuíam conhecimentos de carpintaria e marcenaria. Nas famílias mais abastadas, havia ainda no quarto, um discreto mancebo, uma coluna de madeira solida em redor duas ou três ordens de cabides intercalados, à moda de um na espiral, para se pendurar muitos trajes neles (CICLANO), as camas tinham sob o colchão, ocupando o mesmo espaço, um ou dois gavetões onde se guardavam os pertences os objetos de valor. Nas salas, sobre a mesa de centro, sempre havia um lampião de querosene, que veio a ser substituído mais tarde pelas lâmpadas belgas, penduradas no teto por fortes correntes de ferro. No forro era utilizado papel de seda trançados para atrair as moscas e insetos alados e assim não molestarem as visitas e seus moradores. Tempos depois, surgiu a Casa Grande, parte da origem da sociedade brasileira, que representa as contradições da terra convivendo um equilíbrio assimétrico entre o negro e o branco, o escravo e o senhor.

Em seu programa. representa a típica Casa-Grande em São Paulo no século XVII. surgiu uma sociedade fundamentada na exportação e estabelecida em uma unidade de produção. 1933). reconstituída em Butantã. raramente eram sobrados. “A partir de 1532. onde os padres habitavam. O sistema construtivo adotado era a de taipa de pilão. A Casa do Bandeirante. F. sendo alguns até como senhor de engenho. Burgo) . a casagrande. seu núcleo de dinâmica social e política” (FREYRE. muito grossa e de madeiramento forte. Figura 1 . incentivada pela Coroa. havia anexa uma capela.Casa de Fernão Pais de Barros em São Roque (Fonte: Paulo C. com janelas e portas resistentes.Casa do bandeirante no Butantã (Fonte: ) Figura 2 . assim como a Casa Fernão Pais de Barros em São Roque.

Assim este passava a cultivar e comercializar. Em seu exterior. as vestimentas. artefato que substituía o hotel para os homens em caso de necessidades. e os assistentes administrados ficavam também para hóspedes. portugueses e índios introduziram diferentes alimentos no Brasil. e possuía um toldo. Se a fazenda não tinha capela à porta. A Igreja e o Estado brigavam o tempo todo. que eram cercados de couro de bois. O principal meio de transporte. a habitual era a carne de porco. que era chamada de “a de ver Deus” (FULANO). tinha paredes de cor branca e as esquadrias eram azuis. casa-grande do litoral. além dos cavalos. . e as fazendas de criar. O repartimento interno dos vários cômodos não se fixou como na casa urbana sete-oitocentista. ao menos uma delas. O discurso religioso trata-se da disseminação do cristianismo entre o índio e o africano. as cercas.Penso que os dois cômodos que ladeiam o pretório são mesmo duas salas.39). p. Os telhados tinham quatro águas e contavam com alpendres frontais e superiores. eram os carros de boi. Quanto aos modos e costumes. como os ranchos e casas de serviço. Como no caso dos filhos híbridos nascidos de escrava com seu senhor que recebiam pedaços de terra do pai ou parte de sua herança. que era o quarto de banho da época. aposentos tão amplos. querendo amenizar a violência nas fazendas contra os escravos. sai-se da varanda. para resguardo dos passageiros. não dormitórios. eram feitas pelas escravas. inserindo-se na sociedade. entra-se por outros dois e sai-se na outra sala. Africanos. mas se apoiavam para controlar a colônia. A refeição de uma família fazendeira constava de leite fresco tirado direto da vaca. Consumia-se pouca carne de vaca. Nesta época. mas podemos citar outros tipos. de uma noite casual. café com bolos e biscoitos caseiros. o moinho de fubá. Não havia apenas as casas bandeiristas como de moradia. O paulista antigo não reservava para hospedes que às vezes nem conhecia. feijão mulatinho que se misturava com torresmo e farinha de milho ou de mandioca. Não admira haver quartos comunicantes. Era o tempo das alcovas. (MOURA. tendo deixado um desvão escuro. Basta dizer que a sala de jantar e de estar pode ligar-se diretamente ao pretório. 1988. o monjolo. atravessam-se dois cômodos de dormitório. um desses cômodos tinha sempre o oratório. por exemplo. os sítios. vendo-se até o nicho na parede. pela sala da direita. Na casa de Sorocaba entra-se. e as roupas mais finas eram usadas nos domingos para irem à missa.

O homem acha que o trabalho físico não o dignifica. Pessoas mais antigas que possuem essa memória. É o momento das animadas festas. O passado é encarado como “o século de ouro”. Mas é o rural o solo fértil que possibilita a vida urbana. trata-se da construção mental de um passado que resulta dos sonhos individuais e da memória de grupos que sentem ter perdido o espaço visto como sua herança. percebe-se uma substancial mudança até mesmo no estilo de vida. a transição entre campo e cidade foi marcada por um momento de intensa europeização. por posse e antiguidade na terra conquistada por seus antepassados. ora muito úmido. local onde havia uma variedade de pessoas e de produtos e onde todos podiam se distrair. Comparando mobiliários.A agricultura açucareira predominava na região Norte do país. . por nascimento. Neste contexto. como para eles as lembranças são agradáveis em sua maioria. mas sim o intelectual. onde o fausto e o luxo passam a ter imenso valor. já a agricultura do café predominava na região Sul. onde o predomínio do ruralismo foi antes um fenômeno típico do esforço dos nossos colonizadores que uma imposição ao meio. muitas delas religiosas. adotam-se modelos como. Não houve policultura devido às adversidades produzida pelo clima brasileiro. objetos. 1988. a vida da cidade se desenvolveu de forma anormal e prematura. entre essa geração e a passada. segundo Scarano. o sentimento de nobreza e a aversão ao trabalho físico saem da Casa-Grande e invadem as cidades. O que restou na memória daquele tempo rural. Minimizam ou se esquecem dos conflitos e. p. o da França. julgam boas as relações entre senhores e escravos.144). idílica a convivência naqueles períodos entre pessoas de sua categoria social e também como os agregados e escravos. falam da simplicidade de costumes e não deixam de mencionar uma busca pelos enobrecimentos e o desejo de ostentar costumes requintados. que marcaram a vida das vilas e cidades que cresceram em conseqüência do desenvolvimento rural. Porém. (SCARANO. para Holanda. Com isso o trabalhador tem que virar máquinas. Com a Revolução Industrial. sendo ora muito seco. sempre a monocultura e a utilização de trabalho escravo. por exemplo.

fonte de renda e riqueza. . A terra de lavoura deixa de ser o local de morada. para tornar-se. unicamente meio de vida.As cidades ganharam autonomia em relação ao mundo rural.

Europa e África. mais tarde. . com a melhoria no sistema de transporte e comunicação o turismo passa por uma transformação radical. Na Idade Média. A DEFINIÇÃO DE UM HOTEL É um estabelecimento que deve oferecer um serviço de alojamento. antigamente.2. A partir da Segunda Guerra Mundial.2. HOTELARIAS 2. e pode também oferecer refeições. que vai definir o seu estilo. principalmente em países desenvolvidos. nos palácios da nobreza ou nas instalações militares e administrativas. alimentos e bebidas. 1989. onde houve o crescimento da renda da população e a sociedade de consumo de massa ampliou-se para o setor de lazer e de turismo. bar. mas será a diferenciação dos serviços. atraiam os viajantes. informações turísticas e de caráter geral. p13). tornando-se uma atividade econômica significativa. “Um hotel é conceituado por uma instituição de caráter publico e oferece ao viajante. atendê-los era questão moral e espiritual. alojamento. Ele tem como objetivo principal a acomodação. com a chegada das monarquias nacionais. as hospedagens eram feitas em mosteiros e abadias. Essas rotas geraram muitos centros urbanos e centros de hospedagem. a hotelaria aperfeiçoa-se e criar conceitos próprios. INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA HOTELARIA As hospedarias surgiram quando as rotas comerciais na Ásia. Nessa época. a hospedagem era exercida pelo próprio Estado.1.” (TORRE. assim como o entretenimento. 2. quando há uma expansão acelerada da economia de todo o globo. sendo assim.

Os visitantes de várias localidades se dirigiam à Olímpia para assistir aos jogos Olímpicos.2. que foram de imensurável importância para o Turismo Mundial. Diferente das hospedagens das Olimpíadas. não se sabe precisar como surgiu à atividade hoteleira no mundo.. apoio e alimentação durante as viagens.Grécia Fonte: Na Europa. as pousadas romanas faziam parte do sistema econômico das cidades. isso gerou a necessidade de hospedagem dos funcionários que levavam correspondências. foi os Jogos Olímpicos. Os romanos. no inicio da expansão do Império começaram a construir estradas entre as cidades conquistadas. . competições essas que duravam dias. para a maioria dos autores e históricos especialista. De acordo com Almanaque Abril de 1997. Esse fato comprova o principio da hospedagem com fins lucrativos e de benefícios. Essas vias foram se expandido e as cidades foram ficando cada vez mais distantes. Mas iniciou pela necessidade natural que os antigos viajantes tinham em procurar abrigo. a demanda da hospedagem já existia no século VI a. O marco inicial da hospedagem.3. HOTÉIS NO MUNDO Por não conter dados históricos suficientes. o evento dos Jogos Olímpicos era tão importante que interrompia até mesmo as guerras em andamento e deslocava milhares de pessoas.C. por conta dos intercâmbios comerciais entre as cidades européias. Figura: Local onde acontecia os jogos Olimpicos .

p. mutationes para troca de animais e descanso dos viajantes. Esse episódio. A qualidade no atendimento é tratada de extrema importância. e passou a ser a religião dos Constantinos. Depois de séculos de guerras. mansiones para tropas militares. por exemplo. pois esse diferencial estava mais ligado à religião e suas pregações. Stabulum eram para viajantes que vinham a cavalo. Isso fez com que as hospedarias obedecessem a regras muito rígidas. estivesse ele viajando a negócios ou a serviço do imperador. para a hotelaria foi importante. que serviam de proteção para peregrinos. 1987. fazendo com que os moradores dos muitos lugares do mundo oferecessem melhor tratamento aos peregrinos. prejudicando seriamente as pousadas.” (BELCHIOR. com o passar dos anos começam a cobrar de seus hospedes. Esses hospitais. fez com que as hospedagens passassem a ter uma parte . Outro fato importante para a hotelaria foram às cruzadas. Esse fato diminui o número de hóspedes. O Cristianismo chegou ao Império Romano. os povos começaram a encontrar seus lugares santos. que. O desenvolvimento das estradas por toda a Europa e o crescimento do comercio entre países. Beber da mesma água e comer do mesmo sal cria um vinculo místico e a hospitalidade é uma comunhão que cria laços duradouros. as estradas vieram a ser menos usadas. Esses lugares eram chamados de hospitais. Naquela época os meios de transporte não percorriam mais de 60 quilômetros diários. na maioria das vezes eram mosteiros que ate hoje possuem as hospedagens. guerras principiadas pela Igreja Católica que queriam dominar territórios da religião Islâmica. Segundo La Torre (ano) o Cristianismo trouxe os novos preceitos do amor ao próximo. em razão da falta de segurança.As pessoas que pagavam serviços de hospedagem eram aquelas que tinham poucos recursos e se hospedavam de acordo com sua categoria. pois gerou uma proximidade entre hospede e donos de hospedarias. portanto as viagens quase sempre duravam alguns dias. tornando-os hóspedes especiais ao dar-lhes pousada. “O código da hospitalidade é sagrado. um exemplo de hospedarias foi da cidade de Roma. tinham regras em que um hoteleiro não poderia receber um hóspede que não tivesse uma carta assinada por uma autoridade.172) Com a queda do Império Romano.

Outra inovação foi à criação da função de mensageiro – empregado que. Isso porque nesse momento da historia os viajantes a negócios passavam mais tempo nas cidades desenvolvendo projetos ou fechando negócios do que viajando. Um Hotel com grande importância para o EUA foi o Hotel Tremont House de Boston. Cada quarto tinha sua bacia e jarro para higiene pessoal. 2005. 1996. foi se desenvolvendo consequentemente a hotelaria. Inaugurado em 1829. as carruagens. Surge uma democracia em que o poder é para quem tem dinheiro e não apenas a quem tem status. Com desenvolvimento do transporte. o Tremont House de Boston constituiu um novo marco na hotelaria. as que não se modernizavam iam fechando as portas. todos com portas e fechaduras. Enquanto os outros países o luxo estava à disposição apenas das pessoas de classes nobre.14). o que foi considerado um luxo extremo. Aos poucos os países começam a implantar leis e normas para regulamentar a atividade hoteleira. nas regiões portuárias a quantidade de hotéis e pousadas que surgiam era assustador. que rapidamente passaram a ser nova referência Mundial no ramo da hotelaria. p.bem significativa da economia. As maiores pousadas desse período foram projetadas para se integrar com o meio de transporte que era usado. entre outras tarefas. americanos e europeus. nos EUA estava a disposição de quem pudesse pagar. localizava os hospedes do hotel. (DUARTE. No século XIX surge uma nova potência. Nos EUA o crescimento da hotelaria teve um desenvolvimento diferente baseado na consciência da igualdade que se desenvolveu no país. . propriamente dito. p. os Estados Unidos da América – EUA. pelo fato de ter sido projetado pelo arquiteto Isaiah Rogers (a principal autoridade em construção hotelaria dos cinqüenta anos seguintes) e suas principais inovações físicas: oferecia quartos com acomodações privadas singles e doubles (o conceito anterior era de grandes quartos com muitas camas). Enquanto a hotelaria que se desenvolvia nas beiras das estradas sofria com desenvolvimento do transporte. 10). (DUARTE. Mas no século XIX com a chegada das ferrovias. Os meios de transporte se tornavam mais rápidos e não havia tanta necessidade de permanecer nos locais durante muito tempo. A Europa foi uma das pioneiras com destaque para Inglaterra e França. suas inovações físicas eram marcantes: Em 1829. por ser maior e o mais caro edifício até então existente. Ganhou de outros empreendimentos concorrentes. e o hotel ainda ofereciam um sabonete como cortesia.

os viajantes se instalavam nas casas grande. retomando somente com a Segunda Guerra. e principalmente ranchos. que mais tarde foram usados no transito de pessoas e produtos entre o litoral e as regiões mineradoras. espelho de corpo inteiro em todos os quartos e jornal matutino para os hospedes. Os caminhos abertos pelos bandeirantes. facilitavam os serviços e a limpeza. inicialmente improvisados na beira da estrada para abrigar os viajantes. foi o que fez despontar os primeiros focos de hospedagem. banheiro privativo para cada apartamento. o de lazer – conquistando a classe media que podia arcar com as despesas da viagem. inaugurado em 1908. e cada vez mais os hotéis atendiam o que eles queriam o que resultava em mais motivos para procurarem viagens. nos casarões da cidade. já tinha porta corta fogo nas escadarias.4. principalmente no que diz respeito à indústria bélica e suprimentos. Eram ranchos rústicos. onde grandes negócios foram feitos. Introduziu outras inovações importantes. água corrente. Hotéis no Brasil No período colonial. que aumentaram ainda mais o conforto dos hospedes: a planta de arquitetura e suas estruturas. fechaduras em todas as portas. 2. segundo Duarte. Deve-se a esses ranchos. O segmento do turismo só obteve recuperação significativa na década de 50. que eram fornecidos aos países europeus. Foi o embrião da atividade hoteleira comercial no interior do Brasil. A melhora dos transportes facilitou as viagens. primeiro hotel comercial moderno. mosteiros. tornou menor o seu custo e provocou o desenvolvimento de outra modalidade de turismo. O crescimento da hotelaria foi interrompido pelo inicio da Primeira Guerra Mundial.O Hotel Statler. A expansão da economia norte-americana provocou um significativo aumento no turismo de negócios. Os hóspedes procuravam cada vez mais luxo. a . interruptor de luz ao lado das portas de entrada nos ambientes. além de modernas. convento. que existiam na beira das estradas. que.

Em um nível mais inferior aos ranchos. Há outras referencias á atuação na Igreja na arte da hospitalidade nos setenta anos subseqüentes. Hotel Quatro Estações.22). Com esse aumento. Localizado junto ao cais de porto. foi construído um edifício apenas para hospedar os visitantes ilustres. o Rio de Janeiro vivia um súbito aumento de fluxo estrangeiro. o Hotel Esplanada. alguns sitiantes reservavam pastos com água para recolher os animais em trânsito e construíam aposentos próprios. 2005. (FOTO) . que se tornou um importante núcleo de atividades intelectuais e políticas atraindo jovens de todo o pais com a fundação da Academia de Direito. Hotel Providencial. p. enquanto outros mercados turísticos brasileiros viriam a crescer algumas décadas depois. Em 1808. Somente em 1870. ponto de encontro da elite paulistana. diplomáticas e cientifica. em Salvador. foi criado em 1817 como um restaurante. as hospedarias. Ele ponderou até o século XX. Segundo Borim (2006). dois anos mais tarde ele já oferecia ao cliente. dinamizando a vida paulista e modernizando os seus costumes tradicionais. a capital do estado de São Paulo desenvolveu a hotelaria para o turismo dos negócios. entre outros. ele teve a honra de hospedar pessoas ilustres. por ser capital do país. O marco na hotelaria paulista foi com o Hotel Términus. no rumo dos tropeiros. O pagamento deles além do dinheiro era em cabeças de gado. Hotel do Comércio. Hotel Universal. Enquanto o Rio de Janeiro. Um dos estabelecimentos de maior prestígio do Rio de Janeiro é o Hotel Pharoux. na segunda metade do século XVIII. foi que em São Paulo. que vinham resolver questões comerciais. que conduziam rebanhos de gado bovino e eqüino. onde hoje é o edifício da Receita Federal e. com fogões de lenha. Com a chegada da corte portuguesa e a abertura dos portos. tabernas e pensões passaram a chamar hotel. Como São Paulo. (DUARTE. promovendo assim o desenvolvimento de fazendas. alguns meios de hospedagem passaram a merecer destaque como: o Hotel Paulistano. em 1782 foi quando se tem a informação da prática da hospedagem que foi a casa de hospedes do Colégio da Companhia de Jesus. No Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro. para os tropeiros.origem de centenas de cidades. manteve seu status de portão de entrada do turismo internacional. quartos mobiliados. houve um grande fluxo de estrangeiros.

Em conseqüência os hotéis fecharam suas portas. proibidos. junto a estes hotéis tinham os cassinos. Foi nessa época também que ocorre a abertura do país para a globalização. assim como políticos e grandes empresários. abrindo o mercado do turismo e dos negócios. a hotelaria de lazer e as atividades hoteleiras somente tiveram novo avanço com os incentivos ficais do Banco Central. e hospeda. É um dos mais famoso e tradicional hotel do Brasil. (FOTO) Na década de 30. cita Fulano. que foram. o negresco de Nice e o Carlton de Cannes. Inaugurado em 1923. é o hotel mais recomendado do Brasil. assim.35). 2004. A globalização fez com que muitas outras grandes cadeias hoteleiras internacionais viessem para a América do Sul. entre eles. foi projetado pelo arquiteto Joseph Gire. pelo fato de as empresas buscarem melhorar o posicionamento e com a cobertura do mercado brasileiro. ao longo de décadas membros da realeza. mesmo não hospedada no hotel. o hotel não era apenas uma casa de hospedagem. Localizado na praia de Copacabana.Na década de 20 os hotéis tinham um apelo entre os estilos latinos e clássicos. Com a proibição. mas um ambiente sofisticado de lazer e diversão. estrelas de cinema. (BOECHAT. . A grande atração. teatro e musica. Contudo nasce uma nova fase para a hotelaria no Brasil. p. pode usufruir de seus bares e restaurantes. em 1946. Em 1966 é criado a EMBRATUR e junto com ela a FUNGETUR que atua através de incentivos fiscais na implantação de hotéis. A hotelaria em São Paulo motivou a construção de hotéis de todas as categorias. quase toda a equipe do “chef”. Sua construção contribuiu para transformar o Rio de Janeiro em pólo de turismo e lazer. Auguste Escoffier. foram implantados hotéis na capital. Um grande exemplo a ser citado é o Hotel Copacabana Palace. que era um empresário brasileiro fundador do Copacabana Palace. foi o crescente mercado de negócios da capital do Estado de São Paulo. Assim trouxe da Europa alguns dos melhores profissionais. sem duvida. que se inspirou em dois hotéis. A população. Para Octávio Guinle. e principalmente para o Brasil. com apelo paisagístico.

e quanto à estrutura física das instalações e ao padrão dos serviços oferecidos.15). Com isso temos diferentes tipos de hotéis. seja em montanhas. a procura do próprio turista em satisfazer sua necessidade. esta diversidade ocasionou nas ultimas décadas. CLASSIFICAÇÃO DE HOTEIS: O crescimento acentuado da oferta de hotéis no mercado brasileiro aumenta cada vez mais a competição no setor. a negocio. Os tipos de hotéis podem ser definidos conforme: 1. aeroportos. e cadeias mais antigas passaram a oferecer novos produtos. ou econômicos. a qualidade dos serviços e os preços. dirigidos aos nichos de mercado que vão sendo criados ou aos preexistentes. sendo assim é importante que os empreendedores se diferenciem em seus negócios para se destacarem. com características díspares. Recife. a congressos. a negocio.44). que é o padrão e as características das suas instalações: o grau de conforto. principalmente nas cidades de Salvador. e quanto ao seu destino de uso. voltado ao turismo.5. ao lazer. quanto a seu destino de uso. visando ampliar ou. Este setor passa por constantes transformações e podem ter diferentes tipos variando conforme suas características. negócios. 2. O turismo passa por inovações e há o aparecimento dos hotéis voltados para o lazer. São Luis. como exemplos. (ANDRADE. (BORTOLOTTI. . p. Essa classificação se deve pela EMBRATUR (Instituto Brasileiro de Turismo) e a AIBH (Associação Brasileira de Hotéis). Com isso.) ocorrida nas últimas décadas paralelamente ao encurtamento das distâncias e ao barateamento das viagens proporcionados pela evolução dos transportes. BRITO. pelo menos. ou econômicos.A construção de grandes hotéis e o surgimento das grandes cadeias hoteleiras efetivou-se da na década 70. A categoria.p. voltado ao turismo. a localização do empreendimento. O extraordinário desenvolvimento do turismo e sua diversificação (lazer. Rio de Janeiro e São Paulo. cidades. ao negocio. voltada ao lazer. 2007. congressos. vêm criando a necessidade de novos tipos de hotel. ou de apelo paisagístico. JORGE. praias. etc. 2007. ou a outros tipos de anseios. manter sua participação no mercado. novas cadeias hoteleiras têm surgido. ao lazer.

comunicações. entre outros. objetos de artesanato. 3. com acessórios e mobiliário de qualidade simples que permitem níveis mínimos de conforto e funcionalidade. A decoração possui. acima dos exigidos para a hospedagem. residenciais. hotéis de aeroporto. reuniões. Três estrelas: ambientes formais e convencionais.2. com acessórios e mobiliário de qualidade e preços médios compatíveis com os serviços que são oferecidos. recepção. que propiciem maiores níveis de conforto. materiais sintéticos e/ou rústicos que assegurem acabamentos simples e funcionais. Em prol desse objetivo a EMBRATUR e a ABIH instituiu um critério de avaliação responsável na classificação dos meios de hospedagem. entre eles destacam-se: posturas legais. spas. Bortolotti (2007) explica como são classificados os sistemas de estrelas: Uma e duas estrelas: ambiente simples e suficiente ao atendimento das necessidades básicas do hospede. lazer. (BORTOLOTTI. aos consumidores e aos hoteleiros. hotéis de lazer. com preços superiores. 2007. áreas sociais. setor habitacional. pinturas e esculturas nas áreas sociais de reconhecido valor artísticos. pinturas e esculturas nas áreas sociais. grifo nosso) . e consiste em avaliar o empreendimento em diversos aspectos. cassino. de reconhecido valor artísticos. navios. hotéis não centrais. qualidade. conservação e manutenção. com acessórios e mobiliário de qualidade. saúde e higiene.p. com mobiliários e acessórios de qualidade no topo de linha. com mobiliário e acessório de excelente qualidade e com desenho único. Cinco estrelas plus: ambientes suntuosos. entre outros. além de objetos e conjunto de decorações suntuosas. normalmente. preços.16. que pretendem informar a sociedade. os níveis de conforto. com preço reduzido. hotéis fazendas e pousadas. serviços e atendimento oferecidos. A decoração caracteriza-se por materiais nobres e/ou rústicos que apresentam acabamentos sofisticados. Quatro estrelas: ambientes amplos e muito confortáveis. Conforme sua tipologia: hotéis de convenções. além de responsabilidade ambiental que também é um ponto importante para a concessão de estrelas. atendimento aos hospedes. hotéis econômicos. Sua localização: hotéis centrais. A classificação das categorias tem o objetivo de atrair novos clientes e garantir qualidade de serviços que é o grande desafio dos empresários hoteleiros. A decoração apresenta materiais nobres e/ou rústicos que propiciem acabamentos sofisticados. A decoração possui materiais sintéticos e/ou rústicos que asseguram acabamento formal e convencional. A decoração apresenta materiais nobres e/ou rústicos que propiciem fino acabamento. segurança. alem de objetos de artesanato. acessos e circulações. simbolizados por estrelas. Cinco estrelas: ambientes sofisticados. que permitem conforto em nível elevado. Esse padrão de classificação tem o intuito de qualificar os meios de hospedagem. alimento e bebidas. serviços adicionais. que possuem conforto e sofisticação. portaria.

Devem se situar em uma área prestigiosa. visto que na maioria delas as áreas centrais se destinam a um mesmo tipo de hospedes. Brito. Este tipo de hotel pode ser grande ou pequeno. ou sejam menos acentuados. A localização é um fator condicionamento para o empreendimento. deve-se escolher aquele no qual a adequada solução para os acessos e fluxos de circulação de veículos independa do sentido do trafego. Jorge. Em relação ao terreno. entre outros fatores. Ao planejar um hotel central a situação atual e as tendências do desenvolvimento da cidade devem ser bem estudadas.estrutura de recreação maior e melhor e mais áreas de estacionamento. eles podem variar em relação ao nível de renda. apresentar muitas ou poucas instalações. Aparentemente. vias expressas ou rodovias que liguem rapidamente ao centro da cidade e a subcentros. . com comércio diversificado e de qualidade. a tendência é que os novos hotéis sejam grandes. Os itens mais comuns que diferenciam um hotel não-central dos hotéis centrais são: a implantação em terrenos de maiores dimensões. Uma vantagem deste tipo de empreendimento é que o valor do terreno é menor tornando-se viável a utilização de terrenos maiores e a construção de uma infra. Seu porte e diversidade das instalações derivam das dimensões dos terrenos disponíveis e recursos financeiros para custear o empreendimento. serviços e lazer. para evitar influências negativas ao empreendimento. podemos classificar os hotéis nos seguintes tipos: Hotéis centrais: são hotéis urbanos próximos as áreas de intensa atividade comercial e de negócios. estar próximo de avenidas. não em uma área em processo de declínio. e ser visível das principais vias de acesso. respeitadas as limitações impostas pelo mercado e por outras razões locais.Quanto à localização segundo Andrade. Para o planejamento deste tipo de empreendimento também deve haver preocupação para as tendências de desenvolvimento de modo a verificar a compatibilidade na proposta de ocupação ao longo do tempo. Hotéis não-centrais: situados em áreas afastadas do centro da cidade. possuindo assim um fator de atração de hospedes. Este deve disponibilizar condições e meios de acesso fácil as principais áreas de interesse da cidade ou do setor em que se localiza. mas que contenham boas condições de acesso e nas quais os problemas centrais não existam. além de ter fácil acesso a outros pontos de interesse da cidade.

Esta é uma forma mais recente e predominante de hotéis de lazer. instalações para eventos e um setor de lazer e recreação mais desenvolvidos. lazer. porém o que é oferecido considerado essencial ao tipo de hóspede a que se destina. vida social e negócios. Hotéis de lazer: tem seu maior atrativo na recreação e nos esportes. estes investem na diversificação de suas atividades no intuito de captar o maior número de hóspedes. junto a entradas de cidades ou junto a entroncamentos de onde derivam acessos para mais de uma cidade. bares e serviços em geral. A localização preferencial deve ser próxima a rodoviárias. este deve possuir conforto. a limitação das instalações e dos serviços. e está sendo instalado em áreas enormes. para isso. principalmente em espaços abertos de grande beleza natural e excelentes condições climáticas. Devido aos elevados investimentos para construir este tipo de empreendimento. Buscam constiruir em destinações turísticas que por si só justifiquem uma viagem. com autosuficiência. Hotéis econômicos: possuem menor qualidade de instalações e serviços disponíveis no empreendimento. como por exemplo: esporte. Podem se situar em áreas centrais. com essas áreas específicas a essa finalidade e capacidade de acomodar alguns milhares de pessoas simultaneamente. todavia possuem boa qualidade e eficiência na operação e oferecem tarifas reduzidas. Hotéis aeroporto: é um caso particular de hotel não central. higiene. Quanto às tipologias classificam-se em: Hotéis de convenções: voltados principalmente para a realização de eventos e congressos de grandes proporções.auto-suficiência em restaurantes. não centrais ou nas . No entanto. os hotéis não centrais necessitam de determinado número de apartamentos para suportar economicamente todos os serviços oferecidos. onde os hospedes de qualquer faixa etária pode desfrutar de varias atividades de seu interesse. destinado as pessoas procedentes de lugares distantes que utilizam o transporte aéreo e não tem necessidade de se deslocar para o centro da outra cidade. café da manhã completo e confiabilidade das instalações. Tem como característica básica. Outros fatores que contribuem para conveniência deste tipo de empreendimento são os cancelamentos ou grandes atrasos de vôo e conexões mais demoradas. Contudo.

os poucos hotéis desses tipos deixaram de existir ou sofreram transformações que os descaracterizaram. café da manhã. O regime predominante é o de pensão completa (hospedagem. mesmo pequenos eles possuem luxo e conforto. porém insuficiente para estabelecer domicílio. com instalações mais modestas e menos diversidade de serviço. de onde provém sua receita principal. (FOTO) Hotéis spas: voltados para hospedes interessado em saúde e cuidados com o corpo. Hotéis fazendas: hotéis de lazer. Todavia. Outros clientes potenciais são os moradores permanentes da cidade que preferem não ter responsabilidades e rotinas domésticas. e a localização da maioria deles na parte central. o tamanho reduzido dos apartamentos. Estes. Hotéis navios: o aspecto hoteleiro. . o Bourbon Curitiba Convention Hotel. novos tipos e subtipos vêm se juntar aos existentes. sem nenhuma abertura para o exterior. Estes têm características que se aproximam dos apartamentos residenciais comuns. Não pretendemos abordar aqui a totalidade de tipos hotel. Hotéis residenciais (apart-hoteis e flats): tem como cliente alvo as pessoas que tem que permanecer em determinada localidade em um tempo relativamente longo. nos quais a qualidade das acomodações de hospedagem e de lazer oferecida constitui atrativos tão ou mais importantes do que a viagem propriamente dita. devido a sua localização afastada das cidades. Como exemplo. tornando a tarefa possivelmente incompleta. Destaca-se nos navios. A hospedagem e os serviços de alimentação. almoço e janta). Hoje em dia. A administração é basicamente familiar e o tratamento concedido aos hóspedes é mais pessoal. eram vinculados a locais onde as propriedades terapêuticas das águas constituíam o atrativo principal. Hotéis cassino: voltados para a exploração de jogos de azar. antigamente. recreação e lazer são atrativos subsidiados para a atividade principal. o foco está se desviando para o controle do peso e condicionamento físico.proximidades de aeroportos. em relação às instalações de hospedagem. como o setor cresce mais a cada ano. o jogo. No Brasil. mesmo porque.

p.16). em que a concorrência e outras imposições externas afetaram definitivamente a maneira de conduzir um negócio incluindo também o mercado hoteleiro o que fez com que a administração passasse a ser estritamente profissional e seus gerentes escolhidos dentre aqueles que mais se destacassem no mercado. urbanistas. o país desenvolve e ganha novos projetos ocasionando maior fluxo turístico. no entanto. é e em princípio a forma física do produto. O design também faz parte do projeto do produto. O quarto de um hotel será considerado produto hoteleiro. e conseqüentemente prosperidade nacional. Os hotéis de quatro e cinco estrelas exigem profissionais com uma formação de elevada qualificação. Castelli (1991) define os meios de hospedagem como centros de produção. O hoteleiro que se preocupar .SUBCAPITULO 2. pois a arquitetura atrai os interesses das pessoas a viajarem e hospedarem em diferentes lugares. (BORTOLOTTI. 2007. É a partir do atendimento que um hóspede recebe em um hotel. O proprietário era o administrador. que dependerá da imagem positiva ou negativa da organização. o setor hoteleiro aumentou sua movimentação e a atuação dos arquitetos. utensílios e instalações para a ocupação do hóspede).6 -> Sistemas de organização de hotéis atuais Nos dias atuais. contando com sua família e alguns auxiliares para os serviços mais simples. chegamos aos dias atuais. paisagistas e engenheiros durante o desenvolvimento de tais empreendimentos são um dos fatores condicionantes ao crescimento e motivação deste segmento. A empresa hoteleira necessita sempre estar atualizada com as novas técnicas de gestão bem como acompanhar paralelamente o avanço tecnológico. pois seus produtos possuem muita semelhança com as dos concorrentes. pois envolve conformação e tamanho. No início. que irão produzir vários produtos característicos de hotelaria. os funcionários continuam sendo o elo fundamentalmente responsável para o sucesso do hotel. pronto para a comercialização. Lemos e Erdman (1994) definem a organização de hotéis atuais pontuando que a tecnologia trouxe muitas inovações técnicas para a empresa hoteleira. equipamentos. O design é considerado como uma arma competitiva por muitos hoteleiros. se o mesmo se encontrar em boas condições de uso (dos móveis. basicamente. Com o passar dos anos e as inovações e descobertas de toda ordem que foram modernizando. as administrações eram familiares.

. 1987.com o design de seu hotel. lotando os hotéis da região. cadeiras disponíveis na sala de eventos. não ficando limitado somente aos hoteleiros”. resultado do trabalho em conjunto da EMBRATUR e da ABIH para avaliar a qualidade dos serviços prestados pelos hotéis. A capacidade hoteleira é determinada pela quantidade de quartos da empresa. O produto hoteleiro faz parte de uma linha de produtos turísticos diversificados. além de um grande centro de convenções e hotéis de categoria. Existem áreas. Este é um grande problema enfrentado por todos os empresários do ramo turístico. As empresas turísticas tentam expandir ao máximo as opções viagens de seus clientes. Outra característica marcante do ramo hoteleiro é a sazonalidade. conseguirá fixar um estilo. contribuir para a melhoria da aparência e servir de atrativo de compra. O Manual de avaliação e a Matriz de classificação. Regent. número de empregados. que hoje grandes corporações possuem propriedades espalhadas no mundo inteiro e algumas marcas tornaram-se mundialmente conhecidas como Holiday Inn. máquinas e estoques existente na empresa. fazendo com que a demanda aumente. vagas para estacionamento de carros. proporcionando satisfação psicológica (status) e fixando sua imagem no mercado. número de mesas existentes no restaurante e bar. Hyatt entre outros. A sazonalidade deve ser analisada profundamente no projeto do produto hoteleiro. Com base nestas informações. O parque hoteleiro no mundo cresceu tanto. (CASTELLI. para evitar problemas futuros em épocas de baixa estação. Marriot. onde o turismo é explorado somente durante uma parte do ano. p. já o inverno atrai os turistas para as montanhas em busca de experiências com o clima rígido e paisagens bucólicas. O verão atrai turistas para as praias. “A demanda turística esta dirigida a visitar pólos turísticos durante um período do ano. as empresas procuram escolher uma cidade turística com vários atrativos. o hoteleiro estará diferenciando o seu produto.47). Novotel. Sheraton. o hotel deverá elaborar um plano de vendas. Club Mediterranée. Hilton. identifica os requisitos e valores para cada categoria. Quando se decide em promover um evento em uma cidade. Ao se estabelecer um nome a uma empresa hoteleira. estabelecendo a capacidade de atendimento de cada departamento do hotel. número de salas para reuniões.

p. TURISMO O marco inicial do turismo na antiguidade foi na Grécia Antiga. um apartamento de padrão superior demanda de 65 a 85 metros quadrados da área construída de um hotel. é possível estimar o custo médio do hotel tendo por base o custo que cada padrão de apartamento terá no total das áreas do empreendimento. A acomodação de pessoas também classifica o produto. . está vinculado à sua rentabilidade e aos custos de implantação e operação.O produto unidade habitacional (UH) pode ser: Unidade habitacional tipo. Por exemplo. A unidade habitacional pode ser single. buscando sempre divertimento e relaxamento. Geralmente. apartamentos onde se coloca cama extra para aumentar a capacidade de habitação da unidade habitacional. um custo médio de 150 mil a 200 mil dólares. BRITO. que é obrigatória. Assim. pois ele começa a tomar forma como atividade econômica. nesse padrão. Unidade habitacional atípica consiste em luxo e suíte. Os romanos podem ser considerados os primeiros a viajar por prazer. em que não faltavam atrações como espetáculos circenses e lutas de gladiadores. JORGE. placas. Diversas pesquisas científicas (análise de azulejos. ou unidades habitacionais (UH). (foto com informações) 3. 2005). Triplo e quádruplos. dando origem também a viagens de lazer. (ANDRADE.33). o tamanho de um apartamento tipo de um hotel. o que representa. que se exprime pelo número de apartamentos. vasos e mapas) revelaram que o povo romano ia à praia e a centros de rejuvenescimento e tratamento do corpo. Unidades habitacionais conjugadas e Unidades habitacionais comunicantes. 2007. Double quando o apartamento possui apenas uma cama para duas pessoas. As conquistas territoriais no Império romano fizeram surgir intenso intercâmbio comercial. caracterizado pela variável apartamentos. (BADARO.quando é utilizada por uma só pessoa. A expansão do império trouxe motivos numerosos e atraentes para viajar.

os Estados. seja por lazer.3% do PIB – Produto Interno Bruto e detém 8. 2010). exercido no controle dos serviços e bens disponibilizados para o consumo turístico. De acordo com Conselho de Turismo da Confederação Nacional do Comércio (2005) acrescenta-se a orientação para que o Estado incentive a atividade turística. o turismo corresponde à média mundial de 4. negócios. incentive o turismo. Segundo a organização global World Travel e Turism Council – WTTC apud Martin.2% de toda a força de trabalho. Estima-se que terá nos próximos 10 anos a média mundial de crescimento na América Latina. em sua maioria acompanhados de professores ou religiosos. o que inclui o estímulo de qualidade. vamos citar dois itens julgados importantes para o desenvolvimento do projeto. portanto. as relações entre comércio e turismo tornaram-se mais sólidas. (EMBRATUR. p. viajar passou a ser ambição cultural.53). classificando-os para conhecimento e escolha dos clientes. 2005. nem ao patrimônio sócio-cultural. também. 2007) entende-se como turismo as atividades realizadas pelas pessoas durante suas viagens e estadas em lugares distintos do seu habitual. por um período consecutivo. Um dos setores da economia que vêm crescendo consideravelmente no mundo atual. requisito indispensável para que haja uma exploração da atividade que não cause danos nem ao ambiente. aprender línguas e desfrutar aventuras.” (BARBOSA. de 6. ficando difícil separar uma atividade da outra. uma oportunidade para acumular conhecimentos. ao mesmo tempo em que agregue maior valor aos serviços. estímulo à qualidade. o turismo rural e o eco turismo. Dentro do tema em questão. .1% contra 3% do restante do mundo. De acordo com a Organização Mundial do Turismo – OMT (2003 apud Faria.Com a intensa produção artística e cientifica na Europa nos séculos XIV a XVI. Visitar países diferentes era um aprendizado indispensável à boa educação. entre outras tantas inovações. “A partir do século XIII. Até então.180 que “a União.” Isso faz com que a Administração Pública. ou outros. igualmente. A Constituição da República outorgada em 1988. inferior a um ano. trouxe o turismo para o plano maior do direito brasileiro. a atividade turística era coisa para jovens. o Distrito Federal e os Municípios promoverão e incentivarão o turismo como fator de desenvolvimento social e econômico. LEITÃO. estabelecendo em seu art.

2003. O meio rural passa por grandes transformações.SUBCAPITULO 3. tradições. levando à busca de novas fontes de renda que gerem a dinamização econômica dos territórios rurais. e flora como elementos essenciais. descansar física e mentalmente. Surge com a intenção de promover a integração entre o rural e o urbano.6. donos de propriedades rurais que não possuem atividades que geraram um bom capital. interagir com a comunidade local. veem a possibilidade de inserir atividades turísticas em suas rotinas. agregando valor a produtos e serviços. Em 1980 no Brasil. como a desagregação das formas tradicionais de articulação da produção e uma desvalorização gradativa em relação a outras atividades.). costumes e com as formas de produção das populações do interior. fugir da rotina da vida urbana e adquirir produtos típicos.11). desfrutar da hospitalidade e do aconchego nas propriedades. conviver com os modos de vida. p. somado à necessidade que o produtor rural tem de diversificar sua fonte de renda e de agregar valor aos seus produtos. Ele é apontado como atividade econômica no século XX na Europa e nos EUA. Há algumas hipóteses sobre o surgimento do Turismo rural no mundo. vivenciar novas experiências. (BRASIL. decorrentes do processo de intensificação da globalização e modernização da agricultura.TURISMO RURAL Conjunto das atividades turísticas desenvolvidas no meio rural. Madagascar. (BRASIL. sociais e ambientais para o espaço rural. Com este contexto surgem novas funções econômicas. 2002. e Ucrânia. no Japão em 1990. A sociedade vem descobrindo a importância ambiental e começa a tratar rios. como uma forma de potencializar suas receitas. sendo necessárias ações para a estruturação e a caracterização desse tipo de turismo para que essa tendência não ocorra desordenadamente e para que o segmento seja uma . fauna. principalmente nas relações de produção e trabalho. Muitos moradores urbanos viajam com o intuito de reencontrar suas raízes. saberes. e na década seguinte em países como Magnólia.1 . as atividades agropecuárias vêm enfrentando problemas. conhecer o patrimônio histórico e natural no meio rural. comprometidas com a produção agropecuária. buscar novos conhecimentos. p. Hoje é bastante relevante o número de propriedades rurais que incorporam atividades turísticas em suas rotinas. pode explicar o crescimento do segmento de Turismo Rural no Brasil. resgatando e promovendo o patrimônio cultural e natural da comunidade. Isso. Argentina e Uruguai. Nesse processo. participar de suas festas tradicionais. Hoje.

de seu patrimônio ambiental. o Turismo Rural pode contribuir para a revitalização econômica e social as regiões. . . . tanto sociais quanto de trabalho. 2011): .Integração das propriedades rurais e comunidade local.Diminuição do êxodo rural. Há ainda outros fatores que contribuem para o crescimento deste segmento. bem como. A caracterização do setor está relacionada a fatores como: a localização. Além da possibilidade de geração de uma renda adicional para as comunidades locais. cultural e artístico criou-se a IDESTUR (Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural). dos bens imóveis e das condições de vida das famílias rurais. . comunicação e saneamento no meio rural. como o interesse na “dinamização social e econômica” e em benefícios como (BRASIL. No Brasil. .Diversificação da economia regional.Melhoria dos equipamentos. . a qualidade da paisagem. . (EMBRATUR.Valorização das práticas rurais. a valorização dos patrimônios e produtos locais.Geração de novas oportunidades de trabalho e renda.Conservação dos recursos naturais e do patrimônio cultural. a diversificação dos serviços oferecidos.Interiorização do turismo. Que possui algumas finalidades como: . entre outros.Agregação de valor ao produto primário.Incorporação da mulher ao trabalho remunerado.Melhoria da infra-estrutura de transporte. histórico. .” (EMBRATUR.opção de lazer para o turista e uma importante e viável oportunidade de renda para o empreendedor rural. a atração de investimentos públicos e privados em infra-estrutura para os locais onde se desenvolve. . 2010). com o objetivo de promover o turismo no espaço rural. aos aspectos culturais e geográficos da cidade. a conservação do meio ambiente. pelo estabelecimento de micro e pequenos negócios. .Promoção de intercâmbio cultural e enriquecimento cultural. . 2010).

aliando a exploração do potencial turístico à conservação do meio ambiente natural e ao desenvolvimento da região. . . O ecoturismo tem como proposta satisfazer o desejo do turista de entrar em contato com a natureza. 1994. incentivar e orientar a implantação de atividades do Turismo no Espaço Rural. (EMBRATUR.Promover o desenvolvimento sustentável através de três pilares: meio ambiente. da transmissão de informações e conceitos e por meio da simples contemplação de paisagens. De acordo com a OMT o ecoturismo é aquele que: . incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente. para que ele compreenda os ecossistemas que mantém a vida. de música. as atividades sãs desenvolvidas por meio da observação do meio ambiente natural. por exemplo. . de forma sustentável. a desenvolver uma consciência da sua própria existência em equilíbrio com . Visa a promover o reencontro do homem com a natureza.2.Planejar. festivais e espetáculos de artes. turismo e sociedade.19). Todo o processo auxilia o turista. por meio de realização de exposições. de folclore e congêneres. . promovendo o bem estar das populações envolvidas. p. . com o mínimo impacto. .Promover a cultura rural. tanto para a natureza quanto para a cultura local. o patrimônio natural e cultura.Proporciona uma experiência educacional que desenvolve nos visitantes a compreensão e apreciação do local visitando e promove comportamentos adequados e éticos preservacionista.. apoiando a valorização e a difusão das manifestações culturais.ECO TURISMO OU TURISMO ECOLÓGICO Um segmento da atividade turística que utiliza. SUBCAPITULO – 3.É ambientalmente responsável e utiliza várias estratégias para minimizar os impactos negativos.Proporciona uma experiência direta com relação a um lugar.Maximiza os retornos econômicos do lugar.Promover a ética e a qualidade de suas ações frente ao panorama turístico nacional através da seriedade de suas ações e a preocupação de estimular a contramão do êxodo rural.

mobiliário. Atualmente estão em andamento obras e serviços de adequação do espaço urbano e dos edifícios às necessidades de inclusão de toda população. As principais modalidades do turismo de aventura conhecidas são no ar (pára-quedismo.3. equatoriais.NBR 9050. arborismo. pois nele se podem encontrar diversos tipos de ecossistemas. ultraleve) e na Terra (caminhadas. p. montanhismo. instalação e adaptação de edificações. deverão poder locomover-se e realizar suas atividades e necessidades vitais com toda segurança e independência. parapente. O turismo ecológico é muito valorizado no nosso país. 2004. tem sido uma preocupação constante nas últimas décadas. As limitações podem ser de ordem: sensorial . cerrados. tropicais. 210). Subcapitulo 3. A incapacidade não está nas pessoas.1 – ACESSIBILIDADE O princípio da acessibilidade. como: pluviais. desertos. padrão médio em peso. o atendimento a todas as pessoas sem distinção de idade. asa-delta. canionismo.a natureza. ciclismo. tal assunto. O projeto arquitetônico deve ser elaborado identificando todo o tipo de variáveis que pode conter como obstáculo para deficientes com objetivo de estabelecer critérios e parâmetros técnicos para construções. motocross). pantanais e campo. cavalgadas.3– ACESSIBILIDADE E SUSTENTABILIDADE Subcapitulo 3. balonismo. espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. resultando na criação da Norma Brasileira . altura e ou restrições físicas. diz que todas as pessoas. De acordo com Pistor (2008) temos o que chamamos de “desenho universal”. ou seja. mountainsbike. mas pode ser decorrente dos obstáculos existentes no ambiente físico que as rodeia. (CRISÓSTOMO. Na arquitetura e no urbanismo. ajudando na manutenção da vida de gerações futuras. sejam quais forem suas condições físicas limitadas ou fora do “padrão” estabelecido por uma escala humana desejável.

Subcapitulo – 3. Devem ser considerados os casos temporários. sejam eles públicos ou privados de atendimento coletivo ou individual. socialmente justo e culturalmente diverso. O que deveria ser regra aos moldes do conceito de desenho universal. auditiva. favorecer. por exemplo –. bem como os de circunstâncias momentâneas: mulheres grávidas pessoas portando crianças no colo ou transportando carrinhos com bebê. cuidar). andador. paladar. Espera-se mais do que esse cumprimento às normativas de uso e ocupação do solo e sua fiscalização com aplicação de penalidades e multas. defender. ser plenamente dotados de elementos construtivos que permitam total acesso e flexibilidade ao uso com segurança e independência. p. olfativa). Como essas situações não são raras. (PISTOR. Ser ecologicamente correto.3. quando empreendedores se deparam com a concorrência ou a obrigatoriedade legal para enquadramento às exigências de uma normatização. O uso sustentável dos recursos naturais deve ser utilizado de tal forma que as futuras gerações não sejam prejudicadas pelas as ações do presente. na maioria dos casos. . fundamentalmente a conscientização de que todos os projetos devam ser para todas as pessoas. 2008. conservar. Não pode ser descartada a possibilidade de que algum funcionário do hotel também possa ser portador de deficiência. devem os ambientes. equilíbrio/coordenação motora e de manuseio de objetos.2 – SUSTENTABILIDADE Há algumas primícias básicas para que um empreendimento seja considerado sustentável. sejam elas portadoras de alguma deficiência física. isto é. O termo “sustentável” provém do latim sustentare (sustentar.(visual. de locomoção (cadeira de rodas. Com isso. fala. limitadas ou não. internos ou externos. economicamente viável. apoiar. mobilização de um membro do corpo – braço ou perna. pois estudos mostram que há uma quantidade expressiva de pessoas com deficiência. tátil. passa a ser exceção e somente é alertado para o problema das construções inadequadas. devendo-se proceder às mesmas condições em equivalência dado aos hóspedes. de coluna ou pescoço por um determinado período de tratamento ou pós-cirurgia. o mínimo que se espera é que os locais que possuem condições efetivas de receber um público diferenciado do “padrão” ergonômico preestabelecido não sejam exceções. bengala) ou prótese (substituição de um membro do corpo).61). O que hoje representa um diferencial poderá tornar-se regra em todos os ambientes.

. .Estimular o desenvolvimento social e econômico dos destinos turísticos. A norma NBR 15401 . e de utilizar indicadores de desempenho que monitoram a valorização econômica. . Sua criação contou com ampla participação da sociedade. comida.Garantir a qualidade dos produtos. processos e atitudes. Pois os empreendimentos hoteleiros são responsáveis por gerar uma quantia considerável de lixo e de apresentar um consumo significante de água. A norma especifica os requisitos relativos à sustentabilidade de meios de hospedagem. A norma já serve de referência para que empresários realizem autoavaliações sobre a sustentabilidade de seus empreendimentos e poderá ser utilizada em processos de certificação. material de limpeza e outros recursos necessários para a execução e atendimento das rotinas diárias de operacionalização. como: . por um conjunto de princípios estabelecidos no Brasil pelo Conselho Brasileiro para o Turismo Sustentável (CBTS). envolvendo especialistas de todas as regiões do País. Antes da sua publicação o texto passou por um processo de Consulta Nacional.Meios de Hospedagem – Sistema de Gestão da Sustentabilidade traz parâmetros objetivos e verificáveis relativos à sustentabilidade de hotéis e pousadas. Também se necessita investir em práticas e tecnologias que permitam minimizar impactos ambientais. oportunizando a todo cidadão brasileiro analisá-lo e participar da sua votação no site da ABNT. . (CARVALHO. No ano de 2006.Estabelecer o planejamento e a gestão responsáveis. ambiental e sócio-ambiental. a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) publicou uma Norma Brasileira sobre sustentabilidade para meios de hospedagem.Considerar o patrimônio cultural e valores locais. .Respeitar a legislação vigente. permitindo as organizações formular uma política e objetivos que levem em conta os requisitos legais e as informações referentes aos impactos ambientais. energia.A discussão de sustentabilidade do turismo visa reconhecer a importância de planejamento em longo prazo. . sócio-culturais e econômicos significativos. 2006).Garantir os direitos das populações locais. . Fundamentada.Conservar o ambiente natural e sua biodiversidade.

4. MANUEL. Mesmo assim. o turismo passa a ser uma nova forma de economia e esses fatores contribuem para maior desenvolvimento das empresas hoteleiras. THOMAS. são de pequeno porte. O surgimento de hotéis fazenda veio a suprir uma realidade com a vida rural. porque um dos fatores mais importantes está ligado à mudança de atitudes das pessoas. com a popularização da viagem aérea. O regime predominante é . as instalações para a prática de esportes resumem-se a alguns poucos itens. As qualidades inerentes a um material e a maneira pela qual os materiais são incorporados a um projeto (e a cultura ou o estilo de vida local) determinado em conjunto com o impacto ambiental. contribui como um dos fatores determinantes no processo de concepção de um projeto sustentável. XX. nem sempre se refletindo na possibilidade de redução do impacto ambiental. 42). Diversos fatores devem ser considerados na escolha dos materiais e improvável que regras absolutas possam ser feitas para todas as situações. Eles possibilitam o redescobrimento da zona rural pela população urbana.57). etc. 2004. que devido à rotina da vida atribulada urbana. ao contrato. devem levar em consideração seu papel nas questões ambientais. em especial por sair da rotina do cotidiano atribulado das grandes cidades. São hotéis basicamente de lazer.).Dessa forma. comunicação. O número de apartamento é menor (menos de cem apartamentos). a idéia de iniciar ações com a finalidade de minimizar resíduos ou emissões. (ROAF. com muitas das características dos resorts. passando da agitação para a tranqüilidade bucólica. vem sendo colocada em segundo plano. pois seu controle foge das mãos da administração do empreendimento a partir do momento em que são gerenciados pelos próprios hóspedes e/ou empregados. a sociedade busca com maior frequência às atividades voltadas ao lazer. (VIERA. HOTEL FAZENDA No sec. geralmente está vinculada com o conceito de mudança de processos. Isso porque. porém em escala muito menor e quase sempre com instalações bem mais modestas e menor diversidade de serviços. esportes náuticos. e as áreas para reuniões. entre outras iniciativas. atividades e materiais. geralmente com ênfase em algum tipo de esporte relacionado à localização ou à especialidade do hotel (equitação. é um dos segmentos que possui uma grande propensão ao desperdício. p. A escolha dos materiais não fica inerente ao processo de sustentabilidade. após a Segunda Guerra Mundial com a melhoria dos sistemas de transporte. de evitar o desperdício de água e energia. quando existem. p. já que utiliza muitos recursos que poderão estar escassos no futuro. Além disso.

com abertura direta para o exterior ou forçada. equipamentos e serviços próprios para lazer. . 7°. Características do hotel fazenda: . . . Portanto a intenção do hotel fazenda é de recuperar as “forças” e trabalhar com menos estresse.Salas e quartos de dormir das UH’s dispondo de aberturas para o exterior para fins de ventilação e iluminação. circulação. e.Sua localização instala-se em lugares afastados das áreas centrais em regiões que possuem extensa área não identificada e vasta área verde para a apreciação paisagística ou turística. 2007.Áreas destinadas aos serviços de hospedagem (tais como: alojamento. No art. o tratamento concedido aos hóspedes é mais pessoal.Banheiros dispondo de ventilação natural. instalações. incluindo as refeições. os meios de hospedagem de turismo de lazer devem oferecer: . segundo a Deliberação Normativa 367. recreação e entretenimento dos hóspedes. de 23 de abril de 2002. se da por conta da procura por situações diferentes das rotineiras. portaria/ recepção. serviços de alimentação.Sua qualificação esta enquadrada entre luxo e luxo superior. O estresse da capital faz com que pessoas procurem lugares mais tranqüilos nos fins de semana e férias.Quanto à infra-estrutura: áreas. p. . É um tipo de construção antecedida por estudos de impacto ambiental e pelo planejamento da ocupação do uso e do solo. em sua grande maioria. . é horizontal. . em um único restaurante. visando à conservação ambiental. por essa razão e pelo porte reduzido do hotel. no caso de edificações que atendem a outros afins.o de diárias completas. .São voltados para viagens de lazer. da Deliberação Normativa n° 429.O partido arquitetônico. (ANDRADE. Em uma área de equilíbrio ambiental ou conservação. por meio de duto. BRITO. A administração é basicamente familiar. .Edificações construídas ou expressamente adaptadas para a atividade de lazer que proporciona. separadas entre si e independentes das demais. 82) A busca por estes tipos de hotéis. JORGE. lazer e uso comum e outros serviços de conveniência do hospede ou do usuário) próprias.

passeios de barco. piscina. passeio de charrete. Atividades gastronômicas: Fabricação artesanal de doces e queijos Serviços de um hotel fazenda: Hospedagem e Atendimento. Sendo assim. palestras. Os hotéis fazendas atuais são construídos para o descanso e lazer. cordialidade e cooperação desses para oferecer uma boa qualidade de serviço. cachoeiras. ordenha manual/ leite curral. Atividades esportivas: Quadras de esportes. se deve analisar os fatores regionais que contribuem para tal. O objetivo da prestação de serviços hoteleiros é de satisfazer plenamente o consumidor. Atividades aquáticas: Pesca esportiva. .. sala de jogos. com destinação adequada. passeios de pedalinho no lago. serviços de alimento e bebidas. para a elaboração do projeto. arborismo. . etc. Intensificando o comportamento entre empregados e hóspedes. com infraestrutura instalada para a prática de vários esportes. conferências. que têm que ser de amabilidade. Atividades de eventos: Convenções.Instalações adaptadas para atender os portadores de necessidades especiais. tratamento de efluentes e coleta de resíduos sólidos. Bortolotti (2007) classifica as atividades realizadas em um hotel fazenda da seguinte maneira: Atividades camprestes: Passeio a cavalo. Para a valorização do local onde será implantado o hotel destinado ao turismo de lazer. caminhadas. explorar características especificas de cada local. rede sanitária.Serviços básicos de abastecimento de água que não prejudiquem a comunidade local. e para o ecoturismo com esportes radicais (tirolesa.). bem como de energia elétrica. colheita de frutas e verduras frescas em pomar e hortaliça. é necessário. lazer e atividades recreativas.

Um hotel deve oferecer para os hospedes ambientes agradáveis. nesse caso a diária seria diferenciada. Todo espaço que compreenda o hotel. e a 15 km da estância turística de Avaré. Há casos que as pessoas desejam utilizar a estrutura do restaurante sem se hospedar nele. saudáveis e funcionais. ou seja. por se encontrarem afastados das cidades. SUBCAPITULO – 4.ESTUDOS PRELIMINARES: Abaixo analisamos alguns exemplos de hotéis fazenda situados no interior do estado de São Paulo. (CRISOSTOMO. 2004. 12 suítes e 10 chalés. Conta com 38 apartamentos. Geralmente esse tipo de hotel fornece a pensão completa (café da manha. Possui uma grande área para eventos e confraternizações. deve ser cuidadosamente projetado. almoço e jantar). visando alem de fornecer o conforto do ambiente. Em seu lazer ele possui: . as áreas físicas do estabelecimento. Todas elas com vista para a represa. Hotel Península – Avaré/SP: Figura: Hotel península Fonte: Está localizado próximo a São Paulo.1 . a reforçar também a disposição na memória dos hospedes. Fica às margens da represa Jurumirim.53). com ar de campo. Esta característica faz com que o hotel tenha clima de praia. p.

caminhada ecológica.. ginástica localizada. alongamentos. . aula de dança. Hotel fazenda São João – São Pedro/SP: O hotel era uma antiga fazenda. críquete. vôlei de areia. parque aquático infantil. passeio de bicicleta pela trilha. cavalgadas pelo bosque.Cavalgadas. Mapa do hotel São Pedro Fonte: Possui uma paisagem natural perfeita. . . Dentro de seus atrativos de lazer possui lago para pescaria. campo de futebol. quadra de tênis.Atividades Náuticas (pedalinhos e vela). playground. que foi convertida a hotel em 1977. quadra poliesportiva. piscinas climatizadas (20º a 24º) semi-olímpica com toboágua. step e relaxamento. grutas e cascatas que atraem turistas de todas as idades. vôlei.Atividades esportivas (futebol. todos iluminados. aos pés da Serra de Itaqueri. É uma área de exuberantes matas. caminhadas e Bike (passeio de charrete. cavalos e trenzinho. biribol. Está localizado na cidade de São Pedro.Oficinas (como exemplo trabalhos usando materiais recicláveis). .

sala de TV. Figura: Vista Hotel São João Fonte: Figura : Parque aquático infantil – Hotel São Pedro Fonte: Figura : área das piscinas. lojinha.Hotel São João Fonte: . sala de jogos.além de sauna úmida. salão de beleza. lanchonete. fitness center. massagem.

tendo todos os recursos do mundo real à disposição. e diversas outras atividades podem ser realizados no espaço do Hotel. e festas em geral. assim. O diferencial do CEHTUSP é ser um Hotel Escola. ar condicionado. . atendendo a demanda por mão de obra qualificada. Ambientes reservados para atendimento exclusivo de comemorações. (HOTEL FAZENDA SÃO JOÃO). Vivenciais. que foi fundado há dois anos e conta com mais de trinta anos de experiência do Hotel Fazenda São João para capacitar os alunos para o mercado de trabalho. pé direito alto.Seu restaurante tem a capacidade para até 500 pessoas. dias comemorativos. O hotel possui um Centro Educacional de Hotelaria e Turismo de São Pedro (CEHTSP). Coquetéis. comportamentais. Figura: área do restaurante Fonte: Possui uma grande área para eventos como de empresas. Churrascos. atividades ecológicas e monitores. conforto e bem-estar. paintball. Hotel fazenda Mazzaropi – Taubaté/SP: O Hotel Mazzaropi preserva seu passado e renova-se com atividades dedicadas ao seu entretenimento. geradores. Possuímos área preservada com vegetação nativa para práticas de treinamentos. casamentos. Para isso conta com: 17 amplas salas distribuídas em 4 Centros de Convenções com banda larga. os alunos têm a oportunidade de usar o hotel para praticar a aprendizagem. outdoor training. Serviços complementares de coffee break/welcome coffee. com ar condicionado e sistema de buffet. sistema de som de alta qualidade nas salas principais. jantares e festas. Jantares temáticos. projeto acústico. lazer.

. com o mais representativo acervo sobre a história do artista e cineasta. centros de convenções. criaram o hotel ao redor do estúdio. Os jardins. restaurantes. lago e piscinas foram pensados como atração do hotel e cenários para filmes. Figura: Cinema Fonte: Figura: Museu Mazzaropi Fonte: Possui 150 mil m² de áreas verdes com acomodações. salão de piscina. o hotel construiu um estúdio de cinema. Hoje. o estúdio abriga o Centro de Convenções Amácio Mazzaropi e o Museu Mazzaropi.Figura: Vista do Hotel Mazzaropi Fonte: No inicio da década de 70. Para acomodar os artistas e técnicos. completo business centrer. . entre outros.

Figura: Piscina infantil Hotel Mazzaropi Fonte: Figura: Psicina adultos Hotel Mazzaropi Fonte: Figura: crianças aprendendo sobre o meio ambiente Fonte: Figura: esportes radicais Fonte: Pousada da Ilha – Ribeirao Claro/PR: . sendo que em 10 anos está sempre entre os 10 melhores.Foi considerado pela 4ª vez consecutiva. o melhor Hotel Fazenda do Brasil. O Hotel conta com um instituto – o Instituto Mazzaropi – que foi criado em 2000 com o objetivo de incentivar e divulgar a produção cultural e promover ações de preservação do meio ambiente. pelo Guia Quatro Rodas.

cercado de belezas naturais. . infantil.Quadra de vôlei .Pesqueiro . Sua infra-estrutura foi construída dentro dos padrões de qualidade e preservação do meio ambiente.Figura : Hotel Pousada da Ilha Fonte: Rodeada de águas da Represa de Chavantes.Fitness . Sua localização é afastada da cidade. Tem como objetivo obter a tranquilidade e conforto em um ambiente acolhedor. mata nativa e águas cristalinas. trilhas ecológicas e esportes náuticos.Cancha de bocha . foi inaugurada em 2000.Playground Além de passeios de escuna. .Piscina de biribol.Quadra de tênis .Pista de cooper ao redor da ilha .Sala de jogos . para levar os hospedes. Possui apenas 14 suítes. Para chegar à ilha é preciso de um barco. adulto e aquecida. fornecido pelo próprio hotel. Em sua infra-estrutura apresenta: .

Birdwachting .Passeio interpretativo .Tirolesa .Cavalgada .Caiaque .Pedalinho .Eventos corporativos . Figura: vista Hotel Fonte: Os atrativos do hotel são: .Day use . com o seu silêncio e sua linda paisagem.Rio Tamanduá . É considerado um sitio turístico e hotel fazenda com atividades produtivas. que hoje é administrado por eles. Toda a comodidade está distribuída em ampla área arborizada e verde.Hotel Fazenda Areia que Canta – Brotas/SP: O Hotel era uma fazenda antiga da família Farsoni. Ele oferece uma sensação do interior.Nascente areia que canta .

e outras atividades. onde turistas de todo o país se encontram para a prática de rafting. bóia cross. onde possui o maior ecoturismo do Brasil. Além de bons restaurantes. canionismo. A cidade é privilegiada com dezenas de cachoeiras. é a sua localização na cidade de Brotas. produtos típicos e festas tradicionais. arvorismo.Figura: Rafting Fonte: O maior diferencial deste hotel. comparados aos outros hotéis aqui citados. Figura: Cachoeira Fonte: Figura: Rio Tamanduá Fonte: Figura: nascente areia que canta . artesanatos.

Fonte: Fazenda São Benedito – Agudos/SP: Concluída em 1902. Piratininga. comidas típicas. Figura: Hospedagem Fazenda São Benedito Fonte: Acervo pessoal Suas instalações são de caráter rústico. e possui nove quartos e dois chalés independentes. preservando sua arquitetura original e remetendo seus turistas ao passado dos grandes coronéis do café. cachoeira e um mirante onde se avista diversas cidades como Bauru. Lençóis Paulista e Macatuba. desfrutando de atividades típicas do campo (cavalgadas e trilhas). Agudos. e faz parte do turismo rural da região. Os hospedes têm a oportunidade de conhecer a rotina rural de uma fazenda. Funciona como hotel. Figura: Vista do mirante da Fazenda Fonte: Acervo Pessoal . a Fazenda São Benedito é localizada na Serra em Agudos interior de São Paulo.

um mini-zôo para as crianças. quiosque para palestras onde está instalada uma exposição sobre fazendas cafeeiras do século XIX. hoje. utilizados por alguns esportistas para a prática de rapel. áreas para caminhadas. um nicho de Nossa Senhora das Vitórias. Nesta fazenda podemos encontrar pomar centenário. É uma área de aproximadamente de 20 alqueires paulista doada pelas proprietárias para ser instalado o “Fórum Pro Batalha” contribuindo para o aumento da Mata Atlântica. possui uma fonte de água límpida. cavalos. pôneis. onde corre a nascente do Rio Batalha. piscina. um restaurante adaptado na velha tulha de café.Ela possui paredões de rochas calcarias de grandes altitudes. campo de futebol social. uma pequena capela de São Benedito e sua história. Figura: Restaurante Fonte: Acervo pessoal Figura: Vista piscina Fonte: Acervo pessoal . um terreiro onde o café era secado. destinado às crianças para prática de diversos jogos.

Estudo de localização SUB-CAPITULO – Mesorregião de Bauru Mesorregião foi criada pelo IBGE com a finalidade de classificação de áreas que possuem as mesmas características socioeconômicas para a facilitação de levantamentos de dados estatísticos. Bauru. Borebi. Presidente Alves. Lucianópolis. Formado por 56 municípios agrupados em 5 microrregiões: Avaré. Guarantã. Piratininga.117 habitantes. Balbinos. Avaí.670 km² e está dividida em 21 municípios: Agudos. Botucatu. na subdivisão dos estados brasileiros em pólos de municípios similares.508. Duartina. Pongaí. Na microrregião de Bauru e possui uma área de 8. Paulistânia. Iacanga. A população desta microrregião foi estimada pela o IBGE no Censo 2010 em 568. Areiópolis. por situar-se no entroncamento de três rodovias e três ferrovias. Bauru. é um dos principais pólos urbanos do Estado. . O município de Bauru. Arealva. A mesorregião de Bauru corresponde a uma das quinze mesorregiões do estado de São Paulo. Jaú e Lins. Pirajuí. localizado no interior do Estado de São Paulo. Reginópolis. Consiste. Cabrália Paulista. Lençois Paulista. portanto. Ubirajara e Uru.Capitulo .

br/ag_historico. 45 escolas municipais de Educação Infantil.12 habitantes por km². que possui no município seu maior campus. São 48 escolas estaduais.bauru. apresentando uma densidade demográfica de 515. Possui diversas instutuições educacionais. a Universidade Estadual Paulista (Unesp).unesp.184 habitantes viviam na zona urbana e 5.php Os principais rios da cidade são o Batalha. Figura: Campus UNESP em Bauru Fonte: www. 338.Figura: Vista aérea de Bauru Fonte: Alexandre H. que atinge 0.825 pontos. como a Universidade do Sagrado Coração (USC). com destaque para o IDH-Educação (IDH-E). sendo o décimo oitavo mais populoso do estado. Universidade Paulista (UNIP) e a Instituição Toledo de Ensino (ITE). e várias universidades particulares. Segundo o censo de 2010. a Universidade de São Paulo (USP). Silva Possui elevado Índice Desenvolvimento Humano (IDH) classificado em 0. três universidades públicas. Bauru e o das Flores. a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 343. escolas técnicas e profissionalizantes como Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (SENAI). sete escolas de Ensino Fundamental. Colégio Técnico Industrial (CTI) e ETEC Rodrigues de Abreu. Serviço Social da Indústria (SESI).753 na zona rural. Em 2010.906 pontos. sete Áreas de Desenvolvimento Infantil (ADI). . três escolas de educação especial. a Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC). um dos índices mais altos do Brasil.937 habitantes.

Oferece ótimas redes.com SUB-CAPITULO – Estudo de localização em escala local Dentro do contexto da microrregião de Bauru. além do calçadão com centenas de lojas. bares de qualidade. às aplicações do conceito de projeto do hotel fazenda. se levarmos em consideração a posição geográfica do município no estado Paulista. com pouca população. centro de compras na região sul e central. restaurantes. hotéis. um zoológico de grande porte. (BAURU. área rural com grande potencial exploratório.Bauru obtém sua vocação turística voltada ao turismo de negócios e ao turismo científico. franquias. Figura: Mapa de localização de Bauru Fonte: www. Tem um potencial rico em todos os sentidos e. o Teatro Municipal. o município de Agudos. . várias são as atrações rurais e urbanas em uma ampla e rica região com opções do setor que se completam (a poucos quilômetros). consideramos como uma possível área de estudo relevante. o Aeroclube e o novo Aeroporto Moussa Tobias. 2010). cinemas. shopping center.skyscrapercity. sistema viário condizente ao turismo rural e boa localização aos municípios adjacentes. pois possui características de cidade interiorana.

sofrendo grandes modificações nos últimos anos. Sua riqueza natural é muito vasta. Sua vocação para o turismo rural vem se evidenciando a cada dia.com. distante 320 km da capital e 19 km de Bauru. e seus moradores e governantes estão empenhados em desenvolver este potencial de maneira planejada e sustentada. juntamente com outras empresas de igual importância como a Duratex. dentre elas. . Figura: Localização Agudos Fonte: www.faag.br/pos/localizacao A cidade apresenta-se em grande crescimento. propiciando descanso e tranquilidade aos hóspedes das diversas acomodações rurais existentes no município. destacam-se a do Rio Pelintra.Situa-se na região central do Estado de São Paulo. que trouxe para a cidade a Cia Paulista de Cervejas Vienense (Ambev). posiciona-se paralelamente à Rodovia Marechal Rondon e está a 15 km do aeroporto Moussa Tobias em Bauru. Possui grande potencial turístico. A Ambev deu um grande impulso na economia de Agudos. Possui diversas nascentes de rios importantes do interior paulista. Esta água ganhou fama nacional por ser tão pura e produzir a melhor cerveja do Brasil. tanto urbano quanto econômico.

.duratex-madeira.Figura: Fábrica Duratex Fonte: www.Densidade demográfica: 35.com.Polpulação urbana: 32.Extensao territorial: 968 km².73 hab/km². . .524 habitantes. .993 habitantes.br/duratex/web/a_empresa/fabricas/agudos Espera que seu desenvolvimento venha da exploração de suas riquezas naturais. e por isso aposta no turismo rural e histórico-cultural. Dados geográficos segundo IBGE (2010): .População: 34.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful

Master Your Semester with Scribd & The New York Times

Special offer: Get 4 months of Scribd and The New York Times for just $1.87 per week!

Master Your Semester with a Special Offer from Scribd & The New York Times