Você está na página 1de 106

Livro Eletrônico

Aula 01

Compras no Setor Público e Gestão de Contratos p/ NOVACAP (Administrador) - Com


videoaulas

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

AULA 1: Licita•‹o pœblica

Sumário

PROCESSOS LICITATÓRIOS .................................................................................................................... 4


Conceito ................................................................................................................................................... 4
Legislação ................................................................................................................................................. 5
Destinatários ............................................................................................................................................ 6
Finalidade ................................................................................................................................................. 7
Princípios .................................................................................................................................................. 8
Objeto..................................................................................................................................................... 10
0
Modalidades ........................................................................................................................................... 15
Obrigatoriedade ..................................................................................................................................... 29
Inexigibilidade de licitação ..................................................................................................................... 30
Dispensa de licitação .............................................................................................................................. 33
Procedimento ......................................................................................................................................... 44
Revogação e anulação ............................................................................................................................ 57
Sanções .................................................................................................................................................. 59
QUESTÕES MÚLTIPLA ESCOLHA .......................................................................................................... 63
QUESTÕES COMENTADAS NA AULA ................................................................................................... 89
GABARITO ........................................................................................................................................ 104
REFERÊNCIAS .................................................................................................................................... 104

Ol‡ concurseiros e concurseiras.

ƒ com muita satisfa•‹o que estamos lan•ando o curso de Compras no


Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos para o concurso de Administrador
da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil - NOVACAP.
De imediato, vejamos as caracter’sticas deste material:
ü todos os itens do edital ser‹o abordados de forma completa, sem
perda da objetividade;
ü grande quantidade de quest›es comentadas;
ü refer•ncias atualizadas, com ampla pesquisa na doutrina e
jurisprud•ncia recente;
ü contato direto com o professor atravŽs do f—rum de dœvidas.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Caso ainda n‹o me conhe•am, meu nome Ž Herbert Almeida, sou


Auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Esp’rito
Santo aprovado em 1¼ lugar no concurso para o cargo. AlŽm disso, obtive
o 1¼ lugar no concurso de Analista Administrativo do TRT/23¼
Regi‹o/2011. Meu primeiro contato com a Administra•‹o Pœblica ocorreu
atravŽs das For•as Armadas. Durante sete anos, fui militar do ExŽrcito
Brasileiro, exercendo atividades de administra•‹o como Gestor Financeiro,
Pregoeiro, Respons‡vel pela Conformidade de Registros de Gest‹o e Chefe de
Se•‹o. Sou professor de Direito Administrativo e Administra•‹o Pœblica aqui
no EstratŽgia Concursos e palestrante da Turma EstratŽgica.
AlŽm disso, no Tribunal de Contas, participo de atividades relacionadas
com o Direito Administrativo.
Ademais, os concursos pœblicos em que fui aprovado exigiram diversos
conhecimentos, inclusive sobre Direito Administrativo. Ao longo de meus
estudos, resolvi diversas quest›es, aprendendo a forma como cada
organizadora aborda os temas previstos no edital. Assim, pretendo passar
esses conhecimentos para encurtar o seu caminho em busca de seu objetivo.
Ent‹o, de agora em diante, vamos firmar uma parceria que levar‡ voc• ˆ
aprova•‹o no concurso pœblico para Administrador da NOVACAP.
Observo ainda que o nosso curso contar‡ com o apoio da Prof. Leticia
Cabral, que nos auxiliar‡ com as respostas no f—rum de dœvidas. A Prof.
Leticia Ž advogada e trabalha tambŽm como assessora de Procurador do
Estado em Vit—ria-ES. Atualmente tambŽm Ž aluna do mestrado em Direito
Processual na UFES (Universidade Federal do Esp’rito Santo). Com isso,
daremos uma aten•‹o mais completa e pontual ao nosso f—rum.
Falando do nosso curso, vamos abordar o seguinte conteœdo para a nossa
disciplina:

COMPRAS NO SETOR PÚBLICO E GESTÃO DE CONTRATOS: 1. Legislação


aplicável à contratação de bens e serviços. 1.1. Lei Federal no 8.666/1993.1.2. Lei
Federal 10.520/2002.4. Compras no setor público. 4.1. Objeto de licitação. 4.2. Edital de
licitação. 5. Gestão de Contratos

Para maximizar o seu aprendizado, nosso curso estar‡ estruturado em


tr•s aulas, sendo esta aula inicial e outras duas, vejamos o cronograma:
AULA CONTEÚDO DATA
4. Compras no setor público. 4.1. Objeto de licitação. 4.2. Edital de
Aula 1 licitação. 1.1. Lei Federal no 8.666/1993 (parte 1) Disponível

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

5. Gestão de Contratos: 1. Legislação aplicável à contratação de bens


Aula 2 07/01
e serviços. 1.1. Lei Federal no 8.666/1993 (parte 2)

Aula 3 1.2. Lei Federal 10.520/2002. 14/01

Vamos fazer uma observa•‹o importante! Ao longo da aula, vamos


colocar quest›es de verdadeiro ou falso do Cespe, tendo em vista que o tipo
de assertiva desta banca, alŽm de elevado n’vel, facilita a contextualiza•‹o
com os assuntos intermedi‡rios da aula (enquanto o assunto ainda est‡
Òfresco na cabe•aÓ). Ao final da aula, ap—s apresentar toda a teoria, vamos
trabalhar com quest›es de mœltipla escolha.
Por fim, se voc• quiser receber dicas di‡rias de prepara•‹o para
concursos e de Direito Administrativo, siga-me nas redes sociais (n‹o esque•a
de habilitar as notifica•›es no Instagram, assim voc• ser‡ informado sempre
que eu postar uma novidade por l‡):

@profherbertalmeida
www.facebook.com/profherbertalmeida/
@profherbertalmeida

Sem mais delongas, espero que gostem do material e vamos ao nosso


curso.
Observa•‹o importante: este curso Ž protegido por direitos autorais (copyright), nos
termos da Lei 9.610/98, que altera, atualiza e consolida a legisla•‹o sobre direitos autorais
e d‡ outras provid•ncias.

Grupos de rateio e pirataria s‹o clandestinos, violam a lei e prejudicam os professores que
elaboram os cursos. Valorize o trabalho de nossa equipe adquirindo os cursos honestamente
atravŽs do site EstratŽgia Concursos ;-)

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

PROCESSOS LICITATÓRIOS

Conceito

Para iniciar nosso estudo vamos primeiro conceituar a licita•‹o. Para


Maria Sylvia Zanella Di Pietro1:
[...] pode-se definir a licita•‹o como o procedimento administrativo
pelo qual um ente pœblico, no exerc’cio da fun•‹o administrativa, abre
a todos os interessados, que se sujeitem ˆs condi•›es fixadas no
instrumento convocat—rio, a possibilidade de formularem propostas
dentre as quais selecionar‡ e aceitar‡ a mais conveniente para a
celebra•‹o de contrato. (grifos nossos)

Em seguida, a autora faz alguns coment‡rios importantes de alguns


pontos do conceito. Um procedimento administrativo Ž um conjunto de
atos integrados que s‹o realizados dentro de uma sequ•ncia para alcan•ar um
resultado ou ato final. Dessa forma, a licita•‹o Ž um procedimento utilizado
para oferecer a oportunidade aos diversos interessados em apresentar
propostas para, ao final, selecionar aquela considerada a mais vantajosa para
a Administra•‹o.

Ainda complementando, Di Pietro destaca que Ž atravŽs da licita•‹o que


a Administra•‹o abre, a todos os interessados que se sujeitem ˆs
condi•›es fixadas no instrumento convocat—rio, a possibilidade de
apresenta•‹o de proposta. O instrumento convocat—rio, seja a carta-
convite ou o edital, apresenta as condi•›es b‡sicas para participar da licita•‹o
e estabelece as normas a serem observadas no contrato que se pretende
celebrar. Assim, o atendimento da convoca•‹o implica na aceita•‹o das
condi•›es ali estabelecidas.

Por fim, a possibilidade de formularem propostas dentre as quais


selecionar‡ e aceitar‡ a mais conveniente para a celebra•‹o de
contrato Ž a parte final do conceito. Segundo a autora, diferentemente do
que ocorre na iniciativa privada, quando uma parte faz uma proposta e a outra
aceita, no setor pœblico a licita•‹o equivale a uma oferta dirigida a toda a
coletividade que preencha os requisitos legais e regulamentares. Dentro
dessa coletividade, algumas pessoas apresentar‹o propostas, que equivalem
ˆ aceita•‹o da oferta da Administra•‹o. Por fim, o ente pœblico dever‡


1
Di Pietro, 2013, p. 370.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

selecionar a proposta que seja mais conveniente para resguardar o interesse


pœblico, dentro dos requisitos fixados no ato convocat—rio.

Legislação

O arcabou•o jur’dico das licita•›es Ž amplo. O fundamento principal


decorre do inciso XXI do artigo 37 da Constitui•‹o Federal de 1988 (CF/88),
segundo o qual:
XXI - ressalvados os casos especificados na legisla•‹o, as obras,
servi•os, compras e aliena•›es ser‹o contratados mediante
processo de licita•‹o pœblica que assegure igualdade de condi•›es
a todos os concorrentes, com cl‡usulas que estabele•am obriga•›es de
pagamento, mantidas as condi•›es efetivas da proposta, nos termos da
lei, o qual somente permitir‡ as exig•ncias de qualifica•‹o tŽcnica e
econ™mica indispens‡veis ˆ garantia do cumprimento das obriga•›es.
(grifos nossos)

Desde j‡, Ž importante destacar que o dispositivo constitucional permite


que a legisla•‹o estabele•a casos em que n‹o se aplica a licita•‹o, ponto que
estudaremos mais adiante.

Prosseguindo, o artigo 22, inciso XXVII, da CF/88 estabelece como


compet•ncia privativa da Uni‹o legislar sobre Ònormas gerais de licita•‹o
e contrata•‹o, em todas as modalidades, para as administra•›es pœblicas
diretas, aut‡rquicas e fundacionais da Uni‹o, Estados, Distrito Federal e
Munic’pios, obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas pœblicas
e sociedades de economia mista, nos termos do art. 173, ¤ 1¡, IIIÓ, conforme
reda•‹o dada pela EC 19/1998. Dessa forma, ˆ Uni‹o compete estabelecer as
normas gerais, aplic‡veis a todos os entes federados, cabendo aos estados,
Distrito Federal e munic’pios editarem normas espec’ficas. De certa forma,
a Uni‹o tambŽm pode editar normas espec’ficas, mas que, neste caso, n‹o se
aplicaria aos demais entes federados.

Ainda na Constitui•‹o, a EC 19/1998, dando nova reda•‹o ao artigo 173,


¤ 1¼, da CF, fez previs‹o para o estatuto jur’dico das empresas pœblicas
e sociedades de economia mista, dispondo, entre outros temas, sobre
normas pr—prias de licita•‹o e contrata•‹o para essas entidades. Esse estatuto
foi elaborado, constituindo-se na Lei 13.303/2016, que apresenta um
regime licitat—rio espec’fico para as empresas estatais.

Partindo para a legisla•‹o infraconstitucional, a Lei 8.666/1993, que


regulamenta o inciso XXI do artigo 37 da CF, estabelece normas gerais

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

sobre licita•›es e contratos administrativos pertinentes a obras,


servi•os, inclusive de publicidade, compras, aliena•›es e loca•›es no ‰mbito
dos Poderes da Uni‹o, dos estados, do Distrito Federal e dos
munic’pios.

Outro documento importante Ž a Lei 10.520/2002, que institui, no


‰mbito da Uni‹o, estados, Distrito Federal e munic’pios, a modalidade de
licita•‹o denominada preg‹o, para aquisi•‹o de bens e servi•os comuns.

A partir de agora, nossa an‡lise tomar‡ por base a Lei 8.666/1993 (Lei
de Licita•›es e Contratos, LLC, Lei de Licita•›es, Estatuto geral das licita•›es
ou somente Estatuto). Assim, quando n‹o houver men•‹o sobre qual lei
estamos falando ou sobre qual lei se refere os dispositivos mencionados,
estaremos tratando Lei 8.666/1993.

Destinatários

O artigo 1¼ da Lei de Licita•›es estabelece o seu campo de aplica•‹o da


seguinte forma:
Art. 1o Esta Lei estabelece normas gerais sobre licita•›es e contratos
administrativos pertinentes a obras, servi•os, inclusive de publicidade,
compras, aliena•›es e loca•›es no ‰mbito dos Poderes da Uni‹o, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Munic’pios.

Par‡grafo œnico. Subordinam-se ao regime desta Lei, alŽm dos —rg‹os


da administra•‹o direta, os fundos especiais, as autarquias, as
funda•›es pœblicas, as empresas pœblicas, as sociedades de economia
mista e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela
Uni‹o, Estados, Distrito Federal e Munic’pios. (grifos nossos)

Dessa forma, as normas gerais de licita•‹o se aplicam a todos os entes


federados (Uni‹o, estados, Distrito Federal e munic’pios), envolvendo os tr•s
Poderes (Executivo, Legislativo e Judici‡rio), incluindo ainda os Tribunais de
Contas e o MinistŽrio Pœblico. Aplica-se tambŽm aos —rg‹os encarregados de
gerir os fundos especiais e ˆs autarquias, funda•›es pœblicas.

Contudo, sobre a parte final do art. 1¼, par‡grafo œnico, da Lei


8.666/1993, surge um tema que poder‡ gerar dœvidas nas pr—ximas provas.

Conforme mencionado acima, a EC 19/1998 permitiu a elabora•‹o de


legisla•‹o pr—pria para empresas pœblicas e sociedades de economia
mista. Essa nova legisla•‹o Ž a Lei 13.303/2016, que apresenta um regime
licitat—rio espec’fico para as empresas pœblicas, as sociedades de economia
mista e suas subsidi‡rias, exploradoras de atividade econ™mica, ainda

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

que a atividade econ™mica esteja sujeita ao regime de monop—lio da Uni‹o,


ou prestadoras de servi•os pœblicos (Lei 13.303/2016, art. 1¼, caput).
Ademais, as disposi•›es da Lei 13.303/2016 aplicam-se inclusive ˆs
sociedades, inclusive as de prop—sito espec’fico, que sejam controladas por
empresa pœblica ou sociedade de economia mista (Lei 13.303/2016, art. 1¼,
¤ 6¼).

Assim, desde a edi•‹o da Lei 13.303/2016, podemos dizer que houve


uma revoga•‹o t‡cita do trecho final do art. 1¼, par‡grafo œnico, da Lei
8.666/1993, uma vez que esta n‹o se aplica mais ˆs empresas pœblicas e ˆs
sociedades de economia mista, incluindo ainda ˆs suas subsidi‡rias e
sociedades por elas controladas.

Salientamos, entretanto, que Ž preciso tomar cuidado nas quest›es de


concursos. Principalmente em quest›es literais, uma vez que o art. 1¼,
par‡grafo œnico, da Lei 8.666/1993 n‹o foi expressamente revogado. Se a
quest‹o cobrar o ‰mbito de aplica•‹o da Lei 8.666/1993, o mais adequado,
atualmente, Ž excluir a aplica•‹o ˆs empresas estatais.

Ressalta-se, por fim, que ao longo desta aula a Lei 13.303/2016 n‹o ser‡
estudada, j‡ que o assunto aqui abordado refere-se ˆs normas gerais de
licita•›es previstas na Lei 8.666/1993.

Finalidade

A finalidade ou destina•‹o da licita•‹o encontra-se disciplinada em seu


artigo 3¼ nos seguintes termos:
Art. 3o A licita•‹o destina-se a garantir a observ‰ncia do princ’pio
constitucional da isonomia, a sele•‹o da proposta mais vantajosa
para a administra•‹o e a promo•‹o do desenvolvimento nacional
sustent‡vel e ser‡ processada e julgada em estrita conformidade com
os princ’pios b‡sicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade,
da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vincula•‹o
ao instrumento convocat—rio, do julgamento objetivo e dos que lhes s‹o
correlatos. (grifos nossos)

Essa reda•‹o foi dada pela Lei 12.349/2010, incluindo como terceira
finalidade a promo•‹o do desenvolvimento nacional sustent‡vel. Dessa forma,
podemos destacar as finalidades da seguinte forma:

¥ garantir a observ‰ncia do princ’pio constitucional da isonomia:


o procedimento deve proporcionar igualdade entre os participantes no
procedimento licitat—rio. Este princ’pio sofreu flexibiliza•‹o a partir da

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Lei 12.349/2010, uma vez que essa Lei incluiu possibilidades de se


instituir margem de prefer•ncia para os poss’veis candidatos;

¥ sele•‹o da proposta mais vantajosa: a proposta mais vantajosa Ž


aquela que atende da melhor maneira ˆs necessidades da entidade e
do interesse pœblico, o que nem sempre ser‡ o menor pre•o;

¥ promo•‹o do desenvolvimento nacional sustent‡vel: devido ao


grande impacto que as compras governamentais t•m na economia. As
licita•›es pœblicas devem buscar o desenvolvimento econ™mico e o
fortalecimento de cadeias produtivas de bens e servi•os domŽsticos,
com vistas ˆ institui•‹o de incentivos ˆ pesquisa e ˆ inova•‹o.

Dessa forma, foram inclu’das margens de prefer•ncia na Lei de


Licita•›es, a exemplo da previs‹o o ¤5¼ do artigo 3¼ (grifou-se): ÒNos
processos de licita•‹o, poder‡ ser estabelecida margem de prefer•ncia para
(Reda•‹o dada pela Lei n¼ 13.146, de 2015): (i) produtos manufaturados
e para servi•os nacionais que atendam a normas tŽcnicas brasileiras; e (ii)
bens e servi•os produzidos ou prestados por empresas que comprovem
cumprimento de reserva de cargos prevista em lei para pessoa com
defici•ncia ou para reabilitado da Previd•ncia Social e que atendam ˆs
regras de acessibilidade previstas na legisla•‹oÓ.

Princípios

O artigo 3¼ apresentado acima traz como princ’pios b‡sicos da licita•‹o


2
a :

¥ legalidade: n‹o pode prevalecer a vontade do administrador, pois sua


atua•‹o deve pautar-se no que a lei imp›e;

¥ impessoalidade: na licita•‹o, esse princ’pio est‡ intimamente ligado


aos princ’pios da isonomia e do julgamento objetivo. As decis›es da
Administra•‹o devem pautar-se em critŽrios objetivos, sem levar em
considera•‹o as condi•›es pessoais dos licitantes;

¥ moralidade e probidade administrativa: o comportamento da


Administra•‹o n‹o deve ser apenas l’cito, mas tambŽm se basear na
moral, nos bons costumes, nas regras de boa administra•‹o, nos
princ’pios da justi•a e de equidade, na ideia comum de honestidade;


2
Comentários com base em Di Pietro, 2013,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

¥ igualdade: a licita•‹o n‹o se destina exclusivamente a escolha da


proposta mais vantajosa. Para isso, bastaria que o Administrador
comprasse de uma empresa de seu irm‹o com o menor pre•o do
mercado. Contudo, deve ir alŽm disso, garantindo tambŽm a igualdade
de direitos a todos os interessados em contratar;

¥ publicidade: diz respeito n‹o apenas ˆ divulga•‹o do procedimento


para conhecimento de todos os interessados (publica•‹o do edital,
divulga•‹o da carta-convite), como tambŽm aos atos da Administra•‹o
praticados nas v‡rias fases do procedimento. Quanto maior a
competitividade, maior deve ser a publicidade.

O ¤3¼ da Lei 8.666/1993 estabelece que a licita•‹o (grifou-se) Òn‹o ser‡


sigilosa, sendo pœblicos e acess’veis ao pœblico os atos de seu procedimento,
salvo quanto ao conteœdo das propostas, atŽ a respectiva aberturaÓ.
Esta ressalva d‡ origem a outro princ’pio da licita•‹o, qual seja o sigilo na
apresenta•‹o das propostas.

Outrossim, o artigo 4¼ d‡ o direito a qualquer cidad‹o para acompanhar


o desenvolvimento da licita•‹o, desde que n‹o interfira de modo a perturbar
ou impedir a realiza•‹o dos trabalhos. AlŽm disso, diversos outros dispositivos
constituem aplica•‹o do princ’pio da publicidade, constituindo meios para a
ampla fiscaliza•‹o sobre a legalidade do procedimento.

¥ vincula•‹o ao instrumento convocat—rio: segundo o artigo 41, ÒA


Administra•‹o n‹o pode descumprir as normas e condi•›es do edital,
ao qual se acha estritamente vinculadaÓ. Em complemento, o inciso
V do artigo 43 estabelece que o: Òjulgamento e classifica•‹o das
propostas de acordo com os critŽrios de avalia•‹o constantes do
editalÓ. Dessa forma, o edital constitui a lei interna da licita•‹o, ao
qual est‹o vinculados a entidade licitante e todos os concorrentes;

¥ julgamento objetivo: decorre do princ’pio da legalidade,


estabelecendo que o julgamento das propostas h‡ de ser feito de
acordo com os critŽrios fixados no edital. Esse princ’pio decorre
tambŽm do artigo 45, que estabelece o seguinte:
Art. 45. O julgamento das propostas ser‡ objetivo, devendo a
Comiss‹o de licita•‹o ou o respons‡vel pelo convite realiz‡-lo em
conformidade com os tipos de licita•‹o, os critŽrios previamente
estabelecidos no ato convocat—rio e de acordo com os fatores
exclusivamente nele referidos, de maneira a possibilitar sua aferi•‹o
pelos licitantes e pelos —rg‹os de controle. (grifos nossos)

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

O artigo 3¼, alŽm de apresentar os princ’pios expressos, estabelece, ao


seu final, que se aplicam tambŽm os princ’pios que Òlhes s‹o correlatosÓ.
Dessa forma, a doutrina menciona diversos outros princ’pios. Hely Lopes
Meirelles3, por exemplo, apresenta uma rela•‹o maior de princ’pios:
procedimento formal, publicidade, igualdade entre os licitantes, sigilo das
propostas, vincula•‹o ao edital, julgamento objetivo, probidade administrativa
e adjudica•‹o compuls—ria.

Segundo o autor, como procedimento formal, a licita•‹o deve


obedi•ncia ˆs prescri•›es legais que a regem em todos os seus atos e fases,
devendo seguir, ainda, os regulamentos e cadernos de obriga•›es pr—prios da
entidade, alŽm do edital ou carta-convite.

Por fim, a adjudica•‹o diz respeito ao ato da autoridade competente


que atribui ao vencedor do certame o seu objeto. A adjudica•‹o Ž o ato
unilateral pelo qual a Administra•‹o declara que, se vier a celebrar o
contrato referente ao objeto da licita•‹o, obrigatoriamente o far‡ com o
licitante vencedor4. Dessa forma, a adjudica•‹o compuls—ria ao vencedor
impede que a Administra•‹o, conclu’do o procedimento licitat—rio, atribua seu
objeto a terceiro que n‹o seja o leg’timo vencedor.

Esse princ’pio, porŽm, d‡ direito apenas a adjudica•‹o, n‹o garantindo


a celebra•‹o do contrato. Assim, impede-se que o —rg‹o celebre o contrato
com outro ou abra novo procedimento licitat—rio para o mesmo objeto
enquanto estiver v‡lida a adjudica•‹o. Impede, tambŽm, que o —rg‹o protele
a contrata•‹o indefinidamente sem apresentar motivo para tal. Todavia, n‹o
constitui direito subjetivo ˆ assinatura do contrato, ou seja, a Administra•‹o
possui a prerrogativa de, por motivos supervenientes, deixar de assinar o
contrato.

Objeto

Segundo Hely Lopes Meirelles5, o objeto da licita•‹o ÒŽ a obra, o servi•o,


a compra, a aliena•‹o, a concess‹o, a permiss‹o e a loca•‹o que, afinal, ser‡
contratada com o particularÓ. Dessa forma, o objeto da licita•‹o confunde-se
com o pr—prio objeto do contrato.


3
Meirelles, 2013, p. 299.
4
Barchet, 2008, p. 427.
5
Meirelles, 2013, p. 300.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Vejamos algumas defini•›es apresentadas pela pr—pria Lei 8.666/1993


(art. 6¼):

¥ obra: toda constru•‹o, reforma, fabrica•‹o, recupera•‹o ou


amplia•‹o, realizada por execu•‹o direta ou indireta;

¥ servi•o: - toda atividade destinada a obter determinada utilidade de


interesse para a Administra•‹o, tais como: demoli•‹o, conserto,
instala•‹o, montagem, opera•‹o, conserva•‹o, repara•‹o, adapta•‹o,
manuten•‹o, transporte, loca•‹o de bens, publicidade, seguro ou
trabalhos tŽcnico-profissionais;

¥ compra: toda aquisi•‹o remunerada de bens para fornecimento de


uma s— vez ou parceladamente;

¥ aliena•‹o: toda transfer•ncia de dom’nio de bens a terceiros;


A concess‹o e a permiss‹o s‹o formas de delega•‹o de servi•os
pœblicos previstas no artigo 175 da CF/88. Por fim, a loca•‹o ocorre quando
um propriet‡rio cede determinado bem para utiliza•‹o de terceiros.

1. (Cespe – Administrador/DPF/2014) A utilização da licitação pública para a


aquisição de produtos e serviços atende ao princípio da isonomia para a contratação,
assegurando igualdade de condições aos interessados em fornecer ao Estado.
Comentário: a realização de licitação ocorre para oferecer oportunidade a mais
de um interessado em apresentar proposta, e para assegurar a igualdade de
condições a todos os participantes do processo. A garantia disso reflete o
princípio da igualdade/isonomia apresentada no artigo 3º da LLC.
Gabarito: correto.

2. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O princípio da impessoalidade, no que se


refere à execução de obras públicas, proíbe a subcontratação de empresas para a
execução de parte do serviço licitado, porquanto a escolha pessoal do subcontratado
pelo contratado viola o interesse público.
Comentário: o princípio da impessoalidade afirma que a Administração deve
pautar-se em critérios objetivos, sem levar em consideração as condições
pessoais dos licitantes. Quanto à subcontratação, cabe saber que ela é permitida
desde que expressamente prevista no edital.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Gabarito: errado.

3. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Em razão do princípio da eficiência,


é possível, mediante licitação, a contratação de empresa que não tenha apresentado
toda a documentação de habilitação exigida, desde que a proposta seja a mais
vantajosa para a administração.
Comentário: o princípio da eficiência determina que a Administração Pública,
agindo com moralidade e legalidade, se utilize dos bens públicos de modo a
garantir maior rentabilidade social e evitando desperdícios.
Somente conhecendo o princípio já é possível ver que ele não se alinha com o
enunciado da questão.
Além disso, a contratação de qualquer empresa que não apresente a
documentação solicitada é vedada, obedecendo ao princípio da legalidade.
Gabarito: errado.

4. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Não há previsão legal para o


estabelecimento, nos processos licitatórios, de margem de preferência para bens e
serviços com tecnologia desenvolvida no Brasil.
Comentário: a margem de preferência foi instituída pela MP 495/2010, que
flexibilizou o conceito de proposta mais vantajosa para a Administração,
incluindo como um de seus objetivos o desenvolvimento nacional sustentável.
Assim, é possível considerar uma proposta como mais vantajosa, mesmo que
ela não seja a de menor valor.
Os casos de margem de preferência devem levar em conta (art. 3º, §6º):
I - geração de emprego e renda;
II - efeito na arrecadação de tributos federais, estaduais e municipais;
III - desenvolvimento e inovação tecnológica realizados no País;
IV - custo adicional dos produtos e serviços; e
V - em suas revisões, análise retrospectiva de resultados.
Além disso, poderá ser estabelecida margem de preferência adicional para os
produtos manufaturados e serviços nacionais resultantes de desenvolvimento e
inovação tecnológica realizados no País.
Logo, há previsão legal para margem de preferência para bens e serviços com
tecnologia desenvolvida no Brasil.
Gabarito: errado.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

5. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Dadas as alterações feitas, nos


últimos anos, no marco regulatório das licitações públicas, aos requisitos do melhor
preço e da maior vantagem para a administração pública somaram-se, também,
critérios de sustentabilidade ambiental.
Comentário: as finalidades da licitação estão previstas no artigo 3º da LLC. Para
tanto, o texto traz como finalidades

¥ a garantia e observância ao princípio da isonomia;

¥ a seleção da proposta mais vantajosa; e

¥ a promoção do desenvolvimento nacional sustentável (conforme redação


da Lei 12.349/2010).
Dessa forma, correta a assertiva.
Gabarito: correto.

6. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Cabe privativamente à União


legislar acerca de normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades,
para as administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, dos
estados, do DF e dos municípios.
Comentário: compete à União estabelecer as normas gerais, aplicáveis a todos
os entes federados, cabendo aos estados, Distrito Federal e municípios editarem
normas específicas.
Gabarito: correto.

7. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) O primeiro critério de desempate a ser


utilizado, em uma concorrência, é o de bens e serviços produzidos no país.
Comentário: os critérios desempate que constam no artigo 3º, § 2o da Lei
8.666/93 são os seguintes:
¤ 2o Em igualdade de condi•›es, como critŽrio de desempate,
ser‡ assegurada prefer•ncia, sucessivamente, aos bens e
servi•os:

II - produzidos no Pa’s;

III - produzidos ou prestados por empresas brasileiras.

IV - produzidos ou prestados por empresas que invistam em pesquisa


e no desenvolvimento de tecnologia no Pa’s.

V - produzidos ou prestados por empresas que comprovem


cumprimento de reserva de cargos prevista em lei para pessoa com
defici•ncia ou para reabilitado da Previd•ncia Social e que atendam ˆs
regras de acessibilidade previstas na legisla•‹o.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 13 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Para tanto, correta a assertiva.


Gabarito: correto.

8. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Todo o processo licitatório deve ocorrer em


sigilo, para que seja possível manter a isonomia do processo.
Comentário: o processo licitatório deve ter seu acesso liberado ao público,
sendo apenas o conteúdo das propostas sigiloso até a sua abertura (§3º da Lei
8.666/1993).
Gabarito: errado.

9. (Cespe – APGI/INPI/2013) Um dos objetivos dessa lei é dar transparência ao


processo licitatório e permitir igualdade de participação a todos, além de observar a
promoção do desenvolvimento nacional sustentável.
Comentário: segundo o artigo 3º (vamos repetir esse artigo várias vezes, pois
ele é fundamental para a prova) da Lei 8.666/1993:
Art. 3¼ A licita•‹o destina-se a garantir a observ‰ncia do princ’pio
constitucional da isonomia, a sele•‹o da proposta mais vantajosa
para a administra•‹o e a promo•‹o do desenvolvimento nacional
sustent‡vel e ser‡ processada e julgada em estrita conformidade
com os princ’pios b‡sicos da legalidade, da impessoalidade, da
moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade
administrativa, da vincula•‹o ao instrumento convocat—rio, do
julgamento objetivo e dos que lhes s‹o correlatos.

As finalidades da licitação expressamente previstas no artigo 3º são:

¥ garantir a observância do princípio constitucional da isonomia;

¥ seleção da proposta mais vantajosa para a administração; e

¥ promoção do desenvolvimento nacional sustentável.


Podemos enquadrar também a garantia do cumprimento de seus princípios,
dentre eles o da publicidade que tem, entre seus objetivos, a garantia da
transparência do procedimento.
Gabarito: correto.

10. (Cespe – AJ/TJ ES/2010) A licitação é um processo administrativo por se constituir


de atos jurídicos praticados com o propósito de se alcançar um determinado resultado.
Comentário: a licitação é um procedimento administrativo, sendo realizada para
alcançar determinado resultados: “garantir a observância do princípio
constitucional da isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a
administração e a promoção do desenvolvimento nacional sustentável”.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Gabarito: correto.

11. (Cespe – AJ/TJ ES/2010) Como forma de favorecer a celeridade na contratação


de serviços públicos ou na alocação de bens, a legislação atribui competência
concorrente aos municípios para que estes possam criar modalidades simplificadas de
licitação.
Comentário: somente a União pode legislar sobre normas gerais de licitação.
Assim, os demais entes federados não podem criar outras modalidades
licitatórias, conforme determina o §8º do art. 22 da LLC:
¤ 8o ƒ vedada a cria•‹o de outras modalidades de licita•‹o ou a
combina•‹o das referidas neste artigo.

Gabarito: errado.

12. (Cespe – APGI/INPI/2013) Compete à União, aos estados e ao Distrito Federal,


de forma concorrente, editar normas gerais de contratação, em todas as modalidades,
para suas administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais, e para as
empresas públicas e sociedades de economia mista que lhes são vinculadas.
Comentário: a competência para editar normas gerais sobre licitações e
contratos é da União, cabendo aos estados, Distrito Federal e municípios apenas
editar normas específicas.
Gabarito: errado.

Modalidades

O artigo 22 da Lei 8.666/1993 estabelece as seguintes modalidades de


licita•‹o: concorr•ncia, tomada de pre•os, convite, concurso; e leil‹o.
AlŽm dessas, a Lei 10.520/2002 instituiu a modalidade de licita•‹o chamada
preg‹o. Por fim, a Lei 9.472/1997, Lei da Ag•ncia Nacional de
Telecomunica•›es (Anatel), criou a modalidade chamada consulta, aplic‡vel
ˆs demais ag•ncias reguladoras por determina•‹o do artigo 37 da Lei
9.986/2000.

O ¤8¼ do artigo 22 da Lei veda expressamente a cria•‹o de outras


modalidades de licita•‹o ou a combina•‹o das modalidades nela
referidas. Esse dispositivo deve ser entendido como uma veda•‹o para que
se criem novas modalidades de licita•‹o por atos administrativos, decretos ou
lei federal, estadual ou municipal. PorŽm, a cria•‹o de novas modalidades por
meio de lei nacional Ž permitida, a exemplo da Lei 10.520/2002, que Ž uma
lei nacional, aplic‡vel a todos os entes federados.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

O critŽrio para escolha da concorr•ncia, tomada de pre•os ou convite


Ð conhecidas como modalidades comuns Ð, em geral, decorre do valor do
objeto a ser licitado.

O convite Ž aplic‡vel para obras e servi•os de engenharia atŽ o valor


de R$ 150 mil e para compras e demais servi•os o limite Ž de R$ 80 mil.
Por sua vez, a tomada de pre•os (TP) pode ser utilizada em obras e
servi•os de engenharia de atŽ R$ 1,5 milh‹o e para compras e demais
servi•os o valor m‡ximo Ž de R$ 650 mil. Acima desses valores, aplica-se a
concorr•ncia.

Cabe destacar que as modalidades mais complexas podem ser utilizadas


nos valores abrangidos pelas modalidades mais simples. Isso quer dizer que
seria poss’vel, por exemplo, aplicar a concorr•ncia em uma obra ou servi•o
de engenhar de R$ 70 mil, ou R$ 350 mil. Essa aplica•‹o decorre do ¤3¼ do
artigo 23, vazado nos seguintes termos:
¤ 3o A concorr•ncia Ž a modalidade de licita•‹o cab’vel, qualquer
que seja o valor de seu objeto, tanto na compra ou aliena•‹o de
bens im—veis, ressalvado o disposto no art. 19, como nas concess›es
de direito real de uso e nas licita•›es internacionais, admitindo-se neste
œltimo caso, observados os limites deste artigo, a tomada de pre•os,
quando o —rg‹o ou entidade dispuser de cadastro internacional de
fornecedores ou o convite, quando n‹o houver fornecedor do bem ou
servi•o no Pa’s.

Dessa forma, podemos afirmar que a concorr•ncia abrange a tomada de


pre•os e o convite, enquanto a tomada de pre•os abrange o convite. A figura
a seguir resume tudo isso:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Obras e Compras e
Modalidade Servi•os de Demais
Engenharia Servi•os

Concorrência
Acima de R$ Acima de R$
1,5 milhão 650 mil

Tomada de
preços

Até R$ 1,5 Até R$ 650 mil


milhão

Convite
Até R$ 150 mil Até R$80 mil

Esses valores, no caso dos cons—rcios pœblicos, previstos na Lei


11.107/2005, ser‹o aplicados em dobro, quando o cons—rcio for formado por
atŽ tr•s entes da federa•‹o, e em triplo, quando formado por um maior
nœmero. Exemplificando, se o cons—rcio for formado por tr•s entes federados,
ele poder‡ utilizar a modalidade de tomada de pre•os para obras e servi•os
de engenharia atŽ o valor de R$ 3 milh›es (2x 1,5).

Concorrência

A concorr•ncia Ž a mais complexa das modalidades comuns, sendo


aplicada em licita•›es de maior vulto, precedida de ampla publicidade. De
acordo com o ¤1¼ do artigo 22, a concorr•ncia Ž a modalidade de licita•‹o
entre quaisquer interessados que, na fase inicial de habilita•‹o
preliminar, comprovem possuir os requisitos m’nimos de qualifica•‹o
exigidos no edital para execu•‹o de seu objeto.

Essa Ž a mais complexa modalidade de licita•‹o, podendo ser aplicada,


em tese, em qualquer situa•‹o quando o critŽrio de escolha for o valor.

Apresenta como caracter’sticas principais a universalidade e a ampla


publicidade:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

¥ universalidade: significa a possibilidade de participa•‹o de


quaisquer interessados que, na fase de habilita•‹o preliminar,
comprovem possuir os requisitos m’nimos de qualifica•‹o exigidos no
edital6, independentemente de registro cadastral;

¥ ampla publicidade: a divulga•‹o da concorr•ncia dever‡ ocorrer por


todos os meios dispon’veis, por tantas vezes quantas julgar
7
necess‡ria .

A publicidade da concorr•ncia Ž a mais ampla. AlŽm do prazo mais


dilatado entre a publica•‹o do edital e o recebimento das propostas ou da
realiza•‹o do evento, deve-se buscar divulgar os meios em jornais, internet
ou outros meios.

Vamos aproveitar para apresentar os prazos exigidos pela Lei entre a


publica•‹o do edital e recebimento das propostas ou da realiza•‹o do evento
(artigo 21, ¤2¼ e incisos):
Prazo Situação
a) concurso; ou
b) concorrência, para o regime de empreitada integral ou
45 dias
quando a licitação for do tipo "melhor técnica" ou "técnica e
preço";
c) concorrência, nos casos não especificados acima; ou
30 dias d) tomada de preços, quando a licitação for do tipo "melhor
técnica" ou "técnica e preço";
e) tomada de preços, nos casos não especificados acima; ou
15 dias
f) leilão;
5 dias úteis g) convite.

Conforme consta no ¤4¼, art. 21, qualquer modifica•‹o no edital exige


divulga•‹o pela mesma forma que se deu o texto original, reabrindo-se
o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando, inquestionavelmente, a
altera•‹o n‹o afetar a formula•‹o das propostas.

Voltando para a concorr•ncia, podemos destacar ainda outra


caracter’stica dessa modalidade, que Ž a fase de habilita•‹o preliminar,
realizada ap—s a abertura do procedimento (publica•‹o do resumo do edital)8.


6
Di Pietro. 2013. p. 412.
7
Borges e Bernardes, 2010, p. 81.
8
Alexandrino e Paulo, 2011, p. 621.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

A aplica•‹o da concorr•ncia n‹o decorre somente do pre•o. A LLC


estabelece outros casos que exigem a utiliza•‹o dessa modalidade,
independentemente do valor do objeto. Maria Di Pietro9 resume da seguinte
forma os casos em que a concorr•ncia Ž obrigat—ria:

a) obras e servi•os de engenharia de valor superior a R$


1.500.000,00 (um milh‹o e quinhentos mil reais);

b) compras e servi•os que n‹o sejam de engenharia, de valor


superior a R$ 650.000,00 (seiscentos e cinquenta mil reais);

c) compra e aliena•‹o de bens im—veis, qualquer que seja o seu


valor, ressalvado o disposto no artigo 19, que admite concorr•ncia ou
leil‹o para aliena•‹o de bens adquiridos em procedimentos judiciais
0
ou mediante da•‹o em pagamento (¤3¼ do artigo 23);

Uma pequena pausa para explicar este item. Para compra ou aliena•‹o
(venda) de bens im—veis (constru•›es, terrenos etc.), deve-se utilizar a
concorr•ncia. Entretanto, o artigo 19 permite que se utilize tanto a
concorr•ncia quanto o leil‹o, para a aliena•‹o, quando a aquisi•‹o do bem
decorrer de procedimento judicial ou da•‹o em pagamento10.

d) concess›es de direito real de uso (¤3¼ do art. 23);

e) licita•›es internacionais. PorŽm, a Lei admite uma exce•‹o em que


se poder‡ utilizar a tomada de pre•os e outra em que se poder‡
utilizar o convite. De acordo com o ¤3¼ do art. 23, a concorr•ncia Ž
obrigat—ria:
[...] nas licita•›es internacionais, admitindo-se neste œltimo caso,
observados os limites deste artigo, a tomada de pre•os, quando o
—rg‹o ou entidade dispuser de cadastro internacional de
fornecedores ou o convite, quando n‹o houver fornecedor do bem
ou servi•o no Pa’s.

Cabe ressaltar que, mesmo nas hip—teses apresentadas acima para


licita•›es internacionais, os limites de valores utilizados para o convite e para
tomada de pre•os devem ser respeitados.

f) aliena•‹o de bens m—veis de valor superior a R$ 650 mil (art. 17,


¤ 6¼, c/c art. 23, II, b);


9
Di Pietro, 2013, p. 408-409.
10
Segundo a Receita Federal, a dação em pagamento é “a extinção de uma obrigação consistente no pagamento da
dívida mediante a entrega de um objeto diverso daquele convencionado. Nesses termos, o devedor transfere ao
credor da obrigação um bem imóvel que é de sua propriedade”.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

g) registro de pre•os (art. 15, ¤3¼, I) ressalvadas as hip—teses de


utiliza•‹o do preg‹o, conforme artigos 11 e 12 da Lei 10.520/2002;

h) concess‹o de servi•o pœblico (art. 2¼, II, da Lei 8.987/1995);

i) parcerias pœblico-privadas (PPP), conforme art. 10 da Lei


11.079/2004.

obras e serviços de engenharia acima de R$ 1,5


milhões
De acordo com o
valor
compras e serviços que não de engenharia acima de
R$ 650 mil

compra e alienação de bens imóveis (ressalva:


alienação de bens adquiridos de processos judiciais
ou dação em pagamento - pode ser concorrência ou
leilão)
Concorrência
concessão de direito real de uso

concessão de serviço público


Independente do
valor
alienação de bens móveis acima de R$ 650 mil

registro de preços (ressalvados os casos de pregão)

parcerias público-privadas (PPP)

licitações internacionais (ressalvas admitem TP ou


convite)

Tomada de preços

A tomada de pre•os (TP), por sua vez, Ž a modalidade de licita•‹o entre


interessados devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as
condi•›es exigidas para cadastramento atŽ o terceiro dia anterior ˆ data
do recebimento das propostas, observada a necess‡ria qualifica•‹o (art.
22, ¤2¼, Lei 8.666/1993).

A TP permite a participa•‹o de duas espŽcies de concorrentes: os


cadastrados, que j‡ comprovaram em momento anterior ao da licita•‹o o
preenchimento dos requisitos previstos no edital para a execu•‹o do contrato;
e os n‹o cadastrados, que poder‹o apresentar a documenta•‹o

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

comprobat—ria atŽ o terceiro dia anterior ˆ data do recebimento das


propostas.

Ela Ž utilizada para celebra•‹o de contratos relativos a obras, servi•os e


compras de menor vulto quando comparada com concorr•ncia. Assim como
na concorr•ncia, o julgamento Ž realizado por uma comiss‹o composta por
tr•s membros.

ƒ a modalidade aplic‡vel nas seguintes situa•›es:

a) obras e servi•os de engenharia com valor estimado de atŽ R$


1.500.000,00 (um milh‹o e quinhentos mil reais);

b) compras e servi•os que n‹o de engenharia atŽ o valor estimado de


R$ 650.000,00 (seiscentos e cinquenta mil reais);

c) em licita•›es internacionais, desde que preenchidas as seguintes


condi•›es:

o o —rg‹o ou entidade disponha de cadastro internacional de


fornecedores;

o o valor estimado do contrato a ser celebrado n‹o ultrapasse o


limite de valor para a TP;

Obras e serviços de
engenharia - até R$ 1,5
milhão
Em função do valor
Compras e serviços que
não de engenharia - até R$
650 mil
Tomada de Preços

cadastro internacional de
fornecedores
Licitações internacionais,
desde que:
valor estimado dentro do
limite para TP

Convite

O convite Ž a modalidade de licita•‹o entre interessados do ramo


pertinente ao seu objeto, cadastrados ou n‹o, escolhidos e convidados

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

em nœmero m’nimo de 3 (tr•s) pela unidade administrativa, a qual afixar‡,


em local apropriado, c—pia do instrumento convocat—rio e o estender‡ aos
demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu
interesse com anteced•ncia de atŽ 24 (vinte e quatro) horas da
apresenta•‹o das propostas.

Essa Ž a modalidade mais simples das tr•s comuns. Assim, a comiss‹o


de licita•‹o, excepcionalmente, nas pequenas unidades administrativas e
em face da exiguidade de pessoal dispon’vel, poder‡ ser substitu’da por
servidor formalmente designado pela autoridade competente (art. 51, ¤1¼).

A diferen•a fundamental em rela•‹o a outras modalidades Ž que o convite


utiliza a carta-convite no lugar do edital para fins de convoca•‹o dos
participantes. Esse instrumento n‹o precisa ser publicado em di‡rio oficial,
mas deve ser afixado em local apropriado para que os demais cadastrados
possam participar.

Resumindo, h‡ dois grupos de poss’veis participantes. O primeiro envolve


os concorrentes, cadastrados ou n‹o, em nœmero m’nimo de tr•s, aos
quais a Administra•‹o envia a carta-convite. O segundo grupo Ž formado pelos
demais cadastrados, que poder‹o manifestar interesse em participar com
anteced•ncia m’nima de atŽ 24 horas da apresenta•‹o da proposta.

H‡ possibilidade de convidar menos do que tr•s interessados quando,


por limita•›es de mercado ou manifesto desinteresse, seja imposs’vel a
obten•‹o do nœmero m’nimo de licitantes. Essas circunst‰ncias dever‹o ser
devidamente justificadas no processo, sob pena de repeti•‹o do convite (art.
22, ¤7¼).

Por outro lado, quando existirem mais do que tr•s poss’veis


interessados, a cada novo convite, realizado para objeto id•ntico ou
assemelhado, Ž obrigat—rio o convite a, no m’nimo, mais um interessado,
enquanto existirem cadastrados n‹o convidados nas œltimas licita•›es (art.
22, ¤6¼).

Para fechar, essa Ž a modalidade aplic‡vel nas seguintes situa•›es:

a) obras e servi•os de engenharia com valor estimado em atŽ R$


150.000,00 (cento e cinquenta mil reais);

b) compras e demais servi•os com valor estimado em atŽ R$ 80.000,00


(oitenta mil reais);

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

c) licita•›es internacionais, quando n‹o houver fornecedor do bem ou


servi•o no Brasil, observados os limites de valor apresentados acima.

Obras e serviços de
engenharia - até R$ 150 mil
De acordo com o valor
Compras e demais serviços
- até R$ 80 mil
Convite
Não haja fornecedor do
bem ou serviço no Brasil
Licitações internacionais,
desde que
A contratação respeite os
limites de valor para o
convite

Concurso

O concurso Ž a modalidade de licita•‹o entre quaisquer interessados


para escolha de trabalho tŽcnico, cient’fico ou art’stico, mediante a
institui•‹o de pr•mios ou remunera•‹o aos vencedores, conforme
critŽrios constantes de edital publicado na imprensa oficial com anteced•ncia
m’nima de 45 (quarenta e cinco) dias (art. 22, ¤4¼).

Nessa modalidade, n‹o interessa mais o valor, mas a natureza do


objeto.

O procedimento dessa modalidade Ž bem diferente do utilizado nas


modalidades comuns. O julgamento Ž realizado por uma comiss‹o especial
integrada por pessoas de reputa•‹o ilibada e reconhecido conhecimento da
matŽria em exame, servidores pœblicos ou n‹o.

Ademais, os tipos de licita•‹o previstos no artigo 45 da Lei 8.666/1993


n‹o se aplicam para essa modalidade, conforme contas no ¤1¼ daquele artigo
(grifou-se): ÒPara os efeitos deste artigo, constituem tipos de licita•‹o,
exceto na modalidade concursoÓ.

O artigo 52 da Lei determina que o concurso dever‡ ser precedido de


regulamento pr—prio, a ser obtido pelos interessados no local indicado no
edital, indicando pelo menos: I - a qualifica•‹o exigida dos participantes; II -
as diretrizes e a forma de apresenta•‹o do trabalho; III - as condi•›es de
realiza•‹o do concurso e os pr•mios a serem concedidos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

O concurso destina-se ˆ contrata•‹o de trabalhos tŽcnico, cient’fico ou


art’stico, a exemplo de obras de artes, projetos arquitet™nicos, monografias,
etc. Dessa forma, os critŽrios de avalia•‹o ser‹o distintos para cada processo,
tendo em vista ˆs peculiaridades do tipo de aquisi•‹o.

Por fim, Ž importante n‹o confundir o concurso, como modalidade de


licita•‹o realizada com o objetivo de contratar trabalhos; com o concurso
pœblico, utilizado, nos termos do inciso II do art. 37 da CF/88, para selecionar
pessoas para ocupar cargos/empregos pœblicos.

Leilão

Nos termos do ¤ 5¼ do art. 22, o leil‹o Ž a modalidade de licita•‹o entre


quaisquer interessados para a venda, a quem oferecer o maior lance, igual ou
superior ao valor da avalia•‹o, dos seguintes bens:

a) bens m—veis inserv’veis para a administra•‹o;

b) produtos legalmente apreendidos ou penhorados; ou

c) para a aliena•‹o de bens im—veis, em que a aquisi•‹o derivou de


procedimentos judiciais ou da•‹o em pagamento, conforme determina
os art. 19, III.

N‹o Ž em todos os casos, porŽm, que se pode utilizar o leil‹o para a


aliena•‹o de bens m—veis. O Estatuto de Licita•›es define como limite o valor
de R$ 650 mil reais, acima desse valor deve-se utilizar a concorr•ncia.

Com efeito, o artigo 53 estabelece que o leil‹o pode ser cometido a


leiloeiro oficial ou a servidor designado pela Administra•‹o. AlŽm disso,
todo bem a ser leiloado ser‡ previamente avaliado pela Administra•‹o
para fixa•‹o do pre•o m’nimo de arremata•‹o.

Os bens arrematados ser‹o pagos ˆ vista ou no percentual estabelecido


no edital, n‹o inferior a 5% (cinco por cento), com exce•‹o dos leil›es
internacionais, nos quais o pagamento da parcela ˆ vista poder‡ ser feito em
atŽ vinte e quatro horas.

Finalizando, o ¤5¼ do artigo 53 estabelece, para fins de atendimento do


princ’pio da publicidade, que o edital de leil‹o deve ser amplamente divulgado,
principalmente no munic’pio em que se realizar‡.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Consulta

Essa modalidade Ž aplicada exclusivamente ˆs ag•ncias reguladoras. A


consulta foi criada pela Lei Geral de Telecomunica•›es (Lei 9.472/1997), que
tambŽm criou a Anatel. Posteriormente, sua aplica•‹o foi estendida para todas
as demais ag•ncias atravŽs do artigo 37 da Lei 9.986/2000.

Contudo, a consulta Ž uma modalidade de exce•‹o, pois o artigo 54 da


Lei 9.472/1997 estabelece que a contrata•‹o de obras e servi•os de
engenharia civil est‡ sujeita aos procedimentos previstos na Lei
8.666/1993. AlŽm disso, o artigo 56 disp›e que os bens e servi•os
comuns poder‹o ser contratados por meio do preg‹o. Finalmente, o artigo
58 da Lei da Anatel disp›e que a modalidade de consulta tem por objetivo o
fornecimento de bens e servi•os n‹o compreendidos nos artigos 56 e 57, que
tratam dos bens ou servi•os comuns.

Dessa forma, a consulta n‹o se aplica a:

¥ obras e servi•os de engenharia civil (modalidades da Lei 8.666/1993);


e

¥ bens e servi•os comuns (preg‹o, Lei 10520/2002).

Por fim, a Resolu•‹o Anatel n¼ 5/1998, disp›e que a consulta ÒŽ a


modalidade de licita•‹o em que ao menos cinco pessoas, f’sicas ou jur’dicas,
de elevada qualifica•‹o, ser‹o chamadas a apresentar propostas para
fornecimento de bens ou servi•os n‹o comunsÓ.

Pregão

As modalidades licitat—rias previstas na Lei 8.666/1993, na maioria das


vezes, n‹o conseguiram dar a celeridade desej‡vel ˆ atividade administrativa
de escolha dos futuros contratados11. Para resolver este problema, a Lei
10.520/2002 instituiu12 uma nova modalidade licitat—ria, o preg‹o, com
disciplina e procedimentos pr—prios, destinada ˆ aquisi•‹o de bens e servi•os
comuns.

A Lei 10.520/2002 Ž uma lei nacional, aplic‡vel, portanto, ˆ Uni‹o,


estados, Distrito Federal e munic’pios.

O artigo 1¼ da Lei disp›es que,


11
Carvalho Filho, 2013, p. 304.
12
O primeiro diploma legal a dispor sobre o pregão foi a Lei 9.472/1997 – Lei Geral de Telecomunicações.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Art. 1¼ Para aquisi•‹o de bens e servi•os comuns, poder‡ ser


adotada a licita•‹o na modalidade de preg‹o, que ser‡ regida por esta
Lei.

Par‡grafo œnico. Consideram-se bens e servi•os comuns, para os fins e


efeitos deste artigo, aqueles cujos padr›es de desempenho e qualidade
possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de
especifica•›es usuais no mercado.

Destacamos o poder‡, pois, para a Uni‹o, o preg‹o Ž obrigat—rio,


preferencialmente na forma eletr™nico, conforme determina o artigo 4¼ do
Decreto 5.450/2005:
Art. 4o Nas licita•›es para aquisi•‹o de bens e servi•os comuns ser‡
obrigat—ria a modalidade preg‹o, sendo preferencial a utiliza•‹o da sua
forma eletr™nica.

A aplica•‹o do preg‹o n‹o decorre de seu valor, mas do objeto. O preg‹o


Ž utilizado para a aquisi•‹o de bens e servi•os comuns,
independentemente do valor estimado para a contrata•‹o.

Consideram-se bens e servi•os comuns, aqueles cujos padr›es de


desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo
edital, por meio de especifica•›es usuais do mercado. Bem ou servi•o
comum n‹o quer dizer que seja simples, mas que suas caracter’sticas podem
ser descritas no edital atravŽs das especifica•›es de mercado. Dessa forma,
o TCU j‡ entendeu poss’vel atŽ a contrata•‹o de servi•os de engenharia ou o
fornecimento de bens e servi•os comuns de inform‡tica e automa•‹o.

13. (Cespe – APGI/INPI/2013) A venda de bens imóveis de propriedade da União


poderá ser realizada diretamente ao interessado, desde que realizado o pagamento
integral do valor do imóvel até 24 horas da abertura da respectiva concorrência.
Comentário: a questão fez uma misturança dos artigos que tratam do leilão,
vejamos:
Art. 53. O leil‹o pode ser cometido a leiloeiro oficial ou a servidor
designado pela Administra•‹o, procedendo-se na forma da legisla•‹o
pertinente.

¤ 1o Todo bem a ser leiloado ser‡ previamente avaliado pela


Administra•‹o para fixa•‹o do pre•o m’nimo de arremata•‹o.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

¤ 2o Os bens arrematados ser‹o pagos ˆ vista ou no percentual


estabelecido no edital, n‹o inferior a 5% (cinco por cento) e, ap—s a
assinatura da respectiva ata lavrada no local do leil‹o,
imediatamente entregues ao arrematante, o qual se obrigar‡
ao pagamento do restante no prazo estipulado no edital de
convoca•‹o, sob pena de perder em favor da Administra•‹o o
valor j‡ recolhido.

¤ 3o Nos leil›es internacionais, o pagamento da parcela ˆ vista


poder‡ ser feito em atŽ vinte e quatro horas. (grifos nossos)

Dessa forma, os bens arrematados poderão ser pagos à vista ou em percentual


estabelecido no edital, que não pode ser inferior a 5%. Depois de lavrada a ata,
os bens devem ser entregues imediatamente. O prazo para pagamento do
restante deve constar no edital de convocação. Por fim, o prazo de vinte e quatro
horas é para pagamentos à vista em licitações internacionais.
Gabarito: errado.

14. (Cespe – APGI/INPI/2013) A unidade administrativa poderá endereçar convites a


empresas do ramo do objeto licitado, cadastradas ou não. No entanto, o processo deve
transcorrer conforme o que prevê a lei.
Comentário: a carta-convite pode ser enviada para empresas cadastradas ou
não, desde que sejam do ramo do objeto licitado. Além disso, a cópia do
instrumento convocatório deverá ser afixada, em local apropriado, para permitir
a participação de demais interessados, cadastrados, que manifestarem interesse
em participar do convite no prazo de até 24 horas antes da apresentação da
proposta. A repetição é fundamental para o concurseiro:
Art. 22. [...] ¤ 3¼ Convite Ž a modalidade de licita•‹o entre
interessados do ramo pertinente ao seu objeto, cadastrados ou n‹o,
escolhidos e convidados em nœmero m’nimo de 3 (tr•s) pela unidade
administrativa, a qual afixar‡, em local apropriado, c—pia do
instrumento convocat—rio e o estender‡ aos demais cadastrados na
correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com
anteced•ncia de atŽ 24 (vinte e quatro) horas da apresenta•‹o das
propostas.

Por fim, é óbvio que o procedimento deve transcorrer conforme determina a lei
(princípio da legalidade).
Gabarito: correto.

15. (Cespe – AGPI/INPI/2013) Para um serviço de engenharia que tiver o valor integral
de R$ 750.000,00, é possível utilizar a modalidade licitatória denominada
concorrência.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Comentário: a concorrência abrange as demais modalidades, podendo ser


aplicada, em geral, a qualquer valor. Assim, para serviços de engenharia cujo
valor estimado seja de R$ 750 mil (poderia utilizar a tomada de preços também).
Assim, nas situações em que o convite é permitido, também é possível utilizar a
tomada de preços; e quando a tomada de preços for permitida, também será
possível utilizar a concorrência. A tabela abaixo resume os limites para as
modalidades:
Modalidade Obras e Serviços de Compras e Demais
Engenharia Serviços
Concorrência Acima de R$ 1,5 milhão Acima de R$ 650 mil
Tomada de preços Até R$ 1,5 milhão Até R$ 650 mil
Convite Até R$ 150 mil Até R$80 mil
Gabarito: correto.

16. (Cespe – AGPI/INPI/2013) A modalidade licitatória tomada de preços será


obrigatória apenas nas licitações internacionais de valor de contratação superior a R$
1.000.000,00.
Comentário: vamos ao §3º do artigo 22:
¤ 3¼ A concorr•ncia Ž a modalidade de licita•‹o cab’vel, [...] nas
licita•›es internacionais, admitindo-se neste œltimo caso, observados
os limites deste artigo, a tomada de pre•os, quando o —rg‹o ou
entidade dispuser de cadastro internacional de fornecedores ou o
convite, quando n‹o houver fornecedor do bem ou servi•o no Pa’s.
(grifos nossos)

Não há situações em que a tomada de preços seja obrigatória. Ela é cabível, mas
nada impede que se utilize a concorrência. Além disso, os limites apresentados
na tabela acima devem ser respeitados. Dessa forma, não seria possível utilizar
a tomada de preços em licitação internacional que se destine a compras e
serviços que não de engenharia no valor estimado de R$ 1 milhão, uma vez que
o limite para a TP é de R$ 650 mil. Para obras e serviços de engenharia o limite
fica em R$ 1,5 milhão.
Gabarito: errado.

17. (Cespe – Analista de Licitação/MME/2013) O Poder Público pode se utilizar,


exclusivamente, do procedimento licitatório na modalidade concurso para celebrar
contrato de
a) credenciamento.
b) trabalhos artísticos.
c) empréstimo público.
d) serviços de publicidade.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 28 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

e) convênio.
Comentário: segundo o §4º do artigo 22:
¤4o Concurso Ž a modalidade de licita•‹o entre quaisquer interessados
para escolha de trabalho tŽcnico, cient’fico ou art’stico,
mediante a institui•‹o de pr•mios ou remunera•‹o aos vencedores,
conforme critŽrios constantes de edital publicado na imprensa oficial
com anteced•ncia m’nima de 45 (quarenta e cinco) dias.

Dessa forma, quando se deseja celebrar um contrato para trabalhos artísticos, a


modalidade obrigatória será o concurso, com estipulação de prêmio ou
remuneração ao vencedor.
Gabarito: alternativa B.

Obrigatoriedade

Vimos que o artigo 37, inciso XXI, da CF/88 determina que, ressalvados
os casos especificados na legisla•‹o, as obras, servi•os, compras e
aliena•›es ser‹o contratados mediante processo de licita•‹o pœblica
que assegure igualdade de condi•›es a todos os concorrentes.

Regulamentando o mencionado inciso, a Lei 8.666/1993 disp›e, em seu


artigo 2¼, que as obras, servi•os, inclusive de publicidade, compras,
aliena•›es, concess›es, permiss›es e loca•›es da Administra•‹o
Pœblica, quando contratadas com terceiros, ser‹o necessariamente
precedidas de licita•‹o, ressalvadas as hip—teses previstas nesta Lei.

Percebe-se, dessa forma, que se a Administra•‹o desejar contratar com


terceiros a realiza•‹o de obras, servi•os e compras; alienar bens; fazer
concess›es ou permiss›es de servi•os pœblicos; ou, ent‹o, realizar loca•›es;
dever‡ utilizar o procedimento licitat—rio para proporcionar a todos os
interessados iguais oportunidades de concorr•ncia, buscando obter, ainda, a
sele•‹o da proposta mais vantajosa para a administra•‹o e a promo•‹o do
desenvolvimento nacional sustent‡vel.

Nesse contexto, Hely Lopes Meirelles ensina que,


A express‹o obrigatoriedade de licita•‹o tem um duplo sentido,
significando n‹o s— a compulsoriedade da licita•‹o em geral
como, tambŽm, a da modalidade prevista em lei para a espŽcie,
pois atenta contra os princ’pios de moralidade e efici•ncia da
Administra•‹o o uso de modalidade mais singela quando se exige a mais
complexa, ou o emprego desta, normalmente mais onerosa, quando o
objeto do procedimento n‹o a comporta.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Em que pese as li•›es do autor, cabe destacar, principalmente para


concursos, que nada impede que se aplique a licita•‹o mais complexa quando
se poderia utilizar uma mais simples, como no caso em que se utiliza a
concorr•ncia quando poderia ser aplicada a tomada de pre•os.

Por fim, vimos que a Constitui•‹o e, por conseguinte, a Lei 8.666/1993


permitem ressalvas ˆ utiliza•‹o da licita•‹o, s‹o os casos de dispensa e
inexigibilidade de licita•‹o, conforme veremos a seguir.

Inexigibilidade de licitação

A inexigibilidade de licita•‹o ocorre quando h‡ inviabilidade jur’dica de


competi•‹o entre contratantes, quer pela natureza espec’fica do neg—cio,
quer pelos objetivos sociais visados pela Administra•‹o13. Ocorre em situa•›es
que, mesmo que o Administrador desejasse, n‹o seria poss’vel proporcionar
a competi•‹o. Dessa forma, as situa•›es de inexigibilidade s‹o vinculadas.

Imagine uma prefeitura municipal que deseje contratar a cantora Ivete


Sangalo, diretamente ou atravŽs de seu empres‡rio exclusivo, como fazer
uma competi•‹o nessa situa•‹o? Agora, pense em uma situa•‹o em que um
—rg‹o, localizado no interior da Amaz™nia, em um munic’pio em que s— existe
um fornecedor de pneus. Como fazer a competi•‹o se s— h‡ um fornecedor?
S‹o situa•›es como essas em que se aplica a inexigibilidade de licita•‹o.

Dessa forma, o artigo 25 da Lei de Licita•›es disp›e o seguinte:


Art. 25. ƒ inexig’vel a licita•‹o quando houver inviabilidade de
competi•‹o, em especial:

I - para aquisi•‹o de materiais, equipamentos, ou g•neros que s—


possam ser fornecidos por produtor, empresa ou representante
comercial exclusivo, vedada a prefer•ncia de marca, devendo a
comprova•‹o de exclusividade ser feita atravŽs de atestado fornecido
pelo —rg‹o de registro do comŽrcio do local em que se realizaria a
licita•‹o ou a obra ou o servi•o, pelo Sindicato, Federa•‹o ou
Confedera•‹o Patronal, ou, ainda, pelas entidades equivalentes;

II - para a contrata•‹o de servi•os tŽcnicos enumerados no art.


13 desta Lei, de natureza singular, com profissionais ou empresas
de not—ria especializa•‹o, vedada a inexigibilidade para servi•os de
publicidade e divulga•‹o;


13
Meirelles, 2013, p. 309.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

III - para contrata•‹o de profissional de qualquer setor art’stico,


diretamente ou atravŽs de empres‡rio exclusivo, desde que consagrado
pela cr’tica especializada ou pela opini‹o pœblica.

A primeira observa•‹o que devemos fazer Ž que o rol de situa•›es


apresentadas no artigo 25 Ž apenas exemplificativo. Isso quer dizer que a
inexigibilidade n‹o ocorre apenas nas tr•s situa•›es apresentadas no artigo.
Sempre que existir a inviabilidade de competi•‹o, estar‡ presente um caso de
inexigibilidade.

Agora vamos analisar cada um dos casos enumerados no artigo.

Produtor ou vendedor exclusivo

A primeira hip—tese, produtor, empresa ou representante comercial


exclusivo, Ž bem —bvia. Se s— h‡ uma pessoa dispon’vel para fornecer o
produto ou servi•o, seria inœtil realizar uma licita•‹o.

Contudo, Meirelles destaca que se deve diferenciar a exclusividade


industrial da comercial. A primeira Ž a do produtor privativo no Pa’s;
enquanto a segunda Ž a dos vendedores e representantes na pra•a. Dessa
forma, quando s— h‡ um produtor, n‹o h‡ dœvida que a Administra•‹o s—
poder‡ adquirir daquela empresa. Assim, a exclusividade de produtor Ž
absoluta, afastando a possibilidade de licita•‹o em qualquer de suas
modalidades.

PorŽm, o conceito de exclusividade de vendedor e representante


comercial Ž relativo. Assim, o autor prop›e que a exclusividade para o convite
Ž na pra•a (œnico vendedor na localidade); para a tomada de pre•os Ž no
registro cadastral (œnico vendedor no registro cadastral); e para a
concorr•ncia Ž no Pa’s (œnico vendedor no Pa’s).

Serviços técnicos profissionais especializados

A situa•‹o do item II Ž a mais complexa. Conforme entendimento do


Tribunal de Contas da Uni‹o (Sœmula 252/2010), devem estar presentes,
simultaneamente, tr•s requisitos para que ocorra a inexigibilidade prevista no
inciso II do artigo 25 da Lei 8.666/1993:

¥ servi•o tŽcnico especializado, entre os mencionados no artigo


13 da Lei;

¥ natureza singular do servi•o; e

¥ not—ria especializa•‹o do contratado.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

O artigo 13 disp›e sobre os servi•os tŽcnicos profissionais especializados


da seguinte forma:
Art. 13. Para os fins desta Lei, consideram-se servi•os tŽcnicos
profissionais especializados os trabalhos relativos a:

I - estudos tŽcnicos, planejamentos e projetos b‡sicos ou executivos;

II - pareceres, per’cias e avalia•›es em geral;

III - assessorias ou consultorias tŽcnicas e auditorias financeiras ou


tribut‡rias;

IV - fiscaliza•‹o, supervis‹o ou gerenciamento de obras ou servi•os;

V - patroc’nio ou defesa de causas judiciais ou administrativas;

VI - treinamento e aperfei•oamento de pessoal;

VII - restaura•‹o de obras de arte e bens de valor hist—rico.

¤ 1o Ressalvados os casos de inexigibilidade de licita•‹o, os


contratos para a presta•‹o de servi•os tŽcnicos profissionais
especializados dever‹o, preferencialmente, ser celebrados mediante a
realiza•‹o de concurso, com estipula•‹o prŽvia de pr•mio ou
remunera•‹o. [...]

¤ 3o A empresa de presta•‹o de servi•os tŽcnicos especializados que


apresente rela•‹o de integrantes de seu corpo tŽcnico em procedimento
licitat—rio ou como elemento de justifica•‹o de dispensa ou
inexigibilidade de licita•‹o, ficar‡ obrigada a garantir que os
referidos integrantes realizem pessoal e diretamente os servi•os
objeto do contrato. (grifos nossos)

Assim, se houver possibilidade de competi•‹o, o servi•o deve ser


contratado por concurso. De outra forma, caso preenchidos os demais
requisitos, deve-se utilizar a inexigibilidade.

A natureza singular decorre de caracter’sticas pr—prias e


espec’ficas do objeto do contrato. Isso envolve a peculiaridade da situa•‹o
que motivou o contrato e a exist•ncia de certo contratado que, em fun•‹o da
qualidade e singularidade do servi•o, torne-se essencial para a situa•‹o.
Assim, trata-se de dupla singularidade: (1) da situa•‹o que motivou o
contrato; (2) dos servi•os prestados pelo especialista14.

Finalmente, o conceito de profissional de not—ria especializa•‹o Ž


encontrado na pr—pria Lei (artigo 25, ¤1¼):
¤ 1o Considera-se de not—ria especializa•‹o o profissional ou
empresa cujo conceito no campo de sua especialidade, decorrente de


14
Barchet, 2008, p. 460.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

desempenho anterior, estudos, experi•ncias, publica•›es, organiza•‹o,


aparelhamento, equipe tŽcnica, ou de outros requisitos relacionados
com suas atividades, permita inferir que o seu trabalho Ž essencial e
indiscutivelmente o mais adequado ˆ plena satisfa•‹o do objeto
do contrato. (grifos nossos)

Dessa forma, a not—ria especializa•‹o ocorre quando o trabalho do


profissional ou da empresa Ž indiscutivelmente o mais adequado para a plena
realiza•‹o do objeto do contrato15.

Contratação de artistas

A œltima hip—tese, tambŽm de f‡cil compreens‹o, ocorre na contrata•‹o


de profissionais de qualquer setor art’stico, a exemplo dos mœsicos. Essa
contrata•‹o deve ocorrer diretamente ou mediante empres‡rio
exclusivo. AlŽm disso, Ž imprescind’vel que o profissional seja consagrado
pela cr’tica especializada ou pelo pœblico em geral.

Dispensa de licitação

A dispensa de licita•‹o ocorre quando, apesar de existir a possibilidade


de competi•‹o, o legislador tenha autorizado ou determinado que a
Administra•‹o n‹o realize a licita•‹o. Diferentemente da inexigibilidade, as
hip—teses de dispensa est‹o taxativamente previstas em lei. Dessa forma, a
Administra•‹o n‹o pode ampliar discricionariamente as hip—teses de dispensa.

A forma de contrata•‹o direta por dispensa de licita•‹o divide-se em


licita•‹o dispensada e licita•‹o dispens‡vel.

Licitação dispensada (vedações)

As hip—teses em que a licita•‹o Ž dispensada est‹o expressamente


previstas no artigo 17 da Lei 8.666/1993. S‹o casos em que, apesar de ser
vi‡vel a competi•‹o, a Lei determina que n‹o se realize licita•‹o.

Todas as situa•›es de licita•‹o dispensada se referem ˆ aliena•‹o de bens


im—veis ou m—veis, previstas respectivamente nos incisos I e II do artigo 17.
N‹o quer dizer que todas as situa•›es de aliena•‹o s‹o de licita•‹o


15
“Havendo impossibilidade jurídica de competição e não sendo o serviço de natureza singular, de modo a permitir
a execução por mais de um profissional, em respeito ao princípio da igualdade, o administrador deve proceder a
pré-qualificação dos interessados (art. 114) e implantar sistemática objetiva e imparcial na distribuição dos serviços”
(Meirelles, 2013, p. 312, a partir da Decisão 69/93 TCU e Parecer GQ-77/95, da AGU).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 33 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

dispensada, mas que todos os casos de licita•‹o dispensada s‹o de


aliena•‹o de bens.

Inicialmente, vamos entender os casos em que se exige licita•‹o para


aliena•‹o de bens.

Quando se tratar de bens im—veis, para a administra•‹o direta,


aut‡rquica e fundacional, exige-se:

1. autoriza•‹o legislativa;

2. exist•ncia de interesse pœblico devidamente justificado;

3. avalia•‹o prŽvia;

4. licita•‹o na modalidade de concorr•ncia, admitindo-se o leil‹o


nos casos previstos no artigo 19 da Lei (bens oriundos de da•‹o em
pagamento ou procedimentos judiciais);

Para as empresas pœblicas e sociedades de economia mista n‹o se exige


autoriza•‹o legislativa.

Tratando-se de bens m—veis, para todas as entidades da


Administra•‹o, exige-se:

1. exist•ncia de interesse pœblico devidamente justificado;

2. avalia•‹o prŽvia;

3. licita•‹o Ð neste caso a Lei n‹o especifica a modalidade. A doutrina


ensina que a modalidade decorre dos valores previstos no artigo 23
para o convite, TP e concorr•ncia. Ademais, Ž poss’vel utilizar o leil‹o
para m—veis cuja avalia•‹o n‹o ultrapasse R$ 650 mil.

O artigo 19 da LLC disp›e que os bens im—veis da Administra•‹o


Pœblica, cuja aquisi•‹o haja derivado de procedimentos judiciais ou de
da•‹o em pagamento, poder‹o ser alienados por ato da autoridade
competente, observadas as seguintes regras:

1. avalia•‹o dos bens alien‡veis;

2. comprova•‹o da necessidade ou utilidade da aliena•‹o;

3. ado•‹o do procedimento licitat—rio, sob a modalidade de


concorr•ncia ou leil‹o.

Assim, a aliena•‹o de bens im—veis, quando a aquisi•‹o decorrer de


da•‹o em pagamento ou procedimento judicial, n‹o exige autoriza•‹o
legislativa. AlŽm disso, Ž poss’vel utilizar a concorr•ncia ou o leil‹o.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 34 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

N‹o entraremos em detalhes nos casos de licita•‹o dispensada, uma vez


que, alŽm de ser um assunto amplo e complexo, raramente Ž cobrado em
concursos, ainda mais quando a matŽria n‹o est‡ inserida no Direito
Administrativo. Assim, vamos apenas enumerar os casos.

Para a aliena•‹o de bens im—veis, a licita•‹o Ž dispensada nas seguintes


situa•›es (art. 17, inciso I): a) da•‹o em pagamento; b) doa•‹o, permitida
exclusivamente para outro —rg‹o ou entidade da administra•‹o pœblica; c)
permuta, por outro im—vel que atenda aos requisitos constantes do inciso X
do art. 24 (compra ou loca•‹o de im—vel destinado ao atendimento das
finalidades prec’puas da administra•‹o); d) investidura; e) venda a outro
—rg‹o ou entidade da administra•‹o pœblica, de qualquer esfera de governo;
f) aliena•‹o gratuita ou onerosa, aforamento, concess‹o de direito
real de uso, loca•‹o ou permiss‹o de uso de bens im—veis residenciais
constru’dos, destinados ou efetivamente utilizados no ‰mbito de programas
habitacionais ou de regulariza•‹o fundi‡ria de interesse social; g)
procedimentos de legitima•‹o de posse de que trata o art. 29 da Lei no
6.383, de 7 de dezembro de 1976, mediante iniciativa e delibera•‹o dos
—rg‹os da Administra•‹o Pœblica em cuja compet•ncia legal inclua-se tal
atribui•‹o; h) aliena•‹o gratuita ou onerosa, aforamento, concess‹o de
direito real de uso, loca•‹o ou permiss‹o de uso de bens im—veis de
uso comercial de ‰mbito local com ‡rea de atŽ 250 m² (duzentos e cinquenta
metros quadrados) e inseridos no ‰mbito de programas de regulariza•‹o
fundi‡ria de interesse social desenvolvidos por —rg‹os ou entidades da
administra•‹o pœblica; e i) aliena•‹o e concess‹o de direito real de uso,
gratuita ou onerosa, de terras pœblicas rurais da Uni‹o e do Incra,
onde incidam ocupa•›es em ‡reas n‹o superiores a 2.500 ha (dois mil e
quinhentos hectares) para fins de regulariza•‹o fundi‡ria, atendidos os
requisitos legais.

AlŽm desses casos, a Lei 11.195/2005 deu nova reda•‹o ao ¤2¼ do artigo
17, dispondo sobre casos em que a Administra•‹o poder‡ conceder t’tulo
de propriedade ou de direito real de uso de im—veis com licita•‹o
dispensada.

Tratando-se de bens m—veis, os casos de licita•‹o dispensada s‹o os


seguintes: a) doa•‹o, permitida exclusivamente para fins e uso de
interesse social, ap—s avalia•‹o de sua oportunidade e conveni•ncia
socioecon™mica, relativamente ˆ escolha de outra forma de aliena•‹o; b)
permuta, permitida exclusivamente entre —rg‹os ou entidades da

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 35 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Administra•‹o Pœblica; c) venda de a•›es, que poder‹o ser negociadas em


bolsa, observada a legisla•‹o espec’fica; d) venda de t’tulos, na forma da
legisla•‹o pertinente; e) venda de bens produzidos ou comercializados
por —rg‹os ou entidades da Administra•‹o Pœblica, em virtude de suas
finalidades; f) venda de materiais e equipamentos para outros —rg‹os
ou entidades da Administra•‹o Pœblica, sem utiliza•‹o previs’vel por
quem deles disp›e.

Licitação dispensável

As hip—teses de licita•‹o dispens‡vel encontram-se taxativamente


previstas no artigo 24 da Lei de Licita•›es. Maria Sylvia Zanella Di Pietro divide
as hip—teses de licita•‹o dispens‡vel em quatro grupos, vejamos:

¥ em raz‹o do pequeno valor (incisos I e II do artigo 24):

o atŽ R$ 15.000,00 (quinze mil reais) para obras e servi•os de


engenharia (10% do valor previsto no artigo 23, I, a);

o atŽ R$ 8.000,00 (oito mil reais) para compras e servi•os que n‹o
sejam de engenharia (10% do valor previsto no artigo 23, II, a).

Para cons—rcios pœblicos, sociedade de economia mista, empresa


pœblica e para as autarquias ou funda•›es qualificadas como Ag•ncias
Executivas, os limites acima s‹o aplicados em dobro (20%).

¥ em raz‹o da situa•‹o (art. 24):

o nos casos de guerra ou grave perturba•‹o da ordem (inciso III);

o nos casos de emerg•ncia ou de calamidade pœblica, quando


caracterizada urg•ncia de atendimento de situa•‹o que possa
ocasionar preju’zo ou comprometer a seguran•a de pessoas, obras,
servi•os, equipamentos e outros bens, pœblicos ou particulares, e
somente para os bens necess‡rios ao atendimento da situa•‹o
emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e servi•os que
possam ser conclu’das no prazo m‡ximo de 180 (cento e
oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da
ocorr•ncia da emerg•ncia ou calamidade, vedada a prorroga•‹o
dos respectivos contratos (inciso IV);

o licita•‹o deserta ou frustrada Ð quando n‹o acudirem interessados


ˆ licita•‹o anterior e esta, justificadamente, n‹o puder ser repetida

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

sem preju’zo para a Administra•‹o, mantidas, neste caso, todas as


condi•›es preestabelecidas (inciso V);

o quando a Uni‹o tiver que intervir no dom’nio econ™mico para


regular pre•os ou normalizar o abastecimento Ð por exemplo: a Uni‹o
adquire determinado bem e o coloca no mercado para baixar os
pre•os e normalizar o abastecimento do produto (inciso VI);

o quando as propostas apresentadas consignarem pre•os


manifestamente superiores aos praticados no mercado nacional,
ou forem incompat’veis com os fixados pelos —rg‹os oficiais
competentes (inciso VII) Ð a Administra•‹o deve dar oito dias œteis
para apresenta•‹o de novas propostas;

o quando houver possibilidade de comprometimento da


seguran•a nacional, nos casos estabelecidos em decreto do
Presidente da Repœblica, ouvido o Conselho de Defesa Nacional (inciso
IX);

o na contrata•‹o de remanescente de obra, servi•o ou


fornecimento, em consequ•ncia de rescis‹o contratual, desde
que atendida a ordem de classifica•‹o da licita•‹o anterior e aceitas
as mesmas condi•›es oferecidas pelo licitante vencedor,
inclusive quanto ao pre•o, devidamente corrigido (inciso XI);

o para a aquisi•‹o de bens ou servi•os nos termos de acordo


internacional espec’fico aprovado pelo Congresso Nacional,
quando as condi•›es ofertadas forem manifestamente vantajosas
para o Poder Pœblico (inciso XIV);

o nas compras ou contrata•›es de servi•os para o abastecimento de


navios, embarca•›es, unidades aŽreas ou tropas e seus meios
de deslocamento quando em estada eventual de curta dura•‹o em
portos, aeroportos ou localidades diferentes de suas sedes, por
motivo de movimenta•‹o operacional ou de adestramento, quando a
exiguidade dos prazos legais puder comprometer a normalidade e os
prop—sitos das opera•›es e desde que seu valor n‹o exceda ao limite
previsto na al’nea "a" do inciso II do art. 23 Ð R$ 80.000,00 Ð (inciso
XVIII);

o na contrata•‹o da coleta, processamento e comercializa•‹o de


res’duos s—lidos urbanos recicl‡veis ou reutiliz‡veis, em ‡reas
com sistema de coleta seletiva de lixo, efetuados por associa•›es

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

ou cooperativas formadas exclusivamente por pessoas f’sicas


de baixa renda reconhecidas pelo poder pœblico como catadores de
materiais recicl‡veis, com o uso de equipamentos compat’veis com as
normas tŽcnicas, ambientais e de saœde pœblica (inciso XXVII); e

o para o fornecimento de bens e servi•os, produzidos ou prestados no


Pa’s, que envolvam, cumulativamente, alta complexidade
tecnol—gica e defesa nacional, mediante parecer de comiss‹o
especialmente designada pela autoridade m‡xima do —rg‹o (inciso
XXVIII);

¥ em raz‹o do objeto (art. 24):

o para a compra ou loca•‹o de im—vel destinado ao atendimento das


finalidades prec’puas da administra•‹o, cujas necessidades de
instala•‹o e localiza•‹o condicionem a sua escolha, desde que
o pre•o seja compat’vel com o valor de mercado, segundo avalia•‹o
prŽvia (inciso X);

o nas compras de hortifrutigranjeiros, p‹o e outros g•neros


perec’veis, no tempo necess‡rio para a realiza•‹o dos
processos licitat—rios correspondentes, realizadas diretamente
com base no pre•o do dia (inciso XII);

o para a aquisi•‹o ou restaura•‹o de obras de arte e objetos


hist—ricos, de autenticidade certificada, desde que compat’veis ou
inerentes ˆs finalidades do —rg‹o ou entidade (inciso XV);
o para a aquisi•‹o de componentes ou pe•as de origem nacional
ou estrangeira, necess‡rios ˆ manuten•‹o de equipamentos
durante o per’odo de garantia tŽcnica, junto ao fornecedor
original desses equipamentos, quando tal condi•‹o de
exclusividade for indispens‡vel para a vig•ncia da garantia
(inciso XVII);

o para as compras de material de uso pelas For•as Armadas, com


exce•‹o de materiais de uso pessoal e administrativo, quando
houver necessidade de manter a padroniza•‹o requerida pela
estrutura de apoio log’stico dos meios navais, aŽreos e terrestres,
mediante parecer de comiss‹o institu’da por decreto (inciso XIX);

o para a aquisi•‹o ou contrata•‹o de produto para pesquisa e


desenvolvimento, limitada, no caso de obras e servi•os de

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

engenharia, a 20% (vinte por cento) do valor de que trata a al’nea


ÒbÓ do inciso I do caput do art. 231617 (inciso XXI);

o na contrata•‹o realizada por Institui•‹o Cient’fica e


Tecnol—gica - ICT ou por ag•ncia de fomento para a transfer•ncia
de tecnologia e para o licenciamento de direito de uso ou de
explora•‹o de cria•‹o protegida (inciso XXV);

o na aquisi•‹o de bens e contrata•‹o de servi•os para atender aos


contingentes militares das For•as Singulares brasileiras
empregadas em opera•›es de paz no exterior, necessariamente
justificadas quanto ao pre•o e ˆ escolha do fornecedor ou executante
e ratificadas pelo Comandante da For•a (inciso XXIX);

o na contrata•‹o de institui•‹o ou organiza•‹o, pœblica ou privada, com


ou sem fins lucrativos, para a presta•‹o de servi•os de
assist•ncia tŽcnica e extens‹o rural no ‰mbito do Programa
Nacional de Assist•ncia TŽcnica e Extens‹o Rural na
Agricultura Familiar e na Reforma Agr‡ria, institu’do por lei
federal (inciso XXX);

o na contrata•‹o em que houver transfer•ncia de tecnologia de


produtos estratŽgicos para o Sistema ònico de Saœde - SUS, no
‰mbito da Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, conforme
elencados em ato da dire•‹o nacional do SUS, inclusive por ocasi‹o
da aquisi•‹o destes produtos durante as etapas de absor•‹o
tecnol—gica (inciso XXXII);

¥ em raz‹o da pessoa:

o para a aquisi•‹o, por pessoa jur’dica de direito pœblico interno


(Uni‹o, estados, DF, munic’pios, autarquias e funda•›es pœblicas de
direito pœblico), de bens produzidos ou servi•os prestados por
—rg‹o ou entidade que integre a Administra•‹o Pœblica e que
tenha sido criado para esse fim espec’fico em data anterior ˆ
vig•ncia desta Lei, desde que o pre•o contratado seja compat’vel
com o praticado no mercado (inciso VIII);

o na contrata•‹o de institui•‹o brasileira incumbida regimental ou


estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do

16
Tomada de preços - até R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) - art. 23, I, “b”.
17
Quando aplicada a obras e serviços de engenharia, seguirá procedimentos especiais instituídos em
regulamentação específica.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

desenvolvimento institucional, ou de institui•‹o dedicada ˆ


recupera•‹o social do preso, desde que a contratada detenha
inquestion‡vel reputa•‹o Žtico-profissional e n‹o tenha fins
lucrativos (inciso XIII);

o para a impress‹o dos di‡rios oficiais, de formul‡rios padronizados


de uso da administra•‹o, e de edi•›es tŽcnicas oficiais, bem como
para presta•‹o de servi•os de inform‡tica a pessoa jur’dica de
direito pœblico interno, por —rg‹os ou entidades que integrem
a Administra•‹o Pœblica, criados para esse fim espec’fico;

o na contrata•‹o de associa•‹o de portadores de defici•ncia


f’sica, sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por —rg‹os
ou entidades da Administra•‹o Pœblica, para a presta•‹o de servi•os
ou fornecimento de m‹o-de-obra, desde que o pre•o contratado seja
compat’vel com o praticado no mercado (inciso XX) Ð exemplo:
Apae18;

o na contrata•‹o de fornecimento ou suprimento de energia


elŽtrica e g‡s natural com concession‡rio, permission‡rio ou
autorizado (inciso XXII);

o na contrata•‹o realizada por empresa pœblica ou sociedade de


economia mista com suas subsidi‡rias e controladas, para a
aquisi•‹o ou aliena•‹o de bens, presta•‹o ou obten•‹o de servi•os,
desde que o pre•o contratado seja compat’vel com o praticado no
mercado (inciso XXIII);

o para a celebra•‹o de contratos de presta•‹o de servi•os com as


organiza•›es sociais, qualificadas no ‰mbito das respectivas
esferas de governo, para atividades contempladas no contrato de
gest‹o (inciso XXIV); e

o na celebra•‹o de contrato de programa com ente da Federa•‹o


ou com entidade de sua administra•‹o indireta, para a presta•‹o
de servi•os pœblicos de forma associada nos termos do autorizado em
contrato de cons—rcio pœblico ou em conv•nio de coopera•‹o
(inciso XXVI);

o na contrata•‹o de entidades privadas sem fins lucrativos, para a


implementa•‹o de cisternas ou outras tecnologias sociais de acesso ˆ


18
Exemplo apresentado na obra de Borges e Bernardes, 2008, p. 156.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

‡gua para consumo humano e produ•‹o de alimentos, para beneficiar


as fam’lias rurais de baixa renda atingidas pela seca ou falta regular
de ‡gua (XXXIII); e

o para a aquisi•‹o por pessoa jur’dica de direito pœblico interno de


insumos estratŽgicos para a saœde produzidos ou distribu’dos por
funda•‹o que, regimental ou estatutariamente, tenha por finalidade
apoiar —rg‹o da administra•‹o pœblica direta, sua autarquia ou
funda•‹o em projetos de ensino, pesquisa, extens‹o,
desenvolvimento institucional, cient’fico e tecnol—gico e est’mulo ˆ
inova•‹o, inclusive na gest‹o administrativa e financeira necess‡ria ˆ
execu•‹o desses projetos, ou em parcerias que envolvam
transfer•ncia de tecnologia de produtos estratŽgicos para o Sistema
ònico de Saœde Ð SUS, e que tenha sido criada para esse fim
espec’fico em data anterior ˆ vig•ncia da Lei 8.666/1993, desde que
o pre•o contratado seja compat’vel com o praticado no mercado
(XXXIV).

18. (Cespe – Administrador/DPF/2014) A dispensa de licitação é prevista em caso


de inviabilidade de competição, situação que permite à administração adjudicar
diretamente o objeto do contrato.
Comentário: quando existe a inviabilidade de competição o que fica
caracterizado é a inexigibilidade. A dispensa de licitação somente poderá
ocorrer nas situações descritas na Lei, em que existe a possibilidade de
competição, mas que o legislador não tenha autorizado ou determinado a
licitação.
Gabarito: errado.

19. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Considere que determinado órgão


da administração pública pretenda adquirir equipamentos de informática no valor de
R$ 5.000,00. Nesse caso, o referido órgão tem a opção discricionária de realizar
licitação ou proceder à aquisição direta mediante dispensa de licitação, em razão do
baixo valor dos equipamentos.
Comentário: a licitação é dispensável apenas em casos expressos na Lei. Um
dos casos seria em razão de pequeno valor, conforme consta no art. 24, incs. I e
II. Assim, para a compra de produtos e serviços, é possível dispensar a licitação

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

até valor de R$8.000,00. Nesse caso, como os produtos somam R$5.000,00, a


administração poderá, discricionariamente, dispensar a licitação.
Gabarito: correto.

20. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Considere que determinada pessoa


jurídica de direito privado que administra um porto brasileiro pretenda contratar o único
escritório de advocacia especializado em direito portuário no Brasil para promover
ações judiciais acerca dessa matéria. Nessa situação, é dispensável a licitação.
Comentário: a situação relatada configura inexigibilidade de licitação por se
tratar de serviço técnico de natureza singular (art. 25º). Entende-se tais serviços
como decorrente de desempenho anterior, estudos, experiências, publicações,
organização, aparelhamento, equipe técnica, ou de outros requisitos
relacionados com as atividades da empresa, que permitam inferir que o seu
trabalho é essencial e indiscutivelmente o mais adequado à plena satisfação do
objeto do contrato.
Gabarito: errado.

21. (Cespe – Agente Administrativo/MTE/2014) Se a administração necessita


adquirir equipamentos que só podem ser fornecidos por produtor, empresa ou
representante comercial exclusivo, a licitação é dispensada, pois cabe ao poder
público ajuizar a conveniência e oportunidade da dispensa.
Comentário: mais uma questão em que a banca trocou inexigibilidade e
dispensa. No caso apresentado, assim como para os serviços descritos no art.
13º da Lei; para serviços de natureza singular; com profissionais ou empresas
de notória especialização; e para a contratação de quaisquer profissionais do
setor artístico, é a inexigibilidade que vigora e não a dispensa.
Gabarito: errado.

22. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Defesas de causas judiciais ou


administrativas são consideradas serviços técnicos profissionais especializados.
Comentário: falamos sobre isso ao tratar da inexigibilidade licitatória. Ali,
pudemos ver que o artigo 13º da Lei apresenta como serviços técnicos
profissionais especializados diversos itens, dentre eles o patrocínio ou defesa
de causas judiciais ou administrativas.
Gabarito: correto.

23. (Cespe – AGPI/INPI/2013) A decisão de não realizar o certame é vinculada nos


casos de inexigibilidade, como é o caso da contratação de profissional, de qualquer
setor artístico, consagrado pela opinião pública.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Comentário: os casos de inexigibilidade ocorrem quando há inviabilidade de


competição. Dessa forma, o administrador não tem outra opção, pois não é
possível realizar a licitação. A lei dá alguns exemplos de situações de
inexigibilidade (art. 25):
I - para aquisi•‹o de materiais, equipamentos, ou g•neros que s—
possam ser fornecidos por produtor, empresa ou representante
comercial exclusivo, vedada a prefer•ncia de marca, devendo a
comprova•‹o de exclusividade ser feita atravŽs de atestado fornecido
pelo —rg‹o de registro do comŽrcio do local em que se realizaria a
licita•‹o ou a obra ou o servi•o, pelo Sindicato, Federa•‹o ou
Confedera•‹o Patronal, ou, ainda, pelas entidades equivalentes;

II - para a contrata•‹o de servi•os tŽcnicos enumerados no art. 13


desta Lei, de natureza singular, com profissionais ou empresas de
not—ria especializa•‹o, vedada a inexigibilidade para servi•os de
publicidade e divulga•‹o;

III - para contrata•‹o de profissional de qualquer setor art’stico,


diretamente ou atravŽs de empres‡rio exclusivo, desde que
consagrado pela cr’tica especializada ou pela opini‹o pœblica.

Gabarito: correto.

24. (Cespe – AA/ANP/2013) De acordo com a Lei n.º 8.666/1993, é inexigível a


licitação para contratar empresa de notória especialização para a realização de curso.
Comentário: essa pergunta exige um pouco de atenção, pois a assertiva quase
inteira está correta. Para a contratação de serviços técnicos profissionais
especializados, devem estar preenchidos três requisitos:
a) serviço técnico especializado, entre os mencionados no artigo 13;
b) natureza singular do serviço;
c) notória especialização do contratado.
A realização de curso pode se enquadrar no item de “treinamento e
aperfeiçoamento de pessoal”. Todavia, faltou o requisito “natureza singular do
serviço”, ou seja, as características próprias e específicas do objeto do contrato
que fazem com que somente aquele profissional atenda às condições exigidas.
Por esse motivo, está errada a questão.
Gabarito: errado.

25. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Por representarem exceção ao princípio da licitação


consagrado no texto constitucional, as hipóteses de inexigibilidade de licitação

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

previstas na Lei n.º 8.666/1993 configuram um elenco taxativo, e não meramente


exemplificativo.
Comentário: a doutrina considera os casos de dispensa de licitação (art. 24)
como um rol taxativo, ou seja, a Administração só pode dispensar os casos
expressamente previstos naquele dispositivo.
Por outro lado, considera-se que o rol de inexigibilidade como exemplificativo,
isto é, podem existir casos não previstos expressamente na Lei. Veja que o art.
25 estabelece que “É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de
competição, em especial”. Esse “em especial” dá ideia de exemplificação.
Assim, sempre que existir inviabilidade de competição, estaremos diante de um
caso de inexigibilidade.
Gabarito: errado.

Procedimento

Segundo Hely Lopes Meirelles19,


O procedimento da licita•‹o inicia-se na reparti•‹o interessada com a
abertura de processo em que a autoridade competente
determina sua realiza•‹o, define seu objeto e indica os recursos
h‡beis para a despesa. Essa Ž a fase interna da licita•‹o, ˆ qual se
segue a fase externa, que se desenvolve atravŽs dos seguintes atos,
nesta sequ•ncia: audi•ncia pœblica; edital ou convite de
convoca•‹o aos interessados; recebimento da documenta•‹o e
propostas; habilita•‹o dos licitantes; julgamento das propostas;
adjudica•‹o e homologa•‹o. (grifos nossos)

Assim, a licita•‹o se divide em duas fases:

¥ fase interna: segundo o artigo 38 da LLC, o procedimento da licita•‹o


ser‡ iniciado com a abertura de processo administrativo,
devidamente autuado, protocolado e numerado, contendo (1) a
autoriza•‹o respectiva, (2) a indica•‹o sucinta de seu objeto e
(3) do recurso pr—prio para a despesa;

¥ fase externa: inicia-se com a audi•ncia pœblica (somente para


licita•›es de grande vulto), depois segue para a publica•‹o do resumo
do edital ou convite, recebimento da documenta•‹o, habilita•‹o,
julgamento das propostas, homologa•‹o e adjudica•‹o.


19
Meirelles, 2013, p. 313.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Audiência pública

A Administra•‹o dever‡ efetuar a audi•ncia pœblica, antes da


publica•‹o do edital, sempre que o valor estimado para a licita•‹o ou para
um conjunto de licita•›es simult‰neas ou sucessivas for superior a R$
150.000.000,00 (cento e cinquenta milh›es) Ð cem vezes o valor previsto
no artigo 23, I, ÒcÓ.

O objetivo da audi•ncia pœblica Ž fornecer informa•›es aos poss’veis


interessados e permitir que eles se manifestem sobre o objeto a ser licitado.
Ela ser‡ concedida pela autoridade respons‡vel com anteced•ncia m’nima de
15 (quinze) dias œteis da data prevista para a publica•‹o do edital, e
divulgada, com a anteced•ncia m’nima de 10 (dez) dias œteis de sua
realiza•‹o, pelos mesmos meios previstos para a publicidade da licita•‹o.

¥ Audi•ncia pœblica:

o Realiza•‹o: 15 dias œteis da publica•‹o do edital;

o Divulga•‹o: 10 dias œteis da sua realiza•‹o.

Edital

O edital Ž o instrumento pelo qual a Administra•‹o leva ao conhecimento


do pœblico a abertura da licita•‹o, fixa as condi•›es de sua realiza•‹o e
convoca os interessados para a apresenta•‹o de suas propostas20. ƒ a lei
interna da licita•‹o, vinculando, nos termos do artigo 41, a Administra•‹o
e os proponentes.

O conteœdo do edital est‡ capitulado no artigo 40, nos seguintes termos:


Art. 40. O edital conter‡ no pre‰mbulo o nœmero de ordem em sŽrie
anual, o nome da reparti•‹o interessada e de seu setor, a modalidade,
o regime de execu•‹o e o tipo da licita•‹o, a men•‹o de que ser‡
regida por esta Lei, o local, dia e hora para recebimento da
documenta•‹o e proposta, bem como para in’cio da abertura dos
envelopes, e indicar‡, obrigatoriamente, [...] (grifos nossos)

O edital deve conter o objeto da licita•‹o, em descri•‹o sucinta e clara,


permitindo que os interessados entendam o que a Administra•‹o deseja
contratar.

Deve conter o prazo e condi•›es para assinatura do contrato ou


retirada dos instrumentos para execu•‹o do contrato e para entrega do


20
Meirelles, 2013, p. 314.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

objeto da licita•‹o. Deve dispor tambŽm sobre as san•›es para o caso de


inadimplemento; condi•›es para participa•‹o (habilita•‹o) e apresenta•‹o
das propostas; critŽrios objetivamente estabelecidos para julgamento das
propostas; locais, hor‡rios e c—digos para obter informa•›es e
esclarecimentos; instru•›es e normas para os recursos; e condi•›es de
recebimento do objeto da licita•‹o.

AlŽm disso, o edital deve dispor sobre o local onde poder‡ ser examinado
o projeto b‡sico21 e se h‡ projeto executivo22 dispon’vel na data da
publica•‹o do edital de licita•‹o e o local onde possa ser examinado e
adquirido.

Sobre o pagamento, a Lei disp›e que o edital deve prever: condi•›es


equivalentes de pagamento entre empresas brasileiras e
estrangeiras, no caso de licita•›es internacionais. Deve dispor sobre o
critŽrio de aceitabilidade dos pre•os unit‡rio e global, permitida a
fixa•‹o de pre•os m‡ximos e vedados a fixa•‹o de pre•os m’nimos.
Incluir‡, tambŽm, normas sobre os critŽrios de reajuste. Por fim, o inciso
XIV regulamenta as condi•›es de pagamento, exigindo que o edital preveja:
XIV - condi•›es de pagamento, prevendo:

a) prazo de pagamento n‹o superior a trinta dias, contado a partir da


data final do per’odo de adimplemento de cada parcela;


21
Art. 6o Para os fins desta Lei, considera-se:
IX - Projeto Básico - conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para
caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas
indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do
impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e
do prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos:
a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar todos os seus
elementos constitutivos com clareza;
b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de
reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo e de realização das obras e
montagem;
c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à obra, bem como suas
especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo
para a sua execução;
d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações provisórias e condições
organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;
e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua programação, a estratégia
de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados necessários em cada caso;
f) orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e fornecimentos
propriamente avaliados;
22
X - Projeto Executivo - o conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo
com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

b) cronograma de desembolso m‡ximo por per’odo, em conformidade


com a disponibilidade de recursos financeiros;

c) critŽrio de atualiza•‹o financeira dos valores a serem pagos, desde a


data final do per’odo de adimplemento de cada parcela atŽ a data do
efetivo pagamento;

d) compensa•›es financeiras e penaliza•›es, por eventuais atrasos, e


descontos, por eventuais antecipa•›es de pagamentos;

e) exig•ncia de seguros, quando for o caso

Os prazos entre a publica•‹o do edital e a apresenta•‹o das propostas j‡


foram apresentados quando falamos da concorr•ncia.

O ¤2¼ do artigo 40 determina que constituem anexos do edital, dele


fazendo parte integrante, os seguintes documentos:

I. o projeto b‡sico e/ou executivo, com todas as suas partes,


desenhos, especifica•›es e outros complementos;

II. or•amento estimado em planilhas de quantitativos e pre•os


unit‡rios;

III. a minuta do contrato a ser firmado entre a Administra•‹o e o


licitante vencedor;

IV. as especifica•›es complementares e as normas de execu•‹o


pertinentes ˆ licita•‹o.

Ademais, nos termos dos ¤¤ 4¼ e 5¼ do mesmo artigo, s‹o vedadas: (a)


a inclus‹o, no objeto da licita•‹o, de fornecimento de materiais e servi•os sem
previs‹o de quantidades ou cujos quantitativos n‹o correspondam ˆs
previs›es reais do projeto b‡sico ou executivo; e (b) a realiza•‹o de licita•‹o
cujo objeto inclua bens e servi•os sem similaridade ou de marcas,
caracter’sticas e especifica•›es exclusivas, salvo nos casos em que for
tecnicamente justific‡vel, ou ainda quando o fornecimento for feito sob o
regime de administra•‹o contratada, previsto e discriminado no ato
convocat—rio.

Vimos que, alŽm do edital, h‡ ainda a carta convite, que Ž o instrumento


convocat—rio utilizado na modalidade de licita•‹o chamada de convite. ƒ uma
forma mais simples de edital, que dispensa a publica•‹o, devendo, no entanto,
ser encaminhado a pelo menos tr•s interessados e afixado em local adequada
para permitir a participa•‹o de outros interessados que manifestarem
interesse atŽ 24 horas antes da abertura das propostas. As regras previstas

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 47 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

para o edital se aplicam, no que for cab’vel, ao convite, resguardada a


simplicidade deste œltimo documento.

Habilitação

A habilita•‹o destina-se a aferir se o interessado em firmar o contrato


com o Poder Pœblico possui os requisitos necess‡rios para a adequada
execu•‹o de seu objeto23. Nesta fase, ocorre a abertura dos envelopes com a
Òdocumenta•‹oÓ de habilita•‹o da empresa, juntamente com a aprecia•‹o
desses documentos.

Os documentos de habilita•‹o somente podem referir-se aos previstos no


artigo 27 da Lei de Licita•›es. Esse talvez seja um dos maiores v’cios
encontrados em licita•›es. Por diversas vezes, os —rg‹os costumam exigir
outros documentos, implicando na restri•‹o indevida ˆ competitividade.
Consequentemente, os editais sofrem diversas impugna•›es, implicando em
longos atrasos no procedimento.

Dessa forma, o artigo 27 disp›e o seguinte:


Art. 27. Para a habilita•‹o nas licita•›es exigir-se-‡ dos interessados,
exclusivamente, documenta•‹o relativa a:

I - habilita•‹o jur’dica;

II - qualifica•‹o tŽcnica;

III - qualifica•‹o econ™mico-financeira;

IV Ð regularidade fiscal e trabalhista;

V Ð cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7o da Constitui•‹o


Federal.

A habilita•‹o jur’dica tem a finalidade de verificar se o licitante possui


aptid‹o para adquirir direitos e contrair obriga•›es (identidade, registro
comercial, ato constitutivo, etc.).

A qualifica•‹o tŽcnica se refere ˆ capacidade ou aptid‹o de


desempenho para cumprir o objeto da licita•‹o (registro ou inscri•‹o em
entidade profissional, comprovantes da exist•ncia de aparelhamento e de
pessoal qualificado, provas de atendimento dos requisitos, etc.).

A qualifica•‹o econ™mico financeira tem o objetivo de verificar se o


contratado disp›e de condi•›es de satisfazer os encargos econ™micos


23
Barchet, 2008, p.434.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 48 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

oriundos da execu•‹o do contrato (balan•o patrimonial, certid‹o negativa de


fal•ncia ou concordata, etc.).

A regularidade fiscal diz respeito ˆs condi•›es da empresa frente ao


fisco (CPF, CNPJ, inscri•‹o no cadastro de contribuintes, regularidade com as
fazendas federal, estadual e municipal, regularidade com Seguro Social e
FGTS).

O inciso V trata da proibi•‹o de trabalho noturno, perigoso ou insalubre


a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos,
salvo na condi•‹o de aprendiz, a partir de quatorze anos.

Julgamento das propostas

Comissão de licitação

O inciso XVI do artigo 6», define comiss‹o como,


XVI - Comiss‹o - comiss‹o, permanente ou especial, criada pela
Administra•‹o com a fun•‹o de receber, examinar e julgar todos os
documentos e procedimentos relativos ˆs licita•›es e ao cadastramento
de licitantes.

Ou seja, a comiss‹o tem a fun•‹o de receber, examinar e julgar os


documentos e procedimentos, tanto da licita•‹o quanto do cadastramento
de licitantes. Dessa forma, a comiss‹o Ž a respons‡vel pela habilita•‹o dos
participantes e pelo julgamento das propostas.

O artigo 51 da Lei disp›e que a habilita•‹o preliminar, a inscri•‹o em


registro cadastral, a sua altera•‹o ou cancelamento, e as propostas ser‹o
processadas e julgadas por comiss‹o permanente ou especial de, no m’nimo,
3 (tr•s) membros, sendo pelo menos 2 (dois) deles servidores
qualificados pertencentes aos quadros permanentes dos —rg‹os da
Administra•‹o respons‡veis pela licita•‹o.

No caso de convite, a Comiss‹o de licita•‹o, excepcionalmente, nas


pequenas unidades administrativas e em face da exiguidade de pessoal
dispon’vel, poder‡ ser substitu’da por servidor formalmente designado
pela autoridade competente (art. 51, ¤1¼).

A Lei determina que a Comiss‹o ser‡ constitu’da para um ano, veda a


recondu•‹o de todos os seus membros para a mesma comiss‹o no per’odo
subsequente. Ou seja, no pr—ximo ano, pelo menos um dos membros da
comiss‹o dever‡ ser substitu’do por outro servidor.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 49 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

AlŽm disso, o ¤3o disp›e que os membros das comiss›es de licita•‹o


responder‹o solidariamente por todos os atos praticados pela Comiss‹o,
salvo se posi•‹o individual divergente estiver devidamente fundamentada
e registrada em ata lavrada na reuni‹o em que tiver sido tomada a
decis‹o.

As comiss›es ser‹o permanentes, quando constitu’das para os


certames rotineiros da Administra•‹o, e especiais, quando institu’das para
um objeto espec’fico, como a contrata•‹o de um sistema de TI ou a constru•‹o
de um prŽdio novo.

Por fim, o ¤5¼ do artigo 51 salienta que, no caso de concurso, o


julgamento ser‡ feito por uma comiss‹o especial integrada por pessoas
de reputa•‹o ilibada e reconhecido conhecimento da matŽria em
exame, servidores pœblicos ou n‹o.

Tipos de licitação

De acordo com o artigo 45 do Estatuto das Licita•›es,


Art. 45. O julgamento das propostas ser‡ objetivo, devendo a Comiss‹o
de licita•‹o ou o respons‡vel pelo convite realiz‡-lo em conformidade
com os tipos de licita•‹o, os critŽrios previamente estabelecidos
no ato convocat—rio e de acordo com os fatores exclusivamente
nele referidos, de maneira a possibilitar sua aferi•‹o pelos licitantes e
pelos —rg‹os de controle. (grifos nossos)

Assim, os tipos de licita•‹o dizem respeito aos critŽrios adotados para a


sele•‹o da proposta vencedora. A Lei estabelece quatro tipos de licita•‹o:

¥ menor pre•o: quando o critŽrio de sele•‹o da proposta mais


vantajosa para a Administra•‹o determinar que ser‡ vencedor o
licitante que apresentar a proposta de acordo com as
especifica•›es do edital ou convite e ofertar o menor pre•o (este
Ž o critŽrio obrigat—rio para o preg‹o);

¥ melhor tŽcnica;

¥ tŽcnica e pre•o;

¥ maior lance ou oferta: nos casos de aliena•‹o de bens ou concess‹o


de direito real de uso.

A Òmelhor tŽcnicaÓ e a ÒtŽcnica e pre•oÓ destinam-se exclusivamente


para os servi•os de natureza predominantemente intelectual, em
especial (exemplificativo) na elabora•‹o de projetos, c‡lculos, fiscaliza•‹o,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 50 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

supervis‹o e gerenciamento e de engenharia consultiva em geral e, em


particular, para a elabora•‹o de estudos tŽcnicos preliminares e projetos
b‡sicos e executivos. A licita•‹o de tŽcnica e pre•o aplica-se, ainda, na
aquisi•‹o de bens e servi•os de inform‡tica n‹o enquadrados como
comuns.

Na licita•‹o do tipo Òmelhor tŽcnicaÓ, ocorre o seguinte:

1) s‹o analisadas as propostas tŽcnicas dos licitantes;

2) em seguida s‹o abertos os envelopes das propostas de pre•o, dentre


aqueles que obtiveram a valora•‹o m’nima (n‹o desclassificados) na
etapa anterior;

3) inicia-se a negocia•‹o com o licitante que apresentou a melhor proposta


tŽcnica. O objetivo Ž adequar a proposta de pre•o do licitante com a
melhor proposta tŽcnica ao pre•o ofertado pelo candidato que obteve a
melhor proposta de pre•o;

4) caso a negocia•‹o com o primeiro colocado n‹o obtenha sucesso, segue-


se para a negocia•‹o com o segundo colocado, seguindo dessa forma
atŽ que se obtenha sucesso na negocia•‹o.

Percebam, dessa forma, que a proposta de pre•o tem um relevo maior


que a proposta tŽcnica.

No tipo de licita•‹o de ÒtŽcnica e pre•oÓ a classifica•‹o dos proponentes


far-se-‡ de acordo com a mŽdia ponderada das valoriza•›es das
propostas tŽcnicas e de pre•o, de acordo com os pesos preestabelecidos
no instrumento convocat—rio. Dessa forma, as propostas de tŽcnica e de pre•o
s‹o analisadas simultaneamente, consagrando-se vencedor o interessado que
obtiver a melhor mŽdia ponderada entre as duas propostas.

ƒ importante salientar que, segundo o artigo 5¼ da Lei 8.666/93, todos


os valores, pre•os e custos utilizados nas licita•›es ter‹o como express‹o
monet‡ria a moeda corrente nacional, salvo nos casos de licita•‹o
internacional (quando poder‡ ser permitida a cota•‹o em moeda estrangeira).

Homologação e adjudicação

Ap—s a divulga•‹o do resultado, com a escolha da proposta vencedora, a


comiss‹o de licita•‹o deve encaminhar o processo para a autoridade
competente, encerrando-se, assim, o seu papel. Ap—s o julgamento das

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 51 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

propostas, ocorrer‡ a delibera•‹o da autoridade competente quanto ˆ


homologa•‹o e adjudica•‹o do objeto da licita•‹o.

Para Di Pietro24 a homologa•‹o equivale ˆ aprova•‹o do procedimento;


ela Ž precedida do exame dos atos que o integram pela autoridade
competente, a qual, se verificar algum v’cio de ilegalidade, anular‡ o
procedimento ou determinar‡ o seu saneamento (corre•‹o), quando poss’vel.
Se tudo estiver correto, ocorrer‡ a homologa•‹o.

No momento da homologa•‹o, a autoridade ter‡ tr•s alternativas25:

¥ confirmar o julgamento, homologando-o;

¥ ordenar a retifica•‹o da classifica•‹o, no todo ou em parte, se


verificar irregularidade corrig’vel no julgamento; ou

¥ anular o julgamento, ou todo o procedimento, se encontrar


irregularidade insan‡vel e prejudicial ao certame em qualquer fase
da licita•‹o.

A adjudica•‹o, por sua vez, Ž o ato pelo qual a Administra•‹o, pela


mesma autoridade competente para homologar, atribui ao vencedor o objeto
da licita•‹o para subsequente celebra•‹o do contrato. ƒ um ato declarat—rio
vinculado pelo qual a Administra•‹o determina quem foi o vencedor da
licita•‹o.

Em que pese tenhamos falado na que a adjudica•‹o Ž um ato vinculado,


enquanto a celebra•‹o do contrato Ž discricion‡ria; percebemos que diversos
autores advogam de forma diferente, ensinando que, uma vez adjudicado o
objeto, a contrata•‹o tambŽm se torna vinculada.

Interessante Ž que os ensinamentos da aula tomaram por base a edi•‹o


de 2013 da obra de Hely Lopes Meirelles e, no mesmo livro, o autor j‡
apresenta uma abordagem diferente sobre a consequ•ncia da adjudica•‹o.
Segundo o autor, s‹o efeitos jur’dicos da adjudica•‹o:
a) a aquisi•‹o do direito de contratar com a Administra•‹o nos
termos em que o adjudicat‡rio venceu a licita•‹o; b) a vincula•‹o do
adjudicat‡rio a todos os encargos estabelecidos no edital e aos
prometidos na proposta; c) a sujei•‹o do adjudicat‡rio ˆs penalidades
previstas no edital e normas legais pertinentes se n‹o assinar o contrato
no prazo e condi•›es estabelecidas; d) o impedimento de a
Administra•‹o contratar o objeto licitado com outrem; e) a libera•‹o dos


24
Di Pietro, 2013, p. 430.
25
Meirelles, 2013, p. 337.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 52 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

licitantes vencidos de todos os encargos da licita•‹o e o direito de


retirarem os documentos e levantarem as garantias oferecidas, salvo se
obrigados a aguardar a efetiva•‹o do contrato por disposi•‹o do edital
ou legal. (grifos nossos)

JosŽ dos Santos Carvalho Filho26 ensina que,


Uma vez homologados o resultado e a pr—pria licita•‹o, presume-se que
a Administra•‹o tem interesse na atividade a ser contratada. Desse
modo, Ž correto considerar-se que o vencedor tem inafast‡vel direito ˆ
adjudica•‹o e, consequentemente, ao pr—prio contrato.

Na mesma linha de entendimento est‹o os ensinamentos do professor


Bandeira de Mello27.

26. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O projeto básico — conjunto de elementos


necessários e suficientes para caracterizar a obra ou serviço objeto da licitação —
deve ser elaborado com base nos estudos técnicos preliminares, que assegurem a
viabilidade técnica, o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento,
as condições de avaliação do custo e a definição dos métodos e do prazo de execução,
devendo sempre conter orçamento detalhado e global da obra, sob pena de nulidade.
Comentário: não necessita de maiores comentários. Esse é o texto contido no
art. 6º, inciso IX da Lei de Licitações e Contratos. Além desses elementos, o
projeto básico deve apresentar a) desenvolvimento da solução escolhida; b)
soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas; c)
identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a
incorporar à obra; d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de
métodos construtivos, instalações provisórias e condições organizacionais para
a obra; e e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra,
compreendendo a sua programação, a estratégia de suprimentos, as normas de
fiscalização e outros dados necessários em cada caso.
Gabarito: correto.

27. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O edital de licitação, no caso de licitações


pertinentes a obras e serviços, deve incluir os requisitos mínimos exigidos para a
aptidão técnica dos interessados, devendo a comprovação desses requisitos ser feita


26

27
Bandeira de Mello, apud Barchet, 2008, p. 440.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 53 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

por atestados registrados nas entidades profissionais competentes, fornecidos por


pessoas jurídicas de direito público ou privado.
Comentário: para estar habilitado a concorrer à licitação é necessário apresentar
a seguinte documentação I - habilitação jurídica; II - qualificação técnica; III -
qualificação econômico-financeira; IV – regularidade fiscal e trabalhista; V –
cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7o da Constituição Federal (Art.
27º). Em complemento a isso, o artigo 30º da referida Lei traz o seguinte texto:
Art. 30. A documenta•‹o relativa ˆ qualifica•‹o tŽcnica limitar-
se-‡ a:

I - registro ou inscri•‹o na entidade profissional competente;

II - comprova•‹o de aptid‹o para desempenho de atividade


pertinente e compat’vel em caracter’sticas, quantidades e prazos
com o objeto da licita•‹o, e indica•‹o das instala•›es e do
aparelhamento e do pessoal tŽcnico adequados e dispon’veis para a
realiza•‹o do objeto da licita•‹o, bem como da qualifica•‹o de cada
um dos membros da equipe tŽcnica que se responsabilizar‡ pelos
trabalhos; [...]

¤ 1¼ A comprova•‹o de aptid‹o referida no inciso II deste


artigo, no caso de licita•›es pertinentes a obras e servi•os,
ser‡ feita por atestados fornecidos por pessoas jur’dicas de
direito pœblico ou privado, devidamente certificados pela
entidade profissional competente (grifos nossos)

Gabarito: correto.

28. (Cespe – TJ/TRT10/ 2013) É vedada a inclusão, no objeto da licitação, de


fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou em quantitativos
que não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo.
Comentário: perfeito! Essa é a descrição do art. 7º, §4º, da Lei 8.666/93. Dessa
forma, é vedada a inclusão de materiais ou serviços sem previsão de suas
quantidades ou que não correspondam às previsões reais dos projetos básico
ou executivo.
Gabarito: correto.

29. (Cespe - Tec MPU/2013) Na descrição do objeto da licitação, é obrigatória a


previsão das quantidades de materiais e serviços a serem fornecidas.
Comentário: a questão que respondemos acima é muito semelhante. A Lei exige
a previsão dos quantitativos de materiais e serviços a serem contratados.
Gabarito: correto.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 54 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

30. (Cespe - PCF/2013) Caso haja impossibilidade de se quantificarem todos os


serviços a serem licitados, deve constar da planilha orçamentária do edital uma verba
estimada para esses itens do orçamento.
Comentário: acabamos de ver que a Lei exige a quantificação de materiais e
serviços. Dessa forma, não existe essa possibilidade de uma planilha com
reserva de recursos para eventuais serviços não quantificados.
Gabarito: errado.

31. (Cespe – AA/IBAMA/2013) É proibida a realização de licitação cujo objeto inclua


bens sem similaridade ou de marcas, características e especificações exclusivas,
salvo em casos específicos previstos em legislação.
Comentário: exatamente! Segundo o art. 7º, § 5º, da Lei 8.666/1993, é “vedada a
==0==

realização de licitação cujo objeto inclua bens e serviços sem similaridade ou de


marcas, características e especificações exclusivas, salvo nos casos em que for
tecnicamente justificável”.
Gabarito: correto.

32. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Nos processos licitatórios, sejam eles de


âmbito nacional ou internacional, deve ser utilizada, obrigatoriamente, como expressão
monetária a moeda corrente nacional.
Comentário: o artigo 5º da LLC assegura que todas as transações licitatórias
deverão ter como expressão monetária a moeda nacional, exceto o disposto no
artigo 42 da referida lei:
Art. 42. Nas concorr•ncias de ‰mbito internacional, o edital dever‡
ajustar-se ˆs diretrizes da pol’tica monet‡ria e do comŽrcio exterior e
atender ˆs exig•ncias dos —rg‹os competentes.

¤ 1o Quando for permitido ao licitante estrangeiro cotar pre•o em


moeda estrangeira, igualmente o poder‡ fazer o licitante brasileiro.
(grifos nossos)

Gabarito: errado.

33. (Cespe – AGPI/INPI/2013) Se durante a fase de habilitação nenhum licitante lograr


ser habilitado, deve ser aberto o prazo de oito dias para complementação de
documentos.
Comentário: vamos ao conteúdo do §3º do art. 48 da Lei de Licitações:
¤ 3¼ Quando todos os licitantes forem inabilitados ou todas as
propostas forem desclassificadas, a administra•‹o poder‡ fixar aos
licitantes o prazo de oito dias œteis para a apresenta•‹o de nova
documenta•‹o ou de outras propostas escoimadas das causas

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 55 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0

Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

referidas neste artigo, facultada, no caso de convite, a redu•‹o deste


prazo para tr•s dias œteis. (grifos nossos)

O gabarito preliminar dessa questão foi dado como certo, sendo anulada no
gabarito definitivo. Segundo o Cespe: “O item não especifica se o prazo nele
contido deveria ser contado em dias úteis ou dias corridos, fato que prejudicou
o julgamento objetivo do item. Dessa forma, opta-se por anular o item.”
Gabarito: anulado.

34. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Poderá o cidadão, mesmo não sendo licitante,


impugnar edital de licitação pública que não esteja em conformidade com a lei.
Comentário: segundo o art. 41º da LLC:
Art. 41. A Administra•‹o n‹o pode descumprir as normas e condi•›es
do edital, ao qual se acha estritamente vinculada.

¤ 1o Qualquer cidad‹o Ž parte leg’tima para impugnar edital de


licita•‹o por irregularidade na aplica•‹o desta Lei, devendo
protocolar o pedido atŽ 5 (cinco) dias œteis antes da data fixada para
a abertura dos envelopes de habilita•‹o, devendo a Administra•‹o
julgar e responder ˆ impugna•‹o em atŽ 3 (tr•s) dias œteis, sem
preju’zo da faculdade prevista no ¤ 1o do art. 113. [...]

¤ 2o Decair‡ do direito de impugnar os termos do edital de licita•‹o


perante a administra•‹o o licitante que n‹o o fizer atŽ o segundo dia
œtil que anteceder a abertura dos envelopes de habilita•‹o em
concorr•ncia, a abertura dos envelopes com as propostas em convite,
tomada de pre•os ou concurso, ou a realiza•‹o de leil‹o, as falhas ou
irregularidades que viciariam esse edital, hip—tese em que tal
comunica•‹o n‹o ter‡ efeito de recurso. (Reda•‹o dada pela Lei n¼
8.883, de 1994)

¤ 3o A impugna•‹o feita tempestivamente pelo licitante n‹o o impedir‡


de participar do processo licitat—rio atŽ o tr‰nsito em julgado da
decis‹o a ela pertinente.

¤ 4o A inabilita•‹o do licitante importa preclus‹o do seu direito de


participar das fases subseqŸentes. (grifos nossos)

Assim, correta a questão.


Gabarito: correto.

35. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Dado que o instrumento convocatório da licitação não


é imutável, pode haver modificações no edital, entretanto, de acordo com a referida lei,
duas condições nunca podem ser alteradas: a de que a divulgação ocorra pela mesma
forma que se deu o texto original, e a de que o prazo inicialmente estabelecido seja
reaberto.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 56 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Comentário: vejamos o conteúdo do art. 21, §4º, da Lei 8.666/1993:


¤ 4o Qualquer modifica•‹o no edital exige divulga•‹o pela mesma
forma que se deu o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente
estabelecido, exceto quando, inqŸestionavelmente, a altera•‹o n‹o
afetar a formula•‹o das propostas. (grifos nossos)

Dessa forma, a regra é a publicação das alterações pela mesma forma que se
deu a divulgação do texto original, reabrindo os prazos previstos inicialmente.
Assim, se um edital é alterado, a Administração terá que divulgar suas alterações
da mesma forma que fez com o texto original, iniciando novamente o prazo para
apresentação das propostas.
Todavia, a lei coloca como exceção os casos em que, inquestionavelmente, a
alteração não afetar a formulação das propostas. Por exemplo, um pequeno erro
de digitação sem relação com a descrição do objeto. Nesse caso, não será
reaberto o prazo inicial.
Gabarito: errado.

36. (Cespe - Nível Superior/MC/2013) As minutas dos contratos administrativos


podem ser examinadas pela assessoria jurídica do órgão público, entretanto, deve a
administração pública remeter o processo ao TCU para julgar e aprovar previamente
as minutas dos contratos a serem firmados.
Comentário: as minutas dos contratos administrativos devem ser previamente
examinadas e aprovadas por assessoria jurídica da Administração, ou seja, não
devem ser remetidos ao TCU.
Art. 38. O procedimento da licita•‹o ser‡ iniciado com a abertura de
processo administrativo, devidamente autuado, protocolado e
numerado, contendo a autoriza•‹o respectiva, a indica•‹o sucinta de
seu objeto e do recurso pr—prio para a despesa [...]

Par‡grafo œnico. As minutas de editais de licita•‹o, bem como as dos


contratos, acordos, conv•nios ou ajustes devem ser previamente
examinadas e aprovadas por assessoria jur’dica da Administra•‹o.

Gabarito: errado.

Revogação e anulação

As regras para revoga•‹o e anula•‹o est‹o vazadas no artigo 49 da


seguinte forma:
Art. 49. A autoridade competente para a aprova•‹o do procedimento
somente poder‡ revogar a licita•‹o por raz›es de interesse pœblico
decorrente de fato superveniente devidamente comprovado,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 57 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

pertinente e suficiente para justificar tal conduta, devendo


anul‡-la por ilegalidade, de of’cio ou por provoca•‹o de terceiros,
mediante parecer escrito e devidamente fundamentado.

¤ 1o A anula•‹o do procedimento licitat—rio por motivo de ilegalidade


n‹o gera obriga•‹o de indenizar, ressalvado o disposto no par‡grafo
œnico do art. 59 desta Lei.

¤ 2o A nulidade do procedimento licitat—rio induz ˆ do contrato,


ressalvado o disposto no par‡grafo œnico do art. 59 desta Lei.

¤ 3o No caso de desfazimento do processo licitat—rio, fica assegurado o


contradit—rio e a ampla defesa.

¤ 4o O disposto neste artigo e seus par‡grafos aplica-se aos atos do


procedimento de dispensa e de inexigibilidade de licita•‹o.

O artigo 59, mencionado nos par‡grafos 1¼ e 2¼, determina que a


declara•‹o de nulidade do contrato administrativo opera retroativamente
impedindo os efeitos jur’dicos que ele, ordinariamente, deveria produzir, alŽm
de desconstituir os j‡ produzidos. Contudo, a nulidade n‹o exonera a
Administra•‹o do dever de indenizar o contratado pelo que este
houver executado atŽ a data em que ela for declarada e por outros
preju’zos regularmente comprovados, contanto que n‹o lhe seja
imput‡vel, promovendo-se a responsabilidade de quem lhe deu causa.

A anula•‹o da licita•‹o decorre de ilegalidade, operando efeitos


retroativos (ex tunc), pois o ato ilegal n‹o produz consequ•ncias jur’dicas nem
gera direitos ou obriga•›es entre as partes, podendo ser declarada pela
Administra•‹o ou pelo Poder Judici‡rio. Assim, a anula•‹o do procedimento
licitat—rio n‹o gera o dever de indenizar. Entretanto, a nulidade do
contrato n‹o exonera a Administra•‹o do dever de indenizar o contratado
por aquilo que tiver realizado atŽ a data em que for declarada e por eventuais
preju’zos regularmente comprovados, desde que o contratado n‹o tenha sido
o respons‡vel pelo ato ilegal28.

A revoga•‹o, por sua vez, ocorre por motivos de conveni•ncia e


oportunidade. Dessa forma, s— pode ser declarada exclusivamente pela
Administra•‹o. S‹o efeitos n‹o retroativos (ex nunc), uma vez que a
revoga•‹o opera sobre atos v‡lidos e eficazes, eis o motivo de obrigar o Poder
Pœblico a indenizar o adjudicat‡rio prejudicado.

A Lei restringe os casos em que Ž poss’vel revogar a licita•‹o, admitindo


apenas nas em decorr•ncia de fatos supervenientes (fatos novos)

28
Barchet, 2008, p. 441; Art. 59, § Único, Lei 8.666/1993.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 58 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

devidamente comprovados, pertinente e suficiente para justificar a


revoga•‹o (art. 49, caput).

Com efeito, tanto a anula•‹o quanto a revoga•‹o devem ser


devidamente justificadas, demonstrando a ocorr•ncia do motivo e a lisura
do Poder Pœblico.

ƒ importante destacar que a anula•‹o poder ser total ou parcial, enquanto


n‹o Ž poss’vel revogar um simples ato do procedimento, como o julgamento.
Dessa forma, ou se revoga todo o procedimento licitat—rio, ou n‹o se revoga
nada29. Ademais, uma vez celebrado o contrato, n‹o ser‡ mais poss’vel
revogar o procedimento licitat—rio, mas apenas anul‡-lo em caso de
ilegalidade.

Por fim, a Lei assegura o contradit—rio e a ampla defesa no caso de


revoga•‹o ou anula•‹o. PorŽm, para se oportunizar o contradit—rio e a ampla
defesa Ž imprescind’vel que haja um direito tutelado, o que s— se constitui a
partir da homologa•‹o e adjudica•‹o. Dessa forma, caso ainda n‹o se tenha
homologado e adjudicado a licita•‹o, n‹o se faz necess‡rio
oportunizar o contradit—rio e a ampla defesa para anular ou revogar
o procedimento.

Sanções

As san•›es administrativas est‹o disciplinadas nos artigos 86, 87 e 88 da


Lei de Licita•›es. Existem cinco tipos de san•›es que podem ser impostas aos
contratados30:

a) advert•ncia;

b) multa de mora, por atraso na execu•‹o;

c) multa de of’cio, por inexecu•‹o total ou parcial, podendo ser


aplicada cumulativamente com a advert•ncia ou com as outras
penalidades demonstradas abaixo;

d) suspens‹o tempor‡ria da possibilidade de participar em licita•‹o e


impedimento de contratar com a Administra•‹o por atŽ dois anos;

e) declara•‹o de inidoneidade para licitar ou contratar com a


Administra•‹o Pœblica enquanto perdurarem os motivos
determinantes da puni•‹o ou atŽ que seja promovida a

29
Meirelles, 2013, p. 339.
30
Barchet, 2008, p. 501.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 59 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

reabilita•‹o perante a pr—pria autoridade que aplicou a


penalidade, que ser‡ concedida sempre que o contratado ressarcir
a Administra•‹o pelos preju’zos resultantes e ap—s decorrido o
prazo da san•‹o aplicada com base no inciso anterior.

A œltima penalidade Ž de compet•ncia exclusiva do Ministro de Estado,


do Secret‡rio Estadual ou Municipal, conforme o caso, facultada a defesa do
interessado no respectivo processo, no prazo de 10 (dez) dias da abertura de
vista, podendo a reabilita•‹o ser requerida ap—s 2 (dois) anos de sua
aplica•‹o.

37. (Cespe – APGI/INPI/2013) Conforme previsto em lei, é considerada execução


direta toda contratação realizada com empresas do setor privado, executoras do
referido contrato.
Comentário: a Lei 8.666/1993 apresenta alguns conceitos importantes que
costumam ser cobrados, vejamos (Art. 6º):

¥ VII - Execução direta - a que é feita pelos órgãos e entidades da


Administração, pelos próprios meios;

¥ VIII - Execução indireta - a que o órgão ou entidade contrata com


terceiros sob qualquer dos seguintes regimes:
o empreitada por preço global - quando se contrata a execução da
obra ou do serviço por preço certo e total;
o empreitada por preço unitário - quando se contrata a execução da
obra ou do serviço por preço certo de unidades determinadas;
o tarefa - quando se ajusta mão-de-obra para pequenos trabalhos
por preço certo, com ou sem fornecimento de materiais;
o empreitada integral - quando se contrata um empreendimento em
sua integralidade, compreendendo todas as etapas das obras,
serviços e instalações necessárias, sob inteira responsabilidade
da contratada até a sua entrega ao contratante em condições de
entrada em operação, atendidos os requisitos técnicos e legais
para sua utilização em condições de segurança estrutural e
operacional e com as características adequadas às finalidades
para que foi contratada;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 60 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

A contratação direta é realizada pelos próprios órgãos ou entidades, utilizando


seus próprios meios (pessoal, material, etc.). A situação descrita na questão
corresponde à execução indireta.
Gabarito: errado.

38. (Cespe – AJ/TRE MS/2013) Com base na Lei n.º 8.666/1993, que trata de
licitações, assinale a opção correta.
a) O convite é a modalidade de licitação realizada entre interessados previamente
cadastrados ou que preencham os requisitos para cadastramento até o terceiro dia
anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação.
b) São princípios fundamentais da licitação, entre outros, a igualdade, a publicidade
e o julgamento subjetivo.
c) A licitação é dispensável em contratações de fornecimento ou suprimento de
energia elétrica com qualquer tipo de empresa.
d) Há inexigibilidade de licitação quando houver inviabilidade de competição, como
ocorre na aquisição de bens singulares, dos quais é exemplo um quadro específico
de determinado pintor.
e) Os estados podem ampliar o rol traçado na referida lei para os casos de dispensa,
pois possuem a capacidade de autoadministração e autolegislação.
Comentário: vamos analisar cada alternativa:
a) a descrição apresentada na alternativa se refere à tomada de preço e não ao
convite – ERRADA;
b) podemos citar como princípios necessários à licitação a legalidade,
impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, probidade administrativa,
vinculação ao instrumento convocatório, julgamento objetivo e os que lhes são
correlatos – ERRADA;
c) o que ocorre nessa situação é a dispensa de licitação em razão da pessoa –
ERRADA;
d) é isso ai. Quando não há a possibilidade de competição, ocorre a
inexigibilidade licitatória. Nesse caso em específico, o que acontece é a
contratação de um profissional do setor artístico, o que se enquadra nas
situações previstas na Lei – CORRETA;
e) as hipóteses de dispensa são aquelas presentes taxativamente na Lei, ou
seja, não permitem que a Administração amplie esse rol de situações –
ERRADA.
Gabarito: alternativa D.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 61 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

39. (Cespe – AE ES/2013) Acerca de licitações, assinale a opção correta.


a) O leilão é a modalidade licitatória destinada à venda de bens e serviços
considerados inservíveis à administração ou que tenham sido legalmente
apreendidos ou adquiridos por força de execução judicial.
b) A legislação ordinária e a jurisprudência pátria, dada a lacuna da CF no que se
refere às licitações, impuseram o procedimento licitatório como regra para a
aquisição de bens e serviços pelo poder público.
c) Como consequência do princípio da publicidade, em regra, as propostas dos
licitantes devem ser abertas assim que apresentadas à administração pública, que
deve dar conhecimento delas aos interessados, a fim de conferir transparência ao
procedimento.
d) A obrigatoriedade da licitação alcança as sociedades de economia mista.
e) Inclui-se entre as hipóteses de dispensa de licitação a contratação de profissionais
do setor artístico consagrados pela crítica especializada.
Comentário: analisando as questões temos:
a) quase tudo certo! O erro da alternativa está na afirmação de o leilão é a
modalidade para a venda de serviços, quando na realidade ela responde
apenas pela venda de bens – ERRADA;
b) a realização de licitação é exigência constitucional, logo não se fala em
lacuna (vide CF, arts. 22, XXVII, 37, XXI, e 173, §1º, III) – ERRADA;
c) as propostas só devem se abertas em local e hora determinado para tal fim.
Além disso, o procedimento da Lei 8.666/1993 se inicia pela abertura dos
envelopes de habilitação, segue pela devolução dos envelopes de proposta
aos desclassificados e, em seguida, virá a abertura dos envelopes com as
propostas. Assim, não é no momento da entrega dos envelopes que as
propostas são abertas, e sim na hora e local designado para tal fim e somente
após a habilitação – ERRADA;
d) essa questão foi cobrada antes da vigência da Lei 13.303/2016, que
estabelece o Estatuto da Empresa Pública e da Sociedade de Economia Mista.
Então, a alternativa foi considerada correta com base no art. 1º, parágrafo
único, da Lei 8.666/1993. Contudo, ainda hoje, essa questão está correta. Afinal,
as sociedades de economia mista também são obrigadas a licitar, porém com
base no regime da Lei 13.303/2016 – CORRETA;
e) essa é para não esquecer mais! A contratação de profissional do setor
artístico é uma hipótese de inexigibilidade de licitação e não de dispensa –
ERRADA.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 62 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Gabarito: alternativa D.

40. (Cespe – NeR/TJ RR/2013) Considerando a disciplina das licitações no


ordenamento jurídico brasileiro, assinale a opção correta.
a) A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da
isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção
do desenvolvimento nacional sustentável.
b) A legislação veda que se exija dos licitantes, na fase da habilitação, atestado de
regularidade fiscal.
c) É inexigível a licitação para a aquisição ou restauração de obras de arte e objetos
históricos, de autenticidade certificada, desde que compatíveis ou inerentes às
finalidades do órgão ou entidade.
d) No caso de pregão, antes da etapa competitiva, o pregoeiro deverá verificar a
aceitabilidade da proposta em função das exigências do edital.
e) Entre os tipos de licitação expressamente previstos na legislação incluem-se a
concorrência, a tomada de preços e o convite.
Comentário: começamos bem! A alternativa A traz a transcrição do artigo 3º da
Lei de Licitações e é nossa opção correta. A alternativa B está errada, porque
a habilitação também abrange a regularidade fiscal ao interessado. O erro da
alternativa C está na famosa troca do Cespe – a situação apresentada não trata
de inexigibilidade, mas sim de licitação dispensável. A alternativa E apresentou
algumas modalidades de licitação (art. 22º da LLC). Porém, quando nos
referimos aos tipos de licitação (critérios), devemos recorrer ao art. 45 da Lei.
São eles: menor preço; melhor técnica; técnica e preço; e maior lance ou oferta.
Por fim, a alternativa D versa sobre o pregão. Nesse caso, a etapa competitiva
ocorre durante a sessão pública do pregão e compreende o recebimento das
propostas e a documentação da habilitação, a disputa, o julgamento, a
classificação e a habilitação da melhor proposta. Dessa forma, o pregoeiro irá
verificar a aceitabilidade da proposta durante a etapa competitiva. Além disso,
em comparação à LLC, no pregão ocorre a inversão de fases, ou seja, primeiro
se julga e depois acontece a habilitação.
Gabarito: alternativa A.

QUESTÕES MÚLTIPLA ESCOLHA

41. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-SP/2017) Determinada Administração pública


realizou uma licitação com base na Lei no 8.666/1993, sob a modalidade concorrência,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 63 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

para contratação de serviços de avaliação de seu patrimônio imobiliário. Finda a fase de


julgamento e declarado o vencedor,
a) cabe à autoridade competente homologar o resultado e adjudicar o objeto ao
vencedor, que tem direito subjetivo à contratação, no prazo de 30 dias contados do
resultado do certame.
b) sucede-se a fase de homologação da licitação e adjudicação do objeto ao vencedor
do certame, embora este não tenha direito subjetivo para exigir da Administração pública
a prática desses atos.
c) cabe à Administração pública a divulgação do resultado, contra cuja decisão não
caberá mais recurso por parte dos licitantes, tendo em vista que se trata de decisão de
mérito.
d) sucede-se a fase de habilitação, cabendo à Administração analisar a documentação
de todos licitantes, para verificação do atendimento dos requisitos de participação, em
especial no que se refere à capacitação técnica.
e) abre-se prazo de impugnação aos licitantes, sendo que aqueles com diferença igual
ou menor a 10% em relação à melhor proposta seguem para a fase de habilitação.
Comentário:
a) a adjudicação não gera direito subjetivo à assinatura do contrato, ou seja, a
Administração pode adjudicar o objeto, mas por algum motivo simplesmente não
firmar o contrato. Contudo, a adjudicação representa uma garantia ao vencedor do
certame, pois se a Administração realizar a contratação, deverá fazê-lo com o
adjudicatário – ERRADA;
b) após a fase de julgamento, as próximas fases da licitação serão a homologação
e a adjudicação (ressalvadas as possibilidades de recurso, que ocorrem ao longo
de quase todas as fases da licitação, no âmbito da Lei 8.666/1993). Todavia, a
autoridade competente pode não homologar ou adjudicar a licitação, seja por
ilegalidade (o que enseja a anulação) ou por razões de interesse público
decorrente de fato superveniente devidamente comprovado (o que enseja a
revogação). Logo, de fato, o vencedor não tem direito subjetivo para exigir da
Administração pública a prática dos atos de homologação e de adjudicação –
CORRETA.
c) o resultado da licitação deve decorrer de uma análise objetiva. Logo, é sim
possível recorrer contra o resultado, uma vez que algum candidato pode estar
irresignado com a má aplicação de algum critério de julgamento ou ainda com
análises subjetivas, que devem ser afastadas da licitação – ERRADA;
d) e e) na concorrência, a fase de habilitação ocorre antes da fase de julgamento.
É no pregão que ocorre a inversão – ERRADAS.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 64 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Gabarito: alternativa B.

42. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-SP/2017) Um órgão integrante da Administração


pública de determinado ente federal necessita adquirir móveis para uma nova unidade
de centralização de serviços para atendimento à população. Considerando-se que são
móveis de escritório de longa durabilidade e que precisam ser adquiridos em uma
oportunidade para início das atividades, com a maior celeridade possível, à
Administração pública caberá a realização de
a) concorrência, convite ou tomada de preços, em razão dos valores envolvidos,
modalidades que permitem maior participação de licitantes e, portanto, maior disputa por
menores preços.
b) licitação sob qualquer das modalidades de licitação vigentes, conforme a alçada de
valores dos bens, preferencialmente utilizando-se do leilão, dada a maior celeridade.
c) pregão, obrigatoriamente, para registro de preços, tendo em vista que o fracionamento
das aquisições permite a obtenção de melhores preços sem a perda da economia de
escala.
d) concorrência, em função do valor de avaliação dos bens superar o limite admitido para
utilização do leilão ou do pregão.
e) pregão, por se tratar de bens de natureza comum, passíveis de serem objetivamente
descritos, o que possibilitará ampla participação e disputa, com atingimento de resultado
mais vantajoso à Administração pública.
Comentário: a aquisição de móveis é um exemplo típico de aquisição de bens
comuns. Os móveis podem ser objetivamente descritos no edital de licitação,
mediante a adoção de parâmetros usuais de mercado (medida, espessura, cor,
material). Logo, a Administração poderá adotar o pregão, pois são bens de
natureza comum, sendo que tal modalidade permite a ampla participação e
disputa, o que, em geral, enseja numa contratação mais vantajosa (sobretudo se o
pregão for realizado na forma eletrônica).
Professor, mas não seria possível adotar outras modalidades? Seria sim, mas cada
alternativa possui algum erro, vejamos:
a) a concorrência até gera uma maior participação, porém a tomada de preços
enseja uma participação intermediária, enquanto o convite é bastante restrito.
Logo, não podemos dizer que todas essas modalidades ensejam “maior
participação de licitantes” e, por conseguinte, “maior disputa por menores
preços”. Na verdade, o pregão é a modalidade que, em tese, permite as
contratações pelos menores preços, em virtude de sua fase de lances, e quando
realizado na forma eletrônica é certamente a forma que permite a maior
participação. Além disso, o enunciado mencionou que a contratação deveria ter
celeridade, o que não seria alcançado com a concorrência – ERRADA;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 65 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

b) nem todas as modalidades seriam possíveis, já que o concurso e o leilão não se


destinam à aquisição de bens – ERRADA;
c) o registro de preços deve ser adotado apenas “preferencialmente” (Lei
8.666/1993, art. 15, II) e não “obrigatoriamente”. Ademais, como a aquisição é para
uma “única oportunidade” não haveria necessidade do registro de preços –
ERRADA;
d) a alternativa é cheia de erros. Primeiro porque não há informações de valores,
segundo porque o pregão independe de valor e terceiro porque o leilão serve para
alienações/vendas e não para aquisições – ERRADA.
Gabarito: alternativa E.

43. (FCC – Analista em Gestão Previdenciária/FUNAPE/2017) Um licitante impugnou


determinado edital para contratação de uma concessão de serviços, alegando que houve
direcionamento e ofensa à isonomia na análise dos documentos de habilitação, aduzindo
que pelo menos duas empresas deveriam ter sido excluídas. A liminar requerida não foi
deferida, de forma que a licitação prosseguiu. Antes da prolação da sentença o poder
público comunicou o juízo acerca da conclusão do procedimento licitatório, alegando
perda de objeto.
A alegação do Poder Público
a) não procede caso tenha sido concluída a licitação, com adjudicação do objeto ao
vencedor, mas se houve celebração do contrato não há mais como questioná-lo, dada a
distinção de relações jurídicas.
b) depende da comprovação de que o licitante inabilitado no certame que recorreu ao
Judiciário não lograria êxito em oferecer resultado mais vantajoso ao Poder Público.
c) procede, tendo em vista que o objeto da impugnação se restringia à habilitação dos
licitantes, fase superada quando do término da licitação.
d) não deve ser acolhida, tendo em vista que as nulidades existentes no procedimento
licitatório maculam o resultado e eventual contrato que já tenha sido celebrado.
e) condiciona a celebração do contrato à concordância dos demais licitantes,
considerando o valor ao final apurado para a contratação.
Comentário: de acordo com a Lei 8.666/1993: “a nulidade do procedimento
licitatório induz à do contrato”. Vale lembrar que a anulação produz efeitos
retroativos (ex tunc), portanto não procede a alegação de extinção do processo
por perda de objeto, pois a mera conclusão da licitação não impede que seja
declarada a sua nulidade, o que ensejaria inclusive a nulidade de eventual contrato
virtude em virtude dessa licitação. Logo, o gabarito é a letra D.
Vejamos o erro nas opções:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 66 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

a) a celebração do contrato também não impede que seja declarada a nulidade da


licitação posteriormente – ERRADA;
b) se houve alguma nulidade, não importa o fato de o licitante lograr ou não êxito
na licitação – ERRADA;
c) não procede o pedido de perda do objeto, pois a nulidade poderia ser declarada
a qualquer momento, em virtude de seu efeito ex tunc – ERRADA;
e) a concordância dos licitantes não afasta eventual nulidade da licitação –
ERRADA.
Gabarito: alternativa D.

44. (FCC – Auxiliar Administrativo/Copergás/2016) O Estado de Pernambuco


publicou edital de licitação, na modalidade tomada de preços, para a construção de
importante obra pública. A empresa MW pretende participar do certame, mas não é
cadastrada. Nos termos da Lei no 8.666/1993, desde que respeitada a necessária
qualificação, a citada empresa poderá participar do certame se atender a todas as
condições exigidas para cadastramento até o
a) décimo quinto dia anterior à data da abertura dos envelopes.
b) quinto dia anterior à data do recebimento das propostas.
c) terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas.
d) quinto dia anterior à data da abertura dos envelopes.
e) décimo quinto dia anterior à data do recebimento das propostas.
Comentário: a tomada de preços é a modalidade de licitação entre interessados
devidamente cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para
cadastramento até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas,
observada a necessária qualificação (Lei 8.666/1993, art. 22, § 2º).
Gabarito: alternativa C.

45. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) A escolha da modalidade licitatória a ser


utilizada pela Administração pública é prerrogativa da autoridade competente para a
contratação, decisão que
a) pode ser discricionária, baseada nas opções constantes da legislação, tal como o
leilão ou o pregão para a alienação de bens inservíveis.
b) é invariavelmente vinculada, tendo em vista que o cabimento de cada modalidade de
licitação está expressamente arrolado na legislação vigente para as hipóteses de
contratação pretendidas.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 67 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

c) pode ser discricionária, cabendo ao administrador fundamentar e justificar a escolha


feita, tal como na escolha da modalidade leilão para a alienação de bens imóveis
adquiridos por meio de adjudicação em execuções fiscais.
d) pode ser vinculada, quando a lei descrever a modalidade cabível para uma hipótese,
como no caso das contratações de bens e serviços de natureza comum, que deve ser
realizada por meio de pregão.
e) é discricionária, posto que cabe ao administrador justificar a escolha da modalidade
de licitação a ser escolhida visando ao resultado pretendido, com base em critérios de
conveniência e oportunidade, como no caso da alienação onerosa de imóveis, que pode
ser realizada por meio de leilão ou concorrência.
Comentário: a decisão sobre a modalidade licitatória poderá ser vinculada ou
discricionária, conforme cada caso.
Em algumas situações, a legislação definirá uma única modalidade de licitação
cabível, enquanto em outras fica uma margem de liberdade para a autoridade
escolher entre uma ou outra modalidade.
Por exemplo, imagine uma licitação para a aquisição de bens comuns, no valor
estimado de R$ 3 milhões de reais. Nesse caso, será possível licitar pelo pregão
ou pela concorrência. Deve-se observar que, nesse exemplo, estamos
desconsiderando a aplicação de normas específicas ou regulamentos que, em
alguns entes, exigem a aplicação do pregão para a aquisição de bens e serviços
comuns. Por exemplo, o Decreto 5.450/2005 obriga a adoção do pregão para
aquisição de bens ou serviços comuns, no âmbito da União, o que faria com que,
nesse caso, não houvesse discricionariedade.
Agora, imagine a contratação de uma empresa para realizar uma obra de grande
complexidade, no valor estimado de R$ 15 milhões de reais, sendo que a obra não
se enquadra em nenhuma das situações que permitem o emprego do Regime
Diferenciado de Contratações Públicas. Nesse caso, a única modalidade de
licitação possível será a concorrência.
Portanto, a depender do caso, a escolha da modalidade será discricionária ou
vinculada.
Além disso, assim como ocorre com os demais atos no processo licitatório, a
decisão da autoridade, ainda que a escolha seja discricionária, deverá ser
devidamente fundamentada.
Agora, vamos analisar as alternativas:
a) o pregão serve apenas para aquisição de bens ou serviços comuns, não se
destinando à alienação de bens inservíveis – ERRADA;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 68 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

b) conforme já vimos, em alguns casos a escolha será discricionária, enquanto em


outros casos tratar-se-á de decisão vinculada – ERRADA;
c) como regra, a alienação de bens imóveis depende de licitação na modalidade
concorrência, nos termos do art. 17, I, da Lei 8.666/1993. Contudo, o art. 19 permite
a adoção do leilão ou da concorrência para a alienação de bens imóveis cuja
aquisição haja derivado de procedimentos judiciais ou de dação em pagamento.
Com efeito, a “adjudicação em execuções fiscais” é uma ação judicial destinada a
cobrar débitos perante a fazenda pública. Assim, se o bem foi adjudicado para a
fazenda pública, significa que a sua aquisição derivou de uma decisão judicial,
permitindo que a sua alienação ocorra pelo leilão ou pela concorrência –
CORRETO;
d) certamente, essa questão desconsiderou o Decreto 5.450/2005, que obrigada a
adoção do pregão no âmbito federal. Seguindo apenas a Lei 10.520/2002, o pregão
pode ser adotado de forma discricionária, já que a Lei faculta a adoção dessa
modalidade para a aquisição de bens ou serviços comuns. Assim, com base
exclusivamente na Lei, o item está incorreto – ERRADA;
e) o primeiro erro é que a escolha pode ser discricionária ou vinculada, conforme
o caso. Além disso, na alienação de bens imóveis, a regra é a aplicação da
concorrência. A possibilidade de escolha restringe-se aos casos de alienação de
bens imóveis oriundos de procedimento judicial ou dação em pagamento. Da
forma como escrito na alternativa, parece que sempre existiria essa
discricionariedade – ERRADA.
Gabarito: alternativa C.

46. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) O princípio que obriga a Administração


pública à prévia licitação para contratação dos diversos bens e serviços de seu interesse
convive com situações em que o certame se mostra dispensável ou inexigível. As
hipóteses são várias, algumas que a lei escolheu excluir da obrigatoriedade de serem
licitadas, outras cuja a realização do certame não se mostra possível ou adequada.
Diante de um cenário em que a Administração pública precise firmar contrato para
prestação de serviço de atendimento da população para orientação inicial e
encaminhamento aos setores adequados de conhecido complexo que concentra vários
serviços públicos em um mesmo local, é
a) possível declarar inexigibilidade de licitação para contratação de associação sem fins
lucrativos que congregue portadores de deficiência física e pessoas com reconhecida
hipossuficiência financeira, como forma de execução de política social.
b) permitido dispensar a licitação para contratar associação sem fins lucrativos, de
pessoas portadoras de deficiência física, tendo em vista que as atividades necessárias

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 69 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

à Administração são condizentes com as limitações físicas dos associados, o que não
afasta a necessidade do valor ser compatível com o praticado no mercado.
c) necessário realizar licitação, tendo em vista que se trata de contratação de mão de
obra, para cuja finalidade inexiste previsão legal de dispensa ou inexigibilidade de
certame.
d) dispensada a licitação para contratação de associações sem fins lucrativos, bastando
à Administração pública comprovar essa condição e a respectiva declaração de utilidade
pública emitida pelo ente da mesma esfera do potencial contratante.
e) inexigível a licitação para os casos em que o contratado seja pessoa jurídica sem fins
lucrativos e desde que o valor da contratação seja compatível com o praticado no
mercado.
Comentário: como regra, os contratos administrativos devem ser precedidos de
prévia licitação pública. Contudo, existem situações em que a lei excepciona a
realização da licitação, seja por excluir a obrigatoriedade (dispensa de licitação)
ou por considerar inviável a competição (inexigibilidade).
O caso descrito na questão se enquadra no art. 24, XX, da Lei 8.666/1993, que
dispensa a licitação na contratação “de associação de portadores de deficiência
física, sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades
da Administração Pública, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão-
de-obra, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no
mercado”. Logo, o gabarito se encontra na letra B.
Vejamos as demais alternativas:
a) a Lei 8.666/1993 não prevê nenhum caso de contratação de pessoas “com
reconhecida hipossuficiência financeira” – ERRADA;
c) conforme visto, a licitação poderá ser dispensada, já que o caso se enquadra
em uma das hipóteses previstas no art. 24 da Lei de Licitações – ERRADA;
d) não se trata, pois, de licitação “dispensada”, mas sim dispensável. Aquela
obriga a Administração a não licitar, enquanto esta permite que a Administração
não licite. Além disso, não existe a exigência de declarar a associação de utilidade
pública. Ademais, além da situação da associação, deve-se comprovar que ela
possui inidoneidade e que o preço praticado é compatível com o de mercado –
ERRADA;
e) conforme já discutido, não se trata de licitação inexigível, mas sim de licitação
dispensável – ERRADA.
Gabarito: alternativa B.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 70 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

47. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) O Tribunal Regional Federal da 3a Região


pretende contratar empresa para a construção de obra de engenharia. Trata-se
especificamente da reforma das instalações de espaço físico dentro do próprio Tribunal
que, no futuro, será destinado a um restaurante, sendo o valor da contratação estimado
em dez mil reais. Nesse caso, conforme preceitua a Lei no 8.666/1993, a licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.
c) obrigatória na modalidade concurso.
d) obrigatória na modalidade convite.
e) dispensável.
Comentário: de acordo com o enunciado, o objeto do contrato será uma obra de
engenharia. Para esse tipo de objeto, aplicam-se os seguintes valores:
(i) até R$ 15 mil: licitação dispensável;
(ii) até R$ 150 mil: convite;
(iii) até R$ 1,5 milhão: tomada de preços;
(iv) acima de R$ 1,5 milhão: concorrência.
Portanto, como o valor estimado da obra é de R$ 10 mil, a licitação será
dispensável.
Gabarito: alternativa E.

48. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) Considere:


I. No âmbito do Ministério da Defesa, a função de pregoeiro deve ser desempenhada por
militar, sob pena de ser decretada a nulidade do certame.
II. A Lei Geral de Licitações aplica-se apenas subsidiariamente ao pregão.
III. As compras e contratações de bens e serviços comuns, no âmbito dos Estados,
quando efetuadas pelo sistema de registro de preços, deverão obrigatoriamente adotar
a modalidade pregão.

Nos termos da Lei no 10.520/2002, está correto o que consta em


a) II, apenas.
b) I, II e III.
c) I e II, apenas.
d) III, apenas.
e) I e III, apenas.
Comentário:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 71 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

I – de acordo com a Lei 10.520/2002, no âmbito do Ministério da Defesa, as funções


de pregoeiro e de membro da equipe de apoio poderão ser desempenhadas por
militares (art. 3º, § 2º). Portanto, não é uma obrigatoriedade, mas apenas uma
possibilidade se utilizar de militares nos pregões no âmbito do Ministério da
Defesa – ERRADO;
II – na realização do pregão, a Lei 10.520/2002 é que se aplica prioritariamente.
Assim, a Lei 8.666/1993 será adotada de forma subsidiária, isto é, para os casos
não previstos na Lei 10.520/2002 – CORRETO;
III – as licitações para o sistema de registro de preços podem ser realizadas por
concorrência (Lei 8.666/1993, art. 15, § 3º, I) ou por pregão (Lei 10.520/2002, art. 11)
– ERRADO.
Logo, apenas o item II está correto.
Gabarito: alternativa A.

49. (FCC – Técnico Judiciário/TRF-3/2016) O Tribunal Regional Federal da 3a Região


pretende realizar licitação do tipo “técnica e preço”, para a construção de novo edifício,
sendo o valor da contratação estimado em R$ 1.550.000,00 (um milhão, quinhentos e
cinquenta mil reais). Nos termos da Lei no 8.666/1993 e considerando a modalidade
apropriada de licitação no caso narrado, o prazo mínimo entre a publicação do edital e o
recebimento das propostas será de
a) 45 dias.
b) 30 dias.
c) 15 dias.
d) 60 dias.
e) 25 dias.
Comentário: os prazos entre a divulgação do edital e o recebimento das propostas
variam de acordo com as modalidades, os tipos de licitação e o regime de
execução empregados, conforme quadro abaixo:

Modalidade Prazo Situações específicas


§ Regime de empreitada integral
45 dias § Tipos de licitação “melhor técnica” ou
Concorrência “técnica e preço”
30 dias § Demais casos
§ Tipos de licitação “melhor técnica” ou
30 dias
Tomada de preços “técnica e preço”
15 dias § Demais casos

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 72 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Convite 5 dias úteis


Concurso 45 dias
Leilão 15 dias
Pregão 8 dias úteis

No caso do enunciado, o valor estimado da contratação é de R$ 1.550.000,00 (um


milhão, quinhentos e cinquenta mil reais), sendo o objeto a construção de um novo
edifício. Assim, deverá ser adotada a modalidade de concorrência. Além disso, o
tipo de licitação será de “técnica e preço”. Logo, o prazo mínimo será de 45 dias.
Gabarito: alternativa A.

50. (FCC – Analista Judiciário/TRT-23/2016) O Estado do Mato Grosso realizará


licitação de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros
consideráveis, demonstrados através de parecer tecnicamente aprovado pela autoridade
competente. No edital da respectiva licitação, foi exigida a apresentação de garantia
contratual. A empresa SW, interessada em participar do certame, pretende apresentar
garantia na forma de caução em dinheiro, cujo montante representa uma porcentagem
sobre o valor do contrato administrativo. No caso narrado, conforme preceitua a Lei no
8.666/1993, a garantia na forma de caução em dinheiro poderá ser em %, de até
a) 5.
b) 10.
c) 20.
d) 15.
e) 25.
Comentário: a exigência da garantia é uma faculdade da Administração, ou seja, é
a autoridade competente que decide por exigi-la ou não. No entanto, uma vez
definida a exigência de garantia, a escolha da modalidade de garantia compete ao
contratado, entre as modalidades previstas no art. 56, § 1º, da Lei 8.666/1993, quais
sejam:
(i) caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido
emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de
liquidação e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos
seus valores econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda;
(ii) seguro-garantia;
(iii) fiança bancária.
Ademais, em regra, o valor da garantia está limitado a 5% do valor do contrato (art.
56, § 2º). Contudo, para obras, serviços e fornecimentos de grande vulto

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 73 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis,


demonstrados através de parecer tecnicamente aprovado pela autoridade
competente, o limite de garantia poderá ser elevado para até dez por cento do valor
do contrato (art. 56, § 3º).
Portanto, para o caso descrito no enunciado, o limite da garantia será de até 10%.
Gabarito: alternativa B.

51. (FCC – Analista Judiciário/TRT-14/2016) O Estado do Acre realizou procedimento


licitatório na modalidade concorrência para a construção de vultosa obra pública. Após
o encerramento do certame e a contratação da empresa vencedora, iniciou-se a fase da
execução contratual. Nos termos da Lei no 8.666/1993, a execução de cada etapa será
obrigatoriamente precedida da conclusão e aprovação, pela autoridade competente, dos
trabalhos relativos às etapas anteriores, à exceção do projeto executivo, que
a) poderá ser desenvolvido concomitantemente com a execução da obra, desde que
também autorizado pela Administração.
b) é dispensável.
c) deverá obrigatoriamente ser desenvolvido antes da execução da obra.
d) deverá obrigatoriamente ser desenvolvido após a execução da obra.
e) poderá ser desenvolvido concomitantemente com a execução da obra, não sendo
necessário autorização da Administração, pois decorre de previsão legal.
Comentário: de acordo com o art. 7º da Lei 8.666/1993, as licitações para a
execução de obras e para a prestação de serviços obedecerão à seguinte
sequência: (i) projeto básico; (ii) projeto executivo; (iii) execução das obras e
serviços.
Ademais, a execução de cada etapa será obrigatoriamente precedida da conclusão
e aprovação, pela autoridade competente, dos trabalhos relativos às etapas
anteriores, à exceção do projeto executivo, o qual poderá ser desenvolvido
concomitantemente com a execução das obras e serviços, desde que também
autorizado pela Administração (art. 7º, § 1º).
Gabarito: alternativa A.

52. (FCC – Técnico Judiciário/TRT-14/2016) Em razão do caos da limpeza pública em


determinado Município do Acre, que afetou, inclusive, a situação ambiental da Cidade, a
Prefeitura dispensou o procedimento licitatório, justificando tratar-se de situação
emergencial. Assim, efetivou a contratação direta e imediata de empresa para a
prestação dos serviços de limpeza. Nesse caso, os serviços deverão ser concluídos em
prazo máximo, contado, em dias consecutivos e ininterruptos, da ocorrência da

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 74 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

emergência, sendo vedada a prorrogação do respectivo contrato. Nos termos da Lei no


8.666/1993, o prazo a que se refere o enunciado é de
a) 210 dias.
b) 120 dias.
c) 90 dias.
d) 60 dias.
e) 180 dias.
Comentário: de acordo com a Lei 8.666/1993, a licitação será dispensável nos
casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de
atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a
segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou
particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação
emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser
concluídas no prazo máximo de 180 dias consecutivos e ininterruptos, contados
da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos
respectivos contratos (art. 24, IV).
Gabarito: alternativa E.

53. (FCC – Técnico da Receita Estadual/SEFAZ-MA/2016) Segundo previsão da Lei


no 8.666 de 1993, são hipóteses de dispensa de licitação, EXCETO:
a) A contratação de obras e serviços de engenharia de valor até quinze mil reais.
b) Aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser fornecidos por
produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca,
devendo a comprovação de exclusividade ser feita através de atestado fornecido pelo
órgão de registro do comércio do local em que se realizaria a licitação ou a obra ou o
serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação Patronal, ou, ainda, pelas entidades
equivalentes.
c) Nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência
de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança
de pessoas.
d) A compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades precípuas
da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua
escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo avaliação
prévia.
e) As compras de valor até oito mil reais.
Comentário: a aquisição de materiais, equipamentos ou gêneros que só podem ser
prestados por fornecedor exclusivo constitui exemplo de inexigibilidade de
licitação, nos termos do art. 25, I, da Lei 8.666/1993. Logo, o gabarito é a letra B.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 75 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Todas as demais alternativas tratam de casos de licitação dispensável, conforme


dispositivos mencionados abaixo:
a) A contratação de obras e serviços de engenharia de valor até quinze mil reais (art. 24,
I) – CORRETA;
c) Nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência
de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança
de pessoas (art. 24, IV) – CORRETA;
d) A compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades precípuas
da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua
escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo avaliação
prévia (art. 24, X) – CORRETA;
e) As compras de valor até oito mil reais (art. 24, II) – CORRETA.
Gabarito: alternativa B.

54. (FCC – Técnico Judiciário/TRT-23/2016) Considere três licitações na modalidade


convite:
(i) No primeiro convite, o interessado cadastrado na correspondente especialidade
manifestou interesse em participar do certame 36 horas antes da apresentação das
propostas.
(ii) O segundo convite, em virtude de limitações do mercado devidamente justificadas no
processo, foi realizado com apenas dois interessados do ramo pertinente a seu objeto,
cadastrados, escolhidos e convidados pela respectiva unidade administrativa.
(iii) O terceiro convite foi realizado com apenas três interessados do ramo pertinente a
seu objeto, não cadastrados, escolhidos e convidados pela respectiva unidade
administrativa.

A propósito dos fatos narrados e nos termos da Lei no 8.666/1993, está


a) correto apenas o que ocorreu no primeiro convite.
b) correto o que ocorreu em todos os convites.
c) correto apenas o que ocorreu no primeiro e no terceiro convites.
d) correto apenas o que ocorreu no segundo convite.
e) incorreto o que ocorreu em todos os convites.
Comentário: o convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo
pertinente ao seu objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número
mínimo de três pela unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado,
cópia do instrumento convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na
correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 76 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

de até 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas (Lei 8.666/1993, art.
22, § 3º).
O “até 24 (vinte e quatro) horas” deve ser lido no sentido de “no mínimo 24 horas
de antecedência”. Assim, os não convidados que desejarem participar do convite
devem manifestar o interesse com no mínimo 24 horas de antecedência, ou mais
(30, 36, 48 ou mais horas). Dessa forma, o primeiro convite está de acordo com a
legislação.
Vimos, além disso, que devem existir pelo menos três convidados pela unidade
administrativa. Contudo, o art. 22, § 7º, da Lei de Licitações permite a participação
de um número menor, desde que não seja possível obter o número mínimo de
licitantes em virtude de limitações do mercado ou manifesto desinteresse dos
convidados, situação que deverá ser justificada no processo, sob pena de
repetição do convite. Assim, o segundo convite também está de acordo com a
legislação, pois o menor número de convidados decorreu de limitação de mercado
devidamente justificada no processo.
Por fim, é importante saber que os convidados não precisam ser cadastrados, ao
passo que os não convidados, mas que manifestarem interesse, devem ser
cadastrados. Logo, o terceiro convite também ocorreu de acordo com a legislação,
já que os três interessados não cadastrados foram convidados pela
Administração.
Em resumo, está correto o que ocorreu em todos os convites.
Gabarito: alternativa B.

55. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) Determinado


município realizou uma licitação para contratação de obras de construção de casas
populares. Findo o procedimento e celebrado o contrato, o Ministério público recebeu
denúncia de irregularidades na instrução do procedimento, vícios que teriam eivado o
certame de ilegalidade, a ponto de levantar suspeita sobre o resultado do mesmo,
ensejando o ajuizamento de ação para a anulação da licitação. O contrato já estava em
execução, sendo que a ação judicial ainda tramitava. A decisão judicial
a) pode acarretar a anulação do procedimento licitatório, se apurada ilegalidade, o que
alcançará o contrato firmado, cabendo, se não houver culpa do contratado, indenização
pelos serviços executados e eventuais prejuízos comprovados.
b) pode ensejar a nulidade do contrato em execução, não alcançando mais o
procedimento licitatório, porque findo, sendo possível a apuração de responsabilidade
dos envolvidos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 77 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

c) poderá revogar a licitação e o contrato, independentemente do início da execução,


não cabendo indenização ao contratado, por presunção de culpa em razão do resultado
viciado do certame.
d) não pode adentrar no exame de legalidade da licitação após seu término, em razão
do exaurimento do ato administrativo, apurando-se a responsabilidade do contratado e
dos servidores envolvidos para ressarcimento ao erário do prejuízo sofrido.
e) poderá adentrar na análise de legalidade da licitação e da contratação, mas em
havendo vício, determinará a anulação ou revogação, conforme o caso, pela
Administração pública, alcançando o contrato, com a consequente indenização, se
couber.
Comentário: a nulidade do procedimento licitatório gera a nulidade do contrato
firmado (art. 49, § 2º), uma vez que a anulação, em regra, desconstitui todos os
efeitos do ato anulado. Assim, como a licitação foi irregular, o contrato, que é
consequência da licitação, também terá que ser anulado.
Além disso, a Lei 8.666/1993 determina que a declaração de nulidade do contrato
administrativo opera retroativamente impedindo os efeitos jurídicos que ele,
ordinariamente, deveria produzir, além de desconstituir os já produzidos. Porém,
essa nulidade do contrato não exonera a Administração do dever de indenizar o
contratado pelo que este houver executado até a data em que a nulidade for
declarada e por outros prejuízos regularmente comprovados, desde que a nulidade
não seja imputável ao próprio contratado (art. 59).
Portanto, se comprovada a ilegalidade, a decisão judicial poderá acarretar a
anulação do procedimento licitatório, o que também alcançará o contrato
administrativo firmado, devendo ocorrer a indenização do contratado pelos
serviços executados e eventuais prejuízos comprovados, desde que ele não seja
o culpado pela ilegalidade. Logo, o gabarito é a letra A.
Vejamos as demais alternativas:
b) a nulidade pode alcançar tanto o contrato como a licitação, uma vez que a
declaração de nulidade possui efeitos retroativos, situação que permite que seja
declarada a nulidade de um procedimento já encerrado. O trecho final, por outro
lado, está correto, já que será possível apurar a responsabilidade dos envolvidos
(art. 59, parágrafo único) – ERRADA;
c) não há revogação de procedimento nulo (mas sim anulação) e, além disso,
caberá a indenização se a culpa não for do contratado – ERRADA;
d) será mesmo possível apurar a responsabilidade de todos os envolvidos,
incluindo o contratado se for o caso. Porém, a decisão judicial analisará
justamente a legalidade da licitação, independentemente de sua conclusão –
ERRADA;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 78 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

e) novamente, não há que se falar em revogação de um ato ilegal. Além disso, o


próprio Judiciário poderá promover a declaração de nulidade (não precisa
determina que a Administração Pública o faça) – ERRADA.
Gabarito: alternativa A.

56. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) O processo


licitatório é exigência constitucional para que a Administração pública contrate
a) obras, serviços e compras, não se aplicando para as hipóteses de alienação de bens
públicos, que podem ser livremente contratados, em razão de exceção constante do
próprio texto constitucional.
b) obras, serviços e compras, de grande vulto e complexidade, sendo permitida a
contratação direta, sem licitação, nas hipóteses de bens e serviços comuns ou de bens
cujo valor não exceda R$ 8.000,00.
c) obras, serviços, compras e alienações, sendo, em razão do princípio da igualdade e
do julgamento objetivo, vedadas exigências de qualificação técnica e econômico-
financeira mesmo que concernentes à garantia do cumprimento das obrigações
contratadas.
d) obras, serviços, compras e alienações, que, nos termos da lei de regência, podem,
em certas hipóteses, ser contratadas diretamente, por meio de dispensa ou
inexigibilidade de licitação.
e) obras, serviços, compras e alienações, que, nos termos da lei de regência, podem,
em certas hipóteses, ser contratadas diretamente, por meio de dispensa ou
inexigibilidade de licitação, exceção que não se aplica as alienações, que não podem ser
contratadas diretamente sem processo licitatório.
Comentário: a regra constitucional da obrigatoriedade de licitar consta no art. 37,
XXI, que prevê o seguinte:
XXI - ressalvados os casos especificados na legisla•‹o, as obras,
servi•os, compras e aliena•›es ser‹o contratados mediante processo
de licita•‹o pœblica que assegure igualdade de condi•›es a todos os
concorrentes, com cl‡usulas que estabele•am obriga•›es de
pagamento, mantidas as condi•›es efetivas da proposta, nos termos da
lei, o qual somente permitir‡ as exig•ncias de qualifica•‹o tŽcnica e
econ™mica indispens‡veis ˆ garantia do cumprimento das obriga•›es.

Portanto, as licitações são procedimentos de seleção que precedem a contratação,


sendo aplicadas às obras, aos serviços, às compras e às alienações. Todavia,
existem situações em que a legislação poderá ressalvar a aplicação das licitações
públicas, permitindo que a contratação ocorra diretamente, nos casos chamados
de dispensa e inexigibilidade de licitação (letra D).
Vejamos o erro nas demais alternativas:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 79 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

a) alienação de bens públicos também depende, em regra, de licitação – ERRADA;


b) consideram-se obras, serviços e compras de grande vulto aquelas cujo valor
estimado seja superior a R$ 37,5 milhões (art. 6º, V). Assim, é fácil notar que
existem contratações que não são de grande vulto, mas que dependem de licitação
pública. Além disso, ainda que o bem ou serviço seja comum, ele também terá que
ser licitado, podendo ser adotada, neste caso, a modalidade de licitação pregão.
Dessa forma, apenas a parte final da questão está correta, pois a licitação para as
contratações de bens de valor que não exceda a R$ 8 mil poderá ser dispensada,
nos termos do art. 24, II, da Lei 8.666/1993 – ERRADA;
c) as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do
cumprimento das obrigações são permitidas nas licitações – ERRADA;
e) a licitação para as alienações também está sujeita à dispensa, em especial nos
casos enumerados no art. 17 da Lei 8.666/1993 – ERRADA.
Gabarito: alternativa D.

57. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) A compra de


um terreno por uma autarquia, para instalação de uma delegacia de polícia,
a) pode se dar por meio de dispensa de licitação, caso, dentre outros requisitos, a
Administração demonstre que o local atende as necessidades de instalação e
localização do equipamento público em razão da demanda de segurança pública da
região.
b) deve ser objeto de licitação, pois é necessário respeitar o menor valor para aquisição
de bens imóveis pelos entes públicos, pois se consubstancia em investimento e se
destina a integrar o ativo patrimonial do ente.
c) não se mostra adequada para a Administração, tendo em vista que por meio da
desapropriação é possível escolher fisicamente o local onde pretende instalar o
equipamento público, de modo que esse instituto deve ser utilizado.
d) deve ser feita por meio de dispensa de licitação, tendo em vista que se trata de
hipótese expressamente prevista na lei como licitação dispensada.
e) pode ser objeto de inexigibilidade de licitação, caso a autarquia consiga demonstrar
que o valor do terreno escolhido é o menor valor dentre os elementos comparativos
disponíveis no mercado.
Comentário:
a) a situação enquadra-se no previsto no art. 24, X, que prevê que a licitação será
dispensável para a compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das
finalidades precípuas da administração, cujas necessidades de instalação e
localização condicionem a sua escolha, desde que o preço seja compatível com o

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 80 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

valor de mercado, segundo avaliação prévia. Portanto, a situação poderá ocorrer


mediante dispensa de licitação – CORRETA;
b) seria possível licitar no presente caso, mas a licitação não é obrigatória, já que
o caso é de dispensa de licitação – ERRADA;
c) a compra é sim aplicável ao presente caso, podendo ocorrer mediante licitação
ou por dispensa – ERRADA;
d) a dispensa é o gênero que envolve os casos de licitação dispensável e
dispensada. Na primeira, faculta-se ao administrador licitar ou não; na segunda, a
legislação proíbe o administrador de licitar. Para a compra de imóvel, desde que
observados os demais requisitos, a licitação é dispensável, conforme previsto no
art. 24, X. Se a aquisição ocorre mediante permuta, seria o caso de licitação
dispensada, mas não houve essa informação na questão, logo a situação é de
licitação dispensável – ERRADA;
e) a inexigibilidade somente ocorrerá no caso de inviabilidade de competição. Se
o preço for o menor, significa que existem outras opções, logo é sim possível que
ocorra competição, motivo pelo qual não se aplica a inexigibilidade – ERRADA.
Gabarito: alternativa A.

58. (FCC – Defensor Público/DPE-BA/2016) No âmbito da Administração Pública,


questionou-se a possibilidade de se dispensar licitação para a compra de materiais para
a manutenção de fogão industrial. Isso seria juridicamente possível se
a) houvesse aquisição de materiais que só pudessem ser fornecidos por empresa ou
representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca, devendo a
comprovação de exclusividade ser feita através de atestado fornecido pelo órgão de
registro do comércio do local em que se realizaria a licitação.
b) a aquisição desses componentes ou peças de origem nacional ou estrangeira fosse
necessária à manutenção desse equipamento durante o período de garantia técnica,
junto ao fornecedor original, sendo essa condição de exclusividade indispensável para a
vigência da garantia.
c) a contratação desse serviço técnico resultasse em restauro para bem de valor
histórico, de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização.
d) houvesse autorização do setor municipal responsável pela autorização e liberação da
dispensa de licitação.
e) não houvesse no mercado quantidade suficiente de fornecedores, o que
impossibilitaria a competição.
Comentário:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 81 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

a) a existência de um fornecedor exclusivo é causa de inexigibilidade de licitação


(art. 25, I) – ERRADA;
b) de acordo com o art. 24, XVII, da Lei 8.666/1993, a licitação será dispensável
“para a aquisição de componentes ou peças de origem nacional ou estrangeira,
necessários à manutenção de equipamentos durante o período de garantia
técnica, junto ao fornecedor original desses equipamentos, quando tal condição
de exclusividade for indispensável para a vigência da garantia” – CORRETA;
c) a contratação de serviço técnico, de natureza singular, com profissional ou
empresa de notória especialização é causa de inexigibilidade – ERRADA;
d) a simples autorização de determinado setor não é condição suficiente para a
dispensa de licitação, pois a dispensabilidade somente ocorrerá nos casos
enquadrados na Lei de Licitações – ERRADA;
e) nos casos de inviabilidade de competição, a licitação é inexigível – ERRADA.
Gabarito: alternativa B.

59. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Pernambuco, atingido por


grave seca durante o verão, pretende contratar entidade privada sem fins lucrativos para
a implementação de tecnologia social de acesso à água para consumo da população,
bem como para a produção de alimentos, de modo a beneficiar as famílias rurais de
baixa renda atingidas pela mencionada seca. Na hipótese narrada, consoante preceitua
os ditames da Lei no 8.666/1993, a licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.
c) obrigatória na modalidade convite.
d) dispensável.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
Comentário: de acordo com a Lei de Licitações, a licitação será dispensável “na
contratação de entidades privadas sem fins lucrativos, para a implementação de
cisternas ou outras tecnologias sociais de acesso à água para consumo humano
e produção de alimentos, para beneficiar as famílias rurais de baixa renda
atingidas pela seca ou falta regular de água” (art. 24, XXXIII). Assim, no caso
abordado na questão, a licitação será dispensável.
Não é inexigível porque não se trata de inviabilidade de competição. Também não
é possível adotar o pregão, já que o objeto não se trata de um serviço comum.
Ademais, a despeito de a situação se enquadrar em caso de dispensa, não
podemos dizer que é obrigatória a licitação na modalidade concorrência, já que
não há informações sobre valor do objeto, nem que seria obrigatório o convite,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 82 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

pois essa modalidade, quando viável, poderia ser substituída pela tomada de
preços e pela concorrência.
Gabarito: alternativa D.

60. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) A empresa XYZ constatou irregularidade


em edital de concorrência, na qual pretende participar, razão pela qual impugnou os
termos do edital, dentro do prazo previsto para tanto, conforme os ditames da Lei no
8.666/93. O prazo a que se refere o enunciado é de até
a) três dias úteis, posteriores à abertura dos envelopes de habilitação.
b) um dia útil, antecedente à abertura dos envelopes de habilitação.
c) dois dias úteis, antecedentes à abertura dos envelopes de habilitação.
d) cinco dias úteis, posteriores à abertura dos envelopes de habilitação.
e) vinte horas antes da abertura dos envelopes de habilitação.
Comentário: vamos aproveitar para ver um pouco mais do texto da Lei 8.666/1993.
A resposta da questão encontra-se no art. 41, vejamos:
Art. 41. A Administra•‹o n‹o pode descumprir as normas e condi•›es
do edital, ao qual se acha estritamente vinculada.

¤ 1¼ Qualquer cidad‹o Ž parte leg’tima para impugnar edital de


licita•‹o por irregularidade na aplica•‹o desta Lei, devendo protocolar o
pedido atŽ 5 (cinco) dias œteis antes da data fixada para a abertura
dos envelopes de habilita•‹o, devendo a Administra•‹o julgar e
responder ˆ impugna•‹o em atŽ 3 (tr•s) dias œteis, sem preju’zo da
faculdade prevista no ¤ 1o do art. 113.

¤ 2¼ Decair‡ do direito de impugnar os termos do edital de licita•‹o


perante a administra•‹o o licitante que n‹o o fizer atŽ o segundo dia
œtil que anteceder a abertura dos envelopes de habilita•‹o em
concorr•ncia, a abertura dos envelopes com as propostas em convite,
tomada de pre•os ou concurso, ou a realiza•‹o de leil‹o, as falhas ou
irregularidades que viciariam esse edital, hip—tese em que tal
comunica•‹o n‹o ter‡ efeito de recurso.

¤ 3¼ A impugna•‹o feita tempestivamente pelo licitante n‹o o impedir‡


de participar do processo licitat—rio atŽ o tr‰nsito em julgado da decis‹o
a ela pertinente.

Assim, temos duas regras distintas. Para “qualquer cidadão”, o prazo de


impugnação é de cinco dias úteis antes da abertura dos envelopes de habilitação.
Já para os licitantes, o prazo de impugnação é de dois dias úteis que anteceder a
abertura dos envelopes de habilitação, nas concorrências; ou que anteceder a
abertura com os envelopes das propostas nas demais modalidades.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 83 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Portanto, como se trata de uma concorrência, o prazo para a empresa XYZ


impugnar o edital era de dois dias úteis, antecedentes à abertura dos envelopes
de habilitação (letra D).
Outro dispositivo de importante leitura é o art. 113 da Lei de Licitações:
Art. 113. O controle das despesas decorrentes dos contratos e demais
instrumentos regidos por esta Lei ser‡ feito pelo Tribunal de Contas
competente, na forma da legisla•‹o pertinente, ficando os —rg‹os
interessados da Administra•‹o respons‡veis pela demonstra•‹o da
legalidade e regularidade da despesa e execu•‹o, nos termos da
Constitui•‹o e sem preju’zo do sistema de controle interno nela previsto.

¤ 1o Qualquer licitante, contratado ou pessoa f’sica ou jur’dica


poder‡ representar ao Tribunal de Contas ou aos —rg‹os
integrantes do sistema de controle interno contra irregularidades
na aplica•‹o desta Lei, para os fins do disposto neste artigo.

¤ 2o Os Tribunais de Contas e os —rg‹os integrantes do sistema de


controle interno poder‹o solicitar para exame, atŽ o dia œtil
imediatamente anterior ˆ data de recebimento das propostas, c—pia de
edital de licita•‹o j‡ publicado, obrigando-se os —rg‹os ou entidades da
Administra•‹o interessada ˆ ado•‹o de medidas corretivas pertinentes
que, em fun•‹o desse exame, lhes forem determinadas.

Assim, além da impugnação feita à Administração (prevista no art. 41), os licitantes


ou qualquer outra pessoa poderão representar ao Tribunal de Contas ou ao
sistema de controle interno sobre irregularidades na aplicação da Lei de Licitações
(art. 113).
Gabarito: alternativa C.

61. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) Nos termos da Lei no 8.666/1993,


existindo na praça mais de três possíveis interessados, a cada nova licitação na
modalidade convite, realizada para objeto idêntico ou assemelhado, é obrigatório o
convite a, no mínimo, mais um determinado número de interessado(s), enquanto
existirem cadastrados não convidados nas últimas licitações. O número mínimo de
interessados a que se refere o enunciado é de
a) seis.
b) um.
c) cinco.
d) dois.
e) três.
Comentário: segundo a Lei de Licitações, no convite, existindo na praça mais de
três possíveis interessados, a cada novo convite, realizado para objeto idêntico ou

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 84 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

assemelhado, é obrigatório o convite a, no mínimo, mais um interessado, enquanto


existirem cadastrados não convidados nas últimas licitações (art. 22, § 6º). Assim,
o gabarito é a letra B.
Gabarito: alternativa B.

62. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Roraima pretende contratar


serviços de informática, a serem prestados por órgão que integra a Administração
Pública, criado para esse fim específico. Nesse caso e nos termos da Lei no 8.666/1993,
a licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.
c) obrigatória na modalidade convite.
d) dispensável.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
Comentário: de acordo com o art. 24, XVI, da Lei 8.666/1993, a licitação será
dispensável:
XVI Ð para a impress‹o dos di‡rios oficiais, de formul‡rios padronizados
de uso da administra•‹o, e de edi•›es tŽcnicas oficiais, bem como para
presta•‹o de servi•os de inform‡tica a pessoa jur’dica de direito
pœblico interno, por —rg‹os ou entidades que integrem a
Administra•‹o Pœblica, criados para esse fim espec’fico;

Portanto, a contratação de serviços de informática, a serem prestados por órgão


que integra a Administração Pública e que foi criado para esse fim específico,
poderá ser feita por dispensa de licitação.
Gabarito: alternativa D.

63. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) Um determinado órgão público pretende


contratar associação de portadores de deficiência física, sem fins lucrativos e de
comprovada idoneidade, para a prestação de serviços, desde que o preço contratado
seja compatível com o praticado no mercado. Nesse caso e nos termos da Lei no
8.666/93, a licitação é
a) inexigível.
b) dispensável.
c) obrigatória na modalidade convite.
d) obrigatória na modalidade pregão.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
Comentário: de acordo com o art. 24, XX, da Lei 8.666/1993, a licitação será
dispensável: “na contratação de associação de portadores de deficiência física,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 85 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

sem fins lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades da


Administração Pública, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão-de-
obra, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado”.
Gabarito: alternativa B.

64. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Roraima pretende realizar


procedimento licitatório para a construção de obra pública. Ressalte-se que o valor da
contratação será de R$ 700.000,00 (setecentos mil reais). Na hipótese narrada, a
modalidade de licitação apropriada é
a) concorrência.
b) convite.
c) tomada de preços.
d) pregão.
e) registro de preços.
Comentário: por se tratar de uma construção de obra pública, já podemos
descartar a alternativa D (pregão), pois essa seria a opção apenas para a aquisição
de bens e serviços comuns.
Também não se pode utilizar o registro de preços para essa situação, pois o seu
uso é destinado à prestação de serviços e à aquisição de bens, refletindo um
registro formal de preços para contratações futuras.
As demais alternativas trabalham com valores. Vejamos os valores para cada
modalidade de licitação:

Obras e Serviços de Engenharia Compras e Demais


Serviços
Concorrência Acima de 1,5 milhão Acima de R$ 650 mil
Tomada de preços Até R$ 1,5 milhão Até R$ 650 mil
Convite Até R$ 150 mil Até R$ 85 mil

Como o valor da contratação será de R$ 700.000,00 (setecentos mil reais), a


modalidade de licitação apropriada é tomada de preços (até 1,5 milhão). Ao “pé da
letra”, também caberia a concorrência, pois a Lei de Licitações prevê que “nos
casos em que couber convite, a Administração poderá utilizar a tomada de preços
e, em qualquer caso, a concorrência” (art. 23, § 4º). Porém, nesse tipo de questão,
o avaliador normalmente que saber qual a modalidade “principal” que seria viável,
e no caso seria a tomada de preços.
Gabarito: alternativa C.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 86 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

65. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) Um determinado Município do Estado de


Roraima, ao concluir procedimento licitatório, deixou, injustificadamente, de atribuir o
objeto da licitação ao vencedor do certame. Nesse caso, houve violação ao princípio
a) do julgamento objetivo.
b) da ampla defesa.
c) da adjudicação compulsória.
d) da vinculação ao instrumento convocatório.
e) da publicidade.
Comentário: podemos aproveitar essa questão para relembrar os princípios
citados nela. Vamos lá?!
§ Julgamento objetivo: decorre do princípio da legalidade, estabelecendo que o
julgamento das propostas há de ser feito de acordo com os critérios fixados
objetivamente no edital;
§ Ampla defesa: assegura a oportunidade de defesa e contraditório no caso de
desfazimento do processo licitatório, de aplicação de sanções ou de outra medida
que possa impactar nos interesses dos licitantes;
§ Adjudicação compulsória: determina que o objeto da licitação terá que ser
atribuído ao vencedor do certame. Não gera direito subjetivo ao contrato, mas
apenas confirma quem de fato é o vencedor da licitação, com o qual a Administração
firmará o contrato se optar pela contratação. Dessa forma, a adjudicação é o ato
unilateral pelo qual a Administração declara que, se vier a celebrar o contrato
referente ao objeto da licitação, obrigatoriamente o fará com o licitante vencedor31;
§ Vinculação ao instrumento convocatório: segundo o art. 41 da Lei de Licitações,
“a Administração não pode descumprir as normas e condições do edital, ao qual se
acha estritamente vinculada”. Em complemento, o inciso V do art. 43 estabelece que
o: “julgamento e classificação das propostas de acordo com os critérios de avaliação
constantes do edital”. Dessa forma, o edital constitui a lei interna da licitação, ao qual
estão vinculados a entidade licitante e todos os concorrentes;
§ Publicidade: diz respeito não apenas à divulgação do procedimento para
conhecimento de todos os interessados (publicação do edital, divulgação da carta-
convite), como também aos atos da Administração praticados nas várias fases do
procedimento. Ressalva-se da publicidade o conteúdo das propostas, até a sua
abertura.


31
Barchet, 2008, p. 427.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 87 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

Logo, se um determinado Município, ao concluir procedimento licitatório, deixou,


injustificadamente, de atribuir o objeto da licitação ao vencedor do certame, houve
violação ao princípio da adjudicação compulsória (alternativa C).
Gabarito: alternativa C.

66. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) A União Federal pretende contratar


fornecimento de energia elétrica e gás natural com empresa concessionária de serviços
públicos, segundo as normas da legislação específica. Nesse caso e nos termos da Lei
no 8.666/93, a licitação é
a) obrigatória na modalidade concorrência.
b) obrigatória na modalidade convite.
c) inexigível.
d) obrigatória na modalidade pregão.
e) dispensável.
Comentário: com base no art. 24, XXII, a licitação será dispensável na contratação
de fornecimento ou suprimento de energia elétrica e gás natural com
concessionário, permissionário ou autorizado, segundo as normas da legislação
específica (alternativa E).
Vimos várias questões da FCC nesse estilo e, em quase todas, a resposta era
“dispensável”. Fique atento(a)!
Gabarito: alternativa E.

ƒ isso a’ pessoal, acabamos por hoje. Na pr—xima aula, vamos estudar os


contratos administrativos.

Espero por voc•s!

Bons estudos.

HERBERT ALMEIDA.
http://estrategiaconcursos.com.br/cursosPorProfessor/herbert-almeida-3314/

@profherbertalmeida
www.facebook.com/profherbertalmeida/
@profherbertalmeida

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 88 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

QUESTÕES COMENTADAS NA AULA

1. (Cespe – Administrador/DPF/2014) A utilização da licitação pública para a


aquisição de produtos e serviços atende ao princípio da isonomia para a contratação,
assegurando igualdade de condições aos interessados em fornecer ao Estado.
2. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O princípio da impessoalidade, no que se
refere à execução de obras públicas, proíbe a subcontratação de empresas para a
execução de parte do serviço licitado, porquanto a escolha pessoal do subcontratado
pelo contratado viola o interesse público.
3. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Em razão do princípio da eficiência,
é possível, mediante licitação, a contratação de empresa que não tenha apresentado
toda a documentação de habilitação exigida, desde que a proposta seja a mais
vantajosa para a administração.
4. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Não há previsão legal para o
estabelecimento, nos processos licitatórios, de margem de preferência para bens e
serviços com tecnologia desenvolvida no Brasil.
5. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Dadas as alterações feitas, nos
últimos anos, no marco regulatório das licitações públicas, aos requisitos do melhor
preço e da maior vantagem para a administração pública somaram-se, também,
critérios de sustentabilidade ambiental.
6. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Cabe privativamente à União legislar
acerca de normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades, para as
administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, dos estados, do
DF e dos municípios.
7. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) O primeiro critério de desempate a ser
utilizado, em uma concorrência, é o de bens e serviços produzidos no país.
8. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Todo o processo licitatório deve ocorrer em
sigilo, para que seja possível manter a isonomia do processo.
9. (Cespe – APGI/INPI/2013) Um dos objetivos dessa lei é dar transparência ao
processo licitatório e permitir igualdade de participação a todos, além de observar a
promoção do desenvolvimento nacional sustentável.
10. (Cespe – AJ/TJ ES/2010) A licitação é um processo administrativo por se constituir
de atos jurídicos praticados com o propósito de se alcançar um determinado resultado.
11. (Cespe – AJ/TJ ES/2010) Como forma de favorecer a celeridade na contratação
de serviços públicos ou na alocação de bens, a legislação atribui competência
concorrente aos municípios para que estes possam criar modalidades simplificadas de
licitação.
12. (Cespe – APGI/INPI/2013) Compete à União, aos estados e ao Distrito Federal,
de forma concorrente, editar normas gerais de contratação, em todas as modalidades,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 89 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

para suas administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais, e para as


empresas públicas e sociedades de economia mista que lhes são vinculadas.
13. (Cespe – APGI/INPI/2013) A venda de bens imóveis de propriedade da União
poderá ser realizada diretamente ao interessado, desde que realizado o pagamento
integral do valor do imóvel até 24 horas da abertura da respectiva concorrência.
14. (Cespe – APGI/INPI/2013) A unidade administrativa poderá endereçar convites a
empresas do ramo do objeto licitado, cadastradas ou não. No entanto, o processo deve
transcorrer conforme o que prevê a lei.
15. (Cespe – AGPI/INPI/2013) Para um serviço de engenharia que tiver o valor integral
de R$ 750.000,00, é possível utilizar a modalidade licitatória denominada concorrência.
16. (Cespe – AGPI/INPI/2013) A modalidade licitatória tomada de preços será
obrigatória apenas nas licitações internacionais de valor de contratação superior a R$
1.000.000,00.
17. (Cespe – Analista de Licitação/MME/2013) O Poder Público pode se utilizar,
exclusivamente, do procedimento licitatório na modalidade concurso para celebrar
contrato de
a) credenciamento.
b) trabalhos artísticos.
c) empréstimo público.
d) serviços de publicidade.
e) convênio.
18. (Cespe – Administrador/DPF/2014) A dispensa de licitação é prevista em caso
de inviabilidade de competição, situação que permite à administração adjudicar
diretamente o objeto do contrato.
19. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Considere que determinado órgão
da administração pública pretenda adquirir equipamentos de informática no valor de
R$ 5.000,00. Nesse caso, o referido órgão tem a opção discricionária de realizar
licitação ou proceder à aquisição direta mediante dispensa de licitação, em razão do
baixo valor dos equipamentos.
20. (Cespe – Agente Administrativo/DPF/2014) Considere que determinada pessoa
jurídica de direito privado que administra um porto brasileiro pretenda contratar o único
escritório de advocacia especializado em direito portuário no Brasil para promover
ações judiciais acerca dessa matéria. Nessa situação, é dispensável a licitação.
21. (Cespe – Agente Administrativo/MTE/2014) Se a administração necessita
adquirir equipamentos que só podem ser fornecidos por produtor, empresa ou
representante comercial exclusivo, a licitação é dispensada, pois cabe ao poder
público ajuizar a conveniência e oportunidade da dispensa.
22. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Defesas de causas judiciais ou
administrativas são consideradas serviços técnicos profissionais especializados.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 90 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

23. (Cespe – AGPI/INPI/2013) A decisão de não realizar o certame é vinculada nos


casos de inexigibilidade, como é o caso da contratação de profissional, de qualquer
setor artístico, consagrado pela opinião pública.
24. (Cespe – AA/ANP/2013) De acordo com a Lei n.º 8.666/1993, é inexigível a
licitação para contratar empresa de notória especialização para a realização de curso.
25. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Por representarem exceção ao princípio da licitação
consagrado no texto constitucional, as hipóteses de inexigibilidade de licitação
previstas na Lei n.º 8.666/1993 configuram um elenco taxativo, e não meramente
exemplificativo.
26. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O projeto básico — conjunto de elementos
necessários e suficientes para caracterizar a obra ou serviço objeto da licitação — deve
ser elaborado com base nos estudos técnicos preliminares, que assegurem a
viabilidade técnica, o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento,
as condições de avaliação do custo e a definição dos métodos e do prazo de execução,
devendo sempre conter orçamento detalhado e global da obra, sob pena de nulidade.
27. (Cespe – Administrador/DPF/2014) O edital de licitação, no caso de licitações
pertinentes a obras e serviços, deve incluir os requisitos mínimos exigidos para a
aptidão técnica dos interessados, devendo a comprovação desses requisitos ser feita
por atestados registrados nas entidades profissionais competentes, fornecidos por
pessoas jurídicas de direito público ou privado.
28. (Cespe – TJ/TRT10/ 2013) É vedada a inclusão, no objeto da licitação, de
fornecimento de materiais e serviços sem previsão de quantidades ou em quantitativos
que não correspondam às previsões reais do projeto básico ou executivo.
29. (Cespe - Tec MPU/2013) Na descrição do objeto da licitação, é obrigatória a
previsão das quantidades de materiais e serviços a serem fornecidas.
30. (Cespe - PCF/2013) Caso haja impossibilidade de se quantificarem todos os
serviços a serem licitados, deve constar da planilha orçamentária do edital uma verba
estimada para esses itens do orçamento.
31. (Cespe – AA/IBAMA/2013) É proibida a realização de licitação cujo objeto inclua
bens sem similaridade ou de marcas, características e especificações exclusivas, salvo
em casos específicos previstos em legislação.
32. (Cespe – Grupo Gestor/MPOG/2013) Nos processos licitatórios, sejam eles de
âmbito nacional ou internacional, deve ser utilizada, obrigatoriamente, como expressão
monetária a moeda corrente nacional.
33. (Cespe – AGPI/INPI/2013) Se durante a fase de habilitação nenhum licitante lograr
ser habilitado, deve ser aberto o prazo de oito dias para complementação de
documentos.
34. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Poderá o cidadão, mesmo não sendo licitante,
impugnar edital de licitação pública que não esteja em conformidade com a lei.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 91 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

35. (Cespe – TFCE/TCU/2012) Dado que o instrumento convocatório da licitação não


é imutável, pode haver modificações no edital, entretanto, de acordo com a referida lei,
duas condições nunca podem ser alteradas: a de que a divulgação ocorra pela mesma
forma que se deu o texto original, e a de que o prazo inicialmente estabelecido seja
reaberto.
36. (Cespe - Nível Superior/MC/2013) As minutas dos contratos administrativos
podem ser examinadas pela assessoria jurídica do órgão público, entretanto, deve a
administração pública remeter o processo ao TCU para julgar e aprovar previamente
as minutas dos contratos a serem firmados.
37. (Cespe – APGI/INPI/2013) Conforme previsto em lei, é considerada execução
direta toda contratação realizada com empresas do setor privado, executoras do
referido contrato.
38. (Cespe – AJ/TRE MS/2013) Com base na Lei n.º 8.666/1993, que trata de
licitações, assinale a opção correta.
a) O convite é a modalidade de licitação realizada entre interessados previamente
cadastrados ou que preencham os requisitos para cadastramento até o terceiro dia
anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária qualificação.
b) São princípios fundamentais da licitação, entre outros, a igualdade, a publicidade e
o julgamento subjetivo.
c) A licitação é dispensável em contratações de fornecimento ou suprimento de energia
elétrica com qualquer tipo de empresa.
d) Há inexigibilidade de licitação quando houver inviabilidade de competição, como
ocorre na aquisição de bens singulares, dos quais é exemplo um quadro específico de
determinado pintor.
e) Os estados podem ampliar o rol traçado na referida lei para os casos de dispensa,
pois possuem a capacidade de autoadministração e autolegislação.
39. (Cespe - AE ES/2013) Acerca de licitações, assinale a opção correta.
a) O leilão é a modalidade licitatória destinada à venda de bens e serviços
considerados inservíveis à administração ou que tenham sido legalmente apreendidos
ou adquiridos por força de execução judicial.
b) A legislação ordinária e a jurisprudência pátria, dada a lacuna da CF no que se refere
às licitações, impuseram o procedimento licitatório como regra para a aquisição de
bens e serviços pelo poder público.
c) Como consequência do princípio da publicidade, em regra, as propostas dos
licitantes devem ser abertas assim que apresentadas à administração pública, que
deve dar conhecimento delas aos interessados, a fim de conferir transparência ao
procedimento.
d) A obrigatoriedade da licitação alcança as sociedades de economia mista.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 92 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

e) Inclui-se entre as hipóteses de dispensa de licitação a contratação de profissionais


do setor artístico consagrados pela crítica especializada.
40. (Cespe – NeR/TJ RR/2013) Considerando a disciplina das licitações no
ordenamento jurídico brasileiro, assinale a opção correta.
a) A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da
isonomia, a seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção
do desenvolvimento nacional sustentável.
b) A legislação veda que se exija dos licitantes, na fase da habilitação, atestado de
regularidade fiscal.
c) É inexigível a licitação para a aquisição ou restauração de obras de arte e objetos
históricos, de autenticidade certificada, desde que compatíveis ou inerentes às
finalidades do órgão ou entidade.
d) No caso de pregão, antes da etapa competitiva, o pregoeiro deverá verificar a
aceitabilidade da proposta em função das exigências do edital.
e) Entre os tipos de licitação expressamente previstos na legislação incluem-se a
concorrência, a tomada de preços e o convite.
41. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-SP/2017) Determinada Administração pública
realizou uma licitação com base na Lei no 8.666/1993, sob a modalidade concorrência,
para contratação de serviços de avaliação de seu patrimônio imobiliário. Finda a fase
de julgamento e declarado o vencedor,
a) cabe à autoridade competente homologar o resultado e adjudicar o objeto ao
vencedor, que tem direito subjetivo à contratação, no prazo de 30 dias contados do
resultado do certame.
b) sucede-se a fase de homologação da licitação e adjudicação do objeto ao vencedor
do certame, embora este não tenha direito subjetivo para exigir da Administração
pública a prática desses atos.
c) cabe à Administração pública a divulgação do resultado, contra cuja decisão não
caberá mais recurso por parte dos licitantes, tendo em vista que se trata de decisão de
mérito.
d) sucede-se a fase de habilitação, cabendo à Administração analisar a documentação
de todos licitantes, para verificação do atendimento dos requisitos de participação, em
especial no que se refere à capacitação técnica.
e) abre-se prazo de impugnação aos licitantes, sendo que aqueles com diferença igual
ou menor a 10% em relação à melhor proposta seguem para a fase de habilitação.
42. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-SP/2017) Um órgão integrante da Administração
pública de determinado ente federal necessita adquirir móveis para uma nova unidade
de centralização de serviços para atendimento à população. Considerando-se que são
móveis de escritório de longa durabilidade e que precisam ser adquiridos em uma

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 93 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

oportunidade para início das atividades, com a maior celeridade possível, à


Administração pública caberá a realização de
a) concorrência, convite ou tomada de preços, em razão dos valores envolvidos,
modalidades que permitem maior participação de licitantes e, portanto, maior disputa
por menores preços.
b) licitação sob qualquer das modalidades de licitação vigentes, conforme a alçada de
valores dos bens, preferencialmente utilizando-se do leilão, dada a maior celeridade.
c) pregão, obrigatoriamente, para registro de preços, tendo em vista que o
fracionamento das aquisições permite a obtenção de melhores preços sem a perda da
economia de escala.
d) concorrência, em função do valor de avaliação dos bens superar o limite admitido
para utilização do leilão ou do pregão.
e) pregão, por se tratar de bens de natureza comum, passíveis de serem objetivamente
descritos, o que possibilitará ampla participação e disputa, com atingimento de
resultado mais vantajoso à Administração pública.
43. (FCC – Analista em Gestão Previdenciária/FUNAPE/2017) Um licitante
impugnou determinado edital para contratação de uma concessão de serviços,
alegando que houve direcionamento e ofensa à isonomia na análise dos documentos
de habilitação, aduzindo que pelo menos duas empresas deveriam ter sido excluídas.
A liminar requerida não foi deferida, de forma que a licitação prosseguiu. Antes da
prolação da sentença o poder público comunicou o juízo acerca da conclusão do
procedimento licitatório, alegando perda de objeto.
A alegação do Poder Público
a) não procede caso tenha sido concluída a licitação, com adjudicação do objeto ao
vencedor, mas se houve celebração do contrato não há mais como questioná-lo, dada
a distinção de relações jurídicas.
b) depende da comprovação de que o licitante inabilitado no certame que recorreu ao
Judiciário não lograria êxito em oferecer resultado mais vantajoso ao Poder Público.
c) procede, tendo em vista que o objeto da impugnação se restringia à habilitação dos
licitantes, fase superada quando do término da licitação.
d) não deve ser acolhida, tendo em vista que as nulidades existentes no procedimento
licitatório maculam o resultado e eventual contrato que já tenha sido celebrado.
e) condiciona a celebração do contrato à concordância dos demais licitantes,
considerando o valor ao final apurado para a contratação.
44. (FCC – Auxiliar Administrativo/Copergás/2016) O Estado de Pernambuco
publicou edital de licitação, na modalidade tomada de preços, para a construção de
importante obra pública. A empresa MW pretende participar do certame, mas não é

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 94 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

cadastrada. Nos termos da Lei no 8.666/1993, desde que respeitada a necessária


qualificação, a citada empresa poderá participar do certame se atender a todas as
condições exigidas para cadastramento até o
a) décimo quinto dia anterior à data da abertura dos envelopes.
b) quinto dia anterior à data do recebimento das propostas.
c) terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas.
d) quinto dia anterior à data da abertura dos envelopes.
e) décimo quinto dia anterior à data do recebimento das propostas.
45. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) A escolha da modalidade licitatória a ser
utilizada pela Administração pública é prerrogativa da autoridade competente para a
contratação, decisão que
a) pode ser discricionária, baseada nas opções constantes da legislação, tal como o
leilão ou o pregão para a alienação de bens inservíveis.
b) é invariavelmente vinculada, tendo em vista que o cabimento de cada modalidade
de licitação está expressamente arrolado na legislação vigente para as hipóteses de
contratação pretendidas.
c) pode ser discricionária, cabendo ao administrador fundamentar e justificar a escolha
feita, tal como na escolha da modalidade leilão para a alienação de bens imóveis
adquiridos por meio de adjudicação em execuções fiscais.
d) pode ser vinculada, quando a lei descrever a modalidade cabível para uma hipótese,
como no caso das contratações de bens e serviços de natureza comum, que deve ser
realizada por meio de pregão.
e) é discricionária, posto que cabe ao administrador justificar a escolha da modalidade
de licitação a ser escolhida visando ao resultado pretendido, com base em critérios de
conveniência e oportunidade, como no caso da alienação onerosa de imóveis, que
pode ser realizada por meio de leilão ou concorrência.
46. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) O princípio que obriga a Administração
pública à prévia licitação para contratação dos diversos bens e serviços de seu
interesse convive com situações em que o certame se mostra dispensável ou
inexigível. As hipóteses são várias, algumas que a lei escolheu excluir da
obrigatoriedade de serem licitadas, outras cuja a realização do certame não se mostra
possível ou adequada. Diante de um cenário em que a Administração pública precise
firmar contrato para prestação de serviço de atendimento da população para
orientação inicial e encaminhamento aos setores adequados de conhecido complexo
que concentra vários serviços públicos em um mesmo local, é

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 95 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

a) possível declarar inexigibilidade de licitação para contratação de associação sem


fins lucrativos que congregue portadores de deficiência física e pessoas com
reconhecida hipossuficiência financeira, como forma de execução de política social.
b) permitido dispensar a licitação para contratar associação sem fins lucrativos, de
pessoas portadoras de deficiência física, tendo em vista que as atividades necessárias
à Administração são condizentes com as limitações físicas dos associados, o que não
afasta a necessidade do valor ser compatível com o praticado no mercado.
c) necessário realizar licitação, tendo em vista que se trata de contratação de mão de
obra, para cuja finalidade inexiste previsão legal de dispensa ou inexigibilidade de
certame.
d) dispensada a licitação para contratação de associações sem fins lucrativos,
bastando à Administração pública comprovar essa condição e a respectiva declaração
de utilidade pública emitida pelo ente da mesma esfera do potencial contratante.
e) inexigível a licitação para os casos em que o contratado seja pessoa jurídica sem
fins lucrativos e desde que o valor da contratação seja compatível com o praticado no
mercado.
47. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) O Tribunal Regional Federal da 3a
Região pretende contratar empresa para a construção de obra de engenharia. Trata-
se especificamente da reforma das instalações de espaço físico dentro do próprio
Tribunal que, no futuro, será destinado a um restaurante, sendo o valor da contratação
estimado em dez mil reais. Nesse caso, conforme preceitua a Lei no 8.666/1993, a
licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.
c) obrigatória na modalidade concurso.
d) obrigatória na modalidade convite.
e) dispensável.
48. (FCC – Analista Judiciário/TRF-3/2016) Considere:
I. No âmbito do Ministério da Defesa, a função de pregoeiro deve ser desempenhada
por militar, sob pena de ser decretada a nulidade do certame.
II. A Lei Geral de Licitações aplica-se apenas subsidiariamente ao pregão.
III. As compras e contratações de bens e serviços comuns, no âmbito dos Estados,
quando efetuadas pelo sistema de registro de preços, deverão obrigatoriamente adotar
a modalidade pregão.

Nos termos da Lei no 10.520/2002, está correto o que consta em

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 96 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

a) II, apenas.
b) I, II e III.
c) I e II, apenas.
d) III, apenas.
e) I e III, apenas.
49. (FCC – Técnico Judiciário/TRF-3/2016) O Tribunal Regional Federal da 3a
Região pretende realizar licitação do tipo “técnica e preço”, para a construção de novo
edifício, sendo o valor da contratação estimado em R$ 1.550.000,00 (um milhão,
quinhentos e cinquenta mil reais). Nos termos da Lei no 8.666/1993 e considerando a
modalidade apropriada de licitação no caso narrado, o prazo mínimo entre a publicação
do edital e o recebimento das propostas será de
a) 45 dias.
b) 30 dias.
c) 15 dias.
d) 60 dias.
e) 25 dias.
50. (FCC – Analista Judiciário/TRT-23/2016) O Estado do Mato Grosso realizará
licitação de grande vulto envolvendo alta complexidade técnica e riscos financeiros
consideráveis, demonstrados através de parecer tecnicamente aprovado pela
autoridade competente. No edital da respectiva licitação, foi exigida a apresentação de
garantia contratual. A empresa SW, interessada em participar do certame, pretende
apresentar garantia na forma de caução em dinheiro, cujo montante representa uma
porcentagem sobre o valor do contrato administrativo. No caso narrado, conforme
preceitua a Lei no 8.666/1993, a garantia na forma de caução em dinheiro poderá ser
em %, de até
a) 5.
b) 10.
c) 20.
d) 15.
e) 25.
51. (FCC – Analista Judiciário/TRT-14/2016) O Estado do Acre realizou
procedimento licitatório na modalidade concorrência para a construção de vultosa obra
pública. Após o encerramento do certame e a contratação da empresa vencedora,
iniciou-se a fase da execução contratual. Nos termos da Lei no 8.666/1993, a execução
de cada etapa será obrigatoriamente precedida da conclusão e aprovação, pela

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 97 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

autoridade competente, dos trabalhos relativos às etapas anteriores, à exceção do


projeto executivo, que
a) poderá ser desenvolvido concomitantemente com a execução da obra, desde que
também autorizado pela Administração.
b) é dispensável.
c) deverá obrigatoriamente ser desenvolvido antes da execução da obra.
d) deverá obrigatoriamente ser desenvolvido após a execução da obra.
e) poderá ser desenvolvido concomitantemente com a execução da obra, não sendo
necessário autorização da Administração, pois decorre de previsão legal.
52. (FCC – Técnico Judiciário/TRT-14/2016) Em razão do caos da limpeza pública
em determinado Município do Acre, que afetou, inclusive, a situação ambiental da
Cidade, a Prefeitura dispensou o procedimento licitatório, justificando tratar-se de
situação emergencial. Assim, efetivou a contratação direta e imediata de empresa para
a prestação dos serviços de limpeza. Nesse caso, os serviços deverão ser concluídos
em prazo máximo, contado, em dias consecutivos e ininterruptos, da ocorrência da
emergência, sendo vedada a prorrogação do respectivo contrato. Nos termos da Lei
no 8.666/1993, o prazo a que se refere o enunciado é de
a) 210 dias.
b) 120 dias.
c) 90 dias.
d) 60 dias.
e) 180 dias.
53. (FCC – Técnico da Receita Estadual/SEFAZ-MA/2016) Segundo previsão da Lei
no 8.666 de 1993, são hipóteses de dispensa de licitação, EXCETO:
a) A contratação de obras e serviços de engenharia de valor até quinze mil reais.
b) Aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser fornecidos
por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de
marca, devendo a comprovação de exclusividade ser feita através de atestado
fornecido pelo órgão de registro do comércio do local em que se realizaria a licitação
ou a obra ou o serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação Patronal, ou, ainda,
pelas entidades equivalentes.
c) Nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência
de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a
segurança de pessoas.
d) A compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades precípuas
da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 98 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo
avaliação prévia.
e) As compras de valor até oito mil reais.
54. (FCC – Técnico Judiciário/TRT-23/2016) Considere três licitações na modalidade
convite:
(i) No primeiro convite, o interessado cadastrado na correspondente especialidade
manifestou interesse em participar do certame 36 horas antes da apresentação das
propostas.
(ii) O segundo convite, em virtude de limitações do mercado devidamente justificadas
no processo, foi realizado com apenas dois interessados do ramo pertinente a seu
objeto, cadastrados, escolhidos e convidados pela respectiva unidade administrativa.
(iii) O terceiro convite foi realizado com apenas três interessados do ramo pertinente a
seu objeto, não cadastrados, escolhidos e convidados pela respectiva unidade
administrativa.

A propósito dos fatos narrados e nos termos da Lei no 8.666/1993, está


a) correto apenas o que ocorreu no primeiro convite.
b) correto o que ocorreu em todos os convites.
c) correto apenas o que ocorreu no primeiro e no terceiro convites.
d) correto apenas o que ocorreu no segundo convite.
e) incorreto o que ocorreu em todos os convites.
55. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) Determinado
município realizou uma licitação para contratação de obras de construção de casas
populares. Findo o procedimento e celebrado o contrato, o Ministério público recebeu
denúncia de irregularidades na instrução do procedimento, vícios que teriam eivado o
certame de ilegalidade, a ponto de levantar suspeita sobre o resultado do mesmo,
ensejando o ajuizamento de ação para a anulação da licitação. O contrato já estava
em execução, sendo que a ação judicial ainda tramitava. A decisão judicial
a) pode acarretar a anulação do procedimento licitatório, se apurada ilegalidade, o que
alcançará o contrato firmado, cabendo, se não houver culpa do contratado,
indenização pelos serviços executados e eventuais prejuízos comprovados.
b) pode ensejar a nulidade do contrato em execução, não alcançando mais o
procedimento licitatório, porque findo, sendo possível a apuração de responsabilidade
dos envolvidos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 99 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

c) poderá revogar a licitação e o contrato, independentemente do início da execução,


não cabendo indenização ao contratado, por presunção de culpa em razão do
resultado viciado do certame.
d) não pode adentrar no exame de legalidade da licitação após seu término, em razão
do exaurimento do ato administrativo, apurando-se a responsabilidade do contratado
e dos servidores envolvidos para ressarcimento ao erário do prejuízo sofrido.
e) poderá adentrar na análise de legalidade da licitação e da contratação, mas em
havendo vício, determinará a anulação ou revogação, conforme o caso, pela
Administração pública, alcançando o contrato, com a consequente indenização, se
couber.
56. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) O processo
licitatório é exigência constitucional para que a Administração pública contrate
a) obras, serviços e compras, não se aplicando para as hipóteses de alienação de bens
públicos, que podem ser livremente contratados, em razão de exceção constante do
próprio texto constitucional.
b) obras, serviços e compras, de grande vulto e complexidade, sendo permitida a
contratação direta, sem licitação, nas hipóteses de bens e serviços comuns ou de bens
cujo valor não exceda R$ 8.000,00.
c) obras, serviços, compras e alienações, sendo, em razão do princípio da igualdade
e do julgamento objetivo, vedadas exigências de qualificação técnica e econômico-
financeira mesmo que concernentes à garantia do cumprimento das obrigações
contratadas.
d) obras, serviços, compras e alienações, que, nos termos da lei de regência, podem,
em certas hipóteses, ser contratadas diretamente, por meio de dispensa ou
inexigibilidade de licitação.
e) obras, serviços, compras e alienações, que, nos termos da lei de regência, podem,
em certas hipóteses, ser contratadas diretamente, por meio de dispensa ou
inexigibilidade de licitação, exceção que não se aplica as alienações, que não podem
ser contratadas diretamente sem processo licitatório.
57. (FCC – Técnico de Nível Superior/Prefeitura de Teresina-PI/2016) A compra de
um terreno por uma autarquia, para instalação de uma delegacia de polícia,
a) pode se dar por meio de dispensa de licitação, caso, dentre outros requisitos, a
Administração demonstre que o local atende as necessidades de instalação e
localização do equipamento público em razão da demanda de segurança pública da
região.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 100 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

b) deve ser objeto de licitação, pois é necessário respeitar o menor valor para aquisição
de bens imóveis pelos entes públicos, pois se consubstancia em investimento e se
destina a integrar o ativo patrimonial do ente.
c) não se mostra adequada para a Administração, tendo em vista que por meio da
desapropriação é possível escolher fisicamente o local onde pretende instalar o
equipamento público, de modo que esse instituto deve ser utilizado.
d) deve ser feita por meio de dispensa de licitação, tendo em vista que se trata de
hipótese expressamente prevista na lei como licitação dispensada.
e) pode ser objeto de inexigibilidade de licitação, caso a autarquia consiga demonstrar
que o valor do terreno escolhido é o menor valor dentre os elementos comparativos
disponíveis no mercado.
58. (FCC – Defensor Público/DPE-BA/2016) No âmbito da Administração Pública,
questionou-se a possibilidade de se dispensar licitação para a compra de materiais
para a manutenção de fogão industrial. Isso seria juridicamente possível se
a) houvesse aquisição de materiais que só pudessem ser fornecidos por empresa ou
representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca, devendo a
comprovação de exclusividade ser feita através de atestado fornecido pelo órgão de
registro do comércio do local em que se realizaria a licitação.
b) a aquisição desses componentes ou peças de origem nacional ou estrangeira fosse
necessária à manutenção desse equipamento durante o período de garantia técnica,
junto ao fornecedor original, sendo essa condição de exclusividade indispensável para
a vigência da garantia.
c) a contratação desse serviço técnico resultasse em restauro para bem de valor
histórico, de natureza singular, com profissionais ou empresas de notória
especialização.
d) houvesse autorização do setor municipal responsável pela autorização e liberação
da dispensa de licitação.
e) não houvesse no mercado quantidade suficiente de fornecedores, o que
impossibilitaria a competição.
59. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Pernambuco, atingido por
grave seca durante o verão, pretende contratar entidade privada sem fins lucrativos
para a implementação de tecnologia social de acesso à água para consumo da
população, bem como para a produção de alimentos, de modo a beneficiar as famílias
rurais de baixa renda atingidas pela mencionada seca. Na hipótese narrada, consoante
preceitua os ditames da Lei no 8.666/1993, a licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 101 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

c) obrigatória na modalidade convite.


d) dispensável.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
60. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) A empresa XYZ constatou
irregularidade em edital de concorrência, na qual pretende participar, razão pela qual
impugnou os termos do edital, dentro do prazo previsto para tanto, conforme os
ditames da Lei no 8.666/93. O prazo a que se refere o enunciado é de até
a) três dias úteis, posteriores à abertura dos envelopes de habilitação.
b) um dia útil, antecedente à abertura dos envelopes de habilitação.
c) dois dias úteis, antecedentes à abertura dos envelopes de habilitação.
d) cinco dias úteis, posteriores à abertura dos envelopes de habilitação.
e) vinte horas antes da abertura dos envelopes de habilitação.
61. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) Nos termos da Lei no 8.666/1993,
existindo na praça mais de três possíveis interessados, a cada nova licitação na
modalidade convite, realizada para objeto idêntico ou assemelhado, é obrigatório o
convite a, no mínimo, mais um determinado número de interessado(s), enquanto
existirem cadastrados não convidados nas últimas licitações. O número mínimo de
interessados a que se refere o enunciado é de
a) seis.
b) um.
c) cinco.
d) dois.
e) três.
62. (FCC – Analista Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Roraima pretende
contratar serviços de informática, a serem prestados por órgão que integra a
Administração Pública, criado para esse fim específico. Nesse caso e nos termos da
Lei no 8.666/1993, a licitação é
a) obrigatória na modalidade pregão.
b) inexigível.
c) obrigatória na modalidade convite.
d) dispensável.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
63. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) Um determinado órgão público
pretende contratar associação de portadores de deficiência física, sem fins lucrativos
e de comprovada idoneidade, para a prestação de serviços, desde que o preço

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 102 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

contratado seja compatível com o praticado no mercado. Nesse caso e nos termos da
Lei no 8.666/93, a licitação é
a) inexigível.
b) dispensável.
c) obrigatória na modalidade convite.
d) obrigatória na modalidade pregão.
e) obrigatória na modalidade concorrência.
64. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) O Estado de Roraima pretende realizar
procedimento licitatório para a construção de obra pública. Ressalte-se que o valor da
contratação será de R$ 700.000,00 (setecentos mil reais). Na hipótese narrada, a
modalidade de licitação apropriada é
a) concorrência.
b) convite.
c) tomada de preços.
d) pregão.
e) registro de preços.
65. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) Um determinado Município do Estado
de Roraima, ao concluir procedimento licitatório, deixou, injustificadamente, de atribuir
o objeto da licitação ao vencedor do certame. Nesse caso, houve violação ao princípio
a) do julgamento objetivo.
b) da ampla defesa.
c) da adjudicação compulsória.
d) da vinculação ao instrumento convocatório.
e) da publicidade.
66. (FCC – Técnico Judiciário/TRE-RR/2015) A União Federal pretende contratar
fornecimento de energia elétrica e gás natural com empresa concessionária de
serviços públicos, segundo as normas da legislação específica. Nesse caso e nos
termos da Lei no 8.666/93, a licitação é
a) obrigatória na modalidade concorrência.
b) obrigatória na modalidade convite.
c) inexigível.
d) obrigatória na modalidade pregão.
e) dispensável.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 103 de 104

00000000000 - DEMO
Compras no Setor Pœblico e Gest‹o de Contratos p/ NOVACAP
Administrador
Teoria e exerc’cios comentados
0 Prof. Herbert Almeida Ð Aula 1

GABARITO

1. C 11. E 21. E 31. C 41. B 51. A 61. B


2. E 12. E 22. C 32. E 42. E 52. E 62. D
3. E 13. E 23. C 33. X 43. D 53. B 63. B
4. E 14. C 24. E 34. C 44. C 54. B 64. C
5. C 15. C 25. E 35. E 45. C 55. A 65. C
6. C 16. E 26. C 36. E 46. B 56. D 66. E
7. C 17. B 27. C 37. E 47. E 57. A
8. E 18. E 28. C 38. D 48. A 58. B
9. C 19. C 29. C 39. D 49. A 59. D
10. C 20. E 30. E 40. A 50. B 60. C

REFERÊNCIAS

ALEXANDRINO, Marcelo Alexandrino; PAULO, Vicente. Direito administrativo descomplicado. 19ª Ed.
Rio de Janeiro: Método, 2011.

BARCHET, Gustavo. Direito Administrativo: teoria e questões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 26ª Edição. São Paulo: Atlas, 2013.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 26ª Edição. São Paulo: Atlas, 2013.

FARIAS JUNIOR, Cyonil da Cunha Borges de; BERNARDES, Sandro Henrique. Licitações e Contratos.
2ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MEIRELLES, H.L.; ALEIXO, D.B.; BURLE FILHO, J.E. Direito administrativo brasileiro. 39ª Ed. São
Paulo: Malheiros Editores, 2013.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 104 de 104

00000000000 - DEMO

Você também pode gostar