Você está na página 1de 16

Conceito A Internet é uma gigantesca rede mundial de computadores, que inclui desde grandes computadores até micros do porte de um PC 386 ou 486. Esses equipamentos são interligados através de linhas comuns de telefone, linhas de comunicação privadas, cabos submarinos, canais de satélite e diversos outros meios de telecomunicação. Os computadores que compõem a Internet podem estar localizados, por exemplo, em universidades, empresas, cooperativas, prefeituras, e nas próprias residências.

Algumas características são:

Comunicação ágil entre qualquer computadores da rede

Troca de informações contidas em mídia eletrônica (entre qualquer computadores)

Liberdade de acesso a grandes quantidades de informações.

Facilidade de comunicação interpessoal (correio eletrônico)

Acesso a documentos em hipertexto (textos, imagens e sons) pela www.

Utilização

Pesquisa de informações sobre os mais diversos assuntos, fornecidos pelas comunidades públicas e privadas. Ele é mais vantajosa que a pesquisa tradicional.

Acesso a outras culturas: A internet não conhece as fronteiras.

Educação: sala de aula virtual, material didático e pedagógico, etc.

Mercados e comércios.

Divulgação e atualização de conhecimentos

Esporte e lazer: jogos virtuais, entretenimentos, etc.

Origem Assim como o próprio computador, a idéia de uma rede distribuída de informações nasceu do interesse estratégico do departamento de defesa dos EUA. Quando as redes começaram a ser pesquisadas, pelo final da década de 60, houve interesse da DARPA (Departamento de Projeto e Pesquisa Avançada dos EUA) na criação de uma rede entre as instalações militares que não fosse vulnerável a um ataque nuclear. A partir daí foi criada a DARPANET, que em 1972 já inteligava 37 computadores para a troca de informações militares entre cientistas e pesquisadores. Daí em diante a rede passou a se chamar ARPANET, que em 1981 era composta de mais de 1000 computadores, o que obrigou o setor militar a criar uma outra rede, exclusiva, chamada de MILNET. Em 1984, foi criada a NSFNET pela Associação Nacional de Ciências dos EUA (National Science Foundation - NSF) para interligar 5 centros de computação e permitisse a troca de informações entre o meio acadêmico. O sucesso de utilização desta rede foi tão grande que foi necessária a reformulação da infraestrutura para continuar funcionando. No final dos anos 80 esta rede já era conhecida como Internet, uma vez que já interligava centros de pesquisa científica em todo o mundo.

O que significa "estar conectado" à Internet. Estar ligado ou conectado à Internet, usualmente significa ter uma "conta" em um computador "servidor" que esteja conectado à Internet localizado em uma instituição (ou empresa) que seja provedora de serviços de acesso à Internet. Essa "conta" nesse computador ligado à Internet é usualmente acessada de um microcomputador através de um modem e de uma ligação telefônica comum. Ter essa conta implica em se ter um "endereço eletrônico" na Internet, que funciona de forma similar ao endereço postal. A título de exemplo, um possível endereço na Internet poderia ser: lopes@artnet.com.br onde "lopes" representa uma identificação da pessoa no computador em que tem uma conta e "artnet.com.br" o endereço desse computador na Internet. O ".br" no final do endereço indica que o computador é da rede brasileira.

Meios mais comuns de Conexão

Linha discada

É a forma mais comum e mais barata de conexão. Utiliza uma placa de fax-modem

conectada a uma linha telefônica, e o acesso é feito através da discagem do número do provedor de acesso, e precisa ser feita toda vez que se desejar conectar a internet. Neste caso os custos mensais são compostos pelo valor mensal pago ao provedor de acesso mais o valor dos pulsos utilizados para a conexão.

ADSL

A ADSL apesar de também utilizar a linha telefônica, representa uma forma de acesso bem

mais rápida que a conexão discada, e consequentemente mais cara. Neste tipo de conexão é utilizado um modem ADSL que mantém uma conexão permanente com a internet, não sendo portanto necessário fazer a conexão toda vez que se deseja acessar a internet. A

ligação do modem ao micro se dá através de uma placa de rede que deve ser instalada no micro. Neste caso o custo mensal é o valor pago ao provedor, referente a conexão ADSL, que varia de acordo com a velocidade de conexão contratada.

LPCD – Linha Privada de Comunicação de Dados

É um sistema de conexão privado, ou seja, existe somente como forma de conexão entre as

empresas que contrataram o serviço. A LPCD não utiliza o sistema público de linhas telefônicas e permite acesso permanente. A ligação entre as redes se dá atrevés da utilização de roteadores.

Terminologias

Provedor Provedor é uma empresa que provê acesso à Internet a outras empresas ou usuários domésticos. Os provedores possuem conexões de alta velocidade com a Internet (backbones) e oferecem aos seus clientes conexões dedicadas ou acesso discado via modem. No Brasil, há dezenas de provedores, de todos os tipos e tamanhos. Os provedores têm diferentes planos de serviço, alguns fornecem acesso por um número de horas fixo por mês, outros oferecem acesso ilimitado. Ao escolher um provedor, é importante saber a relação entre o número de usuários e o de linhas telefônicas (15 usuários por linha é razoável). É importante, também, saber as formas de pagamento (cartão de crédito, cobrança bancária, conta telefônica), o custo da hora extra (se aplicável) e se o provedor possui telefone de acesso na cidade (acessar via DDD é muito caro). Muitos provedores oferecem, além de acesso à rede mundial, informações e serviços em seus Web sites. Esses megasites são chamados de "portais" e dispõem de serviços diversos, como e-mail, chat, notícias, fóruns de discussão, previsão do tempo, etc. Pretendem ser o ponto de partida para um usuário que inicia sua navegação pela Web.

Portal Um site que oferece uma ampla gama de recursos e serviços para os usuários, como e-mail gratuito, bate-papos e fóruns de discussão, sistema de busca e catálogos, notícias, comércio eletrônico, espaço na Web, repositório de programas e até horóscopo e fax via Internet. Os portais pretendem ser pontos de partida, ou portas de entrada, para a vastidão de páginas que é a WWW. Os portais mais conhecidos são os sites da America Online, Netscape, Yahoo!, Lycos, entre outros. No Brasil, alguns portais são UOL e Terra.

Browsers Browsers são programas especias para visualizar páginas WWW. Os Browsers lêem e interpretam os documentos escritos em HTML, apresentando as páginas formatadas para os usuários. O Windows a partir da versão 95, vem com um Browser embutido, o Internet Explorer. Outro exemplo de Browser é o Netscape Navgator.

O Protocolo TCP/IP TCP/IP é o nome que se dá ao conjunto de protocolos utilizados pela Internet. Este conjunto de protocolos foi desenvolvido para permitir aos computadores compartilharem recursos numa rede. Toda a família de protocolos inclue um conjunto de padrões que especificam os detalhes de como comunicar computadores, assim como também convenções para interconectar redes e rotear o tráfego. Oficialmente esta família de protocolos é chamada, Protocolo Internet TCP/IP, comumente referenciada só como TCP/IP, devido a seus dois protocolos mais importantes :

TCP: Transport Control Protocol – Protocolo de Controle de Transmissão

IP: Internet Protocol – Protocolo da Internet

O TCP é responsável pela divisão da mensagem em datagramas, pelo seu reagrupamento e

retransmissão dos datagramas perdidos. O IP é responsável pelo roteamento dos

datagramas, ou seja, pela definição das rotas de entrega dos datagramas aos seus destinatários.

A interface entre TCP e IP é relativamente simples, a camada TCP entrega à camada IP um

datagrama de cada vez e esta determina a rota para entrega. A tarefa do protocolo IP é

simplesmente encontrar um caminho que faça o datagrama chegar ao extremo da ligação.

O TCP não tem só de fazer chegar os datagramas ao destino é preciso controlar a que

ligação é que pertence cada datagrama. O cabeçalho é um conjunto de bytes inserido no início do datagrama de forma a permitir a sua gestão, é equivalente a colocar uma carta dentro de um envelope, e em seguida escrever o endereço. Para que os sistemas intermediários da rede retransmitam o datagrama, é adicionado um cabeçalho na camada IP, que consiste principalmente num endereço IP da fonte e destino

do datagrama.

Resumo Na Internet, toda informação é dividida em pequenas partes -- chamadas de pacotes -- que são então transmitidas do computador de origem para o de destino. Quem faz a quebra dos dados em pacotes é o TCP. Cada computador, chamando de host, tem um endereço único que o identifica na Internet. O IP é responsável pelo endereçamento dos pacotes que trafegam na Internet. Os pacotes contêm tanto o endereço do host de origem como do host de destino. A partir desses endereços, os pacotes são enviados através da Internet, até chegarem ao host de destino. No caminho, passam pelos chamados roteadores, equipamentos que lêem o endereço de destino de cada pacote e os enviam para outros roteadores. Os pacotes podem tomar caminhos diferentes até o host de destino. Podem, também, chegar fora de ordem. Ao IP cabe apenas a tarefa de endereçar os pacotes. A ordenação dos pacotes e a reconstituição das informações, bem como a retransmissão de pacotes danificados, cabe ao TCP.

Teia mundial - WWW

Antes da WWW os cientistas assim como toda a comunidade Internet, necessitavam de uma série de programas distintos para localizar, buscar e visualizar as informações.

O objetivo inicial era, portanto, centralizar, em uma única ferramenta, as várias tarefas

necessárias para se obter as informações disponíveis na Internet. O projeto, iniciado em 1989, originou a WWW em 1991. No entanto, apenas em fins de 1993 a World Wide Web iniciou sua fase de crescimento explosivo, com usuários de todo o mundo sendo atraídos pela forma simples e divertida que a WWW disponibilizava o conteúdo da Internet. Em 1996, foram incrementados mais dois recursos poderosos (e polêmicos) na Internet: o telefone pela Internet (Iphone ) e a comunicação pessoal (ICQ ). A WWW (World Wide Web) possui os recursos de hipertexto com imagens, o que permitiu arranjos como os de páginas de um livro no qual pode-se pular para qualquer outra página, dependendo do tópico desejado. Atualmente exitem recursos para transmissão de vídeos e sons, existindo inclusive estações de rádio e televisão transmitindo 24 horas por dia. O último incremento da HTML é a VRML (Virtual Reality Markup Language), destinada à apresentação de imagens em realidade virtual. A versão 1.0 do VRML permite criação de mundos virtuais que contêm objetos com ligações a outros mundos e páginas HTML.

Documentos hipertexto

Hipertexto é uma forma especial de navegação dentro de um documento. Um documento normal (não hipertexto) somente permite que seu leitor navegue sequencialmente, percorrendo seu conteúdo para a frente e para trás. Em um documento hipertexto o leitor pode, através de um clique do mouse em cima de elementos especiais (links*) "saltar" para outra parte do texto. Um exemplo bastante difundido de hipertexto é o sistema de HELP (AJUDA) do Windows.

Estes consistem de uma mídia sofisticada, reunindo texto, gráficos, imagens (estáticas ou em movimento) e sons, atrelados a documentos. Além disso, esses documentos contém informações chamadas hiperligações ("hiperlinks") que, apesar de invisíveis, tem como efeito, estabelecer ligações e relacionamentos com outros

documentos. Podemos pensar nessas ligações como as notas de rodapé da literatura. Estas ligações indicam onde encontrar mais informações sobre o assunto que está sendo abordado. Tais documentos são armazenados em computadores dotados de grande capacidade

de armazenamento (pois são volumosos) e de programas especiais, chamados de servidores

de hipertexto. O acesso aos documentos se dá através de computadores que possuem outro tipo de programa denominado de browser. Este é apenas um agente facilitador, que é capaz de localizar a informação desejada, transferí-la de onde se encontra até o local, e em seguida, exibí-la de maneira apropriada. O http – (HyperText Transfer Protocol - Protocolo de Transferência em Hipertexto) é o protocolo principal da web utilizado para comunicação entre os programas servidores de hipertexto e os programas navegadores (ou clientes de hipertexto). Quando

for omitido o protocolo, os navegadores assumem que é http. Todas as partes do URL (exceto parâmetros) são usados pelo protocolo http.

Links* Links são elementos especiais (palavras, frases, ícones, gráficos ou ainda um Mapa Sensitivo*), que quando clicados com o mouse, remetem o leitor a outra parte do documento ou outro documento presente na Internet.

Mapa Sensitivo* Mapa sensitivo é uma figura especial, a qual são condicionadas coordenadas de forma a selecionar áreas, que sensíveis, ao serem acionadas funcionam como links para locais pré-definidos.

Domínio Este é o nome utilizado para identificar sites na Internet. O "domínio" foi criando com o objetivo de facilitar a vida do usuário quanto à memorização dos endereços como

(www.1site.com.br).

Sem ele teríamos que memorizar seqüências de números (número de endereçamento IP - Internet Protocol, o qual identifica um microcomputador na rede), coisa que não seria muito fácil. Imagine ter que memorizar um número como: 200.224.124.66 para identificar um site. E no caso de 100 números desses, seria muito difícil, assim a "Web" não teria o sucesso que tem. Possuir seu próprio "domínio" é igual a ter um endereço residencial onde as pessoas o localizam, a diferença é que será virtual, e você poderá utilizar todos os serviços da rede como: "site", "e-mail", "ftp" entre outros.

Quando escrevemos www.cys.com.br no nosso browser, estamos, na verdade, acessando o serviço www no domínio cys.com.br. Ao enviarmos um e-mail para fulano@email.com.br, estamos entrando em contato com o usuário fulano de um domínio de nome email.com.br. Os serviços podem estar em um único servidor (computador) ou em servidores diferentes. Se os serviços de FTP e WWW de um domínio estiverem sendo administrados por um

mesmo servidor, é bem provável que se consiga acessar os dois serviços usando apenas o nome do domínio, por exemplo: ao invés de usar ftp.cys.com.br e www.cys.com.br,

usaríamos

apenas

cys.com.br

para

usar

os

serviços

de

FTP

e

WWW

do

domínio

cys.com.br.

Para formar o nome de um domínio a ser registrado, devemos nos ater apenas no nome que virá no final dos enderecos. Por exemplo, ao registrar o domínio philco.com.br, a empresa philco poderá utilizar seu domínio, para os diversos serviços a serem prestados, da seguinte forma:

Web (homepages): www.philco.com.br.

FTP: ftp.philco.com.br.

News : news.philco.com.br.

Servidor mail: smtp.philco.com.br.

A regra de formação dos e-mails da empresa será a seguinte:

funcionario@philco.com.br

O ICANN ("The Internet Corporation for Assigned Names and Numbers", cuja tradução é

Instituição para Designação de Nomes e Números da Internet) - foi criada em Outubro de 1998, e é quem coordena o funcionamento da Internet.

É uma organização internacional, que não tem fim lucrativo, é responsável pelo controle

das operações utilizadas pela Internet, e é ela que coordena todos os sites de registros no mundo para um bom funcionamento da "Web". O ICANN também credencia todas as empresas que prestam o serviço de registro no mundo. O órgão responsável pelo controle de registros no Brasil é a FAPESP.

URL (Uniform Resource Locator):

O URL esfecifica a localização exata de documentos, objetos, ligações, referências e programas executáveis na vastidão da Internet. Em termos simples, qualquer coisa a que nós referimos na Internet tem um URL. Também são chamados endereços virtuais ou eletrônicos.

Exemplo.:

Protocolo

Nome da empresa

http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br

http://www.microsoft.com.br

http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br
http://www.microsoft.com.br

World Wide Web

Comercial

Localidade da página (domínio maximal)

No exemplo acima mostramos um endereço (URL) situado na WWW, com fins comerciais, e localizado no Brasil, cujo o nome da empresa é Microsoft.

Estas são algumas convenções para domínio maximal:

"." = máximo: origem de todos os domínios. ".com" = comerciais e industriais. Exemplo: www.amazon.com ".edu" = instituições educacionais. Exemplo: web.mit.edu ".gov" = governamental. Exemplos: www.nasa.gov, www.whitehouse.gov, etc. ".mil" = instituições militares ".org" = instituições sem fins lucrativos. Exemplo: www.linux.org ".net" = provedor de acesso. Exemplos: ibm.net, algarnet.net, etc. Para outros países, são aplicados o código ISO (International Standards Organization) designando o país. Por exemplo:

".br" = Brasil ".fr" = França

9

".pt" = Portugal ".ne" = países baixos

Os Endereços IP e o DNS - (Domain Name Servers) ou servidores de nomes.

Os Endereços IP Um endereço IP (Internet Protocol) é o que especifica unicamente um domínio ou computador (host) na rede, i. é., cada host ou domínio deve ter um endereço IP único.

Exemplos:

200.9.84.65 , 200.136.239.100 , 200.9.84.161

Alguns problemas com essa convenção são:

1. Dificuldade de memorização.

2. Instabilidades: os números podem mudar rapidamente.

3. Facilidade de engano ao digitalizá-los.

Para contornar essas dificuldades, surgiram os DNS.

O DNS São dicionários que estabelecem a correspondência entre um nome de host e um endereço IP. Basicamente ele faz troca de nome por número. E é exatamente isso. Você da um nome para ele e ele fala o endereço IP (números) correspondente aquele nome. Para que serve isso? Pacotes IP tem de ser endereçados por números, mas é extremamente incomodo para seres humanos decorar números. A solução foi usar um serviço que fizesse a tradução de um para outro. Quando você faz uma conexão com www.shareware.com o seu browser faz uma conexão com um servidor DNS pedindo o endereço IP correspondente a string "www.shareware.com". O DNS tenta resolver isso localmente, mas se não conseguir propaga a consulta para outros servidores DNS ate conseguir (ou não) a resposta, e então retorna o endereço para o browser que continua a conexão.

Exemplos:

power.ufscar.br = 200.9.84.65 (servidor principal do UFSCar) lattice.dm.ufscar.br = 200.136.239.100 (servidor principal do DM de UFSCar)

Os DNS's organizam-se hierarquicamente, de modo que o "dicionário" não esteja todo em um único computador, mas distribuido pela rede. Na hierarquia dos DNS's do Brasil br, temos que todo domínio "br" é servido pelo servidor da FAPESP.

Resumo

hipertexto reune palavras, figuras e sons em um computador, contendo também, as ligações que indicam outros documentos.

O URL (Uniform Resource Locator) especifica a localização dos documentos, objetos,

ligações, referências e programas executáveis na rede Internet. Um endereço IP (Internet Protocol) especifica unicamente um computador (host) na rede. Ele é formado por uma quádrupla de números entre 0 e 225, por exemplo: 200.9.84.65. Os DNS (Domain Name Servers) ou servidores de nomes dispõe de dicionários que estabelecem a correspondência entre um nome de host e um endereço IP, tais como: power.ufscar.br = 200.9.84.65 que se organizam hierarquicamente, de modo que o "dicionário" esteja distribuido pela rede. O site é a unidade do host, que contém dados e informações referente a um determinado assunto. Ele é especificado por um URL.

O Protocolo FTP

ftp – (file transfer protocol – protocolo de transferência de arquivos) (upload=subir, download=abaixar).

O FTP é o protocolo usado na Internet para transferência de arquivos entre computadores.

Basicamente os programas que implementam o FTP fazem transferência de arquivos entre

seu computador local e outro remoto. O FTP é um dos recursos mais importantes disponíveis na Internet, e também responsável por um grande volume de tráfego de dados.

A princípio, o FTP é feito para transferir arquivos de uma máquina remota, conectada a

Internet, na qual o usuário deve ter uma conta (login) e uma senha (password) para entrar nessa conta. A partir disso pode-se navegar entre os diretórios dessa conta e transferir os arquivos dela para seu computador local, ou vice-versa. Contudo, uma possibilidade muito interessante e o fato de muitos computadores permitem que você os acesse remotamente (embora de forma restrita) mesmo sem ter uma conta ou senha - o chamado FTP anônimo

(anonymous FTP). Existem muitos Gb de informações disponíveis em FTP anônimo nas máquinas da Internet ao redor do mundo. Nesses locais podem-se encontrar programas fontes, programas objetos, sistemas inteiros, documentos, ou seja, todo tipo de informação em arquivos de computador. Normalmente no FTP anônimo o login e a palavra anonymous. Por exemplo, "ftp://sunsite.une.edu/pub/Linux/kernel/current" abaixa (copiar do host para computador local) o arquivo "current" contido no diretório "/pub/Linux/kernel" do host "sunsite.une.edu" para o computador local.

Os recursos da Internet

Se sob o ponto de vista físico a Internet é uma conexão entre redes, para o usuário ela

aparece como um grupo de serviços disponíveis para a troca de informações entre computadores ou indivíduos conectados à Internet. Resumidamente são os seguintes:

Correio Eletrônico

Listas de Discussão

Listas de Distribuição

CORREIO ELETRÔNICO

O correio eletrônico é o recurso mais antigo e mais utilizado da Internet. Permite

principalmente a troca de mensagens pessoais entre usuários da Internet, mas você não está

limitado a enviar apenas cartas por correio eletrônico, pode enviar programas, arquivos e

imagens. Ela funciona com um endereço virtual que é composto do nome do usuário (username) e do caminho hierárquico até a máquina servidora de rede que ele utiliza. Assim, o endereço eletrônico (e-mail) é assim construído :

username@empresa.tipodeinstituição.pais

A esquerda do símbolo @ (arroba) fica o nome ou apelido do usuário. À direita, ficam o

nome da empresa ou organização que fornece o acesso, o tipo de instituição e finalmente o país.

O resultado é algo assim:

fulano@terra.com.br

Onde:

fulano=usuário

empresa=terra

tipo=com (comercial)

país=br (Brasil)

Nos Estados Unidos não é usada a sigla que identifica o país. Assim, se um endereço não tem sigla de país, já sabemos que é dos EUA.

-

.

Mural eletrônico – Grupos ou Listas de Discussão (NewsGroups)

Eles são chamados de mural porque, diferente do correio, não chega à caixa postal do usuário, mas sim este tem que acessar o grupo ao qual ele tem interesse. Dentro do grupo de discussão (que são milhares), o usuário pode escrever um artigo para que os demais participantes possam ler e emitir suas opiniões. Em geral, exitem arquivos com as perguntas mais freqüentes, destinados aos novatos. Esses arquivos chamam-se FAQ (Frequently Asked Questions - perguntas mais freqüentes). O que mais irrita um usuário do mural é se deparar com uma pergunta boba de um novato. A segunda coisa que mais irrita é um usuário que escreve bobagens que não interessa a ninguém ou que não é o assunto do grupo. A grande vantagem de um recurso desses é permitir a grandes grupos poderem trocar idéias com o máximo aproveitamento de espaço em disco, uma vez que não irá uma cópia a cada usuário, mas existirá apenas uma no servidor, que poderá ser copiada apenas se o usuário desejar.

Listas de Distribuição

O conceito de lista de distribuição é simples. Um grupo de pessoas com um interesse

comum (por exemplo, vídeo, música) gostaria de trocar mensagens sobre esse assunto. Sempre se pode manter uma lista dessas pessoas e mandar cada mensagem para todas elas,

mas isso seria um procedimento tedioso e difícil de manter. Por isso, criou-se o conceito de listas de distribuição. Estas listas funcionam da seguinte forma: em algum computador na Internet, instala-se um programa chamado gerenciador de lista ou listserver. Esse programa mantém uma lista dos assinantes da lista, recebendo e mandando mensagens de forma semi- automática. Esse programa é acionado por um endereço eletrônico virtual, isto é, esse endereço se parece com um endereço de um usuário comum, mas é o programa que recebe

as mensagens e as processa.

Para cada lista existem dois endereços: um para distribuição das mensagens e outro para a administração da lista. Toda vez que alguém envia uma mensagem para o endereço que estão armazenados no seu banco de dados - isto é, para todos os assinantes da lista.

Firewall

Quando se conecta à Internet, põe-se em risco três coisas:

Os dados: as informações que a empresa guarda em seus computadores;

Os recursos: os próprios computadores;

A reputação da empresa.

Com relação aos dados, tem-se três características que precisam ser protegidas:

Segredo (privacidade);

Integridade;

Disponibilidade.

Em redes de computadores, firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar intrusos (ataques); ou seja, são mecanismos (dispositivos) de segurança que protegem os recursos de hardware e software da empresa dos perigos (ameaças) aos quais o sistema está exposto. Estes mecanismos de segurança são baseados em hardware e software e seguem a política de segurança estabelecida pela empresa.

O que um firewall pode e o que não pode fazer

Eis algumas tarefas cabíveis a um firewall:

Um firewall é um checkpoint; ou seja, ele é um foco para as decisões referentes à segurança, é o ponto de conexão com o mundo externo, tudo o que chega à rede interna passa pelo firewall;

Um firewall pode aplicar a política de segurança;

Um firewall pode logar eficientemente as atividades na Internet;

Um firewall limita a exposição da empresa ao mundo externo.

Eis algumas tarefas que um firewall não pode realizar (pelo menos atualmente):

Um firewall não pode proteger a empresa contra usuários internos mal intencionados: se o inimigo mora dentro da própria casa, certamente não será esta uma morada segura;

Um firewall não pode proteger a empresa de conexões que não passam por ele: “do que adianta colocar uma porta da frente em aço maciço e uma dúzia de fechaduras se alguém deixou a porta da cozinha aberta?”

Um firewall não pode proteger contra ameaças completamente novas: “qual será o próximo furo a ser descoberto?”

Um firewall não pode proteger contra vírus.

INTRANET

Conceito A Intranet é uma rede corporativa (interna) baseada no protocolo IP, que utiliza a tecnologia da Internet, ou seja, coloca um servidor Web (caracterizada-se pelo uso das tecnologias World Wide Web) normalmente alojado na própria empresa, para que os funcionários possam acessar as informações da empresa através de um um único front-end, (browser), que é uma interface do tipo GUI (Graphic User Interface).Uma Intranet pode utilizar-se da infraestrutura de comunicações da Internet para se comunicar com outras Intranets (por exemplo, em esquema de ligação matriz-filial), formando assim uma Rede Privativa Virtual (VPN) que pode ainda ser extentida aos fornecedores e parceiros (extranet).No entanto, o termo Intranet é também utilizado para qualquer rede corporativa de acesso remoto (redes LAN e WAN) que não tenha qualquer conexão com a Internet. Dentro dos limites da empresa, toda informação e documentação que circula em forma de papel pode ser colocada na intranet em formato digital, reduzindo assim tempo e custos operacionais: desde manuais e políticas de procedimento até informações de marketing, catálogos de venda de produtos, recursos humanos e catálogos telefônicos. Tudo baseado na estrutura de hipertexto, interligados por links e com hierarquização de níveis de acesso.

A definição de Intranet é portanto, bastante abrangente. Basicamente a Internet, as Intranets ou as WANs corporativas (Wide Area Network – Redes de Longa Distância) são aplicações da tecnologia de comunicação de dados remota.

Aplicações

Muitas empresas estão utilizando com sucesso as intranets. Notícias e praticamente todo material corporativo pode ser divulgado através de páginas em HTML, como grandes catálogos, relátorios, e memorandos. A formação de grupos de discussão é facilitada através de correio eletrônico e newsgroups. Aplicações importantes compreendem consultas a bancos de dados já existentes através de scripts CGI e outras aplicações de groupware, implementadas através de formulários.

Exemplo

Para se ter idéia do impacto de um sistema de informação em uma empresa, imagine uma empresa com 1.000 funcionários e uns 10 departamentos, que tem que passar informações como lista de preços, lista de telefones, catálogo de produtos, etc. para toda a empresa. Normalmente, este tipo de informação é impressa e enviada aos interessados. Este tipo de procedimento, no entanto, é muito caro, pois a cada modificação tudo deve ser

impresso novamente. Além disso, este tipo de informação não é muito seguro, pois nunca se sabe se a versão que se tem posse é a mais atualizada, o que pode levar a uma situação de risco ou a perda de tempo com confirmação da validade do documento. As Intranets facilitam a comunicação entre os diversos setores, contendo sempre uma informação precisa, atualizada e confiável, pois a pessoa responsável pela informação é a mesma que a publica. Hoje em dia os negócios tem que se adequar às características do mercado atual como: ciclo de vida dos produtos curto, redução de custos, qualidade maior dos produtos e mudanças constantes no mercado. E é por isto que a passagem de informação numa empresa é muito importante e deve ser feita de maneira eficaz e segura atingindo a todos o setores da empresa.

As Intranets também possuem uma série de utilidades que podem ser usadas para aumento da qualidade da empresa:

É uma ferramenta de tomada de decisões, pois as informações podem ser obtidas instantaneamente. A Intranet une todas as informações da empresa, permitindo uma visão global de todas as àreas possibilitando uma tomada de decisão com conhecimento de riscos e impactos.

É uma ferramenta de conhecimento da própria empresa, pois possibilita um conhecimento global de todos os aspectos e cada um pode ter acesso a informações além de seu setor facilitando a compreensão da empresa como um todo.

É uma ferramenta de comunicação pois os membros podem se comunicar sem ter que marcar reuniões, esperando que todos possam estar disponíveis e a comunicação pode ser feita entre membros do mesmo setor ou de setores diversos.

É uma ferramenta de colaboração entre àreas que precisam se interagir continuamente como por exemplo marketing e vendas.

É uma ferramenta que evita repetição de tarefas. Por exemplo, cada pessoa que precisa fazer uma apresentação não tem que fazer o mesmo que outros já fizeram como um gráfico das vendas em determinado mês, além de diminuir o tempo pra conseguir a informação pois a informção já está disponível e a pessoa pode utilizar o mesmo gráfico fazendo simplesmente um "copy e paste".

É uma ferramenta que auxilia a identificar e melhorar processos pois permite uma visão da linha de produção como um todo permitindo a identificação de falhas e tomadas de decisões para melhorar os processos.

É uma ferramenta que auxilia a comunicação entre a empresa e o cliente e a empresa e outras empresas, podendo gerar parcerias lucrativas, obtendo opiniões dos clientes ou até mesmo fazendo um "marketing".

É uma ferramenta que auxilia a àrea de recursos humanos pois a responsabilidade de cada um aumenta com o crescimento do poder de cada um a medida que tem acesso a mais informação e também publica suas próprias informações.

Extranet

A

rigor uma intranet pode operar apenas como uma rede corporativa dentro dos

limites da empresa, porém pode ser vantajoso a ligação da intranet com a internet, neste

caso chamada de extranet.

O conceito de Extranet tem sido adotado para denominar um ou mais conjuntos de

intranets interligadas através da Internet, desde que por uma maneira segura.

É uma rede de negócios que une empresas parceiras por meio de suas Intranets

utilizando os padrões abertos da Internet.

O usuário doméstico que acessa a intranet de uma empresa não percebe que está na

intranet. A diferença é percebida somente em termos de velocidade pelos funcionários,

quando estes saem da intranet e acessam a internet do computador de sua seção.

Conectando a intranet à internet

Usa-se um roteador para encaminhar as informações da internet para a rede corporativa e vice-versa. Para obter esta ligação é necessário a contratação de um canal de dados junto a telefônica local. O próximo passo consiste em registrar um Domínio e obter um endereço IP junto a Embratel

Protegendo a Intranet

É necessário proteger a Web corporativa contra a invasão de intrusos. Isso é feito por um computador dedicado que serve de porteiro, que supervisiona o transito das informações entre a intranet e a extranet e vice-versa. Esse computador roda um programa conhecido como firewall .

Vantagens

Uma das vantagem da unificação dos padrões de tecnologia utilizados na interconexão através de uma extranet é que os parceiros não precisam ter o mesmo tipo de computador (hardware), sistema operacional, gerenciadores de bancos de dados (software) ou browser para navegação.