BOLETIM ESPERANÇA 24

01 ano sem o nosso amigo.

Boletim Esperança
Informe de Estudos Espíritas, RJ, Ano 2, N. 24 ABRIL, 2011

EDITORIAL
“Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei ao meu Pai, e ele vos enviará outro Consolador, a fim de que fique eternamente convosco.” (JESUS. São João, cap. XIV, v.15) Compulsando os fastos remotos da historiografia, é possível conectar essa advertência do Cristo e as efemérides de abril: 18-04-1857 e 21-04-1792. A primeira confere com a premonição de Jesus, pois que trata da publicação de O Livro dos Espíritos, trazendo à baila o Consolador prometido. A segunda reporta ao Mártir da Inconfidência Mineira, que, condenado à forca, impulsionou os ideais brasileiros de liberdade republicana. Diz-nos Humberto de Campos (Espírito) que Tiradentes, após o cadafalso, fora recebido por Ismael, que esclareceu o resgate dos delitos cometidos pelo mártir à época da Inquisição: –“Redimiste o pretérito obscuro e criminoso com as lágrimas do teu sacrifício em favor da Pátria e do Evangelho de Jesus[...]”.(H.C. Brasil, coração do mundo, pátria do Evangelho). Enfatizamos, caro leitor, que em 02 de abril, além do aniversário do nosso querido amigo Chico Xavier, celebramos o dia da conscientização autista e o nosso Boletim completa dois anos de publicação mensal.
A EQUIPE

NESTE BOLETIM
Capa EXPEDIENTE EDITORIAL Página 02 PROCESSO DOS ESPÍRITAS COLUNA DO CAMINHO Página 03 MENSAGEM DO MÊS EVENTO DE MAIO ANIVERSARIANTES DO MÊS DATAS IMPORTANTES Página 04

A LEI MAIOR PROGRAMAÇÃO DA CASA PRODUÇÕES INFANTO-JUVENIS

EXPEDIENTE Direção do Jornal: Rafael Rodrigues Secretária: Regina Celia Campos Revisora: Giannina Laucas Colaboradores: Ana Guimarães Rita Pontes DIREÇÃO DA INSTITUIÇÃO Presidente: Ana Guimarães Vice-presidente: Jurandyr Paulo Secretários: André Laucas e Vanessa Bianca
Boletim Esperança – Página 1

“Geraldo Guimarães”(IM) Marcia Alves

PROCESSO DOS ESPÍRITAS
Seis anos após a desencarnação de Allan Kardec (1875), Pierre Gaëtan Leymarie, então diretor e redator-chefe da Revista Espírita, fundada pelo Codificador em 1858, e fiel seguidor dos princípios espíritas, foi processado e condenado à prisão por um ano em um dos mais absurdos processos de que se tem notícia, dada sua reputação ilibada. Tudo aconteceu por conta das chamadas "fotografias espíritas". No banco dos réus, estavam P. G. Leymarie (administrador da Sociedade anônima organizada por Allan Kardec, que assegurava o desenvolvimento regular e contínuo do Espiritismo), Edouard Buguet (médium e fotógrafo) e o jovem Alfred Firman (médium). Estes últimos é que cometeram a farsa e, agindo de má-fé, permitiram que as injustas perseguições do juiz condenassem o inocente Sr. Leymarie. A acusação era de embuste por parte dos pretensos médiuns, que usavam bonecos e até pessoas vivas para participarem das fotos obtidas, e de conivência pelo representante da Sociedade Espírita na época. Portanto, embora considerado por todos, até mesmo pelos opositores, como credor de respeito e integridade de homem público justo, Leymarie teria sido conivente com o procedimento do fotógrafo, segundo o tribunal. Seria mesmo verdadeira a incriminação? Ficou provado e até exposto em juízo pelo próprio Buguet que havia fraude e recebimento de dinheiro para a manutenção de suas necessidades pessoais, o que não impedia ser ele médium verdadeiro, aliás, exaustivamente comprovado por mais de 140 testemunhas que reconheciam seus mortos, através das fotografias, confirmando a veracidade dos fatos. Contraditória a posição de Bouguet, que, apesar de assumir o papel de trapaceiro negando a mediunidade, sofria as consequências dos efeitos de ectoplasmia após as sessões fotográficas. A Doutrina Espírita foi difamada e encontramos, na pessoa do juiz Millet, um homem intransigente, arbitrário e parcial, totalmente despreocupado em apurar a verdade. Todos os pormenores deste tendencioso julgamento se devem à Sra. Leymarie, esposa dedicada e verdadeira espírita, que documentou todo o desenrolar do julgamento, compondo o precioso "Processo dos Espíritas". O leitor irá acompanhar os depoimentos em seus pormenores, observando que o juiz Millet serve-se de afirmativas para suas perguntas, com a intenção de menosprezar a Doutrina Espírita, dando mostras de desconhecer os fenômenos estudados por Kardec. Madame Allan Kardec, ao depor como testemunha de defesa, foi tratada com desrespeito e grosseria, apesar dos cabelos enevoados pelos seus 80 anos de idade. Sem alterar-se, Leymarie recebeu a sentença de reclusão e a cumpriu além do tempo previsto. Quanto a Bouguet e Firman, também sentenciados, escaparam; o primeiro foragido em Bruxelas e o segundo posto em liberdade por influência política e social. Após três meses do acontecido, Bouguet retrata-se, envergonhado, através de uma carta dirigida ao Ministro da Justiça da França, assumindo que mentira em juízo, visto que era médium, e que envolvera pessoas ilustres e inocentes nesse processo contraditório. Vale a pena conhecer a história do Espiritismo e dos homens-heróis que desbravaram as ideias obsoletas, deixando um lastro positivo para a posteridade. Vanessa Bianca

RETORNO À PÁTRIA ESPIRITUAL A exemplo de Allan Kardec que desencarnou no dia 31 de março, nessa mesma data do presente ano, deu-se a desencarnação da nossa confreira e benfeitora Helena Moura de Souza Alves, Carioca, nascida em 20 de agosto de 1930. Dona Helena destacava-se por sua altivez e espírito de luta para vencer sua enfermidade, deixando um grande legado moral e cultural, cultivado ao longo da sua extensa vida. Era exemplo de rara sabedoria. Sentiremos falta da sua enriquecedora participação nas reuniões doutrinárias. Fazemos votos de que esteja em pleno gozo de serenidade na Pátria Espiritual!

COLUNA DO CAMINHO

RETORNO ÀS AULAS Em março, reiniciaram, com o êxito esperado e sob nova direção, as atividades da nossa Escola Esperança, com a presença maciça dos pais à procura de vagas para matricular os filhos menores. O nível de adesão foi bastante significativo, estreitando, assim, o relacionamento com a comunidade. A equipe de colaboradores, bastante motivada, reassume suas respectivas turmas com a disposição de sempre. As oficinas de trabalhos manuais e de alfabetização das senhoras também retomaram o seu curso normal, integrando-se às reuniões doutrinárias ininterruptas, às terças-feiras. Desejamos que seja um ano letivo assaz producente sob as bênçãos do nosso Grande Mestre Jesus. SEMINÁRIO DE ESPERANÇA No último dia 27 de março, realizou-se, em nossa Casa, um seminário, com o simultâneo lançamento do livro intitulado “Filhos da dor”, de autoria de Vilson Disposti, quando o eloquente orador discorreu sobre importantes e comoventes experiências vivenciadas no abençoado centro de reabilitação, Casa do Caminho Ave Cristo, que simboliza um verdadeiro santuário de amor, acolhendo dependentes químicos com suas respectivas histórias de vida, cuidadosamente valorizadas pela equipe multidisciplinar, entre profissionais e voluntários, cujo programa procura atender à totalidade do ser. O orador revelou, sob contida emoção, como surgiu a sua vocação: –“Certo dia, estudando para prestar concurso para Juiz, sua mão começou a tremer e em seguida escreveu: “ Um dia, nós vamos trabalhar juntos em favor daqueles que se perderam nos vâos da consciência.” Para finalizar, Vilson Disposti, baseado em sua experiência, afirma com expressiva sensibilidade e otimismo : –“Todo ser humano é recuperável. Não há mal que resista à lei do amor”. Deixou-nos a todos tocados pelas vibrações presentes. Muita luz!

A MISSÃO EVANGÉLICA DO BRASIL
Nessa abençoada tarefa de espiritualização, o Brasil caminha na vanguarda. O material a empregar nesse serviço não vem das fontes de produção originariamente terrena e sim do plano invisível, onde se elaboram todos os ascendentes construtores da Pátria do Evangelho. Estas páginas modestas constituem, pois, uma contribuição humilde à elucidação da história da civilização brasileira em sua marcha através dos tempos. Têm por único objetivo provar a excelência da missão evangélica do Brasil no concerto dos povos e que, acima de tudo, todas as suas realizações e todos os seus feitos, forros dos miseráveis troféus das glórias sanguinolentas, tiveram suas origens profundas no plano espiritual, de onde Jesus, pelas mãos carinhosas de Ismael, acompanha desveladamente a evolução da pátria extraordinária, em cujos céus fulguram as estrelas da cruz. São elas, ainda, um grito de fé e de esperança aos que estacionam no meio do caminho. Pelo espírito de Humberto de Campos

Boletim Esperança – Página 2

Geraldo Guimarães
São 4.000 títulos, aproximadamente, editados no país. Oitenta e sete editoras colocam anualmente, no mercado espírita e espiritualista cerca de 350.000 volumes. Calcula-se em 5 milhões de reais o faturamento mensal ao consumidor. A “edição do autor” não foi computada nesses dados por falta de informações, embora saibamos que mais de uma centena de autores editam 200, 500, e até 1.000 exemplares por conta própria ou por conta das suas instituições. Um outro aspecto e a proliferação de médiuns psicógrafos que não tínhamos no passado. Segundo alguns levantamentos, temos hoje, no Brasil, uns 30 medianeiros em atividade nessa área, produzindo intensamente. Informações recentes da XI Bienal Internacional do livro dizem que os livros espíritas ficaram em segundo lugar como área de interesse, entre 125 mil títulos expostos. Diante dessa oferta gigantesca, 4.000 opções, cabe ao leitor fazer a sua escolha sem perder tempo. Otimizar a oportunidades e aprofundar-se com os mais experimentados. Lembrar que a Codificação, os Clássicos, a Revista Espírita – 12 volumes – têm primazia nos estudos doutrinários. Quando surgirem obras mediúnicas ou de autores encarnados com informações exóticas, colocações discutíveis e até mesmo anti-doutrinárias, tomar cuidado, ao examiná-las, e se permitir o direito de discordar, mesmo que os nomes dos médiuns e dos Espíritos sejam de figuras sobejamente conhecidas. O próprio Allan Kardec afirmou que é melhor “recusar dez comunicações verdadeiras a aceitar uma duvidosa”. E acrescentou que deveremos ajuizar com bom senso. Cammille Flammarion chamou o codificador de “o bom senso encarnado”. Não devemos renunciar à prática salutar e científica de analisar as ideias e passá-las pelo crivo doutrinário-kardequiano., Dentre muitos médiuns respeitáveis, destacamos as figuras cristãs e espíritas, da mais alta credibilidade, cujas vidas têm sido um evangelho de feitos: Chico Xavier e Divaldo Franco. Sua produção mediúnica tem se mantido numa linha da mais alta fidelidade aos princípios espíritas exarados no chamado “pentateuco”. Os Espíritos do Senhor, no labor abençoado da divulgação, usam uma linguagem respeitável e informações que se somam estrutura doutrinária já existente, com o objetivo de iluminar o pensamento humano, nos caminhos, em busca da verdade e de Deus.
*

GUIMARÃES, Geraldo. Literatura Espírita. Revista Despertar, LFC, Rio de Janeiro, ano I, n. 03, Julho/2003.

ANIVERSARIANTES DO MÊS Boletim Esperança 02/04 Vanessa Laucas 06/04 Alexandre Paulo 11/04 Marcello Capelli 12/04 Flávia Vieira Thiago Laucas João Roberto Luiz Carlos 15/04 23/04 17/04 29/04

DATAS IMPORTANTES DO MÊS DE ABRIL 02/04/1910 – Nasce em Pedro Leopoldo, Minas, Chico Xavier. 02/04/1869 – Sepultamento, no cemitério de Montmartre, do Codificador da Doutrina Espírita, Allan Kardec. 11/04/1900 – Desencarna, no Rio, o Dr. Bezerra de Menezes. 12/04/1927 – Desencarna o francês Léon Denis. 18/04/1857 – Primeira edição de “O Livro dos Espíritos”. Esta data é considerada como um marco da doutrina. 18/04/1957 – Surge o 1º selo espírita do mundo, no Brasil, comemorando o centenário de “O Livro dos Espíritos”.

OBRIGADO GERALDO
Éramos felizes, como felizes eram as oportunidades de ouvir o nosso mais fluente orador. Sorriso fácil e

30/04/1856 – Transmitida a Allan Kardec a primeira revelação mediúnica a respeito da missão que haveria de desempenhar.

Boletim Esperança – Página 3

A LEI MAIOR
“A nova geração marchará, pois, para a realização de todas as ideias humanitárias compatíveis com o grau de adiantamento a que houver chegado. Avançando para o mesmo alvo e realizando seus objetivos, o Espiritismo se encontrará com ela no mesmo terreno. Aos homens progressistas se deparará nas ideias espíritas poderosa alavanca e o Espiritismo achará, nos novos homens, espíritos inteiramente dispostos a acolhê-lo. Dado esse estado de coisas, que poderão fazer os que entendam de opor-se-lhe?
(A Gênese, item 24. Allan Kardec.).”

PROGRAMAÇÃO DA CASA 2ª Feira (20:00 às 21:00) PALESTRAS DOUTRINÁRIAS: LIVRO DOS ESPÍRITOS 04/04 – Vanessa Laucas 11/04 – Ana/Anete Guimarães 18/04 – Giannina Laucas 25/04 – Ana/Anete Guimarães 3ª Feira (14:50 às 15:25) 05/04 – Giannina Laucas 12/04 – Anete Guimarães 19/04 – Claudia Costa 26/04 – Rafael Rodrigues
Cap.X, itens 1 a 4 Cap.X, itens 5 e 6 Cap.X, itens 7 e 8 Cap. X, itens 9 a 10

Questões 484 a 488
LIVRE

Questões 489 a 496
LIVRE

A palavra inclusão nunca esteve tão em evidência como agora, justamente pelo fato de continuarmos alimentando a exclusão, mesmo nos diferentes processos de integração tão discutidos nas escolas e nas comunidades. Se temos a pedagogia, a didática, a psicologia, a neuropedagogia e tantas outras áreas de altos estudos, não era mais para estarmos discutindo o que e como fazer para lidar com as diferenças em sala de aula, nas reuniões sociais e principalmente nas famílias. Não temos a menor dúvida de que esses estudos e formas de trabalho são fundamentais para caminharmos e que estamos avançando em busca da verdadeira inclusão. Mas falta saber que não vamos muito longe sem o conhecimento de quem são esses espíritos que chegam como nossos filhos e nossos alunos. A resistência em avançarmos nessa busca aliada ao comodismo imposto pelas exigências burocráticas e pelo sistema estabelecido, há séculos, são os nossos maiores obstáculos, verdadeiras muralhas que só podem ser vencidas com o conhecimento e, principalmente, com a coragem para promovermos as mudanças, por todos esperadas e que, certamente, um dia, chegarão. Acima da pesquisa e da informação, essa busca exige reflexão e estudos sobre comportamento e transformação, a partir de uma postura sempre conhecido do mundo, mas pouco praticada. Na verdade, isso nada mais é do que o entendimento da evolução com a reencarnação, na Terra, de Espíritos mais elevados que vêm para nos ajudar e que sofrem com a discriminação pela nossa falta de entendimento dessa nova situação. A literatura espírita nos facilita esse entendimento, com o próprio Kardec, educador, e seu mestre Pestalozzi que trabalhavam o processo de aprendizagem centrado nos sentimentos e na liberdade para o desenvolvimento das potencialidades dos seus alunos. Exatamente como se diz hoje em dia, mas que as escolas ainda não conseguem praticar. Por isso precisamos entender o mundo em evolução, com todas essas implicações que nos cobram uma nova postura. Ou, no dizer dos teóricos, temos de vivenciar essa quebra de paradigma a partir dessas implicações totalmente revolucionárias. Isso exige, acima de tudo, disposição para o enfrentamento, procurando perceber o que está acontecendo e abrindo os caminhos para assumirmos novas atitudes. Com todas essas preocupações, os estudiosos e educadores acabam se esquecendo de que, para Pestalozzi, Kardec e tantos outros grandes mestres, e para muitos professores dos nossos dias, no anonimato, acima dos altos estudos e reflexões, o sucesso da aprendizagem tem uma causa natural e muito mais poderosa do que todo o conhecimento acumulado pela Humanidade: o amor. Nada avança sem ele.
Eugenia Maria Pinheiro Ramires

5ª Feira (19:30 às 21:00) ESTUDO DO LIVRO “ATUALIDADE DO PENSAMENTO ESPÍRITA” 03/03 – Vanessa Bianca 10/03 – Jurandyr Paulo 17/03 – Claudia Passarelli Sábado (8:30 às 15:00) ESCOLA DE ESTUDOS ESPÍRITAS ESPERANÇA 24/03 – Jair Cesario 31/03 – Giannina Laucas

IN PRODUÇÕES INFANTO-JUVENIS
AMBIENTE ESCOLAR
Em um ambiente tranquilo. Repleto de estudantes bons. Plantando um futuro lindo. Muitos realizam seus dons. Quem sabe um dia estarei lá? Com gratidão aos mestres sãos. Desfrutando o ensinando exemplar. Sem cair, na vida, em desvãos. Na família se aprende a amar. E a estudar na escola se faz. Para no mundo proclamar. Que alcancei meus ideais. Assim provei que sou capaz. De vencer na escola os fanais. Pedro Jaña Laucas de Campos

GRUPO ESPÍRITA CAMINHO DA ESPERANÇA

Rua Aristides Lobo, 51 – Rio Comprido Rio de Janeiro/RJ CEP.: 20.250-450 Tel.: (21) 2504-8512

Boletim Esperança – Página 4

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful