Você está na página 1de 37

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

(tempo, lugar e pessoa)

Tipos de variáveis (quantitativas, qualitativas)

PPEPIS – Políticas Públicas Epidemiologia e Indicadores de Saúde


GRU 2022-1

Prof.ª drª Marcia de Souza Moraes


O que é EPIDEMIOLOGIA?

EPI= sobre
DEMO= povo - população

LOGIA= estudo

CAUSAS

DOENÇAS
EPIDEMIOLOGIA
➢ Utiliza um método para conhecer e estudar eventos relativos à saúde e

doença da população.

➢ No seu processo descritivo, estuda a distribuição de frequência das

doenças e dos agravos à saúde coletiva, em função de variáveis ligadas ao

TEMPO, ao ESPAÇO e às PESSOAS, possibilitando o detalhamento do

perfil epidemiológico, com vistas ao aprimoramento das ações de

assistência e prevenção da doença, de promoção da saúde e também do

refinamento das hipóteses causais.


EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA
➢ Consiste em definir o evento e especificar adequadamente
suas frequências em relação as características das pessoas
atingidas pelo evento (Quem), dos lugares (onde) e do
tempo (quando) onde isso se deu. As informações são
organizadas de modo a mostrar o COMO os eventos
variam.

➢ Que, quem, onde, quando, como e por que.


Questionamentos de um Estudo
Epidemiológico
✓ Onde ocorreram os agravos?
✓ Quem adoeceu?

✓ Quando adoeceu?

✓ Há grupos especiais mais expostos?

✓ Há regiões mais atingidas?

✓ Há alguma faixa etária mais atingida?

✓ Há uma classe social de maior ou menor risco?

✓ Algum elemento hipotético determina o seu surgimento?


QUESTÕES NECESSÁRIAS

• Onde, quando e sobre quem ocorre tal doença?

• Existem grupos mais vulneráveis?

• Qual faixa etária é mais atingida?

• Pertencer a uma dada classe social determina diferenças nos riscos?


• Em alguma época específica do ano acontece ou aumenta o número de
casos do agravo/doença?

• Qual a distribuição geográfica da doença?

• Há maior número de casos em determinado lugar?


VARIÁVEIS
• Relativo as pessoas:
• Sexo, idade, estado civil, grupo étnico, religião, renda, ocupação,
educação, classe social, paridade, hist. Familiar, peso, altura.

• Relativo a lugar:
• Pais, região, estado, município, distrito, bairro, instituição, rua, cep.

• Relativa a tempo:
• Década, ano, semestre, trimestre, mês, semana, dia , hora.
AS VARIÁVEIS RELACIONADAS AO TEMPO
QUANDO?

Descrição do estado atual – trata de captar e registrar a situação


média numdeterminado intervalo cronológico.

Descrição da tendência histórica – através de uma série de descrições


momentâneas, colhidas em tempos consecutivos, visa mostrar a
dinâmica do processo e sua tendência no tempo.
DISTRIBUIÇÃO CRONOLÓGICA:
IMPORTÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

epidemia
caso
s

endemia doença esporádica


VARIÁVEIS RELACIONADAS AO
TEMPO (QUANDO?)
▪ Quando a doença ocorre:

✓ Frequentemente ou raramente?
ou
▪ A frequência atual é diferente da passada?
ENDEMIA
Trata-se da situação em que o número de casos de um
determinado agravo se mantém relativamente constante em
um espaço geográfico delimitado.
EPIDEMIA
✓ Ocorrência de uma determinada doença ou evento
relacionado com a saúde em excesso em relação ao
que seria esperado para uma determinada população.

✓ Caso ocorra uma doença em uma determinada


região que nunca tinha ocorrido, ou que não
ocorria há muitos anos, já poderia ser
considerado como epidemia.

Varíola, Tuberculose, Febre Amarela, Dengue.


Endemia x Epidemia
SURTO
Tipo de epidemia em que os casos se restringem a uma pequena área
geográfica e bem delimitada, ou a uma população institucionalizada
(creches, quartéis, prisões)

Surto EBOLA
PANDEMIA
• Trata-se de uma epidemia de grandes proporções, envolvendo extensas
áreas e um número elevado de pessoas. O termo é geralmente
empregado quando a doença atinge mais de um continente

GRIPE A 2009
Casos confirmados
Gripe espanhola - 1918 (H1N1) Em 1918, durante a I Guerra Mundial, a gripe espanhola matou
perto de 40 milhões de pessoas, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Além da
Europa, a gripe espanhola atingiu regiões tão longínquas como o Alasca, a Austrália, a China, a
África do Sul ou o Norte da Noruega.

Gripe asiática - 1957-1958 (H2N2) Com origem no Sudeste da China, a "gripe asiática", de 1957-
1958, provocou cerca de um milhão de mortos. Segundo a OMS, perto de metade da população
foi afectada.
Gripe de Hong Kong - 1968-1969 (H3N2) Transmitida por aves, esta gripe matou cerca de um
milhão de pessoas em todo o mundo. Nas duas primeiras semanas, foram reportados meio milhão
de casos em Hong Kong.
SARS – 2003 A Síndrome Respiratória Aguda Severa (SARS) foi detectada na Ásia em 2003.
Foram registados cerca de 8.000 casos e 800 mortos.

H1N1 – 2009 – 2016 MS divulgou o número total de casos de influenza em 2016. O H1N1 matou
1.982 pessoas e foram feitas 10.625 notificações. O balanço quase alcançou os números de
2009, quando o H1N1 se tornou uma pandemia e matou 2.060 brasileiros. Naquele ano, a vacina
ainda estava em desenvolvimento.

CORONAVÍRUS – 2019 **
Emergência de Saúde Pública de
Importância Internacional
• 25 de abril de 2009: pandemia de H1N1

• 5 de maio de 2014: disseminação internacional de poliovírus

• 8 agosto de 2014: surto de Ebola na África Ocidental

• 1 de fevereiro de 2016: vírus zika e aumento de casos de microcefalia e outras malformações

congênitas

• 18 maio de 2018: surto de ebola na República Democrática do Congo

• 30 de janeiro de 2020: a OMS declarou que o surto do novo coronavírus constitui uma Emergência

de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) – o mais alto nível de alerta da Organização,

conforme previsto no Regulamento Sanitário Internacional (Essa decisão buscou aprimorar a

coordenação, a cooperação e a solidariedade global para interromper a propagação do vírus.


Histórico da pandemia de COVID-19
• Em 31 de dezembro de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi alertada sobre
vários casos de pneumonia na cidade de Wuhan, na República Popular da China. Tratava-se de uma
nova cepa (tipo) de coronavírus que não havia sido identificada antes em seres humanos.
• 7 de janeiro de 2020, as autoridades chinesas confirmaram que haviam identificado um novo
tipo de coronavírus. Os coronavírus estão por toda parte. Eles são a segunda principal causa de
resfriado comum (após rinovírus) e, até as últimas décadas, raramente causavam doenças mais
graves em humanos do que o resfriado comum.
• 11 de fevereiro de 2020, recebeu o nome de SARS-CoV-2. Esse novo coronavírus é
responsável por causar a doença COVID-19.
• https://covid19.who.int/
• https://covid.saude.gov.br/
Fonte Comum
• ↑ expressivo do n°. de
casos em curto período:
• A aglomeração de casos
é indicativa de
exposição simultânea,
sugerindo um único tipo
de agente.
• Quando a epidemia se
prolonga, deve ser
investigada a possibilidade
da continuidade de exposição
ao agente causal.
EPIDEMIA PROGRESSIVA (OU PROPAGADA)

• ↑ gradativo do número
de casos:
• A fonte de infecção não é
única, sendo representada
por exposições sucessivas.
• Doenças transmitidas por
contato direto e por meio
de vetores apresentam este
perfil.
• A partir do “caso primário”,
surgem os “casos
secundários” → se espalham
por ondas sucessivas, entre
indivíduos suscetíveis.
DISTRIBUIÇÃO CRONOLÓGICA: IMPORTÂNCIA
EPIDEMIOLÓGICA

Principais fatores que influenciam o andamento de uma epidemia.

Período de incubação

Infectividade do agente

Proporção de suscetíveis na população

Densidade da população
Medidas no caso de epidemia

● Imunização em massa;

● Remoção de lotes de alimentos;

● Profilaxia a contactantes;

● Isolamentos.
CONSIDERAÇÕES

• Para uma doença permanecer


endêmica numa comunidade, há a
necessidade de uma fonte da qual
o agente tenha condições de
disseminar.

• Esta fonte pode ser o homem, os


animais, os vegetais ou o solo.

• É muito difícil erradicar uma


doença que tiver como fonte os
animais, os vegetais ou o solo.
DISTRIBUIÇÃO CRONOLÓGICA: IMPORTÂNCIA
EPIDEMIOLÓGICA

caso
s

semanas

Situação A – aumento fora do esperado, configura uma epidemia

Situação B – aumento não significativo de casos


AS VARIÁVEIS RELACIONADAS AO
ESPAÇO - ONDE?
Variáveis Geográficas Variáveis Geopolíticas Variáveis Político-
administrativas
ESPAÇO GEOGRÁFICO: Dados sistemáticos: As unidades administrativas
rugosidades, água correntes e recolhidos e publicados apresentam as seguintes
estanques, solo, clima, fauna e como rotina permanente características que interessam à
flora, ocupada modificada e pelos órgãos de saúde. tomada de decisões:
organizada por uma população Dados não-sistemáticos: 1. Dispõem de informações
socialmente estruturada, resultantes de inquéritos censitária;
acrescida da intervenção do ou estudos especialmente 2. Dispõem de dados sistemáticos
homem. delineados. referente aos casos e ao óbitos
registrados na área por eles
São os fatores: abrangidos;
1. Ambientais, 3. Dados sobre as unidades de
2. Populacionais/demográficos; saúde e pacientes atendidos em
3. Sociais hospital, em ambulatórios e em
campo.
AS VARIÁVEIS RELACIONADAS A
PESSOA - QUEM?
➢ Indicar os riscos que a população está
exposta.
➢ Infecciosa e não-infecciosa.

➢ Acompanhar a disseminação dos


agravos à saúde

➢ Fornecer subsídios para explicações


causais: esquimós x doença
coronariana.

➢ Definir as prioridades de intervenção.


➢ Coeficiente de mortalidade.
TIPOS DE VARIÁVEIS

Ex: sexo; tipo de parto (normal vs.


Dicotômicas cesárea); doença (sim vs. não)
ou binárias
Qualitativas
Ex: estado civil; tipo sanguíneo; cor
ou Nominais da pele; religião;
Categóricas
Ordinais
Ex: classe social; estadiamento;
autopercepção de saúde (ruim,
Variáveis regular, boa),

Discretas Ex: número de filhos; número de


Quantitativas (Números cigarros por dia (contagens);
ou numéricas inteiros)

Contínuas Ex: peso; altura; pressão arterial;


SEXO IDADE ETNIA
• Mulher vive de 4 a 10 anos • Desnutrição e infecção: • Raça ou cor.
a mais que os homens. • Acidentes: • Falciforme e o
• Homem: coronariopatia, • Doenças crônico- melanoma.
neoplasia, , ulceras, degenerativas. • Homogeneidade.
cirrose , gota. • Doenças • Heterogeneidade.
• Mulher: adoece mais com cardiovasculares.
numero maior de consultas • Doenças genéticas.
em P.S.
• Mulher: câncer de mama e
de útero. Gravidez deixa
suscetível a doença. HAS
e ITU. ACO.
ESTUDOS ECOLÓGICOS
● Avaliam as características sócio-econômicas, ambientais,
demográficas e de estilo de vida.
● Dados individuais: tabagista
● Ambientais: temperatura
● Medidas globais
Secretaria de Estado da Saúde - SP
http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/gestor/
Filme: e a vida continua...
https://youtu.be/LpTQyL9AZpY
Referências Bibliográficas
• PEREIRA MG. Epidemiologia: teoria e prática. 12. ed. Cap.3 . Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.
• ALMEIDA FILHO, NAOMAR DE. Epidemiologia & Saúde: fundamentos,
métodos, aplicações / Naomar de Almeida Filho, Mauricio Lima
Barreto. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.
• ALMEIDA FILHO, NAOMAR DE. Epidemiologia & Saúde: fundamentos,
métodos, aplicações / Naomar de Almeida Filho, Mauricio Lima
Barreto. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.
• ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. 8ª. ed. Rio de Janeiro:
Medbook, 2018, 752p.

Você também pode gostar