Você está na página 1de 6

MAGISTÉRIO – EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

IINICIAIS

CURSO
SÉRIE 3° Magistério
DISCIPLINA F. T. M. do E. da Psicologia da Educação
ANO LETIVO 2022
PROFESSORA Isolde Kozowski
e-mail isoldekozowski@gmail.com
TELEFONE 42 984127580

Teoria de Piaget explicação sobre os níveis do desenvolvimento e os esquemas


assimilatórios na aprendizagem.
Estádios do desenvolvimento Estádio sensório motor (0 -2 anos)
Estádio pré-operatório (2 -7 anos)
Operações concretas (7 -11 anos)
Operações formais (12 -15/16 anos)

 Estádio sensório motor (0 -2 anos)


Este estádio baseia-se, principalmente, na experiência imediata através dos sentidos em
que há interação com o meio, esta é uma atividade prática. Na ausência de linguagem para
designar as experiências e assim recordar os acontecimentos e ideias, as crianças ficam
limitadas à experiência imediata, e assim veem e sentem o que está a acontecer, mas não
têm forma de categorizar a sua experiência.
1º nível (1º mês) Reflexos.
2ºnivel(1 -4 meses) Primeiras adaptações: adaptação da sucção e primeira
consciencialização corporal.
3º nível (4 -8 meses) Consciência das coisas: variação das oscilações; repetição de ações
para chamar a atenção; Consciência dos objetos.
4ºreflexo (8 -12 meses) Novas adaptações: ações intencionais
5ºnivel(12 -18 meses) Novos significados e experimentação ativa: curiosidade,
experimentação.
6ºnível (18 -24 meses) Imitação mais apurada inicio do pensamento simbólico e começam
a antecipar e a solucionar problemas.

 Estádio pré-operatório (2 -7 anos)


Este estádio do desenvolvimento cognitivo é caraterizado pelo crescente uso de
pensamento simbólico e da linguagem, ainda de forma pré lógica. A criança ganha
capacidade de criar símbolos que representam os objetos. Lidando assim mentalmente com
eles. Piaget considera que o estádio pré operatório é constituído por 2 períodos: A fase de
pensamento pré conceptual centrada na imaginação (2 -4) A fase do pensamento intuitivo
centrada na perceção dos dados sensoriais (prolonga-se dos 4 -7 anos).

 Operações concretas (7 -11 anos)

Para Piaget é neste estádio que se reorganiza verdadeiramente o pensamento. Como já


referi no estádio anterior às crianças são sonhadoras, muito imaginativas e criativas. É a
partir deste estádio (operações concretas) que começam a ver o mundo com mais realismo,
deixam de confundir o real com a fantasia. A criança adquire a capacidade de realizar
operações. Podemos definir operação como a ação interiorizada - realizada no pensamento,
componível - composta por várias ações.

 Operações formais (12 -15/16 anos)

 A criança amplia as capacidades das fases anteriores. As estruturas cognitivas da criança


alcançam o seu nível mais elevado de desenvolvimento. A representação permite á criança
uma abstração total, não se limitando mais á representação imediata. A criança é capaz de
pensar logicamente, formular hipóteses e buscar soluções sem depender mais da
observação.
Por vezes, as crianças observam os adultos ou outras crianças mais velhas quando estão a
resolver os problemas. Notam que o fazem de uma maneira diferente da sua, por meio de
regras que pertencem a outro estádio desenvolvimento e, por isso, sentem-se perdidas. ü
Mas este sentimento, que se deve à disparidade entre elas e os mais velhos na resolução
de problemas, tem os seus pontos benéficos. A criança procura então reduzir a distância q
ue a separa das outras, mais velhas e, por isso, aprende novas regras. Se a criança for
suficientemente madura imitará o modelo de ação usado pelos mais velhos e, por
consequência, iniciará a sua entrada no estádio seguinte.

Considerando insuficientes essas duas posições (subjetivismo e objetivismo) para


explicar o processo evolutivo da filogenia humana, Piaget formula o conceito de
epigénese, argumentando: "o conhecimento não procede nem da experiência única
dos objetos nem de uma programação inata pré-formada no sujeito, mas de
construções sucessivas com elaborações constantes de estruturas novas“.
• O modelo Piagetiano, trouxe grandes contribuições práticas importantes,
principalmente, ao campo da Educação.

• É uma teoria que pressupõe que os seres humanos passam por uma série de
mudanças ordenadas e previsíveis, tendo como base da sua teoria o interacionismo,
a ideia de construtivismo sequencial e os fatores que interferem no desenvolvimento.
• Nesta teoria, a criança é concebida como um ser dinâmico, que a todo momento
interage com a realidade, operando ativamente com objetos e pessoas. Essa
interação com o ambiente faz com que construa estruturas mentais e adquira
maneiras de fazê-las funcionar.

• A teoria de Piaget destaca-se de outras pelo seu carácter inovador e por introduzir
uma “terceira visão” representada pela linha interacionista. • Esta “terceira visão” é
uma tentativa de integrar as posições separadas de duas tendências teóricas que
permeiam a Psicologia em geral - o materialismo mecanicista e o idealismo - ambas
são marcadas pelo antagonismo inconciliável de seus postulados que separam de
forma estanque o físico e o psíquico.
Piaget formula o conceito de epigénese, argumentando: "o conhecimento não procede
nem da experiência única dos objetos nem de uma programação inata pré-formada no
sujeito, mas de construções sucessivas com elaborações constantes de estruturas
novas“.
• O modelo piagetiano, trouxe grandes contribuições práticas importantes,
principalmente, ao campo da Educação.
• A interação organismo-meio, acontece através de dois processos
simultâneos: a organização interna e a adaptação ao meio.
• Esta adaptação, definida por Piaget, ocorre através da assimilação e
acomodação, em que os esquemas de assimilação vão se modificando,
configurando os estágios de desenvolvimento.
A escola deve partir dos esquemas de assimilação da criança, propondo atividades
desafiadoras que provoquem sucessivas, desequilíbrios promovendo e a construção
do conhecimento. reequilibracoes descoberta e a  Para construir esse conhecimento,
as concepções infantis combinam -se às informações advindas do meio, na medida
em que o conhecimento não é concebido apenas como sendo descoberto
espontaneamente pela criança, nem transmitido de forma mecânica pelo meio exterior
ou pelos adultos, mas, como resultado de uma interação, na qual o sujeito é sempre
um elemento ativo, que procura ativamente compreender o mundo que o cerca, e que
busca resolver as interrogações que esse mundo provoca.
• Em suma, para Piaget, a construção do conhecimento ocorre quando
acontecem ações físicas ou mentais sobre objetos que, provocando o
desequilíbrio, resultam em assimilação ou, acomodação e assimilação dessas
ações e, assim, em construção de esquemas ou conhecimento. Em outras
palavras, uma vez que a criança não consegue assimilar o estímulo, ela tenta
fazer uma acomodação e após, uma assimilação o equilíbrio é, então,
alcançado. “Professor não é aquele que ensina, mas o que desperta no aluno a
vontade de aprender” Jean Piaget.
Piaget chama equilibrarão ao processo pelo qual o indivíduo refletindo e agindo
sobre um problema ou uma situação nova, incorpora os novos dados,
compreendendo -os e relacionando-os; organiza esses dados resolvendo o
problema ou a situação; transforma a sua inteligência como resultado das
ações realizadas; e fica disponível para a utilização das novas transformações
internas em ações futuras.
O conhecimento é um processo em que um sujeito constrói e reconstrói, graças
às sucessivas ações e equilibrações internas e externas, estruturas
compreensivas organizadas e organizadoras do indivíduo e do mundo.
A teoria da equilibrarão é o resultado de um processo de construção de
estruturas de ação e de reação, de pensamento e de conceitualização, de
autorregulação interna e externa que caracteriza a teoria de Piaget como
construtivismo estruturalista.
A autorregulação deriva da própria necessidade de adaptação aos problemas
sejam os derivados do meio físico, sejam os derivados da ação consciente e
reflexiva. A autorregulação funciona, no processo de equilibração, como «uma
sequência de compensações ativas do sujeito em resposta às perturbações
externas » .
O processo de equilibração é, portanto, a ação estruturante e organizadora do
sujeito que vai aperfeiçoando cada vez mais as suas estruturas graças à
interação entre pensamento ou comportamento inteligente e natureza ou
realidade externa ao sujeito graças à interação concertada de quatro fatores de
desenvolvimento, a saber:
 O amadurecimento biológico; 2. O papel do exercício e da experiência
adquirida na ação efetuada sobre os objetos ou como resultado da
interiorização reflexiva das ações, por experiência lógico matemática; 3. As
interações e transmissões sociais; 4. A equilibração, processo pelo qual se
organizam estes três fatores constituindo uma forma de adaptação.
Logo, em todo o processo de aprendizagem, estabelecem estes como que
quatro fatores pré-condições comportais constituintes da individualidade de
cada aluno, estabelecendo, por isso, a sua diferenciação em relação aos outros
pelas suas potencialidades genéticas, as experiências vividas e as interações
sociais.
Os fatores variantes são representados pelo conceito de esquema que constitui
a unidade básica de pensamento e ação estrutural do modelo piagetiano,
sendo um elemento que se transforma no processo de interação com o meio,
visando à adaptação do indivíduo ao real que o circunda.
Com isso, a teoria psicogenética deixa à mostra que a inteligência não é
herdada, mas sim que ela é construída no processo interativo entre o homem e
o meio ambiente (físico e social) em que ele estiver inserido.
Os fatores invariantes funcionais são: «a tendência para a organização» ;
«tendência para a adaptação» A organização refere-se à tendência que tem
todo o organismo para sistematizar ou organizar os seus processos em
sistemas coerentes, sejam eles físicos ou psicológicos, isto é, a tendência para
integrar as suas estruturas num todo complexo de nível superior. Trata-se de
uma dinâmica interna, com características próprias que lhe advêm do seu
carácter de sistema. Todo o organismo é um sistema, uma organização e tende
a manter essa organização» .

A teoria de Piaget cujas proposições nucleares dão conta de que a


compreensão do desenvolvimento humano equivale à compreensão de como
se dá o processo de constituição do pensamento lógico-formal, matemático. Tal
processo, que é explicado segundo o pressuposto de que existe uma
conjuntura de relações interdependentes entre o sujeito conhecedor e o objeto
a conhecer, envolve mecanismos complexos e intrincados que englobam
aspetos que se entrelaçam e se complementam, tais como: o processo de
maturação do organismo, a experiência com objetos, a vivência social e,
sobretudo, a equilibração do organismo ao meio.

Referencias
http: //www. unicamp. br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d 0000 5. htm • http: //www.
slideshare. net/drycaaa/piaget-8459773 • http: //www. slideshare. net/Jhon. max/jean-
piaget-5672692 • http: //www. slideshare. net/karlinhosrecife 1/a-
epistemologiagenetica-piaget

Você também pode gostar