Você está na página 1de 5

HISTÓRIA

TEMA: Territorialidades e juventudes.


SITUAÇÃO PROBLEMA: Quais fazeres sociais, políticos,
econômicos e tecnológicos, dos mais
simples aos mais complexos, tornam nossa sociedade
melhor?
OBJETOS DE CONHECIMENTO: Os valores construídos pela
cultura juvenil: as vanguardas
culturais e as novas concepções políticas.
ATIVIDADE EM SALA: formar grupos e elaborar uma
notícia ou um artigo de jornal sobre os movimentos de
juventude da década de 1960.

NOTÍCIA é um gênero textual jornalístico


OS MOVIMENTOS DE JUVENTUDE DA DÉCADA DE 1960

.
1º O que aconteceu? 4º Onde ocorreu?
2º Quem são os envolvidos? 5º Como se desenrolaram os
Qual é a relação entre as fatos?
juventudes do contexto e o 6º Por que ocorreu?
evento noticiado?
3º Quando ocorreu?
GRUPO 1- Movimento negro nos EUA Como foram as organizações e
as mobilizações dos negros pelos direitos civis e pelo fim da discriminação
racial , enfatizar como os jovens estavam envolvidos nessas
reivindicações, já que haviam distintas visões acerca dos métodos de
lutas, como o pacifismo do pastor batista Martin Luther King, com a
denominada “desobediência civil”12 , aos grupos mais radicais, como o
Partido dos Panteras Negras (Black Panther Party), os muçulmanos
negros norte-americanos liderados por Malcom X, que defendiam uma
“reação” às agressões, assim como os Black Power (Poder Negro).
GRUPO 2 - Manifestações contra Guerra do Vietnã O recorte é a
crítica dos jovens à Guerra do Vietnã (1959-1975), podem-se abordar
algumas das manifestações ocorridas, como as realizadas no Pentágono
e no Lincoln Memorial, em Washington, que os motivaram a
posicionarem-se politicamente exigindo o fim do conflito, ou mesmo não
obedecendo às convocações do alistamento. A temática está atrelada aos
movimentos de contracultura, como os hippies, que também participaram
dessas manifestações, com o “faça amor, não faça guerra”. Destaque que
os jovens de classe média passam a questionar os valores morais da
sociedade norte-americana, pelos quais se defendiam a tecnocracia e o
consumo do “modo de vida americano” (american way of life), propondo
uma “outra cultura”, alternativa, que combatia o racismo, o moralismo, o
individualismo, o esvaziamento da técnica e da sociedade massificada.
Para a produção da notícia, é importante explorar as concepções de
mundo dessa juventude, constituída na segunda metade da década de
1960, em São Francisco, que pretendia romper com a cultura ocidental e
teve na música uma crônica reveladora dessas rupturas. Nesse sentido,
o icônico festival de Woodstock, ocorrido em 1969 (e os artistas que dele
participaram como Jimmy Hendrix, Joan Baez, Joe Cocker, Janis Joplin,
dentre outros), pode ser representativo na compreensão da postura crítica
dos movimentos de contracultura nos EUA
GRUPO 3 - maio de 1968 Paris/França cabe a análise dos eventos de
maio de 1968, que teve seu epicentro em Paris. Os estudantes devem
refletir sobre o fato de que as demandas dos movimentos estudantis
ultrapassaram os questionamentos em relação ao sistema educacional
das universidades, provocando, com o apoio de operários e
trabalhadores, uma greve geral que abalou o país e o governo do General
Charles de Gaulle, que estava no poder desde 1958, após a guerra de
independência da Argélia. Os estudantes devem identificar, nos princípios
dessa juventude, a crítica ao autoritarismo, como na frase que se tornou
slogan dos eventos – Il est interdit d'interdire! (É proibido proibir) e à
guerra, rompendo com valores estabelecidos a fim de buscar a
democratização de direitos, assim como a defesa das liberdades
individuais ou coletivas, criticando tanto os princípios capitalistas e liberais
como os socialistas, representados pela Guerra Fria. A despeito das
críticas sobre a memória construída de maio de 1968, acerca da
“mitificação” de seus eventos, é importante que os estudantes
estabeleçam relações e compreendam o papel desses jovens no
contexto, que não deve ser desconsiderado ou anulado.

GRUPO 4 - Primavera de Praga – Tchecoslováquia o maio de 1968 na


Tchecoslováquia, desdobramento da chamada “Primavera de Praga”.
Apesar do alinhamento político do país ao bloco socialista (URSS), as
reformas propostas e referendadas pelo secretário-geral do Partido
Comunista tcheco, Alexander Dubcek, de um socialismo com ampla
democracia, que permitia a liberdade de imprensa, de culto religioso,
assim como a formação de novos partidos políticos, não agradaram os
dirigentes soviéticos e, em agosto de 1968, a capital da Tchecoslováquia
é ocupada por tropas da URSS. Diante dos desdobramentos políticos, a
população, principalmente os jovens, realizaram uma série de protestos e
confrontos
GRUPO 5 Massacre de Tlatelolco no México, em outubro de 1968, na
Praça das Três Culturas, na cidade do México. No ano das Olimpíadas
no país, desde meados de agosto, os estudantes mexicanos,
influenciados pelos movimentos de juventude na França e nos EUA,
organizaram passeatas criticando ações do governo de Gustavo Díaz
Ordaz, que reprimiu com violência, incluindo a intervenção na
Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM). Na marcha de
protesto contra a ocupação da universidade pelos militares, tropas do
governo dispararam contra estudantes, trabalhadores que o apoiaram. O
número de mortos e feridos foi calculado entre 150 e 500 pessoas.
GRUPO 6 Festivais de Música Popular Brasileira e o Tropicalismo
Pode abordar o papel da música brasileira, dos Festivais da Canção e do
tropicalismo durante o contexto da ditadura civil-militar no Brasil a partir
de 1964, principalmente em relação aos debates culturais do período, que
amalgamava a modernidade da sociedade de consumo às tradições
brasileiras, como já haviam feito os modernistas com a antropofagia de
1922. Os tropicalistas pretendiam superar as polarizações entre a cultura
“engajada”, pautada na transformação social e na ideia de revolução, e a
de massa produzida pela indústria cultural.
GRUPO 7 Passeata dos cem mil no Brasil A passeata dos Cem Mil,
promovida pelo movimento estudantil em junho de 1968, que protestava
contra as violências praticadas pelo regime ditatorial, que meses depois
instituiu o Ato Institucional nº 5. Retome a temática já abordada no 9º ano
do Ensino Fundamental, sobre a morte do estudante secundarista Edson
Luís Lima Souto, que desencadeou uma série de manifestações e
protestos – incluindo a passeata dos Cem Mil.
Grupo 1 - Movimento negro nos EUA: Martin Luther Grupo 4 - Primavera de Praga – Tchecoslováquia
King, Malcom X, Panteras Negras e Black Power

Grupo 2 - Manifestações contra Guerra do Vietnã Grupo 5 - Massacre de Tlatelolco - México


(1959 – 1975) e Movimento de contracultura: os hippies

Grupo 3 - maio de 1968 – Paris/França Grupo 6 - Festivais de Música Popular Brasileira e o


Tropicalismo

Grupo 7 - Passeata dos cem mil no Brasil – 1968


Grupo 1 - Movimento negro nos EUA: Martin Luther Grupo 4 - Primavera de Praga – Tchecoslováquia
King, Malcom X, Panteras Negras e Black Power

Grupo 2 - Manifestações contra Guerra do Vietnã Grupo 5 - Massacre de Tlatelolco - México


(1959 – 1975) e Movimento de contracultura: os hippies

Grupo 3 - maio de 1968 – Paris/França Grupo 6 - Festivais de Música Popular Brasileira e o


Tropicalismo

Grupo 7 - Passeata dos cem mil no Brasil – 1968

Você também pode gostar