Você está na página 1de 2

Caso Clínico 01.

Paciente V.S.B, 25 anos, sexo feminino, atleta de alto rendimento de ginastica artística,
compareceu à clínica para atendimento fisioterapêutico relatando dores há mais de 1 mês em
região lombar que muitas vezes irradia para MIE, relata piora ao iniciar os treinos físicos e
técnicos, e também nos momentos de aterrisagem no solo para finalização da sequência de
movimento (EVA 7), apresentando melhora do quadro dar após repouso. Não realizou
qualquer tipo de intervenção para melhoria da dor.

Rotina de treino:

Segunda à sábado- treino técnico 3 x dia.

Segunda à sexta- treino físico específico 1 x dia.

Exame de imagem:

a-) Qual o possível diagnóstico?


*Espondilólise sem presença de escorregamento do corpo vertebral.

b-) Explique o mecanismo de lesão.


*O mecanismo de lesão mais comum é a hiperextensão em geral causada pelo impacto contra
o solo na saída dos aparelhos ou mesmo finalizações dos saltos, também podemos citar
mecanismos de torções durante os exercícios, tais como movimentos em parafuso, além
destes podemos citar hiperlordose e desequilíbrio muscular associados.

c-) Elabore um plano de TTO a curto prazo.

*TTO a curto prazo para espondilólise sem escorregamento com sintomas agudos:
Objetivos:
1- Reduzir quadro álgico em região lombar.
2- Manter condicionamento cardiovascular.
3- Manter ADM global.
4- Aumentar força muscular de estabilizadores de tronco.

Condutas:
1- Recursos de eletrotermofototerapia (TENS, corrente interferêncial, US etc)
Ex: TENS burst – frêq 1 a 2 hz , pulso 100us a 200us, tempo: 30 a 40 min.
Interferêncial – portadora 4000, AMF 25 a 75hz, F 50%, Slope 1:1, quadrático, tempo:
30 min.
US contínuo 1Mhz, 0,8 a 1,2 W/ cm², tempo: determinar pelo tamanho da esfera.

2- Adaptação de atividade para manutenção cardiovascular com redução de impactos.


Ex: 40 a 50 minutos bicicleta ergométrica com variação de intensidade.
30 a 40 minutos exercícios resistidos adaptados em meio aquático (variação de corrida
estacionária/ corrida com resistência elástica + associação de MMSS).
3- Exercícios de energia muscular para MMII (flexores, extensores, RI, RE, adutores e
abdutores de quadril) sendo 3 séries de 3 repetições com 4 seg contração + 4 seg
relaxamento.
Exercícios ativos para mobilidade escapula em DD com deslizamento de MMSS em
plano escapular – 3 séries de 10 repetições
Exercícios ativos para mobilidade escapulotorácica em DL, flexão de quadril + flexão de
joelhos, ombros em flexão 90º seguidos de movimentos de circundução unilateral da
art. Glenoumeral dentro da ADM permitida, mantendo a lombar estabilizada- 3 séries
de 10 repetições.
4- Exercícios isométricos para fortalecimento do CORE:
Prancha pilar sendo 2 séries de 1 minuto unilaterais.
Prancha com braços em flexão + abdução de MMII sendo 2 séries de 10 repetições
unilaterais.
Prancha lateral sendo 2 séries de 1 minutos unilaterais.
Dead bug sendo 2 séries de 12 repetições unilaterais.

Você também pode gostar