Você está na página 1de 20

O ciclo de vida do

desenvolvimento de Sistemas
Odibar João Lampeão 2014 - UFPE
Introdução
 As organizações devem aprender a construir e implementar
sistemas para se manterem competitivas
 Software que é construído corretamente pode apoiar as
organizações ágeis e pode transformar como a organização
desenvolve seus negócios
 Software que efetivamente atenda às necessidades dos funcionários
vai ajudar uma organização a se tornar mais produtiva e melhorar a
tomada de decisão
 Software que não atende as necessidades dos empregados podem
ter um efeito negativo sobre a produtividade e pode até levar um
negócio ao fracasso
 O envolvimento dos trabalhadores, juntamente com o uso da
metodologia de implementação direito ao desenvolver software é
fundamental para o sucesso de uma organização.
Appendix (2013)
O custo no desenvolvimento de
sistemas

Appendix (2013: 16)


Ciclo de vida de sistemas
 Conceitos
◦ “O ciclo de vida de um software designa todas as etapas do
desenvolvimento de um software, da sua conceção ao seu
desaparecimento. O objetivo de tal segmentação é definir balizas
intermédias que permitem a validação do desenvolvimento do software,
isto é, a conformidade do software com as necessidades exprimidas, e a
verificação do processo de desenvolvimento, quer dizer, a adequação dos
métodos aplicados” Kioskea (2014)
◦ “O ciclo de vida de desenvolvimento de sistemas (SDLC) é um modelo
conceitual utilizado no gerenciamento de projetos, que descreve as etapas
envolvidas em um projeto de desenvolvimento de sistema de informação, a
partir de um estudo inicial de viabilidade através de manutenção da
aplicação concluída” Rouse (2009)
◦ “O ciclo de vida de desenvolvimento de sistemas ( SDLC ) é o processo
global para o desenvolvimento de sistemas de informação de planejamento
e análise, através da implementação e manutenção” Appendix (2013)*
*Stair & Reynolds (2012)
Atividades típicas do desenvolvimento
de sistemas (Bezerra, 2002)
1. Levantamento de requisitos (compreensão do
problema) funcionais e não funcionais
◦ Todo desenvolvimento de SI pode ser caracterizado
como um ciclo de solução de problema.
◦ Alinhamento de visões
Definição do
Problema

Situação Desenvolvimento
Atual técnico

Integração da
solução Adaptado de Pressman (2006),
Apud Massa (2009)
Atividades típicas do
desenvolvimento de sistemas
2. Analise dos requisitos
◦ Entender em partes
◦ Especificação dos requisitos
◦ Validação dos modelos
◦ Verificação dos modelos em função dos requisitos
3. Projeto
◦ Como o sistema funcionará para atender os
requisitos de acordo com os recursos tecnológicos
existentes
◦ Descrição computacional do que se quer
Atividades típicas do
desenvolvimento de sistemas
4. Implementação
◦ Passagem da descrição computacional em
linguagem de programação
5. Teste
◦ Verificação do sistema construído e produção
de relatórios de testes com os possíveis erros
6. Implantação
◦ Empacotamento, distribuição e instalação do
sistema no ambiente do usuário
Componente Humana
 Gerentes do Projeto - coordenação das actividades de
desenvolvimento
 Analistas - domínio do negócio/Requisitos do sistema
 Projetistas - que gera especificações de solução
computacional
 Arquitetos de software - desenvolvedor do sistema e
toma decisões globais
 Programadores - responsável pela implementação do
sistema
 Clientes - usuário/contratante
 Avaliadores de qualidade – avaliação do desempenho e
confiabilidade
Modelos de Ciclo de Vida
1. Modelo de ciclo de vida em cascata - sequencial
(Ângelo, 2009)
◦ Modelagem do Sistema: onde são estabelecidos os requisitos do
sistema ao qual o software está sendo realizado, incluindo os
requisitos de informação e de negócios;
◦ Análise de requisitos: onde são modelados os requisitos de
informação, funcionais, comportamentais, de desempenho e de
interface do software;
◦ Projeto: onde são planejadas as estruturas de dados, a arquitetura
do sistema e o comportamento é mapeado em procedimentos;
◦ Codificação: onde o projeto é transformado em uma linguagem
compreendida pelo computador;
◦ Testes: onde verificamos e validamos o software;
◦ Manutenção: onde garantimos a usabilidade do software
Ciclo em cascata

Angelo (2009: 5)
Ciclo em cascata
 Problemas encontrados
◦ Projetos reais raramente seguem o fluxo que
o modelo propõe
◦ Difícil para o cliente estabelecer todos os
requisitos inicialmente
◦ O cliente precisa ter paciência, tempo
necessário para disponibilidade do software
Modelos de Ciclo de Vida
2. Modelo em Protótipo (Ângelo, 2009)

◦ No Modelo de Prototipagem (pura) o desenvolvedor


interage diretamente com o usuário, escutando seus
pedidos e desenvolvendo, imediatamente, um protótipo
do produto desejado. O usuário, então, utiliza esse
protótipo e fornece ao desenvolvedor novas
informações que o levam à atualizações do sistema,
adaptações e implementações no software, em tempo de
projeto e desenvolvimento
Modelo de prototipacao
Coleta de
requisitos

Engenharia Projeto
do produto rápido

Refinamento Construcao
do protótipo do Prototipo

Avaliacao do
prototipo

Adaptado de Massa (2009)


Modelo de prototipação

 Problemas encontrados
◦ Idealização do protótipo como “resolvedor” dos
problemas
◦ Conscientização do cliente, que ignora a função do
protótipo
◦ Concessões do desenvolvedor na implementação a
fim de conseguir rapidamente o sistema em
funcionamento
Modelos de Ciclo de Vida
3. Modelo incremental (evolucionário)
◦ Combina elementos do modelo cascata com a filosofia da
prototipagem
◦ Aplica sequencias lineares de forma racional à medida que o tempo
passa
◦ Cada sequencia produz um “incremento” factível do software
◦ Primeiro incremento – núcleo do produto
◦ Plano desenvolvido para os próximos incrementos
- Modificação do núcleo para satisfazer as necessidades do cliente
- Elaboração de características e funcionalidades adicionais
Modelo incremental

Massa (2009)
Modelos de Ciclo de Vida
4. Modelo em espiral (evolucionário)
 Abrange as melhores características tanto do
ciclo de cascata como prototipação
 Combina a natureza iterativa da prototipagem
com os aspectos controlados e sistemáticos do
modelo linear sequencial (cascata)
 Fornece potencial para o desenvolvimeto
rápido de versões incrementais do SI.
Modelo Espiral Angelo (2009: 7)

Quanto mais se caminha para fora do espiral, mais se caminha na direção do SI


concluído. Cada iteração do espiral representa uma versão progressivamente mais
completa do SI (Massa, 2009)
Referencias
 KIOSKEA. Ciclo de vida de um software. 2014. Disponível em
http://pt.kioskea.net/contents/225-ciclo-de-vida-de-um-software Acedido a 12 de
Março de 2014
 ROUSE, Margaret. What is systems development life cycle (SDLC)? 2009. Disponível
em http://searchsoftwarequality.techtarget.com/definition/systems-development-life-
cycle Acedido a 12 de Março de 2014
 APPENDIX. The Systems development life cycle basics. 2013. Disponível em
http://www.med.umich.edu/finance/FinancialSystems/files/pdf/SystemsDevelopmentLi
feCycle.pdf Acedido a 12 de Março de 2014
 BEZERRA, Eduardo. Princípios de analise e projeto de sistemas com UML. Rio de
Janeiro. 5ª Ed. Elsevier. 2002
 ÂNGELO, Luiz. Ciclo de vida de sistemas de informação. 2009. Disponível em
http://www.eteavare.com.br/arquivos/43_37.pdf Acedido a 11 de Março de 2014
 MASSA, Mónica de Sousa. Ciclo de vida de sistemas de informação. Disponível em
http://icaju.files.wordpress.com/2008/07/02-ciclo-de-vida-de-sistemas-de-
informacao.ppt. Acedido a 12 de Março de 2014
Obrigado!

Você também pode gostar