GESTÃO DA PRODUÇÃO

A Gestão da Produção está ligada à essência da vida empresarial, uma vez que estuda e fomenta o ato de criação de produtos e serviços. Gestão da Produção e Operações é o campo de estudo dos conceitos e técnicas aplicáveis à tomada de decisões na função de Produção (empresas industriais) ou Operações (empresas de serviços). Produção: voltada para as atividades industriais, de manufatura. Operações: refere-se às atividades desenvolvidas em empresas de serviços.

Desafio da Gestão da Produção: Em 2020 (previsão), nos EUA, 4% dos trabalhadores estarão produzindo todos os produtos físicos (tangíveis), inclusive agronegócios e 96% da população ativa estará envolvida na prestação de serviços (bens intangíveis). Página 1

Prof. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor.italo.br

GESTÃO DA PRODUÇÃO

A Gestão da Produção também é responsável diretamente por: • • • • • Entender os objetivos estratégicos da produção; Desenvolver uma estratégia de produção; Desenhar produtos, serviços e processos de produção; Planejar e controlar a produção; Melhorar continuamente o desempenho da produção.

Recursos a serem transformados (inputs): Materiais: as operações que processam materiais podem também transformar suas propriedades físicas (como forma, composição ou características). Ex.: mudança de localização, mudança de posse, estocagem de produtos. Informações: transformam suas propriedades informativas. Ex.: contadores, empresas de pesquisa de mercado e analistas financeiros. Consumidores: alguns processos mudam suas propriedades físicas e outras operam sob a prestação de serviços. Ex.: Hospital, salões de beleza, faculdades. Recursos de transformação (outputs): Instalações: prédios, equipamentos, terreno e tecnologia do processo de produção Pessoal: os que operam, mantêm, planejam e administram a produção. Outputs do processo de transformação: Em geral, a maioria das operações produz tanto produtos como serviços. Nesse sentido, é importante salientar que as organizações produzem, a todo instante, bens e serviços internos e externos. Sendo assim, todas as suas partes são operações. Suas diferenças são vistas de várias formas: Tangibilidade: em geral, os bens físicos são tangíveis. Já os serviços, geralmente, são intangíveis. Estocabilidade: Em função de sua tangibilidade, os bens também são estocáveis, pelo menos por algum tempo após sua produção. Entretanto, os serviços são não estocáveis. Graças aos estoques, as indústrias estão mais adaptadas à variação de demanda. Transportabilidade: bens podem ser transportáveis enquanto os serviços não.
Página 2

Prof. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor.italo.br

GESTÃO DA PRODUÇÃO

Simultaneidade: Os bens físicos são quase sempre produzidos antes de o consumidor recebê-los. Já o serviço da venda ocorre simultaneamente com seu consumo. Contato com o consumidor: em geral, os consumidores têm baixo contato com as operações que produzem os bens. Compra-se um carro mas não se vê como foi produzido. Já os serviços exigem um contato maior por causa da simultaneidade de seu consumo e produção. Qualidade: Não vendo o processo de produção dos bens, geralmente são julgados os produtos com base nos próprios bens. Atividades da Gestão da Produção: Os gerentes de produção e operações têm suas responsabilidades limitadas, podendo ser classificadas como sendo: • • • Responsabilidade direta por algumas atividades; Responsabilidade indireta por outras atividades; Responsabilidade ampla para reagir aos desafios emergentes.

Embora varie de organização para organização em função dos limites impostos, as responsabilidades diretas dos administradores de produção em geral, são: Entendimento dos objetivos estratégicos da produção: • • O que se está tentando atingir? Como deve ser sua contribuição para o atingimento dos resultados?

Significa também a tradução dos objetivos organizacionais em termos de implicações para os objetivos de desempenho da produção. • Desenvolvimento de uma estratégia de produção para a organização: definição de princípios direcionadores das decisões; envolve colocar a estratégia da produção na da organização e otimizar os recursos de produção em atendimento às necessidades do mercado. Projeto dos produtos, serviços e processos de produção: a participação no projeto do produto ou serviço a ser produzido auxilia a eficaz alocação de recursos das operações no projeto de rede a ser desenvolvido. Planejamento e controle da produção: decidir sobre o melhor emprego dos recursos de produção, assegurando, assim, a execução do que foi previsto.

Prof. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor.italo.br

Página 3

GESTÃO DA PRODUÇÃO

Melhoria do desempenho da produção: diminuição de falhas, retrabalhos e refugos e o fortalecimento da filosofia da qualidade total.

Indiretamente, o responsável pelas operações da empresa deve estar atento às atividades que se encontram fora da função produção, mas que afetam seus resultados. Uma campanha de marketing visando o aumento de vendas de um determinado produto deve ser antecipada por ações visando à capacitação da sua produção em atender ao novo volume de demanda. Assim, o contato com gestores de outras áreas e a participação em decisões da empresa influi decisivamente no ambiente da produção. Numa visão mais ampla, o administrador da produção deve se atentar para as movimentações que dizem respeito ao ambiente de atuação da empresa, que incluem desafios como: • • • • Globalização crescente (Ambev); Proteção ambiental (O Boticário); Responsabilidade social (Petrobrás); Consciência tecnológica (Montadoras)

Papel Estratégico e Objetivos da Produção Para entender o objetivo de qualquer departamento de produção, seu gestor deve responder a duas questões chave:  Que papel se espera que ela desempenhe dentro da empresa?  Quais os objetivos de desempenho específicos utilizados pela empresa para avaliar a contribuição da produção em sua estratégia? A título de contribuição para os resultados da empresa, a função Produção busca desempenhar papéis nos níveis: 1) Estratégico: decisões de alcance amplo envolvendo políticas corporativas, escolha de linhas de produtos, localização de novas unidades produtoras, centros de distribuição ou unidades de atendimento, projeto de processos de manufatura. Envolve necessariamente um horizonte de longo prazo e consequentemente altos graus de risco e incerteza; 2) Tático: envolve basicamente decisões sobre alocações e utilização de recursos. Envolve horizontes de médio prazo e moderado grau de risco; e

Prof. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor.italo.br

Página 4

 Como impulsionadora. mantendo-se voltada para dentro ou.br Página 5 . Estágio 2 – Neutralidade externa = Quando começa a comparar-se com outras similares buscando melhorar seu desempenho. a função produção tem que justificar sua importância estratégica para a empresa através dos seguintes papéis:  Como implementadora dessa estratégia. no máximo. reagindo às mudanças internas ou externas. Estágio 3 – Apoio interno = Está no mesmo nível das melhores do mercado com aspirações de ser a melhor. já ligando estratégia e produção.  Como apoio. José Salvador de Abreu – jose. tornando-se uma empresa “virtual”. Modelo de quatro estágios: Estágio 1 – Neutralidade interna = Contribui pouco para o sucesso competitivo da empresa. Está à frente das outras empresas similares.GESTÃO DA PRODUÇÃO 3) Operacional: o ambiente da tomada de decisão tem lugar nas operações produtivas. os grupos de interesse que influenciam as suas atividades. OBJETIVOS DE DESEMPENHO DA PRODUÇÃO No nível estratégico. É criativa e proativa. Estágio 4 – Apoio externo = Quando a função produção é a provedora da base para o sucesso competitivo da empresa. A empresa tem a opção de terceirizar a produção de seus serviços e bens. Para isso.italo.salvador@professor. Ainda corrigindo erros graves em suas operações. envolvendo curtos horizontes de tempo e riscos relativamente menores. E esses papéis seriam o objetivo principal de sua existência. a classificação mais útil dos objetivos de desempenho da produção que qualquer operação possa perseguir pode ser obtida identificando-se os stakeholders da operação. Prof. São cinco os objetivos de desempenho mais amplos que as operações produtivas necessitam perseguir para satisfazer a seus stakeholders e que formam o pano de fundo para todo o processo decisório da produção.

salvador@professor. Confiabilidade – cumprir prazos = A confiabilidade economiza tempo que geralmente é gasto com procedimentos de emergência. dá estabilidade. economiza tempo. Flexibilidade – capacidade de mudar o que se faz = Aplica-se. Prof. mix de produtos. Na operação interna.entregar no tempo certo = A rapidez enriquece a oferta. volume e entrega. agiliza a resposta. José Salvador de Abreu – jose. Quanto mais rápido estiverem disponíveis para o consumidor. economiza dinheiro uma vez que o uso ineficaz de tempo será transformado em custo operacional extra. mais provável é que este venha a comprá-los.italo.GESTÃO DA PRODUÇÃO Qualidade .br Página 6 . geralmente. e mantém a confiabilidade.fazer certo as coisas = A qualidade reduz custos e aumenta a confiabilidade do produto. Rapidez reduz estoques internos tornando as operações mais enxutas e o risco de estoques de produtos acabados acima da média de giro normal ou ideal menor. previsibilidade. a produtos e serviços. Rapidez .

Isso ajuda a produção a decidir como quer influenciar a forma geral de sua rede. em outra é o número de funcionários. em custos de funcionários.GESTÃO DA PRODUÇÃO Custo – proporciona competitividade e deixa margem = Ganha-se dinheiro. tecnologia e equipamentos e materiais. PROJETO DA REDE DE OPERAÇÕES PRODUTIVAS Nenhuma operação produtiva. ou parte dela. É altamente afetada pelos outros objetivos de desempenho. Essa rede inclui fornecedores dos fornecedores e clientes dos clientes e assim por diante. geralmente. Varia os ganhos de organização para organização. interconectada com outras operações.italo. Em nível estratégico.salvador@professor. Todas as operações fazem parte de uma rede maior. Por que considerar toda a rede? Ajuda a empresa a compreender como pode competir mais efetivamente IMPORTÂNCIA DA LOCALIZAÇÃO Prof.br Página 7 . onde numa a tecnologia é o carro chefe. os gerentes de produção estão envolvidos em “projetar” a forma e a configuração da rede na qual a operação está inserida. existe isoladamente. José Salvador de Abreu – jose. a localização de cada operação produtiva e como administrar sua capacidade geral dentro da rede. instalações.

Água: muitas indústrias precisam de grande quantidade de água.italo. José Salvador de Abreu – jose. como por exemplo: • • • Criação de uma nova empresa Ampliação da área de atuação com uma nova instalação Mudança do local de instalação atual IMPORTÂNCIA DA DECISÃO DE LOCALIZAÇÃO  Trata-se de uma decisão de longo prazo  Envolve elevado investimento  Tem impacto direto nos custos da operação FATORES QUE INFLUENCIAM NA DECISÃO DE LOCALIZAÇÃO Disponibilidade de matéria-prima: a proximidade das fontes de matéria prima pode ser condição essencial. e localização dos mercados consumidores. como para o funcionamento de seus processos. os seguintes fatores: • • • • disponibilidade de recursos e facilidade de obtenção de matéria prima.GESTÃO DA PRODUÇÃO O estudo das possíveis alternativas de localização é essencial para a tomada de decisão consistente sobre a posição geográfica de uma operação. A necessidade de definição de um local adequado para novas instalações pode decorrer de vários motivos. empresas que utilizam matéria prima perecível também optam por localizar-se próximo à sua fonte de abastecimento. perecível ou difícil de ser transportada. Este estudo leva em consideração. Prof.salvador@professor. infra-estrutura do local.br Página 8 . quando a matéria-prima é volumosa e de baixo valor. Energia elétrica: a oferta de energia elétrica e a garantia de sua disponibilidade para ampliações é um fator que se tornou mais relevante para as empresas que dependem muito deste insumo.  Empresas de processamento de minérios ferrosos é um exemplo de indústria que utiliza matéria prima volumosa e de baixo valor. disponibilidade de mão-de-obra. tanto como matéria-prima de seus produtos. por exemplo.  A garantia de disponibilidade de energia elétrica a preços competitivos pode representar fator decisivo para as indústrias que exigem grande quantidade de energia elétrica em seu processo produtivo.  Para evitar que ocorra deterioração no transporte. da extração eletrolítica do alumínio. como é o caso. basicamente.

indústrias de alimentos.GESTÃO DA PRODUÇÃO  Fábricas de papel e celulose. bebidas e refrigerantes representam alguns exemplos de empresas que necessitam de grandes quantidades de água.salvador@professor.br Página 9 . realizam obras de pavimentação nos arredores ou providenciam outras benfeitorias. por exemplo. Localização dos mercados consumidores: os custos operacionais de transporte estão ligados à localização das fontes de suprimentos e à localização dos mercados consumidores.  Não são raros os casos em que prefeituras doam terrenos. em relação à localização do próprio empreendimento. Qualidade de vida e serviços essenciais: é importante levar em consideração a qualidade de vida existente no local candidato às novas instalações. e/ou proporcionam isenção de impostos municipais por determinado período.italo. refinarias de açúcar e álcool. PRODUÇÃO NA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Prof. Mão-de-obra: as principais considerações sobre mão-de-obra dizem respeito ao valor do piso salarial praticado na região à disponibilidade de profissionais qualificados e ao poder dos sindicatos com quem a empresa precisará negociar. é fundamental levantar o interesse da administração local. Os custos adicionais com vigilância e o risco ao patrimônio da empresa e a integridade física dos seus funcionários não devem deixar de ser considerados. Por isso. estados e municípios empreendem verdadeiras batalhas entre si de modo a atrair para si a instalação de novas empresas potenciais geradoras de emprego e futuras receitas fiscais na região. José Salvador de Abreu – jose. indústrias de perfumaria.  Determinados locais impossibilitam a realização de um segundo turno de trabalho por falta de transporte ou de segurança em horários noturnos. Facilidades e incentivos fiscais: no Brasil.

uma postura de mediador. Em outras palavras: “após definir onde queremos chegar. Em inúmeras situações não é possível agradar a todos. planejar e administrar a produção. representado pela tecnologia do processo de produção e a necessidade do domínio da técnica (know-how). Por meio de planos. equipamentos. a autoridade e os recursos aos membros da organização. máquinas. fazem parte do processo de produção. geralmente incluem: • • • Instalações. Controlar = Qualquer pessoa que administra uma organização deve verificar sempre se as coisas estão saindo de acordo os objetivos inicialmente planejados. A FUNÇÃO PRODUÇÃO Recursos transformadores: são aqueles que agem sobre os recursos a serem transformados. Conhecimento. Prof. exigindo que o líder assuma em muitos casos. manter. José Salvador de Abreu – jose. ou seja. é preciso organizar as coisas de modo a conseguir chegar lá”. ou seja. os prédios. Liderar = Quem administra a organização deve influenciar e motivar os seus membros para que possam dar o melhor de si. mas não sofrem transformações diretamente. terreno etc. Funcionários para operar. criando um mecanismo para que o que foi planejado seja posto em andamento. Os recursos transformadores. os administradores identificam com mais exatidão o que a organização precisa fazer para ser bem sucedida. Organizar = Organizar é o processo de designar o trabalho.salvador@professor.GESTÃO DA PRODUÇÃO Planejar = É preciso pensar e estabelecer os objetivos e ações que devem ser executados com a maior antecedência possível. O interesse geral deve prevalecer. apenas permitem que a transformação aconteça.italo. Eles atuam de forma “catalisadora”.br Página 10 .

José Salvador de Abreu – jose. Geralmente são um composto de: • • • matérias-primas e componentes.salvador@professor. Informações acessórios PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO o Vivemos em uma sociedade de organizações o Na prática as organizações existem para produzir algo para a sociedade o Objetivo das organizações é a produção Tipo de Produção  Primárias: desenvolvem atividades extrativas  Secundárias: desenvolvem atividades transformação  Terciárias: desenvolvem serviços Prof.br Página 11 .italo.GESTÃO DA PRODUÇÃO Recursos a serem transformados: são aqueles que serão convertidos por meio de um processo de produção.

Tecnologia sequência das operações intensiva. Mão de obra intensiva e barata. Forte especializadas e previsibilidade dos padronizadas. Artesanato. Pouca previsibilidade dos resultados e incerteza quanto a sequência das operações Produção em quantidade conforme cada lote.italo. Mão de obra intensiva e especializada Máquinas agrupadas em baterias do mesmo tipo (seções ou departamentos).salvador@professor. Certeza absoluta quanto a automação.GESTÃO DA PRODUÇÃO Sistemas de Produção Tecnologia Utilizada Habilidade manual ou operação de ferramentas.PLANEJAMENTO E CONTROLE Visa aumentar a eficiência e eficácia da empresa Prof.br Página 12 . utilizada com regularidade Resultado da Produção Produção em unidades. dispostas linearmente. PCP. José Salvador de Abreu – jose. Pouca padronização e automatização. Razoável previsibilidade dos resultados. Padronização e resultados. Certeza quanto à sequência das operações Produção por encomenda Produção em Lotes Produção Contínua Produção em grande Através de máquinas quantidade.

br Página 13 .italo. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor.GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof.

italo. Procedimentos de requisição de MP.salvador@professor.GESTÃO DA PRODUÇÃO Projeto de Produção Características das Máquinas Detalhamento Capacidade de produção de cada máquina. Horários de trabalho Itens de matérias-primas e volumes de estoque para cada item. Movimentação de MP e seus gargalos e demoras Tamanho ideal de lote de produção para proporcionar maximização de resultados e minimização de custos de MP e PA Efetivo de Pessoal Estoque de Matéria Prima Características do Produto / Serviço Boletim de Operações Lote econômico de Produção PLANO DE PRODUÇÃO • • • • Previsão de Vendas Capacidade de Produção Disponibilidade de MP Recursos Financeiros Subfatores que determinam a capacidade de produção Prof.br Página 14 . Composição produto/serviço e lista de materiais (gráficos de explosão) utilizados Sequência e cadência do processo produtivo. José Salvador de Abreu – jose. Controle de estoque. de cada bateria e de cada seção produtiva Quantidade de empregados por cargo e por seção produtiva.

GESTÃO DA PRODUÇÃO Elaboração do Plano de Produção PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Detalhar a produção para a Execução .br Página 15 .salvador@professor.italo. José Salvador de Abreu – jose.) Requisição de Materiais (RM): Comunicação que solicita MP ou materiais ao almoxarifado SISTEMA DE PEDIDOS Prof.Objetivos       Coordenar e integrar todas as unidades envolvidas Garantir a entrega dos Produtos Acabados Garantir disponibilidade de MP Distribuir carga de trabalho Evitar gargalos Aproveitar ao máximo a capacidade instalada ORDENS • • • • • Ordem de Produção (OP): é comunicação da decisão de produção Ordem de Montagem (OM): corresponde a OP Ordem de Compra (OC): Decisão da compra de MP Ordem de Serviço (OS): Decisão de prestação de serviços internos (manutenção.. reparos.

Encomenda.GESTÃO DA PRODUÇÃO Sistemas de emissão de ordens Sistema do Produto Sistema de Carga Sistema Estoque mínimo Sistema Estoque-base Sistema Período padrão Sistema de lotes de Componentes Sistema do lote-padrão Principais Características: Ideal para prod. Mais fácil de controlar Atenção voltada para a carga de trabalho da máquina ou seção Fácil de implantar. Atenção voltada para o produto. Atenção para quantidade padrão de cada lote de componente Atenção voltada para a quantidade padrão de PA CONTROLE DA PRODUÇÃO • • • • Guiar as atividades da empresa Sempre alguma coisa sai diferente daquilo para o qual foi planejada Correção de falhas ou erros Prevenção de novas falhas ou erros Prof. Atenção voltada para o nível mínimo de estoque disponível Atenção voltada para o nível mínimo e contínuo de estoque disponível Atenção voltada para o período Ideal para prod em lotes. José Salvador de Abreu – jose.br Página 16 .salvador@professor.italo.

salvador@professor.GESTÃO DA PRODUÇÃO MÉTODOS DE CONTROLE • • • • Controle Visual: mais utilizado Controle Total: controla todos os itens Controle por Amostragem: parcial. José Salvador de Abreu – jose. sobre erros ou falhas DETALHANDO A GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof.italo.br Página 17 . amostras escolhidas ao acaso Controle por exceção: sobre desvios ou discrepâncias.

em lotes ou unidades. A automação dos processos é menos aplicável visto que a quantidade produzida não justifica os investimentos. contribuindo para uma maior eficiência do sistema. com consequente redução dos custos.  pela natureza do produto A classificação dos sistemas produtivos tem por finalidade facilitar o entendimento das características inerentes a cada sistema de produção e sua relação com a complexidade das atividades de planejamento e controle destes sistemas Produtos padronizados são aqueles bens ou serviços que apresentam alto grau de uniformidade. homens e materiais) e os métodos de trabalho e controles.  pelo tipo de operação que sofrem os produtos.italo. Devido ao fato do prazo de entrega ser um fator determinante no atendimento ao cliente.br Página 18 . Prof. gerando produtos mais caros do que os padronizados. e dificuldade em padronizar os métodos de trabalho e os recursos produtivos. estes não são produzidos para estoque e os lotes normalmente são unitários. favorecendo a automatização. os clientes esperam encontrálos a sua disposição no mercado. Produtos sob medida são bens ou serviços customizados para um cliente em específico. os sistemas que trabalham sob encomenda possuem normalmente grande capacidade ociosa. fazendo com que os produtos e os processos produtivos sejam totalmente interdependentes. não existindo flexibilidade no sistema.salvador@professor. Os sistemas de produção podem ser classificados em dois grandes grupos: processos contínuos = envolvem a produção de bens ou serviços que não podem ser identificados individualmente processos discretos = envolvem a produção de bens ou serviços que podem ser isolados.  São produzidos em grande escala. seus sistemas produtivos podem ser organizados de forma a padronizar mais facilmente os recursos produtivos (máquinas. particularizando-os uns dos outros. Os processos contínuos são empregados quando existe uma alta uniformidade na produção e demanda de bens ou serviços. José Salvador de Abreu – jose.  Como o sistema produtivo espera a manifestação dos clientes para definir os produtos.GESTÃO DA PRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO  pelo grau de padronização dos produtos.

São concebidos em estreita ligação com os clientes. sendo que cada lote segue uma série de operações que necessita ser programada a medida que as operações anteriores forem realizadas. Os processos repetitivos em lote caracterizam-se pela produção de um volume médio de bens ou serviços padronizados em lotes. A estratégia produtiva deve especificar como a produção irá suportar uma vantagem competitiva. a mão-de-obra é empregada apenas para a condução e manutenção das instalações. que dá sustento à posição competitiva da unidade de negócios da empresa. José Salvador de Abreu – jose. Os processos por projeto tem como finalidade o atendimento de uma necessidade específica dos cliente. o sistema produtivo se volta para um novo projeto. com todas as suas atividades voltadas para esta meta. Os produtos têm uma data específica para serem concluídos e. e como ela irá complementar e apoiar as demais estratégias funcionais.italo. Exige-se alta flexibilidade dos recursos produtivos. Os processos repetitivos em massa são aqueles empregados na produção em grande escala de produtos altamente padronizados.GESTÃO DA PRODUÇÃO São necessários altos investimentos em equipamentos e instalações. O sistema produtivo deve ser relativamente flexível. sendo seu custo insignificante em relação aos outros fatores produtivos. onde os altos investimentos possam ser amortizados durante um longo prazo. possibilitando a montagem de uma estrutura produtiva altamente especializada e pouco flexível. de modo que suas especificações impõem uma organização dedicada ao projeto. a demanda pelos produtos são estáveis fazendo com que seus projetos tenham pouca alteração no curto prazo.salvador@professor. Prof.br Página 19 . empregando equipamentos pouco especializados e mão-de-obra polivalente. visando atender diferentes pedidos dos clientes e flutuações da demanda. Normalmente. no âmbito da função de produção. ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO Consiste na definição de um conjunto de políticas. uma vez concluídos.

tamanho. o que irá comprar de terceiros. como atualizá-la e disseminá-la. como obtê-la e como incrementá-la. volume e mix de produção.br Página 20 . Capacidade de Produção = Que nível.GESTÃO DA PRODUÇÃO CRITÉRIOS ESTRATÉGICOS DA PRODUÇÃO O objetivo da estratégia de produção é fornecer à empresa um conjunto de características produtivas que dêem suporte à obtenção de vantagens competitivas de longo prazo. O ponto de partida para isto consiste em estabelecer quais critérios. Instalações = Qual a localização geográfica. e qual política implementar com fornecedores. Tecnologia = Quais equipamentos e sistemas. José Salvador de Abreu – jose. com que grau de automação e flexibilidade. ou parâmetros. arranjo físico e forma de manutenção. Integração Vertical = O que a empresa irá produzir internamente. Estes critérios deverão refletir as necessidades dos clientes que se buscam atingir para um determinado produto de maneira a mantê-los fieis à empresa PRINCIPAIS CRITÉRIOS Custos Qualidade Desempenho de Entrega Flexibilidade Compromisso ambiental Produzir bens/serviços a um custo mais baixo do que a concorrência Produzir bens/serviços com desempenho de qualidade melhor que a concorrência Ter confiabilidade e velocidade nos prazos de entrega dos bens/serviços melhores que a concorrência Ser capaz de reagir de forma rápida a eventos repentinos e inesperados Não agressão ao meio ambiente ÁREAS DE DECISÃO NA PRODUÇÃO As políticas definidas para cada área do sistema de produção orientam a operação e evolução deste sistema.salvador@professor.italo. de desempenho são relevantes para a empresa e que prioridades relativas devem ser dadas aos mesmos. que grau de especialização. Prof.

que política de compras e estoques. nível de centralização. Novos Produtos = Com que frequência lançar.br Página 21 . que controles. que nível de informatização das informações. Qualidade = Atribuição de responsabilidades.GESTÃO DA PRODUÇÃO Organização = Qual a estrutura organizacional. A previsão de vendas oferece este direcionamento. Os principais modelos qualitativos de previsão de demanda são: Predição = Na verdade não se trata de um método científico. sofrendo alterações conforme o mercado e a concorrência forem se posicionando. como desenvolver e qual a relação entre produtos e processos DINÂMICA DA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO As decisões estratégicas devem ser entendidas como um processo dinâmico. PREVISÃO DE DEMANDA É preciso haver um norte para que a administração da produção possa trabalhar. essencialmente. normas e ferramentas de decisões empregar.salvador@professor. Planejamento e Controle da Produção = Que sistema de PCP empregar.italo. José Salvador de Abreu – jose. que ritmo de produção manter e formas de controles. Existem quatro grandes modelos de previsão de demanda amplamente utilizados pelas empresas: Os modelos qualitativos são. mas sim de um processo para a determinação de um acontecimento futuro com base em dados Prof. subjetivos e apropriados quando não existem dados históricos para serem analisados como base para a previsão. quais os padrões e formas de comparação. formas de comunicação e controles das atividades.

A escolha correta dos membros que vão participar do processo está diretamente ligada à qualidade do resultado obtido ao final. A opinião do grupo acaba sendo muito influenciada pelo poder de persuasão de alguns poucos. enxergando oportunidades de demanda incapazes de serem percebidas pelos métodos tradicionais. ou força de persuasão. de natureza altamente duvidosa. geralmente ligados às áreas comercial. A previsão pode não ser o consenso do grupo. utilizada com menor formalidade e ajustada pela opinião dos envolvidos. José Salvador de Abreu – jose. a previsão advém da média móvel de vendas. mas sim de um processo para a determinação de um acontecimento futuro com base em dados completamente subjetivos. sem que um membro saiba a opinião do outro. inclusive. o método tem sido utilizado para uma série de situações.italo. Método Delphi = O método tem seu nome em homenagem ao oráculo de Delfos na Grécia. Opiniões de executivos = São previsões baseadas no julgamento e opinião de um pequeno grupo de executivos de alto nível. A predição faz parte do estilo empreendedor e é. no caso especifico a previsão de demanda. Muitas reuniões para planejamento de vendas nas organizações podem dar a impressão de se basearem exclusivamente na opinião dos executivos. de forma bastante resumida. Os membros podem.GESTÃO DA PRODUÇÃO completamente subjetivos. na verdade.salvador@professor. Na verdade não se trata de um método científico. O empreendedor visionário parece dominar a técnica da predição. com grande risco e sujeita à sorte. mas a opinião de quem detém o maior nível hierárquico. consiste nos seguintes passos: 1) Propõe-se ao grupo. não sejam influenciadas pela opinião do grupo. interpretada como visão ou feeling. financeira e de produção. mas. a discussão de um assunto. É importante que cada membro tenha confiança no Prof. estar sediados em diversas localidades distante umas das outras. Desde sua criação. A essência do método Delphi consiste em fazer com que as opiniões sobre determinado assunto. atualmente por meio de questionários respondidos por e-mail. 2) As opiniões são coletadas de forma sigilosa. É uma aposta no futuro. no caso especifico a previsão de demanda. tendo sido criado pela Rand Corporation. de natureza altamente duvidosa. A metodologia.br Página 22 . ou outra forma similar. nem sempre apenas relacionado com a previsão de demanda. experiência. muitas vezes. O método Delphi procura eliminar este tipo de interferência comum nas decisões que envolvem diversas pessoas. Outro problema com este tipo de previsão é que pode ocorrer a diluição da responsabilidade pela previsão.

Algumas das principais limitações decorrem de que as pesquisas de mercado se tratam de intenções de compra. em função dos argumentos dos demais. quando é adotada esta forma de previsão: I. Estas estimativas são agregadas em um composto que passa a representar a previsão global de vendas. no caso de o cenário favorável não se configurar. explanatórios ou preditivos.salvador@professor. De forma geral. Pesquisas de mercado = Esta metodologia é imprescindível para a colocação de um novo produto no mercado.br Página 23 . típico de representantes comerciais. II. Também é preciso considerar a influência das promoções de marketing e a fase do ciclo de vida do produto. para garantir que não faltem mercadorias. 4) O resultado é enviado para os membros para que possam reavaliar sua opinião. pode não se manter após certo período a partir do seu lançamento. Opiniões da equipe de vendas = Este método consiste em solicitar diretamente à força de vendas que forneça a estimativa de vendas em cada uma das regiões de atuação. 3) Um coordenador do processo recebe todas as informações. representantes comerciais. Em outras palavras. apresentados de forma agregada. livres de pressão por resultados ou qualquer outra interferência. Uma pesquisa é qualquer investigação organizada executada para se obter informações para solução de problemas. Outro possível comportamento.GESTÃO DA PRODUÇÃO sistema para dar seus pareceres legítimos. que nem sempre se concretizam no futuro. é subestimar as previsões como forma de se proteger de metas audaciosas que possam vir a ser impostas em decorrência de previsões otimistas. por parte do quadro de funcionários da empresa. O processo é repetido inúmeras vezes até que se obtenha o grau de convergência desejado das opiniões. José Salvador de Abreu – jose. caso as vendas sejam boas. se considerarem adequado. Um possível comportamento. a equipe de vendas é composta por: gerentes e supervisores de vendas. Prof.italo. Ela proporciona informações sistematizadas capazes de orientar as decisões. descritivos. é superestimar as vendas. prepostos de representantes e vendedores A experiência demonstra duas tendências de comportamento que originam vieses. principalmente considerando-se que quem vai amargar o prejuízo dos estoques encalhados. será a empresa e não os seus canais de venda. podendo envolver estudos informativos. faz uma tabulação dos dados obtendo um primeiro resultado tratado estatisticamente. a demanda inicial. pelo poder de influência de campanhas de marketing e a novidade do produto.

em adquirir máquinas com maior capacidade de produção. José Salvador de Abreu – jose.440 toneladas de biscoitos por mês. via de regra. em um forno contínuo. deve-se atentar para o grau de similaridade do produto de comparação PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO Uma definição genérica de capacidade de produção é a capacidade máxima de produção a que se pode submeter uma unidade produtiva em um determinado intervalo de tempo fixo. A capacidade disponível. em apenas um turno de trabalho. a empresa pode produzir mais. duas toneladas de biscoitos por hora.GESTÃO DA PRODUÇÃO Analogia com produtos similares = Uma forma bastante utilizada para o lançamento de um produto é buscar dados históricos de vendas de produtos similares. Em outras palavras. Capacidade disponível ou de projeto = É a quantidade máxima que uma unidade produtiva pode produzir durante a jornada de trabalho disponível.italo. Exemplo: uma empresa do ramo alimentício tem capacidade de produzir. todos os dias da semana e todos os dias do mês. porém investimentos na planta industrial representam custos fixos geralmente elevados 2.salvador@professor. sem levar em consideração qualquer tipo de perda. a capacidade de disponível será de 8 x 5 x 4 = 160 horas mensais Existem duas formas de aumentar a capacidade disponível 1. sem necessidade de parada. com oito horas de duração. quando estes existem. aumento de turnos de trabalho: O custo da mão-de-obra aumenta quando se aumentam os turnos de trabalho em função da necessidade de pagamento de “adicional noturno”. com a mesma jornada de trabalho. na expansão da planta industrial.br Página 24 . Desta forma. sem que seja considerada nenhuma perda. necessidade de transporte durante a madrugada para os funcionários. é considerada em função da jornada de trabalho que a empresa adota. cinco dias por semana. O custo da mão-de-obra. Qual é a capacidade mensal instalada desta empresa? Resposta: Capacidade instalada = 30 dias x 24 horas x 2 toneladas por hora = 1. Prof. enfim. Exemplo: um turno diário. aumento da capacidade instalada: consiste em aumentar a quantidade de máquinas. é a produção que poderia ser obtida em uma unidade fabril trabalhando 24 horas por dia. Capacidade instalada = É a capacidade máxima que uma unidade produtora pode produzir se trabalhar ininterruptamente. Neste caso. necessidade de mão-de-obra indireta para supervisão dos turnos e assim por diante. Neste caso. é menor.

Capacidade efetiva ou de carga = A capacidade efetiva representa a capacidade disponível subtraindo-se as perdas planejadas desta capacidade. Capacidade realizada : A capacidade realizada é obtida subtraindo-se as perdas não planejadas da capacidade efetiva. Por que isto acontece? Porque os custos de produção aumentam. falta de funcionários.GESTÃO DA PRODUÇÃO Quando se opera próximo aos níveis máximos da capacidade disponível. em forma percentual. investigações de problemas da qualidade Grau de utilização: a capacidade disponível e a capacidade efetiva permitem a formação de um índice. quando comparada à capacidade efetiva. Índice de eficiência: a capacidade realizada. Perdas de capacidade planejadas: são aquelas perdas que se sabe de antemão que irão acontecer. O aumento de capacidade por meio da adoção de mais jornadas de trabalho pode ser mais interessante quando os investimentos em equipamentos forem elevados e não houver certeza do comportamento da demanda. paradas para manutenção corretiva. amostragens da qualidade. Perdas de capacidade não planejadas: são perdas que não se consegue antever. porém com menores resultados ou até prejuízo.italo. a empresa corre sério risco de faturar mais. falta de energia elétrica. José Salvador de Abreu – jose. denominado grau de utilização. isto seria o mesmo que programar uma carga de máquina por um tempo superior ao disponível. O aumento da capacidade instalada pela expansão do parque instalado é recomendado quando a demanda de mercado tende a continuar em crescimento e não haverá ociosidade deste investimento. manutenções preventivas periódicas. tempos perdidos em trocas de turnos.br Página 25 . A capacidade efetiva não pode exceder a capacidade disponível.salvador@professor. por exemplo:     necessidade de set-ups para alterações no mix de produtos. fornece a porcentagem de eficiência da unidade produtora em realizar o trabalho programado. Prof. Que representa. em outras palavras. é a capacidade que realmente aconteceu em determinado período. quanto uma unidade produtiva está utilizando sua capacidade disponível. como por exemplo:      falta de matéria-prima.

em que pese ter um termo correspondente em português (tempo de preparação). sem se importar muito com o mix a ser vendido. é mais utilizado nas organizações industriais em sua forma original em inglês. especificamente. Tempo de preparação (set-up): corresponde ao tempo para preparar uma unidade produtiva quando se troca o tipo ou modelo de produto a ser produzido. Assim. A previsão da quantidade de produtos a ser vendida somente pode ser válida quando se trata de empresa produtora de um único tipo de produto. PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE O planejamento da capacidade é um planejamento de longo prazo. Prof. o programador de produção deve definir em que máquina alocar qual trabalho e em qual sequência. ALOCAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DE CARGAS As unidades produtivas de uma organização.salvador@professor. DEMANDA AGREGADA Devido ao elevado número de modelos de produtos que uma empresa oferece no mercado seria impossível prever a demanda para cada um deles. um estudo de previsão de demanda de longo prazo e das tendências da economia como um todo e do setor. de dois até cinco anos. Este planejamento é de nível estratégico e orienta a empresa sobre o caminho a trilhar no futuro. a expansão da linha de produtos com novos lançamentos.GESTÃO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO DE LOTES MÍNIMOS DE PRODUÇÃO A área comercial tende a realizar a previsão de vendas considerando a quantidade de produtos que pretende vender. As decisões do planejamento da capacidade incluem a intenção de ampliação da planta atual. a aquisição e modernização de máquinas. Lote mínimo de fabricação = Lote mínimo de fabricação corresponde ao menor lote possível de ser produzido pela empresa de forma que o aumento do tempo dos set-ups não ultrapasse a capacidade disponível. individualmente. A palavra set-up de produção. centro de trabalho ou linha de produção. recurso. a construção de novas plantas industriais. na maioria das indústrias brasileiras.italo.br Página 26 . normalmente expresso em anos. com um horizonte de tempo. utilizam as mesmas máquinas para operar com diferentes produtos. Set-up é o trabalho necessário para se mudar uma máquina específica. dependendo do porte da empresa e da complexidade da produção. José Salvador de Abreu – jose. com frequência.

PLANEJAMENTO AGREGADO Elabora-se com base no Planejamento de Longo Prazo. a necessidade de produção. Por isso. cujo resultado é um plano de médio prazo que estabelece níveis de produção. de uma forma mais geral.GESTÃO DA PRODUÇÃO com algum grau de precisão. embalagem. dependendo da atividade industrial. é necessário “agregar”. Prof. agrupar os inúmeros modelos em um número menor de famílias básicas que represente. baseados nos lotes mínimos de produção. mas são agregados formando famílias de itens semelhantes. modelo. ou seja. Este planejamento é de nível operacional e especifica a produção diária dos produtos totalmente desagregados em suas mínimas especificações de detalhes tais como cor. alocação de cargas nas linhas de montagem e de pré fabricação.italo. ela tende a ser absorvida pelo Planejamento Mestre da Produção que é uma atividade subsequente e mais detalhada. PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO Trata-se de um planejamento de curto prazo. com a elaboração dos planos diários de produção. O planejamento é feito em termos de famílias de itens. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor. O horizonte do Plano Agregado de produção pode variar de 6 a 24 meses.br Página 27 . tipo. isto é. particularidades de cada indústria. além de outros fatores. os produtos a serem produzidos não são definidos de forma a terem uma constituição individual e completamente especificada. A produção diária geralmente ocorre de forma linear ao longo da semana. O planejamento da produção inclui o planejamento da necessidade de materiais. em função do tempo e número de set-ups que precisam ser feitos. tais como previsibilidade da demanda e alto nível de repetição dos produtos fazem com que muitas vezes ela nem seja executada. Neste caso. normalmente expresso em semanas. tensão. dimensões da força de trabalho e níveis de estoque. o planejamento da produção em si. o Planejamento Agregado de Produção. geralmente obtida por meio do MRP (Materials requirement planning). A atividade de planejamento agregado nem sempre é considerada de forma isolada.

Este horizonte de planejamento pode variar de 4 a 12 meses.salvador@professor. Prof. José Salvador de Abreu – jose. gerado a partir do plano agregado de produção. sendo que quanto menor for o horizonte de tempo maior será a confiabilidade do PMP.br Página 28 . guiará as ações do sistema de manufatura no curto prazo. estabelecendo quando e em que quantidade cada produto deverá ser produzido dentro de certo horizonte de planejamento.GESTÃO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO O Planejamento Mestre da Produção (PMP) é o componente central da estrutura global.italo. desagregando-o em produtos acabados.

Os objetivos da programação e sequenciamento da produção são:  Aumentar a utilização dos recursos.  Reduzir o estoque em processo. e da sua correta aplicação. José Salvador de Abreu – jose. PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO O setor de Planejamento e Controle de Produção de uma empresa é um setor-meio que serve como transformador de informações entre vários setores de uma empresa e tem um papel de conciliador entre aqueles departamentos que eventualmente tenham alguns atritos.br . a manutenção de estoques pode acarretar um custo muito alto para um sistema de manufatura. requerem transporte e manuseio. Página 29 Prof. operários. Por isso. exigem espaço para estocagem. matérias-primas. prazos e prioridade das ordens de fabricação. em conjunto com a indispensável capacidade empresarial do administrador moderno. procura determinar quando.GESTÃO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO DE MATERIAIS É a atividade através da qual é feito o levantamento completo das necessidades de materiais para execução do plano de produção. portanto ter como objetivo reduzir os investimentos em estoques e maximizar os níveis de atendimento aos clientes e produção da indústria. quanto e quais materiais devem ser fabricados e comprados. deterioram. A partir das necessidades vindas da lista de materiais. Os estoques consomem capital de giro. No Planejamento e Controle da Produção foi desenvolvida uma série de diversas técnicas de Administração nas últimas décadas.  Reduzir os atrasos no término dos trabalhos.salvador@professor. tempos de processamento. tornam-se obsoletos e requerem segurança. ocorrendo em várias fases das atividades de planejamento da produção. processo de produção. das exigências impostas pelo PMP e das informações vindas do controle de estoque (itens em estoque e itens em processo de fabricação). depende o sucesso do mundo contemporâneo no que concerne ao atendimento das necessidades materiais da humanidade.italo. De posse de informações tais como: disponibilidade de equipamentos. O Planejamento de Materiais deve. as ordens de fabricação poderão ser distribuídas aos centros produtivos onde será iniciada a execução do PMP. PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO A atividade de programação determina o prazo das atividades a serem cumpridas.

italo. José Salvador de Abreu – jose. O carregamento finito é um conceito que somente aloca trabalho a um centro de trabalho. estabelecidas por um conjunto predefinido de regras. O carregamento infinito é relevante para operações em que:    Não é possível limitar o carregamento. Custo de limitação é proibitivo.salvador@professor. são usualmente tratados juntos:  Planejamento: é o ato de estabelecer as expectativas de o que deveria acontecer.  Em termos de qualidade. uma máquina.  Em termos de tempo. uma pessoa.GESTÃO DA PRODUÇÃO Embora sejam teoricamente separáveis. O carregamento finito é relevante para operações em que:    É possível limitar a carga. o planejamento e controle. Sequenciamento : O sequenciamento decide a ordem em que o trabalho será executado na operação. As prioridades dadas ao trabalho em uma operação são frequentemente. É necessário limitar a carga. como por exemplo. ou então um grupo de pessoas ou de máquinas até um limite estabelecido.  Controle: é o processo de lidar com mudanças quando elas ocorrem. Existem muitas regras de decisão diferentes quanto a prioridades. Custo da limitação da carga não é proibitivo. O carregamento infinito tenta corresponder à aceitação do trabalho. TAREFAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE O planejamento e controle requer a conciliação do fornecimento e da demanda:  Em termos de volume. Carregamento = O carregamento define qual a quantidade de trabalho que deve ser alocada a cada parte da produção. que podem ajudar as operações a tomar essas decisões.br Página 30 . Prof. Não é necessário limitar o carregamento. Este carregamento pode ser feito de forma finita ou infinita.

br Página 31 . é preciso determinar as quantidades dos diversos fatores de produção. O planejamento da produção compreende decidir sobre a produção a ser efetivada pela empresa industrial. Máquinas. o retorno de informações (feedback) constitui prática salutar para a normalidade do processo. Os fatores necessários à produção industrial são: 1. visando à normalidade do processo produtivo.italo. José Salvador de Abreu – jose. da mão-de-obra e dos equipamentos. caso se concretizem. Para tanto. PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO Planejar a produção significa decidir antecipadamente o que deve ser feito para alcançar determinado fim. 2. Equipamentos.  Previsão dos insumos. 3. Compete ao controle de produção acusar as falhas e distorções e estabelecer as medidas corretivas.  Previsão dos custos decorrentes da alocação dos recursos materiais e humanos descritos. Materiais. nesta fase. Prof. Programação puxada: é um sistema no qual a demanda é acionada a partir de requisições de centros de trabalho. A programação também pode ser classificada como programação empurrada e puxada: Programação empurrada: é um sistema centralizado em que as decisões de planejamento e controle são emitidas para centros de trabalho. Uma vez realizada a previsão de vendas. deve-se levar em conta:  Previsão da procura ou demanda dos produtos ou mercadorias. daí a necessidade de um perfeito trabalho de acompanhamento de todas as operações industriais. que devem desempenhar suas tarefas e mandar suas peças para a estação de trabalho seguinte.salvador@professor. necessários para atender as vendas. e 4. Mão-de-obra CONTROLE DA PRODUÇÃO O controle da produção tem por finalidade verificar se o que foi planejado está sendo realmente executado. Determinação dos Fatores de Produção O ponto de partida do planejamento da produção é a previsão de vendas. Para tanto.GESTÃO DA PRODUÇÃO Programação = A programação determina quando as atividades serão iniciadas e terminadas.

existem casos em que se pode mensurar tanto os custos como os benefícios de um controle. Sistema de Controle O sistema de controle é constituído por um conjunto de regras preestabelecidas que permite o exercício do controle. para posterior confronto com o planejado. Se não existiu o plano como saberia o que deveria estar sendo feito? Regras e dispositivos para medir o realizado: Somente através de dispositivos e regras bem definidos é possível efetuar a medição dos eventos realizados. é recomendável verificar se os seus custos não serão superiores aos benefícios. Embora seja raro. com suas regras bem definidas. na prática nem sempre isto é verdade.GESTÃO DA PRODUÇÃO O controle de produção deve responder às seguintes questões:      Os insumos de produção estão sendo entregues dentro dos prazos certos? A mão-de-obra está sendo realmente empregada? Os equipamentos de produção são adequados e estão sendo utilizados eficientemente? Os estoques de produtos acabados (ou semi-acabados) estão em níveis planejados? O ritmo de produção está sendo desenvolvido de acordo com o planejamento? Relação Custo X Benefício do Controle Embora aparentemente todos os controles sejam imprescindíveis. servem como excelentes centralizadoras de informações relativas a prazos. É necessário fazermos uma distinção entre custo e despesa: Página 32 Prof. Controle de Custos O objetivo de uma empresa é vender seu produto por um preço que cubra seus custos e lhe dê algum lucro. tempos e eficiência. mas geralmente a decisão sobre a viabilidade ou inviabilidade vai depender da sensibilidade do administrador. insumos e todos os recursos necessários à existência e o funcionamento da empresa. quantidades. custos.br . Controlar custos no processo produtivo pressupõe controlar todos os fatores geradores de gastos. José Salvador de Abreu – jose. que. Antes de se implantar um novo controle.italo. ele deve conter os seguintes elementos: Um plano: O controle só é possível quando existe um plano.salvador@professor. Um bom instrumento para essa medição são as ordens de produção. como os salários.

br Página 33 . e daí para frente passa a ser despesas. A qualidade de um produto ou serviço é medida pela satisfação total do consumidor. os gastos são custos. José Salvador de Abreu – jose. Às vezes. As linhas de ações que as empresas aplicam hoje começam a convergir para um foco único. porquanto as variações são insignificantes na qualidade do produto.italo.GESTÃO DA PRODUÇÃO  Custo é todo gasto que está diretamente relacionado ao processo produtivo. Reduzir a quantidade de recursos utilizados enquanto a mesma produção é mantida ou aumentada. não provocando maiores consequências. CONTROLE DE QUALIDADE O controle de qualidade tem por finalidade principal determinar as causas relevantes de variações de qualidade. Permitir que a quantidade de recursos utilizados se elevasse contanto que a produção se eleve mais.salvador@professor. o aumento da competitividade e as estratégias empresariais levam as empresas a alcançarem níveis de excelência.  Despesa é todo gasto relacionado à administração. fazendo as coisas certas e com qualidade PRODUTIVIDADE A produtividade pode ser aumentada de diversas maneiras:     Aumentar a produção utilizando a mesma quantidade ou quantidades menores de recursos. Permitir que a produção decrescesse contanto que a quantidade de recursos utilizados decresça mais. Não se pode confundir qualidade com luxo: um automóvel luxuoso pode ser de péssima qualidade e um simples pode ter ótima qualidade. as causas são chamadas “acidentais”. Prof. A globalização da economia. Até o momento em que os produtos estão prontos para a venda. principalmente em relação aos seus clientes. às vendas e aos financiamentos. conquistar: satisfazer e manter clientes.

programas de medida devem se fazer conhecidos de todos. através de uma divulgação extensiva a todos os níveis da companhia.GESTÃO DA PRODUÇÃO ANÁLISE DE PRODUTIVIDADE Ferramenta Gerencial: as medidas de produtividade podem e devem funcionar como um termômetro.salvador@professor. adequando-se a linguagem a cada categoria de funcionários envolvida. José Salvador de Abreu – jose. Atestar-se sobre a utilidade de programas de treinamento em setores ou atividades específicas. tanto para auxiliar no diagnóstico de uma situação atual como para acompanhar os efeitos de mudanças nas práticas gerenciais e na rotina de trabalho. no arranjo físico etc. Para tanto. Mede-se a produtividade para:    Detectar-se problemas.br Página 34 . como para se verificar do acerto de decisões tomadas no passado sobre mudanças na organização. Podem estimular uma competição sadia entre departamentos e outras unidades operacionais de uma mesma empresa. Prof. Instrumento de Motivação: a simples existência de programas de medida faz com que as pessoas passem a incorporar a produtividade nas suas preocupações rotineiras de trabalho. de políticas de investimentos etc.italo. Avaliar-se o acerto na introdução de novos produtos. nos processos de produção.

de forma que possa simplesmente aumentar seus preços para compensar qualquer acréscimo nos custos. José Salvador de Abreu – jose. aumentos ou quedas na produtividade não necessariamente implicam em movimentos de mesmo sentido nos lucros. e nem sempre os resultados são comparáveis Produtividade X Lucro: nem sempre esta relação é direta. mercados. Aumentos de produtividade. idêntica composição de produtos etc.GESTÃO DA PRODUÇÃO Instrumento de Comparação: as medidas de produtividade servem para comparar o desempenho de unidades de uma mesma empresa. bastando para isso que ocupe uma posição favorável no mercado.br Página 35 . Essa utilidade é uma das mais atrativas. Em princípio. semelhança de processos de produção. Prof. principalmente em departamentos ou processos isolados. e também uma das mais perigosas.salvador@professor. idade do equipamento. ou seja. no sentido de que às vezes pode-se estar comparando situações muito diferentes. A mesma grandeza pode ser estimada de formas diferentes. UTILIDADES E CUIDADOS NA ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE Imprecisão: medidas de produtividade são imprecisas. da mesma forma. com diferentes localizações geográficas. só podem ser comparadas diretamente unidades que estejam em igualdade de condições no tocante a tamanho das instalações. não só porque algumas das grandezas envolvidas são de medição difícil.italo. mesmo com a produtividade em queda uma empresa pode auferir grandes lucros. mas também porque vários conceitos envolvidos na definição são cercados de controvérsia. podem acarretar altos custos e influir negativamente nos lucros.

Essa prática eleva custos. • Serviços gerais. maximizando sua vida útil e minimizando tempo de parada por ocasião do trabalho.  Efetuar lubrificações. óleos. procurando-se antes por explicações que talvez apontem para causas isoladas. os ativos fixos da empresa em condições de atender plenamente a suas finalidades funcionais. Volta-se para a preservação de máquinas. Consiste num grande erro o funcionamento de equipamentos em estado inadequado de manutenção. consertos e reformas nos equipamentos. instalações gerais e edificações. por longos períodos. a manutenção pode ser separada em: • Mecânica.  Selecionar. às vezes mais do que aqueles possíveis de mensurar. programando suprir na quantidade necessária à plena Prof. OBJETIVOS DA MANUTENÇÃO A manutenção tem como objetivos principais:  Acompanhar o desempenho elétrico e mecânico dos equipamentos envolvidos na produção. TIPOS DE MANUTENÇÃO Visando otimizar a realização dos serviços.salvador@professor. MANUTENÇÃO Manutenção é o ramo da Engenharia que visa manter. etc). equipamentos. • Elétrica. José Salvador de Abreu – jose. O reparo deve ocorrer em tempo hábil e permitir retorno do bem ao fim a que se propõe sem prejuízo ao processo.GESTÃO DA PRODUÇÃO A melhor advertência a se fazer é a de que se evite a tomada de decisões precipitadas sobre variações bruscas nos índices.  Elaborar controles que registrem anormalidades e ocorrências com as máquinas.italo. dentro de uma abordagem técnica.br Página 36 . visando identificar tipo e freqüência dos problemas mais comuns e possibilitando correção antecipada. insumos a serem utilizados (graxas. procurando obter de cada um o maior tempo de vida útil possível e eliminar paralisações quando estiverem sendo chamados a operar.

além de conhecer todos os problemas de linha. deve também possuir profundo conhecimento técnico acerca das máquinas de que dispõe. a) Manutenção Centralizada Todas as operações são planejadas e dirigidas por departamento único. O chefe de produção. Havendo uma boa coordenação de pessoal. orçamentos.salvador@professor.br Página 37 . como projetos. MANUTENÇÃO CENTRALIZADA X MANUTENÇÃO DESCENTRALIZADA A decisão em adotar uma manutenção centralizada ou descentralizada é função das condições operacionais e administrativas existentes.GESTÃO DA PRODUÇÃO funcionalidade do processo. tanto na manutenção das áreas como nas oficinas. o pessoal pode ser aproveitado na execução de reformas de máquinas. em posição hierárquica igual ao gerente de produção.  Primar por qualidade nos serviços executados.italo. usualmente. será básico ao êxito deste esquema o perfeito entrosamento entre a manutenção e a produção. evitando-se a duplicação por setores ou unidades de operação. A manutenção centralizada em grandes instalações industriais possui um centro de controle. para poder aproveitá-las adequadamente. é dirigido por um gerente. José Salvador de Abreu – jose. Deve também abastecer com peças de reposição. Setores de staf. esse tipo de manutenção pode reduzir os custos. a manutenção usualmente é do tipo centralizado. já que as decisões a este respeito estão agora com a manutenção. Em caso de menor atividade. Em empresas pequenas e médias. emitindo as respectivas ordens de serviço à manutenção. que comanda e despacha todas as solicitações de serviço. custos e planejamento fazem parte do departamento que. garantindo o uso contínuo e a operação dos equipamentos e das instalações. As oficinas são também centralizadas e as equipes de manutenção atendem todos os setores ou unidades de operação. Porém. Um departamento centralizado permite também uniformizar rotinas e garante melhor aproveitamento de pessoal. graças ao melhor aproveitamento dos serviços centralizados. pois é às vezes justificável e mesmo desejável que a manutenção dependa da produção. pois poderá muitas vezes reclamar a produção a retirada de equipamento de serviço. produção de peças sobressalentes e outras tarefas. Ambos estão subordinados neste esquema ao diretor de produção. Prof.

assim como o estoque de peças de reposição. de protelar ou minimizar reparos que determinam a sua paralisação. o que pode.  A manutenção de área recorre à ajuda do próprio pessoal da produção em caso de necessidade. pois há sempre a tendência. determinados trabalhos terão que ser enviados a oficinas fora da área. não há nenhuma organização antecipada (planejamento). porém.italo. É um trabalho de socorro. Por isso é chamada de “emergencial”.br Página 38 . De modo geral. por exemplo. inclusive a determinação da prioridade de execução. José Salvador de Abreu – jose. como manutenção de fornos. laminação e usinagem. portanto. As decisões quanto a paradas de equipamentos por longos períodos devem ser tomadas no nível mais elevado da produção.GESTÃO DA PRODUÇÃO Nestas indústrias. como conseqüência. colocando-os novamente em operação. Possui as seguintes características:  A localização física da manutenção faz-se junto a cada unidade. o pessoal necessário a uma manutenção por áreas é maior do que para a manutenção centralizada. b) Manutenção Descentralizada Também denominada “manutenção por áreas”. serviços de baixa qualidade. quando então a equipe corrige às pressas os defeitos. por parte dos responsáveis pela produção. pode Ter. FORMAS DE EXECUÇÃO DA MANUTENÇÃO a) Manutenção Emergencial (ou corretiva) A mais primitiva das formas de efetuar manutenção e ainda hoje não foi de todo eliminada do dia-a-dia das indústrias. No caso de serviços de natureza muito diversa. portanto.  O superintendente de cada área é responsável pelas decisões relativas à manutenção. preconiza a divisão da fábrica em áreas ou setores. cada um dos quais fica sob os cuidados de um grupo de manutenção. é possível combinar a capacidade organizadora de um chefe ou supervisor de linha com os requisitos da manutenção.  O trabalho a ser executado nas próprias oficinas de manutenção da unidade possui limitações e.salvador@professor. Prof. Como é realizada às pressa. pode tornar-se mais racional a especialização de equipes para serviços e sua conseqüente descentralização. ser justificado em virtude das características aqui expostas. Trata-se da manutenção realizada somente após os equipamentos apresentarem falhas de operação.

A manutenção preventiva. o tempo de dois meses aqui sugerido só tem validade se os equipamentos tiverem jornada de trabalho uniforme. Caracteriza pela inspeção periódica realizada junto aos equipamentos. O mais comum é que a avaliação seja feita por hora trabalhada.GESTÃO DA PRODUÇÃO A manutenção corretiva normalmente está associada a custo elevado. como as máquinas não andam. Ela atinge a perfeição por meio da realização da manutenção de forma sistemática. antes das paradas.000 km. feita em intervalos regulares e baseada no ciclo de trabalho do equipamento. os equipamentos são consertados. A manutenção.br Página 39 . portanto troca de rolamento a cada intervalo aproximadamente de dois meses. previne-se de insumos. a produtividade cai. para encontrar a freqüência com que se repetem. Prof. anota as máquinas que apresentam algum problema ou aquelas cujas operações estão se afastando do padrão. evitando assim que alguma parada obstrua o processo. a referência pode ser quilômetro rodado. Um exemplo da manutenção sistemática é a troca de óleo de um motor. realizando inspeções regulares e lubrificações planejadas. interrompem bruscamente o processo produtivo. Na verdade. Essa é a manutenção sistemática. sendo necessário registro de todos eles.italo. Na fábrica. antecipa-se ao problema e efetua a substituição da peça pouco antes de completar os 60 dias de vida esperada. No veículo. portanto. obedecendo a um plano previamente estabelecido. Como os recursos não são bem utilizados. mantém estreito acompanhamento dos equipamentos. ao pararem de repente. sabendo dessa repetição regular. Como exemplo. determinando que a troca seja feita a cada 3. Há. a referência é hora de trabalho. José Salvador de Abreu – jose. a Segunda em 2 de setembro e a seguinte em 4 de novembro. que se caracteriza por exigir controle mais acirrado dos problemas. Com tais procedimentos as manutenções emergenciais são reduzidas a níveis menores. Tão logo interrompam as atividades do período. ferramentas e pessoas adequadas ao serviço a ser executado. A primeira substituição ocorre em 1º de julho. Os equipamentos. b) Manutenção Preventiva Diferencia-se da emergencial por já dispor de planejamento que direciona a equipe de manutenção. acarretando perda de produção e má utilização de horas-máquina e mão-de-obra. O responsável pela manutenção.salvador@professor. Um grupo de manutenção realiza inspeção. suponhamos um rolamento cuja substituição se faz em prazos regulares.

principalmente relacionados á temperatura de trabalho. CUSTO DE MANUTENÇÃO Em diversas oportunidades foi dito que o objetivo da administração da produção é otimizar. Prof. Jamais excedê-la. Além disso. José Salvador de Abreu – jose. Decidir pelo serviço adequado. permitindo controle e avaliação de custo e desempenho. Como exemplo. a) Hábitos Que Conduzem a Menores Custos       Usar equipamentos uniformes. pode-se citar a leitura da composição dos gases que saem do escapamento do motor de um carro. É um diagnóstico precoce dos problemas que estão por acontecer. Utilizar óleos e graxas compatíveis com os serviços executados. A manutenção é um segmento industrial que.salvador@professor.italo.GESTÃO DA PRODUÇÃO c) Manutenção Preditiva É a que: a) Analisa as vibrações mecânicas ou que ausculta os equipamentos. c) Providencia correção. reformar. Obedecer à capacidade dos equipamentos. quando desorganizado. requer atenção especial dos dirigentes. Trinar pessoal. Manter plano de lubrificação e inspeção coerente com o ritmo da indústria. reduzindo custos operacionais ao mínimo possível. Outro exemplo é a observação de um rolamento em operação. há empresas que adotam sistema de manutenção próprio. permitindo peças de reposição comuns e formação de mão–de-obra única na manutenção das máquinas. aliado a um estreito sistema de planejamento e controle. Por isso.br Página 40 . em que cada trabalho é registrado. quando se procura auscutar suas vibrações e a partir delas concluir se está ou não em condições de uso adequado. traz um componente de custo desproporcional à estrutura da empresa. enquanto outras preferem contratar serviços de terceiros (terceirização). b) Custo da Manutenção Própria x Custo da Manutenção Terceirizada Visando ainda à racionalização. b) Identifica os considerados fora do normal. qualificando-o na manutenção adequada das máquinas operatrizes e de apoio. quando necessário. quando for o caso. Substituir. é salutar estabelecer critérios de ordens de serviço. visando identificar o estado de funcionamento dele.

c) Desempenho da Produção X Custos A manutenção ganha importância maior quando se sabe que as indústrias trabalham buscando eficiência máxima. quando então o custo tem sentido.GESTÃO DA PRODUÇÃO A manutenção prestada por terceiros pode ser realizada em toda a fábrica. José Salvador de Abreu – jose.salvador@professor. devendo a eficiência do setor ser medida pelo tempo disponível das máquinas em produção satisfatória.br Página 41 . em prejuízo da produção.italo. Cada empresa efetua levantamento de custos de forma a identificar qual a melhor opção. pois o ganho de mercado está relacionado com a produtividade conseguida no desempenho da produção. Para evitar essas perdas irreparáveis faz-se necessário dotar a empresa de uma estrutura de manutenção que evite paradas dos equipamentos. nem sempre possível de recuperação. escolhendo aquela que mais lhe convém economicamente. que assim entregaria a empresas especializadas os seus serviços de manutenção. A parada de máquinas ocasionada por manutenção inadequada gera perda de elevado custo. O custo da manutenção industrial muitas vezes é questionado. Essa é uma razão forte para que a medida de desempenho do setor seja feita por horas-máquina trabalhadas sem interrupções do processo. confiando a terceiros algum trabalho para o qual não disponha de pessoal habilitado e cujos defeitos ocorram esporadicamente. ou então em parte dela. Prof. não compensando manter equipe própria. Há quem diga que a manutenção só é lembrada quando os equipamentos deixam de operar. Equipamentos de alta velocidade fabricam grande quantidade num curto intervalo de tempo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful