Você está na página 1de 3

IVAS RESFRIADO COMUM ±

Sintomas predominantes:
y y y

Rinorreia Obstrução nasal Mialgia, febre

Agente infeccioso:
y

Rinovírus, coronavírus, Virus Sincial respiratorio, influenza, parainfluenza, adenovirus, nessa ordem;

Crianças pequenas até 3 anos têm 6 a 7 resfriados por ano, na creche esse valor aumenta em 50%, principalmente no 1º ano. Transmissão:
y y

Contato direto Aerossol

Incubação: 1 a 3 dias 1º sintoma: odinofagia seguida de obstrução e rinorréia, tosse em 30% Febre: alguns agentes, influenza, VSR, Adenovirus; Duração: 7 dias geralmente Mudança na cor e consistência da secreção nasal não significa sinusite ou complicação bacteriana, significa grande numero de polimorfonucleares na secreção. Tratamento: Sintomáticos (antipiréticos, analgés icos), Obstrução nasal (oximetazolina ± risco de intoxicação, rinite medicamentosa, não usar < 2 anos), Rinorreia(anti-histaminicos de 1ª geração ± efeito anticolinérgico; Brometo de Ipratrópio seria ótimo com Atrovent nasal, no Brasil não existe); Evitar AAS (influenza ± Sd. Reye); Tosse persistente (hiper -reatividade ± Beta 2); antiviral (influenza ± Tamiflu/oseltamivir) Complicação do resfriado na infância: Otite Média Aguda é a mais comum. Prevenção: Lavar as mãos, uso de máscaras, vacina influenza;
SINUSITE ± o resfriado é uma sinusite viral, nesse caso vamos falar da bacteriana, que é uma complicação da viral(2%).

Seios da face:
y y y

Etmoidal ± aerado ao nascimento Maxilar ± aerado aos 4 anos Frontal ± aerado a partir dos 7 anos ± adolescência o Seios Maxilares : Surgem durante o 4º mês de gestação e a pneumatização máxima ocorre em torno dos 12 anos. o Seios Etmoidais: Surgem durante o 5º mês de gestação, sendo extremamente pequenos durante o nascimento.

o hemograma apresenta leucocitose com 10 a 20 mil com 2/3 de linfócitos. Creche. não se faz antibiótico. houve falha terapêutica (ATB nos últimos 3 meses. Tratamento: Amoxicilina é a 1ª escolha. e a principal vantagem é a profilaxia de complicações futuras (GNDA. Ind icações de amigdalectomia/infecções de repetição? 7 amigdalites no ultimo ano indica -se cirurgia. que impedem a ação dos beta lactamicos (ex. o Seios Esfenoidais: Não passam de 2 mm de diâmetro ao nascimento. Exposição ao cigarro. faringite e conjutivite (febre faringoconjuntival). Mononucleose infecciosa (muito semelhante a faringite mas não responsivo ao antibiótico. O Estreptococo são universalmente sensíveis à penicilina. mas pode se fazer cultura do aspirado dos seios da face. Tratamento: espontânea em alguns dias. não supurativas (GNDA e febre reumática). que persiste por mais de uma semana.o Seios Frontais: Surgem dos seios etmoidais. penicilinas). duração: depois da melhora da criança (geralmente 3 dias) fecha com 7 dias de tratamento. geralmente por 10 -14 dias. Rinite alérgica. com ATB a resolução se dah de 12-24 hrs. Hemófilos não tipável (20%). Quadro clinico: Inicio súbito com odin ofagia. Se com 3 -4 dias não há melhora. 10 nos últimos 2 anos e 9 nos últimos 3 anos também indicam cirurgia. sendo 20 -40% atípicos. Diagnóstico: é clinico. 50 % dos hemófilos e 100 % das moraxellas catarrhalis são bet a lactamase positivo. não tem tratamento especifico). mas dobrando a dose da penicilina é possível vencer essa resistência parcial. sinais de escarlatina (palidez oral. febre. Etiologia: Pneumococo (30%). . Cefuroxima . petéquias no palato mole. diferenciando do resfriado pela história. mas de pré escolar acima. Casos menos comum temos febre mto alta + descarga nasal purulenta por 3 -4 dias. FARINGITE AGUDA Não é doença de lactente. Quadro clínico da amigalite viral: inicio g radual. faringe vermelhada e as vezes com exsudato nas amígdalas. Patogênese: Rinosinusite viral >> Edema e inflamação >> Bloqueio da drenagem dos seios >> proliferação bacteriana Quadro clinico: Congestão e descarga Nasal com muita tosse. 25% dos pneumococos apresentação resistência á penicilina (por mudança de proteínas na capa do pneumococo). sintomas gripais (rinorreia. <2 anos). pode ter febre. Recorrencia: Checar aderência ao tratamento (completo para erradicação). Moraxella catarrhalis (20%). creche. Complicações: Supurativas (abscesso amgdaliano). geralmente 10 dias. linfonodos cervicais aumentados. Outra doença viral é a Coxsakievírus (herpangina) pacientes com amigdalite associados a úlceras e vesículas. Se houve falha usa-se: Amoxicilina + Clavulanato (dose dobrada ± pegar pneumococo parcialmente resistente). A pneumatização é lenta até a puberdade. tosse). febre reumática). raio-x e TC. Condições predisponentes: IVAS. fala a favor de estreptococo. bacteriana).

aureus e pseudômonas . otoscopia difícil (lactente). abaulamentos (mostra presença de líquido no ouvido médio). supurar (s. causa mais comum de prescrição de antibióticos. alta resistência. doença sub e superdiagnosticada Principal fator de risco: Pobreza (outros: idade <2anos. Falha terapêutica: aumentar dose de penicilina e tratar b -lactamicos COMPLICAÇÕES: cronificar.. Avaliação da mobilidade da membrana timpânica + sensível e especifico para determinar efusão no ouvido médio (teste da pêra). tumor. durante 10 dias. Trimetoprim + sulfa: não deve ser usado. hipertrofia de adenóid e. drenagem.OTITE MÉDIA AGUDA Doença mais prevalente na infância nos EUA. Drogas empregadas na diarréia: antisecretores: Racecadotril (tiorfan): As enterotoxinas. tubo de timpanostomia. PREVENÇÃO: Vacina heptavalente pneumococo. QUADRO CLÍNICO: febre. TRATAMENTO: primeira linha: Amoxicilina. muito tempo na posição horizontal. y . VIP e postaglandinas aumentam AMPc promovendo hipersecreção de água e Sais no lúmen intestinal y As encefalinas diminuem o AMPc. Lactente tem trompa menor e mais horizontal. Idade < 2 anos: menor resposta imunológica. otalgia. 3 funções relacionadas (ventilar para proteger. perfuração crônica (surdez). levando ao refluxo de secreção nasofaringea para o ouvido médio. infecção de tecidos adjacentes (mastoidites ± meringotomia + ATB venoso). cor perolada.parenteral). alérgicos: azitromicina. tecido linfóide mais abundante. atelectasia. otorreia purulenta Otoscopia: avaliar membrana timpânica: contorno. profilaxia com antibiótico(criança fora da creche). fatores da trompa de eutáquio (mais horizontalizado na criança). SEQUELAS: Timpanosclerose. exposição ao fumo e sexo masculino). Leite materno x fórmula ± quem mama peito tem menos otite Creche ± muito importante como fator de risco ETIOLOGIA: Mesmos da sinusite PATOGENESE: Trompa de Eustáquio. irritabilidade. levando a diarréia y O racecadotril reduz a secreção de água e sais por inibir as encefalinases. porém são inativadas rapidamente pela ação das encefalinases. eri tema (baixa especificidade). A denoidectomia (fonte de obstrução e de bactérias). Principais causas de Obstrução da Trompa de Eustáquio: IVAS.